Você está na página 1de 17

MIDI E SINCRONISMOS

SOM I

Aula 1 (04/05/2009)
(levar: Korg X5, interfaces MIDI, ficha MIDI por soldar)

Objectivos
1. Entender a estrutura do MIDI como linguagem de controlo.
2. Reconhecer os vários tipos de mensagens MIDI e as suas particularidades.
3. Perceber o funcionamento das interligações MIDI e conseguir desenhá-las e implementá-las
num sistema de hardware.

Materiais
APRESENTAÇÃO: Apresentação Keynote sobre Instrumentos electrónicos.

APRESENTAÇÃO: Apresentação Keynote sobre MIDI.

WORKSHOP: Ligações de hardware com um Korg X5, Korg MS2000 e Waldorf Pulse.

WORKSHOP: Configuração de software com controladores MIDI.

APRESENTAÇÃO: Vídeos com alguns controladores sofisticados.

Plano de aula
1. 13:00 - 13:15 - Apresentação do módulo.
2. 13:15 - 14:30 - Apresentação keynote - instrumentos electrónicos. MIDI.
3. 14:30 - 14:45 - Intervalo para café
4. 14:45 - 15:00 - Demonstração de ligações entre várias superfícies de controlo e módulos de som.
5. 15:00 - 15:15 - Apresentação de vídeos sobre controladores alternativos.
6. 15:00 - 16:00 - Treino prático individual de configuração de ligações hardware. Instalação e
teste de controladores por software.

Vocabulário
MIDI
Definição: Musical Instrument Digital Interface: linguagem de comunicação digital e especificação
de compatibilidade de hardware que permite a criação de uma rede de transferência de informação
entre vários instrumentos e aparelhos electrónicos.
General MIDI
Definição: Normalização de números entre diferentes aparelhos (em bytes)
MIDI File
Definição: Ficheiro digital, compatível com a maior parte dos sequenciadores e estações de trabalho
áudio, que transporta apenas informação MIDI de controlo.
Sequenciador

PÁGINA 1 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Definição: Sistema de hardware ou software que é capaz de escrever informação MIDI em vários
canais em simultâneo e mutável através do tempo.
Ligação MIDI
Definição: Estabelecimento dos canais necessários para troca de informação entre dois aparelhos
compatíveis com a norma MIDI. A ligação pode ser física ou virtual. Do ponto de vista físico, os
conectores habituais para o protocolo MIDI eram os conectores DIN de 5 pinos, mas estes estão
progressivamente a ser complementados com ligações USB.
Controlador
Definição: Interface físico capaz de enviar eventos MIDI como resposta a interacções humanas.

Leituras recomendadas
PARA ACOMPANHAR: “Understanding Audio”, Daniel M. Thompson, Berklee Press 2005, pp.308-314.
(disponível na Mediateca)
PARA EXPLORAR: http://createdigitalmusic.com/

PARA EXPLORAR: http://midi.org/

PÁGINA 2 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Aula 2 (06/05/2009)
(levar: controlador Behringer, Wiimote)

Objectivos
1. Perceber o funcionamento básico do software Reason.
2. Dominar algumas noções base e vocabulário da síntese subtractiva.
3. Entender o MIDI como uma linguagem numérica série, em que a compreensão do protocolo é
independente do tipo de controlador e meio.

Materiais
WORKSHOP E PRÁTICA: Computadores com Reason e controladores da Edirol.

APRESENTAÇÃO: Controlo alternativo de objectos com MIDI, controlo alternativo de síntese com
inputs não convencionais - uma introdução a Max/MSP e à visualização numérica de dados.

Plano de aula
1. 13:00 - 13:30 - Configuração do Reason para funcionar com controladores externos.
2. 13:30 - 14:45 - Breve configuração do Subtractor e explicação dos parâmetros, controlo dos
parâmetros em tempo real com o “MIDI LEARN”
3. 14:45 - 15:00 - Intervalo para café
4. 15:00 - 16:00 - Apresentação de software de programação por objectos - utilização de MIDI de
formas alternativas:
1. Controladores MIDI definem velocidade de um vídeo.
2. Notas MIDI alteram cores no ecrã.
3. Abanar o computador produz notas aleatórias.
4. Teclas alfanuméricas mexem faders de um controlador MIDI.
5. Controlo da Wii afecta parâmetros de um softsynth.

Vocabulário
Oscilador
Definição: Sistema capaz de produzir uma forma de onda sonora relativamente simples.
Filtro
Definição: Bloco de um sintetizador responsável por alterar a resposta de frequências produzida
pelo oscilador.
Amplificador
Definição: Sistema capaz de controlar a amplitude da voltagem produzida pelo oscilador ao longo
do tempo
Envelope

PÁGINA 3 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Definição: Descrição temporal da evolução de um parâmetro relativo ao som. Pode aplicar-se a um


oscilador, onde modula o tom ao longo do tempo, a um filtro, onde tipicamente modula a
frequência de corte ao longo do tempo ou a um amplificador onde modula a resposta de volume ao
longo do tempo. Um envelope funciona em etapas definidas e não é oscilatório (não repete)
LFO
Definição: Oscilador de baixas frequências, modula um parâmetro ao longo do tempo, mas de uma
forma cíclica, de acordo com uma forma de onda
Modulação
Definição: Alteração temporal de um parâmetro.
Note Event
Definição: Um dos eventos MIDI, tipicamente utilizado para definir uma nota (tom). Constituído
por Note number (código numérico para cada nota musical) Velocity (intensidade com que a nota é
atacada, e MIDI Channel (1-16, o canal de transmissão).
Continuous Controller
Definição: Um dos eventos MIDI, utilizado para alterar parâmetros de uma forma contínua.
Constituído por Controller Number (o código numérico do controlador), Controller Value (o valor
entre 0-127) que o controlador tem no momento, e MIDI Channel (1-16, o canal de transmissão).
Program Change
Definição: Um dos eventos MIDI, utilizado para mudar entre programas (colecções grandes de
parâmetros). Constituído por Program Change (o número do programa, de 0-127), MIDI Channel
(1-16, o canal de transmissão).
Objectos Max/MSP usados nos exemplos:
notein: lê notas MIDI que entram no computador.
ctlin: lê eventos de controlador contínuo que entram no computador.
pgmin: lê eventos MIDI de mudança de programa que entram no computador.
toggle: botão com dois estados: ligado e desligado.
metro: metrónomo. Envia repetidamente uma mensagem pela sua saída que obriga à execução de uma tarefa repetida.
jit.qt.movie (mensagens: read / rate): lê e controla um ficheiro de vídeo em formato quicktime.
number: caixa de visualização (e edição) numérica.
scale: pega em números entre dois valores e redimensiona-os para que fiquem entre outros dois valores.
jit.pwindow: janela de vídeo.
________________________________________________________________________________
pack: junta vários números numa lista.
panel (mensagens: bgcolor): objecto meramente decorativo, permite uma definição estética para um fundo.
________________________________________________________________________________
aka.bookmotion: objecto externo para mac - lê os dados do sensor de movimento interno.
abs: pega no número que entra e, se for negativo, retira-lhe o sinal menos.
+: soma um número a outro.
noteout: envia notas MIDI para o exterior.
________________________________________________________________________________
key: lê informação sobre a tecla do teclado qwerty que foi premida.
select: compara os números que entram para determinar se são iguais aos que tem em memória. Se forem iguais envia
uma notificação pela saída correspondente.
*: multiplica um número por outro.
ctlout: envia controladores contínuos para o exterior.
________________________________________________________________________________
PÁGINA 4 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS
MIDI E SINCRONISMOS SOM I

aka.wiiremote (mensagens: connect / disconnect): objecto externo, lê os dados de um controlo remoto da wii.
route: semelhante ao select, mas em vez de enviar apenas uma notificação, envia os dados correspondentes.
unpack: oposto do pack. Pega numa lista e separa-a em valores numéricos individuais.

Leituras recomendadas
PARA APROFUNDAR MAIS TARDE: “The Computer Music Tutorial”, Curtis Roads, MIT Press, 1996.
(disponível na Mediateca)
PARA APROFUNDAR MAIS TARDE: “Composing Interactive Music: Techniques and Ideas Using Max”,
Todd Winkler, MIT Press, 2001.
PARA EXPLORAR: http://www.cycling74.com

PARA EXPLORAR: http://puredata.info/

PÁGINA 5 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Aula 3 (11/05/2009)
Objectivos
1. Entender a integração MIDI em Pro Tools do ponto de vista de produção musical
2. Dominar a capacidade de gravar e reproduzir MIDI em Pro Tools usando diversos meios.
3. Conseguir editar linhas sintetizadas directamente no editor do Pro Tools

Materiais
WORKSHOP E PRÁTICA: Computadores com Pro Tools, Reason e controladores da Edirol.

Plano de aula
1. 13:00 - 14:00 - Configuração e gravação de MIDI em Pro Tools.
2. 14:00 - 14:15 - Intervalo para café.
3. 14:15 - 15:00 - Edição MIDI em Pro Tools.
4. 15:00 - 15:15 - Protocolo Rewire e integração com Reason.
5. 15:15 - 16:00 - Exercício prático de edição de reprodução auditiva de um exemplo usando o Pro
Tools a controlar o SubTractor.

Tópicos
CONFIGURAÇÕES
1. Diferenças entre uma pista MIDI e uma pista de
Instrumento.
2. Apresentação do “piano roll” (funciona um pouco
como o piano do velho oeste).
3. Estratégia antiga: usar uma entrada auxiliar para
entradas de teclados externos ou instrumentos
virtuais.
4. Definições MIDI e definições I/O.
5. Armação de gravação numa pista.
6. Escolha de entradas na pista.
7. Escolha de saídas da pista, mudança de
instrumento, mudança de patch dentro do mesmo 6. Escolha de entradas na pista
instrumento.

8. Processo de configuração MIDI no Mac:


I. Instalar os drivers se for o caso.
II. Ir ao audio-midi setup.
III. Em midi devices, criar um instrumento, dar uma vista de olhos às opções.
IV.Estabelecer a ligação com cabos (é um diagrama abstracto, não corresponde à
realidade).

PÁGINA 6 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

9. Processo de configuração MIDI no PC:


I. Embutido no Pro Tools (setup -> midi studio setup)
II. Criar um instrumento novo e definir configurações.

GRAVAÇÃO
10. Midi Input Enable e as suas possibilidades.
11. Ver o patch de programas e escolher entre programas.
12. Usar o change para configurar um teclado -> para criar um
novo é melhor criar uma cópia e editá-la.
13. Uma experiência com MIDI Thru (Options -> Midi Thru) e local
control. 11. Ver o patch de programas e
escolher entre programas
14. Filtrar alguns eventos (Setup -> MIDI -> Input filter).
15. Gravar MIDI directo.
16. Configurar uma pista de metrónomo.
17. Reparar que as gravações ficam na MIDI regions List.
18. Configurar o MIDI merge (transport window).
19. Fazer gravações em MIDI merge.

20. Gravar em loop playback mode com MIDI merge.


21. “Wait for note” espera para começar a gravar. 21 Wait for note espera para
começar a gravar
22. Input Quantize (Event -> Event Operations -> Input Quantize). Gravar
vs Ouvir.

EDIÇÃO
23. Ferramenta de movimento (dependência do modo de edição).
24. Shift+click, ou rectângulo de selecção ou selector para mudar várias notas de sítio.
25. Trim tool: Permite alterar os ataques e os releases.
26. Smart Tool: faz tudo. Usando Command (ou ctrl) tenho o rectângulo de selecção.
27. Pencil Tool: escreve notas. Com “alt” apaga notas. Click & hold aumenta ou diminui o
tamanho da nota a usar.
28. Tamanho da nota depende da grid.
29. Variações da Pencil Tool.
30. Custom duration na pencil tool.

31. Velocity: no track view pop up menu. Ver os controladores disponíveis e a


possibilidade de adicionar mais.
32. Como funciona a edição de velocity no Pro Tools. Selecção múltipla e trim tool
33. Copiar tudo resulta numa cópia de todas as propriedades. Na cópia alterar com a line
tool para matar as velocidades. Testar isso contra a random tool. Feeling e
programação.
34. Costumizar os valores do sustain.

35. Aumentar a resolução vertical: com a barra de ferramentas.


36. Editar MIDI com regions view para determinar uma
sequência musical. alterna entre note view e region view.
37. alt+arrasta faz uma cópia. 35 Aumentar a resolução vertical:
com a barra de ferramentas.
38. Implementação de alterações dentro das regiões e
consequências nas regiões iguais (Mirror MIDI Editing).

TEMPO E COMPASSO:

PÁGINA 7 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

39. Alteração do tempo no transport (manual) - tap tempo com a tecla “t” seleccionado o
tempo actual vs tempo track vs insert tempo.

40. Operações sobre o time: Move song start, cut time, insert tempo.
41. Operações sobre o tempo: constante, linear, parabólico, etc....
42. Operações MIDI: quantização, groove,etc....

EXTRAS:
43. Midi Real Time Properties (diferença entre track e regions).
44. MIDI Event List.
45. Ticks vs Samples.
46. Step Input.
47. Cópia de automatizações (ctrl+cmd+v -> tipos diferentes de automatização).
48. MIDI vs PrintToTrack.
49. Automatização de parâmetros de efeitos.
50. Um MIDI comanda várias pistas (ctrl+cmd+ escolher outra pista).
51. Integração do Reason.

Leituras recomendadas
PARA ACOMPANHAR: “Pro Tools 7 Session Secrets”, Scott Hirsch e Steve Heithecker, Sybex, 2006;
pp. 43 - 85
PARA EXPLORAR: http://www.digidesign.com
PARA ACOMPANHAR: http://duc.digidesign.com

PÁGINA 8 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Aula 4 (13/05/2009)
Objectivos
1. Entender a integração MIDI em Cubase do ponto de vista de produção musical .
2. Dominar a capacidade de gravar e reproduzir MIDI em Cubase usando diversos meios.
3. Conseguir editar linhas sintetizadas directamente nos editores do Cubase.
4. Perceber as vantagens do Cubase sobre o Pro Tools a nível de flexibilidade de edição MIDI -
Drum Editor, Score Editor, possibilidade de editar várias partes em simultâneo.

Materiais
WORKSHOP E PRÁTICA: Computadores com Cubase, Reason e controladores Edirol.

Plano de aula
1. 13:00 - 13:45 - Configuração e gravação de MIDI em Cubase.
2. 13:45 - 14:45 - Edição MIDI em Cubase.
3. 14:45 - 15:00 - Intervalo para café.
4. 15:00 - 15:15 - Protocolo Rewire e integração com Cubase.
5. 15:15 - 16:00 - Exercício prático de programação de bateria com o LM7 e baixo com o Reason
para acompanhar os ficheiros conseguidos na aula anterior.

Tópicos

MIDI SETUP
Devices -> Device Setup.

GRAVAÇÃO MIDI:
- Click (no transport), e precount (no transport).
- Tempo do precount definido em Transport -> Metronome Setup.
- Automatic Quantize -> transport autoQ.
- Gravação em loop com merge.

Activa e desactiva o metrónomo.

Activa a pré-contagem (para preparar o músico para a gravação).

Activa a quantização automática que vai permitir que as notas fiquem certas com
o tempo, usando a subdivisão definida em “quantize”.

Midi Merge -> Forma como a gravação sobre notas pré-existentes afecta o
material que já estava gravado.

PÁGINA 9 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

EDIÇÃO MIDI

O key Editor é acessível com um duplo-clique numa parte MIDI. Divide-se em quatro
zonas. A zona de ferramentas:

A zona de informação (só está activa quando o terceiro botão da barra de ferramentas o
define):

O piano roll, onde vemos a informação relativa às notas:

E a zona dos controladores, para visualização e edição de controladores contínuos e


automatização de parâmetros de efeitos:

Solo editor - Permite ouvir exclusivamente a pista que estamos a editar.

Acoustic Feedback - Ao premir uma nota, permite-nos ouvi-la.

Show Info - Mostra e esconde a barra de informação.

Object Selection - Permite alterar a nota ou a duração da nota.

Draw - Permite desenhar notas.

Erase - Apaga notas.

Ferramenta alterável entre cinco modos: permite editar controladores ou parâmetros de


efeitos de acordo com as definições do “quantize”. Permite ainda inserir notas muito
rapidamente de acordo com as definições do “quantize” e do “length Q”.

Show Part Borders - Permite ver apenas dentro dos limites da região, e redesenhar esses
limites sem apagar as notas.

Edit Active Part Only - Restringe a edição ao interior da parte que está seleccionada na
“part list”.

Snap - Activa ou desactiva a quantização.

PÁGINA 10 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Snap Type - Define o modo de quantização.

Quantize - Define o intervalo mínimo entre dois eventos quantizados.

Length Quantize - Define a duração de cada nota introduzida.

Step Quantize - Introdução de notas passo a passo.

Escolha de que evento é que o cubase está a escutar durante o step input: notas, velocity,
ou note off.

Inserir nota no meio de notas previamente gravadas.

Botão que define como as cores são distribuídas (uma cor por parte, uma cor por canal,
etc...).

- Edição de várias partes em simultâneo, ou vários canais em simultâneo: O cubase é


bastante mais poderoso do que o Pro Tools nesta opção.
- Edição de várias notas em simultâneo e de parâmetros com as várias formas do Line
Tool.
- Pistas para controlador -> criadas ou apagadas com um right-click no canto inferior
esquerdo.

AUTOMATIZAÇÃO
- Desenhada com o lápis ou com as variações da ferramenta de linha.
- Preferences -> Editing -> Automation Reduction Level.


- Automatização de mais do que um parâmetro
- Para as variações da linha a frequência de variação depende do “quantize”. Utilizar a
tecla ctrl (command em mac) permite alterar a fase.
- Torna activa ou inactiva a leitura da automatização.
- Edit -> Automation Follows Events: permite que a automatização permaneça no mesmo sítio ou
se mova com movimentos feitos às regiões.

Automatização de parâmetros de efeitos:


Todos os plug-ins têm os ícones para activar a leitura e escrita de
automatização. A partir do momento em que a automatização é escrita, aparece como
parâmetro na automatização de pista.

DRUM EDITOR
O mais interessante a nível do drum editor é podermos escolher níveis de
quantização diferentes para cada elemento, o que torna a edição muito rápida
(ctrl+escolha: muda todos).
Outra propriedade interessante é o facto do que aparece na zona de
controladores depender da nota seleccionada.
Os Drum Maps podem ser costumizados nota a nota.

PÁGINA 11 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

SCORE EDITOR
Permite visualizar a pauta do conteúdo MIDI, ou editar MIDI através de notação.
O ponto de inserção da nota depende do “quantize” e a duração da nota depende do valor
de nota escolhido.
ctrl+click no símbolo de uma nota transforma todas as notas seleccionada na nota da
duração escolhida.
Duplo clique mesmo antes da armação de clave acede as propriedades da pauta, onde
podemos escolher opções como “split” para criar pautas de piano, “display transpose”
para alterar o pitch da visualização, e “display quantize” para alterar a distribuição da
visualização - vale a pena gravar um take de piano e flauta e corrigir o resultado visual.

MIDI DEVICE MANAGER


Devices -> Midi Device Manager: permite-nos juntar sintetizadores de forma a que os bancos de
sons fiquem correctos.
Podemos também editar um painel costumizado para os nossos instrumentos de
hardware.

MIDI FUNCTIONS

Legato: Junta fins de notas com o início


da nota seguinte
Fixed Lengths: Aplica a todas as notas
seleccionadas a duração que está
visível em “length quantize”.
Delete... : Apaga informação específica
através de filtros.
Restrict Polyphony: Reduz o número de
notas que ocorrem simultaneamente
Reverse: Inverte todas as notas
temporalmente.

REWIRE
Devices -> Reason: Activa o Rewire com o Reason, as duas aplicações ficam em sincronismo
absoluto.
Abrindo várias pistas de Reason podemos re-misturar em cubase vários outputs do
Reason (testar com um template de Reason).
Podemos também controlar um instrumento do Reason através de MIDI editado no
Cubase.

TEMPO TRACK
O andamento do Cubase pode ser fixo ou depender da faixa de
tempo.
Para aceder à faixa de tempo podemos fazer ctrl+click sobre o botão
de tempo no transport.

PÁGINA 12 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Por baixo da barra temporal temos as definições de mudança de compasso. Alterar o


compasso é feito premindo a zona onde se quer fazer a mudança e alterando na caixa de
“time signature”.

Leituras recomendadas
PARA EXPLORAR http://www.steinberg.net/

PÁGINA 13 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Aula 5 (15/05/2009)
(levar: Behringer)

Objectivos
1. Expandir as possibilidades de controlo interno: portas virtuais em áudio e MIDI.
2. Perceber o formato do ficheiro MIDI e dominar o transporte de informação de controlo entre
sistemas Pro Tools e Cubase.
3. Entender a integração de controladores para workstations no fluxo de trabalho com Pro Tools
e Cubase.

Materiais
WORKSHOP E PRÁTICA: Computadores com Pro Tools, Cubase, Reason e controladores Edirol.

WORKSHOP E PRÁTICA: Acesso a um controlador simples da Behringer.

Plano de aula
1. 13:00-13:30 - Portas virtuais áudio e MIDI: exemplos de controlo de DAWs com a porta virtual
do MAX. O audiomidi setup em Mac. Fluxo de trabalho com o Soundflower.
2. 13:30-14:00 - Demonstração de configuração de um controlador em Cubase e em Pro Tools.
Durante o resto da aula o controlador passará entre os alunos.
3. 14:00-14:15 - Intervalo para café.
4. 14:15-14:30 - Passagem de ficheiros entre DAWs com MIDI files. MIDI files na internet.
5. 14:30-16:00 - Exercício de insonorização de um filme com samples residentes no Reason.

Leituras recomendadas
PARA EXPLORAR MAIS TARDE: “Sound Synthesis and Sampling”, Martin Russ, Focal Press 2002, pp:
330-353.
PARA ACOMPANHAR: http://cycling74.com/products/soundflower
PARA ACOMPANHAR: http://www.behringer.de

PÁGINA 14 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Aula 6 (18/05/2009)
(levar: dois interfaces MIDI)

Objectivos
1. Compreender os vários sistemas de sincronismo e ter a experiência de um sincronismo via
MIDI TIME CODE.
2. Conhecer o interface MIDI do estúdio de som (MIDI Timepiece A/V).

Materiais
APRESENTAÇÃO: Keynote sobre sistemas de sincronismo A/V e sincronismo entre workstations.

WORKSHOP E PRÁTICA: Computadores com Pro Tools, Cubase e placas MIDI.

WORKSHOP E PRÁTICA: Estúdio com Pro Tools e MIDI Timepiece A/V.

Plano de aula
1. 13:00 - 13:30 - Apresentação Keynote sobre sistemas de sincronismo.
2. 13:30 - 14:00 - Configuração em ambiente de turma de pares sincronizados de workstations com
Cubase e Pro Tools.
3. 14:00 - 14:15 - Intervalo para café.
4. 14:15 - 15:00 - Apresentação à placa MIDI do estúdio de som, com opções várias de sincronismo
e entradas e saídas múltiplas.
5. 15:00 - 16:00 - Revisões e dúvidas para o teste.

Vocabulário e Comandos de Programação


MTC
Definição: (MIDI Time Code) Conjunto de mensagens Sysex que definem um tempo para
sincronismo. A unidade do relógio é dada por quartos de frame, sendo que a duração da frame está
adaptada à norma que se segue (24 por segundo em cinema, 25 em PAL, 30 em NTSC).
SMPTE
Definição: (Society of Motion Picture and Television Engineers) Identificação binária de um
sistema de definição de tempo em horas : minutos ; segundos : frames, gerada por uma máquina
para que outras máquinas a sigam em perfeito sincronismo.
Wordclock
Definição: Sinal de relógio para sincronismo. Mantêm uma taxa de transferência absolutamente
constante de forma a evitar erros nos dados.
MMC
Definição: (MIDI Machine Control) Protocolo de transporte que permite controlar as funções
play, stop, pause, rec, etc. Este protocolo é um subsistema do protocolo MIDI e usa eventos Sysex.

PÁGINA 15 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Master
Definição: Num sistema de sincronismo, é a máquina que gera o sinal de relógio e as informações
de Timecode.
Slave
Definição: Num sistema de sincronismo, é a máquina que segue o tempo do Master.

Leituras recomendadas
PARA ACOMPANHAR: “Modern Recording Techniques”, David Miles Huber Focal Press 2005, pp:
371-391.
PARA EXPLORAR: http://www.motu.com/products/midi/mtpav_usb/

PÁGINA 16 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS


MIDI E SINCRONISMOS SOM I

Aula 7 (20/05/2009)
Objectivos
1. Avaliação

Plano de aula
1. 13:00 - 14:30 - Teste Escrito
2. 14:30 - 15:00 - Correcção

PÁGINA 17 DE 17 DURAÇÃO: 3 HORAS