Você está na página 1de 11

"THE SENTENCE COMPLETION TEST - SCT" (:r;)

(TESTE DE COMPLETAÇÃO DE SENTENÇAS)

IRMA LAERUM.

o teste foi aplicado pela primei- das reações emocionais. O teste


ra vez por H. Ebbinghaus em 1897 foi validado por Tendler contra
em escolares para a avaliação da um "sketch" caracterológico ba-
capacidade mental e habilidade de seado em autobiografias e nos re-
raciocínio. Parece que o primeiro sultados do "Woodworth Personal
a usá-lo como teste para o estudo Data Blank" (1 pág. 76; 2 pág.
da personalidade foi A. F. Payne 650; 7 pág. 362).
em 1928 (" Sentence Completions" Em 1940, A. Rhode e Hildreth,
N e w Y o r k Guidance Clinic, após uma !,revisão da forma de
New York). Tratando-se de um Payne e baseado nesta, compu-
teste de projeção, uma variação de nham outra forma de 64 itens.
Teste da Associação de Palavras, Validaram esta num grupo de 670
êle dá informações sôbre satisfa- colegiais contra o julgamento da
ções, aborrecimentos (gerais e es- personalidade feito por mestres,
pecíficos), mMo, aversões, gostos, parentes e orientadores (baseado
interêsses e tendências, ligações ou no conceito da personalidade de
fixações positivas e negativas (2). Murray). Chegaram a um coefi-
Segundo A. Rhode, a forma de ciente de correlação de 0,79 (fem.)
Payne foi aplicada a colegiais pa- e 0,82 (masc.). O coeficiente de
ra libertar respostas inibidas, ten- fidedignidade era de 0,82 (fem.)
do sido usado em escala maior em e de 0,76 (masc.) após um perío-
orientação profissional. A primei- do de 8 meses (1 pág. 46; 7 pá-
ra forma usada por Payne consis- gina 365) .
tia em 20 frases incompletas que
deviam ser completadas com a pri- O critério da autora para a
meira idéia que ocorresse ao exa- construção dos itens foi o seguin-
minando. te:
Em 1930, A. D. Tendler usou o 1.0 - Os diferentes estímulos
SCT como um teste de "introspec- devem variar de tal forma que
ção emocional" para conhecer as abranjam informações de todos os
l'Iituações que causam determina- aspectos da personalidade;
(*) Trabalho final da cadeira "Testes e Medidas" do Curso de Orientação Educa·
cacional e Pré· Profissional. ISOP. 1 953.
68 ARQUIVO BRASILEIRO DE PSICOTÉCNICA
-----------------------
2.° -- O estímulo da frase deve P. M. Symonds (1947), usando
controlar a resposta o menos pos- os resultados de Stein e comparan-
sível para permitir tôda liberdade do-os com resultados de entrevis-
de expressão; tas e observações, chegou à con-
3.° -- O tempo total de aplica- clusão de que o SCT é um teste
ção não deve exceder ao tempo descritivo e não avaliativo. Dá
conveniente à aplicação em colé- projeções inconscientes de deseios,
gios e instituições. hostilidades, ligações afetivas, me-
M. L Stein, em 1947, conside- dos e impulsos quando usado na
rou o SCT um suplemento valioso terceira pessoa. A interpretação
a outros instrumentos projetivos das completações como projeções
por requerer menos treino especí- é duvidosa, hipotética e não se po-
fico para a aplicação e interpreta- de abdicar a uma análise comple-
ção, além disso por fornecer mate- ta.
rial mais rico do que o TA T ou J. B. Rotter e B. Willerman
Rorschach quando se trata de exa- (American Psychologist 1) ....
minandos pouco imaginativos. (1946) e Journal of Consulting
Foi aplicada por Stein uma for- Psychology 11 (1947) adaptaram
ma de 2 vêzes 50 itens como parte uma forma de N. Cameron para
de uma bateria de provas de sele- a aplicação em hospitais de conva-
ção de pessoal do "Office of Stra- lescentes da AAF para a avalia-
tegic Service" para fornecer dados ção das condições psicológicas, vi-
considerados importantes na ava- sando à possibilidade de voltar ao
liação da personalidade para aque- serviço (atitudes). A forma de
la finalidade, tais como: família, Rotter e Willerman foi validada
passado, impulsos, catexes, ener- contra a diagnose de admissão ao
gia, reações com outros e reações hospital, dando um coeficiente de
dos outros para com o indivíduo 0,39 a 0,41 e contra o diagnóstico
etc. de um psicólogo (baseado em uma
A forma de Stein trouxe, pela entrevista inicial e várias suple-
primeira vez, itens na primeira mentares) no que se refere à gra-
vidade do distúrbio, dando um coe-
pessoa randomicamente mistura-
d.as com itens na terceira, pessoa, ficiente de 0,61. O coeficiente de
fidedignidade pelo método de di-
usando a última especialmente pa-
ra as questões mais "projetivas". visão ao meio foi de 0,85, sendo a
correlação entre os resultados de
Cherróu Stein à conclusão: . avaliadores diferentes 0,68 a 0,89
1.° - que um indivíduo, sob a (1, pág. 46; 7, pág. 368) .
pressão de responder com a pri- O teste compunha-se de 40 itens.
meira idéia que lhe ocorre, revela A avaliação apresenta certa difi-
material significaivo sem censu- culd2de na análise das respostas.
rá-lo. A apuração foi feita separando-s~
2.° -- ante o problema de estru- as respostas em três categ~rias:
turar uma situação não. estrutura- 1.°) respostas de conflito, ou doen-
da, responde revelando os seus tias (+3 até +1) ;
verdadeiros sentimentos e reações. 2.° - respostas neutras (O)
3. o - falando sôbre outros, o in- 3.° - respostas positivas ou sa-
divíduo revela a si mesmo. dias (-1 até-3)
"THE SENTENCE COMPLETION TEST - SCT" 69

Fôlhas com menos de 16 respos- 15 com perturbação psiquiátrica


tas não são analisáveis, omissões séria e anamnese de desajustamen-
não são forçosamente sinais de de- to;
sajustamento, o que parece confir- 15 sem anamnese de desajusta-
mado por um estudo de I. Wilson mento, porém com distúrbios sé-
(6, pág. 401) ; a relação de omis-rios de combate (neurose de guer-
sões de um grupo de alunos mal- ra) ;
-ajustados para outro grupo de 15 doentes ortopédicos sem dis-
ajustados foi de 2 para 17; túrbios psicológicos notáveis =
normais.
A fórmula do Escore Final é As experiências feitas com o
40 X escore SCT por Rotter no AAF Conva-
lescent Hospital demonstraram a
40 - omissões possibilidade de unir as vantagens
de uma avaliação até um certo
A padronização foi feita com ponto objetiva à revelação de si-
um grupo de 45 indivíduos com- tuações conflitivas através de uma
posto da seguinte maneira: técnica projetiva.
Posteriormente, Rotter e Willerman modificaram sua forma an-
terior para a aplicação em colegiais (moças e rapazes) como pro-
cesso de sondagem e filtragem dos que necessitem de assistência ime-
diata. Os 40 itens apresentam-se como seguem: (8)
1. I like ... Eu gosto ...
2. The happiest time ... O tempo mais feliz ....
3. I want to know ... Eu quero saber ...
4. Back home ... Lá em casa ...
5. I regret. .. Eu me arrependo .. .
6. At bedtime .. Na hora de dormir .. .
7. Boys ... Garotos ... .
8. The best ..• O melhor .. .
9. What annoys me ... O que me aborrece ... .
10. People ... As outras pessoas .. .
11. A mother ... Uma mãe .. .
12. I feel. .. Eu sinto .. .
13. My greatest fear ..• Meu maior mêdo ...
14. In high school. .. No colégio ... .
15. I can't .. . Eu não posso .. .
16. Sports .. . Esportes ...
17. When I was a child ... Quando eu era criança ...
18. My nerves· .. Meus nervos ....
19. Other people .. Os outros .. .
20. I suffer .. . Eu sofro ... .
21. I failed ... . Eu fracassei .. .
22 . Reading .. . Ler ....
23. My mind .. . Minha mente ...
24 . The future .. . O futuro .. .
25. I need ..• Eu preciso .. .
70 ARQUIVO BRASILEIRO DE PSICOTÉCNICA

26. Marriage ... O cr.samento ...


27. I am best when ... Eu me sinto melhor quando ...
28 . Sometimes ... Às vêzes ...
29. What pains me .•. O que me faz sofrer ...
30. I hate .•. Eu odeio ...
31. This school. .. Êste colégio .. .
32 . I am very ... Eu sou muito ... .
33. The only trouble ... A única dificuldade ...
34. I wish ..• Eu deseio .. .
35. My father ... Meu pai .. .
36 . I secretly ..• Intimamente eu ...
37. I .... Eu .,.
38. Dancing .... Dançar ...
39. My greatest worry is ... Minha maior preocupação é ...
40. Most girls ... A maioria das moças ...

Esta forma mistura itens pes- As chaves de avaliação foram


soais e impessoais. desenvolvidas com os grupos aci-
Para a validação do teste foi fei- ma mencionados e validados con-
to um estudo aplicando-o em gru- tra o diagnóstico psicológico.
pos formados por indivíduos pre- A análise de validade e fidedig-
viamente classificados por psico- nidade foi feita com um outro gru-
logistas em mal-ajustados, nor- po de 82 moças e 124 rapazes. A
mais e duvidosos. Mal-ajustados fidedignidade entre dois avaliado-
neste caso são aquêles estudantes res foi de 0,96 (fem.) e de 0,91
que evidentemente necessitem de (masc. ) ; a fidedignidade do teste,
orientação assistencial ou de tra- pelo método de divisão ao meio,
tamento por causa de seus proble- 0,83 (fem.) e 0.84 (masc.). A
mas de personalidade. validade do teste contra o diagnós-
O grupo masculino compôs-se de tico previamente feito e desconhe-
53, o grupo feminino de 58 indi- cido pelos avaliadores era de 0,64
víduos. (fem.) e 0,77 (masc.) (8 págs.
Para avaliar as respostas, foi
352 e 355) .
usada a técnica antiga de Rotter e
WilIerman, C 3, C 2, C 1 para as A análise das respostas revelou,
respostas de conflito N para as além de fornecer o escore'tque
neutras e P 3, P 2, P 1 para as res- muitos indivíduos tendem a torcer
as respostas. O bem-ajustado res-
°
postas positivas ou sadias. Conse-
guiu-se uma escala de a 6 valen-
do:
ponde a estímulos que pressupoem
uma resposta negativa de maneira
positiva, enquanto o mal-ajustado
C 3 6 responde a estímulos positivos de
C 2 5 maneira negativa. Apesar de ter
C 1 4 sido observado, anteriormente, que
N = 3 se pode admitir a hipótese de uma
P 1 2 correlação entre o mal-ajustamen-
P 2 1 to e respostas neutras, humorísti-
P 3 ° cas ou eloqüentes, o mal-aiustado
"THE SENTENCE COMPLETION TEST - SCT" 71

tende a levar o teste a sério e de promissório para mensurar o grau


aproveitar a oportunidade dê ex- de mal-ajustamento e conflito pa-
pressar o seu anelo de simpatia e ra uma variedade de problemas de
auxílio. As respostas dos mal-ajus- filtragem em colégios.
tados contém mais palavras (ver Em 1949 I. Wilson usou uma
I. Wilson) e a linguagem usada forma de 40 itens para diferenciar
é mais forte (grifos, pontos de ex- alunos bem ajustados de mal-ajus-
clamação, etc.) . tados (Bergenfield High
Rotter chegou mais uma vez à School, Grade X-XII) na idade de
conclusão de que o SCT parece 15 - 17 anos.
Foram sujeitos à forma que segue um grupo de 22 alunos (14
moças e 8 rapazes): (6). ,
1. I like people .. . Eu gosto de pessoas ...
2. My family .. . Minha família ...
3. If only teachers ... Se ao menos os professores ...
4. I worry ... Eu me preocupo ...
5. Auditorium periods ... Os períodos de atividades extra-
-classe no auditório ...
6. I get along best ... Eu me dou melhor .. .
7. Group work .. . O trabalho em grupo .. .
8. Most boys .. . A maioria dos garotos .. .
9. When School is dismissed ... Quando as aulas terminam ...
10. I really like ... Eu gosto realmente .. .
11 . When I am criticised ... Quando me criticam .. .
12. The rules around here .. O regulamento aqui .. .
13. I work hard ... Eu trabalho (estudo) muito ...
14. Required courses ... Os cursos necessários ....
15. My mother ..• Minha mãe .. .
16. This school. .. Êste colégio .. .
17. I feel happy ... Eu me sinto feliz ...
18. Examinations are. Exames são ...
19. I have my best time ... Eu me divirto mais ...
20. Pupils who participate Alunos que participam livremente
freely in classe discussions ... nas discussões em classe ..
21 . I hope some day ... Eu espero algum dia ...
22. On the way to school ... No caminho para o colégio ...
23. I object ... Eu oponho ...
24. Our principal ... N osso diretor ....
25. I couldn't get along with Eu não poderia continuar sem ...
out ...
26. The pupils in this school... Os alunos neste colégio ...
27. My best friend ... Meu melhor amigo ....
28. On examinations almost N os exames quase todos ...
everyone .. .
29 . I feel sad .. . Eu me sinto triste ...
30. When I take my report Quando eu levo o meu boletim pa-
card home ... ra casa ...
72 ARQUIVO BRASILEIRO DE PSICOTÉCNICA

31. Why can't I. .. Porque eu não posso ...


32. When -I don't understand Quando eu não compreendo o meu
theassignement ... dever de casa .. .
33. Most girls ... A maioria das mocas ... .
34. When I finish high schooI... Quando eu terminar o curso co-
legial.
35. My father ... Meu pai ...
36. W orking at the blackboarct .. Trabalhando no quadro negro .. .
37. If you want to get along ... Se você desejar dar-se bem .. .
38. When I recibe .. . Quando sou argüida ...
39. It is important .. . E' importante ...
40. Most teachers .. . A maioria dos professôres ...

E.sta forma foi aplicada num Igualmente em 1949 J. M. Ha-


grupo de mal-ajustados ( casos dis- dley (2), partindo da opinião de
ciplinares e dificuldades de ajus- que, para opinar a respeito do su-
tamento geral) e a um grupo de cesso acadêmico, seria necessário
número igual de bem-ajustados. l1ão considerar apenas o QI do es-
Como a amostra era muito pe- tudante, mas também o seu grau
quena, não foi possível avaliar os de ajustamento, aplicou em 540 es-
dados estatIsticamente. Mostrou- tudantes de curso superior uma
-se, todavia, que : 1.0) o número forma do SCT desenvolvida sob a
de palavras usadas para completar direção de Murray e Mac Kinnon
a frase foi ligeiramente mais al- quotada por Stein e Symonds. Es-
to (média 4,8) nos mal-ajustados perou-se do teste que permitisse
do que nos ajustados (média 4,5) ; a expressão de inclinações incons-
2.°) a ocorrência de omissões cientes normalmente escondidas e
foi bastante mais alta nos ajusta- que os resultados se relacionassem
dos (17) que nos mal-ajustados a "fantasias ou impulsos incons-
(2) ; cientes" que possivelmente não te-
3.°) que os mal-aJ"ustados têm riam correspondência no "compor-
uma tendência a responder "in tamento e nas atitudes da vida
flippant style", o que nunca ocor- real" .
re nos ajustados; Os estudantes foram sujeitos,
4.°) os mal-ajustados têm maior também, a um teste de habilidade
tendência para respostas neutras (American Council on Education
(4,3) do que os ajustados (3) Psychological Examination), o
I. Wilson chegou à conclusão de
que o SCT ajudaria a entender me-
qual tem uma correlação de + 0,60
com o sucesso acadêmico. Apenas
lhor os adolescentes, mas que não os SCT dos 157 estudantes que ob-
servia como um "screening pro- tiveram um percentil 60 ou acima,
cess". Isto, a nosso ver, talvez por- 110 referido ACE, foram analisa-
que a forma de Wilson fôsse dire-
dos.
ta demais e como contém muitos
itens relacionados à vida escolar Por outro lado, entraram nesse
e sendo aplicada no próprio colé- estudo também os resultados obti-
gio, tende a causar desconfianças e dos no curso acadêmico.
a inibir os estudantes. Formaram-se dois grupos:
"THE SENTENCE COMPLETION TEST - SCT" 73

L O grupo dos de rendimento al- 7) Energia (nível de energia e


to (percentil 60 ou acima no ACE afetibilidade por "stress" e frus-
e igualmente percentil 60 ou aci- trações) ;
ma em resultados escolares) e 8) Perspectiva de tempo (ati-
11. O grupo de rendimento tude para com o passado, presen-
baixo (percentil 60 ou acima no te e futuro) ;
ACE e percentil 40 ou abaixo nos 9) Reações para com outros
resultados escolares. (atitudes com inferiores, iguais ou
O teste foi aplicado em duas superiores) ;
partes de 50 itens, sendo a La na 10) Reações dos outros para
terceira pessoa e a 2. a parte na com o sujeito (impressões causa-
primeira pessoa. Cada parte con- das pelos sentimentos dos outros).
tinha itens para estimular áS se- Foram eliminados todos os itens
guintes áreas: que causaram respostas estereoti-
1) Atitude para com a família padas numa forma aplicada ante-
e cada um dos seus membros; riormente como pilôto.
2) Atitude para com o passa-
A aplicação foi feita em duas
do (frustrações, falhas e efeitos de
experiências anteriores) ; sessões para evitar monotonia.
Apenas os itens da La parte foram
3) Impulsos, os fatôres primá-
analisados, diferenciando-se as
rios de motivação;
4) Estado interior (sentimen- respostas em três categorias:
tos mais freqüentes) ; 1) respostas de conflito = C
5) Propensões para o futuro; 2) respostas neutras = N
6) Catexes; 3) respofta, positivas = P.
De acôrdo com as sugestões de Rotter e Willerman, a avaliação
foi feita da seguinte maneira:
P-C
= Escore (em números inteiros)
itens considero
Um escore negativo significa grupo de rendimento baixo, foi. de-
uma predominância de respostas terminada uma diferença signifi-
de conflito. cativa, assim que, se o SCT de fa-
Seguiram-se estudos estatísticos to mede fatôres emocionais, se po-
em relação à correlação dos resul- de deduzir, com um razoável grau
tados de avaliadores diferentes de segurança, que fatôres emocio-
(r=0,86) e dos resultados de um nais são em parte responsáveis pe-
mesmo avaliador após uma sema- la discrepância entre capacidade
na de intervalo (r=0,83) (2, pg. acadêmica e rendimento acadêmi-
659). O método de divisão par- co. Parece que testes dessa natu-
impar para analisar a consistência reza medem alguns traços psicoló-
interna do teste foi aplicario; o gicos relacionados com conflito e
coeficiente de fidedignidade foi de podem ser administrados para
0,78 corrigido pela fórmula de identificar pessoas que, por causa
Spearman-Brown (2, pág. 662). de seu mal-ajustamento, provàvel-
Comparando o escore de conflito mente terão um rendimento esco-
do grupo de rendimento alto e do lar baixo. Assim sendo, o SCT
74 ARQUIVO BRASILEIRO DE PSICOTÉCNICA
------------------
promete ser um instrumento de As duas hipóteses levantadas f.J-
algum valor para a seleção e a pre- ram:
dição de êxito no curso superior. 1) Uma relação negativa com
Barbara KimbalI em 1952 (4) c pai deve aparecer com freqüên-
usou o SCT como instrumento pa- cia significativamente mais alta
ra testar as hipóteses que surgi- nos alunos de rendimento baixo do
ram durante as investigações clí- que na população total.
nicas. A autora examinou a rela- 2) Sentimentos de agressão de-
ção possIvelmente existente entre vem causar sentimento de culpa e
fátôres da personalidade e o ren- ansiedade mais freqüentemente
dimento escolar. nos alunos de rendimento baixo do
O grupo analisado compunha-se que na população total e os primei-
de 17 meninos adolescentea com ros devem ter menor possibilidade
QI alto e baixo rendimento esco- de libertar e expressar diretamen-
lar; o grupo de contrôle foi com- te os seus sentimentos negativos
posto por 100 adolescentes não se- do que a amostra randômica da po-
leclonados. pulação total.
Uma vantagem do SCT consiste
Os casos foram cuidadosamente em que pode ser construído em
estudados, incluindo entrevistas uma forma que focalize a questão
psiquiátricas, Rorschach, T AT, a ser investigada. Assim B. Kim-
testes de inteligência, relatórios de balI organizou um teste de 50 itens,
professôres e pais e histórico mé- contendo algumas sentenças de
dico. Com os resultados dêsses es- formas anteriores e outras novas.
tudos, foram desenvolvidas certas A forma continha também alguns
hipóteses a respeito de dinamis- itens que foram introduzidos, com
mos da personalidade que possam a finalidade de absorver choques.
ser base de mau-ajustamento edu- Baseado nos estudos de Combs
cacional. (A comparativ study of motiva-
Dois fatôres parecem predispor tions as revealed in TA T stories
a uma inabilidade escolar, sendo o and autobiografy, Clin. Psychol.
mais importante uma falha na re- 1947,3,65-75) que afirmou que na
lação pai-filho. ,os testes projeti- terceira pessoa se revelam atitu-
vos revelaram frequentemente uma des inconscientes com maior faci-
atitude agressiva para com a figu- lidade, dando, assim, material mais
t'a paterna e nas entrevistas ês- rico, B. Kimball construiu o teste
tes pais revelaram-se como suma- todo na terceira pessoa. A a plica-
mente ocupados, com pouco tem- ção foi feita durante a aula de lín-
po disponível e conseqüentemente gua Pátria pelo próprio professor
com uma relação distante com o como teste de vocabulário e com
filho ou, por outro lado, como de tempo marcado (20 min. ). Supu-
disciplina rígida e dominadores. nha-se que nestas condições reve-
O segundo fator é a agressividade lar-se-ia mais material signi-
manifestada abertamente num ficativo e que a pressão do tempo
comportamento de lutas e brigas evitaria a censura.
constantes ou, também, controla- A avaliação das respostas foca-
da expressa apenas indiretamente lizando a relação pai-filho foi fei-
em sentimentos negativos. ta pela sua classificação em positi-
"THE SENTENCE COMPLETION TEST - SCT" 75

vas, neutras ou negativas. O gru- 7) reação dependente (chamar


po de rendimento baixo demons·· ajuda de alguma outra pessoa),
trou relação predominantemente 41 % dos casos analisados não de-
negativa para com o pai em 590/J, ram nenhuma resposta de ação
enquanto o grupo de contrôle agressiva para remover o irritante
apenas apresentou 29% - uma di- em comparação a 13 % do grupo
ferença que é significativa entre de contrôle, sendo esta diferença
os níveis de 5 % el% (4, pági- significativa no nível de 1 % (4,
na 356). pág. 357).
A avaliação das respostas refe- Como, segundo Monroe e Scha-
rentes à agressividade e sentimen- fer, as técnicas proietivas, à pro-
tos de culpa foi feita da seguinte porção que crescem de valor como
maneira: instrumento quantitativo (maior
Agressão introduzida nos itens: fidedignidade e validade), perdem
em valor como instrumento de me-
1 - agressão física contra ob- dição qualitativa, B. Kimball fêz
jetos inanimados com sentimen- apenas um "all-over-rating" dos
tos de culpa e ansiedade menos ex- casos analisados, chegando assim
pressos; mesmo a dados estatísticos de di-
2 - agressão física contra obje- ferenças significativas entre o
tos animados com sentimentos de grupo de rendimento baixo e a
culpa e ansiedades maiores; amostra randômica da população
3 - agressão verbal. total no que se refere a certos di-
47% do grupo de rendimento
namismos da personalidade.
baixo introduziu a agressão desta O estudo de Selig Rosenberg em
forma em ambas as sentenças re- 1950 (5), baseado nos trabalhos de
ferentes contra 13 % (lo grupo de Tendler, Rhode, Stein, Symonds,
contrôle, sendo esta diferença sig- Rotter e Willerman e Sack::; pes-
nificativa no nível de 1 %. Ex- quisou as relações entre as atitu-
cluindo a agressão verbal, a dife- des para com parentes revelados
rença entre os dois grupos conti- no SCT e os dados históricos dos
nua significativa no nível de 1 % casos. Administrou a forma de
(4, pg. 356). Stein de 2 vêzes 50 itens em 72
veteranos de guerra diagnostica-
Além disso, verificou-se que a
agressividade diretamente expres- dos como neuróticos pelo psiquia-
sa podia manifestar-se de várias tra assistente.
formas: Para o estudo dos resultados do
teste, cada indivíduo foi submeti-
1) ação agressiva para remo- do a um tratamento psiquiátrico
ver o irritante; de, no mínimo, 10 horas e a uma
2) resposta emotiva sem ação; bateria de testes psicológicos;
3) resposta fisiológica; além disso, o assistente psico-so-
4) fuga ou retraimento; cial obtivera um histórico minu-
cioso do caso. Foram utilizados pa-
5) perda de contrôle, ação não ra o estudo apenas os casos nos
dirigida contra o irritante; quais não apareceram julgamentos
6) reação verbal difusa; contraditórios.
76 ARQUIVO BRASILEIRO DE PSICOTÉCNICA
----------------~-----

Comparando a atitude revelada no SCT com os outros dados,


deu-se o seguinte resultado:
relação para relação para
com o pai: eom a mãe:
Concordância (SCT e histórico
etc.) ................... . 58%
Discordância (SCT e histórico
etc.) ................... . 11% 14%
Evasivas no SCT . . .......... . 31% 17%

100% 100%
Analisando as respostas evasivas (ou neutras) Rosenberg che-
gou às seguintes observações:
para com o pai: para com a mãe:
Atitude positiva pelos outros dados 275'0 335'0
Atitude negativa pelos outros da-
dos..................... . 73% 67%

100% 1005'0
Assim sendo, as respostas eva- gem de liberdade que dá para a
sivas parecem encobrir uma ati- completação das sentenças (proje-
tude negativa. O autor chegou à ção) etc.
conclusão, geralmente de acôrdo Um teste com número médio de
com os resultados de Tendler, Rho- itens (40-50) parece ser o melhor
de e Rotter e Willerman, de que o e a aplicação de itens impessoais
SCT é um instrumento valioso, ou formuladas na terceira pessoa,
fornecendo dados significativos ao menos em parte, é aconselhá-
para a determinação de atitudes vel.
para com as figuras paternais-ma-
ternais. A nosso ver, pode-se renunciar à
Parece que o SCT, que une a tentativa de graduar o conflito re-
vantagem de fraude flexibilidade velado (Rotter e Willerman) e, de
às vantagens da possibilidade de acôrdo com os processos de Hadley
aplicação em maior escala (apli- e B. Kimball, efetuar um "all-over-
cação coletiva) e da relativa faci- rating" para chegar a uma deter-
lidade de apuração, é um instru- minação rápida de situações con-
mento de sondagem valioso na mão flitivas e conseqüente mal-ajusta-
do orientador educacional. O pre- mento educacional. Manejado as-
paro dêste instrumento para a sim, o SCT pode indicar ao orien-
aplicação, no entanto, exige bas- tador os indivíduos-problema que
tante cautela e eX\periência na necessitem de assistência ime-
construção dos itens e cada forma diata e que podem, então, ser en-
de teste deve ser minuciosamente caminhados, sem perda de tempo,
examinada no que se refere à sua para uma investigação mais por-
validade e fidedignidade, na mar- menorizada.
"THE SENTENCE COMPLETION TEST - SCT" 77

BIBLIOGRAFIA USADA: pressed toward Parent in a Sen-


tence Completion Test and Case
1 - J. E. Bell, Prospective History Data, J ournal of ProJ"ecti-
Techniques, Longmans Green & ve Techniques V. XIV, 1950, n. 2,
Co., New York. pág. 188.
2 - John M. Hadley, A Compa- 6 - Isabell Wilson, The Use of
rison between Performance on a Sentence Completion Test ln di-
Sentence Completion Test and ferentiating between Well-adjus-
Academic Success, Educational ted and Mal-adj usted Secondary
and Psychological Measurment, School Pupils, Journal of Consul-
Washington C. Frederic Kuder, ting Psychology, Washington,
1949, V-IX, n. 4, p. 649. American Psychological Associa-
3 - (não usado, por não ser tion, 1949, V. XIII, n. 6, Decem-
acessível) . ber, p. 400.
4 - Barbara Kimball, The Sen- 7 - L. E. Abt e L. Bellak:
tence Completion Technique in a Projective Psychology.
Study of Scholastic Underachiev- 8 - Julian B. Rotter, Valida-
ment, Journal of Consulting Psy- tion of the Rotter Incomplete Sen-
chology Washington, American tences Blank for College Scree-
Psychological Association, ] 952, ning, Journal of Consulting Psy-
V-XiVI, n. 5, October, p. 353. chology, Washington, American
5 - S. Rosenberg, Some Rela- 'c' ,o,y('}'" logical AS50ciation, 1949
tionships between Attitudes ex- V XIII, n. 5, October, p. 348.