Você está na página 1de 22

A abolição do tráfico de escravos

no Atlântico Sul: Portugal,


o Brasil e a questão do contrabando
The Abolition of the Slave Trade de africanos
in the South Atlantic: Portugal,
Brazil and the Issue of the
Smuggling of Africans

Gilberto da Silva Guizelin Resumo


Doutorando em História pela Este artigo aborda a temática da abolição do tráfico de escravos realizado
Universidade Estadual Paulista no Atlântico Sul. Cumpre destacar que o estudo que aqui se apresenta não
(FCHS/UNESP – Franca/Brasil) e traz uma discussão a partir do enquadramento das relações diplomáticas
bolsista da Fundação de Amparo anglo-brasileiras com a questão do tráfico de escravos, mas sim com base
à Pesquisa do Estado de São Paulo no condicionamento do relacionamento luso-brasileiro com esta questão
(FAPESP). em meados do século XIX.
e-mail: guizelin.gs@gmail.com
Abstract
This article deals with the issue of the abolition of the slave trade in the
South Atlantic. It is important to say that this study does not deal with
this discussion from the exclusive framework of the diplomatic relations
between Great Britain and Brazil regarding the question of slave trade, it
is also based on the traditional relations developed between Portugal and
Brazil in respect to that same question in the mid-nineteenth century.

Palavras-chave
tráfico escravo, diplomacia do tráfico, Portugal, Brasil

Keywords
slave trade, slave trade diplomacy, Portugal, Brazil

DOI - http://dx.doi.org/10.1590/2236-463320130507

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 123


Apresentação
1
O termo “Mundo Atlântico” aqui utilizado, A década de 1840 representou um momento ímpar na campanha inter-
compreende uma modalidade de escrita da nacional pela supressão da comercialização de escravos africanos através
História centrada na historicização dos fatos,
do Atlântico. Isto porque, se até pouco tempo o abolicionismo podia ser
fenômenos e personagens pertencentes, atuantes
e circunscritos ao universo do oceano Atlântico. descrito como um esforço diplomático e militar exclusivamente britânico,
Nesta perspectiva analítica, a temática do uma vez iniciado aquele novo decênio do Oitocentos, este se tornou uma
comércio escravista intercontinental – ou, a
temática da diáspora, como alguns preferem investida intrinsecamente compartilhada por outras potências políticas e
denominar – tem sido a grande privilegiada marítimas do Mundo Atlântico.1 A emergência deste novo contexto atlân-
dos esforços investigativos com o fito de
tico resultou num impacto profundo sobre as redes sociais, políticas e
localizar, debruçar e trazer à luz experiências e
interconexões de gentes, episódios e fenômenos mercantis ligadas pelo comércio de almas. Sobretudo, para as duas grandes
até então pouco valorizados ou, mesmo, pouco nações escravistas ainda remanescentes: a portuguesa e a brasileira.2
conhecidos, encerrados e compartilhados entre
as diversas sociedades margeadas pelo Atlântico. Entre 1807, quando a Coroa britânica proibiu seus súditos de
Para uma leitura mais teórica do termo ver: tomarem parte no negócio negreiro, e o princípio da década de 1840, a
THORTON, John Kelly. A África e os africanos na
Grã-Bretanha vinha, de fato, atuando praticamente sozinha no intento de
formação do mundo atlântico, 1400-1800. Rio de
Janeiro: Elsevier/Editora Campus, 2004. p.41-43. abolir aquele comércio. Por meio da via diplomática, passados pouco mais
Já para uma leitura especificamente voltada para de trinta anos desde que assumira o papel de polícia internacional contra
o desenvolvimento desta perspectiva de estudo
no cenário historiográfico brasileiro dos últimos o tráfico, ela conseguira: restringir o tráfico português aos domínios lusi-
anos ver: MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti. A África tanos na África e nas Américas (1810); proibir por inteiro a participação
no Brasil: mapa de uma área em expansão. Topoi,
no mesmo da Holanda e da Suécia e confinar aos domínios da França o
Rio de Janeiro, v.5, n.9, p.33-53, 2004.
tráfico realizado pelos súditos da monarquia bourbônica (1814); obter de
2
Para um estudo amplo e pormenorizado das Portugal e da Espanha a interrupção de sua realização ao norte da Linha
redes sociais, políticas e mercantis forjadas no do Equador (1817); atrair para a sua causa boa parte das nações lati-
seio das sociedades portuguesa e brasileira pelo
no-americanas recém-independentes (1821-1822); garantir dos Estados
tráfico atlântico de escravos ver: FRAGOSO, João
(Org.). O antigo regime nos trópicos: A dinâmica Unidos o reconhecimento do tráfico enquanto pirataria (1824); e estabe-
imperial portuguesa (Séculos XVI-XVIII). Rio de lecer um prazo limite para o comércio negreiro legal brasileiro (1826). Pela
Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. FRAGOSO,
João; FLORENTINO, Manolo; SAMPAIO, Antonio via militar, no mesmo período, a Grã-Bretanha ampliou significativamente
Carlos Juca; CAMPOS, Adriana Pereira. Nas rotas o contingente material e pessoal de sua frota espalhada e estacionada
do império: Eixos mercantis, tráfico e relações
ao longo da costa africana. Dos dois navios que a compunham em 1807,
sociais no mundo português. Vitória/Lisboa:
EdUFES/IICT, 2006. o Phesant e o Derwent, a esquadra atingiu o número de 14 embarcações
3 em 1836, 17 em 1838 e 19 em 1839; nessa época, estima-se ainda que as
Segundo assinalado por Leslie Bethell, embora estações marítimas britânicas na África reunissem um total de pouco mais
o número de embarcações utilizadas pela Grã-
Bretanha na vigília da costa atlântica africana,
de mil homens.3 Como se vê, as conquistas diplomáticas e a intensificação
ao longo da primeira metade do Oitocentos, do patrulhamento marítimo obtidas e realizadas pela Grã-Bretanha no
seja consideravelmente alto, a atuação desta período são amplas e inegáveis. Todavia, não devemos supervalorizar o
esquadra nunca fora, de fato, eficiente. Isso por
três razões: 1º O estado obsoleto dos navios; 2º alcance dos seus efeitos práticos.
A enorme extensão marítima a ser patrulhada; Ocorre que, desde os primeiros empecilhos e impedimentos impostos
e 3º O acúmulo de deveres a serem cumpridos
pela esquadra. Ver: BETHELL, Leslie. A abolição
à navegação marítima de longa distância com o fito de traficar escravos
do tráfico de escravos no Brasil. A Grã-Bretanha, saídos da África, os homens (comerciantes, capitães, mestres, tripulação
o Brasil e a questão do tráfico de escravos, em geral e intermediários) engajados nessa prática vinham apresentando
1807-1869. Rio de Janeiro/São Paulo: Expressão e
Cultura/ EDUSP, 1976. p.125-127. uma incrível capacidade de se (re)organizarem. O que, por conseguinte,
4
implicava também numa renovação constante da empresa traficante como
Roquinaldo Ferreira do Amaral apresenta uma um todo. Exemplos disso não faltam. Enquanto a Espanha, em 1820, havia
rica análise em números, estatísticas, volumes proibido interinamente o tráfico, tanto ao sul como ao norte do Equador,
e percentuais da reorientação do mercado
escravista de Luanda (Angola) com destino a e, ainda, cedido à Royal Navy o direito de visita, busca e apreensão das
Cuba, ainda mais entre as décadas de 1840 e embarcações sob a sua bandeira suspeitas de traficarem, os mercadores
1860, quando o tráfico para o Brasil começou
a enfrentar novas e redobradas dificuldades
espanhóis interessados em continuar com o tráfico em direção a Cuba
que vão levar a sua extinção futura. AMARAL, recorreram à bandeiras alternativas, como aconteceu inicialmente com a
Roquinaldo do. Dos sertões ao Atlântico: tráfico portuguesa e a brasileira.4 Da mesma forma, os mercadores brasileiros in-
ilegal de escravos e comércio lícito em Angola.
Dissertação de Mestrado. Universidade Federal teressados em seguir com a importação de novos cativos, uma vez proibido
do Rio de Janeiro, Centro de Filosofia e Ciências o desembarque dos mesmos nos portos do Brasil a partir de novembro de
Humanas, 1996. Ver em especial o capítulo 8, “O
porto de Luanda e as relações com o Atlântico”,
1831, redirecionaram o seu atracamento para portos intermitentes abertos
p.200-215. em localidades mais afastadas donde se concentravam as forças de repres-

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 124


5 são e patrulhamento.5 Ademais, em compasso com a esquadra britânica na
RODRIGUES, Jaime. O infame comércio:
propostas e experiências no final do tráfico África, que crescia consideravelmente, os traficantes das mais variadas na-
de africanos para o Brasil (1800-1850). 2ª ed. cionalidades procuraram responder ao tamanho com velocidade, optando
Campinas/São Paulo: Editora da Unicamp/CECULT,
por embarcações menores e de tecnologia náutica mais avançada como os
2000. p.171-184.
clippers originários dos portos estadunidense em contraste com as belona-
ves arcaicas, velhas e pesadas utilizadas pela Grã-Bretanha na repressão ao
6
Tratar dos navios negreiros exige um trabalho à
tráfico atlântico de escravos.6
parte, posto que a historicidade por trás destas Estas e outras artimanhas postas em funcionamento pelos traficantes
embarcações é enorme e multifacetada. Na de escravos demonstram que, enquanto a Grã-Bretanha agiu isolada na
historiografia brasileira dois estudos pioneiros
neste sentido são o de RODRIGUES, Jaime. Navios supressão do tráfico atlântico de africanos este, embora tenha conhecido
negreiros: imagens e descrições. In: De costa a momentos e locais de reveses, não esteve verdadeiramente ameaçado de
costa: escravos, marinheiros e intermediários
do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro
extinção. Na nossa concepção, por maior que fosse a influência política,
(1780-1860). São Paulo: Cia. das Letras, 2005. econômica e militar da “poderosa rainha dos mares”, esta jamais teria ob-
p.146-186; RAMBELLI, Gilson. Tráfico e navios tido sucesso em seu empreendimento abolicionista sem a ajuda das demais
negreiros: contribuição da arqueologia náutica
e subaquática. In: Navigator: subsídios para nações marítimas com as quais compartilhava o “condomínio do Atlântico”.
a história marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Destas, algumas optaram por conta própria em ingressar na frente abo-
SDGM, v.2, n.4, p.59-72, 2006. Na historiografia
estadunidense – que, assim como a brasileira,
licionista liderada pela Grã-Bretanha; outras, no entanto, tiveram de ser
possui importantes obras a respeito do tráfico e persuadidas pelo medo incutido através da diplomacia das canhoneiras.7
da escravidão – merece destaque neste sentido Entre as que decidiram agir de acordo com a primeira opção podemos listar
o trabalho de CONRAD, Robert Edgar. Tumbeiros:
o tráfico escravista para o Brasil. São Paulo: a França e os Estados Unidos. Já entre as que preferiram a segunda alter-
Brasiliense,1985; e, o estudo mais recente de nativa, constavam Portugal e o Brasil.
REDIKER, Marcus. O navio negreiro: uma história
humana. São Paulo: Cia. das Letras, 2011.
Objetivos diversos levaram França e Estados Unidos a cooperarem
com a Grã-Bretanha no combate ao fluxo transatlântico do comércio de
7
Segundo Bethell, a diplomacia das canhoneiras escravos africanos. A França, embora estivesse formalmente alinhada,
sempre fez parte da política externa britânica desde 1815, à política internacional abolicionista (lembrando ser esta a
Oitocentista. Todavia, até meados daquele
século esta ocorria por conta do modo de
“fatura” cobrada por lord Castlereagh, então sob o comando do Foreign
agir imperialista e arrogante de uma série de Office, a Luís XVIII pelos serviços britânicos prestados contra Napoleão), só
diplomatas que sentindo-se isolados (muitos veio a se envolver ativamente no concerto das nações em prol da aboli-
estavam há mais de três ou seis meses de
distância do Foreign Office) utilizavam de ção completa e definitiva do tráfico atlântico de escravos na transição da
medidas coercitivas, sobretudo de demonstrações primeira para a segunda metade do século XIX, motivada basicamente por
de força no que se refere ao poder naval, para
preservar os interesses políticos e econômicos das
interesses imperialistas.8 Razões diversas do caso francês levaram os Esta-
comunidades britânicas espalhadas pela América dos Unidos, próximo ao fim do segundo quarto do Oitocentos, a assumirem
Latina. Todavia, teria sido apenas a partir da uma postura mais concreta no combate do comércio transatlântico da mão
segunda metade do século XIX, após a ascensão
de lord Palmerston ao cargo de Primeiro Ministro de obra. Inversamente com o que vinha ocorrendo com as demais nações
e, consequentemente, a confirmação do domínio escravistas do “condomínio Atlântico”, a legislação estadunidense contrária
dos palmerstonianos sobre o Foreign Office, que
a diplomacia das canhoneiras passaria de fato à
ao tráfico de escravos esteve longe de ser resultado de alguma forma de
qualidade de princípio norteador dos diplomatas imposição ou cobrança britânica. Nesse tocante, os Estados Unidos foram
da Grã-Bretanha. A este respeito ver: BETHELL, totalmente autônomos e soberanos nas decisões por eles tomadas relativas
Leslie. O imperialismo britânico e a Guerra do
Paraguai. In: Estudos Avançados, São Paulo, v.9, a esta questão. Podem ser duas as explicações para isto: uma em razão da
n.24, p.269-285, 1995. necessidade de salvaguardar a escravidão doméstica de flutuações externas
8 que de alguma maneira viessem a intervir nos rumos daquela instituição,
BETHEL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos retirando das mãos dos próprios estadunidenses o direito de discutir e de
no Brasil... Op. Cit., p.27.
legislar sobre a mesma; e a segunda em função da defesa dos próprios
princípios comerciais estadunidenses que de forma alguma aceitariam ver
uma nação estrangeira determinar o que eles poderiam e o que não pode-
9 riam comercializar.9
Assim compartilham: CONRAD, Robert Edgar.
Op. Cit., p.150; BETHELL, Leslie. A abolição do De maneira nem um pouco análoga, no entanto, se deu a cooperação
tráfico de escravos no Brasil... Op. Cit., p.36-37; de Portugal e do Brasil. Embora politicamente mais instáveis, economica-
e, WRIGHT, Antônia Fernanda Pacca de Almeida.
mente dependentes e militarmente mais frágeis, os diplomatas britânicos
Desafio americano à preponderância britânica no
Brasil: 1808-1850. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense/ nunca se depararam, na realidade, com um ambiente amplamente favorável
Instituto Nacional do Livro, 1978. p.228. à causa abolicionista nas cortes de Lisboa e do Rio de Janeiro. Afora isto, por
se tratar de duas sociedades extremamente imbricadas ao negócio negrei-

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 125


ro, não foi difícil aos estadistas de ambas as monarquias reunirem o maior
número de justificativas e, consequentemente, de subterfúgios para resisti-
rem à imposição de medidas repressivas mais capazes e eficazes na extinção
do tráfico humano intercontinental. Portugal apegou-se, ainda muito cedo,
na fragilidade de sua posição enquanto metrópole de um império colonial
convulsionado para retardar, o quanto lhe foi possível, a implantação de prá-
ticas mais austeras de retenção do comércio escravo africano. O Brasil, por
sua vez, apegou-se na fragilidade de suas instituições político-estatais e, na
“corrupção dos costumes” do povo brasileiro para adiar ao máximo uma con-
denação mais expressiva daquele que era o ramo comercial mais bem visto,
aceito e compartilhado por sua sociedade. Em posse destes argumentos, os
negociadores portugueses e brasileiros conseguiram impor aos negociadores
britânicos um ritmo lento e arrastado às negociações, levando o governo bri-
tânico ao esgotamento de todas as vias diplomáticas antes de optar unilate-
ralmente pela via militar para sobrepor os seus interesses abolicionistas aos
interesses escravagistas de portugueses e brasileiros.
Entendendo, portanto, que Portugal e Brasil passaram por situações e
complicações minimamente semelhantes e, muitas vezes, convergentes em
torno da questão do contrabando de africanos, este texto tem por objetivo
explorar o papel predominante que a referida questão do comércio negreiro
exerceu sobre o estabelecimento das primeiras relações entre ambos os
países. A diplomacia do tráfico de Portugal e do Brasil é, pois, o elemento
aglutinador deste trabalho. Com efeito, ao longo das próximas páginas, o
enquadramento anglo-brasileiro em face da abolição do “infame comércio”
de escravos dará espaço às vicissitudes do enquadramento luso-brasileiro
sobre a mesma questão.
O foco de análise do presente trabalho originou-se mediante a con-
fluência de alguns textos-chaves da historiografia brasileira e portuguesa
quanto à questão do tráfico de escravos, bem como a partir do estudo do
historiador inglês Leslie Bethell sobre o peso desta questão nas relações da
Grã-Bretanha com o Brasil e Portugal. Quanto à massa documental deste
artigo, esta é composta, basicamente, por informações extraídas dos Rela-
tórios apresentados pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros do Império,
entre as décadas de 1830 e de 1840.
Num primeiro momento buscar-se-á responder a duas questões
fundamentais: 1º. O que denominamos aqui como diplomacia do tráfico?
2º. Qual o percurso histórico desta diplomacia em Portugal e no Bra-
sil? Respondidas estas indagações, o segundo momento deste texto visa
expor de que forma esta postura diplomática teria repercutido no âmago
das relações formais luso-brasileiras de meados do Oitocentos, quando
o ambiente político bilateral entre Portugal e Brasil esteve a ponto de
um impasse devido às expectativas divergentes esperadas de um lado a
outro do Atlântico para com esta diplomacia. O terceiro momento deste
trabalho versará sobre o abandono da diplomacia do tráfico por ambos os
países a partir da triangulação das relações de Portugal e do Brasil com a
Grã-Bretanha. O quarto e último momento deste estudo buscará amarrar
a discussão ao esclarecer a fonte de origem de nosso interesse e de nossas
interrogações sobre o tema posto aqui em evidência.

A diplomacia do tráfico de Portugal e do Brasil


Em linhas gerais, o conceito de diplomacia do tráfico deve ser apreendido
como o conjunto de reações políticas de âmbito internacional, grosso modo

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 126


10 unilateral, posto em prática por Estados intrínseca e diretamente ligados à
Compartilhamos aqui do ponto de vista de
Waddell, que entende o sistema atlântico – comercialização da mão de obra escrava africana, a saber: Brasil, Portugal,
ou, caso se prefira, americano – como um Espanha (à época, ainda metrópole de uma das principais zonas importado-
subsistema, isto no curso da transição do
ras de escravos do Atlântico: Cuba) e mesmo os Estados Unidos – frente à
Setecentos para o Oitocentos, de um sistema
político maior: o europeu. Ver: WADDELL, D. A. intensificação da questão abolicionista na agenda internacional dos países
G. A política internacional e a independência da integrantes do sistema atlântico10 ao longo da primeira metade do século
América Latina. In: BETHELL, Leslie (Org.). História
da América Latina. Vol. III: Da independência XIX. Nesse sentido, não é estranho afirmar que, dentro do contexto e dos
até 1870. São Paulo: EdUSP/Imprensa Oficial do valores assumidos pelo sistema escravista nas realidades específicas dos refe-
Estado/Fundação Alexandre de Gusmão, 2004.
ridos países, a diplomacia do tráfico esteve, de um modo ou de outro, ligada
p.231-265.
e referendada pela política da escravidão11 em voga nos mesmos. Para os fins
11
Ao adotarmos o termo política da escravidão argumentativos deste trabalho convém, no entanto, ater nossa explanação
utilizamos a significação semântica fornecida por ao caráter significante desta diplomacia em Portugal e no Brasil, bem como
Tâmis Parron, que a entende como sendo uma
ao percurso histórico que a mesma veio a sofrer em ambos os países.12
rede de alianças políticas e sociais costuradas
em favor da estabilidade institucional da ordem Como observado pelo diplomata e cientista político Paulo Roberto
escravista. Este conceito, tal qual nos lembra de Almeida, os primeiros passos da diplomacia do tráfico de Portugal e do
o autor, é costumeiramente empregado por
historiadores dos Estados Unidos para designar o Brasil foram galgados quando das negociações que se seguiram a transfe-
conjunto de valores e práticas que direcionavam rência do aparato administrativo da monarquia bragantina para o Rio de
os eleitores sulistas na escolha de seus
Janeiro em 1807-8, cujo resultado foi o Tratado de Paz e Amizade de 1810
candidatos ao Congresso Nacional, com vista a
salvaguardar não só a continuidade, mas também entre Portugal e a Grã-Bretanha13, pelo qual, em seu art. 10º, “o Príncipe
a própria expansão – para os novos territórios do Regente concordava na abolição gradual do tráfico de escravos e passa-
sudoeste – do sistema escravista. Ver: PARRON,
Tâmis. A política da escravidão no Império do va a permiti-lo [unicamente] nas possessões portuguesas da África para
Brasil, 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização o Brasil”.14 A historiografia especializada é unânime em identificar este
Brasileira, 2011. p.17-19.
momento como a ocasião em que são colocados os primeiros óbices ao
12 comércio negreiro realizado por portugueses e brasileiros. Haja vista que,
Para o leitor interessado na realidade do
sistema escravista desenvolvido em Cuba e no nas negociações bilaterais estabelecidas entre os agentes portugueses e
sul dos Estados Unidos, um texto referencial britânicos no decênio seguinte à assinatura e ratificação deste tratado, a
para a formulação de ideias neste sentido é o de
MARQUESE, Rafael de Bivar. Feitores do corpo,
concordância ali registrada de D. João configurou num dos principais torni-
missionários da mente. Senhores, letrados e o quetes de pressão utilizados pelos diplomatas de Sua Majestade Britânica
controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. para advogar contra o tráfico de africanos realizado pelos súditos de Sua
São Paulo: Cia das Letras, 2004.
Alteza Fidelíssima. De modo semelhante, no entanto, a contratação do Tra-
13
ALMEIDA, Paulo Roberto de. Formação da
tado de 1810 pode muito bem ser identificada como a ocasião em que foi
diplomacia econômica no Brasil: as relações gestada a postura diplomática luso-brasileira em prol da defesa do tráfico
econômicas internacionais no Império. Vol. I. São desenvolvido pelos vassalos do Estado bragantino. Afinal, ali estão coladas
Paulo/Brasília: SENAC/FUNAC, 2001. p.315.
promessas – aliás, muito vagas –, cujo fito era não outro que transferir
14
Ibidem, p.317.
a questão do tráfico atlântico de escravos para as mesas de negociações
futuras. Tática esta repetidamente empregada pela diplomacia a princípio
15
Clara referência, obviamente, ao trabalho luso-brasileira e, posteriormente a 1822, pelas diplomacias reinol e impe-
conjunto de FRAGOSO, João; FLORENTINO, rial de Portugal e Brasil respectivamente.
Manolo. O arcaísmo como projeto: mercado
atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em
Essa tese ganha substância quando atrelada à ideia do projeto
uma economia colonial tardia – Rio de Janeiro, c. continuísta – ou, em outras palavras, do “arcaísmo como projeto”15 – que
1790 – c. 1840. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização se encontra por trás da invenção e edificação, à época da negociação do
Brasileira, 2001.
Tratado de 1810, do Império luso-brasileiro. E, que, por sinal, vai estar
16
Para uma leitura dos pormenores da ideia de também presente algum tempo depois nos embates políticos e ideológicos
edificação do Império luso-brasileiro ver LYRA, em torno da concepção do próprio Estado imperial brasileiro. Em ambos os
Maria de Lourdes Viana. A utopia do poderoso
tempos, buscou-se estabelecer um novo contrato imperial e social entre
império. Portugal e Brasil: bastidores da política,
1798-1822. São Paulo: Sette Letras, 1994. Um o(s) monarca(s) e as elites dirigentes e constituintes hora do Império extra-
segundo trabalho referencial para a compreensão continental luso-brasileiro, hora do contínuo e indivisível Império brasilei-
deste grande empreendimento que foi a criação
de um Império extracontinental, porém com ro, por meio dos quais a lealdade e fidelidade para com a Casa de Bragança
uma visão acadêmica portuguesa do tema, é dependiam consequentemente da capacidade das instituições monárquicas
a coletânea de NIZZA DA SILVA, Maria Beatriz
em identificar, congregar e defender os interesses elitistas não só no plano
(Org.). Nova história da expansão portuguesa.
O Império luso-brasileiro (1750-1822). Lisboa: interno, mas também no plano externo da ordem imperial.16 Nesse sentido,
Estampa, 1986. Demétrio Magnoli é enfático quando diz que:

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 127


[...] O apego da Coroa à atividade negreira está acima de qualquer suspeita [pois]:
em 1810, D. João VI curvou-se ao compromisso genérico de abolição gradual do
tráfico apenas para evitar retaliações mais duras; em 1815, sacrificou o comércio
negreiro ao norte do Equador em nome de uma relativa tolerância britânica no
Hemisfério Sul; [enquanto que] a partir de 1822, o governo imperial travou uma
verdadeira guerra de posição, trincheira por trincheira, a fim de conferir sobrevida
inesperadamente longa ao lucrativo negócio.17
17
MAGNOLI, Demétrio. O corpo da pátria:
imaginação geográfica e política externa no A razão disto é que, a diplomacia do tráfico gestada no seio da
Brasil (1808-1912). São Paulo: Editora UNESP/
Moderna, 1997. p.86. monarquia bragantina no contexto político da afirmação da união
luso-brasileira, ou seja, na década de 1810, tinha por duplo objetivo retar-
dar ao máximo a condenação efetiva do comércio de escravos com vista a
fortalecer e estreitar o vasto sistema comercial existente entre os territó-
rios portugueses na América e na África forjado, justamente, a partir das
rotas marítimas a serviço da exportação e da importação de mão de obra
cativa de uma costa a outra do Atlântico. Esperava-se com isto que, esta
mesma diplomacia auxiliasse no plano político interno de reorganização do
Império Ultramarino – que então se queria identificar como lusitano e bra-
sileiro – na medida em que ela impedisse no plano político internacional a
intervenção britânica no destino do principal produto de comercialização –
ou seja, o escravo – entre as praças mercantis atlânticas constituintes do
mesmo Império. Todavia, o caráter aglutinador desse grandioso projeto
encabeçado e vislumbrado pela Casa de Bragança, não foi suficiente para
impedir a proliferação de pontos de vistas divergentes entre os estadistas
representantes das elites de Portugal e do Brasil. Não obstante, nos quatro
18 últimos anos daquela década assistiu-se a uma crescente divisão entre
O termo partidário, aqui utilizado, difere da
conotação contemporânea que o identifica como
portugueses e brasileiros que resultou, ao fim, na melindrosa cisão entre os
sendo uma pessoa ligada a um partido político, partidários18 de uma e de outra causa traduzida na efetivação, em princí-
a um sistema ou a um regime de governo. Ele pios dos anos de 1820, da Independência do Brasil.
restringe, tão somente, à rivalidade dos círculos
políticos do Império luso-brasileiro, verificada A separação política entre Portugal e o Brasil não levou, entretanto,
nos primeiros anos da década de 1820, entre ao fim da monarquia bragantina nem lá e nem cá. Pelo contrário, tanto o
os estadistas identificados com os interesses
políticos e econômicos do Brasil e aqueles
Brasil como o próprio Portugal, seguiram sendo básica e indistintamente
identificados às aspirações políticas e econômicas um Estado bragantino, sobretudo, no que diz respeito à forma de relacio-
de Portugal. Para uma visão mais plena deste nar-se internacionalmente com outros Estados ao buscar prolongar conver-
contexto ver RIBEIRO, Gladys Sabina. A liberdade
em construção. Identidade nacional e conflitos sações, contornar agravantes e negociar simultaneamente com mais de um
antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Estado em diferentes frentes e situações.19 De modo análogo, a dissensão
FAPERJ/Relume Dumará, 2002.
luso-brasileira também não assinalou o abandono da diplomacia do tráfico
19 nem de um lado nem de outro do Atlântico. A despeito disso, ela repercutiu
Compartilhamos aqui da visão dos professores
Cervo e Bueno. Segundo eles, o Estado brasileiro no sentido de definir clara e objetivamente as pretensões específicas que
[que] se apresenta à comunidade internacional, portugueses e brasileiros esperavam obter em relação à questão do “infame
em 1822, reivindicando o papel de novo membro
e ator (...) pouco tinha [na realidade] de brasileiro,
comércio” de escravos.
na medida em que representava o transplante Com base em nossa historiografia, é possível que os anseios brasi-
direto do Estado português. Ver: CERVO, Amado; leiros acerca do tráfico de africanos nos sejam mais claros. Celebrado o
BUENO, Clodoaldo. História da política exterior do
Brasil. São Paulo: Ática, 1992. p.20-25. Tratado de Paz e Aliança de 1825, “entre o Senhor D. Pedro I, Imperador do
20
Brasil, e D. João VI, Rei de Portugal“20, pelo qual o Império brasileiro obteve
Preâmbulo do Tratado de Paz e Aliança entre “o reconhecimento da [sua] personalidade internacional “21, a diplomacia
Brasil e Portugal, de 1825. Apud. CERVO, do Primeiro Reinado buscou com afinco renovar os termos adotados com
Amado; MAGALHÃES, José Calvet de. Depois das
caravelas. As relações entre Portugal e Brasil: a Grã-Bretanha para reger as rodadas de negociação sobre a concessão do
1808-2000. Brasília: Editora da UnB, 2000. reconhecimento britânico à Independência brasileira. Desde 1824, quando
p.377-381.
a primeira rodada bilateral de negociação teve lugar em Londres, a estra-
21 tégia brasileira era a de cercar o comércio escravista de subterfúgios que
ACCIOLY, Hildebrando. O reconhecimento da
Independência do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa o salvaguardassem na mesa de negociação. Desta feita, os plenipotenciá­
Nacional, 1927. p.120. rios imperiais credenciados àquele tempo junto à Corte de Saint James,

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 128


Felisberto Caldeira Brant – futuro marquês de Barbacena – e Gameiro
Pessoa, haviam sido instruídos por Luís José de Carvalho e Mello, então
Ministro dos Negócios Estrangeiros, a esgotarem todas as argumentações
relativas às vantagens comerciais que o reconhecimento poderia advir
para a Grã-Bretanha antes que eles próprios fossem inquiridos a tratar da
22 delicada questão do tráfico atlântico de escravos.22 Solucionado, porém, o
Para uma leitura mais específica e impasse com Portugal, os agentes brasileiros não deixaram que as novas
consubstancial das negociações anglo-brasileiras
durante a década de 1820, além da obra de implicações internacionais que o tratado luso-brasileiro de 1825 então
Leslie Bethell, A abolição do tráfico de escravos introduzia no contexto particular das relações do Império com o continente
para o Brasil, aqui já referida, indica-se também
outros importantes trabalhos como: CALÓGERAS,
africano passassem despercebidas.
João Pandiá. A política exterior do Império. Vol. Reconhecido, agora, formalmente como um Estado independente e
II: o Primeiro Reinado. Brasília: Senado Federal, soberano por sua antiga metrópole, era juridicamente reconhecido também
1998; RODRIGUES, José Honório. Independência:
revolução e contra-revolução. Vol. 5: a política ao Brasil protestar contra a validade e a continuidade de obrigações inter-
internacional. Rio de Janeiro: Francisco Alves, nacionais que transcendiam a sua emancipação. Nesse sentido, abria-se
1975; PANTALEÃO, Olga. A presença inglesa
no Brasil/O reconhecimento do Império. In:
um caminho legal de contestação por parte do Império no foro internacio-
HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). História nal de princípios do século XIX, no qual a Grã-Bretanha desenvolverá múl-
geral da civilização brasileira. Tomo II: O Brasil tiplos acordos bilaterais com vista a reprimir e sufocar o tráfico negreiro
monárquico. Vol.I – O processo de emancipação.
5ª ed. São Paulo: Difel, 1982. p.64-99 e p.331- intercontinental, na medida em que os convênios de 1810, 1815 e de 1817
378. diziam respeito ao “comércio de almas” realizado por brasileiros enquan-
to súditos do rei de Portugal. Liberados da relação de vassalagem com o
monarca lusitano, não tinham, portanto, aquelas cláusulas restritivas e
proibitivas efeito prático ou legal algum sobre os súditos do Imperador
do Brasil. Em outras palavras, o Império em si não havia até então firma-
do compromisso algum de abolição daquele comércio. Na realidade, esta
lógica brasileira promoveu uma inversão do próprio entendimento britânico
sobre a legalidade do tráfico de escravos desenvolvido pelos portugueses
em meio ao calor dos acontecimentos de Setembro de 1822. Posto que,
George Canning, à época Ministro do Exterior da Grã-Bretanha:

[...] pôde argumentar, com justiça, que todo o tráfico português de escravos através
do Atlântico se tornara de facto ilegal a partir do momento em que o Brasil e
23
Portugal se haviam separado (...). [Com base no] artigo quarto do tratado de 1815,
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos
para o Brasil... Op. Cit., p.39-40. D. João tinha se comprometido especificamente a não permitir que a bandeira
portuguesa fosse empregada no tráfico negreiro, exceto para suprir de mão de obra
24
Ibidem, p.41.
“as possessões transatlânticas pertencentes à coroa de Portugal”; [da mesma forma
que] o artigo primeiro da Convenção Adicional de 1817 tinha definido como ilícito
25 o tráfico exercido por navios portugueses para portos situados fora dos domínios da
Cabe aqui uma explicação pontual. Por
muito tempo a historiografia tomou o Tratado
coroa portuguesa [...].23
anglo-brasileiro de 1826 como uma derrota
à diplomacia do tráfico do Primeiro Reinado. Com razão, Bethell argumenta que “o que parecia representar um
Tal visão, em grande parte, se justifica em
face da cláusula nele firmada de abolição passo à frente” para se alcançar mais rapidamente o intento britânico da
do tráfico de escravos para o Brasil passados abolição definitiva do tráfico no Atlântico Sul, “a curto prazo, acabou por
três anos de sua ratificação pelos respectivos
governos contratantes. Todavia, para além
representar também dois passos atrás”24. Prova disto é o favorecimento que
desta determinação, a historiografia que se se seguiu, após a ruptura luso-brasileira, à diplomacia do tráfico do Brasil
debruçou sobre o Tratado de 1826 foi também que foi ali enriquecida por novos elementos – além da retórica da necessi-
muito influenciada pela impressão negativa
que o sistema de tratados tinha despertado no dade de novos “braços para a lavoura” nacional – para lutar pela posterga-
Poder Legislativo nacional que, àquela altura, ção do comércio humano entre a África e o Brasil.25
já iniciava a sua campanha pelo fortalecimento
das instituições parlamentares. Desta forma, a
Como mencionado há alguns parágrafos atrás, o fim da união
historiografia mais tradicional deixou-se, em luso-brasileira não simbolizou, em Portugal, a supressão de sua diplomacia
certa medida, contaminar-se pela visão “do do tráfico. Ainda que entre 1810 e 1822, esta diplomacia estivesse mais
insucesso”, criada pelos parlamentares a partir
de 1826, o que impediu que se apreendessem os identificada com os anseios da porção americana do Império luso-brasi-
sucessivos esforços travados pelos diplomatas leiro, o período que se segue à extinção da monarquia transcontinental
brasileiros desde 1822 para salvaguardar o tráfico
de escravos.
bragantina revela que os portugueses também tinham grande interesse em

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 129


refrear a intervenção britânica sobre o negócio negreiro no Atlântico Sul.
Tal qual no Brasil, onde a possibilidade de extinção imediata e definitiva do
tráfico de escravos causou grande alarme sobre o futuro da arrecadação
fiscal do Estado, em Portugal, devido à parca receita dos cofres públicos
em sua maior parte proveniente dos impostos sobre os cativos embarcados
e sobre as demais operações mercantis concretizadas no cerne da mesma
prática escravista, a preocupação com a deflagração de uma longa e grave
26 crise econômica também se fez presente.26
A importância da embarcação dos escravos, bem
como das demais atividades do negócio negreiro A este quadro deve ainda ser acrescentada uma segunda preocupa-
para os cofres públicos de Portugal ao longo do ção, de ordem fundamentalmente política. Ocorre que, após a Independên-
século XIX pode ser verificada no trabalho de
LAINS, Pedro. Causas do colonialismo português
cia do Brasil, Portugal conservava ainda no seu rol de territórios, domínios
em África, 1822-1975. In: Análise Social, Lisboa, e entrepostos a posse de importantes zonas de exportação de mão de obra
Instituto de Ciências Sociais da Universidade de africana. Vide, por exemplo, os portos de Luanda, Benguela e Cabinda, em
Lisboa, v.XXXIII, n.146-147, p.463-496, 1998. (Ver
em especial as páginas 467 a 476). Angola. Contudo, como bem lembrado pelo historiador português Valentim
Alexandre, até meados do século XIX, “a soberania de Lisboa sobre estas
e outras regiões pouco mais era do que nominal, estando o(s) governo(s)
27
ALEXANDRE, Valentim. O império português das colônias entregue(s) de fato aos estratos dominantes locais”27 histori-
(1825-1890): Ideologia e economia. In: Análise camente vinculados às atividades do comércio negreiro. Posto isto, é de se
Social, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais da
Universidade de Lisboa, v.XXXVIII, n.169, p.959-
imaginar a complexidade da questão do tráfico para a política ultramarina
979, 2004. (citação literal da página 960). do Estado português. Paralelamente, enquanto no Brasil dos anos de 1820
28 a defesa do negócio escravista monopolizado por uma comunidade de tra-
Seguimos aqui a noção de comunidade de ficantes28 marcadamente carioca, apresenta-se como uma das atribuições
traficantes fornecida por Florentino, de forma que
a entendemos como uma rede de relações que
chave do novo Estado imperial, sendo esta inclusive uma das principais
extrapolava o âmbito econômico, estendendo-se fontes de sua legitimidade, no mesmo período, em Portugal, a conservação
ao campo pessoal e afetivo. Ver: FLORENTINO, do tráfico atlântico de escravos oferecia-se como solução à proliferação
Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico
atlântico de escravos entre a África e o Rio de de perturbações regionais que pudessem levar a novas desarticulações do
Janeiro (Séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: império ultramarino português remanescente.
Arquivo Nacional, 1995. p.219-222.
Não era injustificável o temor português. Ainda durante a última fase
29 do Império luso-brasileiro, quando da convocação das Cortes de Lisboa
Eusébio de Queirós Coutinho era pai de Eusébio
de Queirós Coutinho Matoso Câmara, justamente (1821-1822), Euzébio de Queirós Coutinho, um dos três representantes
um dos líderes da Trindade Saquarema e Ministro eleitos para representar Angola em Portugal, era um dos mais fervorosos
da Justiça responsável, em 1850, pela repressão
ao tráfico atlântico de escravos. A relação da
simpatizantes à ideia de separação deste último de sua terra natal e de sua
família dos Queirós com a política brasileira adesão ao Império do Brasil.29 Outro exemplo singular que mostra o quão
se dá, por conseguinte, a partir da passagem grande era o número de partidários da causa emancipacionista brasileira
do Eusébio pai pelo Rio de Janeiro, em 1822,
quando este seguia para Lisboa a fim de tomar na colônia angolana sucedeu-se em Benguela, quase que ao mesmo tempo
seu assento nas Cortes Constitucionais como em que o governo do Rio de Janeiro declarava a sua autonomia em relação
um dos representantes eleitos por Angola. Ver:
RODRIGUES, José Honório. Brasil e África: outros
ao de Lisboa, tendo a cidade sido tomada por uma sucessão de revoltas em
horizontes. Vol.I – Relações e contribuições favor da anexação com o Brasil.30 Estes episódios resultaram diretamente
mútuas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, no Tratado luso-brasileiro de 1825 – mediado pela diplomacia britânica –,
1964. p.133-137.
pelo qual, Sua Majestade Imperial, ou seja, D. Pedro I prometia “não aceitar
30
COSTA E SILVA, Alberto da. Um rio chamado
proposições de quaisquer colônias portuguesas para se reunirem ao Império
Atlântico: a África no Brasil e o Brasil na África. do Brasil”.31 Ainda assim, a posição metropolitana de Portugal ante as
Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Ed. UFRJ, 2003. pressões abolicionistas do tráfico de africanos emanadas da Grã-Bretanha
p.32.
era relativamente frágil:
31
Artigo 3 do Tratado de Paz e Aliança entre
[...] Aceitar o compromisso de abolir o tráfico (...) envolvia (...) um duplo perigo: o
Brasil e Portugal, de 1825. Apud. CERVO,
Amado; MAGALHÃES, José Calvet de. Depois das de mostrar a incapacidade do Estado português para levar a cabo a parte que lhe
caravelas... Op. Cit., p.379. caberia em tal tarefa, abrindo a porta a novas pressões inglesas; e o de suscitar uma
32
sublevação nas possessões africanas, provocando a dissolução do que restava [de
ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a abolição seu] império [...].32
do tráfico de escravos (1834-1851). Análise
Social, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais da
Universidade de Lisboa, v.XXVI, n.111, p.293-333,
Dada tal realidade e guardadas as devidas proporções, é possível
1991 (citação literal da página 301). perceber certa similitude entre o dilema dos estadistas vintistas do Brasil

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 130


e de Portugal acerca da questão da abolição do tráfico de escravos de seus
respectivos patrícios. Em ambos os casos a supressão do negócio negreiro
trazia consigo: um risco real à ordem econômica e política dos dois Estados
escravistas; e uma implicação de ineficiência ou, mesmo, de falência das
respectivas instituições de governo, principalmente no que toca ao geren-
ciamento de suas políticas externas. Sendo, deste modo, altamente custoso
a ambos os países enfrentarem, naquele momento, o ônus da abolição. A
diplomacia do tráfico que neles teve lugar no decorrer da década de 20
do Oitocentos, embora objetivasse atender a anseios e projetos peculiares
buscou, de forma parelha, esquivar-se ao máximo da pressão diplomática
exercida pela Grã-Bretanha. Em algumas ocasiões optou-se, inclusive, por
aguardar que uma das partes pressionadas tomasse a iniciativa decisória
de acabar com o tráfico. O que, por conseguinte, desembocou na década de
1830 num ambiente conflituoso das relações luso-brasileiras.

O “empurra-empurra” entre Portugal e o Brasil


Depois da Grã-Bretanha, foi com Portugal que o Brasil mais se ateve na
discussão da supressão do tráfico negreiro através do Atlântico Sul. A razão
disto se deve, quase que essencialmente, à participação da bandeira portu-
33 guesa no contrabando para o Brasil.33 Evento corriqueiramente chamado à
As relações bilaterais de Brasil e Portugal
eram, na realidade, mais complexas, envolvendo
atenção nos Relatórios Ministeriais da Repartição dos Negócios Estrangei-
interesses divergentes de ambos os lados. Do ros do Império, a exemplo do que se lê no Relatório de 1834, assinado por
lado brasileiro, demonstrava-se ainda o interesse Aureliano de Souza e Oliveira Coutinho:
pelos seguintes temas: fabricação e contrabando
de moeda falsa e a liquidação dos prejuízos
reclamados por Portugal quando da Guerra de [À] comissão mista brasileira e inglesa (...) para o julgamento do contrabando de
Independência. Já do lado português constavam africanos, foram presentes dois casos de duas embarcações portuguesas: a barca
como principal ponto de pauta a coibição da – Maria da Glória – e o bergantim – Paquete do Sul –, detidas a 1ª. Pelo brigue
emigração clandestina de portugueses para
o Brasil e a proteção dos bens e dos súditos
de guerra inglês – Snake –, pois lhe acharam 426 africanos a bordo, e a 2ª. Pela
portugueses que se encontravam e que residiam corveta inglesa – Satellite –, por se lhe encontrarem ferros, e utensílios próprios
no Brasil. Apesar desta agenda variada, naqueles para o tráfico de escravos. Aquela barca não foi sentenciada pela Comissão por se
anos de 1830, foi a coibição do tráfico atlântico ter provado ser de propriedade portuguesa (...) o bergantim porém o foi somente
feito debaixo da bandeira portuguesa que servira naquela parte do valor pertencente a um súdito brasileiro. A tomada destas
como ponto catalisador das relações entre ambos
os países. CERVO, Amado Luiz; MAGALHÃES,
embarcações deveria talvez desanimar um tráfico tão desumano, e impolítico, o qual
José Calvet de. Depois das caravelas... Op. Cit., todavia continua, e continuará a fazer-se nas costas do Brasil, a despeito da Lei de
p.129-168. 7 de novembro de 1831, e das reiteradas ordens, e recomendações do governo a tal
respeito às autoridades subalternas; porquanto, primeiramente tem sido protegido
pela bandeira portuguesa, como o provam as duas embarcações acima mencionadas,
e outros fatos. Navios cobertos com a referida bandeira partem continuamente
de nossos portos com o especioso pretexto de carregarem na costa da África
marfim, cera, azeite, e outros artigos de comércio, levando porém a intenção fixa
de só trazerem infelizes africanos, que lhes afiançam um melhor lucro [...] Sobre a
proteção da bandeira portuguesa a tais navios tem já o governo imperial oficiado
de uma maneira enérgica à Legação de Sua Majestade Fidelíssima nesta Corte;
bem como tem reclamado a intervenção do governo inglês, para que se consiga a
34 proibição deste desumano tráfico nas colônias portuguesas.34
Relatório da Repartição dos Negócios
Estrangeiros, 1834, p.4.
E, no de seu sucessor, o Ministro Manuel Alves Branco:

A comissão mista brasileira e inglesa (...) tem tomado conhecimento de várias


embarcações, que tem sido apreendidas por vasos de guerra brasileiros, e ingleses –
a saber – Duquesa de Bragança; [os] patachos Dois de Março e Santo Antônio; [e
o] bergantim Rio da Prata. Foi o primeiro apresado pela corveta de guerra Satellite
com 227 africanos; o segundo pelo brigue Cacique, e [pela] escuna Fluminense, por
desconfiança de ter trazido africanos; o terceiro pela escuna de guerra brasileira
Lebre, com 144 africanos; o quarto pela corveta de guerra inglesa Raleigh com 523
africanos. Sendo todas as embarcações condenadas, apenas deixou a Comissão de

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 131


tomar conhecimento do patacho Dois de Março, por se verificar ser propriedade
portuguesa e, por conseguinte, fora da letra do tratado, de que ela recebeu
autorização. O governo, guiado tanto pelos princípios de humanidade, como fiel aos
tratados, e à Lei de 7 de novembro de 1831, tem desveladamente procurado velar
o contrabando de africanos, que escandalosamente continua a fazer-se em todo
o Brasil; mas os esforços do governo, é doloroso dizê-lo, tem sido quase baldados,
atenta a facilidade que encontram os armadores daquelas embarcações nas colônias
35 portuguesas, usando da sua bandeira por meio de vendas fraudulentas [...].35
Relatório da Repartição dos Negócios
Estrangeiros, 1835, p.4-5. Ocorre que o uso da bandeira portuguesa no contrabando de afri-
canos foi um dos primeiros indícios, após os primeiros anos da proibição
do comércio atlântico de escravos para o Brasil, depois da lei de 7 de
36 novembro de 183136, de que este estava se renovando. O procedimento era
A lei de 1831 foi por muito tempo considerada
uma lei ineficiente por parte da comunidade
simples. Primeiro, era simulada a venda de uma embarcação qualquer de
acadêmica que, aliás, fazia questão de reforçar um brasileiro para um português. Feito isto, o seu novo proprietário dava
o estigma negativo por trás da denominação “lei entrada, junto ao Consulado português no Rio de Janeiro, no requerimento
para inglês ver”. Contudo, já faz algum tempo
que uma vertente da historiografia nacional tem dos documentos que lhe garantiam o direito de navegar para qualquer que
chamado a atenção para outro caráter da lei de fosse o porto africano sobre a autoridade de Portugal. O pretexto declarado
1831 que não o jurídico: o seu caráter político.
Nesse sentido, são instigantes os trabalhos de
para a viagem, como enunciado pelo Ministro Oliveira Coutinho, era o de
Beiguelman e de Mamigonian. Ambas as autoras carregar na costa da África marfim, cera, azeite e outros artigos de comér-
reconhecem o trabalho legislativo acerca da cio. Mas o motivo real era mesmo o de traficar escravos livre das proibições
regulamentação da extinção e da proibição
do comércio negreiro para o Brasil impetrado que recaíam sobre as embarcações de proprietários brasileiros.37
durante a Regência (1831-1840) como uma A ousadia dos traficantes era tamanha, e a conivência do cônsul por-
tentativa do próprio legislativo de (re)afirmar
a sua soberania sobre o Estado brasileiro e,
tuguês no Rio de Janeiro, Joaquim Barrozo Pereira, era tão escancarada38
por conseguinte, sobre as comissões mistas que, em 1836, o Ministro dos Estrangeiros do Império, Ignácio Borges, in-
anglo-brasileiras. Estas foram criadas, com formava que sete embarcações sob a bandeira portuguesa haviam passado
base nas estipulações acertadas no Tratado de
1826, para julgar as presas realizadas a partir pela comissão mista anglo-brasileira instalada no Rio de Janeiro, conforme
de 13 de março de 1830, quando o tráfico apresentado na tabela abaixo:
entre a África e o Brasil deveria, pelo referido
convênio internacional, cessar de vez. Este
artigo compartilha dessa visão história. Ver: Navios Negreiros Apresados sob a Bandeira Portuguesa entre Maio de
BIGUELMAN, Paula. Formação política do Brasil. 1835 a Maio de 1836
Vol. I: Teoria e ação no pensamento abolicionista.
São Paulo: Pioneira, 1976. MAMIGONIAM, Tipo de Embarcação Identificação Escravos a Bordo
Beatriz Gallotti. O direito de ser africano livre: os
escravos e as interpretações da Lei de 1831. In:
LARA, Silvia Hunold; MENDONÇA, Joseli Maria
Bergantim Amizade Feliz 350
Nunes (Orgs.). Direito e justiça no Brasil: ensaios
de história social. Campinas: Editora da Unicamp, Escuna Angélica 319
2006. p.129-169.
37 Patacho Continente 60
AMARAL, Roquinaldo do. Op. Cit., p.136.
ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a abolição do Bergantim Aventura –
tráfico de escravos... Op. Cit., p.297.
38 Sumaca Novo Destino 2
Da mesma forma com que grande parte das
autoridades brasileiras eram suscetíveis ao Brigue Orion 243
tráfico e aos traficantes, era também conhecida
a conivência com que autoridades portuguesas, Sumaca Vencedora –
no Brasil e/ou nos portos da África, tinham para
com a dita prática e os ditos indivíduos. AMARAL,
Roquinaldo do. Op. Cit., p.117-148 e p.216-233.
FONTE: Relatório da Repartição dos Negócios Estrangeiros, 1836, p.4

O crescimento desta prática ano após ano era, portanto, evidente.


Contudo, mais preocupante do que a situação de 1836, iria se mostrar a de
1838. Dois anos depois da vertiginosa elevação do número de embarcações
portuguesas apresadas pelas comissões mistas anglo-brasileira, Antônio
Peregrino Maciel Monteiro, denunciava:

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 132


Penetrado, como está o governo, de todo o horror, que inspira o bárbaro comércio
de carne humana, convencido da gravidade de uma matéria, à qual estão tão
intimamente ligados os mais vitais interesses do Império, conciso finalmente dos
funestos efeitos, que resultam da violação flagrante das leis, muito deplora o
mesmo governo a inutilidade dos seus esforços empregados para a repressão de tão
vergonhosas especulações; visto que, ensinando a observação que todos ou quase
todos os navios ocupados em tais negociações são pertencentes à nação portuguesa,
aos súditos da qual não é proibido o tráfico, se não nos portos do Norte do Equador,
como se acha estabelecido em Tratado assinado em 22 de janeiro de 1815, e [em]
Convenção Adicional de 28 de julho de 1817 (...) Instruído sobre verdadeira causa
do mal, e desejando com ardor por termo à torrente das fraudes e abusos, que
todos deploram, o governo imperial não se tem descuidado de chamar a atenção do
gabinete de S. M. Fidelíssima sobre esta importante matéria, e com quanto nenhum
ajuste se tenha ainda concluído entre as duas Coroas, com tudo é de [se] esperar que
as negociações encetadas sobre tal assunto, logo que as circunstâncias o permitam,
39 hajam de receber a devida conclusão.39
Relatório da Repartição dos Negócios
Estrangeiros, 1838, p.14-15.
A “devida conclusão” a que Maciel Monteiro se referia era, não outra,
que a urgência de uma ação conjunta entre Brasil e Portugal para pôr um
fim àquele disparate. Para tanto, não faltaram iniciativas. Isso, ao menos,
do lado brasileiro. Pois, antes mesmo que a venda simulada de navios a
portugueses viesse a ganhar a proporção de 1836 e de 1838, o governo
brasileiro já vinha se empenhando em tentar convencer o governo portu-
40
Relatório da Repartição dos Negócios guês da necessidade e da justeza de se abrir um consulado brasileiro na-
Estrangeiros, 1835, p.5. quela que era a terra donde saiam os maiores carregamentos de africanos
41 escravizados rumo ao Brasil, ou seja, em Angola.
COSTA e SILVA, Alberto. Op. Cit., p.31. Três foram Convencido deste propósito, Alves Branco, um dos primeiros ministros
as tentativas do governo brasileiro, ao longo da
primeira metade do século XIX em estabelecer um a relatar a negativa participação de “embarcações portuguesas” no tráfico
consulado em Luanda. A primeira se deu entre os atlântico para o Brasil, teimava em oficiar “nos termos mais enérgicos às
fins de outubro de 1826 e os idos de novembro
de 1827, quando Rui Germak Possolo chegou a
Cortes de Lisboa” que, para que se alcançassem resultados mais eficazes na
assentar serviço em Luanda até ser expulso pelo supressão do mesmo, era indispensável, além de “um cruzeiro mais vigilan-
governador de Angola, Nicolau de Abreu Castelo te” sobre as colônias portuguesas, que “o governo imperial [fosse autorizado
Branco. A segunda, em 1835, quando Manuel
Alves Branco, Ministro dos Negócios Estrangeiros, a] nomear um cônsul geral para residir em Angola com o fim de [ali] vigiar
buscou junto ao Ministro dos Negócios sobre o armamento de embarcações de pretos africanos”40. Sonho aca-
Estrangeiros de Portugal, Sá da Bandeira,
autorização para o mesmo fim. Seu pedido, no
lentado, “tão logo que viu a sua Independência reconhecida por Lisboa”41,
entanto, foi obstaculizado. A terceira, ocorreu em a constante insistência brasileira em instalar um consulado em Luanda
1850, às vésperas da promulgação de uma nova acabou por gerar suspeitas, entre alguns setores do Estado português acerca
lei antitráfico pelo governo brasileiro. Na ocasião,
Paulino José Soares de Souza, então chanceler dos motivos reais que levavam o Brasil a reivindicar a abertura de consula-
brasileiro, mais uma vez enviava requerimento dos na África, em especial naquele que era o porto por excelência do tráfico
às autoridades competentes da administração
do ultramar português solicitando a admissão
atlântico de escravos africanos. Como afirma Costa e Silva:
de agentes consulares brasileiros nos portos da
África com base no princípio da reciprocidade Temiam as autoridades portuguesas que um cônsul do Brasil em Luanda pudesse, com
entre as nações amigas. A este último pedido, sua presença ativa, estimular um partido independentista angolano ou os defensores da
respondeu o governo de Lisboa positivamente,
união com o Império brasileiro, embora estivesse essa última hipótese expressamente
ainda que tardiamente, autorizando, em 17 de
março de 1854, o estabelecimento de consulados proibida no tratado de 29 de agosto de 1825. Havia ainda o receio de que viesse
brasileiros em todos os seus portos ultramarinos o cônsul a contribuir para intensificar “a navegação brasileira, ou acobertada pelo
abertos ao comércio estrangeiro com as nações pavilhão brasileiro”, entre os portos das duas margens do Atlântico Sul. Isso ocorreria
amigas de Portugal. O que se deu, efetivamente, em detrimento dos navios de bandeira portuguesa e da política lusitana de reorientar
a 23 de agosto daquele mesmo ano, quando
para Portugal o comércio de Angola, que estava, antes da Independência do Brasil,
o recém elevado ao Ministério dos Negócios
Estrangeiros, José Maria da Silva Paranhos, tradicionalmente ligado ao Rio de Janeiro, à Bahia e ao Recife.42
nomeara Hermenegildo Frederico Niterói para
o cargo. Relatórios da Repartição dos Negócios
Estrangeiros, 1835, p.5; de 1850, p.4; e de 1856,
Nesse sentido, aos olhos dos estadistas de Portugal, tão real quanto o
p.7. perigo da perda – ou, caso se prefira, da usurpação – que pairava sobre os
42 territórios na África, era, também, o interesse brasileiro em desestabilizar
COSTA e SILVA, Alberto. Op. Cit., p.32. o domínio colonial português. Disso se explica a relutância com que estes

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 133


aceitavam em tratar da implantação de medidas conjuntas entre os dois
países para a abolição do tráfico extracontinental de escravos. Assim como
o Brasil julgava ser da sua única e inteira responsabilidade a supressão do
contrabando da mercadoria humana realizado em seus portos, Portugal
considerava dentro das atribuições de sua soberania a regulamentação
43 do comércio escravo levado a cabo por seus súditos e em seus domínios.43
Com a dissolução do Império luso-brasileiro, em Diante deste quadro, não demorou muito para que a questão do emban-
1822, tornada irrevogável em 1825, os estadistas
portugueses voltam sua atenção para os domínios deiramento, ou seja, a passagem simulada dos navios negreiros brasilei-
ultramarinos na África. Objetivando estreitar as ros para o pavilhão português, gerasse alguma animosidade nas relações
relações daquelas possessões com a metrópole,
logo se entende que o refreamento do tráfico
luso-brasileiras. Denúncias mútuas de complacência das respectivas autori-
atlântico de escravos entre aquelas e o Brasil é dades nacionais na realização desta prática tornaram-se frequentes nas
uma das suas principais necessidades. Todavia, correspondências diplomáticas trocadas entre os dois países.44 Da mesma
pelo menos até a segunda metade do Oitocentos,
esses planos de regeneração do Império forma que, os protestos mútuos de supostas arbitrariedades cometidas no
ultramarino português ainda não se encontravam ato da captura de uma ou outra embarcação, fosse pelo trabalho conjunto
amadurecidos, o que, por sua vez, contribuiu
para a prorrogação das relações mercantis entre
das forças navais anglo-brasileiras fosse pelo trabalho conjunto das forças
os portos da África portuguesa e os do Brasil. navais anglo-lusitanas, tornaram-se corriqueiros.
ALEXANDRE, Valentim. O império português Estas circunstâncias apenas demonstravam que a cooperação inter-
(1825-1890)... Op. Cit., p.959-979.
nacional entre Portugal e Brasil, para frear a comercialização da mão de
44
CERVO, Amado & MAGALHÃES, José Calvet de.
obra escrava pelo Atlântico ou para proporcionar alguma sobrevida extra
Depois das caravelas... Op. Cit., p.140. ao mesmo fito comercial, era muito difícil de articular, praticamente im-
possível. A desinteligência entre as expectativas vislumbradas por suas di-
plomacias a serviço do comércio atlântico de braços de trabalho africanos
era total. Tal desconcerto repercutiria na década de 1840, em um trágico
e humilhante episódio à soberania primeiramente de Portugal e, poste-
riormente, do Brasil, manchadas graças a adoção unilateral por parte da
Grã-Bretanha dos dois “Bills irmãos” – o Palmerston (de 1839) e o Aberde-
en (de 1845) – mais determinados em extinguir absoluta e definitivamente
o tráfico de escravos realizado sob as bandeiras lusitana e brasileira.

Liquidados na mesma moeda: o fim do tráfico de Portugal e do Brasil


No que toca exclusivamente o âmbito das relações anglo-lusitanas, “após um
intervalo de quase uma década, as negociações (...) para a abolição do tráfico
de escravos tornaram-se, uma vez mais, uma das grandes preocupações do
45 governo britânico”45. O interesse do governo londrino de retomar as nego-
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos ciações nesse sentido com Portugal manifesta-se em 1834 e (re)surge, como
no Brasil... Op. Cit., p.103. A década de 1820 pode
ser apreendida como um momento de relativa
tradicionalmente ocorria nas relações entre as duas nações, a partir da “co-
calmaria das relações anglo-lusitanas no que brança” britânica por favores prestados à Coroa portuguesa. Desta vez, mais
tange a questão do tráfico atlântico de escravos. precisamente, em função do apoio militar durante a guerra civil (1826-1834)
Isso porque, até 1825, a diplomacia britânica
esteve direcionada na tarefa de mediar a para reconduzir D. Maria II ao trono lusitano. Contudo, em vista da inconstân-
reconciliação entre Portugal e Brasil após a cisão cia dos gabinetes portugueses no curto período de 1834 e 1836, todas as ne-
ocorrida em finais de 1822. Na segunda metade
dos anos 20, por conseguinte, esteve a diplomacia
gociações empreendidas pelo representante britânico em Lisboa, lord Howard
da Grã-Bretanha extremamente ocupada em tirar de Walden, foram frustradas.46 Ainda assim, cabe ressaltar que a instabilidade
do Brasil uma cláusula proibitiva mais efetiva política vivenciada pelo Portugal na primeira metade da década de 1830 não
com relação ao comércio negreiro realizado sob
a sua bandeira. Destas circunstâncias resultam a foi o fator preponderante para o emperramento da ingerência britânica sobre
relativa calmaria das relações anglo-lusitanas até o comércio de escravos português. Mais uma vez, era a diplomacia do tráfico
o princípio da década de 1830.
vislumbrada pelos estadistas de Portugal a responsável por tal emperramento.
46
Temerosos em enfrentar as agruras que a abolição do tráfico sob a bandeira
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos
no Brasil... Op. Cit., p.105-106. portuguesa poderia incorrer para a estabilidade da política ultramarina lusi-
tana, os estadistas portugueses esperavam que uma primeira iniciativa nesse
47 sentido viesse de fora do país, mais precisamente do Brasil.47
ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a abolição do
Fato é que, não havia até então no governo português um projeto ou
tráfico de escravos... Op. Cit., p.301.
um estadista realmente disposto em extinguir ou minimamente lidar com

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 134


o comércio negreiro. Foi somente na conjuntura da Revolução Setembrista,
de 1836, com a volta dos ultranacionalistas ao controle do governo de Por-
tugal, que essa possibilidade veio, de fato, a ganhar corpo com o surgimen-
to da via nacional para a abolição do tráfico atlântico de escravos, ideali-
zada pelo Visconde de Sá da Bandeira, presidente do Conselho de Ministros
do governo português e considerado por muitos historiadores portugueses
como “a mais importante personalidade da política colonial portuguesa
48 de todo o século XIX “48. Em linhas gerais o projeto antitráfico de Sá da
ALEXANDRE, Valentim. O império português
Bandeira previa o seguinte: 1º. Abolir o tráfico atlântico de escravos entre
(1825-1890)... Op. Cit., p.962. A preeminência
de Sá da Bandeira à frente da política colonial as possessões portuguesas, excluindo, todavia, o tráfico interiorano do
portuguesa do século XIX parece ser realmente império de qualquer restrição; 2º. Os direitos de visita, busca e apreensão
um consenso da historiografia portuguesa, tanto
da ala mais contemporânea como da ala mais cedidos desde 1817 à Royal Navy seguiriam mantidos, contudo, em face da
tradicional. Da ala mais contemporânea, além extinção das comissões mistas anglo-lusitanas, o que, consecutivamente,
de Alexandre, pode se destacar o trabalho de
liberaria as presas para serem julgadas pelos próprios tribunais portugue-
SARDICA, José Miguel. A Regeneração sob o
signo do consenso. A política e os partidos entre ses; 3º. A decisão do destino dos escravos resgatados permaneceria da
1851 e 1861. Lisboa: ICS-UL, 2001. Já da ala mesma forma condicionada ao julgamento dos tribunais portugueses; e, 4º.
mais tradicional, lista-se, por exemplo, o estudo
de CAYOLLA, Lourenço. Sá da Bandeira. Coleção Portugal aceitaria negociar com a Grã-Bretanha a divisão do julgamento
figuras e feitos do além-mar. Lisboa: Agência dos navios apreendidos, a decisão do destino dos escravos libertados, bem
Geral do Ultramar, 1969.
como outras cláusulas a envolver as peças e os equipamentos das embar-
cações apreendidas desde que, em troca, recebesse garantias dos interesses
49 e da soberania portuguesa em questões de litígio na África.49
Para maiores informações acerca das minúcias
do projeto e do pensamento político de Sá da
Segundo Pedro Lains, o projeto de Sá da Bandeira se constituía, na
Bandeira em relação ao tráfico atlântico de realidade, em um audacioso plano de readequação da histórica influência
escravos ver: ALEXANDRE, Valentim. Portugal britânica sobre Portugal, através do qual se almejava renovar as bases do
e a abolição do tráfico de escravos... Op. Cit.,
p.304-317. “servilismo português” em prol da defesa dos domínios coloniais remanes-
centes. Ao fim e ao cabo, ele representava uma tentativa de conciliar os
sentimentos anglofóbicos, característicos ao espírito do setembrismo, à
50 rea­lidade precária do Estado ultramarino português.50 Afora isto, percebe-
LAINS, Pedro. Op. Cit., p.468. se ainda que o projeto de Sá da Bandeira não suprimia a diplomacia do
tráfico do Estado português. Ao contrário, ele a reafirmava e a reorientava,
ao condenar o comércio desenvolvido no ambiente atlântico, ao passo que
defendia abertamente a continuidade do comércio negreiro interiorano
entre os domínios e possessões lusas na África. Posto nestes termos, é pos-
sível inquerir que, por trás dessa reorientação encontrava-se implicitamen-
te colocado o desejo das autoridades portuguesas de ampliar o controle
sobre o giro capital de suas colônias, ao suprimir uma atividade mercantil
51 na qual a metrópole historicamente detinha uma posição marginal.
Estas medidas restritivas e punitivas não Deste modo, numa tentativa de demonstração da boa vontade
tiveram, contudo, efeito algum, pois, nos dizeres
de Alexandre, “se o governo de Lisboa não tinha portuguesa em cooperar com a Grã-Bretanha na abolição do tráfico
mãos nem nos seus cônsules, menos ainda se atlântico de escravos, desde que respeitadas as propostas levantadas por
conseguiria fazer obedecer pelas autoridades
Sá da Bandeira, o governo lisboeta endereçou, entre dezembro de 1836
coloniais das possessões de África [onde] o peso
e a influência política dos interesses locais, já e janeiro de 1837, circulares aos seus cônsules e autoridades coloniais
muito fortes no Antigo Regime [...] cresceram informando-os das novas restrições e penalidades que ele promulgara no
ainda [mais] depois da guerra civil e da vitória
dos liberais na metrópole, que, pondo em intento de ao menos limitar aquela que era a prática mais censurada pelo
causa o sistema de administração centrado governo de Londres e, como vimos nas páginas anteriores, também pelo
nos capitães-generais, abria um período de
governo do Rio de Janeiro: a do embandeiramento51. Contudo, resultas-
indefinição e por vezes mesmo vazio de poder,
preenchido geralmente pela criação de juntas de sem ou não aquelas medidas algum efeito, o governo britânico jamais
governo formadas por membros das oligarquias concordaria com premissas como aquelas, tidas como surpreendentes por
da colônia”. ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a
abolição do tráfico de escravos... Op. Cit., p.309. Walden e como inadmissíveis por Palmerston, embaixador e Ministro do
52
Foreign Office, respectivamente.52 Isto porque, após décadas de negocia-
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos ções e de inúmeras manifestações de “rebeldia” por parte dos sucessivos
no Brasil... Op. Cit., p.109. governantes lusitanos, a Grã-Bretanha, sob a batuta de Palmerston, pa-

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 135


recia cada vez mais inclinada em reavaliar os laços de aliança e amizade
que a ligavam a Portugal.
Foi no inverno de 1837-1838 que se operou tal reavaliação. Ali
Palmerston finalmente chegou à conclusão de que, no caso de Portugal,
53 melhor do que a diplomacia poderia ser, talvez, o uso da coerção.53 Neste
Ibidem.
sentido, enquanto Walden prosseguiu com as negociações com o gabinete
de Sá da Bandeira, Palmerston encaminhou ao Parlamento britânico um
Bill de sua autoria no qual, passando por cima do direito internacional-
mente consagrado da liberdade dos mares, autorizava os navios britâni-
cos estacionados ao longo da costa atlântico-africana a apresar todas as
embarcações sob o pavilhão português entregues ao comércio negreiro e a
remetê-las a julgamento nos tribunais do Vice-Almirantado britânico mais
54 próximos.54 A partir de então, a decisão sobre o controle do tráfico oceâni-
Ibidem, p.156. co de escravos feito sob sua bandeira saiu das mãos do governo português.
Tudo dependia, agora, da predisposição dos parlamentares britânicos em
continuar com as negociações bilaterais anglo-lusitanas, ou em seguir con-
forme a ação unilateral arquitetada por Palmerston.
Em 24 de agosto de 1839 era, enfim, tomada uma decisão para este
impasse. Após ser debatido por quase dois meses na Câmara dos Lordes,
o Bill Palmerston tornou-se lei, sendo suas estipulações imediatamente
55
aderidas pelos oficiais da Royal Navy.55
Apresentado a 10 de julho de 1839 à Câmara
dos Comuns, o Bill foi ali rapidamente acolhido A repercussão do Bill em Portugal desencadeou entre os portugueses
e aprovado. Talvez, pela proximidade dos uma onda anglofóbica que há tempos não se via naquele país. Todas as
interesses dos parlamentares daquela Casa
com os interesses coloniais dos cultivadores atenções da imprensa local voltaram-se nas semanas que se seguiram da
do Caribe. Na Câmara dos Lordes, entretanto, apresentação até a aprovação final daquele na Câmara britânica, para a
o Bill encontrou forte oposição do Duque de
cobertura do evento que ali estava sendo considerado como um afrontoso
Wellington, mais afeito à defesa dos direitos
internacionais garantidos em tempos de paz, e, ultimatum à soberania portuguesa. Um dos primeiros artigos nesse senti-
também à tradicional aliança entre Grã-Bretanha do pode ser encontrado em uma publicação de O Tempo, nas vésperas da
e Portugal. BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico
de escravos no Brasil... Op. Cit., p.159-163. apresentação do Bill aos Lordes, na qual se lia:

[...] esta pretensão do governo inglês é altamente atentatória da independência


das nações, e sobremaneira agressora contra o seu comércio; porque abriria uma
porta ampla, a fim que os ingleses, a pretexto de extinguir o tráfico da escravatura,
aniquilassem a navegação dos outros povos e reconcentrassem em suas mãos todo o
comércio do Atlântico; mas sem dúvida é contra Portugal que esta tentativa se torna
56 mais prejudicialmente atentatória.56
O Tempo, n.437, 29/07/1839. Apud. ALEXANDRE,
Valentim. Portugal e a abolição do tráfico de
escravos... Op. Cit., p.319. A publicação de O Nacional, dois dias depois, fazia coro às palavras
da gazeta anterior, evidenciando a homogeneidade dos discursos e das
impressões do contexto então vivenciado:

É a primeira vez que uma potência estrangeira se arroja o direito de legislar para
um povo livre e independente como se este pertencesse ao seu grêmio. (...) o Direito
das Gentes foi calcado aos pés por um gabinete que se diz liberal e ilustrado,
decretou-se a ruína da nossa navegação, por isso que não queremos conceder aos
ingleses direitos da Alfândega privilegiados, por isso que não lhes cedemos as nossas
colônias, e tudo a pretexto de filantropia, de desvelo pelo bem-estar dos africanos,
por isso que não temos marinhas para opor à sua. Refalsada [sic] e indignada
57 hipocrisia que os factos [sic] escandalosamente desmentem!57
O Nacional, n.1368, 31/07/1839. Apud.
ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a abolição do
tráfico de escravos... Op. Cit., p.319. O Atleta, não só compartilhava da opinião veiculada nos dias ante-
riores por seus pares, como conclamava o governo português a empreen-
der alguma forma de retaliação, a fim de salvar, pelo menos, a honra e a
dignidade nacional:

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 136


[...] o governo português deve continuar em a sustentação da dignidade nacional, já
que não tem uma marinha que vá punir quem ousar menosprezar excepcionalmente
a nossa bandeira, ponha ao menos em prática tudo quanto tiver ao seu alcance –
já que o perigo parece inevitável para nossas possessões, não o corra o nosso
decoro; diga embora lord Palmerston que nos roubou o que tínhamos de bom – os
monumentos da nossa antiga glória; mas não diga ao menos que o Português
58 abaixara o pescoço para receber o jugo inglês – “Perca-se tudo hormis l1honneur”.58
O Atleta, n.173, 05/08/1839. Apud. ALEXANDRE,
Valentim. Portugal e a abolição do tráfico de
escravos... Op. Cit., p.320. Hormis l’honneur (salve a honra) rapidamente parece ter se conver-
tido numa espécie de palavra de ordem, sendo repetida e massivamente
59 repercutida por todos os periódicos, dos liberais aos mais conservadores.59
ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a abolição do
A possibilidade de Portugal declarar guerra à Grã-Bretanha, aliás, não foi
tráfico de escravos... Op. Cit., p.321.
deixada de lado por Palmerston. O seu Bill, na realidade, já implicava em
um estado de guerra não declarado entre as duas nações. E em corres-
pondência particular a Walden, este ainda revelava grande esperança de
ver Portugal tomar essa medida. O que, a seus olhos, seria “tanto melhor,
pois, várias das suas colônias nos conviriam muito e, tendo-as tomado na
60 guerra, retê-las-íamos na paz que eles nos rogariam de joelhos”.60 Contudo,
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos enquanto a opinião pública portuguesa, ao menos a noticiada nos periódi-
no Brasil... Op. Cit., p.163.
cos mencionados, parecia aceitar o risco de tudo perder, menos a honra, os
seus estadistas demonstravam-se bem mais moderados e indecisos diante
do caminho a ser tomado. Ocorre que, se nos idos dos anos de 1830 e prin-
cípio dos de 1840, Portugal achava-se em tão ingrata situação, a culpa, nas
palavras de D. Pedro de Sousa Holstein, duque de Palmela, devia-se justa-
mente à teimosia obstinada dos próprios portugueses em defender o:

[...] tráfico da escravatura, estigmatizado e anatemizado [sic] pelo mundo inteiro,


porque ainda que [nós portugueses] digamos que a questão não é a defesa do tráfico
61 (...) este negócio [o Bill Palmerston] provém radicalmente daí [...].61
Intervenção de Palmela de 14/07/1840 na
Câmara dos Senadores de Portugal. Apud.
ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a abolição do Ao chamar a atenção dos demais estadistas portugueses para este
tráfico de escravos... Op. Cit., p.325.
fato, Palmela rejeitava as duas vias de reação até então levantadas, a da
anomalia e a da guerra, e aventava uma terceira via: a da conclusão o
quanto antes de um novo convênio anglo-lusitano que viesse a revogar o
Bill Palmerston.
Por este novo convênio, os laços de amizade e aliança entre as duas
nações deveriam ser renovados, mesmo que à custa de algumas estipula-
ções duras e humilhantes, a exemplo do controle sobre o apresamento e
o julgamento das embarcações empregadas no tráfico atlântico de escra-
62 vos.62 Das três vias preconizadas, a de Palmela aparentava ser a menos
Ibidem. ruim. Com efeito, nos primeiros anos da década de 1840, o governo lisboe-
ta persistiu incansavelmente no reestabelecimento das negociações com o
governo londrino. O que se deu entre março e julho de 1842, quando Wal-
63 den e Palmela concordaram em um tratado que “satisfazia o governo bri-
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos
tânico em todos os pontos discutidos durante quase uma década, incluindo
no Brasil... Op. Cit., p.183.
[as] cláusulas de equipamento e desmontagem”63 dos navios negreiros
64
Com a revogação do Bill Palmerston os navios vistoriados e capturados, e que, por outro lado, atendia minimamente na
sob a bandeira portuguesa deixaram de ser recuperação da honra portuguesa com a revogação do Bill Palmerston e de
apresados pela Royal Navy em águas territoriais
portuguesas. Da mesma forma que deixaram de
todas as demais implicações à soberania lusitana por este impostas.64
ser julgados pelos Tribunais do Vice-Almirantado Alguns fatores, um de ordem doméstica da própria Grã-Bretanha,
britânico e voltaram a ser apresentados diante outro de ordem conjuntural atlântica, podem explicar a retomada das boas
das comissões mistas na África. ALEXANDRE,
Valentim. Portugal e a abolição do tráfico de relações anglo-lusitanas em 1842. Ainda que o Bill Palmerston tenha sido
escravos... Op. Cit., p.326. uma medida rude e extremada, na qual uma nação incontavelmente mais

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 137


poderosa se sobrepôs a outra indistintamente mais fraca, ele havia cum-
prido com o seu papel e graças a ele a Grã-Bretanha assegurou de uma só
vez tudo o que queria para garantir a exclusão da bandeira portuguesa no
tráfico atlântico de escravos. Sendo assim, ao preservar os direitos ali con-
quistados em um novo acordo, não havia necessidade de manter uma atu-
ação tão intensa e lesiva sobre a marinha mercante de Portugal. Os efeitos
coercitivos já podiam ser “afrouxados”. Ademais, uma mudança ocasional
na direção do governo britânico veio a ocorrer em 1841, com a ascensão do
duque de Wellington e de lord Aberdeen, aos postos de Primeiro Ministro
e de Ministro do Foreign Office, concomitantemente. Conhecidos por suas
“simpatias lusitanas”, não é estranho que tenham trabalhado no sentido de
65 reatar as “boas falas” de Londres com Lisboa.65
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos Entrementes, também por volta de 1842, todas as atenções da
no Brasil... Op. Cit., p.181-183.
Grã-Bretanha voltar-se-iam naturalmente de Portugal para o Brasil. A
razão disto, em grande parte, deve-se justamente à afirmação deste novo
contexto atlântico no qual, até certo ponto, o Brasil passou a configurar
como o derradeiro empecilho ao pleno advento do abolicionismo. Ciente,
portanto, do retrospecto positivo alcançado nos anos finais da década de
1830 sobre os demais Estados atlânticos, sobretudo depois da experiência
coercitiva sobre Portugal, a diplomacia britânica não demorou em procurar
emplacar novas negociações com os estadistas brasileiros.
É bem verdade, no entanto, que o governo britânico jamais deixou
de tentar empreender com o governo brasileiro novas negociações sobre
este fato. Em 1832, Arthur Aston procurou Bento da Silva Lisboa, então
ocupante da pasta dos Negócios Estrangeiros do Império, para lhe propor
reformas no tratado antitráfico firmado entre as duas nações em 1826. Na
ocasião, apegando-se a lei proibitiva do tráfico atlântico de 1831, que ha-
via sido recentemente promulgada pelo Parlamento brasileiro, Silva Lisboa
conseguiu esquivar-se de entrar em novas conversações nesse sentido com
o enviado britânico.
Entre 1834 e 1835, durante a gestão subsequente no mesmo Minis-
tério de Aureliano de Sousa Oliveira Coutinho e de Manuel Alves Branco, os
respectivos substitutos de Aston na Corte carioca, William Gore Ouseley e
Henry Stephen Fox, aventuraram-se sem maiores sucessos na mesma mis-
são. Este último, aliás, embora tenha entrado em acordo com Alves Branco
para a inclusão de artigos adicionais às Instruções que regulamentavam
os trabalhos das comissões mistas anglo-brasileiras criadas para julgar as
presas suspeitas de traficarem, viu seu trabalho emperrar na Comissão de
Constituição e Diplomacia da Câmara. Ali arquivado, o acordo Fox-Alves
Branco só foi relembrado anos mais tarde, mais precisamente em 1837,
após muita insistência de Hamilton para que Francisco Gê Acaiaba de Mon-
tezuma, então atual ocupante da chancelaria brasileira, submetesse de uma
vez a questão ao Parlamento. Ainda assim, os esforços de Hamilton foram
mais uma vez frustrados, dessa vez em decorrência da mudança brusca na
direção do governo brasileiro em setembro daquele ano, quando um novo
gabinete, organicamente vinculado aos interesses escravocratas, conseguiu,
mais uma vez, evitar a retomada da discussão do acordo na Comissão.
Em face destas informações, podemos afirmar que, ao longo da
década de 1830, o Brasil ofereceu igual ou maior resistência que Portu-
gal à intromissão britânica no tráfico realizado abaixo de sua bandeira.
Ainda assim, o tratamento dispensado por Londres em suas negociações
com Lisboa e Rio de Janeiro no mesmo período é adverso. Enquanto que

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 138


com o primeiro assisti-se a um endurecimento paulatino, com o segundo
verifica-se ainda certa “complacência”. Na opinião de alguns autores, en-
66 tre os quais se destacam Bethell, Lains e Valentim66, isso se deve porque,
Ibidem, p.115. LAINS, Pedro. Op. Cit., p.475. nos anos de 1830, dado o crescimento da prática do embandeiramen-
ALEXANDRE, Valentim. Portugal e a abolição do
tráfico de escravos... Op. Cit., p.299 to sob o pavilhão português somado aos desejos britânicos de obter o
controle informal do maior número de mercados africanos e de manter
a primazia comercial sobre o mercado brasileiro, era mais proveitoso à
Grã-Bretanha endurecer, naquele momento, com Lisboa do que com o Rio
de Janeiro. Solucionada, porém, a face portuguesa do tráfico interconti-
nental de africanos, não tardou para que a diplomacia britânica iniciasse,
agora mais enfaticamente, as tratativas no intuito de reabrir os canais de
negociação com o Brasil.
De 1841 a 1843, pouco depois da antecipação da maioridade de
Pedro II, coube a Aureliano de Sousa a chefia do Conselho dos Ministros.
Conhecido entre os diplomatas britânicos por sua postura liberal e por sua
cooperação em prol da repressão do tráfico atlântico de escravos quan-
do de sua primeira passagem pela Repartição dos Negócios Estrangeiros
(1833-1834), a chefia ministerial de Aureliano de Souza foi bem recebida
por lord Aberdeen, que desejando aproveitar os “bons ventos liberais” que
então sopravam sobre o Brasil, nomeara Henry Ellis como novo embaixador
de Sua Majestade Britânica junto à Sua Majestade Imperial.
Instalado na Corte de São Cristóvão em fins de 1842, a Missão Ellis
tinha múltiplas e delicadas tarefas. Ainda assim, era de conhecimento
comum que, entre seus principais objetivos, constava o início das conversa-
ções em torno da renovação das cláusulas comerciais previstas no tratado
anglo-brasileiro de 1827, que favoreciam as manufaturas britânicas; bem
como, persuadir o governo brasileiro em aceitar as medidas necessárias
para assegurar a abolição plena da importação de novos cativos saídos da
África num curto espaço de tempo. Contudo, tão logo chegou ao Rio de
Janeiro, Ellis se deparou com um ambiente extremamente hostil, tanto por
parte da imprensa e da opinião pública brasileira, como por parte do novo
gabinete encabeçado por Honório Hermeto Carneiro Leão, ironicamente
67 empossado logo depois de sua chegada. Recusando-se a entrar na delicada
BETHELL, Leslie; CARVALHO, José Murilo de. O questão do comércio negreiro, a qual julgava ser uma questão a ser pensa-
Brasil da independência a meados do século XIX.
In: BETHEL, Leslie (Org.). História da América da no futuro e não no presente67, Carneiro Leão também não demorou em
Latina. Op. Cit., Vol.III, p.695-769 (citação literal interromper as negociações.
da página 746).
A historiografia tem identificado na obstinação de Carneiro Leão em
68
postergar as negociações com a Grã-Bretanha, razões para sustentar a tese
É certo que as acusações de favorecimento à
causa britânica contribuíram no desgaste da de que o fracasso da Missão Ellis seria um resultado direto da mudança
imagem pública de Oliveira Coutinho. Todavia, brusca na direção nacional, com a queda de Aureliano de Souza. Queda
deve-se destacar o fato de que boa parte destas
acusações eram, na realidade, fomentadas pelos esta, aliás, segundo muitos acreditam, favorecida pelo aumento da impopu-
traficantes, que “manipulavam habilmente os laridade do próprio Aureliano de Souza, acusado de favorecer os interesses
sentimentos nacionalistas da população para
britânicos.68 Porém, analisando os Relatórios dos respectivos Ministros, não
conduzir a opinião pública em apoio de seus
interesses ameaçados”. Ademais, outra parte do encontramos bases plausíveis que sustentem nem uma postura anglofílica
desgaste pessoal de Aureliano, deve-se às intrigas do liberal Aureliano de Souza nem uma postura anglofóbica do conservador
e manobras golpistas do próprio ambiente
palaciano de princípio dos anos quarenta, Carneiro Leão. Deparamo-nos, sim, em ambos os casos, com uma política de
movidas pelo Clube da Joana do Mordomo-Mor contemporização, pensada com vista a dar respaldo à postura diplomática
do imperador Paulo Barbosa da Silva e pelo
do Brasil em relação à campanha internacional abolicionista. Empreendi-
Partido da Imperatriz de Honório Hermeto. Para
uma leitura mais completa do cenário político da da com afinco pelos subsequentes ocupantes da Repartição dos Negócios
primeira década do Segundo Reinado ver CASTRO, Estrangeiros do Império, sobretudo nos tempos da Regência, a política de
Paulo Pereira de. Política e administração de 1840
a 1848. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). contemporização, em outras palavras, de acomodação de interesses por
Op. Cit. Vol.II – Dispersão e unidade. p.509-540. natureza conflitantes, tinha a dura missão de entreter os abolicionistas bri-

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 139


tânicos, ao passo que acalentava as expectativas da “boa gente” da socie-
dade escravista brasileira – entre os quais, vale ressaltar, figuravam muitos
traficantes. Era, em síntese, portanto, uma política com vistas a ganhar
tempo, da qual tanto Aureliano de Souza quanto Carneiro Leão eram, como
nos dão conta os seus Relatórios, seus mais devotados adeptos.
No Relatório de Carneiro Leão, tal postura é apresentada logo na se-
quência de suas falas, onde o Ministro busca esclarecer ao enviado britâni-
co que a interrupção das negociações de maneira alguma significava o seu
completo abandono:

[...] Antes porém que ele (o embaixador Ellis) partisse, tive ocasião de assegurá-lo
oficialmente de que S. M. o imperador, desejando apertar cada vez mais os laços
de amizade, que o ligam a S. M. a rainha da Grã-Bretanha, enviaria, com a possível
brevidade, um plenipotenciário em missão especial a Londres, para prosseguir na
negociação encetada nesta Corte. A nomeação para essa missão foi logo feita, e
69 recaiu na pessoa do conselheiro José Araújo Ribeiro [...].69
Relatório da Repartição dos Negócios
Estrangeiros, 1843, p.5.
Já no Relatório de Aureliano de Souza, a contemporização é predo-
minante no que diz respeito às negociações em prol dos Artigos Adicionais
à Convenção anglo-brasileira de 1826:

Tendo a Legação de S. M. Britânica nesta Corte, depois da declaração da maioridade


de S. M. o imperador, insistido para que fossem ratificados os Artigos Adicionais
à Convenção de 23 de novembro de 1826, assinados em 27 de julho de 1835
por plenipotenciários das duas nações (Fox e Alves Branco), e que então haviam
sido remetidos à Câmara dos Srs. Deputados, o governo imperial depois de várias
observações sobre os ditos Artigos, não julgou conveniente ratificá-los, e espera
que nas razões, que o moveram, verá o governo de S. M. Britânica no do Brasil, a
par do desejo de contribuir por todos os modos possíveis para a abolição de um
tráfico desumano, e impolítico, o dever de evitar que o comércio lícito dos súditos
do Império seja oprimido, e vexado por disposições, das quais, posto que justas
quanto ao seu fim, seria muito fácil o abusar-se (...) O governo imperial, conciso de
seus deveres, e dos seus próprios princípios, não deixará jamais de empregar todos
os meios ao seu alcance para conseguir a completa abolição do tráfico de africanos;
mas fazê-lo-a sempre dentro da órbita dos compromissos, que para isso contraiu;
e marchará neste grave assunto com a circunspeção, que exigem as circunstâncias
70 peculiares do país.70
Relatório da Repartição dos Negócios
Estrangeiros, 1842, p.12.
Analisadas as palavras de Aureliano de Souza, pode-se perfeitamente
notar que, embora este condene o tráfico atlântico de escravos, o qual re-
conhece ser um comércio desumano e impolítico para aqueles tempos, ele
não apresenta nenhuma intenção do governo imperial de implantar medi-
das impopulares que viessem a ter algum efeito direto sobre o mesmo. De
71
modo semelhante, o Ministro ainda assegura ao representante britânico a
Até o final da década de 1830, a esquadra disposição de seu governo em cooperar, dentro do possível, para o alcance
imensamente superior da costa africana e a das pretensões abolicionistas buscadas pela Grã-Bretanha, promessa esta,
proeminência dos comissários britânicos na
Comissão Mista anglo-brasileira de Serra Leoa no entanto, que deveria soar mais de alento do que de real determinação
faziam com que a Condenação das embarcações aos ouvidos do britânico.
ali apresadas fosse quase tão certa quanto em
qualquer tribunal do Vice-Almirantado. No que
Fosse como fosse, na transição da década de 1830 para a de 1840,
toca a esquadra britânica estacionada na costa esta política de contemporização já dava sinais de desgaste. Afinal, se até
brasileira, entretanto, o número reduzido de o fim da primeira era flagrante o descompasso da atuação de patrulha-
suas forças e a proeminência dos comissários
brasileiros na Comissão Mista anglo-brasileira do mento e de repressão ao contrabando de escravos empreendidos pela Royal
Rio de Janeiro, fazia da absolvição dos navios ali Navy entre as costas africana e brasileira71, na segunda, mormente após a
capturados quase uma certeza. BETHELL, Leslie. A
abolição do tráfico de escravos no Brasil... Op. Cit.,
promulgação e a implantação das medidas previstas pelo Bill Palmerston
p.176-206. contra os navios negreiros sob a bandeira portuguesa, assistiu-se a equipa-

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 140


ração gradual dos atos utilizados pelas forças navais britânicas estaciona-
das de um lado e de outro do Atlântico.
No Relatório de maio de 1840, apresentado por Caetano Maria Lopes
Gama, último Ministro dos Negócios Estrangeiros da Regência de feições
conservadora de Pedro Araújo Lima, já encontramos menções da violação
da neutralidade brasileira na contenda anglo-lusitana, sendo navios portu-
gueses apresados em águas territoriais brasileiras e encaminhados para as
72 estações britânicas ao longo da costa do Império.72 De forma semelhante,
Relatório da Repartição dos Negócios
no Relatório subsequente de 1841, assinado por Aureliano de Souza, que
Estrangeiros, 1840, p.7-8.
pela segunda vez ocupava aquela pasta (1840-1842), constatamos não só
a continuidade como a acentuação destas violações. O que resultou em
reclamações “constante, e competentemente [empregadas] (...) do governo
de S. M. o imperador ao governo de S. M. Britânica”, do qual, tendo em
vista “o espírito de justiça, e moderação, que preside ao atual gabinete”,
esperava o Ministro brasileiro que fossem “dadas aos cruzadores nas costas
do Brasil instruções assaz claras, e explícitas, para que cessassem os abusos
73 contra [os quais] se há reclamado”.73
Relatório da Repartição dos Negócios O medo era de que o Bill contra Portugal se voltasse contra o Brasil.
Estrangeiros, 1841, p.5-7.
Motivos para tanto não faltavam. Ao regressar para Londres, Ellis levou
consigo recusas do governo brasileiro em conceder as mudanças dese-
jadas pela Grã-Bretanha na legislação que regulamentava os trabalhos
das comissões mistas de ambas as nações, além, é claro, de informações
quanto aos impasses apresentados pelo mesmo governo para que fossem
renovados os privilégios jurídicos e alfandegários desfrutados pelos súditos
e comerciantes britânicos residentes e/ou atuantes no Brasil. Levou tam-
bém notícias atualizadas e reveladoras que podem ter contribuído para
a decisão, pouco tempo depois efetivada, do governo londrino de adotar
medidas semelhantes contra o tráfico atlântico realizado por embarcações
brasileiras como as que foram usadas contra o tráfico atlântico efetivado
pelas embarcações portuguesas entre 1839 e 1842.

[...] Ellis descobriu, para a sua surpresa, que [os comerciantes britânicos
estabelecidos no Rio de Janeiro] já não davam tanta importância nem a seus
privilégios jurídicos no Brasil nem à tarifa preferencial de 15 por cento; isso tinha
sido útil no passado, quando a Inglaterra estava firmando sua posição no mercado
brasileiro, mas, desde que não houvesse uma discriminação real contra os produtos
ingleses, a superioridade econômica da Inglaterra sobre seus rivais mais próximos
74 garantiria a continuação da predominância inglesa no Brasil [...].74
BETHELL, Leslie & CARVALHO, José Murilo de. O
Brasil da independência a meados do século XIX...
Op. Cit., p.746. A partir disto, não é difícil presumir que, uma vez reduzida a neces-
sidade primária de proteger os interesses mercantis britânicos no Brasil,
as vozes contrárias ao comércio brasileiro de escravos ganhariam reforços
para exigir com mais propriedade do governo britânico a adoção de me-
didas mais ríspidas e eficazes contra o mesmo. Os casos de apreensão da
barca Maria Thereza, pelo Captor, e do brigue Relâmpago, pelo Dolphin, ci-
tados pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros, Ernesto Ferreira França, em
seu Relatório de 1844, mostram que tal realidade, se ainda não havia sido
oficialmente empregada, encontrava-se na iminência de vir a sê-lo. Ainda
que nelas não tenham sido encontrados escravos, os navios responsáveis
pela captura julgaram a ausência dos documentos um indício da realização
do tráfico atlântico e incorreram em submetê-las ao julgamento de um
75
Relatório da Repartição dos Negócios tribunal do Vice-Almirantado britânico.75 Estes dois episódios, descritos por
Estrangeiros, 1844, p.14-15. Ferreira França como uma “violação manifesta das Convenções existentes

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 141


sobre o comércio da escravatura, senão também uma grave ofensa à digni-
76 dade nacional”76, servem, pois, de prenúncio do que ainda estava por vir: o
Ibidem, p.15.
Bill Aberdeen.
Promulgado em 8 de agosto de 1845, o Bill Aberdeen reeditava as
medidas repressivas anteriormente adotadas contra Portugal pelo Bill
Palmerston. Respaldado pelo artigo 1º do tratado anglo-brasileiro de 1826,
que considerava o comércio negreiro realizado por súditos e/ou por embar-
cações brasileiras como pirataria, o Bill autorizou os navios da Royal Navy
estacionados na extensão de todo o Atlântico Sul a tratar os navios negrei-
ros brasileiros como navios piratas, logo, isentos de proteção de qualquer
lei extranacional. Se por um lado o Bill foi uma resposta do gabinete do
Primeiro Ministro Peel aos ataques que ele e sua equipe de governo, entre
os quais o lord Aberdeen, vinham recebendo desde meados de 1842 em
77 face do recrudescimento do tráfico de africanos para o Brasil77, por outro,
Segundo as estimativas em posse do Foreign
Office, de 1837 a 1844, 211.626 escravos
foi, acima de tudo, uma resposta de força movida pelo governo londrino
haviam sido introduzidos no Brasil, contra contra o governo carioca que, em março de 1845, dirigiu ao enviado extra-
apenas 7.947 introduzidos no período de 1831 a ordinário da Grã-Bretanha no Brasil, Hamilton-Hamilton, uma notificação
1836. BETHELL, Leslie. Apêndice: estimativa da
importação de escravos para o Brasil, 1831-1855. dando conta da cessão de cláusulas significativas à repressão previstas na
In: A abolição do tráfico de escravos no Brasil... convenção antitráfico de 1826. Como lembrava o ministro brasileiro ao
Op. Cit., p.368.
plenipotenciário britânico:

Completando-se amanhã, 13 do corrente mês de março de 1845, os quinze anos


durante os quais, segundo as Convenções entre o Brasil e a Grã-Bretanha sobre a
abolição do tráfico da escravatura, continuava ainda em vigor a Convenção de 28 de
julho de 1817; cessando por conseguinte desde esse dia o direito de visita e de busca
e todas as outras estipulações contidas na referida Convenção de (...) 1817, artigos
adicionais, instruções e regulamentos anexos (...) [bem como] as comissões mistas
brasileiras e inglesas, estabelecidas nesta Corte e em Serra Leoa, [as quais o governo
imperial permitirá que] continuem ainda por seis meses (...) para o único fim de
concluírem os julgamentos dos casos pendentes, e daquelas que por ventura tenham
78 ocorrido até o referido dia 13 de março do corrente ano.78
Uma cópia desta notificação foi anexada ao
Relatório de 1846, do Ministro Bento da Silva
Lisboa, Barão de Cairu. Relatório da Repartição Ao optarem por esta forma de atuação, os estadistas brasileiros
dos Negócios Estrangeiros, 1846. Notas em nome esperavam talvez proporcionar uma segunda sobrevida para o comércio
do governo brasileiro, Anexo Nº1.
de almas. Ao passo que, cassados os direitos de visita, busca e apreensão
anteriormente cedidos à Royal Navy, caberia ao governo britânico buscar
reavê-los a partir de uma nova rodada de negociação. Contudo, a atitude
brasileira foi interpretada pelo governo britânico como uma pressão des-
cabida, uma vez que se originava “de um Estado fraco e outrora dependen-
79 te”79 que, agora, parecia querer ditar à maior potência dos mares a forma
BETHELL, Leslie & CARVALHO, José Murilo de. O
Brasil da independência a meados do século XIX... como esta deveria agir no desenvolvimento de sua campanha internacional
Op. Cit., p.756. contra o contrabando de mão de obra escrava. Em suma, um insulto ao
orgulho britânico e um absurdo dentro da nova conjuntura, na qual, à
exceção do Brasil, nenhum outro Estado do sistema atlântico ousava mais
desafiar a política britânica proibitiva de importação de braços de trabalho
dos sertões escravistas da África.

À guisa de conclusão
Este texto não ingressará na discussão acerca da recepção e das conse­
quências do Bill Aberdeen à ordem escravista brasileira, por duas razões:
1º. o quinquênio de 1845 a 1850 é, quiçá, um dos períodos mais reme-
morados da história brasileira. Nesse sentido, muito já foi – e ainda é –
escrito, difundido e revisto sobre os eventos que compõem a base deste

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 142


período – o Bill de lord Aberdeen e a Lei Eusébio de Queirós; 2º. porque
entendemos que o texto já atendeu a sua finalidade que é a de elucidar
algumas possibilidades de investigação sobre o enquadramento luso-brasi-
leiro na questão do contrabando de africanos entre as décadas de 30 e 40
do Oitocentos. Desta forma, talvez o que reste ainda para discorrer sejam
algumas linhas que expliquem a origem de nossa preocupação com relação
à temática aqui apresentada.
Mais do que um recurso de retórica, a nomeação do título deste
texto foi pensada no sentido de informar ao leitor, já no seu enunciado,
a fonte de origem – do ponto de vista analítico e interpretativo – na qual
este ensaio procurou beber e apropriar-se. A saber, A abolição do tráfico
de escravos no Brasil: A Grã-Bretanha, o Brasil e a questão do tráfico de
80 escravos, do historiador inglês Leslie Bethell.80 Nesta obra, que é talvez
Publicado originalmente na língua inglesa, em uma das mais visitadas pela historiografia nacional e internacional, sobre
1970, pela Cambridge University Press, o livro
de Bethell veio a ter sua primeira publicação em
as implicações políticas profundas que a supressão do comércio negreiro
português já em 1976, pela Expressão Cultural causou ao enquadramento anglo-brasileiro81, o grande mérito de Bethell
em parceria com a Editora da Universidade de foi expor com maestria o fato de que mesmo sendo o Brasil do século XIX
São Paulo. O curto período entre a edição inglesa
e a edição brasileira atesta o interesse despertado um Estado periférico inserido na zona de influência da Grã-Bretanha, este
entre os historiadores do lado de cá pelo estudo manejou todas as armas e artifícios políticos de que dispunha para resistir
do historiador inglês.
à abrupta ingerência britânica em sua prerrogativa soberana de legislar
81
sobre o tráfico atlântico de escravos realizado sob a sua bandeira.
Ao lado do trabalho do historiador norte-
americano Alan k. Manchester, Preeminência Segundo Bethell, o grande trunfo do Brasil para equilibrar a balança
inglesa no Brasil (1933), editado em português política com a Grã-Bretanha não foi outro além da negociação. Afinal de
pela Editora Brasiliense, em 1973, e do trabalho do
brasileiro José Honório Rodrigues, Brasil e África... contas, foram as respectivas recusas brasileiras em atender de uma só vez
Op. Cit., publicado pela primeira vez em 1961, a todas as exigências britânicas relacionadas à proibição do tráfico, assim
pela Civilização Brasileira, e editado em inglês, já
como as divergentes leituras apresentadas por seus representantes acer-
em 1965, pela University of California Press em
parceria com Cambridge University Press. ca de artigos chaves dos tratados e convenções bilaterais celebrados em
relação à mesma questão, que permitiram ao país protelar o desfecho da
questão do contrabando negreiro por quase vinte anos. O autor conseguiu
chegar a esta conclusão posto que, como ele próprio assinalou no prefá-
cio de seu trabalho, “embora os esforços britânicos no sentido de abolir o
tráfico de escravos tenham chamado por força o melhor de minha aten-
ção, procurei encarar o problema do tráfico de escravos também do ponto
de vista brasileira”. Ao assim desenvolvê-lo, Bethell deixava clara a sua
esperança de que seu livro configurasse “não só uma contribuição para a
82 história da Grã-Bretanha como também para a do Brasil”.82
Cf. BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de A julgar pelo fato, grosso modo, de que os estudos históricos produ-
escravos no Brasil... Op. Cit., p.9.
zidos no Brasil, mormente a partir da década de 1980, muito se inspiraram
nas novas frentes de trabalho introduzidas no cenário da historiografia
brasileira por análises desenvolvidas há alguns anos ou mesmo há algumas
83 décadas anteriores pelos chamados brasilianistas83 e; a contar pela grande
A expressão surgiu entre as décadas de 1960 e
de 1970 para identificar o grupo de pesquisadores
aceitação e assimilação que a obra de Bethell recebeu – e segue rece-
estrangeiros que então fazia da história do Brasil bendo – dos historiadores brasileiros interessados na história por trás da
o seu campo de estudo. Para maiores informações declaração de ilegalidade e da abolição definitiva do tráfico negreiro para o
ver o dossiê História e Ciências Sociais da revista
Estudos Históricos (v.3, n.5, de 1990). Brasil, podemos concluir que o livro atingiu o seu objetivo.
Mas o Brasil não estava sozinho neste cenário. A seu lado estava tam-
bém Portugal, país cuja questão abolicionista da importação de africanos ge-
rou problemas de igual ou maior monta que no Brasil. Ciente de tal situação,
Bethell esta certo ao dizer que, “em termos mais modestos” o seu trabalho

(...) é também uma contribuição à história de Portugal, já que até 1822 o Brasil foi
colônia portuguesa e, durante a década de 1830, o tráfico ilegal de escravos para o

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 143


Brasil continuou a fazer-se sob a bandeira portuguesa, sendo a África Portuguesa
84 até o fim, a maior fonte de escravos para o Brasil (...).84
Cf. BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de
escravos no Brasil... Op. Cit., p.9.
Com efeito, “ainda que o estudo das relações anglo-brasileiras
dominadas – e prejudicadas – pela questão do tráfico nos trinta anos que
85
Ibidem.
se seguiram à independência do Brasil”85 constitua o cerne do trabalho
de Bethell, o estudo da forma com que as relações anglo-lusitanas foram
reajustadas em face da mesma questão no mesmo período compõe uma
parcela significativa do esforço investigativo do historiador inglês. Assim
se verifica, por exemplo, quando o autor retrocede aos “Primeiros passos
para a abolição”, entre 1807 e 1822 (capítulo 1) e, em seguida, retoma as
discussões que coligavam o reconhecimento da “Independência [à] aboli-
ção” do tráfico brasileiro (capítulo 2) na década de 1820. Nestas passagens,
ao tentar compreender de que maneira o tráfico de escravos, um dos pilares
da economia brasileira, conseguiu ser declarado ilegal, Bethell não abordou
somente os inconvenientes e as relutâncias em fazê-lo dos representantes
brasileiros que sentaram para negociar com os emissários britânicos. As im-
plicações e as objeções apresentadas pelos enviados e estadistas portugue-
ses também foram levadas em conta. De forma semelhante, mesmo quando
ele se voltou às vicissitudes que mantinham ligados “O Brasil e o tráfico de
escravos” já declarado ilegal (capítulo 3), de modo a tornarem impossível a
supressão imediata deste último e, inclusive, de prolongar-lhe a existência
por mais duas décadas, Bethell recorrentemente fez questão de lembrar que
Portugal também tinha os seus vínculos com o comércio escravagista e que
pouco fez a princípio para encerrá-los. Na sua visão, eram países identica-
mente dependentes e defensores do mesmo “infame comércio” o qual só
aceitaram extinguir, de fato, diante “A ampliação dos poderes britânicos” de
fiscalização sobre o Atlântico Sul, em finais dos anos 30 e princípio dos anos
40 (capítulo 6) e, perante as “Consequências da Lei Aberdeen” de um lado
(capítulos 9 e 10) e da Lei Palmerston de outro (capítulo 7).
Posto nestes termos, não surpreende se um levantamento mais apu-
rado da historiografia portuguesa contemporânea interessada na abolição
do tráfico de escravo sinalizar que, assim como em terras brasileiras, o livro
de Leslie Bethell também alcançou grande repercussão em terras lusitanas.
Para além deste quadro, no entanto, o trabalho de Bethell apresenta,
ainda que implicitamente, uma ideia valiosa para a compreensão da história
da abolição do tráfico de escravos no Atlântico Sul. Ao pretender investi-
gar o quanto as relações anglo-brasileiras – e, paralelamente, as relações
anglo-lusitanas –, da primeira metade do século XIX, teriam sido dominadas e
desgastadas pela questão do tráfico negreiro, o historiador tangenciou um as-
pecto peculiar até então obscuro da fase derradeira do comércio de escravos:
o do enquadramento luso-brasileiro no interior da campanha internacional
pela sua abolição. A questão do contrabando de africanos inseriu profundas
implicações no relacionamento luso-brasileiro Oitocentista, cuja história
ainda carece de maiores atenções. Neste sentido, as perguntas, bem como as
suas soluções que foram apresentadas ao longo do artigo, devem ser tomadas
como sugestões iniciais para futuras pesquisas, posto que, dada a amplitude e
complexidade do tema, o assunto merece um trabalho de maior fôlego capaz
de aprofundar-se na forma com que Brasil e Portugal lidaram com as pressões
vindas da Grã-Bretanha, na maneira como ambos se relacionaram frente a
esta questão e, no modo que o destino do tráfico realizado por uma das partes
Recebido para publicação em agosto de 2012
Aprovado em março de 2013 veio a repercutir no destino do tráfico realizado pela outra.

Almanack. Guarulhos, n.05, p.123-144, 1º semestre de 2013 artigos 144