Você está na página 1de 35

Oportunidades de Investimento

em Moçambique
Edição Agronegócio
Outubro 2016
MENSAGEM
DO EDITOR

É com orgulho que a Financial Sector Deepening – Moçambique e a Monitor Deloitte


apresentam, em parceria, esta primeira edição da Oportunidades de Investimento em
Moçambique.

A missão desta publicação conjunta Monitor Deloitte - FSDMoçambique é a de dar a


conhecer oportunidades de investimento em Pequenas e Médias Empresas, com o
propósito de mitigar assimetrias de informação e assim promover o acesso a capital de
modo a desbloquear oportunidades de crescimento e de emprego.
Esta primeira edição centra-se no agronegócio num sentido lato, incluindo a produção
agrícola e serviços de apoio, processamento alimentar e silvicultura.
O agronegócio tem-se deparado com dificuldades como a falta de acesso a crédito e o
subinvestimento, os quais têm prejudicado o sector que mais contribui para o PIB (mais de
20%) e para a produção de emprego.
Contudo, atendendo à proporção de terra arável não utilizada (85%, de acordo com o Centro
de Promoção da Agricultura, CEPAGRI) e às condições agroecologias de Moçambique, o
agronegócio é um sector com tremendo potencial e especialmente conducente à produção
excedentária nas províncias do centro e do norte.
A promoção do bom desempenho de PME no sector do agronegócio é essencial ao
desenvolvimento endógeno de oportunidades de crescimento que fortaleçam o tecido
económico do país e assim reduzam a dependência de ajuda externa e da importação de
alimentos, tornando-o também mais resistente a choques exógenos.
Sobretudo, visto ser o agronegócio a maior fonte de emprego do país e serem as PME de
mão-de-obra intensiva, o desbloqueamento de oportunidades de crescimento das PME
poderá gerar importantes oportunidades de emprego para gerações actuais e futuras de
moçambicanos.

João Machado Anne-Marie Chidzero

Country Managing Partner Chief Executive Officer


Deloitte Mozambique FSDMoçambique

2
Sumário Executivo

É com prazer que a Financial Sector Deepening – Moçambique e a Monitor Deloitte apresentam, em parceria, a publicação Oportunidades
de Investimento em Moçambique. A primeira edição é dedicada às boas oportunidades de investimento em pequenas e médias empresas
(PME) dentro do sector do agronegócio em Moçambique. O seu objectivo é aumentar a informação disponível para investidores e,
deste modo, promover oportunidades de financiamento e ainda enfatizar a relevância do private equity como fonte alternativa de
financiamento de PME em Moçambique.

O equity finance e o seu potencial em Moçambique resultantes do subinvestimento que conduziram à baixa
produtividade e à falta de infraestrutura e, deste modo, limitam
Várias pequenas e médias empresas de Moçambique têm o acesso a mercados. O sector tem enorme potencial, em razão
dificuldade em aceder a financiamento. Isto resulta no das condições agroclimáticas e do baixo grau da utilização de terra
constrangimento do crescimento do sector privado, com efeitos arável bem como da localização vantajosa, com a possibilidade
sobre o desenvolvimento da economia e sobre a capacidade de exportar para mercados na África do Sul, na Ásia e no Médio
de geração de emprego. O investimento de private equity é um Oriente. O processamento agrícola, em particular, representa uma
veículo com potencial para mitigar a escassez de financiamento: importante oportunidade em razão de muitas cadeias de valor
representa uma alternativa mais flexível ao financiamento terem limitado valor acrescentado doméstico. Enquanto sector de
bancário. O investimento em equity tem-se avolumado em anos maior contribuição para o PIB e para o emprego, o investimento
recentes com o aumento de investimento de impacto, que procura em agronegócio oferece grandes oportunidades de contribuição
gerar também retorno social, para além de financeiro, e faz para o desenvolvimento económico e social.
frequentemente uso de um universo mais vasto de instrumentos
financeiros. Parâmetros Pré-Due Diligence

O private equity em Moçambique está na sua infância mas encontra- As empresas que constam desta publicação provêm de uma
se em crescimento devido às perspectivas de desenvolvimento de variedade de subsectores do agronegócio, serviços de apoio,
grandes projectos de gás natural na bacia do Rovuma. Firmas de processamento alimentar e silvicultura e de diferentes áreas
private equity mudaram-se para investir em áreas como imobiliário, de Moçambique. As empresas são principalmente start-ups ou
transportes, infraestruturas e serviços financeiros. Exceptuando empresas na fase de crescimento do seu ciclo de vida e ocupam
o investimento estrangeiro directo em megaprojectos, os vários níveis das cadeias de valor dos seus sectores. A magnitude
investimentos em Moçambique têm, historicamente, sido dos investimentos desta publicação varia entre os USD 50.000 e
feitos pelo sector de desenvolvimento (assistência financeira USD 5 milhões.
estrangeira e investimentos feitos por instituições financeiras de
desenvolvimento). Em 2015, Moçambique registou 42 transacções As empresas foram analisadas com base num conjunto de
de investimento de impacto, o terceiro número mais elevado da parâmetros de pré-due diligence e a selecção pautou-se por uma
região da África Austral1. abordagem pela qual as empresas foram filtradas de acordo com:
a sua conduta ética, o seu desempenho financeiro, a sua posição
O Sector do Agronegócio em Moçambique competitiva, a oportunidade de investimento e o seu impacto
social. As empresas com potencial foram visadas para entrevistas.
O agronegócio enquanto sector tem sofrido constrangimentos

3
Glossário

ACA African Century Agriculture

BPA Boas Práticas Agrícolas

CDM Cervejas de Mozambiaue

CEPAGRI Centro de Promoção da Agricultura

CGF Conselho de Gestão Florestal

CLUSA Cooperative League of the USA

CPV Custo de Produtos Vendidos

DADTCO Dutch Agricultural Development & Trading Company

DMM DADTCO Mandioca Mozambique

EBITDA Lucros Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização

GIIN Global Impact Investing Network

Ha Hectare

IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento

IFDC International Fertiliser Development Corporation

IFI Instituição Financeira Internacional

INE Instituto Nacional de Estatística

KPC Kuriname Ne Povo

NCBA National Cooperation Business Association

OIN Organização Internacional de Normalização

PEDSA Plano Estratégico para o Desenvolvimento do Sector Agrícola

PIB Produto Interno Bruto

PME Pequenas e Médias Empresas

RSE Responsabilidade Social das Empresas

TAFC The African Food Company

UARM Unidade Autónoma de Refinamento Móvel

4
ÍNDICE

Introdução 06
O Equity Finance e o seu Potencial em Moçambique 10
O Sector Agrícola em Moçambique 12
Metodologia 12
Oportunidades de Investimento em Médias Empresas 14
Oportunidades de Investimento em Pequenas Empresas 24
Anexo 30
Notas Finais 32
Autores 33
Contactos 34

5
Introdução

Moçambique oferece abundantes oportunidades para


investidores de private equity. Ao longo da última década, o seu
PIB tem demonstrado altas e sustentadas taxas de crescimento,
maioritariamente em razão de investimento estrangeiro directo
em variados megaprojectos nos sectores de produção, recursos
naturais e energia. Tem uma abundância de recursos naturais,
ainda em fase de exploração. A sua classe média está em
crescimento e encontra-se próximo de grandes mercados como a
África do Sul, com facilidade de acesso à Ásia e ao Médio Oriente.
A agricultura, em particular, tem tremendo potencial, visto que
Moçambique tem excelentes condições agroclimáticas e apenas
15 por cento da sua terra arável está, presentemente, utilizada.
Ademais, o private equity oferecerá benefícios a Moçambique na
medida em que preencha a escassez de financiamento que limita
consideravelmente as empresas locais e ainda na medida em que
aporte competências e valor adicional aos negócios.

Esta publicação propõe-se apresentar boas oportunidades de


investimento no sector do agronegócio em Moçambique, de modo
a atrair investidores nacionais e internacionais, e demonstrar
o potencial do private equity como fonte de financiamento
alternativo para as empresas mais pequenas.

A Deloitte fez uso de uma metodologia pré-due diligence com a


qual analisou o desempenho financeiro, a posição estratégica, o
impacto social e a natureza das oportunidades de investimento
das empresas. A metodologia foi concebida com a natureza do
ambiente de negócios de Moçambique bem presente e, deste
modo, permitiu a participação de empresas com fortes projectos
sociais ainda que estas não apresentassem as suas demonstrações
financeiras, bem como de pequenas empresas com projectos
atractivos e/ou com fortes visões sociais. As empresas incluídas
nesta publicação (resumidas na Tabela 1) provêm de uma ampla
diversidade de localizações e de subsectores do agronegócio
espalhados por Moçambique.

6
7
Nº Nome de Empresa Ano de Criação Sector Área de Operação

Médias Empresas

1 AC Matama Lda 2012 Produção de milho e de feijão Niasssa


de soja (sementes, batatas,
vegetais, como linhas mais
pequenas)

2 Alif Quimica Industrial Lda 1999 Processamento de soja e de


óleo de girassol Zambezia

3 Kuriname Ne Povo Lda 2012 Desbravamento e preparação Manica, Tete, Nampula, Cabo Delgado
de terra para a agricultura,
responsabilidade social
empresarial (RSE), consultoria,
agricultura comercial e
silvicultura de eucaliptos.

4 Phoenix Seeds 2011 Produção de sementes, Manica


serviços de extensão agrícola,
produção de milho e de soja.

Produção de banana.
5 The African Food Company Lda 2010 Gaza

Pequenas Empresas

Processamento de comida
6 Agro Servicos Lda 2010 Maputo, Inhambane
(licores, compota, picantes,
pickles)

Processamento de mandioca
7 DADTCO Mandioca 2012 Nampula, Inhambane
Mocambique Lda

8 Frutimel Lda 2003 Consultoria de apicultura, Maputo, Inhambane


produção de mel, viveiros de
plantas.

9 Mozambican Honey Company 2011 Processamento de mel Manica

8
Projecto de Investimento Montante de Financiamento Necessário

Consolidar o desempenho dos produtos principais e aumentar as linhas de valor USD 1 million for capital development and
acrescentado, e.g. sementes, batatas, etc. USD 500 000 for working capital

Aumento de produção pela compra de mais sementes de girassol bem como pela USD 1.5 million
importação de sementes de alta qualidade para fornecer a pequenos agricultores
para produzir.

Silvicultura: Eucalipto, 2.000 a 5.000 hectares. USD 5 million


Produções agrícolas:
Litchis (100 ha)
Nozes de macadâmia (200 ha)
Limão (400 to 500 ha)
Abacate (180 ha)
Agricultura Comercial: Milho (2.000 ha), soja (8.000 ha), sésamo (800 ha)

Capital operacional e capital para expandir a produção e a base de USD 500 000
processamento.

1. Expansão da actual exploração agrícola e instalações de embalagem. 1. USD 500 000


2. Adicionar linhas de produtos de valor acrescentado e.g. farinha de banana. 2. USD 200 000

1. Investimento de capital em instalação em Maputo (70% exportação, 30% 1. USD 1.7 million
mercado doméstico).

2. Capital operacional para a fábrica de Inhambane mais uma instalação para


2. USD 150 000
pessoas locais produzirem para consumo local sob boas condições de higiene.

Produzir farinha de mandioca para entrar no mercado da panificação. USD 4 million

Necessário investimento de capital numa unidade autónoma de processamento


móvel (UAPM), numa unidade de refinamento móvel (URM) e num secador.

Comercializar produção de uvas e tâmaras em Inhambane. USD 50 000

Expandir a oferta de mel de mais alta qualidade. USD 60 000


25-30 000 working capital loan
30 000 capital equipment

9
O Equity Finance e o seu
potencial em Moçambique

O acesso limitado a financiamento é uma limitação conhecida em Moçambique. A maior parte do capital provém de empréstimos
bancários mas é subutilizado devido aos elevados juros cobrados e garantias exigidas e ao desconhecimento do verdadeiro ambiente
em que operam os negócios em Moçambique2. Outras fontes de financiamento (como o mercado financeiro, emissão de dívida, asset
capital e desconto de facturas) não estão bem desenvolvidas, deixando várias empresas, em particular as pequenas e médias empresas
(PME), com falta de capital inicial, operacional e de investimento. O sector agrícola sofre consideravelmente. A proporção de empréstimos
para a agricultura em 2010 caiu de 6 para 3 por cento do total do crédito de 20153.

O private equity geralmente aporta valor ao negócio através de apoio estratégico à gestão, melhorias à produtividade, identificação
de oportunidades de crescimento, promoção de sustentabilidade do negócio, etc. Em África, o investimento de private equity assume
tipicamente a forma de capital de crescimento onde o valor é criado por estratégias de expansão, como a conquista de uma maior parte
da cadeia de valor ou pelo aproveitamento de um aumento de canais de distribuição, os quais podem contribuir significativamente para
o desenvolvimento da economia4.

O private equity é uma ferramenta de financiamento que poderá ajudar a mitigar o vazio de financiamento; consubstancia uma
alternativa mais flexível ao empréstimo bancário, é adequado ao ambiente de negócios existente e está alinhado com os objectivos de
desenvolvimento de Moçambique.

O investimento de equity tem-se avolumado em anos recentes, com o aumento de investimento de impacto que procura gerar também
retorno social, para além de financeiro, e faz frequentemente uso de um universo mais vasto de instrumentos financeiros. A Global
Impact Investing Network (GIIN) descreve Moçambique relativamente ao investimento de impacto, como uma área de pouca actividade
mas de abundante potencial. Quanto à agricultura, em razão da sua natureza o capital paciente poderá ser mais adequado5.

Tendências Regionais do Private

O private equity em África foi introduzido por instituições financeiras de desenvolvimento (IFD) mas alastrou para fundos privados
maioritariamente centrados na África do Sul6, no Quénia e na Nigéria7. O private equity em África tem crescido exponencialmente e
está ainda em fase embrionária. Os investidores procuram por factores de crescimento fundamentais a longo prazo, em particular, uma
classe média em crescimento e a abundância de recursos naturais. Em 2014, o valor global das transacções africanas concluídas foi USD
8,1 mil milhões, um aumento de 90 por cento relativamente a 2013, apesar de os investidores se terem voltado a centrar em países
desenvolvidos que começaram a mostrar crescimento8.

10
Em razão da combinação de indústrias emergentes e da trajectória O Private Equity em Moçambique
demográfica, o private equity em África tem sido caracterizado por
capital de crescimento, participações minoritárias, investimentos O private equity em Moçambique está na sua infância mas encontra-
de pequena dimensão e períodos de permanência mais longos se em crescimento, em particular em razão do entusiasmo em
quando comparados aos leveraged buyouts (LBOs) de empresas a torno das reservas de gás natural na bacia do Rovuma. Isto levou a
operar em mercados mais maduros9. que diversas firmas de private equity entrassem em Moçambique,
investindo em imobiliário, transportes, infraestrutura e
Mais recentemente, o private equity interessou-se pelo sector serviços financeiros13. Ademais, o governo tem procurado mais
agrícola, com vários fundos a serem criados com o propósito investimento privado, sendo prováveis as parcerias público-
específico de investir na agricultura e/ou no agronegócio10. Desde privadas e a privatização de empresas públicas no contexto actual
2008, os fundos da África Austral acumularam USD 1,3 mil milhões de crise de dívida pública.
e 21 países receberam investimentos no sector agrícola11.
Sem considerar o investimento directo estrangeiro em
Estes investimentos podem permitir um maior acesso a factores de megaprojectos, os investimentos em Moçambique têm
produção e a mercados, baixando os seus preços, e podem servir historicamente sido realizados através do sector de
de alicerce para o desenvolvimento de pequenos proprietários de desenvolvimento. Moçambique é um dos maiores beneficiários
terra e agricultores emergentes em África12. Hanlon e Smart, na de assistência externa para o desenvolvimento na África Austral
sua obra Chickens and Beer: A Recipe for Agricultural Growth in e Central. As IFD, definidas como instituições financiadas por
Mozambique, sustentam que em Moçambique, na sequência do governos e que financiam o sector privado para investimentos
insucesso de muitas explorações agrícolas de grande dimensão que promovem o desenvolvimento podem, por conseguinte, ser
que tinham o propósito de obter ganhos a curto-prazo, existe uma consideradas os primeiros investidores de impacto. Têm sido
tendência para a realização de projectos de investimento a longo- uma das principais fontes de investimento do país, investindo
prazo, trabalhando em conjunto com pequenos proprietários maioritariamente em projectos de produção e de infraestrutura14
através de agricultura sob contrato (out-grower schemes). Neste A fatia recebida por Moçambique foi, de acordo com o GIIN,
caso, a empresa acorda a compra de certas quantidades a a terceira maior da África Austral, a seguir à África do Sul e à
pequenos agricultores. Frequentemente, a empresa fornecerá Zâmbia (95 operações, com USD 1,385 mil milhões de capital
alguns factores de produção a crédito e ainda apoio técnico. Apesar desembolsado).
das dificuldades, nomeadamente, da necessidade de construir uma
relação de confiança com os agricultores, estes projectos têm tido Em termos de investimento, sem ter em conta as IFD, Moçambique
mais sucesso do que os investimentos em grandes explorações recebeu o terceiro maior número de transacções mas ficou
agrícolas. Moçambique tem uma experiência de sucesso com abaixo desse lugar em termos de capital desembolsado (42
a agricultura sob contrato nos sectores do tabaco e do algodão. transacções e USD 52 milhões desembolsados)15. Investidores
Contudo, Hanlon e Smart apontam a galinha e a mandioca como não-IFD em Moçambique tenderam a investir mais no sector
exemplos mais recentes de sucesso em abordagens inclusivas às agrícola (dos 15 investidores não-IFD em Moçambique, mais de
cadeias de valor. 80% dos investimentos foram feitos na agricultura)16. As PME, por
conseguinte, são ainda maioritariamente ignoradas por este tipo
O aumento dos investimentos de private equity no agronegócio de financiamento .
tem, deste modo, potencial para gerar importantes benefícios
económicos, em termos de ligações de mercado, financiamento e No sector do agronegócio, o private equity entrou já numa
capacidade de gestão, e para contribuir para o desenvolvimento diversidade de sectores, como são o dos factores de produção,
social através do apoio às comunidades, assistência técnica e da fruta e vegetais, do processamento da fruta, da produção de
segurança alimentar. açúcar, de mel e da pecuária.

11
O Sector Agrícola
em Moçambique

Esta publicação demonstra o enorme potencial dos investimentos em agronegócio em Moçambique: quer do ponto de vista do
crescimento económico quer do ponto de vista social. O sector tem crescido consideravelmente, com uma média anual de 5,3 por cento
entre 2005 e 2015 e continua a ser o sector que mais contribui para o PIB (22,6 por cento, em 2015)18.

Moçambique tem excelentes condições agroclimáticas com a capacidade de produzir ao longo de todo ano, com vários grandes rios que
oferecem extensos cursos de água. Existe enorme potencial, na medida em que apenas 15 por cento dos 36 milhões de hectares de terra
arável está actualmente a ser explorada. Tem também grande potencial para exportação, com uma localização vantajosa para alcançar
os mercados da Ásia e do Médio Oriente. O processamento agrícola, em particular, consubstancia uma enorme oportunidade, em razão
de muitas cadeias de valor terem pouco valor acrescentado doméstico.

A agricultura estado limitada pelo subinvestimento, resultando na baixa produtividade e na falta de infraestrutura, o que dificulta o
acesso a mercados. O sector da agricultura enfrenta problemas de falta de acesso a financiamento, em razão de a maior parte dos
bancos não possuírem conhecimento especializado em financiamento da Agricultura.

O Plano Estratégico para o Desenvolvimento do Sector Agrícola (PEDSA) referente a 2011-2019, do Governo, identifica 15 cadeias de valor
estratégicas, sendo as seis primeiras prioritárias: horticultura, arroz, feijões, mandioca, galinha, carne vermelha, milho, banana, açúcar,
sésamo, batata, castanha de caju, algodão, soja e trigo.

Metodologia

As empresas foram analisadas com base num conjunto de parâmetros de pré-due diligence e a selecção pautou-se por uma abordagem
pela qual as empresas foram filtradas de acordo com: a sua conduta ética, o seu desempenho financeiro, a sua posição competitiva, a
oportunidade de investimento e o seu impacto social19. As empresas com potencial foram visadas para entrevistas. A nossa abordagem
seguiu os seguintes passos:

1. As empresas foram analisadas com base na sua conduta ética; se fosse relatado que uma empresa estaria implicada em
condutas éticas reprováveis esta seria eliminada nesta fase.

2. Um questionário foi de seguida preenchido por todas as empresas de modo a criar um perfil de cada empresa, determinar
a sua necessidade e oportunidade de investimento, a sua posição competitiva, a sua gestão e o seu impacto social. Caso as empresas
escolhessem não partilhar as suas demonstrações financeiras, algumas questões relativas ao seu desempenho financeiro eram
colocadas.

3. As demonstrações financeiras foram examinadas pela análise dos rácios, de modo a determinar as empresas com bom
desempenho financeiro20.

4. Se fosse determinado que a empresa tinha um bom desempenho financeiro, procedíamos de seguida à análise da sua
posição competitiva e da oportunidade de investimento e, por conseguinte, decidíamos se representavam uma boa oportunidade de
investimento.

5. O impacto social foi determinado separadamente, nesta análise.

6. Quando as empresas não partilharam as suas demonstrações financeiras, baseámos a nossa análise apenas no questionário,
para determinar se representavam uma oportunidade de investimento interessante.

12
13
Oportunidades de
Investimento em
Médias Empresas

Abaixo, seguem-se os perfis das empresas e suas oportunidades de 0,74, mas demonstra ainda capacidade para melhorar mais. A AC
investimento21. Matama tem também um bom desempenho em termos de rácio de
liquidez reduzida (acid test) com um rácio de 2,39, demonstrando
estar em posição de fazer face às suas dívidas actuais. O ano de
AC Matama Lda 2015 foi um ano bom para a AC Matama, tendo-se verificado um
crescimento de 200 por cento nas suas receitas e um crescimento
A AC Matama é uma operação de agricultura em larga saudável nos valores do lucro bruto e do EBITDA. Os números
escala dedicada principalmente ao cultivo de soja e do milho, projectados também demonstram um crescimento contínuo e
localizada em Lichinga, Província do Niassa, Moçambique. robusto.
Criada em 2012, a AC Matama tem dois sócios: a African Century
Agriculture (ACA) e a Malonda Foundation. A ACA tem experiência Posição Competitiva
prévia de agricultura em Moçambique, tendo trabalhado com
agricultores sob contrato no sector da soja, na Zambézia, no A AC Matama cultiva principalmente milho e soja. O milho é o
âmbito da operação Frango King, tendo recentemente desinvestido produto alimentar mais importante de Moçambique e da África
nesta operação22. A ACA enveredou agora pela AC Matama, a sua Austral. Por conseguinte, os mercados doméstico e regional são
operação de agricultura em larga escala, no Niassa. enormes e crescentes fontes de procura.

A Matama Farm é uma antiga exploração agrícola do Estado A soja tornou-se num produto de mercado significativo em
com 3800 hectares, 90 porcento dos quais de terra arável e Moçambique nos últimos anos, tendo o aumento da produção
maioritariamente desmatados. A AC Matama tem transformado a de galinha possibilitado o crescimento da produção da soja. O
terra rapidamente desde 2012, estando já a usar 1200 hectares, bagaço de soja é um factor de produção essencial à avicultura: os
com 100 hectares em irrigação e com 3000 toneladas de produção factores de produção representam o maior custo de produção de
na temporada de 2014/15. O seu perfil de produção consiste em aves (74 por cento), do qual o bagaço de soja representa 37 por
aproximadamente 50 por cento de milho e 50 por cento de soja cento. A procura por produtos avícolas deverá aumentar com o
em termos de hectares em cultivo, produzindo ainda feijão, batata crescimento da classe média e espera-se um crescimento de 13 por
e vegetais em quantidades menores. cento por ano durante a próxima década na produção avícola.24
O bagaço de soja pode ser um factor decisivo na substituição
O Niassa é uma das províncias mais subdesenvolvidas, pobres e de galinha importada por doméstica. Permitirá aos produtores
remotas de Moçambique. O governo local identificou a agricultura avícolas a substituição do bagaço de soja importado, aumentando
como impulsionador económico chave, procurando o aumento da assim a competitividade da indústria avícola doméstica. O Governo
segurança alimentar, o beneficiamento da agricultura e a promoção está ciente disso e tem encorajado activamente o crescimento da
de exportações agrícolas. A AC Matama procura responder a esta indústria de soja doméstica. Ademais, existe a possibilidade de
política com a venda de produção ao mercado local e através de transformar a soja em produtos de maior valor acrescentado,
um programa de aproximação junto de pequenos proprietários. O como são o óleo, o leite, a farinha, etc.
Governo tem apoiado plenamente as operações da AC Matama,
tendo-lhe ainda concedido certificação para produção de A AC Matama beneficia de vantagens de custos, uma vez que têm
sementes, permitindo-lhe expandir na área das sementes de soja, 3.800 hectares de terra numa área com bom solo e precipitação,
feijão seco, milho e batata. reduzindo assim o custo de cultivo por hectare. A quinta está
também idealmente localizada para fins de irrigação, com rios
Desempenho Financeiro em ambos os lados, cada um com uma bacia hidrográfica de
50km2, um sistema de canais contruído há trinta anos no meio da
Tratando-se de uma operação agrícola em larga escala ainda em quinta, que oferece distribuição de água a baixo custo e terrenos
fase de start-up, a AC Matama tem tido um bom desempenho, com amplos e planos adequados a irrigação por meio de pivot25. Para
a sua margem EBITDA e a sua margem de lucro bruta a tornarem- além de duas outras grandes explorações agrícolas no país, os
se positivas naquele que é apenas o seu terceiro ano (13 por seus concorrentes principais são pequenos produtores que não
cento e 27 por cento, respectivamente, mostrando capacidade de conseguem atingir a dimensão da AC Matama em razão da grande
cobrir aos seus custos fixos e variáveis). A margem de EBITDA e a concessão de terra que esta detém.
margem de lucro bruta previstas para a empresa demonstram um
crescimento continuado, que se prevê que vá atingir 23 por cento Embora ainda em início da operação, as colheitas têm sido boas,
e 37 por cento, respectivamente, em 201823. O asset turnover atingindo a produção prevista de 2,5 toneladas por hectare de soja
melhorou, triplicando em valor entre 2014 e 2015 e atingindo e de 5,8 toneladas por hectare de milho. O seu custo por tonelada

14
é também baixo para a indústria onde se insere. O crescimento Oportunidade de Investimento
futuro deverá resultar de preços e custos estáveis, um aumento
dos hectares em irrigação e das colheitas atractivas. Eles tencionam A AC Matama procura expandir as instalações de irrigação e
consolidar o desempenho da soja e do milho e aumentar o valor armazenamento das suas operações agrícolas. Procura um misto
das linhas adicionais de produção de sementes, batatas, etc. A de private equity (USD 1 milhão, como capital de desenvolvimento)
AC Matama também beneficiará da infraestrutura a ser, a breve e de financiamento bancário (USD 500.000, como capital
trecho, desenvolvida na província, em particular das melhorias às operacional) e um parceiro de investimento que aporte ao negócio
ligações ferroviárias e rodoviárias a Cabo Delgado. A AC Matama é assistência técnica de marketing, gestão de relações com clientes e
uma empresa com boas práticas e fortes estruturas de governação gestão de fornecimento.
e tem demonstrações financeiras verificadas por auditor externo.
Tem também plano de negócios e projecções financeiras.

Impacto Social

A AC Matama tem objectivos de cariz social que se traduzem


em assegurar segurança alimentar à região, trabalhar com
agricultores locais através de um programa de aproximação e
providenciar educação a agricultores e à comunidade local. O
programa de aproximação inclui presentemente 36 agricultores,
com vista a atingir 50 agricultores ao largo de 50 hectares26. No
futuro, este programa de estreitamento poderá ser estendido a
500 agricultores. Os pequenos agricultores beneficiaram já de um
aumento de rendimento na ordem dos USD 250, por ano.27

Apesar de se tratar de um negócio largamente automatizado, a


exploração agrícola emprega 180 pessoas, 95 por cento das quais
da área local e de famílias de baixo rendimento. Os trabalhadores
recebem salários 50 por cento acima do salário mínimo, bem
como formação e educação e escola nocturna para agricultores
trabalhadores da exploração agrícola e agricultores contratados
de modo a aprender as melhores práticas agrónomas.

A AC Matama contribuiu para a autossuficiência alimentar da


região, em resultado de cerca de 95 por cento das suas vendas
serem feitas no mercado doméstico e os restantes 5 por cento
sendo exportados para o Malawi.28

15
Alif Química Industrial Lda

A AlifQuímica é uma grande empresa em operação processa sementes para produzir óleo, beneficia de vantagens
desde 1999 e localizada em Quelimane, na província da Zambézia, de custo por ter custos mais baixos através de fornecedores
dedicada ao processamento de óleo de girassol e de soja. domésticos e factores de produção baratos, relativamente aos
seus concorrentes que têm de pagar direitos aduaneiros para
A AlifQuímica assumiu a posse da terra de uma empresa importar o óleo bruto a refinar em Moçambique.
abandonada durante a guerra. Desde então, tem vindo a trabalhar Como resultado de produzir óleo de feijões de soja, a AlifQuímica
com pequenos agricultores contratados presentes na terra, também produz bagaço de soja, que é um produto essencial à
ajudando-os a cultivá-la e fornecendo-lhes utensílios de lavoura produção avícola. A produção avícola tem crescido recentemente e
e sementes de feijão de soja e de girassol. Consentiu ainda que os produtores avícolas têm procurado uma mudança para bagaço
outros agricultores cultivassem a sua terra ao abrigo de um sistema de soja doméstico. O produto secundário da AlifQuímica tem,
contratual (out-cropping). A AlifQuímica procede de seguida à deste modo, procura elevada. A Soja pode ainda ser transformada
recompra das sementes dos agricultores, de modo a esmagá-las e para produzir bens de maior valor acrescentado, como leite de
produzir óleo de girassol em bruto e do bagaço de soja. soja, farinha, e comidas asiáticas à base de soja.
Desempenho Financeiro
No presente, apesar de a AlifQuímica ter capacidade para processar
Entre 2013 e 2014, as receitas da AlifQuímica subiram 15.000 toneladas de sementes de girassol, processa apenas 5.000
aproximadamente 30 por cento, tendo, contudo, os custos variáveis toneladas devido à ausência de financiamento que impede o
subido ainda mais, na ordem dos 48 por cento. Por conseguinte, a aumento das sementes fornecidas (para vender a pequenos
empresa viu a sua margem de lucro bruta cair de 36 por cento para agricultores). O crescimento terá de advir de uma expansão do
28 por cento e a margem EBITDA cair de 15 por cento para 5 por fornecimento de sementes e, possivelmente, da capacidade.
cento no mesmo período, daqui resultando que a empresa reteve Como a AlifQuímica usa sementes orgânicas, está a considerar
apenas 5 cêntimos por cada dólar de receita após pagamento dos obter a certificação de comércio equitativo (fair trade), a qual
seus custos fixos e varáveis. poderá aumentar o valor do seu produto. A AlifQuímica é objecto
de auditoria externa e tem um plano de negócios formalizado.
O asset turnover da AlifQuímica em 2014 melhorou de 0,72 para
0,98, significando que 98 cêntimos foram gerados por cada dólar Impacto Social
investido em activos. Não obstante, um rácio inferior a um é
considerado medíocre e deverá, por isso, melhorar. A AlifQuímica tem objectivos de cariz social e ambiental, formalizados
A liquidez era elevada em 2014 e o endividamento global da na sua estratégia empresarial. Tem um impacto significativo na
empresa baixo, correspondendo a apenas 11 por ceno do total dos economia local, através da criação de valor enquanto produtores
activos de 2014. domésticos, e pelo trabalho com 4.000 pequenos agricultores,
enquanto fornecedores. Também empregam 280 pessoas da área
Posição Competitiva local e 50 por cento das suas vendas são feitas a PME e particulares.
Ademais, exceptuando a maquinaria, os seus factores de produção
A AlifQuímica pode processar 5.000 toneladas de sementes e são obtidos localmente. Apoiam escolas locais e comunidades.
produzir 3.800 toneladas de óleo por ano (75 por cento de girassol Após a realização do projecto de investimento delineado abaixo, a
e 25 por cento de soja) e 6.000 toneladas de bagaço (dividido AlifQuímica poderá aumentar o número de fornecedores com os
50:50 entre o girassol e a soja). Tem também uma refinaria e pode quais trabalha para 8.000 pequenos agricultores, no seu terreno
produzir óleo bruto ou refinado. de 1800 hectares.

Existe uma elevada procura por óleo de girassol e de soja em Oportunidade de Investimento
Moçambique e em mercados de exportação. A AlifQuímica já
exporta para a Europa, parte que consubstancia 50 por cento das Actualmente, a AlifQuímica está a funcionar abaixo da sua plena
suas vendas. Devido à elevada procura e à capacidade limitada de capacidade; é possível aumentar a sua capacidade de esmagar
produção, as vendas domésticas da AlifQuímica estão limitadas sementes em 10.000 toneladas. Procura um investimento de USD
a PME e a compradores particulares na província da Zambézia. 1,5 milhões, para expandir o seu fornecimento de sementes, quer
A AlifQuímica poderá facilmente aumentar a produção sem de origem doméstica quer de sementes importadas de qualidade
ter dificuldades em encontrar procura doméstica para os seus superior, para vender aos agricultores sob contrato. Com o
produtos. investimento, a AlifQuímica poderá atingir a sua plena capacidade
e produzir, pelo menos, 5.400 toneladas de óleo por ano.
Tratando-se de uma das poucas empresas de Moçambique que

16
17
Kurimane Ne Povo Lda

A Kuriname Ne Povo (KPC) é uma empresa criada em 2012, Impacto Social


em Vanduzi, na Província de Manica. Os seus serviços consistem no
desbravamento e preparação da terra para a actividade agrícola, A KPC contribui para a área local com a contratação de 700
terraplanagem, consultoria na área da responsabilidade social das trabalhadores sazonais de famílias de baixo rendimento. Tem
empresas (RSE) e agrícola, agricultura comercial e silvicultura de ainda 56 trabalhadores permanentes, sendo 100 por cento dos
eucaliptos. seus factores de produção de origem doméstica e 50 por cento
dos seus fornecedores pequenos agricultores ou PME.
Desempenho Financeiro A sua vertente de RSE inclui programas de conservação agrícola
com agricultores contratados, nutrição, higiene e desenvolvimento
O desempenho financeiro da KPC entre 2014 e 2015 indicia boas em comunidades desfavorecidas, acréscimo de valor à produção
perspectivas futuras. A empresa viu crescer significativamente a dos agricultores e empoderamento das mulheres.
margem de lucro bruta e a margem de EBITDA, de 49 para 69 por
cento e de 22 para 46 por cento, respectivamente. As receitas da Oportunidade de Investimento
empresa subiram em 154 por cento 2015. As margens positivas
demonstram que a KPC tem a capacidade de gerir quer os seus A KPC procura um investimento de USD 5 milhões, para o
custos variáveis (CPV) quer os seus custos fixos (operacionais) de desenvolvimento de três projectos:
um modo eficiente. O asset turnover da empresa aumentou de
1,43, em 2014, para 1,70, em 2015, o que se traduz num ganho de 1. Silvicultura: a KPC tem a oportunidade de implementar
27 cêntimos a mais por cada dólar investido em activos. um programa de larga escala de entre 2.000 e 5.000 hectares de
O desempenho geral da KPC tem sido robusto e o nível de eucalipto, sendo a madeira para fornecer à indústria siderúrgica
alavancagem é relativamente baixo, sendo que em 2015 a dívida do Médio Oriente e a uma empresa de trituração de madeira na
representava 34 por cento da totalidade dos activos. Com base em Beira.
dois anos de análise financeira, a empresa demonstra potencial
como oportunidade de investimento lucrativo. 2. Plantações (fruta e noz de macadâmia): com o aumento
dos preços mundiais, em particular, dos citrinos, a KPC quer
Posição Competitiva realizar investimentos a longo-prazo em explorações agrícolas, de
modo a suplementar a sua liquidez mês a mês advinda do negócio
A estratégia de negócio da KPC é explorar os vastos recursos de desbravamento. A KPC espera produzir: 100 hectares de litchis,
naturais e agrícolas que Moçambique tem para oferecer, 200 hectares de noz de macadâmia, entre 400 e 500 hectares de
oferecendo uma ampla diversidade de serviços agrícolas. limão e 180 hectares de abacate.
A KPC tem levado a cabo o desbravamento e preparação de terra
para a Portucel, a empresa portuguesa de silvicultura que detém 3. Agricultura Comercial: em razão das secas e do aumento
duas concessões na Zambézia e em Manica com um total de da população, os preços dos produtos agrícolas encontram-se em
356.000 hectares, nos últimos dois anos, e tenciona continuar a níveis recorde. O proprietário e director-geral da KPC tem 30 anos
expandir essa vertente do negócio. Trabalhar com uma empresa de experiência no sector agrícola e, com a vasta gama de produtos
com concessões de terra de grande dimensão permitiu à KPC agrícolas da KPC já disponíveis, tem capacidade para implementar
crescer em mais de 100 por cento por ano, em termos de lucro. um projecto agrícola em larga escala, com o investidor certo. O
A KPC tem uma vantagem competitiva na medida em que tem projecto será de 2.000 hectares de milho, 8.000 hectares de feijão
uma das maiores empresas (em termos de concessão de terras) de soja e 800 hectares de sésamo.
como cliente e que existem altas barreiras de entrada na indústria
do desbravamento de terra, impostas pelos elevados custos de Os projectos mencionados acima resultarão, conjuntamente, em
capital. A flexibilidade dos seus preços, talhada para se adaptar a emprego local e produção comunitária para entre 5.000 e 8.000
diferentes circunstâncias, dá-lhe uma vantagem competitiva sobre famílias.
outras empresas que operam no sector.
O KPC tem a acesso grandes porções de terra em Manica e em
Actualmente dependente de um cliente de grande dimensão, a Sofala, adequadas a todos os projectos acima mencionados, com a
Portucel, o objectivo passa agora por expandir a base de clientela obtenção dos direitos de uso da terra29 prevista para os próximos
no mercado de desbravamento e terraplanagem para incluir dois meses. Procura um parceiro de investimento para desenvolver
outras grandes empresas e ainda captar projectos agrícolas de pelo menos um destes projectos, com capacidade também para
larga escala para o seu portfólio. A Portucel tem um programa de aportar assistência técnica para as áreas de estratégia empresarial,
expansão que garante que a KPC continuará a crescer com ela. marketing, gestão de cadeias de fornecimento e financeira.

18
19
Phoenix Seeds Lda

A Phoenix Seeds é uma empresa de fornecimento de e obteve financiamento adicional do Africa Enterprise Challenge
sementes que oferece também serviços de extensão agrícola30. Foi Fund. Foi produzida uma semente híbrida mais tolerante à seca e
criada em 2011 e está sediada em Vanduzi, na Província de Manica. mais adequada às condições climatéricas da Província de Manica32.
É a primeira empresa moçambicana a produzir e registar sementes
com o objectivo de permitir o acesso a sementes de boa qualidade A Phoenix Seeds beneficia de vantagens de custo por possuir uma
a preços comportáveis para os agricultores moçambicanos. operação de produção e processamento de sementes integrada
e acesso a preços de semente mais baixos. Têm uma base de
Os agricultores moçambicanos sofrem de baixa produtividade em clientela robusta, de cerca de 30 clientes, com nove grandes
razão do pouco uso de factores de produção externos, incluindo empresas que representam 85 por cento das vendas.
sementes de qualidade, as quais estão escassamente disponíveis
e a que não têm acesso. O censo agrícola do Instituto Nacional A sua estratégia empresarial foca-se no aumento da produção
de Estatística (INE), de 2010, mostra que apenas 10 por cento através de agricultura sob contrato, aumentando as vendas a
dos pequenos agricultores usavam variedades melhoradas de pequenos agricultores, comerciantes agrícolas e ONGs, mediante
sementes.31 O uso de sementes melhoradas pelos agricultores o uso de agentes e a introdução de um híbrido de milho e culturas
é um dos mecanismos mais céleres para aumentar a produção orientadas para a exportação. Tencionam ainda começar a
agrícola. Variedades de sementes bem selecionadas podem exportar para o Zimbabué e Malawi.
aumentar a resistência a secas e doenças e podem melhorar a
eficiência e qualidade dos productos processados. Aumentar a A Phoenix Seeds tem boas práticas de governação, que incluem
variedade de sementes de melhor qualidade tem um importante relatórios de gestão e políticas de governação. As demonstrações
impacto social, permitindo a produção de colheitas maiores, e é financeiras são externamente revistas e possui um plano de
um importante passo para ir além da agricultura de subsistência. negócios e um modelo financeiro com projecções.

Desempenho Financeiro Impacto Social

Com base na análise dos relatórios financeiros da empresa, a A Phoenix Seeds tem como objectivo social garantir que os
Phoenix Seeds conseguiu margens de EBITDA positivas entre 2012 pequenos agricultores locais possam ter acesso a sementes de
e 2015, com a excepção de 2014. A empresa também conseguiu alta qualidade e necessárias ao aumento dos seus rendimentos
manter uma margem de lucro bruta positiva desde 2012. Em pelo aumento da sua produtividade. Até agora, 33.437 agricultores
2015 a empresa registou uma margem de EBITDA de 2 por cento, beneficiaram de acesso a sementes de qualidade melhorada a
recuperando de uma margem de EBITDA de -105 por cento, em preços comportáveis, tendo as colheitas aumentado em 30 por
2014, propalada por um forte aumento das receitas. cento.33 A Phoenix Seeds também fornece assessoria técnica e, por
meio de uma joint venture com a NCBA Clusa34 , os comerciantes
Do ponto de vista da eficiência, a Phoenix Seeds tem tido melhorias agrícolas recebem apoio no marketing das suas sementes e no
regulares. O rácio de asset turnover duplicou de 0,28 para 0,49, estabelecimento de locais de aprendizagem onde são ensinadas
em 2015. Não obstante, um rácio inferior a um é considerado melhores técnicas de gestão de colheitas e práticas agrícolas
medíocre e deve melhorar, uma vez que a empresa apenas teve sustentáveis. Existe ainda um acordo com dois agricultores
ganhos de 48 cêntimos por cada dólar investido em activos. contratados, pelo qual estes estão a produzir sementes, e isto
A empresa tem demonstrado uma liquidez significativamente expandirá mediante o aumento da produção. 90 por cento dos
excedentária, visto que os actuais activos (excluindo o inventário) gastos da Phoenix Seeds são domésticos e quase todas as vendas
consubstanciam seis vezes o valor do passivo. Em geral, a são feitas a mercados locais, com cerca de 80 por cento a ir para
Phoenix Seeds demonstra um desempenho financeiro robusto, pequenos agricultores.
ligeiramente volátil mas de trajectória positiva.
Oportunidade de Investimento
Posição Competitiva
A Phoenix Seeds procura um investimento mínimo de USD
A Phoenix Seeds, com o apoio da AdDevCo e do Africa Enterprise 500.000,00 para financiamento do seu capital operacional e para
Challenge Fund, tem vindo a ganhar relevância no sector das investir na expansão da produção e na base de processamento,
sementes. Um investimento de USD 70.7000 da AgDevCo permitiu- com o objectivo último de expandir e alcançar a liderança na
lhe aumentar a produção de 71 para 142 hectares e construir produção de sementes em Moçambique. Procura um parceiro de
uma instalação de processamento. A AgDevCo também oferece investimento para aportar assistência técnica na área do marketing
importante apoio estratégico e operacional à equipa de gestão de sementes.

20
21
The African Food Company Lda

A The African Food Company (TAFC) é uma produtora de processo de obter certificação da Global Good Agricultural
banana ambientalmente sustentável e socialmente responsável Practices (GAP), uma organização não-governamental que certifica
em Moçambique. Foi criada em 2010 e conta com uma área de produtos agrícolas e fornecedores cujas práticas estejam ao nível
exploração de 300 hectares, na Província de Gaza. Foi criada para dos seus padrões para agricultura boa e sustentável.
acompanhar a procura por agricultores biológicos de qualidade e
para promover o desenvolvimento da comunidade por meio da À sua máxima capacidade na actual exploração agrícola, visa
criação de emprego, desenvolvimento de competências e pela produzir 16.000 toneladas de banana orgânica por ano.38 Em
introdução de novas tecnologias. A sua produção é essencialmente 2015, plantou 288 hectares de banana, crescendo rapidamente
exportada para a África do Sul. dos 30 hectares de 2012. Investiu na unidade de distribuição que
compreende três depósitos com câmaras frias, camiões para venda
Desempenho Financeiro por grosso ou a retalho, irrigação, e introduziram ainda melhorias
na qualidade que não se encontram na maioria de África, como
Desde 2013, a TAFC tem tido margens de lucro brutas saudáveis, o uma ligação por cabo usada com um tractor aéreo.
que demonstra a capacidade da empresa de gerir os seus custos
variáveis. A margem de lucro bruta cresceu de 30 por cento, em A TAFC beneficia de vantagens de custo quando comparada à
2013, para 67 por cento, em 2015. O crescimento da margem sua concorrência moçambicana, visto ter acesso a canais de água
deve-se inteiramente ao aumento das receitas, que decuplicaram. que lhe permitem fazer a irrigação com recurso às águas do rio
A margem de EBITDA da TAFC tem sido negativa desde 2013 mas Limpopo. Relativamente aos seus concorrentes sul-africanos,
tem melhorado e, dada a trajectória actual, é provável que se torne beneficia de um clima mais propício à plantação de bananas,
positiva a médio prazo. custos laborais mais baratos e melhores direitos sobre a terra.
A empresa tem capacidade para responder ao seu passivo, com Está presentemente a concluir um projecto com financiamento
um rácio de liquidez reduzida (acid test) de 1:1. O passivo total da subsidiado no valor de EUR 400.000, para distribuir e comercializar
empresa corresponde a 74 por cento do total dos activos, o que fruta fresca e vegetais no mercado local, em Moçambique. O
indica uma posição de elevada alavancagem. Contudo, tendo projecto implica a distribuição das suas bananas, fruta produzida
em consideração o valor de mercado do activo da plantação, a localmente e vegetais, fazendo uso de câmaras frias em pontos
alavancagem é mais baixa. Embora as demonstrações financeiras de venda localizados no Chokwe, Xai-Xai e Maxixe, e a importação
da empresa aparentem gerar perdas, a trajectória geral é positiva. de fruta e vegetais da África do Sul, fazendo uso do atrelado do
Caso as receita continuem a aumentar, as perspectivas futuras são veículo usado para exportar as bananas. Este projecto ajudará a
positivas. expandir o acesso a mercados para vegetais e fruta produzidos
localmente, contribuindo para o aumento do rendimento dos
Posição Competitiva agricultores locais.

A banana é a fruta mais popular mundialmente e um dos alimentos Impacto Social


básicos mais importantes do mundo35. Existe uma forte procura
por banana de alta qualidade e conforme aos padrões, de países O impacto social da TAFC é significativo. Actualmente emprega
desenvolvidos; a Europa representa o maior crescimento da cerca de 4.000 pessoas da comunidade local, metade das quais
procura e existem desequilíbrios entre a oferta e a procura no Médio são mulheres, e paga acima do salário mínimo nacional (25 por
Oriente, no Mediterrâneo e, em menor grau, na África Austral36. cento acima). Os trabalhadores também beneficiam de formação
Moçambique tem uma localização favorável para beneficiar quer para aquisição de competências e transferência tecnológica
da sua posição geográfica quer das vantagens de custos. Tem a centrada em práticas agrícolas orgânicas, fertilização orgânica,
vantagem de uma tarifa de exportação mais baixa sobre os países higiene na plantação e prevenção de pestes e doenças, bem como
da América Latina (que são os maiores exportadores), bem como de técnicas de cultivo de banana, irrigação, colheita e pós-colheita.
a vantagem de baixos custos de operacionais e de dragagem37. A comunidade local beneficia também do apoio da TAFC na forma
Moçambique oferece ainda produtividade alta e ao longo do ano de melhores cuidados médicos, acesso a educação, acesso a
inteiro. electricidade pela aldeia e melhor acesso a água. A TAFC também
vende 10 por cento das suas bananas domesticamente, sendo
A TAFC é o único produtor comercial certificado de bananas estas compradas por particulares que as vendem posteriormente
orgânicas de Moçambique. As suas bananas são certificadas pela em Moçambique. O seu mais recente projecto de distribuição de
BCS Öko-Garantie, uma agência alemã autorizada a certificar fruta e vegetais domesticamente irá também ajudar agricultores
produtos orgânicos a nível mundial, de acordo com padrões locais a encontrar mercados para a sua produção.
internacionais de agricultura orgânica. A TAFC encontra-se em Oportunidade de Investimento

22
A TAFC tem planos para acrescentar 150 hectares de terras
vizinhas à sua área de exploração de banana e, ao mesmo tempo,
acrescentar três linhas de embalagem (fazendo seis no total)
para dar conta dos maiores volumes. A TAFC também identificou
a possibilidade de reduzir o desperdício, transformando os 10
por cento da sua produção defeituosa ou de pequenas bananas
em produtos de valor acrescentado, maioritariamente farinha
de banana orgânica, com alta procura na Europa. Isto requer
investimento adicional na secagem, moagem e nas linhas de
embalagem.

No total, o investimento projectado totaliza USD 2 milhões, USD 1,5


milhões para a expansão da plantação, USD 300.000 na expansão
das instalações de embalagem e USD 200.000 na produção de
uma linha de valor acrescentado. Investimento no TAFC pode
ser feito quer mediante um aumento do capital social ou por
investimento secundário (participação minoritária/maioritária ou
refinanciamento dos actuais empréstimos).

23
Oportunidades de
Investimento em
Pequenas Empresas

Agro Serviços Lda Oportunidade de Investimento

A Agro Serviços é uma pequena empresa familiar que A Agro Serviços precisa de um investimento para dois locais de
iniciou as suas operações comerciais em 2010, na Província de operação nas províncias de Inhambane e Maputo.
Maputo. Compra fruta produzida ou fruta silvestre colhida por Pretendem USD 1,7 milhões para construir uma instalação de
pequenos proprietários de terra, transformando-as para fazer produção na Província de Maputo que irá produzir produtos da
licores de fruta, compotas, picantes e pickles (achares) com a sua Agro Serviços (licores, compotas de frutos silvestres e molho de
marca, Gutsamba39. Tem uma forte visão social, acreditando numa piripiri), 70 por cento dos quais se destinarão a exportação após
abordagem de acordo com a qual uma cadeia de valor inclusiva, a expansão delineada abaixo. Irá ainda ser operacionalizada uma
em que a empresa compra a pequenos agricultores ou PME ao outra instalação em Inhambane, com uma divisão adicional de
longo de toda a cadeia de valor, é a melhor maneira de distribuir processamento, onde uma associação local de agricultores irá
os ganhos económicos. processar produtos para o mercado local sob boas condições
higiénicas conjuntamente com produtos da Agro Serviços (pickles
Posição Competitiva de manga e de lima e marmelada de laranja).

A Agro Serviços é bem gerida, divulga todas as demonstrações A fábrica de Inhambane já se encontra equipada pela Agro Serviços.
financeiras e tem um plano de negócios a cinco anos com Contudo, a empresa continua à procura de capital para financiar as
projecções financeiras. A sua estratégia de negócios é produzir suas operações. Necessita de contrair dívida no montante de USD
produtos 100 por cento naturais destinados a clientes de médio 150.000 para financiar o seu capital operacional.
e alto rendimentos, uma classe emergente que procura produtos
saudáveis. Tem um plano de expansão a cinco anos após a injecção do
investimento, pelo qual as vendas serão inicialmente feitas a
A Agro Serviços enfatiza a sua marca e tem um forte conhecimento grandes supermercados em Maputo, e depois se estenderão a
de promoção de marcas e de marketing, tendo uma estratégia outras províncias no segundo ano, centrando-se nas áreas dos
segmentada por diferentes tipos de clientes. Em razão das megaprojectos como base de consumo provável (nomeadamente,
limitações do conhecimento local sobre licores, atrai clientes os projectos de gás em Pemba e Cabo Delgado) antes de começar
através de um promotor que distribui amostras. Enviou também a exportar para a África do Sul e para outros países da SADC e
amostras a 15 países de continentes diferentes e recebeu um bom ainda, possivelmente, para Portugal. Tenciona obter a certificação
feedback. ISO 9001, de modo a aumentar as vendas no mercado doméstico,
e as demais certificações para as suas exportações. A Agro Serviços
No presente, apenas vende na Província e na Cidade de Maputo, prevê que, seguindo esta estratégia, no quinto ano produzirá
mas já se encontra a vender em duas cadeias de supermercado e 370.000 garrafas de licor (tamanho 375 ml), gerando USD 2,2
noutros locais, como lojas especializadas e bottle stores. Devido milhões em receitas anuais, as quais serão suplementadas por
à base de custo baixa da fruta local e aos produtos de alto valor 1,1 milhões adicionais em receitas provenientes das compotas e
à venda por preços comparáveis a outros licores, a Agro Serviços picantes.
consegue manter elevadas margens com os seus produtos.
Procura um investidor de private equity que possa, adicionalmente,
Impacto Social aportar assistência técnica na área do marketing.

A Agro Serviços tem uma visão empresarial e uma estratégia de


negócios alinhada com os seus objectivos sociais, que se traduzem
no trabalho com produtores domésticos ao longo da cadeia de
valor. Dada a sua pequena dimensão, trabalha com 20 pequenos
agricultores40 mas prevê, após a implementação do projecto de
investimento abaixo delineado, que a operação da fábrica de
Inhambane acrescente, a breve trecho, 60 pequenos agricultores
aos seus fornecedores e que a fábrica em Maputo acrescentará
150, perfazendo cerca de 230 globalmente. As vagas de emprego
nas duas fábricas poderão chegar a 120.

24
25
DADTCO
Mandioca Moçambique Lda

A DADTCO Mandioca Moçambique (DMM) é uma das zonas de produção de mandioca, próxima dos produtores.
empresa com fins lucrativos que tem a seguinte visão empresarial: O produto resultante da UAPM é o bagaço de mandioca, o
redução da pobreza por meio de trabalho, primacialmente, com qual tem uma validade longa e conteúdo de água reduzido. A
pequenos agricultores. Centra-se no sector da mandioca e tem DADTCO Mandioca Moçambique (DMM) tem um memorando de
operações no Gana, em Moçambique e na Nigéria. Criada em entendimento em vigor com a Cervejas de Moçambique (CDM)
2012, em Moçambique, opera a partir das províncias de Nampula (pertencente à SAB Miller, que detém todas as fábricas de cerveja
e Inhambane. de Moçambique) para processar o bagaço de mandioca para uso
pela CDM na sua cerveja Impala, à base de mandioca. A DMM gere o
Posição Competitiva processamento do amido de mandioca e a cadeia de fornecimento
com pequenos agricultores.
A mandioca é um alimento rico em amido importante na África
Austral e é o produto agrícola mais consumido de Moçambique41. Em 2015, a DADTCO fez importantes avanços tecnológicos. Primeiro,
A sua ampla adaptabilidade agroecológica e a sua capacidade de desenvolveu a Unidade de Refinação Móvel (URM) e Unidade de
produzir colheitas razoáveis onde outros produtos agrícolas não Secagem Móvel (USM), as quais podem ser acrescentadas à UAPM
logram produzir, torna-a num alimento essencial à segurança para produzir farinha de mandioca. A farinha de mandioca é mais
alimentar familiar e numa importante fonte de energia alimentícia42. fácil de usar e, por conseguinte, goza de maior aceitação pela
África é a maior produtora de mandioca mas não desenvolveu indústria alimentar e pelo sector de panificação do que o amido de
ainda uma indústria de processamento de mandioca, em razão mandioca. «Trazer a fábrica aos agricultores» significa tremendas
da necessidade de processar a raiz da mandioca nas 24 horas poupanças e maior segurança no fornecimento. A farinha de
seguintes à sua colheita, sob pena de se estragar. Moçambique mandioca representa menos de um quarto do volume das raízes e
produz uma média de entre cinco e seis milhões de toneladas por pode ser armazenado por mais de um ano.
ano, sendo o oitavo produtor mundial e o quinto africano mas com Outro avanço foi o desenvolvimento de um processo de tratamento
uma perda pós-colheita de 43 por cento, em razão da sua natureza enzimático que garanta a remoção completa de qualquer cianeto
altamente perecível, colheita e métodos de armazenamento residual do produto, conforme exigido pela indústria alimentar.
ineficientes, má infraestrutura e acesso limitado a mercados.43 Com base nestes novos desenvolvimentos, a DADTCO tem
capacidade de produzir mandioca de qualidade alimentar nas
Os pequenos agricultores produzem 99 por cento da mandioca de zonas de produção, o que consubstancia uma perspectiva muito
Moçambique, quase exclusivamente para fins de subsistência e de atractiva para Moçambique – e para toda a África, na realidade.
processamento básico, para uso em comidas tradicionais. Menos Uma única instalação de processamento móvel, em rotação entre
de 1 por cento da mandioca produzida em Moçambique é usada três áreas para obter raízes junto de cerca de 4.500 famílias de
para fins comerciais. Por outro lado, o país depende da importação pequenos agricultores, pode produzir até 20 toneladas de farinha
de grandes quantidades de trigo, amido e etanol, muitos dos quais de mandioca por dia, isto é, cerca de 6.000 toneladas de farinha de
poderiam ser substituídos por derivados da mandioca. mandioca por ano.

O principal obstáculo à passagem do cultivo de subsistência Oportunidade de Investimento


ao cultivo orientado para a comercialização prende-se com a
obtenção da raiz de mandioca. A raiz é altamente perecível e tem Um mercado potencialmente grande para a farinha de mandioca
de ser processada dentro de um máximo de 48 horas. Os elevados é o sector da panificação de Moçambique. Moçambique importa
custos de transporte (as raízes são 70 por cento água) e acessos cerca de 700.000 toneladas de trigo anualmente, a totalidade das
rodoviários precários nas áreas rurais tornam a obtenção de quais são transformadas em farinha de trigo para o sector da
mandioca junto de pequenos agricultores um desafio logístico e panificação. Atendendo ao rácio de moagem de 75 por cento, o
económico. Por conseguinte, a maior partes das instalações de sector de panificação de Moçambique precisa de 525.000 toneladas
processamento de mandioca em África opera a 10 por cento da anuais de farinha. As panificadoras poderão reduzir o custo do pão
sua capacidade. Deveras, ligar agricultores a mercados é o principal mediante a substituição de parte da farinha de trigo por farinha
desafio para desbloquear o potencial da mandioca. de mandioca de qualidade alimentar. 20 por cento da farinha de
trigo poderá facilmente ser substituída por farinha de mandioca,
Impacto Social o que sugere um mercado potencial de farinha de mandioca de
105.000 toneladas. A farinha de mandioca da DADTCO produz pão
Em resposta às dificuldades de obtenção de mandioca, a DADTCO de muito mais qualidade quando incluída em composto de farinha
desenvolveu uma Unidade Autónoma de Processamento Móvel do que a HQCF e, por conseguinte, gozará de maior aceitação pelo
(UAPM) como solução inovadora para processar raízes junto sector de panificação.

26
A DMM acrescentará a URM e o Secador Móvel a uma UAPM
já existente para criar uma instalação móvel. O conceito da
instalação móvel de amido é idêntica ao da UAPM e fará rotações
entre 3 locais para obter raízes de entre 4.500 e 6.000 pequenos
agricultores. Contudo, ao invés de produzir fécula, produzirá
farinha de mandioca. A instalação poderá processar até 80
toneladas diárias de raízes e terá uma produção anual de cerca
de 7.200 toneladas de farinha de mandioca. A DADTCO identificou
já excelentes áreas de produção em Inhambane e Nampula, onde
tem operado desde 2011 para produzir fécula de mandioca para a
CDM. A nova estratégia de negócio da DADTCO centra-se em dois
mercados: (1) no mercado da cerveja já existente, com a CDM, em
substituição da cevada maltada e (2) no mercado da panificação,
para reduzir a importação de trigo.

A principal fonte internacional de trigo para o sector da panificação


são os EUA. Em Moçambique, o actual preço de venda por grosso
pago pelas panificadoras pela farinha de trigo, equivale a USD 600
por tonelada. A sua estratégia de negócios assume um preço de
USD 520 por tonelada de farinha de mandioca de qualidade, que é
15 por cento mais baixo e que permitirá o crescimento da indústria
da farinha de mandioca de qualidade alimentar. O business case
analisou um cenário em que a empresa vende 50 por cento da
sua produção a fábricas de cerveja e os outros 50 por cento a
panificadoras. Neste cenário, a análise financeira mostra uma
taxa interna de retorno (10 anos) de 15 por cento. Prevê-se que
a necessidade de financiamento da nova farinha de mandioca da
DADTCO seja de EUR 2,4 milhões, a realizar-se por meio de equity,
endividamento e subsídios.

27
Frutimel Lda

A Frutimel é um negócio familiar de consultoria no sector Já começou a trabalhar com a Food and Agriculture Organization
da apicultura (já prestou serviços de consultoria à Agência do of the United Nations (FAO) em diferentes variedades de plantas
Zambeze, à IFC e à Portucel44 ), pequenas empresas de apicultura e procura um investimento de USD 50.000 para comercializar a
e tem um viveiro de plantas. O proprietário e director é um técnico produção. Procura um parceiro de investimento que possa ainda
de fruta e mel. Começou a operar em 2003 e está localizada aportar assistência técnica nas áreas de estratégia empresarial e
principalmente na Província de Maputo, com alguma produção de operações.
mel em Inhambane.
Inhambane tem áreas adequadas à produção de uvas e tâmaras,
Desempenho Financeiro as quais necessitam de níveis elevados de exposição solar e de
água ao nível da raiz. Sendo que estas terras não são adequadas
A Frutimel demonstrou um desempenho financeiro estável entre à horticultura, não existe conhecimento sobre o que pode ser
2012 e 2014, registando crescentes e positivas margens de lucro cultivado, permanecendo a maior parte da terra vazia. Assim,
brutas e de EBITDA. Em 2014, a empresa teve uma margem de existe muita terra disponível para expansão.
lucro bruta de 76 por cento i.e. por cada dólar ganho em receita,
76 cêntimos foram retidos após pagamento de custos variáveis. A
margem de EBITDA foi de 15 por cento i.e. 15 cêntimos de receitas
foram retidos após pagamento dos custos fixos e variáveis, como
demonstrado pela figura abaixo. De notar é que as receitas da
empresa têm vindo a diminuir desde 2012, em cerca de 20 por
cento por ano.

Embora o lucro se mantenha saudável, a sociedade tem um elevado


nível de alavancagem, em 114 por cento do total de activos e quer
a liquidez quer o asset turnover mantêm-se baixos na empresa,
indicando haver necessidade de optimização e uma necessidade
ainda maior de capital operacional.

Impacto Social

A Frutimel tem como objectivos de cariz social e ambiental garantir


boas condições sociais para os trabalhadores e sustentabilidade,
com a redução do impacto no ambiente, pela limitação do uso de
pesticidas e químicos e pela formação de pequenos agricultores na
produção sustentável do mel.

É uma pequena empresa, sendo a maior parte dos seus


trabalhadores da área local e de famílias de baixo rendimento.
Trabalha com cerca de 150 pequenos agricultores de Inhambane
para produzir mel de alta qualidade, e também trabalhou com a
Portucel e com a IFC para estabelecer enfermarias em comunidades
próximas das explorações agrícolas da Portucel.

Oportunidade de Investimento

A Frutimel quer expandir para uma produção de fruta em larga


escala e identificou um projecto de investimento para produção de
tâmaras e uvas, na Província de Inhambane. Uvas e tâmaras não
são produzidas domesticamente, são importadas. As tâmaras têm
procura elevada em razão da numerosa população muçulmana de
Moçambique.

28
Mozambican
Honey Company Lda

A Mozambican Honey Company (MHC) é uma empresa São uma empresa com boas práticas de governação, com visão e
socialmente inclusiva criada em 2011 e que opera a partir do estratégia empresariais formalizadas, políticas de governação e um
Chimoio, na Província de Manica. É gerida pela Eco-MICAIA Ltd, a plano de negócios formalizado. Tem demonstrações financeiras
empresa de cariz social irmã da Fundação MICAIA45. O seu objecto organizadas e revistas pela gerência e tem projecções financeiras
é ir de encontro à crescente procura, em mercados formais, por baseadas em vários cenários de crescimento.
mel de boa qualidade, e ligar apicultores locais a estes mercados
formais. A MHC é uma empresa de processamento de mel e cera Impacto Social
que vende quer por grosso quer a retalho. Recebeu investimentos
de USD 305.000 da AgDevCo46. Apesar de se tratar de uma pequena empresa, a MHC tem tido
um forte impacto social. É um negócio inclusivo, com o objectivo
Posição Competitiva de criar oportunidades para os apicultores perceberem a cadeia
de valor da sua indústria e participar como proprietários. Os
Moçambique tem um grande potencial para produzir mel orgânico apicultores têm uma participação de 8% da MHC, a qual pode
em razão das vastas áreas de floresta e bosque em que raramente aumentar como contrapartida pela adopção de boas práticas
são usados pesticidas. O mercado formal é dominado por produtos ambientais.
importados, enquanto a maioria da produção local apenas chega A MHC e os seus parceiros na MICAIA forneceram já colmeias a
ao mercado informal. A MHC tem como objectivo crescer e 1.200 apicultores, assistência técnica e gestão de colmeias bem
formalizar o sector doméstico do mel através do processamento, como aconselhamento sobre colheitas a 1.152 apicultores e, em
embalamento e marketing do mel, trabalhando com pequenos 2015, comprou mel a 392 apicultores a preços consistentemente
produtores. no limiar superior do mercado local47. Os objectivos ambientais
A MCH é uma pequena empresa e tem tido um crescimento são a melhoria das colmeias e a sustentabilidade, evitando a
estável. A MHC tem como parceiro a Fundação MICAIA, oferecendo degradação.
assistência técnica a pequenos produtores de mel, comprando- A MHC tem fortes ligações à economia doméstica. Trabalha com
lhes o mel natural para processar e vender a retalhistas. Assinou cerca de 450 pequenos fornecedores, que recebem 75 por cento
recentemente um contrato com a Tropigalia, um dos maiores de todos os pagamentos a fornecedores, todas as vendas são feitas
distribuidores de Moçambique, para lhes fornecer mel. Com no mercado doméstico e cerca de 35 por cento é vendido a PME.
este contrato, espera aumentar as receitas para 2,8 milhões de
meticais, este ano. Oportunidade de Investimento

É presentemente a única empresa de mel a operar a nível nacional. A MHC está à procura de capital de risco para aceder a capital
Fornece entre 70 e 80 lojas e está presente em todas as capitais operacional (entre USD 25.000 e USD 30.000) e capital de
de província. Tem poucos concorrentes, visto existirem apenas investimento (USD 30.000) para investir em novo equipamento.
quatro ou cinco outros produtores de mel em Moçambique, que
operam maioritariamente a uma pequena escala. A concorrência
resulta principalmente de importações mais baratas, sendo esta,
contudo, uma concorrência a nível de preços e não de qualidade.
A sua estratégia empresarial é expandir a produção, comprando
mais mel de melhor qualidade mas mantendo as suas margens
baixas. A compra de mel de melhor qualidade carecerá de
assistência técnica aos apicultores e implicará trabalhar com
os seus parceiros para ministrar mais formação. Espera poder
expandir a sua base de clientela de modo a incluir outros retalhistas
de larga escala e distribuidores.

A MHC tem três projectos de marca própria que têm como alvo
diferentes segmentos de mercado. Um mel de cor mais clara,
embalado em frascos de vidro de alta qualidade e com rótulos
modernos, que tem como mercado-alvo pessoas de rendimento
médio e alto. Um mel mais escuro e de sabor mais forte, embalado
em garrafas de plástico comprimíveis, para o mercado de massas. A
MHC introduzirá ainda mel em saquetas de plástico de 25 gramas.

29
Anexo

Enquadramento Pré-Due Diligence pelo rácio de liquidez reduzida (acid test), o qual traduz o número de vezes
O diagrama abaixo contém as variáveis que foram examinadas no contexto que o activo corrente (menos inventário) cobriria o passivo corrente se aquele
dos principais parâmetros do enquadramento.48 fosse liquidado na data presente. Um rácio igual ou superior a um é desejáv-
el, em geral.
Análise Financeira
4. Alavancagem – o endividamento geral das empresas e o apetite
Na escolha de oportunidades de investimento viáveis, a Deloitte levou a cabo por dívida adicional. É determinada pelo rácio de dívida, i.e. a percentagem de
uma análise das demonstrações financeiras das empresas. O enquadramento activos a que corresponde a dívida. Um rácio inferior a um é desejável para
implicou a análise das empresas em quatro áreas distintas de desempenho: garantir que o negócio se não encontra sobreendividado.
A Deloitte usou os parâmetros acima para determinar a robustez financei-
1. Rentabilidade – as margens de lucro das empresas. A Deloitte ra dos negócios analisados. Contudo, uma relevância maior foi atribuída à
determinou duas medidas de rentabilidade: rentabilidade e ao asset turnover para determinar que empresas ofereciam
as oportunidades de investimento mais atractivas. O parâmetro crucial na
a. Margem de Lucro Bruta – a percentagem de receitas retidas após determinação da robustez financeira de uma empresa é a sua rentabilidade.
a empresa Custo de Produtos Vendidos (CPV), também conhecido por custos Se a empresa tem capacidade para cobrir os seus custos variáveis, i.e. uma
varáveis. Uma empresa com 100 por cento de margem de lucro bruta retém margem de lucro bruta positiva e ainda capacidade para cobrir os seus custos
todas as receitas e não tem quaisquer factores de produção variáveis no fixos, i.e. uma margem de EBITDA positiva, então a empresa provavelmente
seu processo de produção. Quanto mais elevada a margem, mais rentável a consegue assegurar a sua continuidade no futuro e traduz uma boa oportuni-
empresa é. dade de investimento. Adicionalmente, o asset turnover revela a capacidade
b. Margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amor- da empresa de gerar receitas dos activos. Um asset turnover mais elevado é
tização (EBITDA) – a percentagem de receitas após pagamento pela empresa indicativo de que a empresa faz um uso eficiente dos seus activos e que um
dos custos fixos/variáveis (i.e. rendas e salários). Quanto mais elevada a investimento adicional em activos poderá gerar receitas mais elevadas.
margem, mais rentável a empresa é. Para além da análise dos rácios, a equipa analisou o crescimento nas receitas
e custos de cada empresa individualmente, de modo a determinar tendências
2. Eficiência – a capacidade das empresas de extraírem valor dos ferais e a estabilidade financeira. Esta análise, conjuntamente com a análise
seus activos. É determinada com recurso ao rácio de asset turnover. Este aos rácios, ajudou na determinação dos candidatos de investimento. A análise
rácio mostra a medida de receita gerada por cada dólar investido em activos, realizou-se ao longo de diversos períodos de tempo.
e.g. uma empresa com um rácio de 1,5 gera 1,5 dólares de receita por cada
dólar investido. Um rácio superior é indicativo de uma empresa eficiente. Este Posição Competitiva
rácio é calculado mediante a divisão da receita da empresa pela totalidade
dos seus activos. A Deloitte analisou diversos aspectos do negócio da empresa para determinar
a sua posição competitiva:
3. Liquidez – a capacidade de cada empresa de fazer face ao seu pas-
sivo corrente (obrigações) com recurso ao seu activo corrente. É determinado 1. Estratégia. Verificou se a empresa tem uma estratégia de negócios,

30
consegue articulá-la e se esta se encontra formalizado num documento. Ana- detinham participações na empresa, a posição hierárquica de cada um desses
lisou ainda se a empresa tem estratégias funcionais (e.g. marketing, recursos trabalhadores, incluindo o número de gerentes moçambicanos. Foi ainda
humanos, cadeia de fornecimento) e se estas se encontram formalizadas num considerado quantos e que percentagem de trabalhadores da empresa eram
documento. da área onde a empresa opera e quantos trabalhadores a empresa emprega
de famílias de baixo rendimento.
2. Vantagens Competitivas.
Fazendo uso da teoria das cinco forças de Porter, a Deloitte analisou a posição 3. Emprego o número de trabalhadores permanentes e temporários
competitiva da empresa. da empresa.
a. Concorrência se a empresa conhecia os seus principais concor-
rentes e se conseguia identificá-los. 4. Formação se os trabalhadores receberam formação, o tipo de
b. Ameaça de novos participantes o grau de dificuldade de entrar no formação e o número de horas de formação que os trabalhadores receberam
mercado da empresa mediante a análise das barreiras de entrada do merca- em média.
do. Analisou ainda as vantagens de custo da empresa relativamente aos seus
concorrentes. 5. Ligações à economia doméstica que factores de produção foram
c. Ameaça de substitutos o substituto mais próximo do(s) produto(s) obtidos domesticamente e a percentagem de pagamentos a fornecedores
que a empresa produz. domésticos. Examinou ainda o número de PME e de pequenos produtores
d. Poder de compra a concentração de clientes pela análise do núme- que forneciam a empresa e que percentagem de pagamentos a fornecedores
ro de clientes da empresa, a percentagem total de vendas aos maiores clientes recebiam. A Deloitte analisou também a percentagem de vendas da empresa
e se os clientes eram internacionais. feitas domesticamente, bem como o número e percentagem de compradores
e. Poder do fornecedor a concentração dos fornecedores da empresa, que eram particulares ou PME.
determinando quantos fornecedores por factor de produção essencial a em-
presa tinha.

3. Constrangimentos do negócio se existiam constrangimentos e, a


existir, que tipos de constrangimentos eram e como podiam afectar o desem-
penho da empresa.

4. Planos de crescimento e expansão as perspectivas de crescimento


da empresa e se a empresa tinha planos de expansão.

5. Certificações se a empresa tinha certificações da qualidade do pro-


duto e das operações (e.g. certificados ISO), e se tinham planos para as obter
no futuro próximo.

6. Mercado a posição geográfica dos clientes da empresa, se se


encontravam apenas dentro de Moçambique ou se incluíam mercados de
exportação e, se sim, a percentagem a que correspondiam as exportações.

7. Gestão a maturidade da capacidade de gestão da empresa. Isto


incluiu compreender se eram usados relatórios de gestão na tomada de de-
cisões e se as empresas tinham formalizado as posições mais importantes (e.g.
CEO, Director de Operações, CFO) em pessoas diferentes. Também analisou se
a empresa tinha visão e estratégia empresariais e se se encontrava formaliza-
da num documento, se a empresa tinha políticas de governação que repartiam
direitos e responsabilidades pelas pessoas essenciais da empresa bem como
regras e processos decisórios em matérias empresariais. Por fim, se a empresa
tinha uma estratégia de recursos humanos.

Impacto Social

Para analisar o impacto social da empresa, a Deloitte analisou os seguintes


aspectos:

1. Objectivos sociais e ambientais se a empresa tinha objectivos so-


ciais e ambientais e, se sim, quais eram e se se encontravam formalizados na
estratégia empresarial. Verificou se a empresa tinha um plano de responsabili-
dade social.
2. Participação nacional. Diversas vertentes: se os trabalhadores

31
Notas Finais
1
O ranking relativo a 2015 de operações de investimento de impacto foi 24
A informação provém do Ministério da Agricultura e da Segurança
o seguinte: África do Sul, Zâmbia, Moçambique, Zimbabué, Madagáscar, Alimentar, 2016, Mozambique: Investment Opportunities in Agribusiness.
Maláui, Namíbia, Angola, Maurícias, Botsuana, Lesoto e Suazilândia. 26
18 por cento dos pequenos proprietários de terra são mulheres.
2
Os bancos controlam aproximadamente 95 por cento do total de activos 27
Sítio da AgDevCo: http://www.agdevco.com/our-investments/by-
do sector financeiro (87 por cento dos quais concentrados no cinco maiores
investment/AC-
bancos do país). (GIIN and Open Capital, 2016)
MATAMA
3
Informação do Banco de Moçambique.
28
Informação obtida no sítio da AgDevCo (http://www.agdevco.com/our-
4
AVCA, 2014, AVCA: Guide to Private Equity in Africa.
investments/by-investment/AC-MATAMA) demonstra que 2.100 toneladas
5
Capital paciente traduz investimentos reaizados com ganhos esperados a foram para mercados locais, em 2015.
longo prazo. 29
Em Moçambique, o direito de uso da terra designa-se Direito do Uso e
6
A África do Sul atrai mais de metade da actividade de private equity. Aproveitamento de Terra (DUAT).
7
Deloitte, 2016, Africa Private Equity Confidence Survey. 30
Serviços de extensão agrícola são a aplicação de pesquisa e conhecimento
científicos a práticas agrícolas pela formação de agricultores.
8
AVCA informação da Ernst and Young, 2015, Private Equity Roundup Africa
(refere-se à África Austral). 31
SPEED Report, 2014, Brief Review of Mozambique Seed Market.
9
AVCA, 2014, AVCA: Guide to Private Equity in Africa. Hanlon & Smart, 2013, Small Farmers of Big Investors? The Choice for
32

Mozambique.
10
Thomas, 2012, Technical Report: Study on Private Equity in Agribusiness in
Southern 33
Informação retirada do sítio da AgDevCo, http://www.agdevco.com/our-
investments/by-investment/PHOENIX-SEEDS.
Africa.
34
A Cooperative League of the USA (CLUSA) é o braço internacional da
11
Credit Suisse, 2015, Private Equity and Emerging Markets Agribusiness:
National Cooperative Business Association (NCBA), que oferece assistência
Building Value through Sustainability.
para o desenvolvimento de cooperativas, internacionalmente.
12
Thomas, 2012, Technical Report: Study on Private Equity in Agribusiness in 35
Iniciativa sobre o Estado da Sustentabilidade, 2014, The State of
Southern
Sustainability Initiatives Review 2014: Standards and the Green Economy.
Africa. 36
Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar, Moçambique: Investment
13
Exemplos são a Eaglestone Asset Management, a MDCC Holdings, a Opportunities in Agribusiness.
Strongeagle e a Maris Capital. 37
Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar, Moçambique: Investment
14
Os investimentos IFD compreendem todos os investimentos no sector Opportunities in Agribusiness.
privado por doadores (ajuda multilateral, empréstimos directos a governos, 38
Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar, Moçambique: Investment
programas de desenvolvimento puros e empréstimos a particulares estão
Opportunities in Agribusiness.
excluídos) GIIN and Open Capital, 2016, The Landscape for Impact Investing
in Southern Africa. 39
Licores e picantes são os seus produtos mais vendidos.
15
GIIN and Open Capital, 2016, The Landscape for Impact Investing in 40
Incluindo 4 fornecedores de embondeiro e tamarindo de Tete.
Southern Africa. 41
Deloitte, 2015, Reducing Post-Harvest Loss Through a Market-Led
16
GIIN and Open Capital, 2016, The Landscape for Impact Investing in Approach; DADTCO sítio: http://www.dadtco.nl/.
Southern Africa. 42
FAO, Cassava: International Market Profile.
17
As entrevistas conduzidas no âmbito deste estudo demonstram existir 43
Deloitte, 2015, Reducing Post-Harvest Loss through a Market-Led
bastante apetite por investimentos de private equity, com muitas empresas
Approach.
no sector do agronegócio interessadas em ter um parceiro de investimento.
44
A Portucel é uma empresa portuguesa de pasta e papel que detém
18
Informação do Instituto Nacional de Estatística.
uma grande concessão de eucaliptos (356,000 hectares) nas províncias da
19
Mais detalhes acerca das varáveis tidas em consideração dentro de cada Zambézia e da Manica.
componente do conjunto de parâmetros bem como sobre a metodologia da 45
A Fundação Micaia tem fins não-lucrativos e opera em Moçambique.
análise financeira encontram-se no Anexo.
46
A MHC não quis partilhar as suas demonstrações financeiras.
20
No total, procedemos à uma análise financeira de 11 empresas.
47
Dados do AgDevCohttp://www.agdevco.com/our-investments/by-
21
As empresas são apresentadas por ordem alfabética.
investment/MOZAMBIQUE-HONEY-COMPANY-MHC.
22
Têm também um negócio de aquicultura dentro dos seus negócios de 48
A selecção das empresas não é necessariamente exaustiva do conjunto
agricultura.
total de PME com potencial no sector de agronegócio. Por conseguinte, da
23
Com base nas projecções da gerência da empresa. presente selecção não se retira que as PME não incluídas não têm potencial
de crescimento.

32
Autores
Santiago Goicoechea
Senior Manager, Monitor Deloitte
Maputo

O Santiago liderou vários projectos de


estratégia empresarial e de investimento
em diversos países africanos, que incluem
Moçambique, África do Sul, Tanzânia, Quénia,
Zâmbia, Zimbabué, Angola e Somália.

sgoicoechea@deloitte.co.mz

Shezaad Sunderji
Senior Consultant, Monitor Deloitte
Nairobi

A Shezaad trabalhou em projectos de


estratégia empresarial e de investimento
em diversos países africanos, que incluem
a África do Sul, o Quénia, Moçambique,
Zâmbia, Namíbia e Ruanda.

ssunderji@deloitte.co.mz

Lindsey Allwright
Consultant, Monitor Deloitte
Maputo

A Lindsey participou em projectos de


modelação económica em vários sectores
económicos de Moçambique.

lallwright@deloitte.co.mz

33
Contactos

Líder em Estratégia e Metodologia Global de Consultoria


A competência em estratégia da Monitor é conhecida
mundialmente e nós somos reconhecidos como líderes
intelectuais. The Monitor Group não só prestou serviços a
74 das 100 maiores empresas do mundo e ainda – de acordo
com a Harvard Business Review – sete dos 16 livros sobre
negócios mais influentes dos últimos 25 anos foram escritos
por autores da Monitor. Michael Porter, um dos membros
fundadores da Monitor, que escreveu a obra «Competitive
Strategy», mudou o modo como as organizações pensam.

Deloitte & Touche (Moçambique) Lda


Predio Jat IV, 5 Andar, Maputo, Mozambique
Phone: +258 21 320 955

Funded By:

A Financial Sector Deepening Moçambique é uma entidade


para o desenvolvimento do sector financeiro centrada na
expansão dos níveis de inclusão. Nós focamos os nossos
investimentos e ideias na resolução constrangimentos do
mercado financeiro, ajudando a diversificar a economia
moçambicana e a promover prosperidade e resiliência
económica aos moçambicanos. No âmago da nossa estratégia
estão as mulheres, a juventude e a população rural de baixo
rendimento, bem como pequenos negócios carecidos de
serviços financeiros apropriados e acessíveis. Nós prestamos
apoio aos nossos principais parceiros de modo a inovar
e expandir os serviços financeiros, fazendo uso da nossa
competência técnica e de financiamento direccionado para
aumentar a capacidade destes e a das pessoas que estes
servem.

Avenida Armando Tivane, no. 849, Maputo, Moçambique


Phone: +258 21 485 95

34
““Deloitte” é a marca sob a qual dezenas de milhares de profissionais, trabalhando em firmas indepen-
dentes espalhadas por todo o mundo, colaboram na prestação de serviços de auditoria, consultoria, con-
sultoria financeira, gestão de risco e serviços fiscais a clientes seleccionados. Estas entidades são firmas
membro da Deloitte Touche Tohmatsu Limited (“DTTL”), uma sociedade privada de responsabilidade
limitada do Reino Unido. Cada firma membro presta serviços numa determinada área geográfica e está
sujeita às leis e regulamentos profissionais do país ou dos países onde opera. A DTTL não presta ela
própria serviços a clientes.
A DTTL e as firmas membro da DTTL são entidades separadas e legalmente distintas, não podendo uma
obrigar as outras. A DTTL e cada firma membro é responsável pelos actos e omissões próprios não sendo
responsável umas pelas outras. Cada firma membro é estruturada de modo diferenciado consoante as
respectivas leis nacionais, regulamentos profissionais, costumes e outros factores, podendo exercer a sua
actividade nas respectivas áreas geográficas através de subsidiárias, participadas e/ou outras entidades.

© 2016 Deloitte & Touche. Todos os direitos reservados. Membro da Deloitte Touche Tohmatsu Limited.