Você está na página 1de 5

Universidade Federal do Paraná

Departamento de Zootecnia
Centro de Pesquisa em Forragicultura
(CPFOR)

EXCESSO DE PICAGEM NA SILAGEM DE MILHO: DESEMPENHO E


SAÚDE DAS VACAS
Elinton Weinert Carneiro
Méd. Vet. – CPFOR/UFPR
carneirowc@brturbo.com.br

A silagem de milho é o principal alimento volumoso suplementar usado


no Brasil para animais de corte e leite, sendo ainda o principal ingrediente
componente das rações de animais confinados.
Para realizar o processo de ensilagem, o produtor e o técnico
responsável devem estar atentos a todos os passos, como: Escolha da cultura
e da variedade a ser plantada; Época de plantio; Adubação e manejo da
lavoura; Ponto de colheita; Tipo de máquina e picagem da cultura a ser
ensilada; Compactação e vedação; Retirada e fornecimento aos animais.
Dentre estes passos, destaca-se a regulagem do implemento de
picagem da lavoura, que derminará o tamanho médio das partículas. Este
aspecto é muito importante no manejo nutricional, em especial no sistema
intensivo de criação de bovinos. Muito já foi falado sobre os problemas de
forragens mal picadas, prejudicando a compactação no silo e o consumo dos
animais. Aqui discutiremos a situação oposta, a picagem em excesso.
O excesso de picagem (Figura 1) provoca distúrbios digestivos, pela
redução do tempo demastigação e ruminação, o que provoca menor salivação
e queda na liberação de bicarbonato de sódio no rúmem, via saliva, resultando
em queda no pH ruminal (acidose). Esse quadro poderá se agravar quando
ocorre menor oferta de gramíneas verdes ou conservadas, num prazo
específico, ou por longos períodos. Vale lembrar que quanto maior o nível de
produção de leite das vacas, mais crítico será o problema do excesso de
picagem.

Centro de Pesquisa em Forragicultura – UFPR


Rua dos Funcionários, 1540 – Juvevê – Curitiba/PR – 80035-050
Tel: (41) 3350-5704 Email: patricks@ufpr.br
www.ensilagem.com.br
Figura 1. Processamento excessivo na ensilagem.

A acidose ruminal provoca diminuição da motilidade do rúmen, diminui a


ruminação e o consumo de alimentos, altera a fermentação da fibra, além de
acarretar problemas mais severos como laminite (Figura 2). Adicionalmente a
todos estes fatores, ocorre queda na produção da gordura do leite.

Figura 2. Animal com laminite.

É importante lembrar do pagamento do leite pela qualidade, e um dos


fatores que impactam no preço é justamente a gordura. Pode-se afirmar que a
redução excessiva do tamanho da partícula das forragens utilizadas na dieta
das vacas impacta negativamente o teor de gordura no leite. Este é outro
motivo importante para que o técnico e ao produtor monitorem periodicamente
o desempenho dos animais, pois o manejo nutricional deve ser ajustado
baseando-se no impacto direto sobre a qualidade e quantidade de leite
produzido.
Para evitar os transtornos provocados pela excessiva picagem das
silagens, é necessário ficar atento durante o processo de ensilagem.

Centro de Pesquisa em Forragicultura – UFPR


Rua dos Funcionários, 1540 – Juvevê – Curitiba/PR – 80035-050
Tel: (41) 3350-5704 Email: patricks@ufpr.br
www.ensilagem.com.br
Atualmente há dois sistemas operacionais de produção de silagens, seja
através do uso de máquinas próprias (1 ou 2 linhas) ou seja através da
terceirização (automotrizes com 4 a 12 linhas). Em ambas as formas, deve-se
atentar para a regulagem do tamanho da partícula, evitando os dois extremos,
nem muito fina, nem muito grossa.
Ao utilizar as máquinas da fazenda, normalmente com produção de 3 a 5
ha por dia, procurar manter um equilibrio entre a picagem da forragem e o
processamento dos grãos. Ao aumentar o tamanho da partícula na picagem da
forragem, diminui-se a quebra dos grãos, ou seja, mais grãos vão para o silo
sem terem passado por uma ação mecânica na ensiladeira, o que não expõe o
amido a digestão no animal, aumentando a perda de grãos nas fezes (Figura
3).

Figura 3. Perda de grãos no esterco por erro no processo de ensilagem.

Já nas automotrizes, utilizadas na terceirização, pode-se- fazer o ajuste


de aumento no tamanho da partícula, mantendo o processamento dos grãos,
pois essas máquinas possuem um sistema de rolos chamado de “corn-cracker”
com abertura entre 1,8 e 3 mm, e que faz a prensagem de toda a massa a ser
ensilada, esmagando os grãos e facilitando a digestão pelos animais. Porém,
muitas vezes o operador opta por diminuir o tamanho da partícula e aumentar a
abertura dos rolos, o que melhora o desempenho do implemento de colheita,
porém compromete o desempenho dos animais.

Centro de Pesquisa em Forragicultura – UFPR


Rua dos Funcionários, 1540 – Juvevê – Curitiba/PR – 80035-050
Tel: (41) 3350-5704 Email: patricks@ufpr.br
www.ensilagem.com.br
Nos sistemas intensivos de produção de leite, com o uso maior de
concentrados na dieta, se procura um tamanho médio de partícula maior, mas
sem comprometer o processamento dos grãos. Neste caso, o
acompanhamento no momento da ensilagem é fundamental para se evitar
transtornos digestivos, durante o fornecimento aos animais.
Outro fator que tem contribuído para a redução do tamanho das
partículas é a utilização de vagão TOTALMIX autocarregável, o qual retira a
silagem através de uma fresa (tipo - enxada rotativa), reduzindo o tamanho da
partícula (Figura 4). Após a retirada de silagem no silo, vai-se acrescentando
os ingredientes para fazer a mistura completa, o que dependendo do tempo de
mistura, reduz mais uma vez o tamanho da partícula.

Figura 4. Vagão TOTALMIX autocarregável - retirada da silagem com uma


fresa.

Diante do exposto, pode-se concluir que temos a possibilidade de


manipular o tamanho das partículas da dieta. O processo da ensilagem deve
ser monitorado, ajustando o equipamento para que o tamanho das partículas e
o processamento dos grãos saiam de acordo com o que se deseja. Não

Centro de Pesquisa em Forragicultura – UFPR


Rua dos Funcionários, 1540 – Juvevê – Curitiba/PR – 80035-050
Tel: (41) 3350-5704 Email: patricks@ufpr.br
www.ensilagem.com.br
esquecer de que com o passar do tempo, os equipamentos tendem a perder a
afiação e podem precisar de ajustes quanto à picagem, dependendo do tempo
que se está ensilando e do estágio da planta.
Os padrões para a picagem podem ser aferidos pelo sistema de
peneiras “PENN STATE PARTICLE SIZE SEPARATOR”, onde se utilizam 3
peneiras com crivos de diferentes diâmetros, estratificando o tamanho das
partículas e o percentual de cada um sobre o volume total. Essa técnica será
abordada em um próximo artigo.
O processamento e o manuseio excessivos das silagens de milho fazem
com que haja uma menor efetividade da fibra, piorando o desempenho e a
saúde dos animais, o que gera perdas econômicas consideráveis. Deve-se
lembrar de que o planejamento para o processo de ensilagem adequado inicia
com uma boa revisão e regulagem das máquinas e equipamentos utilizados.
Durante a ensilagem, fazer o acompanhamento do tamanho das partículas,
ajustando a ensiladeira quando necessário. Nem muito grande, nem picado
demais.
Prestando atenção nestes aspectos, e garantindo o planejamento e a
execução da ensilagem com qualidade, o produtor terá como consequência
um rebanho mais saudável e retorno financeiro mais satisfatório.

Centro de Pesquisa em Forragicultura – UFPR


Rua dos Funcionários, 1540 – Juvevê – Curitiba/PR – 80035-050
Tel: (41) 3350-5704 Email: patricks@ufpr.br
www.ensilagem.com.br

Você também pode gostar