Você está na página 1de 24

Artista multimídia,

em 2016 Linn encon-


trou na música mais
um espaço de luta
pela quebra de para-
digmas sexuais, de gê-
nero e corpo. O primei-
ro single, Enviadescer,
causou barulho pela sua
letra direta e um videocli-
pe que colocava travestis
e corpos feminilizados em posição de destaque. Este
seria o principal conceito transmitido por Linn ao longo
das próximas músicas divulgadas, como Talento e
Bixa Preta. Em 2017 a artista assumiu mais uma lin-
guagem artística lançando blasFêmea, seu primeiro
experimento audiovisual, cujo roteiro e direção também
são dela. E não parou por aí. Na mesma semana, Linn
abriu uma campanha de financiamento coletivo para a pro-
dução de Pajubá, seu disco de estreia, que teve sua meta
total extrapolada e foi lançado meses depois, em outubro
de 2017. Atualmente em tour com o álbum, dentro e fora
do Brasil, Linn vem se destacando também no cinema na-
cional, onde apareceu duas vezes em 2017: no longa Corpo
Elétrico, de Marcelo Caetano e no documentário Meu Corpo
é Político, de Alice Riff. A atriz também protagonizou a mais
recente campanha da marca Absolut, o single, videoclipe e
mural urbano Absolutas e foi indicada como Artista Revelação
no prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA)
de 2017. Nos shows, Linn da Quebrada é acompanhada pela
produtora musical BadSista, a cantora e persona Jup do Bairro,
a percussionista Dominique Vieira e o DJ Pininga.
FA C E B O O K

+80 mil seguidores


+1,5 milhão de pessoas
alcançadas em 2017 (números orgânicos)

I N S TA G R A M

+100 mil seguidores


+700 mil visualizações no stories
média de 520 mil impressões/semana
(números orgânicos)
YOUTUBE

+34 mil inscritos


+3.015.869 visualizações
(números orgânicos)

TWITTER

+16 mil seguidores


média de 300 mil impressões
em tweets por mês (números orgânicos)

SPOTIFY

+5 milhões de plays
média de 550 mil ouvintes por mês
+34 mil seguidores (números orgânicos)
Eu não faço música
para ser cantora, faço
música para ser ouvida”
Bixa Preta (ao vivo)

Show de lançamento PAJUBÁ


09/11/2017
Prêmios e Listas

se!
Aces
Women’s Music Prêmio SIM 2017 -
Event Awards 2017 by Vevo Semana Internacional da Música
Indicada na categoria Indicada na categoria
REVELAÇÃO DO ANO REVELAÇÃO DO ANO

Red Bull - A música The 50 Best Songs


em 2017 de A a Z by Latinx Artists in 2017
presente na letra L por seu presente com a música
trabalho e seu disco Pajubá Bixa Travesty

Prêmio da Associação Paulista


dos Críticos de Arte 2017
PRÊMIO APCA 2017 Indicada na categoria
REVELAÇÃO
Lembre-se que a
música também tem um
papel na produção dos
nossos corpos, afetos e
desejos. Por isso é alvo de
responsabilidade social”
C lipping
Cover_02_18_Layout 1 19.01.18 16:32 Seite 2

SIEGESSAULE WE ARE QUEER BERLIN


FEBRUAR 2018 • SIEGESSAEULE.DE

Berlinale-Premiere:
Sängerin Linn da Quebrada
im Film „Bixa Travesty“

Uma das revistas LGBTQ mais


antigas e com maior tiragem de
EXTRAVAGANZA! Berlim. Seu nome se deve à
Alles im Wandel: Die 68. Berlinale
Coluna da Vitória, que é um marco
Berlin macht’s richtig: Mehr Geld für die Community da cidade. A revista é mensal e
Burlesque-Superstar Dita Von Teese wäre gerne bisexuell é distribuída gratuitamente em
BERLINS MEISTGELESENES STADTMAGAZIN EXPANDED CONTENT IN ENGLISH
cafés, restaurantes e centros
LGBTQ por toda a Alemanha.
revista SIEGESSÄULE (Berlim)
02/2018
BILLBOARD PÚBLICO
(ESTADOS UNIDOS) (PORTUGAL)
03/02/2018 02/03/2018

TIME OUT RIMAS E BATIDAS


(PORTUGAL) (PORTUGAL)
21/02/2018 03/03/2018
revista ZITTY
11/2018

revista TIP BERLIN


06/2018
O ESTADO DE S. PAULO
08/01/2018
O ESTADO DE S. PAULO
08/01/2018
AMOR & SEXO
Rede Globo
02/03/2017
ÉPOCA LIBERDADE
01//2017 DE GÊNERO - GNT

REVISTA TRIP UOL MÚSICA


2017
VOGUE
28/07/2017
ROLLING STONE NOIZE
24/04/2017 14/04/2017

CARTA CAPITAL HUFFPOST BRASIL


Farofafá 06/10/2017
15/05/2017
Folha de
arte ensaio 23 São Paulo
música SERAFINA
31/07/2017

“Seja disciplinado e
atento às oportunidades.
Se alcançar o sucesso,
seja humilde sempre,
nunca tire o pé do chão.
O mundo dá voltas”
Elza Soares

“Lembre-se que a
música também tem um
papel na produção dos
nossos corpos, afetos e
desejos. Por isso é alvo de
responsabilidade social”
Linn da Quebrada

Premiada a voz do milênio


pela BBC, Elza, 79, abraçou
novos estilos no seu último
álbum, lançado em 2015.
Auto-definida como “bicha, preta,
trans e periférica”, Linn, 26,
angaria fundos para lançar seu
primeiro álbum, “Pajubá”
R A DA R
MÚSICA

QUEBRANDO

TUDO
Performer, atriz, bailarina, cantora
e compositora, Linn da Quebrada é uma diva
dos jogos de palavras e de uma estética que
define como “crua” por Marina Monzillo
A NOTÍCIA DA MORTE da atriz Rogéria, na noite ante- “São novas traduções para tradições que estão em contradi-
rior, estava em todos os portais. Desbravadora da visibilidade ção”, brinca, mais uma vez, com a língua portuguesa.
trans e do combate à homofobia, ela saiu de cena em um mo- Um dos clipes da cantora começa com um audio de
mento histórico, quando o mainstream não consegue mais WhatsApp, gravado pela mãe. Um recado de amor, carinho
ignorar a existência de uma rede de artistas que, no passado, e aceitação. O apoio familiar fez uma diferença na trajetória de
seriam marginalizados – como Pablo Vittar, Gloria Groove Linn, mas de modo diferente do que se pode imaginar a princí-
e Linn da Quebrada – e agora estão produzindo arte relevan- pio. “Tive de construir os apoios. Minha mãe teve medo.
te e acessível.“Celebro a existência de Rogéria, que nos mos- O mundo é hostil com pessoas como eu.Todas as minhas relações,
trou a possibilidade de sermos vistas. Burlou a expectativa de eu precisei cavar. Isso me fez persistente, menos conformada.”
vida de um travesti, provando que as estatísticas não são está- Criar sobre essas relações e a própria existência é o que, para
ticas”, comentou Linn da Quebrada em entrevista à Bazaar. ela, significa ser artista.“Todo mundo pode criar uma estética.
Neste mesmo dia, em São Paulo, a performer/atriz/bailarina/ Algumas pessoas reproduzem, outras criam, quando escolhem
cantora/compositora de 26 anos trabalhava na finalização as roupas que vão vestir, as pessoas com quem vão se relacio-
de seu primeiro álbum, Pajubá, financiado coletivamente e com nar, como falam. Optei por ser protagonista da minha própria
lançamento previsto para este mês. “Um disco plural, afro funk vida” diz, acrescentando que isso aconteceu no momento em
vogue experimental”, revela. Foi pelos singles Talento, Bixa Preta que se deu o direito à dúvida. “O mundo dá muitas respostas
e Enviadescer, disponibilizados no YouTube, que Linn, uma prontas, muitas certezas. A dúvida dá possibilidades.”
“bixa, trans, preta, periférica”, deu vários passos além das habi- E dentro de todo o processo de questionamento e inves-
tuais quebradas. Os funks de letras reais e sinceras sobre suas in- tigação sobre quem é, qual é sua imagem e seu corpo, há es-
quietações e experiências foram parar no programa Amor & paço para descobrir estilo e vaidade.“Ao me permitir ser es-
Sexo, da Rede Globo. Múltipla nas formas de se expressar, Linn tranha, fora dos padrões e entendendo a potência disso, fui
também expôs fotos e vídeos do seu projeto Blasfêmea, na mais também vendo o que considerava belo, o que me deixava
recente edição da SP-Arte. A próxima incursão é no cinema, confortável”, explica. Hoje ela descreve sua estética como
como atriz e corroteirista no documentário de longa-metra- “crua” e tem experimentado diferentes leituras do femini-
gem Bixa Travesty, de Claudia Priscilla e Kiko Goifman. no.“Como tenho transitado em tantos ambientes, tantos lu-
Chamam a atenção, em especial, os trocadilhos inteligentes gares, não há como sair ilesa, eles me influenciam.” Afinal,
e jogos de palavras que ela usa ao falar, em suas canções auto- “quebrada” também vem dos cacos a serem juntados para
rais e no próprio nome artístico. “Sempre fui atenta ao voca- ganhar novas formas.
bulário, encantada com as palavras, como são capazes de nos E o que Linn da Quebrada quer construir daqui para a
formar, nos construir”, explica a artista. Se a linguagem é viva, frente? “Diálogo, troca, pontes por meio da música, do cine-
Linn conclui que devia usá-la e transformá-la a seu favor. ma e do meu corpo.”
FOTO: VIVI BACCO

122 HARPER’S BAZAAR | OUTUBRO 2017

HARPER’S BAZAAR
RADAR_LINN.indd Todas as páginas 09/10/17 13:05

09/10/2017
ELLE BRAVO!
21/10/2017 19/10/2017

REMEZCLA REMEZCLA
10/2017 10/2017
ABSOLUTAS

Absolut Art Resistance


celebrou a causa LGBTQ+
com a ajuda das cantoras
Linn da Quebrada e As
Bahias e a Cozinha Mineira.
Elas criaram uma música
e videoclipe para a marca.
A cidade também
ganhou um mural sobre as
trajetórias das cantoras no
Minhocão, assinado pelo
artista Patrick Rigon.
Cinema
BIXA TRAVESTY
é um filme longa-metragem
dos premiados diretores
Claudia Priscilla e Kiko
Goifman. Traz em sua
história a trajetória da
cantora transexual Linn da
Quebrada e propõe ainda
um mergulho na cena
musical produzida por
artistas trans em São Paulo.
O filme traz uma atmosfera
singular da junção entre
ficção e documentário.

Vencedor de Melhor Documentário


(Teddy Award / Berlinale)

Selecionado para a Sessão Oficial Panorama


do Festival de Berlim/2018, concorrendo
com aproximadamente 20 mil filmes
CORPO ELÉTRICO
Direção: Marcelo Caetano

MEU CORPO É POLÍTICO


Direção: Alice Riff
Contatos

mclinn@sentidosproducoes.com
(11) 99649-1384
Redes @LinnDaQuebrada

FACEBOOK INSTAGRAM YOUTUBE TWITTER SPOTIFY

Você também pode gostar