Você está na página 1de 7

BIOALINHAMENTO

Origem das Cinco Leis Biológicas


Através de um longo e minucioso estudo, Dr.
Hamer descobriu o que chamou de “as cinco leis
biológicas” que explicam todos os motivos,
desenvolvimento e até mesmo indicam uma forma de cura
natural para as doenças. Tudo baseado nos princípios
biológicos naturais de cada indivíduo. Esta leis são
utilizadas na leitura biológica. 
De acordo esta técnica, as doenças não são somente o
resultado do mau funcionamento de parte de nosso
organismo. Mas sim, principalmente,  o resultado de uma
situação endêmica desencadeada por sentimentos,
sensações e principalmente grandes traumas sofridos.
Cada parte do cérebro tem o comando de um órgão de
nosso corpo e seria essa parte afetada de acordo com o
trauma em questão. Uma mulher que sofre de câncer de
mama, por exemplo, pode ter vivido um choque de uma
separação inesperada ou uma situação em que vê alguém
que ama muito passando por um grande problema.
A somatização realmente pode nos afetar de maneira
profunda e duradoura.
Mensuração e tratamento pela técnica
Este conhecimento permite-nos compreender exatamente
o que está acontecendo em nossos corpos e em particular
a etiologia (precisas e verificáveis cada origem dos
sintomas), as diferentes funções (fisiologia normal e
especial), as modalidades específicas de proliferação
celular que variam com base na origem embrionária e as
áreas do cérebro correspondentes que as controlam. Daí
surge a essência da aplicação prática científica e
terapêutica. 
Este sistema biológico completo consiste em elementos
extremamente precisos e mensuráveis. Onde, sei que um
elemento do sistema, posso deduzir e verificar os outros
elementos, que também são mensuráveis.
O profundo conhecimento das Leis Biológicas, e a
utilização da leitura biológica, representa uma abordagem
precisa e eficaz em todas as áreas relacionadas à nossa
biologia. 
Esse conhecimento permite observar exatamente o que
acontece no organismo durante o processo que é
comumente denominado “doença”, sendo essencial para a
correta e efetiva integração de técnicas e medidas
terapêuticas.

As Cinco Leis Biológicas – Leitura


Biológica
Primeira Lei
A primeira lei biológica esclarece a
chamada “doença” (ou seja, Programa Especial com
Sentido Biológico – SBS).
Inicialmente, provém de um “choque” biológico, onde
somos pegos de surpresa. Esse impacto ocorre de forma
simultânea em 3 níveis: psique, cérebro e órgão e foi
chamado pelo Dr. Hamer de DHS (Dirk Hamer Syndrome)
Essa sensação que foi desencadeada por um conteúdo
conflitual percebido, ativa um ou mais programas especiais
de sentido biológico (SBS), que afeta tanto o cérebro (Foco
de Hamer  cerebral) quanto no órgão (Foco de Hamer
orgânico).
Segunda Lei
Todo o programa atravessa pelas fases principais:
1. A primeira, fase ativa (FA) junto a alteração
neurovegetativa simpática;
2. A segunda fase, pós-conflitual (PCL),
parassimpaticotônica, essa transição ocorre nos casos que
houveram uma resolução do conflito (Conflitólise – CL).
A fase ativa inicia após o DHS, e possui uma intensidade e
duração (massa conflitual).
No nível psíquico-mental, neste momento a pessoa se
encontra em um estado de preocupação constante sobre o
acontecido (trauma), mais pensamentos recorrentes e em
geral em estado de alerta. No cérebro, se formam os focos
de Hamer (FH), ativos, com anéis concêntricos definidos.
Já no corpo, causam alterações fisiológicas e
comportamentais teciduais.
DHS – FASE ATIVA (FA) – CONFLITÓLISE (CL) – PÓS-
CONFLITUAL 1 (PCLA) – CRISE EPILEPTÓIDE (CE) – PÓS-
CONFLITUAL 2 (PCLB) – NORMOTONIA.
Após a resolução do conflito (CL), a pessoa sente uma
sensação de alívio, após este momento, se inicia a fase
pós-conflitual (PCLA), ou reparação edematosa, com
mudanças dos níveis hormonais e metabólicos, que
alteram os padrões dos órgãos.
Estas alterações estão associadas às modificações nos
padrões do sono, levando ao cansaço, debilidade com
aumento do processo inflamatório, dor e mal estar geral.
Na transição entre a fase pós-conflitual A e B, a pessoa
passa pela crise epileptoide (CE), ocorre flashback
fisiológico breve, normalmente somado ao agravamento
dos sintomas, edemas, calafrios, alterações da frequência
e da pressão cardíaca.
Algo característico desta fase é o aumento do volume
miccional que caracteriza principalmente a fase de pós-
conflitual B (PCLB) ou exudativa (secreções, líquidos) com
atenuação gradativa dos sintomas até o equilíbrio e
conservação de elementos fisiológicos e do metabolismo.
Terceira Lei
A Terceira Lei Biológica ou Sistema Ontogenético dos
programas especiais de Sentido Biológico (SBS), ou seja, a
alteração do comportamento fisiológico para cada tecido e
de suas funções de acordo com a sua origem embrionária.
Dependendo da área cerebral que foi ativada o foco de
Hamer (FH), observamos no nível orgânico
comportamentos distintos.
Quarta Lei
Chamada de Sistema Ontogenético dos Microrganismos,
esta lei descreve o relacionamento entre o nosso corpo
com diferentes grupos de microrganismos, e assim,
demonstra que normalmente eles não são a causa da
doença e sim simbiontes (associados ao nosso sistema
que auxiliam no equilíbrio biológico).
Com isso podemos ver com outras perspectivas em relação
às enfermidades, onde a sua atividade é coordenada
através do estímulo cerebral e os processos de cura.
Tecidos da ectoderme ( córtex cerebral ) e mesoderme
( substancia branca cerebral ) em fase resolutiva
apresentam proliferação celular; seguido de cicatriz
conectiva grossa, calo ósseo ou fibrose muscular.
Tecidos da endoderma ( tronco cerebral ) e mesoderma
antiga ( tronco cerebral ) em fase resolutiva apresentam
cavitação caseosa com presença de microrganismos ou
encapsulamento; seguido de restos calcificados ou cisto
(tumor benigno revestido).
Quinta Lei
A quinta lei biológica ou “Quintessência” exige que
cada “doença” faz parte de um programa especial da
natureza com um sentido biológico, ou seja, faz parte
da evolução da vida.
Todos os nossos programas fisiológicos normais do corpo,
bem como programas especiais (SBS), foram integrados
através de milhões e milhões de anos de evolução.
No fundo não há nada “maligno” ou “benigno”, em todos os
processos o nosso corpo está apenas sobrevivendo e
evoluindo. É um aprendizado programado buscando a
nossa capacidade de adaptação à natureza, ou seja,
sobrevivência.
Indicações da técnica da Leitura
Biológica
Por conseguinte aos motivos da técnica, verificamos suas
indicações. Confira, portanto, em quais casos é possível
tratamento com a leitura biológica ou nova medicina
germânica:
 Bruxismo
 Alergias de pele
 Alergias alimentares
 Depressão
 Ansiedade
 Distúrbios hormonais
 Enxaquecas
 Dores físicas
 Fibromialgia
 Intolerâncias alimentares
 Cólicas menstruais
 Problemas escolares
 Déficit de atenção
 Agressividade
 Dificuldades de socialização
 Hiperatividade
 Distúrbios digestivos
 Intestino preso
 Rinite
 Sinusite
 Dores musculares
 Dores articulares
 Psoríase
 Diabetes
 Herpes
 Aftas
 Hemorroidas
 Olhos secos
 Infecções urinárias
 Unhas quebradiças
 Quedas de cabelo
 Roer unhas
 Desânimo
 Desmotivação
 Perda de vitalidade
 Dores no pescoço
 Dores da lombar
 Desvalorização
 Falsas crenças
 Medos do futuro
 Medo da morte
 Medo de desfrutar a vida
 Dores de garganta de repetição
 Medos de novas experiências
 Raivas
 Insônia
 Dificuldade para iniciar o sono
 Dificuldade para manter o sono
 Despertares na madrugada
 Esclerodermia
 Psoríase
 Vitiligo
 Baixa libido
 Hipertireoidismo
 Hipotireoidismo
 Tumores de mama
 Tendinites
 Entorses de repetição
 Síndrome do pânico
 Problemas ao engravidar
 Endometriose
 Miomas uterinos
 Acnes
 Cálculos renais
 Terror noturno em crianças
 Síndrome mão pé e boca
 Medos de viagens de avião
 Medos de locais fechado
 Medos de dirigir
 Uso de drogas
 Timidez
 Dificuldades relacionais
 Gastrite
 Febres recorrentes sem explicação
 Sudorese Noturna
 Descamação nas mãos
 Diabetes
 Anorexia
 Bulimia
 Hiperidrose
 Caspa
 Hipotensão arterial
 Lombalgia
 Traumas devido a perdas
 Fogacho
 Colesterol
 Desmaios
 Sonolências
 Baixa produção espermática