Você está na página 1de 6

Criptorquidio Palpação rectal t.

abdominal
inguinal abdominal
t. inguinal não se sente a
inguinal
Anestesia geral
parainguinal passagem
• Incisão dos ductos
flanco deferentes
através do
anel vaginal
• Não invasivo 1-2 dedos introduzidos na cavidade
abdominal
Palpação externa

• Invasivo Mão inteira na cavidade abdominal 1-bexiga, 2-anel inguinal, 3-flexura


pélvica, 4-baço, 5-rim esquerdo, 7-ceco,
8-intestino delgado

Inguinal e parainguinal

Anestesia geral, decúbito dorsal com o cavalo ligeiramente


inclinado de maneira que o lado do testículo criptorquidio
esteja a um nível superior → evitar que o intestino desça
por gravidade para o anel vaginal

Acesso inguinal

1- Incisão cutânea sobre o anel


inguinal externo, ou na base do
escroto, de 8 a 15 cm
incisão

2- Dissecção digital para separar a


fáscia inguinal subcutânea até expor o
anel inguinal externo. Evitar
traumatizar a veia pudenda externa 2 incisões na área do escroto Dissecção digital até ao anel inguinal

1
3- A dissecção é continuada pelo canal inguinal onde
geralmente encontram-se os testículos inguinais

Testículo
inguinal
Canal
inguinal

O processo vaginal é aberto e o testículo é removido

Testículo abdominal

4- Localiza-se o processo vaginal que contem o epididimo ou uma


porção do gobernáculo que poderão ser usados para localizar e
puxar o testículo abdominal
Testículo
Encontra-se no
parcialmente
canal inguinal
abdominal
Processo vaginal

Encontra-se
Testículo
invertido na
completamente
cavidade
abdominal
abdominal

2
5- Everte-se o processo vaginal para o canal inguinal exercendo
tracção no gubernáculo
a) Com o dedo indicador e
O gubernáculo é localizado nas margens do o polegar de uma das
canal inguinal superficial como uma banda mãos retrai-se e puxa-se
fibrosa que desce pelo canal as bandas fibrosas na zona
de junção do terço médio
Pode ser localizado tanto Anel inguinal e cranial do anel inguinal
no bordo medial como no enquanto que o polegar e
lateral e geralmente indicador da outra mão
encontra-se na junção do seguem o prolongamento
terço médio com o terço da fáscia para dentro do
cranial do anel canal inguinal
Extensão
inguinal do
gubernáculo

Anel inguinal

b) Insere-se um dedo pelo canal


inguinal e localiza-se o processo Fórceps
vaginal coloca-se uma pinça

Faz-se tracção e Processo vaginal


everte-se o processo
vaginal Extensão inguinal do
gubernáculo

3
6- Incisão no processo vaginal 9- Fazendo tracção no ligamento próprio o testículo poderá ser
puxado através do anel vaginal e exteriorizado
Processo
vaginal
7- O epidídimo é exteriorizado
com o auxílio de uma pinça 10- O anel poderá ter que
hemostática ser dilatado para a Testículo
passagem do testículo

Epidídimo é puxado 11- Procede-se à castração

O pedículo vascular
8- Localiza-se a cauda
pode ser pequeno e não
do epidídimo
ser possível colocar o
O ligamento próprio do emasculador
testículo conecta a a cauda do
epidídimo ao polo caudal do ligaduras com fio
testículo absorvível

12- Sutura do anel inguinal externo

13- Sutura da fáscia inguinal


14- Sutura da pele

Acesso parainguinal
1- Incisão de 4 cm sobre a aponevrose do
músculo abdominal oblíquo externo 1 a 2
cm medial e paralela ao anel inguinal
externo. A incisão é centrada no aspecto
cranial do anel

2- O músculo abdominal oblíquo interno é separado na direcção


das fibras
3- O peritoneu é penetrado pelos dedos médio e indicador

4
4- O canal vaginal é palpado caudolateralmente ao ponto de
entrada no abdómen

5- O epidídimo, ducto 7- Remoção do testículo


deferente e gubernáculo
são localizados perto do
anel 8- Sutura da aponevrose

Segura-se uma destas


estruturas entre os
dedos indicador e
médio puxando-a e
exteriorizando-a

6- Localiza-se a cauda do epidídimo

5
6