Você está na página 1de 7

Centro Universitário Joaquim Nabuco

Fichamento

Livro/Artigo: SOCIOLOGIA CLÁSSICA


Capítulos: 3º

Autor: Carlos Eduardo Sell

Aluno: Jônatas Santana Leão


Curso: Direito
Componente curricular: Sociologia e Antropologia Jurídica
Professor: Luciana Barros Gama
Período: 1º
SUMÁRIO

1 BIOGRAFIA DO FILÓSOFO EM QUESTÃO/PENSADOR...........1

2 SÍNTESE 1......................................................................................3

1- BIOGRAFIA

No terceiro capítulo da respectiva obra, o autor Carlos Eduardo Sell, esboça sobre a
vida e obra de um dos maiores nomes da Sociologia, Maximilian Karl Emil Weber.
Além das contribuições para a disciplina em questão, Weber era formado em Direito
e também possui estudos e obras na área da economia. Max Weber nasceu no dia
21 de abril no ano de 1864, na cidade de Erfurt, Alemanha. Filho de um Advogado,
Weber a partir de 1882 já inicia seus estudos. Ao findar os estudos, não demora
muito para seguir o caminho da docência universitária, foi professor de Direito e de
Economia. Observa-se que um dos méritos de Weber são suas produções e obras,
são obras muito coerentes e únicas, por isso são respeitadas até os dias atuais.
Entre suas obras se destacam: “A ética protestante e o espírito do Capitalismo”, “A
ética econômica das religiões mundiais”, “O estado nacional e a política econômica”,
“História econômica geral” e “Ensaios sobre algumas categorias da sociologia
compreensiva”.
2 – SÍNTESE 1

Dando seguimento ao capítulo três, Carlos Sell, externa sobre a vida de Max Weber.
Seus anseios, cogitações, crises, o que o levou a despertar interesse sobre algumas
áreas das quais o mesmo escreveu obras pontuais para a continuidade do processo
de análise sociológico. Como foi dito, mesmo tendo outras formações, Weber
determinada ocasião se depara interessado pelo capitalismo e a origem dessas e de
outras condutas. Então, de forma bem sintética, esse autor vai estar interessado em
buscar o motivo ou gatilho dos comportamentos ou condutas que movem a
sociedade.

Mais adiante, Sell vai delinear as influencias que contribuíram para o contexto
intelectual de Weber. Entre esses autores se encontram Immanuel Kant, que
exprime que o conhecimento não capta a essência da realidade, mas apenas sinais
que são percebidos pelos sentidos humanos. Friedrich Nietszche é outro grande da
Filosofia clássica que em que Weber reteve algumas intervenções no pensamento
weberiano. Além desses, alguns Filósofos neo-kantianos e outros autores do
Pensamento social alemão.

Contexto da Alemanha

Para mais, no curso do terceiro capítulo, Carlos Eduardo expõe o contexto alemão
do século XIX. Diferentemente de outros países europeus como, Inglaterra, Portugal,
Espanha e França, a Alemanha é fruto de um “despertamento tardio”. Os demais
países citados exceto a Alemanha já tinham vivido e vivenciavam dias de glórias.
Portugal e Espanha experimentaram um crescimento exponencial devido as grandes
navegações, a França já tinha passado por momentos de apogeu com o capcioso
Napoleão Bonaparte; e os ingleses que já vinham de uma Revolução Industrial era
uma potência marítima. Enquanto a Alemanha se resumia a um território muito
divido com uma economia voltada para o campo. O processo de desenvolvimento
alemão se inicia entre após a disputa dos dois territórios mais promissores, a saber,
Prússia e Áustria. A Prússia vence e inicia o processo conhecido como unificação
alemã e o projeto da prussianização te todo o território liderado pelo Ministro Otto
Von Bismarck. Com tantas mudanças acontecendo em uma velocidade muito rápida,
é normal que problemas aconteçam no seio da sociedade alemã. Max Weber estava
inserido nesse ambiente e visava compreender e examinar os dilemas daquele
contigente e no final propor explicações sobre as causas de consequências dessa
dinâmica transformação social.

O enfoque Weberiano

Contrariando a posição de Comte e Weber, que visavam o enfoque sociológico


baseado no objeto, Weber lega grande contribuição para a Sociologia com sua visão
das partes que formam o todo, a saber, o sujeito/individual. Para Weber, o ponto de
partida para compreensão e estudo sociológicos era o sujeito e não o objeto.

A figura abaixo sintetiza a ênfase de para a sociologia.

WEBER SOCIEDADE INDIVIDUAL(SUBJETIVO)

A Sociologia de Weber

Diferente da visão positivista de Comte, Weber é um crítico dessa doutrina e propõe


outras bases para o fundamento da sociologia contemporânea.

Conflito de Abordagens

Existia um impasse que colocava em contraposição muitos pensadores desse


contexto, era a discussão para quais metodologias a sociologia deveria aderir. O
conflito era entre quais as abordagens que iriam ser usadas pela sociologia, se
usava as técnicas das ciências naturais ou técnicas próprias. Os neo-kantianos,
acreditavam que a sociologia deveria trilhar um caminho singular, seu caminho. Já
os positivistas, criam que a sociologia deveria continuar ligada ao pensamento do
seu fundador o Comte, e entendiam que essa nova ciência deveria continuar usando
a abordagem das ciências naturais.

A posição Weberiana

Em meio ao debate das duas abordagens, Weber com uma coerência que possuía
toma uma posição sábia. E decide ficar com uma perspectiva intermediária e critica
tanto os positivistas quanto os neo-kantianos, pois essa discussão limita muito a
sociologia a ser uma ciência de tipo exata ou determinista, mas o ser humano é algo
complexo. Porém, Weber admite que ambas as abordagens são complementares.
Observa-se que em seus estudos sobre o capitalismo Weber usa comparações
generalistas e analisa fatos mais separados, partes, usando assim as duas
tendências.

Dando seguimento, para Weber a ciência não se faz de nenhum método exclusivista
e a variação dos métodos podem ser usados de acordo com o contexto. Ainda, ele
fala também que o sociólogo deve saber integrar os dois métodos, o generalista e o
individualista.

Método Individualista ou Individualismo Metodológico

Diferentemente dos outros autores do tripé sociológico, Weber apesar de não


dispensar nenhum método, enfatiza mais para a compreensão da realidade social
subjetivo, o sujeito, assim sedo o indivíduo. Para Weber, o objeto formal consiste
em determinar qual o sentido/significado da ação.

O que é chave na sociologia weberiana é encontrar o gatilho/alavanca das ações


humanas, os sentidos e motivos. Dessa forma ele define as ações socais referente a
alguma pretensão ou anseio. Weber separa as ações em

1. Ação social referente a fins


2. Ação social referente a valores
3. Ação social afetiva
4. Ação social tradicional

E também, as ações sociais são basicamente auto-explicativas.

Weber e a Religião

Maximilian Weber, ocupou-se em grande parte de sua vida aos estudos da religião.
Como a sua sociologia mesmo presumia que as ações humanas estão ligadas a
fatores religiosos, de tradição, culturais, fins e etc.
A Modernidade e a Racionalização

Mais adiante, o autor Carlos Eduardo, esboça sobre outra característica do


pensamento de Weber. Pensamento esse que refletia a cerca da modernidade,
racionalização e a perda de sentido que ela trouxe aos homens. De início se
pensava que a Ciência seria a salvação para a humanidade e processo da razão
resolveria todas as indagações humanas, porém a ciência não responde tudo!

A ciência trouxe consigo vários avanços, mas quando se pensou que ela daria
resposta e supriria todas as necessidades veio o século XX e a ciência foi usada
para estudos químicos e construções de armas químicas que quase dizimaram a
humanidade. E no atual contexto do século XXI, já se observa timidamente um
retorno ao processo religioso.

A ética protestante e o espírito do capitalismo

Nessa obra, Weber faz um estudo sobre as religiões e faz conexões com as ações
humanas. E o mesmo entende que, existe uma linha tênue entre as religiões
protestantes e o capitalismo. Weber não declara de forma determinista que a religião
protestante é a única mola propulsora do processo capitalista, mas considera que
pode ser uma das razões principais. Principalmente os protestantes de linha
calvinista. João Calvino foi um renomado Teólogo francês do século XVI. E se
acordo com seu entendimento da Bíblia é fundado uma nova linha teológica cristã, a
linha Calvinista. De acordo com os calvinistas, os homens já nascem pré-destinados
a irem ao céu ou inferno. Dessa forma, para os teólogos e seguidores da linha
Calvinista, o que evidencia uma salvação é o bem estar terreno e a prosperidade
material. Com isso, os seguidores dessa linha desenvolvem um perfil focado,
equilibrado e ambiciosos a vencer e conquistar e esse perfil segundo Weber exerce
influência sobre as origens e ações capitalistas.

Ainda, para Weber, as religiões orientais têm posturas mais ligadas e contemplativas
do mundo, já as religiões ocidentais emitem certo desencantamento com o mundo.
Dessa forma, Weber entende de forma negativa essa visão mais ambiciosa por
assim dizer da linha protesta calvinista. De certo modo, a próprio livro sagrado não
vê com bons olhos essa ganância material dos calvinistas, onde um dos
personagens mais ricos da Bíblia, a saber Jó, é louvado e reconhecido como um
homem virtuoso pois sua maior riqueza é não ser dominado pela riqueza.

Neutralidade política

Ainda, Carlos Sell expõe que Weber uma postura política mais voltada a
neutralidade se apresenta como a melhor forma de um cientista. Para o mesmo,
deve haver uma nítida separação entre o papel do cientista e do político.

Por fim, a tabela abaixo resumem de forma sintética o que foi lido.

SOCIÓLOGO/FILÓ ABORDAGEN OBJTO DE


FILÓSOFOS CIÊNCIA MÉTODO
S. S ESTUDO
NEO- SOCIOLOGI
DILTHEY PRÓPRIO PRÓPRIO
KANTIANOS A
WEBER WINDELBAN SOCIOLOGI PRÓPRIO(NOMOT+IDIO
POSITIVISTAS GERAIS/IGUAIS G)
D A

OBS: Apesar de o fichamento ter um caráter impessoal, os


faço de acordo com minha necessidade de entendimento.

Você também pode gostar