Você está na página 1de 12

2009

O CHAMADO DE NAIRÓBI DE AÇÃO PARA ENCERRAR O GAP DE


IMPLEMENTAÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE
NOTA

Este texto representa a versão do Call To Action que foi distribuído na sessão de
encerramento da Conferência. Ele não é editado e será diferente da versão publicada
após a edição. Este documento não constitui uma publicação formal; é uma cópia criada
por conveniência e como uma questão de registro para os participantes da conferência.
Este documento contém as visões coletivas de um grupo internacional de especialistas,
participantes da 7ª Conferência Global sobre Promoção da Saúde, Nairobi, Quênia,
outubro de 2006, e não representa necessariamente as decisões ou a política declarada
da Organização Mundial de Saúde.

1. INTRODUÇÃO

FINALIDADE
O Apelo à Ação de Nairóbi identifica as principais estratégias e compromissos
urgentemente necessários para acabar com a lacuna de implementação na saúde e
desenvolvimento através da promoção da saúde.
A promoção da saúde é uma estratégia central e mais eficaz em termos de custos para
melhorar a saúde e a qualidade de vida e reduz as desigualdades na saúde e a pobreza.
Ao fazê-lo, ajuda a atingir metas nacionais e internacionais de saúde e desenvolvimento,
como os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. A implementação da promoção da
saúde cria sociedades mais justas que permitem que as pessoas levem vidas que
valorizam, aumentando o controle sobre sua saúde e os recursos necessários para o bem-
estar.

PÚBLICO
 O Apelo à Ação de Nairóbi estende-se a:
 OMS e outros parceiros da ONU;
 Organizações Internacionais de Desenvolvimento;
 Governos, políticos e gestores políticos a todos níveis;
 Público, sociedade civil, não governamental e organizações privadas e
profissionais;
 Indivíduos, famílias, comunidades, comunidade organizações e redes sociais.
Responsabilidades urgentes:
• Fortalecer a liderança e as forças de trabalho
• Promoção de saúde de fluxo principal
• Capacitar comunidades e indivíduos
• Aprimorar processos participativos
• Construir e aplicar conhecimento
PROCESSO

O Apelo à Acção de Nairóbi foi desenvolvido pelos participantes na 7ª Conferência


Global sobre Promoção da Saúde, Nairóbi, Quênia, em outubro de 2009, sediada pela
Organização Mundial da Saúde e pela República do Quênia. Mais de 600 especialistas
de mais de 100 países participaram incluindo Ministros da Saúde, políticos, altos
funcionários servidores, profissionais de saúde, formuladores de políticas,
pesquisadores, professores e representantes da comunidade. Eles eram complementados
por um número igual de participantes virtuais que se registraram em um novo site de
rede social (www.connect2change.org). Utilizando múltiplos processos participativos, o
Call to Action foi desenvolvido durante cinco dias de reuniões e é complementada por
um relatório completo da conferência e uma série de documentos técnicos.

FUNDO
O Apelo à Acção alinha-se com as aspirações dos Estados Membros, reflecte a visão da
Declaração de Alma Ata e apoia as recomendações da Comissão da OMS sobre os
Determinantes Sociais da Saúde.
O Apelo reafirma os valores, princípios e estratégias de ação de promoção da saúde
codificados na Carta de Promoção da Saúde em 1986 e em conferências de promoção da
saúde global, incluindo a Carta de Bangkok para Promoção da Saúde num Mundo
Globalizado 2005, confirmado pelos Estados-Membros através da Organização Mundial
da Saúde.
A promoção da saúde demonstrou a sua eficácia e o retorno do investimento a nível
local, regional, nacional e níveis internacionais. Embora muitos dos desafios que
impulsionaram o desenvolvimento da promoção da saúde permaneçam os mesmos,
novas ameaças continuam a surgir ou aumentar rapidamente.
A promoção da saúde pode contribuir muito para enfrentar os desafios de
desenvolvimento e equidade e para a realização de direitos humanos. Contudo, existem
lacunas de implementação, em evidência, política, prática, governação e vontade
política, resultando em uma falha em perceber esse potencial. Isto representa uma
oportunidade perdida, medida em doenças evitáveis e sofrimento, bem como os
impactos sociais e econômicos mais amplos.

2. COMPROMISSO GLOBAL

Nós, os participantes da 7ª Conferência Global sobre Promoção da Saúde,


reconhecendo o contexto em transformação e os desafios agudos, pedimos a todos
os governos e partes interessadas que respondam urgentemente a esta Chamada
para Ação e às estratégias e ações que se seguem.

UTILIZAR O POTENCIAL NÃO APLICADO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE

Nós nos comprometemos, como líderes, a:


 Utilizar as evidências existentes para provar aos gestores políticos que a
promoção da saúde é fundamental para gerir os desafios nacionais e globais,
como o envelhecimento da população, alterações climáticas, ameaças globais de
pandemia, mortalidade materna, migração, conflitos e crises económicas;
 Revitalizar os cuidados de saúde primários, fomentando a participação da
comunidade, políticas públicas saudáveis e colocando as pessoas no centro dos
cuidados;
 Construir sobre a resiliência das comunidades, aproveitando seus recursos para
enfrentar o duplo fardo das doenças não transmissíveis e transmissíveis.
FAZER PRINCÍPIOS DE PROMOÇÃO À SAÚDE INTEGRAL A AGENDA DE
POLÍTICA E DESENVOLVIMENTO

Apelamos aos governos para que exerçam a sua responsabilidade pela saúde pública,
incluindo o trabalho em todos os setores e em parceria com os cidadãos, em particular
para:
 Promover a justiça social e a equidade na saúde através da implementação das
recomendações da Comissão da OMS sobre os Determinantes Sociais da Saúde;
 Acelerar a consecução de metas de desenvolvimento nacionais e internacionais,
construindo e redistribuindo recursos para fortalecer a capacidade e a liderança
para a promoção da saúde;
 Seja responsável por melhorar a qualidade de vida e o bem-estar das pessoas.

DESENVOLVER MECANISMOS DE ENTREGA EFETIVOS E SUSTENTÁVEIS

 Solicitamos aos Estados Membros que mandatem a OMS para:


 Desenvolver uma Estratégia Global de Promoção da Saúde e planos de ação,
com um acompanhamento regional que responda às principais necessidades de
saúde e incorpore intervenções econômicas e equitativas;
 Fortalecer sua capacidade interna de promoção da saúde e ajudar os Estados
Membros a desenvolver estruturas financiadas de forma sustentável e
estabelecer mecanismos de prestação de contas responsáveis pelo investimento
na promoção da saúde;
 Divulgar evidências convincentes sobre os benefícios sociais, econômicos, de
saúde e outros benefícios da promoção da saúde para setores-chave.

3. ESTRATÉGIAS E AÇÕES

As seguintes estratégias e ações são apresentadas sob os cinco subtemas da Conferência:


fortalecimento da capacidade de promoção da saúde, fortalecimento dos sistemas de
saúde, parcerias e ação intersetorial, empoderamento da comunidade e alfabetização em
saúde e comportamentos de saúde. As ações nos subtemas se complementam.
CAPACIDADE DE CONSTRUÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE

A construção de infraestrutura e capacidade de promoção da saúde sustentável em todos


os níveis é fundamental para reduzir a lacuna de implementação.

AÇÕES QUE FAZEM DIFERENÇA:


Fortalecer a liderança
… Estabelecendo uma boa governança com relação à integridade, transparência e
responsabilidade;
… Desenvolvendo indivíduos e instituições para criar uma infra-estrutura sustentável de
promoção da saúde;
… Construindo habilidades em defesa e mordomia para lidar com determinantes da
saúde.

Garantir financiamento adequado


… Estabelecendo financiamento estável e sustentável em todos os níveis, por exemplo,
fundações de promoção da saúde, e alavancando o financiamento de programas de
doadores setoriais, bilaterais e multilaterais.

Cresça a base de habilidades do praticante


… Reorientando a compreensão e as habilidades da promoção da saúde nos atuais
trabalhadores de saúde;
… Fornecendo estruturas e incentivos para treinar, manter e reter a capacidade de
promoção da saúde em todo o sistema de saúde e outros setores que afetam a saúde;
… Estabelecendo competências e padrões de acreditação para a promoção da saúde, e
revisando os currículos dos profissionais de saúde e relacionados à saúde no
treinamento para incluir a promoção da saúde;
… Estabelecendo e fortalecendo a capacidade nacional, regional e institucional para
implementar treinamento sistemático para desenvolver uma massa crítica de
profissionais de promoção da saúde capazes de desempenhar suas competências
específicas;
… Promovendo o ensino dos valores fundamentais subjacentes aos direitos humanos
básicos e à equidade;
… Garantindo a divulgação oportuna e precisa de informações e recursos para a
preparação e resposta a emergências e epidemias;
… Expandindo e fortalecendo os Centros Colaboradores da OMS para Promoção da
Saúde em todas as regiões para refletir as necessidades emergentes e não atendidas.

Aprimore as abordagens de todo o sistema


… Avaliando a capacidade nacional de promoção da saúde usando ferramentas e
métodos validados como um processo rotineiro de melhoria da qualidade;
… Desenvolvendo, adaptando e aplicando ferramentas e métodos de melhoria da
qualidade para assegurar a eficácia da intervenção e a sustentabilidade em todos os
níveis.

Melhore o gerenciamento de desempenho


… Fortalecendo os sistemas de informação para avaliar e monitorar a implementação da
promoção da saúde, em relação a políticas, processos e resultados;
… Incorporando determinantes de saúde e equidade e fatores de risco nos atuais
sistemas de vigilância, monitoramento e avaliação.

FORTALECIMENTO DOS SISTEMAS DE SAÚDE


Para serem sustentáveis, as intervenções de promoção da saúde devem ser incorporadas
nos sistemas de saúde que apoiam a equidade em saúde e atendem a padrões de alto
desempenho. A integração da promoção da saúde em todas as funções dos sistemas de
saúde e em todos os níveis melhora o desempenho geral dos sistemas de saúde.

AÇÕES QUE FAZEM DIFERENÇA:

Fortalecer a liderança
… Pelos governos que defendem a promoção da saúde em todos os setores e contextos,
apoiando ações intersetoriais e interdisciplinares, incluindo as oportunidades por meio
de regulamentação e legislação;
… Garantindo a participação da comunidade na governança dos sistemas de saúde em
todos os níveis;
… Assegurando uma administração e supervisão eficazes.
Melhorar a política
… Integrando sistematicamente a promoção da saúde em todo o continuum dos
cuidados de saúde e outros serviços sociais e comunitários, ao longo de todo o ciclo de
vida;
… Garantindo que a promoção da saúde seja integrada em programas prioritários como
HIV / AIDS, malária, tuberculose, saúde mental, saúde materno-infantil, violência e
lesões, doenças tropicais negligenciadas e doenças não transmissíveis, como diabetes;
… Usando metas, medidas de qualidade e incentivos para uma promoção de saúde
sistemática e sustentável;
… Desenvolvendo abordagens específicas para alcançar as mulheres, tendo em vista o
seu papel único na garantia do sucesso dos programas de promoção da saúde, como
beneficiários e prestadores de cuidados primários na maioria das sociedades;
… Implementando estratégias de promoção da saúde com pessoas com deficiência, para
melhorar a qualidade de vida, o bem-estar e promover o desenvolvimento.

Garantir acesso universal


… Garantindo que os sistemas de saúde ofereçam serviços de saúde acessíveis,
adequados e abrangentes para todos, incluindo a medição do desempenho de grupos
marginalizados;
… Insistindo em que os sistemas de saúde forneçam informações e recursos acessíveis e
abrangentes para a promoção da saúde que incluam aspectos culturais, linguísticos,
idade, gênero e habilidade apropriadas;
… Abordando as barreiras financeiras e de outros recursos com abordagens inovadoras.

Construa e aplique a base de evidências


… Investindo em pesquisa e avaliação, e sua disseminação, para aumentar a adoção de
melhores práticas na promoção da saúde;
… Criando bases de dados que incluam câmaras de compensação em evidências de
pesquisa e mecanismos de resposta rápida para atender às necessidades dos
formuladores de políticas e dos profissionais de formulação de políticas e tomada de
decisões baseadas em evidências.
PARCERIAS E AÇÃO INTERSETORIAL
A abordagem eficaz dos determinantes da saúde e a equidade na saúde requerem ações e
parcerias que se estendam além do setor da saúde para implementar formas de
colaboração, cooperação e integração entre os setores.

AÇÕES QUE FAZEM DIFERENÇA:

Fortalecer a liderança
… Negociando e adotando metas e objetivos compartilhados e trabalhando em prol de
resultados comuns entre setores e instituições, em todos os níveis de governança;
… Garantindo que o setor privado e outros atores aceitem suas responsabilidades para
salvaguardar e promover a saúde de seus clientes, trabalhadores, clientes e
comunidades.

Melhorar a política
… Desenvolvendo impulso político e liderança para a saúde em todas as políticas e
contextos;
… Integrando a promoção da saúde e os determinantes sociais das abordagens de saúde
em todas as políticas, programas e agendas de pesquisa com foco na equidade em saúde,
assegurando o planejamento integrado, a capacitação e a alocação de recursos;
… Estabelecendo a eqüidade em saúde como um indicador social chave para medir o
desempenho de iniciativas intersetoriais;
… Criando órgãos regionais intergovernamentais funcionais, como uma Parceria
Africana de Promoção da Saúde, para definir uma visão e uma agenda para a promoção
da saúde, e defender e mobilizar recursos na região para os alcançar.

Melhore a implementação
… Desenvolvendo e adaptando-se ao contexto nacional, ferramentas, mecanismos e
capacidades para criar oportunidades nos níveis local, regional e nacional para a ação
intersetorial sobre a equidade em saúde;
… Incentivando a modelagem confiável de papéis para uma vida saudável;
… Fortalecendo e apoiando a sociedade civil para desenvolver abordagens comuns e
eficazes;
… Utilizando as oportunidades de "eventos de massa" para promoção da saúde, como
torneios esportivos internacionais;
… Sendo pró-ativo e fazendo parcerias com a mídia de maneira informada e solidária.

Construa e aplique a base de evidências


… Desenvolvendo e incorporando indicadores de equidade e ação intersetorial,
enfocando tanto os resultados quanto os determinantes da saúde;
… Avaliando iniciativas para determinar fatores críticos de sucesso para expansão.

EMPODERAMENTO COMUNITÁRIO
As comunidades devem compartilhar o poder, os recursos e a tomada de decisões para
assegurar e manter condições para a equidade em saúde.

AÇÕES QUE FAZEM DIFERENÇA:

Ativar propriedade da comunidade


… Ouvindo e começando com as vozes e aspirações da comunidade no planejamento e
na ação;
… Reconhecendo e valorizando a cultura indígena, os modos tradicionais e a
contribuição dos grupos migrantes;
… Assegurando uma participação e controle significativos e equitativos na tomada de
decisões entre todos os grupos, incluindo aqueles que sofrem exclusão social,
econômica ou política;
… Envolvendo pessoas com paixão, pessoas com poder e pessoas com influência em
parcerias para mudança e melhoria;
… Construindo a capacidade da comunidade durante o planejamento, implementação,
monitoramento e avaliação.

Desenvolver recursos sustentáveis


… Estabelecendo mecanismos de financiamento que assegurem respostas coordenadas,
integradas e holísticas aos objetivos determinados pela comunidade durante um longo
período de tempo.
Construa e aplique a base de evidências
… Incluindo narrativas e evidências empíricas de sucesso e lições aprendidas;
… Incorporando sistemas de conhecimento indígenas ao currículo planejado e
integrando sua aplicação nos principais setores.

ALFABETIZAÇÃO DE SAÚDE E COMPORTAMENTOS DE SAÚDE


A alfabetização básica é um alicerce essencial para o desenvolvimento e a promoção da
saúde. As intervenções de alfabetização em saúde precisam ser planejadas com base nas
necessidades de saúde, sociais e culturais.

AÇÕES QUE FAZEM DIFERENÇA:


Suporte ao empoderamento
… Assegurando a educação básica para todos os cidadãos;
… Construindo os recursos e redes da comunidade existentes para garantir a
sustentabilidade e aumentar a participação da comunidade;
… Projetando intervenções de alfabetização em saúde com base nas necessidades e
prioridades da comunidade em seu contexto político, social e cultural, com especial
consideração para as necessidades das pessoas com deficiência;
… Assegurando que as comunidades sejam capazes de acessar e agir sobre o
conhecimento e superar quaisquer barreiras.

Adotar as tecnologias de informação e comunicação (TIC)


… Formulando um quadro estratégico sobre as TIC para melhorar equitativamente a
literacia em saúde;
… Garantindo que as políticas públicas aumentem o acesso econômico às TICs através
de uma cobertura mais ampla de áreas remotas e carentes;
… Construindo a capacidade de TIC dos profissionais e comunidades de saúde e
maximizando o uso das ferramentas de TIC disponíveis.

Construa e aplique a base de evidências


… Desenvolvendo um conjunto básico de indicadores e ferramentas de alfabetização
em saúde baseados em evidências, baseados em conceitos e construções relevantes para
a saúde, usando métodos quantitativos e qualitativos;
… Pesquisando e monitorando os níveis de alfabetização em saúde de indivíduos e
comunidades;
… Criando um sistema para monitorar, avaliar, documentar e disseminar as
intervenções de alfabetização em saúde.

AGINDO JUNTOS
Os países desenvolvidos e em desenvolvimento estão enfrentando um surto de doenças
evitáveis que ameaçam desfazer seu desenvolvimento econômico futuro.
Cinco responsabilidades urgentes para governos e partes interessadas:
1. Fortalecer a liderança e as forças de trabalho
2. Promoção da saúde mainstream
3. Capacitar comunidades e indivíduos
4. Melhore os processos participativos
5. Construa e aplique conhecimento
O Apelo de Nairobi para a Eliminação da Lacuna de Implementação na Promoção da Saúde
tem um forte apoio global, é urgentemente necessário e fará uma diferença profunda na vida
das pessoas.