Você está na página 1de 40

1.

Os GESTORES E A EVOLUÇÃO
DA GESTÃO
Bibliografia
Donnelly, G. et al. (2000), Administração – Princípios de Gestão Empresarial,
10º ed., McGraw-Hill – 1º Capítulo
2

O Que é uma organização?

• Composta por indivíduos e por grupos.

• Definição de objetivos que devem ser alcançados.

• Limitação ao comportamento dos seus membros


(comporta prescrições e regulamentações relativas à forma como ela se
organiza para funcionar)
3

Conceito de organização

Qualquer que seja a dimensão da organização, esta


pode definir-se como um conjunto de duas ou mais
pessoas, inseridas numa estrutura aberta ao meio
externo, trabalhando em conjunto e de um modo
coordenado, para alcançar objetivos.
4

Gestão e gestores

A GESTÃO é o processo, levado a cabo por um ou mais


indivíduos, de coordenação das atividades de outras pessoas,
com vista a alcançar resultados que não seriam possíveis pela
ação de uma pessoa.

O GESTOR é definido pelas suas funções no interior da


organização: é a pessoa a quem compete a interpretação dos
objetivos propostos pela organização e atuar a fim de atingir
os referidos objetivos.
5

Porquê o estudo da Gestão?

¨ Porque os gestores dirigem e orientam as organizações que


fornecem os bens e serviços dos quais as sociedade depende. Ao
fazê-lo, os gestores servem uma função crítica;

¨ Porque indivíduos sem preparação em gestão frequentemente


encontram-se em posições de gestão. Estudar gestão prepara
melhor os indivíduos para lidarem com as responsabilidades de
gestão;

¨ Porque o sucesso futuro de qualquer nação industrializada na


Aldeia Global passa pela capacidade de gerir a produtividade,
de sobreviver às mudanças ambientais, e gerir eficazmente a força
de trabalho.
7

A evolução da Gestão enquanto campo de


estudo

¨ Os gestores podem fazer a diferença em organizações


de qualquer tamanho.

Ø O estudo da gestão mostra o que os gestores fazem


bem para criar oportunidades aos empregados, avaliar o
desempenho corretamente, e encorajar a produtividade
ótima;
Ø O estudo da gestão também aponta erros que os
gestores cometem;
Ø Podemos utilizar estas lições para encontrar as ideias de
gestão com valor para os gestores na prática do século
XXI.
8

A evolução da Gestão enquanto campo de


estudo
v As pessoas que contribuíram para a evolução da gestão:
― Gestores na prática, que descrevem as suas próprias
experiências e tentam generalizar princípios a partir dessas
experiências que pensam poder ser utilizados em situações
análogas.
― Os cientistas sociais e do comportamento, que estudam a
gestão como um fenómeno social importante, investigando-o
cientificamente.

― Engenheiros, sociólogos, psicólogos, antropólogos,


advogados, economistas, contabilistas, matemáticos,
cientistas políticos e filósofos também contribuíram para o
estudo da gestão.
9

A evolução da Gestão enquanto campo de


estudo
q Existem três abordagens bastante difundidas do pensamento
de gestão:
Ø abordagem CLÁSSICA,

Ø abordagem COMPORTAMENTAL (recursos Humanos)

Ø abordagem da INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL


(quantitativa).

q Existem duas tentativas recentes de integrar as três abordagens


mais difundidas:
Ø a abordagem sistémica e
Ø a abordagem contingencial.
10

A evolução da Gestão enquanto campo de


estudo
q Estas três abordagens constituem diferentes enfoques das tarefas dos
gestores

abordagem gestão
CLÁSSICA do trabalho e das organizações

abordagem gestão
COMPORTAMENTAL das pessoas nas organizações

Abordagem da gestão
INVESTIGAÇÃO
OPERACIOMAL
da produção e operações
11

Fundamentos da gestão do trabalho e das organizações

Início do Séc. XX
Gestores preocuparam-se:
o aumentar a produtividade de quem executava o
trabalho e em
o aumentar a produtividade das organizações;

Procurar formas de gerir trabalho e organizações para


alcançar altos níveis de produção com custos mais
baixos;

Abordagem clássica
12

Fundamentos da gestão do trabalho e das organizações

¨ A abordagem clássica
¤ Início do século XX. Inclui duas escolas:
n Gestão científica (ênfase nas tarefas)
n Os seus apoiantes, na sua maioria engenheiros, enfatizavam o
aumento da produtividade do trabalho.
n Acreditavam que a maneira mais eficiente – a melhor maneira – de
fazer um trabalho podia ser determinada através da análise de
dados, e incitaram os gestores a observarem o desempenho
presente do trabalho e a compilar dados objetivos.
n Teoria clássica da organização (ênfase na estrutura)
n Os seus apoiantes, na sua maioria gestores na prática, viam as
organizações como o conjunto dos trabalhos individuais, e
acreditavam que podiam ser geridas eficazmente através de
princípios e práticas que enfatizam a produtividade e a eficiência.
13

A gestão do trabalho – Gestão científica

q Gestão do trabalho: Frederick Taylor, o pai da gestão científica.


n Preocupou-se em encontrar formas de melhorar o trabalho com
o torno mecânico. O seu objetivo era fornecer padrões com base
científica para definir um dia de trabalho justo.
n Dos seus esforços surgiram quatro princípios de gestão do trabalho:
1. Desenvolvimento científico de cada elemento do trabalho deve
substituir o velho método de improvisação;
2. Seleção, formação e desenvolvimento científico do trabalhador;
3. Cooperação com os trabalhadores para assegurar que o trabalho é
feito de acordo com o conhecimento científico que foi desenvolvido;
4. Divisão equitativa do trabalho e da responsabilidade entre a gestão e
os trabalhadores. Anteriormente, os trabalhadores arcavam com
quase todo o trabalho e a maior parte da responsabilidade.
14

A gestão do trabalho – Gestão científica

Os seus estudos inspiraram alguns seguidores

¤ Princípios da simplificação do trabalho


n Os seguidores de Taylor, Frank e Lillian Gilbreth, aumentaram a
produtividade de pedreiros em 200%, estudando os seus movimentos,
eliminando movimentos ineficientes, combinando outros, e simplificando
o trabalho.

¤ Princípios de calendarização do trabalho


n O engenheiro Henry Gantt, um associado de Taylor, desenvolveu o
gráfico de Gantt, que mostra a relação entre o trabalhado planeado e o
executado, num eixo, e o tempo decorrido, no outro. O gráfico de Gantt
é ainda comummente usado na indústria para calendarizar atividades.
n Ele alargou a análise da gestão científica ao considerar, também, o
trabalho dos gestores.
15

A gestão do trabalho – Gestão científica

¤ Princípios da eficiência
n Harrington Emerson estabeleceu princípios para alcançar o uso
eficiente de recursos. Os gestores deviam:
n Fazer análises científicas, objectivas e factuais;
n Definir os alvos a atingir;
n Relacionar cada parte com o todo;
n Estabelecer métodos e procedimentos padronizados;
n Recompensar as pessoas pela boa execução das suas tarefas.
¨ Contribuição significativa e perene
¤ Identificação das responsabilidades dos gestores na gestão do trabalho:
n Planeamento
n Organização
n Liderança
n Controlo
16

A Gestão das Organizações


Teoria clássica da Organização

¨ Duas contribuições significativas de gestores na prática


¤ Princípios de gestão
n Henri Fayol procurou descobrir os princípios de gestão que
determinam «o trabalho sólido e bem feito» na empresa.
n Princípios de gestão das organizações
n Fayol propôs 14 princípios para guiar o pensamento dos gestores
na gestão de organizações.
n No entanto, Fayol salientou que o carácter moral de um gestor
è qualidade das suas decisões.
¤ Princípios de organização
n James D. Mooney via a gestão como a arte de dirigir e motivar outras
pessoas
n A organização é a técnica de relacionar, num todo coordenado,
deveres ou funções específicas.
n O principal fim da gestão é conceber uma organização adequada.
n Existem leis naturais de organização.
17

Fundamentos da gestão das pessoas nas organizações

¨ A abordagem Comportamental
¨ Desenvolveram-se teorias que vieram desafiar os fundamentos
da abordagem clássica, nomeadamente no que se refere à
gestão das pessoas. Surgiram dois ramos:

¤ Relações humanas
Grande divulgação nos anos 40 e no princípio da
década de 50;

¤ Ciência comportamental
Emergiu no princípio dos anos 50 e hoje é muito
enfatizada na literatura de gestão.
18

Ramo das Relações Humanas

• Surge de:

• Problemas humanos resultantes de uma civilização industrial


(necessidade de humanizar) libertando-se da rigidez e mecanicismo das
teorias clássicas;
• Aceitaram as principais premissas da abordagem clássica, mas
acreditavam que estas deviam ser modificadas, devido às diferenças do
comportamento individual e a influência dos grupos de trabalho nos
indivíduos, e vice-versa;
• Desenvolvimento das ciências humanas (psicologia e sociologia) e
influência intelectual em aplicar à organização industrial;
• Centra-se no ambiente social do trabalho.

• Os autores chamaram a atenção dos gestores para o importante papel


desempenhado pelas pessoas no sucesso ou fracasso das
organizações.
19

Elton Mayo e os estudos de


Hawthorne
20

Ramo das Relações Humanas

è O desenvolvimento desta abordagem foi instigado pelas experiências de


Hawthorne (1927-1932), desenvolvida sob a coordenação de Elton Mayo e
alertaram os gestores para a importância das dimensões psicológicas dos indivíduos
no local de trabalho;
è Em 1927, Conselho Nac. de Pesquisas iniciou uma experiência numa fábrica -
Werstern Electric Company, em Chicago no bairro de Hawthorne, empresa que
fabricava equipamentos e componentes telefónicos;
è Objectivo: determinar a relação entre a intensidade da iluminação e a eficiência dos
operários, medida através da produção;
è Verificaram que os resultados da experiência eram prejudicados por fatores de
natureza psicológica;
21

Ramo das Relações Humanas

1ª fase - Experiências com iluminação, para determinar o


efeito de alterações da iluminação na produtividade.
n A conclusão dos investigadores: a iluminação tinha muito
pouco ou nenhum efeito na produtividade dos dois grupos.

2ª fase - Experiência da montagem de relés na sala de


testes, para determinar o efeito de mudanças nas condições
de trabalho (ex. Temp.) sobre a produtividade.
n A conclusão dos investigadores: as mudanças nas
condições de trabalho têm pouco efeito na produtividade.

Condições físicas e produtividade pouco relacionadas


22

Ramo das Relações Humanas

3ª fase - Entrevistas aos empregados: os empregados foram


entrevistados por toda a fábrica para determinar as suas
atitudes.
n Surpreendidos com os resultados anteriores, os
investigadores, postularam que o elemento humano no
ambiente de trabalho influenciava mais significativamente a
produtividade do que os aspectos técnicos ou físicos do
trabalho.
Desenvolvimento social do grupo e
Relação com chefias
n A conclusão dos investigadores: o grupo de trabalho como
um todo determina o resultado da produção dos indivíduos;
n revelou a existência de uma organização informal dos
operários, que os mantinha unidos (lealdade);
23

Ramo das Relações Humanas

4ª fase - Experiência da montagem de centrais telefónicas na sala de


testes, para testar a conclusão alcançada no final do projeto de
entrevistar empregados.
n Nove trabalhadores que faziam a montagem final de centrais
telefónicas foram postos sob um plano de pagamento de incentivos
ao grupo por trabalho à peça. Os investigadores admitiram a
hipótese que o grupo maximizaria os resultados de produção para
maximizar os pagamentos.
n Os resultados mostraram que os resultados diários do grupo não
excediam o nível determinado pelo grupo, como constituindo um
«dia justo de trabalho». Não se encontrou uma relação entre a
produtividade e a inteligência, destreza, ou quaisquer outros
atributos ou capacidades individuais.
n A conclusão dos investigadores: a aceitação do grupo e a segurança
eram mais importantes na determinação do resultado produtivo de
um indivíduo do que o potencial acréscimo de salário.
24

Ramo das Relações Humanas

• Principais conclusões relevantes para a análise do funcionamento das


organizações:

Ø nível de produção resulta da integração social (norma e expectativas do


grupo social);
Ø comportamento social dos trabalhadores (comportamento do indivíduo
apoia-se no grupo);
Ø recompensas e sanções sociais;
Ø grupos informais (definem as suas regras de comportamento, objetivos
sanções, recompensas…);
Ø importância do conteúdo do cargo;

Ø relações humanas - estuda as ações e atitudes desenvolvidas pelos


contactos entre pessoas e grupos.
25

Ramo das Relações Humanas

¤ Revisão e crítica dos estudos de Hawthorne


n Os estudos foram criticados pela sua falta de objetividade científica e
parcialidade dos investigadores.
n No entanto, os estudos fizeram uma grande contribuição:
n suscitaram muito interesse pelos problemas humanos no local de
trabalho
n Fizeram questionar as premissas de muitos dos autores mais antigos de
gestão
n forneceram um importante incentivo para investigação futura do
comportamento humano nas organizações.
n Originaram uma revisão das premissas acerca da natureza humana
n Originaram ataques aos aspetos «desumanizantes» da gestão científica
e das organizações burocráticas.
26

Ramo da Ciência Comportamental

¨ Princípio dos anos 50 - Fundação para a Investigação


do Comportamento Humano.;

¨ Define-se como o estudo do comportamento humano


observável e verificável nas organizações, usando
procedimentos científicos;

¨ Foca-se no comportamento humano.


27

Ramo da Ciência Comportamental

As ciências comportamentais são interdisciplinares e referem-se à:


n Psicologia: o estudo do comportamento humano. Envolve,
particularmente, a psicologia social (comportamento relacionado
com outros indivíduos) e psicologia organizacional (comportamento e
atitudes nas organizações).
n Sociologia: o estudo do comportamento humano em grupos
(especialmente grupos pequenos). A sociologia olha tanto para os
grupos informais emergentes, como para as organizações formais,
centrando-se no comportamento burocrático e relacionamentos
estruturais.
n Antropologia: o estudo dos comportamentos aprendidos e outros
comportamentos culturais. A compreensão desta área é cada vez
mais importante na arena global, especialmente para as
organizações multinacionais.
28

Fundamentos da Gestão de Pessoas

Fundamentos da Gestão de
Pessoas: Dois Ramos

Relações Humanas Ciência Comportamental


• Estimulada pela Experiência de • Envolvida na pesquisa científica da
Hawthorne. compreensão do comportamento.
• Preocupada com a dignidade • Utilização da psicologia, sociologia e
individual. antropologia para compreender o
• Preocupada com o desenvolvimento comportamento.
do potencial humano. • Utilização da investigação como
• Preocupada com o ambiente social. forma de adquirir conhecimentos.
• Aceitação da pessoa total.
29

Fundamentos da gestão da produção e operações

¨ Abordagem da investigação operacional: fornecer aos


gestores bases quantitativas para decisões relacionadas com
operações sob o seu controlo.

¨ É definida como a «ciência que se dedica a descrever,


compreender e prever o comportamento de sistemas
complexos de pessoas e máquinas operando em ambientes
naturais».

¨ Desenvolvimento da Investigação Operacional


¤ A investigação operacional existe há aproximadamente 50 anos.
¤ Os termos ciência de gestão e investigação operacional são sinónimos, mas o
último é mais utilizado em Portugal (MS / OR);
¤ Proporcionar aos gestores bases quantitativas para as decisões
è investigadores enfatizam os modelos matemáticos de sistemas.
30

A Abordagem da investigação Operacional

Um foco principal na Confiança nos


tomada de decisão critérios de eficiência
económica

Abordagem da
Investigação
Operacional

Dependência da Confiança nos


Informática modelos
matemáticos formais
31

Gestão da Produção e das Operações

Fundamentos da gestão da produção e das operações

Planear Organizar Liderar Controlar

Gestão da Produção Gestão das Operações

Ex.s de Ferramentas e técnicas estabelecidas


pela IO
> Modelos > Análise de regressão
> Programação linear > Probabilidades
> PERT/CPM > Teoria de jogos
> Computadores > Modelos de gestão de stocks
> Simulações por comput. > Modelos de distribuição
> Gestão de filas de espera > Teoria da decisão
32

Gestão da Produção e Operações

¨ A gestão da produção e operações compreende gerir:


¤ Produção: a tecnologia fabril e o fluxo de materiais numa fábrica.
¤ Operações: refere-se à produção de bens ou serviços em qualquer organização.
É semelhante à gestão da produção, mas centra-se numa classe de problemas
mais alargado, e inclui organizações com tecnologias bastante diferentes das
organizações fabris.
¨ A gestão da produção e das operações assenta na investigação
operacional

¨ O papel dos modelos matemáticos


¤ Os gestores não podem conduzir experiências científicas fidedignas para, por
exemplo, determinar o nível de inventário que minimiza os custos de
armazenamento e encomenda, por causa das contingências do mundo real.
¤ No entanto, os modelos matemáticos possibilitam aos gestores experimentar com
soluções possíveis, sem interromper o funcionamento do sistema.
33

Gestão da Produção e Operações

¤ Com modelos, os gestores podem simular o comportamento do sistema


real.
¤ Um modelo matemático é uma representação simplificada de aspetos
relevantes de um sistema ou processo real. Um modelo exato força o
gestor a considerar sistematicamente as variáveis do problema e os
relacionamentos entre variáveis.
¤ Alguns modelos úteis:
n Modelos de afetação: centram-se na determinação da melhor afetação de recursos
limitados para alcançar um dado objetivo (por exemplo, afetação de tempo de produção
a produtos diferentes para maximizar o lucro).
n Modelos em rede: são usados para o planeamento e controlo de projetos simples e
complexos.
n Modelos PERT (Program Evaluation and Review Technique): fornecem um método
para planear e controlar projetos não repetitivos.
n Modelos de gestão de stocks: fornecem respostas a duas questões: quanto e quando.
Estes modelos permitem ao gestor determinar o ponto económico de encomenda e o
ponto ótimo para a nova encomenda.
34

Tentativas de integrar as três Abordagens

¨ Tem havido tentativas de integrar as três abordagens de


gestão. Duas delas são:

A abordagem sistémica

A abordagem contingencial
35

Tentativas de integrar as três Abordagens

¤A abordagem sistémica
n Vê a organização como um sistema total composto de um grupo
de partes inter-relacionadas com um propósito único;

n As ações de uma parte afetam todas as outras.


Consequentemente, os gestores têm de adotar uma perspetiva lata
acerca do seu trabalho, vendo a organização como um todo dinâmico
quando tentam resolver problemas;

n Os objetivos das partes individuais de uma organização devem ser


comprometidos para viabilizar o objetivo global da organização.
36

Perspectiva Sistémica da Gestão

Inputs Transformação Outputs


(automóveis,
(físicos, (transporte,
confecções,
intelectuais, ensino, entretenimento,
energia, tempo) armazenamento) saúde)

Retroação

Controlo
Retroação Retroação
A Figura mostra que os processos de input, transformação, e output são
fortemente interdependentes e são influenciados por mecanismos de
retroação e controlo.
37

Tentativas de integrar as três Abordagens

¤A abordagem contingencial
n Defende que não existe uma melhor maneira de gerir. A melhor
abordagem de gestão depende da situação.
n Pretende fazer corresponder situações diferentes com métodos de gestão
diferentes.
n Tem-se tornado cada vez mais popular nos últimos 20 anos e é apoiada por
alguns resultados de investigação.
n Tem-se tornado mais relevante no ambiente global devido à:
n Crescente globalização;
n Exigências de liderança eticamente e socialmente responsável;
n Mudanças demográficas e nos requisitos de qualificação exigidos à força de
trabalho;
n Novas estruturas organizacionais que enfatizam a rapidez na reação às mudanças
ambientais;
n Mudanças nas necessidades, preferências, e desejos dos empregados.
n O estudante de gestão tem de aprender múltiplas maneiras de competir,
inovar, criar, motivar e liderar.
38

Tentativas de integrar as três Abordagens

Abordagem Sistémica Abordagem Contingencial

¨ A organização deve ¨ A prática da gestão


ser vista como um depende da forma como
sistema total, em que se adapta às situações
cada uma das partes específicas em que é
está ligada a todas as aplicada.
outras.
39

As Três Tarefas dos Gestores de Nível Mundial

¨ Todos os gestores modernos, de qualquer país do mundo,


enfrentam três tarefas

¤ Gerir trabalho e organizações;


¤ Gerir pessoas;
¤ Gerir produção e/ou operações.

¨ Estas três tarefas fundamentais têm de ser aprendidas e praticadas


no mundo em globalização,
¨ onde há procura e concorrência por melhor qualidade na produção e
serviços,
¨ onde a força de trabalho é cada vez mais culturalmente diversa,
¨ onde o público insiste que sejam tomadas decisões éticas e
socialmente responsáveis.
40

O Trabalho da Gestão

O trabalho da gestão envolve três tarefas inter-relacionadas: gerir trabalho


e organizações, gerir pessoas, e gerir produção e operações.

Gerir trabalho
e organizações

Gerir produção Gerir pessoas


e operações
41

Os desafios Práticos e os Conhecimentos Exigidos a um


Gestor Moderno

Organizar
o

Co
sic

nh
ás

e
Cl

cim
Gerir
to

en
trabalho e
en

to
cim

organizações

Co
e

Planear

m
nh

Liderar

po
Co

rta
m
Gerir a

en
Gerir as
produção e

ta
l
as operações pessoas

Controlar
Conhecimento de Investigação Operacional

Você também pode gostar