Você está na página 1de 13

LAUDO TÉCNICO REFERENTE À CLASSIFICAÇÃO DE ÁREA DE

ATMOSFERAS EXPLOSIVAS
CONFORME NBR IEC 60079-10-1
PROCESSO: ADEQUAÇÃO A NR 20

RAUTER PRODUTOS QUIMICOS LTDA


Rua Paulo Zivi - N° 1135/1136 - Distrito Industrial de Gravatai
CEP 94045-430 - Gravataí - RS - Brasil
CNPJ: 92.661.453/0001-87

Resp. Técnico: Eng°. ADEMIR SILVA


CREA: 85014 RS

Revisão Data Descrição Revisor


0 28/05/19 Emissão inicial Danilo
Guaíba, 02 de Junho de 2019.

À
RAUTER PRODUTOS QUIMICOS LTDA
Rua Paulo Zivi - N° 1135/1136 - Distrito Industrial de Gravataí- Gravataí - RS

At: Silvia R. Gomes Muniz - Supervisora de Fábrica


silvia.muniz@rauter.com.br - (51) 3393-1572
Ref.: Classificação de área de atmosferas explosivas

Vimos pelo presente apresentar laudo técnico, referente à visita ás suas instalações
em sua unidade de armazenamento e processamento de produtos químicos em
Gravataí.

Apresentação do laudo.
O presente laudo é composto dos seguintes documentos:
1- Fluxograma operacional;
2- Laudo técnico, com informações referentes das zonas de riscos, e
3- Memorial de calculo com os critérios de enquadramento de classificação
conforme a norma, definição dos pontos de riscos, cálculos dos valores de
taxas de emissão, ventilação e volumes de riscos;
4- Desenhos detalhamento das zonas de riscos.

Permanecer ao dispor de V. Sas. Para quaisquer esclarecimentos que se fizerem


necessários.

Atenciosamente:
Daniel Ferreira Lima
Diretor Técnico
1. OBJETIVO:
O presente Laudo complementa os estudos e os desenhos de Classificação de
Áreas da Unidade da Rauter Produtos Químicos Ltda., localizada no Município de
Gravatai / RS, tendo como objetivo:

Definir as áreas com riscos de explosões, sua extensão e graus, e Servir como
parâmetro para a posterior verificação, adequação e/ou seleção dos tipos de
proteção dos equipamentos e materiais elétricos existentes e/ou a aplicar nestas
áreas, bem como as suas correspondentes formas de instalação.

2. LEVANTAMENTO DOCUMENTAL E FOTOGRAFICO


Visita e levantamento técnico na unidade de Gravataí, observando e fotografando as
áreas de processamento e armazenagem, bacia de tanqueamento e estação de
descarregamento de caminhões. Verificação de todos os dispositivos de envase e
distribuição e suas implicações no processo de segurança e saúde do trabalho e do
patrimônio.

2.1. Participantes:
2.1.1. Silvia R. Gomes Muniz- RAUTER
2.1.2. Daniel Ferreira Lima. DAFA
2.1.3. Danilo Luis Barcelos Gonçalves. DAFA

3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA:
3.1. Fluxograma Parque de Tanques 1 – 20195-DE-AS-001-V05-0-001- REV.1.

4. NORMAS TÉCNICAS:
 ABNT NBR IEC 60079-10-1(2016) - Atmosferas explosivas Parte10-1:
Classificação de áreas — Atmosferas explosivas de gás;
 N-2918 (2017) - Atmosferas Explosivas - Classificação de Áreas;
 NR – 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis;
 17505-2 (2006) - Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis -
Parte 2 - Armazenamento em tanques e em vasos;
 NR 10 - Segurança em instalações e serviços em eletricidade;

5. ÁREAS AVALIADAS:
Neste item apresentamos inicialmente uma descrição das áreas vistoriadas e
avaliadas para classificação. As áreas em análise neste processo estão abaixo
marcadas na planta de localização. Existem áreas futuras que deverão ser avaliadas.

Legenda:
 ÁREA 1 – ARMAZENAGEM E PROCESSAMENTO;
 ÁREA 2 – BACIA DE TANQUEAMENTO;
 ÁREA 3 - ESTAÇÃO DE DESCARREGAMENTO DE
CAMINHÕES.
4.1 – ÁREA 1 – ARMAZENAGEM, MISTURA E ENVASAMENTO:
Área constituída pelos seguintes setores:
 Mistura de produtos:
o Bocais e válvulas de distribuição de produtos químicos;
o Tanque de Mistura de produtos químicos:
o Sistema exaustão tanque de mistura;
 Envasamento de Tambores;
o Manifold de alimentação de tambores;
o Bomba de envase;
o Balança de pesagem de tanques;
o Sistema de exaustão de tambores;
 Deposito de Toneis Cheios:
 Deposito tambores vazios;
 Deposito de embalagens pequenas 1;
 Deposito de embalagens pequenas 2;
 Envasamento de latas de solventes;
 Carregamento de caminhões (tambores);
 Carregamento de caminhões tanque;

4.2 - ÁREA 2 – BACIA DE TANQUEAMENTO:


 Bacia e sistema de drenagem;
 Tanques de produtos químicos;
o Válvulas de alivio;
o Válvulas de drenagem;
o Bocais de inspeção;
 Tanques de reserva;
 Rede de alimentação e distribuição dos tanques;
4.3 – ÁREA 3 - ESTAÇÃO DE DESCARREGAMENTO DE CAMINHÕES:
 Rampa bacia de drenagem;
 Manifold, tubo de descarregamento;
 Descarregamento de caminhão tanque.

5.0 – PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENADOS E PROCESSADOS:


5.1 - Armazenagem, mistura e envasamento:

PRODUTO VOLUME(LT)
LAR CLEAN 2.200
METIL BUTIL 2.200
ACETATO DE BUTILA 8.000
SOLVENTE C-6 3.600
ISOPROPANOL 3.600
ACIDO ANIDRO 3.200
QUEROSENE 3.200
DIACETONA ALCOOL 3.200
AGUARRAS 3.200
THINNER 5.200
ALCOOL 3.200
ACETONA 3.200
TOLUNENO 3.200
XILENO 5.200
METANOL 3.200
CICLOEXANONA 32.000
THINER E SOLVENTE 32.000

5.2. – BACIA DE TANQUEAMENTO:


VOLUME
IDENTIFICAÇÃO MAT. INFLAM.
(LT)
TQ-1 METANOL 77.000
ALCOOL ETILICO
TQ-2 30.000
ANIDRO
ACETATO DE
TQ-3 45.000
AMILA
TQ-4 XILENO 10.000
TQ-5 TOLUENO 10.000
TQ-6 ACETONA 15.000
TQ-7 RESERVA 10.000
ALCOOL
TQ-8 10.000
HIDRATADO
DIACETONA
TQ-9 10.000
ALCOOL
TQ-10 ACETATO DE ETILA 5.000
TQ-11 EXXOL D-30 5.000
TQ-12 ISSOL R-9 10.000
AGUARRAS
TQ-13 25.000
MINERAL
TQ-14 RESERVA 5.000
TQ-15 SOLBRAX 150/300 25.000
TQ-16 BUTIL GLICOL 15.000
TQ-17 ISOPROPANOL 15.000
ACETATO DE
TQ-18 15.000
BUTILA
TQ-19 METILETICETONA 15.000
TQ-20 HEXANO 18.000

6. Localização e definições dos Fontes de Riscos e aberturas:


6.1 – Definição conforme: IEC 60079-10-1
 Fontes de riscos - Pontos com potencial risco de liberação de gases ou
vapores (Liquidos inflamáveis) em equipamentos.
 Fontes Primárias: A liberação de material inflamável não é prevista ocorrer em
condições normais de operação;
 Abertura classe B – Normalmente fechadas.
6.2. Área 1 - Mistura de produtos e Envase de tambores:
 Bocais e válvulas de distribuição de produtos químicos:
o 20 válvulas de DN= 3 Pol. (FONTE PRIMARIA)
 Tanque de Mistura de produtos químicos:
o Tubo de exaustão: DN=2 Pol. (FONTE PRIMARIA)
 Bocal de alimentação: DN= 3 Pol. (FONTE PRIMARIA)
 Envasamento de Tambores:
o Válvula de envase: DN= 1 Pol. (FONTE PRIMARIA)
 Bocal de exaustão: DN= 1 Pol. (FONTE PRIMARIA)
 Tambores – Situação de tombamento/derramamento: (FONTE
SECUNDARIA)
 Coletor do sistema de exaustão: (FONTE PRIMARIA)
 Envasamento de Latas de Solvente:
o Bocal de envasamento: DN=1 POL. (FONTE PRIMARIA)
6.3 – Classificação das aberturas dos bocais: (TODOS TIPO B)
7. Localização e definição das zonas de áreas classificadas:
7.1 – Classe de temperatura e zonas conforme: IEC 60079-10-1:
7.2 - Classe de Temperatura de auto-inflamação:
 Todas as áreas - Temperatura máxima 85°C – CLASSE T6;
7.3 – Zonas:
 ZONA 1 - Local onde a formação de uma mistura explosiva é provável de
acontecer em condições normais de operação do equipamento de processo;
 ZONA 2 - Local onde a formação de uma mistura explosiva é pouco provável
de acontecer e se acontecer é por curtos períodos estando ainda associada
a condições normais de operação do equipamento de processo;
7.4 - Área 1 - Mistura de produtos e Envase de tambores:
 Bocais e válvulas de distribuição de produtos químicos:
o 20 válvulas de DN= 3 Pol. (ZONA 1, T6);
 Tanque de Mistura de produtos químicos:
o Tubo de exaustão: DN=2 Pol. (ZONA 1, T6);
 Bocal de alimentação tanque mistura: DN= 3 Pol. (ZONA 1, T6);
 Envasamento de Tambores:
o Válvula de envase: DN= 1 Pol. (ZONA 1, T6);
o Bocal de exaustão: DN= 1 Pol. (ZONA 1, T6);
 Tambores – Situação de tombamento/derramamento; (ZONA 2, T6);
 Coletor do sistema de exaustão (ZONA 1, T6);
 Envazamento de Latas de Solvente:
o Bocal de envasamento: DN=1 POL. (ZONA 1, T6);
 Armazenagem em geral: (ZONA 2, T6);
6.3. Área 2 – Bacia de Tanqueamento:
 Bacia de drenagem (ZONA 2, T6);
 Tubulação e bocais de alimentação dos tanques – 3 Pol.(ZONA 1, T6);
 Bocal de alimentação – 3 Pol.(ZONA 1, T6);
 Válvulas de alivio - 1.1/4 Pol. (ZONA 1, T6);
 Bocais de drenagem - 2 Pol. (ZONA 1, T6);
 Bocais de inspeção – 24 Pol.(ZONA 1, T6);

6.4. Área 3 – Estação de descarregamento de caminhões tanque:


 Bacia de descarregamento (ZONA 2, T6);
 Bocal do manifold de descarregamento - DN=3 Pol. (ZONA 1, T6);
 Valvulas de descarreg. inferior do caminhão - DN=3 Pol. (ZONA 1, T6);

7.0 - Cálculos das emissões de vapores, vazões de ventilação e raio de Riscos –


VER MEMORIAL DE CALCULO EM ANEXO:
7.1 - Premissas para simplificação dos cálculos:
 Classe de temperatura: T6;
 Tipo de fonte: PRIMÁRIA;
 Classe dos bocais: Tipo B;
 Dimensões do orifício de vazamento: d = 1mm;
 Taxa de liberação mássica (Kg/s) através de um orifício/ou boca (emissões
sônica ou subsônicas);
 Uso de procedimento para múltiplas fontes primarias (IEC 60079-10-1).

8.0 – Localização das fontes e dimensões dos raios de riscos – VER DESENHOS
DE CLASSIFICAÇÃO DE AREA EM ANEXO.
9.0 – RISCOS NOS PROCESSOS E MELHORIAS NAS ÁREAS CLASSIFICADAS:
9.1. - ÁREA 1 – ARMAZENAGEM, MISTURA E ENVASAMENTO:
 O sistema de exaustão do tanque de mistura e balança de envasamento de
toneis, deverá ser estendido por completo para todos os 20 bocais de
enchimento do tanque de mistura;
 Verificar se todas as válvulas são do tipo API;
 A vazão do sistema de exaustão devera ser redimensionada para incluir estes
bocais;
 O equipamento de coleta do sistema de exaustão devera possuir um sistema
de recuperação de vapores para evitar jogar para atmosfera ou acumular no
interior do equipamento os vapores e líquidos inflamáveis;
 Todos os sistemas devem ser aterrados: tanques e estruturas;
 Verificar o sistema de aterramento para o caminhão tanque;
 O bocal de alimentação do caminhão tanque devera ser do tipo top loading
(Braço de carregamento) ou botton loading. – RISCOS DE
DERRAMAMENTO NO PISO;
 O equipamento de envase de latas devera possuir equipamento dedicado de
exaustão.
 Devera ter sistema de linhas de vida para carregamento de toneis e no
carregamento de caminhões tanque;

9.2- ÁREA 2 – BACIA DE TANQUEAMENTO:


 Todos os tanques deverão ser interligados no vent por um sistema de
recuperação de vapores;
 Todos os tanques deverão estar devidamente aterrados;
 Deverão ter passarelas metálicas leves para a manobra de interligação da
tubulação flexível de alimentação para o tanque;
 Verificar se as válvulas são do tipo API;
 Todos os tanques deverão ter placas de inspeção NR 13;
 Verificar o sistema de SPDA na área de tanqueamento;
9.3 - ÁREA 3 - ESTAÇÃO DE DESCARREGAMENTO DE CAMINHÕES:
 O bocal de alimentação do caminhão tanque devera ser do tipo top loading
(Braço de carregamento) ou botton loading.
 Verificar se o aterramento para o caminhão na casinha de recepção esta
interligado a malha geral ou possui hastes individuais com caixas de medição
equipotencial;
 Devera ter sistema de linhas de vida para descarregamento de caminhões
tanque no caso de trabalhos sobre o mesmo.
10. FOTOS DAS INSTALAÇÕES:
10.1 – AREA 1: ARMAZENAGEM, MISTURA E ENVASAMENTO:
10.2 – AREA 2: BACIA DE TANQUEAMENTO:
10.3 – AREA 3: ESTAÇÃO DE DESCARREGAMENTO DE CAMINHÕES: