Você está na página 1de 6

12. Filipenses 2.

9-11 – Todo o joelho se


dobrará
9
Por isso, Deus também o exaltou com soberania e lhe deu o nome que está acima de qualquer
outro nome; 10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, na terra e
debaixo da terra, 11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

Suponha que estivesse fora do país durante as últimas eleições. Não sabe que o PS foi o
vencedor. Pediu-me para gravar as notícias com os resultados para ver depois que
voltasse. Quando voltou, propus que fizéssemos uma aposta de 100€ nas eleições.
Aceitaria? Só se quisesse me dar 100 €! Por quê? Porque não há dúvidas sobre o
resultado. Apostar contra algo onde o resultado é certo é totalmente tolo.

Ainda assim, milhões de pessoas apostam o seu destino eterno contra um resultado que
Deus declarou absolutamente certo. Jesus Cristo ressuscitou dos mortos e ascendeu à
direita de Deus Pai, onde “O SENHOR disse ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até
que eu ponha teus inimigos debaixo dos teus pés” (Sl 110: 1). A Palavra de Deus nos
assegura que todo joelho se dobrará para reconhecer Jesus Cristo como Senhor. E, no
entanto, as pessoas continuam a apostar o seu destino eterno contra essa palavra segura
de Deus, vivendo como seus próprios senhores e salvadores, como se a Palavra de Deus
fosse incerta ou não verdadeira. No nosso texto, o apóstolo Paulo nos assegura que...

Como Jesus se humilhou na cruz, Deus o exaltou acima de tudo, para que todos se
submetam a Jesus como Senhor.

Quero expor o que este texto das Escrituras ensina; lidar com algumas objeções em
potencial a esse ensino; e, oferecer algumas aplicações.

O ensino:
1. O Jesus crucificado, ressuscitado e ascendido está agora no lugar da
supremacia sobre toda a criação (2: 9).

“Por isso” leva-nos ao versículo 8: Porque Jesus estava disposto a se humilhar e ser
obediente até a morte na cruz, Deus o exaltou muito e concedeu-lhe o nome acima de
todo nome. Como vimos na semana passada, Jesus deixou de bom grado o auge das
alturas, deixou de lado a glória que possuía com o Pai antes da fundação do mundo e
assumiu a forma de um servo humilde, acrescentando humanidade genuína à Sua
divindade eterna. A Sua divindade não foi diminuída ou deixada de lado, mas foi velada
durante Seu ministério terrestre, como um eclipse do sol. Mas o versículo 9 nos diz que,
após esse período de véu, Deus o restaurou naquele lugar de supremacia (João 17: 5).
“exaltou com soberania” é uma palavra que ocorre somente aqui no Novo Testamento, e
pode ser traduzida como “superexaltado”. Assim, Jesus foi do alto dos altos às
profundezas das profundezas e voltou novamente ao alto dos altos.

Jesus não se exaltou (embora pudesse), mas o Pai o exaltou, colocando assim seu selo
de aprovação na morte de Jesus como a satisfação da penalidade por nossos pecados.
Como Pedro proclamou ao Sinédrio judeu (Atos 5:30, 31): “ 30 O Deus de nossos pais
31
ressuscitou Jesus, a quem vós matastes, pendurando-o num madeiro. Sim, Deus, com a sua

1
destra, o elevou a Príncipe e Salvador, para conceder a Israel o arrependimento e o perdão de
pecados.” A exaltação de Jesus prova que Ele derrotou Satanás, que não podia manter
Jesus na sepultura (Col. 2: 13-15).

Os homens não exaltaram Jesus. Eles lançaram insultos e abusos nele. Eles zombaram e
cuspiram nele e o chamaram de nomes. Mas o Pai deu a Jesus o nome acima de todos os
nomes, o nome "Senhor", que é equivalente ao nome de Deus no Velho Testamento,
Javé, um nome tão sagrado que os hebreus nem sequer o pronunciaram. Quando liam as
Escrituras e chegavam a Javé, liam "Adonai", que significa "Senhor". "Jesus é Senhor"
significa"Jesus é Javé", Deus eterno.

Que este é o significado de Paulo se torna óbvio quando se compara Filipenses 2: 9 com
Isaías 45:22, 23: “22 Olhai para mim e sereis salvos, vós, todos os confins da terra; porque eu
sou Deus, e não há outro. 23 Jurei por mim mesmo; a palavra de justiça já saiu da minha boca e
não voltará atrás. Todo joelho se dobrará e toda língua haverá de jurar diante de mim. ” A
quem se vão dobrar? A Deus! Citando esses versículos, Paulo diz que todo joelho se
dobrará para Jesus. Jesus é Deus, Senhor, Senhor!

Pedro afirmou a mesma verdade no dia de Pentecostes (Atos 2: 33-36): “33 Portanto,
exaltado à direita de Deus e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou o
que agora vedes e ouvis. 34 Porque Davi não subiu aos céus, mas ele próprio afirma: O Senhor
disse ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, 35 até que eu ponha os teus inimigos como
estrado dos teus pés. 36 Portanto, toda a casa de Israel fique absolutamente certa de que esse
mesmo Jesus, a quem crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo ”

Assim, qualquer ensino, como o dos mórmons e das testemunhas de Jeová, que diminui
ou nega a plena divindade de Jesus Cristo, vai contra o claro testemunho apostólico de
Jesus. O Jesus que se humilhou até a morte na cruz foi levantado, ascendido ao céu e
colocado à direita de Deus Pai, no lugar da supremacia sobre toda a criação.

2. Toda criatura se curvará diante do exaltado Senhor Jesus Cristo (2:10).

Para enfatizar a universalidade da exaltação e senhorio de Cristo, Paulo acrescenta: “dos


que estão nos céus, na terra e debaixo da terra,”. Todo ser criado se submeterá a Jesus
Cristo. No céu, os anjos se curvarão voluntariamente diante de Jesus. Os anjos são
criaturas impressionantes de grande poder e glória. O poderoso anjo Gabriel, que trouxe
visões de Deus ao profeta Daniel, causou tanto medo em Daniel que caiu no seu rosto
(Dan. 8:17). Por outra ocasião, quando Daniel viu o anjo, ele empalideceu e perdeu toda
a força. Quando a mão do anjo tocou Daniel, ele o fez tremer nas mãos e nos joelhos e o
deixou sem palavras (Dan.10: 8, 10, 15). Mas o poderoso Gabriel se inclina diante do
Senhor Jesus Cristo.

Na terra, aqueles que provaram Sua graça soberana se curvarão voluntariamente diante
de Jesus. Outros, incluindo muitos dos homens mais poderosos que já viveram - grandes
reis, magnatas ricos, traficantes - se curvarão contra as suas vontades, mas se curvarão.
Debaixo da terra, Satanás e todas as suas poderosas forças demoníacas se curvarão
diante do Senhor Jesus Cristo. Esses demónios receberam um tremendo poder. O Livro
de Jó mostra como Satanás pode levar as pessoas más a cometerem um massacre, ele
pode fazer com que um vento forte derrube uma casa e pode infligir um homem com

2
doença (Jó 1:15, 19; 2: 7). Certos demónios aparentemente têm poder territorial sobre
nações inteiras (Dan. 10:13). Mas todos eles se curvarão diante do Senhor Jesus Cristo.

3. Toda língua confessará o senhorio de Jesus Cristo para a glória de Deus


Pai (2:11).

Precisamos entender que honrar a Jesus é honrar o Pai, porque Jesus é Deus. Como
Jesus disse a seus críticos judeus: “22 Porque o Pai não julga ninguém, mas entregou ao Filho
todo o julgamento, 23 para que todos honrem o Filho, assim como honram o Pai. Quem não
honra o Filho não honra o Pai que o enviou ”(João 5:22, 23). Porque Jesus e o Pai são um,
glorificar a Jesus é glorificar o Pai. A glória de Deus é o objetivo de Seu propósito
eterno em Cristo. Se as pessoas não derem glória de bom grado a Deus nesta vida, o
farão contra sua vontade por toda a eternidade.

Esse é o ensino: porque Jesus se humilhou através da cruz, Deus o exaltou muito acima
de tudo, para que todos se submetam a Jesus como Senhor, à glória de Deus Pai. Este
ensinamento levanta algumas questões ou objeções. Talvez haja mais, mas posso pensar
em duas:

Objeções ao Ensino:
1. Se Jesus é exaltado como Senhor, por que Ele permite o mal e o
sofrimento? Por que ele não reprime a rebelião agora?

Certamente, este é o antigo problema do mal com o qual os teólogos e filósofos lutam.
Não podemos responder à pergunta: "Por que Deus permitiu o mal e o pecado em
primeiro lugar?", Exceto para dizer: "Era uma parte do Seu plano inescrutável e resulta
em maior glória a Deus do que qualquer outro plano". Atribuir o mal ao facto de que
Deus deu liberdade de escolha aos anjos e depois aos seres humanos não resolve
realmente o problema, porque obviamente Deus sabia as escolhas pecaminosas que
seriam feitas. Ele até ordenou a cruz antes da fundação do mundo (Ef 1: 4; Ap 13: 8). E,
no entanto, a Bíblia afirma claramente que Deus não é responsável pelo pecado e que
Ele está separado de todo pecado (1 João 1: 5).

A Bíblia é igualmente clara que o atual reinado de Satanás como deus deste mundo e a
abundância do mal de maneira alguma desmentem o senhorio absoluto de Jesus Cristo.
O Livro do Apocalipse deixa claro que o mal será abundante e aparentemente vencerá a
guerra até o fim. Os santos serão martirizados (Ap 6: 9-11), a Babilónia perversa
prosperará (Ap 17 e 18) até quase ao fim. E então, "num dia, e numa hora" (Ap. 18: 8,
10, 17, 19) O julgamento de Deus a destruirá. O livro final da Bíblia mostra que o facto
de que o mal abunda não impede de forma alguma os planos de Deus ou o triunfo final
de Cristo.

A Bíblia também é clara que qualquer atraso no julgamento de Deus é apenas por causa
da Sua grande paciência, em não querer que ninguém pereça, mas em trazer todos os
Seus eleitos ao arrependimento (2 Pedro 3: 9). A salvação final dos eleitos de Deus e a
condenação dos ímpios demonstrarão a justiça perfeita de Deus e trarão glória a Ele (ver
2 Ts. 1: 6-10).

3
Portanto, a Bíblia reconhece a presença do mal, mas também afirma claramente que não
desaprova o senhorio de Jesus, que no tempo perfeito de Deus suprimirá todo o mal e
reinará em triunfo absoluto. Isso leva à segunda pergunta ou objeção:

2. Como podemos ter certeza de que Jesus finalmente triunfará,


especialmente quando vemos o mal vencendo nos nossos dias?

Como apontei, as Escrituras são claras que o mal aparentemente ganhará até à hora
final. Então o machado de Deus cairá. Mas, como podemos saber que essas profecias
sobre o futuro se tornarão realidade?

Veja as muitas profecias que foram cumpridas no nascimento, vida, morte e ressurreição
do Senhor Jesus. Pedro menciona como os profetas do Velho Testamento procuraram
saber a que hora ou a maneira "o Espírito de Cristo dentro deles estava indicando,
enquanto previa os sofrimentos de Cristo e as glórias a seguir" (1 Pedro 1:10-11). O
Jesus ressuscitado disse aos homens na estrada de Emaús: “10 Foi essa salvação que os
profetas examinaram e dela procuraram saber com cuidado, profetizando sobre a graça
destinada a vós, 11 indagando qual o tempo ou ocasião que o Espírito de Cristo, que estava
neles, indicava ao predizer os sofrimentos que sobreviriam a Cristo e a glória que viria depois
desses sofrimentos.” Então, “27 E, começando por Moisés e todos os profetas, explicou-lhes o
que constava a seu respeito em todas as Escrituras. ” (Lucas 24: 27)

Não apenas temos o testemunho dos profetas do Velho Testamento que falaram dos
sofrimentos e da glória de Cristo, mas também o testemunho de muitos apóstolos,
homens de integridade, que viram o Senhor ressuscitado, que O viram subir ao céu e
ouviram o testemunho dos anjos da Sua segunda vinda prometida (At 1:11). Essas
testemunhas saíram e deram a própria vida com base no que haviam visto e ouvido.
Podemos confiar no testemunho deles.

Assim, podemos saber que, embora pareça que o mal está vencendo, Jesus ressuscitou e
Ele é o Senhor. O Seu reino será estabelecido e todo joelho no céu, na terra e debaixo da
terra se dobrará diante de Jesus como Senhor soberano.

Aplicação do Ensino (4 aplicações):


1. A exaltação do Senhor Jesus Cristo é um incentivo à humildade.

Esta é a principal aplicação de Paulo no contexto. Se Jesus é o Senhor exaltado,


precisamos nos destronar. Devemos seguir nosso o Senhor no Seu exemplo de deixar de
lado os seus direitos e assumir a forma de servo. Porque Ele se humilhou, Deus O
exaltou altamente. Jesus ensinou: “Porque todo aquele que se exaltar será humilhado, e
quem se humilhar será exaltado” (Lucas 14:11). Seria errado pensar que Jesus estava
motivado a ir à cruz com o pensamento de ser exaltado depois. Ele foi à cruz por amor e
obediência ao Pai e amor por si e por mim. Mas ser exaltado era a Sua recompensa.
Nossa motivação para nos humilharmos deve ser amor por Deus e pelos outros, por
causa de Seu grande amor por nós. Mas, se nos humilharmos sob a mão poderosa de
Deus, Ele nos exaltará no tempo apropriado (1 Pedro 5: 6).

4
2. A exaltação do Senhor Jesus Cristo é um encorajamento nas provações.

Jesus suportou a cruz, e o Pai O fortaleceu e Lhe deu graça por aquela terrível provação.
A cruz, a ressurreição e subsequente exaltação de Jesus mostra que Deus pode
transformar o mais grotesco dos pecados contra nós no maior dos triunfos divinos.
Qualquer sofrimento ou tragédia que enfrentamos pode redundar para a glória de Deus.

O grande pregador britânico, Charles Spurgeon, conheceu esse incentivo da exaltação


de Cristo. Quando ele tinha apenas 22 anos, a sua popularidade se espalhou por
Londres. Milhares estavam reunidos para ouvi-lo pregar. Para acomodar as multidões,
sua igreja alugou o Surrey Gardens Music Hall, com capacidade para cerca de 10.000
pessoas. O culto de abertura ocorreu no domingo, 19 de outubro de 1856. A notícia se
espalhou e, quando eles abriram o prédio, as pessoas se aglomeravam, sentando-se em
todos os lugares, arrumando os corredores e as escadas, enquanto outros milhares
ficavam do lado de fora, esperando ouvir através das janelas abertas. Quando Spurgeon
chegou e viu a multidão, estava quase impressionado. O culto começou e tudo parecia
estar bem.

Mas logo depois que Spurgeon começou a orar, o lugar ficou confuso. Alguns em uma
galeria gritaram: “Fogo!” Outro na plateia gritou: “As galerias estão a cair!” Uma
terceira voz gritou: “O lugar está todo em colapso!” As pessoas entraram em pânico e
começaram a correr para as saídas, mas não havia espaço. Alguns caíram pelas grades
da varanda até o andar de baixo. Enquanto alguns corriam para fora das portas, a
multidão lá fora viu como sua oportunidade de se sentar e começou a entrar. Spurgeon
tentou acalmar todos, mas antes que terminasse, sete pessoas foram esmagadas até a
morte e outras 28 foram severamente feridos. A coisa toda havia sido orquestrada por
inimigos que tinham inveja da popularidade de Spurgeon e queriam uma causa para
derrubá-lo.

O próprio Spurgeon ficou arrasado com o que havia acontecido, tanto que um homem
que o conhecia bem relatou que 25 anos depois destes acontecimentos Spurgeon ainda
estava tomado pela emoção. Seus críticos usaram o evento para trazer todo tipo de
calúnia contra o jovem pregador. Spurgeon se retirou por mais de uma semana, incapaz
de pregar ou fazer qualquer coisa. Mas, enquanto ele caminhava no jardim de um
amigo, nosso texto relampejou em sua mente: “Por isso, Deus também o exaltou com
soberania e lhe deu o nome que está acima de qualquer outro nome;” Ao meditar sobre
o Cristo exaltado, ele encontrou força, e quando ele voltou ao púlpito, falou sobre esses
versículos. Deixe-os confortá-lo num momento de tragédia.

3. A exaltação do Senhor Jesus Cristo é um incentivo ao evangelismo.

O facto de que todo joelho se dobrará diante de Jesus como Senhor, seja
voluntariamente nesta vida ou forçosamente no julgamento, deve nos levar a advertir os
outros a fugir da ira vindoura. O senhorio supremo de Jesus é o culminar do que Deus
está a fazer na história, e temos uma parte na obra de Seu reino. As pessoas perdidas
precisam ver as sérias consequências se continuarem em rebelião. Eles precisam se
arrepender de seus pecados, confiar em Cristo como Salvador e ceder a Ele como
Senhor.

5
4. A exaltação do Senhor Jesus Cristo é um incentivo para a salvação.

Se não se curvou diante de Jesus como seu Senhor e Salvador, não demore! Hoje é o dia
da salvação; amanhã pode ter que encará-lo como juiz! Crer em Cristo como seu
Salvador e Senhor exige que se humilhe, porque deve abandonar a noção orgulhosa de
que pode se salvar. As suas boas obras não são boas o suficiente. Somente Cristo pode
salvar. Deixe de lado os pensamentos de que é bom o suficiente para o Deus santo.
Afaste-se do seu pecado e vá para Jesus.

“22 Olhai para mim e sereis salvos, vós, todos os confins da terra; porque eu sou Deus, e não
há outro. 23 Jurei por mim mesmo; a palavra de justiça já saiu da minha boca e não voltará
atrás. Todo joelho se dobrará e toda língua haverá de jurar diante de mim. 24 De mim se dirá: A
justiça e a força estão somente no SENHOR. Todos os que se rebelarem contra ele virão a ele
envergonhados. 25 Mas toda a descendência de Israel será justificada e exultará no
SENHOR.”(Isa. 45: 22-25).

O resultado é certo. A questão é: de que lado está?