Você está na página 1de 26

PLANOS E COMPOSIÇÃO

FOTOGRAMA: unidade mínima por segundo, cada fotografia.


TOMADA: é um conjunto de fotogramas, obtidos num único
disparo da câmera, é um trecho contínuo do filme.
ENQUADRAMENTO: composição de uma imagem limitada
pela área do fotograma.
PLANO: caracteriza o tamanho do ser humano no
enquadramento.
SEQUÊNCIA: é um conjunto de tomadas, organizadas de
forma narrativa. As tomadas de uma seqüência guardam,
entre si, algo em comum: o tempo e/ou espaço.
O distanciamento e a aproximação dos personagens
em relação à câmera estabeleceram o que na
linguagem do cinema chama-se plano.

Cada um possui uma capacidade narrativa, um conteúdo dramático próprio.

Permite que eles formem uma unidade de linguagem,


a significação decorre do uso adequado dos elementos descritivos
e/ou dramáticos contidos como possibilidades em cada plano.

Os planos se dividem em três grupos principais:


1) Ambientais
2) Expressão Corporal ou Diálogo
3) Psicológicos ou de Intimidade
1) AMBIENTAIS: PREDOMÍNIO DO AMBIENTE SOBRE A FIGURA HUMANA

PLANO GERAL (PG): descritivo, tem como principal função apresentar


o ambiente mostra uma grande amplitude de espaço. A figura humana
não é reconhecida, se perde, estará insignificante, perdida na vastidão
do plano. Ex: Cidade, estádio, paisagem.
1) AMBIENTAIS: PREDOMÍNIO DO AMBIENTE SOBRE A FIGURA HUMANA

PLANO DE CONJUNTO (PC): serve principalmente para mostrar a posição


e a direção dos personagens em cena. Determina melhor a figura humana,
embora ainda prevaleça o espaço. Ex: Praça, Fachada de edifício.
1) AMBIENTAIS: PREDOMÍNIO DO AMBIENTE SOBRE A FIGURA HUMANA

PLANO DE MEIO CONJUNTO (PMC): O grupo ou o ambiente prevalece


apesar da figura humana já poder ser reconhecida. A ação, no entanto,
não é visualizada nos mínimos detalhes Ex: Bar, interior de um salão.
2) EXPRESSÃO CORPORAL OU DIÁLOGO

PLANO MÉDIO (PM): Mostra o personagem de corpo inteiro.


Tem a função narrativa e valoriza a ação, uma vez que os
pormenores do cenário não estão totalmente visíveis.
2) EXPRESSÃO CORPORAL OU DIÁLOGO

PLANO AMERICANO (PA): Mostra o personagem dos joelhos para


acima, aproximadamente. Plano narrativo que, como o PM, valoriza
a ação em relação aos objetos e cenários.
2) EXPRESSÃO CORPORAL OU DIÁLOGO

MEIO PRIMEIRO PLANO (MPP): Busto de um ou mais personagens.


Mais utilizado para diálogos. Valoriza a emoção e parte da ação.
3) PSICOLÓGICOS OU DE INTIMIDADE

PRIMEIRO PLANO (PP): Também chamado de “close-up”, enquadra


a pessoa dos ombros para cima, o rosto. Valoriza o estado emocional,
a direção dos olhares, a intenção.
3) PSICOLÓGICOS OU DE INTIMIDADE

PRIMEIRÍSSIMO PLANO (PPP): chamado também de “Big Close-up”,


é um plano psicológico, onde o rosto do personagem (ou parte dele)
ocupa a tela. A ação não é percebida e, desta forma, canaliza a atenção
para o lado emocional, transmitido pela expressão facial do ator.
3) PSICOLÓGICOS OU DE INTIMIDADE

PLANO DE DETALHE (PD): Essa nomenclatura engloba todas as outras


possibilidades de enquadramento, por exemplo: objetos, animais, partes
do corpo humano que não do rosto. Pode também ter função indicativa,
como, por exemplo, um objeto importante na cena.
A utilização de vários planos em uma ação é colocada
pelo diretor para dar a ilusão de percepção real das coisas,
assim como acontece na realidade, com os movimentos
naturais de nossa atenção.

Os planos têm como função:

- Informar (todo plano tem um conteúdo)


- Estabelecer determinado tipo de relação com o espectador
- Orientar o olhar
- Criar clima dramático
- Criar contextos
COMPOSIÇÃO
Inter-relacionamento de elementos plástico dentro do enquadramento ou plano.

- Informa
- Atribui expressividade à cena
- A composição trás elementos carregados de significados e intenções
- Dirige o olhar do espectador
- Cria clima dramático e contexto significativo.
PERSPECTIVA: As fotografias são
bidimensionais: possuem largura e
comprimento, e para se conseguir o efeito
de profundidade é preciso que uma
terceira dimensão seja introduzida: a
perspectiva. Através da perspectiva, linhas
retas e paralelas dão a impressão de
convergir, objetos que encobrem
parcialmente a outros dão a sensação de
profundidade, e através do distanciamento
dos objetos temos a sensação de
parecerem menores.
REGRA DOS TERÇOS: Procura-se colocar o assunto principal
sempre na posição de 1/3 (Tanto na horizontal como na vertical)
do espaço disponível.
REGRA DOS TERÇOS
ÂNGULOS DE CÂMERA: Mais um
fator, que, somado à criatividade
proporciona efeitos que transmitem
significado. Quando se fotografa, por
exemplo, de cima para baixo,
oprimimos o assunto fotografado e de
baixo para cima acontece o inverso, o
assunto é exaltado. Ao inclinarmos a
câmera, de forma obliqua, cria-se uma
sensação de instabilidade no quadro.
MASSA: é o elemento visual que
ocupa áreas completas na tela. Pode
ser um personagem, um objeto de
cena, um quadro, um armário, um
cenário, enfim, um elemento que
visualmente chama a atenção por
ocupar um volume, um peso na
imagem. Nem sempre a massa
aparece sozinha na cena.
FORMAS E DESENHOS: o
desenho pode transformar-se em
tema, e introduzir ordem e ritmo
em uma foto que, sem ele, talvez
parecesse caótica. Formas podem
ser usadas para criar imagens
abstratas, subjetivas, ou para
desviar a atenção do assunto
principal de uma fotografia.
LINHA: são as linhas visíveis em uma
cena, proporcionadas pelo arranjo das
massas, agrupamento de pessoas, áreas
de transição entre um objeto de cena e
outro. As linhas determinam a
convergência da visão para o centro de
interesse ou divergem para fora do centro
de interesse. As linhas podem definir a
atmosfera da cena conforme seus
agrupamentos. Pode aumentar ou
diminuir a atenção ao centro de interesse.
TEXTURA: a textura e a forma espacial estão intimamente relacionadas,
entendendo-se como textura a forma espacial de uma superfície. É através
da textura que muitas vezes podemos reconhecer o material com o qual foi
feito um objeto que aparece na fotografia, ou podemos afirmar que em tal
paisagem o campo que aparece é gramado ou de terra. Uma fonte luminosa
mais dura, forte e lateral, irá privilegiar mais a textura, enquanto uma luz
mais difusa, indireta, suave, poderá fazer desaparecer uma textura ou
diminuir sua intensidade. A textura pode ser considerada um fator de
importância em uma fotografia, em virtude de criar uma sensação de tato,
em termos visuais, conferindo uma qualidade palpável à forma plana. Ela
não só nos permite determinar a aparência de um objeto, como nos dá uma
idéia da sensação que teríamos em contato com ele. Podemos, através da
luz, acentuar ou eliminar texturas, a ponto de tornar irreconhecíveis objetos
do cotidiano.
BALANÇO: arranjo de formas e cores, luz e sombra, formas simétricas
com formas assimétricas.
MÓDULO: repetição de formas no enquadramento.
ENQUADRAMENTO DENTRO DO
ENQUADRAMENTO: o assunto
principal aparece através de uma
moldura no primeiro plano. Ex: uma
árvore, entre objetos, uma janela,
etc.
FOCO: a composição é feita com partes nítidas e outras não nítidas,
desfocadas. Ou então é feita com todo o quadro nítido, criando uma
profundidade no enquadramento.

FUSÃO: acontece quando o objetivo principal está se sobrepondo a


outro do fundo, criando assim uma nova imagem que seguramente vai
alterar a idéia principal. Ex: um menino de rua no primeiro plano e um
outdoor cheio de comida ao fundo.
PLANOS Corte, enquadramento
FOCO Foco diferencial, desfoque, profundidade de campo
MOVIMENTO Em maior ou menor grau, estaticidade
FORMA Espaço
ÂNGULO Posição da câmera
COR Cores, gradação de cinzas
TEXTURA Impressão visual
ILUMINAÇÃO Luzes e sombras
ABERRAÇÕES Ótica e químicas
PERSPECTIVAS Linhas
EQUILÍBRIO E COMPOSIÇÃO Balanço, arranjo visual dos elementos