Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARAÍBA

CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO


PROJETO EM PESQUISA APLICADA

O grau de Ansiedade dos estudantes de pós-graduação a níveis de mestrado


e doutorado da UFPB
Como as dificuldades psicológicas dos estudantes de pós-graduação pode afetar no
desempenho e desenvolvimento dos seus trabalhos.

Drayon Richard Magno Duarte Silva


Lucas Vinícius de Araújo Cardoso

RIO TINTO, 18 de Setembro de 2019


SUMÁRIO

INTRODUÇÃO……………………………………. 3
PROBLEMA DE PESQUISA…………………….... 3
JUSTIFICATIVA …………………………………... 4
OBJETIVOS……………………………………….. 4
REVISÃO TEÓRICA……………………………… 5
METODOLOGIA………………………………….. 8
REFERÊNCIAS……………………………………. 12
INTRODUÇÃO
A ansiedade é um transtorno emocional ao qual está associada à diversas doenças da
era moderna como: depressão, síndrome de burnout, entre outros. Em 2017, a organização
mundial da saúde (OMS) publicou um documento com estatísticas de transtornos de
ansiedade no mundo, e o Brasil é o país no “topo da lista” quando se trata da ansiedade: são
18,6 milhões de brasileiros ansiosos, cerca de (9,3% da população) convivem com o
transtorno.
Nos dias atuais a ansiedade está interligada não só nas ações sociais matérias, mas
também está ligada às ações sociais virtuais, onde surgiu novas formas de desenvolver
ansiedade: redes sociais, o “bombardeamento” de notícias, pressão social em meio virtual…
Esses estressores de ansiedade são pouco perceptíveis, por se tratar de algo comum e habitual
do cotidiano moderno ao qual “todos” estão interligados e acostumados com tal rotina na
internet,​ em 2018, We Are Social e Hootsuite, divulgaram dados estatísticos da internet no
mundo e existiam 4,021 bilhões de pessoas online (53% de todas as pessoas do planeta), um
aumento de 7% em relação ao ano anterior. As redes sociais são utilizadas por cerca de 3,2
bilhões de pessoas (42% de todo o mundo). Segundo os dados levantados pelo We Are Social
e pelo Hootsuite, o Brasil é o terceiro país que mais fica online: são, em média, 9h14min
todos os dias.
Neste estudo com base na observação atípica de alguns estudantes pós graduando,
estudos estão sendo desenvolvidos em todo o mundo, sobre a saúde mental dos estudantes da
pós, a Universidade do Texas publicou na edição de ( Março/2018 ) da revista Nature
Biotechnology. Entre as constatações, a de maior impacto se refere à incidência de depressão
e ansiedade entre pós-graduandos. De acordo com o estudo, esses estudantes têm seis vezes
mais chance de experimentar depressão e ansiedade do que a população em geral.
No Brasil uma pesquisa realizada na UFRJ em 2009 mostrou que 58,6% dos
estudantes de pós graduação desenvolveram algum tipo de stress. Já no ano passado uma
pesquisa realizada sobre ​à saúde mental de 2.903 estudantes de pós-graduação de todo o
Brasil. Os resultados mostram que 74% dos respondentes alegaram ter ansiedade, 31%
insônia, e 25% depressão. O estudo também mostrou que grande parte deles sofre
constantemente com algum distúrbio relacionado ao sono, como por exemplo: deitar e não
conseguir dormir (39%), sentimento de culpa ao ir dormir (39%), acordar várias vezes durante
o sono (30%), acordar no meio do sono e não conseguir mais dormir (20%) (Garcia da Costa,
Everton, & Nebel, Letícia. 2018).
Como os estudantes da pós-graduação combatem a ansiedade?
Esse projeto deseja explicar e desenvolver o assunto relacionado ao grau de ansiedade
dos estudantes de pós graduação a níveis de mestrado e doutorado da UFPB e como eles
lidam com este transtorno.

JUSTIFICATIVA
O transtorno de ansiedade afeta milhões pessoas em todo o mundo e que têm mostrado
uma crescente mundial desde que começou a ser estudada e o que se notou é que este mal
afeta a produtividade do indivíduo em diversas áreas desde trabalho à vida pessoal, a OMS e o
Banco mundial, calculou pela primeira vez, o impacto econômico em investimentos na saúde
mental, um relatório publicado por ambas instituições em 2016, foca em casos de ansiedade e
depressão, mostrou que por ano os tratamentos custam US$ 1 trilhão, por volta de R$ 3,5
trilhões à economia mundial.
Enquanto ao retorno desses investimentos a cada US$ 1 aplicado no tratamento destes
transtornos, o retorno desse investimento para a economia é de US$ 4, tendo em vista que os
pacientes afetados, retornam ao trabalho com mais produtividade e saúde para exercer sua
função.
Os recentes estudos sobre o quadro da ansiedade na pós graduação, têm mostrado uma
crescente no número em relação aos casos, a pressão exercida aos estudantes faz parecer
“natural” a relação do transtorno e o aluno no meio acadêmico, o não tratar deste problema
pode resultar em futuros profissionais com o quadro mental instável e pouco produtivo.
Este estudo busca entender a maneira que os pós graduandos lidam com a ansiedade
durante sua graduação para buscar maneiras de aperfeiçoar esses métodos para a criação de
uma cartilha educativa para auxiliar os estudantes a lidar melhor com este problema.

OBJETIVOS
Objetivo Geral:
Este trabalho tem como objetivo mostrar formas de lidar com a ansiedade no meio acadêmico
da pós graduação, usando como base metodológica uma análise qualitativa, pelo meio de,
revisão sistemática da literatura e entrevistas estruturadas, com ex-alunos da pós graduação e
alunos com o curso em andamento para triangulação de dados.
Criando assim uma cartilha educativa para auxiliar o estudante a lidar com este
problema recorrente no cenário acadêmico.

Objetivos Específicos:

1. Fazer uma revisão sistemática da literatura para maior compreensão do assunto


2. Identificar os estudantes que consideram sofre de ansiedade
3. Entrevistar-lós
4. Verificar como a ansiedade afeta esses estudantes
5. Investigar quais os principais “gatilhos” da ansiedade
6. Demonstrar como a ansiedade prejudica a produtividade
7. Identificar se esses estudantes ver ansiedade como um mal
8. Desenvolver uma cartilha educativa de auto ajuda aos estudantes que sofrem de
ansiedade

REVISÃO TEÓRICA
A preocupação com a saúde mental de estudantes em formação não é um tema novo e agora
mais do que nunca ele tem sido debatido, assuntos relacionando a ansiedade e insegurança
com problemas na graduação de estudantes está se tornando recorrente .
Através de uma busca bibliográfica conseguiu-se informações pertinentes ao estudo,
aplicando a string de busca(("Ansiedade") AND ("estudantes de pós graduação") AND
(("lidar") OR ("Combate")) ) fez-se uma revisão teórica acerca do tema, conseguiu-se ao todo
aproximadamente 600 resultados sendo desses muitos com pouca ou até de mínima
importância para o estudo, aplicando critérios de exclusão e inclusão como datas a partir de
2005, aceitação de Teses, dissertações, TCC, inclusão de artigos e notas científicas, além da
verificação manual através de uma leitura prévia das pesquisas, para conferir sua importância.
Conseguiu-se um total de 10 pesquisas relacionadas ao tema, sendo : Um TCC, uma Tese,
uma Revista Científica, três Artigos, três Dissertações e uma Nota científica.
Na pós-graduação o assunto tem sido bastante explorado ( “​GARCIA DA COSTA, Everton;
NEBEL, Letícia. agosto de 2018 ; REZENDE, 2016 ; NOVAES MALAGRIS, Lucia Emmanoel
et al . 2019 ; FARO, André. 2019 ; SANTOS, Anelise Schaurich dos. 2015 ; Oliveira, Natália
Gastaud de. 2011 ; MORAES, F. T. 2018 ; OLIVEIRA, Rosalina Rodrigues de. 2012 ;
Galvan, Tatiana Cecagno. 2015 ; FARO, André. 2013 )​ . Embora existência dessas pesquisas,
pouco se diz a respeito de como os estudantes combatem esse mal psicológico que está sendo
relacionado à formação de pesquisadores. Desde a década de 90 já é possível encontrar
pesquisas relacionando o grau de desistência e de dificuldades na formação superior com a
ansiedade(“Opcional” HAYES. S.C. 1987, p. 327-387.) . Após essa década, apesar de ser um
número ainda abaixo do esperado é possível encontrar um número cada vez mais crescente
dessas pesquisas a respeito. Com a proposta de conhecer melhor o segmento da
pós-graduação e pensar no estado psicológico de seus estudantes, o estresse emocional
mostrou-se uma variável relevante, já que pode contribuir para prejuízos incalculáveis na
qualidade de vida do estudante (NOVAES MALAGRIS, 2019) . O termo estresse, trata-se de
um estado de tensão que está relacionado a uma ruptura no equilíbrio interno do organismo e,
até certo nível, é uma condição necessária e saudável que possibilita a realização de atividades
do cotidiano por parte de qualquer ser humano (Selye, 1965).
O estresse é definido como uma resposta física do nosso organismo a um estímulo, no
momento em que o indivíduo está estressado o corpo pensa que está sob algum tipo de ataque,
o que faz com que uma série de hormônios sejam liberados no cérebro, para preparar o corpo
para algum tipo de ação. Já através do estudo de (NOVAES MALAGRIS, 2019) sobre os
níveis de stress, temos que, as fontes de estresse são chamadas de estressores e podem se
referir a qualquer estímulo, negativo ou positivo, que provoque um estado emocional forte,
gerando uma quebra da homeostase interna e exigindo alguma adaptação (Lipp & Malagris,
2001; Straub, 2005; Lipp, Malagris & Novais, 2007)
A diferença entre a taxa de ingresso e a taxa de conclusão dos cursos de mestrado e de
doutorado é conhecido como taxa de evasão da pós graduação, essa taxa conforme o decorrer
do tempo vem aumentando em vária universidades do país , um exemplo é o da USP -
Universidade de São Paulo, que no período entre 2009 a 2013 teve uma taxa de evasão igual a
11,5% dos pós graduandos (Santos, 2015).Em meio a tudo isso ainda há a Ansiedade
informacional que é dita por (Oliveira , 2011) como consequência da sobrecarga de
informação, é o intervalo entre o que se deseja saber e o que se sabe realmente, é
caracterizado como ânsia de saber mais do que realmente sabe, ou ainda a sensação de que os
outros sabem mais.
Com a revisão teórica, viu-se que um dos fatores que gera a existência da ansiedade são os
estressores que são produtos do estresse, como a pressão na vida universitária, ambiente
desconfortáveis, Carga de trabalho excessiva, níveis de incentivo , bombardeamento de
informações entre outros .Com o foco especificamente no entendimento e aos métodos de
combate à ansiedade , busca-se alternativas para enfrentar o desafio de viver com pressões,
demandas e excessivas cobranças da vida cotidiana, administrando o estresse e
consequentemente mantendo a saúde , que geralmente fica bastantante afetada, em níveis
recomendados . Em Oliveira (2011) se cita o neurologista Izquierdo que afirma : “ Um
excesso de informações simultâneas ou consecutivas pode saturar o sistema nervoso e torná-lo
basicamente inoperante durante vários minutos” , ele também confirma que para poder se
utilizar novamente de forma plena, é necessário conceder um descanso, se referindo aos
centros nervosos do cérebro. Entre algumas das causas do evidente problema de ansiedade
nos pós doutorandos está a figura do orientador como oferecendo, pressão exagerada, carga de
trabalho frequentemente excessiva, solidão e assédio moral, outra causa é o ambiente
geralmente estressante de convivência entre professores universitários, que acaba se
transferindo para o aluno , onde normalmente precisam lidar com prazos apertados, obter
financiamentos para projetos, dar aulas, orientar alunos, corrigir provas e teses, preparar
relatórios para agências, além de sofrerem pressão para produzir artigos de alto impacto. Junto
das pressões e dificuldades próprias da pós-graduação, estudantes precisam ainda lidar com a
estigmatização dos transtornos mentais dentro do ambiente acadêmico, onde ansiedade,
depressão e pânico são frequentemente associados à fraqueza, incapacidade e despreparo
(MORAES , 2017). Há também pressões financeiras estudantes contam, em seus depoimentos
MORAES, (2017), a situação de precariedade econômica que vivem devido ao valor das
bolsas de estudo, que não são reajustados desde 2013 , pois segundo eles não constituem
valores atrativos nem suficientes para exercer uma função altamente especializada e que, em
grande parte dos casos, demanda dedicação exclusiva.
Foi possível encontrar claras evidências de que os níveis de incentivos dos orientadores, o
ambiente apropriado , livre de estigmatização , com bolsas de estudo significativas , boa
organização do tempo, cuidar da saúde e atividades ocupacionais fora do âmbito acadêmico
contribuem de alguma forma para a diminuição dos níveis de estresse e para manter uma
saúde mental e psicológica livre de qualquer resquício de ansiedade e problemas relacionados
a saúde mental.
Com base nisso, este , distingue-se desses trabalhos no ponto de vista teórico e metodológico .
Aqui se apresenta relatos de sofrimento em doutorandos, com a complementação das medidas
cabíveis existentes a possível solução do combate a ansiedade durante seu período de
formação, partir de uma abordagem qualitativa. Com base nisso, os autores base deste estudo
são: Rezende( 2016); Garcia da Costa, Everton, Nebel, Letícia ( 2018) ; Faro, André (2013a,
2013b) ; Oliveira,(2011); MORAES, (2017) e Galvan, (2015). Com o foco nas medidas e
métodos usados para lidar com a ansiedade, foi-se analisado e estudado essas pesquisas
bibliográficas comparando o antes e depois de cada estudante, focando suas respectivas
mudanças de hábitos que proporcionaram uma melhora em seu estado psíquico mental.

MÉTODO
Abordagem de pesquisa
O método de pesquisa ao qual foi selecionado deve ser uma abordagem qualitativa,
pois trás uma maneira ao qual pode ter um maior aprofundamento no assunto da questão de
pesquisa, pois buscou-se entender o contexto do fenômeno. Assim a abordagem qualitativa se
encontra como mais adequado para o este trabalho.
Nesta pesquisa busca-se usar uma pesquisa-ação, através de entrevistas com os
indivíduos selecionados, revisão da sistemática da literatura, aprofundar na problemática
apresentada sobre como os estudantes lidam com ansiedade na pós graduação, assim podendo
identificar formas mais eficazes de controlar a ansiedade para a criação da cartilha educativa.
Indivíduos do estudo
Os indivíduos selecionados terão que ter uma relação direta com a proposta da
pesquisa, este público têm que ter obrigatoriamente ter feito pós graduação ou está cursando
uma, assim tendo que apresentar um perfil especificamente desejado para a entrevista. Uma
pesquisa qualitativa têm como principal fonte o indivíduo que tendem o conhecimento
empírico sobre o que deseja ser estudado, assim tendo que ter uma adequação para a
representatividade da pesquisa a ser respondida.
Os indivíduos a serem selecionados devem está cursando em um programa de pós
graduação da UFPB, por motivos de tornar o estudo mais viável, a amostra teria que ser por
conveniência.
Instrumentos para coletas de dados
A coleta de dados seria através de um formulário e uma entrevista estruturada,
primeiramente o formulário séria para selecionar intencionalmente os futuros entrevistados,
com perguntas sobre ansiedade no passado ou presente. Após selecionados os participantes da
entrevista buscaria assim através de um roteiro saber questões mais pertinentes que trariam as
repostas para a amostragem dos dados.
O formulário não foi elaborado, mas no futuro é de suma importância a elaboração
deste formulário para a seleção dos entrevistados.

Roteiro para entrevista:

Estruturada

Tipo : Funil

Você sabe o que é ansiedade?

Você conhece alguém que já desenvolveu ansiedade? Se sim, qual seu grau de
proximidade com a pessoa?

Durante a pós-graduação muitos estudantes tendem a desenvolver ansiedade. Você


acha que isto pode ter acontecido com você?

Em uma situação ao qual você se sentiu ansioso, qual era sua forma de agir (Como
você se sentia)?

Em comparação a sua graduação, o que você ver que mudou no seu estado mental e/ou
psicológico durante a pós-graduação?

Pessoas ansiosas têm algum distúrbio relacionado ao sono. Isto acontece ou aconteceu
com você?

Ansiedade é um dos principais problemas do mundo moderno, como você lida com
sua ansiedade?

Será realizada entrevistas individuais com os participantes pós graduandos de ambos os


sexos, independente de sua faixa etária, com números indefinidos de entrevistas,
prolongando-se até o entendimento de que com o material coletado será possível ser
respondida a questão de pesquisa, sendo ela não deixando brechas para possíveis desvios de
interpretações.
Todos os pesquisadores envolvidos têm domínio do assunto e experiência suficientes para
realizar a pesquisa, vindo de um preparo e estudo contingente com o tema em questão eles
terão capacidade e conhecimento, aplicando um questionário de pesquisa estruturada, para um
entendimento plano do assunto em questão.
Viável em termos de tempo e custos. Com tempo e recursos sendo acessíveis, pois com
pesquisadores com experiência na área , tendo um número base de 3 pesquisadores, o tempo
viável para a finalização da coleta de dados será acessível, com um prazo de 4 meses em
média.
Com a utilização de todas essas medidas torna-se essa uma pesquisa factível, conforme o
andamento da pesquisa poderá sofrer alguns ajustes como critérios de exclusão e inclusão
referente ao trabalho, como redefinir a amostra, usar outras estratégias de coleta de dados ,
alterar os métodos e os possíveis custos adicionais ou poupados, com isso sendo parte do
planejamento, para que estas medidas não comprometam a qualidade do estudo e
consequentemente o invalidando.
Para o investigador do ponto de vista curricular todas as pesquisas de âmbito acadêmico tem
um certo nível de interesse para o pesquisador pois contribuem tanto de modo curricular como
da perspectiva do conhecimento adquirido que é visto como motivação em geral para
qualquer pesquisador em sua plena realização de trabalho.
Tendo como base tanto estudos de caso como experiências passadas e relatadas em forma de
depoimentos, além de estudos científicos retratando mesmo que indiretamente o problema
central, essa pesquisa tem parte do conhecimento refutado em achados anteriores.
Expande os achados anteriores. Colocando todo esse conhecimento exposto através da
pesquisa e juntando todas as informações e fatos retratados e comprovados, além da pesquisa
específica que será realizada, tende-se a tanto expandir os achados anteriores, quanto a propor
novas descobertas.
Fornece novos achados. Como o intuito da maioria das pesquisas, sendo o de produzir novos
conhecimentos, esta não é diferente, sendo inspirada em questões e problemas já existentes, a
pesquisa será nova e inovadora, o resultado será de grande acréscimo ao conhecimento já
existente.
Cumpre as normas da resolução CNS 196/96. Sendo uma pesquisa totalmente realizada de
forma ética e tendo isso como a própria característica do projeto, a resolução CNS 196/9610
diz que toda pesquisa que envolve seres humanos, de forma direta ou indiretamente, podendo
causar o dano eventual ser imediato ou tardio, envolvendo riscos no indivíduo ou à
coletividade, dito isso e preservando a integridade de qualquer indivíduo participante da
pesquisa ela cumpre-rá as normas da resolução e das demais resoluções do CNS.
Para o conhecimento científico a pesquisa se torna relevante tanto do ponto de vista ao que se
agrega novos conhecimentos quanto do de abrir a possibilidade para pensar em novos
conhecimentos, expandindo o conhecimento existente as melhoras em geral se tornam cada
vez mais perceptíveis.
Para diretrizes clínicas e de saúde o transtorno de ansiedade afeta milhões pessoas ao redor do
mundo, e muito se gasta para o efetivo tratamento desse problema, tanto por parte do governo
de cada região até o investimento das instituições de saúde e de empresários, com o resultado
dessa pesquisa dependendo do grau de relevância e da qualidade dos resultados obtidos o
gasto para o tratamento desse transtorno seria reduzido, podendo haver até o remanejamento
do investimento para possíveis tratamento de outros problemas, além da contribuição gerada
individualmente para os pós graduandos.
Com isso e para direcionamentos futuros de pesquisa as possibilidades são inúmeras com o
auxílio a futuras decisões no âmbito do desenvolvimento social e científico.

REFERÊNCIAS

NOVAES MALAGRIS, Lucia Emmanoel et al . Níveis de estresse e características


sociobiográficas de alunos de pós-graduação. Psicol. rev. (Belo Horizonte)​, Belo Horizonte ,
v. 15, n. 2, p. 184-203, ago. 2009 . Disponível em
<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682009000200012&ln
g=pt&nrm=iso>. acessos em 25 set. 2019.

FARO, André. Um modelo explicativo para o bem-estar subjetivo: estudo com mestrandos e
doutorandos no Brasil. Psicol. Reflex. Crit.​, Porto Alegre , v. 26, n. 4, p. 654-662, Dec.
2013 . Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722013000400005&lng=e
n&nrm=iso>. access on 25 Sept. 2019.
http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000400005​.

SANTOS, Anelise Schaurich dos. THE ENTRANCE IN MASTER DEGREE AND THE
ADJUSTMENT TO GRADUATE. 2015. 82 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) -
Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

REZENDE, Marise Santana de. Stress e desempenho acadêmico na pós-graduação stricto


sensu em Ciências Contábeis no Brasil. 2016. 145 f. Dissertação (Mestrado em Ciências
Contábeis) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.

Oliveira, Natália Gastaud de. Ansiedade informacional : o caso dos estudantes de


pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2011.
http://hdl.handle.net/10183/37539

GARCIA DA COSTA, Everton; NEBEL, Letícia. O quanto vale a dor? Estudo sobre a saúde
mental de estudantes de pós-graduação no Brasil. Polis​, Santiago , v. 17, n. 50, p. 207-227,
agosto 2018 . Disponible en
<https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718-65682018000200207&lng
=es&nrm=iso>. accedido en 25 sept. 2019.
http://dx.doi.org/10.4067/S0718-65682018000200207​.

MORAES, F. T. Estudantes de mestrado e doutorado relatam suas dores na pós-graduação.


Folha de S. Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2018.

OLIVEIRA, Rosalina Rodrigues de. Educação integral: cartografia do mal-estar e desafios


para a formação docente. 2012. 211 f. Tese (Doutorado em Educação)—Universidade de
Brasília, Brasília, 2012.

Galvan, Tatiana Cecagno. Carga de trabalho : definição, fatores influentes e identificação de


causas raiz. Dissertação - ​Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2015
http://hdl.handle.net/10183/118871
FARO, André. Estresse e estressores na pós-graduação: estudo com mestrandos e doutorandos
no Brasil. Psic.: Teor. e Pesq.​, Brasília , v. 29, n. 1, p. 51-60, Mar. 2013 . Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722013000100007&lng=e
n&nrm=iso>. access on 25 Sept. 2019.
http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722013000100007​.

https://canaltech.com.br/internet/pesquisa-do-ibge-revela-que-aumentou-o-numero-de-usuario
s-de-internet-no-brasil-129545/

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/04/02/A-taxa-de-depress%C3%A3o-entre-estu
dantes-da-p%C3%B3s-gradua%C3%A7%C3%A3o-segundo-esta-pesquisa

https://www.tecmundo.com.br/internet/126654-4-bilhoes-pessoas-usam-internet-no-mundo.ht
m

https://medium.com/mariangela-guerra/a-estreita-rela%C3%A7%C3%A3o-entre-ansiedade-e-
o-desempenho-profissional-c954227de6e1

http://www.ebc.com.br/noticias/saude/2016/04/depressao-e-ansiedade-custam-por-ano-us-1-tr
ilhao-economia-global

Você também pode gostar