Você está na página 1de 6

Referências:

Aula 01

SINGER,Paul. A crise do "milagre":interpretação crítica da economia brasileira. 5 ed.


Rio de Janeiro, Paz e terra, 1980.

IAMAMOTO, Marilda Villela. e Carvalho, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no


Brasil. São Paulo: Cortez/Celats, 1983.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social. São


Paulo: Cortez, 1992.

ESTEVÃO, Ana Maria Ramos. Que é serviço social. 6 ed. São Paulo:Brasiliense, 2005.

MACEDO, Mirtes Aguiar. Reconceituação do Serviço Social.São Paulo: Cortez,1986.

NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1991.

SILVA, Maria Ozanira da Silva.O Serviço Social e o Popular: um resgate teórico –


metodológico do projeto profissional de ruptura. São Paulo: Cortez, 2007.

Referências no Power point (aula 01):


ESTEVÃO, A.M.R. O que é Serviço Social. São Paulo: Brasiliense,2006. (Coleção
Primeiros Passos).

LOBÃO, Manifesto do Nada na Terra do Nunca.Rio de Janeiro:Nova fronteira, 2013.

CAVALET, SRR; DENARDI, C; DIRKEN, EC; HARO, MEN. O significado do


trabalho. Sanare – revista técnica da Sanepar 1999 jul-dez; 11(11). Acesso: [26 dez
2012] em: http://www.sanepar.com.br/ sanepar/sanare/v11/Significado/significado.html
CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL. Sobre a profissão de serviço social.
Texto elaborado pela Comissão de Orientação e Fiscalização Profissional (COFI,
CFESS), s/d. Acesso: [26 dez 2012] em: http://www.cress-
sc.org.br/servicosocial/profissao.php.

DEJOUR C. Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção 2004 set/dez; 14(3):27-


34.

ECCO, I. O ser professor como um trabalho sujeito a frustações: um diálogo com


Wanderley Codo. 2011. Acesso: [26 dez 2012] em:
http://www.webartigos.com/artigos/o-ser-professor-comoumtrabalho-sujeito-a-
frustracoes/76554/

GOERCK, C; VICCARI, EM. Assessoria: processo de trabalho do Serviço Social.


Revista Virtual
Textos & Contextos. Nº 3, ano III, dez. 2004. 10 p. Acesso: [26 dez 2012] em:
http://www.egem.org. br/
arquivosbd/basico/0.923308001253287651_modelo___relato_de_experiencia___model
o.pdf

GOMES ELR, ANSELMI ML, MISHIMA SM, VILLA TCS, PINTO IC, ALMEIDA
MCP. Dimensão histórica da gênese e incorporação do saber administrativo na
enfermagem. In: ALMEIDA MCP, ROCHA SMN, organizadoras. O trabalho de
enfermagem. São Paulo (SP): Cortez; 1997. p. 229-50.

IAMAMOTO, MV. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. São Paulo: Cortez, 2001.

MARX, K. O Capital. 14ª ed. São Paulo: Difel, 1994. v.1.

MATTOS, L. Trabalho, Sofrimento e Subjetividade : Abordagem Sócio-histórica.


Revista Inovação Tecnológica ,2011.jan/jun/1(1) : 4 -17
MENDES GONÇALVES, R. B. Práticas de Saúde: processos de trabalho e
necessidades. São Paulo: Centro de Formação dos Trabalhadores em Saúde da
Secretaria Municipal da Saúde, 1992 (Cadernos Cefor, 1 – Série textos).
VALENTE, JB; LEITE, APTT. Negação da subjetividade no trabalho: dilemas sobre a
saúde mental dos trabalhadores nas organizações produtivas. 9 p. Acesso: [26 dez 2012]
em: http://www.aedb.br/seget/ ap_23.html

PEDUZZI, M. Equipe Multiprofissional de Saúde: a interface entre trabalho e interação,


1998. Tese de Doutorado, Campinas: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade
Estadual de Campinas. 16

Aula 02
IAMAMOTO, Marilda Villela. e Carvalho, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no
Brasil. São Paulo: Cortez/Celats, 1983.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social. São


Paulo: Cortez, 1992.

MACEDO, Mirtes Aguiar. Reconceituação do Serviço Social.São Paulo: Cortez,1986.

NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1991.

SILVA, Maria Ozanira da Silva.O Serviço Social e o Popular: um resgate teórico –


metodológico do projeto profissional de ruptura. São Paulo: Cortez, 2007.

SINGER,Paul. A crise do "milagre":interpretação crítica da economia brasileira. 5 ed.


Rio de Janeiro, Paz e terra, 1980.

Referências no Power point (aula 02):

ESTEVÃO, A.M.R. O que é Serviço Social. São Paulo: Brasiliense,2006. (Coleção


Primeiros Passos).
LOBÃO, Manifesto do Nada na Terra do Nunca.Rio de Janeiro:Nova fronteira,2013.

CAVALET, SRR; DENARDI, C; DIRKEN, EC; HARO, MEN. O significado do


trabalho. Sanare – revista técnica da Sanepar 1999 jul-dez; 11(11). Acesso: [26 dez
2012] em: http://www.sanepar.com.br/ sanepar/sanare/v11/Significado/significado.html

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL. Sobre a profissão de serviço social.


Texto elaborado pela Comissão de Orientação e Fiscalização Profissional (COFI,
CFESS), s/d. Acesso: [26 dez 2012] em: http://www.cress-
sc.org.br/servicosocial/profissao.php.

DEJOUR C. Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção 2004 set/dez; 14(3):27-


34.

ECCO, I. O ser professor como um trabalho sujeito a frustações: um diálogo com


Wanderley Codo. 2011. Acesso: [26 dez 2012] em:
http://www.webartigos.com/artigos/o-ser-professor-comoumtrabalho-sujeito-a-
frustracoes/76554/

GOERCK, C; VICCARI, EM. Assessoria: processo de trabalho do Serviço Social.


Revista Virtual
Textos & Contextos. Nº 3, ano III, dez. 2004. 10 p. Acesso: [26 dez 2012] em:
http://www.egem.org. br/
arquivosbd/basico/0.923308001253287651_modelo___relato_de_experiencia___model
o.pdf

GOMES ELR, ANSELMI ML, MISHIMA SM, VILLA TCS, PINTO IC, ALMEIDA
MCP. Dimensão histórica da gênese e incorporação do saber administrativo na
enfermagem. In: ALMEIDA MCP, ROCHA SMN, organizadoras. O trabalho de
enfermagem. São Paulo (SP): Cortez; 1997. p. 229-50.

IAMAMOTO, MV. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. São Paulo: Cortez, 2001.
MARX, K. O Capital. 14ª ed. São Paulo: Difel, 1994. v.1.

MATTOS, L. Trabalho, Sofrimento e Subjetividade : Abordagem Sócio-histórica.


Revista Inovação Tecnológica ,2011.jan/jun/1(1) : 4 -17

MENDES GONÇALVES, R. B. Práticas de Saúde: processos de trabalho e


necessidades. São Paulo: Centro de Formação dos Trabalhadores em Saúde da
Secretaria Municipal da Saúde, 1992 (Cadernos Cefor, 1 – Série textos).

VALENTE, JB; LEITE, APTT. Negação da subjetividade no trabalho: dilemas sobre a


saúde mental dos trabalhadores nas organizações produtivas. 9 p. Acesso: [26 dez 2012]
em: http://www.aedb.br/seget/ ap_23.html

PEDUZZI, M. Equipe Multiprofissional de Saúde: a interface entre trabalho e interação,


1998. Tese de Doutorado, Campinas: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade
Estadual de Campinas

Aula 03

IAMAMOTO, Marilda Villela. e Carvalho, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no


Brasil. São Paulo: Cortez/Celats, 1983.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social. São


Paulo: Cortez, 1992.

ESTEVÃO, Ana Maria Ramos. Que é serviço social. 6 ed. São Paulo: Brasiliense, 2005.

MACEDO, Mirtes Aguiar. Reconceituação do Serviço Social. São Paulo: Cortez,1986.

NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1991.

SILVA, Maria Ozanira da Silva. O Serviço Social e o Popular: um resgate teórico –


metodológico do projeto profissional de ruptura. São Paulo: Cortez, 2007.
SINGER, Paul. A crise do "milagre": interpretação crítica da economia brasileira. 5 ed.
Rio de Janeiro, Paz e terra, 1980.

Você também pode gostar