Você está na página 1de 45

PEDIDO DE ANÁLISE DOCUMENTAL

Prezados Senhores da Comissão de análise da Comunidade Israelita de Lisboa, eu


NOME, inscrito no Passaporte da República Federativa do Brasil n° XXX, nascido aos
XX/XX/XXXX na cidade de Sorocaba, São Paulo, Brasil e residente em CIDADE, São
Paulo, Brasil. Venho por meio deste documento pedir-te cordialmente a análise dos
documentos listados abaixo, para aquisição de direito de me tornar cidadão Português
através do Decreto-Lei n° 30-A/2015, de 27/2, por descendência direta e/ou colateral
dos Judeus Sefarditas.

E-mail para contato: xxxxxxx.

Pedido:

Eis que venho pedir análise da minha ascendência direta e/ou colateral, para que seja
atribuído à minha pessoa, NOME, o certificado de Descendência Sefardita da CIL
(Comunidade Israelita de Lisboa) através do meu ancestral PEDRO VAZ DE BARROS
irmão de LUCRÉCIA PEDROSA, mencionada como cristã-nova numa Relação do
Santo Ofício, ambos filhos de JERÔNIMO PEDROSO, cristão-novo. Ele nasceu à
cerca do ano de 1545, na PROVÍNCIA DO ALGARVE, PORTUGAL. Casou-se com
JOANA VAZ DE BARROS, todos naturais de Portugal.

Citarei abaixo o estudo genealógico desde JERÔNIMO PEDROSO, CRISTÃO NOVO


até os dias atuais ligando a minha pessoa, o requerente NOME.

1
GENEALOGIA:

(UNIDECAVÓS) - JERÔNIMO PEDROSO nasceu em Algarves, Portugal, casou com


JOANA VAZ DE BARROS, nascida em Algarves, Portugal. Deixaram 5 filhos,
BERNARDA PEDROSO, LUCRECIA PEDROSO, JERÔNIMO PEDROSO, ANTONIO
PEDROSO DE BARROS e meu ancestral PEDRO VAZ DE BARROS.

Existem dois processos no Tribunal do Santo Ofício comprovando o fato do


Jerónimo Pedroso ser um cristão novo. O processo de LUCRÉCIA PEDROSA (fonte
1), Inquisição de Évora, Maço 34 Processo nº 325. Cujo âmbito e conteúdo são:
Estatuto social: cristã-nova; Idade: 22 anos; Crime/Acusação: judaísmo;
Naturalidade: Lisboa; Morada: Tavira; Pai: Jerónimo Pedroso, cristão-novo, Mãe:
Joana Vaz; Estado civil: solteira; Data da prisão: 09/03/1591; Sentença: auto-de-fé de
31/05/1592. Abjuração em forma, cárcere e hábito penitencial perpétuo, instruída nos
mistérios da fé. E o processo da outra filha BERNARDA PEDROSO (fonte 2) Tribunal
do Santo Ofício, Inquisição de Évora, Processo nº 6988.

No livro “Os Cristãos-Novos Povoamento e Conquista do Solo Brasileiro (1530-


1680)” citam o Antônio Pedroso de Barros e Pedro Vaz de Barros como filhos de
Jerônimo Pedroso e Joana Vaz de Barros.

[...]Todavia, é mister não confundir tal "nobilitate" com a


habilidade de gênere, pois alguém podia descender de linhagem
nobre sem estar isento de sangue hebreu, como, exatamente,
essa família. Os ancestrais, Jerônimo Pedroso e sua mulher
Joana Vaz de Barros eram, cada qual meio cristão-novos,
segundo informou o filho Antônio Pedroso de Barros em 1591,
perante a visitação do Santo Ofício, na Bahia. ”
Página 32

[...]Contemporâneos seus foram, também, os irmãos


Barros, algavenses. Ou melhor, Antônio Pedroso de Barros e
Pedro Vaz de Barros, filhos de Jerônimo Pedroso e Joana Vaz
de Barros, meio cristão-novos, conforme o primeiro declarou à
Visitação na Bahia em 1591. Antônio estava nesta data com
vinte e dois anos, era solteiro e se dedicava ao trato com o Peru
[...]. Página 141 (fonte 3)

Marcelo Meira Amaral Bogaciovas cita em “Uma família paulista quatrocentona


de origem cristã-nova: os pedrosos e vazes de barros” os filhos de Joana Vaz de

2
Barros e Jerônimo Pedroso.

“Outra filha do Capelão Reinaldo foi Joana Vaz de


Barros, mulher de Jerônimo Pedroso, já estudados. Ele era
irmão de Manuel Pedroso, que vivia abastadamente em Lisboa,
e que em 1591 era viúvo e estava nas Índias de Castela.33
Irmão também de Isabel Pedroso, mulher do cristão-novo
Rodrigo Lobo, morador em Lisboa, que cuidava de fazer naus e
as vendia a El-Rei, e entrava nos contratos das naus da Índia.
Joana Vaz de Barros e Jerônimo Pedroso foram pais de:
Bernarda Pedroso, Lucrécia Pedroso, Antônio Pedroso de
Barros e Pedro Vaz de Barros, dos quais se tratarão a seguir.”
(fonte 4)

Américo de Moura na “Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São


Paulo”, Volume 47, Capitulo Os povoadores do campo de Piratininga, Páginas 432 e
433 confirma a que Antônio Pedroso de Barros e Pedro Vaz de Barros são filhos de
Jerônimo Pedroso e Joana Vaz de Barros.

“PODEROSO
1. Jeronimo PODEROSO. Casou com Joana VAZ DE
BARROS. Ambos meios cristãos novos. O casal não veio para o
Brasil, como os filhos infra. Informa P. Taques que eram
pessoas de qualificada nobreza, que passaram do Algarve para
Lisboa, onde tinham um sobrinho de apelido BARROS, que foi
capitão de el-rei, sobrinha de apelido MENDONÇA que
fundaram um convento na vila de Almada, e outros de apelido
LOBO que seguiram o real serviço, sendo despachados para a
Índia. Foram seus filhos:
A) Antônio PODEROSO, depois PEDROSO DE
BARROS. Natural de Lisboa. Em, 1591, estante na Bahia, aí se
apresentou no visitador do Santo Ofício, dizendo-se tratante
para o Perum e declarando os nomes e condição dos seus pais.
Veio para São Vicente como ouvidor da capitania e casou com
uma filha do capitão mor Jerônimo LEITÃO. Estava em exercício
da ouvidoria em 1604 ("Actas", 11, 143). De 1606 a 1608 foi
capitão e ouvidor "por mais um triênio" (id., 173). Deixou em São
Vicente descendência que não foi apurada por P. Taques nem
por S. Leme, e de que nada consegui descobrir.
B) Pedro VAZ DE BARROS. Foi morador algum tempo

3
no Rio de Janeiro, onde obteve sesmaria em Cabo Frio
("Sesm.", I, 201). Veio para São Vicente, como capitão-mor,
antes do irmão. Em 1602 esteve em São Paulo, acolhendo com
reserva a missão castelhana que pedia socorro ("Actas", 11,
137/138). Deu sesmarias nos anos de 1603 e 1604. Casou em
São Paulo com Luzia LEME e aqui ficou morando. Em 1611 fez
uma entrada no Tibagi, sendo alcançado por Añasco em
Itaguamiri. Matriculou carijós em 1615. Era então mordomo da
confraria do Rosário. Foi vereador em 1618 e 1619. Em 1623,
no sertão do abuens, foi testemunha do testamento de
Sebastião Preto. Em 1624 teve provisão de capitão da vila. Em
1628 comandou a 2ª companhia da entrada do Guairá.
Potentado em arcos, ainda viveu muitos anos em São Paulo.
Faleceu em 1644. Geração em S. Leme, III, 443.”
(fonte 5)
__________________________________________
Fonte:
01 - Processo de LUCRÉCIA PEDROSA
Link:https://digitarq.arquivos.pt/details?id=2362348

02 - Processo de BERNARDA PEDROSO


Link: https://digitarq.arquivos.pt/details?id=2368918

03 – Livro “Os Cristãos-Novos Povoamento e Conquista do Solo Brasileiro (1530-


1680)” Págs.: 32 e 141. Autor: José Gonçalves Salvador. Editora: Pioneira

04 - Obra; Uma família paulista quatrocentona de origem cristã-nova: os pedrosos e


vazes de barros Pág.: 12. Autor: Marcelo Meira Amaral Bogaciovas.
Link: http://www3.ufrb.edu.br/simposioinquisicao/wp-content/uploads/2012/01/Marcelo-
Bogaciovas.pdf

05 - Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo Vol. 47, Os povoadores


do campo de Piratininga, Páginas 432 e 433. Autor: Américo de Moura.
Link: http://ihgsp.org.br/wp-content/uploads/2018/03/vol-47.pdf

4
(DECAVÓS) - PEDRO VAZ DE BARROS nasceu em Algarves, Portugal, casou com
LUZIA LEME, nascida em São Paulo, São Paulo, Brasil. Deixaram 7 filhos um deles
FERNÃO PAES DE BARROS. Ele faleceu em 8 de março de 1644 ela em 22 de
novembro de 1655 em São Paulo, São Paulo, Brasil.

No livro “Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol


III - Tit. Pedrosos Barros” páginas 442 e 443” confirma o parentesco entre Antônio
Pedroso e Pedro Vaz, além de citar os filhos de Pedro Vaz de Barros.

"[...] Estes dois irmãos Antônio Pedroso e Pedro Vaz


(pelos autos referidos) eram naturais do reino do Algarve, de
onde passaram a ser moradores de Lisboa. Nesta corte tiveram
um primo direito, que foi o licenciado Antônio de Barros,
presbítero secular e capelão que foi de el-rei. Este Padre
Antônio de Barros teve duas irmãs: Helena de Mendonça e
Maria de Mendonça, que foram casadas com pessoas
cavalheiras; elas fundaram na vila de Almada o convento de N.
Senhora da Piedade, onde se recolheram ditas fundadoras, que
também foram irmãs de Jerônimo Lobo e de Antônio Lobo, que,
seguindo o real serviço na milícia, foram ambos despachados
para a Índia. Destes mesmos foi irmão frei José de Jesus Maria,
religioso da Cartuxa, como consta dos referidos autos, de que
se deu instrumento a Fernão Paes de Barros que foram
registrados em 1762 na câmara de S. Paulo."

O capitão-mor governador Pedro Vaz de Barros faleceu


com testamento em 1644 e foi casado com Luzia Leme, falecida
em 1655, f.ª de Fernando Dias Paes e de Lucrécia Leme. V. 2.º.
pág. 552. Teve:

Cap. 1.º Valentim de Barros


Cap. 2.º Antônio Pedroso de Barros
Cap. 3.º Luiz Pedroso de Barros
Cap. 4.º Pedro Vaz de Barros
Cap. 5.º Fernão Paes de Barros
Cap. 6.º Sebastião Paes de Barros
Cap. 7.º Jeronimo Pedroso
Cap. 8.º Lucrécia Pedroso de Barros” (fonte 6)

__________________________________________

5
Fonte:
06 - Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol III - Tit.
Pedrosos Barros, páginas 442 à 443.
Link: http://www.arvore.net.br/Paulistana/PBarros_1.htm

6
(ENEAVÓS) – FERNÃO PAES DE BARROS nasceu em São Paulo, Brasil, casou
com MARIA DE MENDONÇA, nascida no Rio de Janeiro, Brasil, de quem não deixou
filhos. Teve em solteiro de uma crioula do Pernambuco 1 (uma) filha natural que foi
IGNACIA PAES DE BARROS. Ele faleceu em 1709.

No livro “Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol


III - Tit. Pedrosos Barros” página 501” cita a filiação de Fernão Paes de Barros filho de
Pedro Vaz de Barros.

“ [...] Casou-se no Rio de Janeiro com Maria de


Mendonça, de quem não deixou f.º algum, porque com ela não
teve vida marital pela razão de descobrir sobeja prova contra a
pureza do sangue dessa senhora, entretanto teve ela grande
tratamento e estimação como legítima esposa de Fernão Paes
de Barros. Faleceu em 1709 com testamento e teve em solteiro
de uma crioula de Pernambuco uma filha natural que foi:

1-1 Ignacia Paes de Barros § 1.º (fonte 7)


__________________________________________
Fonte:
07 - Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol III - Tit.
Pedrosos Barros, páginas 499 a 502.
Link: http://www.arvore.net.br/Paulistana/PBarros_2.htm

7
(OCTAVÓS) – IGNACIA PAES DE BARROS nasceu na cidade de Sorocaba, São
Paulo, Brasil, que 1º casou-se com BRAZ LEME DE BARROS. Ficando viúva casou-
se com o sargento-mor JOÃO MARTINS CLARO nascido em Miranda do Douro,
Bragança, Portugal, com quem teve 5 (cinco) filhos, sendo um deles CATHARINA
MENDES. Ele falecido em 1725 na cidade de Sorocaba, São Paulo, Brasil.

No livro “Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol


III - Tit. Pedrosos Barros” página 501 e 502” cita a filiação de Fernão Paes de Barros
filho de Pedro Vaz de Barros.

“ [...] que 1.º casou-se com seu primo irmão Braz Leme
de Barros, f.º herdeiro do Cap. 4.º. Ficando viúva de seu marido
e dele herdando a grande fortuna, que, junta a que recebeu de
seu pai, montou a um grande cabedal, tornou-se fácil passar a
2.ªs núpcias com o sargento-mor João Martins Claro, natural de
Miranda do Douro, e que viera no real serviço acompanhando
ao governador dom Manoel Lobo.

Do 1º marido fº único:

2-1 Pedro Vaz de Barros (o coxo);

Do 2º marido teve q. d.:

2-2 Catharina Mendes;


2-3 Joanna Pedroso;
2-4 Maria de Barros Silva;
2-5 Anna Paes de Silva;
2-6 Luzia Leme de Barros. (fonte 8)
__________________________________________
Fonte:
08 - Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol III - Tit.
Pedrosos Barros, páginas 501 a 502.
Link: http://www.arvore.net.br/Paulistana/PBarros_2.htm

8
(HEPTAVÓS) – CATHARINA MENDES nasceu em Sorocaba, São Paulo, Brasil,
casou-se em outubro de 1714 na cidade de Itu, São Paulo, Brasil, com CRISTOVÃO
MONTEIRO DE CARVALHO, natural da Bahia, Brasil, ele f.º de Manoel Monteiro de
Carvalho e de Maria Coelho Duarte, naturais de Freixo de Espada a Cinta. Com
quem teve 3 (três) filhos, sendo um deles MANOEL MONTEIRO.

No livro “Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol


III - Tit. Pedrosos Barros” página 501 e 502” cita a filiação de Fernão Paes de Barros
filho de Pedro Vaz de Barros.

“ [...] 2-2 Catharina Mendes casada em 1714 em Itú


com Christovão Monteiro de Carvalho, natural da Bahia, f.º
de Manoel Monteiro de Carvalho e de Maria Coelho
Duarte, naturais de Freixo de Espada a Cinta. Teve q. d.:

Passou a adotar o nome de casada CATHARINA


MENDES CLARO, sendo os filho(a)s d.q.:

2-2 Catharina Mendes;


2-3 Joanna Pedroso;
2-4 Maria de Barros Silva;
2-5 Anna Paes de Silva;
2-6 Luzia Leme de Barros; (fonte 9)
2-6 Manuela Monteiro;
2-7 Manoel Monteiro. (fonte 10)
_________________________________________
Fonte:
09 - Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol III - Tit.
Pedrosos Barros, páginas 501 a 502.
Link: http://www.arvore.net.br/Paulistana/PBarros_2.htm

10 – Reg. Igreja Católica – Araçariguama, São Paulo, Brasil - Nossa Senhora da


Penha - nº filme: 004624451 - Imagens 24 e 25.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939F-K6S3-2P?i=23&wc=M5JW-82S
%3A372224801%2C371871102%2C372326901%3Fcc%3D2177299&cc=2177299

9
(HEXAVÓS) – MANOEL MONTEIRO nasceu em 1715, São Paulo, Brasil, casou-se
em 30/11/1754 na cidade de Araçariguama, São Paulo, Brasil, com MICAELA
ARCANGELA DE MOURA, nascido em Sorocaba, São Paulo, Brasil, (fonte 10) com
quem teve 3 (três) filhos, sendo um deles MANOEL MONTEIRO DE CARVALHO.

Nos registros paroquiais da Igreja Católica de Nossa Senhora da Penha,


localizada na cidade de Araçariguama, São Paulo, Brasil, cita-se o registro de
casamento de Manoel Monteiro e Micaela Arcangela de Moura.

“ [...] Aos trinta dias de novembro dezembro de mil


setecentos e cinquenta e quatro [...] por palavras do presente
Manoel Monteiro natural da Vila de Sorocaba, filho de Cristovão
Monteiro de Carvalho, natural de Portugal e de sua mulher
Catharina Mendes natural também de Sorocaba, neto por parte
paterna de Manoel Monteiro de Carvalho, e de sua mulher Maria
Coelho da Fonseca natural xxx, neto por parte materna do
Sargento Mor João Martins Claro, natural de Portugal e de sua
mulher Ignacia Paes de Barros natural de Sorocaba, com
Michaella Arcangela filha de pais ignorados, natural e batizada
em Sorocaba, [...] ”.

Antonio Monteiro de Carvalho;


Catharina Mendes Claro;
Manoel Monteiro de Carvalho.
__________________________________________
Fonte:
10 – Registro da Igreja Católica – Araçariguama, São Paulo, Brasil - Nossa Senhora
da Penha - nº filme: 004624451 - Imagens 24 e 25.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939F-K6S3-2P?i=23&wc=M5JW-82S
%3A372224801%2C371871102%2C372326901%3Fcc%3D2177299&cc=2177299

10
(PENTAVÓS) – MANOEL MONTEIRO DE CARVALHO nasceu na cidade de
Sorocaba, São Paulo, Brasil, casou-se em 19/01/1796 na cidade de Sorocaba, São
Paulo, Brasil, com EMERECIANA MARIA, nascida na cidade de Sorocaba, São Paulo,
Brasil, (fonte 11) com quem teve 8 (oito) filhos, sendo um deles ANTONIO
MONTEIRO DE CARVALHO.

Nos registros paroquiais da Igreja Católica de Nossa Senhora da Ponte,


localizada na cidade de Sorocaba, São Paulo, Brasil, cita-se o registro de casamento
de Manoel Monteiro de Carvalho e Anna Espírito Santo.

“ [...] Aos dezenove dias de janeiro de mil setecentos e


noventa e seis [...] Manoel Monteiro de Carvalho filho legítimo de
Manoel Monteiro de Carvalho e sua mulher Micaela Arcangela
de Moura e Emerenciana Maria filha legítima de Domingos de
Carvalho e sua mulher Anna Espírito Santo [...] ”.

Manoela de Carvalho;
Joze Monteiro;
Manoel de Carvalho;
Jose Manoel de Carvalho;
Antonio Monteiro de Carvalho;
Manoela Martins Monteiro;
Maria Michaela dos Anjos;
Maria da Conceição Monteiro.
__________________________________________
Fonte:
11 – Registro da Igreja Católica, 1640 – 2012 – Sorocaba, São Paulo, Brasil - Nossa
Senhora da Ponte - nº filme: 004632387 - Imagem 82.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939N-39RC-V?i=81&cc=2177299

11
(TETRAVÓS) – ANTONIO MONTEIRO DE CARVALHO nasceu em 1820 na cidade
de Sorocaba, São Paulo, Brasil, casou-se em 17/12/1844 na cidade de Sorocaba, São
Paulo, Brasil, com ANA EUFROZINA DE OLIVEIRA, nascida em 1824, na cidade de
Sorocaba, São Paulo, Brasil, (fonte 12) com quem teve 8 (oito) filhos, sendo um deles
PEDRO MONTEIRO DE CARVALHO.

Nos registros paroquiais da Igreja Católica de Nossa Senhora da Penha,


localizada na cidade de Araçariguama, São Paulo, Brasil, cita-se o registro de
casamento de Antonio Monteiro de Carvalho e Anna Luiza Clara de Barros.

“ [...] Aos dezessete dias de dezembro de mil oitocentos


e quarenta e quatro [...] Antonio Monteiro de Carvalho filho de
Capitão Manoel e Dona Emerenciana de Carvalho, com Anna
Eufrozina de Oliveira filho do Tenente Jose Mariano de Oliveira
e Dona Anna Luiza Clara de Barros [...] ”.

Antonio Monteiro de Carvalho;


Constancia Maria de Oliveira;
Antonia Carvalho de Almeida;
Anna Eufrozina Monteiro;
Emerenciana Monteiro de Barros;
Gertrudes Eufrozina Monteiro;
Maria Eduvigens de Carvalho;
Pedro Monteiro de Carvalho.

__________________________________________
Fonte:
12 – Registro da Igreja Católica, 1640 – 2012 – Sorocaba, São Paulo, Brasil - Nossa
Senhora da Ponte - nº filme: 004632388 - Imagem 32.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939N-3SDH?i=31&cc=2177299

12
(TRISAVÓS) – PEDRO MONTEIRO DE CARVALHO natural de São Paulo, Brasil,
casou-se em 17/01/1883 na cidade de São Roque, São Paulo, Brasil, com CANDIDA
AUGUSTA DA ROSA, natural de São Paulo, Brasil, (fonte 13) com quem teve 9
(nove) filhos, sendo um deles ATALIBA MONTEIRO DE CARVALHO.

Nos registros paroquiais da Igreja Católica localizada na cidade de São


Roque, São Paulo, Brasil, cita-se o registro de casamento de Pedro Monteiro de
Carvalho e Candida Augusta da Rosa.

“ [...] Aos dezeseis dias de janeiro de mil oitocentos e


oitenta e três [...] em matrimônio Pedro Monteiro de Carvalho e
Candida Augusta da Rosa, ele filho de Antonio Monteiro de
Carvalho e Anna Eufrozina de Oliveira, ela filha de Joaquim
Xavier de Jesus e Palmira Querubina da Rosa [...] ”.

Antenor Carvalho;
Balbina Carvalho;
Oscar de Carvalho;
Jose Monteiro de Carvalho;
Ataliba Monteiro de Carvalho;
Augusta Monteiro de Carvalho;
Isolina de Carvalho;
Alicio de Carvalho;
Benedcita de Carvalho.

__________________________________________
Fonte:
13 – Registro da Igreja católica – cidade de São Roque, São Paulo, Brasil - nº do filme:
004624450 - Imagem 78.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939F-KP5P-F?i=77&wc=M5JZ-
GP8%3A372214501%2C371867702%2C372437301&cc=2177299

13
(BISAVÓS) – ATALIBA MONTEIRO DE CARVALHO nasceu em 05/02/1895 na
cidade de Sorocaba, São Paulo, Brasil, casou-se em 31/07/1920 na cidade de
Sorocaba, São Paulo, Brasil, com Amélia Leite Marques, nascida em 03/10/1900,
natural de São Paulo, Brasil, (fonte 14) com quem teve 1 (uma) filha, sendo MARIA
JOSE MONTEIRO DE CARVALHO.

No registro da casamento do 2º subdistrito de Sorocaba, São Paulo, Brasil,


com número 96, à fls 184 às 185 do libro B-8, cita-se o registro de casamento de
Ataliba Monteiro de Carvalho e Amélia Leite Marques.

“ [...] verifiquei contar no 31 de julho de 1920, foi feito


o casamento de Ataliba Monteiro de Carvalho e Amélia leite
Marques, contraído [...]
Ele nascido neste município aos cinco de fevereiro de
mil oitocentos e noventa e cinco, [...] filho de Pedro Monteiro de
Carvalho e Candida Monteiro de da Rosa.
Ela nascida neste município ao (com 20 anos de
idade) [...] filha de Salvador Leite Marques e Margarida Leite de
Andrade [...] ”.

Maria Jose Monteiro de Carvalho.

__________________________________________
Fonte:
14 – Certidões de Casamento – 2º subdistrito – Sorocaba, São Paulo, Brasil – Registro
de Casamento nº 96, à fls 184 à 185 do libro B-8, no dia 31 de julho de 1920.

14 – Registro de óbito – Cemitério de Aparecida – Sorocaba, São Paulo, Brasil –


Cemitério Municipal – Livro de registros de óbito - Livro 04, pág. 111.

14
(AVÓS) – xxxx

__________________________________________
Fonte:
15 – Certidões de Casamento – 2º subdistrito – Sorocaba, São Paulo, Brasil – Registro
de Casamento nº 96, à fls 184 à 185 do libro B8, no dia 31 de julho de 1920.

15
(GENITORES) xxxxx

__________________________________________
Fonte:
16 – Certidão de Casamento – 2º subdistrito – XXXX, São Paulo, Brasil – Registro de
Casamento nº XXX, à fls XX do livro X-XX, no dia XX de XX de XXX.

16
(REQUERENTE) – NOME (fonte 17) nasceu em XX/XX/XXX na cidade de XXX, São
Paulo, Brasil, solteiro.

__________________________________________
Fonte:
17 – Certidão de nascimento – 1º subdistrito – Sorocaba, São Paulo, Brasil – Registro
de Nascimento nº XXX, à fls XX do livro X-XX, no dia XX de XX de XXX..

17
Anexos

18
Fonte:
01 - Processo de LUCRÉCIA PEDROSA
Link: https://digitarq.arquivos.pt/details?id=2362348 último acesso em 12/02/2019.

CAPA

19
20
Fonte:
02 - Processo de BERNARDA PEDROSO
Link: https://digitarq.arquivos.pt/details?id=2368918 último acesso em 12/02/2019

21
Fonte:
03 - Obra; Os Cristãos-Novos Povoamento e Conquista do Solo Brasileiro (1530-1680)
Págs.: 32, 141. Autor: José Gonçalves Salvador. Editora: Pioneira

22
23
24
Fonte:
04 - Obra; Uma família paulista quatrocentona de origem cristã-nova: os pedrosos e
vazes de barros Pág.: 12. Autor: Marcelo Meira Amaral Bogaciovas.
Link: http://www3.ufrb.edu.br/simposioinquisicao/wp-content/uploads/2012/01/Marcelo-
Bogaciovas.pdf

25
05 - Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo Vol. 47, Os povoadores
do campo de Piratininga, Páginas 432 e 433. Autor: Américo de Moura,
Link: http://ihgsp.org.br/wp-content/uploads/2018/03/vol-47.pdf

26
Fonte:
6 - Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol III - Tit.
Pedrosos Barros, páginas 442 à 443.
Link: http://www.arvore.net.br/Paulistana/PBarros_1.htm

27
28
Fonte:
7 - Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol III - Tit.
Pedrosos Barros, páginas 499 a 502.
Link: http://www.arvore.net.br/Paulistana/PBarros_2.htm

29
30
31
32
Fonte:
8 - Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol III - Tit.
Pedrosos Barros, páginas 501 a 502.
Link: http://www.arvore.net.br/Paulistana/PBarros_2.htm

33
34
Fonte:
9 - Genealogia Paulistana, Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919), Vol III - Tit.
Pedrosos Barros, páginas 501 a 502.
Link: http://www.arvore.net.br/Paulistana/PBarros_2.htm

35
36
Fonte:
10 – Reg. Igreja Católica – Araçariguama, São Paulo, Brasil - Nossa Senhora da
Penha - nº filme: 004624451 - Imagens 24 e 25.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939F-K6S3-2P?i=23&wc=M5JW-82S
%3A372224801%2C371871102%2C372326901%3Fcc%3D2177299&cc=2177299.

37
11 – Registro da Igreja Católica, 1640 – 2012 – Sorocaba, São Paulo, Brasil - Nossa
Senhora da Ponte - nº filme: 004632387 - Imagem 82.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939N-39RC-V?i=81&cc=2177299.

38
12 – Registro da Igreja Católica, 1640 – 2012 – Sorocaba, São Paulo, Brasil - Nossa
Senhora da Ponte - nº filme: 004632388 - Imagem 32.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939N-3SDH?i=31&cc=2177299.

39
13 – Registro da Igreja católica – cidade de São Roque, São Paulo, Brasil - nº do filme:
004624450 - Imagem 78.
Link: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939F-KP5P-F?i=77&wc=M5JZ-
GP8%3A372214501%2C371867702%2C372437301&cc=2177299.

40
Fonte:
14 – Certidões de Casamento – 2º subdistrito – Sorocaba, São Paulo, Brasil – Registro
de Casamento nº 96, à fls 184 à 185 do libro B-8, no dia 31 de julho de 1920.

41
14 – Registro de óbito – Cemitério de Aparecida – Sorocaba, São Paulo, Brasil –
Cemitério Municipal – Livro de registros de óbito - Livro 04, pág. 111.

42
Fonte:
15 – Certidões de Casamento – 2º subdistrito – Sorocaba, São Paulo, Brasil – Registro
de Casamento nº XXX, à fls XX do livro X-XX, no dia XX de XX de XXX.

43
Fonte:
16 – Certidão de Casamento – 2º subdistrito – Sorocaba, São Paulo, Brasil – Registro
de Casamento nº XXX, à fls XX do livro X-XX, no dia XX de XX de XXX.

44
Fonte:
17 – Certidão de nascimento – 1º subdistrito – Sorocaba, São Paulo, Brasil – Registro
de Nascimento nº XXX, à fls XX do livro X-XX, no dia XX de XX de XXX.

45

Você também pode gostar