Você está na página 1de 2

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais


Pastor Presidente: Aílton José Alves
Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - Recife-PE / CEP. 50.040.000 Fone: 3084.1524 / 3084.1543

LIÇÃO 03 – O CHAMADO PROFÉTICO DE SAMUEL - 4º TRIMESTRE DE 2019


(1 Sm 3.1-10)

INTRODUÇÃO
Nesta lição traremos uma definição da palavra profeta, uma das expressões principais desta aula; pontuaremos
também, alguns aspectos importantes sobre o chamado profético de Samuel; destacaremos algumas das diferenças entre o
profeta no Antigo Testamento e a figura do profeta no Novo Testamento; e por fim, veremos o que a Bíblia ensina sobre
profeta como um dom ministerial e o dom de profecia .

I – DEFINIÇÃO DA PALAVRA PROFETA

1.1 No Antigo Testamento. A palavra hebraica para profeta é: “nabi”, que vem da raiz verbal “naba”. Essa palavra
significa: “anunciador”, e por extensão, “aquele que anuncia as mensagens de Deus, frequentemente recebidas por
revelação ou discernimento intuitivo”. Os termos hebraicos “roeh” e “hozeh” também são usados e significam “aquele
que vê”, ou seja, “vidente”. Todas as três palavras aparecem em 1Cr 29.29. “Nabi” é termo usado por mais de trezentas
vezes no Antigo Testamento, alguns poucos exemplos são (Gn 20.7; Êx 7.1; Nm 12.6; Dt 13.1; Jz 6.8; 1Sm 3.20; 2Sm 7.2;
1Rs 1.8; 2Rs 3.11; Ed 5.1; Sl 74.9; Jr 1.5; Ez 2.5; Mq 2.11) (CHAMPLIN, 2004, p. 423).

1.2 No Novo Testamento. A palavra comumente usada é: “prophétes”, que aparece por cento e quarenta e nove vezes,
que exemplificamos com (Mt 1.22; 2.5,16; Mc 8.28; Lc 1.70,76; 7.16; Jo 1.21,23; 3.18,21; Rm 1.2; 11.3; 1Co 12.28,29;
14.29,32,37; Ef 2.20; Tg 5.10; 1Pe 1.10; 2Pe 2.16; 3.2; Ap 10.7; 11.10). O substantivo “propheteía”, “profecia”, é usado
por dezenove vezes no NT (Mt 13.14; Rm 12.6; 1Co 12.10; 13.2,8; 14.6,22; 1Ts 5.20; 1Tm 1.18; 4.14; 2Pe 1.20,21; Ap
1.3; 11.6; 19.10; 22.7,10,18,19). Essas palavras derivam do grego: “pro”, “antes”, “em favor de”; e, “phemi”, “falar”, ou
seja, “alguém que fala por outrem”, e por extensão, “intérprete”, especialmente da vontade de Deus (CHAMPLIN, 2004,
p. 424).

II – O CHAMADO PROFÉTICO DE SAMUEL


O registro de Atos 3.24 está escrito: “E todos os profetas, desde Samuel, todos quantos depois falaram, também
anunciaram estes dias”, indicando que Samuel foi o primeiro de uma nova ordem ou linhagem de profetas. Vejamos
algumas considerações sobre seu chamado:

2.1 O tempo do chamado. Assim como o profeta Jeremias foi chamado para exercer o ministério profético ainda muito
jovem (Jr 1.1-6), a convocação de Deus para a vida de Samuel se dá no momento de sua tenra idade (1Sm 3.4). Por essa
época, provavelmente Samuel já era um adolescente; mas o texto sagrado nada revela sobre a idade dele por ocasião da
visita divina. O termo hebraico “na’ar” empregado aqui (1Sm 3.1), pode falar de uma criança de qualquer idade, desde um
infante recém nascido (1Sm 4.21) até um homem de 40 anos (ver 2Cr 13.7). Fávio Josefo disse que Samuel, por essa
época, tinha 12 anos de idade (CHAMPLIN, 2001, p. 1136). Era aos 12 anos que um menino israelita se tornava filho da
lei, passando a ser considerado pessoalmente responsável por obedecer e seguir aquele documento (Lc 2.39). Fica portanto
claro no chamado de Samuel, que as escolhas de Deus para o serviço sagrado são baseadas em sua soberania, e não estão
restritas a status, capacidade ou mesmo idade (1Sm 16.11-13; Am 7.14,15; Mc 3.13).

2.2 O contexto espiritual do chamado. Este era um período de declínio espiritual na nação de Israel (Jz 21.25). Além do
exemplo negativo dos filhos do sacerdote Eli (1Sm 2.17,22-24) naqueles dias a revelação de Deus era algo raríssimo: “[…]
E a palavra do SENHOR era de muita valia naqueles dias; não havia visão manifesta” (1Sm 3.1) de modo que, assim
como suas reiteradas manifestações eram consideradas um sinal de favor e aprovação (Os 12.10), pouca frequência destas
revelações era um sinal de desaprovação por parte do Senhor (Sl 74.9; Lm 2.9; Ez 7.26; Am 8.11). É em meio a esta
realidade que: (a) Samuel ouve a voz de Deus: “o SENHOR chamou a Samuel [...]” (1Sm 3.4), (b) a presença de Deus é
revelada: “Então, veio o SENHOR e ali esteve [...]” (1Sm 3.10) e, (c) Samuel recebe a mensagem de Deus: “E disse o
SENHOR a Samuel: Eis aqui vou eu a fazer uma coisa em Israel” (1Sm 3.11). O jovem profeta é levantado por Deus em
tempos de crises, para mudar aquele ambiente hostil (1Sm 3.21).

2.3 O reconhecimento do chamado. O crescente reconhecimento, entre o povo de Israel, de que o Senhor estava com
Samuel e fazia dele o Seu porta-voz, está indicado no seguinte texto: “E crescia Samuel, e o SENHOR era com ele, e
nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra”. “E todo o Israel, desde Dã até Berseba, conheceu que
Samuel estava confirmado por profeta do SENHOR” (1Sm 3.19,20). Desde Dã até Berseba é a típica maneira de
descrever “a extensão e a amplitude da terra” (cf. Jz 20.1). Dã estava no extremo norte, Berseba era o ponto mais ao sul.
Tradicionalmente, Dã marcava a fronteira do extremo norte de Israel, ao mesmo tempo que Berseba assinalava o extremo
sul. Isto posto, a expressão “desde Dã até Berseba” tornou-se proverbial, indicando toda a extensão do território de Israel.
Todos quantos são chamados por Deus, têm o atesto da escolha Divina (Êx 3.12; 4.1-9; 15-17; 2Rs 2.12-15; Js 1.5,17; 3.7;
Jr 1.17-19; Ag 2.23; Mc 16.20; At 5.12; 14.3; Hb 2.4).

III – DIFERENÇA ENTRE O PROFETA DO AT E DO NT


Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, o profeta era um “porta-voz oficial da divindade, sua missão era
preservar o conhecimento divino e manifestar a vontade do Único e Verdadeiro Deus” (ANDRADE, 2006, p. 305).
Todavia, eles eram diferentes um do outro, como veremos abaixo:
3.1 O profeta no Antigo Testamento. Os profetas foram homens que Deus suscitou durante os tempos sombrios da
história de Israel (2Rs 17.13). “No Antigo Testamento, este ofício era de âmbito nacional. Quando Deus levantava um
profeta, conferia-lhe a missão de falar em seu Nome para toda a nação e até para povos estranhos” (RENOVATO, 2014, p.
84). Na Teologia, o período do surgimento dos profetas é nomeado de “profetismo” aludindo ao “movimento que, surgido
no Século VIII a.C., em Israel, tinha por objetivo restaurar o monoteísmo hebreu, combater a idolatria, denunciar injustiças
sociais, proclamar o Dia do Senhor e reacender a esperança messiânica num povo que já não podia esperar contra a
esperança. Tendo sido iniciado por Amós, foi encerrado por Malaquias. João Batista também é visto como o último
representante deste movimento (Mt 11.13)” (ANDRADE, 2006, p. 305 – acréscimo nosso). O profeta do AT era um
homem que, além de transmitir a mensagem de Deus tinha outras atribuições, tais como: (1) ungir reis (1Sm 9.16; 16.12-
13; 1Rs 19.16); (2) aconselhar reis (1Sm 10.8; 21.18; 2Sm 12; 2Rs 6.9-12); (3) ser consultado pelas pessoas (1Sm 9.8-
10; 1Rs 14.5; 22.7; 22.18; Jr 37.7). Os oráculos dos santos profetas que estão no cânon sagrado não estão a mercê de
julgamento humano (2Pe 1.21).
3.2 O profeta no Novo Testamento. Sobre a figura do profeta no NT, Donald Stamps (2012, p. 1814) afirma: “Os
profetas eram homens que falavam sob o impulso direto do Espírito Santo, e cuja motivação e interesse principais eram a
vida espiritual e pureza da Igreja. Sob o novo concerto, foram levantados pelo Espírito e revestidos pelo seu poder para
trazerem uma mensagem da parte de Deus ao seu povo”. Portanto, os profetas são ministros pregadores cuja prédica
pode ser uma mensagem de edificação, exortação e consolação dos crentes (1Co 14.3). Na Igreja Primitiva e em
Antioquia havia homens que exerciam este ministério (At 13.1). “Em Atos 15.23, temos o profeta consolando, fortalecendo
e aconselhando. É certo também que o título de profeta poderia ser usado para designar o ministério de alguns obreiros, em
virtude da sua natureza sobrenatural, pela abundância da inspiração com que proclamam os oráculos de Deus” (SOUZA,
2013, pp. 33,34). Eis algumas características do ministério profético no NT: (a) Proclamava e interpretava, cheio do
Espírito Santo, a Palavra de Deus, por chamada divina (At 2.14-36; 3.12-26; 1Co 12.10; 14.3); (b) Exercia o dom de
profecia (At 13.1-3); e, (c) Às vezes prediz o futuro (At 11.28; 21.10,11).

IV – DIFERENÇAS ENTRE O DOM DE PROFETA E O DOM DE PROFECIA


4.1 Dom de profeta (permanente). A palavra “ministro” (1Co 3.5; 4.2; 2Co 3.6; 6.4) significa um servo de Deus que
ocupa um “ministério” (1Co 4.1,2; 2Co 6.3), que é um encargo constituído por Deus, que, da parte de Cristo (2Co 5.20),
funciona na “Igreja do Deus vivo” (1Tm 3.15). Segundo Atos 13.1 e 15.32, os profetas constituíam o ministério da Palavra
de Deus, impulsionado por inspiração profética. Por meio dessa inspiração, esse ministério é acompanhado de “edificação,
exortação e consolação”, que são evidências da operação do verdadeiro espírito da profecia (1Co 14.3). Observamos,
assim, que o simples uso do dom de profecia não faz de ninguém um profeta, pois profeta é um ministro da Palavra (At
21.9,10) (BERGSTÉN, 2007, pp. 115,116).
4.2 Dom de profecia (esporádico). “Profecia é uma mensagem de Deus dada a pessoa a quem o Espírito manifesta este
dom. Tal pessoa deve transmiti-la exatamente como a recebeu (Jr 23.28). A atitude de quem profetiza deve ser “A palavra
que Deus puser na minha boca essa falarei” (Nm 22.38-b). A mensagem recebida por inspiração do Espírito Santo não é
transmitida mecanicamente, mas fiel e conscientemente (1Co 14.32). No momento em que a profecia é transmitida, não é
Deus quem está falando, mas é o homem quem está transmitindo o que de Deus recebeu (1Co 14.29). Se fosse o próprio
Deus falando, não haveria necessidade de se julgar a mensagem como a Palavra nos orienta que faça” (1Co 14.29; 1Ts
5.21) (BERGSTÉN, 2007, p. 113 – grifo nosso).
CONCLUSÃO
Aprendemos com o chamado profético de Samuel que existe um tempo certo para a concretização da chamada de
Deus na vida do homem. Entendemos também a diferença entre o profeta do Antigo e do Novo Testamento; bem como a
distinção entre o dom de profeta no período veterotestamentário e o dom de profecia nos dia de hoje.
REFERÊNCIAS
 ANDRADE, Claudionor de. Dicionário Teológico. CPAD.
 BERGSTÉN, E. Teologia Sistemática. CPAD.
 CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.
 RENOVATO, Elinaldo. Dons Espirituais & Ministeriais. CPAD.
 SOARES, Esequias. O Ministério Profético na Bíblia. CPAD.
 STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD