Você está na página 1de 76

Orma regulamentadores

QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1


PROF. ALEXANDRE SABINO

Oi, tudo bem?

Antes de qualquer coisa, deixe-me apresentar. Meu nome é Alexandre Sabino de


Oliveira, sou Auditor-Fiscal do Trabalho atuante na área de Segurança e Saúde no
Trabalho – SST e desde 2011 tenho publicado videoaulas gratuitas no Youtube para
democratizar (e porque não “desmistificar”) o conteúdo das Normas Regulamentadoras
– as famosas NR’s!

E durante todo esse tempo em que pessoas de todas as regiões do país têm entrado
em contato comigo, não foram poucas as que pediram para que eu preparasse um
estudo mais direcionado, mais profundo e que contivesse um conteúdo mais detalhado
do que aquele apresentado nas videoaulas.

Pois bem! Foi justamente para atender a esses pedidos que surgiu a minha antiga série
de e-books em .pdf que eu chamei de “Começando com o pé direito”. Eu não
pretendia, com eles, esgotar o tema. Longe disso! Meu objetivo era tão somente o de
comentar, com base no meu entendimento das NR’s e na prática do dia-a-dia da
Fiscalização do Trabalho, cada um dos itens contidos nessas aparentemente
complicadas Normas Regulamentadoras.

Entretanto, com o fim do antigo Ministério do Trabalho – MTb (vide lei 13.844 de 18 de
junho de 2019) e com o discurso de modernização das NR’s, aqui estou eu novamente:
dessa vez, para compartilhar algumas reflexões pessoais sobre a Nova NR-1
atualmente em vigor.

Publicada em 30 de julho de 2019, a Portaria 915 (que trouxe a alteração da redação


da NR-1) também revogou a agora antiga NR-2, que tratava da Inspeção Prévia. Já
era!!

Se você tiver interesse em saber um pouquinho sobre a NR-2, pode estudá-la através
da minha videoaula sobre o assunto: é só clicar AQUI.

Agora, vamos ao que interessa!

Este material está organizado da seguinte maneira:

2
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

O texto da NR vem em negrito e formatado de margem à margem.

1.1.1 O objetivo desta Norma é estabelecer as disposições gerais, o campo de


aplicação, os termos e as definições comuns às Normas Regulamentadoras - NR
relativas à segurança e saúde no trabalho.

Levemente recuados, com uma fonte menor e precedidos de uma seta, estão
os meus comentários sobre o item da Norma.

➔ Antes de qualquer coisa, é importante salientar que a Norma Regulamentadora nº 1 é


aquela NR que vai traçar as diretrizes das demais NR’s, daí seu nome “Disposições Gerais”.

Quando alguma transcrição for necessária (no caso de Lei, Portaria, etc),
ela virá ainda mais recuada, em itálico e numa fonte ainda mais reduzida.

Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza (...)

Com relação à citação literal dos dispositivos normativos e legais que vierem recuados
e em itálico, toda vez que eles estiverem em negrito e/ou sublinhados fui eu que quis
chamar a atenção, tudo bem?

Importante ressaltar que as observações feitas neste material não são,


necessariamente, a posição definitiva da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho ou do
Ministério da Economia sobre os temas abordados. Para obtê-la, é preciso que você
requisite, por escrito, tal posicionamento na unidade mais próxima da Inspeção do
Trabalho.

Te desejo um ótimo estudo!!

Att,

Prof. Alexandre Sabino (@alexandresabinoaft)

3
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

INTRODUÇÃO

A “Nova NR-1” foi introduzida no nosso ordenamento jurídico através da Portaria 915,
de 30 de julho de 2019. Essa Portaria não traz apenas a nova redação da NR-1. Ela
nos apresenta, também, a revogação da NR-2 / Inspeção Prévia e do Anexo III da NR-
20 – Diretrizes e requisitos mínimos para utilização da modalidade de ensino à
distância e semipresencial para capacitações, além da revogação de diversos outros
itens presentes nas demais Normas Regulamentadoras. Todos esses itens revogados,
citados no Anexo II da Portaria 915, são apresentados ao final deste material.

Importante destacar, também, a menção à Portaria nº 787, de 27 de novembro de


2018, que trata das regras de aplicação, interpretação e de estruturação das NR’s.

O art. 7º da Portaria 915 (que trouxe a nova redação da NR-1) tem a seguinte redação:

Art. 7º - Determinar, conforme previsto na Portaria SIT nº 787, de 27 de novembro de 2018, que
a Norma Regulamentadora nº 01 e seus Anexos serão interpretados conforme o disposto na
tabela abaixo:

Regulamento Tipificação
NR-01 NR Geral
Anexo I Tipo 3
Anexo II Tipo 1

O que isso significa? O art. 3º da própria Portaria 787 explica:

Art. 3º - As NR são classificadas em normas gerais, especiais e setoriais.

§1º Consideram-se gerais as normas que regulamentam aspectos decorrentes da relação


jurídica prevista na Lei sem estarem condicionadas a outros requisitos, como atividades,
instalações, equipamentos ou setores e atividades econômicos específicos.

§2º Consideram-se especiais as normas que regulamentam a execução do trabalho


considerando as atividades, instalações ou equipamentos empregados, sem estarem
condicionadas a setores ou atividades econômicas específicos.

4
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

§3º Consideram-se setoriais as normas que regulamentam a execução do trabalho em setores


ou atividades econômicas específicos.

Ou seja: a Nova NR-1, como o próprio quadro apresentado nos diz, é uma NR Geral,
isto é, é aplicada a qualquer ramo de atividade e em qualquer circunstância (desde que
obedecidos os requisitos constantes em seu texto, evidentemente).

Já as NR’s 6 (EPI), 8 (Edificações), 10 (Instalações e Serviços em Eletricidade) e a 12


(Máquinas e Equipamentos), por exemplo, seriam NR’s Especiais, uma vez que
estabelecem regras de trabalho sem se vincularem a um setor específico.

Por sua vez, NR’s como a 18 (Construção Civil), a 22 (Mineração) e a 29 (Trabalho


Portuário), por regulamentarem a execução de atividades em setores determinados,
são consideradas NR’s Setoriais.

Mas o art. 7º da Portaria 915 vai além! Ele estabelece que os Anexos I e II da Nova NR
1 são, respectivamente, do Tipo 3 e 1.

E agora?

Calma! rs...

De novo, a resposta está na Portaria 787, mais precisamente em seus artigos de


número 7 e 11:

Art. 7º - Os Anexos, além da classificação específica das NR às quais pertencem, podem ser
classificados segundo Tipo 1, Tipo 2 e Tipo 3.

§1º O Anexo Tipo 1 complementa diretamente a parte geral da NR.

§2º O Anexo Tipo 2 dispõe sobre situação específica.

§3º O Anexo Tipo 3 não interfere na NR, apenas exemplifica ou define seus termos.

Art. 11 - Em caso de conflito aparente entre dispositivos de Anexo de NR e da parte geral desta,
sua solução dar-se-á pela aplicação das regras seguintes:

I. parte geral de NR se sobrepõe ao Anexo Tipo 1;

II. Anexo Tipo 2, considerando o seu campo de aplicação, sobrepõe-se à parte geral de NR.

5
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Voltando para o caso específico da Nova NR-1, temos que o seu Anexo I – Termos e
Definições, sendo do Tipo 3, apenas define algumas expressões que a própria Norma
utiliza, não sendo uma REGRA de SST propriamente dita.

Situação diversa é a que ocorre com o seu Anexo II - Diretrizes e requisitos mínimos
para utilização da modalidade de ensino a distância e semipresencial. Sendo do Tipo 1,
ele complementa diretamente a parte geral da NR, sendo tão obrigatório quanto os
itens presentes no texto geral da Norma.

Caso você queira se debruçar sobre as regras de aplicação e interpretação das


Normas Regulamentadoras, a SIT – Subsecretaria de Inspeção do Trabalho preparou o
Guia de elaboração e revisão de Normas Regulamentadoras em Segurança e Saúde
no Trabalho, um material de excelente qualidade que você pode baixar gratuitamente
clicando AQUI.

Dito isso, vamos finalmente ao que realmente interessa: a Nova NR-1!

6
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

NR 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS
(com base na redação da Portaria nº 915, de 30/07/2019)

Sumário

1.1 Objetivo

1.2 Campo de aplicação

1.3 Competências e estrutura

1.4 Direitos e deveres

1.5 Da prestação de informação digital e digitalização de documentos

1.6 Capacitação e treinamento em Segurança e Saúde no Trabalho

1.7 Tratamento diferenciado ao Microempreendedor Individual - MEI, à Microempresa -


ME e à Empresa de Pequeno Porte - EPP

1.8 Disposições finais

Anexo I - Termos e definições

Anexo II - Diretrizes e requisitos mínimos para utilização da modalidade de ensino a


distância e semipresencial.

1.1 Objetivo

1.1.1 O objetivo desta Norma é estabelecer as disposições gerais, o campo de


aplicação, os termos e as definições comuns às Normas Regulamentadoras - NR
relativas à segurança e saúde no trabalho.

➔ Antes de qualquer coisa, é importante salientar que a Norma Regulamentadora nº 1 é


aquela NR que vai traçar as diretrizes das demais NR’s, daí seu nome “Disposições Gerais”.

7
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Ela surge com o objetivo de esclarecer à sociedade qual é o fio condutor de todo o
arcabouço normativo relacionado à área de SST e os termos mais frequentemente utilizados
nas Normas. É como se ela desse um spoiler! rs...

1.1.2 Para fins de aplicação das Normas Regulamentadoras - NR, consideram-se


os termos e definições constantes no Anexo I.

➔ O Anexo I da nova NR-1 se chama “Termos e Definições”. Como o próprio nome diz, ele
vem explicar os conceitos dos termos e das expressões encontrados nas Normas
Regulamentadoras como um todo, tais como a diferença entre empregado e trabalhador,
definir perigo ou fator de risco, entre outros.

1.2 Campo de aplicação

1.2.1 As NR obrigam, nos termos da lei, empregadores e empregados, urbanos e


rurais.

➔ “nos termos da lei”. A partir de agora, nós vamos encontrar essa expressão diversas
vezes no conteúdo das NR’s. O que ele diz pra gente? Significa dizer, salvo melhor juízo,
que não adianta vir com divagações, pensamentos filosóficos ou doutrinários acerca do
conteúdo das Normas. Precisamos nos ater ao texto! Se isso é bom ou ruim, só o tempo
dirá... (até porque, para adentrarmos nesse assunto, teríamos que partir para uma análise
hermenêutica dos dispositivos normativos e não é esse o objetivo deste material).

O item 1.2.1 deixa claro que não importa se você está em ambiente urbano ou rural, se você
é o empregador ou o empregado: TODOS estão obrigados a cumprir as Normas
Regulamentadoras de Segurança e Saúde no Trabalho “nos termos da lei”. Não se esqueça
disso, ok?

8
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

1.2.1.1 As NR são de observância obrigatória pelas organizações e pelos órgãos


públicos da administração direta e indireta, bem como pelos órgãos dos Poderes
Legislativo, Judiciário e Ministério Público, que possuam empregados regidos
pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.

➔ Este item é praticamente a cópia do 1º item da antiga NR-1.

A nova redação da NR-1 continua deixando bastante claro: “que possuam empregados
regidos pela CLT”. Segundo a redação do item 1.2.1.1, APENAS os trabalhadores com a
Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS assinada são alcançados pelos
dispositivos normativos existentes nas NR’s. Sendo assim, profissionais autônomos, sócios
de empresas, funcionários públicos estatutários e prestadores de serviço eventuais, apenas
para darmos alguns exemplos, não obrigatoriamente precisariam estar submetidos às
proteções existentes nas Normas Regulamentadoras.

Contudo, vem ganhando força uma linha de raciocínio que diz que, embora o item 1.2.2.1 da
nova NR-1 restrinja a obrigatoriedade da implementação das NR’s apenas aos
trabalhadores celetistas (aqueles que têm vínculo empregatício regido pela CLT), elas
devem ser aplicadas indistintamente a todos os trabalhadores por força de alguns artigos da
Constituição Federal de 1988, entre eles:

Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza (...)

Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o


transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a
assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de
sua condição social:

XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e
segurança;

XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e


o trabalhador avulso.

Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e
econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso
universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

9
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Como se não bastassem os artigos presentes na CF/88, temos também o Código Civil, que
deixa claro:

Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a
repará-lo.

Parágrafo único. Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos
especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano
implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem.

Art. 949. No caso de lesão ou outra ofensa à saúde, o ofensor indenizará o ofendido das
despesas do tratamento e dos lucros cessantes até ao fim da convalescença, além de algum
outro prejuízo que o ofendido prove haver sofrido.

Resumidamente falando, enquanto a Constituição esclarece que segurança e saúde são


direitos de todos e que todos são iguais perante a lei sem qualquer tipo de distinção, o
Código Civil alerta que aquele que causar dano tem o dever de repará-lo – e se esse dano
for causado à saúde ou à integridade física, o ofendido tem o direito de ter todo o seu
tratamento custeado pelo ofensor até a sua completa recuperação.

E aí? As NR’s estão verdadeiramente restritas apenas aos celetistas? Ao leitor fica
reservado o direito por qual das duas correntes ideológicas optar. Mas lembre-se: “nos
termos da lei”. Qual lei? A Constituição? O Código Civil? A CLT? As NR’s? Pois é. Quanto
mais a gente mexe, pior fica! É briga de cachorro grande. hehehe

Mas você pode estar se perguntando: “- Sabino, você disse que a redação desse item é
praticamente a mesma da antiga NR-1. O que mudou?”

Vamos lá!

A antiga NR-1 trazia a seguinte redação em seu item 1.1:

1.1. As Normas Regulamentadoras - NR, relativas à segurança e medicina do trabalho, são de


observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos órgãos públicos da
administração direta e indireta, bem como pelos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, que
possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.

10
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Só pra chamar a sua atenção, eu vou reescrever o item 1.2.1.1 da nova NR-1 destacando
alguns trechos:

1.2.1.1. As NR [tiraram a parte que dizia ‘relativas à segurança e medicina do trabalho’] são de
observância obrigatória pelas organizações [substituíram ‘empresas privadas e públicas’ por
‘organizações’] e pelos órgãos públicos da administração direta e indireta, bem como pelos
órgãos dos Poderes Legislativo, Judiciário e Ministério Público [citar o MP foi novidade!], que
possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho – CLT.

Alguns comentários são importantes aqui.

A substituição de “empresas privadas e públicas” por “organizações” dá mais amplitude ao


conceito. Uma empresa, para existir, precisar ter contrato social, registro na Junta
Comercial, CNPJ e etc. Uma organização, por sua vez, é formada simplesmente pela soma
de pessoas, recursos financeiros, instalações, equipamentos e outros.

Um exemplo simples: uma organização religiosa precisa cumprir as NR’s? Pelo texto da
antiga NR-1, que se referia a empresas privadas e públicas, poderiam surgir vários tipos de
questionamentos... Mas pelo novo texto, que se refere a “organizações” ao invés de
“empresas”, fica claro que ela também está obrigada a implementar as exigências das
Normas Regulamentadoras (desde que possua empregados regidos pela CLT,
evidentemente). Entendido?

O Código Civil traz a diferenciação entre as pessoas jurídicas de direito privado em seu art.
44, entre elas as empresas privadas e as organizações religiosas. Se você quiser se
aprofundar no tema, eu encontrei uma postagem interessante na internet que traça
comentários sobre ele. É só clicar AQUI.

Outro ponto que merece destaque é a inclusão do Ministério Público.

Uma vez que o MP é um órgão independente e possui autonomia funcional, ele não integra
nem o Poder Executivo, nem o Legislativo e nem o Judiciário. Dessa forma, ponto positivo
para a Nova NR-1 ao estabelecer que também o MP deve implementar as NR’s caso
possua celetistas em seus estabelecimentos.

“- Sabino, e porque o item 1.2.1.1 não cita o Poder Executivo?”

E quem disse que não? “Órgãos públicos da administração direta e indireta”. Leia-se “Poder
Executivo”, aquele responsável por administrar os interesses públicos e fiscalizar o

11
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

cumprimento das leis. As atribuições, prerrogativas e deveres do executivo brasileiro são


apresentadas no Título IV, Capítulo II da Constituição Federal de 1988.

Agora, voltando às nossas reflexões sobre a Nova NR-1...

1.2.1.2 Nos termos previstos em lei, aplica-se o disposto nas NR a outras


relações jurídicas.

➔ “nos termos previstos lei”, “nos termos da lei”, “na forma da lei” ... Tudo a mesma coisa!

Como o item 1.2.1.1 estabelece que as NR’s têm o seu cumprimento obrigatório apenas
quando os empregados estiverem sob o regime celetista, o item 1.2.1.2 vem dizer que elas
também são obrigatórias em outras relações jurídicas dependendo do dispositivo legal ou
normativo em questão.

Por exemplo, uma prefeitura onde todos os funcionários sejam estatutários que assina um
Termo de Ajustamento de Conduta junto ao Ministério Público se obrigando a aplicar as
NR’s a todos os seus funcionários, indistintamente. Nesse caso, mesmo não sendo
celetistas, esses trabalhadores também seriam alcançados pelas Normas
Regulamentadoras. Beleza?

Outro detalhe: “lei”, aqui, é entendida em seu sentido amplo. Quaisquer Leis, Normas,
Portarias, Decretos, Convenções e Resoluções entram nesse conceito – respeitando,
evidentemente, a hierarquia entre elas. Constituição > Lei > Portaria, etc...

1.2.2 A observância das NR não desobriga as organizações do cumprimento de


outras disposições que, com relação à matéria, sejam incluídas em códigos de
obras ou regulamentos sanitários dos Estados ou Municípios, bem como
daquelas oriundas de convenções e acordos coletivos de trabalho.

➔ Suponhamos que a NR-18, que trata da Segurança e Saúde do Trabalho na Indústria da


Construção Civil, seja omissa com relação a um item que esteja presente no Código de
Obras de determinado município. O empreiteiro, sob o argumento de que cumpre a NR-18,
não pode deixar de cumprir, também, aquela exigência do Código de Obras (desde que
esteja construindo dentro dos limites daquele município, evidentemente).

Esse mesmo raciocínio é aplicado a obrigações contidas em cláusulas de Convenções ou


Acordos Coletivos de Trabalho – CCTs ou ACTs que estejam ausentes nas NR’s. As CCTs

12
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

são um conjunto de regras firmado entre os sindicatos representativos dos trabalhadores e


das empresas e, por isso, fazem lei entre as partes. Logo, são igualmente obrigatórios!

Há uma expressão muita usada no meio jurídico para representar essa ideia: “pacta sunt
survanda”, que significa algo em torno de “o contrato faz lei entre as partes”. É aquele velho
ditado que nos diz que “o combinado não sai caro”. É bem por aí ...

Lembre-se que o conteúdo presente nas NR’s é o conteúdo mínimo necessário para a
manutenção da segurança e saúde dos trabalhadores. Dessa forma, não há problema
algum que outros dispositivos de cumprimento obrigatório acrescentem elementos protetivos
em seus textos. Concorda?

1.3 Competências e estrutura

1.3.1 A Secretaria de Trabalho - STRAB, por meio da Subsecretaria de Inspeção


do Trabalho - SIT, é o órgão de âmbito nacional competente em matéria de
segurança e saúde no trabalho para:

➔ Primeiramente, é importante salientar que em muitos lugares nós ainda encontraremos


referências à SIT com o nome de “Secretaria de Inspeção do Trabalho”, sendo que a
nomenclatura correta (pelo menos à época em que este material foi redigido) é
“Subsecretaria” mesmo, tal qual está expresso no texto do item 1.3.1.

Com a extinção do antigo Ministério do Trabalho – MTb através da Medida Provisória nº


870, de 1º de janeiro de 2019 (MP que acabou se transformando na lei 13.844 de 18 de
junho de 2019), houve a necessidade de uma reorganização interna de departamentos,
secretarias e etc. Sendo assim, a antiga “Secretaria de Inspeção do Trabalho” acabou se
transformando na “Subsecretaria de Inspeção do Trabalho”.

Para você ter uma ideia do organograma, vou mostrar como era e como ficou.

Antes da incorporação do MTb ao Ministério da Economia:

➔ Ministério do Trabalho

Secretaria de Inspeção do Trabalho

13
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Depois da incorporação do MTb ao Ministério da Economia:

➔ Ministério da Economia

Secretaria Especial de Previdência e Trabalho

Secretaria de Trabalho

Subsecretaria de Inspeção do Trabalho

Se você quiser um detalhamento do antigo organograma do MTb, basta clicar AQUI.

Com relação à estrutura regimental do Ministério da Economia, ela é dada pelo Decreto nº.
9.745, de 8 de abril de 2019. Em seus artigos 78 e 79 ele traz, respectivamente, as
competências da Secretaria do Trabalho – STRAB e da Subsecretaria de Inspeção do
Trabalho – SIT. Você vai perceber que enquanto a STRAB possui competências de
natureza mais amplas, como coordenação, gerenciamento, formulação de diretrizes e
supervisão, as atividades da SIT são mais voltadas à Fiscalização do Trabalho em si, como
normas de atuação e cooperação entre as fiscalizações federais.

Voltando ao item 1.3.1, ele vem para responder algumas perguntas, tais como: Qual o papel
da SIT e da Fiscalização do Trabalho? O que a SIT pode e não pode fazer?

Pois bem, vamos às respostas:

a) formular e propor as diretrizes, as normas de atuação e supervisionar as


atividades da área de segurança e saúde do trabalhador;

➔ Cabe à STRAB traçar as linhas centrais da atividade da Fiscalização do Trabalho na área


de SST. A Auditoria-Fiscal do Trabalho vai priorizar as empresas que mais afastaram
trabalhadores por motivos de acidentes e adoecimentos ou aquelas onde ocorreram mais
acidentes fatais? Os Auditores-Fiscais do Trabalho – AFTs irão fiscalizar essas empresas
específicas ou irão atuar em todas as empresas que desempenham a mesma atividade
econômica dessas empresas? Ao chegarem no local, os AFTs priorizarão as irregularidades
que motivaram os acidentes e o adoecimento ou verificarão a correta implementação de
todos os dispositivos normativos da área de SST. Essas e outras linhas de atuação são
definidas pela STRAB.

14
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

b) promover a Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho -


CANPAT;

➔ A CANPAT é um conjunto de ações que visam à promoção de uma cultura de segurança


e saúde no trabalho, de cunho essencialmente prevencionista.

O objetivo principal é implementar uma cultura de prevenção de acidentes e acidentes do


trabalho em nosso País, despertando a consciência da população para os danos que tais
eventos causam em nossa sociedade.

Uma vez que a STRAB é o órgão de âmbito nacional competente para coordenar, orientar,
controlar e supervisionar as atividades relacionadas com a segurança e saúde do trabalho,
ela também fica imbuída de promover a Campanha.

“Sabino, mas aqui na minha cidade quem promoveu a CANPAT foram os próprios AFTs!”

Lembre-se que a SIT, fazendo uma analogia, é a ferramenta através da qual a STRAB
cumpre as suas atividades relacionadas à Inspeção do Trabalho. Dessa forma, por mais que
você tenha visto os Auditores-Fiscais do Trabalho divulgando a campanha, a promoção em
âmbito nacional é papel da Secretaria de Trabalho.

c) coordenar e fiscalizar o Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT;

➔ O Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT é um programa governamental de


adesão voluntária, que busca estimular o empregador a fornecer alimentação
nutricionalmente adequada aos trabalhadores, por meio da concessão de incentivos fiscais,
tendo como prioridade o atendimento aos trabalhadores de baixa renda.

Cabe à STRAB coordenar e fiscalizar o programa. Uma dica: falou em “fiscalizar”, falou na
Auditoria-Fiscal do Trabalho. Portanto, não estranhe se você souber que um AFT chegou
num estabelecimento para fiscalizar a correta implantação das Normas relativas ao PAT,
tudo bem? Ele está cumprindo o papel dele.

No site do PAT há uma cartilha com perguntas e respostas que é bem legal. Se tiver
interesse, basta clicar AQUI para fazer o download.

15
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

d) promover a fiscalização do cumprimento dos preceitos legais e


regulamentares sobre segurança e saúde no trabalho - SST em todo o território
nacional;

➔ Uma vez que é papel da STRAB traçar as linhas centrais de atuação da Fiscalização na
área de SST, é ela quem vai pôr em execução essas diretrizes, através da Subsecretaria de
Inspeção do Trabalho, a SIT.

e) Participar da implementação da Política Nacional de Segurança e Saúde no


Trabalho - PNSST;

➔ A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho - PNSST tem como objetivos a


promoção da saúde e a melhoria da qualidade de vida do trabalhador e a prevenção de
acidentes e de danos à saúde relacionados ao trabalho.

Os responsáveis pela implementação e execução da PNSST eram os Ministérios do


Trabalho, da Saúde e da Previdência Social. Com a reformulação ministerial ocorrida
através da Lei nº 13.844 / 2019, essa responsabilidade ficou compartilhada entre o
Ministério da Saúde e o Ministério da Economia (nesse caso, através da Secretaria Especial
de Previdência e Trabalho).

f) conhecer, em última instância, dos recursos voluntários ou de ofício, das


decisões proferidas pelo órgão regional competente em matéria de segurança e
saúde no trabalho.

➔ Sempre quando lermos nas NR’s algo como “órgão regional competente em matéria de
segurança e saúde no trabalho” temos que pensar nas Superintendências Regionais do
Trabalho – SRTs, as antigas DRTs (Delegacias Regionais do Trabalho). São elas as
unidades estaduais da Fiscalização do Trabalho e, portanto, os órgãos competentes em
matéria de SST.

16
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

1.3.2 Compete à SIT e aos órgãos regionais subordinados à SIT em matéria de


segurança e saúde no trabalho, nos limites de sua competência, executar:

➔ Órgãos regionais subordinados à SIT = Superintendências Regionais do Trabalho.

Em algumas cidades existem as Gerências e as Agências Regionais do Trabalho, que são


vinculados à Superintendência de seu estado. Toda a rede da Fiscalização do Trabalho em
seu estado você encontra AQUI (mas não se assuste com uma ou outra nomenclatura que
por ventura esteja desatualizada. Acontece nas melhores famílias! 😊 )

a) a fiscalização dos preceitos legais e regulamentares sobre segurança e saúde


no trabalho;

➔ Conforme mencionado anteriormente, a SIT é a ferramenta através da qual a STRAB


cumpre com suas competências quando o assunto se relaciona à Fiscalização do Trabalho.
Consequentemente, é papel da SIT, através da Auditoria-Fiscal do Trabalho, a fiscalização
das Normas Regulamentadoras e demais dispositivos legais e normativos relacionados à
área de SST.

Uma pergunta que sempre é feita: a fiscalização do cumprimento dos dispositivos


normativos relacionados à área de SST só pode ser executada pela Fiscalização do
Trabalho? Ou os Centros de Referências Especializados em Saúde dos Trabalhadores –
CERESTs, que são vinculados ao SUS, também podem fazer essa inspeção?

Vamos ver o que nos diz a Constituição de 88:

TÍTULO III

DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO

CAPÍTULO II

DA UNIÃO

Art. 21. Compete à União:

XXIV - organizar, manter e executar a inspeção do trabalho;

Pela redação da CF/88 somos levados a entender que sim, que essa fiscalização é privativa
da União.

17
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Por isso que, particularmente, eu considero inconstitucional qualquer fiscalização de SST


promovida por órgão estadual ou municipal não vinculado à Subsecretaria de Inspeção do
Trabalho, uma vez que as competências elencadas pelo artigo 21 da CF são de natureza
exclusivas da União (ou seja, não podem ser delegadas) – dando total liberdade para
discordarem de mim, até porque a função de declarar a inconstitucionalidade de um ato não
é minha, mas do Supremo Tribunal Federal – STF.

Quem defende a possibilidade de um órgão estadual ou municipal, principalmente os


vinculados ao SUS, realizar atos de inspeção do trabalho relacionados à área de SST se
baseia na redação do art. 200 da Constituição e no artigo 6º da Lei 8.080, de 19 de
setembro de 1990:

Art. 200. Ao sistema único de saúde compete, além de outras atribuições, nos termos da lei:

VIII - colaborar na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho.

Art. 6º Estão incluídas ainda no campo de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS):

I - a execução de ações:

c) de saúde do trabalhador

V - a colaboração na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho;

§ 3º Entende-se por saúde do trabalhador, para fins desta lei, um conjunto de atividades que se
destina, através das ações de vigilância epidemiológica e vigilância sanitária, à promoção e
proteção da saúde dos trabalhadores, assim como visa à recuperação e reabilitação da saúde
dos trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho,
abrangendo:

VI - participação na normatização, fiscalização e controle dos serviços de saúde do


trabalhador nas instituições e empresas públicas e privadas;

Perceba uma coisa: colaborar com a proteção do ambiente de trabalho e participar de uma
fiscalização é uma coisa; inspecionar sozinho, dando prazos, exigindo a apresentação de
documentos, multando quando necessário e embargando obra ou interditando máquinas e
equipamentos no caso de grave e iminente risco à segurança e à integridade física do
trabalhador é outra completamente diferente!

E veja só que legal: o Tribunal Superior do Trabalho – TST concorda comigo! 😊

Eis a ementa do processo TST-RR-10420-06.2015.5.15.0096:

18
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

A) RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO PELO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ. AÇÃO


ANULATÓRIA DE AUTO DE INFRAÇÃO. COMPETÊNCIA DO CENTRO DE REFERÊNCIA EM
SAÚDE DO TRABALHADOR (CEREST) PARA AUTUAÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADE.
A Constituição Federal, em seu art. 21, XXIV, disciplina que compete à União “organizar, manter
e executar a inspeção do trabalho”, e o art. 14, XIX, “c”, da Lei n° 9.649/1998 determina que
compete ao Ministério do Trabalho e Emprego a fiscalização do trabalho, bem como a
aplicação das sanções previstas em normas legais ou coletivas. Nesse sentido, os arts. 626 a
634 da CLT disciplinam o procedimento de fiscalização do trabalho, bem como a autuação e
imposição de multas. Dessa forma, nos moldes dos preceitos acima mencionados, a
fiscalização e a eventual autuação da empresa, e, por conseguinte, a aplicação de multa
em razão do descumprimento de normas de segurança e medicina do trabalho, são de
competência exclusiva dos auditores fiscais do trabalho. Não obstante seja garantia
constitucional inserta no art. 7º, XXII, da CF, a redução dos riscos inerentes ao trabalho, por
meio de normas de saúde, higiene e segurança, além de a Constituição Federal assegurar um
meio ambiente de trabalho saudável, é certo que as disposições constitucionais e legais
mencionadas pelo Município de Jundiaí não conferem competência ao Centro de Referência
em Saúde do Trabalhador – CEREST, órgão municipal vinculado à Secretaria de Saúde,
para fiscalizar as empresas, lavrar auto de infração, assim como aplicar a multa cabível
quando constatado que não foram observadas as normas relativas à segurança, saúde e
medicina do trabalho. Nesse contexto, revela-se acertada a decisão do Regional que declarou
a nulidade do auto de infração, tendo em vista a incompetência do seu emissor, e, por
conseguinte, concluiu que a multa dele derivada perdeu o seu valor impositivo.

b) as atividades relacionadas com a CANPAT e o PAT.

➔ A execução das atividades da CAPAT e do PAT a nível regional é de competência da


Subsecretaria de Inspeção do Trabalho que pode, evidentemente, convidar outros órgãos
para participarem das ações que estiverem programadas.

1.3.3 Cabe à autoridade regional competente em matéria de trabalho impor as


penalidades cabíveis por descumprimento dos preceitos legais e regulamentares
sobre segurança e saúde no trabalho.

➔ Cabe às unidades regionais da Fiscalização do Trabalho, através da Auditoria-Fiscal do


Trabalho, a imposição das penalidades quando do descumprimento dos dispositivos

19
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

normativos presentes nas NR’s. Por ‘imposição de penalidades” entenda-se a lavratura de


Autos de Infração.

Embora a NR 1 se refira à lavratura do Auto de Infração como sendo uma “penalidade” no


sentido de medida punitiva, sempre recomendo que o Auto de Infração seja visualizado
como uma ferramenta pedagógica, uma oportunidade de a empresa corrigir o que vem
fazendo de errado e dar um salto adiante em segurança, saúde e qualidade do meio
ambiente de trabalho.

Muitas pessoas chegam a pensar que embargos e interdições são penalidades impostas às
empresas. Não são!

Os embargos e as interdições são medidas de urgência, não medidas punitivas. Essas


ferramentas são medidas de cautela adotadas pela Auditoria-Fiscal do Trabalho quando da
constatação de grave e iminente risco à saúde, à segurança e à integridade física dos
trabalhadores (tema trazido pela NR 3 – Embargo ou Interdição).

É muito importante que todos esses conceitos sejam entendidos de forma clara,
combinado?

1.4 Direitos e deveres

1.4.1 Cabe ao empregador:

➔ O item 1.4.1 da Nova NR-1 tem praticamente a mesma redação do item 1.7 da antiga
NR-1. Alguns termos foram atualizados mas, em essência, as obrigações do empregador
permanecem as mesmas da antiga redação da Norma. Esse item foi claramente inspirado
pelo art. 157 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT:

Art. 157 - Cabe às empresas:

I - cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho;

II - instruir os empregados, através de ordens de serviço, quanto às precauções a tomar no


sentido de evitar acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais;

III - adotar as medidas que lhes sejam determinadas pelo órgão regional competente;

IV - facilitar o exercício da fiscalização pela autoridade competente.

20
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Vamos lá:

a) cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre


segurança e saúde no trabalho;

➔ Repare que enquanto o texto da CLT diz “cumprir e fazer cumprir as normas”, o da NR
diz “cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares”, o que dá um alcance
muito maior, uma vez que aborda não apenas as Normas Regulamentadoras, mas todo e
qualquer dispositivo legal acerca da área de Segurança e Saúde no Trabalho (como, por
exemplo, as Resoluções da Diretoria Colegiada – RDC’s da ANVISA).

Outro detalhe: “cumprir e fazer cumprir”. Não basta cumprir, é preciso que as empresas
exijam o cumprimento. E aqui temos defendido a tese de que “exigir o cumprimento” e “ser
chato” são coisas bastante distintas. Frases do tipo “Fulano... quantas vezes eu já te pedi
isso!” enquadra-se no que chamamos “ser chato”. “Fulano, essa não é a primeira vez que
vemos você cometendo essa irregularidade, já conversamos diversas vezes sobre isso e
nós não podemos estimular esse tipo de comportamento”: isso se enquadra no “exigir o
cumprimento” quando seguido de uma medida administrativa.

Não há qualquer dispositivo legal que estabeleça uma escalada hierárquica de medidas,
mas a Justiça do Trabalho tem entendido que advertir antes de suspender e suspender
antes de demitir é uma boa prática quando o empregado é reincidente na prática de atos
faltosos.

DE PLÁCIDO E SILVA1 ensina que a advertência corresponde à formalização do aviso, da


repreensão, enquanto que a suspensão “é a medida de ordem disciplinar imposta ao
empregado como sanção à infração regulamentar ou pelo não cumprimento de dever que
lhe é imposto. A suspensão importa em perda do salário e de quaisquer outros benefícios
durante o período da suspensão”. Vários modelos de advertência escrita e de aviso de
suspensão podem ser encontrados através dos mecanismos de busca pela internet.

A decisão sobre qual prática adotar cabe a você. E aí? 3 advertências para 1 suspensão e 3
suspensões para a demissão? Seria interessante consultar a assessoria jurídica da
empresa, tudo bem?

1 SILVA, Oscar Joseph de Plácido e. Vocabulário Jurídico. 15. ed. Curitiba: Forense, 1999. 873 p.

21
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

b) informar aos trabalhadores:

➔ A NR-1 determina uma série de informações que o empregador deve disponibilizar aos
trabalhadores:

I. os riscos ocupacionais existentes nos locais de trabalho;

II. as medidas de controle adotadas pela empresa para reduzir ou eliminar


tais riscos;

➔ O trabalho será realizado em altura? Existe o risco de queda?

O trabalho será realizado em câmaras refrigeradas? Ou com exposição a altas


temperaturas?

Há umidade excessiva?

Há chances de insolação?

Existe a possibilidade de exposição a agentes biológicos, como fungos, vírus ou


bactérias que causem mal à saúde?

Quais as medidas oferecidas pela empresa para que todos esses riscos sejam
reduzidos ou eliminados?

Tudo isso deve ser informado de maneira inequívoca aos trabalhadores, ou seja,
eles precisam entender o que estão lendo! Tudo bem?

III. os resultados dos exames médicos e de exames complementares de


diagnóstico aos quais os próprios trabalhadores forem submetidos;

➔ É dever do empregador informar a cada um de seus trabalhadores o resultado


dos exames médicos aos quais forem submetidos, seja por ocasião do exame
médico admissional, periódico, retorno ao trabalho, mudança de função ou por
ocasião da demissão.

IV. os resultados das avaliações ambientais realizadas nos locais de


trabalho.

22
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

➔ Tal qual acontece com o resultado da avaliação da saúde dos empregados, o


mesmo ocorre com a avaliação da saúde do local de trabalho. Sendo assim, uma
vez que é dever do empregador informar aos trabalhadores o resultado dos exames
médicos aos quais eles foram submetidos, o empregador também deve informar o
resultado das avaliações ambientais, sejam elas feitas de forma quantitativa ou
qualitativa.

Em outras palavras, os trabalhadores têm o direito de conhecer aquilo a que estão


expostos no ambiente de trabalho.

c) elaborar ordens de serviço sobre segurança e saúde no trabalho, dando


ciência aos trabalhadores;

➔ Elaborar Ordens de Serviço (as famosas OS’s) é uma das tantas obrigações do
empregador com relação ao cumprimento da NR-1.

Lembre-se que a OS se destina ao empregado! Portanto, precisa estar numa linguagem que
ele entenda. Falar de “vinhodo” para trabalhadores de uma plantação de cana de açúcar
pode não significar absolutamente nada. Mas falar da “calda”... Aí é outro papo!

Outra observação importante: muitíssimo importante deixar claro que o intuito da OS não é
ensinar o trabalhador a fazer aquilo que ele já faz a vida toda, mas que seu objetivo é
mostrar como fazer com segurança, naquele estabelecimento específico, aquilo que ele já
faz tão bem a vida toda. Entendeu a diferença?

Quer um roteiro de como elaborar uma OS? Vá ao item 1.4.4

d) permitir que representantes dos trabalhadores acompanhem a fiscalização dos


preceitos legais e regulamentares sobre segurança e saúde no trabalho;

➔ É dever do empregador permitir, por exemplo, que um representante sindical acompanhe


um Auditor-Fiscal do Trabalho numa inspeção cujo objetivo seja a correta implementação
dos dispositivos normativos presentes nas NR’s.

23
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

e) determinar procedimentos que devem ser adotados em caso de acidente ou


doença relacionada ao trabalho, incluindo a análise de suas causas;

➔ Ligar para o 190? Para o 192? Qual a diferença entre eles?

Ligar para o dono da empresa? Qual o número?

Passar um rádio para o encarregado do setor? Qual o ramal?

Adotar alguma medida imediata? Qual? Os trabalhadores foram treinados para tal? Eles têm
liberdade para implementá-la?

Levar para algum hospital? Qual? E o endereço? Levar de táxi? De carro? No carro de
quem?

Sair correndo pelos corredores gritando socorro?

Todo esse passo-a-passo deve estar muito bem descrito, assim como a análise da causas
que fizeram com que o acidente acontecesse, para que ele não volte a acontecer.

f) disponibilizar à Inspeção do Trabalho todas as informações relativas à


segurança e saúde no trabalho.

➔ O art. 630 da CLT diz praticamente a mesma coisa, embora ele seja bem mais
abrangente:

Art. 630. Nenhum Auditor Fiscal do Trabalho poderá exercer as atribuições do seu cargo sem
exibir a carteira de identidade fiscal, fornecida pela autoridade competente.

§ 3º Os Auditores Fiscais do Trabalho terão livre acesso a todas dependências dos


estabelecimentos sujeitos à legislação trabalhista, hipótese em que as empresas, por meio de
seus dirigentes ou prepostos, ficarão obrigadas a prestar-lhes os esclarecimentos
necessários ao desempenho de suas atribuições legais e a exibirem, quando exigidos,
quaisquer documentos que digam respeito ao fiel cumprimento das normas de proteção
ao trabalho.

A Nova NR-1 achou por bem especificar essa obrigação nas questões relativas à área de
SST.

24
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

g) implementar medidas de prevenção, ouvidos os trabalhadores, de acordo com


a seguinte ordem de prioridade:

I. eliminação dos fatores de risco;

II. minimização e controle dos fatores de risco, com a adoção de medidas


de proteção coletiva;

III. minimização e controle dos fatores de risco, com a adoção de medidas


administrativas ou de organização do trabalho; e

IV. adoção de medidas de proteção individual.

➔ O item 1.4.1 ‘g’ da Nova NR-1 enfatiza que é obrigação do empregador implementar as
medidas de prevenção que sejam necessárias no estabelecimento e traz uma hierarquia
entre elas: eliminar os fatores de risco, minimizar e controlar os fatores de risco com
medidas de proteção coletivas, minimizar e controlar os fatores de risco através de medidas
administrativas ou organizacionais e, por fim, adotar medidas de proteção individuais.

Vamos a cada uma delas:

1. Eliminar os fatores de risco. Por exemplo, a substituição de uma máquina ruidosa por
uma silenciosa ou a substituição de um produto químico cancerígeno por outro que não
cause danos à saúde. Com a adoção dessas medidas, os fatores de risco (máquina
ruidosa e produto químico cancerígeno) seriam eliminados.

2. Minimizar e controlar os fatores de risco através de medidas de proteção coletivas.


Continuando com o mesmo exemplo, vamos imaginar que seja impossível a substituição
da máquina ruidosa e dos produtos químicos utilizados no processo produtivo. Sendo
assim, a direção da empresa deverá optar por minimizar o efeito da presença desses
riscos no ambiente de trabalho. Ela poderá enclausurar a máquina, reduzindo assim a
exposição dos trabalhadores ao ruído elevado, e poderá reduzir a concentração de seus
compostos químicos, reduzindo o risco à saúde.

3. Minimizar e controlar os fatores de risco através de medidas administrativas ou


organizacionais. Caso a impossibilidade persista, medidas gerenciais deverão ser
adotadas, como a automatização de parte do processo ou o rodízio de trabalhadores, no
intuito de reduzir o tempo de exposição de tal forma que os indicadores utilizados

25
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

comprovem que o risco tenha sido minimizado até os níveis aceitáveis por nossa
legislação.

4. Medidas de proteção individual. A adoção dos equipamentos de proteção individual é o


ultimo item da lista. Portanto, cuidado quando, na elaboração de Um Programa de
Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA, a sua sugestão no quadro de metas e
prioridades for a utilização dos EPIs. Essa “prioridade” vai contra a redação da Nova NR-
1, além de colocar funcionários e empregadores numa situação de vulnerabilidade.

1.4.2 Cabe ao trabalhador:

➔ Enquanto o item 1.4.1 da Nova NR-1 traz as obrigações do empregador com relação às
NR’s, coube ao item 1.4.2 as obrigações do trabalhador (e repare que a redação usa
trabalhador e não empregado como a redação do item 1.8 da antiga NR-1. Veremos no
Anexo I da Norma que enquanto trabalhador é toda pessoa física inserida em uma relação
de trabalho sem vínculo de emprego, empregado é a pessoa física que presta serviços de
natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário. Portanto,
podemos chegar à conclusão de que todo empregado é trabalhador, mas nem todo
trabalhador é empregado. Logo, não importa se presta serviço eventual ou permanente, se
recebe por tarefa ou salário mensal, se é ou não dependente do empregador: se está
trabalhando, precisará cumprir com o item 1.4.2).

E do mesmo modo em que o art. 157 da CLT traz as obrigações das empresas, o art. 158
traz as obrigações dos trabalhadores (alertando para a distinção entre empregados e
trabalhadores, sobre a qual acabamos de comentar):

Art. 158 - Cabe aos empregados:

I - observar as normas de segurança e medicina do trabalho, inclusive as instruções de que trata


o item II do artigo anterior; [“instruir os empregados, através de ordens de serviço (...)”]
(destaque nosso)

Il - colaborar com a empresa na aplicação dos dispositivos deste Capítulo.

Parágrafo único - Constitui ato faltoso do empregado a recusa injustificada:

a) à observância das instruções expedidas pelo empregador na forma do item II do artigo


anterior;

b) ao uso dos equipamentos de proteção individual fornecidos pela empresa.


26
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Vamos aos deveres sob a responsabilidade dos trabalhadores:

a) cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e saúde no


trabalho, inclusive as ordens de serviço expedidas pelo empregador;

➔ Percebemos claramente que o objetivo da Nova NR-1 nessa alínea é “destrinchar” o


inciso I do art. 158 da CLT quando ele fala sobre o cumprimento das Ordens de Serviço.

Sugestão: no contrato de trabalho, seja ele permanente ou temporário, na parte dedicada


aos deveres do contratado, colocar algo parecido como “cumprir as Ordens de Serviço
emitidas pela empresa”.

b) submeter-se aos exames médicos previstos nas NR;

➔ Um empregado não tem a alternativa de recusar-se a submeter-se a avaliações médicas


sem justificativa.

Caso você tenha interesse em se aprofundar no tema, sugiro minhas videoaulas no


YouTube sobre a NR-7, que trata do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional –
PCMSO. Os vídeos você encontra clicando AQUI.

c) colaborar com a organização na aplicação das NR;

➔ É dever de todo trabalhador fazer parte do processo de implementação das NR’s em seu
ambiente de trabalho. Apontar irregularidades, alertar colegas e lideranças e propor
melhorias são condutas que integram esse processo de adequação.

Destacamos, ainda, que o “desleixo” é um dos fatores que permitem com que a empresa
demita o empregado por justa causa. O art. 482, ‘c’ da CLT fala em desídia:

Art. 482 – Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador:

c) desídia no desempenho das respectivas funções.

27
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

d) usar o equipamento de proteção individual fornecido pelo empregador.

➔ Usar o Equipamento de Proteção Individual – EPI é uma obrigação de todos os


trabalhadores. Atente-se para o fato de que a CLT possibilita a demissão por justa causa
quando o empregado se recusa a utilizar o EPI sem justificativa – é o que o referido
dispositivo legal nomeia de mau procedimento ou incontinência de conduta na alínea ‘b’ do
art. 482, o que pode ser entendido como um comportamento indesejado:

Art. 482 - Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador:

b) incontinência de conduta ou mau procedimento;

Sugestão: no contrato de trabalho, seja ele permanente ou temporário, na parte dedicada


aos deveres do contratado, colocar algo do tipo “utilizar os Equipamentos de Proteção
Individuais – EPIs fornecidos pela empresa” ou, melhor ainda, “Cumprir com as Ordens de
Serviço fornecidas pela empresa” e, nas OS’s, incluir a obrigatoriedade da utilização do EPI.

1.4.2.1 Constitui ato faltoso a recusa injustificada do empregado ao cumprimento


do disposto nas alíneas do subitem anterior.

➔ Caso o empregado se recuse, sem justificativa válida, a cumprir as alíneas do item 1.4.2
(ou seja, caso ele se negue a cumprir as disposições legais e regulamentares sobre
segurança e saúde no trabalho, inclusive as ordens de serviço; a submeter-se aos exames
médicos; a colaborar com a organização na aplicação das NR; e a usar o equipamento de
proteção individual fornecido pelo empregador), fica caracterizado ato faltoso por parte do
funcionário, dando ao empregador a possibilidade de tomar as medidas administrativas que
entender suficientes e necessárias.

Lembre-se que é no art. 482 da CLT que estão elencadas as condutas que permitem a
demissão por justa causa, das quais destacamos:

b) incontinência de conduta ou mau procedimento;

e) desídia no desempenho das respectivas funções;

h) ato de indisciplina ou de insubordinação;

28
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

1.4.3 O trabalhador poderá interromper suas atividades quando constatar uma


situação de trabalho onde, a seu ver, envolva um risco grave e iminente para a
sua vida e saúde, informando imediatamente ao seu superior hierárquico.

➔ O item 1.4.3 da Nova NR-1 regulamenta o Direito de Recusa, que é a possibilidade de o


trabalhador se recusar (daí o nome) a exercer uma atividade na qual ele entenda existir
grave e iminente risco à sua integridade física ou à sua saúde.

Um detalhe importante: o risco deve ser GRAVE e IMINENTE, ou seja, a situação verificada
pelo trabalhador deve apresentar elevada possibilidade de ocasionar danos graves à sua
saúde ou à sua integridade física e o acidente deve estar na iminência de acontecer. As
duas situações devem estar presentes simultaneamente.

E mais: o trabalhador não pode simplesmente cruzar os braços e dizer “ali eu não vou” ou
“isso eu não faço”. O item 1.4.3 exige que ele avise imediatamente ao seu superior
hierárquico informando, evidentemente, os motivos que o fizeram se recusar a realizar a
atividade.

1.4.3.1 Comprovada pelo empregador a situação de grave e iminente risco, não


poderá ser exigida a volta dos trabalhadores à atividade enquanto não sejam
tomadas as medidas corretivas.

➔ O trabalhador só será obrigado a retomar a atividade a qual ele se viu obrigado a


interromper caso as medidas corretivas tenham sido adotadas de forma que os riscos
evidenciados tenham sido eliminados, neutralizados ou reduzidos a ponto de acabarem a
gravidade e a iminência do acidente.

1.4.4 Todo trabalhador, ao ser admitido ou quando mudar de função que implique
em alteração de risco, deve receber informações sobre:

➔ “que implique em alteração de risco”

Não é toda e qualquer mudança de função que torna obrigatória a implementação do item
1.4.4, mas somente aquelas em que os riscos aos quais o trabalhador estiver sujeito forem
diferentes.

29
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Por exemplo: Adriano era auxiliar administrativo e foi promovido a contador júnior. Os riscos,
nesse exemplo, são os mesmos. Dessa forma, não é necessária a implementação das
obrigações contidas no item 1.4.4.

Entretanto, se Adriano era vigia e foi classificado como betoneiro, como os riscos aos quais
as duas funções estão expostas são diferentes, o item 1.4.4 precisará, necessariamente, ser
implementado pela empresa.

Atenção: a regra da alteração de risco é válida somente para a mudança de função, tudo
bem? O item 1.4.4 sempre será obrigatório quando da admissão do trabalhador.

a) os riscos ocupacionais que existam ou possam originar-se nos locais de


trabalho;

b) os meios para prevenir e controlar tais riscos;

c) as medidas adotadas pela organização;

d) os procedimentos a serem adotados em situação de emergência; e

e) os procedimentos a serem adotados em conformidade com os subitens 1.4.3 e


1.4.3.1.

➔ Muitos alunos e profissionais da área de SST, Recursos Humanos, Departamento


Pessoal, advogados da área trabalhista e afins entram em contato comigo perguntando
sobre um modelo para a Ordem de Serviço.

O item 1.4.4 não traz esse modelo, mas apresenta um ótimo roteiro!

Perceba que as alíneas do item 1.4.4 envolvem desde os riscos que possam surgir no
ambiente de trabalho passando pelos meios de prevenção e controle, as medidas adotadas
pela empresa, os procedimentos a serem adotados em casos de emergência e finalmente
chegam à forma de se exercer o direito de recusa.

É ou não é um excelente roteiro para a construção de uma OS?

1.4.4.1 As informações podem ser transmitidas:

30
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

a) durante os treinamentos;

b) por meio de diálogos de segurança, documento físico ou eletrônico.

➔ O item 1.4.4.1 traz as formas através das quais as exigências do item 1.4.4 devem ser
transmitidas aos trabalhadores.

Note que ela dá quatro alternativas: através de treinamentos específicos, de diálogos de


segurança, de documentos físicos ou eletrônicos.

Embora a Nova NR-1 estabeleça a possibilidade de se implementar o item 1.4.4 através de


diálogos de segurança (é muito comum a existência de DDSs e de DSSs nas empresas, que
são os diálogos diários ou semanais de segurança, respectivamente), sempre recomendo
que todas as práticas organizacionais envolvendo a área de SST sejam documentadas,
tanto para um controle da própria empresa quanto para uma eventual comprovação futura,
caso seja necessária.

1.5 Da prestação de informação digital e digitalização de documentos

➔ A Nova NR-1 trouxe a possibilidade da disponibilização de informações por meio digital.


Agora, tanto a digitalização de documentos (como arquivos escaneados em formato .pdf)
quanto a manutenção de informações por meio de arquivos digitais (como fotos ou vídeos)
podem ser adotadas pela empresa – desde que seguidos os parâmetros estabelecidos pelo
item 1.5 e seguintes.

Lembre-se que a NR-1 traz as disposições gerais de todas as NR’s. Logo, esse formato de
guarda de arquivo é válido para todas as NR’s em vigor, tudo bem?

1.5.1 As organizações devem prestar informações de segurança e saúde no


trabalho em formato digital, conforme modelo aprovado pela STRAB, ouvida a
SIT.

➔ O item 1.5.1 fala de um modelo aprovado pela Secretaria de Trabalho – STRAB que seria
obrigatoriamente utilizado pelas organizações para prestarem informações relacionadas à
SST em formato digital (“as organizações devem”).

Contudo, sem a existência desse modelo, a implementação do item 1.5.1 fica


impossibilitada.

31
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Pela redação deste subitem, toda prestação de informações da área de SST deverá ser
feita, a partir do momento em que esse modelo for concebido, em formato digital. Vamos
aguardar a sua confecção para nos debruçarmos mais profundamente sobre o tema.

1.5.1.1 Os modelos aprovados pela STRAB devem considerar os princípios de


simplificação e desburocratização.

➔ Mais uma referência ao tal “modelo” aprovado pela Secretaria de Trabalho.

Pelo menos até a conclusão desse e-book, esse modelo de prestação de informações da
área de SST em formato digital ainda não havia sido disponibilizado. De qualquer forma, o
item 1.5.1.1 dá a entender que ele será bastante simplificado, já que cita a simplificação e a
desburocratização como princípios norteadores para sua aprovação.

1.5.2 Os documentos previstos nas NR podem ser emitidos e armazenados em


meio digital com certificado digital emitido no âmbito da Infraestrutura de Chaves
Públicas Brasileira (ICP-Brasil), normatizada por lei específica.

➔ Todo e qualquer documento previsto em NR passa a ter a permissão da NR-1 de ser


emitido em meio digital (ASO, PPRA, PCMSO, PCA, AET, Laudo de Insalubridade, de
Periculosidade, e por aí vai...) – desde que possua certificado digital ICP-Brasil.

Repare que aqui no item 1.5.2 a NR-1 não se refere à guarda digital de um documento físico
(que seria a manutenção, num arquivo em .pdf, da versão física escaneada, preenchida,
assinada e datada à mão pelos envolvidos). A norma se refere à emissão digital (“podem ser
emitidos e armazenados em meio digital”).

O certificado digital, por fugir ao escopo do nosso material, pode ser estudado através do
site oficial do próprio ICP-Brasil. Clique AQUI.

1.5.3 Os documentos físicos, assinados manualmente, inclusive os anteriores à


vigência desta NR, podem ser arquivados em meio digital, pelo período
correspondente exigido pela legislação própria, mediante processo de
digitalização conforme disposto em Lei.
32
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

➔ Agora sim! Aqui a NR-1 se refere ao arquivamento da versão física em formato digital.

Vamos supor uma construtora que, por segurança, opte por arquivar em sua sede todos os
seus documentos originais (PCMAT, PCMSO, ASOs...) mas que, em cada um dos seus
canteiros de obra, mantenha uma versão em .pdf à disposição da Fiscalização do Trabalho
de cada um desses documentos.

O item 1.5.3 vem permitir que ela adote tal conduta.

Importante!! Os documentos devem ser armazenados de tal forma que a Inspeção do


Trabalho tenha pleno e imediato acesso a eles, tudo bem?

Por exemplo, vamos pensar num ASO, o Atestado de Saúde Ocupacional.

O que diz a NR-7?

7.4.4.1 A primeira via do ASO ficará arquivada no local de trabalho do trabalhador, inclusive
frente de trabalho ou canteiro de obras, à disposição da fiscalização do trabalho.

“à disposição da fiscalização do trabalho”.

Não há qualquer problema, a partir de agora, em manter o ASO admissional e os ASOs


periódicos dos trabalhadores arquivados em .pdf – mas eles precisam estar disponíveis para
a Fiscalização do Trabalho.

Se eles ficam arquivados apenas no computador do engenheiro da obra, que vajou, que não
atende o celular, que não tem hora para aparecer, que saiu e que deixou a sala fechada,
que saiu e deslogou seu pc da rede, que naquela semana está acompanhando as obras que
ficam em outro estado e etc., eles não estão disponíveis. Assim não pode!

E mais: não basta criar uma pasta e jogar todos os arquivos dentro dela de forma aleatória.

Imagine uma pasta com 890 arquivos armazenados de forma aleatória e o AFT pede o ASO
admissional do carpinteiro Eriberto Torres de Assis, admitido em 04/07/2016. Como que
acha? Abrindo um por um?

É preciso que haja uma ordenação no arquivamento desses documentos.

1.5.3.1 O processo de digitalização deve ser realizado de forma a manter a


integridade, a autenticidade e, se necessário, a confidencialidade do documento

33
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

digital, com o emprego de certificado digital emitido no âmbito da Infraestrutura


de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).

➔ Assim como os documentos emitidos digitalmente, os documentos físicos que passam


por processo de digitalização também precisam ser armazenados com o emprego de
certificado digital.

Para entender melhor o assunto (que eu também desconhecia até a elaboração desse e-
book), procurei no Google e encontrei um artigo muito interessante sobre o tema.

É só clicar AQUI.

1.5.3.2 Os empregadores que optarem pela guarda de documentos prevista no


caput devem manter os originais conforme previsão em lei.

➔ “- Sabino, estou com o PCMAT digitalizado na rede da obra. Qualquer computador tem
acesso. No processo de digitalização empreguei as regras da ICP-Brasil. Posso jogar esse
calhamaço de papel fora para liberar espaço na sede da construtora?”

Não, não pode. ☹

Conforme determinação do item 1.5.3.2, todos os originais devem ser mantidos pelos prazos
determinados por lei. Nesse caso, cada dispositivo legal ou normativo vai lidar com prazos
variados. Por exemplo, podemos citar os documentos relativos à eleição da CIPA, que
devem ser armazenados por um período mínimo de 5 anos:

5.40 O processo eleitoral observará as seguintes condições:

j) guarda, pelo empregador, de todos os documentos relativos à eleição, por um período


mínimo de cinco anos.

Então mesmo que a documentação referente à eleição da CIPA esteja armazenada em


formato digital, no nosso exemplo, no canteiro de obras, a documentação original deve ser
mantida na sede por, pelo menos, 5 anos.

1.5.4 O empregador deve garantir a preservação de todos os documentos nato


digitais ou digitalizados por meio de procedimentos e tecnologias que permitam

34
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

verificar, a qualquer tempo, sua validade jurídica em todo território nacional,


garantindo permanentemente sua autenticidade, integridade, disponibilidade,
rastreabilidade, irretratabilidade, privacidade e interoperabilidade.

➔ Se você já efetuou o pagamento de algum boleto online, você deve ter reparado que, ao
final do comprovante, vem um código de autenticação.

Nos Autos de Infração lavrados pelos Auditores-Fiscais do Trabalho acontece a mesma


coisa: ao final, vem uma mensagem do tipo “Cód. Autenticação: NXC447OP372DYDE838
52YT7C28E95035-W” que pode ser verificada a qualquer tempo. Esse código impede que o
documento original, seja ele nato digital (emitido originalmente em formato digital) ou
digitalizado (emitido originalmente em meio físico), seja adulterado.

1.5.5 O empregador deve garantir à Inspeção do Trabalho amplo e irrestrito


acesso a todos os documentos digitalizados ou nato digitais.

➔ É o que comentamos no item 1.5.3, sobre a disponibilização dos documentos para a


Inspeção do Trabalho, sejam eles originalmente digitais (emitidos de acordo com as
diretrizes da ICP-Brasil), sejam eles emitidos em meio físico e escaneados posteriormente.

1.5.5.1 Para os documentos que devem estar à disposição dos trabalhadores ou


dos seus representantes, a organização deverá prover meios de acesso destes
às informações de modo a atender os objetivos da norma específica.

➔ Podemos citar, como exemplo, o item 2.1.7 do Anexo II - Exposição ocupacional ao


benzeno em postos revendedores de combustíveis da redação vigente da NR-9:

2. Responsabilidades

2.1 Cabe ao empregador:

2.1.7 Manter as Fichas com Dados de Segurança de Produto Químico dos combustíveis à
disposição dos trabalhadores, em local de fácil acesso para consulta.

35
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Nesse caso, as organizações que atuam com revenda de combustíveis precisam


desenvolver meios de consulta por parte dos trabalhadores caso elas optem pela
manutenção das fichas de segurança dos produtos químicos em meio digital.

Não há um formato padronizado ou um modelo para fazê-lo. Cada organização tem


liberdade de adotar a forma que achar mais conveniente – desde que não crie obstáculos ao
acesso.

1.6 Capacitação e treinamento em Segurança e Saúde no Trabalho

1.6.1 O empregador deve promover capacitação e treinamento dos trabalhadores


em conformidade com o disposto nas NR.

➔ Primeiramente, precisamos entender que capacitação e treinamento são coisas


diferentes – senão bastaria um dos dois, concorda? Ou ‘Capacitação em SST’ ou
‘Treinamento em SST’. Se aparece como “Capacitação e Treinamento em SST” é porque
são coisas diferentes...

Buscando nos dicionários, verificamos que enquanto a capacitação é o ato de tornar alguém
capaz de fazer alguma coisa, de desenvolver alguma habilidade, o treinamento é o ato de
aprimorar uma habilidade que esse alguém já possui.

Sendo assim, podemos concluir que o ideal é que todas as vezes que as NR’s se referissem
à capacitação elas estivessem se referindo àquele conjunto de práticas que vão tornar as
pessoas capazes de realizar uma atividade de determinada maneira, desenvolvendo nelas
algum tipo de habilidade, enquanto treinamento seria toda ação promovida para que
habilidades já adquiridas fossem aprimoradas.

Ficou claro?

1.6.1.1 Ao término dos treinamentos inicial, periódico ou eventual, previstos nas


NR, deve ser emitido certificado contendo o nome e assinatura do trabalhador,
conteúdo programático, carga horária, data, local de realização do treinamento,

36
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

nome e qualificação dos instrutores e assinatura do responsável técnico do


treinamento.

➔ É muito comum, durante as ações fiscais, encontrarmos certificados contendo apenas o


nome do trabalhador submetido a determinado curso, a data e o nome de quem ministrou o
treinamento.

O item 1.6.1.1 vem trazer o conteúdo mínimo que deve conter nos certificados emitidos –
lembrando que, caso alguma NR traga um rol de detalhamento mais amplo, é esse
detalhamento mais amplo que deverá ser seguido, tudo bem?

Importante destacar que quem assina o certificado não são os instrutores, mas o trabalhador
que foi submetido ao curso e o responsável técnico pelo mesmo (aquela pessoa que
organizou o treinamento, normalmente um profissional da área de Segurança e Saúde do
Trabalho). Os instrutores devem ser apenas citados no certificado, juntamente com suas
qualificações (entendidas aqui como um currículo resumido).

1.6.1.2 A capacitação deve incluir:

a) treinamento inicial;

b) treinamento periódico; e

c) treinamento eventual.

➔ A NR-1 amplia a definição de capacitação que mencionei no item 1.6.1, incluindo nela
não apenas o treinamento inicial, mas também os treinamentos periódicos e eventuais.

Ou seja, no entendimento da NR-1, todos os treinamentos estão contidos na capacitação,


mas ela não se resume a eles, já que nela também podemos incluir as palestras, os
seminários, as SIPATs, os workshops, os estágios, os exercícios simulados (vide item
1.6.1.3 logo abaixo), enfim, toda aquela orientação que permita que o trabalhador
desenvolva alguma habilidade – tal qual mencionado no item 1.6.1.

1.6.1.2.1 O treinamento inicial deve ocorrer antes de o trabalhador iniciar suas


funções ou de acordo com o prazo especificado em NR.

➔ Algumas NR’s dão prazos específicos para os treinamentos iniciais, como, por exemplo,
a NR-17 / Ergonomia em seu Anexo I (segundo a redação da Portaria SIT nº 08, de 30 de
37
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

março de 2007). No item 6.2.1, ela determina que “cada trabalhador deve receber
treinamento com duração mínima de duas horas, até o trigésimo dia da data da sua
admissão, com reciclagem anual e com duração mínima de duas horas, ministrados durante
sua jornada de trabalho”.

Nesse caso, os operadores de caixa em supermercados têm até 30 dias, contados a partir
de sua admissão, para receberem os treinamentos iniciais que abordem a relação do
trabalho com a promoção da saúde.

Somente nos casos em que as NR’s não mencionarem prazos específicos é que os
trabalhadores devem ser submetidos a treinamentos iniciais ANTES do início de suas
atividades.

1.6.1.2.2 O treinamento periódico deve ocorrer de acordo com periodicidade


estabelecida nas NR ou, quando não estabelecido, em prazo determinado pelo
empregador.

➔ Voltando ao item 6.2.1 da NR-17 (com a redação da Portaria SIT nº 08, de 30 de março
de 2007), lemos que a reciclagem deve ser realizada anualmente: “Cada trabalhador deve
receber treinamento com duração mínima de duas horas, até o trigésimo dia da data da sua
admissão, com reciclagem anual e com duração mínima de duas horas, ministrados durante
sua jornada de trabalho”. Esse é apenas um exemplo de prazo para treinamento periódico
definido pela própria NR.

Contudo, quando um determinado treinamento periódico não tiver sua periodicidade definida
por NR, esse prazo deverá ser estabelecido pelo próprio empregador.

1.6.1.2.3 O treinamento eventual deve ocorrer:

➔ A Nova NR-1 nos apresenta os treinamentos eventuais que são aqueles que não têm
periodicidade específica mas que, segundo a Norma, precisam ser aplicados aos
trabalhadores em três situações distintas. Vamos a elas:

a) quando houver mudança nos procedimentos, condições ou operações de


trabalho, que impliquem em alteração dos riscos ocupacionais;

38
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

➔ Sempre que houver qualquer tipo de alteração dos riscos ocupacionais de determinada
atividade, é necessária a submissão dos trabalhadores com elas envolvidos a um novo
treinamento, de forma a ambientalizá-los com essas respectivas alterações.

b) na ocorrência de acidente grave ou fatal, que indique a necessidade de novo


treinamento; e

➔ Toda vez que ocorrer um acidente grave ou fatal envolvendo determinada atividade,
todos os trabalhadores que a desempenham deverão ser submetidos a novo treinamento.

c) após retorno de afastamento ao trabalho por período superior a 180 (cento e


oitenta) dias.

➔ Independentemente dos motivos pelos quais o trabalhador foi afastado, toda vez que
esse afastamento for superior a 180 dias, ele deverá ser submetido a novo treinamento
antes de reassumir suas atividades.

1.6.1.2.3.1 A carga horária, o prazo para sua realização e o conteúdo


programático do treinamento eventual deve atender à situação que o motivou.

➔ A NR-1 deixa claro que não há uma especificação padrão para os treinamentos
eventuais.

Dependendo daquilo que gerou a necessidade de um treinamento eventual (alíneas a, b ou


c do item anterior), tanto a carga horária quanto o conteúdo e a periodicidade poderão
variar.

1.6.1.3 A capacitação pode incluir:

a) estágio prático, prática profissional supervisionada ou orientação em serviço;

b) exercícios simulados; ou

39
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

c) habilitação para operação de veículos, embarcações, máquinas ou


equipamentos.

➔ Aqui a NR dá um rol exemplificativo de itens que podem ser incluídos na capacitação dos
trabalhadores: “A capacitação PODE incluir”.

Perceba a diferença entre as redações do item 1.6.1.3 e do 1.6.1.2, onde lemos “A


capacitação DEVE incluir”. Lá, as alíneas nos mostram itens obrigatórios, mas no 1.6.1.3
elas nos dão itens opcionais.

1.6.2 O tempo despendido em treinamentos previstos nas NR é considerado


como de trabalho efetivo.

➔ Infelizmente, muitas organizações têm o péssimo hábito de promover treinamentos fora


do horário de trabalho – e é contra esse tipo de conduta indesejada que o item 1.6.2 da
Nova NR-1 se manifesta, destacando que os treinamentos previstos nas Normas
Regulamentadoras, independentemente da carga horária, devem ser sempre realizados em
horário normal de trabalho e, por isso, devem respeitar todos os dispositivos legais acerca
da jornada de trabalho.

Como exemplo, citamos um treinamento de duração mínima de 20 horas, que pode ser
desenvolvido de segunda à sexta, das 8h às 12h.

Ou das 14h às 18h.

Ou das 8h às 12h e das 14h às 18h na segunda e na terça e das 08h às 12h na quarta.

Nesses três exemplos o treinamento ocorre em horário normal de trabalho e tem uma
duração total de 20h. Tenho absoluta convicção de que nenhum empreendimento será
inviabilizado financeiramente em função dessa pausa na produção, concorda?

1.6.3 O certificado deve ser disponibilizado ao trabalhador e uma cópia arquivada


na organização.

➔ É muito importante que o trabalhador receba o certificado original e que uma cópia fique
no arquivo da organização de forma a comprovar, sempre que solicitada, a realização do
treinamento.

40
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Vale à pena destacar que alguns documentos devem ficar no local em que a atividade é
desempenhada, como, por exemplo, a 1ª via do Atestado de Saúde Ocupacional:

7.4.4.1 A primeira via do ASO ficará arquivada no local de trabalho do trabalhador, inclusive
frente de trabalho ou canteiro de obras, à disposição da fiscalização do trabalho. (redação da
NR-7 vigente até a conclusão deste e-book)

Caso não haja disposição legal ou normativa estabelecendo que o documento fique no local
de trabalho, não há qualquer empecilho em arquivá-lo onde a organização bem entender –
desde que seja apresentado dentro do prazo solicitado.

Por fim, vale lembrar que o item 1.6.1.1 nos trouxe as informações mínimas que devem
estar presentes no certificado:

1.6.1.1 Ao término dos treinamentos inicial, periódico ou eventual, previstos nas NR, deve ser
emitido certificado contendo o nome e assinatura do trabalhador, conteúdo programático, carga
horária, data, local de realização do treinamento, nome e qualificação dos instrutores e
assinatura do responsável técnico do treinamento.

1.6.4 A capacitação deve ser consignada nos documentos funcionais do


empregado.

➔ Toda capacitação realizada, seja ela um treinamento inicial, um treinamento eventual, a


participação num exercício simulado e etc. deve ficar registrada nos documentos
relacionados á vida laborativa do empregado.

Não há um modelo de como fazê-lo. A escolha da forma com que a organização irá cumprir
o item 1.6.4 cabe às lideranças da empresa, desde que os dispositivos legais e normativos
não sejam desrespeitados, evidentemente.

1.6.5 Os treinamentos previstos em NR podem ser ministrados em conjunto com


outros treinamentos da organização, observados os conteúdos e a carga horária
previstos na respectiva norma regulamentadora.

41
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

➔ Suponhamos que esteja previsto um treinamento da área administrativa para alguns


empregados e que as lideranças envolvidas decidam aproveitar a mobilização da unidade e
promover, em conjunto, um treinamento previsto em determinada NR. A conduta está
correta?

- Sim, desde que a carga horária mínima exigida pela NR seja respeitada!

Como exemplo, cito o treinamento para membros da CIPA, que deve ser de no mínimo 20
horas (pelo menos segundo a redação da NR-5 em vigor à época em que conclui este
material). 20 horas desse treinamento misto devem ser dedicadas exclusivamente à CIPA.

A organização pode distribuir o restante da carga horária da maneira que lhe for
conveniente.

O que não pode é ministrar o conteúdo exigido pela NR-5 + dinâmicas organizacionais +
motivação e empreendedorismo + gestão de equipes + fluxo de caixa + formação do preço
de venda + contabilidade de custos nas mesmas 20 horas.

Entendido?

Aproveitamento de conteúdos de treinamento na mesma organização

➔ Essa atual redação da NR-1 inaugura o aproveitamento de treinamentos, tanto dentro da


mesma organização quanto em organizações diferentes.

Trata-se de uma antiga solicitação dos empregadores que foi atendida pela Comissão
Tripartite que concluiu a formatação da Nova NR-1.

1.6.6 É permitido o aproveitamento de conteúdos de treinamentos ministrados na


mesma organização desde que:

➔ Para o aproveitamento do conteúdo de um treinamento que foi dado na mesma


organização, alguns critérios devem ser obedecidos simultaneamente.

Por exemplo: suponhamos que um jovem aprendiz tenha sido contratado como auxiliar
administrativo para trabalhar num supermercado e que, para o correto desempenho de suas
funções, ele recebeu o treinamento inicial segundo as diretrizes do item 1.6.1.2.

Após 8 meses de trabalho ele é remanejado, em comum acordo, para um hotel que
pertence ao mesmo grupo econômico ao qual pertence o supermercado. Embora o
42
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

ambiente de trabalho seja diferente, as práticas administrativas são as mesmas. Ele


precisará ser submetido ao mesmo treinamento que recebeu 8 meses antes? Pela lógica do
item 1.6.6 não, desde que atendidas as três situações descritas nas alíneas a seguir.

ATENÇÃO!! Não é a) ou b) ou c).

Para que o treinamento seja aproveitado, as três devem ocorrer simultaneamente:

a) e b) e c). Ok?

a) o conteúdo e a carga horária requeridos no novo treinamento estejam


compreendidos no treinamento anterior;

➔ Para que um treinamento anterior que tenha sido ministrado na organização possa ser
aproveitado num novo treinamento, é imprescindível que tanto o conteúdo quanto a carga
horária do novo treinamento estejam contidos nesse treinamento mais antigo – caso
contrário ele não poderá ser aproveitado.

Por exemplo, vamos pensar na seguinte situação:

Treinamento anterior:

- Limpeza e organização do açougue: 1 hora

- Riscos à saúde em ambientes refrigerados: 1 hora

- Operando o moedor e o amaciador de carne: 2 horas

- Noções de primeiros socorros: 1 hora

Novo treinamento:

- Limpeza e organização do açougue: 1 hora

- Riscos à saúde em ambientes refrigerados: 1 hora

- Operando a serra-fita: 2 horas

- Noções de primeiros socorros: 1 hora

43
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Uma vez que 60% do novo treinamento está compreendido no treinamento anterior, uma
vez que ele foi ministrado na própria organização, os itens em comum poderão ser
aproveitados – desde que as demais exigências do item 1.6.6 sejam igualmente atendidas.

b) o conteúdo do treinamento anterior tenha sido ministrado no prazo inferior ao


estabelecido em NR ou há menos de 2 (dois) anos, quando não estabelecida esta
periodicidade; e

➔ O conteúdo de um treinamento anterior só pode ser aproveitado caso ele tenha sido
ministrado num prazo inferior ao prazo de validade estabelecido por NR.

Por exemplo, podemos faz referência ao curso básico de atualização exigido pela NR 20,
que trata da segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis. Uma vez que
esse curso tem periodicidade trienal, caso o treinamento anterior tenha sido dado há mais
de 3 anos, nada dele poderá ser aproveitado.

Mesmo raciocínio para os cursos avançados I e II da mesma NR 20, ambos com


periodicidade anual. Caso o treinamento anterior tenha sido dado há mais de 1 ano, ele não
poderá ser aproveitado, já que perdeu a sua “data de validade”.

E mais: caso a NR não estipule uma periodicidade específica, o treinamento anterior só


poderá ser aproveitado caso tenha sido dado há no máximo 2 anos. Caso contrário, o
treinamento anterior não poderá ser aproveitado – mesmo que ministrado pela própria
organização.

c) seja validado pelo responsável técnico do treinamento.

➔ Não basta que a carga horária e o conteúdo do novo treinamento estejam contidos no
treinamento anterior. Não basta que a periodicidade máxima do treinamento anterior ainda
não tenha sido ultrapassada. Além disso, é necessário que o responsável pelo novo
treinamento dê um aval sobre o treinamento anterior que será aproveitado, ou seja, ele
precisará analisar a proficiência do instrutor do treinamento anterior, a qualidade do material
didático utilizado e, principalmente, checar se o conteúdo foi absorvido pelo trabalhador.

Lembrando que o responsável técnico do treinamento não é, obrigatoriamente, o próprio


instrutor em si, mas aquela pessoa que organizou o treinamento, normalmente um
profissional da área de Segurança e Saúde do Trabalho. Pode ser o próprio instrutor? Pode,

44
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

mas não é uma obrigatoriedade. É essa pessoa, o organizador, quem deverá validar o
treinamento anterior.

1.6.6.1 O aproveitamento de conteúdos deve ser registrado no certificado,


mencionando o conteúdo e a data de realização do treinamento aproveitado.

➔ Quando houver o aproveitamento de um treinamento anterior, o certificado de conclusão


do treinamento atual deverá conter, além de todas as referências exigidas pelo item 1.6.1.1,
a data de realização e o conteúdo do treinamento que foi aproveitado.

1.6.6.1.1 A validade do novo treinamento passa a considerar a data do


treinamento mais antigo aproveitado.

➔ Mesmo que um novo treinamento tenha sido dado em 02/12/2019, se houve um


treinamento aproveitado ministrado em 04/02/2019 que contava com uma validade de 2
anos, um novo treinamento deverá ser dado em, no máximo, 04/02/2021 (respeitando a
periodicidade máxima do treinamento mais antigo que foi aproveitado).

Aproveitamento de treinamentos entre organizações

➔ A Nova NR-1 também traz a possibilidade de aproveitarmos os treinamentos que foram


dados em outras organizações. Do item 1.6.7 em diante ela nos apresenta as condições
para que esse aproveitamento possa ocorrer.

1.6.7 Os treinamentos realizados pelo trabalhador poderão ser avaliados pela


organização e convalidados ou complementados.

➔ O item 1.6.7 nos diz que o treinamento dado em outra organização pode ser aproveitado
no todo ou em parte. Caso a organização atual acate todo o treinamento anterior, que foi
dado em outra empresa, ela deverá convalidar esse treinamento. Caso ela acate apenas
parte dele, o mesmo deverá ser complementado.
45
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

1.6.7.1 A convalidação ou complementação deve considerar:

➔ Aqui, a NR-1 estabelece quais as condições para que esse aproveitamento possa ocorrer
(lembrando que todas as condições devem ocorrer simultaneamente, tudo bem?).

a) as atividades desenvolvidas pelo trabalhador na organização anterior, quando


for o caso;

b) as atividades que desempenhará na organização;

➔ O trabalhador desempenhava a função de gerente de um posto de combustíveis e agora


foi contratado por outra organização para desempenhar a função de gerente de padaria.

Claro que estou exagerando, mas é só para mostrar que a “função” do trabalhador não
importa muito. O que conta, realmente, são as atividades que o empregado realizava
quando do treinamento anterior e quais as atividades que desempenhará no novo emprego.

Nesse exemplo exagerado, muito provavelmente o treinamento deverá ser complementado.

“- Sabino, qual o motivo da expressão ‘quando for o caso’?”

Suponhamos que uma técnica em segurança do trabalho, assim que concluiu seu curso, fez
o curso básico do Anexo III da NR-10, que trata da segurança em instalações e serviços em
eletricidade.

Na ocasião, ela trabalhava como atendente de telemarketing. Portanto, suas atividades


profissionais em nada tinham a ver com o curso realizado, que ela fez por conta própria.

Esse curso poderá ser aproveitado, mesmo as atividades desenvolvidas por ela não tendo
relação alguma com o curso? Claro que sim! E mais: dependendo da qualidade do curso e
do aproveitamento da jovem, caberá à organização decidir se complementa ou convalida o
curso ministrado anteriormente.

c) o conteúdo e carga horária cumpridos;

d) o conteúdo e carga horária exigidos; e

➔ A carga horária e o conteúdo dos treinamentos são outros pontos determinantes a serem
avaliados. Uma comparação inevitável é a necessidade atual relacionada a essas duas
variáveis com o que foi cumprido anteriormente, em outra organização.

46
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Caso conteúdo e carga horária sejam equivalentes, a organização pode entender por
convalidar o treinamento anterior. Caso contrário, os ajustes necessários deverão ser feitos
no tocante à complementação.

Eu, particularmente, incluiria o aproveitamento do trabalhador no treinamento anterior.


Mesmo que carga horária e conteúdo sejam equivalentes, eu desenvolveria uma forma de
avaliar o que foi absorvido para checar se há a necessidade de reforçar alguns pontos.
Poderia ser uma prova escrita, uma prova oral ou até mesmo um simples bate-papo sobre o
tema. O importante, aqui, seria avaliar o real aprendizado, que varia de trabalhador para
trabalhador.

e) que o último treinamento tenha sido realizado em período inferior ao


estabelecido na NR ou há menos de 2 (dois) anos, nos casos em que não haja
prazo estabelecido em NR.

➔ É o mesmo raciocínio que utilizamos para o 1.6.6 “b”.

O conteúdo de um treinamento anterior só pode ser aproveitado caso ele tenha sido
ministrado num prazo inferior ao prazo de validade estabelecido por NR.

Caso a NR não estipule uma periodicidade específica, o treinamento dado anteriormente só


poderá ser aproveitado caso tenha sido aplicado há no máximo 2 anos.

1.6.8 O aproveitamento de treinamentos anteriores, total ou parcialmente, não


exclui a responsabilidade da organização de emitir a certificação da capacitação
do trabalhador, devendo mencionar no certificado a data da realização dos
treinamentos convalidados ou complementados.

➔ Mesmo com o aproveitamento de treinamentos realizados em outras organizações,


continua sendo necessária a emissão de um novo certificado da nova capacitação, no qual
deverá constar todos os detalhes do treinamento que foi aproveitado.

1.6.8.1 Para efeito de periodicidade de realização de novo treinamento, é


considerada a data do treinamento mais antigo convalidado ou complementado.
47
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

➔ A data que será utilizada como referência para a realização de futuros treinamentos
sempre será a data do treinamento que foi aproveitado, mesmo que parcialmente.

Dos treinamentos ministrados na modalidade de ensino a distância ou


semipresencial.

➔ Uma dúvida muito recorrente na área de SST é sobre a possibilidade de serem


realizados treinamentos à distância, ou como comumente se encontra escrito por aí, na
modalidade EAD – ensino à distância.

A Nova NR-1 veio trazer as diretrizes para que ele seja possível. Vamos a elas:

1.6.9 Os treinamentos podem ser ministrados na modalidade de ensino a


distância ou semipresencial desde que atendidos os requisitos operacionais,
administrativos, tecnológicos e de estruturação pedagógica previstos no Anexo II
desta NR.

➔ “desde que atendidos os requisitos previstos no Anexo II desta NR”

É preciso ficar claro que os treinamentos na modalidade EAD passam a ser permitidos se, e
somente se, forem obedecidos todos os requisitos presentes no Anexo II.

Não tem jeitinho, não tem “e se...”, não tem “mas...”, não tem nada!

Ou cumpre todo o Anexo II da NR-1 ou não pode! Beleza?

Estou sendo muito enfático nisso porque eu tenho certeza que muito em breve vão começar
a surgir diversas peripécias tentando burlar os requisitos do Anexo II. Nem adiante perder
tempo. Ok?

1.6.9.1 O conteúdo prático do treinamento pode ser realizado na modalidade de


ensino a distância ou semipresencial desde que previsto em NR específica.

➔ “- Sabino, é possível dar um treinamento prático à distância?”

Vamos pensar numa autoescola. Caso você esteja num simulador e haja uma transmissão
em tempo real com um professor que te orienta e te avalia, mesmo estando a quilômetros
48
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

de distância. Seria possível uma aula prática nesse caso na modalidade EAD? Claro que
sim!

Com as Normas Regulamentadoras, a partir de agora, não é diferente – desde que exista
previsão explícita na NR sobre tal possibilidade.

Por exemplo: suponhamos que numa eventual NR 99 haja a necessidade de um


treinamento composto por parte teórica e parte prática.

Se a Norma for omissa, a parte prática não pode ser na modalidade EAD.

Agora, se houver algo do tipo “a parte prática do treinamento poderá ser realizada na
modalidade à distância”, aí sem problemas – lembrando que, para esse treinamento ser
válido, deverá obedecer aos requisitos presentes no Anexo II da NR-1.

Ou seja, para a parte prática do treinamento poder ser realizada na modalidade EAD,
precisa de uma permissão explícita da NR que estabeleceu a obrigatoriedade de realização
desse treinamento.

1.7 Tratamento diferenciado ao Microempreendedor Individual - MEI, à


Microempresa - ME e à Empresa de Pequeno Porte - EPP

➔ Antes de analisarmos quais as diferenças estabelecidas pela Nova NR-1 para esses tipos
de empregadores, precisamos saber, mesmo que de forma resumida, quais as
características de cada um deles.

Microempreendedor Individual (MEI) é aquele trabalhador por conta própria que se legaliza
como pequeno empresário optante pelo Simples Nacional, que fatura no máximo R$ 81 mil
por ano (uma média de R$ 6.750,00 por mês) e que pode ter no máximo 1 empregado. Não
pode ter e nem ser sócio ou administrador de outra empresa.

Microempresa (ME) é aquela que fatura até R$ 360 mil por ano (uma média de R$ 30 mil
por mês) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) é aquela que fatura uma quantia
compreendida entre R$ 360 mil e R$ 4,8 milhões por ano (uma média de até R$ 400 mil por
mês).

É a essas três categorias de empregadores que a Nova NR-1 vem trazer um tratamento
diferenciado.

49
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

1.7.1 O MEI, a ME e a EPP, graus de risco 1 e 2, que declararem as informações


digitais na forma do subitem 1.5.1 e não possuírem riscos químicos, físicos e
biológicos, ficarão dispensados de elaboração do Programa de Prevenção de
Riscos Ambientais - PPRA.

➔ Várias observações são necessárias para que possamos compreender a dispensa da


elaboração do PPRA, obrigatoriedade prevista na NR-9:

1. As regras só valem para MEIs, MEs e EPPs com graus de risco 1 e 2.

Grau de risco é uma escala numérica que vai de 1 a 4 que avalia a intensidade
dos riscos aos quais os trabalhadores de cada tipo de atividade econômica estão
expostos.

Eles são dados pela NR-4, que trata dos serviços especializados em engenharia de
segurança e em medicina do trabalho – SESMT.

Através da CNAE da empresa, consultamos o Quadro I da NR-4 e encontramos o grau


de risco da atividade.

Minha videoaula sobre o Quadro I da NR-4 pode te ajudar a entender como fazer essa
leitura.

2. “que declararem as informações digitais na forma do subitem 1.5.1”.

O item 1.5.1 é aquele que fala que as organizações devem prestar informações de SST
conforme um modelo aprovado pela Secretaria de Trabalho, lembra dele?

1.5.1 As organizações devem prestar informações de segurança e saúde no trabalho em


formato digital, conforme modelo aprovado pela STRAB, ouvida a SIT.

Ou seja, para ficar desobrigado da elaboração do PPRA, o empregador precisa ter


declarado suas informações de SST em formato digital.

“- Mas Sabino, você disse que a STRAB ainda não divulgou um modelo. Como um
empregador vai utilizar algo que ainda não existe?”

É o que o Direito chama de Norma de Eficácia Limitada: explicando de uma forma


bastante resumida, é aquela que, para ter eficácia, precisa da criação de outra Norma
(eu particularmente gosto da terminologia “norma de eficácia dependente”, já que

50
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

depende de outro dispositivo normativo – foi assim que eu estudei para lembrar.
#ficaadica!).

Sendo assim, através da leitura simples da Nova NR-1, nós poderíamos ser levados a
acreditar que enquanto a STRAB não aprovar um modelo para o cumprimento do item
1.5.1, os empregadores não poderão implementá-lo – logo, ficariam impossibilitados de
atender a todos os requisitos do item 1.7.1 da Nova NR-1. Consequentemente,
continuariam sendo obrigados a elaborar o PPRA.

MAS... (sempre tem um ‘mas’!) não é tão simples assim!!

A Portaria 915, de 30 de julho de 2019, que é a Portaria que nos apresentou a nova
redação da NR-1, diz o seguinte em seu artigo 6º:

Art. 6º Estabelecer que, enquanto não houver sistema informatizado para o recebimento da
declaração de informações digitais prevista nos subitens 1.7.1 e 1.7.2 do Anexo I desta
Portaria, o empregador deverá manter declaração de inexistência de riscos no
estabelecimento para fazer jus ao tratamento diferenciado.

Ou seja, enquanto a STRAB não aprovar um modelo de prestação de informações de


SST em formato digital, basta que o empregador mantenha no estabelecimento uma
declaração de inexistência de riscos (para a qual também não existe um modelo oficial,
isto é, pode ser feita da maneira que o empregador achar melhor) – situação que nos
leva ao item 3:

3. Por fim, o estabelecimento não pode ter riscos químicos, físicos e biológicos.

“- Sabino, já que esses riscos precisam ser avaliados qualitativamente ou


quantitativamente, como o empregador vai saber se existe ou se não existe risco no
local se ele não tem ideia de como operar um decibelímetro, por exemplo?”

É por isso que ele deverá contratar alguém que tenha conhecimento para fazê-lo. Não
basta declarar que não tem: para emitir uma declaração alegando a inexistência de
riscos no ambiente de trabalho, salvo melhor juízo, ele precisa provar que não tem.

Para resumirmos o item 1.7.1: para que MEIs, MEs ou EPPs fiquem desobrigados de
elaborar o PPRA, precisam ter grau de risco 1 ou 2, não pode apresentar risco químico,
físico ou biológico em seus ambientes de trabalho e, até a Secretaria de Trabalho aprovar

51
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

um modelo de prestação de informações de SST em formato digital, devem manter no


estabelecimento uma declaração atestando a inexistência desses riscos. Beleza?

1.7.1.1 As informações digitais de segurança e saúde no trabalho declaradas


devem ser divulgadas junto aos trabalhadores.

➔ Todas as informações digitais de SST devem ser compartilhadas também com os


trabalhadores. Pode ser através de um mural ao lado do relógio de ponto, pelo grupo do
WhatsApp, por e-mail... A forma não importa! Mas é muito importante que o empregador
consiga provar, no futuro, que fez essa divulgação.

1.7.2 O MEI, a ME e a EPP, graus de risco 1 e 2, que declararem as informações


digitais na forma do subitem 1.5.1 e não possuírem riscos químicos, físicos,
biológicos e ergonômicos, ficarão dispensados de elaboração do Programa de
Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO.

➔ Podemos repetir aqui o mesmo raciocínio utilizado para a dispensa da elaboração do


PPRA: para que MEIs, MEs ou EPPs fiquem desobrigados de elaborar o PCMSO (obrigação
contida na NR-7), precisam ter grau de risco 1 ou 2, não pode apresentar risco químico,
físico, biológico o ergonômico em seus ambientes de trabalho e, até a Secretaria de
Trabalho aprovar um modelo de prestação de informações de SST em formato digital,
devem manter no estabelecimento uma declaração atestando a inexistência desses riscos.

Atenção para a necessidade de inexistência do risco ergonômico para a desobrigação do


PCMO. Para a desobrigação do PPRA, bastam os riscos químico, físico e biológico.

1.7.2.1 A dispensa do PCMSO não desobriga a empresa da realização dos


exames médicos e emissão do Atestado de Saúde Ocupacional - ASO.

➔ Mesmo que o empregador esteja desobrigado a elaborar o PCMSO, a emissão dos


ASOs continua sendo obrigatória.

“- Sabino, se eu não tenho PPRA e não tenho PCMSO, como vou saber quais exames meus
empregados precisam fazer?”
52
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Uma vez que essas desobrigações são permitidas apenas em atividades de graus de risco 1
ou 2 em cujos estabelecimentos não existam riscos que comprometam a saúde e a
integridade física desses empregados, basta um exame clínico com periodicidade que
respeite o 7.4.2 “b” da NR-7:

7.4.3.2 no exame médico periódico, de acordo com os intervalos mínimos de tempo abaixo
discriminados:

a) para trabalhadores expostos a riscos ou a situações de trabalho que impliquem o


desencadeamento ou agravamento de doença ocupacional, ou, ainda, para aqueles que
sejam portadores de doenças crônicas, os exames deverão ser repetidos:

a.1) a cada ano ou a intervalos menores, a critério do médico encarregado, ou se


notificado pelo médico agente da inspeção do trabalho, ou, ainda, como resultado de
negociação coletiva de trabalho;

a.2) de acordo com à periodicidade especificada no Anexo n.º 6 da NR 15, para os


trabalhadores expostos a condições hiperbáricas;

b) para os demais trabalhadores:

b.1) anual, quando menores de 18 (dezoito) anos e maiores de 45 (quarenta e cinco)


anos de idade;

b.2) a cada dois anos, para os trabalhadores entre 18 (dezoito) anos e 45 (quarenta e
cinco) anos de idade.

1.7.3 Os graus de riscos 1 e 2 mencionados nos subitens 1.7.1 e 1.7.2 são os


previstos na Norma Regulamentadora n.º 04 - Serviços Especializados em
Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT.

➔ Mais uma vez, deixo aqui a minha sugestão para a videoaula em meu canal no YouTube
que trata do assunto. É só clicar AQUI (a abordagem desse tema começa aos 02:58).

1.7.4 O empregador é o responsável pela prestação das informações previstas


nos subitens 1.7.1 e 1.7.2.
53
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

➔ As informações de que tratam os itens relativos à dispensa da elaboração do PPRA e do


PCMSO é de responsabilidade do empregador. Ele pode optar por delegar a tarefa de
informar, mas a responsabilidade continua sendo dele.

1.8 Disposições finais

1.8.1 O não cumprimento das disposições legais e regulamentares sobre


segurança e saúde no trabalho acarretará a aplicação das penalidades previstas
na legislação pertinente.

➔ Na ampla maioria das vezes em que as NR’s citam as “penalidades previstas na


legislação pertinente” elas estão citando os Autos de Infração que são lavrados pela
Auditoria-Fiscal do Trabalho quando da constatação de alguma irregularidade legal ou
normativa.

“- Sabino, qual a diferença entre ‘legal’ e ‘regulamentar’ citadas pelo item 1.8.1?”

Uma disposição legal é aquela exigência estabelecida por lei. Por sua vez, uma disposição
regulamentar é uma determinação existente num regulamento – no foco dessas nossas
reflexões, numa norma regulamentadora. Nesse último caso, é muito comum, também,
encontrarmos a expressão “dispositivo normativo”, já que se trata de uma norma.

Significa que a Auditoria-Fiscal do Trabalho pode autuar um empregador em função do


descumprimento de itens relacionados à área de SST que estejam presentes tanto em leis,
como a CLT, quanto em normas, como as NR’s.

1.8.2 As dúvidas suscitadas e os casos omissos verificados no cumprimento das


NR serão decididos pela Secretaria de Trabalho, ouvida a SIT.

➔ Perceba que tanto as dúvidas quanto os casos omissos devem ser sanados pela STRAB,
a Secretaria de Trabalho, que é o órgão de âmbito nacional competente em matéria de
segurança e saúde no trabalho.

Por isso que eu SEMPRE recomendo que as dúvidas sejam levadas à unidade da Inspeção
do Trabalho mais próxima e não para Chefes de Departamento, Encarregados de Setor, um
54
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Professor dessa ou daquela disciplina, um Auditor-Fiscal do Trabalho ou um youtuber que


você acompanha.

Na unidade da Inspeção do Trabalho, caso já haja alguma orientação da STRAB, ela será
compartilhada com você por escrito. Caso ainda não exista nada no sentido de seu
questionamento, ele será encaminhado à Secretaria de Trabalho para que a resposta seja
construída.

55
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Anexo I

Termos e definições

Como dissemos na Introdução deste e-book, o art. 7º da Portaria 915 estabelece que o
Anexos I da Nova NR-1 é do Tipo 3, ou seja, ele apenas define algumas expressões
que a própria Norma utiliza, não sendo uma REGRA de SST propriamente dita.

Dessa forma, todas as definições abaixo são aquelas trazidas pela própria Norma, tudo
bem?

Canteiro de obra: área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações


de apoio e execução à construção, demolição ou reforma de uma obra.

Empregado: a pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a


empregador, sob a dependência deste e mediante salário.

Empregador: a empresa individual ou coletiva que, assumindo os riscos da atividade


econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviços. Equiparam-se
ao empregador as organizações, os profissionais liberais, as instituições de
beneficência, as associações recreativas ou outras instituições sem fins lucrativos, que
admitam trabalhadores como empregados.

Estabelecimento: local privado ou público, edificado ou não, móvel ou imóvel, próprio


ou de terceiros, onde a empresa ou a organização exerce suas atividades em caráter
temporário ou permanente.

Frente de trabalho: área de trabalho móvel e temporária.

Local de trabalho: área onde são executados os trabalhos.

Obra: todo e qualquer serviço de engenharia de construção, montagem, instalação,


manutenção ou reforma.

Ordem de serviço de segurança e saúde no trabalho: instruções por escrito quanto


às precauções para evitar acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais. A ordem de
56
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

serviço pode estar contemplada em procedimentos de trabalho e outras instruções de


SST.

Organização: pessoa ou grupo de pessoas com suas próprias funções com


responsabilidades, autoridades e relações para alcançar seus objetivos. Inclui, mas não
é limitado a empregador, a tomador de serviços, a empresa, a empreendedor
individual, produtor rural, companhia, corporação, firma, autoridade, parceria,
organização de caridade ou instituição, ou parte ou combinação desses, seja
incorporada ou não, pública ou privada.

Perigo ou fator de risco: fonte com o potencial para causar lesão ou problemas de
saúde.

Prevenção: o conjunto das disposições ou medidas tomadas ou previstas em todas as


fases da atividade da organização, visando evitar, eliminar, minimizar ou controlar os
riscos ocupacionais.

Responsável técnico pela capacitação: profissional legalmente habilitado ou


trabalhador qualificado, conforme disposto em NR específica, responsável pela
elaboração das capacitações e treinamentos.

Risco relacionado ao trabalho ou risco ocupacional: combinação da probabilidade


de ocorrência de eventos ou exposições perigosas a agentes nocivos relacionados aos
trabalhos e da gravidade das lesões e problemas de saúde que podem ser causados
pelo evento ou exposição.

Setor de serviço: a menor unidade administrativa ou operacional compreendida no


mesmo estabelecimento.

Trabalhador: pessoa física inserida em uma relação de trabalho, inclusive de natureza


administrativa, como os empregados e outros sem vínculo de emprego.

57
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Anexo II

Diretrizes e requisitos mínimos para utilização da modalidade de ensino à


distância e semipresencial.

O Anexo II, diferentemente do anterior, vem complementar a parte geral da NR-1. Pelo
menos é essa a redação da Portaria nº 787, de 27 de novembro de 2018, que trata das
regras de aplicação, interpretação e de estruturação das NR’s:

Art. 7º - Os Anexos, além da classificação específica das NR às quais pertencem, podem ser
classificados segundo Tipo 1, Tipo 2 e Tipo 3.

§1º O Anexo Tipo 1 complementa diretamente a parte geral da NR.

E, ainda segundo a Portaria que trouxe a nova redação da NR-1:

Art. 7º - Determinar, conforme previsto na Portaria SIT nº 787, de 27 de novembro de 2018, que
a Norma Regulamentadora nº 01 e seus Anexos serão interpretados conforme o disposto na
tabela abaixo:

Regulamento Tipificação
NR-01 NR Geral
Anexo I Tipo 3
Anexo II Tipo 1

Então, vamos a ele!

58
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Sumário:

1. Objetivo

2. Disposições gerais

3. Estruturação pedagógica

4. Requisitos operacionais e administrativos

5. Requisitos tecnológicos

6. Glossário

1. Objetivo

1.1 Estabelecer diretrizes e requisitos mínimos para utilização da modalidade de


ensino a distância e semipresencial para as capacitações previstas nas NR,
disciplinando tanto aspectos relativos à estruturação pedagógica, quanto
exigências relacionadas às condições operacionais, tecnológicas e
administrativas necessárias para uso desta modalidade de ensino.

➔ Importante destacar que as regras trazidas pelo Anexo II da Nova NR-1 não são válidas
apenas para ela, mas para todas as NR’s: toda e qualquer capacitação exigida pelas NR’s,
para que possa ser ministrada no todo ou em parte na modalidade EAD, precisa seguir as
regras contidas aqui.

2. Disposições gerais

2.1 O empregador que optar pela realização das capacitações por meio das
modalidades de ensino a distância ou semipresencial poderá desenvolver toda a
capacitação ou contratar empresa ou instituição especializada que a oferte,

59
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

devendo em ambos os casos observar os requisitos constantes deste Anexo e da


NR-01.

➔ Mesmo que a organização opte em terceirizar a capacitação, ou seja, contratar uma


empresa terceirizada para ministrar os treinamentos, ainda assim ela (a organização) deve
garantir de que as regras contidas no Anexo II da Nova NR-1 sejam obedecidas.

“- Sabino, mas não fui eu que dei o treinamento. Foi a empresa contratada. Caso ela
descumpra as regras, é ela que será multada, certo?”

Errado!

O empregador é responsável pela conduta de quem ele contrata: é a famosa “culpa in


eligendo”. Isso está no art. 932, III, do Código Civil:

Art. 932. São também responsáveis pela reparação civil:

III - o empregador ou comitente, por seus empregados, serviçais e prepostos, no exercício do


trabalho que lhes competir, ou em razão dele;

Sabe aquela máxima que diz que o barato sai caro?

Se uma terceirizada apresenta um orçamento de R$ X para promover a capacitação e outra


apresenta um orçamento de R$ X/10, é óbvio que existe alguma coisa errada. Caso o
empregador opte pela absurdamente mais barata, é ele quem deve arcar com os riscos de
ter contratado uma empresa toda irregular.

2.1.1 A empresa ou instituição especializada que oferte as capacitações previstas


nas NR na modalidade de ensino a distância e semipresencial deve atender aos
requisitos constantes deste Anexo e da NR-01 para que seus certificados sejam
considerados válidos.

➔ Independentemente de quem promova as capacitações exigidas pelas NR’s, os


certificados emitidos só terão validade caso as regras presentes tanto no corpo geral da NR-
1 quanto em seu Anexo II sejam cumpridas em sua totalidade.

60
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

2.2 O empregador que optar pela contratação de serviços de empresa ou


instituição especializada deve fazer constar na documentação que formaliza a
prestação de serviços a obrigatoriedade pelo prestador de serviço do
atendimento aos requisitos previstos neste Anexo e nos itens relativos à
capacitação previstos nas NR.

➔ A partir de agora, é obrigatório constar no contrato de prestação de serviços celebrado


entre organizações e empresas que ofertam cursos, treinamentos e demais capacitações
previstas nas NR’s a obrigatoriedade de que a empresa contratada para ministrar o
treinamento se compromete a cumprir todos os dispositivos previstos nas Normas
Regulamentadoras, incluindo seus respectivos Anexos.

Mas atenção!! Lembre-se de que este anexo é válido apenas para as capacitações
realizadas no todo ou em parte na modalidade EAD. Portanto, essa regra não é obrigatória
para cursos 100% presenciais. Beleza?

E mais: o descumprimento do item 2.2 do Anexo II da NR-1 pode ser autuado pela Inspeção
do Trabalho. Olha só:

Ementa 101037-9: Deixar de fazer constar, na documentação que formaliza a prestação de


serviços de capacitação prevista em NR, realizada na modalidade de ensino a distância ou
semipresencial, a obrigatoriedade do atendimento pelo prestador de serviço aos requisitos
previstos no Anexo II da NR 01 e nos itens relativos à capacitação previstos nas NR.

Capitulação: Art. 157, inciso I, da CLT, combinado com o item 2.2 do anexo II da NR-01, com
redação da Portaria n 915/2019.

Para encontrarmos esse código (“ementa”), basta irmos até a NR-28 / Fiscalização e
Penalidade, procurarmos pelo Quadro da NR-1 e de seu Anexo II que encontraremos a
referência a este item. Na NR-28 são elencados todos os itens passíveis de autuação pela
Fiscalização.

Dessa forma, não se estranhe caso a Auditoria-Fiscal do Trabalho passe a solicitar o


contrato de prestação de serviços de capacitação à distância a partir de agora.

61
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

2.3 As capacitações que utilizam ensino a distância ou semipresencial devem ser


estruturadas com, no mínimo, a duração definida para as respectivas
capacitações na modalidade presencial.

➔ O fato de uma capacitação ser dada no todo ou em parte na modalidade EAD não
significa que ela pode ter uma carga horária inferior.

2.4 A elaboração do conteúdo programático deve abranger os tópicos de


aprendizagem requeridos, bem como respeitar a carga horária estabelecida para
todos os conteúdos.

➔ É praticamente a mesma redação do item anterior, incluindo aqui o respeito ao conteúdo


programático.

“- Sabino, já que o curso vai ser em EAD, posso mudar o conteúdo programático exigido
pela Norma?”

Se você for aumentar o conteúdo com o respectivo acréscimo de carga horária, sem
problemas. Mas substituir parte do conteúdo obrigatório, retirando da grade da capacitação
um tema exigido pela Norma e colocando outro, aí não pode.

2.5 As atividades práticas obrigatórias devem respeitar as orientações previstas


nas NR e estar descritas no Projeto Pedagógico do curso.

➔ O Projeto Pedagógico é o instrumento de concepção do processo ensino -


aprendizagem. Nele deve-se registrar o objetivo da aprendizagem e a estratégia pedagógica
escolhida para a formação e capacitação dos trabalhadores, além de todas as informações
que estejam envolvidas no processo.

Nele deve haver, consequentemente, a previsão para as atividades práticas no formato EAD
e como elas serão desenvolvidas.

62
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

3. Estruturação pedagógica

3.1 Sempre que a modalidade de ensino a distância ou semipresencial for


utilizada, será obrigatória a elaboração de projeto pedagógico que deve conter:

➔ O item 3.1. do Anexo II nos apresenta o conteúdo mínimo do Projeto Pedagógico.

Veja como é importante termos comentários acerca dessas alterações na NR-1: mesmo
com o item 3.1 nos dando o roteiro para a formulação do Projeto Pedagógico, certamente
vai haver uma infinidade de pessoas pedindo um “modelo” para a sua elaboração.

As alíneas do item 3.1 trazem o conteúdo mínimo. Evidentemente que ele pode ser
complementado de acordo com a necessidade e a especificidade de cada caso.

Vamos a elas:

a) objetivo geral da capacitação;

b) princípios e conceitos para a proteção da segurança e da saúde dos


trabalhadores, definidos nas NR;

c) estratégia pedagógica da capacitação, incluindo abordagem quanto à parte


teórica e prática, quando houver;

d) indicação do responsável técnico pela capacitação;

e) relação de instrutores, quando aplicável;

f) infraestrutura operacional de apoio e controle;

g) conteúdo programático teórico e prático, quando houver;

h) objetivo de cada módulo;

i) carga horária;

j) estimativa de tempo mínimo de dedicação diária ao curso;

k) prazo máximo para conclusão da capacitação;

l) público alvo;

m) material didático;

n) instrumentos para potencialização do aprendizado; e


63
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

o) avaliação de aprendizagem.

➔ Lembrando que essa formatação do Projeto Pedagógico é obrigatória apenas para as


capacitações desenvolvidas no todo ou em parte na modalidade EAD.

3.2 O projeto pedagógico do curso deverá ser validado a cada 2 (dois) anos ou
quando houver mudança na NR, procedendo a sua revisão, caso necessário.

➔ Essa validação deverá ser feita pelo responsável técnico pela capacitação que, segundo
o item 1.6.1.1 da Nova NR-1, é aquela pessoa que organizou o treinamento, normalmente
um profissional da área de SST. Contudo, é recomendável que a pessoa responsável pela
validação do Projeto Pedagógico tenha alguma experiência com elementos de didática e
docência.

4. Requisitos operacionais e administrativos

➔ O item 4 do Anexo II da NR-1 traz os requisitos técnicos que devem ser utilizados para
que as capacitações no formato em EAD sejam válidas.

4.1 O empregador deve manter o projeto pedagógico disponível para a inspeção


do trabalho, para a representação sindical da categoria no estabelecimento e
para a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA.

➔ O Projeto Pedagógico deve ficar disponível. Sendo assim, usamos o mesmo raciocínio
que utilizamos para o item 1.5.3 do corpo geral da Norma.

Ele deve ser mantido à disposição! E não apenas da Inspeção do Trabalho, mas também
dos representantes sindicais e dos membros da CIPA.

“- Sabino, mas aqui a gente não tem CIPA!”

A redação vigente da NR-5 de quando concluímos este e-book estabelece que, quando um
estabelecimento não tem a quantidade mínima de empregados para a eleição de uma
Comissão, o empregador deve designar um empregado responsável pelo cumprimento dos

64
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

mesmos objetivos que a CIPA teria. Sendo assim, esse empregado, que chamamos de
“designado de CIPA”, também deve ter livre e irrestrito acesso ao Projeto Pedagógico.

4.1.1 A empresa ou instituição especializada deve disponibilizar aos contratantes


o projeto pedagógico.

➔ Se eu estou contratando uma terceirizada para desenvolver a capacitação para meus


empregados, é dever dela me disponibilizar o Projeto Pedagógico.

4.2 Deve ser disponibilizado aos trabalhadores todo o material didático


necessário para participar da capacitação, conforme item 3.1 deste Anexo.

➔ “todo o material didático”.

O material didático é do trabalhador.

Então mesmo que a responsável pela capacitação seja uma empresa terceirizada, o aluno
deve ficar com uma via de todo o material utilizado: projeções, cadernos, fotos, vídeos,
áudios... Evidentemente que a forma de disponibilização desse conteúdo é livre, podendo os
responsáveis pela capacitação disponibilizá-lo da maneira que entenderem mais produtiva.

4.3 Devem ser disponibilizados recursos e ambiente que favoreça a concentração


e a absorção do conhecimento pelo empregado, para a realização da
capacitação.

➔ Já tentou participar de um treinamento num canteiro de obras com o martelete


pneumático em funcionamento? Praticamente impossível!

Não sabe o que é? Clique AQUI.

Ou então numa cidade com clima ‘ameno’, tipo Cuiabá / MT, com 42ºC à sombra numa
tarde de verão, ser submetido a uma capacitação sob um telhado de zinco com pouca ou
nenhuma ventilação.

Igualmente impossível.

65
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Foi justamente por isso que o Anexo II da NR-1 chamou a nossa atenção para a
obrigatoriedade de ser disponibilizado um ambiente de estudo que favoreça a concentração
daqueles que estiverem sendo submetidos à capacitação.

4.4 O período de realização do curso deve ser exclusivamente utilizado para tal
fim para que não seja concomitante com o exercício das atividades diárias de
trabalho.

➔ Assim como ocorre nos treinamentos obrigatórios presenciais, a carga horária destinada
à capacitação na modalidade EAD não pode ser simultânea à realização das tarefas diárias
do trabalhador. Ela é considerada horário de trabalho, mas deve ser utilizada
exclusivamente para a capacitação.

4.5 Deve ser mantido canal de comunicação para esclarecimento de dúvidas,


possibilitando a solução das mesmas, devendo tal canal estar operacional
durante o período de realização do curso.

➔ Pode ser um grupo de Whatsapp para tirar dúvidas, um chat online, um 0800, um
endereço de e-mail... O formato não importa. A exigência do item 4.5 do Anexo II da NR-1 é
que, pelo menos durante a realização da capacitação na modalidade EAD, exista um canal
para sanar as dúvidas existentes dos trabalhadores que estejam sendo submetidos a ela.

4.6 A verificação de aprendizagem deve ser realizada de acordo com a estratégia


pedagógica adotada para a capacitação, estabelecendo a classificação com o
conceito satisfatório ou insatisfatório.

➔ É o Projeto Pedagógico (item 3.1, ‘o’, do Anexo II) que vai nos dizer a forma de
verificação de aprendizagem: uma prova escrita? uma prova oral? uma prova prática? todas
elas?

66
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

4.6.1 A avaliação da aprendizagem se dará pela aplicação da prova no formato


presencial, obtendo, dessa forma, o registro da assinatura do empregado, ou
pelo formato digital, exigindo a sua identificação e senha individual.

➔ A avaliação também pode ser no formato EAD, desde que o empregado possa ser
identificado através de login e senha.

4.6.2 Quando a avaliação da aprendizagem for online, devem ser preservadas


condições de rastreabilidade que garantam a confiabilidade do processo.

➔ A confiabilidade do processo de avaliação e sua respectiva rastreabilidade devem ser


garantidas pela equipe de TI que desenvolveu a ferramenta.

4.6.3 O processo de avaliação da aprendizagem deve contemplar situações


práticas que representem a rotina laboral do trabalhador para a adequada tomada
de decisões com vistas à prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao
trabalho.

➔ A avaliação não deve abordar apenas quesitos teóricos, do tipo “qual a definição de
risco?”. É imprescindível que o trabalhador seja avaliado com relação à sua tomada de
decisão diante de uma situação de risco, para que se verifique o cumprimento do real
objetivo da capacitação, que é prevenir acidentes e doenças de trabalho.

4.7 Após o término do curso, as empresas devem registrar a realização do


mesmo, mantendo o resultado das avaliações de aprendizagem e informações
sobre acesso dos participantes (logs).

➔ Log é o registro informatizado de acesso ao sistema por parte do trabalhador. As


organizações devem manter esses logs arquivados para que comprovem a frequência e o
cumprimento da carga horária.

67
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

4.7.1 O histórico do registro de acesso dos participantes (logs) deve ser mantido
pelo prazo mínimo de 2 (dois) anos após o término da validade do curso.

➔ Os 2 anos são contados após o término da validade do curso – e não da realização do


curso em si.

Por exemplo: se o curso foi dado de 02 a 06 de dezembro de 2019 e ele tem validade de 1
ano, a validade dele vai até 01 de dezembro de 2020 – logo, o histórico dos logs deve ser
mantido, no mínimo, até 01 de dezembro de 2022.

5. Requisitos tecnológicos

5.1 Somente serão válidas as capacitações realizadas na modalidade de ensino a


distância ou semipresencial que sejam executadas em um Ambiente Virtual de
Aprendizagem apropriado à gestão, transmissão do conhecimento e à
aprendizagem do conteúdo.

➔ Ambiente Virtual de Aprendizado (ou AVA) é o espaço virtual de aprendizagem que vai
oferecer condições para interações entre os trabalhadores participantes da capacitação.
Pode ser traduzido como sendo uma sala de aula acessada via internet. O objetivo é que ele
possa integrar múltiplas mídias, linguagens e recursos, apresentar informações de maneira
organizada, incentivar a interação entre as pessoas e os objetos de conhecimento, além de
elaborar e socializar as produções desenvolvidas.

Por força do item 3.1 “f” deste Anexo, seu detalhamento deve estar presente no Projeto
Pedagógico.

6. Glossário

➔ Assim com o Anexo I traz a definição de alguns termos utilizados pela NR-1, o item 6 do
Anexo II define algumas expressões que ele próprio nos apresenta.

Dessa forma, todas as definições abaixo são aquelas trazidas pelo próprio Anexo II, ok?

68
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Ambiente exclusivo: Espaço físico distinto do posto de trabalho que disponibilize ao


trabalhador os recursos tecnológicos necessários à execução do curso e condições de
conforto adequadas para a aprendizagem.

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA): Espaço virtual de aprendizagem que


oferece condições para interações (síncrona e assíncrona) permanentes entre seus
usuários. Pode ser traduzida como sendo uma "sala de aula" acessada via web.
Permite integrar múltiplas mídias, linguagens e recursos, apresentar informações de
maneira organizada, desenvolver interações entre pessoas e objetos de conhecimento,
elaborar e socializar produções, tendo em vista atingir determinados objetivos.

Avaliação de Aprendizagem: Visa aferir o conhecimento adquirido pelo trabalhador e


o respectivo grau de assimilação após a realização da capacitação.

EAD: Segundo Decreto nº 9.057/2017, caracteriza-se a Educação a Distância como


modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de
ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e
comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em
lugares ou tempos diversos.

Ensino semipresencial: Conjugação de atividades presenciais obrigatórias com


outras atividades educacionais que podem ser realizadas sem a presença física do
participante em sala de aula, utilizando recursos didáticos com suporte da tecnologia,
de material impresso e/ou de outros meios de comunicação.

Projeto pedagógico: Instrumento de concepção do processo ensino / aprendizagem.


Nele deve-se registrar o objetivo da aprendizagem, a estratégia pedagógica escolhida
para a formação e capacitação dos trabalhadores, bem como todas as informações que
estejam envolvidas no processo.

Instrumentos para potencialização do aprendizado: Recursos, ferramentas,


dinâmicas e tecnologias de comunicação que tenham como objetivo tornar mais eficaz
o processo de ensino-aprendizagem.

Log: registro informatizado de acesso ao sistema. Ex.: log de acesso: registro de


acessos; login: registro de entrada; logoff: registro de saída.

69
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Eis que finalmente chegamos ao final de nosso estudo sobre a Nova NR-1.

Espero que você esteja se sentindo mais preparad@ para entender o conteúdo da
Nova NR-1 do que se sentia antes dessa leitura.

Que este e-book se torne um guia de consulta, sempre que você precisar!

Um abraço! E até a próxima!!

Sabino - @alexandresabinoaft

70
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Dispositivos de NR’s revogados pela Portaria 915, de 30 de julho de 2019

Norma Regulamentadora Dispositivo Revogado


NR-05 5.35
5.37
NR-09 9.6.3
3.1.2 do Anexo 2
5.3 do Anexo 2
NR-10 10.13.1
10.14.1
10.14.5
NR-13 13.3.6.3
13.3.6.3.1 e alíneas
13.3.6.4
NR-20 20.11.17.1
20.11.17.2
20.20.2
NR-32 32.11.1
32.11.2
32.11.4
NR-33 Alíneas "a" e "b" do subitem 33.3.5.2
33.3.5.8.1
NR-34 34.1.3
34.3.4 e alíneas
34.3.5.1
34.3.5.2
34.3.5.3
NR-35 Alínea "c" do subitem 35.2.2
35.3.1
35.3.3 e alíneas
35.3.3.2
35.3.4
35.3.5
35.3.5.1
35.3.7
35.3.7.1
35.3.8

71
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

Tal qual mencionei na Introdução deste e-book, trago aqui a citação de todos os itens
revogados pela Portaria que trouxe a nova redação da NR-1.

Ou seja, os itens listados abaixo não existem mais em nosso ordenamento


jurídico. Dessa forma, sua implementação deixou de ser obrigatória.

NR-05 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

5.35 - O treinamento poderá ser ministrado pelo SESMT da empresa, entidade


patronal, entidade de trabalhadores ou por profissional que possua conhecimentos
sobre os temas ministrados.

5.37 - Quando comprovada a não observância ao disposto nos itens relacionados ao


treinamento, a unidade descentralizada do Ministério do Trabalho e Emprego,
determinará a complementação ou a realização de outro, que será efetuado no prazo
máximo de trinta dias, contados da data de ciência da empresa sobre a decisão.

NR-09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

9.6.3 - O empregador deverá garantir que, na ocorrência de riscos ambientais nos


locais de trabalho que coloquem em situação de grave e iminente risco um ou mais
trabalhadores, os mesmos possam interromper de imediato as suas atividades,
comunicando o fato ao superior hierárquico direto para as devidas providências.

NR-09 – ANEXO 2: EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO BENZENO EM POSTOS


REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS

3.1.2 - Quando o trabalhador tiver convicção, fundamentada em sua capacitação e


experiência, de que exista risco grave e iminente para a sua segurança e saúde ou
para a de terceiros, deve suspender a tarefa e informar imediatamente ao seu superior
hierárquico para que sejam tomadas todas as medidas de correção adequadas. Após
avaliar a situação e se constatar a existência da condição de risco grave e iminente, o
superior hierárquico manterá a suspensão da tarefa, até que venha a ser normalizada a
referida situação.

5.3 - A capacitação referida no item 5.1 poderá ser realizada na modalidade de ensino
a distância, desde que haja previsão em acordo ou convenção coletiva.
72
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

10.13.1 – As responsabilidades quanto ao cumprimento desta NR são solidárias aos


contratantes e contratados envolvidos

10.14.1 – Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito de


recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua
segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu
superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis.

10.14.5 – A documentação prevista nesta NR deve estar, permanentemente, à


disposição das autoridades competentes

NR-13 CALDEIRAS, VASOS DE PRESSÃO, TUBULAÇÕES E TANQUES


METÁLICOS DE ARMAZENAMENTO

13.3.6.3 - Os trabalhadores, com base em sua capacitação e experiência, devem


interromper suas tarefas, exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem
evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou de outras
pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico.

13.3.6.3.1 - É dever do empregador:

a) assegurar aos trabalhadores o direito de interromper suas atividades,


exercendo o direito de recusa nas situações previstas no subitem 13.3.6.3, e em
consonância com o subitem 9.6.3 da Norma Regulamentadora n.º 09 (NR09); e

b) diligenciar de imediato as medidas cabíveis para o controle dos riscos

13.3.6.4 - O empregador deve apresentar, quando exigida pela autoridade competente


do órgão regional do Ministério do Trabalho, a documentação mencionada nos subitens
13.4.1.6, 13.5.1.6, 13.6.1.4 e 13.7.1.4.

NR-20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E


COMBUSTÍVEIS

73
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

20.11.17.1 – O certificado deve conter o nome do trabalhador, conteúdo programático,


carga horária, data, local, nome do(s) instrutor(es), nome e assinatura do responsável
técnico ou do responsável pela organização técnica do curso.

20.11.17.2 – O certificado deve ser fornecido ao trabalhador, mediante recibo, e uma


cópia arquivada na empresa.

20.20.2 – Os trabalhadores, com base em sua capacitação e experiência, devem


interromper suas tarefas, exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem
evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou de outras
pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que
diligenciará as medidas cabíveis.

NR-32 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

32.11.1 – A observância das disposições regulamentares constantes dessa Norma


Regulamentadora - NR, não desobriga as empresas do cumprimento de outras
disposições que, com relação à matéria, sejam incluídas em códigos ou regulamentos
sanitários dos Estados, Municípios e do Distrito Federal, e outras oriundas de
convenções e acordos coletivos de trabalho, ou constantes nas demais NR e legislação
federal pertinente à matéria.

32.11.2 – Todos os atos normativos mencionados nesta NR, quando substituídos ou


atualizados por novos atos, terão a referência automaticamente atualizada em relação
ao ato de origem.

32.11.4 – A responsabilidade é solidária entre contratantes e contratados quanto ao


cumprimento desta NR.

NR-33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

33.3.5.2 – O empregador deve desenvolver e implantar programas de capacitação


sempre que ocorrer qualquer das seguintes situações:

a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;

b) algum evento que indique a necessidade de novo treinamento.

(Atenção! A alínea ‘c’ do item 33.3.5.2 continua obrigatória!)

74
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

33.3.5.8.1 – Uma cópia do certificado deve ser entregue ao trabalhador e a outra cópia
deve ser arquivada na empresa

NR-34 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA


CONSTRUÇÃO, REPARAÇÃO E DESMONTE NAVAL

34.1.3 – A observância do estabelecido nesta NR não desobriga os empregadores do


cumprimento das disposições contidas nas demais Normas Regulamentadoras,
aprovadas pela Portaria n.º 3.214/78, de 8 de junho de 1978.

34.3.4 – O empregador deve desenvolver e implantar programa de capacitação,


compreendendo treinamento admissional, periódico e sempre que ocorrer qualquer das
seguintes situações:

a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;

b) evento que indique a necessidade de novo treinamento; e

c) acidente grave ou fatal.

34.3.5.1 – Ao término da capacitação, deve ser emitido certificado contendo o nome do


trabalhador, conteúdo programático, carga horária, data e local de realização do
treinamento e assinatura do responsável técnico.

34.3.5.2 – O certificado deve ser entregue ao trabalhador e uma cópia deve ser
arquivada na empresa.

34.3.5.3 – A capacitação será consignada no registro do empregado.

NR 35 TRABALHO EM ALTURA

35.2.2 Cabe aos trabalhadores: c) interromper suas atividades exercendo o direito de


recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua
segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu
superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis;

(Atenção! As demais alíneas do item 35.2.2 continuam obrigatórias!)

35.3.1 – O empregador deve promover programa para capacitação dos trabalhadores à


realização de trabalho em altura

75
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230
QUASE TUDO O QUE EU ENTENDI SOBRE A NOVA NR-1
PROF. ALEXANDRE SABINO

35.3.3 – O empregador deve realizar treinamento periódico bienal e sempre que


ocorrer quaisquer das seguintes situações:

a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;

b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;

c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias; e

d) mudança de empresa.

35.3.3.2 – Nos casos previstos nas alíneas “a”, “b”, “c” e “d”, a carga horária e o
conteúdo programático devem atender a situação que o motivou

35.3.4 – Os treinamentos inicial, periódico e eventual para trabalho em altura podem


ser ministrados em conjunto com outros treinamentos da empresa

35.3.5 – A capacitação deve ser realizada preferencialmente durante o horário normal


de trabalho.

35.3.5.1 – O tempo despendido na capacitação deve ser computado como tempo de


trabalho efetivo.

35.3.7 – Ao término do treinamento deve ser emitido certificado contendo o nome do


trabalhador, conteúdo programático, carga horária, data, local de realização do
treinamento, nome e qualificação dos instrutores e assinatura do responsável.

35.3.7.1 – O certificado deve ser entregue ao trabalhador e uma cópia arquivada na


empresa.

35.3.8 – A capacitação deve ser consignada no registro do empregado

76
Material para uso exclusivo de Josiane do Socorro Q. de Souza – jsqs.go@gmail.com – CEP 74672230