Você está na página 1de 28

INTRODUÇÃO A

ADMINISTRAÇÃO
TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO
Rildo R dos Santos
Depto de Administração - FACE
Conteúdo
 Idéias precursoras
 Escola clássica da administração
 Taylor – administração científica
 Henry Ford – linha de montagem
 Fayol – processo administrativo
 Weber – burocracia

 Enfoque comportamental
 Pessoas posicionadas em primeiro plano
 Pensamento sistêmico
 Teoria geral de sistemas
Idéias precursoras
Pioneiros da Administração
Definindo teoria
 Conjunto de proposições que procuram
explicar os fatos da realidade prática
 Princípios e doutrinas que orientam a ação
dos administradores
 Técnicas: proposições para resolver
problemas práticos
 As teorias podem ser:
 Descritivas: quando explicam a realidade
 Prescritivas: quando se propõe a modificar a
realidade
Administração e suas perspectivas
5

Ênfase Teoria Enfoque


Clássica (1916) e Organograma formal, princípios gerais da
Neoclássica (1954) Administração, funções do Administrador
Da Burocracia Organização formal burocrática e
Na estrutura (1909) racionalidade organizacionais.
Estruturalista Múltipla abordagem: Organização formal
(1947) e informal, análise intra-organizacional e
análise interorganizacional.
Relações humanas Organização informal, motivação,
(1932) liderança, comunicações e dinâmica de
grupo.
Nas pessoas Comportamental Estilos de Administração, teoria das
(1957) decisões, integração dos objetivos
organizacionais e do indivíduo.
Desenvolvimento Mudança organizacional planejada,
Organizacional abordagem de sistema aberto.
(1962)
Administração e suas perspectivas
6

Ênfase Teoria Enfoque


Estruturalista Análise intra-organizacional e análise
No ambiente (1947) ambiental, abordagem de sistema aberto.
Da Contingência Análise ambiental (imperativo ambiental),
(1972) abordagem de sistema aberto.
Na tecnologia Da Contingência Administração da tecnologia (imperativo
(1972) tecnológico)
Teoria
Administração Teoria da Teoria das Relações Teoria
Científica Burocracia Clássica Humanas Estruturalista

1903 1909 1916 1932 1947

Teoria
Teoria Teoria Desenvolvimento Teoria da
dos Sistemas
Neoclássica Comportamental Organizacional Contingência

1951 1953 1954 1962 1972


Variáveis básicas da TGA

Tarefas

Estrutura Pessoas

Organização

Ambiente Tecnologias
Administração científica
Administração científica - Taylor
 A abordagem típica da Escola da Administração
Científica é a ênfase nas tarefas;
 Objetivo: eliminar os desperdícios e elevar os
níveis de produtividade
 Frederick W. Taylor (1856-1915)

Qual a
melhor forma
de fazer um
determinado
trabalho?
Administração científica - Taylor
 Primeiro período de Taylor: Livro Shop Management (1903):
 Técnicas de racionalização do trabalho através do estudo de tempos
e movimentos (motion-time study);
 O objetivo da administração é pagar altos salários e reduzir custos de
produção;
 Para tal objetivo, a Administração deve aplicar métodos científicos
para estabelecer processos padronizados que permitam o controle
das operações;
 Os empregados devem ser selecionados e colocados em seus postos
com condições de trabalho adequadas para que as normas possam
ser cumpridas;
 Os empregados devem ser treinados para aperfeiçoar suas aptidões
e executaras tarefas, a fim de cumprir uma produção normal;
 Deve haver uma atmosfera de cooperação entre Administração e
trabalhadores, para garantir um ambiente psicológico adequado.
Administração científica - Taylor
 Segundo período de Taylor: Livro The Principles
of Scientific Management (1911):
 O principal objetivo da Administração Científica é
assegurar o máximo de prosperidade para o patrão
(lucros maiores) e para o empregado (salários
maiores);
 A estruturação geral da empresa como requisito
para a aplicação dos princípios;
 Os males de uma empresa:
 Vadiagem sistemática dos operários;
 Desconhecimento das rotinas de trabalho por parte da
gerência;
 Falta de uniformidade das técnicas e métodos de
trabalho.
Administração científica - Taylor
 Os Princípios da Administração Científica de
Taylor:
 Planejamento: Substituir a improvisação pela
ciência, por meio do planejamento;
 Preparo: Seleção científica e treinamento dos
operários, preparo também das máquinas
tendo em vista seu uso racional;
 Controle: Controlar o trabalho para ver se está
sendo executado conforme o planejado
 Execução: Distribuir a execução das tarefas
aos operários.
Abordagem clássica: linha de
montagem
Henry Ford – princípio básico
 Em 1903, fundou a FORD MOTOR, fabricando o primeiro
modelo popular o famoso modelo T, e com preços populares
 Em 1913 já se fabricava 800 carros por dia
 Estabeleceu nessa época o salário mínimo de 5 dólares por
dia a seus funcionários.
 E a jornada de 8 horas por dia.
 Na maioria dos países a jornada de trabalho variava entre 10 a
12 horas por dia.

 Princípio da Produtividade:
 Consiste em aumentar a capacidade de produção do homem no
mesmo período ( PRODUTIVIDADE) por meio da especialização
e da LINHA DE MONTAGEM.
Henry Ford – Produção em massa

 Palavra chave – simplicidade


 Aspectos que suportam o sistema:
A progressão do produto através do processo
produtivo é planejada, ordenada e contínua
 O trabalho é entregue ao trabalhador em vez de
deixá-lo com a iniciativa de ir buscá-lo
 As operações são analisadas em seus elementos
constituintes
Henry Ford - Princípios
 Princípio da intensificação: diminuir o tempo de duração com
a utilização imediata dos equipamentos e matéria prima e a
rápida colocação do produto no mercado
 Princípio da economicidade: reduzir ao mínimo o volume de
estoque da matéria-prima em transformação
 O automóvel é pago à empresa antes do vencimento do salário
e da materia-prima adquirida
 Princípio da produtividade: aumentar a capacidade de
produção por meio da especialização e da linha de
montagem.
 Assim o operário pode ganhar mais um mesmo período de tempo e o
empresário ter maior produção.
Organização racional do trabalho
 A busca da melhor forma de executar uma atividade;
 O operário não tem capacidade, nem formação, nem meios para
analisar cientificamente o seu trabalho e estabelecer o método mais
eficiente;
 Divisão de responsabilidades:
 Gerência – Planejamento;
 Supervisão – Assistência contínua ao trabalhador;
 Operário – Execução da operação.
 A Organização racional do trabalho se baseia em:
 Análise do trabalho e estudo de tempos e movimentos;
 Estudo da fadiga humana;
 Divisão do trabalho e especialização do operário;
 Desenho de cargos e tarefas;
 Incentivos salariais e prêmios de produção;
 Conceito do Homo economicus;
 Condições ambientais de trabalho (iluminação, conforto, etc);
 Padronização de métodos e máquinas
 Supervisão funcional
Análise do trabalho
 Objetivos do estudo de tempos e movimentos:
 Eliminar todos os desperdícios de esforço
humano;
 Adaptar os operários às tarefas;

 Treinar os operários para executar as tarefas de


forma eficiente;
 Tornar o operário especialista na sua operação;

 Estabelecer normas de execução do trabalho;

 Aumentar a eficiência do processo produtivo.


Análise do trabalho
 A eficiência do trabalho estava relacionada à
divisão de todas as tarefas ao longo do processo
de forma ordenada;
 Os movimentos inúteis eram eliminados e os úteis
eram simplificados, racionalizados ou fundidos
com outros movimentos;
 Adoção da cronoanálise como ferramenta de
medição dos tempos;
 Determinação do tempo médio ou padrão de
execução da operação:
 Tempo padrão = Tempos elementares + Tempos
mortos
Estudo da fadiga humana
 A fadiga é o cansaço resultante de trabalho
excessivo;
 A fadiga pressupõe o trabalhador a:
 Diminuição da produtividade e da qualidade do
trabalho;
 Perda de tempo;
 Aumento da rotatividade de pessoal;
 Doenças e acidentes.

 Princípios da economia de movimentos:


 Adequação do uso do corpo humano, o arranjo físico
e as ferramentas de trabalho.
Divisão do trabalho
 Divisão do trabalho e especialização do
operário:
 Cada operário se responsabilizava por uma etapa
do processo, ao qual se especializava para
proporcionar maior eficiência;
 Processos contínuos e repetitivos;

 O operário não possui a liberdade e a iniciativa


de estabelecer seu método de trabalho;

Vários operários Vários operários


Um operário desempenham em
desempenham em
desempenha a uma série partes da
paralelo partes da
tarefa total tarefa total
tarefa
Desenho de cargos e tarefas
 Tarefa é toda e qualquer atividade executada por
uma pessoa no seu trabalho dentro da
organização, é a menor unidade possível;
 Cargo é o conjunto de tarefas executadas de
maneira cíclica ou repetitiva;
 Desenhar um cargo é especificar seu conteúdo
(tarefas), os métodos de executar as tarefas e as
relações com os demais existentes;
 O objetivo era simplificar os cargos para obter o
máximo de especialização;
Incentivos salariais e prêmios de
produção
 Tem por objetivo conciliar os interesses dos
operários com os da organização;
 Migrar de uma remuneração baseada no tempo
para a remuneração baseada na produção
 O tempo padrão como 100% de eficiência;
 Produção até o nível de 100% - remuneração por
unidade produzida;
 Produção acima do nível de 100% - remuneração
por unidade produzida + prêmio de produção.
Demais princípios da organização
racional do trabalho
 Conceito de Homo Economicus:
 O homem é motivado somente pelos ganhos financeiros;
 O homem procura o trabalho como meio de ganhar a vida e não
por gostar dele;
 O homem é motivado a trabalhar pelo medo da fome e pela
necessidade de dinheiro.
 Condições de trabalho:
 Aprimorar as condições de trabalho como base para atingir a
eficiência;
 As principais condições de trabalho são:
 Adequação dos instrumentos e ferramentas de trabalho para
minimizar o esforço;
 Arranjo físico das máquinas para racionalizar o fluxo da produção;
 Melhoria do ambiente físico de trabalho (iluminação, ventilação, etc);
 Equipamentos especiais (transportadores, seguidores, etc).
Demais princípios da organização
racional do trabalho
 Padronização:
A padronização é a aplicação de normas e
procedimentos em uma organização tendo em
vista a eliminação do desperdício e aumento da
eficiência.
 Supervisão funcional:
A especialização do supervisor para acompanhar
o operário especializado;
 Um operário não pode subordinar-se à dois
chefes.
Apreciação crítica da
administração científica
 Mecanismo da Administração científica:
 Ênfase nas tarefas;
 A organização como um conjunto de peças, uma máquina;
 Visão mecanicista (o homem deveria produzir como uma
máquina);
 Ausência de participação dos operários nas decisões;
 Geração de insatisfações por parte dos operários;
 Execução dissociada do planejamento. Maiores lucros
e maiores
Seleção científica Plano de salários
do trabalhador incentivo salarial

Estudos dos Determinação do Padrão Máxima


Supervisão
tempos e método de eficiência
Funcional
movimentos de trabalho. Produção
Condições de
Lei da
trabalho
fadiga
Apreciação crítica da
administração científica
 Superespecialização do operário, que nem sempre redunda
em um aumento de eficiência.
 Visão microscópica do homem:
 Visão individualista do homem, desconsiderando o lado social;
 O homem como ser preguiçoso e ineficiente;
 O homem trabalhando como um apêndice da máquina.
 Abordagem incompleta da organização:
 Restrição aos aspectos formais da organização;
 Limitação do campo de aplicação:
 Ênfase somente no chão de fábrica, omitindo-se das demais
áreas.
 Abordagem prescritiva e normativa:
 Prescrever situações para padronizá-las.
 Abordagem de sistema fechado:
 A organização como instituição isolada do ambiente.
Fim do tópico
Introdução a Administração
Teorias da Administração