Você está na página 1de 3

Para dar ênfase no termo Competência, tomei como base também o livro de

Philippe Perrenoud, sociólogo suíço, referência essencial para os educadores


em virtude de suas idéias precursoras sobre a profissionalização de
professores e a avaliação de alunos. Neste livro intitulado como as 10 Novas
Competências para Ensinar., que segundo o autor farão com que o professor
obtenha um desempenho melhor e contribua para a luta contra o fracasso
escolar.
Eis as 10 famílias como o autor pontua no livro, embora muito importantes,
abordarei apenas as que dialogam com as competências mencionadas por
outros autores presentes neste trabalho : 1) organizar e dirigir situações de
aprendizagem ; 2) administrar a progressão das aprendizagens ; 3) conceber e
fazer com que os dispositivos de diferenciação evoluam ; 4) envolver os alunos
em suas aprendizagens e em seu trabalho ; 5) trabalhar em equipe ; 6)
participar da administração da escola ; 7) informar e envolver os pais ; 8)
utilizar novas tecnologias ; 9) enfrentar os deveres e os dilemas éticos da
profissão ; 10) administrar a própria formação continua.
Dentro da perspectiva deste trabalho abordarei apenas os capítulos abaixo,
que assim como Nilson José Machado, aborda como competências
fundamentais:
Na pág.13 logo na introdução de seu livro o autor deixa explicito que a
competência é “a capacidade de mobilizar diversos recursos cognitivos para
enfrentar um tipo de situação”, ou seja as competências não é um saber, mas é
ela que mobiliza, integra e orquestra estes recursos. Partindo da ideia do que
seria a competência analisaremos cada capítulo escolhido.
A primeira competência diz respeito a organizar e dirigir situações de
aprendizagem, segundo Perrenoud o oficio de professor está se transformando
e precisamos entender que a capacidade de ensinar bem é, sem dúvida, uma
nova competência .
Assim, o professor precisa se inserir, vivenciar o mundo dos alunos e suas
particularidades, lembrando-se de que, se não compreendem, não é por falta
de vontade, mas porque não está sendo apresentado de forma correta.
A competência do professor é, então, essencialmente didática, segundo o
autor, visto que o professor precisa planejar e criar situações de aprendizagem,
ferramentas que tornem o conhecimento mais acessível.
“… é manter um espaço justo para tais procedimentos. É,
sobretudo, despender energia e tempo e dispor das
competências profissionais necessárias para imaginar e
criar outros tipos de situações de aprendizagem, que as
didáticas contemporâneas encaram como situações
amplas, abertas, carregadas de sentido e de regulação,
as quais requerem um método de pesquisa, de
identificação e de resolução de problemas”. Perrenoud.p.
24

O professor deve dominar os saberes a serem ensinados, ser capaz de dar


aulas, de administrar uma turma e de avaliá-la.
A segunda competência de administrar a progressão das aprendizagens, assim
como na primeira competência, onde o autor fala sobre situações de
aprendizagem, neste momento ele chama atenção para situações onde o
docente deverá observar, avaliar e por fim tomar decisões de progressão ou
não do aluno.
Para Conceber e fazer evoluir os dispositivos de diferenciação, terceira
competência necessária, segundo o autor o docente precisará desenvolver
formas simples de trabalhar com os alunos que apresentam grandes
dificuldades, fornecendo o apoio sem o excluir da turma.

A quarta competência “Envolver os alunos em suas aprendizagens e em seu


trabalho”, explica Perrenoud que o docente precisa produzir o desejo de
aprender, oferecer atividades , oportunidades de participação e reflexão dos
alunos.
A oitava competência, diz o livro, é a de “utilizar novas tecnologias”. Sabendo
que a escola não pode ignorar as novas tecnologias de informação e de
comunicação, as crianças já nascem em uma cultura do “clica”, e certamente
não aceitarão um modo de aprendizagem ultrapassado, professores precisam
se inserir no universo destes alunos. Segundo o autor a escola não pode
ignorar o que se passa no mundo e que as novas tecnologias da informação e
da comunicação transformam as maneiras de se comunicar, de trabalhar, de
decidir e de pensar. O professor precisa lançar mãos das novas tecnologias
com fins educacionais para instigar o aluno a aprender.
“Enfrentar os deveres e os dilemas éticos da profissão” é a nona competência
apresentada por Perrenoud. Para ele, o professor não pode mascarar o mundo
em que vivemos e não devemos deixar de apresenta-lo aos alunos, cabe aos
docentes apresentar medidas e projetos para prevenir a violência dentro e fora
do âmbito escolar, lutar contra os preconceitos e as discriminações sexuais,
étnicas e sociais, e tantos outros problemas da sociedade. Nessa competência
o autor ainda inclui instruir os alunos sobre o senso de responsabilidade,
solidariedade e o sentimento de justiça.

Por último, a decima competência a de “administrar sua própria formação


contínua” propõe que o docente, assegure seu próprio crescimento profissional
e o desenvolvimento de todas as demais competências, segundo Perrenoud.
Para saber lidar e intervir de forma sábia em todas as situações transcorrem no
dia -a dia.

Fonte: <https://autoresdapedagogia.wordpress.com/2012/11/15/resenha/>
Acesso em: 2 Jul 2015