Você está na página 1de 10
Módulo 06 – Professora Isa Guará 1 Vídeo Aulas 1 a 3 2 Alguns conceitos

Módulo 06 –

Módulo 06 – Professora Isa Guará 1 Vídeo Aulas 1 a 3 2 Alguns conceitos gerais

Professora Isa Guará 1

Vídeo Aulas 1 a 3 2

Alguns conceitos gerais podem orientar a ação dos professores na tradução do direito da criança e do adolescente para as atividades desenvolvidas na sala de aula, na escola ou na comunidade.

Em primeiro lugar, é importante afirmar que uma escola que respeita os direitos da criança e do adolescente deve ser uma comunidade educativa em que a relação entre professores, alunos e pais traduzam estes direitos no cotidiano escolar. Pais sendo respeitados, alunos ouvindo e sendo ouvidos, professores podendo falar e ser ouvidos. A existência real de uma comunidade educativa de respeitos aos direitos é muito importante para começar um projeto educativo. O clima escolar, a forma como a escola atua, como recebe os pais e os seus alunos, a forma como ensina e os relacionamentos existentes dentro da escola traduzem, na prática, o que é respeitar os direitos da criança e do adolescente de fato.

Em segundo lugar, é importante pensar que existe um direito fundamental pelo qual a escola é responsável, que é o direito à educação. Para isso é essencial que a escola garanta aprendizagem e frequência escolar, ou seja, garanta o direito da criança efetivamente. Para que a escola possa traduzir este direito na prática, ela deve desenvolver atividades efetivas que levem ao retorno à escola quando a criança não a estiver frequentando, ou quando faltar com certa regularidade, além de garantir que a criança aprenda quando está em situação difícil, que os pais possam ser comunicados e participar deste projeto, não como

1 Isa Guará é graduada em Pedagogia, pós-graduada em Psicopedagogia, mestre e doutora em Serviço Social. Atua como professora da Universidade dos Bandeirantes, pesquisadora associada ao Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária – CENPEC e colaboradora do NECA – Associação de Pesquisadores e Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre a Criança e o Adolescente.

Foram feitas apenas as adaptações necessárias à transposição do texto falado para o texto escrito.

1

2

culpados pela situação da criança, mas como parceiros na condução e no desenvolvimento integral desta

culpados pela situação da criança, mas como parceiros na condução e no desenvolvimento integral desta criança.

É importante lembrar que o desenvolvimento integral, como direito básico da criança e do adolescente, dentro da doutrina da proteção integral, não é responsabilidade apenas da escola, ela, portanto, terá que fazer uma parceria com a rede de serviços e com todos os projetos e programas que podem complementar a sua ação no atendimento aos direitos da criança e do adolescente. Isso é muito importante para que a criança realmente tenha seu desenvolvimento pleno.

Outra questão importante é que para desenvolver um projeto, ou um programa na escola, é fundamental que haja apoio da instância superior, do órgão responsável pela educação, como a secretaria de educação, por exemplo, o que não quer dizer que, eventualmente, se este apoio não acontecer, o professor não possa ter iniciativas pioneiras no desenvolvimento de atividades importantes de respeito aos direitos da criança. Porém, ele sempre deverá se empenhar para que

a escola se envolva, assim como a direção e a comunidade, de modo que o sucesso chegue mais rápido.

A escola também deve atuar de forma preventiva e adotar um enfoque global

e pró-ativo. Quando algum direito da criança e do adolescente é violado, ele dá

sinais anteriores, há sempre uma situação que provoca um descumprimento do direito da criança, e a escola precisa estar atenta a isso e atuar preventivamente e pró ativamente em relação às situações que possam representar riscos de violações de direito. É fundamental que a escola esteja sempre muito atenta em relação a isso.

Para se valorizar realmente o direito da criança e do adolescente, a comunidade precisa valorizar a criança e o adolescente como ser humano. Respeitá-lo e respeitar o seu direito como um direito humano fundamental. Isso é essencial para que as novas gerações também passem a respeitá-los, e é importante que o ser humano seja respeitado enquanto ele é criança ou adolescente também, na sua especificidade, reconhecendo-se a sua condição peculiar, como seres em formação, que precisam de uma intervenção especial, mas que são desde sempre, seres humanos completos. O professor e a escola têm o dever de oferecer isso. É claro que reconhecemos que há situações críticas

e de muito risco e tensão nesta questão do respeito ao direito da criança, principalmente quando há situações de violência.

é,

sobretudo, uma comunidade de convivência, e, portanto, todos os direitos podem

2

A

escola

não

é

apenas

uma

comunidade

de

aprendizagem,

mas

ser discutidos de inúmeras maneiras. Fundamentalmente de forma transversal, no currículo escolar, ou seja, todas

ser discutidos de inúmeras maneiras. Fundamentalmente de forma transversal, no currículo escolar, ou seja, todas as disciplinas que são oferecidas na escola têm condições de discutir o direito da criança e do adolescente. História pode discutir, por exemplo, o trabalho infantil na Revolução Industrial, as ciências podem discutir o desenvolvimento humano. O respeito à natureza e às pessoas pode ser discutido nas aulas de geografia, assim como a forma como os povos se organizaram, como as crianças são respeitadas no mundo inteiro, ou onde no mundo estes direitos são violados. Que direitos são mais violados, porque que há genocídio, porque que as crianças em alguns lugares são desnutridas, enfim, uma série de temas sempre trazendo a questão dos direitos humanos. Estas são questões que envolvem o currículo escolar. O que estamos defendendo aqui é que não haja especificamente uma aula sobre direitos, mas que em cada momento do currículo escolar se discuta o direito da criança a partir dos conteúdos que são oferecidos pelas disciplinas, isso é fundamental.

Eventualmente, se houver necessidade de uma discussão específica, sobre um direito específico, ele deve também ser objeto de um projeto. Obviamente que há problemas que acontecem na escola e que exigem uma discussão específica sobre algum direito violado. Mormente nos casos, por exemplo, de violência contra a pessoa, em que as crianças estejam sofrendo situações de grande violação de direitos, e que a escola saiba destas situações, é importante que ela faça uma intervenção específica e discuta especificamente estes direitos violados.

Outro fato muito comum nas escolas é a ocorrência de problemas de relacionamento entre as próprias crianças, em horários variados, inclusive nos recreios, em que é preciso pensar algumas alternativas e atividades importantes para que o clima escolar seja mantido e o respeito ao direito da criança ao lazer também seja respeitado. Obviamente não estamos falando aqui de uma interferência total do adulto nos horários que a criança tem livre para brincar e se desenvolver sem uma vigilância muito próxima. Mas que se houver alguma situação de violência ocorrendo nestes momentos e nestes espaços, é importante que a escola também faça um planejamento geral neste sentido.

Em relação ao planejamento escolar, pode-se atuar de forma mais pontual ou de forma mais ampliada. Uma ação pró-ativa significa também que a escola deve buscar parceiros na comunidade, conhecendo um pouco mais a sua realidade, para poder atuar sobre ela. Este conhecimento é fundamental para que a escola possa estruturar algum projeto de atendimento. Da mesma forma o professor, antes de fazer o seu projeto na sala de aula, deve procurar entender qual é o problema. O que de fato está acontecendo, o que deste problema é de sua responsabilidade ou da escola, ou seja, o que está no âmbito de atuação do

3

professor, e o que está no âmbito de atuação da escola. Podendo-se assim, definir as

professor, e o que está no âmbito de atuação da escola. Podendo-se assim, definir as situações sobre as quais se quer atuar, possibilitando sempre que haja a participação de todos.

Por fim, uma coisa fundamental, é que a criança é protagonista de todo o processo. É importante que ela seja ouvida. Muitas situações de violação de direitos acontecem e a gente não sabe, porque não ouve a criança, considerando que ela não tem condição de expressar a sua vontade, o seu desejo, o seu sofrimento. É importantíssimo que os consideremos capazes de dar informações que podem ser muito úteis para a conformação de um projeto adequado de atendimento na escola, na comunidade e na sala de aula.

Devemos pensar nos objetivos do ensino fundamental, expressos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que pontuam que, além das habilidades ligadas ao conhecimento e ao desenvolvimento das habilidades cognitivas, o ensino fundamental também deve oferecer aos seus alunos formas de conhecer e valorizar a pluralidade sociocultural do Brasil e de outros povos, evitando qualquer tipo de discriminação, de modo a fazer com que a criança se perceba integrante, dependente, agente transformador do seu ambiente, sabendo questionar a realidade formulando e resolvendo problemas. A própria LDB prevê uma atuação do professor na linha de instrumentalizar seus alunos para que possam discutir profundamente a questão dos direitos e das violações dos direitos.

É importante que tenhamos condições de mapear os problemas e as oportunidades na escola, na família e na comunidade, para que haja uma atuação efetiva na defesa dos direitos da criança e do adolescente. É preciso que pensemos sobre como nós podemos verificar quais são as oportunidades que existem na nossa comunidade. Na verdade, problemas e oportunidades dependem um pouco da direção do nosso olhar. Eu prefiro enfatizar que devemos focar mais nas oportunidades do que nos problemas, olhando pela potência, mais do que pela falta. Na verdade, desconhecemos, muitas vezes, as coisas boas que as comunidades têm para oferecer, e que podem ajudar a escola no desenvolvimento do seu papel e também na defesa dos direitos da criança quando houver um problema nesse sentido.

Uma coisa importante é mapear todas as situações que existem na comunidade que favorecem e aquelas que desfavorecem o desenvolvimento pleno, pois é este o nosso objetivo quando buscamos a proteção integral da criança. Na escola e em outras políticas sociais, devemos pensar também: se há possibilidade de desenvolvimento, porque que as crianças não estão se

4

desenvolvendo? Porque há violação destes direitos, ou seja, eles não estão sendo atendidos por vários

desenvolvendo? Porque há violação destes direitos, ou seja, eles não estão sendo atendidos por vários motivos.

Primeiramente por desconhecimento. Se eu descubro que a comunidade desconhece os direitos da criança, eu tenho que fazer um programa de informação. Também ela pode estar descumprindo os direitos por deslegitimação, isto é, ela conhece os direitos, mas não acha que estes são legítimos. Como exemplo, podemos citar o trabalho infantil. Uma pessoa pode achar que é muito

importante a criança trabalhar desde cedo, pois ela própria trabalhou, seu pai trabalhou, todo mundo trabalhou, por isso, segundo esta pessoa, é importante que

a criança também trabalhe. Nestes casos temos uma deslegitimação daquilo que

é o direito da criança. Assim, além da informação, a escola tem que fazer a conscientização sobre o porquê deste direito estar garantido para a criança.

Também pode haver violação por contraposição. Uma pessoa é contra um determinado direito e, portanto, age propositadamente contra ele. Nestes casos, a

escola tem que debater as idéias com estas pessoas que estão fazendo uma contraposição ao direito, e, se for necessário, também utilizar os recursos legais que o próprio Estatuto oferece quando há uma violação de direitos neste nível, ou seja, nos casos de violência propriamente dita, há que se usar os recursos legais

e os encaminhamentos indicados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

Ainda para ampliar a potência de nossa atuação com a comunidade, podemos indicar alguns passos:

Num primeiro momento, fazendo uma sensibilização da comunidade, por exemplo, através do jornal escolar, ou mesmo fazendo desfiles sobre algum tema importante, ou mobilizando redes na comunidade que já estejam participando, verificando se já existe na comunidade algum movimento neste sentido e participando disto, dando entrevistas também ou fazendo programa de entrevistas.

Outra forma de atuar seria na prevenção. É sabido que existem alguns fatores, algumas situações, que apresentam riscos de desrespeito aos os direitos da criança e do adolescente. Para minimizá-los, devemos trabalhar fortalecendo alguns programas sociais que garantem estes direitos, oferecendo apoio para que possam atender um número cada vez maior de crianças.

Outro nível seria verificar quais são as situações de violações de direitos, que problemas estão acontecendo naquela comunidade. Há crianças trabalhando indevidamente? Há crianças sendo violentadas, há crianças sendo abandonadas, sendo negligenciadas, há adolescentes que não conseguem acesso à formação profissional? Há crianças que estão fora da escola? Há crianças que

5

abandonaram a escola? Quais sãos as situações de violação de direito? Dependendo da situação de

abandonaram a escola? Quais sãos as situações de violação de direito? Dependendo da situação de violação de direito a escola pode fazer uma ação integrada com a comunidade.

Por fim, eu diria que a maior intervenção que a escola pode fazer é garantir o pleno direito à educação das crianças e dos adolescentes e, nas questões de violações de direitos, comunicar aos responsáveis, atuando em parceria com outras organizações.

É preciso, também, que reconheçamos que parte dos alunos vive situações muito sérias de exclusão social e de violações de seus direitos como seres humanos. Nestes casos, a escola deve atuar, e as secretarias municipais também, procurando alternativas para a garantia destes direitos, por meio de serviços especializados que possam ajudar a escola. Eventualmente, se há problemas relacionados à permanência da criança na escola, ou às atividades educacionais inadequadas, ou porque a família trabalha e a criança esta negligenciada em casa, é importante pensar na possibilidade da educação integral. Seja por meio da ampliação do tempo de escola, que é uma das alternativas que o Plano Nacional de Educação já veiculou, ou pela possibilidade de articulação da escola com outros espaços de aprendizagem existentes na comunidade. Obviamente, não é apenas a escola que educa hoje em dia, ela é apenas um dos muitos lugares nos quais a educação acontece hoje. A criança aprende vendo TV, pela internet, com seus pares, frequentando outros lugares etc. Assim, é importante que a escola viabilize uma parceria especialmente para estas crianças que tem uma situação maior de vulnerabilidade. É claro que, em geral, as próprias instâncias locais de Assistência Social estão atentas a estes casos e os encaminham para estes programas, em parceria com a escola, mas se isto não acontecer, procurá-los deve ser uma atividade da escola.

Pensando, com base no que foi dito, na função fundamental da escola, é preciso considerar que, se a escola é responsável pela aprendizagem e pela frequência da criança, ela deve pensar em desenvolver atividades que promovam o retorno da criança à escola. Várias são as possibilidades. Pode-se desenvolver atividades através da própria criança, ou de mobilização da comunidade para apoiar este retorno da criança à escola. A escola, também para garantir este retorno, que é fundamental, tem que pensar em que modificações curriculares ela precisa fazer para atender esta criança que não está aprendendo e que, portanto, está tendo o seu direito à educação violado.

Outra coisa fundamental é que em qualquer caso de atuação é importante que a escola tenha uma orientação formal sobre como os professores devem

6

atuar, como as crianças devem atuar, portanto a construção de pactos de convivência, de normas

atuar, como as crianças devem atuar, portanto a construção de pactos de convivência, de normas de convivência, é aspecto fundamental de respeito aos direitos da criança. Isso deve ser feito com o máximo de participação da criança, da família e dos professores.

Considerando a importância de trazer o estudante de volta para a escola, é importante que a família participe deste processo e que o professor e a escola façam todo o esforço para trazer esta criança para a escola, ou para não deixar que esta criança tenha uma frequência tão irregular. Temos o exemplo de um projeto em Taboão da Serra em que os professores são visitadores. Eles próprios visitam as famílias das crianças para compreender a situação das famílias e trazer as crianças de volta a uma frequência escolar regular. Podemos fazer isso de outras formas, tentando fazer programas de sensibilização das famílias na escola, programas em que outros agentes comunitários possam estar atuando junto às famílias, mas de qualquer forma é importante que “nenhum a menos”, ou seja, que nenhuma criança fique fora da escola ou deixe de aprender. Este é o direito fundamental que a escola deve garantir.

Tratando, ainda, da relação entre a escola e a família e a situação dos conflitos intra-escolares, devemos frisar que a garantia do direito da criança deve estar sendo pensada numa parceria muito estreita entre a escola e a família. Obviamente, esta questão da participação da família na escola tem sido objeto de muitas reflexões e tem sido um desafio muito grande para muitas escolas.

O importante é ressaltar que a participação das famílias na escola deve ser também a participação nas decisões da escola, inclusive sobre o currículo escolar, sempre que possível, para que realmente escola e família encontrem um caminho muito profícuo para a aprendizagem das crianças. Portanto, é preciso pensar que temos que olhar as condições reais das famílias, a fim de não culpabilizá-las pelos problemas que os estudantes trazem de casa, porque muitas famílias tem situações muito difíceis de vida e se encontram bastante vulneráveis. Penso que a escola, em parceria com os órgãos locais de assistência social, pode atuar apoiando estas famílias na sua atuação como pais de alunos que precisam estudar e que têm direito a um desenvolvimento adequado.

É importante pensar que nem sempre os espaços formais de participação são suficientes. Evidentemente, a Associação de Pais e Mestres ou o Conselho de Escola, são lugares importantes de protagonismo e participação da família, mas não podemos pensar somente nisso, ou nas reuniões escolares, nas quais os pais geralmente vão saber se os seus filhos tiveram um bom desempenho escolar ou não. Em geral, os pais que comparecem são aqueles que os filhos

7

tiveram resultados positivos. Os demais não comparecem, pois se sentem envergonhados, uma vez que sabem

tiveram resultados positivos. Os demais não comparecem, pois se sentem envergonhados, uma vez que sabem que seus filhos não estão indo bem na escola e não querem ir lá para ouvir isso novamente dos professores. Para estes casos, os professores têm que ter uma estratégia muito especial. Trazer estes pais para a escola é muito importante para garantir o direito da criança à educação.

Por outro lado, os pais também podem se tornar aprendizes, participar de grupos de estudo, discutir na escola os direitos da criança e do adolescente, também ser monitores de discussão desses direitos em alguns grupos na escola. É preciso que pensemos nas possibilidades e nas potencialidades dos pais, considerando que muitos deles têm saberes que a escola não valoriza, às vezes, são saberes trazidos da sua vida, da sua experiência histórica e cultural, que precisam ser revalorizados para que a escola realmente consiga um sucesso maior com a sua presença e a sua participação.

É preciso também perceber se a educação recebida pela realmente sendo importante para ela, garantindo o seu crescimento como ser humano. Todo pai quer e toda mãe quer que seu filho se desenvolva e que aprenda na escola. É preciso a escola trabalhar com uma parceria importante com a família, para que estes direitos sejam respeitados.

Por outro lado, também devemos pensar que existem de fato situações de conflito intra-escolar. A maior parte das escolas tem vivido hoje situações de violência, de insegurança, e isso tem preocupado muito todos os professores. Em que a escola pode atuar nestas situações? Penso que ela pode atuar em três âmbitos.

1 - Área curricular e organizativa: De fato a escola tem que pensar se o

currículo, as atividades e a metodologia que está oferecendo, estão adequados ao tipo de criança que atende ou às demandas que estas crianças têm de aprendizagem. É muito importante que a escola pense esta perspectiva curricular e, para isso, ela pode também pensar em estabelecer colaboração com a comunidade e com pessoas da comunidade que podem ajudar a pensar um pouco outras atividades, facilitando um certo incremento de atividades curriculares mais adequadas ao público atendido.

2 – Participação: Ampliar as possibilidades de participação democrática da

família, dos alunos e da comunidade, na definição das normas de convivência escolar, e na definição do projeto político pedagógico da escola. Quando isso é feito de forma mais democrática, os alunos, pais e professores, tendem a ser

contemplados em suas demandas e as situações de conflito tendem a diminuir.

8

3 - Apoio externo: Por outro lado, se de fato há situações graves de conflito

3 - Apoio externo: Por outro lado, se de fato há situações graves de conflito

intra-escolar, é preciso que a escola tenha a sua disposição, profissionais formados em mediação de conflitos, que possam trabalhar este sistema de apoio aos grupos que estão entrando em conflito na escola, tanto entre crianças, como na relação professor-aluno. E, nesse sentido, a escola deve pedir ajuda. Se ela não tem condições de resolver estes problemas por conta própria, deve buscar recursos da comunidade, solicitando apoio ao poder público, para que ela tenha condições de trabalhar estas questões que afetam a dinâmica escolar e que, portanto, violam também os direitos da criança ao aprendizado adequado.

Por fim eu queria lembrar a importância de trabalharmos com quatro níveis de intervenção no momento em que pensamos nas ações a serem planejadas.

1 - Comunidade local: Sensibilizar a comunidade local para a questão do

direito da criança, trabalhando no sentido de cooperação com a comunidade para fortalecer programas que respeitam e garantam direitos. Trabalhar no sentido de

mobilizar o poder público para oferecer serviços e recursos que garantam os direitos da proteção integral que ainda não existem. Pode ser, por exemplo, que aquela comunidade ainda não tenha o atendimento de saúde adequado, ou o atendimento à drogadição, se existem vários adolescentes envolvidos com drogas, por exemplo. Falamos aqui de uma atuação mais política.

2 – Escola: Em relação à própria escola é preciso trabalhar um pouco o

projeto político pedagógico, as propostas curriculares e a participação maior, tanto de pais, como de professores, nesta dinâmica escolar, também na construção das normas de convivência dentro da escola.

3 – Sala de aula: O que o professor pode fazer na sala de aula. A discussão

dos direitos das crianças e dos adolescentes em cada disciplina curricular desenvolvida, ou em uma atividade ou projeto específico em que se discuta algum tema de violação de direitos que deva ser aprofundado. Pode também integrar a questão da discussão das normas de convivência e dos relacionamentos e, também, do respeito aos valores fundamentais, também no currículo escolar. Outra questão se relaciona na adoção de metodologias de ensino que favoreçam intercâmbios positivos entre os alunos, por exemplo, a participação dos alunos em ações da comunidade, que os alunos possam, não apenas ter seus direitos respeitados, mas aprender a respeitar os direitos dos idosos, das pessoas com deficiências, de outras pessoas que precisam de ajuda. Respeitar o direito do outro também é uma forma de estudar e de favorecer o respeito ao seu direito.

4 – Individual: Refere-se àqueles casos em que de fato há uma violação

clara do direito da criança, uma situação de negligência, de abandono, de

9

trabalho forçado ou de violência de qualquer natureza. Nestes casos, é fundamental acolher esta criança,

trabalho forçado ou de violência de qualquer natureza. Nestes casos, é fundamental acolher esta criança, ouvir, respeitar e comunicar estes casos à direção da escola, além de buscar outros apoios para que a criança possa ter seu direito garantido, voltando também a aprender.

Outro papel importante que o professor pode fazer na sala de aula, é promover a competência sócio-afetiva e interpessoal. Quando os alunos criam um clima de cooperação, de ajuda, de colaboração entre eles, os direitos serão respeitados e as dificuldades eventuais de cada criança serão minimizadas e as suas condições de desenvolvimento serão estimuladas.

Finalizando, gostaria de lembrar que os professores, na sala de aula, devem buscar reconhecer a especificidade de cada fase do desenvolvimento da criança, respeitando, por exemplo, o seu nível de aprendizagem possível, as dificuldades específicas que ela tem por estar numa situação diferenciada, ou por estar numa fase específica do desenvolvimento. Eu sei que disso tudo o professor conhece bem e vai atender bem os direitos da criança e do adolescente.

10