Você está na página 1de 9

CAULE

CONCEITO
 órgão vegetativo que suporta folhas, flores e frutos
 Funções: circulação da seiva
armazenar reservas alimentares
efetuar a propagação vegetativa (gemas)
resistência contra queimadas (súber)

ORIGEM

 a partir da gêmula do caulículo do embrião da semente


Exógena: a partir das gemas caulinares

CARACTERÍSTICA

Apresenta geralmente geotropismo (-) e fototropismo (+)

MORFOLOGIA EXTERNA
Consideram-se: gemas, nós, entrenós e folhas

Gemas

Regiões meristemáticas protegidas por primórdios foliares ou escamas


Gemas terminais: ocorrem no ápice caulinar e são ativas (meristema)

Gemas laterais: ocorrem nas axilas das folhas e são inativas (dormente)

Nós Gema apical

Regiões do caule onde ocorre a inserção de folhas


e também gemas axilares Gemas laterais

Entrenós
cicatrizes
Regiões localizadas entre os dois nós consecutivos
CLASSIFICAÇÃO DOS CAULES

Quanto à forma

Caules cilíndricos: tipo mais comum, secção transversal é circular.


ex. guaco (Mikania glomerata), jurubeba (Solanum paniculatum)

Caules prismáticos: secção transversal com contorno obtuso poligonal.


ex. secção obtuso triangular - família Cyperaceae
secção obtuso quadrangular – família Labiatae
secção obtuso hexagonal – família Compositae

Quanto ao porte e a quantidade de tecidos lignificados

Herbáceos: pouco material lignificado, coloração esverdeada e flexível.


ex. cordão-de-frade (Leonotis nepaetifolium)

Arbustivo: caules lenhosos ramificados,não ultrapassam 3 metros de altura.


ex. café (Coffea arabica)

Arbóreo: bastante lignificado,mais de 3 metros de altura.


ex. ipê-roxo (Tabebuia avellanedae)

aéreos
Quanto ao ambiente onde se desenvolvem terrestres
aquáticos

Aéreos: caules erectos, caule trepadores e caules rastejantes

Caules erectos: tronco, estipe, colmo e haste

TRONCO
Característico de árvores e arbustos
Apresenta-se ramificado e bastante lignificado
Tipo de ramificação: - monopodial (gimnospermas)
- simpodial (dicotiledôneas)
ESTIPE

Caule cilíndrico, sem ramificações


Família Palmae

COLMO

Caule cilíndrico, sem ramificações, região de nós e entrenós bem visíveis


Tipo de colmo: - cheio (cana-de-açúcar)
- oco (bambus)

HASTE

Caule frágil, geralmente de cor verde, ramificado


Flexibilidade (tecido colenquimático), plantas herbáceas

Caules trepadores

Necessitam de suporte (deficiência nos tecidos de sustentação)


Tipos: - volúveis (não apresentam órgão de fixação)
ex. cipó-cabeludo (Mikania hirsutissima) gavinha
- escadentes (presença de órgão de fixação)
ex. maracujazeiro (Passiflora alata) raízes adventícias
hera (Hedera helix)

Caules rastejantes

ESTOLHOS

Crescem paralelamente à superfície da terra


Emitem raízes adventícias
Ex. morangueiro (Fragaria vesca)

SARMENTOS

Apresentam um ponto de fixação


Ex. aboboreira (Cucurbita pepo)
Caules subterrâneos

Função: armazenar reservas


Presença de folhas modificadas (escamas ou catafilos)
Presença de gemas
Tipos: rizomas, tubérculos e bulbos

RIZOMAS

Aspecto semelhante das raízes


Forma cilíndrica e crescimento horizontal
Estruturas características: nós, entrenós, gemas e folhas modificadas
Desenvolvem raízes adventícias
Ex. gengibre (Zingiber officinalis)
cálamo-aromático (Acorus calumus)
valeriana (Valeriana officinalis)

TUBÉRCULOS

Formados na extremidade de caules subterrâneos


Acumulam reservas, forma globosa, ausência de raízes e presença de gemas
Ex. batatinha (Solanum tuberosum)
rabanete (Raphanus sativus)
beterraba (Beta vulgaris)

BULBOS
Órgão subterrâneo complexo
Tecido caulinar: prato
Folhas modificadas: escamas ou catafilos (presas ao prato), acúmulo de reservas
Raízes adventícias (região basal do prato)
Tipos: tunicados, escamosos e sólidos
Tunicado: cebola comum (Allium cepa), alho (Allium sativum)
Escamoso: cila (Urginea scilla), açucena (Lilium candidum)
Sólido: açafrão (Crocus sativus)

Cebola e palma
Caules aquáticos

• Menos freqüentes
• Ausência de cutícula revestindo a epiderme
• Pobres em tecidos mecânicos de sustentação
• Presença de aerênquima

Quanto à função

Função de assimilação

Fotossíntese
Ex. cactos – Opuntia ficus-indica (caule com aspecto de folha)

Função de reprodução

Ex. rizomas, bulbos, tubérculos

Função de reserva

Ex. rizomas, bulbos, tubérculos (amido)


Cálamo-aromático (ar)
Família Cactaceae (água)

ANATOMIA DO CAULE
sistema dérmico, fundamental e vascular
Estrutura caulinar
câmbio e felógeno (crescimento secundário)

Pteridófitas e monocotiledôneas: somente estrutura primária


Dicotiledôneas e gimnospermas: estrutura secundária
ESTRUTURA PRIMÁRIA DE CAULES

Dicotiledôneas e Gimnospermas

Sistema vascular (contínuo ou separado), medula e região cortical

Epiderme, região cortical, sistema vascular e cilindro central

Monocotiledôneas

Não ocorre separação nítida entre cilindro central e região cortical


Epiderme, parênquima e sistema vascular (atactostélico)

ESTRUTURA SECUNDÁRIA DE CAULES

Câmbio fascicular Xilema


Câmbio vascular
Câmbio interfascicular Floema

Felogênio periderme

lenho estival
Anéis anuais (vasos lenhosos de paredes grossas)

lenho primaveril
(vasos lenhosos de parede delgada)

Monocotiledôneas

Algumas espécies da família Palmae apresentam crescimento secundário

Dicotiledôneas

Estrutura fundamental é do tipo sifonostélica ou eustélica


Estrutura sifonostélica primária e secundária de gimnosperma e dicotiledônea:
A - estrutura primária: 1-floema, 2-câmbio, 3-xilema. B – estrutura secundária:
1-floema, 2-câmbio, 3-xilema, 4-felógeno, 5-súber, 6-feloderma

Estrutura eustélica de dicotiledônea: A - estrutura primária: 1-câmbio interfascicular


2-câmbio fascicular, 3-floema, 4-xilema. B – estrutura secundária: 1-súber, 2-felógeno,
3-feloderma, 4-floema primário, 5-floema secundário, 6-xilema secundário, 7-xilema primário
Secção transversal de caule – estrutura primária – Mikania hirsutissima:
1-epiderme, 2-colênquima, 3-região cortical, 4-periciclo, 5-endoderme,
6-canal secretor, 7-metaxilema, 8-floema, 9-protoxilema, 10-câmbio,
11-medula

Estrutura secundária de caule de Mikania hirtutissima (dicotiledônea):


1-súber, 2-felógeno, 3-feloderma, 4-colênquima, 5-parênquima cortical,
6-anel esclerenquimático, 7-endoderme amilifera, 8-periciclo, 9-canal secretor,
10-raio medular, 11-floema secundário, 12-xilema secundário
Corte transversal de uma Cortes do caule de uma dicotiledônea em diversas
monocotiledônea alturas mostrando a transição de estrutura primária
para secundária