Você está na página 1de 6

14. Filipenses 2.

14-18 - Sem queixas e


discórdias
14
Fazei todas as coisas sem queixas nem discórdias; 15 para que vos torneis filhos de Deus
irrepreensíveis, sinceros e íntegros no meio de uma geração corrupta e perversa, na qual
resplandeceis como luminares no mundo, 16 retendo a palavra da vida, para que, no dia de
Cristo, eu tenha motivo de me orgulhar do fato de que não foi em vão que corri ou trabalhei. 17
Contudo, ainda que eu seja derramado como libação* sobre o sacrifício e o serviço da vossa fé,
alegro-me e me congratulo com todos vós; 18 e também, pela mesma razão, alegrai-vos e
congratulai-vos comigo.

A murmuração é provavelmente um dos pecados mais tolerados pelos cristãos. Nós


toleramos e talvez nem pensemos nisso como um pecado, porque somos todos tão
propensos a fazê-lo. Eu já tive que confessar o meu espírito de resmungão e
murmurador ao Senhor e agradecer a Ele pelas bênçãos.

Depois de dizer aos filipenses que realizassem a sua salvação com temor e tremor,
porque não era outro senão Deus que estava trabalhando no meio deles, tanto para o
querer quanto para o realizar segundo a Sua vontade (2: 12-13), Paulo passa de Pregar à
intromissão: Ele aplica especificamente dizendo-lhes que façam todas as coisas sem
queixas e discórdias. No contexto, ele está especialmente a nos exortar para não
resmungar e disputar uns contra os outros na igreja, porque ele nos instou a adotar os
modos humildes de servos do Senhor Jesus. Mas resmungar contra qualquer pessoa ou
qualquer circunstância é realmente resmungar contra o Deus soberano que deseja e
trabalha todas as coisas nas nossas vidas (2:13). Portanto, a exortação de Paulo significa
que temos que enfrentar as nossas queixas e reclamações como pecado. Ainda luto com
o problema, como a maioria de nós!

Eu gostaria que Paulo tivesse sido um pouco mais realista. Ele poderia ter dito: "Tentem
fazer a maioria das coisas sem reclamar ou contestar". Isto é realista, não é? Eu posso
tentar. Mas todas as coisas? De facto, a palavra traduzida como "todas as coisas" é
enfática no texto grego. Paulo não vai nos aliviar a carga! E, sua razão para esse
mandamento diz respeito ao nosso testemunho individual e corporativo perante o
mundo (2:15, 16). O próprio exemplo de Paulo (2:17) mostra que não apenas lutamos
contra o resmungar e contestar, mas positivamente, somos marcados pela alegria,
mesmo no meio das provações difíceis. Ele diz:

A nossa identidade como filhos de Deus é marcada, não pelas queixas e disputas,
mas pela alegria, mesmo nas provações.

Para explicar e aplicar as palavras de Paulo, devemos considerar algumas coisas:

1. A nossa identidade em Cristo está no topo do nosso pensamento, a


fim de marcar todas as nossas atitudes e comportamentos.

Qual é o principal fim do homem? Glorificar a Deus e desfrutá-lo para sempre. O que
significa glorificar a Deus? Para mostrá-lo bom, como Ele realmente é. Glorificar a
Deus significa que quando as pessoas olham para as nossas vidas como cristãos, devem

1
exaltar o nosso Deus a quem veem a brilhar através de nós. Portanto, como filhos de
Deus, o nosso testemunho - o que nossas vidas comunicam sobre nosso Salvador – é
representativo da nossa identidade em Cristo. A identidade está no topo do nosso
pensamento, e as nossas atitudes, o nosso comportamento e as nossas palavras trazem
glória a Deus.

Paulo aqui refere-se aos cristãos como "filhos de Deus". Uma passagem específica do
Velho Testamento está por trás das palavras de Paulo. Em Deuteronómio 32: 5, no
cântico de Moisés, ao se referir às queixas e descrenças dos filhos de Israel no deserto,
Moisés diz: “O povo* corrompeu-se contra ele. Não são seus filhos. Este é o pecado deles. É
uma geração perversa e depravada ” Paulo revira isso e diz que somos filhos de Deus, que
vivemos no meio de uma geração desonesta e perversa, e, portanto, somos chamados à
atenção para ter o cuidado de não resmungar e entrar em disputas, como Israel fez no
deserto. O povo de Deus é chamado para brilhar neste mundo sombrio como luzes,
revelando às pessoas a palavra da vida, o evangelho de Cristo.

As crianças refletem os pais, não é? Se uma criança é mal-humorada, infeliz e sempre se


queixa da vida, que ideia ela passa dos pais? Pode ser que os pais sejam
verdadeiramente amáveis, atenciosos, pessoas que cuidem bem dos filhos. Mas a má
atitude da criança faz com que as pessoas pensem mal dos pais, por mais bons que
sejam.

Este é o ponto que devemos ter em mente como filhos do Pai Celestial. Ele é perfeito
em todos os seus caminhos. Mas, vamos ser sinceros: às vezes, os Seus caminhos
levam-nos ao deserto, onde há dificuldades. Quando se lê Êxodo, vemos como Deus
livrou Israel do Egito de uma maneira poderosa. Ele enviou as pragas, depois levou
Israel à beira do Mar Vermelho e levou o exército do Faraó atrás deles. Ele
milagrosamente separou o mar para que Israel pudesse marchar em solo seco e depois
trouxe o mar de volta ao exército egípcio.

Então, depois dessa poderosa demonstração do poder de Deus e dos Seus cuidados com
o povo escolhido, lemos a seguir que eles chegaram a um lugar, três dias de viagem ao
deserto, onde não havia água (Ex 15:22). Logo após a sua poderosa vitória, e logo após
o Cântico de Moisés celebrando essa vitória (Ex 15: 1-18), quando se lê sobre a falta de
água, pensamos: “E depois? O Deus que acabou de separar o mar pode fornecer água.”
Mas, em vez disso, lemos: “O povo se queixou de Moisés” (Ex 15:24). Então lemos
como eles resmungavam porque não havia comida (16: 2), então o Senhor providenciou
maná. Então eles se queixaram porque não havia carne, então o Senhor providenciou
codornizes (16: 8-13). Então eles ficaram sem água novamente, e se queixaram
novamente, e o Senhor novamente providenciou água (17: 3).

Mas, ao resmungar contra Moisés e discutir com ele (17: 2), eles estavam realmente
resmungando e discutindo contra o Senhor (16: 8). Foi um péssimo testemunho para as
nações ao seu redor, que o Deus que havia providenciado uma poderosa libertação para
Israel também não proveria as suas necessidades básicas. Isso refletiu mal o Seu amor,
Seu cuidado e Seu poder de prover. As nações pagãs ao seu redor, que estavam
procurando um pretexto para justificar sua rebelião contra o Deus vivo, iriam zombar de
Deus quando ouvissem as queixas e reclamações de Seu povo.

2
Este é o ponto de Paulo no nosso texto. Vivemos no meio de uma geração perversa que
se recusa a submeter-se ao senhorio de Jesus Cristo. É um mundo marcado por
resmungos e reclamações. Na tentação original, Satanás fez Eva duvidar da bondade de
Deus, e desde então ele continua a fazer o mesmo. As pessoas não vão confiar num
Deus cuja bondade está em questão. Então, aqui está o povo de Deus, libertado da
escravidão do pecado pela poderosa salvação de Deus através da morte e ressurreição
do Senhor Jesus. Eles viram o seu poder. Passado algum tempo, eles entram numa
situação difícil, um teste no qual não têm ideia de onde ele virá.

O que eles fazem? Eles resmungam e discutem com Deus? “Como pôde fazer isto
comigo quando eu te segui fielmente?” Ou, cheios de alegria no Senhor, brilham como
luzes na escuridão? O testemunho de Cristo está em jogo, especialmente quando passa
por uma provação difícil.

Paulo diz que três coisas devem marcar os filhos de Deus (especialmente nas
provações): Devemos ser irrepreensíveis, sinceros e íntegros. Irrepreensível tem a
nuance da integridade moral vista por outros. Aponta para o nosso comportamento
exteriormente observável, incluindo as nossas atitudes. Nada nas nossas vidas deve dar
uma oportunidade para o escândalo, onde os incrédulos podem ver como vivemos e
dizer: “Eu pensei que ele era cristão! Como ele pode ser cristão e viver assim?” Um
grande exemplo de homem irrepreensível é Daniel, que viveu na Babilónia e serviu
naquele governo pagão. Quando os seus inimigos quiseram encontrar alguma acusação
contra ele para derrubá-lo, porque estavam com inveja da sua posição, eles finalmente
concluíram: “Nunca encontraremos motivo algum contra esse Daniel, a menos que o
procuremos no que diz respeito à lei do seu Deus ” (Dan. 6: 5). Daniel viveu
irrepreensivelmente.

Além disso, devemos ser sinceros. Esta palavra se concentra na integridade moral
interior, que é a raiz apropriada do comportamento sem culpa externa. Ele concentra-se
no que somos no nosso pensamento diante de Deus. É possível colocar uma boa fachada
na igreja, mas levar uma vida dupla. Pode ser um homem honesto na igreja, mas cheio
de pensamentos lascivos, sempre observando as mulheres. Pode ser um homem
simpático e sorridente na igreja, mas ser um tirano irado com a sua família. Todo
pecado começa nos nossos pensamentos ou na mente (Marcos 7: 20-23). Assim, temos
que julgar nossos pensamentos pecaminosos e levar todo pensamento cativo à
obediência de Jesus Cristo (2 Cor. 10: 5), para que sejamos não apenas irrepreensíveis,
mas sinceros.

Então também devemos ser íntegros. É um resumo dos outros dois e significa, sem
manchas. É uma palavra grega interessante, amoma. Em grego, a letra "a" nega algo.
Então a palavra significa, o oposto de moma. "Momus" era um deus grego carinhoso
que não fazia nada e encontrava falhas em todos e em tudo. Portanto, aqueles que se
queixam e encontram falhas passaram a ser chamados de "Moma". Mas Paulo diz que
os filhos de Deus não devem ser aqueles que andam à procura de falhas e a reclamar.
Em vez de reclamar, busquemos que esta geração perversa saiba que nosso Pai Celestial
é um Deus bom, amoroso e atencioso. A nossa identidade em Cristo está no topo do
nosso pensamento, a fim de marcar todas as nossas atitudes e comportamentos

2. O nosso testemunho de Cristo é manchado pelas queixas e


disputas.

3
Como eu disse, no contexto, Paulo está a falar de queixas e discórdias entre si. Mas
todas as queixas e disputas são realmente contra Deus, que é soberano sobre todas as
nossas circunstâncias. A “queixa” é usada repetidamente em Israel no deserto, tanto em
relação a Moisés quanto às circunstâncias. Moisés não era um líder perfeito; nenhum
líder humano é. Mas Deus o havia designado. Então Deus disse que as queixas deles
estavam contra Ele (Êx 16: 8). Quando resmungamos, seja sobre um líder da igreja que
não gostamos ou sobre alguma provação pela qual estamos passando, estamos realmente
dizendo: "Deus, não está a fazer um bom trabalho ao dirigir minha vida. Por que estou
aqui fora neste deserto? Por que não temos água? Por que designou esse homem para
nos levar para essa confusão?” Estamos a questionar Deus de maneira errada.

“Discórdias” pode significar questionamento interno ou dissensão externa (1 Tim. 2: 8).


A ordem de Paulo de não contestar não sufoca a discussão honesta das diferenças em
questões de doutrina ou prática. Tampouco significa que é errado questionar os líderes
da igreja sobre áreas problemáticas. Mas confronta a nossa atitude em como levantamos
questões ou desacordos. Discórdias significa desafiar com um espírito egoísta e não
submisso. Significa afirmar a sua autoridade na tentativa de resistir a Deus e aos líderes
que Ele designou, para que não precise se submeter à Sua Palavra. Satanás estava
discutindo quando disse a Eva: “De facto, Deus disse: ...? Certamente não morrerás!”
(Génesis 3: 1, 4). Como disse Matthew Henry, "os mandamentos de Deus foram dados
para serem seguidos, não para serem discordados" ((Matthew Henry’s Commentary, on
Phil. 2:15, [Revell], p. 734).

Em terceiro lugar,

3. Nosso testemunho de Cristo brilha quando somos cheios de alegria,


mesmo no meio das provações.

"Luminares", coisas que brilham. Quando as estrelas brilham mais? Quando a noite é
mais escura. Eles brilham, mas não tão intensamente, quando a lua está cheia. As
estrelas brilham durante o dia, mas não podemos vê-las porque a luz do sol as bloqueia.
Mas numa noite escura, elas brilham mais.

Quando pode prestar o testemunho mais eficaz de Jesus Cristo? Quando está no lugar
mais escuro! Pode ser um local de prova pessoal, onde irradia a alegria de Deus, apesar
da sua situação. Talvez esteja numa situação sombria no trabalho ou na escola, cercada
por pessoas tortas e perversas. Se fizer todas as coisas sem reclamar ou contestar, mas
for irrepreensível, inocente e acima de qualquer censura, cheio de alegria no Senhor,
brilhará! Muitas pessoas nunca leem a Bíblia, mas elas leem-nos.

Como Paulo escreveu, ele estava num lugar escuro, na prisão, enfrentando uma possível
execução do imperador Nero. Pregadores cristãos em Roma o caluniavam por inveja e
conflito. Mas Paulo diz que se a sua vida é derramada como sacrifício e serviço da fé
dos filipenses, ele se alegra e compartilha essa alegria com eles. E ele os exorta a se
alegrar nas suas provações e a compartilhar essa alegria com ele (2:17, 18).

Nossas vidas brilham quando adiamos as queixas e disputas e vivemos alegres,


especialmente durante as provações. Mas também temos uma mensagem que
transmitimos: “a palavra da vida” (2:16). O evangelho - que Cristo morreu pelos nossos
pecados, que venceu o pecado e a morte, que oferece perdão total do salário do pecado a

4
todos que o receberem pela fé - que as boas novas são o poder de Deus para salvação
para todos que crêem. O evangelho não é apenas um conjunto de proposições ou
doutrinas para se inscrever, embora envolva certas doutrinas não negociáveis. O
evangelho leva a própria vida de Deus àqueles que estão mortos nas suas transgressões e
pecados (Ef. 2: 1-10). Aqueles que estão separados de Cristo não são pessoas muito
boas que só precisam de uma ajudinha para resolver alguns de seus problemas. Segundo
as Escrituras, eles estão espiritualmente mortos, separados da vida de Deus. Porém,
quando lhes oferecemos a palavra da vida, Deus pode usá-la para ressuscitá-los dentre
os mortos, para lhes dar vida eterna.

Assim, o nosso testemunho baseia-se na nossa vida em Cristo, uma vida livre de queixas
e disputas, uma vida cheia da alegria de Cristo e da salvação que Ele nos deu, mesmo
nas provações. Mas o nosso testemunho também envolve o testemunho verbal de dizer
às pessoas a palavra do evangelho que transmite nova vida a todos que crêem. Todo
cristão deve ter esse testemunho duplo: uma vida de alegria, que muitas vezes abre a
porta para a segunda parte, a mensagem ou palavra da vida. A testemunha de Paulo em
Filipos ilustra o que ele está ensinando aqui. Ele fora injustamente espancado, jogado na
prisão e trancado nas masmorras. Ele tinha boas razões para reclamar, mas ele e Silas
cantaram hinos de louvor a Deus. Deus enviou um terremoto para abrir a prisão. O
carcereiro foi impedido de tirar a própria vida e perguntou: “O que devo fazer para ser
salvo?” Paulo compartilhou a mensagem do evangelho com ele e sua família. Um
exemplo como devemos prestar testemunho do Salvador.

"Mas", pode dizer, "como posso ter alegria quando as coisas não estão indo bem? A
minha vida está cheia de problemas. Eu orei, mas os problemas parecem piorar, não
melhorar. Vivo e trabalho com pessoas difíceis. Como posso ter a alegria de Deus no
meio de tais provações?"

4. Nosso testemunho de Cristo pode refletir alegria, mesmo nas


provações, se vivermos em vista da vinda de Cristo.

Paulo pôde alegremente deixar sua vida ser derramada como libação (uma oferta de
bebida), porque seu foco estava no “dia de Cristo”, quando seria recompensado por não
correr ou trabalhar em vão (2:16). As próprias palavras “correr” e “trabalhar” apontam
para a dificuldade de servir a Jesus Cristo. Não é um piquenique! A imagem de ser luzes
no mundo também aponta para a dificuldade do ministério, porque as luzes emitem luz
ao serem gastas. A vela é queimada emitindo luz. Todo servo de Cristo morre para si
mesmo em obediência a Cristo. Pode perguntar: “Por que fazer isso? Por que suportar
dificuldades, por que as pessoas me prejudicam, por que se cansar de servir a Cristo?”
Porque o dia de Cristo está chegando, quando Ele dará as Suas recompensas a todas as
pessoas. Se houver pessoas no céu naquele dia, resgatadas do inferno, reunidas diante
do trono de Cristo para cantar Seus louvores por toda a eternidade por causa de seu
testemunho, não acha que dirá: “Qualquer sofrimento que passei pelo por causa do
evangelho valeu a pena”?

Viver à luz do dia de Cristo significa que nos submetemos diariamente em todas as
situações a um Deus soberano. Ele está trabalhando todas as coisas após o desígnio da
Sua vontade (Ef 1:11). Atualmente, Ele permite que o mal continue. Vivendo neste
mundo mau, muitas vezes sofreremos por causa da justiça. Mas cremos que Ele é
soberano, que o Seu plano será cumprido, que Cristo retornará em poder e glória para

5
reinar no Seu trono. Para que possamos nos submeter com alegria, sem queixas ou
disputas, ao que quer que Ele traga em nossas vidas, sabendo que Ele está no comando e
que Seu plano não será frustrado.

Conclusão

Uma velhinha um dia entrou numa loja e ficou surpresa quando uma banda começou a
tocar e um executivo colocou uma orquídea no seu vestido e entregou-lhe uma nota de
US $ 100. Ela era a milionésima cliente da loja. As câmaras de televisão estavam
focadas nela e os repórteres começaram a entrevistá-la. "Diga-me", perguntou um deles,
"exatamente por que veio aqui hoje?"

A senhora hesitou por um minuto e então respondeu timidamente: "Eu estava a caminho
do Departamento de Reclamações". Que vergonha!

Mas eu me pergunto, se houvesse uma câmara de vídeo secreta gravando a sua vida na
semana passada, quantas reclamações teriam sido capturadas no filme? Talvez tenha
chegado à igreja como aquela senhora que foi à loja pronta para expor suas queixas.
Mas Deus encontra-o à porta e fixa a Sua Palavra em si: “Fazei todas as coisas sem
queixas nem discórdias; 15 para que vos torneis filhos de Deus irrepreensíveis, sinceros e
íntegros no meio de uma geração corrupta e perversa, na qual resplandeceis como
luminares no mundo”.