Você está na página 1de 4

À

Sua Excelência Senhora Ministra de


Educação

::Luanda::

Assunto: Carta de apresentação

Excelência;

Queira aceitar as nossas humildes saudações na esperança de que este documento vos
encontre de boa saúde intercalada de bênçãos divinas.

Somos um agregado de dez (10) jovens cidadãos angolanos, prevenientes de diversos


pontos do País, nomeadamente, Huambo, Huíla, Zaire, Uíge, L. Norte, Namibe, Moxico
e Malanje, na maioria, professores afectos ao ministério da educação, colocados nas
províncias acima referenciadas.

Apraz-nos informar à V. Exª que, mui recentemente, fomos agraciados pela Universidade
do Minho, Portugal, para o grau de Mestres em Ciências da Educação, na área de
Supervisão Pedagógica na Educação em Ciências, no âmbito do Programa Nacional de
Formação de Quadros desenvolvido pelo governo angolano, através do Instituto
Nacional de Gestão Bolsas de Estudo (INAGBE).

A formação em Supervisão Pedagógica visou, essencialmente, aprofundar sobre o papel


da supervisão pedagógica na planificação, monitorização e avaliação de processos de
desenvolvimento profissional de educadores e professores e desenvolver conhecimentos
e competências necessárias para o exercício da docência no contexto actual. Assim sendo,
a formação em supervisão pedagógica, foi-nos útil, quer em contextos de formação e
desenvolvimento profissional, quer em contextos de coordenação pedagógica ou de
avaliação de desempenho docente.

Importa salientar que no decorrer desta formação, participamos de diversas ações de


formação, nomeadamente, seminários, conferências e comunicações, desenvolvidas pela
Universidade do Minho e outras instituições de ensino portuguesas, nas quais, alguns de
nós tivemos o privilégio de participar, apresentar e comunicar os nossos trabalhos
científicos ligados ao contexto angolano.

Apraz-nos ainda, informar à V. Exª que os trabalhos de dissertação por nós desenvolvidos
e apresentados nas provas de defesa de Mestrado na Universidade do Minho, mereceram
uma boa apreciação dos júris e da instituição em particular, que na sequência, foi-nos
solicitado a pôr em prática os conhecimentos adquiridos durante a supra formação,
visando contribuir de forma activa para o desenvolvimento do país de modo a atingir
metas desejáveis ao nível da qualidade do ensino, apostando, sobretudo, na formação de
professores.

Excelência;

Os professores precisam de oportunidades que lhes permite desenvolver as suas


competências científicas e didático-pedagógicas, no que vela à formação. Permita-nos,
V. Exª, informar que nos resultados de inquérito por nós desenvolvido, através de
entrevistas e questionários, que envolveu mais de 283 professores de ciências e 246
futuros professores angolanos afetos nas diferentes instituições de ensino do Iº e IIº ciclos
nas províncias supra referenciadas, constatamos que a maioria dos professores no ativo
possui pouca formação científica e/ou didática no que respeita à utilização de novas
ferramentas aplicadas no ensino das ciências para facilitar a aprendizagem dos alunos o
que deixa claro que o ensino tradicional ainda se faz presente em muitas escolas do nosso
país, uma vez que, hoje se fala em ensino construtivista.

Sabemos que a preocupação do executivo angolano é elevar os níveis de qualidade de


ensino no país e, é com esta intenção que, vimos à V. Excª apresentar algumas propostas
que podem vir a contribuir para a qualidade de ensino no nosso país.
Sob o lema: “Novo Ano, Novos Desafios”, pretendemos, com base à nossa experiência
e área de formação:

i) Contribuir para a inovação da prática educativa em Angola no que


respeita à utilização de novas ferramentas aplicadas no ensino das ciências
para facilitar a aprendizagem dos alunos;

ii) implementar workshops, cursos/seminários de formação de professores de


ciências, em geral, nas distintas partes do país de modo a capacitar os
professores para o desenvolvimento, implementação e avaliação de estratégias
de ensino que se baseiem na Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS),
Aprendizagem Baseada na Resolução de Problemas (ABRP), Mudança
Conceptual (MC), Atividades Laboratoriais com recurso à materiais de baixo
custo (ALs), ensino com recurso à Analogias e Conceções Alternativas dos
alunos (CA);

iii)desenhar, implementar e avaliar o efeito de acções de formação que vise


ajudar os professores a utilizar metodologias de ensino mais eficazes em
termos da sua capacidade de promover a evolução conceptual dos alunos;

iv) actuar como supervisores e/ou formadores de supervisores internos para a


planificação, monitorização e avaliação de processos de desenvolvimento
profissional de professores e outros agentes educativos com vista a
desenvolver os seus conhecimentos e competências necessárias para o
exercício da docência nas escolas;

v) avaliar o desempenho docente voltado a uma óptica formadora, reflexiva


e interativa;

vi) analisar e orientar diversas actividades pedagógicas;

vii)promover e apoiar o desenvolvimento profissional dos professores;


viii) identificar as necessidades de desenvolvimento, tanto pessoal
quanto profissional, tendo em conta as necessidades de aprendizagem
contínua.

Com base nessas propostas, pretendemos colaborar com o Ministério da Educação com
vista a sua possível implementação. Nós, como cidadãos angolanos e filhos desta pátria,
ansiamos dar um contributo para ajudarmos o governo a minimizar os efeitos causados
pelas debilidades educativas e perspetivar conhecimentos e competências para os
professores e futuros professores do nosso país.

Dada a necessidade de se examinar os factos aduzidos na presente carta, relativamente às


insuficiências formativas dos professores, apresentamos, em anexo, alguns trabalhos de
pesquisa científica por nós desenvolvidos onde constam, em parte, os dados de inquérito
ora mencionados.

Outrossim, para melhor apoio e comunicação, adicionamos ainda, em anexo o nosso


plano de formação, acompanhado da lista geral dos proponentes com os seus respectivos
contactos telefónicos, cidades pertencentes, temas de trabalhos realizados e o número de
amostra relacionada ao estudo.

Sem mais outro assunto de momento, ansiosos, aguardamos de maneira otimista pela
Vossa boa apreciação do documento pelo que, reiteramos nossos humildes votos de
saudações.

Luanda, 13 de Janeiro de 2020

O Responsável

António Costa Manuel