Você está na página 1de 146

NOB/SUS 01/91 ................................... 35 CAPÍTULO 3: Disposições finais .........

73
POLITICA NACIONAL DE SAÚDE ...............3
NOB/SUS 01/93 ................................... 36 RESOLUÇÃO SS Nº 59/2004 ...................76
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO NOB/SUS 01/96 ................................... 36
RESOL UÇÃO Nº 596/2014 .......................77
BRASIL ....................................................3 NOAS/SUS 01/2002............................. 37
Período colonial......................................4 Piso assistência básico.............................38 ANEXO 1: CEF...........................................77
Primeira república até a revolução TÍTULO 1: Exercício Profissional ........77
ATENÇÃO BÁSICA ..................................... 40
de 30 .....................................................5 CAPÍTULO 1: Princípi os Funda mentais ... 77
Início das pol íticas sanitá rias no Brasil...... 5 Ações de atenção à saúde ................. 40 CAPÍTULO 2: Di rei tos .............................. 78
Revol tas populares e o s urgimento das Princípios da APS ................................. 41 CAPÍTULO 3: Deveres .............................. 79
CAPs ............................................... 6 CAPÍTULO 4: Proibições .......................... 81
Estratégia de saúde da família (ESF) 41
Governo Getúlio Vargas e os primeiros CAPÍTULO 5: Publ icidade e dos
Núcleo de apoio saúde da família
IAPs ................................................ 7 Trabalhos Científicos ................... 82
(NASF) ................................................ 44
Populismo de 45 a 60 ............................8 TÍTULO 2: Rela ções Profissionais ......82
Programa agente comunitário de
Sa úde públi ca nos anos 50........................ 9 TÍTULO 3: Relações com os CFF e
saúde (PACS) ..................................... 46
Equívocos na saúde pública no CRF. .....................................................82
SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA
Regime Autoritário .......................... 10 TÍTULO 4: Infrações e Sanções
ATENÇÃO BÁSICA (SIAB)................... 47
Reivindicações populares e o anseio Disciplinares ......................................83
pela universalização da saúde EPIDEMIOLOGIA ........................................ 48 TÍTULO 5: Disposições Gerais .............83
pública ............................................... 10 HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA ANEXO 2: CÓDIGO DE PROCESSO
Primeiros passos para a ÉTICO....................................................84
(HND) ................................................... 50
descentralização .............................. 11 TÍTULO 1: Disposições Gerais .............84
Período pré-pa togênico ...................... 50
Reforma sanitá ria.................................... 12 CAPÍTULO 1: Processo............................. 84
Período patogênico ............................. 51
Nova república até a atualidade ...... 13 Prevenção pri má ria .................................51 TÍTULO 2: Procedimentos ...................85
Pa cto pela saúde ..................................... 15 CAPÍTULO 1: Recebimento da Denúncia 85
Prevenção secundária ......................... 51
CAPÍTULO 2: Ins tauração ou
CONSTITUIÇÃO FEDERAL (CF/88).......... 17 Prevenção terciá ria ............................. 52 Arqui vamento ............................. 85
Prevenção quaternária (PQ) e CAPÍTULO 3: Monta gem do Processo
Titulo 8: Ordem so cial ........................ 17
primordial .......................................... 52 Éti co-Dis ciplinar........................... 85
Capítulo 2: Seguridade so cial ............ 17
PROCESSO EPIDÊMICO .......................... 53 CAPÍTULO 4: Ins talação dos Trabalhos ... 85
SEÇÃO 2: SAÚDE ..................................... 17
CAPÍTULO 5: Concl usão da Comissão de
Direito a saúde .................................... 23 INDICADORES DE SAÚDE......................... 54
Éti ca............................................. 86
SUS: LEI Nº 8080/90 ............................... 25 CAPÍTULO 6: Julga mento ........................ 86
INCIDENCIA.............................................. 55
Princípios doutrinários ....................... 25 CAPÍTULO 7: Recursos e Revisões........... 87
Taxa de ataque .................................... 57
Princípios organizativos ..................... 25 CAPÍTULO 8: Execução ............................ 87
PREVALÊNCIA .......................................... 57
Regionalização e hiera rquiza ção............. 25 CAPÍTULO 9: Pra zos ................................ 87
PREVALÊNCIA E INCIDÊNCIA ................. 59
SUS: LOS 8142/90................................... 26 ANEXO 3: ESTABELECE AS INFRAÇÕES E AS
MORTALIDADES E OUTROS
REGRAS DE APLICAÇÃO DAS SANÇÕES
SUS............................................................... 27 INDICADORES ..................................... 60
DISCIPLINARES.........................................88
PRINCIPIOS DOUTRINÁRIOS ................. 27 Construção de indicadores ................. 61
Coefi cientes ou ta xas...............................61 FARMÁCIA HOSPITALAR ..........................91
Universalidade ..................................... 27
Índices (proporções e razões) .................61
Eqüidade ............................................... 28 Objetivos da farmá cia hospitalar......91
indicadores de saúde usados pela
Integralidade........................................ 29 Funções da farmácia hospitala r........92
OMS .................................................... 62
PRINCÍPIOS ORGANIZATIVOS ............... 30 Atividades da farmá cia hospitalar....93
Indicadores d e mo rtalidade............... 62
Regionalização e hierarquização...... 30 Parâmetros Mínimos para
Coefi ciente de mortalidade infantil
Regionalização......................................... 30 Ambientes ..........................................94
(CMI) ............................................63
Hiera rquiza ção ........................................ 31
Coefi ciente de letalidade (CL) .................64 Parâmetros Mínimos para Recursos
Resolubilidade ..................................... 31
Coeficiente ou taxa de fertilidade, Humanos ............................................94
Descentralização ................................. 31
fecundidade e natalidade ............... 65 Área física e localiza ção .....................95
Participação do cidadão .................... 32 GERENCIAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE
Razão de masculinidade..................... 66
Complementaridade do setor
Esperança de vida ............................... 66 FARMÁC...............................................95
privado............................................... 32 Anos potenciais de vida perdidos............67 ORGANIZAÇÃO ........................................96
GESTORES ................................................ 33 GESTÃO DA FARMÁCIA HOSPITALAR
FINANCIAMENTO ................................... 34 VIGILANCIA EM SAÚDE............................ 68 NO CONTEXTO DAS
DIREITO À SAÚDE E SETOR PRIVADO... 34 DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO
ORGANIZAÇÕ ES DE SAÚDE .............96
PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO SUS 35 COMPULSÓRIA ....................................... 71 Ferramenta de gestão pela
PORTARI A 204/16................................... 72 qualidade ...........................................97
NORMAS OPERACIONAIS BÁSICAS DO
Ci clo PDCA............................................... 97
SUS....................................................... 35 CAPÍTULO 1: disposiçõ es iniciais ....... 72
CAPÍTULO 2: NC .................................. 73
ORGANIZAÇÃO DE ALMOXARIFADO .... 98 Di s pensação de medicamentos DIRETRIZES ............................................ 131
genéri cos....................................118 Adoção da RENAME ......................... 131
Área física ............................................. 98
VIGILANCIA SANITARIA .........................119 Regulamentação Sanitária de
Central de Abastecimento
Medica mentos ............................... 132
Farmacêutico (CAF) ......................... 99 Sistema nacional de vigilancia
Es tabilidade dos medi camentos ............. 99
Reorien tação da AF .......................... 133
sanitária (SNVS)..............................120 Promoção do Uso Racional de
Condi ções especiais de a rma zenamento 99
Competências dos Níveis Federal, Medica mentos ............................... 135
Logística hospitalar........................... 100
Estadual e ........................................120 Des envolvimento Ci entífico e
Controle de estoque.......................... 100
Municipal ............................................120 Tecnológi co ............................... 135
Mínimos Quadrados ........................ 101
O que é Vigilância Sanitá ria (VISA)? 121 Promoçã o da Produção de
Estoque de Segurança ...................... 101 Medica mentos .......................... 136
CONTRO LE E FISCALIZAÇÃO ................121
Curva ABC ........................................... 102
Defesa e p roteção da saúde ............121 Garantia da Segurança, Eficácia e
Elabora ção da Curva ABC .................... 102
Higiene ................................................122 Qualidade dos ................................ 136
Coleta de dados................................... 102
Comporta mentos da Curva ABC.......... 102 Nocividade ..........................................122 Medica mentos................................... 136
Qualidade ...........................................122 Des envolvimento e Ca pacitação de
Ponto de Ressupri mento (PR) ............... 102
Segurança ...........................................122 Recursos Humanos.................... 137
Es toque Má xi mo ................................... 103
Lote Econômico..................................... 103 Áreas de abrangên cias .....................122 PRIORIDADES........................................ 137
Armazenamento ................................ 104 Risco .....................................................123 Revisão Permanente da RENAME .. 137
Condi ções de a rma zena mento ............. 104 Assistên cia Farmacêu tica ................ 137
VIGILANCIA EPIDEMIOLÓGICA (VEP)..124 Promoção do Uso Racional de
Es tocagem ............................................. 104
Propósitos ...........................................124 Medica mentos ............................... 138
MODELOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE . 105
Funções ...............................................124 Organização das Atividades de
Modelo médico hegemônico ........... 107 ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS.............125 Vigilância Sanitária de
Modelos sanitaristas campanhista 107 Inquérito epidemiológico .................125 Medica mentos ............................... 139
Modelo das propostas alternativas 107 Levanta mento epid emiológico ........125 Desenvolvimento e Elaboração de
ASSISTENCIA FARMACEUTICA (AF)..... 110 Investiga ção epidemiológica ...........125 Procedimentos Operacionais
SISTEMAS SENTINELAS ........................126 Sistematizados ............................... 139
Componentes de financiamento da Treinamento de Pessoal do Sistema
Sistema de Informação de Agravos
AF...................................................... 111 de VS ................................................ 139
de Notificação (SINAN)..................126
CBAF.... .................................................. 111
PORTARI A Nº 1555/2013.....................127 Consolidação do Sistema de
CEAF.... .................................................. 111
Capítulo 1: disposições g erais .........127 Informa ção em VS ......................... 139
CESAF..................................................... 112
Capítulo 2: financiamen to ...............127 RESPONSABILIDADES DAS ESFERAS DE
CICLO DA ASSISTENCIA
Capítulo 3: responsabilidades GOVERNO NO ÂMBITO DO SUS .... 140
FARMACÊUTICA (CAF) .................... 114
executivas ........................................128 Articula ção Intersetorial .................. 140
Seleção ................................................ 114
Capítulo 4: controle e Gesto r Fed eral ................................... 140
Programação ..................................... 115
monitora mento ..............................129 Gesto r Estadual................................. 141
Aquisição ............................................ 116
Gesto r Municipal............................... 142
Armazenamento ................................ 116 POLITICA NACIONAL DE
ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO . 143
Distribuição ........................................ 117 MEDICAMEN TOS (PN M).....................130
LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ............... 144
Dispensação ....................................... 117
INTRODUÇÃO ........................................130
Prescrição ........................................... 117
JUSTIFICATIVA .......................................130
POLITICA NACIONAL DE SAÚDE HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL
As politicas de saúde podem ser entendidas O modelo de atenção à saúde no Brasil resultou,
como o conjunto de decisões e compromissos desde o seu início, de trocas e apropriações de
definidos pelo estado para orientar o experiências entre europeus, índios e africanos,
desenvolvimento de ações voltadas à melhoria da particularmente no que tange à prática médica.
saúde. Politicas públicas são o conjunto de Com a chegada dos portugueses à Terra de
ações realizadas pelo estado e seus agentes, com Santa Cruz, um mundo novo e desafiante se
a participação ou não da sociedade, visando formava em relação às enfermidades. Aqui,
garantir os direitos sociais previstos em lei. Os juntaram-se à malária, doença tropical, até então
sistemas de saúde em geral são compostos por desconhecida para os europeus, aquelas trazidas
elementos destinados à assistência e à realização pelos colonizadores, como peste bubônica, cólera
das funções do sistema. Podem-se identificar, e varíola e, posteriormente, com a chegada dos
basicamente, 3 tipos de sistema de saúde: africanos, a filariose e a febre amarela. A
1. Integral ou parcialmente públicos: diversidade racial, presente no Brasil desde a sua
Financiados pela população por meio de colonização, possibilitava um leque de opções de
pagamentos de impostos; tratamentos, pois os índios, os colonizadores e
2. Sistemas de seguro social: Organizados posteriormente os negros, eram detentores de
pelo estado e financiados por contribuição conhecimentos próprios para lidar com as
obrigatória de empregadores e empregados, enfermidades. Essas culturas, a partir de suas
com provisão privada de serviços; cosmovisões, ofereciam procedimentos
3. Sistema de caráter privado: Financiado por terapêuticos peculiares para as moléstias que
indivíduos ou coletividades/empresas, sem ocasionalmente os acometiam. Desse modo,
contribuição obrigatória, com provisão privada rezas, feitiços, plantas e ervas nativas, eram
dos serviços. usadas rotineiramente por pajés, na população
indígena, e por curandeiros, na população negra,
Ex.: 1. Sobre as politicas públicas de saúde no única forma de acesso à saúde para a maioria da
Brasil é CORRETO afirmar: população. Algumas técnicas foram introduzidas
a. Formado pelo conjunto de todas as ações e aos poucos. Para quem poderia custear, havia a
serviços de saúde prestados exclusivamente figura do prático ou barbeiro, que usava
por órgão e instituições publicas federais, de procedimentos avançados para a época, como
administração direta, sem a participação das sangria ou aplicação de sanguessugas, técnicas
funções mantidas pelo poder público; usadas por médicos europeus. Também da
b. Formado pelo conjunto de todas as ações Europa, os Jesuítas trouxeram a prática médica
serviços de saúde prestados por órgãos e da disciplina e do isolamento, para o tratamento
instituições estaduais e municipais, da dos doentes. Os portugueses não demoraram a
administração indireta e pelas fundações implantar o modelo das Santas Casas de
mantidas pelo poder público; Misericórdia. As primeiras apareceram na
c. Formado pelo conjunto de todas as ações e capitania hereditária de São Vicente, em 1543,
serviços de saúde prestados por órgãos e por Braz Cubas e em Salvador, em 1549, por
instituições públicas federais, estaduais e iniciativa de Tomé de Souza. Na medida em que
municipais, da administração direta e indireta, avançava a colonização, foram criadas outras
sendo coordenada pela iniciativa privada; unidades semelhantes pelos Senhores chamados
d. Correta: Formada pelo conjunto de todas as “homens bons”, associados às Irmandades da
ações e serviços de saúde prestados por Misericórdia, sociedades civis constituídas por
órgãos e instituições públicas federais, pessoas de posses, geralmente católicas, que se
estaduais e municipais, da administração propunham a realizar determinadas obras sociais.
direta e indireta e das funções mantidas pelo No entanto, o cenário era de descaso para com a
poder público; saúde. A mão de obra nesse início de colonização
e. Formada por entidades filantrópicas, com advinha da escravização indígena. Dessa forma,
anuência do governo federal. a assistência à saúde praticamente não
apresentou mudanças com a chegada da nova
mão de obra escrava, oriunda do continente
africano. As pessoas adoeciam e morriam em
suas casas, em instituições filantrópicas ou
simplesmente ao léu, como morrem os animais.
Para a compreensão da estruturação das
políticas de saúde usaremos a seguinte divisão
didática, que distingue os períodos da história em:
colonial, primeira república até a revolução de 30
e o populismo de 45 a 60, os períodos relativos
aos anos 60 até o fim da ditadura militar; e da
nova república até a atualidade.
3. O ciclo da mineração: Este proporcionou um
maior desenvolvimento comercial e urbano
com grandes crescimento demográfico e uma
menor concentração de renda nas mãos dos
senhores, a partir da emergência de estratos
sociais que configuraram os primeiros
Figura 1: (a) Braz Cubas (1507-1592): pai da cidade de santos,
contornos da sociedade de classes;
governou duas vezes a capitania de são Vicente. (b) Tomé de 4. O ciclo do café: Dinamizou o mercado interno
Souza (1503-1579): primeiro governador geral do Brasil, cargo o inicio das diferentes modalidades do trabalho
que exerceu de 1549 até 1553.
assalariado. Esse fenômeno foi representado
pela ocupação efetiva do solo, o que exigiu
Período colonial
uma infraestrutura que necessitava de
O trópico atraía a atenção do colonialismo, mas
financiamento, o qual foi concretizado no
os empreendimentos comerciais eram ameaçados
exterior. O café era produzido com o objetivo
pelas doenças transmissíveis endêmicas e
de ser exportado, assim como os produtos que
epidêmicas, sendo raros os médicos que atuavam
junto à população. Em meados do séc. 17 uma foram protagonistas dos ciclos anteriores. A
exploração se fazia pela burguesia local que,
profunda crise demográfica ocorreu no Brasil
no período da república, passou a assumir o
devido a uma epidemia de sarampo, abalando a
controle do desenvolvimento social e acabou
incipiente economia colonial. Após esse fato, as
por reestruturar a formação da sociedade
epidemias passaram a receber a atenção
capitalista brasileira. Dado que inexistia um
governamental, sobretudo em razão dos prejuízos
sistema de saúde formalmente estruturado, as
causados à política econômica, pois os navios
ações eram de caráter local, sendo que grande
estrangeiros passaram a evitar os nossos portos
parte da população usava-se da medicina de
com medo do contágio. Nesse sentido, as
Folk, enquanto que os senhores do café
primeiras ações de saúde pública no Brasil
tinham acesso aos profissionais legais da
colônia foram:
medicina, que eram trazidos de Portugal.
 Proteção e saneamento das cidades, principalmente
as portuárias; controle e ob servação das doenças e Nessa época foi constituída a academia real de
doentes, promovendo uma prática mais eficaz no medicina social, na Bahia, que tinha como
controle das moléstias. objetivos: a proteção da saúde da população
Essas ações denotavam a preocupação com a segundo os modelos europeus e a defesa da
saúde da cidade e dos produtos que eram ciência, o que contribuiu para a construção da
comercializados, pois a assistência ao trabalhador hegemonia da prática médica no Brasil. Nesse
se resumia na prática da quarentena, para evitar a momento, a saúde pública no Brasil passou a ser
propagação das doenças. A transferência da calcada, e intervenções engendradas na corrente
família Real para o Brasil, em 1808, ocorreu em de pensamento do sanitarísmo, que se
um período em que o mundo científico evoluía, operacionalizava no âmbito urbano das cidades
inclusive a medicina. Nesse contexto, foram dados com a comercialização e transporte de alimentos e
os primeiros passos da medicina tropical com a cobertura dos portos marítimos. Essas medidas
criação de Faculdades de Medicina em eram promovidas pontualmente sob a forma de
Salvador e no Rio de Janeiro, cidades portuárias campanhas, as quais eram abandonadas assim
que recebiam o maior número de navios e de que se conseguiam controlar os surtos presentes
escravos. Nesse período, o Brasil se encontrava na época.
à margem do capitalismo mundial, submetendo-
se, econômica e politicamente a Portugal, sendo Ex.: 1: Assinale a alternativa que faz a CORRETA
que a exploração econômica se dava através de correspondência entre o período histórico
ciclos, do pau-brasil, da cana de açúcar, da brasileiro e as características dos respectivos
mineração, e do café. sistema de saúde existente.
1. O ciclo do Pau-brasil: Não chegou a a. De 1988 até os dias de hoje, período durante o
determinar uma estruturação de classes na qual o SUS foi criado, ocorre o CNS e houve a
sociedade brasileira, pois se caracterizou pela centralização do sistema de saúde com
extração do vegetal. fragmentação institucional;
2. O Ciclo da cana de açúcar: Se distinguiu pela b. Ditadura militar período durante o qual foi
presença de grandes propriedades criado o INAMPS e foram criados novos canais
escravistas, que exigiam aplicação inicial de de participação no sistema de saúde;
capital, com enorme concentração de renda c. De (1945-1964), período durante o qual foi
nas mãos dos senhores, donos das criado o MS, houve estagnação da assistência
propriedades, ao lado da exploração da mão hospitalar e empresas de saúde foram
de obra de trabalhadores trazidos da África. proibidas de funcionar;
Esse ciclo determinou a formatação da
sociedade constituída pelos polos, senhor e
escravo;
d. Correta: Império (1822-1889), período no qual Essa constituição incorporou a saúde como uma
as estruturas de saúde enfatizavam a polícia área de âmbito estatal estabelecendo sua
sanitária, a administração era centrada nos estrutura e locais de atuação.
municípios e foram criadas as primeiras
instituições de controle sanitário dos portos e Início das políticas sanitárias no Brasil
de epidemias. No governo de Rodrigues Alves (1902-1906),
e. República velha, período durante o qual a tendo Oswaldo Cruz à frente, as iniciativas de
saúde pública foi institucionalizada pelo saneamento e urbanização foram seguidas de
ministério da educação e saúde pública e ações específicas na saúde, sobretudo no
foram realizadas campanhas contra a febre combate a algumas doenças epidêmicas. Foram
amarela e a tuberculose. tomadas medidas importantes, algumas drásticas,
Resp.: mas que representaram avanços no combate às
 Alternativa (a) incorreta: A 8ª CNS aconteceu epidemias, as quais se espalhavam facilmente
em 1986, e não após 88. Além de que, após a pelas cidades. Nesse contexto, nasceu um
criação do SUS, o que houve foi uma Código Sanitário que previa a desinfecção
descentralização do sistema de saúde; inclusive domiciliar, o arrasamento de edificações
 Alternativa (b) incorreta: No período da consideradas nocivas à saúde pública, a
ditadura militar não existia qualquer canal de notificação permanente dos casos de febre
participação da sociedade civil no sistema de amarela, varíola e peste bubônica, e a atuação da
saúde; polícia sanitária. O Rio de Janeiro era uma
 Alternativa (c) incorreta: Durante o período cidade de ruas estreitas e sujas, saneamento
citado, nunca houve uma estagnação da precário e consequentemente era um foco de
assistência hospitalar, pelo contrário, é cada doenças como febre amarela, varíola, tuberculose
vez mais crescente. e peste bubônica. As instituições de saúde se
 Alternativa (e) incorreta: Durante este organizavam a partir do modelo campanhista, de
período, o marco de campanha de vacina inspiração bélica, para combater as epidemias.
realizada foi contra a varíola, e não febre Para desinfetar, percorriam ruas e visitavam
amarela e tuberculose. casas, inclusive promovendo a queima de roupas
e colchões. Exigiam limpeza, reformas,
Primeira república até a revolução de 30 interditavam prédios, removiam doentes.
Em 1888, com a abolição da escravatura e com Naturalmente, os alvos preferidos das visitas eram
a consequente crise da mão de obra escrava, as áreas mais pobres e de maior densidade
intensificaram-se as correntes imigratórias demográfica. O combate à varíola tornou-se
provenientes principalmente da Itália, Espanha e prioridade, motivo pela qual foi instituída uma lei
Portugal. Com a chegada de várias pessoas, as de vacinação obrigatória, a lei federal nº
condições sanitárias para a sua recepção e 1261/1904. Insatisfeito com esta e outras
permanência no Brasil tornavam-se cada vez mais questões o povo reagiu; durante uma semana de
difíceis. Esse fato aliado à falta de politicas sociais novembro de 1904, o povo enfrentou as forças da
e de saúde pertinentes acabou por resultar na policia e do exercito ate serem reprimidos com
eclosão de epidemias de febre amarela e peste violência, Este movimento ficou conhecido como a
bubônica, dentre outras. Revolta das Vacinas.
A proclamação da República em 1889 marca o Na segunda fase do movimento sanitarista de
início de um novo ciclo na política de Estado, Oswaldo Cruz, entre 1910-1920, o foco foi a zona
com o fortalecimento e a consolidação econômica rural. As preocupações se resumiam no
da burguesia cafeeira. Nesse período, também saneamento rural e no combate a três endemias
ocorreu a chamada normatização médica, que rurais acintosas: ancilostomíase, malária e mal
regulamentou o ensino e a prática médica, em de Chagas. Esse programa levou expedições de
conformidade com o modelo europeu. Esta médicos sanitaristas pelo país e, proporcionou
medida resultou em maior controle sobre as melhor conhecimento da situação de saúde no
práticas populares de cura, na substituição território nacional e da necessidade de se
gradual dos religiosos das direções dos hospitais desenvolver uma política de Estado nessas áreas.
gerais, e na construção de hospitais públicos para Apesar do fim conflituoso, Oswaldo Cruz
atender doenças consideradas nocivas à conseguiu êxitos diante dos problemas
população, como as mentais, a tuberculose e a epidemiológicos e colheu informações valiosas
hanseníase Com a Proclamação da república para seu sucessor, Carlos Chagas, o qual pôde
elaborou-se a constituição que assinalava a estruturar uma campanha rotineira de educação e
preponderância dos grandes estados nas ação sanitária. Em 1923, foi realizada a reforma
decisões nacionais. Assim, o poder centralizou-se sanitária.
nos estados produtores do café da região centro-
sul, instalando-se a politica do Café com Leite.
A lei Eloy Chaves, além da seguridade social,
concedia serviços médico-assistencial e
medicamentos aos seus segurados. Para isso foi
criado um fundo constituído pelo recolhimento
compulsório do empregado: 3% do salário; do
empregador: 1% da renda brutas das empresas e
da união: 1,5% das tarifas dos serviços prestados
pelas empresas.
Figura 2: (a) Oswaldo Cruz (1872-1917) sanitarista brasileiro. Seu financiamento era tripartite, porem esse
Doente, faleceu vítima de insuficiência renal um ano depois, financiamento não era suficiente para construir
não tendo completado o seu mandato; (b) Rodrigues Alves (1848-
1915). Foi eleito presidente em 1902. Em seu governo ocorreu a serviços de saúde e municia-los com
vacinação obrigatório contra a varíola. (c) Carlos Chagas (1878- equipamentos e recursos humanos. Desta forma,
1934): cientista brasileiro combateu a malaria, formou-se em as CAPs passaram a contratar serviços de saúde
medicina na UFRJ. Morreu aos 55 anos, de infarto.
privados, sendo o pontapé para a privatização da
Ex.: 1: A cerca da lei federal nº 1261/1904, saúde no Brasil. Nascem nesse momento
assinale a alternativa CORRETA. complexas relações entre os setores públicos e
a. Correto: Instituiu a vacinação antivariola privados que persistirão no futuro SUS. O rápido
obrigatória para todo o território nacional; crescimento das CAPs fez com que ocorressem
b. Criou o MS do Brasil; modificações, relacionadas às fontes de
c. Fundou a escola de cirurgia do rio de financiamento. Desde o inicio, o sistema
janeiro, anexa ao real hospital militar; previdenciário não foi baseado no conceito do
d. Fundou na Bahia, o colégio médico-cirurgico direito à previdência social, inerente à cidadania,
no real hospital militar da cidade de mas considerado u direito contratual, baseado em
salvador; contribuição ao longo do tempo.
e. Institui o INAMPS.

Revoltas populares e o surgimento das CAPs Ex.: 1: Assinale a alternativa CORRETA.


No Brasil as primeiras leis sociais datam do final a. Correta: No Brasil, durante a república velha,
do séc. 19. Contudo, devido ao caráter pontual e a assistência medica era prestada à população
isolado das mesmas, considera-se que no Brasil de baixa renda por meio das instituições de
as primeiras políticas públicas de proteção social, caridade, pois a assistência à saúde pública e
só viriam a surgir, a partir do processo de privada era de baixa qualidade;
industrialização, com o movimento operário b. A primeira reforma sanitária no Brasil se deu
grevista. A saúde nesta época foi marcada por logo com a chegada da família real no Brasil
campanhas sanitárias e reformas de órgãos em 1808;
federais. Houve um movimento pela mudança na c. A população brasileira, no inicio do séc. 19,
organização sanitária que resultou na criação em aceitou livremente as campanhas de
1921 do Departamento nacional de saúde vacinação, promovida pelo sanitarista Oswaldo
pública (DNSP), que visava à extensão dos Cruz, não sendo necessária a intervenção
serviços de saneamento urbano e rural, além da estatal com medidas obrigatórias;
higiene industrial e materno-infantil, a saúde d. Apesar do desenvolvimento da colonização
pública passou a ser tomada como questão social. brasileira, a assistência médica dos jesuítas
Datam dessa época os primeiros encontros de não conseguiu sobressair-se sobre a medicina
sanitaristas que bradavam nas soluções mais indígena, que prevaleceu até os anos de 1960,
eficazes no que tocava as questões de saúde. quando houve o grande êxodo rural brasileiro;
Esse movimento sanitário difundiu a e. O SUS teve como principio basilar, para sua
necessidade da Educação Sanitária como uma criação, a previsão constitucional de que a
estratégia para a promoção da saúde e o saúde é direito de todos e dever do estado,
conteúdo dos discursos era permeado por uma previsto na constituição federal de 1946.
intensa fermentação de ordem liberal. Já em 1923,
foi promulgada a lei Eloy Chaves, que instituiu as Ex.: 2: Considerando os componentes da
caixas de aposentadoria e pensão (CAPs), medicina previdenciária no Brasil, as CAPs, IAPS,
sendo considerado o início das políticas sociais no o INPS e o INAMPS e o seu financiamento, é
Brasil. Os trabalhadores mais articulados CORRETO afirmar que:
politicamente lutavam pela organização das CAPs, a. Todos os componentes recebiam
que se constituíram-se em embrião do seguro financiamento do governo;
social, correspondendo ao primeiro período da b. O INPS era financiado pelos empregados e
história da previdência brasileira. As CAPs eram empregadores apenas;
organizadas por empresas, sendo administrados e c. Correta: As CAPs eram financiadas apenas
financiados por empresários e trabalhadores. pelos empregados e empregadores;
d. Tanto as CAPs quanto o INPS e o INAMPS
eram financiados também pelo governo.
Resp.: Governo Getúlio Vargas e os primeiros IAPs
 Alternativa (a) incorreta: Apenas os IAPs, o Com a crise do padrão exportador capitalista e o
INPS e o INAMPS eram financiados pelo consequente aumento da divida externa
governo; acirraram-se os confrontos entre republicanos e os
 Alternativa (b) incorreta: Era financiado por liberais. Esse fenômeno, aliado à crise mundial
empregados, empregadores e governo; do café de 1929, afetou a economia brasileira,
 Alternativa (c) correta: As CAPs eram criando condições para a revolução de 1930. O
organizadas por empresas e administradas e êxodo rural decorrente da barrocada do café
financiadas por empresários e trabalhadores. impulsionou o processo de industrialização e
Em suma, as caixas, as CAPs eram urbanização. Desta forma os surtos epidêmicos,
baseadas em contrato entre patrão e se intensificaram, devido à piora das condições de
empregados sem a participação do estado; vida, decorrente do excesso populacional e da
 Alternativa (d) incorreta: As CAPs tinham falta de infraestrutura sanitária. O estado novo
um financiamento bipartite, empregados e (populista) absorveu os movimentos dos grupos e
empregadores. Tanto INPS quanto INAMPS respondeu as suas reivindicações através da
eram organizados pelo governo. criação do ministério do trabalho e dos
institutos de trabalhadores. Com isso, o estado
Ex.: 3: A medicina previdenciária no Brasil data de respondia as pressões concentrando o poder
1923, quando o governo instituiu, pela lei Eloy decisório e concedendo medidas distensivas como
Chaves: as aposentadorias e pensões. Nesse período
a. Correta: CAPs; delineou-se uma politica nacional de saúde
b. Os IAPs; através da criação de estruturas como o MS. O
c. O INPS; caráter dessa política continuou sendo restrito,
d. O INAMPS; pois se limitavam apenas à cobertura de certos
e. Dos conselhos consecutivos de administração segmentos de trabalhadores. No que toca aos
de saúde previdenciária (IASP). programas de saúde pública, eles voltavam-se
Resp.: Somente a partir de 1923, com a para a criação de condições sanitárias mínimas
promulgação da lei Eloy Chaves, vemos proliferar que favoreciam a infraestrutura necessária para
as CAPs. Vinculados a grandes empresas, suportar o contingente migratório. No entanto
destinavam-se a fornecer serviços e assistência permaneciam limitados pela opção politica de
médica e de seguridade social aos trabalhadores gastos do estado e pelos dispendiosos modelos
e seus dependentes, em troca de contribuições sanitaristas (campanhista) adotados. A
mensais efetuadas pelos empregados e aceleração do ritmo industrial com a expansão de
empregadores. Tais fundos eram geridos investimentos que se seguiu, fez com que o
formalmente por um colegiado composto por estado respondesse às reivindicações da classe
patrões e empregados. Devemos lembrar que a lei trabalhadora, através do estabelecimento do
Eloy chaves é apontada como marco introdutório salário mínimo, que se limitava aos gastos para a
do sistema de previdência para o setor privado. sobrevivência. Isso ao lado da inflação da época
acentuou a piora das condições de vida, refletindo
Ex.: 4: A lei Eloy Chaves foi o marco inicial da na demanda por saúde e assistência médica. Em
previdência social no Brasil. Através dessa lei 1932, Getúlio Vargas teve como uma de suas
foram instituídas as: primeiras medidas criar o ministério da
a. Institutos de previdência social; educação e saúde pública (MESP). Dentre as
b. Consórcios previdenciários; políticas sociais que foram criadas por ele,
c. Institutos de aposentadoria e pensões; destacamos a criação em 1933 dos institutos de
d. Conselhos de desenvolvimento social; aposentadorias e pensões (IAPs). Este modelo
e. Correta: Caixas de aposentadoria e pensões. era organizado por categoria profissional e
Resp.: A lei Eloy Chaves é considerada a mãe da administrado pelo estado, que passou a ter o
previdência social no Brasil. Publicada em 24 de controle administrativo desses institutos,
janeiro de 1923 e consolidou a base do sistema reduzindo sua contribuição e aumentando a do
previdenciário brasileiro com a criação das CAPs empregado (a qual passa a ser um percentual
para os empregados das empresas ferroviárias. É sobre a folha de salario) O Estado brasileiro
a primeira vez que surge uma atividade estatal em passou a colaborar com 15% do total da receita, e
relação à assistência médico no país. Todas as o restante era custeado pelos trabalhadores e
questões que abordar sobre as CAPs, deve-se patrões. Em 1933, o IAPM (dos marítimos); em
associar-se à lei Eloy Chaves. 1934, o IAPC (dos comerciários) eo IAPB (dos
bancários), entre outros. Acentua-se o
componente de assistência médica, em parte por
meio de serviços próprios, mas, principalmente,
por meio de compra de serviços do setor privado.
Era reconhecido como cidadão, pelo estado, o Populismo de 45 a 60
indivíduo com ocupações reconhecidas e A crise econômica e politica, agravada com o
definidas por lei o que foi chamado cidadania fim da 2ª guerra mundial e com a queda de
regulada, com entendimento da política Getúlio Vargas se seguiu um período de
socioeconômica do pós-1930. liberação do regime politico. Período caracterizado
pelo aumento dos salários, pela reativação da
legislação trabalhista, pela reforma partidária e as
negociações para instalação do novo pacto social.
Com o plano SALTE (saúde, alimentação,
transporte e energia) o presidente Eurico Dutra
apresentava a questão da saúde como uma de
suas prioridades, mas a saúde pública, ainda que
elevada à condição de questão social, nunca
esteve entre as ações prioritárias da politica de
gasto do governo.
Nessa época por causa de um clima de barganha
Tabela 1: CAPs X IAPs. e pressões a assistência médica se estendeu a
todas os IAPs e as antigas CAPs, que buscavam
Ex.: 1: Na era Vargas (1930-1945), a assistência uniformizar os direitos e os procedimentos. Isto foi
médica prestada no país através por meio dos garantido com a realização do 1º congresso
IAPs era voltada: nacional de previdência social, no entanto, essa
a. A toda população brasileira; uniformização foi revogada pelo presidente Café
b. Apenas aos trabalhadores das forças filho. O congresso de hospitais, respondeu as
armadas; demandas, instituindo os serviços médicos
c. A todos os trabalhadores brasileiros, próprios das empresas. Estando aí uma nova
independentemente da atividade exercida; configuração da prestação privada de serviços de
d. Correta: Apenas aos trabalhadores que saúde, que constituiu num dos lastros para a
exerciam atividade remunerada de implementação das políticas neoliberais no âmbito
determinadas categorias profissionais. do serviço de saúde na atualidade.
Resp.: No governo de Getúlio Vargas, constituiu-
se um amplo alicerce institucional no âmbito da
saúde pública. Em 1933, através da unificação
das CAPs, surge uma nova forma de organização
previdenciária. Os IAPs, organizados por
categorias profissionais, garantindo benefícios aos
assegurados. Lembrando que assistência médica
para a população empobrecida, que não dispunha
de recursos do IAPs, era prestada pelo
atendimento caridade e filantrópico, mantido pela
igreja.
 Serreta afirma: O sistema público de previdência
social brasileira começou com os IAPs, que se Figura 3: (a) Eurico Gaspar Dutra (1883-1974) sexto presidente
do Brasil, de 1946 a 1951; (b) João Fernandes Campos Café filho
expande na década de 1930, cobrindo as (1899-1970), após o suicídio de Vargas, assumiu a presidência do
categorias estratégicas de trabalhadores pela Brasil de1954 a 1955.
lógica contributiva do seguro, ou seja, dos
trabalhadores, dos empresários e do estado. O
primeiro IAPs foi criado em 1933, dos marítimos, e
com isso as CAPs foram paulatinamente se
extinguido, voltadas mais para a acumulação de
reservas financeiras do que para a prestação de
serviços. O modelo getulista de proteção social se
definia como fragmentado em categoria, limitado e
desigual na implementação dos benefícios, como
estratégia de controle de classes trabalhadoras.
Saúde pública nos anos 50 Com um temário destinado a analisar pontos de
Acontecimentos significativos no âmbito da saúde vista dominantes entre os sanitaristas,
no período, foi a criação do MS (1953) e a pretendia construir uma compreensão sobre os
reorganização dos serviços de controle das problemas sanitários compartilhados entre os
endemias rurais no Departamento Nacional de gestores estaduais e os do nível federal. A 2ª CNS
Endemias Rurais. Tratou-se de uma política de tratou de temas como malária, segurança do
saúde pública com ênfase na prevenção de trabalho, condições de prestação de assistência
doenças transmissíveis, aliada a uma política de médica sanitária e preventivas para trabalhadores
saúde previdenciária restrita aos contribuintes da e gestantes. Não há relatório conhecido da 2ª
previdência e seus dependentes. Essa nova CNS.
configuração de atuação do Estado na saúde  Alternativa (c) incorreta: Somente em julho
pública, resultou em um importante instrumento de de 1963, 13 anos após a realização da 2ª
controle do espaço de circulação dos produtos e CNS, foi convocado, pelo presidente João
do trabalho. O Estado passou a contar com: Goulart a 3ª CNS. Seus integrantes eram
 Postos de trab alho, indústrias (de medicamentos, de ainda representantes do governo federal e
equipamentos), ensino profissional, hospitais, dos estados territórios, mas significou uma 1ª
amb ulatórios e outros organismos.
ampliação dos atores participantes:
Há de se ressaltar também, nesse período, que o estabeleceu que os dirigentes dos estados
avanço da industrialização nacional gerou uma poderiam fazer se acompanhado de
massa operária que deveria ser atendida pelo assessores técnicos em todos os trabalhos.
sistema de saúde. Tal fato exigiu uma expansão Seu temário também expressava uma nova
rápida e progressiva dos serviços de saúde, e orientação de saúde com propostas de
dada a impossibilidade do Estado suprir as descentralização e de redefinição dos papeis
demandas cada vez mais crescentes, abriu-se das esferas de governo, além de proposição
espaço para os convênios-empresas. A de um plano nacional de saúde propostas
assistência tornou-se mais cara e o hospital pela 3ª CNS, suas deliberações alimentaram
passou a ser o principal ponto de referência para a muitos dos debates realizados por
busca de um atendimento em saúde: modelo movimentos sociais a partir da década de 70;
hospitalocêntrico. Somente em 1953 ocorreu a  Alternativa (d) incorreta: A 4ª CNS,
divisão da saúde e educação, através do MS, realizada em 1967, bem como as três
antes vinculado num único ministério. subsequentes, realizadas durante o regime
militar, retomaram o caráter de espaço de
Ex.: 1: As conferências de saúde no Brasil fora debate técnico, com a participação de
instituídas em 1937, no primeiro governo de especialistas nos temas debatidos e das
Getúlio Vargas. Naquela época, foi criado o autoridades do MS, do MPAS e dos estados
ministério da educação e saúde composto pelo e territórios foi convocadas por meio do
departamento nacional de educação e pelo decreto nº 58266/66, e presidida pelo
departamento nacional de saúde. A criação do ministro Leonel Miranda, a 4ª CNS debateu
MS, independente da área da educação, foi um o tema recursos humanos para atividade
grande marco no ano de 1953 e que aconteceu de saúde, focalizando a identificação das
após a realização da: necessidades de formação dos recursos
a. 1ª conferência nacional de saúde; humanos e as responsabilidades do MS e
b. Correta: 2ª conferência nacional de saúde; das instituições de ensino superior da área na
c. 3ª conferência nacional de saúde; capacitação e no desenvolvimento da politica
d. 4ª conferência nacional de saúde; de saúde contou ainda com um painel
e. 5ª conferência nacional de saúde. internacional sobre a política e realização da
Resp.: A criação do MS, oficializada em 25 de OPAS E as experiências sanitárias da
julho de 1953, se deu em meio a um forte debate Venezuela e da Colombia.
a respeito das atribuições e a configuração a ser  Alternativa (e) incorreta: A 5ª CNS,
assumida pelo estado de maneira geral. realizada em agosto de 1975, durante o
 Alternativa (a) incorreta: A 1ª CNS foi governo de Ernesto Geisel, foi convocado
realizada em novembro de 1941, por pelo decreto nº 52301/63, e presidido pelo
proposição de Gustavo Capanema; ministro da saúde Paulo de Almeida Machado
 Alternativa (b) correta: A 2ª CNS foi e dedicou-se a discutir cinco temas. A
realizada apenas em 1950, no final do principal contribuição da 5ª CNS foram às
governo Dutra, e poucas informações sobre propostas de organização do sistema
ela está disponível. Sob a administração do nacional de saúde.
ministro Pedro Calmon.
Equívocos na saúde pública no Regime importância como volume de recursos a ela
Autoritário destinados e instrumento de barganha e de
Em 1960 surgiu, sob forte pressão dos legitimidade política. Assim, a assistência medica
trabalhadores, a Lei orgânica da previdência fortalecia-se em termos de recursos arrecadados,
social (LOPS), que propôs uniformização dos porém destinados, significativamente, para a
benefícios prestados pelos IAPs e a compra de serviços privados, capitalizando-se,
responsabilidade da previdência social pela assim, a assistência médica, que assumia cada
assistência médica individual de seus vez mais o caráter médico-cêntrico, individual e
beneficiários. Porem, a LOPS, na realidade, privado.
representou a maturação um ciclo que reafirmou Data dessa ocasião a instituição do sistema
a reduzida participação dos trabalhadores na nacional de previdência e assistência social
gerencia e no controle dos IAPs. (SINPAS), composto pelo INPS, INAMPS, IAPAS
Com o golpe militar e a instalação no Brasil de (instituto de administração financeira da
um regime autoritário de administração pública, previdência e assistência social), DATAPREV
em 1964, houve uma piora sensível na saúde (empresa de processamento de dados da
pública, ressentida sobretudo pela parcela mais previdência social), LBA (fundação legião
humilde da população. Nessa época, a política de brasileira de assistência), FUNABEM (fundação
saúde voltou-se para a expansão de serviços nacional do bem-estar do menor) e CEME (central
médicos privados. O governo passou a comprar de medicamentos, que em 1979 foi surpreendido
serviços de assistência médica, e as condições pela divulgação do rombo financeiro da
dos brasileiros, expressas em diferentes previdência, o qual já vinha de longa data; mais
indicadores, tornaram-se ainda mais críticas. uma vez, que arcou com as consequências foram
Em 1966, ocorreu a unificação dos IAPs com a empregados e empregadores, cujas
criação do Instituto nacional de previdência contribuições passaram a ser de,
social (INPS). Esta medida unificou os benefícios respectivamente, 8,5 a 10%.
para os trabalhadores em geral,
independentemente de sua filiação profissional. Ex.: 1: Assinale a alternativa CORRETA sobre a
Novas categorias profissionais foram incorporadas evolução histórica da organização do sistema de
ao sistema, como trabalhadores rurais, saúde no Brasil e a construção do SUS quanto ao
empregadas domésticas e autônomos. ano em que a secretaria de saúde e de
A migração de pacientes de alguns institutos, assistência medica foram englobada, passando a
acrescida da superlotação nos hospitais, gerou construí a secretaria nacional de saúde, para
insatisfação geral. Doenças antes erradicadas reforçar o conceito de que não existia dicotomia
voltaram, as controladas reapareceram em surtos entre saúde pública e assistencial médica.
epidêmicos, houve aumento da pobreza, o a. 1990;
saneamento e as políticas de habitação populares b. 1956;
ficaram em segundo plano. c. Correta: 1974;
d. 1967;
Reivindicações populares e o anseio pela e. 1969.
universalização da saúde pública
Em 1974, foi criado o Fundo de Apoio ao Ex.: 2: Quem poderia se beneficiar da assistência
Desenvolvimento Social (FAS), que distribuiu à saúde desenvolvida pelo INAMPS, antes da
recursos para investimento na expansão do setor criação do SUS.
hospitalar (sendo 79,5% destinados para o setor a. Apenas os trabalhadores informais, sem
privado e apenas 20,5% para o setor público). Em carteira assinada, e seus dependentes, ou
1974, foi criado o ministério da previdência e seja, não tinha o caráter universal;
assistência social (MPAS) centralizando e b. Todos os trabalhadores tanto da economia
reforçando ainda mais a dominância do modelo formal como os informais e seus dependentes,
clínico assistencial e curativista. Em 1975, como ou seja, tinha caráter universal;
resultado da 5º CNS foi regulamentado a lei c. Apenas os funcionários públicos da união e
6229/75, que criou o sistema nacional de saúde, seus dependentes, ou seja, não tinha o caráter
através dessa lei foi definida as responsabilidades universal;
das varias instituições cabendo À previdência d. Correta: Apenas os trabalhadores da
social, a assistência individual e curativa enquanto economia formal, com carteira assinada e seus
que, os cuidados preventivos de alcance coletivo dependentes, ou seja, não tinha o caráter
ficaram sob a responsabilidade do MS SES e universal;
SMS. Em 1977, O INPS foi dividido em sistema e. A toda população indiscriminadamente
nacional de assistência e previdência social demonstrando caráter universal de assistência.
(SNAP), responsável pelos benefícios, e
assistência médico de previdência social
(INAMPS) que assumiu a assistência médica
previdenciária, a qual vinha assumindo a
Ex.: 3: Na década de 1970, o INPS foi dividido  Alternativa (b) incorreta: O debate sobre o
num sistema organizado para os benefícios financiamento do sistema de saúde proposto
sociais e outros para a assistência médica pelo RSB sempre esteve presente, afinal, se
previdenciária que se chamava: a luta era por um sistema publico onde o
a. SUS; estado deveria prover todo o seu
b. IAPs; funcionamento, estratégias deveriam ser
c. CAPs; criadas para que o orçamento destinado
d. Correta: INAMPS. fosse adequado;
Resp.: Em 1977, efetivou-se um movimento  Alternativa (c) incorreta: O movimento da
burocrático, administrativo, na tentativa de RSB surgiu da indignação de setores da
promover a reordenação do sistema de saúde, sociedade sobre o dramático quadro do setor.
com a criação do SINPAS, que congregava varias Atingiu sua maturidade no fim da década de
entidades previdenciárias, como o IAPAS, que 70 e inicio dos 80. Pode-se afirmar que a
gerenciaria o fundo de previdências de assistência RSB nasceu na luta contra a ditadura, com o
social, o INPS, a que competiria a concessão de tema saúde e democracia, e estruturou-se
beneficio ou outras prestações em dinheiro, além nas universidades, no movimento sindical, no
de programas assistenciais. O INAMPS, que se movimento popular e em experiências
responsabilizaria pela prestação de assistência regionais de organização de serviços.
médica individual aos trabalhadores urbanos e  Alternativa (d) incorreta: O movimento da
rurais, além da fundação da legião brasileira de RSB nunca privilegiou a participação privada
assistência, voltada para a prestação de no setor da saúde.
assistência social à população carente, da central
de medicamentos (CEME) e da fundação Primeiros passos para a descentralização
nacional do bem estar do menor, dentre outras. No inicio dos anos 80 com a crise financeira no
Mas, a sua implantação repetiu de forma setor da saúde, que se expressava seguridade
totalmente diferente das proposições, isto é, social e no modelo privatizante, a proposta do
acabou por fragmentar os poderes e dividiu para movimento sanitário apresentava-se com forte
vários organismos as diferentes tarefas da reação as politicas de saúde implantadas. Em
previdência. vista dessa situação, o governo precisou criar
meios para controlar gastos públicos em geral, e
Ex.: 4: Assinale a alternativa CORRETA referente no setor da saúde não foi diferente. Para obter
à reforma sanitária no Brasil, gesta a partida da maior controle sobre as internações, foram criados
década de 1970. as Autorizações de internação hospitalar
a. Foi um processo engendrado por parte dos (AIHs); assim, para cada paciente internado,
sucessivos gestos do MS que perceberam a deveria ser emitida uma AIH mediante a qual a
necessidade de mudanças no sistema de internação seria paga ao hospital. Com isso, o
saúde; governo eliminava o repasse de verbas a
b. As ideias propostas abrangeram conceitos de internações escritas (controle sobre o setor
universalidade e integralidade, mas não privado), e os hospitais passaram a reter o
previram o seu financiamento; paciente no hospital o menor tempo possível, pois
c. Foi um processo inspirado no movimento era necessário liberar leitos para internar mais
sanitário norte-americano cujos reflexos se pessoas e, consequentemente, emitir mais AIHs.
fazem presente até hoje; Outra estratégia usado pelo centralizador governo
d. Uma das ideias centrais era a parceria público militar foi, a transferência de atribuições e
privada para garantir a universalidade, a encargos da esfera federal aos estados e
integralidade e o controle social; munícipios. Com a criação das Ações integradas
e. Correta: As ideias propostas influenciaram o de saúde (AISs), algumas responsabilidades em
processo constituinte e forma fundamento para saúde foram repassadas diretamente do estado
a inclusão da saúde como um dos direitos aos estados e municípios, na medida em que
sociais da cidadania. foram criados mecanismos de repasse de
Resp.: A RSB deve ser entendido como um recursos para essas instâncias. Assim, tornaram-
longo processo politico de conquistas da se responsáveis pelo atendimento medico
sociedade em direção a democratização da individual da população previdenciária,
saúde, assim, sua expressão material se representando os primeiros passos em direção à
concretiza na busca do direito universal à saúde e descentralização, até então abordada com a
na criação de um sistema único de serviços sob a importância que apresenta atualmente.
égide do estado.
 Alternativa (a) incorreta: Ao contrário de
outras reformas proposta pelo estado,
particularmente pelo poder executivo, a RSB
surgiu a partir da sociedade, fazendo parte do
conjunto de mudança social.
Em consequência do acirramento da crise política,  A 2ª: Delas é a de que as ações de saúde
um grupo de técnicos, compostos por deveriam garantir o acesso da população às
representantes do MS e do MPAS. Formulou um ações de cunho preventivo ou curativo e,
programa, o PREV-SAÚDE: Programa nacional para tal, deveriam estar integradas em um
de serviços de saúde, saneamento e habitação. único sistema.
Tinha como pressuposto a hierarquização das  A 3ª: A descentralização da gestão, tanto
formas de atendimento, de forma que a atenção administrativa, como financeira, de forma que
primária se se constituía na porta de entrada dos se estivesse mais próximo da quarta
clientes no sistema de saúde. E também tinha proposição que era a do controle social das
como pressuposto a participação comunitária, a ações de saúde.
integração dos serviços existente (publico e
privado) e a regionalização definida por área e Ex.: 1: As proposições do Movimento de RSB
população. Esse projeto foi rejeitado. eram dirigidas, basicamente, à construção de uma
Posteriormente, foi constituído o conselho nova política de saúde, e para tanto considerava
nacional de administração de saúde como elementos essenciais para a reforma do
previdenciária (CONASP) com o objetivo de setor a:
reorientar as proposições do prev-saúde, para que a. Implantação de ações integradas da saúde.
se fossem reduzidas os custos da assistência b. Centralização e hierarquização das políticas
médica. de saúde.
c. Correto: Descentralização, universalização e
Reforma sanitária participação dos usuários.
Refere-se a um processo de transformação da d. Terceirização do sistema de saúde.
norma legal e do aparelho institucional que
regulamenta e se responsabiliza pela proteção à Ex.: 2: O processo histórico da assistência à
saúde dos cidadãos e corresponde a um efetivo saúde no Brasil é marcado por avanços
deslocamento do poder político em direção às significativos que culminou com a criação do SUS.
camadas populares, cuja expressão material se Em relação a esse processo, analise as
concretiza na busca do direito universal à saúde e proposições abaixo e responda:
na criação de um sistema único de serviços sob a 1. Antes da criação do SUS, não existia um
égide do Estado. sistema de saúde público estabelecido no
Sob o Regime Militar (1964–1985) os IAPs, Brasil.
foram unificados no INPS em 1966. Apesar de 2. A CNS, realizada em 1986, é considerada um
tantos órgãos criados, o sistema de saúde grande marco da chamada RSB.
brasileiro passava por uma crise, devido ser 3. Antes da criação do SUS o modelo de
insuficiente, mal distribuído, descoordenado, assistência à saúde era preventivo e curativo.
inadequado, ineficiente e ineficaz. Para mudar A sequência CORRETA é:
esta realidade foi organizado um movimento a. 1, 2 e 3 estão corretas.
social, a RSB um movimento social que defendia a b. Correta: 1 e 2 estão corretas.
democratização da saúde e a reestruturação do c. 2 e 3 estão corretas.
sistema de serviços. Era composta por d. 1 e 3 estão corretas.
estudantes, pesquisadores, universidades, e. Somente a 3 está correta.
profissionais, sindicatos, entidades comunitárias e
sociedades cientificas, como a Associação Ex.: 3: A 8ª CNS, realizada em 1986, foi um
Brasileira de Pós-graduação saúde coletiva acontecimento importante que influenciou a
(ABRASCO), Sociedade Brasileira para o criação do SUS. Em relação ao Movimento pela
Progresso da Ciência (SBPC) e o Centro RSB, marque a alternativa CORRETA:
Brasileiro de Estudos de Saúde (CEBES). a. A 8ª CNS diferiu das demais porque
A RSB foi proposta num momento de intensas impulsionou a realização de Conferências
mudanças e sempre pretendeu ser mais do que Estaduais e Municipais.
apenas uma reforma setorial. Almejava-se, que b. O movimento pela RSB teve grande
pudesse servir à democracia e à consolidação da participação popular e do movimento sindical,
cidadania no País e é a base para a proposta de mas não houve apoio político.
criação do SUS. c. O movimento da RSB criou o SUS e
O chamado movimento sanitário tinha impulsionou a elaboração de uma nova CF/88.
proposições concretas. d. Correta: A 8ª CNS diferiu das demais pelo seu
 A 1ª: Delas, a saúde como direito de todo o caráter democrático e pela sua dinâmica
cidadão, independente de ter contribuído, ser processual.
trabalhador rural ou não trabalhador. Não se e. O SUS foi criado através da Lei 8080/90.
poderia excluir ou discriminar qualquer cidadão
brasileiro do acesso à assistência pública de
saúde.
Ex.: 4: A RSB foi o principal movimento na podemos reconhecer nas ações integradas de
construção do SUS vigente no Brasil. O marco saúde (AIS) os principais pontos programáticos
referencial definitivo na institucionalização das que estarão presentes na criação do SUS.
propostas desse movimento foi: Em 1986, foi realizada a 8ª CNS, com
a. A 8ª Conferência Nacional de Saúde/86. participação social, deu-se logo após o fim da
b. A 9ª Conferência Nacional de Saúde/93. ditadura militar, consagrou uma concepção
c. A Conferência Internacional de Alma Ata/78. ampliada de saúde e principio da saúde como
d. A política das ações integradas de direito universal e como dever do estado;
saúde/80. princípios estes que seriam plenamente
e. Correta: A Assembléia Nacional incorporados na CF/88.
Constituinte/88.

Ex.: 5: O Movimento da RSB, no Brasil, ocorreu O processo de reforma sanitária, desencadeada


no final da década de 70. Nasceu na luta contra a por intelectuais e profissionais do movimento
ditadura e estruturou-se nas universidades, no sanitário, impulsionava a realização da 8ª CNS.
movimento sindical, em experiências regionais de Em decorrência desse processo, em 1986, o MS
organização de serviços, com o objetivo de: convocou a 8ª CNS. Ao contrário das conferencias
a. Garantir a execução das ações e serviços de de saúde que haviam sido convocadas até então e
saúde, privilegiando a atenção básica e a que discutiam questões de caráter essencialmente
população de baixa renda. técnico, a 8ª CNS inovou, no que toca a escolha
b. Correto: Assegurar a saúde como direito de da temática:
todo o cidadão; garantir o acesso da  Direito à saúde, sistema de saúde e financiamento, à
participação da sociedade civil e ao processo
população às ações de cunho preventivo e/ou
preparatório que envolve profissionais da saúde,
curativo; promover a descentralização da intelectuais, usuários e memb ros de partidos políticos e
gestão e o controle social das ações de saúde. sindicatos.
c. Promover a integração das ações de saúde,
meio ambiente e saneamento básico. Os debates que se travaram no decorrer da 8ª
d. Desenvolver programas que privilegiem o conferencia colocaram átona as politicas de saúde
atendimento individual e as práticas curativas como questões a serem discutidas pelo coletivo,
nas áreas mais periféricas do território marcando a história da saúde no Brasil. Uma vez
nacional. que definiu um programa para a reforma sanitária.
e. nenhuma das alternativas está correta.
Ex.: 1: Em meio a uma profunda, crise econômica
Nova república até a atualidade e politica do estado brasileiro surge, no final da
Período marcado por um grande movimento em década de 70 e inicio dos anos 80, o movimento
prol das eleições diretas para a presidência, com a pela RSB, que definira um sistema de saúde
reorganização das forças políticas, que impediu as universal em contraposição ao modelo assistencial
eleições diretas, e elegeu através da câmara, privatista, então vigente, que apresenta cada vez
Tancredo Neves e, como vice, Jose Ribamar mais ineficiente, caro e excludente. O movimento
Sarney. Com a morte de Tancredo, José Ribamar pela RSB.
Sarney assumiu a presidência, iniciando a a. Propôs estratégia como as ações integradas
chamada Nova república. Com o inicio do em saúde para o alcance de um sistema de
governo de transição, desencadeou-se no setor saúde mais integrado que foram implantadas
saúde, diferentes medidas que tinha o objetivo de após a CF/88;
alterar as políticas que privilegiavam a atenção b. Teve a participação de profissionais de saúde
privatizante em detrimento das ações do setor de intelectuais da saúde coletiva e de
público. Em 1982 foi implementado o programa lideranças politicas, mas sem a colaboração
das ações integradas de saúde (PAIS), que de parlamentares;
dava particular ênfase na atenção primária, sendo c. Teve seu ponto alto na 7ª CNS, realizada em
a rede ambulatorial pensada como porta de 1986, a qual produziu um relatório que pouco
entrada do sistema. Visava à integração das influenciou no SUS;
instituições públicas da saúde mantidas pelas d. Correta: Gerou mudanças no sistema de
diferentes esferas de governo, em rede saúde, alcançando mudanças institucionais e
regionalizada e hierarquizada. Propunha a apontando alternativas centradas na atenção
criação de sistemas de referência e contra primaria em saúde.
referência e a atribuição de prioridade para a rede
pública de serviços de saúde, com
complementação pela rede privada, após seu
pleno uso, prévia a descentralização da
administração dos recursos, simplificação dos
mecanismos de pagamento dos serviços
prestados por terceiros e seu efetivo controle,
Ex.: 2: A ___ ocorrida em março de 1986, Em 1990, a criação do SUS se deu através da lei
contou com a participação de vários setores nº 8080/90, que dispõe sobre as condições para a
organizados da sociedade e, nela, houve um programação, proteção e recuperação da saúde, a
consenso de que, para o setor de saúde no Brasil, organização e o funcionamento dos serviços
não era suficiente uma mera reforma correspondentes.
administrativa e financeira, mas sim uma mudança Em 1991, foi criada a comissão de ingressos
em todo o arcabouço jurídico-institucional vigente, tripartite (CIT) com representação do ministério
que contemplasse a ampliação do conceito de da saúde, das secretarias estaduais e municipais
saúde segundo os preceitos da reforma sanitária: de saúde e da primeira norma operacional básico
a. 4ª Conferência nacional de cuidados em saúde do SUS, além da comissão de intergestores
pública; bipartite (CIB), para o acompanhamento da
b. Correta: 8ª Conferência nacional de saúde; implantação e operacionalização do recém-criado
c. Conferência alma ata; SUS. As duas comissões, ainda atuantes, tiveram
d. 1ª Conferência internacional sobre cuidados um papel importante para o fortalecimento da ideia
primários de saúde; de gestão colegiada do SUS, compartilhada entre
e. 3ª Conferência internacional sobre promoção os vários níveis do governo.
de saúde.
Ex.: 1: Em 1987 foram criados os SUDS. A
Ex.: 3: O evento em que se evidenciou que as respeito desse sistema analise as afirmativas a
modificações propostas para o setor de saúde seguir:
transcendiam os marcos de uma simples reforma 1. É possível localizar no SUDS os antecedentes
administrativa e financeira foi: mais imediatos da criação do SUS;
a. Correta: 8ª Conferência de saúde; 2. O SUDS teve como principais objetivos a
b. 3ª Conferência de saúde; unificação dos sistemas com consequente
c. 12ª Conferência de saúde; universalização da cobertura e a
d. 2ª Conferência de saúde. descentralização;
3. Um dos pontos negativos do SUDS foi a pouca
Em 1987, foi criado o sistema unificado e importância dada à equidade no acesso aos
descentralizado de saúde (SUDS) que tinham serviços de saúde.
como principais diretrizes: universalização e Esta(ão) CORRETO(s) somente a(s) afirmativa(s):
equidade no acesso aos serviços de saúde, a. 1;
integralidade dos cuidados assistenciais, b. 2;
descentralizações de saúde, implementação de c. 3;
distritos sanitários. Trata-se de um momento d. Correta: 1 e 2;
marcante, pois, pela primeira vez, o governo e. 2 e 3.
federal começou a repassar recursos para os
estados e municípios ampliarem suas redes de Ex.: 2: Com vistas à municipalização dos serviços
serviços, pronunciando a municipalização que de saúde, a PMC assinou em 1987, o convênio
viriam, com o SUS. As secretarias estaduais de com o denominado:
saúde foram muito importantes neste movimento a. Sistema único de saúde (SUS);
de descentralização e aproximação com os b. Instituto nacional de assistência médica da
municípios, que recebiam recursos financeiros previdência social (INAMPS);
federais de acordo com uma programação de c. Fundação nacional de saúde (FUNASA);
aproveitamento máximo da capacidade física d. Correto: Sistema unificado e descentralizado
instalada. Podemos localizar no SUDS os de saúde (SUDS).
antecedentes mais imediatos da criação do SUS.
Em 1988, foi aprovado a constituição cidadã,
que estabeleceu a saúde como ``direito de todos
e dever do estado´´ e apresenta, na sua seção 2,
como pontos básico: as necessidades individuais
e coletivas são consideradas de interesse e o
atendimento um dever do estado, a assistência
médico sanitária integral passa a ter caráter
universal e destina-se a assegurar a todos o
acesso aos serviços, estes serviços devem ser
hierarquizados segundo parâmetros técnicos e a
sua gestão deve ser descentralizada submetidas a
órgãos colegiados oficiais, os conselhos de saúde,
com representação paritária entre usuários e
prestadores de serviços.
Pacto pela saúde  Alternativa (a, c, d e e) corretas: o pacto pela
É um conjunto de reformas institucionais do SUS vida traz todas essas assertivas;
pactuado entre as esferas de gestão (união,  Alternativa (b) incorreta: A saúde mental não
estados e munícipios) com o objetivo de promover considerada prioridade em 2006. Atualmente
inovação nos processos e instrumentos de gestão, após o decreto nº 7508/11, as ações de
visando alcançar maior eficiência e qualidade das atenção psicossocial ganharam força, é um
respostas do SUS. Ao mesmo tempo, o pacto pela pré-requisito para conformação de uma região
saúde redefine as responsabilidades de cada de saúde é considerada uma das portas de
gestor e função das necessidades de saúde da entrada ao sistema.
população e na busca da equidade social. É
dividido e 3 subcomponentes: 1. pacto pela vida,
2. pacto em defesa do SUS e 3. pacto pela
gestão.
1. Pacto pela vida: Deve ser constituído por um
conjunto de compromissos sanitários, que
deverão expressar uma prioridade inequívoca A implementação do pacto pela saúde se dá pela
dos três entes federativos, com definição das adesão de munícipios, estados e união ao termo
responsabilidade de cada um. Além disso, de compromisso de gestão (TCG). O TCG
consiste numa ação prioritária no campo da substitui os processos de habilitação das varias
saúde, que deverá ser executada com foco em formas de gestão anteriormente vigente e
resultados e a explicitação inequívoca dos estabelece metas e compromissos para cada ente
compromissos orçamentários e financeiros federativo, sendo renovado anualmente. Entre as
para o alcance desses resultados. Prioridades prioridades definida estão a redução da
do pacto pela vida e seus objetivos para 2006: mortalidade infantil e materna, controle das
 Saúde do idoso; doenças emergentes e endêmicas (como dengue
 Controle dos cânceres de colo de útero e de e hanseníase) e a redução da mortalidade por
mama; câncer de colo de útero e da mama, entre outras.
 Redução das mortalidades infantil e materna; As formas de transferência dos recursos federais
 Fortalecimento da capacidade de resposta às para estados e munícipios também foram
doenças emergentes e endemias; modificados pelo pacto pela saúde, passando a
 Promoção da saúde; ser integrada em 5 grandes blocos de
 Fortalecimento da atenção básica. financiamento (atenção, básica, média e alta
complexidade, da vigilância em saúde, assistência
2. Pacto em defesa do SUS: Reafirmação da farmacêutica e gestão do SUS), substituindo,
fidelidade de todos os sistemas públicos que assim, as mais de 100 caixinhas que eram usadas
garantia a equidade e o acesso universal e a para essa finalidades.
demonstração de que os recursos financeiros  Colegiados de gestão regional (CGR):
existentes são insuficientes para a Importante elemento para superar a
materialização dos princípios constitucionais. fragmentação sistêmica, aproximar o dialogo
3. Pacto pela gestão: Deverá estabelecer as (rede) e a pactuação para o espaço regional e
responsabilidades claras de cada ente no estabelecimento de ação cooperativa e
federativo de forma a diminuir as solidaria entre os gestores.
competências concorrentes e a tornar mais
evidente quem deve fazer o que, contribuindo Ex.: 4: Sabe-se que o SUS passou a ser
com o fortalecimento da gestão compartilhada efetivamente gestado a partir da promulgação da
e solidárias no SUS; CF de 88 e foi fruto de um longo processo de
evolução do sistema de saúde brasileiro. Antes
Ex.: 1: O pacto pela vida, instituída pelo pacto disso, o sistema urgente com o programa de
pela saúde apresentado na portaria 399/06, desenvolvimento de sistema unificados e
representa o compromisso entre os gestores do descentralização de saúde nos estados. SUDS
SUS em torno de prioridades que apresentam assinale a alternativa que apresenta corretamente
impactos sobre a situação de saúde da população o mês e o ano de criação do SUDS.
brasileira. Qual das alternativas abaixo NÃO a. Correto: Julho de 1987;
estava incluída no grupo de prioridades do pacto b. Agosto de 1988;
em 2006: c. Maio de 1978;
a. Saúde do idoso; d. Outubro de 1988;
b. Incorreta: Saúde mental; e. Janeiro de 1985.
c. Promoção da saúde;
d. Fortalecimento da atenção básica;
e. Controle do câncer de colo de útero e
mama.
Resp.:
Ex.: 5: Sobre as politicas públicas de saúde no
Brasil é CORRETO afirmar:
a. Formado pelo conjunto de todas as ações e
serviços de saúde prestada exclusivamente
por órgão e instituições públicas federais, da
administração direta, sem a participação das
fundações mantidas pelo poder público;
b. Formado pelo conjunto de todas as ações e
serviços de saúde prestados por órgão e
instituições estaduais e municipais, de
administração indireta e pelas fundações
mantidas pelo poder público;
c. Formado pelo conjunto de todas as ações e
serviços de saúde prestados por órgãos e
instituições públicas federais, estaduais e
municipais, administração direta e indireta,
sendo coordenada pela iniciativa privada;
d. Correto: Formado pelo conjunto de todas as
ações e serviços de saúde prestados por
órgãos e instituições públicas federais,
estaduais e municipais, da administração
direta e indireta e das fundações mantidas
pelo poder público;
e. Formado por entidades filantrópicas, com
anuência do governo federal.

Ex.: 6: A respeito da politica de saúde e do SUS,


julgue o item que se segue.
 As politicas de atenção à saúde foram reorganizados por
meio de mecanismo de participação social,
representados pelos conselhos de saúde, de mecanismo
de formação da vontade politica, efetivadas por meio das
conferências de saúde, de mecanismo de gestão
compartilhada, negociação e pactuação entre os entes
governamentais envolvidos num sistema descentralizado
de saúde.

( ) certo ( ) errado. Resp.: Assertiva: Certo.

Ex.: 7: A ação inovadora do pacto pela saúde, que


efetiva a circulação permanente e contínua entre
todos os munícipios e o estado, na região de
saúde na qual está inserido, foi a criação.
a. Da comissão bipartite;
b. Do colegiado de gestão estadual;
c. Da comissão tripartite;
d. Correto: Do colegiado de gestão regional.

Ex.: 8: A pactuação das diretrizes gerais sobre


regiões de saúde, integração de limites
geográficos, referencia e contra referencia é uma
atribuição das (os):
a. Comissões intersetoriais;
b. Conselho municipais de saúde;
c. Conferência de saúde;
d. Correta: Comissões intergestores;
e. Conselhos estaduais de saúde.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL (CF/88) d. De propostas parciais para os problemas e
Titulo 8: Ordem social necessitando de saúde para a população mais
Capítulo 2: Seguridade social carente;
SEÇÃO 2: SAÚDE e. Correta: Expressa a compreensão de que a
Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do saúde da população é resultante da forma
estado garantido mediante politicas sociais e como a sociedade se organiza.
econômicas que visem à redução de risco de Resp.:
doença e de outros agravos e ao acesso universal  Alternativa (a) incorreta: O Art. 196 da
e igualitário às ações para sua promoção, CF/88 deixa claro que a saúde é dever do
proteção e recuperação. estado e consiste em garantir os meios para
que seja garantida a saúde da população;
Ex.: 1: O art. 196 da CF/88 preconiza que a saúde  Alternativa (b) incorreta: As ações e
é direito de todos e dever do estado é CORRETO serviços de saúde ofertados através por meio
afirmar: do SUS visam o acesso universal e igualitário
a. O financiamento do SUS se dará as ações e serviços para promoção, proteção
exclusivamente com recursos provenientes e recuperação da saúde;
dos orçamentos da união, dos estados e dos  Alternativa (c) incorreta: A CF/88 é
municípios; considerada uma constituição cidadã,
b. Correta: O direito a saúde será garantido justamente por apresentar um conceito de
mediante politicas sociais e econômicas que saúde que ponderam determinantes e
visem à redução do risco de doenças e de condicionantes;
outros agravos;  Alternativa (d) incorreta: O acesso ao SUS
c. O acesso aos serviços de saúde pública é é universal e igualitário;
universal e gratuito somente aos brasileiros e  Alternativa (e) correta: Um conceito
estrangeiros residentes no país, possuem ampliado de saúde como resultado das
cadastro junto ao SUS; relações em que o individuo está envolvido
d. A execução dos serviços de saúde é exclusivo sejam elas físicas, sociais, ambientais,
do poder público, que somente poderá ser culturais dentre outras.
auxiliado por pessoa jurídicas de direito
público devidamente autorizado; Ex.: 4: Em relação à organização da saúde na
e. As ações e serviços de saúde integra uma CF/88, assinale a alternativa CORRETA:
rede regionalizada e hierarquizada e a. A saúde, como importante elemento da
constituem um sistema único, organizado para seguridade social, caracteriza-se pelo
atendimento integral, com prioridade às financiamento exclusivo por recursos públicos;
atividades curativas mesmo que em b. As receitas dos estados, do DF e dos
documento dos serviços assistenciais. municípios, destinados à saúde, integrarão o
orçamento da união;
Ex.: 2: O SUS pode ser entendido, como uma c. Correta: A saúde é direito de todos e dever do
politica de estado, materializado na CF/88, ao estado, garantindo mediante politicas sociais e
considerar a saúde como um(a): econômicas que visem à redução do risco de
a. Dever do estado; doença e de outros agravos e ao acesso
b. Direito de cidadania; universal e igualitário as ações e serviços para
c. Correto: Direito de cidadania e um dever do sua promoção, proteção e recuperação;
estado; d. A definição dos critérios de transferência de
d. Politica pública; recursos para o SUS da união para os
e. Direito à saúde. municípios, e dos estados para os municípios,
Resp.: O SUS é uma politica pública, com caráter independente de lei e da contrapartida de
universal e igualitário, não contributiva 100% recursos;
excludente institucionalizado-materializado através e. As ações e serviços públicos de saúde serão
dos art. 196 ao 200 da CF/88. organizados em redes isoladas.
Resp.:
Ex.: 3: A DEFINIÇÃO de saúde na CF/88.  Alternativa (a) Incorreta: O art. 195 da CF
a. Induz à ideia de que o SUS tem a traz que:
responsabilidade exclusiva pela saúde da  A seguridade social será financiada por toda
sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da
população; lei ,mediante recursos provenientes dos orçamentos
b. Tem um viés assistencial que acabou da união, dos estados, do DF e dos municípios;
induzindo a preferência de politicas voltadas
para a recuperação da saúde, em detrimento
da prevenção;
c. Está em desacordo com a definição da OMS,
necessitando de reformulação;
 Alternativa (b) incorreta: As receitas dos Art. 198: As ações e serviços públicos de saúde
estados, do DF e dos municípios destinados integram uma rede regionalizada e hierarquizada
a seguridade social constarão dos e constituem um sistema único;
respectivos orçamentos, não integradas o 1. Descentralização, com direção única em cada esfera
do governo;
orçamento da união;
2. Atendimento integral, com prioridades para as
 Alternativa (c) correta: de acordo com o art. atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços
96: assistenciais;
 A saúde é direito de todos e dever do estado garantido 3. Participação da comunidade.
mediante politicas sociais e econômicas que visem à  § 1º: O SUS será financiado, nos termos do
redução de risco de doença e de outros agravos e ao
acesso universal e igualitário às ações para sua art. 195 com recursos do orçamento da
promoção, proteção e recuperação. seguridade social, da união, dos estados, do
 Alternativa (d) incorreta: o art. 195 em §10 DF dos municípios, além de outras fontes;
traz:  § 2º: A união, os estados, DF e os municípios
 A lei definirá os critérios de transferência de recursos aplicarão, anualmente, em ações e serviços
para o SUS e ações de assistência social da união públicos de saúde recursos mínimos derivados
para os estados, o DF e os municípios ob serva a
contrapartida de recursos. da aplicação de percentuais calculados sobre:
1. No caso da união, na forma definidas nos termos da lei
 Alternativa (e) incorreta: art. 198: complementar prevista no § 3º;
 As ações e serviços púb licos de saúde integram uma 2. No caso dos estados e DF, produto da arrecadação dos
rede regionalizada e hierarquizada e constituem um impostos a que se refere o art. 155 e dos recursos de
sistema único: que tratam os art. 157 as parcelas que forem
1. Descentralização, com direção única em cada transferidas aos respectivos municípios;
esfera do governo; 3. No caso dos municípios e do DF, o produto da
2. Atendimento integral, com prioridades para as arrecadação dos impostos a que se refere o art. 156 e
atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços dos recursos de que tratam os art. 158 e 159, inciso 1,
assistenciais; alínea b e § 3º.
3. Participação da comunidade.  § 3º: Lei complementar, que será reavaliada
pelo menos a cada 5 anos, estabelecerá:
Ex.: 5: A CF/88, declara que a saúde é direito de 1. Os percentuais de que trata o § 1º:
todos e dever: 2. Os critérios de rateio dos recursos da união vinculados
a. Do particular; à saúde destinados aos estados, ao DF e aos
municípios, e dos estados destinados a seus
b. Da escola;
respectivos municípios, ob jetivando a progressiva
c. Dos planos de saúde; redução disparidades regionais;
d. Correto: Do estado; 3. As normas de fiscalização, avaliação e controle das
e. Das empresas. despesas com saúde nas esferas federal, estadual,
Resp.: distrital e municipal;
4. As normas de calculo de montante serão aplicadas pela
 Alternativa (d) correta: de acordo com o art.
união.
196, da CF/88:  § 4º: Os gestores locais do SUS poderão
 A saúde é direito de todos e dever do estado garantido
mediante politicas sociais e econômicas que visem à admitir ACS e agentes de combate às
redução de risco de doença e de outros agravos e ao endemias por meio de processo seletivo
acesso universal e igualitário às ações para sua público, de acordo com a natureza e
promoção, proteção e recuperação. complexidade de suas atribuições e requisitos
específicos para sua atuação.
Art. 197: São de relevância pública as ações de  § 5º: Lei federal disporá sobre o regime
saúde, cabendo ao PODER PÚBLICO dispor, nas
jurídico, o piso salarial profissional nacional, as
formas da lei, sobre sua regulamentação, diretrizes para o plano de carreira e
fiscalização e controle, devendo sua execução ser regulamentação das atividades de ACS e
feito diretamente ou através de terceiros e, agentes de combate às endemias, cabendo à
também, por pessoas física ou jurídica de direito união, nos termos da lei, prestar assistência
privado; financeira complementar aos estados ao DF e
aos municípios, para o cumprimento do
Ex.: 1: Conforme o art. 197 da CF, são de
referido piso salarial;
relevância pública as ações e serviços de saúde,
 § 6º: O servidor que exerça funções
cabendo à (ao) ___ dispor, nos termos da lei,
equivalentes de agente comunitário de saúde
sobre sua regulamentação fiscalização e controle,
ou de agente de combate às endemias poderá
devendo sua execução ser feita diretamente ou
perder o cargo em caso de descumprimento
através de terceiros e, também, por pessoa física
dos requisitos específicos, fixado em lei, para
ou jurídica de direito privado. Assinale a
o seu exercício.
alternativa que preenche CORRETAMENTE a
lacuna acima:
a. Ministério da fazenda;
b. Correta: Poder público;
c. Policia militar;
d. Ministério da saúde.
Ex.: 1: Nos termos da CF/88, quando trata da c. Incorreta: O SUS será financiado
saúde, e CORRETA a seguintes assertiva: exclusivamente com recursos do orçamento da
a. Correta: As ações e serviços públicos de seguridade social, da união, dos estados e do
saúde integram uma rede regionalizada e DF;
hierarquizada e constituem um sistema único; d. As ações e serviços públicos de saúde
b. As ações e serviços de saúde devem observar integram uma rede regionalizada e
o principio do atendimento integral, priorizando hierarquizada e constituem um sistema único;
as atividades curativas, sem prejuízos dos e. Lei federal disporá sobre o regime jurídico, o
serviços assistenciais; piso salarial profissional nacional, as diretrizes
c. Os municípios aplicarão, treinamento em para o plano de carreira e regulamentação das
ações e serviços públicos de saúde, recursos atividades de ACS e agentes de combate às
mínios derivados da aplicação de percentual endemias, cabendo à união, nos termos da lei,
calculado sobre produto da arrecadação dos prestar assistência financeira complementar
impostos; aos estados ao DF e aos municípios, para o
d. É possível a destinação de recursos públicos cumprimento do referido piso salarial.
para auxilio ou subvenções as instituições Resp.:
privadas com fins lucrativos;  Alternativa (c) incorreta: De acordo com o
e. São de relevância publica as ações e serviços §1º do art. 198 da CF/88, o SUS será
de saúde cabendo ao poder publico dispor, financiado, nos termos do art. 195, com
nos termos da lei, sobre sua regulamentação, recursos do orçamento da seguridade
fiscalização e controle, e sua execução deve social, da união, dos estados, do DF e dos
ser sempre realizada diretamente. municípios, além de outros fontes.
Resp.:
 Alternativa (a) correta: O art. 198 da CF/88 Ex.: 3: A CF/88 estabeleceu no art. 198 três
traz a forma de organização do SUS; diretrizes segundo as quais devem ser
 Alternativa (b) incorreta: O art. 198 traz em organizadas as ações e serviços de saúde. As
suas diretrizes o atendimento integral com diretrizes são as seguintes:
prioridades para as atividades preventivas, a. Correta: Descentralização; atendimento
sem prejuízos dos serviços assistenciais; integral; participação da comunidade;
 Alternativa (c) incorreta: De acordo com o b. Direção única; prioridade para ações
art. 198 da CF/88, os municípios no mínimo preventivas; regionalização do sistema;
15% da arrecadação total; c. Rede regionalizada e hierarquizada;
 Alternativa (d) incorreta: De acordo com o atendimento integral participação da
art. 199 CF/88 é vetada a destinação de comunidade;
recursos públicos para auxilio ou subvenções d. Direção tripartite em cada esfera de governo;
as instituições com fins lucrativos; descentralização e hierarquização dos
 Alternativa (e) incorreta: De acordo com a serviços, participação da comunidade;
CF/88, em seu art. 197, são de relevância e. Descentralização; prioridade para ações
publica as ações e serviço, cabendo ao poder preventivas; serviços organizados em redes
público dispor, nos termo da lei, sobre sua assistenciais.
regulamentação, fiscalização e controle,
devendo sua execução ser feita diretamente Ex.: 4: Baseados no art. 198 da CF/88, as ações e
ou através por meio de terceiros e, também, serviços públicos de saúde integram uma rede
por pessoas física ou jurídica de direito regionalizada e hierarquizada e constituem um
privado. sistema único, organizado de acordo com as
seguintes diretrizes:
Ex.: 2: Nos termos da CF, é INCORRETO afirmar 1. Descentralização, com direção única em cada
que: esfera de governo;
a. A saúde é direito de todos e dever do estado 2. Atendimento integral, com prioridade para as
garantido mediante politicas sociais e atividades preventivas, sem prejuízo dos
econômicas que visem à redução de risco de serviços assistências;
doença e de outros agravos e ao acesso 3. Gestão participativa voltada para ações
universal e igualitário às ações para sua direcionadas de saúde e bem estar.
promoção, proteção e recuperação; Assinale a alternativa CORRETA:
b. São de relevância pública as ações de saúde, a. Correta: As afirmações 1 e 2 estão corretas;
cabendo ao poder público dispor, nas formas b. As afirmações 1, 2 e 3 estão corretas;
da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização c. As afirmações 2 e 3 estão corretas;
e controle, devendo sua execução ser feito d. As afirmações 1 e 3 estão corretas;
diretamente ou através de terceiros e, e. Todas as questões estão corretas.
também, por pessoas física ou jurídica de
direito privado;
Art. 199: A assistência à saúde é livre à iniciativa e. O poder público, por meio de lei
privada. complementar, regulamenta as condições e
 § 1º: As instituições privadas poderão requisitos que facilitem a remoção de órgãos,
participar de forma complementar do SUS, tecidos e substâncias humanas para fins de
segundo diretrizes deste, mediante contrato de transplante, pesquisas e tratamento, bem
direito público ou convênio, tendo preferência como estabelecer as regras que permitem sua
às entidades filantrópicas, e as sem fins comercialização.
lucrativos; Resp.:
 § 2º: É vetada a destinação direta de recurso  Alternativa (a) Incorreta: De acordo com o
público para auxílios ou subvenções às art. 199, a assistência à saúde é livre a
instituições privadas com fins lucrativos; iniciativa privada. As instituições privadas
 § 3º: É vetada a participação direta ou indireta poderão participar de forma complementar ao
de empresas ou capitais estrangeiros na SUS, segundo diretrizes deste, mediante
assistência à saúde no país, salvo nos casos contrato de direito público ou convênio, tendo
previstos em lei; preferência as entidades filantrópicas e sem
 § 4º: A lei disporá sobre as condições e os fins lucrativos;
requisitos que facilitem a remoção de órgãos,  Alternativa (b) incorreta: Observe a
tecidos e substância humanas para fins de resposta da assertiva anterior;
transplante, pesquisa e transfusão de sangue  Alternativa (c) correta: Conforme o § 2º do
e seus derivados, sendo vetado todo tipo de art. 199 da CF:
 § 2º: É vetada a destinação direta de recurso púb lico
comercialização. para auxílios ou sub venções às instituições privadas
com fins lucrativos;
Ex.: 1: O art. 199, § 1º da CF/88 dispõe sobre a
inserção das instituições privadas no SUS,  Alternativa (d) incorreta: Segundo o art. 199
estabelecendo que a participação deve ser de é vedada a participação direta ou indireta de
forma, dentre outras: empresas ou capital estrangeiros na
a. Correta: Complementar, mediante contrato de assistência a saúde no país, salvo e casos
direito público ou convenio; previstos em lei. De acordo com a LOS
b. Adicional, estando prevista a destinação de 8080/90 em seu art. 23 é permitido;
recursos públicos para seu auxilio;  Alternativa (e) incorreta: de acordo com o §
c. Suplementar, a despeito do capital da 4º do art. 199 da CF/88:
instituição, se nacional ou estrangeiro;  § 4º: A lei disporá sob re as condições e os requisitos
d. Indistinto, para entidades filantrópicas e que facilitem a remoção de órgãos, tecidos e
sub stância humana para fins de transplante, pesquisa
privadas sem fins lucrativos; e transfusão de sangue e seus derivados, sendo
e. Plena, desde que os contratos não tenham vetado todo tipo de comercialização.
soluções de continuidade.
Ex.: 3: Acerca da iniciativa privada na assistência
Ex.: 2: De acordo com as disposições da CF/88, à saúde no Brasil, prevista na CF/88, assinale
no que se refere à saúde, assinale a alternativa opção CORRETA:
CORRETA: a. Em situações emergenciais ou de calamidade,
a. A assistência à saúde é privativa da união e as entidades filantrópicas e as que não tenham
sem fins lucrativos, motivo pelo qual é vedada fins lucrativos terão preferência para participar
qualquer participação da iniciativa privada do SUS, desde que haja previsão na lei
exceto por instituições sem fins lucrativos; orçamentária anual para repasse ordinário de
b. As instituições privadas poderão participar de recursos;
forma complementar do SUS, segundo b. Correta: A participação da iniciativa privada no
diretrizes deste, somente mediante contrato de SUS ocorre mediante a celebração de contrato
direito privado, após procedimento de licitação ou convênio com o poder público;
na modalidade concorrência; c. A prestação de serviços pela iniciativa privada
c. Correta: É vedada a destinação de recursos sob o comando da direção nacional do SUS,
públicos para auxilio ou subvenções às não se submete aos princípios de
instituições privadas com fins lucrativos; regionalização e hierarquização da rede de
d. É possível e sempre admitida a participação serviços;
direta ou indireta de empresas ou capitais d. É permitida a participação, direta ou indireta,
estrangeiros na assistência à saúde no país; de empresa ou de capital estrangeiro na
assistência à saúde e na doação de recursos
financeiros por organismos internacionais
vinculados à ONU;
e. O reajuste anual dos planos de saúde de Ex.: 5: De acordo com a CF/88, nos art. que
pessoas com idade superior a 60 ano deve tratam a saúde, as instituições privadas podem
seguir a lógica da livre concorrência do participar do SUS de forma ___, mediante contrato
mercado. de direito ___.
Resp.: A alternativa que preenche, CORRETA e
 Alternativa (a) incorreta: Vejamos o que diz o sequencialmente, as lacunas do texto acima.
§1º do art. 199: a. Direta/público;
 § 1º: As instituições privadas poderão participar de b. Direta/privado;
forma complementar do SUS, segundo diretrizes deste, c. Correta: Complementar/publico;
mediante contrato de direito púb lico ou convênio, tendo
preferência às entidades filantrópicas, e as sem fins d. Complementar/privado.
lucrativos; Resp.:
 Alternativa (b) correta: As instituições  Alternativa (d) correta: A questão se reporta
privadas poderão participar de forma ao art. 199 da CF/88, que traz o texto acima.
complementar do SUS, segundo diretrizes
deste, mediante contrato de direito público ou
convênio;
 Alternativa (c) incorreta: Na prestação da
assistência à saúde a iniciativa privada deve
obedecer aos princípios e diretrizes do SUS.
Logo, a regionalização e hierarquização
enquanto princípios devem ser obedecidos na
prestação da assistência;
 Alternativa (d) incorreta: Com a
promulgação da lei nº 13097/15, a lei nº
8080/90 passou a vigorar com o art. 23
permitindo a participação direta ou indireta,
de empresas ou de capitais estrangeiros na
assistência à saúde. Mas, devemos salientar
que a CF/88 não foi modificada, ou seja,
conforme o § 3º art. 199, da CF/88:
 É vedada a participação direta ou indireta de
empresas ou capitais estrangeiros na assistência à
saúde no país, salvo nos casos previstos em lei;

 Alternativa (e) incorreta: Quem regula a


saúde suplementar é a Agência Nacional de
Saúde (ANS), criada em 2000.

Ex.: 4: As ações e serviços públicos de saúde e


os serviços privados contratados, os conveniados
que integram o SUS, são desenvolvidos de acordo
com as diretrizes previstas no art. 198 da CF/88,
obedecendo ainda ao seguinte principio.
a. Identificação e divulgação dos fatores
condicionantes e determinantes da saúde;
b. Assistência às pessoas por intermédio de
ações promoção, proteção e recuperação da
saúde, com a realização integrada das ações
assistenciais e das atividades preventivas;
c. Correta: Preservação da autonomia das
pessoas na defesa de sua integridade física
moral;
d. Formulação de politicas de saúde destinada a
promover, nos campos econômicos e sociais,
redução de riscos de doenças e de outros
agravos.
Art. 200: Aos SUS competem além de outras  Executar as ações da politica do meio amb iente é de
responsab ilidade de outro setor, cab endo ao SUS a
atribuições, nos termos da lei: participação e não a operacionalização desta. Podemos
1. Controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e
dizer que as ações relacionadas ao meio amb iente são
sub stancias de interesse para a saúde e participar da
intersetoriais pois não são atrib uições do setor saúde,
produção de medicamentos, equipamentos,
mas a ausência desta causa impactos negativos nas
imunob iológicos, hemoderivados e outros insumos;
condições de saúde. Logo, os setores governamentais
2. Executar as ações de vigilância sanitária epidemiológica
devem unir forças para diminuir os riscos à saúde da
b em como as de saúde do trab alhador;
população.
3. Ordenar a formação de recursos humanos na área de
saúde;
4. Participar da formulação da politica e da execução das
Ex.: 2: De acordo com a CF/88, art. 200, ao SUS
ações de saneamentos b ásico; compete algumas atribuições nos termos da lei.
5. Incrementar em sua área de atuação o desenvolvimento Sobre elas, analise os itens abaixo:
científico e tecnológico; 1. Ordenar a formação de recursos humanos na
6. Fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o área de saúde;
controle de seu teor nutricional, b em como b eb idas e
água para consumo humano; 2. Incrementar, em sua área de atuação, o
7. Participar do controle e fiscalização da produção, desenvolvimento científico e tecnológico;
transporte, guarda e uso de sub stâncias e produtos 3. Executar as ações de vigilância sanitária
psicoativos, tóxicos e radioativos; epidemiológica bem como as de saúde do
8. Colab orar na proteção do meio amb iente, nele
compreendido e do trab alho. trabalhador;
4. Participar da formulação da politica e da
Ex.: 1: De acordo com o art. 200, da CF, compete execução das ações de saneamentos básico;
ao SUS, EXCETO: 5. Fiscalizar e inspecionar alimentos,
a. Controlar e fiscalizar procedimentos, produtos compreendido o controle de seu teor
e substancias de interesse para a saúde e nutricional, bem como bebidas e água para
participar da produção de medicamentos, consumo humano.
equipamentos, imunobiológicos, Assinale a alternativa CORRETA:
hemoderivados e outros insumos; a. Os itens 1 e 2 estão incorretas:
b. Executar as ações de vigilância sanitária b. Correto: Todos itens estão corretos;
epidemiológica bem como as de saúde do c. Apenas o item 4 está correto;
trabalhador; d. Os itens 2 e 5 estão incorretos;
c. Ordenar a formação de recursos humanos na e. Apenas o item 5 está incorreto.
área de saúde; Resp.:
d. Incrementar em sua área de atuação o  Assertiva (1) correta: De acordo com o inciso
desenvolvimento científico e tecnológico; 3 do art. 20 da CF/88, é atribuição do SUS:
 Ordenar a formação de recursos humanos na área de
e. Incorreta: Executar a política do meio saúde;
ambiente, nela compreendido o manejo dos  Assertiva (2) correta: De acordo com o
resíduos sólidos. inciso 5 do art. 20 da CF/88, é atribuição do
Resp.: SUS:
 Alternativa (a) correta: de acordo com o art.  Incrementar em sua área de atuação o
200 da CF/88 inciso 1: desenvolvimento científico e tecnológico;
1. Controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e  Assertiva (3) correta: De acordo com o inciso
sub stancias de interesse para a saúde e participar da 2 do art. 20 da CF/88, é atribuição do SUS:
produção de medicamentos, equipamentos,  Executar as ações de vigilância sanitária
imunob iológicos, hemoderivados e outros insumos; epidemiológica b em como as de saúde do trab alhador;
 Alternativa (b) correta: de acordo com o art.  Assertiva (4) correta: De acordo com o inciso
200 da CF/88 inciso 2: 4 do art. 20 da CF/88, é atribuição do SUS:
2. Executar as ações de vigilância sanitária  Participar da formulação da politica e da execução das
epidemiológica b em como as de saúde do trab alhador; ações de saneamentos b ásico;
 Alternativa (c) correta: de acordo com o  Assertiva (5) correta: De acordo com o inciso
art. 200 da CF/88 inciso 3: 6 do art. 20 da CF/88, é atribuição do SUS:
3. Ordenar a formação de recursos humanos na área de
 Fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido
saúde;
o controle de seu teor nutricional, bem como
 Alternativa (d) correta: de acordo com o art. bebidas e água para consumo humano;
200 da CF/88 inciso 5:
4. Incrementar em sua área de atuação o
desenvolvimento científico e tecnológico;
 Alternativa (e) Incorreta: Pegadinha de
prova. Em seu inciso 8: compete ao SUS:
 Colab orar na proteção do meio amb iente, nele
compreendido o do trab alho. No entanto, a assertiva
traz:
Direito a saúde Ex.: 1: Trata-se de saúde, de acordo com a
Está previsto no art. 196 da CF/88: constituição federal, assinale a afirmativa
 Direito de todos: Podemos identificar na INCORRETA:
redação tanto um direito individual quanto um a. É da competência do SUS tornar a formação
direito coletivo de proteção à saúde; O art. de recursos humanos na área da saúde;
196, por tratar-se de um direito social, b. Incorreta: A saúde é direito de todos e dever
consubstancia-se tão somente em norma do estado exceto nos casos em que o paciente
programática, incapaz de produzir efeitos, tenha condições financeiras;
apenas indicando diretrizes a serem c. A participação da comunidade é uma diretriz
observadas pelo poder público, significaria do SUS;
negar a força normativa da constituição. Esse d. Cabe ao poder público dispor, nos termos da
direito subjetivo público é assegurado lei, sobre regulamentação, fiscalização e
mediante políticas sociais e econômicas, ou controle das ações e serviços de saúde.
seja, não há um direito absoluto a todo e
qualquer procedimento necessário para a Ex.: 2:
proteção, promoção e recuperação da saúde, Manuel de Souza, idoso e pob re, tem a necessidade de
medicamento de uso continuado e controlado para se tratar
independentemente da existência de uma de doença diagnosticado por médico do SUS. A medicação
política pública que o concretize. Há um direito não faz parte das relações internacionais e municipais de
público subjetivo a politicas públicas que medicamentos para recuperar sua saúde. Desta forma
promovam, protejam e recuperem a saúde. recorreu ao poder judiciário, acionando o município de
 Dever do estado: Além do direito fundamental Maceió.
à saúde, há o poder fundamental de prestação
de saúde por parte do estado. O dever de Sobre o caso narrado, conforme os princípios
desenvolver politicas públicas que visem à inseridos na carta magna estadual assinale a
afirmativa CORRETA:
redução de doença, à promoção, à proteção e
a recuperação da saúde está expresso no art. a. Correta: O município está obrigado a fornecer
196. Essa é uma atribuição comum dos entes a medicação, conforme orientação do medico,
da federação, consoante art. 23, inciso 2, da em virtude de seu dever de proteger a vida e a
CF. saúde dos munícipes;
 Politicas que visem à redução do risco de b. O município ao favorecer Manuel, irá contra o
doença e de outros agravos: Tais politicas seu principio de igualdade, já que não somente
ele necessita de remédio fora da lista;
visam à redução de risco de doença e outros
agravos, de forma a evidenciar sua dimensão c. O município só está obrigado a entregar os
preventiva. As ações preventivas na área da remédios se houver a disponibilidade
saúde foram, inclusive, indicadas como orçamentária, ante o principio da preservação
de ordem econômica;
prioritárias pelo art. 198, inciso 2 da CF/88.
d. O município só está obrigado a atender aos
Politicas no sentido de melhorias na rede de
interesses locais porque a entrega de
esgotos reduziriam consideravelmente a
medicação a carentes é um programa de
quantidade de doenças e, consequentemente,
abrangência nacional;
os dispêndios com saúde no Brasil.
 Politicas que visem ao acesso universal e e. O município, pelo principio do controle da
igualitário: A constituinte estabeleceu um administração publica, não está obrigado a
fornecer a medicação fora da relação
sistema universal de acesso aos serviços
municipal de medicamentos essenciais.
públicos de saúde, o que reforça a
responsabilidade solidária dos entes da Ex.: 3: O direito universal à saúde deve ser
federação, garantindo, inclusive, a igualdade
garantido pelo estado mediante politicas sociais e
da assistência a saúde, sem preconceitos ou
econômicas que visem à redução do risco de
privilégios de qualquer espécie. Questão que
doença e de agravos, com base, dentre outros, na
pode ser incluída no rol das politicas para um
previsão constitucional segundo a qual.
acesso universal ao sistema de saúde é a
a. O direito universal à saúde deve ser garantido
quebra de patentes de medicamentos.
pelo estado mediante politicas sociais e
econômicas que visem a redução do risco de
doença e de outros agravos com base, dentre
outros, na previsão constitucional segundo a
qual;
b. O financiamento do SUS será efetivado
integralmente com recursos do orçamento de
seguridade social da união, responsável em
assegurar o acesso universal e igualitário;
c. As ações e serviços públicos de saúde Ex.: 9: Antes da criação do SUS, a saúde não era
integram uma rede regionalizada e considerada um direito social. O SUS foi
hierarquizada e constitui um sistema único, institucionalizado no Brasil com a:
organizado com vista ao atendimento integral, a. Lei nº 8080/90;
excluído os serviços assistenciais; b. Lei nº 8142/90;
d. É vetado as instituições privadas com fins c. Declaração de Alma-Ata;
lucrativos participarem do SUS; d. Constituição federal de 67;
e. Correta: São de relevância pública as ações e e. Correta: Constituição federal de 88.
serviços de saúde, devendo sua execução ser
feita diretamente pelo poder público ou por Ex.: 10: De acordo com o que dispõe a CF
meio de terceiros e, também, por pessoa física preencha as lacunas e assinale a alternativa
ou jurídica de direito privado. CORRETA:
 A saúde é direito ___ e dever ___ , garantido mediante
Ex.: 5: A assistência a saúde: politicas ___ que visem à redução do risco de doença e
de outros agravos e ao acesso ___. Às ações e
a. Correta: É livre à iniciativa privada; serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
b. Exclui a participação direta de capital
estrangeiro; a. Dos trabalhadores; do estado; sociais e
c. Obriga internação domiciliar quando houver econômicas; universal e igualitário;
exigência médica; b. Dos trabalhadores; da sociedade-sociais e
d. Permite a destinação de subvenções e auxiliar econômicas; universal e igualitário;
as instituições prestadoras de serviços de c. De todos-da sociedade; sociais e assistenciais;
saúde com finalidade lucrativa. restritas e proporcionais;
d. Correta: De todos; do estado; sociais e
Ex.: 6: Com base na CF/88, sobre o SUS, é econômicos; universais e proporcionais;
CORRETO afirmar que: e. De todos; do estado; sócio e econômicos;
a. É livre o tráfico de órgão, tecidos e substância restritos e proporcionais.
humana no território brasileiro;
b. A assistência à saúde é expressamente
provida à iniciativa privada;
c. Correta: A saúde é direito de todos e dever do
estado, garantido mediante politicas sociais e
econômicas que visem à redução do risco de
doença e de outros agravos e ao acesso
universal e igualitário às ações e serviços para
sua promoção, proteção e recuperação;
d. Não tem relevância pública as ações e
serviços de saúde;
e. As ações públicas de saúde integram uma
rede municipal e sem hierarquia.

Ex.: 7: De acordo com a CF/88, cabe ao SUS,


EXCETO:
a. Executar as ações de vigilância sanitária
epidemiológica, bem como as de saúde do
trabalhador;
b. Fiscalizador e inspecionar alimentos,
compreendidos o controle de seu teor
nutricional, bem como bebidas e água para
consumo humano;
c. Participar do controle e fiscalização da
produção, transporte, guarda e uso de
substâncias psicoativas, tóxicas e radioativas;
d. Incorreta: Cobrir os eventos de doenças,
invalidez, morte e idade avançada;
e. Colaborar na proteção do meio ambiente, nele
compreendido o do trabalhador.
SUS: LEI Nº 8080/90 Princípios organizativos
Após a CF/88, a lei nº 8080/90 e a lei nº 8142/90, São 1. Regionalização e hierarquização; 2.
que regem e detalham como funciona o SUS e Resolutividade; 3. Descentralização; 4.
seu controle social. Essas leis são chamadas de Participação dos cidadão: controle social; 5.
leis orgânicas da saúde (LOS). Complementaridade do setor privado.

Princípios doutrinários Regionalização e hierarquização


De acordo com a LOS nº 8080/90, baseada nos 1. Níveis de atenção à saúde: A atenção à
preceitos constitucionais, a construção do SUS se saúde é tudo que envolve o cuidado da saúde
norteia pelos seguintes princípios doutrinários: 1. do ser humano, incluindo as ações e os
Universalidade; 2. Equidade; 3. Integralidade. serviços de promoção, prevenção, reabilitação
1. Universalidade: Todos têm direita ao e tratamento das doenças. Agrupam-se as
atendimento, independente de cor, raça, instituições que compõem o SUS segundo as
religião, local de moradia, situação econômica esferas de atendimento; estas são
etc. a saúde é direito de cidadania e dever dos classificadas em níveis de atenção á saúde:
governos municipais, estaduais e federal. primária (ou básica), secundária e terciária,
2. Equidade: Todo cidadão é igual perante ao estabelecendo-se, assim, hierarquização entre
SUS e será atendido conforme as suas os vários grupos. Porem, essa forma abstrata
necessidades. O SUS deve tratar dos sistemas de saúde é mais um recurso
desigualmente os desiguais. intelectual que permite facilitar e debate do
3. Integralidade: as ações de saúde devem ser que, propriamente, uma estrutura reconhecida
combinadas e voltadas, ao mesmo tempo, no cotidiano dos serviços de saúde. As redes
para prevenção e cura. Os serviços de saúde de serviço do SUS deve ser organizada de
devem funcionar atendendo o indivíduo como forma regionalizada e hierarquizada,
um ser humano integral, submetido às mais permitindo conhecimento maior dos problemas
diferentes situações de vida e trabalho, que o de saúde da população de uma área
levam adoecer e a morrer. delimitada, favorecendo ações de vigilancia
 Promoção: São ações que buscam eliminar epidemiológica, sanitária, controle de vetores,
ou controlar as causas das doenças e dos educação em saúde, além das ações de
agravos, ou seja, o que determina ou atenção ambulatorial e hospitalar em todos os
condiciona o aparecimento de casos. Essas níveis de complexidade. A população deve
ações estão relacionadas a fatores biológico acessar a rede por meio dos serviços de nível
(herança genética, como câncer, hipertensão, primário de atenção, que devem estar
etc.), psicológicos (estado emocional) e qualificadas para atender e resolver os
sociais (condições de vida como na principais problemas que demanda serviços
desnutrição). de saúde, os que não são resolvidos a esse
 Proteção: Tratamento da água para evitar nível devem ser referenciados aos serviços de
cólera e outras doenças; prevenção de maior complexidade tecnológica.
complicação da gravidez, do pato e do a. Atenção primária (básica) de saúde: É a
puerpério; imunizações; prevenção de porta de entrada preferencial dos usuários no
doenças transmitidas pelo sexo, doenças sistema, que se faz pelas especialidades
sexualmente transmissíveis e AIDs. básicas da saúde: clínica medica, pediatria,
 Recuperação: São ações que evitam mortes obstetrícia e ginecologia. Essas especialidades
e sequelas e que atuam sobre os danos: concentram-se nos centros e postos de saúde,
atendimento medico ambulatorial básico e que desenvolvem, além da assistência
especializado; atendimento às urgências e psicológica e psiquiátrica, atenção à saúde
emergências e atendimento odontológicos. bucal, serviço de assistência social, terapia
ocupacional, fonoaudiologia, porém essas
atividades não pertencem ao que é
considerado atenção primária à saúde. A
atenção primaria a saúde presta um
atendimento aos usuários que deve seguir
uma cadeia progressiva, isto é, seguimento de
todo paciente que entra no sistema, garantindo
o acesso aos cuidados e às tecnologias
necessárias e adequadas de prevenção e
enfrentamento das doenças, sempre que o
individuo necessitar, além de orientações para
o cuidado à saúde sua promoção,
desenvolvidas em atividades coletivas,
buscando o prolongamento da vida com
qualidade.
A atenção básica é desenvolvida por meio de A lei 8080/90 e as NOBS que se seguiram
práticas gerenciais e sanitárias, democráticas e definem, precisamente, as obrigações de cada
participativas e pode abranger atendimento de esfera de governo.
emergências, feito por profissionais de nível
médio. Cabe, também à atenção básica, proceder 4. Complementaridade do setor privado: a
aos encaminhamentos dos usuários para CF/88 definiu que, quando, por insuficiência do
atenções secundárias e terciaria. Um serviço de setor público, é necessário a contratação de
atenção básica garante resolução de cerca de serviços privados, isso deve acontecer sob 3
80% das necessidades e problemas de saúde da condições: 1. A celebração do contrato deve
população de um município, consolidando alguns ser feita conforme as normas de direito
pressupostos do SUS: equidade, universalidade e público; 2. A instituição privada deve estar de
integralidade, ou seja, a democratização da acordo com os princípios básicos e as normas
saúde. A melhor estratégia de aproximação ente técnicas do SUS; 3. A integração dos serviços
os serviços de saúde e os usuários são o privados deve acontecer na mesma lógica do
programa saúde da família (PSF) e o Programa SUS em termos de posição definida na rede
de agentes comunitários de saúde (PACS), que regionalizada e hierarquizada dos serviços.
vão até a comunidade, mapeiam seu perfil Dentre os serviços privados, devem ter
sanitário e estabelecem um vinculo sólido de preferencia os não lucrativo (hospitais
responsabilização com os usuários. filantrópicos, santas casas), conforme
determina a CF/88. Cada gestor deve planejar
b. Atenção secundária à saúde: Instituída pelo primeiramente o setor público e, na sequencia,
decreto nº 4726/2003, compõe-se de ações e complementar a rede assistencial com o setor
serviços que buscam atender aos principais privado não lucrativo, com os mesmos
problemas de saúde e agravos da população conceitos de regionalização, hierarquização e
que não podem ser resolvidos na tenção universalização.
primária, sendo capaz de resolver cerca de 15%
da demanda. Esses serviços concentram-se em SUS: LOS 8142/90
ambulatórios de especialidades e pequenos A LOS 8142/90 compreende um importante
hospitais. Esse nível de necessidade de marco na consolidação do SUS, pois define como
responsabilidade de profissionais se dará a participação popular. Ela cria instancias
especializados do uso de recursos colegiadas de participação, que são os conselhos
tecnológicos de apoio diagnóstico e terapêutico. municipais, estaduais e nacional de saúde. O
O financiamento desse nível de atenção em conselho de saúde, é um órgão colegiado
saúde é obtido a partir de valores per capita composto por representantes do governo
estaduais, definidos no processo de prestadores de serviços, profissionais de saúde e
programação pactuada e integrada (PPI). usuários que atua na formulação de estratégias e
c. Atenção terciaria à saúde: Esse nível abrange no controle da execução da politica de saúde na
um conjunto de procedimento que, no contexto instancia correspondente, inclusive nos aspectos
do SUS, envolvem alta tecnologia e alto custo, econômicos e financeiros, cujas decisões são
objetivando propiciar à população acesso a homologadas pelo chefe do poder legalmente
serviços qualificados. Espera-se que chegue a constituída em cada esfera de governo.
esse nível de atenção a demanda que não A lei define, que se deve realizar uma conferencia
obteve resolução na atenção secundária a de saúde a cada 4 anos, com a representação
saúde. O nível terciário à saúde é representado dos vários segmentos sociais, para avaliar a
pelos grandes hospitais gerais especializados. situação de saúde e propor as diretrizes para a
formulação da politica de saúde nos níveis
2. Resolutividade: É a exigência de que, quando correspondentes, convocada pelo poder
um individuo busque o atendimento ou surja um executivo, ou extraordinariamente, pelo conselho
problema de impacto coletivo sobre a saúde, o de saúde.
serviço correspondente esteja capacitado para
enfrentá-lo e resolvê-lo até o nível de sua
complexidade.
3. Descentralização: É entendida como uma
redistribuição das responsabilidades às ações e
aos serviços de saúde entre os vários níveis de
governo, a partir da ideia de que, quanto mais
perto do fato a decisão for tomada mais chance
haverá de acerto. Aos municípios cabe, maior
responsabilidade na implementação das ações
de saúde diretamente voltadas parar os seus
cidadão.
SUS PRINCIPIOS DOUTRINÁRIOS
É uma nova formulação política e organizacional Baseada na constituição, a construção do SUS se
para o reordenamentos dos serviços de saúde norteia pelos seguintes princípios doutrinários
estabelecido pela CF/88. O SUS é um sistema são os que regem todas as ações independentes
único porque segue a mesma doutrina e os do nível de complexidade: 1. Universalidade:
mesmos princípios organizativos em todo o acesso a todos; 2. Equidade: tratando de forma
território nacional, sob-responsabilidade das três igual os desiguais; e 3. Integralidade: entende o
esferas do governo federal, estadual e usuário como um todo.
municipal. O SUS não é um instituto nem um
serviço, mas sim um conjunto de unidades, de Ex.: 1: O SUS foi desenvolvido em razão do art.
serviços e ações que se integram para um fim 198 da CF/88, com base nos seguintes princípios,
comum. Esses elementos referem-se, às EXCETO:
atividades de proteção, promoção e a. Centralização, Universalidade e Integralidade.
recuperação da saúde. b. Hierarquização, centralização e Integralidade.
A expressão sistema único de saúde (SUS) c. Incorreta: Universalidade, Igualdade e
alude em termos conceituais ao formato e aos Integralidade.
processos administrativos compatíveis com a d. Universalidade, participação popular e
universalização do direito à saúde em termos autonomia.
pragmáticos à rede de instituição, serviços e
ações, responsáveis pela garantia do acesso aos Ex.: 2: Das alternativas abaixo, qual não é
cuidados e atenção à saúde. considerado um principio do SUS?
 Sistema: Conjunto de ações e instituições, a. Universalidade;
que de forma ordenada comum, numa b. Equidade;
perspectiva de ruptura com os esquemas c. Incorreta: Responsabilidade;
assistenciais direcionadas a segmentos d. Descentralização.
populacionais específicos; Resp.:
 Único: Referido à unificação de dois sistemas:  Alternativa (c) incorreta: Não é um princípio
o previdenciário e o MS e SES e SMS, doutrinário do SUS.
consubstancia da incorporação do INAMPS
pelo MS e na universalização do acesso a Universalidade
todas as ações e cuidados da rede assistencial É a garantia da atenção à saúde por parte do
pública e privada contratada e ao comando sistema, a todos e qualquer cidadão. Com a
único em cada esfera de governo; universalidade, o individuo passa a ter direito de
 Saúde: Compreendida como resultante e acesso a todos os serviços públicos de saúde,
condicionante de condições de vida, trabalho e assim como os contratados pelo poder público.
acesso a bens e serviços e, portanto, Saúde é direito de cidadania e dever do governo
componentes essenciais da cidadania e municipal, estadual e federal; A universalidade é
democracia e não apenas como ausência de um principio finalístico, ou seja, é um ideal a ser
doença e objeto de intervenção da medicina. alcançado, indicando uma das características do
sistema que se pretende construir e um caminho
para sua construção. Para que o SUS venha a ser
universal, é preciso desencadear um processo de
universalização; ou seja, um processo de
extensão de cobertura dos serviços, de modo
que venha, paulatinamente, a se tornar acessíveis
a toda a população; para isso, é preciso eliminar
barreiras jurídicas, econômicas, culturais e sociais
que interponham entre a população e os serviços.
A primeira delas, a barreira jurídica, foi
eliminada com a CF/88, na medida em que essa
universalizou o direito à saúde e, com isso,
eliminou a necessidade do usuário do sistema
público colocar-se como trabalhador ou como
indigentes situações que condicionavam o acesso
aos serviços públicos antes do SUS.
Ex.: 1: CF/88 foi um marco para o setor de saúde c. Atender todos os indivíduos igualmente
pública brasileiro ao criar e introduzir alguns privilegiando as questões curativas e de
princípios e diretrizes fundamentais; a garantia de acordo com as prioridades definidas pelo
acesso de toda população ao Sistema Público de controle social;
Saúde, por exemplo, atende ao princípio da: d. Realizar atendimento crescente de níveis de
a. Descentralização; atenção primario para os de maior
b. Igualdade; complexidade;
c. Integralidade; e. Garantir acesso integral às ações e aos
d. Equidade; serviços de saúde.
e. Correta: Universalidade. Resp.:
 Alternativa (b) correta: Segundo o principio
Ex.: 2: As ações e serviços públicos de saúde e da equidade, regiões com condições piores
os serviços privados contratados ou conveniados de saúde requerem mais investimentos do
que integram o SUS são desenvolvidos que aquelas mais estruturadas; pessoas mais
obedecendo alguns princípios. Dentre eles, é carentes merecem ser tratadas com
CORRETO citar a: prioridades no SUS; usuário de saúde mais
a. Centralização politica-administrativa, com graves devem ser atendidos mais
direção única em cada esfera de governo; rapidamente que aqueles com situações
b. Uso da epidemiologia para o estabelecimento clínicas mais leves etc.
de execução de recursos e orientação
programática; Ex.: 2: A cerca dos princípios, diretrizes e gestão
c. Igualdade da assistência à saúde, com financeira do SUS, julgue os itens abaixo. Pelo
privilégios de casos superiores; principio de equidade são garantida a igualdade
d. Correto: Universalidade de acesso aos na assistência a saúde e a priorização das ações
serviços de saúde em todos os níveis de e dos serviços de saúde, conforme as
assistência; necessidades individuais de cada grupo.
e. Organização dos entes públicos para ( ) Certo ( ) errado.
promover a duplicidade de meios para fins Resp.: A equidade é um principio doutrinário do
idênticos. SUS. Seu conceito é subjetivo, mas podemos
dizer que é o tratamento desigual aos desiguais.
Eqüidade  Assertiva Certa: A questão afirmou que é a
É assegurar ações e serviços de todos os níveis oferta da assistência à saúde usando a
de acordo com a complexidade que cada caso priorização das ações e serviços de acordo
requeira, more o cidadão onde morar, sem com a necessidade.
privilegio e sem barreiras. Todo cidadão é igual
perante o SUS e será atendido conforme suas Ex.: 3:
necessidades até o limite de que o sistema puder  Uma senhora, atualmente com 62 anos de idade, lemb ra-
se do tempo em que o atendimento médico era restrito
oferecer para todos; A equidade é mais um dos
aos trab alhadores com carteira de trab alho assinada,
princípios finalísticos do SUS e, atualmente, o destacando que ainda havia restrições de acesso para
tema central em todos os debates sobre as eles a algumas necessidades de atendimento.
reformas dos sistemas de saúde no mundo
ocidental. A noção de equidade diz respeito à Com base nessa situação hipotética, assinale a
necessidade de tratar desigualmente os alternativa que indica os princípios do SUS, que
desiguais, de modo a alcançar a igualdade entre RESPECTIVAMENTE, procuram resolver os
as pessoas e os grupos sociais e o problemas apontados por essa senhora.
reconhecimento de que muitas dessas a. Integralidade e participação;
desigualdades são injustas e devem ser b. Hierarquização e integralidade;
separados da saúde. c. Participação popular e universalidade;
d. Equidade e universalidade;
Ex.: 1: A universalidade, a integralidade, a e. Correta: Universalidade e integralidade.
equidade, a hierarquização, a regionalização e a Resp.:
participação popular estão no contexto dialético e  Alternativa (e) correta: de acordo com o
legal da confirmação do SUS. Com relação ao principio da universalidade, a saúde deve
principio da equidade, é CORRETO afirmar que ser acessível a todos, sem restrições. A
consiste em: integralidade está relacionada com a
a. Oferecer atendimento indistinto a todos os garantia de atendimento de todas as
usuários, quanto às questões curativas; necessidades de saúde em todos os níveis
b. Correta: Tratar desiguais de maneira desigual, de complexidade do SUS.
para que todas as necessidades de saúde
sejam atendidas da melhor forma e de acordo
com as diferenças e vulnerabilidade especifica;
Ex.: 4: Considerando a necessidade de e. O uso de alimentação integral com base em
classificação de risco para organização do alimentos que não tiveram a respectiva
atendimento às urgências, estamos respeitando o estrutura modificada no processo de
principio do SUS de. industrialização.
a. Intersetorialidade; Resp.:
b. Integralidade;  Alternativa (d) correta: De acordo com o
c. Correta: equidade; principio da integralidade, a atenção à saúde
d. Universalidade; deve levar em consideração o ser humano
e. Descentralização. como um todo e, portanto, tratar de todos os
aspectos físicos e psicológicos do individuo.
Ex.: 5: Uma das principais políticas do SUS
assegura que cidadãos tenham acesso a serviços Ex.: 2: Um conjunto articulado e contínuo das
de saúde em todos os níveis, sem privilégios ou ações e serviços preventivos e curativos,
empecilhos. Essa política doutrinária define-se individuas e coletivos, exigidos para cada caso,
por em todos os níveis de complexidade do sistema
a. Correta: Equidade. remete ao conceito de;
b. Integralidade. a. Equidade;
c. Descentralização. b. Universalidade;
d. Universalidade. c. Correta: Integralidade;
d. Igual.
Integralidade Resp.: No art. 7º da LOS 8080/90,versa sobre os
É o reconhecimento na prática dos serviços de princípios e diretrizes do SUS.
que:  Alternativa (a) incorreta: A equidade é um
 Cada pessoa é um todo indivisível e integrante de uma dos princípios doutrinários do SUS e tem
comunidade;
 As ações de promoção, proteção e recuperação da
relação direta com os conceitos de
saúde formam tamb ém um todo indivisível e não podem igualdades e de justiça. Ex.: o atendimento
ser compartimentalizadas; aos indivíduos de acordo com suas
 As unidades protetoras de serviços, com seus vários necessidades, oferecendo mais a quem mais
graus de complexidade, formam um todo indivisível precisa.
configurando um sistema capaz de prestar assistência
integral.
 Alternativa (b) incorreta: Principio
A integralidade diz respeito ao leque de ações doutrinário do SUS, é o acesso aos serviços
possíveis para promoções da saúde, prevenção de saúde em todos os níveis de saúde em
de riscos e agravos, e assistência, a doentes, todos os níveis de assistência. Ou seja, todos
implicando a sistematização do conjunto de têm direito às ações e serviços do SUS.
práticas que vem sendo desenvolvidos para o  Alternativa (c) correta: É o conjunto
enfrentamento dos problemas e o atendimento articulado de assistência e contínuo das
das necessidades da saúde. A integralidade é um ações e serviços preventivos e curativos,
atributo do modelo de atenção entendendo-se que individuais e coletivos, exigidos para cada
um modelo de atenção integral à saúde contempla caso em todos os níveis de complexidade do
o conjunto de ações de promoção da saúde, sistema;
 Alternativa (d) incorreta: no art. 7º inciso 4:
prevenção de risco e agravos, assistência e
recuperação. igualdade da assistência à saúde, sem
preconceitos ou privilégios de qualquer
Ex.: 1: De acordo com o principio da espécie.
integralidade, a atenção à saúde deve levar em
consideração. Ex.: 3: Assinale a alternativa que apresenta um
a. As necessidades específicas de pessoas ou princípio do SUS.
grupo de pessoas, ainda que minoritários em a. A hierarquização dos serviços implica a
relação ao total da população; delimitação de uma base territorial para o
b. As necessidades básicas da população como sistema de saúde, que leva em conta a divisão
em todo, sob a perspectiva do ganho de político-administrativa do país.
escala e de ações globais; b. A equidade determina que todos os cidadãos
c. Os povos indígenas e as suas peculiaridades, brasileiros, sem qualquer tipo de
usando prioritariamente os medicamentos discriminação, têm direito ao acesso às ações
artesanais por eles fabricados nas populações e serviços de saúde.
rurais; c. A centralização da gestão do SUS implica na
d. Correta: O ser humano como um todo e, transferência de poder de decisão sobre a
portanto, tratar de todos os aspectos físicos e política de saúde do nível federal para os
psicológicos do individuo; estados e municípios.
d. Correta: A integralidade de assistência é Regionalização e hierarquização
entendida como conjunto articulado e contínuo Os serviços devem ser organizados em níveis de
das ações e serviços preventivos e curativos, complexidade tecnológica crescente, dispostos
individuais e coletivos, exigidos para cada numa área geográfica delimitada e com definição
caso em todos os níveis de complexidade do da população a ser atendida. Isto implica na
sistema. capacidade dos serviços em oferecer a uma
e. A universalidade se evidência no atendimento determinada população todas as modalidades de
aos indivíduos de acordo com suas assistência, bem como o acesso a todo tipo de
necessidades, em todos os níveis de tecnologia disponível, possibilitando um ótimo
assistência, oferecendo mais a quem mais grau de resolubilidade. O acesso da população à
precisa e menos a quem requer menos rede deve se dar através dos serviços de nível
cuidados. primário de atenção, que devem estar
qualificadas para atender e resolver os principais
PRINCÍPIOS ORGANIZATIVOS problemas que demandam os serviços de saúde.
Princípios que operacionalizam as ações de Os demais deverão serem referenciados para os
saúde. As quais buscam garantir um melhor serviços de maior complexidade tecnológica.
funcionamento do sistema, dentre as quais estão: A rede de serviços, organizada de forma
a descentralização com comando único, a hierarquizada e regionalizada, permite um
regionalização e hierarquização dos serviços e conhecimento maior dos problemas de saúde da
participação comunitária. população da área delimitada, favorecendo ações
de vigilância epidemiológica, sanitária, controle de
Ex.: 1: São princípios e diretrizes do SUS, vetores, educação em saúde, além das ações de
EXCETO. atenção ambulatorial e hospitalar em todos os
a. Universalidade; níveis de complexidade.
b. Equidade;
c. Integralidade; Ex.: 1: Regionalização e hierarquização são as
d. Incorreta: Gratuidade; bases para:
e. Regionalização. a. Humanização do SUS;
b. Centralização do SUS;
Ex.: 2: Assinale a alternativa que não apresenta c. Correta: Organização do SUS;
um principio ou diretriz do SUS: d. Segmentação do SUS;
a. Universalidade; e. Validação do SUS.
b. Incorreta: Centralização;
c. Regionalização; Regionalização
d. Hierarquização; Implica a delimitação de uma base territorial para
e. Participação social. o sistema de saúde, que leva em conta a divisão
Resp.: politico-administrativa do país, mas também
 Alternativa (a) correta: a Universalização é contempla a delimitação de espaço territorial
um principio doutrinário do SUS; específica para organização das ações de saúde,
 Alternativa (b) incorreta: A centralização, subdivisões ou agregações de espaço politico-
após a CF/88, deixou de ser a forma de administrativo;
organização das ações e serviços de saúde
no Brasil. O planejamento passa ser local Ex.: 1: Garantir acesso, resolutividade e qualidade
(gestão municipal) de forma ascendente. às ações e serviços de saúde, cuja complexidade
Com isso, o resultado das ações e serviços e contingente populacional transcenda a escala
são melhores, pois quem planejou tem maior local/municipal, é um objetivo da seguinte diretriz
conhecimento dos problemas; do SUS:
 Alternativa (c) correta: A hierarquização é a a. Correta: Regionalização;
forma de operacionalização o principio da b. Descentralização;
descentralização, além de traduzir a c. Universalidade;
organização do sistema. d. Hierarquização;
e. Integralidade.
Ex.: 3: Ex.: 2: Ao afirmar que temos um sistema de
Uma das preocupações dos cidadãos e dos profissionais de saúde hierarquizado diz que ele é organizado por.
saúde do SUS não ser adequada, em função de a capacidade
de articulação entre os gestores de saúde ainda ser
a. Níveis diferentes de gestão;
incipiente. Além disso, não se prioriza quem mais precisa de b. Áreas geográficas distintas;
atendimento considerando a maior vulnerab ilidade social, c. Correta: Níveis de complexidade tecnológicos;
dado que todos têm acesso aos serviços de saúde. d. Critérios de vigilância em saúde.
Com base na situação hipotética apresentada, Resolubilidade
assinale a alternativa que indica, respectivamente, É a exigência de que, quando um indivíduo busca
os princípios do SUS que buscam atender o atendimento ou quando surge um problema de
realidades como as mencionadas nesse caso. impacto coletivo sobre a saúde, o serviço
a. Universalização e hierarquização; correspondente esteja capacitado para enfrentá-lo
b. Participação popular e universalidade; e resolvê-lo até o nível de sua competência.
c. Correta: Regionalização e equidade;
d. Equidade e hierarquização; Descentralização
e. Universalidade e equidade. É entendida como uma redistribuição das
Resp.: responsabilidades, quanto às ações e serviços de
 Alternativa (c) correta: O processo de saúde entre os vários níveis de governo, a partir da
regionalização é construído com o objetivo ideia de que quanto mais perto do fato a decisão
de oferecer, num determinado território, com for tomada, mais chance haverá de acerto. A
o objetivo de garantir a efetivação do principio descentralização da gestão do sistema implica a
da integralidade. O principio da equidade, transferência de poder de decisão sobre a política
regiões com condições piores de saúde de saúde do nível federal (MS) para os estados
requerem mais investimentos do que aquelas (SES) e municípios (SMS). Esta transferência
mais estruturadas. Pessoas mais carentes ocorre a partir da redefinição das funções e
merecem ser tratadas com prioridades no responsabilidades de cada nível do governo com
SUS; usuário de saúde com situações clinica relação à condução politica administrativo do
mais graves devem ser atendidos mais sistema de saúde em seu respectivo território, com
rapidamente que aqueles com situações a transferência de recursos financeiros, humanos e
clinicas mais leves etc. materiais para o controle das instancias
governamentais correspondentes.
Hierarquização Assim:
Diz respeito à possibilidade de organização das  O que é de ab rangência de um município deve ser de
unidades segundo grau de complexidade responsab ilidade do governo do município;
tecnológica dos serviços; isto é, o  O que é de ab rangência do estado ou de uma região
estadual deve estar sob responsab ilidade do governo
estabelecimento de uma rede que articula as estadual;
unidades mais simples às unidades mais  O que for de ab rangência nacional será de
complexas, por meio de um SISTEMA DE responsab ilidade federal.
REFERENCIA (SR) e CONTRA REFERÊNCIA de Deverá ter uma profunda redefinição das
usuário e de informações. O processo de atribuições dos vários níveis de governo, com um
estabelecimento de redes hierarquizadas pode nítido reforço do poder municipal sobre a saúde, é
implicar o estabelecimento de vínculos específicos o que se chama municipalização da saúde. Aos
entre as unidades que prestam serviços de municípios cabe, a responsabilidade na promoção
determinada natureza, como, exemplo, a rede de das ações de saúde diretamente voltadas aos
atendimento a urgência/emergência, ou a rede de seus cidadãos.
atenção à saúde mental.
Ex.: 1: A redistribuição das responsabilidades
Ex.: 1: A diretriz do SUS que favorece a quanto às ações e serviços de saúde entre os
organização dos serviços e ações para atender às vários níveis de governo é um principio de
diferentes necessidades de saúde da população organização do SUS chamado:
denomina-se: a. Equidade;
a. Correta: Hierarquização; b. Resolutividade;
b. Universalidade; c. Universalidade;
c. Regionalização; d. Correta: Descentralização.
d. Equidade. Resp.:
 Alternativa (a) incorreta: A equidade é o
tratamento desigual aos desiguais,
intimamente ligada ao conceito de justiça
social;
 Alternativa (b) incorreta: A resolubilidade é
a capacidade de resolução dos serviços em
todos os níveis de assistência;
 Alternativa (c) incorreta: A universalidade e Ex.: 8:
um princípio doutrinário. Traz a ideia do O jornal do comércio, na edição de 16/01/2015, pub licou que
``a superlotação das grandes emergências do estado, neste
acesso de todos ao SUS, sem preconceitos ou inicio de ano, exige soluções que vão muito além das UPAS
privilégios; espalhadas pela região metropolitana de Recife´´. Mais
 Alternativa (d) correta: A descentralização é adiante, apresenta uma afirmação do secretário de saúde de
uma diretriz e principio do SUS e define que o que ``grande parte da lotação vem do trânsito. São
SUS será organizado de forma que as ações e atropelados e vítima de acidentes de moto´´. A matéria afirma
ainda sob re a importância de regulamentar as cinquentinhas
serviços de saúde sejam planejados e e para a necessidade de que outros políticos, como a de
executados por aqueles que estão mais transito preocupem -se com a situação descrita pelo
próximos dos problemas, no caso em questão, secretário.
os municípios. A descentralização foca na
direção única em cada esfera de governo. Analisando o texto, assinale a alternativa que
contém o conceito que mais se aproxima da
Participação do cidadão proposta apresentada para minorar o problema de
Garantia constitucional de que a população, superlotação das emergências.
através de suas entidades representativas, a. Universalidade;
participará do processo de formulação das b. Regionalização;
políticas de saúde e do controle da sua execução, c. Integralidade;
em todos os níveis, desde o federal até o local. d. Correta: Intersetorialidade;
Essa participação devem se dar nos conselhos de e. Hierarquização.
saúde, com representações paritárias de usuários, Resp.:
governo, profissionais de saúde e prestadores de  Alternativa (a) incorreta: A universalidade é
serviço. Outra forma de participação são um principio doutrinário do SUS e prevê os
conferências de saúde periódicas, para definir atendimentos de todos os cidadãos dentro do
prioridades e linhas de ação sobre a saúde. Deve sistema de saúde, sem preconceito ou
ser considerado elemento do processo privilégios;
participativo o dever das instituições oferecer as  Alternativa (b) incorreta: A regionalização é
informações e conhecimentos necessários para a estratégia operacional que faz cumprir a
que a população se posicione sobre as questões diretriz/principio organizativo da
que dizem respeito à sua saúde. descentralização politico-administrativo, com
direção única e cada esfera de governo;
Complementaridade do setor privado  Alternativa (c) incorreta: A integralidade é
A CF/88 definiu, que quando, por insuficiência do um principio doutrinário do SUS que prevê o
setor público, for preciso a contratação de serviços atendimento ao individuo e a coletividade. É
privados, isso deve se dar por três condições: entendida como conjunto articulado e
1. Celeb ração de contrato, conforme as normas de direito continuo das ações e serviços preventivos e
pub lico, ou seja, o interesse púb lico prevalecerá sob re o curativos, individuais e coletivos, exigidos
particular;
2. A instituição privada deverá estar de acordo com os
para cada caso em todos os níveis de
princípios b ásicos e normas técnicas do SUS. complexidade do sistema; como conjunto
Prevalecem assim, os princípios da universalidade, articulado e continuo das ações e serviços
eqüidade, etc. como se o serviço privado fosse púb lico, preventivos e curativos, individuais e
uma vez que, quando contratado, atua em nome deste; coletivos, exigidos para cada caso em todos
3. A integração dos serviços privados deverá se dar na
mesma lógica organizativa do SUS, em termos de
os níveis de complexidade do sistema;
posição definida na rede regionalizada e hierarquizada  Alternativa (d) correta: A intersetorialidade
dos serviços. Dessa forma, em cada região deverá estar é a articulação de politica e programas de
estab elecido, considerando-se os serviços púb licos e interesse para a saúde em que a execução
privados contratados, o que vai fazer, em que nível e em
que lugar.
não é de responsabilidade do setor. No caso
citado, o sistema de saúde deve propor
Dentre os serviços privados, devem ter
articulação com o órgão responsável pela
preferência os serviços não lucrativos, conforme
mobilidade urbana para, em conjunto, propor
determine a CF. Por isso, tornando-se
e executar estratégias para redução de
fundamental o estabelecimento de normas e
acidentes no trânsito, como: medidas
procedimentos a serem cumpridos pelos
conveniados e contratados, os quais devem educativas, faixas de pedestres, semáforos
constar em anexo dos convênios e contratos. estratégicos e a própria análise da
regulamentação das cinquentinhas;
 Alternativa (e) incorreta: A hierarquização é
a organização da rede de atenção à saúde
em níveis de complexidade crescente de
forma articulada e contínua.
GESTORES Ex.: 1: São serviços de competência da direção
Os gestores são as entidades encarregadas de municipal do SUS, EXCETO.
fazer com que o SUS seja implantado e funcione a. Vigilância epidemiológica;
dentro das diretrizes doutrinárias da lógica b. Incorreta: Previdência;
organizacional, e seja operacionalizado dentro dos c. Vigilância sanitária;
princípios do SUS, haverá gestores nas três d. Saneamento básico.
esferas do governo municipal, estadual e
federal. Os gestores do SUS são representantes Ex.: 2: A respeito da organização da direção e da
de cada esfera do governo designados para o gestão do SUS, Assinale a alternativa CORRETA.
desenvolvimento das funções do executivo na a. Correta: Os municípios poderão constituir
saúde: 1. Âmbito nacional MS; 2. Âmbito consórcios para desenvolver em conjunto as
estadual SES; 3. Âmbito municipal SMS. ações e serviços de saúde que lhes
A atuação dos gestores do SUS efetiva-se por correspondam;
meio de exercício das funções gestores na saúde. b. No nível municipal, o SUS, poderá organizar-
As funções gestora podem ser definidas como se em distrito de forma a integrar e articular
um conjunto de saberes e práticas de gestão recursos, técnicas e práticas para a cobertura
necessários para a implementação de politicas na aproximadamente 50% das ações em saúde,
área da saúde. A responsabilidade sobre as ações deixando o restante para a iniciativa privada;
e serviços de saúde em cada esfera de governo, é c. A articulação das politicas e programas, a
do titular da secretaria respectiva, e MS no cargo das comissões intersetoriais,
federal. abrangerão somente as atividades de
Nos municípios os gestores são as SMS ou as vigilância sanitária e saúde do trabalhador;
prefeituras, sendo responsáveis pelas mesmas, às d. A atuação das comissões bipartite e tripartite
respectivas SMS e prefeitos. Nos estados, os terá por objetivo decidir sobre os aspectos
gestores são as SES e no nível federal o MS. financeiros e administrativos responsabilização
No nível municipal, cabe aos gestores de outras comissões.
programar, executar e avaliar as ações da
promoção, proteção e recuperação da saúde. Isto Ex.: 3: Está INCORRETO afirmar que são
significa que o município deve ser o 1º e o maior atribuições comuns da união, dos estados, do DF
responsável pelas ações de saúde para a sua e dos municípios, no âmbito administrativo do
população. Como os serviços devem ser SUS:
oferecidos em quantidade e qualidade adequadas a. A administração dos recursos orçamentários e
às necessidades da saúde da população, não há financeiros destinados em cada ano, à saúde;
ninguém melhor que os gestores municipais para b. A elaboração das normas técnicas e
avaliar o programa das ações de saúde em função estabelecimentos de padrões de qualidade
da problemática da população do seu município. para a promoção da saúde do trabalhador;
A SES, como gestor estadual, é responsável pela c. Incorreta: A restrição de pesquisa e estudos
coordenação das ações de saúde do seu estado. na área da saúde as instituição internacionais;
Seu plano diretor será a consolidação das d. A implementação do sistema nacional de
necessidades propostas de cada município, sangue, componentes derivados.
através de planos municipais, ajustados entre si,
ao desenvolvimento das ações. Assim, cabe aos Ex.: 4: A direção ESTADUAL do SUS cabe
estados, planejar e controlar o SUS em nível de coordenar e em caráter complementar, executar
responsabilidade e executar apenas as ações de ações ambiental permanente.
saúde que os municípios não forem capazes ou a. Vigilância epidemiológica e ambiental
não lhes cabe executar. permanente;
O nível federal, o gestor é o MS, e sua missão é b. Ação comunitária e de alimentação e nutrição;
liderar o conjunto de ações de promoção, proteção c. Construção de moradias populares de saúde
e recuperação da saúde identificando riscos e do trabalhador;
necessidades nas diferentes regiões, para a d. Correta: vigilância sanitária e de saúde do
melhoria da qualidade de vida do povo, trabalhador;
contribuindo para o seu desenvolvimento. Ele é e. Mobilização e serviços de vigilância ambiental
responsável pela formulação, coordenação e permanente.
controle da política nacional da saúde. Tem
funções no planejamento, financiamento,
cooperação técnica e controle do SUS. Em cada
esfera do governo, o gestor deverá se articular
com os demais setores da sociedade que tem
interferência direta ou indireta na área da saúde,
fomentando sua integração e participação no
processo.
FINANCIAMENTO d. Em relação ao empregado, à empresa e à
Um dos pontos basilares do SUS é sua entidade a ela equiparada na forma da lei,
descentralização, por entender-se que, com essa, haverá incidência da contribuição social sobre
aspectos regionais de cada região, num país a receita e faturamento, mas não sobre o
marcado pela heterogeneidade, seriam lucro;
preservados. Nesse aspecto, a importância da e. Correto: Um dos contribuintes da contribuição
municipalização do financiamento e uma social é o importador de bens ou serviços do
consequente diminuição centralizada tornam-se exterior, ou de quem a lei a ele equiparar.
relevantes. O financiamento do SUS é previsto no Resp.:
§ 1º do art. 198 da CF/88, que estabeleceu que  Alternativa (e) correta: Uma questão que
será viabilizado por meio de recursos do requer conhecimento do art. 195 da CF/88.
orçamento da seguridade social, da união, dos Vamos ao texto do art. em questão:
estado, do DF e dos municípios, bem como de  Art. 195: A seguridade social será financiada por toda a
sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei,
outras fontes. O art. 55 do ADCT dispõe que até
mediante recursos provenientes dos orçamentos da
que seja aprovada a lei de diretrizes orçamentaria União, dos Estados, DF e dos Municípios, e das
de 30%, no mínimo, do orçamento da seguridade seguintes contrib uições sociais:
social, excluído o seguro-desemprego, serão 1. Do empregador, da empresa e da entidade a ela
destinados ao setor de saúde. O rateio dos equiparada na forma da lei, incidentes sob re:
a. A folha de salários e demais rendimentos do trab alho
recursos dos estados transferidos aos municípios pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física
seguirá, por sua vez, o critério de necessidade de que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo
saúde da população e levará em considerações às empregatício;
dimensões epidemiológica, demográfica, b. A receita ou o faturamento;
c. O lucro;
socioeconômica e especial a capacidade de oferta
2. Do trabalhador e dos demais segurados da
de ações e de serviços de saúde, observada a previdência social, não incidindo contrib uição sob re
necessidade de reduzir as desigualdades aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral
regionais (art. 19). de previdência social de que trata o art. 201;
3. Sob re a receita de concursos de prognósticos.
4. Do importador de b ens ou serviços do exterior, ou de
Ex.: 1: Quanto à seguridade social, assinale a quem a lei a ele equiparar.
alternativa CORRETA.
a. A saúde é direito de todos e dever do estado, DIREITO À SAÚDE E SETOR PRIVADO
garantido mediante politica sociais e Ainda que seja um sistema público, a rede
econômicas, com acesso preferencial aos privada de saúde pode igualmente integrar o SUS,
mais pobres; por meio de contratação ou convenio firmado
b. As ações e serviços públicos de saúde como as instituições privadas acabam por formar
integram uma rede centralizada e constitui um uma rede regional, para melhor adequação as
sistema único; particularidades locais, concretizando, com isso,
c. Correta: A união aplicará anualmente, em diretrizes da própria OMS, e observando um
ações e serviços públicos de saúde, valor não conjunto de princípios que regem o sistema,
inferior a 15% das receitas correntes líquido do integralidade, igualdade e participação da
respectivo exercício financeiro; comunidade.
d. As ações e serviços públicos de saúde não
contarão com a participação da comunidade;
e. A assistência à saúde é exclusiva do poder
público.
Resp.:
 Alternativa (c) correta: Somente no ano de
2015, com a inclusão da EC 86 ficou definido
que a união deveria aplicar não menos do
que 15% de sua receita corrente líquida para
fins funcionamento e qualificação do SUS.

Ex.: 2: A respeito do financiamento da seguridade


social, de acordo com as disposições contidas na
CF, assinale a alternativa CORRETA.
a. A seguridade social será financiada apenas
pelas contribuições sociais;
b. Sobre a receita de concursos de prognósticos
não incide a contribuição social.
c. Incidirá contribuição social sobre a
aposentadoria e a pensão concedidas pelo
regime geral de previdência social.
PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO SUS NOB/SUS 01/91
O processo de implantação e consolidação do Resolução do INAMPS nº 258/91 e 273/91: Teve
SUS, desde sua concepção na CF/88, vem sendo o objetivo de dificultar o processo de
objeto de inúmeros instrumentos normativos, financiamento e descentralização do SUS,
como forma de regulamentar esse sistema e favorecendo as instituições privadas.
colocar em pratica seus objetivos, diretrizes e Característica: equiparou prestadores públicos e
princípios. A partir das definições estabelecidas privados, na modalidade de financiamento, que
pela CF/88 e a lei orgânica de saúde (LOS) se passou a ser, em ambos os casos, por meio de
iniciou o processo de implantação do SUS, pagamento pela produção de serviços; centralizou
sempre de uma forma negociada com as a gestão do SUS em nível federal (INAMPS),
representações das secretarias estaduais e dificultando o processo de descentralização e
municipais de saúde. Esse processo tem sido municipalização. Estabeleceu o instrumento
orientado pelas normas operacionais básicas convencional como forma de transferência de
(NOB) do SUS instituídos por meio de portarias recursos do INAMPS para os estados, o DF e os
ministeriais. Estas normas definem as municípios, com o objetivo de burocratizar e
competências de cada esfera de governo e as dificultar a transferência de recursos do FNS para
condições necessárias para que estados e os fundos estaduais e municipais de saúde.
municípios possam assumir as novas posições no Implantou o sistema de informações ambulatoriais
processo de implantação do SUS. As normas do SUS (SIA/SUS). NOB/SUS 01/92: Portaria do
operacionais definem critérios para que o estado e INAMPS nº 234/92: Manteve o INAMPS como
municípios voluntariamente se habilitem a receber órgão responsável pelo repasse de recursos
repasses do fundo de saúde. A habilitação às financeiros aos municípios e estados. Continuou
condições de gestão definida nas NOBs é usando o instrumento convenial como forma de
condicionada ao cumprimento de uma série de transferir os recursos para os estados e os
requisitos e ao compromisso de assumir um municípios.
conjunto de responsabilidade referente à gestão
de saúde. Desde o inicio do processo de Ex.: 2: Com relação à NOAS 01/91 do SUS,
implantação do SUS, foram três normas assinale a alternativa CORRETA:
operacionais básicas (NOB/SUS 01/93), a. O conjunto de diretrizes apresentada nessa
(NOB/SUS 01/96) e (NOAS/SUS 01/2002). NOB à saúde articula-se em torno do
Embora o instrumento que formalize as normas pressuposto de que, no atual momento da
seja uma portaria do MS, o seu conteúdo é implantação do SUS, a ampliação da
definido de forma compartilhada entre o MS e os responsabilidade nos órgãos federais na
representantes do conselho nacional de garantia a de acesso aos serviços de atenção
secretaria de saúde (CONASS) e do conselho básica, a regionalização funcional do sistema
nacional de secretaria municipal de saúde são elementos centrais para o avanço do
(CONASEMS). processo;
b. Ao final do ano de 1998, a habilitação nas
NORMAS OPERACIONAIS BÁSICAS DO SUS condições de gestão prevista na NOB/SUS
Foram editadas com o objetivo de colaborar com 01/96 atingia mais de 95% do total dos
a implantação do SUS. A NOB/SUS 01/91, municípios do país, a disseminação desse
dificultou o processo de descentralização e processo possibilita o desenvolvimento de
financiamento do SUS, visto que estavam experiência municipal exitosa e a formação de
atrelados as diretrizes do INAMPS. Depois de um contingente de profissionais, qualificação
movimentos de mobilização popular, foram em diferentes área da gestão do SUS;
editadas as NOB/SUS 01/93 e 01/96, com a c. Correta: A implantação das NOB/SUS.
finalidade de efetivar a implantação do SUS. As NOB/SUS 01/91 em especial das NOB/SUS
NOBs definiram as competências de cada esfera 01/93 e 01/96, além de promover uma
de governo e as condições necessárias para que integração de ações entre as esferas de
os estados e municípios possam assumir as governo, desencadeou um processo de
responsabilidades de gestão. Apresenta as ações descentralização intenso, transferindo para os
necessárias para a implantação do SUS, estados e, principalmente, para os municípios,
respeitando as disposições da CF/88 e das leis um conjunto de responsabilidade e recursos
8080/90 e a 8142/90. São instrumentos usados para a operacionalização do SUS, antes
para a definição de estratégias a partir da concentradas no nível federal;
avaliação periódica de implantação e desempenho d. Agregava-se a esse cenário a peculiar
do SUS. complexidade estrutural politica-administrativa
estabelecida pela CF de 1985, em que os três
níveis de governo são autônomos, com
vinculação hierárquica;
e. A NOAS/SUS usa-se de regulamentações Ex.: 4: As CIB:
passados e possibilita assistência, a. Contam com a importante participação de
considerando os índices já obtidos e representantes da comunidade, que tem voto
enfocando os desafios a serem superados no com o mesmo peso dos gestores;
processo o permanente de consolidação e b. Correto: São instancias fundamentais na
aprimoramento do INSS. pactuação e deliberação para a realização dos
pactos intra-estaduais e para a definição dos
NOB/SUS 01/93 modelos de programas de saúde;
Portaria do MS nº 545/93: Formulou os c. São instâncias dispensáveis à medida em que
princípios aprovados na 9ª CNS (1992), que teve há uma descentralização cada vez maior das
como tema central: A municipalização é o ações do SUS;
caminho. Desencadeou um amplo processo de d. São subordinadas à comissão intergestores
municipalização da gestão com habilitação dos tripartite;
municípios nas condições de gestão criadas. Essa e. Devem ter sua composição aprovada pelos
NOB inicia a municipalização da saúde no país, conselhos de saúde dos municípios
pois define municípios e estados como gestores participantes.
em modalidades incipientes, desencadeado o
processo de municipalização da gestão com NOB/SUS 01/96
habilitação dos municípios nas condições de Portaria do MS nº 2203/96: Essa NOB
gestão então criadas: 1. Incipiente; 2. Parcial e 3. introduziu alguns instrumentos de ação e tornou a
Semiplena. Ao gestor que se habilitar no modelo autonomia de estados e municípios mais próximas
de gestão semiplena, caberá a tranferência de ao espírito das leis que hoje regulam o setor.
recursos fundo a fundo, ou seja, diretamente do Propôs a existência de uma pactuação entre
fundo nacional de saúde para o fundo gestores, elaborada como forma ascendente de
municipal ou estadual. Criou também as CIB e planejamento: a partir das necessidades
a CIT como espaços de negociação, pactuação e assistenciais de cada municípios, para garantir o
integração entre os gestores. A NOB 01/93 acesso da população a todos os serviços de
começou a modificar essa situação ao implantar saúde de que ela necessita, dentro do próprio
formas progressivas de gestão municipalizada das município ou por encaminhamento ordenado e
ações de saúde. De forma incipiente, passando pactuado a municípios vizinhos. Ela acelera a
pela parcial até a semiplena, os municipios descentralização dos recursos federais em
habilitados passaram a dispor de tetos financeiros direção aos estados e municípios, consolidando a
definidos a serem repassados pelo governo tendência à autonomia de gestão das esferas
federal, bem como de autonomia de gestão de descentralizadas, criando incentivo explicito as
todas as unidades de abragencia municipal ou mudanças, na lógica assistencial rompendo com o
regional. produtivíssimo e implantando incentivos aos
programas dirigidos às populações mais carentes,
Ex.: 1: A NOB/93 estabeleceu bases à gestão da como o PACS e às práticas fundadas das normas
vigilância sanitária no SUS. Segundo estas bases, lógicas assistenciais, como PSF. O avanço dessa
escolha a alternativa INCORRETA: NOB está em propor duas condições de gestão
a. As ações de vigilância sanitária foram incluídas aos municípios:
entre as responsabilidades e os requisitos de 1. Gestão plena da atenção básica (GPAB): Os
gestão da saúde nas esferas estaduais e municípios tornam-se responsáveis pela
municipais; gestão apenas dos serviços que realizam
b. Incorreta: A descentralização das ações de assistência à atenção básica de saúde (baixa
vigilância sanitária conferiu aos municípios um complexidade);
caráter essencialmente regulatório, incluindo 2. Gestão plena do sistema municipal (GPSM):
ações de normalização, organização e Modalidade em que os municípios se tornam
coordenação de ações e serviços; responsáveis pela gestão de todos os serviços
c. A responsabilidade pela execução das ações que realizam assistência à saúde no seu
básicas e das ações de média e alta território.
complexidade é delegada aos estados nos São condições de gestão estadual:
casos dos municípios não habilitadas às  Gestão avançada do sistema estadual;
condições de gestão da saúde prevista na  Gestão plena do sistema estadual.
norma;
d. A execução de ações de vigilância sanitária é
de competência dos municípios, de acordo com
o ordenamento jurídico do SUS;
e. A fiscalização de ações de vigilância sanitária é
de competência estadual e federal, de acordo
com o ordenamento jurídico do SUS.
 Serviços sob gestão: Os estabelecimentos Ex.: 1: De acordo com a NOAS 01/2002 a
desse subsistema do SUS municipal não principal estratégia de hierarquização serviços de
precisam ser de propriedade da prefeitura. saúde e de busca de mais equidade é a:
Suas ações, desenvolvidas pelas unidades a. Municipalização;
estatais ou privadas, têm de estar organizadas b. Humanização;
e coordenadas, de modo que o gestor c. Correta: Regionalização;
municipal possa garantir à população o acesso d. Programa pactuado integrado.
aos serviços e a disponibilidade das ações e
dos meios para o atendimento integral. Isso Ex.: 2: Assinale a opção que apresenta a
significa dizer que, independente de a gerencia CORRETA relação entre a legislação indicada e o
dos estabelecimentos prestadores de serviços seu conteúdo.
ser estatal ou privada, a gestão de todos o a. Correta: NOAS 01/2001: planos diretores de
sistema municipal é, necessariamente, da regionalização e de investimento e redes de
competência do poder público e exclusiva assistência no SUS;
dessa esfera de governo, respeitadas as b. Lei nº 80808/90: participação popular, controle
atribuições dos respectivo conselho e de social e financiamento no SUS;
outras diferentes instâncias de poder NOB c. Lei nº 8142/90: organização e funcionamento
01/96. dos serviços de saúde do SUS;
d. NOB/96: CIT e CIB;
Ex.: 1: O financiamento do SUS é de e. Emenda constitucional nº 29/2000: exclusão
responsabilidade das três esferas de governo: dos estados na participação do financiamento
união, estados e municípios. A modalidade dos serviços de saúde dos munícipios do SUS.
preferencial de transferência de recursos entre os
gestores é o repasse fundo a fundo. Ex.: 3: Assinale a alternativa INCORRETA. A
a. Atenção básica; regulação, controle, avaliação NOAS/SUS 01/2002:
e auditoria, planejamento e orçamento; média a. Amplia as responsabilidades dos municípios
e alta complexidade e gestão do SUS; na atenção básica;
b. Atenção básica; regulação, controle, avaliação b. Incorreta: estabelece o processo de
e auditoria; planejamento e orçamento, média regionalização como estratégia de
e alta complexidade e gestão do trabalho hierarquização dos serviços de saúde e de
c. Atenção básica; vigilância em saúde; busca de menor equidade;
assistência farmacêutica; educação em saúde c. Cria mecanismos para o fortalecimento da
e gestão do SUS; capacidade de gestão do SUS;
d. Correta: Atenção básica; atenção de média e d. Procede à atualização dos critérios de
alta complexidade ambulatorial e hospitalar; habilitação de estados e municípios.
vigilância em saúde; assistência farmacêutica,
gestão do SUS e investimentos na rede de Ex.: 4: Com relação às NOB/91, NOB/93, NOB/96
serviços de saúde; e a NOAS/2001, é CORRETO afirmar:
e. Nenhuma das alternativas está correta. a. A NOB/93 propõe a transformação do modelo
de atenção à saúde que deve ser centrado na
NOAS/SUS 01/2002 qualidade de vida das pessoas e do seu meio
Para aprofundamento do processo de ambiente, bem como na relação da equipe de
descentralização, deve-se ampliar a ênfase na saúde com a comunidade, especialmente com
regionalização e no aumento da equidade, os seus núcleos sociais primários, a família;
buscando a organização e sistema de saúde b. A NOB/91 institui novas formas de relação dos
funcional com todos os níveis de atenção, não municípios com esferas nacionais e estaduais
necessariamente confinados aos territórios estabelecendo três modalidades de gestão:
municipais e, portanto, sob-responsabilidade gestão incipiente, gestão parcial e gestão
coordenada da SES: semiplena;
1. Estabelecer o processo de regionalização c. Correta: A NOAS/2001 teve como objetivo
como estratégia hierarquização dos serviços estabelecer o processo de regionalização
de saúde e da busca de maior equidade; como estratégia de hierarquização dos
2. Instituir o PDR como instrumento de serviços de saúde e de busca de maior
ordenamento do processo de regionalização equidade;
da assistência em cada estado. d. A NOAS/2001 instituiu uma nova lógica de
No âmbito nacional, funciona a CIT, integrada financiamento para atenção básica
paritariamente por representantes do MS, do contribuindo para a expansão da estratégia da
CONASS e do CONASEMS, no âmbito estadual saúde da família no Brasil;
funciona a CIB integrada paritariamente por e. O plano diretor de regionalização e o plano
dirigentes da secretaria estadual da saúde e do diretor de investimentos são instrumentos
órgão de representação das secretarias propostos na NOB/96.
municipais de saúde do estado.
Resp.: As NOBs e NOAS foram normatizações Piso assistência básico
para ajudar a operacionalização do que consta na Para o financiamento dessas ações, foi
legislação do SUS. Existem 3 NOBs (NOB/91, 93 determinado o PAB, que consistem num montante
e 96), sendo a última, com menor poder de de recursos financeiros destinado ao custeio de
mudança em relação ao cumprimento dos procedimentos e ações de assistência básica, de
princípios e diretrizes do SUS. As NOAS têm a responsabilidade tipicamente municipal. Esse piso
força na descentralização, com a instituição do é definido pela multiplicação de um valor per
PDR. capita nacional pela população de cada município,
 Alternativa (a) incorreta: O que a assertiva transferido, regular e automaticamente, ao fundo
afirma está relacionado com a NOB/96, que de saúde ou conta especial dos municípios e,
estimula a implantação das equipes de transitoriamente, ao fundo estadual, até a
agentes comunitário de saúde e equipes de habilitação municipal. O valor do PAB foi fixado
saúde da família. A NOB/93 é a 1ª a definir o em R$10 por habitante por ano. Incentivos que
gerenciamento de processo de significaram melhoria do modelo assistencial ao
descentralização nos três níveis de governo, romper com a lógica do pagamento por produção
através da CIT, das CIB e das conselhos de serviços, estimulando os municípios a
municipais bem como as condições de gestão construírem sistema de saúde voltados a
para municípios e estados, que buscam promoção, prevenção, tratamento e reabilitação
exatamente contemplar os diferentes estágios do conjunto de seus cidadão. So fazem jus a
em que se encontram estados e municípios, esses recurso os municípios que se habilitam em
em relação a descentralização. alguma condição de gestão segundo a NOB
 Alternativa (b) incorreta: A NOB que traz as 01/96, e a transferência total do APB é suspensa
formas de habilitação citada na questão é a no caso da não alimentação, pela SMS junto à
NOB/93. A NOB/91 editado pelo INAMPS/MS SES, dos bancos de dados de interesse nacional,
em 1/91 reproduz em seu teto muito dos por mais de 2 meses consecutivos.
elementos que compõem as LOS, uma vez  Recursos de incentivos ao PACS/PSF: os
que elas constituem as bases de implantação municípios que receberem o PAB poderão ter
e operacionalização do SUS, mas o enfoque seus valores mensais elevados se aderirem à
desta norma está direcionada à normalização estratégia do PSF ou do PACS, recebendo os
de mecanismo de financiamento do SUS, valores do modo que seguem:
repasse, acompanhamento, controle e PSF:
avaliação dos recursos financeiros do  Acréscimo de 3% sobre o valor do PAB para
INAMPS para os municípios ou estados, cada 5% da população coberta, até atingir
mecanismos estes considerados fator de 60% da população total do município;
incentivo ao processo de descentralização.  Acréscimo de 5% para cada 5% da
Desde 1990 vinculado ao MS, o mantenedor população coberta entre 60 e 90% da
de um modelo de saúde médico-assistencial- população total do município;
hospitalar continuava a manter o poder para  Acréscimo de 7% para cada 5% da
editar uma norma orientadora para o sistema população coberta entre 90 e 100% da
nacional de saúde, não é causal, que tal população total do município.
norma privilegia-se o financiamento, e mais PAC:
especificamente da assistência hospitalar e  Acréscimo de 1% sobre o valor do PAB para
ambulatorial; cada 5% da população coberta até atingir
 Alternativa (c) correta: As NOAS/2001, 60% da população total do município;
baseia-se, no reconhecimento da  Acréscimo de 2% para cada 5% da
regionalização em saúde fundamental para a população coberta entre 90 e 100% da
consolidação dos princípios de universalidade, população total do município;
equidade no acesso e integralidade;  Esses acréscimos têm, como limite, 80% do
 Alternativa (d) incorreta: A afirmativa desta valor do PAB original do município;
assertiva está relacionada à NOB/96;  Esses acréscimos têm, como limite, 30% do
 Alternativa (e) incorreta: A afirmativa desta valor do PAB original do município.
assertiva está relacionada a NOAS/2001; Os percentuais não serão cumulativos quando a
população coberta pelo PSF e pelo PACS ou por
estratégia similares for a mesma.
Ex.: 3: O piso de atenção básica é composta de
uma parte fixa e de outra variável. Exemplo, de
ação remunerada pelo PAB variável é encontrado
no:
a. Correta: Programa de saúde da família;
b. Controle de tuberculose;
c. Ação de saúde bucal;
d. Eliminação da Hanseniase;
e. Controle de hipertensão.
ATENÇÃO BÁSICA Ex.: 1: A DEFINIÇÃO de atenção primária como
A atenção primária a saúde (APS) é uma atenção à saúde essencial, baseada em
considerada, internacionalmente, a base para um métodos e tecnologias práticas, cientificamente
novo modelo assistencial de saúde que tenham comprovadas e socialmente aceitáveis, cujo
em seu centro o usuário-cidadão. É considerado acesso seja garantido a todas as pessoas e
eixo estratégico para a estruturação de sistemas familias mediante sua plena participação, foi
de saúde universais, resolutivos e com melhores referencia para o lema saúde para todos no ano
níveis de equidade, efetividade e eficiência. A 2000 da conferencia mundial de saúde realizada
atenção primária no SUS buscou diferenciar as em:
políticas propostas pelo movimento sanitário, a. Otawa;
distanciando-as dos programas de APS seletivos b. Bogotá;
e focalizados, difundidos pelas agências c. Correta: Alma-Ata;
internacionais. d. Adelaide.
 Na conferência de Alma-Ata: (1978), A atenção Resp.: A conferência que essa questão se refere
primária foi entendida como atenção à saúde essencial, foi um marco histórico mundial da atenção
fundada em tecnologias apropriadas e custo-efetivo,
primeiro componente de um processo deveria ser primária à saúde, conferência internacional sobre
garantido a todas as pessoas e famílias da comunidade, atenção primária em saúde, organizada pela OMS
mediante sua plena participação. e a Unicef, realizada em 1978 em Alma-ata,
cidade do Cazaquistão, na época uma das
Trata-se de um nível de atenção que está mais repúblicas da união soviética.
próximo das pessoas, família e comunidades,
sendo capaz de resolver a maioria dos problemas Ações de atenção à saúde
de saúde presentes em determinada população. A Deve promover ações individuais e coletivas num
APS é um conjunto de ações de saúde, no âmbito modelo ampliado de atenção à saúde.
individual e coletivo, que abrange a promoção e  Ações individuais: Reconhecem o individuo
proteção da saúde, a prevenção de agravos, o como sujeito, portador de direitos e
diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, redução responsabilidades não mais como objeto de
de danos e a manutenção da saúde, com o ações coletivas. Essas ações podem ser
objetivo de desenvolver uma atenção integral preventivas ou terapêuticas, como exemplo:
que impacte na situação de saúde a autonomia aplicação de vacina, restauração dentária,
das pessoas e nos determinantes e sutura, entre outras.
condicionantes de saúde das coletividades. É o  Ações coletivas: Devem impactar grupos ou
primeiro nível de atenção do sistema de saúde e, organizações, pressupondo algum tipo de
no caso da assistência médica, é a porta de interesse especifico compartilhado, ou ainda
entrada preferencial do sistema de saúde, com interação entre os participantes. Como
ações resolutivas sobre os problemas de saúde, exemplo, seriam as atividades educativas em
articulando-se com os demais níveis de grupo, palestra, peças publicitárias em meios
complexidade, formando uma rede integrada de de comunicação, entre outras.
serviços. Baseados em tecnologias acessíveis, Tanto as ações individuais quanto as coletivas
que levam os serviços de saúde o mais próximo devem buscar a integralidade, entendida e suas 3
possível da residência e trabalho da pessoa. No dimensões:
Brasil, há vários programas governamentais 1. Vertical: Busca atender a todas as
relacionados à atenção básica, sendo um deles a necessidade de saúde do individuo (programa
ESF estratégia prioritária para sua expansão e
da saúde até a reabilitação), entendido em
consolidação, que leva serviços multidisciplinares toda a sua complexidade biopsicossocial e
as comunidades por meio das unidades básicas
espiritual;
de saúde (UBS´s). A atenção básica também 2. Horizontal: Busca a integração de ações e
envolve outras iniciativas, como: O PACS, que serviços de atenção à saúde ao longo do
buscam alternativas para melhorar as condições tempo, para garantir a condição de saúde das
de saúde de suas comunidades etc. A APS pessoas;
determina o trabalho dos outros níveis dos 3. Intersetorial: Reconhece os setores extra-
sistemas de saúde, promovendo a organização e saúde (educação, segurança etc.).
racionalização do uso dos recursos, tanto básicos
como especializados, direcionados para
promoção, manutenção e melhoria da saúde.
Princípios da APS  Adscrição de clientela; Territorialização;
Os princípios da APS em 4 atributos Diagnóstico da situação de saúde da
ESSENCIAIS (acesso de primeiro contato, população; Planejamento baseado na
integralidade, longitudinalidade e coordenação), realidade.
mais três atributos derivados (orientação Posteriormente, passou a se constituir como uma
familiar, comunitária, e competência cultural), estratégia, passando a se chamar Estratégia de
Primeiro contato e o ponto de cuidado saúde da família (ESF).
preferencial das pessoas e famílias com o sistema
de saúde ao longo de suas vidas, sem restrição de O PSF é composto pela equipes de saúde da
acesso às ações e serviços de saúde, família (ESFa), mais o núcleo de apoio à saúde
independente de gênero, condições socioculturais da família (NASF). É recomendável que a ESF
e problemas de saúde; com abrangência e seja composta, no mínio, por um médico, um
integralidade das ações individuais e coletivas. enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e entre
Além de continuidade (longitudinalidade) e quatro e seis ACS. Outros profissionais da área da
coordenação do cuidado ao longo do tempo, saúde, poderão ser incorporados a esta equipe
tanto no plano individual quanto no coletivo, básica, de acordo com as demandas e
mesmo quando houver necessidade de se características da organização dos serviços de
referenciar (encaminhar) as pessoas para outros saúde local, devendo estar identificados com esta
níveis e equipamentos de atenção do sistema de proposta de trabalho, que exige criatividade e
saúde. Deve ser idealmente praticada e orientada iniciativa para trabalhos comunitários e em grupo.
para o contexto familiar e comunitário, entendidos Os profissionais das equipes de saúde devem
em sua estrutura e conjuntura socioeconômica e residir município onde atuam, trabalhando em
cultural regime de dedicação integral. Para garantir a
vinculação e identidade cultural com as família sob
Estratégia de saúde da família (ESF) sua responsabilidade, os ACS precisam residir
Em 1994, foi criado pelo MS o programa de nas respectivas área de atuação.
saúde da família (PSF), em resposta as As atribuições de uma ESF são:
demandas de secretários municipais de saúde por  Conhecer a realidade das familias as quais são
responsáveis;
financiamento para organização da rede básica de
 Identificar os prob lemas de saúde mais comuns e
saúde, que possibilitasse a incorporação de outros situação de risco as quais são expostos;
profissionais de saúde ao programa de agentes  Elab orar, um plano local para o enfrentamento dos
comunitários da saúde (PACS). ESF é um fatores que colocam em risco a saúde;
modelo de atenção de caráter substitutivo que  Programar as atividades e reestruturar o processo de
trab alho;
demanda novas praticas, resultando na  Executar, de acordo com a qualificação de cada
reorganização do processo de trabalho, o que profissional, os procedimentos de vigilancia à saúde e de
permite uma nova lógica de estruturação de vigilância epidemiológica, nos vários ciclos da vida.
espaço físico nas unidades de saúde da família  Valorizar a relação com o usuário e com a família para a
(USF). criação de vínculo de confiança, que é fundamental no
processo de cuidar;
 Resolver maior parte dos prob lemas de saúde
Ex.: 1: No âmbito do SUS, é essencial, para a detectados e, garantir a continuidade do tratamento,
reorganização da atenção básica, o investimento através da adequada referencia do caso;
em ações coletivas e a reconstrução das práticas  Prestar assistência integral, respondendo de forma
contínua e racionalizada à demanda, b uscando contatos
de saúde a partir da interdisciplinaridade e da com indivíduos sadios ou doentes, visando promover a
gestão intersetorial, num dado território. O saúde através da educação sanitária;
desenvolvimento de atividades com base no  Desenvolver processos educativos através de grupos
diagnóstico situacional para o planejamento e a voltados à recuperação da auto-estima, troca de
experiência, apoio mutuo e melhoria do autocuidado;
programação e tendo como foco a família e a  Promover ações intersetoriais e parcerias com
comunidade é alcançada por meio da: organizações e informais existentes na comunidade para
a. Correta: Estratégia saúde da família; o enfrentamento conjunto dos prob lemas;
b. Hierarquização do sistema de saúde;  Promover, através da educação continuada, a qualidade
c. Prevenção dos agravos em saúde; de vida e contrib uir para que o meio amb iente torna-se
mais saudável;
d. Promoção de saúde.  Discutir de forma permanente, junto à equipe e à
Resp.: O PSF foi criado em 94 pelo MS e, comunidade, o conceito de cidadania, enfatizando os
desde sua origem, foi concebido como estratégia direitos de saúde e as b ases legais que os legitimam;
para a reorganização e fortalecimento da atenção  Incentivar a formação ou participação ativa nos
conselhos municipal de saúde.
básica como o primeiro nível de atenção à saúde
no SUS, mediante a ampliação do acesso, a
qualificação e a reorientação das práticas de
saúde. O caráter substitutivo do PSF em relação à
atenção básica tradicional, orienta-se pelos
seguintes princípios:
Ex.: 1: No que diz respeito às ESF* e aos NASF, e. Correta: Participar do processo de
assinale a opção CORRETA. territorilização e mapeamento da área de
a. As ESFa, os NASF e as ESB vinculam-se a atuação da equipe, identificando grupos,
um número mínimo de famílias distribuídas ao familias e indivíduos expostos a riscos e
longo do território em que estão situados. vulnerabilidades.
b. A supervisão continuada das equipes Resp.: A equipe da ESF deve ser
multiprofissionais e a execução de protocolos multiprofissional, composta por médico,
de atendimento têm sido avaliadas como enfermeiro, agentes comunitários de saúde
medidas de sucesso para a expansão do PSF (ACS), auxiliar/técnico de enfermagem e naquelas
no território nacional. contempladas com equipe de saúde bucal, mais
c. Correta: As ESFa são responsáveis por odontológico, auxiliar de saúde bucal (ASB) ou
oferecer serviços de saúde por meio de ações técnico de saúde bucal (TSB). Todas as
de promoção, prevenção, recuperação, atribuições específicas e comuns aos profissionais
reabilitação e manutenção da saúde da estão descritas na portaria nacional da atenção
comunidade. básica, 2488/11.
d. Os NASF são responsáveis por promover  Alternativa (a) incorreta: Atribuição
ações verticais em saúde materno-infantil junto específica do enfermeiro, auxiliar/técnico de
às populações de baixo risco. enfermagem, médico e TSB, não engloba o
e. Os NASF compartilham as mesmas ACS nem o ASB;
responsabilidades e competências inerentes  Alternativa (b) incorreta: Esta ação não
às equipes de saúde da família. consta na PNAB associada a nenhum
profissional da atenção básica;
Ex.: 2: Assinale a opção CORRETA relativa ao  Alternativa (c) incorreta: Ações relacionadas
PSF do SUS. à equipe de saúde bucal;
a. Iniciado na década de 90, o PSF apresentou  Alternativa (d) incorreta: Esta ação
uma redução no número de usuários atendidos especifica não consta na PNAB, mas na
nos últimos anos em razão da menor adesão prática dentro da unidade de saúde da família,
de gestores estaduais e municipais nas é desenvolvida pelos técnicos/auxiliares de
administrações mais recentes. enfermagem e ASB e TSB.
b. O PSF é uma estratégia de modelo  Alternativa (e) correta: Atribuição comum a
assistencial, operacionalizada mediante a todos os profissionais.
implantação de equipes de especialistas em
hospitais regionais. Ex.: 4: O modelo da ESF, dentre outros objetivos,
c. O PSF tem como proposição de ação uma BUSCA:
abordagem terapêutica exclusivamente a. A auto-organização de acordo com as
centrada na patologia, visando necessidade da população adscrita sem
primordialmente o diagnóstico e o tratamento. qualquer vínculo com diretrizes nacionais;
d. No PSF, as equipes são responsáveis pelo b. Promover informações sobre automedicação,
acompanhamento de um número indefinido de para que a população ganhe autonomia em
famílias, em uma área geográfica não relação aos serviços de saúde;
delimitada, conforme a demanda espontânea. c. Correta: Favorecer a aproximação da unidade
e. Correta: No PSF, as equipes atuam mediante de saúde das famílias e possibilitar o
ações de reabilitação de pacientes com estabelecimento de vínculos entre a equipe e
doenças e agravos mais frequentes, bem os usuários.
como na manutenção da saúde da d. Responsabilizar a população pelo autocuidado
comunidade. e pela capacidade de resolutividade dos
problemas de saúde.
Ex.: 3: Uma das atribuições comuns dos Resp.:
profissionais da atenção básica é:  Alternativa (a) incorreta: A ESF organiza
a. Participar do gerenciamento dos insumos suas ações de acordo com as diretrizes
necessários para o adequado funcionamento nacionais, estas não podem estar
da unidade básica de saúde; desvinculadas. Como exemplo destas
b. Realizar orientações sobre uso de diretrizes, podemos citar as contidas no
medicamentos e seus efeitos adversos; programa nacional de tuberculose (PNT),
c. Participar das ações educativas, atuando na programa de saúde da mulher (PSM) e no
promoção da saúde e na prevenção das programa nacional de imunização (PNI).
doenças bucais e gastrointestinais;  Alternativa (b) incorreta: Nunca a
d. Executar limpeza, assepsia, desinfecção e automedicação deve ser incentivada em
esterilização do instrumental, dos qualquer nível de atenção, seja primário ou
equipamentos odontológicos e dos usados na terciário, pois sabemos dos riscos que essa
vacinação; ação traz para as pessoas.
A autonomia no âmbito da ESF deve ser e. É uma proposta para os estratos mais
promovida no incentivo ao autocuidado. carentes da população, com uso de baixa
 Alternativa (d) incorreta: Os problemas tecnologia.
devem ser resolvidos pelo serviço e não pela Resp.:
população. Esta também não deve ser  Alternativa (a) incorreta: A equipe mínima é
responsabilizada pelo autocuidado, uma vez composta por um médico generalista ou
que, questões culturais, sociais e econômicas especialista em saúde da família ou médico
podem interferir nesse processo. de família e comunidade, enfermeiro
generalista ou especialista em saúde da
Para atingir o objetivo proposto, o trabalho da família, auxiliar ou técnico de enfermagem e
equipe inicia-se a partir do mapeamento do agentes comunitários de saúde;
território e do cadastramento da população  Alternativa (b) incorreta: A ESF visa à
adstrita. Em seguida, é realizado o diagnóstico de reorganização da atenção básica no país, de
saúde da comunidade, com base no qual se acordo com os preceitos do SUS, e é tida
fazem o planejamento e a priorização das ações a como estratégias de expansão, qualificação e
serem desenvolvidas pelos profissionais, tendo consolidação da atenção básica por favorecer
em vista a atenção integral à saúde, uma reorientação do processo de trabalho
compreendida como promoção, prevenção, com maior potencial de aprofundar os
assistência e reabilitação, com enfoque nas áreas princípios, diretrizes e fundamentos da
preconizadas pela NOAS/02. atenção básica, de ampliar a resolutividade e
impacto na situação de saúde das pessoas e
Ex.: 1: Com relação às ESFa, assinale a coletividades, além de propiciar uma
alternativa CORRETA: importante relação custo-efetividade;
a. Correta: Têm território definido e população  Alternativa (c) incorreta: Os agentes
delimitada sob sua responsabilidade; comunitários de saúde devem residir na área
b. São compostas principalmente por médicos e de abrangência da equipe para facilitar o
dentistas; estabelecimento de vínculo com a
c. Os agentes comunitários são comunidade;
preferencialmente de regiões distantes de  Alternativa (e) incorreta: É uma proposta
onde atuam; para toda população, com uso de tecnologia
d. Conta com um fisioterapeuta na composição complexas e variadas.
ampliada.
Resp.: Ex.: 3: Uma mulher solicitou atendimento para seu
 Alternativa (a) correta: Ter território e filho, com apenas quinze dias de nascido, numa
população adstritos são fundamentos e unidade de atendimento da ESF situada numa
diretrizes da atenção básica; unidade básica de saúde. O bebê apresentava-se
 Alternativa (b) incorreta: A equipe deve ser cianótico e hipotérmico e foi prontamente atendido
multiprofissional, composta por, além de pelos estagiários, que suspeitaram de afogamento
médicos e dentistas, enfermeiro, em decorrência de depressão pós-parto da mãe.
técnicos/auxiliares de enfermagem, TSB e Na ocasião, encontravam-se no local apenas dois
ASB e ACS; agentes comunitários de saúde e dois estagiários.
 Alternativa (c) incorreta: Os ACS devem Com base nesse caso, assinale a opção
residir no território de atuação da equipe de CORRETA.
saúde da família; a. É correto afirmar que, no momento do
 Alternativa (d) incorreta: Na composição atendimento, a unidade básica de saúde
ampliada conta com o cirurgião dentista. contava com uma equipe completa de
profissionais para dar o primeiro atendimento à
Ex.: 2: Em relação à ESF pode-se AFIRMAR: criança, assim como para ofertar um serviço
a. A equipe mínima é composta por um médico especializado permanente, dotado de
generalista, um dentista, duas enfermeiras e integralidade, interdisciplinaridade e
seis ACS; intersetorialidade em situações de emergência.
b. É entendida coo modelo complementar da b. O NASF é considerado uma estratégia que
rede básica tradicional, não devendo substitui- visa integrar as demandas individuais dos
la; usuários da unidade básica de saúde e a
c. Os agentes comunitários de saúde devem validar seu encaminhamento à atenção
residir fora da área de abrangência da equipe especializada e o provável desligamento da
para evitar práticas clientelísticas baseadas unidade familiar da unidade de atendimento da
em conhecimento pessoais. ESF.
d. Correta: Caracteriza-se por ser a porta de
entrada de um sistema hierarquizado e
regionalizado de saúde tendo sob sua
responsabilidade um território definido;
c. Correta: O planejamento de ações: a saúde, a  Elaborar e divulgar material educativo e
promoção, a vigilância; o trabalho informativo nas áreas de atenção dos NASF e
interdisciplinar em equipe e a abordagem elaborar projetos terapêuticos individuais, por
integral da família são estabelecidos como meio de discussões periódicas que permitam a
atribuições fundamentais dos profissionais da apropriação coletiva pelas ESFa e os NASF,
unidade de atendimento da ESF. do acompanhamento dos usuários, realizando
d. Nesse caso, os estagiários deveriam ações multiprofissionais e transdisciplinares,
providenciar a remoção imediata da criança, desenvolvendo a responsabilidade
sem realizar qualquer tipo de intervenção ou compartilhada.
abordagem inicial. A AF nos NASF visa fortalecer a inserção da
e. Se confirmada a ocorrência de depressão pós- atividade farmacêutica e do farmacêutico de forma
parto, a equipe da unidade de atendimento da integrada às equipes de AB/SF, cujo trabalho
estratégia saúde da família não poderá buscará garantir a população o efetivo acesso e a
acompanhar o caso, trata-se de um promoção do uso racional de medicamentos,
atendimento especializado de alta contribuindo com a resolubilidade das ações de
complexidade para mãe e filho. promoção, de prevenção e de recuperação da
saúde.
Núcleo de apoio saúde da família (NASF)
O NASF tem o objetivo ampliar a abrangência Ex.: 1: Visando apoiar a ESF, ampliar a
das ações de atenção básica, a inserir o abrangência das ações da atenção básica e sua
programa na rede de serviços e a promover a resolutividade, o MS criou os NASF. Assinale a
divisão territorial da atenção básica. O NASF afirmação INCORRETA.
não é a porta de entrada do sistema de saúde, a. Entre as atividades do farmacêutico atuando
mas junto com o trabalho das ESFa identifica as junto ao NASF, estão: Reuniões com as
demandas na população integra a rede de equipes de SF, grupos de educação em
serviços de saúde. Não tem a presença do saúde, atividades comunitárias, visita
farmacêutico na ESFa, mas tem no NASF, que domiciliar, atendimento conjunto com outros
pode existir em duas modalidades: profissionais de saúde, atendimento familiar ou
 NASF 1: Deve conter no mínimo 5 individual e educação permanente;
profissionais com formações distintas, no b. Incorreta: As atividades do farmacêutico
NASF 1 pode estar vinculado, no mínimo, 8 relacionadas à gestão são prioritárias,
ESF, e no máximo 20; devendo este profissional interagir com o nível
 NASF 2: Com no mínimo 3 profissionais com central de gestão da AF e com a coordenação
formação distinta. das unidades de saúde, propondo a
São ações de responsabilidade de todos os normatização dos procedimentos relacionados
profissionais que compõem os NASF, a serem à AF;
desenvolvidas em conjunto com as ESFa: c. O farmacêutico deve atuar como referência
 Identificar com as ESFa e a comunidade, para as informações sobre medicamentos e
atividades, ações e práticas a serem facilitar o acesso equipe SF às fontes de
adotadas em cada área coberta; informações confiáveis;
 Atuar, de forma integrada e planejada, nas d. Nas atividades de assistência à saúde, além
atividades desenvolvidas pelas ESFa e de das ações voltadas à dispensação de
internação domiciliar, quando estas existirem, medicamentos e ao acompanhamento
acompanhado e atendendo a casos, de farmacoterapêutico/orientação farmacêutica, o
acordo com os critérios estabelecidos; farmacêutico tem também a função de
 Acolher os usuários e humanizar a atenção; contribuir nas discussões de caso e na
 Desenvolver, com vistas à intersetorialidade, construção do projeto terapêutico singular,
ações que se integrem a outras politicas com visão integral do sujeito;
sociais, como: educação, esporte, cultura, e. O processo de trabalho dos profissionais do
trabalho, lazer, entre outras; NASF deve abranger atendimento
 Promover a gestão integrada e a compartilhado e intervenções específicas com
participação dos usuários nas decisões, por os usuários ou familias, usando ferramentas
meio de organização participativa com os tecnológicas com o projeto terapêutico
conselhos de saúde, o desenvolvimento e a singular, apoio matricial e clínica ampliada.
implementação das ações e a medida de seu Resp.:
impacto sobre a situação de saúde, por meio  Alternativa (a) correta: Todas estas
de indicadores previamente estabelecidos; atividades estão previstas na portaria do MS
nº 154/2008, anexo 1, à medida que o
farmacêutico deve interagir com a ESF e
diretamente com o usuário quando preciso
for, através de educação permanente e
reuniões;
 Alternativa (b) incorreta: A portaria nº  Intervir diretamente com os usuários nos
154/2008 do MS não prioriza a interação com casos específicos necessários, em
a gestão em detrimento das demais conformidade com a equipe de AB/SF, visando
atividades; uma farmacoterapia racional e à obtenção de
 Alternativa (c) correta: O farmacêutico atua resultados definidos e mensuráveis, voltados à
na promoção do uso racional dos melhoria da qualidade de vida;
medicamentos junto à população e aos  Estimular, apoiar, propor e garantir a
profissionais disciplinando a prescrição, a educação permanente de profissionais da
dispensação e o uso; AB/SF envolvidos em atividades de
 Alternativa (d) correta: O farmacêutico deve atenção/AF;
intervir diretamente com os usuários nos  Treinar e capacitar os recursos humanos da
casos específicos necessários, em AB/SF para o cumprimento das atividades
conformidade com a equipe de AB/SF, referentes à AF.
visando a uma farmacoterapia racional e à As diretrizes operacionais da ESF, como
obtenção de resultados definidos e estratégias de reorganização da atenção primária,
mensuráveis, voltados à melhoria da definiram a unidade de saúde da família como
qualidade de vida; unidade ambulatorial pública de saúde destinada a
 Alternativa (e) correta: A assertiva encontra realizar a assistência contínua nas especialidades
respaldo nos cadernos da atenção básica: básicas, por intermédio de equipe
diretrizes do NASF nº 27/2009 publicados multiprofissional.
pelo MS. Outras ferramentas, como o projeto
de saúde no território (PST) e a pactuação
do apoio, também podem ser usadas.

Conforme estabelecem as diretrizes da ESF e da


PNM e da PNAF que integra o NASF:
 Coordenar e executar as atividades de AF no
âmbito da AB/SF;
 Auxiliar os gestores e a equipe de saúde no
planejamento das ações e serviços de AF na
AB/SF, assegurando a integralidade e a
intersetorialidade das ações de saúde;
 Promover o acesso e o uso racional de
medicamentos junto à população da família,
por intermédio de ações que discipline a
prescrição, a dispensação e o uso;
 Assegurar a dispensação adequada dos
medicamentos e viabilizar a implementação
da atenção farmacêutica na AB/SF;
 Selecionar, programar, distribuir e dispensar
medicamentos e insumos, com garantias da
qualidade dos produtos e serviços;
 Receber, armazenar e distribuir
adequadamente os medicamentos na atenção
básica/saúde da família, acompanhar e avaliar
o uso de medicamentos e insumos, inclusive
os medicamentos fitoterápicos, homeopáticos,
na perspectiva da obtenção e resultados
concretos da melhoria da qualidade de vida da
população;
 Subsidiar o gestor, os profissionais de saúde
e as ESFa com informações relacionadas à
morbimortalidade associados aos
medicamentos;
 Elaborar, de acordo com as diretrizes
municipais, estaduais e nacionais, e de acordo
com o perfil epidemiológico, projetos na área
da atenção/AF a serem desenvolvidos dentro
de seu território de responsabilidade;
Programa agente comunitário de saúde Ex.: 2: Dadas as afirmativas sobre o papel do
(PACS) ACS:
Oficialmente implantada em 1991, o PACS, 1. O ACS, como está muito próximo da
implantado pelo FNS, inicialmente nas regiões população, assume importante papel social
Norte e Nordeste, em áreas rurais e periurbanas, dentro da comunidade que ele assiste.
atendeu às demandas de combate e controle da 2. As necessidades da população são
epidemia da cólera e das demais formas de importantes para orientar ações dos ACS.
diarreia com foco na reidratação oral e na 3. O trabalho do ACS tem sido importante para
orientação à vacinação. A implementação do a diminuição da taxa de mortalidade infantil
PACS teve caráter emergencial e visou dar no Brasil.
suporte à assistência básica onde não houvesse Verifica-se que está(ão) CORRETA(s)
condições de interiorização da assistência médica. a. 1, apenas.
Os ACS eram supervisionados por enfermeiros b. 3, apenas.
e se subordinavam às unidades básicas (UBS) c. 1 e 2, apenas.
administradas pela FNS. Inicialmente, o PACS d. 2 e 3, apenas.
tinha o objetivo de melhorar, através dos agentes e. Correta: 1, 2 e 3.
comunitários de saúde, a capacidade da
população de cuidados da saúde, transmitindo- Atribuições dos ACS:
lhes informações e conhecimentos, e contribuir  Trabalhar com adscrição de família, em
para a construção e consolidação dos sistemas território definido;
locais de saúde. O programa assume o agente  Cadastrar todas as pessoas de seu território e
comunitário de saúde como elo de articulação manter os cadastros atualizados;
entre os serviços de saúde contribuindo, assim,  Orientar as familias quanto ao uso dos
com a comunidade, no processo de aprender e serviços de saúde disponíveis;
ensinar a cuidar da sua própria saúde. Inclui entre  Acompanhar, por visita domiciliar, todas as
as atribuições dos agentes o desenvolvimento de familias e indivíduos sob sua responsabilidade.
ações básicas de saúde e educativas nos níveis As visitas são programadas junto com a
individuais e coletivos. Ele contribuirá na produção equipe, considerando os critérios de risco e
de informações para análogos e o monitoramento vulnerabilidade de modo que familias com
da situação de saúde. mais necessidades sejam visitados mais
O agente comunitário de saúde tem um papel vezes, mantendo como referencia a média de
muito importante no acolhimento, pois é membro uma visita/família/mês;
da equipe que faz parte da comunidade, o que  Fazer ações de integração entre a equipe de
permite a criação de vínculos mais facilmente, saúde e a população adscrita à UBS,
propiciando o contato direto com a equipe. considerando as características e as
finalidades do trabalho do acompanhamento
Ex.: 1: de indivíduos e grupos sociais ou coletividade;
 No município de Japaratinga, está sendo inaugurado  Fazer atividade de promoção da saúde, de
uma unidade de SF, nomeada unidade SF de Terra nova.
Os profissionais que irão compor a ESFa irão fazer uma
prevenção de doenças e agravos e de
visita ao território de ab rangência da unidade. Ante s da vigilancia à saúde, através de visitas
implantação da unidade de saúde da família, existia, na domiciliares e ações educativas nos domicílios
região, o PACS, sob a responsab ilidade do FNS. e na comunidade;
 Estar e contado com as familias, fazer ações
Antes da implantação da USF de Terra Nova, o educativas, visando a promoção das pessoas
PACS, implantado pela FNS, apresentava as com problemas de saúde, bem como ao
seguintes características, EXCETO: acompanhamento dos condicionantes do
a. O Agente comunitário de saúde era programa bolsa família ou de qualquer outro
supervisionado, diretamente, pelo enfermeiro. programa similar de transferência de renta em
b. O PACS teve sua implementação para atender enfrentamento de vulnerabilidade implantado
às demandas de combate e controle de pelo governo federal, estadual e municipal, de
epidemias, com foco na orientação vacinal e acordo com o planejamento da equipe.
reidratação oral. É permitido aos ACS desenvolver outras
c. O PACS correspondia a um programa de atividades nas UBS, desde que vinculados às
atenção primária seletiva. atribuições acima.
d. Os ACS eram pessoas da comunidade, sem
formação profissional específica, capacitados
para a função por processo de educação
permanente.
e. Incorreta: As ações do ACS eram
consideradas alheias aos serviços de saúde,
pois eram realizadas fora das unidades de
saúde.
SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA ATENÇÃO
BÁSICA (SIAB)
É um banco de dados (software) com
informações importante e abrangentes na área da
saúde desenvolvido pelo centro de processamento
de informações do SUS/DATASUS do Rio de
janeiro em 1998, em substituição ao sistema de
informação do programa de agentes comunitários
de saúde (SIPACS), para acompanhamento das
ações e dos resultados das atividades realizadas
pelas equipes do PSF. O SIAB age, a fim de
agregar, armazenar e processar informações
prioritárias para as equipes do PSF/PACS. Além
do uso local dos dados, estes são importantes
para o acompanhamento das atividades das
equipes pelas SMS, SES e pelo MS, cujas
funções são acompanhar, avaliar e diagnosticar o
estado de saúde (parcial) da população,
permitindo a adequação dos serviços de saúde
oferecidos. As informações contidas no SIAB são
recolhidas em fichas de cadastramento e
acompanhamento e analisadas a partir dos
relatórios de consolidação dos dados. Em 2000, a
portaria nº 1013 do MS, estabelecendo aos
municípios a obrigatoriedade da alimentação
mensal do SIAB, sob pena de ter os recursos do
piso da atenção básica bloqueados àqueles que
não cumprissem o estabelecido. Tal medida
impulsionou ainda mais a expansão da
implantação do sistema nos municípios, uma vez
que a inclusão e a alimentação regular dos dados
passavam a interferir diretamente no
financiamento das equipes, ou seja, de acordo
com os dados de cadastramento.
O SIAB serve como fonte e vários tipos de
pesquisas e produz relatórios que auxiliam as
equipes, unidades de saúde e gestores municipais
a conhecer a realidade sociossanitário da
população atendida.

Ex.: 1: Considerando o âmbito do DATASUS,


assinale a alternativa que indica o objetivo
principal do SIAB:
a. Coletar informações sobre hábitos nutricionais
e alimentares nas varias regiões do Brasil;
b. Correta: Acompanhar as ações e os
resultados das atividades realizadas pelas
equipes do PSF;
c. Organizar sistema de agendamento de
consultas nas unidades ambulatoriais da
atenção básica à saúde;
d. Promover estatísticas sobre a ocorrência de
epidemias e o respectivo grau de extensão
geográfica;
e. Prover os gestores da área de saúde com
informações sobre as diretrizes nacionais da
atenção básica por meio da publicação das
portarias normativas do MS.
EPIDEMIOLOGIA Ex.: 1: A disciplina que corresponde ao estudo da
O termo epidemiologia do grego Epi=sobre, frequência, da distribuição e dos determinantes
demos=povo e logos=estudo. Ela propõe estudar dos estados ou eventos relacionados á saúde em
quantitativamente a distribuição dos fenômenos de populações especificas e a aplicação desses
saúde/doença, e seus fatores condicionantes e estudos no controle dos problemas de saúde é:
determinantes, nas populações humanas. a. Toxicologia;
Como ciência, fundamenta-se no raciocínio b. Biologia;
causal, como disciplina preocupa-se em c. Correta: Epidemiologia;
desenvolver estratégias para ações voltadas para d. Antropologia;
a proteção e promoção da saúde da comunidade. e. Bioestatística.
Ela também é um instrumento para o Resp.:
desenvolvimento de políticas no setor da saúde. O  Alternativa (c) correta: Estuda a frequência, a
objetivo principal da epidemiologia é melhorar a distribuição e os determinantes dos estados ou
saúde das populações. Os três principais objetivos eventos relacionados á saúde em populações
epidemiológicos são: especificas e a aplicação desses estudos no
1. Descrever a distribuição e a magnitude dos controle dos problemas de saúde.
problemas de saúde das populações
humanas; Ex.: 2: A população que esperamos atingir com as
2. Proporcionar dados essenciais para o ações de saúde é chamada:
planejamento, execução e avaliação das a. Correta: População alvo;
ações de prevenção, para estabelecer b. População espontânea;
prioridades; c. População ativa;
3. Identificar fatores etiológicos na gênese da d. População passiva.
enfermidade. Resp.:
A área de atuação da epidemiologia é sempre  Alternativa (a) correta: A população alvo é o
uma população humana, que pode ser definida em objetivo da ação dos serviços de saúde e
termos geográficos ou outro qualquer. Em geral, a práticas educativas. Representam o conjunto
população usada num estudo epidemiológico é de pessoas para os quais os recursos técnicos
aquela localizada numa determinada área ou país são elaborados e o grupo de indivíduos que se
num certo momento do tempo. Isso forma a base espera ser sensibilizado por tais ações.
para definir subgrupos de acordo com o sexo,
grupo etário, etnia e outros aspectos. O termo distribuição está contido no termo
Considerando que as estruturas populacionais população e o processo determinação está
variam conforme à área geográfica e o tempo, isso associado à delimitação da doença que, por sua
deve ser levado em conta nas análises vez, abrange concepções derivadas da prática
epidemiológicas. Algumas definições: clínica e própria da epidemiologia. Entende-se
 Estudo: Inclui vigilância, obstrução, teste de determinantes sociais de saúde como as
hipótese, e pesquisas analíticas e condições de vida e trabalho dos indivíduos e de
experimentais; grupos populacionais, que estão relacionadas com
 Distribuição: Refere-se à análise quanto ao a situação de saúde. Cabe à epidemiologia
tempo, pessoas, lugares e grupos de descritiva a avaliação da frequência ou
indivíduos afetados; distribuição das enfermidades e á epidemiologia
 Determinantes: Inclui fatores que afetam o analítica o estudo dos fatores (causais) que
estado de saúde, dentre os quais, fatores explica tal distribuição, relacionando uma
biológicos, químicos, físicos, sociais, culturais, determinada situação de saúde, ou seja, as
econômicos, genéticos e comportamentais; desigualdades dos níveis de saúde entre grupos
 Estados ou eventos relacionados à saúde: populacionais, com a eficácia das intervenções
Referem-se à doença, causas de óbitos, realizadas no âmbito de saúde política, ou mesmo
hábitos comportamentais (tabagismo), aspecto identificando suas causas no modo como tais
positivo em saúde (bem-estar, felicidade, etc.), iniquidade são produzidas, na forma como a
reações a medidas preventivas, uso e oferta sociedade se organiza e desenvolve.
de serviços de saúde entre outros; Os estudos descritivos se limitam ao registro
 População: Inclui indivíduos com da frequência de eventos ou agravos patológicos
características especificas, como exemplo, observando sua variação no tempo e espaço.
crianças menores de cinco anos;
 Aplicação na prevenção e controle: O
objetivo da saúde pública é promover, proteger
e restaurar a saúde.
 Frequência: Inclui eventos, taxas ou riscos de
doença na população.
Os estudos analíticos têm como objetivo
explicar as características dessa frequência ou
associações entre estas e outros fatores
observados, a exemplo dos estudos que buscam
estabelecer um nexo ou relação de causa efeito
entre um determinado agente patogênico de
causa e um aspecto específico do meio ambiente,
considerando-se a tríade de fatores que intervém
e condicionam o aparecimento e desenvolvimento
de uma doença (agente, hospedeiro e
ambiente).
 Casos autóctones: São autóctones, ou seja,
se reproduzem em seus próprios territórios. O
exemplo da gripe suína.
 Casos alóctones: Quem ou que veio de fora é
o caso confirmado que foi detectado em um
local diferente.

Ex.: 1: Mesmo após a interrupção da transmissão


autóctone do vírus sarampo, é importante a
manutenção do sistema de vigilância
epidemiológica de doença. Assim, um caso
autóctone é definido como sento:
a. O caso que, segundo informações disponíveis
não s apresenta epidemiologicamente
relacionado a outros já conhecidos;
b. O primeiro entre vários casos, de natureza
similar e epidemiológica relacionado;
c. Correta: O caso contraído pelo enfermo na
zona de sua residência;
d. Caso decorrente de uma transfusão de sangue
ou outra forma de inoculação parenteral.
HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA (HND) 1. Fatores sociais: Incluem as características
segundo Leavell e Clark, a HND é o conjunto de sociais, econômicas, políticas e culturais das
processos interativos que criam o estímulo populações. As pessoas não são iguais em
patológico no meio ambiente ou em qualquer outro termos de renda, escolaridade, ocupação,
lugar, passando pela resposta do homem ao oportunidades de trabalho, hábitos culturais,
estímulo, até as alterações que levam a defeito, crenças, entre outros; além da desigualdade
invalidez, recuperação ou morte. Batistella entre as diversas comunidades em relação,
explica ainda que esse modelo considera a por exemplo, à cobertura por serviços de
interação, o relacionamento e o condicionamento saúde ou em relação à cobertura por
de 3 elementos fundamentais da chamada tríade saneamento básico.
ecológica: o ambiente, o agente e o 2. Fatores ambientais: Incluem o ambiente
hospedeiro. a doença seria resultante de um físico como o representado pelos seres vivos.
desequilíbrio nas autorregulações existentes no Na perspectiva do ambiente físico, têm-se o
sistema. relevo, a altitude, o clima e a umidade do ar,
O modelo da HND compreende a determinação que favorecem o desenvolvimento de certas
das doenças em 2 domínios: o meio externo e o fauna e flora em detrimento de outras, além de
meio interno. esses domínios são mutuamente favorecerem ou não a proliferação de agentes
exclusivos, consecutivos e complementares. patogênicos, como parasitas ou vetores;
enquanto, no meio externo, existe a interação também influenciam a distribuição das
determinante e o agente (desenvolvem-se as populações, com maior ou menor densidade
etapas necessárias para a implantação da demográfica, contribuindo para o
doença), no meio interno há o locus onde se desenvolvimento de enfermidades. O ambiente
desenvolve a doença. em ambos os meios, há físico que envolve o homem moderno
fatores contribuintes com o processo. o modelo da condiciona o aparecimento de doenças cuja
hnd considera ainda 2 períodos consecutivos, incidência se tornou crescente a partir da
articulados e complementares, nos quais se urbanização e da industrialização.
desenvolvem o processo de instalação, o 3. Fatores do hospedeiro: Incluem os fatores
desenvolvimento e o desfecho da patologia: genéticos que, além de poderem
período pré-patogênico e período patogênico. predeterminar algumas patologias, podem
pode-se considerar também que as sequelas apenas tornar o indivíduo mais ou menos
estejam fora do período da patogênese. suscetível à ação de agentes patogênicos ou
ambientais que causarão alguma doença,
Período pré-patogênico também incluem aspectos relacionados ao
Refere-se ao 1º período da HND, quando os estilo de vida das pessoas.
distúrbios patológicos ainda não se manifestaram Interessantemente, multifatorialidade não
no indivíduo. Trata-se da própria evolução das significa uma simples soma dos diferentes
inter-relações dinâmicas, que envolvem, de um fatores condicionantes da doença, mas sim um
lado, os condicionantes sociais e ambientais e, do sinergismo ou uma interação desses fatores.
outro, os fatores próprios do suscetível, até que
chegue a uma configuração favorável à instalação Ex.: 1: O modelo da HND define períodos
da doença. Neste período, há interação entre os sequenciados para o desenvolvimento de uma
fatores que estimulam o desencadeamento de doença. Um deles é o período de pré-
uma doença no organismo e as condições que patogênese, que é caracterizado por:
permitem a existência desses fatores, além de sua a. Ser a fase em que as intervenções possíveis
ação no hospedeiro (início biológico da doença). são as de prevenção secundária.
Assim, pessoas com boas condições b. Definir a situação em que pode existir lesões,
socioeconômicas e de saneamento, por exemplo, desde que inaparentes.
dificilmente adoecem de cólera (fator c. Englobar o processo de convalescença.
socioambiental), enquanto usuários de drogas d. Delimitar o horizonte clínico.
injetáveis que compartilham seringas têm maior e. Correto: Incluir as relações entre agente,
risco de contrair o vírus HIV ou hepatite B ou C hospedeiro e meio ambiente.
(fator individual, comportamental). Em ambas
as situações, os indivíduos não estão doentes,
contudo esse “risco” pode ser entendido como
uma pressão natural que tende a levar o sujeito
para o outro lado do diagrama (período
patológico). Alguns dos fatores que
compreendem a tríade serão discutidos a seguir.
Período patogênico Ex.: 2: Em relação á história natural e prevenção
O período patogênico refere-se ao período no de doenças (modelo Leavell & Clark) constituem-
qual os distúrbios patológicos se manifestam, ou se como medidas de prevenção primária:
seja, quando o indivíduo está doente. No período a. O diagnóstico precoce e o tratamento imediato
patogênico, a interação entre os fatores dos casos
condicionantes sociais e ambientais e os fatores b. Correta: A proteção específica e a limitação
próprios do hospedeiro já causou alterações da incapacidade
bioquímicas em nível celular e distúrbios na forma c. O diagnóstico precoce e a promoção da saúde
e na função de órgãos e sistemas, culminando d. A proteção específica e a promoção da saúde
com a manifestação da doença, que evoluirá para e. N.D.A
um defeito permanente, para a cronicidade, para a
morte ou para a cura. A depender do processo Prevenção secundária
patológico instalado e de condições do próprio As medidas estabelecidas na prevenção primária
indivíduo, essa etapa pode não ser linear com não foram suficientes para bloquear o
alteração fisiológica, sinais e sintomas, morte ou desenvolvimento da doença, e o indivíduo passou
invalidez ou recuperação. Leavell e Clark (1976) para o período patogênico. Assim, a prevenção
consideram 4 níveis de evolução da doença nesse secundária será usada e atuará interrompendo a
período. evolução da doença, em fase subclínica, ou de
evolução clínica aparente (diagnóstico e
Prevenção primária tratamento), na tentativa de fazê-la regredir
Atua na fase pré-patogênica da HND, antes do (cura) ou evitar que o distúrbio ocorrido se
agente causador do distúrbio à saúde interagir complique, deixe sequelas ou leve o indivíduo a
com o individuo suscetível. Existe uma pressão óbito. Uma alternativa é, pelo menos, retardar
natural que pode levar o individuo a passar o essa fase de evolução da patologia.
período patogênico da HND. O objetivo é impedir Diagnóstico e tratamento precoces:
tal fato. Inclui medidas inespecíficas e  Ações: Rastreamento, exames periódicos de
especificas de proteção às saúde: saúde, busca ativa de casos entre contatos
1. Medidas inespecíficas: Ou gerais são auto-exame e intervenções clínicas ou
aquelas de caráter mais amplo, que não visam cirúrgicas precoces.
à proteção do individuo ou das coletividade  Exemplos: Uso de antibióticos em processos
contra alguma doença em especial, são ações infecciosos, uso de anti-inflamatórios não
gerais de promoção da saúde. hormonais em processos hematológico.
 Ações: Moradia adequada, escolas, áreas de
lazer, alimentação adequada, saneamento e Limitação de incapacidade:
emprego.  Ações: Acesso facilitado aos serviços de
 Exemplos: Água clorada, leite pasteurizado. saúde, tratamento clínico ou cirúrgico
adequados e hospitalização quando
2. Medidas especificas: Estão voltadas a algum necessário.
problema de saúde em particular ou uma  Exemplos: Uso de AAS nos casos de Infarto
doença especifica. agudo do miocárdio e uso de anticoagulante
 Ações: Imunização, saúde ocupacional, nos casos de trombose venosa profunda.
controle de vetores, proteção contra Portanto, a prevenção secundária atua na fase
acidentes, aconselhamento genético, pré- patogênica da HND, ou seja, no momento em que
natal e quimioprofilaxia. já houve a interação do agente patogênico (meio
 Exemplos: Cuidados para evitar a ambiente e indivíduo), e o organismo apresenta
transmissão transfusional do agente reações a essa interação. A pressão natural que
etiológico da doença de chagas e existe, neste momento, diz respeito à evolução do
fluoretação da água. indivíduo para óbito ou sequela permanente; o
objetivo é impedir esse tipo de evolução.
Ex.: 1: Em se tratando de prevenção primaria,
podemos criar como medidas de proteção
especifica.
a. Correta: Imunização/saúde ocupacional
/controle dos vetores;
b. Imunização/controle dos vetores/diagnóstico
precoce;
c. Imunização/saúde ocupacional/diagnóstico
precoce;
d. Imunização/diagnóstico precoce/inquéritos
epidemiológicos;
e. Diagnóstico precoce/tratamento/reabilitação.
Prevenção terciária Ex.: 1: PQ, é CORRETO afirmar que:
Se as medidas primárias e secundárias a. Diz respeito a ações de orientação para
estabelecidas não foram suficientes, e as reações cuidados com o ambiente, para que este não
do organismo ao agente patogênico resultaram favoreça o desenvolvimento de agentes
em alguma alteração com sequela permanente ou etiológicos (comportamento higiênicos
cronicidade, existe um grupo de atividades que relacionados à habitação e aos entornos);
podem atuar no sentido de reabilitar o indivíduo, b. Engloba estratégia populacionais para
buscando sua readaptação mesmo com o dano detecção precoce de doenças. Também
coexistente. contempla ações com indivíduos doente ou
Reabilitação: acidentados com diagnósticos confirmados,
 Ações: Próteses e órteses, terapia para que se curem ou mantenham-se
ocupacional, reintegração socioeconômica e funcionalmente sadios, evitando complicações
educação para anulação de preconceitos. e mortes prematuras.
 Exemplos: Acupuntura para o alivio da dor c. Consiste no cuidado de sujeitos com sequelas
em portadores de síndrome poliomielite, e doenças ou acidentes, visando a
fisioterapia motora para recuperação de recuperação ou à manutenção em equilíbrio
movimento dos membros em pacientes com funcional;
sequelas de acidentes vascular cerebral, d. Correta: Consiste na construção da autonomia
cirurgia para descompressão neural no alivio dos sujeitos e na detecção de indivíduos em
das dores associadas a neurite em risco de sobretratamento ou excesso de
hanseníase. prevenção, para protegê-los de intervenções
Vale lembrar que as atividades de prevenção profissionais inapropriadas e sugerir-lhe
apresentadas são colocadas em termos alternativas eticamente aceitáveis;
genéricos, ou seja, dependem diretamente do tipo e. Corresponde a medidas gerais, educativas,
de doença a ser considerada. Poderá ocorrer que objetivam melhorar a resistência e o bem
ocasião em que alguma atividade de promoção à estar geral dos indivíduos (comportamentos
saúde para uma doença pode ser considerada alimentares, exercícios físico e repouso,
proteção específica para outra, e assim por diante. contenção de estresse não ingestão de drogas
ou de tabaco), para que resistam às agressões
Prevenção quaternária (PQ) e primordial dos agentes.
Norman e Tesser explicam que o conceito de Resp.:
proposto por Jamoulle, almejou sintetizar de  Alternativa (d) correta: prevenção
forma operacional e na linguagem médica vários quaternárias.
critérios e propostas para o manejo do excesso de
intervenção e medicalização, tanto diagnóstica
quanto terapêutica. A PQ foi definida de forma
direta e simples como a detecção de indivíduos
em risco de tratamento excessivo para protegê-los
de novas intervenções médicas inapropriadas e
sugerir-lhes alternativas eticamente aceitáveis.
A conceituação foi proposta no contexto clássico
dos 3 níveis de prevenção de Leavell e Clark,
assim a PQ surge como 4º e último tipo de
prevenção, não relacionada ao risco de doenças e
sim ao risco de adoecimento iatrogênico, ao
excessivo intervencionismo diagnóstico e
terapêutico e a medicalização desnecessária. É
considerada PQ qualquer ação que atenue ou
evite as consequências do intervencionismo
médico excessivo que implica atividades médicas
desnecessárias:
 1. Excesso de tratamento; 2. Excesso de rastreamento;
3. Excesso de exames complementares; 4.
Medicalização de fatores de risco.
A PQ impõe uma estrita necessidade de o
profissional estar atualizado sobre os estudos
científicos de boa qualidade voltados para avaliar
a relação risco–benefício do tratamento e
rastreamento, o que significa que precisa usar a
medicina baseada em evidências,
inexoravelmente, para bem embasar, técnica e
eticamente, sua decisão.
PROCESSO EPIDÊMICO  Alternativa (b) correta: A epidemia é a
Endemia: É a ocorrência de determinada doença concentração de determinados casos de uma
que acomete sistematicamente populações em doença num local e época, claramente em
espaços característicos, e determinados no excesso e relação ao que seria teoricamente
decorrer de um longo período (temporalmente esperado;
ilimitado), e que mantém uma incidência  Alternativa (c) incorreta: O termo
relativamente constante, permitindo variações infestação se originou do latim (infestatio) e
cíclicas e sazonais. A endemias é classificada se refere à localização de parasitas em
como endêmica (típica) de uma região quando alguma superfície externa por exemplo,
acontece com muita frequência no local. carrapatos e piolhos;
 Alternativa (d) incorreta: latência se refere
Ex.: 1: Pelo termo ``ENDEMIA´´ deve-se entender a um período de tempo entre o inicio de um
que se trata de doença: determinado evento e o momento em que
a. Rara; seus efeitos tornam-se perceptíveis;
b. Que ocorre de forma muito além do estipulado  Alternativa (e) incorreta: A virulência se
para uma região; refere à capacidade infecciosa de um
c. Correta: Que ocorre dentro de limites microrganismo, medida pela mortalidade que
estabelecidos pelos serviços de vigilância em ele produz ou poder de invadir tecidos do
saúde; hospedeiro.
d. Que ultrapassa a média e dois desvios-padrão
de limite de segurança para uma área. Surto epidêmico: É a ocorrência de dois ou mais
Resp.: casos epidemiológicos relacionados, alguns
 Alternativa (a) incorreta: A endemia não se autores chamam de surto epidêmico, ou surto, a
refere à raridade de uma doença, antes, ocorrência de uma doença ou fenômeno restrita a
refere-se a frequência da doença em um espaço extremamente delimitado: colégio.
determinada região; Quartel, creches, grupos reunidos numa festa, um
 Alternativa (b) incorreta: essa quarteirão etc.
características refere-se à epidemia;
 Alternativa (c) correta: essa características Ex.: 1: É um tipo de dinâmica de disseminação de
refere-se endemia; doença, a qual atinge uma pequena área
geográfica delimitada ou população
Epidemia: É a ocorrência numa comunidade ou institucionalizada (creches, escolas etc.). essa
região de casos de natureza parecida, claramente dinâmica é CARACTERIZADA como:
excessiva em reação ao esperado. O conceito a. Correta: Surto;
usado na epidemiologia é uma alteração espacial b. Uma endemia;
e cronologicamente delimitada, do estado de c. Uma endemia progressiva;
saúde-doença de uma população, caracterizada d. Uma epidemia progressiva;
por uma alta inesperada e descontrolada dos Resp.:
coeficientes de incidência de determinada doença,  Alternativa (a) correta: Ocorre quando há o
ultrapassando valores do limiar epidêmico pré- aumento repentino do número de casos de
estabelecido para aquela circunstância e doença. uma doença numa região especifica passa a
ser considerado surto, o aumento de casos
Ex.: 1: A imprensa de uma região noticiou que deve ser maior o que o esperado pela
houve o aumento do registro de casos de autoridades;
dengue, em números que ultrapassou a incidência  Alternativa (b) incorreta: A endemia não
normal prevista. Essa situação epidemiológica e está relacionada a uma questão quantitativa
CHAMADA: uma doença é classificada como endêmica
a. Pandemia; (típica) de uma região quando acontece com
b. Correta: Epidemia; muita frequência no local. As doenças
c. Infestação; endêmicas podem ser sazonais;
d. Latência;  Alternativa (c) incorreta: Representa o
e. Virulência. aumento de prevalência da doença, ou seja,
Resp.: aumento do número de casos esperados
 Alternativa (a) incorreta:. A incidência para a dada doença numa determinada
normal de certa doença numa determinada região em certo período de tempo;
área geográfica e num determinado período é  Alternativa (d) incorreta: Também
ultrapassada, porém esse argumento se conhecido coo epidemia de contato ocorre
expande para uma grande área geográfica um aumento progressivo de casos, mas a
como um continente ou mesmo todo o fonte de infecção não é a única, sendo
planeta. representada por exposições sucessivas e
em cadeia.
Pandemia: Caracterizado por uma epidemia com INDICADORES DE SAÚDE
larga distribuição. Se o gráfico atingir mais de um Para quantificarmos a saúde, fazemos
continente. Um exemplo é a epidemia da AIDS comparações na população, usando os
que atinge todos os continentes do planeta. indicadores de saúde. Partimos para a contagem
dos indivíduos doentes ou com outros desfechos
Ex.: 1: Associe os termos de de interesse (morte, por exemplo). O calculo
mortalidade/morbidade à sua definição na desses indivíduos servirá de parâmetro para
alternativa CORRETA: mensuração da saúde de determinado local
1. É a ocorrência de certo número de casos (bairro, município, estado, país), ou seja, servirá
controlado em determinada região; como indicador de saúde. Usamos o termo
2. É o aumento do número de casos de medidas de frequência de doença para
determinada doença muito acima do descrever esse conjunto de indicadores. Podemos
esperado e não delimitado a uma região; imaginar uma situação em que exista uma
3. Compreende um número de casos de doença epidemia de dengue, para saber o estado
acima do esperado, sem respeitar limites evolutivo dessa epidemiologia, se as atividades de
entre paises ou continente. Os exemplos prevenção vem surtindo o efeito esperado, se o
mais atuais são a AIDS e a tuberculose. tratamento existente tem aumentado a sobrevida
a. 1-epidemia; 2-endemia; 3-pandemia; dos afetados ou se as politicas adotadas para o
b. Correta:1.endemia; 2.eppidemia; 3. pandemia; controle da doença tem sido adequadas, é preciso
c. 1-pandemia; 2-epidemia; 3-endemia; avaliar a frequência de doenças e compará-las ao
d. 1-pandemia; 2-endemia; 3-epidemia. longo do tempo.
Resp.: 1. Endemia, 2. Epidemia; 3. Pandemia. A As medidas de frequências são definidas a partir
partir da identificação dos conceitos, segundo a de 2 conceitos epidemiológicos fundamentais,
ordem do enunciado. chamados prevalência e incidência.
1. A prevalência: expressa o numero de casos
existentes de uma doença ou fenômeno de
interesse num dado momento, ao passo que
incidência se refere à frequência com que
surgem novos casos de uma doença, num
intervalo de tempo. É fundamental realizar
essa discussão de maneira mais ampla, pois
ela será importante para compreender
aplicação dos estudos epidemiológicos e dos
estimadores de risco vastamente usados na
análise desses estudos.
2. A incidência: pode ser definida como a
frequência de casos novos de uma
determinada doença ou problema de saúde
oriundo de uma população com risco de
adoecimento, ao longo de um determinado
período de tempo. Casos novos ou incidentes,
podem ser compreendido como aqueles
indivíduos que não estavam enfermos no início
do período de observação, ou seja, sob o risco
de adoecimento, e se tornaram doentes ao
longo deste. A incidência é uma medida
dinâmica, pois expressa mudanças no estado
de saúde.

.
INCIDENCIA
É definida como número de casos novos de uma
doença que ocorreram durante determinado
período de tempo, numa população sob risco de
desenvolvimento dessa enfermidade. Para exemplificar F1 (pessoas sob risco), será
usada a representação abaixo, onde existe um
Ex.: 1: A frequência de novos casos de uma grupo de indivíduos acompanhados por um
doença/agravo num determinado período numa período de 5 anos. Nesse caso não existiu perda
população refere-se à: de indivíduos, ou seja, todos foram
a. Letalidade; acompanhados por todo o período estipulado (5
b. Mortalidade; anos), e a doença em questão deixa a pessoa
c. Surto; com imunidade permanente, então o individuo que
d. Correta: Incidência; desenvolveu a doença uma vez não tem mais
e. Prevalência. risco de desenvolve-la novamente.
Resp.:
 Alternativa (d) correta: Número de casos
novos de uma determinada doença durante
um período definido, numa população sob o
risco de desenvolver a doença. O calculo da
incidência é a forma mais comum de medir e
comparar a frequência das doenças em
populações;

Ex.: 2: Num hospital, o enfermeiro, ao analisar a


frequência de ocorrência de novos acidentes de
trabalho em um ano, está considerando uma
média epidemiológica de.
a. Prevalência;
b. Correta: incidência; Figura 4: Seguimento de uma população de 2 indivíduos para
c. Razão; expressar pessoas sob risco de adoecimento.
d. Risco;
e. Padronização. Caso se deseje saber a incidência da doença nos
5 anos em questão, basta usar a fórmula F1, uma
Ex.: 3: Define-se como incidência de um vez que, nesse caso, todos os 12 indivíduos são
transtorno em epidemiologia: potenciais para o desenvolvimento da doença.
a. O número total de casos de um transtorno na Então, a incidência desse desfecho, em 5 anos de
população em determinado período; estudo foi de 33%.
b. O numero de casos por área assistidos; Taxa de incidência (i) = 4/14 = 0,33 x 100 = 33%.
c. Correta: O número dos casos novos de um
transtorno em determinada população; Ex.: 1: usando a figura 4, calcule a taxa de
d. A relação entre os óbitos provocados por um incidência no 2º ano de observação.
transtorno e a renda média da população; Taxa de incidência (i)= 1/11 = 0,090 x 100 = 9%.
e. A relação entre o número de casos novos e o
número total de casos de uma doença. Ex.: 2: usando a figura 4, calcule a taxa de
incidência no 5º ano de observação.
Além do termo Taxa de incidência, que se refere Taxa de incidência (I)= 1/9 = 0,11 x 100 = 11%.
à ocorrência em função do tempo, alguns autores
usam o termo Coeficiente de incidência que é Note que, em ambos os exemplos, o denominador
uma medida que expressa a probabilidade de é diferente, pois nas duas ocasiões o grupo sob
ocorrência da doença. Sendo assim o risco era distinto.
denominador dessa divisão deve trazer todos os No exemplo 1, existe um caso novo da doença, o
indivíduos que estão sob risco de desenvolver a indivíduo número 2. O grupo que estava exposto
doença. O numerador dessa fração trará as não era mais de 12 pessoas e sim de 11, uma vez
pessoas acometidas, ou seja, os novos doentes. que o individuo número 6 havia ficado doente no
No denominador, contudo, pode ter 2 tipos de ano anterior e, como a imunidade é permanente,
situações: ele não poderia ficar doente novamente. Da
1. Pessoa sob risco (F1): É usado quando todos mesma forma ocorreu o exemplo 2, agora no
os indivíduos do grupo representado pelo denominador, existem apenas 9 indivíduos, pois 3
denominador foram acompanhados por todo o deles ficaram doentes entre os anos 1 a 4 de
período. acompanhamento.
Ex.: 4: Numa determinada região foram notificada
150 casos de leishmaniose num ano. A população
da área contava no mesmo período com 100.000
habitantes. Podemos afirmar que o coeficiente de
incidência da doença foi:
a. 15/1000 habitantes;
b. 1,5/1000 habitantes;
c. Correta: 150/1000 habitantes;
d. 25/1000 habitantes;
e. 50/1000 habitantes.

2. Pessoas-tempo (F2): quando nem todos os


Figura 5: Seguimento de uma população de 12 indivíduos para
indivíduos do denominador foram expressar pessoas-ano de observação.
acompanhados durante o período
especificado, por várias razões, incluindo A 1ª questão que deve surgir é: como se calcula
perdas no acompanhamento ou morte devido pessoa-tempo de observação? Basta observar
a outras causas que as do estudo, pode ser pessoa por pessoa quanto ao tempo de
calculada a taxa de incidência, que também é observação. Por exemplo, o individuo 1 da figura
chamada densidade de incidência, onde o 5 foi observado por todo o tempo de estudo, ou
denominador consiste na soma das unidade seja 5 anos, contribuindo assim com 5 pessoas-
de tempo em que o individuo está sob risco e anos de observação para o total de pessoas-ano
foi observado. do estudo. Veja agora o individuo 5 (perda): ele
foi observado apenas 2,5 anos, contribuindo com
2,5 pessoas-ano de observação. A seguir, o
calculo mostrando quanto cada indivíduo
contribuiu para o tempo total de observação do
estudo:
A incidência calculada usando o período de
tempo em que todos os indivíduos na população
são considerados sob risco para o desfecho é
também chamado de incidência cumulativa.

Ex.: 1: A epidemiologia usa como medida de


frequência de doenças os dados de incidência
acumulada que é definida como:
a. Correta: Número de casos novos durante um
Uma questão importante quando se trata de
período de tempo;
pessoas-tempo são os indivíduos que
b. Número de casos da doença numa população
apresentarem o desfecho. Se não ter reposição e
num determinado local e em determinado
a doença em questão levar a imunidade
período de tempo;
permanente, eles serão observados somente até o
c. Proporção de doença acumulada que tem
aparecimento do desfecho. O individuo 6 da
como consequência o óbito em um
figura 5, por exemplo, apresentou o desfecho com
determinado período histórico;
1,5 anos de observação, contribuindo com 1,5
d. Tempo de duração de uma determinada
doença crônica que se acumula ao longo do pessoa-ano de observação para o total.
tempo; Então , para saber qual é a incidência da doença
por pessoa-tempo de observação, basta usar a
e. Proporções de casos novos de doenças
formula F2, nesse caso, os 12 indivíduos não são
agudas que e recrudescem segundo a
potenciais para o desenvolvimento da doença,
sazonalidade.
pois alguns deles deixaram de ser observados e
outros não o foram no inicio do seguimento. Os
É usado quando todas as pessoas são
observadas pelo período completo, ideal para indivíduos que apresentaram o desfecho, na figura
estudos de coorte e ensaio clínicos (indivíduos 5, foram 4, e o total de pessoas-tempo observado
é de 41 pessoa-ano. Tem-se, então, uma
entram e saem do estudo a qualquer momento).
incidência de 9,75/100 pessoas-ano.
Toma se a figura abaixo como exemplo desse
procedimento.  Taxa de incidência (i) = 4/41 = 0,097 x 100 =
9,75/100 pessoa-ano.
Usando esse procedimento, pode-se calcular  Ex.: 2: Foi estudado um surto alimentar de
incidência por período, assim como realizado no salmonela entérica sorotipo Enteritidis nu
exemplo, quando o denominador era feito com restaurante da cidade de São Paulo-SP. O
pessoas sob risco. período de tempo de exposição foi de 2 dias, e
foram identificados 15 doentes entre os 19
 Ex.: 1: Usando a figura 5, calcule a taxa de expostos no 1º dia (taxa de ataque de 78,9%)
incidência até o 3º ano de observação. e 9 doentes dos 10 expostos no 2 dia (taxa de
 Taxa de incidência (i) = 2/27,5 = 0,07x100 = ataque 90%), sendo a taxa de ataque global
7,27/100 pessoas-ano. de 82,8% (24 doentes/29 expostos=0,82). Em
ambos os caso, fala-se em taxa de ataque e
 Ex.: 2: Usando a figura 5, calcule a taxa de não em incidência, embora existam diferenças
incidência até o 4º ano de observação. obvias entre os tempos de cada investigação;
 Taxa de incidência (i) = 3/36 = 0,083 x 100 = um estudo trata de meses, e o outro, de dias
8,33/100 pessoas-ano. de observação.

Observe que o denominador também é diferente PREVALÊNCIA


para os casos( 3 e 4). Essa diferença refere-se, ao É uma medida de frequência que revela quantos
tempo. No exemplo 3, pede-se a incidência até o indivíduos estão doentes (ou apresentam
3º ano, no qual existem 2 casos novos da doença desfecho). Pode ser definida como o número de
(indivíduos 6 e 10). Se não tivesse ocorrido pessoas afetadas na população em determinado
nenhuma perda inicio tardio de seguimento ou momento, dividido pelo número de pessoas na
presença do desfecho, seria 36 pessoas-ano de população naquele momento F3.
observação. Contudo, o total de pessoas-tempo
observado foi de 27,5 pessoas-ano (duas perdas, Ex.: 1: Marque a alternativa CORRETA que indica
individuo 5 e 12, e 1 caso de doença, individuo 6). o significado e conceitos epidemiológico:
O mesmo raciocínio pode ser seguido no exemplo a. Incidência de casos notificados prováveis;
4: entretanto, trata-se do 4º ano de observação, e b. Correta: Casos existentes das doenças na
existem 3 casos novos da doença e 36 pessoas- população;
ano de observação. c. Relação entre o número de eventos reais e os
Quando se calculam coeficientes de incidência que poderiam acontecer;
para a população de um município, por exemplo, d. Comportamento das doenças ou dos agravos
em geral se admite que todos os indivíduos à saúde nua população;
estiveram expostos igualmente por todo o período e. Número de casos novos de uma morbidade.
de tempo, o eu pode não corresponder à verdade. Resp.:
A saúde seria o uso de pessoas-tempo no  Alternativa (a) incorreta: Lembre-se que a
denominador, e não de pessoas sob risco. incidência se refere a casos novos de uma
determinada doença;
Taxa de ataque  Alternativa (b) correta: A prevalência
Algumas vezes o tempo pode ser especificado representa os casos existentes de
implícita ao invés de explicitamente. Um exemplo determinada doença;
seria um surto de doença por ingestão de  Alternativa (c) incorreta: Representa o
alimentos. Nesse caso, em vez de incidência, fala- conceito de coeficiente/taxa. É a única
se em taxa de ataque, que pode ser definida como medida que informa o risco da ocorrência de
um número de pessoas expostas (ao alimento um evento.
suspeito, por exemplo) e que adoeceram, dividido  Ex.: número de ób itos por dengue em Salvador, em
relação às pessoas que residiam nessa cidade, em
pelo numero de indivíduos expostos ao alimento. cada ano.
A taxa de ataque não especifica explicitamente o  Alternativa (d) incorreta: Representa o
intervalo de tempo, pois em muitos surtos ela conceito de morbidade é uma variável
pode ser de horas ou dias após a exposição. Por características das comunidades de seres
consequência, casos que vierem a ocorrer meses vivos e refere-se ao conjunto dos indivíduos
depois dificilmente serão considerados parte do que adquiram doenças nu dado intervalo de
mesmo surto. tempo;
 Ex.: 1: Foi avaliado um surto por Klebsiella  Alternativa (e) incorreta: Casos nos se
pneumoniae produtora de betalactamase de referem à incidência.
espectro estendido no berçário de um hospital
universitário na cidade de São Paulo-SP e
verificaram 9 pacientes doentes em 318
internações ocorridas em 3 meses de
observação, sendo a taxa de ataque muito
próxima a 3% (9/318=0,028).
Ex: 2: A proporção de uma determinada doença Pela figura abaixo, exemplificamos a
numa população refere-se à(ao): representação de uma população hipotética de
a. Correta: Prevalência; são Paulo, onde se deseja saber qual é a
b. Incidência; prevalência da doença em janeiro de 2010.
c. Risco relativo; Supondo que aí esteja o retrato da população,
d. Periodicidades; sabe-se que existem 6 indivíduos doentes (6, 9,
e. Valor preditivo positivo. 13, 14, 22 e 29) para uma população de 35
Resp.: A prevalência de uma doença depende da indivíduos.
incidência da mesma (quanto maior for a
ocorrência de casos novos, maior será o número
de casos existentes), como também da duração
da doença. A relação entre incidência e
prevalência segue a seguinte formula.
 Prevalência = incidência x duração média da
doença.

Ex.: 3: A epidemiologia tem contribuído de forma


consistente para a obtenção de respostas as
perguntas e indagações relacionadas a vários
Figura 6: população de 35 indivíduos para estudar a prevalência
problemas de saúde, como exemplo, as doenças de doença em janeiro de 2010.
cardíacas, as neoplasias, a tuberculose, o
diabetes e os traumas. Quantificar ou medir a  Prevalência (P) = 6/35 = 0,17 x 100 = 17%.
frequência com que os problemas de saúde A prevalência pontual da doença no ano de 2010
ocorram em populações humanas é um dos em São Paulo é de 17%.
objetivos da epidemiologia. Sendo que expressa o
número de casos existentes de uma doença num
dado momento é a:
a. Incidência;
b. Correta: prevalência;
c. Sobrevida;
d. Taxa de mortalidade;
e. Consistência.

Os casos existente são aqueles que indivíduos


que adoeceram em algum momento do passado
mais ou menos remoto, como os casos antigos e Figura 7: população de 35 indivíduos para estudar a prevalência
novos e que estão vivos quando se realiza uma da doença em janeiro de 2011.
observação. Deste modo, os que vierem a falecer
no período de observação não devem ser Queremos conhecer a prevalência da doença no
considerados cômputos da prevalência. mesmo mês do ano seguinte ao exemplo anterior.
Coeficiente de prevalência: Existem, nesse caso, 11 pessoas doentes (4, 6,
10, 12, 13, 14, 16, 19, 22, 23, e 29) para
população total de 35 indivíduos. O calculo de
prevalência resulta em 31,4% de doentes
existentes na hipotética São Paulo, em janeiro de
O termo prevalência pode ser usado para designar 2011.
prevalência pontual ou prevalência no período.  Prevalência (P) = 11/35 = 0,314 x 100 =
Quando não está especificado, faz-se referencia à 31,4%.
prevalência pontual, que se refere à frequência
de uma doença ou problema de saúde num Repare que, existe a possibilidade do calculo de
instante (ponto) do tempo. Prevalência por incidência, pois aparecem os mesmos indivíduos 1
período refere-se a um intervalo de tempo, que ano depois da medida da 1 prevalência, contudo
pode ser arbitrariamente selecionado, tal como 1 não é esse fato que merece observação, e sim o
mês, 1 ano, ou um período de 5 anos. Algumas aumento da prevalência de um ano para outro. Em
pessoas podem desenvolver a doença nesse janeiro de 2010, a prevalência da doença foi de
período, outras podem apresenta-la ante e morrer 17% e, em janeiro de 2011, de 31,4%. Pensando
ou ficar curadas durante esse período. O epidemiologicamente, o que pode ter ocorrido
importante é que cada individuo representado pelo para observar essa elevação da taxa de
numerado teve a doença em algum momento prevalência?.
durante o período especificado.
Deste modo, uma doença aguda de curta duração,
PREVALÊNCIA E INCIDÊNCIA em geral, é avaliada pela incidência. Durante uma
A prevalência de uma doença pode ser uma epidemia de dengue, por exemplo, os casos novos
função de sua incidência. Quanto maior a representam a incidência, mas após o período
incidência maior será a prevalência, epidêmico a incidência tende a cair, coo mostrado
dependendo da duração da doença, assim como no cenário da figura 8. Se a avaliação da
de curas, obtidos e perdas de acompanhamentos. prevalência for feita após a epidemia, poderá não
Deste modo, a prevalência é o resultado final, refletir a real dimensão da doença.
para um período de tempo, da soma das entradas
(casos novos), menos as somas das saídas Ex.: 2: Sem levar em conta a idade das pessoas
(curas, mortes e perdas de acompanhamento). acometidas (ou em risco), seguem abaixo alguns
Tanto a prevalência quanto a incidência são fatores que determinam redução da taxa de
parecidas, pois tratam de uma divisão entre prevalência EXCETO:
doentes pela população. A prevalência informa a. Severidade da doença;
sobre a situação da doença num instante ou b. Imigração de pessoas sadias;
intervalo de tempo, mas não estima o risco de c. Emigração de pessoas sadias;
adoecimento, pois os casos novos e existentes d. Aumento da taxa de cura da doença;
são considerados um conjunto. A incidência e. Correta: Imigração de caso.
informa sobre a dinâmica de entrada de novos Resp.: Prevalência mede quantas pessoas estão
casos permitindo estimar o risco de adoecimento doentes num determinado período e em
de uma população exposta. A prevalência é uma determinado local.
informação fundamental para administração e
planejamento em saúde, uma vez que
atendimentos, medicamentos e pessoas são
calculadas levando em conta essa medida de  Alternativa (a) incorreta: Doenças mais
frequência.
severas provocaram mais óbitos, diminuindo a
A figura abaixo, existe uma representação da
prevalência;
influencia da incidência sobre a prevalência, em  Alternativa (b) incorreta: Imigração significa
que o tanque representa uma população ou
entrada de pessoas no local. No entanto, se as
comunidade. No cenário 1 se observa uma
pessoas estão sadias (sem a doença) irá
situação em que existe a entrada de alguns casos
diminuir a prevalência, á medida que aumenta
novos, porém a saúde de casos existentes é
o denominador (total da população);
elevada, logo não existem muitos casos da
 Alternativa (c) incorreta: Emigração significa
doença na população. O cenário 2, em que existe
saída de pessoas do local, saindo casos da
entrada de casos novos da doença e a saída de
doença, a taxa de prevalência diminui;
casos existentes está mais restrita, assim os  Alternativa (d) incorreta: Aumentando a taxa
casos prevalentes são consideravelmente
de cura da doença a prevalência irá diminuir;
importantes.  Alternativa (e) correta: A entrada de pessoas
com a doença na localidade irá provocar
aumento da taxa de prevalência.

Figura 8: Situações para verificação da relação entre prevalência


e incidência: (A) entrada de casos novos (incidência); (B) casos
existentes (prevalência) e (C) saída de casos (morte, cura ou
perda de acompanhamento numa coorte).

Prevalência e incidência obedecem a uma


relação regulada pelo tempo de duração da
doença, assim expressa:
Prevalência (P) = incidência (i) x duração da
doença.
MORTALIDADES E OUTROS INDICADORES Com os avanços no controle de saúde e de seus
Com a preocupação de medir o padrão de vida determinantes sociais, passou-se a analisar dados
das coletividades humanas, a ONU recomendou a de morbidade, incapacidade, acesso a serviços,
adoção do termo nível de vida, para expressar as qualidade de atenção, condições de vida e fatores
condições atuais de vida de uma população, e o ambientais, entre outros.
termo padrão de vida, para referir-se às A análises de indicadores demográficos e de
aspirações futuras. Diante da impossibilidade do morbimortalidade tem o objetivo de elaborar o
uso de um indicador global para medir o nível de chamados diagnósticos de saúde da
vida das populações, foram propostas alguns comunidade. Mais recentemente, a OPAS de
componentes (saúde, condições demográficas, saúde tem buscado retomar essa prática,
alimentação e nutrição, condições de trabalho, incentivando o uso mais amplo da epidemiologia
situação de habitação, situação econômica, por meio do acompanhamento e da análise
recreação, segurança, liberdade, entre outros). sistemática da evolução de indicadores
Na área de saúde, indicadores de saúde são demográficos, sociais, econômicos e de saúde,
parâmetros usados internacionalmente com a fim para melhor compreensão dos determinantes das
de avaliar, do ponto de vista sanitário, a higidez de condições de saúde da população.
agregados humanos, bem como fornecer A organização dos dados na forma de
subsídios aos planejamentos de saúde, permitindo indicadores de saúde facilita a quantificação e a
o acompanhamento das flutuações e tendências avaliação das informações produzidas com tal
históricas do padrão sanitário de diferentes finalidade. Portanto, em termos gerais, os
coletividade consideradas, à mesma época ou da indicadores são medidas-síntese que contem
mesma coletividade em vários períodos de tempo. informação relevante sobre determinados atributos
diante das varias dificuldades para mensurar a e dimensões do estado de saúde, bem como do
saúde da população, o que se faz é quantificar e desempenho do sistema de saúde. Em geral
descrever a ocorrência de determinados agravos à números absolutos de casos de doença ou morte
saúde, doenças ou morte. Nesse caso, olha-se, não são usados para avaliar o nível de saúde,
então, a ausência de saúde, ou como pois não levam em conta o tamanho da
habitualmente é dito, a saúde pelo seu lado população. Assim, os indicadores de saúde são
negativo. Assim, por exemplo, um local cuja construídos por meio de frequência relativas, em
população apresente baixa frequência de doenças forma de coeficientes ou taxas, porções, índices e
e mortalidade por vários tipos de causas será razões, abordadas a seguir.
tachado de saudável, bem como outro com alta
frequência de doenças e mortalidade elevada
poderá não ser considerado tão saudável assim.
Outra questão importante é o fato de que os
dados epidemiológicos só se tornaram informação
a para tomadas de decisão por meio dos
indicadores de saúde. Esses dados provêm, na
maioria das vezes, de fontes secundarias, os
sistemas de informação em saúde (por exemplo,
SINAN: sistema de informação de agravos de
notificação. SIM: sistema de informações sobre
nascidos vivos). Então, a validade dos dados
registrados nesses sistemas de informações. Após
os cuidados quanto a qualidade e cobertura dos
dados de saúde, é preciso transformar esses
dados em indicadores que possam servir para
comparar o que foi conservado em determinado
local com o que foi observado em outros locais, ou
ainda com o observado no mesmo local em
diferentes tempos.
No Brasil, a rede interagencial de informações
pra a saúde (RIPSA) coloca que a
disponibilidade de informações apoiadas em
dados validos e confiáveis é condição essencial
para a análise objetiva da situação sanitária,
assim como para a tomada de decisões baseadas
em evidencias e para a programação de ações de
saúde. Inicialmente, as medidas do estado de
saúde da população decorriam do registro
sistemático de dados de mortalidade e de
sobrevivência.
Construção de indicadores Ex.: 1: A taxa de mortalidade geral (ou coeficiente
A forma mais simples de expressar um dado é o de mortalidade geral) é calculado da seguinte
número absoluto. Contudo, esse tipo de forma:
expressão apresenta uma limitação importante,
não sendo possível conhecer, por exemplo, a
dimensão que ela representa. Sobre esse indicador de saúde, assinale a
Exemplo, no ano de 2010, foram confirmados 35 alternativa CORRETA.
casos de hepatite B em Araçatuba e 262 em São a. Principal vantagem de saúde da taxa de
José do Rio Preto. O que esses números mortalidade é o fato de avaliar o risco de
representam dependerá da relação com o morrer conforme sexo, idade, raça, classe
tamanho da população local, assim e possível que social, entre outros fatores;
os 35 casos ocorridos em Araçatuba sejam, do b. É útil para comparar a qualidade de vida entre
ponto de vista epidemiológico, mais significativos diferentes países;
do que os 262 casos ocorridos em São José do c. É importante para medir a violência em
Rio Preto. diferentes regiões;
d. Correta: É um indicar que mede o número de
Coeficientes ou taxas óbitos numa população num determinado
são relações (quociente) entre 2 valores período;
numéricos, que expressam a velocidade ou a
intensidade com que um fenômeno qualquer varia,
por unidade de uma 2ª variável. A medida é Índices (proporções e razões)
comumente usada para se estimar o risco de Índice, do ponto de vista teórico, é geralmente
ocorrência de uma problema de saúde, como uma medida multidimensional, ou seja, construída
adoecimento ou mesmo a morte, em relação a pela relação entre vários atributos. Podem se
determinada população suscetível, por unidade de tratar como índice as relações entre os eventos;
tempo. no numerador, tem-se o numero de casos
Um coeficiente de mortalidade: por exemplo, é ocorridos do evento considerado, e, no
a razão entre o número de óbitos e a quantidade denominador, pode ter as seguintes
de indivíduos expostos ao risco de morrer. Seria possibilidades:
parecidos ao calculo de incidência ou prevalência, 1. Os casos incluídos no numerador estão
mas com o desfecho morte ao em vez de doença também inseridos no denominador: obtém-se,
(expressão de probabilidade). assim, a distribuição proporcional de casos, ou
Os coeficientes (ou taxas) representam o risco de seja, é uma proporção. Exemplo: índice de
determinado evento ocorrer na população (que mortalidade proporcional;
pode ser a população do país, estado, município, 2. Os casos incluídos no numerador não estão
população de nascidos vivos, de mulheres etc.), inseridos no denominador: compara-se a
realizaremos o coeficiente de mortalidade por frequência de um evento com a frequência de
AIDS para o Brasil e suas regiões (F1). Esse outro, ou seja, é uma razão. Exemplo: índice
indicador será chamado de coeficiente de ou razão de masculinidade.
mortalidade por causa especifica; AIDS neste Uma proporção é a relação, ou o quociente, entre
caso. duas frequências absolutas de eventos que
constituem subconjuntos daquelas registradas no
denominador. No caso da mortalidade
proporcional, divide-se o número de óbitos de
uma determinada causa, ou de pessoas de uma
O numero de mortes por AIDS em 2009 foi determinada faixa etária, pelo numero total de
dividido pelo tamanho da população do Brasil e de óbitos. Em linhas gerais, as proporções
cada região, respectivamente (o coeficiente está representam a fatia da pizza do total de casos ou
na base 105, ou seja, o produto dessa divisão foi mortes, indicando a importância desses casos ou
mortes no conjunto total.
multiplicado por 100.000 habitantes). Agora existe
uma dimensão bem definida para as mortes, pois
estão relacionadas à população geral do país e de
cada região.
indicadores de saúde usados pela OMS  Coeficiente de mortalidade por causas: O
Para a OMS, os indicadores de saúde são coeficiente de mortalidade pode expressar a
subdivididos em 3 grupos: distribuição de óbitos de uma população
1. Os que tentam traduzir a saúde ou sua falta segundo alguns parâmetros: causa do óbito
em grupo populacional. Exemplo: razão de (F5), sexo (F6), idade (F7), local do óbito,
mortalidade proporcional, coeficiente geral de entre outros. Ao calcular as taxas de
mortalidade, esperança de vida ao nascer, mortalidade por idade, podemos identificar em
coeficiente de mortalidade infantil (CMI) e qual grupo etário é maior a mortalidade e, a
coeficiente de mortalidade por doenças partir dessa informação, investigar as causas
transmissíveis; de óbitos em cada grupo. O coeficiente de
2. Aqueles que se referem As condições do meio mortalidade por causas pode ser calculado
e que tem influencia sobre a saúde. Exemplo: pela razão ente o numero de óbitos por
saneamento básico; determinada causa(numerador) e a população
3. Os que procuram medir os recursos materiais exposta ao risco de morrer por aquela causa
e humanos relacionados às atividades de (denominador), multiplicada pela base
saúde. Exemplo: numero de UBS, profissionais referencial da população, normalmente,
de saúde, leitos hospitalares e consultas em 100.000 (F5).
elação a determinada população. Coeficiente de mortalidade por causa:

Indicadores de mortalidade
As estatísticas de mortalidade permitem inferir as
condições de saúde de uma população, uma vez
que permitem identificar grupos mais afetados por
determinados agravos à saúde. Diante dessa
informação, é possível reconhecer os problemas Coeficiente de mortalidade por sexo:
prioritários da população e alocar recursos para
ações e intervenções nesses problemas.
Permitem, ainda, avaliar a eficácia dessas ações e
intervenções. Quando o foco de interesse envolve
todos os indivíduos da população exposta ao
risco de morrer, fala-se em coeficiente de Coeficiente de mortalidade por idade:
mortalidade geral. A avaliação da mortalidade
por categorias (idade, sexo, agravo) refere-se aos
coeficientes de mortalidade específicos. Existem
indicadores de mortalidade que não dizem
respeito a coeficiente ou taxa e que também são Esse coeficiente fornece informações que
importante, além de bem usados: mortalidade permitem conhecer o perfil de saúde da
proporcional por idade e proporção de mortalidade população. Quando uma região apresenta alta
acima dos 50 anos de idade são alguns dos que taxa de óbito por doenças infecciosas e
serão apresentado. parasitárias, pode-se esperar que seja
 Coeficiente de mortalidade geral (CMG): É economicamente pouco desenvolvida, com
muito útil para a avaliação do estado sanitário saneamento precário, como países em
de terminadas áreas. Associado a outros desenvolvimento. Da mesma forma, se a taxa de
coeficientes e índices, permite avaliar óbito por doenças crônico-degenerativas é altas
comparativamente o nível de saúde dessas em determinada localidade, pode-se esperar que
localidades. Operacionalmente, refere-se ao se trate de região com importante parcela da
numero de óbito totais num dado período população composta por idosos, o que acontece
dividido pelo tamanho da população no mesmo em regiões economicamente mais desenvolvidas,
período. Essa razão geralmente é multiplicada como se observa no desenvolvidos. Apresentam-
por 100.000 F4). se, a seguir, os coeficientes de mortalidade
segundo as principais causas para o Brasil em
2009.
Coeficiente de mortalidade infantil (CMI)  Coeficiente de mortalidade pós-neonatal
É um dos indicadores de saúde mais usados para (CMPN)
medir o nível de saúde e de desenvolvimento
social de uma região. É calculado dividindo o
número de óbitos em menores de 1 ano de idade
pelo de nascidos vivos no mesmo período,  ou de mortalidade infantil tardia (CMIT:
multiplicando o resultado por 1000 (F8). F12).

Ex.: 1: CMI é comumente usado como um CMPN ou CMIT:


indicador do nível de saúde de uma comunidade
sobre esse indicador, assinale a alternativa
CORRETA:
a. Mede o número de óbitos durante o primeiro
ano de vida pelo numero de nascidos vivos no A figura abaixo apresenta os períodos entre o
mesmo ano; final da gestação até o individuo completar 1 ano
b. Esse índice diminuiu em todas as regiões do de vida. Esses períodos são geralmente usados
mundo, mas persistem ainda grandes na construção desses indicadores de mortalidade.
diferenças dentro dos países e entre eles;
c. Correto: Seu uso está diretamente
relacionado ao perfil de renda da população,
ou seja, quanto maior o CM de um país, maior
Figura 9: períodos importantes para a mortalidade infantil.
a renda dele;
d. O uso desse coeficiente como medida do
O CMN, também chamado de CMI precoce, e
estado geral de saúde de uma comunidade é
definido como o número de óbitos de menores de
baseado no pressuposto de que ele é
27 dias sobre o total de nascidos vivos no mesmo
particularmente sensível a mudança
período, multiplicando o resultado por 1000. Tem,
socioeconômica e a intervenção na saúde.
a causa, baixo peso ao nascer, malformações
Ex.: 2: O CMI está relacionado ao óbito de congênitas, prematuridades, problemas no parto,
pré-natal de pouco qualidade, falha acesso das
crianças:
mães aos serviços de saúde após alta da
a. Menores de 5 anos;
maternidade, sendo algumas situações de difícil
b. Maiores de 5 anos;
controle e prevenção, o que se torna um desafio
c. De 7 a 27 dias;
para a saúde pública.
d. De 28 a 364 dias;
O CMN pode, ser subdividido em Neonatal
e. Correta: Menores de 1 ano.
precoce (F10), CMNP, e neonatal tardia (F11),
CMNT. O primeiro corresponde aos óbitos
Com o objetivo de refinar as informações
ocorridos nas 2ª, 3ª e 4ª semanas de vida e tem
obtidas, o CMI pode ser dividido em 2
suas causas já afetadas por questões ambientais,
componentes:
podendo ocorrer óbitos por infecções,
 Coeficiente de mortalidade neonatal (CMN:
principalmente respiratórias e gastrintestinais.
F9)
O CMIT é obtido dividindo-se o número de óbitos
em crianças de 28 a 364 dias de vida pelo total de
nascidos vivos no mesmo período, multiplicando
o resultado geralmente por 1000. Suas principais
Ex.: 1: numa localidade houve 1008 nascidos
causas são doenças infecciosas, diarreias,
vivos e óbitos fetais num determinado ano; 21 infecções respiratórias e desnutrição, situações
crianças morreram antes de completar um ano de que iniciativas da saúde pública e da medicina
idade, sendo 3 entre 0 e 6 dias de vida, 6 entre 7 e preventiva tem controlado de tal forma que a
27 dias de vida e 12 após o 28º dia de vida. É redução desse componente tem contribuído
CORRETO afirmar que>
sobremaneira para a redução das taxas de
a. O CMI foi de 26,16;
mortalidade infantil no Brasil.
b. O CMNP foi de 8,8;
c. Correto: O CMN foi de 8,9;
d. O CMP foi de 5,9.
Resp.:
 Alternativa (c) correta: CMN = 3+6\1008 x
1000 = 9\1008 x 1000 = 8,9.
Ex.: 1: Dois municípios vizinhos comparam seus Coeficiente de letalidade (CL)
dados de 2012. O município A apresentou CMN Também chamado coeficiente de fatalidade, mede
precoce e de CMM de 8,2 (por mil nascidos vivos) o poder de determinada doença de levar ou não o
e 70 (por 100.000 nascidos vivos), indivíduo acometido ao óbito. Permite avaliar, a
respectivamente. O município B apresentou CMN gravidade do processo. Trata-se, então, da
precoce e de CMM de 9,2 (por 1000 nascidos proporção de óbitos ocorridos entre os indivíduos
vivos) e 68, 2 (por 100.000 nascidos vivos), afetados por dado agravo à saúde. Deve-se estar
respectivamente. Em qual município morreram atento ao fato de que o CL é diferente do CM. A
mais puérperas e crianças de até 1 mês? diferença esta no denominador, que é a população
a. Município B; total no caso da mortalidade e a população
b. Município B, casos o número de nascidos acometida pela doença estudada no caso da
vivos seja maior do que no município A; letalidade. Portanto, a letalidade mostra os óbitos
c. Correta: Não há dados para se responder a entre os casos que estavam doentes da referida
questão; doença (F18), ao passo que a mortalidade trata
d. Município A; dos óbitos totais em relação á população.
e. Ambos têm coeficiente semelhantes.

Existem mais dois coeficientes infantis que devem


ser destacados: o de coeficiente de mortalidade A raiva humana, por exemplo, é uma doença de
natimortalidade (CMNa) (F13), que é referente às taxa de letalidade superior a 99%, ou seja, morre
perdas fetais que ocorrem a partir da 28ª semana quase todo individuo que apresenta diagnóstico
de gestação ou em que o concepto tem peso ao confirmado de raiva. Porem, trata-se de uma
redor de 1kg e cerca de 35cm, e o de coeficiente doença rara; logo, há pouco óbitos, e sua
mortalidade perinatal (CMP) (F14), que diz mortalidade, portanto, é baixa. O CL não é
respeito aos óbito ocorridos um pouco antes, estável, ou seja, ele apresentará resultados
durante e logo após o parto e inclui os natimortos diferentes a depender da população a ser
e as crianças nascidas vivas, mas falecidas na 1ª avaliada. O coeficiente de acidente por animais
semana de vida. peçonhentos, nesse caso, foi de 0,3 porem, se
não existir assistência médica adequada ou soro
para o individuo acidentado, têm mesmo os casos
menos graves poderão evoluir para a morte.
Assim, a letalidade depende de questões como a
É preciso uma aplicação da definição de período situação do hospedeiro, a potencialidade do
perinatal, que é prejudicada pela frequente agente etiológico em leva-lo a óbito e o
omissão do tempo de gestação na declaração de atendimento à saúde que o individuo receber.
óbito.
Ex.: 1: Define-se LETALIDADE como:
a. O número de óbitos num determinado período
numa população;
b. Correto: O número de óbitos por uma
determinada doença em relação aos que
Ex.: 1: O CMNa de um determinado ano, numa adoeceram por essa mesma doença;
determinada área, é influenciado pelo numero de: c. O número de óbitos ocorridos num período de
a. Correto: Nascidos mortos (28 semanas ou um ano;
mais de gestação); d. O número de óbitos em relação ao número de
b. Óbito totais; nascimento.
c. Perdas fetais (22 semanas ou mais de
gestação); Ex.: 2: A empresa X, em 2003, contava com
d. População da área; 10.000 empregados, naquele ano, ocorreram na
e. Óbito ligados a abortos. empresa 500 acidentes, sendo 50 fatais. O
coeficiente de letalidade por acidente de trabalho
naquele ano foi, em % de:
a. Correta: 10,0;
b. 0,5;
c. 5,0;
d. 11,1;
e. 5,5.
Ex.: 3: O índice que mede o numero de casos Coeficiente ou taxa de fertilidade, fecundidade
novos de uma doença, episódios ou eventos na e natalidade
população, dentro de um período definido de Esses termos, bem como sua materialização em
tempo e chamado: indicadores, a chamada transição demográfica,
a. Surto; que é, geralmente, acompanhada pela transição
b. Correta: Letalidade; epidemiológica. Conceitualmente, tanto fertilidade
c. Incidência; quanto fecundidade se refere à geração de filhos,
d. Prevalência. mas não são sinônimos. Existe certa confusão
Resp.: sobre os seus significados, em parte devido a
 Alternativa (a) incorreta: Aumento não diferentes interpretações desses termos a serem
esperado de certa doença num determinado traduzidos de outro idioma.
local. A fertilidade designa a capacidade das mulheres
 Alternativa (b) correta: Capacidade da em gerarem filhos. Toda mulher, teoricamente,
doença de levar a óbito. No geral, expresso apresenta essa capacidade desde a menarca até
em porcentagem; a menopausa. Contudo, o potencial de procriar
 Alternativa (c) incorreta: Casos novos de pode, na prática, não se realizar em algumas
uma doença em certo local e em determinado mulheres, em razão de infertilidade ou de controle
período; voluntários desse potencial. A real geração de
 Alternativa (d) incorreta: Casos atuais de filho, isto é, materialização do potencial de
uma doença em certo local e em determinado procriar, é a informação pratica de interesse, que
período. é dada pela medida de fecundidade.
O coeficiente de fecundidade trata da relação
Ex.: 4: Num determinado município, localizado na entre os nascimento (dos sexos) e o número de
região norte do país, com 150000 habitantes, mulheres em idade de procriar, estatisticamente:
sendo 65000 mulheres, 800 mulheres com idade mulheres entre 15 e 49 anos completos (entre a
acima de 60 anos foram internadas num hospital menarca e a menopausa). Assim, o numerador
devido à infecção respiratória. Das pacientes leva em conta os nascimentos (nascidos vivos) e o
internadas, 200 pacientes evoluíram para óbitos. denominador, o número de mulheres com
Nesta situação hipotética, o coeficiente de potencial de fecundação, e geralmente esse
letalidade por infecção respiratória em mulheres produto é multiplicado por 1000 (F19). Segundo o
com mais de 60 anos de idade, neste município, é OBGE essa medida poderia ser vista como uma
de: forma de expressar o número médio de filhos que
a. Correto: 25%; uma mulher teria ao final de sua idade reprodutiva.
b. 32,5%;
c. 12,5%;
d. 5%;
e. 4%.
Resp.: Este indicador mede a proporção de óbitos
O coeficiente de fecundidade também pode ser
que ocorrem-no total de casos de uma doença ou
especificado por idade, sendo chamado de
agravo à saúde. Ele é a medida do risco de óbito
coeficiente de fecundidade específico. Esse é o
entre os doentes. Óbitos pela causa: Para o
indicador que relaciona o número de nascidos
cálculo da questão temos: Letalidade = 200/800 x
100 = 25%. vivos referidos a uma determinada idade da mãe,
com o numero total de mulheres, na mesma idade
(F20). A partir do coeficiente de fecundidade
Ex: 5: Sabe-se que uma doença X causa a morte
especifico, é estimado o coeficiente de
de todos os acometidos e que uma doença Y não
fecundidade total, muito usado em comparações
cause uma morte sequer. Assinale a alternativa
CORRETA sobre o exposto. populacionais, obtidos pela soma dos coeficientes
a. Correta: O CL da doença X é 100%; de fecundidade específicos, por idade, com o
objetivo de eliminar a influencia da pirâmide etária
b. O CM da doença X é 100%;
no indicador.
c. É impossível calcular-se o CM da doença Y;
d. Pelos dados, é impossível calcular-se o CL;
e. O CL da doença Y depende da evolução de
cada caso.
O termo natalidade, diferentemente de A maioria da população brasileira é composta de
fecundidade, traz uma informação distinta: pessoas do sexo feminino, reflexo da mortalidade
natalidade refere-se à relação entre nascidos masculina, sobretudo nas faixas etárias de jovens
vivos e população total. A natalidade é medida por e adultos, decorrentes da alta incidência de óbitos
meio da taxa bruta de natalidade (TBN), que é por causas violentas. Apenas na regiões norte (em
definida como a relação entre o número de 1991 e 1996) e centro-oeste, a proporção de
crianças nascidas vivas durante 1 ano e a homens supera a de mulheres, por razões
população total. Usualmente, essa relação é socioeconômicas que condicionam o uso
expressa por 1000 habitantes (F21). majoritário de mão de obra masculina.

Esperança de vida
É calculado a partir de tábuas de vida elaboradas
para cada área geográfica e, no Brasil, é
TBN depende da maior ou menor intensidade com divulgado anualmente pelo IBGE. A esperança de
que as mulheres têm filhos a cada idade, do vida ao nascer, é o número médio de anos que um
número das mulheres em idade fértil como grupo de indivíduos nascidos no mesmo ano pode
proporção da população total e da distribuição esperar viver, se mantidas, desde o seu
etária relativa das mulheres dentro do período nascimento, as taxas de mortalidade observadas
reprodutivo, portanto, não é um bom indicador no ano de referencia, muito usado na avaliação
para se analisar diferenciais de níveis de das condições de saúde de uma população. por
fecundidade entre populações. não sofrer a influência da estrutura etária da
Em termos comparativos, a taxa de fecundidade população, é um bom indicador par comparações
geral fornece uma noção mais apropriada da populacionais. Sob uma óptica prática, a
geração de filhos na população do que a taxa de expectativa de vida ao nascer indica o número
natalidade. Contudo, ela também tem limitações médio de anos que um individuo tem de
na comparação de populações cujas estruturas probabilidade de viver, a partir de determinada
etárias das mulheres em idade de procriar sejam idade considerada, supondo que os coeficientes
diferente. Essa é a razão de seu desuso. Na de mortalidade permaneçam os mesmo no futuro.
prática, são muito usados os coeficientes de Trata-se de um bom indicador para analisar
fecundidade específicos por idade e, o coeficiente variações geográficas e temporais na expectativa
de fecundidade total. de vida da população. Pode contribuir para
avaliação dos níveis de vida e de saúde da
Razão de masculinidade população, subsidiar processos de planejamento,
Também chamada de razão de sexo, refere-se ao gestão e avaliação de políticas de saúde e de
número de homens para cada grupo de 100 providencia social, entre outras, relacionadas com
mulheres, na população residente em determinado o aumento da expectativa de vida ao nascer
espaço geográfico, no ano considerado (F22). Na (oferta de serviços, atualização de metas e
prática, esse indicador expressa a relação cálculos atuariais). Sabe-se que a expectativa de
quantitativa entre os sexo. Se igual a 100, o vida é maior quanto melhor a condição
número de homens e de mulheres se equivalem; socioeconômica de uma região. Porém, observa-
acima de 100, a predominância de homens, e se que, independentemente do desenvolvimento
abaixo, predominância de mulheres. Pode ser econômico, a expectativa de vida dos homens é
influenciado por sexo e idade. sempre menor do que a das mulheres, ou seja,
Esse indicador pode ser usado para subsidiar estas vivem mais, em qualquer região do mundo.
processos de planejamento, gestão e avaliação de Costuma-se atribuir essa diferença ao fato de que
politicas públicas na área de saúde e educação; os homens são normalmente mais expostos a
auxiliar na compreensão de fenômenos sociais riscos como acidentes externos, acidentes de
relacionados a essa distribuição (migrações, trabalho, alimentação mais gordurosa, tabagismo,
mercado de trabalho, organização familiar, menor cuidado com a saúde, entre outros. Pode-
morbimortalidade, segurança e emprego); bem se, então, dizer que a esperança de vida entre
como identificar necessidades de estudos de homens e mulheres teria uma tendência a
gênero sobre os fatores condicionantes das aproximar-se, já que, depois da década de 1970,
variações encontradas. as mulheres também passaram a se expor a mais
riscos; entretanto, o diferente cuidado que homens
e mulheres tem com a saúde, os diferentes
hábitos de vida, entre outros fatores, ainda
contribuem para essa importante diferença, que
no Brasil, chega a ser de quase 10 anos. Em
paises mais desenvolvidos, essa diferença está
diminuindo, mas não porque as mulheres tem
vivido menos, e porque os homens tem vivido
mais.
Anos potenciais de vida perdidos Ex.: 1: Anos potenciais de vida perdidos:
É um indicador útil na área de planejamento à a. É um indicador que tem estreita relação com
saúde, pois expressa o efeitos das mortes as neoplasias e doenças cardiovasculares;
ocorridas precocemente em relação à duração de b. É um indicador criado recentemente e que
vida esperada para uma determinada população, ainda é pouco usado em saúde pública;
permitindo comparar a importância relativa que as c. Correto: É um indicador que aumenta
diferentes causas de morte têm em determinada sincronicamente com a morte em idades mais
população. Quanto maior esse índice, pior a precoces;
situação de saúde da região ou do país avaliado. d. Cresce sempre com o aumento de outros
Um dos métodos de cálculo do número de anos indicadores de mortalidade para uma
potenciais de vida perdidos, permite relacionar a determinada enfermidade;
mortalidade de determinadas causas de morte e. É um indicador fácil de se obter, pois
(geralmente evitáveis), em determinadas idades, independe de estatísticas de mortalidade.
com a esperança de vida ao nascer, para que se
possa chegar a uma medida de anos de vida Ex.: 2: Em epidemiologia, a morbidade é estável
perdidos. Esse indicador foi usado multiplicando quando o coeficiente incidência e a duração de
por 1000 (habitantes) em estudo realizado no sul uma doença permanecem constantes com o
do Brasil. O estudo do IBGE, chamado tempo. Nesses casos, pode-se afirmar que a
indicadores sociodemográficos e de saúde no prevalência é igual.
Brasil, usa porcentagem para esse mesmo a. Correta: Ao produto da incidência da doença
indicador. pela duração da doença;
No brasil, segundo o IBGE (2009), existe uma b. Á soma das taxas de incidências anual da
diferença significativa entre os dois sexos, doença;
independentemente da área geográfica e do ano c. Aos quocientes entre o número de casos de
que se esteja considerando. Para o Brasil, como uma doença e a população;
um todo, enquanto os homens perdiam, em d. À diferença entre casos novos e antigos da
média, 15 anos de ida, por todas as causas, esse doença
valor era de 10 anos entre as mulheres, o que e. À incidência acumulada da doença menos a
representa uma diferença de 5 anos. mortalidade no ultimo ano.

Figura 10: Nº de anos de vida perdidos para homens, segundo grupo


de causas no Brasil, 1996 a 2005.

Dentre as principais causas de morte


responsáveis pelos anos de vida perdido na
população masculina brasileira, as causas
violentas foram as que mais contribuíram em
1996: 3,4 nu total de 15,03 anos; no período
considerado até 2005, observa-se uma leve
redução nesse valor, que passa a ser de 3,2 anos.
O indicador reflete os efeitos de uma leve queda
na incidência das causas violentas no país,
durante o período considerado (IBGE 2009).
VIGILANCIA EM SAÚDE  Vigilância sanitária: Conjunto de ações
No campo da saúde, a vigilancia está capazes de eliminar, diminuir ou prevenir
relacionada às práticas de atenção e promoção da riscos à saúde e de intervir nos problemas
saúde dos cidadãos e aos mecanismos adotados sanitários decorrentes do meio ambiente, da
para a prevenção de doenças. A partir daí, a produção e circulação de bens, e da prestação
vigilancia se distribui entre: epidemiológica, de serviços do interesse da saúde,
ambiental, sanitária e saúde do trabalhador. abrangendo o controle de bens de consumo,
 Objetivo: Análise permanente da situação de que direta ou indiretamente se relacionem com
saúde da população, articulando-se num a saúde, compreendidas todas as etapas e
conjunto de ações que destine a controlar processos, da produção ao consumo, e o
determinantes, riscos e danos à saúde da controle da prestação de serviços que se
população que vive em determinados relacionam direta ou indiretamente com a
territórios, garantindo a integralidade da saúde.
atenção, o que inclui a abordagem individual
como coletiva dos problemas de saúde. Ex.: 1: A vigilancia em saúde, de forma
A Vigilância em Saúde constitui-se de ações de abrangente, é composto por ações de vigilancia
promoção da saúde da população, vigilância, que promovem, por exemplo, prevenção e
proteção, prevenção e controle das doenças e controle de doenças e agravos à saúde, visando à
agravos à saúde, abrangendo: manutenção da saúde da população. Dentre as
 Vigilância epidemiológica: Vigilância e ações pertinentes à abrangência da vigilancia em
controle das doenças transmissíveis, não saúde estão: analise as afirmativas e assinale a
transmissíveis e agravos, como um conjunto alternativa CORRETA:
de ações que proporcionam o conhecimento, 1. Vigilância da situação de saúde da população;
detecção ou prevenção de qualquer mudança 2. Vigilância de populações expostas a riscos
nos fatores determinantes e condicionantes da ambientais em saúde;
saúde individual e coletiva, com a finalidade de 3. Vigilância sanitária dos riscos recorrentes da
recomendar e adotar as medidas de produção e do uso de produtos, serviços e
prevenção e controle das doenças e agravos; tecnologias de interesse à saúde;
 Promoção da saúde: Conjunto de 4. Vigilancia da saúde do trabalhador.
intervenções individuais, coletivas e Estão CORRETAS:
ambientais responsáveis pela atuação sobre a. Apenas as afirmativas 1, 2 e 3;
os determinantes sociais da saúde; b. Apenas as afirmativas 2, 3 e 4;
 Vigilância da situação de saúde: Desenvolve c. Apenas as afirmativas 1, 2 e 4;
ações de monitoramento contínuo do País, d. Correta: Todas as afirmativas.
Estado, Região, Município ou áreas de Resp.: Vigilância em saúde é um conjunto de
abrangência de equipes de atenção à saúde, ações de vigilância, promoção, prevenção e
por estudos e análises que identifiquem e controle de doenças e agravos à saúde, devendo-
expliquem problemas de saúde e o se constituir em espaço de articulação de
comportamento dos principais indicadores de conhecimentos e técnicos.
saúde, contribuindo para um planejamento de
saúde mais abrangente; Ex.: 2: Considere as afirmativas a seguir, relativas
 Vigilância em saúde ambiental: Conjunto de à vigilancia epidemiológica, ambiental e sanitária.
ações que propiciam o conhecimento e a 1. A vigilancia epidemiológica é uma técnica de
detecção de mudanças nos fatores monitoramento desenvolvida com o objetivo de
determinantes e condicionantes do meio acompanhar e analisar, sistematicamente, um
ambiente que interferem na saúde humana, conjunto de agravo, bem como seus fatores de
com a finalidade de identificar as medidas de risco, com o proposito de orientar intervenções
prevenção e controle dos fatores de risco para controle, eliminação ou erradicação;
ambientais relacionados às doenças ou a 2. A vigilância ambiental é um conjunto de ações
outros agravos à saúde; que proporcionando conhecimento e a
 Vigilância da saúde do trabalhador: Visa à detecção de qualquer mudança nos fatores
promoção da saúde e à redução da determinantes e condicionantes do meio
morbimortalidade da população trabalhadora, ambiente, estando estes relacionados ou não
por meio da integração de ações que com a saúde humana;
intervenham nos agravos e seus 3. Uma das ações da vigilancia sanitária no país
determinantes decorrentes dos modelos de é a regulação, que pode ser compreendida
desenvolvimento e processo produtivos; como o modo de intervenção do estado em
setores relacionados a produtos e serviços,
para impedir possíveis danos ou riscos à
saúde da população.
Assinale a alternativa e que as afirmativas estão  Alternativa (c) incorreta: A vigilância da
INCORRETAS: saúde do trabalhador visa à promoção da
a. Incorreta: Apenas a 2; saúde e à redução da morbimortalidade da
b. Apenas a 3; população trabalhadora, por meio da
c. Apenas a 1 e 2; integração de ações que intervenham nos
d. Apenas 1 e 3; agravos e seus determinantes decorrentes dos
e. 1, 2 e 3. modelos de desenvolvimento e processo
Resp.: Assertiva (2) incorreta: Os fatores produtivos;
determinantes e condicionantes se relacionam  Alternativa (e) incorreta: Compete às três
com a saúde humana. esferas de governo.

Ex.: 3: São consideradas ações de vigilancia em Ao articular o controle de danos, riscos e causas,
saúde: o modelo de vigilancia da saúde não sugere uma
a. Observação e análise permanente da situação integração com as vigilâncias, a assistências
de saúde da população; médicas e as politicas publicas transitórias, mais
b. Monitoramento e avaliação integrada; também aponta para uma possível superação
c. Correta: Promoção, prevenção e controle de ações programáticas e da intervenção social
doenças e agravos à saúde; organizada. A promoção da saúde, que no modelo
d. Nenhuma das alternativas. da história natural das doenças localiza-se no
Resp.: período pré-patogênico, no modelo da vigilancia
 Alternativa (a) incorreta: Observação e da saúde atravessa todos os momentos do
análise permanente da situação de saúde da processo saúde-doença, juntamente com a
população; educação em saúde e a consciência sanitária e
 Alternativa (b) incorreta: Em geral, ecológica (promoção da saúde ampliada).
representam práticas indispensáveis à gestão Na medida em que indivíduos e populações
de programas governamentais; mesmo quando doentes ou sofrendo agravos,
 Alternativa (c) correta: Promoção e preservam certos componentes biopsicossociais
prevenção são práticas normalmente sadios, a promoção da saúde, quando vinculada
encontradas na prevenção primária. O às ideias de autonomia, protagonismo e projeto de
controle das doenças e agravos faz parte da vida, pode ser pensada até mesmo numa situação
vigilancia em saúde. limite, como durante a internação numa UTI ou
diante de uma epidemia de violência.
Ex.: 4: Em relação à vigilancia à saúde pode-se A vigilância de saúde enfatiza as seguintes
AFIRMAR que: noções básicas:
a. É de responsabilidade exclusiva das unidades  Problemas de saúde; Respostas sociais;
básicas de saúde no que se refere ao controle Correspondência entre níveis de determinação
das doenças transmissíveis; e níveis e intervenção (controle de causas, de
b. É de responsabilidade do setor público, sendo risco e de danos); Práticas sanitárias
de caráter opcional para os serviços do setor (promoção, proteção e assistência);
privado; Apoia-se na ação intersetorial e procura
c. A vigilancia da saúde do trabalhador restringe- organizar as práticas de saúde no nível local com
se às ações de promoção e proteção à saúde; as seguintes características:
d. Correta: Incluem ações de vigilancia ambiental  Intervenção sobre problemas de saúde (danos,
em saúde, vigilância da saúde do trabalhador riscos e determinantes); Ênfase em problemas
e a vigilancia sanitária; que requerem atenção e acompanhamento
e. Sua legislação é de competência apenas do contínuo; Uso do conceito epidemiológico de
poder executivo federal. risco; Articulação entre ações promocionais,
Resp.: preventivas e curativas; Atuação intersetorial;
 Alternativa (a) incorreta: A responsabilidade Ações sobre o território; Intervenção sob a
do controle das doenças transmissíveis é da forma de operações.
vigilancia epidemiológica do município, A sua operacionalização tem recorrido aos
abarcando toda a rede de saúde, não só as seguintes passos:
unidades básicas;  Intervenção no âmbito populacional pautadas
 Alternativa (b) incorreta: é de no saber epidemiológico; Apropriação de
responsabilidade de todos os serviços de informações acerca do território-processo
saúde, não só do público; mediamente oficinas de territorialização; Uso
da geografia crítica e do planejamento e a
programação local de saúde;
Cabe registrar, a existência de duas outras
concepções de vigilancia da saúde difundidas no
país:
1. Como análise de situações de saúde, onde há
uma ênfase no monitoramento da situação de
saúde mediante procedimentos, análises,
cálculo, interpretação e recomendações muitas
vezes referidas como inteligência
epidemiológica;
2. Como tentativa de integração institucional
entre as áreas de vigilancia epidemiológica,
vigilancia sanitária, saúde ambiental, saúde
ocupacional e laboratório de saúde pública.
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO É obrigatória a notificação de doença, e agravos e
COMPULSÓRIA eventos de saúde pública constante nas portarias
Uma DNC é qualquer doença que a lei exija que nº 204 e 205/2016, do MS. As notificações podem
sejam comunicadas autoridades de saúde pública. ser feitas a vigilancia epidemiológicas dos distritos
Os dados permitem às autoridades monitorar a sanitários em horário comercial durante a semana
doença e permitem antever possíveis surtos. A NC e nos finais de semana e feriados e a partir de 18
consiste na comunicação da ocorrência de casos horas ao plantão da epidemiologia. Observações
individuais, agregadas de casos ou surtos, importantes:
suspeitos ou confirmados, da lista de agravos 1. A NC é obrigatória a todos os profissionais
relacionados na portaria, que deve ser feita às de saúde: médicos, enfermeiros, odontólogos,
autoridades sanitárias por profissionais de saúde médicos veterinários, biólogos, biomédicos,
ou qualquer cidadão, visando à adoção das farmacêuticos outros no exercicio da profissão,
medidas de controle pertinentes. bem como os responsáveis por organizações e
estabelecimentos públicos e particulares de
Ex.: 1: A comunicação da ocorrência de saúde e de ensino;
determinada doença ou agravo à saúde, feita à 2. A definição de casos para cada doença,
autoridade sanitária, por profissionais de saúde ou agravo e evento relacionados nos anexos a
qualquer cidadão, é conhecida como: esta portaria, obedecerão à padronização
a. Subnotificação; definida no guia de vigilancia epidemiológica
b. Vigilância epidemiológica; da SVS/MS.
c. Vigilância em saúde; Os parâmetros para inclusão de doenças e
d. Correta: Notificação. agravos na lista de NC devem obedecer aos
Resp.: Notificação é a comunicação da ocorrência critérios a seguir:
de determinada doença ou agravo à saúde, feita à  Magnitude: Aplicável a doenças de alta
autoridade sanitária por profissionais de saúde ou frequência, que afetam grandes contingentes
qualquer cidadão, para fins de adoção de medidas populacionais e se traduzem por altas taxas
de intervenção pertinentes. de incidência, prevalência, mortalidade e
anos potenciais de vida perdidos.
Ex.: 2: marque a alternativa CORRETA que indica  Potencial de disseminação: Representado
o significado do conceito abaixo: pelo elevado poder de transmissão da
 Comunicação ob rigatória à autoridade de saúde, doença, através de vetores ou outras fontes
realizada pelos médicos, profissionais de saúde ou
responsáveis pelos estab elecimentos de saúde, púb licos de infecção, colocando sob risco a saúde
privados, sob re a ocorrência de suspeita ou confirmação coletiva.
de doença, agravo ou evento de saúde púb lica, descritos
nos anexos, podendo ser imediata ou semanal. Ex.: 1:
 Critério para seleção de doenças e agravos prioritários à
a. Informação em saúde; vigilância epidemiológica que se expressa pela
b. Denúncia sanitária; transmissib ilidade da doença; possib ilidade da sua
propagação por vetores e demais fontes de infecção,
c. Registro epidemiológica;
colocando sob risco outros indivíduos ou coletividades.
d. Encaminhamento médico;
Trata-se de:
e. Correta: Notificação compulsória.
a. Magnitude.
Resp.:
b. Severidade.
 Alternativa (e) correta: comunicação
c. Vulnerabilidade.
obrigatória à autoridade de saúde, realizada
d. Transcendência.
pelos médicos, profissionais de saúde ou e. Correto: Potencial de disseminação.
responsáveis pelos estabelecimentos de
saúde públicos ou privados, sobre a ocorrência
 Transcendência: Expressa-se por
de suspeita ou confirmação de doença, agravo
características subsidiárias que conferem
ou evento de saúde pública, descritos no
relevância especial à doença ou agravo,
anexo, podendo ser imediata ou semanal.
destacando-se:
 Severidade: Medida por taxas de letalidade, de
hospitalização e de sequelas;
 Relevância social: Avaliada, sub jetivamente, pelo valor
imputado pela sociedade à ocorrência da doença, e que
se manifesta pela sensação de medo, de repulsa ou de
indignação;
 Relevância econômica: avaliada por prejuízos
decorrentes de restrições comerciais, redução da força
de trab alho, ab senteísmo escolar e lab oral, custos
assistenciais e previdenciários, entre outros.
 Vulnerabilidade: Medida pela disponib ilidade concreta
de instrumentos específicos de prevenção e controle da
doença, propiciando a atuação efetiva dos serviços de
saúde sob re indivíduos e coletividades.
Ex.: 1: Na definição de prioridades das DNC, a PORTARIA 204/16
Vigilância Epidemiológica usa os seguintes Define a Lista Nacional de Notificação
critérios: Compulsória de doenças (LNNCD), agravos e
1. Magnitude; eventos de saúde pública nos serviços de saúde
2. Eficiência; públicos e privados em todo o território nacional,
3. Transcendência; nos termos do anexo, e dá outras providências.
4. Vulnerabilidade;
5. Efetividade. CAPÍTULO 1: disposições iniciais
Está(ão) CORRETA(s) Art. 1º: Esta Portaria define a LNNCD, agravos e
a. Apenas a afirmativa 5. eventos de saúde pública nos serviços de saúde
b. Apenas as afirmativas 2 e 3. públicos e privados em todo o território nacional,
c. Apenas as afirmativas 1 e 4. nos termos do anexo.
d. Correta: Apenas as afirmativas 1, 3 e 4. Art. 2º: Para fins de NC de importância nacional,
e. Todas as afirmativas. serão considerados os seguintes conceitos:
1. Agravo: Qualquer dano à integridade física ou mental do
Ex.: 2: Com relação aos critérios para a inclusão indivíduo, provocado por circunstâncias nocivas, tais
como acidentes, intoxicações por sub stâncias químicas,
de doenças e agravos na lista de NC, analise as ab uso de drogas ou lesões decorrentes de violências
afirmativas a seguir: interpessoais, como agressões e maus tratos, e lesão
1. O potencial de disseminação é representado pelo autoprovocada;
elevado poder de transmissão da doença, através de 2. Autoridades de saúde: O MS e as secretarias de saúde
vetores ou outras fontes de infecção, colocando sob dos estados, DF e municípios, responsáveis pela
risco a saúde coletiva. vigilância em saúde em cada esfera de gestão do SUS;
2. A relevância econômica de uma doença ou agravo é 3. Doença: Enfermidade ou estado clínico, independente de
avaliada por prejuízos decorrentes de restrições
origem ou fonte, que represente ou possa representar um
comerciais, redução da força de trab alho, ab senteísm o dano significativo para os seres humanos;
escolar e lab oral, custos assistenciais e previdenciários,
4. Epizootia: Doença ou morte de animal ou de grupo de
entre outros.
animais que possa apresentar riscos à saúde púb lica;
3. A vulnerabilidade de uma doença ou agravo é medida
pela disponib ilidade concreta de instrumentos 5. Evento de saúde pública (ESP): Situação que pode
constituir potencial ameaça à saúde púb lica, como a
específicos de prevenção e controle do evento,
ocorrência de surto ou epidemia, doença ou agravo de
propiciando a atuação efetiva dos serviços de saúde
causa desconhecida, alteração no padrão clínico
sob re indivíduos e coletividades.
epidemiológico das doenças conhecidas, considerando o
Assinale: potencial de disseminação, a magnitude, a gravidade, a
a. Se somente a afirmativa 1 estiver correta. severidade, a transcendência e a vulnerab ilidade, b em
b. Se somente a afirmativa 2 estiver correta. como epizootias ou agravos decorrentes de desastres ou
c. Se somente a afirmativa 3 estiver correta. acidentes;
d. Se somente as afirmativas 1 e 2 estiverem 6. NC: Comunicação ob rigatória à autoridade de saúde,
realizada pelos médicos, profissionais de saúde ou
corretas. responsáveis pelos estab elecimentos de saúde, púb licos
e. Correta: Se todas as afirmativas estiverem ou privados, sob re a ocorrência de suspeita ou
corretas. confirmação de doença, agravo ou evento de saúde
púb lica, descritos no anexo, podendo ser imediata ou
semanal;
 Compromissos internacionais: Relativos ao  Notificação compulsória imediata (NCI): NC
cumprimento de metas continentais ou realizada em até 24 horas, a partir do conhecimento da
mundiais de controle, de eliminação ou de ocorrência de doença, agravo ou evento de saúde
erradicação de doenças, previstas em acordos púb lica, pelo meio de comunicação mais rápido
disponível;
firmados pelo governo brasileiro com
 Notificação compulsória semanal (NCS): NC
organismos internacionais. realizada em até 7 dias, a partir do conhecimento da
 O atual Regulamento Sanitário Internacional (RSI -2005) ocorrência de doença ou agravo;
estab elece que sejam notificados todos os eventos
7. Notificação compulsória negativa: Comunicação
considerados de Emergência de Saúde Pública de semanal realizada pelo responsável pelo
Importância Internacional (ESPII). estab elecimento de saúde à autoridade de saúd e,
informando que na semana epidemiológica não foi
 Ocorrência de emergências de saúde identificado nenhuma doença, agravo ou evento de
pública, epidemias e surtos: São situações saúde púb lica constante da LNC;
que impõe notificação imediata de todos os
eventos de saúde que impliquem risco de Ex.: 1: A NCS deve ser feita até ___ dias a partir
disseminação de doenças, com o objetivo de do conhecimento da doença ou agravo. Assinale a
delimitar a área de ocorrência, elucidar o alternativa que completa CORRETAMENTE
diagnóstico e deflagrar medidas de controle afirmativa anterior:
aplicáveis. Mecanismos próprios de notificação a. Seis;
devem ser instituídos, com base na b. Oito;
apresentação clínica e epidemiológica do c. Correto: Sete;
evento. d. Quatro.
8. Vigilância sentinela: Modelo de vigilância realizada a CAPÍTULO 3: Disposições finais
partir de estab elecimento de saúde estratégico para a Art. 7º: As autoridades de saúde garantirão o
vigilância de morb idade, mortalidade ou agentes
etiológicos de interesse para a saúde púb lica, com sigilo das informações pessoais integrantes da NC
participação facultativa, segundo norma técnica que estejam sob sua responsabilidade
específica estab elecida pela SVS-MS. Art. 8º: As autoridades de saúde garantirão a
divulgação atualizada dos dados públicos da NC
CAPÍTULO 2: NC para profissionais de saúde, órgãos de controle
Art. 3º: A NC é obrigatória para os médicos, social e população em geral.
outros profissionais de saúde ou responsáveis Art. 9º: A SVS/MS e as SES, do DF e dos
pelos serviços públicos e privados de saúde, que Municípios divulgarão, em endereço eletrônico
prestam assistência ao paciente, em conformidade oficial, o número de telefone, fax, endereço de
com o art. 8º da Lei nº 6259/75. email institucional ou formulário para NC.
 § 1º: A NC será realizada diante da suspeita ou Art. 10: A SVS/MS publicará normas técnicas
confirmação de doença ou agravo, de acordo complementares relativas aos fluxos, prazos,
com o estabelecido no anexo, observando-se, instrumentos, definições de casos suspeitos e
também, as normas técnicas estabelecidas confirmados, funcionamento dos sistemas de
pela SVS/MS. informação em saúde e demais diretrizes técnicas
 § 2º: A comunicação de doença, agravo ou para o cumprimento e operacionalização desta
evento de saúde pública de NC à autoridade Portaria, no prazo de até 90 dias, contados a partir
de saúde competente também será feita pelos da sua publicação.
responsáveis por estabelecimentos públicos Art. 11: A relação das doenças e agravos
ou privados educacionais, de cuidado coletivo, monitorados por meio da estratégia de vigilância
além de serviços de hemoterapia, unidades em unidades sentinelas e suas diretrizes
laboratoriais e instituições de pesquisa. constarão em ato específico do Ministro de Estado
 § 3º: A comunicação de doença, agravo ou da Saúde.
evento de saúde pública de NC pode ser feita Art. 12: A relação das epizootias e suas
à autoridade de saúde por qualquer cidadão diretrizes de notificação constarão em ato
que deles tenha conhecimento. específico do Ministro de Estado da Saúde.
Art. 4º: A NCI deve ser feita pelo profissional de
saúde ou responsável pelo serviço assistencial Ex.: 1:
que prestar o primeiro atendimento ao paciente,  A NC é a comunicação ob rigatória à autoridade de
saúde, realizada pelos médicos, profissionais de saúde
em até 24 horas desse atendimento, pelo meio ou responsáveis pelos estab elecimentos de saúde,
mais rápido disponível. púb licos ou privados, sob re a ocorrência de suspeita ou
 § único: A autoridade de saúde que receber confirmação de doença, agravo ou evento de saúde
a NCI deverá informá-la, em até 24 horas púb lica. (Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016.).
desse recebimento, às demais esferas de
gestão do SUS, o conhecimento de qualquer Sobre a periodicidade da notificação das
uma das doenças ou agravos constantes no doenças, agravos à saúde estabelecidos na
anexo. LNNCD, afirma-se corretamente que:
Art. 5º: A NC semanal será feita à SMS do local a. Algumas doenças são de notificação mensal.
de atendimento do paciente com suspeita ou b. Todas as doenças são de notificação semanal.
confirmação de doença ou agravo de NC. c. Correta: Algumas doenças são de notificação
 § único: No DF, a notificação será feita à imediata e outras de notificação semanal.
Secretaria de Saúde do DF. d. Quando se aplica, todas as notificações
Art. 6º: A NC, independente da forma como imediatas devem ser realizadas para o
realizada, também será registrada em sistema de Ministério da Saúde.
informação em saúde e seguirá o fluxo de Resp.:
compartilhamento entre as esferas de gestão do  Alternativa (c) correta: Algumas doenças
SUS estabelecido pela SVS-MS. são de notificação imediata e outras de
notificação semanal. As de notificação
imediata podem ser notificadas para o MS,
para a SES e para a SMS.
Ex.: 2: Segundo a Portaria no 204/16 MS, a NCI Ex.: 1: Considerando a lista atual das doenças e
deve ser realizada em até 24 horas do primeiro agravos de NC, é CORRETO afirmar que firmado
atendimento, pelo meio mais rápido disponível. o diagnóstico de toxoplasmose gestacional:
Incluem-se nesse procedimento: a. Não há necessidade de notificação;
a. Correta: A influenza humana produzida por b. A notificação será imediata para a SMS;
novo subtipo viral e a malária na região extra c. A notificação será imediata para a SMS e SES;
amazônica. d. Correta: A notificação é obrigatória com
b. A doença aguda pelo vírus zika e o óbito com periodicidade semanal.
suspeita de doença pelo vírus zika. Resp.: Algumas notificações são feita
c. O acidente de trabalho com exposição a semanalmente e outras em 24 horas, podem ser
material biológico e o óbito por dengue. feitas a SMS, SES e ao MS.
d. A esquistossomose e o tétano acidental.  Alternativa (d) correta: A toxoplasmose
e. O acidente de trabalho grave, fatal e em gestacional e congênita, a notificação é feita
crianças e adolescentes e o caso de dengue. semanalmente.

Doenças ou agravos: Ex.: 2: De acordo com a legislação, a NC é


obrigatória para os médios, outros profissionais de
NCS saúde ou responsáveis pelos serviços públicos e
 Acidente de trabalho com exposição a material privados de saúde, que prestam assistência a
biológico: NCS; saúde. Sabendo que cada doença (ou grupo de
 Dengue: Casos: NCS; doenças) ou agravos de saúde tem uma
 Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ): NCS; periodicidade de notificação estabelecida, as
 Esquistossomose NCS; hepatites virais, a partir do conhecimento da sua
 Febre de Chikungunya: NCS; ocorrência, são um grupo de doenças de NC:
 Hanseníase: NCS; a. Imediata;
 Hepatites virais: NCS; b. Correta: Semanal;
c. Quinzenal;
 HIV/AIDS: Infecção pelo Vírus da
d. Mensal;
Imunodeficiência Humana ou Síndrome da
Imunodeficiência Adquirida: NCS; e. Bimestral.
a. Infecção pelo HIV em gestante, parturiente ou
NCI
puérpera e Criança exposta ao risco de
transmissão vertical do HIV: NCS;  Acidente de trabalho: grave, fatal e em
crianças e adolescentes: NCI (SMS);
b. Infecção pelo Vírus da Imunodeficiência
Humana (HIV): NCS;  Acidente por animal peçonhento: NCI (SMS);
 Intoxicação Exógena (por substâncias  Acidente por animal potencialmente
químicas, incluindo agrotóxicos, gases tóxicos transmissor da raiva: NCI (SMS);
e metais pesados): NCS;  Botulismo: NCI (MS, SES, SMS);
 Leishmaniose Tegumentar Americana: NCS;  Cólera: NCI (MS, SES, SMS);
 Leishmaniose Visceral: NCS;  Coqueluche: NCI (SES, SMS);
 Leptospirose: NCS;  Dengue:
 Malária na região amazônica: NCS; a. Óbitos: NCI (MS, SES, SMS).
 Óbito: NCS:  Difteria: NCI (SES, SMS);
a. Infantil;  Doença de Chagas Aguda: NCI (SES, SMS);
b. Materno.  Doença Invasiva por "Haemophilus Influenza":
 Doenças Exantemáticas NCS: NCI (SES, SMS);
a. Sarampo;  Doença Meningocócica e outras meningites:
b. Rubéola NCI (SES, SMS);
 Sífilis NCS:  Doenças com suspeita de disseminação
a. Adquirida; intencional: NCI (MS, SES, SMS):
b. Congênita; a. Antraz pneumônico;
c. Em gestante. b. Tularemia;
 Tétano NCS: c. Varíola.
a. Acidental;  Doenças febris hemorrágicas
b. Neonatal emergentes/reemergentes: NCI (MS, SES,
 Violência doméstica e/ou outras violências SMS)
NCS; a. Arenavírus;
 Violência sexual e tentativa de suicídio NCS b. Ebola;
(SES). c. Marburg;
d. Lassa
e. Febre purpúrica Brasileira
 Doença aguda pelo vírus Zika: NCI;
a. Doença aguda pelo vírus Zika em gestante: Ex.: 2: A NC é a comunicação obrigatória à
NCI (SES, SMS); autoridade de saúde, realizada pelos profissionais
b. Óbito com suspeita de doença pelo vírus de saúde ou responsáveis pelos estabelecimentos
Zika: NCI (MS, SES, SMS); de saúde, público ou privados, sobre a ocorrência
 Evento de Saúde Pública (ESP) que se de suspeita ou confirmação de doença, agravo ou
constitua ameaça à saúde pública: NCI (SM, evento de saúde pública, podendo ser imediata ou
SES, SMS); semanal. é uma doença de NCI:
 Eventos adversos graves ou óbitos pós a. Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ);
vacinação: NCI (MS, SES, SMS); b. Doença aguda pelo vírus Zika;
 Febre Amarela: NCI (MS, SES, SMS); c. Infecção pelo HIV em gestante, parturiente ou
 Febre de Chikungunya em áreas sem puérpera e criança exposta ao risco de
transmissão: NCI (MS, SMS, SES); transmissão vertical do HIV;
a. Óbito com suspeita de Febre de d. Correta: Hantavirose;
Chikungunya: NCI (MS, SMS, SES); e. Sífilis adquirida, congênita ou em gestante.
 Febre do Nilo Ocidental e outras arboviroses Resp.: devemos nos ater ao conceitos que a
de importância em saúde pública: NCI (MS, portaria nº 204/16, traz: como, por exemplo,
SES, SMS); agravo, doença, NC, NCI etc.
 Febre Maculosa e outras Riquetisioses: NCI  Alternativa (d) correta: é uma doença de
(MS, SES, SMS); NCI.
 Febre Tifoide: NCI (SES, SMS);
Ex.: 3: De acordo com a portaria nº 204/16, são
 Hantavirose: NCI (MS, SES, SMS);
consideradas doenças de NC, EXCETO:
 Influenza humana produzida por novo subtipo
a. Acidente de trabalho com exposição a material
viral: NCI (MS, SES, SMS);
biológico;
 Malária na região extra Amazônica: NCI (MS, b. Correta: Síndrome de Gullain-Barré;
SES, SMS); c. Doença aguda pelo vírus Zika em gestante;
 Poliomielite por poliovirus selvagem: NCI (MS, d. Toxoplasmose gestacional e congênita;
SES, SMS); e. Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ).
 Peste: NCI (MS, SES, SMS); Resp.:
 Raiva humana: NCI (MS, SES, SMS);  Alternativa (b) incorreta: A única acima
 Síndrome da Rubéola Congênita: NCI (MS, citada que não está na lista é a síndrome de
SES, SMS); Gullain-Barre.
 Síndrome da Paralisia Flácida Aguda: NCI
(MS, SES, SMS); Ex.: 4: A NC deve ocorrer no caso as seguintes
 Síndrome Respiratória Aguda Grave associada doenças:
a Coronavírus NCI (MS, SES, SMS): a. Coqueluche e criptococose;
a. SARS-CoV; b. Candidíase e estrongiloidíase;
b. MERS- CoV c. Herpes simples e sífilis congênita;
 Toxoplasmose gestacional e congênita NCS; d. Botulismo e cancro mole;
 Tuberculose NCS; e. Correta: Botulismo e síndrome da rubéola
 Varicela: Caso grave internado ou óbito NCI: congênita.
(SES, SMS);

Ex.: 1: De acordo com a portaria nº 204/16,


constitui doença de NCI para o MS:
a. Febre tifóide;
b. Leishmaniose visceral;
c. Intoxicação exógena;
d. Correta: Febre maculosa.
Resp.: a portaria nº 204/16, define a LNNC de
doenças, agravos e eventos de saúde pública nos
serviços de saúde públicos e privado em todos o
brasil.
 Alternativa (d) correta: é uma DNC para o
MS e SES e SMS.
RESOLUÇÃO SS Nº 59/2004 Art. 2º: A ocorrência de AGRAVO INUSITADO,
O Secretário de Estado de Saúde, considerando independentemente de constar na lista de DNC e
que a Lei Federal 6259/75 determina como sendo de todo e qualquer surto ou epidemia, deve ser
de notificação compulsória as doenças constantes notificada imediatamente;
de relação elaborada pelo MS e atualizada Art. 3º: A definição de casos, o fluxo, a
periodicamente; considerando a publicação da periodicidade e os instrumentos usado para a
Portaria 2325/2003, do MS, atualizando a notificação estão definidos nas normas do centro
listagem de DNC para todo o território nacional; de vigilância epidemiológica (CVE/SES), em
considerando que a relação de DNC para o consonância com as da SVS-MS;
Estado de São Paulo se encontra desatualizada; Art. 4º: Os gestores municipais do SUS poderão
de acordo com o quadro epidemiológico, resolve: incluir outras doenças e agravos no elenco das
Art. 1º: Os casos suspeitos ou confirmados das DNC, em seu município, de acordo com o quadro
doenças a seguir relacionadas serão de NC no epidemiológico local, comunicando o fato ao
Estado de São Paulo: gestor estadual.
• Acidentes por Animal Peçonhento;
• Botulismo (NCI);
• Carb únculo ou "antrax" (NCI);
• Cólera (NCI);
• Coqueluche;
• Dengue;
• Difteria;
• Doença de Chagas (casos agudos);
• Doença Meningocócica;
• Meningites;
• Esquistossomose (NACC);
• Feb re Amarela (NCI);
• Feb re do Nilo Ocidental(NCI);
• Feb re Maculosa;
• Feb re Tifóide;
• Gestação com sífilis;
• Hanseníase (NACC);
• Hantavirose (NCI);
• Hepatite B e C;
• Hipertemia Maligna (NCI);
• Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) em
gestantes e crianças expostas ao risco de transmissão
vertical;
• Intoxicação por Agrotóxicos;
• Leishmaniose Tegumentar Americana;
• Leishmaniose Visceral;
• Leptospirose;
• Malária;
• Peste (NCI);
• Poliomielite / Paralisia flácida aguda (NCI);
• Raiva Humana (NCI);
• Rub éola / Síndrome da Rub éola Congênita;
• Sarampo (NCI);
• Sífilis Congênita;
• Síndrome da Im unodeficiência Adquirida (AIDS) (NACC);
• Síndrome Respiratória Aguda Grave (NCI);
• Tétano;
• Tétano neonatal (NCI);
• Tracoma (NACC);
• Tularemia (NCI);
• Tub erculose (NACC);
• Varíola (NCI);
• Agravos inusitados;
RESOLUÇÃO nº 596/2014 Art. 2º: O farmacêutico atuará com respeito à
Dispõe sobre o Código de Ética Farmacêutica vida humana, ao meio ambiente e à liberdade de
(CEF), o Código de Processo Ético (CPE) e consciência nas situações de conflito entre a
estabelece as infrações e as regras de aplicação ciência e as direitas garantias fundamentais
das sanções disciplinares. previstos na CF.
Art. 3º: A dimensão ética farmacêutica é
 O código de ética farmacêutica b rasileira rege que o determinada em todos os seus atos, sem qualquer
profissional deve atuar b uscando a saúde do
discriminação, pelo benefício ao ser humano, ao
paciente, orientando-o em todos os sentidos, e
seguindo a risca a ética de b oas práticas e meio ambiente e pela responsabilidade social.
atrib uições profissionais. Art. 4º: O farmacêutico responde individual ou
solidariamente, ainda que por omissão, pelos atos
O conselho federal de farmácia (CFF) resolve: que praticar autorizar ou delegar no exercício da
Art. 1º: Aprovar o CEF , nos termos do Anexo 1 profissão.
desta Resolução. Art. 5º: O farmacêutico deve exercer a profissão
Art. 2º: Aprovar o CPE, nos termos do Anexo 2 com honra e dignidade, devendo dispor de
desta Resolução. condições de trabalho e receber justa
Art. 3º: Estabelecer as infrações e as regras de remuneração por seu desempenho.
aplicação das sanções disciplinares, nos termos Art. 6º: O farmacêutico deve zelar pelo
do Anexo 3 desta Resolução. desempenho ético, mantendo o prestígio e o
elevado conceito de sua profissão.
Ex.: 1: Assinale a alternativa que identifica a Art. 7°: O farmacêutico deve manter atualizado
resolução do CFF, a qual dispõe sobre o CEF, o os seus conhecimentos técnicos e científicos para
CPE e estabelece as infrações e as regras de aprimorar, de forma contínua, o desempenho de
aplicação das sanções disciplinares. sua atividade profissional.
a. 600, de 25 de julho de 2014. Art. 8º: A profissão farmacêutica, em qualquer
b. 594, de 29 de novembro de 2013. circunstância, não pode ser exercida sobrepondo-
c. 599, de 24 de julho de 2014. se à promoção, prevenção e recuperação da
d. Correto: 596, de 21 de fevereiro de 2014. saúde e com fins meramente comerciais.
Art. 9º: O trabalho do farmacêutico deve ser
ANEXO 1: CEF exercido com autonomia técnica e sem a
O CFF é uma entidade fiscalizadora do exercício inadequada interferência de terceiros, tampouco
profissional e da ética farmacêutica no país. O com objetivo meramente de lucro, finalidade
CEF contém as normas que devem ser política, religiosa ou outra forma de exploração em
observadas pelos farmacêuticos e os demais desfavor da sociedade.
inscritos nos CRF no exercício do âmbito Art. 10: O farmacêutico deve cumprir as
profissional respectivo, inclusive nas atividades disposições legais e regulamentares que regem a
relativas ao ensino, à pesquisa e à administração prática profissional no país, sob pena de aplicação
de serviços de saúde, bem como quaisquer outras de sanções disciplinares e éticas regidas por este
atividades em que se use o conhecimento advindo regulamento.
do estudo da Farmácia, em prol do zelo pela
saúde. O farmacêutico é um profissional da saúde,
cumprindo-lhe executar todas as atividades
inerentes ao âmbito profissional farmacêutico, de
modo a contribuir para a salvaguarda da saúde e,
ainda, todas as ações de educação dirigidas à
coletividade na promoção da saúde.

TÍTULO 1: Exercício Profissional


CAPÍTULO 1: Princípios Fundamentais
Art. 1º: O exercício da profissão farmacêutica tem
dimensões de valores éticos e morais que são
reguladas por este Código, além de atos
regulatórios e diplomas legais vigentes, cuja
transgressão poderá resultar em sanções
disciplinares por parte do CRF, após apuração de
sua Comissão de Ética, observado o direito ao
devido processo legal, ao contraditório e à ampla
defesa, independentemente das demais
penalidades estabelecidas pela legislação em
vigor no país.
CAPÍTULO 2: Direitos 5. É considerada infração ética e disciplinar leve, com
Art. 11: É DIREITO do farmacêutico: pena de suspensão de 3 a 6 meses, participar de
qualquer tipo de experiência com fins b élicos, raciais ou
1. Exercer a sua profissão sem qualquer discriminação,
eugênicos, b em como de pesquisa não aprovada pelo
seja por motivo de religião, etnia, orientação sexual,
CEP/CONEP ou Comissão de Ética no Uso de Animais.
raça, nacionalidade, idade, condição social, opinião
política, deficiência ou de qualquer outra natureza Assinale a alternativa CORRETA:
vedada por lei; a. Correta: Somente as proposições 1, 2 e 3
2. Interagir com o profissional prescritor, quando estão corretas.
necessário, para garantir a segurança e a eficácia da
b. Somente as proposições 1, 2 e 4 estão
terapêutica, ob servada o uso racional de medicamentos;
3. Exigir dos profissionais da saúde o cumprimento da corretas.
legislação sanitária vigente, em especial quanto à c. Somente as proposições 1, 3 e 4 estão
legib ilidade da prescrição; corretas.
4. Recusar-se a exercer a profissão em instituição púb lica d. Somente as proposições 2, 4 e 5 estão
ou privada sem condições dignas de trab alho ou que
possam prejudicar o usuário, com direito a corretas.
representação às autoridades sanitárias e profissionais;
5. Opor-se a exercer a profissão ou suspender a sua Ex.: 2: De acordo com o CEF, estabelecido no Art.
atividade em instituição púb lica ou privada sem 11: O farmacêutico, durante o tempo em que
remuneração ou condições dignas de trab alho, permanecer inscrito num CRF,
ressalvadas as situações de urgência ou emergência,
devendo comunicá-las imediatamente às autoridades independentemente de estar ou não no exercício
sanitárias e profissionais; efetivo da profissão, DEVE:
6. Negar-se a realizar atos farmacêuticos que sejam a. Colocar seus serviços profissionais à
contrários aos ditames da ciência, da ética e da técnica, disposição das autoridades constituídas, se
comunicando o fato, quando for o caso, ao usuário, a
outros profissionais e ao respectivo CRF; solicitado, em caso de conflito social interno,
7. Ser fiscalizado no âmb ito profissional e sanitário, catástrofe ou epidemia, somente com
ob rigatoriamente por farmacêutico; promessas de remuneração ou vantagem
8. Exercer sua profissão com autonomia, não sendo pessoal.
ob rigado a prestar serviços que contrariem os ditames b. Correto: Comunicar às autoridades sanitárias
da legislação vigente;
9. Ser valorizado e respeitado no exercício da profissão, e profissionais, com discrição e fundamento,
independentemente da função que exerce ou cargo que fatos que caracterizem infringência a este
ocupe; Código e às normas que regulam o exercício
10. Ter acesso a todas as informações técnicas relacionadas das atividades farmacêuticas.
ao seu local de trab alho e ao pleno exercício da
profissão; a. Falar de fatos que tenha conhecimento no
11. Decidir, justificadamente, sob re o aviamento ou não de exercício da profissão, mas ser sigiloso nos de
qualquer prescrição, b em como fornecer as informações dever legal, amparados pela legislação
solicitadas pelo usuário; vigente, mesmo que exija comunicação,
12. Não ser limitado, por disposição estatutária ou regimental
de estab elecimento farmacêutico, tampouco de
denúncia ou relato a quem de direito.
instituição púb lica ou privada, na escolha dos meios b. Nenhuma das alternativas.
cientificamente reconhecidos a serem usados no
exercício da sua profissão. Ex.: 3: É DIREITO do farmacêutico segundo a
Resolução nº 596/14:
Ex.: 1: De acordo com a Resolução Nº 596/2014, a. Correta: Ter acesso a todas as informações
que dispõe sobre o CEF e sobre o CPE e técnicas relacionadas ao seu local de trabalho
estabelece as infrações e as regras de aplicação e ao pleno exercício da profissão;
das sanções disciplinares, analise as proposições b. Recusar o recebimento de mercadorias ou
abaixo: produtos sem rastreabilidade de sua origem,
1. É direito do farmacêutico, interagir com o profissional sem nota fiscal ou em desacordo com a
prescritor, quando necessário, para garantir a segurança
e a eficácia da terapêutica, além de exigir dos legislação vigente;
profissionais da saúde o cumprimento da legislação c. Guardar sigilo de fatos e informações de que
sanitária vigente, em especial, as determinações ligadas tenha conhecimento no exercício da profissão,
à legib ilidade da prescrição. excetuando-se os casos amparados pela
2. São deveres do farmacêutico: selecionar e
supervisionar, nos limites da lei, os colab oradores para
legislação vigente, cujo dever legal exija
atuarem no auxílio ao exercício de suas atividades; comunicação, denúncia ou relato a quem de
recusar o receb imento de mercadorias ou produtos sem direito;
rastreab ilidade de sua origem, sem nota fiscal ou em d. Assumir, com responsabilidade social, ética,
desacordo com a legislação vigente. sanitária, ambiental e educativa, sua função na
3. É proibido ao farmacêutico aceitar remuneração ab aixo
do estab elecido como o piso salarial oriundo de acordo, determinação de padrões desejáveis em todo
convenção coletiva ou dissídio da categoria, assim como o âmbito profissional;
declarar possuir títulos científicos ou especialização que
não possa comprovar, nos termos da lei.
4. É considerada infração ética e disciplinar grave, com
pena de 1 a 3 salários mínimos regionais, aceitar
remuneração abaixo do estab elecido como o piso salarial
oriundo de acordo, convenção coletiva ou dissídio da
categoria.
e. Respeitar o direito de decisão do usuário sobre CAPÍTULO 3: Deveres
seu tratamento, sua própria saúde e bem- Art. 12: O farmacêutico, durante o tempo em que
estar, excetuando-se aquele que, mediante permanecer inscrito num CRF,
laudo médico ou determinação judicial, for independentemente de estar ou não no exercício
considerado incapaz de discernir sobre opções efetivo da profissão, DEVE:
de tratamento ou decidir sobre sua própria 1. Comunicar ao CRF e às demais autoridades
competentes os fatos que caracterizem infringência a
saúde e bem-estar;
este Código e às normas que regulam o exercício das
Resp.: atividades farmacêuticas;
 Alternativa (a) correta: Está de acordo com 2. Dispor seus serviços profissionais às autoridades
o capítulo 2, art. 11; constituídas, ainda que sem remuneração ou qualquer
 Alternativa (b, c, d e (e)) incorretas: É outra vantagem pessoal, em caso de conflito social
interno, catástrofe ou epidemia;
DEVER do farmacêutico
3. Exercer a profissão farmacêutica respeitando os atos, as
Ex.: 4: De acordo com o CEF, assinale a opção diretrizes, as normas técnicas e a legislação vigentes;
INCORRETA: 4. Respeitar o direito de decisão do usuário sob re seu
a. O farmacêutico tem como dever colocar seus tratamento, sua própria saúde e b em -estar, excetuando-
se aquele que, mediante laudo médico ou determinação
serviços profissionais à disposição das
judicial, for considerado incapaz de discernir sob re
autoridades constituídas, se solicitado, em opções de tratamento ou decidir sob re sua própria saúde
caso de conflito social interno, catástrofe ou e b em-estar;
epidemia, devendo haver remuneração. 5. Comunicar ao CRF e às demais autoridades
b. O farmacêutico deve comunicar ao CRF, por competentes a recusa em se sub meter à prática de
atividade contrária à lei ou regulamento, b em como a
escrito, o o afastamento de suas atividades desvinculação do cargo, função ou emprego, motivado
profissionais das quais detém pela necessidade de preservar os legítimos interesses da
responsabilidade técnica, mesmo quando profissão e da saúde;
houver outro farmacêutico que, legalmente, o 6. Guardar sigilo de fatos e informações de que tenha
conhecimento no exercício da profissão, excetuando-se
substitua; os casos amparados pela legislação vigente, cujo dever
c. É proibido delegar a outros profissionais atos legal exija comunicação, denúncia ou relato a quem de
ou atribuições da profissão farmacêutica; direito;
d. Incorreta: É u dever do farmacêutico, exigir 7. Respeitar a vida, jamais cooperando com atos que
dos ideais profissionais de saúde o intencionalmente atentem contra ela ou que coloque em
risco a integridade do ser humano ou da coletividade;
cumprimento da legislação sanitária vigente, 8. Assumir, com responsab ilidade social, ética, sanitária,
em especial quanto à legibilidade da amb iental e educativa, sua função na determinação de
prescrição; padrões desejáveis em todo o âmb ito profissional;
e. É um direito do farmacêutico, recusar-se a 9. Contrib uir para a promoção, proteção e recuperação da
saúde individual e coletiva, sob retudo quando, nessa
realizar atos farmacêuticos que, embora
área, ocupar cargo ou desempenhar função púb lica;
autorizados por lei, sejam contrários aos 10. Garantir ao usuário o acesso à informação independente
ditames da ciência e da técnica, comunicando sob re as práticas terapêuticas oficialmente reconhecidas
o fato, quando for o caso, ao usuário, a outros no país, de modo a possib ilitar a sua livre escolha;
profissionais envolvidos ou ao respectivo CRF. 11. Selecionar e supervisionar, nos lim ites da lei, os
colab oradores para atuarem no auxílio ao exercício das
Resp.: suas atividades;
 Alternativa (a) correta: Está de acordo com 12. Denunciar às autoridades competentes quaisquer formas
o capítulo 3, art. 12; de agressão ao meio amb iente e riscos inerentes ao
 Alternativa (b) correta: Está de acordo com trab alho, que sejam prejudiciais à saúde e à vida;
13. Comunicar ao CRF, em 5 DIAS, o encerramento de seu
o capitulo 2, art. 13;
vínculo profissional de qualquer natureza,
 Alternativa (c) correta: Está de acordo com independentemente de retenção de documentos pelo
o capítulo 4, art. 14; empregador;
 Alternativa (d) incorreta: É um direito do 14. Recusar o receb imento de mercadorias ou produtos sem
farmacêutico; rastreab ilidade de sua origem, sem nota fiscal ou em
desacordo com a legislação vigente;
 Alternativa (e) correta: Está de acordo com
15. Basear suas relações com os demais profissionais,
o capítulo 2, artigo 11. farmacêuticos ou não, na urb anidade, no respeito mútuo,
na lib erdade e na independência de cada um;
16. Respeitar as normas éticas nacionais vigentes, b em
como proteger a vulnerab ilidade dos envolvidos, ao
participar de pesquisas envolvendo seres humanos ou
animais.
Ex.: 1: O CEF é estabelecido pela Resolução do Art. 13: O farmacêutico deve comunicar
CFF, nº 596/14. Sobre o CEF, assinale a previamente ao CRF, por escrito, o afastamento
alternativa INCORRETA: temporário das atividades profissionais pelas
a. A profissão farmacêutica, em qualquer quais detém responsabilidade técnica, quando não
circunstância, não pode ser exercida houver outro farmacêutico que, legalmente, o
sobrepondo-se à promoção, prevenção e substitua.
recuperação da saúde e com fins meramente  § 1º: Na hipótese de afastamento por motivo
comerciais. de doença, acidente pessoal, óbito familiar ou
b. É um princípio fundamental que o farmacêutico por outro imprevisível, que requeira avaliação
mantenha atualizados seus conhecimentos pelo CRF, a comunicação formal e
técnicos e científicos para aprimorar, de forma documentada deverá ocorrer em 5 dias úteis
contínua, o desempenho de sua atividade após o fato.
profissional.  § 2º: Quando o afastamento ocorrer por motivo
c. Incorreta: É um dever de o farmacêutico de férias, congressos, cursos de
comunicar ao CRF, em 30 dias, o aperfeiçoamento, atividades administrativas ou
encerramento de seu vínculo profissional de outras previamente agendadas, a
qualquer natureza, independentemente de comunicação ao CRF deverá ocorrer com
retenção de documentos pelo empregador. antecedência mínima de 48 horas.
d. É um direito de o farmacêutico decidir,
justificadamente, sobre o aviamento ou não de Ex.: 1: Ainda de acordo com a Resolução nº 596
qualquer prescrição, bem como fornecer as de 21 de fevereiro de 2014, que dispõe sobre o
informações solicitadas pelo usuário. CEF, são práticas vedadas a todos os
e. É proibido ao farmacêutico receber farmacêuticos, atuantes na iniciativa privada e no
remuneração por serviços que não tenha serviço público, EXCETO:
efetivamente prestado. a. Incorreto: Cobrar ou receber remuneração do
usuário do serviço.
Ex.: 2: Segundo o Capítulo 3 (Deveres) do b. Exercer simultaneamente a Medicina.
Código de Ética da Profissão Farmacêutica, são c. Delegar a outros profissionais atos ou
deveres do farmacêutico, EXCETO: atribuições exclusivos da profissão
a. Dispor seus serviços profissionais às farmacêutica.
autoridades constituídas, ainda que sem d. Deixar de prestar assistência técnica efetiva ao
remuneração ou qualquer outra vantagem estabelecimento com o qual mantém vínculo
pessoal, em caso de conflito social interno, profissional.
catástrofe ou epidemia.
b. Exercer a profissão farmacêutica respeitando Ex.: 2: Segundo as resoluções do CFF que tratam
os atos, as diretrizes, as normas técnicas e a do CEF, todas as afirmações abaixo estão
legislação vigentes. corretas EXCETO.
c. Respeitar o direito de decisão do usuário sobre a. É dever de o farmacêutico exercer a
seu tratamento, sua própria saúde e bem- assistência farmacêutica e fornecer
estar, excetuando-se aquele que, mediante informações aos usuários dos serviços.
laudo médico ou determinação judicial, for b. Incorreto: Quando necessitar se afastar do
considerado incapaz de discernir sobre opções trabalho em que é responsável técnico, o
de tratamento ou decidir sobre sua própria farmacêutico deverá informar o CRF em até 3
saúde e bem-estar. dias após o afastamento, em caso de doença,
d. Incorreta: Exercer a profissão em instituição acidente pessoal, óbito familiar, ou outro.
pública ou privada sem condições dignas de c. É proibido ao farmacêutico exercer a Medicina
trabalho ou que possam prejudicar o usuário, concomitantemente com a Farmácia.
com direito a representação às autoridades d. É proibido ao farmacêutico aceitar ser perito
sanitárias e profissionais. quando houver envolvimento pessoal ou
e. Comunicar ao CRF e às demais autoridades institucional no caso.
competentes os fatos que caracterizem
infringência a este Código e às normas que
regulam o exercício das atividades
farmacêuticas.
CAPÍTULO 4: Proibições 21. Prevalecer-se de cargo de chefia ou empregador para
Art. 14: É PROIBIDO ao farmacêutico: desrespeitar a dignidade de sub ordinados;
22. Pleitear, de forma desleal, para si ou para outrem,
1. Participar de qualquer tipo de experiência com fins
emprego, cargo ou função exercido por outro
b élicos, raciais ou eugênicos, b em como de pesquisa não
farmacêutico, b em como praticar atos de concorrência
aprovada por CEP/CONEP ou Comissão de Ética no Uso
desleal;
de Animais;
23. Fornecer, dispensar ou permitir que sejam dispensados,
2. Exercer simultaneamente a Medicina;
sob qualquer forma, sub stância, medicamento ou
3. Exercer atividade farmacêutica com fundamento em
fármaco para uso diverso da indicação para a qual foi
procedimento não reconhecido pelo CFF;
licenciado, salvo quando b aseado em evidência ou
4. Praticar ato profissional que cause dano material, físico,
mediante entendimento formal com o prescritor;
moral ou psicológico, que possa ser caracterizado como
24. Exercer atividade no âmb ito da profissão farmacêutica
imperícia, negligência ou imprudência;
em interação com outras profissões, concedendo
5. Deixar de prestar assistência técnica efetiva ao
vantagem ou não aos demais profissionais hab ilitados
estab elecimento com o qual mantém vínculo profissional,
para direcionamento de usuário, visando ao interesse
ou permitir o uso do seu nome por qualquer
econômico e ferindo o direito deste de escolher
estab elecimento ou instituição onde não exerça pessoal
livremente o serviço e o profissional;
e efetivamente sua função;
25. Receb er remuneração por serviços que não tenha
6. Realizar ou participar de atos fraudulentos em qualquer
efetivamente prestado;
área da profissão farmacêutica;
26. Coordenar, supervisionar, assessorar ou exercer a
7. Fornecer meio, instrumento, sub stância ou conhecimento
fiscalização sanitária ou profissional quando for sócio ou
para induzir à prática, ou dela participar, de tortu ra,
acionista de qualquer categoria, ou interessado por
eutanásia, ab orto ilegal, toxicomania ou de quaisquer
qualquer forma, b em como prestar serviços à empresa
outras formas de procedimento degradante ou cruel em
ou estab elecimento que forneça drogas, medicamentos,
relação ao ser humano e aos animais;
insumos farmacêuticos e correlatos, lab oratórios,
8. Produzir, fornecer, dispensar ou permitir que sejam
distrib uidoras ou indústrias, com ou sem vínculo
dispensados meio, instrumento, sub stância,
empregatício;
conhecimento, medicamento, fórmula magistral ou
27. Sub meter-se a fins meramente mercantilistas que
especialidade farmacêutica, fracionada ou não, que não
inclua a identificação clara e precisa sob re a sub stância venham a comprometer o seu desempenho técnico, em
prejuízo da sua atividade profissional;
ativa nela contida, b em como suas respectivas
28. Deixar de ob ter de participante de pesquisa ou de seu
quantidades, contrariando as normas legais e técnicas,
representante legal o TERMO DE CONSENTIMENTO
excetuando-se a dispensação hospitalar interna, em que
LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) para sua realização
poderá haver a codificação do medicamento que for
envolvendo seres humanos, após as devidas explicações
fracionado sem, contudo, omitir o seu nome ou fórmula;
sob re a sua natureza e as suas consequências;
9. Ob star ou dificultar a ação fiscalizadora ou desacatar as
29. Usar-se de conhecimentos da profissão com a finalidade
autoridades sanitárias ou profissionais, quando no
de cometer ou favorecer atos ilícitos de qualquer espécie;
exercício das suas funções;
30. Fazer uso de documento, atestado, certidão ou
10. Aceitar remuneração abaixo do estab elecido como o piso
declaração falsos ou alterados;
salarial oriundo de acordo, convenção coletiva ou dissídio
31. Permitir que terceiros tenham acesso a senhas pessoais,
da categoria;
sigilosas e intransferíveis, usadas em sistemas
11. Declarar possuir títulos científicos ou especialização que
informatizados e inerentes à sua atividade profissional;
não possa comprovar, nos termos da lei;
32. Exercer interação com outros estab elecimentos,
12. Aceitar ser perito, auditor ou relator de qualquer processo
farmacêuticos ou não, de forma a viab ilizar a realização
ou procedimento, quando houver interesse, envolvimento
de prática vedada em lei ou regulamento;
pessoal ou institucional;
33. Assinar laudo ou qualquer outro documento farmacêutico
13. Permitir interferência nos resultados apresentados como
em b ranco, de forma a possib ilitar, ainda que por
perito ou auditor;
negligência, o uso indevido do seu nome ou atividade
14. Exercer a profissão farmacêutica quando estiver sob a
profissional;
sanção disciplinar de suspensão;
34. Intitular-se responsável técnico por qualquer
15. Extrair, produzir, fab ricar, transformar, b eneficiar,
estab elecimento sem a autorização prévia do CRF,
preparar, distrib uir, transportar, manipular, purificar,
comprovada mediante a Certidão de Regularidade
fracionar, importar, exportar, emb alar, re-embalar, manter
correspondente;
em depósito, expor, comercializar, dispensar ou entregar
35. Divulgar informação sob re temas farmacêuticos de
ao consumo medicamento, produto sujeito ao controle
conteúdo inverídico, sensacionalista, promocional ou que
sanitário, ou sub stância, em contrariedade à legislação
contrarie a legislação vigente;
vigente, ou permitir que tais práticas sejam realizadas;
36. Promover o uso de sub stâncias ou a comercialização de
16. Exercer a profissão em estab elecimento não registrado,
produtos que não tenham a indicação terapêutica
cadastrado e licenciado nos órgãos de fiscalização
analisada e aprovada, b em como que não estejam
sanitária, do exercício profissional, na junta comercial e
descritos em literatura ou compêndio nacionais ou
na secretaria de fazenda da localidade de seu
internacionais reconhecidos pelo órgão sanitário federal;
funcionamento;
37. Usar-se de qualquer meio ou forma para difamar,
17. Aceitar a interferência de leigos em seus trab alhos e em
caluniar, injuriar ou divulgar preconceitos e apologia a
suas decisões de natureza profissional;
atos ilícitos ou vedados por lei específica;
18. Delegar a outros profissionais atos ou atrib uições
38. Exercer sem a qualificação necessária o magistério, b em
exclusivos da profissão farmacêutica;
como usar esta prática para aproveitar-se de terceiros
19. Omitir-se ou acumpliciar-se com os que exercem
em b enefício próprio ou para ob ter quaisquer vantagens
ilegalmente a Farmácia ou com profissionais ou
pessoais;
instituições que pratiquem atos ilícitos relacionados à
39. Exercer a profissão e funções relacionadas à Farmácia,
atividade farm acêutica, em qualquer das suas áreas de
exclusivas ou não, sem a necessária hab ilitação legal;
ab rangência;
40. Aviar receitas com prescrições médicas ou de outras
20. Assinar trab alho realizado por outrem, alheio à sua
profissões, em desacordo com a técnica farmacêutica e a
execução, orientação, supervisão ou fiscalização ou,
legislação vigente;
ainda, assumir responsab ilidade por ato farmacêutico
que não praticou ou do qual não participou;
41. Produzir, fab ricar, fornecer, em desacordo com a CAPÍTULO 5: Publicidade e dos Trabalhos
legislação vigente, radio-fármacos e conjuntos de Científicos
reativos ou reagentes, destinados às diferentes análises
complementares do diagnóstico clínico; Art. 16: É VEDADO ao farmacêutico:
42. Alterar o processo de fab ricação de produtos sujeitos a 1. Divulgar assunto ou descob erta de conteúdo inverídico;
controle sanitário, modificar os seus componentes 2. Pub licar, em seu nome, trab alho científico do qual não
b ásicos, nomes e demais elementos ob jeto do registro, tenha participado, ou atrib uir-se a autoria exclusiva,
contrariando as disposições legais e regulamentares; quando houver participação de sub ordinados ou outros
43. Fazer declarações injuriosas, caluniosas, difamatórias ou profissionais, farmacêutica ou não;
que depreciem o farmacêutico, a profissão ou instituições 3. Promover pub licidade enganosa ou ab usiva da b oa fé do
e entidades farmacêuticas, sob qualquer forma. usuário;
4. Anunciar produtos farmacêuticos ou processos por
quaisquer meios capazes de induzir ao uso indevido e
Art. 15: Quando atuando no SERVIÇO PÚBLICO, indiscriminado de medicamentos ou de outros produtos
é VEDADO ao farmacêutico: farmacêuticos;
1. Usar-se do serviço, emprego ou cargo para 5. Usar-se, sem referência ao autor ou sem a sua
autorização expressa, de dados ou informações,
executar trabalhos de empresa privada de sua
pub licados ou não.
propriedade ou de outrem, como forma de
obter vantagens pessoais; TÍTULO 2: Relações Profissionais
2. Cobrar ou receber remuneração do usuário do Art. 17: O farmacêutico, perante seus pares e
serviço; demais profissionais da equipe de saúde, deve
3. Reduzir, irregularmente, quando em função de
comprometer-se a:
chefia ou coordenação, a remuneração devida 1. Manter relações cordiais com a sua equipe de trab alho,
a outro farmacêutico. ob servados os preceitos éticos;
2. Adotar critério justo nas suas atividades e nos
Ex.: 1: E acordo com o CEF quando atuando no pronunciamentos sob re serviços e funções confiados
anteriormente a outro farmacêutico;
serviço público, é vedado ao farmacêutico 3. Prestar colab oração aos colegas que dela necessitem,
EXCETO. assegurando-lhes consideração, apoio e solidariedade
a. Incorreta: Exercer a profissão farmacêutica que reflitam a harmonia e o prestígio da categoria;
respeitando os atos, as diretrizes, as normas 4. Prestigiar iniciativas de interesse da categoria;
5. Empenhar-se em elevar e firmar seu próprio conceito,
técnicas e a legislação vigentes;
procurando manter a confiança dos memb ros da equipe
b. Utilizar-se do serviço, emprego ou cargo para de trab alho e dos destinatários do seu serviço;
executar trabalhos de empresa privada de sua 6. Manter relacionamento harmonioso com outros
propriedade ou de outrem, como forma de profissionais, limitando-se às suas atrib uições, no sentido
obter vantagens pessoais; de garantir unidade de ação na realização das atividades
a que se propõe em b enefício individual e coletivo;
c. Cobrar ou receber remuneração do usuário do 7. Denunciar atos que contrariem os postulados éticos da
serviço; profissão;
d. Reduzir, irregularmente, quando em função de 8. Respeitar as opiniões de farmacêuticos e outros
chefia ou coordenação, a remuneração devida profissionais, mantendo as discussões no plano técnico-
científico;
a outro farmacêutico.
9. Tratar com respeito e urb anidade os farmacêuticos
fiscais, permitindo que promovam todos os atos
Ex.: 2: De acordo com o CEF é PROIBIDO ao necessários à verificação do exercício profissional.
profissional farmacêutico:
a. Praticar a assistência farmacêutica em TÍTULO 3: Relações com os CFF e CRF.
instituições privadas. Art. 18: Na relação com os Conselhos, obriga-se
b. Ser presidente de sindicatos da classe. o farmacêutico a:
c. Cobrar por procedimentos de natureza 1. Ob servar as normas (resoluções e delib erações) e as
simples. determinações (acórdãos e decisões) dos CFF e CRF;
2. Prestar com fidelidade as informações que lhe forem
d. Correto: Exercer simultaneamente a medicina. solicitadas a respeito do seu exercício profissional;
e. Negar ser perito quando houver envolvimento 3. Comunicar ao CRF em que estiver inscrito toda e
pessoal ou institucional. qualquer conduta ilegal ou antiética que ob servar na
prática profissional;
4. Atender convocação, intimação, notificação ou requisição
administrativa no prazo determinado, feitas pelos CFF e
CRF, a não ser por motivo de força maior,
comprovadamente justificado;
5. Tratar com respeito e urb anidade os empregados,
conselheiros, diretores e demais representantes dos CFF
e CRF.
Art. 19: O farmacêutico, no exercício profissional, TÍTULO 5: Disposições Gerais
é obrigado a por escrito ao respectivo CRF sobre Art. 21: As normas deste Código aplicam-se a
todos os seus vínculos, com dados completos da todos os inscritos nos CRF.
empresa (razão social, nome(s) do(s) sócio(s),  § único: Os farmacêuticos que exercem
CNPJ, endereço, horários CRF de funcionamento, funções em organizações, instituições ou
de responsabilidade técnica (RT), mantendo serviços estão sujeitos às normas deste
atualizados os seus endereços residencial e Código.
eletrônico, os horários de responsabilidade técnica Art. 22: A verificação do cumprimento das
ou de substituição, bem como sobre qualquer normas estabelecidas neste Código é atribuição
outra atividade profissional que exerça, com seus precípua do CFF, dos CRF e suas Comissões de
respectivos horários e atribuições. Ética, sem prejuízo das autoridades da área da
saúde, policial e judicial, dos farmacêuticos e da
TÍTULO 4: Infrações e Sanções Disciplinares sociedade.
Art. 20: As sanções disciplinares, definidas nos Art. 23: A apuração das infrações éticas compete
termos do Anexo 3 desta Resolução, e conforme ao CRF em que o profissional estiver inscrito, ao
previstas na Lei Federal nº 3820/60, consistem tempo do fato punível em que incorreu.
em: Art. 24: O farmacêutico portador de doença que o
1. advertência ou advertência com emprego da palavra incapacite ao exercício da profissão farmacêutica,
“censura”;
2. multa no valor de 1 salário mínimo a 3 salários
atestada em instância administrativa, judicial ou
mínimos regionais; médica, e certificada pelo CRF, terá o seu registro
3. suspensão de 3 meses a 1 ano; e as suas atividades profissionais suspensas de
4. eliminação. ofício enquanto perdurar sua incapacidade.
Art. 25: O profissional condenado por sentença
Ex.: 1: De acordo com o Capítulo 4, Art. 20, as criminal transitada em julgado em razão do
penalidades disciplinares serão as seguintes, exercício da profissão ficará “ex officio” suspenso
EXCETO da atividade, enquanto durar a execução da pena.
a. Advertência ou censura, aplicada sem  § único: O profissional preso, provisória ou
publicidade, verbalmente ou por ofício do preventivamente, em razão do exercício da
Presidente do CR, chamando a atenção do profissão, também ficará “ex officio” suspenso
culpado para o fato brandamente no primeiro de exercer as suas atividades, enquanto durar
caso, energicamente e com o emprego da a pena restritiva de liberdade.
palavra censura no segundo.
b. Eliminação, que será imposta aos que Ex.: 1: Quanto às infrações e sanções
porventura houverem perdido alguns dos disciplinares estabelecidas pelo CEF, pode-se
requisitos dos artigos 15 e 16 para fazer parte AFIRMAR que
CRF, inclusive aos que forem convencidos, a. A verificação do cumprimento das normas
perante o CFF ou em juízo, de incontinência estabelecidas nesse Código é atribuição
pública e escandalosa ou de embriaguez exclusiva da Comissão de Ética dos CRF.
habitual; e aos que, por faltas graves, já b. A apuração das infrações éticas compete ao
tenham sido três vezes condenados CFF em que o profissional estiver inscrito, ao
definitivamente a penas de suspensão, ainda tempo do fato punível em que incorreu.
que em Conselhos Regionais diversos. c. Prescreve em 12 meses a constatação fiscal
c. Incorreto: Suspensão de 5 meses a um ano, de ausência do farmacêutico no
que será imposta por motivo de falta grave, de estabelecimento, por meio de auto de infração
pronúncia criminal ou de prisão em virtude de ou termo de visita, para efeito de instauração
sentença, aplicável pelo CR em que estiver de processo ético.
inscrito o faltoso. d. Correto: O profissional condenado por
d. Multa de R$ 50000 a R$500000, que serão sentença criminal transitada em julgado em
cabíveis no caso de terceira falta e outras razão do exercício da profissão ficará “ex
subsequentes, a juízo do CR a que pertencer o officio” suspenso da atividade, enquanto
faltoso. durar a execução da pena.
e. O farmacêutico portador de doença que o
incapacite ao exercício da profissão
farmacêutica, atestada em instância
administrativa, judicial ou médica, e certificada
pelo CRF, terá o seu registro e as suas
atividades profissionais caçados.
Art. 26: Prescreve em 24 meses a constatação Art. 4º: A apuração ética obedecerá
fiscal de ausência do farmacêutico no cronologicamente para sua tramitação os
estabelecimento, por meio de auto de infração ou seguintes passos: 1. Recebimento da denúncia; 2.
termo de visita, para efeito de instauração de Instauração ou arquivamento; 3. Montagem do
processo ético. processo ético-disciplinar; 4. Instalação dos trabalhos;
Art. 27: O CFF, ouvidos os CRF e a categoria 5. Conclusão da CE; 6. Julgamento; 7. Recursos e
farmacêutica, promoverá, quando necessário, a revisões; 8. Execução.
revisão e a atualização deste Código. Art. 5º: Cabe ao CRF processar e julgar em 1ª
Art. 28: As omissões deste Código serão instância os profissionais sob sua jurisdição e
decididas pelo CFF. seus membros colegiados, inclusive gestores e
conselheiros, observando o princípio da
ANEXO 2: CÓDIGO DE PROCESSO ÉTICO segregação.
TÍTULO 1: Disposições Gerais Art. 6º: Cabe ao Plenário do CFF julgar em
CAPÍTULO 1: Processo instância recursal os processos disciplinares
Art. 1º: A apuração ética, nos CRF, reger-se-á éticos.
por este código, aplicando-se, supletivamente, os
princípios gerais de direito aos casos omissos ou Ex.: 1: Com base na Resolução no 596/2014, que
lacunosos. dispõe sobre o CEF, assinale a alternativa
Art. 2º: A competência disciplinar é do CRF CORRETA.
em que o faltoso estiver inscrito ao tempo do fato a. Correto: A apuração ética, nos CRF, será
punível em que incorreu, devendo o processo ser regida pelo CEF, podendo, ainda, ser
instaurado, instruído e julgado em caráter aplicados supletivamente os princípios gerais
sigiloso, sendo permitida vista dos autos apenas de direito.
às partes e aos procuradores constituídos, b. É direito de o farmacêutico aceitar
fornecendo-se cópias das peças expressamente remuneração inferior à do piso salarial
requeridas. estabelecido em acordo coletivo.
 § 1º: No decurso da apuração ética, poderá o c. O farmacêutico pode exercer simultaneamente
profissional solicitar transferência para outro, a medicina.
sem interrupção do processo ético no CRF em d. O CFF é uma pessoa jurídica de direito
que se apura a falta cometida, devendo CRF privado, classificada como empresa pública.
julgador, após o processo transitado em e. No âmbito profissional e sanitário, o
julgado, informar ao CRF em que o profissional farmacêutico tem o direito de ser fiscalizado
estiver inscrito quanto ao teor do veredicto e à obrigatoriamente por farmacêutico ou
penalidade imposta. biomédico.
 § 2º: Por se tratar de direito intertemporal, o
processo ético não será suspenso nem Ex.: 2: De acordo com o código de ética da profissão
encerrado na hipótese de pedido de farmacêutica, assinale a alternativa que preenche
desligamento ou cancelamento de inscrição corretamente a lacuna da informação a seguir.
profissional, e deverá seguir seu regular “Compete ___ julgar em instância recursal os processos
disciplinares éticos dos farmacêuticos”.
procedimento.
Art. 3º: Os CRF instituirão CE com a competência a. Ao Conselho Regional de Farmácia.
b. Correto: ao Plenário do Conselho Federal de
de emitir parecer, justificadamente, pela abertura
Farmácia.
ou não de processo ético-disciplinar, sendo que a
c. Ao Plenário do Conselho ético da ANVISA.
decisão denegatória deverá ser submetida ao
d. À Comissão de ética do Conselho Regional de
Presidente do CRF para deliberação.
Farmácia;
 § 1º: Cada CE será composta por, 3
e. À Comissão de ética do Conselho Federal de
farmacêuticos e homologados pelo Plenário, Farmácia.
com mandato igual ao da Diretoria.
 § 2º: Compete à CE escolher, dentre os seus Ex.: 3: O CEF está previsto na Resolução CFF no
membros, o seu Presidente. 596/2014. Com base nesse normativo, assinale a
 § 3º: É vedada à Diretoria, aos conselheiros e alternativa correta.
empregados do CRF a participação como a. O processo ético será suspenso na hipótese
membro da CE. de cancelamento da inscrição profissional.
 § 4º: Verificada a ocorrência de vaga na CE, o b. No decurso da apuração ética, o profissional
Presidente do CRF indicará o substituto para está impedido de solicitar transferência para
ocupar o cargo, mediante homologação pelo outro Conselho Regional de Farmácia.
Plenário e mandato igual ao da Diretoria. c. Correto: A competência disciplinar é do
 § 5º: Os custos necessários à realização dos Conselho Regional de Farmácia em que o
trabalhos da CE deverão ser arcados pelo faltoso estiver inscrito ao tempo do fato punível
CRF, vedado o pagamento de qualquer tipo de em que incorreu.
gratificação aos seus membros. d. O processo de apuração ética é público.
e. Os custos necessários à realização dos CAPÍTULO 2: Instauração ou Arquivamento
trabalhos da Comissão de Ética são custeados Art. 9º: O Presidente do CRF analisará o parecer
pelo infrator. do Presidente da CE e despachará, em 30 dias,
pelo arquivamento ou pela instauração de
Ex.: 4: De acordo com o CPE, constante da processo ético-disciplinar.
Resolução nº 596/2014 do CFF, é CORRETO
afirmar: CAPÍTULO 3: Montagem do Processo Ético-
a. O processo ético poderá ser suspenso ou Disciplinar
encerrado sempre que houver pedido de Art. 10: Instaurado o processo ético-disciplinar,
desligamento ou cancelamento de inscrição mediante despacho do Presidente do CRF, a
profissional por parte do faltoso. Secretaria o registrará por escrito, atribuindo-lhe
b. Cada Comissão de Ética, instituída pelos um número e, de imediato, o encaminhará à CE.
Conselhos Regionais de Farmácia, serão Art. 11: O processo será formalizado por meio de
compostas por, no mínimo, cinco autos, com peças anexadas por termo, com folhas
farmacêuticos nomeados pelo presidente do numeradas, sendo os despachos, pareceres e
CRF. decisões juntadas, preferencialmente, em ordem
c. Correto: No decurso da apuração ética, cronológica.
poderá o profissional solicitar transferência
para outro CRF, sem interrupção do processo CAPÍTULO 4: Instalação dos Trabalhos
ético no CRF em que se apura a falta Art. 12: Recebido o processo, a CE o instalará e
cometida. deverá observar os prazos prescricionais previstos
d. Poderão integrar as Comissões de Ética, em lei para concluir os seus trabalhos,
membros da diretoria, conselheiros e obedecendo aos seguintes procedimentos:
empregados dos CRF's.  Lavrar o competente termo de instalação dos trab alhos;
 Designar, dentre os seus memb ros, o relator do
e. Os integrantes das Comissões de Ética serão processo;
remunerados de forma justa pelo seu trabalho,  Designar um empregado do CRF para secretariar os
sendo os custos dessa remuneração arcados trab alhos;
pelo CRF.  Determinar local, dia e hora para a sessão de
depoimento do indiciado e oitiva de testemunha;
 Determinar a imediata comunicação por correspondência
TÍTULO 2: Procedimentos ao indiciado, relatando-lhe sob re:
CAPÍTULO 1: Recebimento da Denúncia a. A ab ertura do processo ético;
Art. 7º: A apuração do processo ético-disciplinar b. O local;
inicia-se por ato do Presidente do CRF quando c. O direito de arrolar até 3 testemunhas na sua defesa
prévia, cujos nomes e endereços completos devem ser
este:
apresentados em 10 dias anteriores à data da
1. Tomar ciência inequívoca do ato ou matéria que
audiência;
caracterize infração ética profissional;
d. A ob rigatoriedade de comparecimento das testemunhas
2. Tomar conhecimento de infração ética profissional por
arroladas na Sessão de Depoimento designada pela
meio do Relatório de Fiscalização do CRF.
CE, independentemente da intimação.
Art. 8º: O Presidente do CRF encaminhará, em 20
 § 1º: O indiciado ou seu procurador constituído
dias do conhecimento do fato, despacho ao
terá acesso ao processo sempre que desejar
Presidente da CE, determinando a análise e
consultá-lo, observando-se o horário de
decisão sobre a viabilidade de abertura de
expediente da Secretaria do CRF, sendo
processo ético-disciplinar, com base nos indícios
vedada a retirada dos autos originais,
apresentados na denúncia recebida.
facultando-lhe a obtenção de cópias mediante
 § 1º: O Presidente da CE terá o prazo de 30
o pagamento de taxa respectiva.
dias, contados a recebimento da solicitação,
 § 2º: Na hipótese da ausência NÃO justificada
para entregar a análise, que pode ser
da testemunha arrolada na audiência de
monocrática ou em conjunto com os demais
depoimento, será da responsabilidade do
membros.
indiciado, sob pena de preclusão, o seu
 § 2º: A análise da CE deverá conter uma parte
comparecimento em nova data de oitiva a ser
a partir do expositiva, em que serão
agendada pela Comissão de Ética.
fundamentados os motivos, e uma
conclusiva, na qual será aposta a expressão
“pela instauração de processo ético-disciplinar”
ou “pelo arquivamento”, sendo que, no
primeiro caso, deverão constar os dispositivos
do Código de Ética, em tese, infringidos.
Art. 13: COMPETE ao Relator da CE no processo Art. 19: Concluído o processo, o Presidente da
ético-disciplinar: CE remeterá os autos ao Presidente do CRF para
 Instruir o processo para julgamento; as providências cabíveis.
 Intimar pessoas mediante correspondência com aviso de
receb imento ou ciência inequívoca;
 Requerer perícias e demais provas ou diligências CAPÍTULO 6: Julgamento
consideradas necessárias à instrução do processo; Art. 20: Recebido o processo, o Presidente do
 Emitir relatório; CRF terá o prazo de 30 dias para:
 Requerer ao Presidente da CE a realização de nova a. Marcar a data de julgamento do processo em reunião
Sessão de Depoimento, se necessário. plenária;
b. Designar um conselheiro relator entre os conselheiros
Art. 14: A Sessão de Depoimento do indiciado efetivos, por distrib uição da secretaria, ob servados os
obedecerá ao que segue: eventuais impedimentos e suspeições;
1. Somente poderão estar presentes no recinto os membros c. Comunicar ao indiciado a data de julgamento, com
da CE, o depoente e seu procurador, as testemunhas, o antecedência mínima de 15 dias.
advogado do CRF e o empregado do CRF responsável  § único: A reunião plenária de julgamento do
por secretariar a CE; processo ético-disciplinar deverá ser realizada
2. Cab e ao Presidente da CE determinar a ordem de no prazo de 180 dias corridos, contados a
entrada e a permanência no recinto dos participantes da
sessão; partir da data de recebimento do processo
3. A Sessão de Depoimento poderá ser gravada em áudio, ético-disciplinar pelo Presidente do Conselho
sendo as gravações anexadas ao processo; Regional de Farmácia.
4. Ao final da Sessão de Depoimento, o Relator do Art. 21: O Conselheiro Relator designado deverá
processo oferecerá aos presentes o “Termo de
Depoimento”, por escrito, em duas vias de igual teor, o
apresentar seu parecer na data da reunião
qual deverá ser lido e assinado pelos presentes. plenária em que o processo será submetido a
julgamento.
Art. 15: O Presidente da CE notificará, na  § 1º: O Conselheiro Relator, uma vez
audiência, o indiciado para, no prazo de 15 dias, observada a não iminência de prescrição e
apresentar as razões finais. desde que devidamente justificado, poderá
Art. 16: Caso o indiciado não se manifeste à CE e permanecer com os autos por até 2 reuniões
também não compareça ao local, no dia e hora plenárias, podendo-se prorrogar por mais 2 se
marcados para prestar depoimento, o Presidente assim for deliberado pelo Plenário, sob pena
da CE somente o convocará novamente se houver de instauração de processo ético e demais
apresentação de justificativa plausível de eventual procedimentos cabíveis em seu desfavor,
impedimento, declarando-o revel, se ausente, observado o princípio da segregação.
sendo que, no prazo de 10 dias, o Presidente da  § 2º: Não apresentando o Conselheiro Relator
CE comunicará o ocorrido ao Presidente do CRF, o parecer, tampouco a justificativa prévia, o
requerendo-lhe a nomeação de Defensor Dativo. Presidente do CRF determinará a instauração
 § 1º: O Presidente do CRF terá o prazo de 15 de processo ético nos moldes do § anterior e
dias para proceder à nomeação do Defensor designará outro relator, que o apresentará na
Dativo. reunião plenária subsequente.
 § 2º: O Defensor Dativo, a partir de sua Art. 22: Aberta a Sessão de Julgamento, o
nomeação, terá o prazo de 30 dias para Presidente da reunião plenária concederá a
apresentar, por escrito, à Comissão de Ética, a palavra ao Conselheiro Relator, que lerá seu
defesa do indiciado. parecer e, após a concessão de direito à defesa
Art. 17: O revel poderá intervir no processo em oral por 10 minutos ao indiciado ou seu
qualquer fase, não lhe sendo devolvido prazo já procurador legalmente constituído, proferirá o seu
vencido. voto, em julgamento realizado em sessão secreta.
 § único: Apenas podem permanecer no
CAPÍTULO 5: Conclusão da Comissão de Ética recinto de julgamento os conselheiros
Art. 18: Concluída a instrução processual, a CE membros do Plenário, as partes interessadas e
apresentará seu relatório. os empregados necessários à sua condução.
 § único: O relatório a que alude o “caput” Art. 23: Cumprido o disposto nos artigos
deste artigo conterá uma parte expositiva, que anteriores, o Presidente da reunião plenária dará a
inclui um sucinto relato dos fatos, a explícita palavra, pela ordem, ao conselheiro que a
referência ao local, data e hora da infração, e a solicitar, para:
1. Pedir vista dos autos;
apreciação das provas acolhidas, além de uma 2. Requerer a conversão do julgamento em diligência,
parte conclusiva, com a apreciação do valor com aprovação do plenário, caso em que determinará
probatório das provas, indicando as providências a serem adotadas pela comissão de
expressamente a infração e os dispositivos do ética;
Código de Ética infringidos, e se houve ou não 3. Opinar sob re a matéria, os fundamentos ou conclusões
do conselheiro relator, devendo as suas razões serem
culpa. reduzidas a termo em ata;
4. Proferir seu voto.
Art. 24: Na hipótese de pedido de vista dos autos  § único: Considera-se fato novo aquele que o
ou conversão do julgamento em diligência, o punido conheceu somente após o trânsito em
processo será retirado de pauta. julgado da decisão e que dê condição, por si
 § 1º: Neste caso, cumpridas as respectivas só, ou em conjunto com as demais provas já
providências, os autos serão devolvidos ao produzidas, de criar nos julgadores uma
Conselheiro Relator para juntar seu parecer. convicção diversa daquela já firmada.
 § 2º: A CE terá o prazo de 60 dias, contados a Art. 30: A revisão terá início por petição dirigida
partir da data da realização da reunião plenária ao Presidente do CRF, instruída com certidão de
que deu origem ao pedido de vista ou trânsito em julgado da decisão e as provas
diligência, para devolver ao Presidente do CRF documentais comprobatórias dos fatos arguidos.
o processo ético-disciplinar considerado,  § único: O Presidente do CRF, ao acatar o
sendo que este prazo poderá ser prorrogado pedido, nomeará um relator para emissão de
por igual período, desde que plenamente parecer, que será submetido a julgamento em
justificado e aprovado pelo Plenário. sessão plenária do CRF, no prazo máximo de
 § 3º: Cumprida a diligência, o Presidente da 180 dias.
CE remeterá ao Presidente do CRF o
processo ético-disciplinar, quando serão CAPÍTULO 8: Execução
contados novamente os prazos previstos no Art. 31: Cabe ao CRF a execução da decisão
art. 20. proferida em processo ético disciplinar, que se
Art. 25: A decisão do Plenário do CRF será processará nos estritos termos do acórdão e será
fundamentada no parecer e voto do Relator. anotada no prontuário do infrator.
 § único: Na hipótese de divergência do voto  § 1º: Na execução da penalidade de
do Relator e, havendo pedido de revisão por eliminação da inscrição do profissional no
outro conselheiro, o Presidente CRF designará quadro do CRF, além dos editais e das
este como Revisor, o qual deverá apresentar comunicações feitas às autoridades e
voto, por escrito, na sessão subsequente ou interessados, proceder-se-á à apreensão da
extraordinária. cédula e da carteira profissional do infrator,
Art. 26: A decisão do Plenário terá a forma de inclusive mediante ação judicial, se
acórdão, a ser lavrado de acordo com o parecer necessário.
do conselheiro cujo voto tenha sido adotado, com  § 2º: Na hipótese de aplicação definitiva de
expressa numeração própria, número do penalidade de suspensão, o CRF deverá
processo, nomes das partes, procuradores, relator promover publicidade da decisão, as
e revisor, se houver, além de ementa com anotações necessárias, além da apreensão
palavras-chave de pesquisa, dispositivo temporária da cédula e da carteira profissional.
infringido, pena aplicada, forma de votação e data,
sob pena de nulidade. CAPÍTULO 9: Prazos
Art. 32: Considera-se prorrogado o prazo até o
CAPÍTULO 7: Recursos e Revisões 1º dia útil subsequente, se o vencimento se der
Art. 27: Da decisão do CRF caberá recurso ao em feriado ou em recesso do CRF.
CFF no prazo de 30 dias corridos, a contar da  § único: Os prazos serão contados a partir da
data em que o infrator dela tomar conhecimento. juntada de Aviso de Recebimento (AR) aos
 § 1º: Interposto tempestivamente, o recurso autos, mediante certidão respectiva lavrada
terá efeito suspensivo nos casos previstos em pelo CRF ou por ciência inequívoca do
lei. interessado.
 § 2º: No caso de interposição intempestiva, Art. 33: A representação por procurador deverá
que deverá ser certificada nos autos pelo CRF, estar instruída com o respectivo instrumento, com
o processo será arquivado, com certidão de firma devidamente reconhecida, excetuando-se
trânsito em julgado. aquela outorgada a advogado.
Art. 28: O recurso administrativo será julgado de Art. 34: A punibilidade por falta sujeita a
acordo com o que dispuserem as normas do CFF. processo ético-disciplinar pelo CRF em que o
Art. 29: No prazo de 1 ano, a contar do trânsito profissional está inscrito prescreve em 5 anos,
em julgado da decisão, o punido poderá requerer contados da data de verificação do fato respectivo
revisão do processo ao CRF, com base em fato ou, no caso de infração permanente ou
novo ou na hipótese de a decisão condenatória ter continuada, do dia em que tiver cessado.
sido fundada em depoimento, exame pericial ou Art. 35: O conhecimento expresso ou a
documento cuja falsidade vier a ser comprovada. notificação feita diretamente ao profissional faltoso
interrompe, mas não suspende, o prazo
prescricional de que trata o artigo anterior.
 § único: O conhecimento expresso ou a Art. 6º: As sanções aplicadas serão objeto de
notificação de que trata este art. ensejará registro na ficha individual do farmacêutico,
defesa escrita ou a termo, a partir de quando devendo ainda ser comunicadas, no caso de
recomeçará a fluir o prazo prescricional. suspensão, ao empregador e ao órgão sanitário
Art. 36: Todo processo ético-disciplinar competente, além da apreensão da cédula e da
paralisado há mais de 3 anos, pendente de carteira profissional.
despacho ou julgamento, será arquivado “ex Art. 7º: Às infrações éticas e disciplinares LEVES
officio”, ou a requerimento da parte interessada, devem ser aplicadas as penas de advertência sem
sem prejuízo de serem apuradas as publicidade na 1ª vez; advertência por inscrito,
responsabilidades pela paralisação. sem publicidade, com o emprego da palavra
Art. 37: Para abertura de processo ético- “censura” na 2ª vez; multa no valor de 1 salário
disciplinar com fundamento na ausência do mínimo a 3 salários mínimos regionais, que serão
profissional no estabelecimento a que presta elevados ao dobro no caso de reincidência,
assistência técnica, conforme dispõe o Código de cabíveis no caso de 3ª falta e outras
Ética, serão necessárias, no mínimo, 3 subsequentes, sendo elas:
constatações fiscais, no período de 24 meses. 1. Deixar de comunicar ao CRF e às demais autoridades
competentes os fatos que caracterizem infringência a
 § único: O prazo prescricional inicia-se a partir este código e às normas que regulam o exercício das
da data da terceira constatação necessária à atividades farmacêuticas;
instauração do processo ético-disciplinar 2. Desrespeitar o direito de decisão do usuário sob re seu
Art. 38: Os casos omissos serão resolvidos pelo tratamento, sua própria saúde e b em -estar, excetuando-
se aquele que, mediante laudo médico ou determinação
Plenário do CFF, podendo inclusive decidir em judicial, for considerado incapaz de discernir sob re
processos em andamento, desde que observada a opções de tratamento ou decidir sob re sua própria saúde
ampla defesa e o devido processo legal. e b em-estar;
3. Extrair, produzir, fab ricar, transformar, b eneficiar,
ANEXO 3: Estabelece as infrações e as preparar, distrib uir, transportar, manipular, purificar,
fracionar, importar, exportar, emb alar, reembalar, manter
regras de aplicação das sanções em depósito, expor, comercializar, dispensar ou entregar
disciplinares ao consumo medicamento, produto sujeito ao controle
Art. 1º: As transgressões e às determinações sanitário, ou sub stância, em contrariedade à legislação
dos CFF e CRF, bem como às infrações à vigente, ou permitir que tais práticas sejam realizadas;
4. Realizar exames e perícias técnico-legais, e emitir laudos
legislação farmacêutica e correlata, são passíveis técnicos em relação às atividades profissionais, em
de apenação, ressalvadas as previstas em normas desacordo à legislação vigente;
especiais. 5. Ob star ou dificultar a ação fiscalizadora ou desacatar as
Art. 2º: Nas infrações éticas e disciplinares serão autoridades sanitárias ou profissionais, quando no
observadas a tipificação da conduta, a exercício das suas funções;
6. Omitir das autoridades competentes quaisquer formas de
reincidência, a análise do fato e as suas agressão ao meio amb iente e riscos inerentes ao
consequências ao exercício profissional e à saúde trab alho, que sejam prejudiciais à saúde e à vida;
coletiva, sem prejuízo das sanções de natureza 7. Aceitar remuneração abaixo do estab elecido como o piso
civil ou penal cabíveis. salarial oriundo de acordo, convenção coletiva ou dissídio
da categoria;
Art. 3º: Em grau de recurso, deve ser observado
8. Delegar a outros profissionais atos ou atrib uições
o princípio do “reformatio in pejus”, que consiste exclusivos da profissão farmacêutica;
na impossibilidade de tratamento mais severo do 9. Exercer a profissão e funções relacionadas à Farmácia,
que o registrado na decisão recorrida, sem que exclusivas ou não, sem a necessária hab ilitação legal;
haja recurso interposto neste sentido. 10. Deixar de prestar assistência técnica efetiva ao
Estab elecimento com o qual mantém vínculo profissional,
Art. 4º: Considera-se reincidente aquele que tiver ou permitir a utilização do seu nome por qualquer
antecedentes disciplinares em processos findados estab elecimento ou instituição onde não exerça pessoal e
Administrativamente ou com decisão transitada efetivamente sua função;
em Julgado. 11. Não comunicar em 5 dias ao Conselho Regional de
 § único: Verifica-se a reincidência quando se Farmácia o encerramento de seu vínculo profissional de
qualquer natureza, independentemente de retenção de
comete outra infração ética durante o prazo de documentos pelo empregador;
5 anos após o trânsito em julgado da decisão 12. Declarar possuir títulos científicos ou especialização que
administrativa que o tenha condenado não possa comprovar, nos termos da lei;
13. Deixar-se explorar por terceiros, com finalidade política
anteriormente.
ou religiosa;
Art. 5º: Quando aplicada a pena de suspensão e 14. Exercer a profissão em estab elecimento não registrado,
eliminação, deve esta ser publicada no órgão de cadastrado e licenciado nos órgãos de Fiscalização
divulgação oficial do CRF, depois do trânsito em sanitária, do exercício profissional, na Junta Comercial e
julgado. na Secretaria de Fazenda da localidade de seu
funcionamento;
15. Assinar trab alho realizado por outrem, alheio à sua
execução, orientação, supervisão ou fiscalização ou,
ainda, assumir a responsab ilidade por ato farmacêutico
que não praticou ou do qual não participou;
16. Pub licar, em seu nome, trab alho científico do qual não Ex.: 1: A Resolução nº 596/14, publicada pelo
tenha participado, ou atrib uir-se autoria exclusiva,
quando houver participação de sub ordinados ou outros
CFF, dispõe sobre o CEF, o CPE e estabelece as
profissionais, farmacêutica ou não; infrações e as regras de aplicação das sanções
17. Aviar receitas com prescrições médicas ou de outras disciplinares. No anexo 3, estão estabelecidas as
profissões, em desacordo com a técnica farmacêutica e a infrações e as regras de aplicação das sanções
legislação vigente; disciplinares. Todas as afirmativas a seguir estão
18. Coordenar, supervisionar, assessorar ou exercer a
fiscalização sanitária ou profissional quando for sócio ou
corretas, EXCETO:
acionista de qualquer categoria, ou interessado por a. As sanções aplicadas serão objeto de registro
qualquer forma, b em como prestar serviços à empresa na ficha individual do farmacêutico, devendo
ou estab elecimento que forneça drogas, medicamentos, ainda ser comunicadas, no caso de
insumos farmacêuticos e correlatos, lab oratórios, suspensão, ao empregador e ao órgão
distrib uidoras ou indústrias, com ou sem vínculo
empregatício; sanitário competente.
19. Promover pub licidade enganosa ou ab usiva da b oa fé do b. Desrespeitar o direito de decisão do usuário
usuário, b em como em relação a produtos farmacêuticos sobre seu tratamento, sua própria saúde e
e à divulgação de assuntos científicos não bem-estar, excetuando-se aquele que,
fundamentados na promoção, proteção e recuperação da
saúde; mediante laudo médico ou determinação
20. Inob servar as normas (resoluções e delib erações) e as judicial, for considerado incapaz de discernir
determinações (acórdãos e decisões) dos Conselhos sobre opções de tratamento ou decidir sobre
Federal e Regionais de Farmácia; sua própria saúde e bem-estar é considerado
21. Permitir interferência nos resultados apresentados como infração ética e disciplinar leve.
perito ou auditor;
22. Aceitar ser perito, auditor ou relator de qualquer processo c. Assinar laudo ou qualquer outro documento
ou procedimento, quando houver interesse, envolvimento farmacêutico em branco, de forma a
pessoal ou institucional; possibilitar, ainda que por negligência, o uso
23. Pleitear, de forma desleal, para si ou para outrem, indevido do seu nome ou atividade profissional
emprego, cargo ou função exercidos por outro
farmacêutico, b em como praticar atos de concorrência é considerado infração ética e disciplinar
desleal; grave.
24. Exercer atividade no âmb ito da profissão farmacêutica d. Incorreta: A reincidência é verificada quando
em interação com outras profissões, concedendo se comete outra infração ética durante o prazo
vantagem ou não aos demais profissionais hab ilitados de 1 ano após o trânsito em julgado da
para direcionamento de usuário, visando ao interesse
econômico e ferindo o direito deste de escolher decisão administrativa que tenha condenado o
livremente o serviço e o profissional; farmacêutico anteriormente.
25. Receb er remuneração por serviços que não tenha
efetivamente prestado; Art. 9º: Às infrações éticas e disciplinares
26. Exercer interação com outros estab elecimentos, GRAVES devem ser aplicadas as penas de
farmacêuticos ou não, de forma a viab ilizar a realização
de prática vedada em lei ou regulamento; suspensão de 3 meses na 1ª vez; de 6 meses na
27. Intitular-se responsável técnico por qualquer 2ª vez; e de 12 meses na 3ª vez, sendo elas:
estab elecimento sem a autorização prévia do conselho 1. Violar o sigilo de fatos e informações de que tenha
regional de farmácia, comprovada mediante a certidão de tomado conhecimento no exercício da profissão,
regularidade correspondente, excetuando-se os amparados pela legislação vigente,
28. Divulgar informação sob re temas farmacêuticos de cujo dever legal exija comunicação, denúncia ou relato a
conteúdo inverídico, sensacionalista, promocional ou que quem de direito;
contrarie a legislação vigente; 2. Participar de qualquer tipo de experiência com fins
29. Promover o uso de sub stâncias ou a comercialização de b élicos, raciais ou eugênicos, b em como de pesquisa não
produtos que não tenham a indicação terapêutica aprovada por CEP/CONEP ou Comissão de Ética no Uso
analisada e aprovada, b em como que não estejam de Animais; exercer atividade farmacêutica com
descritos em literatura ou compêndio nacionais ou fundamento em procedimento não reconhecido pelo CFF;
internacionais reconhecidos pelo órgão sanitário federal; 3. Fornecer meio, instrumento, sub stância ou conhecimento
30. Quando atuando no serviço púb lico, utilizar-se do para induzir à prática, ou dela participar, de tortura,
serviço, emprego ou cargo para executar trab alhos de eutanásia, ab orto ilegal, toxicomania ou de quaisquer
empresa privada de sua propriedade ou de outrem, como outras formas de procedimento degradante ou cruel em
forma de ob ter vantagens pessoais, cob rar ou receb er relação ao ser humano e aos animais;
remuneração do usuário do serviço, reduzir, 4. Desrespeitar a vida, jamais cooperando com atos que
irregularmente, quando em função de chefia ou intencionalmente atentem contra ela ou que coloquem
coordenação, a remuneração devida a outro em risco a integridade do ser humano ou da coletividade;
farmacêutico; 5. Produzir, fab ricar, fornecer, em desacordo com a
31. Anunciar produtos farmacêuticos ou processos por legislação vigente, radio fármacos e conjuntos de
quaisquer meios capazes de induzir ao uso indevido e reativos ou reagentes, destinados às diferentes análises
indiscriminado de medicamentos ou de outros produtos complementares do diagnóstico clínico;
farmacêuticos. 6. Omitir-se ou acumpliciar-se com os que e exercem
ilegalmente a farmácia ou com os profissionais ou
instituições que pratiquem atos ilícitos relacionados à
atividade farmacêutica, em qualquer das suas áreas de
ab rangência;
7. Fornecer, dispensar ou permitir que sejam dispensados, Ex.: 1: Segundo a Resolução nº 596/14, é
sob qualquer forma, sub stância, medicamento ou considerada infração ética GRAVE:
fármaco para uso diverso da indicação para a qual foi
licenciado, salvo quando b aseado em evidência ou a. Correta: Assumir a responsabilidade por ato
mediante entendimento formal com o prescritor; farmacêutico que não praticou ou do qual não
8. Alterar o processo de fab ricação de produtos sujeitos a participou;
controle sanitário, modificar os seus componentes b. Deixar de prestar assistência técnica efetiva ao
b ásicos, nomes e demais elementos ob jeto do registro,
contrariando as disposições legais e regulamentares; estabelecimento com o qual mantém vínculo
9. Praticar ato profissional que cause dano material, físico, profissional;
moral ou psicológico, que possa ser caracterizado como c. Deixar de prestar assistência técnica efetiva ao
imperícia, negligência ou imprudência; Estabelecimento com o qual mantém vínculo
10. Usar-se de conhecimentos da profissão com a finalidade profissional;
de cometer ou favorecer atos ilícitos de qualquer espécie;
11. Fazer uso de documento, atestado, certidão ou d. Assinar laudo ou qualquer outro documento
declaração falsos ou alterados; farmacêutico em branco, de forma a
12. Assinar laudo ou qualquer outro documento farmacêutico possibilitar, ainda que por negligência, o uso
em b ranco, de forma a possib ilitar, ainda que por indevido do seu nome ou atividade
negligência, o uso indevido do seu nome ou atividade
profissional; profissional;
13. Realizar ou participar de atos fraudulentos em qualquer e. Permitir que terceiros tenham acesso a senhas
área da profissão farmacêutica; pessoais, sigilosas e intransferíveis, usadas
14. Usar-se de qualquer meio ou forma para difamar, em sistemas informatizado e inerente à sua
caluniar, injuriar ou divulgar preconceitos e apologia a atividade profissional;
atos ilícitos ou vedados por lei específica;
15. Receb er ou receptar mercadorias ou produtos sem
Resp.:
rastreab ilidade de sua origem, sem nota fiscal ou em  Alternativa (a e c) incorretas: Considerada
desacordo com a legislação vigente; infração mediana;
16. Fazer declarações injuriosas, caluniosas, difamatórias ou  Alternativa (b e (e)) incorretas:
que depreciem o farmacêutico, a profissão ou instituições
e entidades farmacêuticas, sob qualquer forma. Consideradas infração leve;
 Alternativa (d) correta: Está de acordo com
Ex.: 1: A Resolução n° 596/14, do CFF, dentre o art. 9º.
outras providências, estabelece as infrações e as
regras de aplicação de sanções disciplinares, das Art. 10: Àquele que continuar a exercer a
quais podemos AFIRMAR que: profissão, mesmo enquanto estiver sob a sanção
a. Verifica-se a reincidência quando se comete disciplinar de suspensão, será aplicada idêntica
outra infração ética durante o prazo de 10 pena pelo prazo em dobro ao originariamente
anos após o trânsito em julgado da decisão determinado.
administrativa que o tenha condenado Art. 11: A pena de suspensão de 3 a 12 meses
anteriormente. será diretamente;
b. Compreende infração ética e disciplinar Art. 12: A pena de eliminação será imposta aos
mediana afastar-se das atividades que porventura tiverem perdido algum dos
profissionais por motivo de doença, requisitos dos art. 15 e 16 da Lei nº 3820/60 para
congressos, cursos ou outras atividades fazer parte do CRF, inclusive aos que, por faltas
inerentes à profissão, sem comunicar o CRF. graves, já tenham sido 3 vezes condenados
c. Compreende infração ética e disciplinar grave definitivamente à pena de suspensão, ainda que
permitir que terceiros tenham acesso a senhas em CRF diversos.
pessoais, sigilosas e intransferíveis, utilizadas Art. 13: Na hipótese de diversas condutas
em sistemas informatizados e inerentes à sua praticadas pelo indiciado, oriundas do mesmo fato
atividade profissional. ou processo ético-disciplinar, as punições serão
d. Correta: Compreende infração ética e aplicadas de forma cumulativa e sequencial,
disciplinar grave participar de qualquer tipo de delineando-se a pena por cada infração apurada.
Art. 14: Os casos omissos serão resolvidos pelo
experiência com fins bélicos, raciais ou
eugênicos, bem como de pesquisa não Plenário do CFF.
aprovada por Comitê de Ética em Pesquisa ou
Comissão de Ética no Uso de Animais.
FARMÁCIA HOSPITALAR É essencial, o planejamento e gerenciamento
Com a evolução dos serviços de saúde e da adequado do serviço.
compreensão da relevância das contribuições de
farmácia hospitalar, varias definições foram Ex.: 1: O principal objetivo da farmácia hospitalar,
elaboradas e, reescritas. Uma das definições mais segundo a SBRAFH, é contribuir no processo de
completa está na resolução 492/08 do CFF, que cuidados à saúde, visando a melhorar a qualidade
define farmácia hospitalar como: da assistência prestada ao paciente, promovendo
 A unidade clínica, administrativa e econômica, dirigida o uso seguro e racional de medicamentos e
por farmacêutico, ligada hierarquicamente à direção do
hospital ou serviços e integrada funcionalmente com as produtos para a saúde.
demais unidades administrativas e de assistência ao ( ) certo ( ) errado.
paciente. Resp.:
 Assertiva (certo) correta: Este objetivo está
Ex.: 1: O conceito farmácia hospitalar é: conforme preconiza a PNM, regulamentada
a. Unidade clínica, administrativa e econômica pela portaria nº 3916/98.
ligada diretamente à direção do hospital e
integrada, funcionalmente, às demais unidades A resolução nº 568/12 do CFF define farmácia
administrativa e de assistência ao paciente; hospitalar como unidade clínico-assistencial,
b. Correta: Unidade clinica, administrativa e técnica e administrativa, onde se processam as
econômica, dirigida por farmacêuticos, ligada atividades relacionadas à assistência
diretamente à direção do hospital e integrada, farmacêutica, dirigida exclusivamente por
funcionalmente, às demais unidades farmacêutico compondo a estrutura organizacional
administrativas e de assistência ao paciente; do hospital e integrada e de assistência ao
c. Unidade única e responsável pelo paciente.
armazenamento e distribuição de
medicamentos; Ex.: 1: Considerando a organização e o
d. Unidade única e exclusivamente responsável funcionamento de uma farmácia hospitalar, julgue
pelo armazenamento de medicamentos e os itens a seguir:
dirigida por farmacêuticos; A farmácia hospitalar é responsável pelo
e. Unidade dirigida por farmacêutico e armazenamento, pela dispensação e pelo
responsável pela administração de controle de medicamento.
medicamento. ( ) Certo ( ) errado.
Resp.:
Objetivos da farmácia hospitalar  Assertiva (certo) correta: A farmácia hospitalar
Devem ser definidos visando a alcançar eficiência A resolução nº 568/12 do CFF define farmácia
hospitalar como unidade clínico-assistencial, técnica e
na assistência ao paciente e integração às demais administrativa, onde se processam as atividades
atividades desenvolvidas no ambiente hospitalar. relacionadas à assistência farmacêutica, dirigida
Os objetivos básicos de uma farmácia hospitalar exclusivamente por farmacêutico compondo a estrutura
são: organizacional do hospital e integrada e de assistência
 Desenvolver, em conjunto com a comissão de ao paciente.
farmácia e terapêutica ou similar, a seleção
de medicamentos necessários ao perfil A farmácia hospitalar deve desenvolver atividades
assistencial do hospital; relacionadas à gestão, que devem ser
 Contribuir para a qualidade da assistência organizadas de acordo com as características do
hospital onde se insere o serviço. As atribuições
prestada ao paciente, promovendo o uso
seguro e racional de medicamentos e do farmacêutico hospitalar são variadas e de uma
correlatos. Este é considerado, pela amplitude muito grande. Estas podem ser
agrupadas em 5 grandes áreas: 1. Atividade logística,
SBRAFH, o principal objetivo da farmácia 2. Atividade de manipulação/produção, 3. Atividades focadas
hospitalar; no paciente, 4. Controle de qualidade e 5. Atividades
 Estabelecer um sistema eficaz, eficiente e intersetoriais.
seguro de distribuição de medicamentos; A resolução nº 300/97 do CFF define farmácia
 Implantar um sistema apropriado de gestão hospitalar como:
de estoques; Art. 1º: Para os efeitos desta Resolução,
 Fornecer subsídios para avaliação de custos entende-se como:
com a AF e para elaboração de orçamentos; 1. Farmácia de unidade hospitalar: Unidade
 Proporcionar suporte para as unidades de clínica de assistência técnica e administrativa,
produção de propedêutica e terapêutica. dirigida por farmacêutico, integrada funcional e
Para atingir seus objetivos, a farmácia hospitalar hierarquicamente às atividades hospitalares.
deve contar com um sistema eficiente de
informações, dispor de sistema de controle e
manipular corretamente os fatores de custo.
Ex.: 1: de acordo com a OMS: Funções da farmácia hospitalar
 O hospital é parte do sistema integrado de saúde, cuja A OPAS e o MS definem como funções
função é dispensar à comunidade completa assistência à
saúde preventiva e curativa.
fundamentais da farmácia hospitalar:
 Seleção de medicamentos, germicidas e correlatos
necessários ao hospital realizada pela comissão de
Inserida nesta assistência, encontram-se os farmácia e terapêutica ou correspondente e associada
serviços prestados pela farmácia hospitalar. A a outras comissões quando necessário;
farmácia hospitalar, de acordo com o CFF, e a  Aquisição, conservação e controle dos medicamentos
selecionados estab elecendo níveis adequados para
unidade: aquisição por meio de um gerenciamento apropriado
a. Técnica-administrativa, dirigida por profissional dos estoques. O armazenamento de medicamentos
farmacêutico, integrada funcional e deve seguir as normas técnicas para preservar a
hierarquicamente às atividade hospitalares; qualidade dos medicamentos;
b. Clínica de assistência administrativa, dirigida  Manipulação, produção de medicamentos e germicidas,
seja pela indisponib ilidade de produtos no mercado,
por profissional farmacêutico, integrada para atender prescrições especiais ou por motivos de
funcional e hierarquicamente às atividade viab ilidade econômica;
hospitalares;  Estab elecimento de um sistema racional de
c. Clínica de assistência técnico-administrativa, distrib uição de medicamentos para assegurar que eles
cheguem ao paciente com segurança , no horário
dirigida por profissional farmacêutico, não
certo e na quantidade adequada;
integrado funcional e hierarquicamente às  Implantação de um sistema de informação sob re
atividades hospitalares; medicamentos para ob tenção de dados ob jetivos qu
d. Clinica de assistência técnico-administrativa, e possib ilitem à equipe de saúde otimizar a prescrição
dirigida por profissional farmacêutico, não médica e a administração dos medicamentos. O
sistema deve ser útil na orientação ao paciente no
integrada funcional e hierarquicamente às momento da alta ou nos tratamentos amb ulatoriais.
atividades hospitalares
e. Correta: Clínica de assistência técnico- Ex.: 1: O MS e a OPAS estabelecem as funções
administrativa, dirigida por profissional fundamentais de um serviço de farmácia
farmacêutico, integrada funcional e hospitalar. Assinale a alternativa que NÃO
hierarquicamente às atividades hospitalares. corresponde a uma função da farmácia hospitalar:
Resp.:
a. Aquisição, conservação e controle dos
 Alternativa (e) correta: o conceito
medicamentos selecionados, estabelecendo
apresentado na alternativa é o apresentado níveis adequados para aquisição por meio de
no art. 1º da resolução nº 300/97, do CFF.
um gerenciamento apropriado dos estoques;
b. Implantação de um sistema sobre pacientes
A farmácia hospitalar pode ser dividida entre para obtenção de dados objetivos que
farmácia central e satélite. possibilitem à equipe de saúde otimizar a
1. A farmácia central: Tem o objetivo receber
prescrição medica e a administração dos
armazenar (estocar) controlar e estoque e medicamentos;
distribuir os medicamentos e materiais para as c. Incorreta: Manipulação, produção de
farmácias do hospital;
medicamentos e germicidas, seja pela
2. A farmácia satélite: É integrada a central,
indisponibilidade de produtos no mercado para
porem com autonomia para separar e enviar atender prescrições especiais ou por motivos
medicamentos. Elas atendem individualmente, de viabilidade econômica;
possibilitando maior agilidade na dispensação d. Seleção de medicamentos, germicidas e
de materiais e medicamentos hospitalares. correlatos necessários ao hospital, realizada
Em 2010, o MS publicou a portaria 4283, que
pela comissão de farmácia e terapêutica ou
estabeleceu diretrizes relacionadas e estratégias,
correspondente e associada a outras
objetivando organizar, fortalecer e aprimorar as
comissões, quando necessária.
ações de AF em hospitais, tendo como eixo Resp.:
estruturar-se a segurança e a promoção do uso  Alternativa (c) incorreta: A produção de
racional de medicamentos e de outras tecnologias medicamentos e germicidas não corresponde
em saúde. à função da farmácia hospitalar.
Ex.: 2: O MS e a OPAS estabelecem as funções  Participar da CCIH sub sidiando as decisões políticas e
técnicas, relacionadas, em especial, à seleção, à
fundamentais de um serviço de farmácia
aquisição, ao uso e controle de antimicrob ianos e de
hospitalar. Sobre esse assunto, marque o item germicidas hospitalares;
VERDADEIRO:  Participar da comissão de terapia nutricional,
a. Seleção de medicamentos e correlatos prestando informações relacionados à viab ilidade
necessários ao hospital, enquanto que os técnica das aditivações desejadas, estab ilidade e custo
das preparações etc.;
germicidas são de responsabilidade exclusiva
 Participar das atividades de pesquisas que usam
da CCIH; medicamentos; providenciar sua aquisição, controlar e
b. Aquisição, armazenamento e controle dos definir normas para solicitação à farmácia, b em como
medicamentos e correlatos, adequando tais fornecer orientação sob re o uso racional;
atividades para as necessidades da unidade  Participar de reuniões técnico-científicas desenvolvidas
nos serviços assistenciais do hospital;
assistencial, sendo facultativo o cumprimento
 Participar das atividades de reciclagem dos funcionários
das normas técnicas preconizadas; do hospital, ministrando temas relacionados a
c. Correta: Estabelecimento de um sistema medicamentos e ciências farmacêuticas;
racional de distribuição de medicamentos,  Elab orar e prestar, quando solicitado, informações
assegurando que os mesmos cheguem ao técnico-científicas sob re medicamentos e outros
produtos farmacêuticos.
paciente com segurança, no horário e dose
adequados; Após a estruturação do serviço de farmácia e
d. Implantação de um sistema de informação
com o desenvolvimento integral das funções
sobre medicamentos voltados somente para
prioritárias pode iniciar a implementação de
os farmacêuticos, uma vez que a otimização
outras diretrizes:
da prescrição médica é responsabilidade  Realização de estudos farmacoepidemiológicos;
desses profissionais.  Elab oração de avaliações farmacoeconômicas;
Resp.:  Implantação de monitorização plasmática de fármacos
 Alternativa (c) correta: O estabelecimento e de fármaco clínica;
de um sistema racional de distribuição é  Estruturação de programas de farmacovigilância;
 Elab oração de protocolos farmacoterápicos;
fundamental para a segurança do paciente.
 Desenvolvimento de atividades de farmácia
clínica/atenção farmacêutica;
Atividades da farmácia hospitalar  Desenvolvimento de programas de terapia nutricional;
Para desenvolver su as funções a farmácia deve  Implantação de central de misturas endovenosas;
executar as seguintes atividades:  Estruturação do centro de informação de
 Distrib uir medicamentos por dose unitária ou medicamentos;
individualizada para todas as Unidades de Internação  Desenvolvimento de atividades educacionais e de
e Unidades de Apoio Propedêutico; pesquisa.
 Manter e controlar es toque-padrão de medicamentos Tais diretrizes objetivam o uso seguro e eficaz
e produtos farmacêuticos usados nas unidades de dos medicamentos.
internação, apoio propedêutico, pronto atendimento e
outros serviços;
 Dispensar medicamentos para pacientes externos e
em alta hospitalar prestando orientação farmacêutica
adequada;
 Manipular soluções desinfetantes e distrib uí-las na
diluição de uso para todas a unidades;
 Preparar soluções anti-sépticas e distrib uir em
condições de pronto uso;
 Preparar, aditivar e controlar a qualidade das soluções de
nutrição parenteral;
 Fracionar formas sólidas e líquidas para uso oral ou
parenteral necessárias à pediatria , unidade neonatal
e pacientes especiais;
 Controlar a qualidade dos produtos manipulados e
adquiridos, da matéria-prima e do material de en vase
utilizados nas preparações manipuladas no hospital;
 Manter CAF e executar as atrib uições tarefas inerentes
ao controle físico e contáb il necessários à prestação de
contas do hospital;
 Elab orar pedidos de compra de medicamentos, emitir
pareceres técnicos, inspecionar, receb er, armazenar e
distrib uir medicamentos, produtos e insumos
farmacêuticos;
 Controlar, de acordo com a legislação vigente,
medicamentos que podem levar à dependência física
ou psíquica ou que provoquem efeitos colaterais
importantes;
 Participar da comissão de farmácia e terapêutica ou
similar fornecendo sub sídios técnicos para tomada de
decisões quanto à inclusão e à exclusão de
medicamentos;
Parâmetros Mínimos para Ambientes Parâmetros Mínimos para Recursos Humanos
A Farmácia Hospitalar e os demais serviços de A unidade de Farmácia Hospitalar e de serviços
saúde deve ser localizada em área que facilite a de saúde deve contar com farmacêuticos e
provisão de serviços a pacientes e às unidades auxiliares em número adequado às atividades
hospitalares, devendo contar com recursos de realizadas, de forma a proporcionar o
comunicação e transporte eficientes. Para o desenvolvimento de processos seguros e sem
funcionamento de uma unidade de Farmácia sobrecarga ocupacional, respeitando o limite de
Hospitalar devem existir, no mínimo, os carga-horária semanal legalmente estabelecida e
seguintes ambientes: a legislação vigente, em especial a Lei 13021/14,
1. Área para administração; no tocante a presença de farmacêutico durante
2. Área para armazenamento; todo o horário de funcionamento. O número de
3. Área de dispensação; farmacêuticos e de auxiliares dependerá das
4. Área para atendimento farmacêutico. atividades desenvolvidas, da complexidade do
Havendo outros tipos de atividades (manipulação cuidado, do número de leitos, do grau de
magistral e oficinal, manipulação de desinfetantes, informatização e mecanização da unidade, com
fracionamento, produção de kits, manipulação de dedicação exclusiva à atividade vinculada.
antineoplásicos, nutrição parenteral e de outras
misturas intravenosas; manipulação de Ex.: 1: Para definição do tamanho (área física) de
radiofármacos, controle de qualidade, serviço de uma farmácia hospitalar, considera-se importante:
informação e outras) deverão existir ambientes a. O desenvolvimento de ensaios clínicos na
específicos para cada uma destas atividades, instituição;
atendendo a legislação pertinente. Recomenda-se b. A posição geográfica do hospital;
que a gerência da farmácia conte com ambiente c. Correto: O número de leitos do hospital;
privativo, suporte administrativo e que haja d. Vias de acesso ao serviço de farmácia;
recursos para as atividades de informação sobre e. A atividade da farmácia junto aos
medicamentos e produtos para saúde e de representantes de laboratórios.
farmacovigilância. Em hospitais onde exista Resp.:
dispensação ambulatorial de medicamentos é  Alternativa (c) correta: Para que o tamanho
recomendável que haja uma área específica para da farmácia hospitalar, o número de leitos do
esta finalidade, com a instalação, também, de um hospital. Esse critério também, é considerado
consultório farmacêutico. Cabe destacar que as na contratação de recursos humanos,
salas de manipulação de nutrição parenteral,
medicamentos estéreis, medicamentos citotóxicos
e radiofármacos, devem ser de uso exclusivo para
o preparo desses medicamentos, sendo vedado a
manipulação de outras substâncias, conforme
legislação específica.
Para o funcionamento de uma unidade de
farmácia hospitalar a SBRAFH recomenda, no
mínimo, os seguintes ambientes: área para
administração, área para armazenamento e área
de dispensação e orientação farmacêutica.

Ex.: 1: De acordo com os padrões mínimos


recomendado pela SBRAFH, para funcionar, uma
unidade de farmácia hospitalar deve ter, no
mínimo, dois ambientes: Um para administração e
outro para armazenamento.
( ) certo ( ) errado.
Resp.:
 Assertiva incorreta: Para o funcionamento de uma
unidade de farmácia hospitalar, devem existir, no mínimo,
os seguintes amb ientes: áreas para administração, área
para armazenamento e área de dispensação e
orientação farmacêutica.
Área física e localização GERENCIAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE
A área física da farmácia com o número de leitos FARMÁCIA
hospitalares: 1,5m 2/leito, 1,2m 2 e 1m 2/leito. O O hospital é uma organização de natureza social
ideal, ao prever o dimensionamento de uma que tem por finalidade produzir e oferecer
farmácia hospitalar, é considerar, além do número serviços de saúde à população. Para uma
de leitos, outros fatores de suma importância que organização se estabelecer e alcançar seu
influenciarão no desenvolvimento das atividades a objetivo é essencial uma administração eficaz. Os
serem executadas. Entre estes fatores destacam- hospitais evoluíram desde pequenos grupos
se: estruturados informalmente até as grandes e
 Tipo do hospital: especializados, policlínico, de complexas organizações dos dias atuais.
ensino, filantrópico; O hospital deve ser administrado segundo
 Nível de especialização da assistência médica critérios absolutamente adequados,
prestada no hospital; essencialmente baseados nos pressupostos que
 Fonte mantenedora e tipo de atendimento: caracterizam a moderna administração
particulares, convenio com o SUS e outros; empresarial. A farmácia como órgão inserido e
 Programação das necessidades da farmácia integrado ao hospital deve seguir as mesmas
em função das atividades propostas; diretrizes.
 Região geográfica onde se localiza o hospital, A administração é uma atividade complexa
considerando as dificuldades de aquisição, imprescindível às organizações modernas. É
transporte de medicamentos. uma técnica que trata de conduzir as
O MS define nas normas para projetos físicos de organizações aos objetivos visados. Basicamente
estabelecimento assistenciais de saúde os as funções do administrador são: planejamento,
ambientes e as dimensões que devem constar da organização/direção e controle. Quando
planta física de uma farmácia hospitalar. consideradas como um todo formam o processo
Quanto à localização, a farmácia deve seguir administrativo. Estas funções estão presentes em
critérios que possibilitem o seu bom todas as áreas funcionais e compõem o conjunto
funcionamento, adequando-se ao tipo estrutural básico de atividades a serem desempenhadas
do hospital. Devem-se observar os seguintes por qualquer administrador.
aspectos: O planejamento é uma função fundamental do
 Facilidade de circulação e reabastecimento; administrador, pois abrange a escolha das
 Equidistância das unidades usuárias e alternativas de ação e determina, também, como
consumidoras, permitindo um fácil acesso; as outras funções serão executadas para
alcançar as metas estabelecidas. O planejamento
 Certo grau de isolamento devido aos ruídos
introduz ordem e método nas atividades e
(quando houver produção industrial ou semi-
transforma em rotinas disciplinadas a ação
industrial), assim como odores e poluição;
administrativa. Ele dirige e reduz o custo
 Critérios técnicos e administrativos usados.
operacional, diminui o desperdício e a
A farmácia hospitalar deve estar localizada em
improvisação, prevê os elementos necessários,
área que facilitem a provisão de serviços a
permite a conclusão do trabalho no tempo
pacientes e deve contar com recursos de
previsto e o aproveitamento eficaz dos recursos,
comunicação e transporte.
eleva o moral do grupo e melhora a qualidade de
produtos e serviços. O planejamento se realiza
Ex.: 1: A farmácia hospitalar deve estar localizada
apoiado em projetos.
em área de difícil acesso, isolada das outras No setor da saúde, o planejamento é o
unidades hospitalares, para preservação dos
instrumento que permite melhorar o desempenho,
estoques de medicamentos.
otimizar a produção e elevar a eficácia e a
( ) certo ( ) errado.
Resp.: eficiência dos sistemas no desenvolvimento das
funções de proteção, promoção, recuperação e
 Assertiva incorreta: A farmácia hospitalar
reabilitação da saúde. Atualmente, o método de
deve estar localizada em área que facilite a
planejamento mais usado na área de saúde é o
provisão de serviços a pacientes e às planejamento estratégico situacional.
unidades hospitalares. Ela deve contar com
O método de planejamento estratégico situacional
recursos de comunicação e transporte trabalha com a complexidade da realidade e
eficiente.
admite que não há um conhecimento único e
que a explicação da realidade depende da
inserção de cada ator que participa do problema,
sendo, assim, parcial e múltiplo. O outro
diferencial que apresenta em relação ao método
tradicional é a abordagem de outras dimensões
além da econômica, corno poder, capacidade
administrativa e conhecimento.
ORGANIZAÇÃO GESTÃO DA FARMÁCIA HOSPITALAR NO
Com a finalidade de atingir objetivos, executar CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES DE
planos e possibilitar às pessoas trabalharem SAÚDE
eficientemente, as atividades precisam ser As organizações de saúde são compostas por
agrupadas de forma lógica e concessões de subsistemas: gestão de materiais, gestão
autoridade serem feitas de modo que haja orçamentário-financeira, gestão de recursos
desenvolvimento do trabalho. Assim, quando humanos e outros. O sistema de gestão é um
surgirem dificuldades ou conflitos esses poderão espaço de interseção entre todos eles, além
ser entendidos e resolvidos. Portanto, a de estar conectado, também, externamente.
organização visa a arrumar e alocar o trabalho, Insere-se em sistemas maiores, o sistema de
de maneira a alcançar, eficientemente, os saúde é um deles, além de outros com os
objetivos. A divisão do trabalho é a quais se inter-relaciona. O adequado
decomposição de uma tarefa complexa em funcionamento da organização é dependente da
componentes de modo que os indivíduos sejam correta compreensão e gerenciamento das
responsáveis por um subconjunto de atividades necessidades de trocas entre os subsistemas
e não pela tarefa como um todo. e os sistemas externos. A rede de
À medida que cresce a especialização dentro interdependências é complexa , exigindo
da divisão de trabalho, surge a necessidade de diferenciados mecanismos de controle e
departamentalização ou setorialização. coordenação. O componente essencial do
A departamentalização, ou agrupamento de hospital é o núcleo operacional constituído
tarefas semelhantes e logicamente conectadas, dos operadores responsáveis pelo produto final
pode ser facilmente representada num da organização. Dificuldade de padronização dos
organograma. O organograma é o diagrama da processos de trabalho ocorre como
estrutura de uma organização, mostrando as conseqüência das peculiaridades que dependem
funções, os departamentos ou as posições na de habilidades específicas. As organizações
organização , e como estes elementos se hospitalares podem ser classificadas segundo as
relacionam. A especialização dentro de um configurações de Mintzberg, como uma
mesmo nível hierárquico é demonstrada por burocracia profissional.
meio do crescimento horizontal do O elemento-chave é a tecnoestrutura e a base
organograma. A coordenação é a integração das do modo de produção é a padronização dos
atividades realizadas pelas partes separadas de processos de trabalho. O produto final é
uma organização para alcançar objetivos elaborado no núcleo operacional representado
organizacionais. pelos operadores responsáveis pelas ações de
aquisição, controle, armazenamento e distribuição
de medicamentos. O produto desejado é uma
AF de qualidade e custo adequado que
satisfaça às necessidade dos usuários da
organização com o um todo.
A farmácia hospitalar deve ser analisada numa
perspectiva múltipla considerando os aspectos
inter e extra organização, tais como poder,
objetivos, estrutura, ambiente, processo e
pessoas. Todos estes aspectos estão articulados
entre si mediante um fluxo de trânsito duplo.
As atividades desenvolvidas na AF são
essencialmente atividades de serviço,
concentrando, portanto, suas questões
primordiais na área de recursos humanos . A
administração do séc. 21 é centrada nas
pessoas e no fortalecimento das condições do
ser humano empregando os seguinte princípios:
 Centralização da estratégia e nas pessoas:
Alcançada por meio da participação efetiva
dos indivíduos na realização do
planejamento, elaborando-se projetos
fundamentados nas iniciativas humanas,
,direcionando-se o processo produtivo para a
satisfação dos indivíduos. E importante a
construção de cenários sustentáveis e o
planejamento voltado para as exigências do
futuro;
 Fortalecimento da condição do ser: Ciclo PDCA
humano: Sua viabilização pode ser O conceito de melhoria contínua pode
efetivada a partir da substituição do concretizar-se através de um ciclo de
treinamento pela capacitação, na qual o planejamento: Plan, Do, Check e Act (PDCA)
condicionamento e o ajuste do indivíduo para aplicada a todos os processos. O ciclo PDCA tem
o cumprimento de normas e rotinas venham como estágio inicial o planejamento da ação. Em
a ser substituídos pela realização de seguida, tudo o que foi planejado é executado,
interesses pessoal e social, despertando a posteriormente, a necessidade de checagem
responsabilidade e o compromisso social dos constante destas ações implementadas. Com
trabalhadores; base nesta análise e comparação das ações com
 Busca do desenvolvimento de novos aquilo que foi planejado, o gestor começa, então,
talentos: Realizada por meio da a implantar medidas para correção das falhas que
estimulação da criatividade e em função do surgiram no processo ou produto.
desenvolvimento pessoal, social e global;  Plan = planejar: Está fase pode ser dividida
 Fortalecimento das responsabilidades em duas etapas: a primeira é traçar uma meta
individuais e coletivas: é considerado o inicial, a segunda é estabelecer os métodos
caminho para a construção de uma que serão usados para se atingira meta
sociedade mais solidária, já que os desejada. Ao final, o gestor precisa definir um
indivíduos deixarão de agir apenas em plano eficiente.
função da lucratividade das empresas,  Check = Verificar: Após planejar e pôr em
passando a atuar como atores sociais. prática, o gestor precisa monitorar e avaliar
Este contexto, o farmacêutico hospitalar não constantemente os resultados obtidos com a
deve desenvolver uma ação administrativa que execução das atividades. Avaliar processos e
vise apenas à manutenção da disciplina no resultados, confrontando-os com objetivos,
ambiente de trabalho e à supervisão da s especificações e estado desejado,
tarefas. É importante se empenhar, com todas consolidando as informações e,
as forças possíveis, na valorização e promoção eventualmente, confeccionando relatórios
da equipe de trabalho oferecendo-lhe condições específicos.
para o progresso profissional e pessoal.  Do = fazer: É a fase de execução do
planejamento. Nesta fase, é preciso realizar
Ferramenta de gestão pela qualidade todas as atividades que foram previstas e
Para o MS, a auditoria consiste no exame planejadas dentro do plano de ação.
sistemático e independente dos fatos obtidos,  Act = atuar/ação: Esta etapa dependerá da
através da observação, medição, ensaio ou outras situação encontrada após a realização das
técnicas apropriadas de uma atividade, elemento fases de planejamento, execução e
ou sistema, para verificar a adequação aos verificação. É a etapa, é preciso tomar as
requisitos preconizados pelas leis e normas providencias estipuladas nas avaliações e
vigentes, e determinar se as ações de saúde e relatórios sobre os processos. Se necessário,
seus resultados estão de acordo com as o gestor deve traçar novos planos de ação de
disposições planejadas. Através da análise e melhoria da qualidade do procedimento,
verificação operativa, avalia-se a qualidade dos visando sempre à correção máxima de falhas
processos, sistemas e serviços e a necessidade e ao aprimoramento dos processos da
de melhoria ou de ação preventiva/corretiva. empresa. É a fase final de fechamento do
Outra definição considera auditoria uma atividade ciclo.
formal, documentada, planejada, organizada e
executada por pessoal habilitado, que não possua Ex.: 1: A gestão estratégica e de qualidade de
responsabilidade direta na execução do serviço uma farmácia hospitalar exige um ambiente de
em avaliação e que, se utilizando de método de trabalho pautado em comprometimento da equipe
coleta de informações baseado em evidências para a efetivação de processo contínuos em
objetivas e imparciais, fornece subsídios para serviço com padrões de excelência. Dentre as
verificação da eficácia do Sistema da Qualidade várias ferramentas que servem como instrumento
da Organização. para gestão de qualidade, tem-se o ciclo PDCA.
Sobre esse ciclo, A etapa que visa a identificar a
existência de anormalidade no processo de
execução frente ao planejamento estabelecido e
que serve como avaliação em busca de
oportunidade de melhoria chama-se:
a. Correta: Atuar;
b. Verificar;
c. Planejar;
d. Fazer.
ORGANIZAÇÃO DE ALMOXARIFADO Área física
A palavra almoxarifado teve origem na península A área de armazenamento de medicamentos
ibérica (765 a 1031), quando ocorreu a invasão deve ter capacidade para permitir uma estocagem
árabe. O vocábulo al-xarife designava a pessoa adequada e organizada de todos os produtos. O
de confiança do sultão responsável pela guarda espaço deve ser suficiente para um fluxo racional
dos bens do seu senhor. de pessoal e materiais, visando minimizar o risco
Almoxarifado é a unidade administrativa com a de trocas de medicamentos diferentes, ou lotes de
finalidade de suprir material, na quantidade certa, um mesmo medicamento.
no momento certo e na qualidade certa, pelo A área física do almoxarifado pode estar
menor custo possível, a todos os setores dos destinada à estocagem de medicamentos e
órgãos ou entidades. Também é destinada à produtos para a saúde. Para tanto, devem ser
guarda e conservação de materiais e bens móveis previstos setores separados para os mesmos.
novos, com controle do salto físico e do registro, Recomenda-se que cada setor tenha profissional
visando atender as necessidades interna de responsável.
suprimento do órgão ou entidade. 1. Estrutura física externa: Deve ter espaço
É um importante setor das empresas, sejam suficiente para a manobra dos caminhões que
publicas ou privadas, e consiste no lugar farão a entregados produtos. Deve ter
destinado à armazenagem em condições plataforma para carga e descarga, com altura
adequadas de produto para uso interno. correspondente à carroceria de um caminhão,
As atividades voltadas para administrar o fluxo o que corresponde a aproximadamente
de medicamentos e de informações relacionadas 100cm. Estas áreas devem ter cobertura, para
com esse fluxo ao longo da cadeia de suprimento evitar a incisão direta de luz sobre os produtos
constituem o que se chama logística. durante a descarga e, eventualmente chuva. O
O armazenamento e a distribuição são etapas local deve possuir rampas para locomoção de
da cadeia logística e englobam desde as carrinhos. As portas externas devem ser
características necessárias bem como cuidados confeccionadas em aço e em tamanhos
no recebimento, métodos de localização dos itens adequados para a passagem dos caminhões.
e tipos de distribuição. Estas atividades, também A iluminação deve ser considerada como
fazem partes da AF e visam assegurar a medida de segurança por 24h.
qualidade dos medicamentos por meio de 2. Estrutura física interna: As instalações
condições adequadas de armazenamentos e de devem ser projetadas de acordo com o volume
um controle de estoque eficaz, bem como garantir operacional do almoxarifado. Mas as
a disponibilidade dos medicamentos em todos os condições físicas devem ser observadas
locais do atendimento ao usuário, portanto devem qualquer que seja o tamanho do mesmo:
ser tratadas como primordiais para qualidade do  Piso: Deve ser plano, de fácil limpeza e resistente para
medicamento para sustentabilidade dos serviços e suportar o peso dos produtos e a movimentação dos
equipamentos;
para garantia de acesso.  Paredes: De alvenaria, de cor clara, lavável e isenta de
O principal objetivo do armazenamento e da infiltrações e umidade, pelo menos uma das quatro
distribuição é garantir a qualidade dos paredes deve receb er ventilação direta através da
medicamentos sob as condições adequadas e ab ertura localizada, no mínimo, a 210cm do pi so. Esta
ab ertura deve ser protegida com tela.
manter um controle de estoque eficaz, bem como
 Pé direito: A altura mínima recomendada é de 6m na
garantir sua disponibilidade em todos os locais de área de estocagem e de 3m nas demais áreas.
atendimento. A qualidade do produto deve ser  Portas: De preferencia esmaltadas ou de alumínio, com
assegurada desde o recebimento até sua entrega fechadura;
ao usuário, em todos os níveis de gestão: federal,  Teto: De laje, sem telhas de amianto;
estadual ou municipal.  Sinalização interna: As áreas e restantes, além dos
locais dos extintores de incêndio, precisam ser
De acordo com o manual do MS Boas práticas identificados;
para estocagem de medicamentos ou, ainda,  Instalações elétricas: Devem ser mantidas e b om
com o guia básico para a farmácia hospitalar e estado, evitando-lhe o uso de adaptadores. O quadro de
com as diretrizes para estruturação de farmácia no força deve ficar externo à área de estocagem e as
âmbito do SUS, todos os produtos devem ser fiações devem estar em tub ulações apropriada.
 Iluminação, ventilação e umidade: Devem ser
armazenados obedecendo às condições técnicas controladas, para evitar efeitos prejudiciais sob re os
ideais de luminosidade temperatura e umidade, medicamentos estocados.
com o objetivo de assegurar a manutenção das
características e de qualidade necessárias ou
correto uso. Os produtos devem ser dispostos de
forma a garantir as características físico-químicas,
a observação de prazo de validade e, ainda, a
manutenção da qualidade.
Central de Abastecimento Farmacêutico (CAF) Estabilidade dos medicamentos
A CAF é a área onde é feita a guarda dos itens e Pode ser afetada pela ocorrência de reações
realizadas atividades quanto à adequada químicas que alteram a estrutura do fármaco. A
recepção, estocagem e distribuição. As principais absorção de umidade ou reações com a luz do
atividades operacionais e de planejamento da ambiente são reações, por exemplo, que podem
CAF são: afetar a estabilidade dos medicamentos. Os
 Receb er os produtos adquiridos, conferindo com a nota principais fatores que atuam nas reações de
fiscal de compra e realizar a conferência do que foi degradação dos medicamentos são:
pedido com o que receb ido.
 Temperatura: A elevação de temperatura pode afetar;
 Realizar o lançamento de entrada por meio do sistema estab ilidade de muitos medicamentos, tanto a
informatizado e guardar os itens em locais apropriados. temperatura altas quanto b aixas temperaturas. É
 Realizar as atividades relacionadas à gestão de estoque. importante verificar qual temperatura ideal para cada
 Conservar os medicamentos em condições seguras, medicamento e armazená-lo respeitando sua
preservando a qualidade e permitindo o uso do sistema característica.
primeiro a entrar, primeiro a sair, considerando o prazo  Luz: Há medicamentos que quando expostos à luz
de validade (PEPS) para movimentação dos sofrem influência na velocidade de reações de
medicamentos. fotodegradação, ou seja, a luz degrada o medicamento,
 Realizar levantamentos periódicos de estoques . comprometendo sua eficácia.
Não existe um tamanho padrão para esta área,  Umidade: Pode ocasionar reações como, por exemplo,
pois a área deve ser definida de acordo com em medicamentos como cápsulas que podem ab sorver
umidade, tornando-os impróprios para o uso.
diversos fatores, entre os quais o nível de
atendimento prestado pelo hospital, o tipo ou Assim, os medicamentos devem ser
armazenados em condições ambientais ideais
modalidade de aquisição adotada pela instituição
para que mantenham inalteradas suas
e o tempo decorrido para a reposição dos
propriedades farmacológicas.
estoques. Para o adequado armazenamento de
medicamentos, é recomendável que a CAF deva
Condições especiais de armazenamento
ser organizada com as seguintes áreas:
 Área de Recebimento: Local para receb imento dos Há itens que apresentam características
produtos com fácil acesso para os fornecedores poderem específicas que exigem um cuidado maior no
realizar as entregas. processo de armazenamento, por vários motivos,
 Área de Recepção e Conferência: Local para inspeção como por exemplo, restrição de acesso ou de uso
física do material e conferência da respectiva do item. Cabe ao farmacêutico identificar quais
documentação fiscal que o acompanha no momento do
receb imento. são estes itens e determinar e/ou orientar o
 Área de Armazenagem: Local distinto, reservado e armazenamento mais adequado.
separado da área de receb imento, recepção e  Medicamentos controlados: Os
conferência. É ideal que seja sub dividido em várias medicamentos sujeitos ao controle especial
áreas, de acordo com os materiais a serem estocados,
como por exemplo, áreas para medicamentos, materiais
descritos na Portaria nº 344/98 do MS devem
hospitalares, germicidas, termoláb eis etc. ser armazenados em locais seguros, com
 Área de quarentena: Local para a segregação física dos instalações trancadas e acesso restrito,
materiais rejeitados, vencidos, recolhidos ou devolvidos. seguindo a regulamentação em vigor. É de
 Área de Separação e Conferência: Local para responsabilidade do farmacêutico a segurança
separação e conferência do material requisitado antes do
envio para a unidade solicitante. na guarda e distribuição destes medicamentos.
A área de armazenamento de medicamentos  Produtos inflamáveis: Estes produtos devem
deve ser construída para assegurar uma ser armazenados em instalações
adequada condição de estocagem. As paredes, especialmente construídas, com ventilação e
teto e chão devem ser revestidos por materiais proteção contra incêndio como, por exemplo,
com características próprias, tais como: portas corta-fogo, sistema de alarme contra
resistentes, de fácil limpeza, que não desprendam incêndio e rede de alagamento. Recomenda-
partículas, evitando-se o acúmulo de poeira. A se que a quantidade a ser armazenada seja a
área deve ser protegida contra umidade e possuir menor possível, diminuindo assim o risco de
um sistema que permita boa circulação de ar, acidentes.
mantendo padrões aceitáveis de temperatura, não  Medicamentos alto risco: Há medicamentos
superior a 25°C. A área deve ser protegida contra que se forem usados de forma inadequada
a entrada de pragas, insetos e roedores e, ainda, podem causar danos graves aos pacientes.
deve haver um sistema de proteção contra Medicamentos chamados de eletrólitos
entrada de poeira e fuligem. concentrados são exemplos de itens de alto
risco e devem ser identificados e armazenados
separadamente das demais soluções
injetáveis.
Logística hospitalar O gerenciamento de materiais exige do
O objetivo da administração hospitalar atual é se farmacêutico hospitalar, além do domínio técnico
adaptar às contínuas mudanças e, dentro das das ciências farmacêuticas, conhecimentos sobre
adversidades, prover os meios necessários para logística de materiais destacando-se:
assistência aos pacientes. Dentro deste contexto a  Planejamento, padroniz ação, aquisição, receb imento,
administração de materiais possui importante armazenamento, dispensação/distrib uição e controle
de estoques.
papel, pois estes produtos são parte significativa
dos gastos dos hospitais.
A gestão de estoques, estabelece os períodos de
O grau de comprometimento das despesas de
reposição dos estoques e quanto adquirir para
custeio do hospital com materiais, pode se situar
na faixa de 30% a 45% . É importante ressaltar esta reposição, utilizando-se dos dados gerados
que estes percentuais são variáveis conforme as pelo controle de estoques para efetuar os
peculiaridades de cada hospital. Os cálculos necessários para mensurar os pedidos
medicamentos comprometem de 5% a 20% dos de material.
orçamentos dos hospitais. Embora,
Controle de estoque
aparentemente, o peso das despesas com
O controle de estoques é um dos
medicamentos não seja alto, este é um
componentes da gestão de materiais
instrumento crucial para a assistência ao
paciente e sua participação nas despesas com caracterizado por um subsistema incumbido de
determinar Quando e Quanto comprar para
saúde vem subindo de forma progressiva nos
últimos anos. uma aquisição adequada.
A participação do profissional de saúde dentro do  Quanto Comprar: A quantidade necessária a
processo logístico de materiais é imprescindível, ser adquirida é obtida a partir da média
pois é ele que normalmente solicita o produto aritmética móvel aliada ao estoque de
com a correta especificação, controla a qualidade segurança, análise ABC de valor e outros
do que vai ser comprado, realiza o recebimento parâmetros.
qualitativo e, finalmente, em várias situações, é  Média Aritmética Móvel: A média
também usuário destes materiais nas suas aritmética móvel é o método para previsão
atividades. de estoques mais usado no meio hospitalar.
Numa situação de escassez de recursos Este método permite orientar a previsão de
financeiros e aumento dos custos da prestação consumo para o próximo período, por
de serviços é essencial que as técnicas modernas meio da média aritmética dos valores nos
de gerenciamento de materiais sejam de domínio n últimos períodos (n= número de meses). A
de todos os profissionais participantes do escolha do valor de n é arbitrária e
processo, buscando diminuir custos e garantir a depende da experiência do gerente.
qualidade  Quanto maior for o n, menor a resposta a
variações de consumo e vice-versa.
O importante é que os meios necessários para
o atendimento aos pacientes estejam Recomenda-se trabalhar com o n
disponíveis quando re quer idos, destacando-se superior a 3 e inferior a 12. No meio
que a saúde pode não ter preço, mas tem hospitalar as variações de consumo,
custos, e que, em qualquer hospital, seja
principalmente de medicamentos, ocorrem
público ou privado, os recursos devem ser bem com maior freqüência de acordo com o
empregados procurando atingir o maior número modelo de evolução sazonal. Considera-se a
de pessoas. variação como sazonal, quando apresenta
Atualmente, o conceito de administração de um desvio mínimo de 25% do consumo
materiais está sendo englobado por uma visão médio mensal (CMM) e surge atrelada a
mais ampla que é a logística, como o processo causas específicas (verão, inverno, epidemias
de planejamento, implementação e controle do e outros). Assim, ao se estabelecer o valor de
fluxo eficiente e eficaz de matérias-primas, n deve-se ter em conta o modelo de
estoques de produtos semi-acabados e evolução de consumo no período.
acabados, bem como de fluxos de informações a
eles relativo, desde a origem até o consumo, com 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑢𝑚𝑜 𝑑𝑒 𝑁 ú𝑙𝑡𝑖𝑚𝑜𝑠 𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠
o propósito de atender aos requisitos dos clientes. CMM=
𝑛
O farmacêutico hospitalar, como administrador
de materiais, tem como objetivo principal prover  CMM=consumo médio mensal;
os medicamentos ou correlatos no momento em  N= número de meses.
que são requeridos, na quantidade necessária,
com qualidade assegurada, ao menor custo A cada novo mês, acrescenta-se o mês mais
possível. recente e despreza-se o mais antigo. Além da
média móvel, têm-se outras formas de previsão
de consumo, praticamente não usadas em
hospitais.
 Último Período: Baseia-se numa Estoque de Segurança
determinação simples com uso dos mesmos Estoque de segurança ou estoque mínimo é a
dados coletados no período anterior. Sua quantidade de cada item que deve ser mantida
aplicabilidade é direcionada a produtos de como reserva para garantir a continuidade do
consumo uniforme. Em representação gráfica, atendimento em caso de ocorrências não pre
constatam-se duas curvas idênticas em vistas como: elevação brusca no consumo e
períodos de tempos diferente. atraso no suprimento. O estoque de segurança
 Média Móvel Ponderada: Usada quando o evita ruptura do estoque que tem como
método do último período torna- se conseqüências a queda no nível de
inaplicável por ocorrência de grandes atendimento e o próprio custo da ruptura.
variações nos períodos mais próximos. Os O custo da ruptura de estoque pode ser
pesos são valores decrescentes dos avaliado levando em conta os seguintes
consumos mais recentes para os mais parâmetros:
antigos. Objetiva ajustar melhor a tendência  Custo do não atendimento , custo com pessoal que
estará, temporariamente, sub utilizado pela falta do
da curva de consumo, sendo uma variação do
material, custo adicional do material adquirido para
método da média móvel. Alguns programas manutenção do nível de atendimento e custo do
para controle de estoque têm trabalhado com trab alho desenvolvendo na mudança da rotina.
este tipo de média.
 Média Ponderada Exponencial: Considera- O estoque de segurança depende do consumo
se o erro de previsão do período anterior. , do tempo de abastecimento e da classificação
Determina-se a próxima previsão a partir da ABC do produto. O consumo usado para esta
"adição da previsão anterior ao produto da determinação é geralmente representado pe la
constante de amortecimento pelo erro de média móvel:
previsão". Utilizando a seguinte fórmula:  O tempo de abastecimento (TA): é o
intervalo de tempo que vai desde o início do
𝑋̅t =𝑋̅(t-i) + a[X(t-i)-𝑋̅(t-i)] processamento interno da compra, incluindo
𝑋̅t =Previsão de consumo; a emissão do pedido, até a chegada do
X(t-i)= Consumo ocorrido no período anterior; material no local de armazenamento.
𝑋̅(t-i)= Previsão de consumo no período  O tempo de processamento interno (TPI):
anterior; compreende o período do planejamento,
X(t-i)-𝑋̅(t-i)= Erro de previsão. elaboração do pedido, emissão e
processamento da compra.
 Erro de previsão: É a diferença entre  O tempo de processamento externo (TPE):
consumo ocorrido no período anterior e a abrange o espaço entre a emissão da ordem
previsão de consumo no mesmo período. (a) de fornecimento e a entrega do produto no
= Constante de amortecimento (dado hospital.
empírico, estabelecido normalmente entre 0,1 TA=TPI+TPE
e 0,3. O valor escolhido deve ser menor TA=tempo de abastecimento;
para consumos uniformes e maior para TPI=Tempo de processamento interno;
variações maiores de consumo). TPE=Tempo de processamento externo.

Mínimos Quadrados O tempo de abastecimento pode variar de


É o método que permite fazer previsão para região para região e de uma instituição para
mais de um período. É de difícil aplicação por outra. Por exemplo, no caso das instituições
exigir utilização de muitos dados. Não governamentais a aquisição de materiais é regida
recomendado na área de medicamentos e pela Lei 8666/93, e suas alterações, que torna
materiais médico-hospitalares por apresentar o o tempo de abastecimento muito prolongado
hospital dados de consumo sazonais e pela falta devido aos trâmites burocráticos estabelecidos
de interesse da administração hospitalar em fazer para a licitação. Além do tempo de
previsões para grandes períodos. abastecimento, a determinação do estoque de
A média aritmética móvel, é a média de consumo segurança requer a classificação do item obtida
eleita para funcionar como precursora de outros por meio da curva ABC.
parâmetros de dimensionamento de estoques na
área hospitalar. Na determinação do quanto
comprar é necessário empregá-la juntamente
com o estoque de segurança e análise ABC
de valor.
Curva ABC Comportamentos da Curva ABC
Os itens de um estoque apresentam Os itens classe A são aqueles que, mesmo
normalmente diferentes posições no fluxo de representando um menor número,
materiais e variados graus de uso. O estudo correspondem à maior parte do investimento e
técnico destas ocorrências por meio do devem ser priorizados administrativamente. Daí a
agrupamento de itens de acordo com seu custo importância dessa classificação para a
preferencialmente, anual, permite a elaboração determinação do estoque de segurança.
da curva ABC. A administração tem usado a Os itens B terão um estoque de segurança
curva ABC para os programas de suprimento e maior do que os classe A e os classe C maior do
produção , aplicação do capital de giro e que os classe B. Na determinação do estoque de
disponibilização de recursos em situações de segurança (ES) podem ser adotadas as
urgência. Após a ordenação dos itens por sua seguintes fórmulas:
importância relativa, as classes da curva ABC ES item A= CM x 1/3 (estoque para dez dias);
podem ser definidas: ES item B= CM x ½ TA (estoque para 15 dias);
 Classe A: itens importantes, tratados com ES item C= CM x TA (estoque para 30 dias).
atenção especial representam 8% dos itens e
correspondem a 70% do custo total  ES= estoque de segurança;
(Quantidade pequena e alto custo);  CM= Média aritmética móvel;
 Classe B: itens intermediários ente as classes  TA= Tempo de abastecimento (em meses).
A e C; representam 20% dos itens e É necessário calcular o TA, sendo este sempre
correspondem a 20% do custo total; transformado em meses, por exemplo:
 Classe C: Itens menos importantes,  45 dias correspondem a TA=1,5. O
representam 72% dos itens correspondem a coeficiente de tempo de abastecimento
10% do custo total (exatamente o contrário da (fração que multiplica TA) é determinado de
curva A: quantidade grande e pequeno custo forma empírica, baseado na realidade
unitário). administrativa, podendo ser estabelecidos
valores menores que os exemplificados
Elaboração da Curva ABC acima.
Os seguintes dados são necessários para
construção da curva ABC: Ponto de Ressuprimento (PR)
 Relação dos itens ou artigos pertencentes a Ou ponto de requisição é um parâmetro de alerta
um mesmo grupo ou subgrupo: no dimensionamento de estoques. E um nível de
 Ex.: Medicamentos em geral, materiais médico- estoque que ao ser atingido sinaliza o momento
hospitalares e outros. de se fazer uma nova compra, evitando posterior
 Custo unitário médio de cada item, fornecido ruptura do estoque, devendo ser atualizado após
por uma mesma tabela ou de uma mesma cada reposição. Ponto de ressuprímento pode ser
época. determinado para garantir a continuidade do
 Consumo anual de cada item atendimento durante o tempo de abastecimento,
(preferencialmente). respeitando a classificação ABC do item. Nesse
 Custo anual ou capital investido. caso o PR coincidirá com o estoque de segurança
As fases para elaboração da curva são: sendo, normalmente, aplicado às instituições que
 Coleta e ordenação dos dados. têm facilidade e rapidez para o ressuprímento.
Em outras instituições, cujo processo de aquisição
Coleta de dados é mais demorado, justifica-se a determinação do
Relacionar todos os itens, seu custo unitário e, PR igual ao estoque máximo.
preferencialmente, o consumo anual. Por meio do PR = CM x TA + ES
produto destes valores obtém-se o custo total ou
custo anual. A partir do custo anual de cada item, CM=Média aritmética móvel;
realiza-se a ordenação dos dados e relacionam-se TA=Tempo de abastecimento (em meses);
os itens segundo o valor decrescente do custo ES=Estoque de segurança (calculado de acordo
anual. Segue-se com a relação acumulada dos com a classificação ABC).
custos anuais a partir da qual se determina as
porcentagens. Exemplo de um item classe A:
CM=200 unidades
TA=15 dias (0,5 mês)
ES=33 unidades
PR=200 x 0,5 + 33 = 133 unidades
PR=133 unidades
Portanto, quando o estoque atingir 133 unidades,
sinaliza o momento do novo pedido ser
processado.
Lote de Ressuprimento: A mesma importância Lote Econômico
dada pela logística ao momento de comprar A dificuldade de se estabelecer um número
deverá ser dada ao quanto comprar, que aproximado de compra s anuais ou de quanto
corresponde ao lote de ressuprimento (LR). Lote em quanto tempo se deve comprar está ligada ao
de ressuprimento ou lote de reposição (LR) é a aspecto econômico, ao custo de manutenção de
quantidade de itens a ser adquirida para que o estoques maiores ou de várias aquisições de
estoque atinja seu valor máximo. estoques menores. Para isso deve-se basear no
Calculando o LR: processo de LEC para compras. LEC é o
LR= Emax-ES. processo que indica, matematicamente, a
Emax=estoque máximo; freqüência das compras e a quantidade a ser
ES=Estoque de segurança. adquirida oferecendo maiores vantagens
𝐶𝑀 econômicas. O lote econômico é aquele obtido
LR=
𝐹𝐶 quando o custo de aquisição e custo de
CM= média aritmética móvel; armazenagem estão mais próximos. Esse
FC=Frequência de compras (transformado em parâmetro interfere no valor do Emax e no LR.
Para a realização dos cálculos, é necessário
meses).
determinar os custos de aquisição e
Estoque Máximo armazenagem. A determinação com o auxilio do
serviço de custos da instituição evita cálculos
(Emax), é a maior quantidade do item que se
incorretos ou o fato de minimizar a sua
pretende manter em estoque. É determinado
importância. Pode-se citar como exemplo a
em função da política financeira da instituição,
tendência de se desprezar as áreas físicas de
da freqüência de compras, disponibilidade de local
armazenamento como componente do custo.
adequado para armazenamento ou de acordo
O custo de aquisição corresponde ao total dos
com entregas programadas junto ao fornecedor.
gastos com salários do pessoal vinculado à
Calcula-se Emax por meio das seguintes
programação e à execução das compras, gastos
fórmulas:
administrativos com artigos de escritório,
Emax=ES+LR
publicações, comunicações, viagens, recebimento
ES= Estoque de segurança; de materiais, inspeção, transporte, contabilização,
LR= Lote de ressuprimento. pagamento de impostos, seguros, fretes e outros.
𝐶𝑀 O custo de armazenagem é calculado em
Emax = ES + função do custo da área ocupada, capital
𝐹𝐶
empatado, seguros sobre material estocado,
ES = Estoque de segurança obsolescência, depreciação, desvios, pessoal
CM = Média aritmética móvel vinculado, juros sobre financiamento da compra e
FC =Freqüência de compras (transformado em outros.
meses). O custo de aquisição é inversamente
Para o cálculo do Emax é necessário conhecer o proporcional ao custo de armazenagem . Quanto
ES que depende da classificação ABC, assim ao custo total verifica-se que , com uma
como o valor de FC. A freqüência de compras aquisição, ele se apresenta alto, com tendência
mais favorável é conhecida por meio da á redução e logo, a partir de um número de
determinação do lote econômico (LEC). aquisições, volta a aumentar. Por meio do menor
valor do custo total tem -se o número de
aquisições para o LEC .
1 ano = 12 meses ____ compra-se três vezes (4
meses)
1 mês ____ X = FC.

FC=Freqüência de compras (transformado em


meses).
FC= 0.25 (significa o número de compra s ao
meses).
𝐶𝑀
Emax=ES + .
𝐹𝐶

1000
Emax=ES + .
0,25
Emax = ES + 4.000  Observe os medicamentos que exigem
Dependendo da classificação ABC o ES será cuidados especiais de armazenamento, como
maior ou menor . Para um item classe A no termolábeis e psicotrópicos;
caso exemplificado, considerando-se um tempo  Estoque os medicamentos por nome genérico,
de abastecimento 1,5 mês , o Emax será : lote e validade de forma a partir fácil
ES= 1/3 TA x CM identificação.
TA= 1,5  Não arraste caias, nem arraste ou coloque
ES= 05 CM se CM = 1000 muito peso sobre elas;
ES = 500 unidades  Os medicamentos devem ser conservados nas
Emax= 500 + 4.000 = 4500 embalagens originais. Ao serem retiradas das
caixas, as embalagens devem ser
A tendência atual é a existência de estoques identificadas.
menores e compras mais freqüentes. Com esta
visão dos parâmetros para dimensionamento
dos estoques conclui-se que a logística deve ser
priorizada pela sua importância administrativa.

Armazenamento
É a etapa do ciclo da AF que visa garantir a
qualidade e a guarda segura dos medicamentos
nas organizações da área da saúde. Constitui-se
como um conjunto de procedimentos que
envolvem o recebimento a estocagem, guarda a
segurança contra danos físicos, furtos ou roubos,
a conservação, o controle de estoque e a entrega.
O armazenamento deve levar e consideração a
similaridade dos itens, a rotatividade, o volume e o
peso dos produtos, bem como a ordem de entrada
e saída.

Condições de armazenamento
Estrutura física: o armazenamento de
medicamentos, produtos farmacêuticos e
dispositivos médicos devem ser feito de modo a
garantir as condições necessárias de espaço, luz,
temperatura, umidade e segurança dos
medicamentos, produtos farmacêuticos e
dispositivos médicos.
Medicamentos sujeitos a controle especial:
recomenda-se que haja uma sala reservada para
o armazenamento destes medicamentos e, neste
caso, a esma deve atender as especificações
sobre a ventilação, temperatura, condições de
luminosidade e umidade.
Medicamentos termolábeis: devem ser
armazenados em equipamentos apropriados para
a conservação a frio (câmara fria ou refrigerador).
A escolha de qual deles será usada depende do
volume de medicamentos que precisam ser
armazenados.

Estocagem
A estocagem de medicamentos deve ocorrer de
forma a garantir a segurança e as características
de qualidades dos medicamentos estocados, para
realizar o armazenamento, de modo que se
atentam as boas práticas, são necessários
conhecimentos técnicos sobre os produtos a
armazenar e sobre gestão de estoques.
Para a correta estocagem dos medicamentos,
acompanha as orientações a seguir:
MODELOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE As noções de redes regionalizadas e
Um sistema de serviços de saúde é formado por hierarquizadas de serviços de saúde vinculam-se
componentes e funções principais: infraestrutura, ao modelo piramidal, com os níveis de atenção
organização, gestão, financiamento e prestação primária, secundária e terciária dispondo de
de atenção. Neste último componente, obrigam- distintas tecnologias. A crítica que se realizou
se as noções de modelo de atenção ou modelo contra a concentração de recursos nos níveis
assistencial, referindo-se ao cuidado, à secundário e terciário, e, sobretudo na assistência
assistência, a intervenção, as ações ou práticas hospitalar, levou a rotular de modelo
de saúde. hospitalocêntrico está combinação de tecnologia
Ao se ultrapassar a ideia de que cada doença centrada nos hospitais.
teria uma causa, o modelo agente-hospedeiro-
ambiente fundamentou muitas ações de saúde,  Medicina comunitária: É uma tentativa e
operacionalização da filosofia da medicina preventiva,
reforçando a concepção de multicausalidade.
acrescentando outras ideias como integração docente -
Desse modo, as medidas de controle das assistencial, participação da comunidade e
doenças, além de intervirem sobre o agente e regionalização. O desenvolvimento da saúde comunitária
sobre o hospedeiro, ampliaram a sua atuação apresentou-se e alguns países de modo focal, quando se
para o ambiente, sendo este esquema também restringia a atividades experimentais vinculadas ao
centro de saúde-escola, e de um modo expansionistas,
conhecido como modelo. A partir das influências quando se apresentava como programas de extensão de
da medicina preventista, foi difundido o modelo da cob ertura.
história natural das doenças estabelecendo 5
níveis de prevenção, cujas medidas poderiam ser Após a Conferência internacional de cuidados
aplicadas de forma integral em distintos momentos primários de saúde, em 1978, com a Declaração
do processo de saúde-doença. de Alma-Ata, desenvolve-se movimento da
atenção primária à saúde, enfatizando
 Medicina preventiva: Usa conceitos como processo
saúde/doença, história das doenças, multicausalidade,
tecnologias. Esta combinação tecnológica
integração, resistência inculação e mudança. Articulava conhecida como modelo da atenção primário
um conjunto de medidas de prevenção que resultaria em era contraposta ao modelo hospitalocentrico,
condutas sub stitutas de uma atitude ausente da prática alimentando uma crítica politica-ideológica com
médica, ou seja, a atitude preventiva e social. propostas de reformulação das politicas públicas e
de reorganização do sistema de serviços de
Na 1ª fase de prevenção, período pré- saúde.
patogênico, havia a possibilidade de um No Brasil, usa-se mais a expressão atenção
desequilíbrio entre o agente, o hospedeiro e o básica em vez de atenção primária, reservando
ambiente, cabendo medidas de promoção de os termos média e alta complexidade para
saúde e de proteção especifica, cujos atenção especializadas e assistência hospitalar,
procedimentos foram chamados de prevenção como atenção no primeiro nível do sistema não
primária. Nesse período seria feito ações de fosse tecnologicamente complexa.
diagnóstico e tratamento precoce, e limitação da Na década de 1970 um modelo conhecido foi o
invalidez, correspondendo à prevenção campo da saúde, que orientou a reformulação da
secundaria ou segunda fase de prevenção. politicas de saúde no Canada, considerando
Nesse período patogênico, seria possível quatro pólos: Ambiente, biologia, a humana, estilo
conseguir a prevenção terciária através de de vidas e sistemas de organização dos serviços.
reabilitação, equivalente à terceira fase de Diante dos custos crescentes da assistência
prevenção. Nesse modelo, a epidemiologia e a médica, enfatiza-se que o perfil epidemiológico,
clínica representariam as disciplinas básicas para poderia ser melhor explicado pelos determinantes
intervenção na história da doença. A primeira ambientais e pelo estilo de vida do que
(epidemiologia) estaria voltada para o estudo das propriamente elas intervenções do sistema de
doenças nas populações e dos seus saúde. Essa concepção foi reforçado com o
determinantes, sobretudo no período pré- movimento da promoção da saúde, que deve
patogênico; na segunda (clínica) analisaria os como marco a carta de Otawa, em 1986,
processos mórbidos no âmbito individual, ou seja, enfatizam os determinantes da saúde.
no período patogênico.
Movimento da medicina comunitária, propunha  Promoção da saúde: De acordo com a carta de Otawa,
se a regionalização e a integração das ações e as condições e os requisitos para a saúde são: paz,
dos serviços, considerando uma hierarquia de educação, hab itação, alimentação, renda, ecossistema
estável, recursos sustentáveis, justiça social e igualdade
níveis do sistema de serviços de saúde visando de oportunidades, proporcionando meios que permitam a
uma hierarquia de níveis do sistema de serviços todas as pessoas realizar completamente seu potencial
de saúde e visando ao cuidado progressivo ao de saúde propunha cinco campos de ação: 1. Elab oração
paciente (continuidade da atenção). e implementação de politicas púb licas saudáveis; 2.
Criação de amb ientes favoráveis à saúde; 3. Reforço da
ação comunitária; 4. Desenvolvimento de hab ilidades
pessoais; 5. Reorientação do sistema de saúde.
No Brasil, a ideia de integração das ações No inicio da república, por exemplo, sanitaristas,
preventivas e curativas e de sua organização em guardas sanitários e outros organizavam
rede regionalizadas e hierarquizadas de serviços campanhas para lutar contra as epidemias que
de saúde, além de ser experimentadas e assolavam o Brasil no inicio do século(febre
difundidas nas décadas de 1960 e 1970, passa a amarela, varíola e peste). Não existe um consenso
inspirar iniciativas politicas mais amplas, tais como para modelos de atenção à saúde. Segundo a
o projetos Montes Claros o programa de OPAS (1992), modelos de atenção é uma forma
interiorização das ações de saúde e de organização das unidades de prestação de
saneamento do nordeste (PIASS), o programa serviços de saúde, ou seja, é uma forma de
nacional do serviços básicos de saúde (PREV- organização dos estabelecimentos de saúde. O
SAÚDE) e o plano de reorientação da assistência conceito trazido por Paim, é bastante claro e
à saúde no âmbito da previdência social do objetivo, o de que modelos assistenciais podem
conselho consultivo de administração de ser entendidos como combinações de sabores e
saúde previdenciária (CONASP). técnicas usadas para resolver problemas e
atender necessidades de saúde individuais e
 Principio da integralidade: A integralidade foi coletivas, não sendo, simplesmente uma forma de
conceb ida pela reforma sanitária em quatro perspectivas:
1. Como integração de ações de promoção, proteção,
organização dos serviços de saúde nem tampouco
recuperação e reab ilitação da saúde, compondo níveis um modo de administrar um sistema de saúde.
de prevenção primária, segunda e terciária; 2. Como São entendidas pela forma de organização e
forma de atuação profissional ab rangendo as dimensões articulação dos recursos físicos, tecnológicos,
b iológicas, psicológicas e sociais; 3. Como garantia da financeiros e do capital humano que se
continuidade da atenção nos distintos níveis de
complexidade do sistema de serviços de saúde; 4. Como concentram disponíveis para propor solução aos
Articulação de um conjunto de politicas pub licas problemas de saúde da sociedade. Os modelos
vinculadas a uma totalidade de projetos de mudanças, assistência em saúde são entendidas a partir do
que incidissem sob re as condições de vida, determinante modo de como são organizadas as ações
da saúde e dos riscos de adoecimento, mediante ação organizadas de atenção à saúde, considerando o
intersetorial.
que envolve os aspectos tecnológicos e
assistenciais.
No Brasil toda via, a noção de distrito sanitário
São classificados em quatro principais modelos
trazia concepção distintas, até mesmo enfatizando
ao longo da historia do Brasil chamados de:
o principio da integralidade da atenção. Na década
de 80, a organização dos serviços de saúde, 1. Modelo sanitarista campanhista;
envolvendo unidades com distintas 2. Modelo médico privatista;
3. Modelo das propostas alternativas;
complexidades tecnológicas relacionadas entre si
4. Modelo neoliberal.
nos diferentes espaços e populações.
Temos que nos ater a três itens relacionados a
Progressivamente, foi elaborada outras
cada um dos modelos apresentados:
concepções. Progressivamente foi elaboradas
 Nome e período do modelo;
outras concepções sobre modelos de atenção.
1. Forma de organização das unidades de  Características principais do modelo;
prestação de serviços de saúde, ou seja,  Teoria que embasa o modelo.
A 10ª CNS, em 1996, teve como tema central
modelo de prestação de serviços de saúde
SUS: construindo um modelo de atenção para a
incluindo: estabelecimento, redes, sistemas.
qualidade de vida;
2. Forma de organização do processo de
A 11ª CNS, em 2000, apresentou um dos
prestação de serviços: atenção à demandas
subtemas de discussão: modelos de atenção
espontânea, oferta organizada/ações
voltadas para a qualidade, efetividade, equidade
programáticas; vigilancia da saúde;
contemplando território, condições e modos de e necessidade prioritárias de saúde;
Na 12ª CNS, e 2003, o tema foi tratado
vida e integralidade;
transversalmente na maior parte dos seus eixos
3. Forma de organização das práticas de saúde
temáticos.
dirigidas ao atendimento às necessidades e
Considerando A conformação histórica do
aos problemas de saúde individual e coletiva;
sistema de serviços de saúde no país, podem ser
promoção da saúde; prevenção de risco e
identificados modelos de atenção predominantes
agravos; tratamento e a reabilitação;
4. Modelo-tecno-assistencial em defesa da vida: ou hegemônicos e propostas alternativas. No
gestão democráticas; saúde como direito de Brasil, dois modelos convivem historicamente de
cidadania; serviço público de saúde voltado forma contraditória ou complementar:
1. Modelo médico hegemônico: (voltado para
para defesa da vida individual e coletiva;
demandas espontânea);
maneira de gerir e agir no como das ações de
2. Modelo sanitaristas: (buscam atender as
saúde.
necessidades que nem sempre se expressa
em demanda).
Modelo médico hegemônico b. Modelo da atenção gerenciada: Com o
Vigorou do século 19 até metade da década de crescimento de cooperativas médicas,
70, voltada para politicas de saneamento para a medicina de grupo, operadoras de plano de
erradicação ou controle de doenças que poderiam saúde em autogestão e seguro-saúde, esse
prejudicar a exportação. No inicio do período as modelo passa a coexistir, contraditoriamente,
praticas de saúde eram realizadas com base nos com o modelo da atenção gerenciada.
saberes tradicionais da biologia e da velha Encontra seus fundamentos na, economia e na
epidemiologia que determinavam o bicho a ser medicina baseada em evidencia, possibilitando
atacado e o modelo de organizar o ataque, sem a construção de um modo de produção do
levar em conta aspectos sociais ou mesmo a cuidado centrado em distintos atores sócias:
variedade de manifestação do estado de saúde. O financiadores, provedores, consumidores,
modelo campanhista se baseava em ações captadores de recursos e administradores.
programadas e verticalizadas influenciadas pelo
saber divulgado e que ficou conhecido como Modelos sanitaristas campanhista
teoria unicausal. Essa campanha transformou-se Concentra a sua atuação em certos agravos e
numa politica de saúde pública importante ara os riscos ou em determinados grupos populacionais,
interesses da economia agroexportadora daquela deixando de se preocupar com os determinantes
epoca e se mantem com a modalidade de mais gerais da situação de saúde. Expressa um
intervenção até os nossos dias no combate as modelo de atenção que não enfatiza a
endemias e epidemias. Fazem parte do modelo integralidade da atenção que não enfatiza a
médico hegemônico, os modelos médico integralidade da atenção nem a descentralização
assistencial privatista e o modelo da atenção das ações e dos serviços de saúde. E como
gerenciada (manged care). exemplos do modelo sanitarista, podem ser
O modelo médico hegemônico apresenta as citados os programas especiais, o programa de
seguintes características: agente comunitários de saúde (PACS) e o PSF,
 Individualismo; as campanhas sanitárias e as vigilâncias
 Saúde/doença como mercadoria; sanitárias e epidemiológicas.
 Medicalização dos problemas;
 Privilégio da medicina curativa; Modelo das propostas alternativas
 Estímulo ao consumismo médico; Fortemente pensados nos anos de 1970 a partir
 Participação passiva e subordinada dos de um movimento popular, social, politico e
consumidores. apartidário que ficou conhecido como movimento
popular, social, politica e apartidário brasileiro
a. Modelo médico privatista: Podemos afirmar impulsionando varias experiências de organização
que é o modelo hegemônico de saúde que de uma estratégia racionalizada da politica de
vigorou dos anos 60 até meados dos anos 80. redemocratização em oposição ao governo militar.
O modelo médico neoliberal vigorará nos Falando um pouco das propostas alternativas
anos 80, enquanto proposta conservadoras de tem sido valorizadas propostas como:
reciclagem do anterior. Assim, torna-se  Oferta organizada: Voltada para o nível local,
hegemônico as ideias desses modelos, tendo buscando compartilhar a ideia de impacto com
como principais características: o atendimento o principio da não rejeição à demanda.
individual, complexo, dominante e centrado na Procura redefinir as características da
figura do medico, forte influência da demanda.
previdência social, com extensão de sua  Demanda:
cobertura, curativíssimo, biologicismo,  Demanda espontânea;
fragmentação da assistência orientada para  Desejo de buscar atenção médica;
oferta de serviços com vista ao lucro e tendo-  Não leva em consideração questões
se ainda os fortes incentivos a constituição de distributivas.
complexos hospitalares com auxilio e  Necessidade:
subvenções que privilegiam o setor privado em  Nem sempre expressam em demanda;
detrimento das necessidades reais do setor  Conhecimento perfeito das condições de
público. saúde da população.
 Acolhimento: Privilegia uma organização do
serviço de saúde usuário-centrada, buscando
fortalecer vínculos entre profissionais e
clientela com vistas a uma atenção mais
personalizada e humanizada;
 Ações programáticas em saúde: Baseia-se Ex.: 2: Em relação aos modelos assistenciais na
no uso da programação como instrumento de saúde , assinale a assertiva CORRETA.
redefinição do processo de trabalho em saúde, a. Correto: O modelo sanitarista tem como
tomando como ponto de partida a identificação objeto os modos de transmissão e os fatores
das necessidades sociais de saúde da de risco de doenças ou agravos.
população que demandam os serviços das b. O modelo de Vigilância à Saúde referencia seu
unidades básicas. Aproxima-se da proposta da processo de trabalho na tecnologia médica,
oferta organizada. centrada no indivíduo.
 Vigilância da saúde: É uma forma de c. O sujeito do modelo médico-assistencial
organização das práticas de saúde que privatista é a equipe de saúde e a população.
contempla a articulação das ações de d. As tecnologias de comunicação social,
promoção da saúde, prevenção e controle de planejamento e programação local situacional
riscos, assistência e reabilitação, de modo a se e tecnologias médico-sanitárias são os meios
desenvolver uma atenção integral a problemas de trabalho utilizados pelo modelo sanitarista.
de saúde e seus determinante, a necessidade e. As campanhas e os programas especiais de
e demandas da população em territórios controle de alguns agravos surgiram no século
específicos. O conceito de vigilancia em saúde 20 e caracterizam o modelo de Vigilância à
inclui: Saúde.
 Vigilância e o controle das doenças
transmissíveis; Ex.: 3: Leia o texto a seguir:
 Vigilancia das doenças e agravos não
transmissíveis;  Teixeira, Paim e Vilab oas (1998): O sistema de saúde
b rasileiro após a constituição de 88 vem b uscando
 Vigilancia da situação de saúde; construir modelos e atenção que respondam de forma
 Vigilancia ambiental em saúde; eficaz e efetiva às reais necessidades da população
 Vigilancia da saúde do trabalhador; b rasileira, seja em sua totalidade, seja em suas
 Vigilancia sanitária. especificidade locais. Os modelos hegemônicos atuais, o
médico, assistencial, pautado na assistência médica e no
hospital, e o modelo sanitarista, b aseado em campanhas,
Ex.: 1: A respeito do Sanitaríssimo Campanhista, programas e em ações de vigilância epidemiológica e
é CORRETO afirmar que: sanitária, não consegue mais responder à complexidade
a. O modelo surgiu com a urbanização e as e diversidade dos prob lemas de saúde que
industrializações aceleradas que ocorreram no circunscrevem o cidadão comum nesse inicio de século.
Brasil nos anos 1920/1930 e com o
Diante do diagnóstico feito pelos autores,
fortalecimento das Santas Casas e do
assinale a alternativa CORRETA:
Programa de Interiorização de Ações de
a. Correta: A busca por modelos alternativos que
Saúde e Saneamento.
b. Correta: Encarna a saúde pública tradicional articulem ações de promoção, proteção e
recuperação da saúde voltadas para a
desenvolvida desde o início do século, visando
qualidade de vida é estratégia ara superar o
ao combate das grandes endemias e
ciclo biológico, antropocêntrico, medicalizante
fundamenta-se nos conhecimentos sobre as
e iatrogênico;
causas e transmissão das doenças
b. As campanhas contra a febre amarela e a
infecciosas, propiciados pela revolução
tuberculose na época Vargas foram
pasteuriana.
equivocada, e as campanhas atuais devem ser
c. Nasceu a partir e no interior do sistema
revistas, pois dão resultados extremamente
previdenciário, dando assistência inicialmente
limitados.
apenas às famílias e aos trabalhadores
c. O modelos hegemônicos atuais dos quais
inseridos formal e reconhecidamente no
falam os autores, não existem, pois, com a
mercado de trabalho.
CF/88 e a criação do SUS, vários aspectos
d. Essa lógica de atenção ajustava-se e
sofreram mudanças;
valorizava o sistema industrial que necessitava
d. A busca por modelos alternativos requer a
de trabalhadores em condições de trabalhar e
união da categoria medica em torno dos
de um sistema de saúde que atendesse a essa
problemas mais importantes da população e o
demanda.
fortalecimento de seu papel no setor da saúde
e. Foi aprovado pelo Congresso Nacional a partir
pública;
da Lei Eloy Chaves, marco inicial da
e. Um dos motivos para a situação colocada
previdência social no Brasil. Através deste
pelos autores é o abandono, durante décadas,
modelo foram instituídas as CAPS.
da área assistencial com priorização da
vigilancia epidemiológica.
Resp.: Modelos de atenção à saúde ou modelos
assistenciais podem ser definidos como
combinação tecnológicas estruturadas para a
resolução de problemas e para o atendimento de
necessidade de saúde, individuais e coletivas;
 Alternativa (b) incorreta: Embora tenha
algumas lacunas, as campanhas de vacinação
realizadas na era Vargas e as de hoje,
constituem em importantes ações de controle
de doenças infecto-contagiosas
imunopreveníveis.
 Alternativa (c) incorreta: Até os dias de hoje,
os modelos de atenção hegemônicos citados
coexistem historicamente de forma
contraditória ou complementar, em nosso país;
 Alternativa (d) incorreta: A busca por
modelos alternativos requer a união de todas
as categorias profissionais e gestores em torno
dos problemas mais importantes da população
e o fortalecimento de seu papel no setor da
saúde pública, e não somente da categoria
médica;
 Alternativa (e) incorreta: A área assistencial
sempre foi prioridade na história da saúde no
Brasil, não é toa que o modelo médico
assistencial, centrado na clinica, é hegemônico
há muitas décadas.
ASSISTENCIA FARMACEUTICA (AF)  Equipamentos e acessórios: Dispor dos
A AF é um grupo de atividades relacionadas com mesmos de forma adequada e em quantidade
o medicamento, destinadas a apoiar as ações de suficiente;
saúde demandadas por uma comunidade. Envolve  Recursos humanos: Desenvolver as
o abastecimento de medicamentos em todas e em atividades da AF, sob a coordenação de um
cada umas de suas etapas constitutivas, profissional farmacêutico, auxiliado por
conservação e controle de qualidade, a segurança técnicos habilitados e treinados. Como
e a eficácia terapêutica dos medicamentos, o elemento fundamental para o desempenho das
acompanhamento e avaliação do uso, a obtenção atividades a serem desenvolvidos é
e a difusão de informação sobre medicamentos e necessários; identificar necessidades de
a educação permanente dos profissionais de recursos humanos, definir perfil, capacitar
saúde, do paciente e da comunidade para acompanhar e avaliar suas ações.
assegurar o uso racional de medicamentos.  Organização: Para a organização da AF é
Para implantar efetivamente a AF é fundamental preciso identificar cada um dos seus
ter como principio básico o ciclo da AF, que é um componentes e elementos, os quais deverão
sistema constituído pelas etapas de: ser capazes de promover maior resolutividade
1. Seleção; 2. Programação; 3. Aquisição; 4. Armazenamento
e 5. Distrib uição e dispensação;
das ações. A organização está relacionada
com a finalidade dos serviços, e tem objetivo o
Ex.: 1: A AF no SUS é organizada de forma a gerenciamento eficiente e eficaz.
 Aspectos a serem considerados: Para
garantir a população o acesso a medicamentos
essenciais padronizados. As etapas da CAF são: organização dos serviços, é preciso conhecer
a. Seleção, aquisição, armazenamento e entrega. a realidade da situação de saúde local,
b. Aquisição, armazenamento e dispensação. buscando subsídios para implementação um
c. Correta: Seleção, programação, aquisição, plano de ação, deve-se:
armazenamento, distribuição e dispensação.  Conhecer a estrutura organizacional da secretaria de
saúde e suas inter-relações área técnica, normas e
d. Aquisição, armazenamento, distribuição e procedimentos existentes, metas estab elecidas para a
entrega. saúde .

Ex.: 2: A PNAF é aprovada pelo Conselho


 Plano de ação: Realizar o diagnóstico da
Nacional de Saúde através da Resolução nº
assistência farmacêutica:
338/2004. Sobre essa política avalie o conceito  Operacionalizar o plano de ação: Definir o que fazer,
apresentado abaixo e assinale a alternativa como, quando, quem e quais os recursos necessários.
correta:  Definir as atividades a serem desenvolvidas: Definir
 “Trata de um conjunto de ações voltadas à promoção, as tarefas, prazos e designar responsáveis pela
proteção e recuperação da saúde, tanto individual como execução.
coletivo, tendo o medicamento como insumo essencial
e visando o acesso e ao seu uso racional. ”  Interfaces: Para identificar necessidades e
buscar solução para os problemas, é preciso
Assinale a alternativa à qual pertence a definição conhecer o ambiente que nos cerca,
acima: procurando compreender de que forma ele
a. Atenção Farmacêutica. afeta e influência positivamente ou
b. Correto: Assistência Farmacêutica. negativamente o desenvolvimento das ações.
c. Farmacovigilância. A AF, por ser uma atividade multidisciplinar e
d. Dispensação. devido à sua complexidade, necessita de
articulação permanentes com outras áreas,
Objetivo: Apoiar as ações de saúde promovendo como vigilância sanitária, epidemiológico,
o acesso da população aos medicamentos e seu coordenação de programas estratégicos de
uso racional; saúde PSF e programas de PAC, área
Estruturação: Para viabilizar os serviços de AF, é administrativa-financeiro, planejamento,
preciso que ela esteja estruturada nos âmbitos material e patrimônio, licitação, auditoria, setor
federal, estadual e municipal. Para tanto, alguns jurídico, contra e avaliação.
requisitos são essenciais:  Avaliação da qualidade do serviço: A
 Estrutura organizacional: A AF deverá fazer qualidade é à base de qualquer processo de
parte da estrutura organizacional formal da trabalho e engloba conhecimentos, uso de
secretaria de saúde, com suas funções e ferramentas adequadas de trabalho,
competências devidamente definidas; instrumentos e procedimentos que conduzem
Infraestrutura: à sua garantiam visando à redução de perda e
 Área física e instalação: Dispor de custos, adequação de serviços e maximização
condições adequadas para o pleno de resultados.
desenvolvimento das atividades da AF;
Componentes de financiamento da AF Ex.: 1: Sobre a portaria nº 1555/2013, que dispõe
A partir da publicação da Portaria nº 204/2007, o sobre as normas de financiamento e de execução
financiamento e a transferência dos recursos do CBAF no âmbito do SUS, assinale a alternativa
federais para as ações e os serviços de saúde CORRETA.
foram regulamentados na forma de 5 blocos de a. Cabe às SES o financiamento, a aquisição e a
financiamento específicos, no âmbito do SUS: distribuição dos medicamentos contraceptivos
1. Atenção Básica; 2. Atenção de Média e Alta e insumos do programa saúde da mulher;
Complexidade Amb ulatorial e 3. Hospitalar; Vigilância em
b. Os recursos deste componente não podem ser
Saúde; 4. Assistência Farmacêutica; e 5. Gestão do SUS.
usados para a aquisição de medicamentos
Desta forma, a partir de 2007, o financiamento fitoterápicos e homeopáticos, mesmo que
constantes da RENAME vigente;
para a AF passou a ser constituído por três
c. O financiamento do CBAF é de
componentes, movimentados em contas
responsabilidade dos estados, do DF e dos
específicas:
municípios;
1. Componente Básico da Assistência
Farmacêutica (CBAF); d. Os municípios devem aplicar, no mínimo, R$
2. Componente Estratégico da Assistência 5,10 por habitante/ano, para financiar a
Farmacêutica (CEAF); aquisição dos medicamentos e insumos
3. Componente de Medicamentos de constantes dos anexos 1 e 4 da RENAME
Dispensação Excepcional (CMDE). vigentes no SUS, incluindo os insumos para os
usuários insulinodependentes, constantes no
Com a descentralização, a responsabilidade pela
anexo 4 da RENAME vigente;
garantia de acesso aos medicamentos
e. Correta: Cabe ao MS o financiamento e a
considerados essenciais foi dividida entre as
aquisição da insulina humana NPH 100UI/ml
esferas de governo, de acordo com os
Componentes da AF. A descentralização além da sua distribuição até os almoxarifados
promoveu também o surgimento de um conjunto e centrais de abastecimentos farmacêutico
estaduais e do DF.
de normas e portarias específicas, atualizadas
Resp.:
conforme a necessidade de adequações da
 Alternativa (e) correta: Está de acordo com
política de assistência à saúde e a partir das
o art. 5º da portaria.
pactuações na CIT.

CBAF CEAF
O CBAF destina-se à aquisição de De acordo com o MS, são considerados
estratégicos todos os medicamentos usados
medicamentos e insumos, incluindo-se aqueles
para tratamento das doenças de perfil endêmico,
relacionados a agravos e programas de saúde
cujo controle e tratamento tenham protocolo e
específicos, no âmbito da atenção básica à saúde.
Atualmente, é regulamentado pela Portaria nº normas estabelecidas e possuam impacto
socioeconômico. A aquisição dos medicamentos
1555/13, que dispõe sobre as normas de
ocorre de forma centralizada pelo MS,
financiamento e de execução no âmbito do SUS.
responsável também pela distribuição aos
O financiamento do CBAF é tripartite, ou seja,
responsabilidade da União, dos estados, do DF e estados e DF, para posterior distribuição aos
municípios. O Componente Estratégico é
dos municípios, com aplicação de valores mínimos
constituído por medicamentos e insumos para os
pactuados na CIT. Os valores investidos são
tratamentos das seguintes condições:
pactuados, considerando a população censada  Tub erculose, Hanseníase, Antirretrovirais do programa
pelo IBGE de cada município e redefinidos, por DST/HIV/Aids, Endemias Focais: Malária,
novas pactuações entre as três esferas de gestão, Leishmaniose, Chagas e outras doenças endêmicas de
periodicamente. ab rangência nacional ou regional, Sangue e
Hemoderivados, Alimentação e Nutrição, Controle do
Tab agismo, Talidomida no tratamento de Doença
Portaria nº 1555/2013: capítulo 3 das Enxerto x Hospedeiro, Lúpus Eritematoso e Mieloma
responsabilidades executivas Múltiplo.
Art. 5º: Cabe ao MS o financiamento e a aquisição
da insulina humana NPH 100 UI/ml e da insulina Para cada uma das condições incluídas no
humana regular 100 UI/ml, além da sua Componente Estratégico, há portarias ou normas
distribuição até os almoxarifados e CAF Estaduais específicas que regulamentam o financiamento, o
e do DF. elenco e o acesso aos medicamentos.
 § único: Compete às SES a distribuição da
insulina humana NPH 100 UI/ml e da insulina
humana regular 100 UI/ml aos Municípios
Ex.: 1: O CEAF visa a: Portaria 1554/2014: Capitulo 1: disposições
a. Correto: Garantir o acesso aos medicamentos gerais
por portadores de doenças que configuram Art. 3º: Os medicamentos que fazem parte das
problemas de saúde pública, consideradas linhas de cuidado para as doenças contempladas
como de caráter estratégico pelo MS; neste Componente estão divididos em três grupos
b. Estimular a produção por laboratórios conforme características, responsabilidades e
nacionais de medicamentos destinados a formas de organização distintas:
doenças negligenciadas; 1. Grupo 1: medicamentos sob responsabilidade
c. Garantir acesso a medicamentos essenciais de financiamento pelo MS, sendo dividido
empregados para as condições rotineiras em:
tratadas em unidades de saúde, estratégicos  Grupo 1A: Medicamentos com aquisição centralizada
para resolver cerca de 90% dos problemas de pelo MS e fornecidos às Secretarias de Saúde dos
Estados e DF, sendo delas a responsab ilidade pela
saúde da população; programação, armazenamento, distrib uição e
d. Organizar a distribuição de medicamentos de dispensação para tratamento das doenças
alto custo para população; contempladas no âmb ito do CEAF
e. Viabilizar a aquisição de medicamentos  Grupo 1B: Medicamentos financiados pelo MS
mediante transferência de recursos financeiros para
produzidos por laboratórios nacionais pelo aquisição pelas Secretarias de Saúde dos Estados e
SUS como linha estratégica de redução de DF sendo delas a responsab ilidade pela programação,
custo. armazenamento, distrib uição e dispensação para
Resp.: tratamento das doenças contempladas no âmb ito do
 Alternativa (a) correta: O componente CEAF.
estratégico da AF tem como foco as ações de
AF e a disponibilização de medicamentos 2. Grupo 2: Medicamentos sob responsabilidade
considerados estratégicos no âmbito do SUS. das Secretarias de Saúde dos ESTADOS e
do DF pelo financiamento, aquisição,
CESAF programação, armazenamento, distribuição e
O CEAF é uma estratégia de acesso a dispensação para tratamento das doenças
medicamentos no âmbito do SUS, caracterizado contempladas no âmbito do CEAF;
pela busca da garantia da integralidade do 3. Grupo 3: Medicamentos sob responsabilidade
tratamento medicamentoso, em nível ambulatorial, das Secretarias de Saúde do DF e dos
cujas linhas de cuidado estão definidas em municípios para aquisição, programação,
Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas, armazenamento, distribuição e dispensação e
publicados pelo MS. Atualmente, regulamentado que está estabelecida em ato normativo
pela Portaria nº 1554/2013, o CEAF possibilita o específico que regulamenta o CEAF.
acesso aos medicamentos que fazem parte das
linhas de cuidado para as doenças contempladas
no âmbito deste Componente, mediante a
pactuação entre a União, os estados, o DF e os
municípios, conforme as diferentes
responsabilidades definidas em portaria. Os
medicamentos do CEAF somente devem ser
autorizados para as doenças descritas na
Classificação Estatística Internacional de
Problemas e Doenças Relacionadas à Saúde Tabela 2: Divisão do componente especializado da AF, conforme
responsabilidades de financiamento.
10ª revisão (CID-10), constantes do Anexo 4 da
referida Portaria e suas atualizações.
Os medicamentos que fazem parte das linhas de
cuidado para as doenças contempladas por este
Componente estão divididos em três grupos,
conforme características, responsabilidades e
formas de organização distintas. Estes grupos
foram definidos de acordo com os seguintes
critérios gerais:
 Complexidade do tratamento da doença, garantia da
integralidade do tratamento da doença no âmb ito da linha
de cuidado e manutenção do equilíb rio financeiro em três
as esferas de gestão do SUS.
Ex.: 1: O CEAF é destinado a agravos de perfil
endêmico e controle estratégico. Em relação ao
CE AF, assinale a alternativa CORRETA:
a. Correta: São exemplos de programas ou
doenças contempladas neste componente:
Cólera, doença de chagas, Hanseníase,
sangue e hemoderivados e controle do
tabagismo;
b. O financiamento do componente estratégico
da assistência farmacêutica é de
responsabilidade da união, dos estados, do DF
e dos municípios;
c. A aquisição dos medicamentos do
componente estratégico da assistência
farmacêutica e de responsabilidade da união,
dos estados, do DF e dos municípios. Já a
dispensação é de responsabilidade dos
municípios;
d. São exemplos de medicamento padronizados
nesse componente para o tratamento da
tuberculose: etambutol, pirazinamida,
isoniazida e talidomida;
e. São exemplos de medicamentos padronizados
neste componentes para o tratamento da
Hanseniase: Dapsona, lamivudina, clofazimina
e rifamipicina.
Resp.:
 Alternativa (a) correta: Faz parte deste
programa as doenças que atingem ou põem
em risco a saúde das coletividades e têm
como importante estratégia o controle e
tratamento de seus portadores.

Ex.: 3: A definição de PNAF está CORRETA na


alternativa:
a. Conjunto de ações voltadas exclusivamente à
pesquisa, ao desenvolvimento e à produção de
medicamentos e insumos;
b. Conjunto de ações voltadas à promoção, à
proteção e à recuperação da saúde, tanto
individual como coletiva, envolvendo somente
a distribuição de medicamentos em hospitais e
farmácias;
c. Correta: Conjunto de ações voltadas à
promoção, a proteção e à recuperação da
saúde, tanto individual como coletiva, tendo o
medicamento como insumo essencial e
visando ao acesso e uso racional.
d. Conjunto de ações voltadas à pesquisa, ao
desenvolvimento e a produção de
medicamentos, imunobiológicos e insumos
exclusivamente;
e. Conjunto de ações voltadas à promoção, à
proteção e à recuperação da saúde, tanto
individual como coletiva, envolvendo somente
a distribuição de medicamentos em farmácias.
Resp.:
 Alternativa (c) correta: Definição de acordo
com a resolução MS nº 338/2004.
CICLO DA ASSISTENCIA FARMACÊUTICA Ex.: 1: O processo de seleção de medicamentos
(CAF) é uma etapa importante do CAF, pois deve
As atividades da CAF ocorrem numa seqüência orientar as várias ações que compõem o ciclo.
ordenada. As gerências/coordenações estaduais Porém, a seleção de medicamentos é realizada,
têm a responsabilidade de coordenar as muitas vezes, pela experiência do profissional
atividades da CAF, que abrange a seleção, prescritor. Entretanto, essa avaliação é imperfeita.
programação, aquisição, armazenamento, Dessa forma, tentando diminuir esse problema, o
distribuição e dispensação de medicamentos, processo de seleção de medicamentos,
além do acompanhamento, da avaliação e da inicialmente, pode contar com três critérios
supervisão das ações. básicos para seleção; ASSINALE-OS.
a. Correta: Fontes de informação, busca de
Seleção evidências e avaliação.
A seleção de medicamentos é o eixo principal b. Fontes de informação, busca de evidências e
da CAF, pois todas as outras atividades lhe são propagandas medicamentosas.
decorrentes. É a atividade responsável pelo c. Informações de artigos científicos, evidências
estabelecimento da relação de medicamentos, profissionais e informações de laboratórios
sendo uma medida decisiva para assegurar o oficiais.
acesso aos mesmos. d. Resultados laboratoriais experimentais,
Cada estado possui a prerrogativa de informações sobre medicamentos na clínica e
determinar quais medicamentos serão evidências clínicas.
selecionados para compor o seu elenco, com base
no perfil de morbi-mortalidade e nas prioridades Ex.: 2: O CAF é constituído por etapas com
estabelecidas, de modo a contribuir na aspectos técnicos, científicos e operativos
resolubilidade terapêutica, no custo-benefício dos específicos. Caracterizadas como seleção,
tratamentos, na racionalidade da prescrição, no programação, aquisição, armazenamento,
correto uso dos medicamentos, além de propiciar distribuição e utilização (prescrição, dispensação e
maior eficiência administrativa e financeira. Para uso) são essenciais para a CORRETA gestão do
tal, deverá fundamentar a seleção em critérios medicamento no âmbito municipal. De acordo com
técnico-científicos, entre eles, a adoção de as diretrizes da OMS, o eixo do CAF é:
protocolos de tratamento e critérios a. A aquisição, sendo o processo licitatório e o
administrativos e legais. cálculo do aporte financeiro para a compra de
A seleção deve ser realizada por uma medicamentos a etapa inicial do ciclo e
Comissão/Comitê Estadual de Farmacologia e norteadora das demais.
Terapêutica, com o objetivo de estabelecer a b. A Utilização, e o primeiro passo do ciclo inicia-
relação estadual de medicamentos (REME), se com o processo de dispensação, pois o
definindo os medicamentos a serem perfil de prescrição determinará a seleção e
disponibilizados pela SES para a atenção básica, demais etapas.
média ou para a alta complexidade. c. O Armazenamento, que se constitui como
Os trabalhos da comissão de padronização de primeira etapa, pois a capacidade de guarda e
medicamentos (CPM) devem ser armazenamento instalada deve direcionar as
regulamentados, estabelecendo-se os critérios de demais fases do ciclo.
inclusão e exclusão de medicamentos, d. Correta: A Seleção, e a elaboração de uma
metodologia aplicada, periodicidade de revisão, lista de medicamentos essenciais baseada em
entre outros. critérios técnicos é o primeiro passo para
A seleção de medicamentos deve ser formalizada estruturar as demais etapas.
por meio de portaria ou resolução específica, com
a divulgação dos critérios técnicos utilizados para Ex.: 3: Com relação a AF na atenção básica a
inclusão e exclusão dos medicamentos, dando a saúde, julgue os próximos itens. O CAF inicia-se
necessária transparência ao processo. com a seleção de medicamentos, realizada com
Comissão de farmácia e terapêutico (CFT): objetivo de evitar compras e perdas
Instancia colegiada, de caráter consultivo e desnecessárias e a descontinuidade no
deliberativo, que tem a finalidade de assessorar o suprimento de produtos farmacêuticos.
gestor e equipe de saúde em assuntos referentes ( ) errado ( ) certo.
a medicamentos. Resp.:
Assertiva Errado.
Ex.: 1: O CAF compreende um sistema integrado
Ex.: 4: No processo de revisão da lista de e de sequências lógicas, cujos componentes
padronização, a Comissão de Farmácia e apresentam naturezas técnicas, científicas e
Terapêutica (CFT) solicitou o parecer para seleção operacionais que representam as estratégias e o
de antimicrobianos do grupo dos macrolídeos. Os conjunto de ações necessárias para a
medicamentos avaliados foram a claritromicina implementação da assistência farmacêutica. Em
500 mg e a azitromicina 500 mg. Para tomada de relação a esse sistema, assinale a opção
decisão, foram avaliados aspectos de custos, CORRETA.
efetividade, posologia, administração, eventos a. A etapa de seleção é um processo de escolha
adversos, tempo de tratamento, desfechos de medicamentos com base em critérios
clínicos, entre outros. A decisão final foi a epidemiológicos, técnicos e econômicos,
padronização da claritromicina. É correto afirmar visando aumentar ao máximo o número de
que uma das atribuições do farmacêutico na CFT especialidades farmacêuticas disponíveis, de
é: acordo com a multiplicidade de alternativas
a. Participar da divulgação do guia terapêuticas existentes no mercado.
farmacoterapêutico. b. O controle de estoque é uma atividade técnico-
b. Estimular a utilização de indicadores administrativa que visa subsidiar a
farmacológicos como critério do processo programação e aquisição de medicamentos
decisório de seleção. para manter a quantidade máxima de produtos
c. Correta: Participar da elaboração de diretrizes em estoque e aumentar sempre que possível o
clínicas e protocolos terapêuticos. estoque de reserva.
d. Participar apenas do estabelecimento de c. A distribuição é o ato profissional farmacêutico
normas para dispensação de medicamentos. que tem início a partir da apresentação de uma
e. Estimular a realização de estudos de utilização receita elaborada por um profissional
de medicamentos. autorizado. Nesse ato, o farmacêutico informa
e orienta o paciente sobre o uso adequado do
Ex.: 5: Com relação à assistência farmacêutica na medicamento.
atenção básica à saúde, julgue os próximos itens. d. Correta: A programação consiste em estimar
quantidades a serem adquiridas para
É atrib uição da Comissão de Farmácia e Terapêutica emitir atendimento a determinada demanda dos
parecer técnico e relatório dos processos de compras
relacionados aos produtos sob sua responsab ilidade.
serviços, por determinado período de tempo.
Os métodos mais utilizados para se programar
( ) Certo ( ) Errado. Resp.: Errado. medicamentos são: por perfil epidemiológico,
por consumo histórico e por oferta de serviços.
Programação e. As áreas de estocagem devem estar
sinalizadas exclusivamente por códigos
Atividade que tem como objetivo garantir a
estabelecidos pelo profissional farmacêutico, e
disponibilidade dos medicamentos previamente
selecionados nas quantidades adequadas e no as embalagens, dispostas de forma a dificultar
tempo oportuno para atender as necessidades da a visualização dos nomes dos medicamentos,
população. A programação deve ser ascendente, a fim de se evitar que pessoal não autorizado
faça a sua dispensação.
levando em conta as necessidades locais de cada
serviço de saúde.
É imprescindível a implantação de um sistema de
informações e gestão de estoque eficiente, para
que a programação possa ser realizada com base
em dados fidedignos, possibilitando a utilização
concomitante de métodos de programação, tais
como perfil epidemiológico, consumo histórico,
consumo ajustado, oferta de serviços, entre
outros.
Ex.: 2: Sobre a etapa posterior à seleção de Armazenamento
medicamentos, a programação define as O armazenamento é caracterizado por um
quantidades de medicamentos previamente conjunto de procedimentos técnicos e
selecionados que devem ser adquiridos. Num administrativos que envolvem as atividades de
serviço de farmácia no qual a programação de recebimento, estocagem, segurança e
medicamentos vem há anos adotando conservação dos medicamentos, bem como o
exclusivamente o método de consumo histórico, controle de estoque. O gerenciamento adequado
a. Deve-se adotar perfil epidemiológico, ideal dessa etapa do ciclo reduz perdas e deve
para situações em que há abundantes dados abservar alguns procedimentos e ações, entre os
de consumo. quais se destacam:
b. Deve-se modificar o método atual para o a. Adequação do almoxarifado às BPA, tais como
método de Consumo Médio Mensal, uma vez limpeza e higienização; delimitação dos
que esse método não requer dados de espaços para adequada estocagem,
morbidade e de esquemas terapêuticos, além recebimento e expedição de medicamentos,
dos cálculos serem mais simples. minimizando o risco de trocas; controle de
c. Deve-se modificar o método atual para o temperatura e umidade; monitoramento da
método de Consumo Médio Mensal, uma vez rede de frio; entre outros.
que esse método não requer dados de b. Qualificação do recebimento de
morbidade e de esquemas terapêuticos, medicamentos, através da melhoria dos
embora os cálculos não sejam simples. processos de conferência dos quantitativos na
d. A vantagem de uma combinação entre separação, diminuindo o número de erros no
consumo histórico, consumo ajustado e oferta que se referem aos quantitativos, lotes, prazos
de serviços é acrescentar informações sobre de validade, etc.
as reais demandas da população e a c. Elaboração de POP, que descrevam todas as
capacidade de atendimento às estimativas atividades executadas.
históricas. d. Existência de um sistema validado de controle
e. Correto: A vantagem de adotar uma de estoque de medicamentos, que
combinação entre consumo histórico, perfil disponibilize informações gerenciais como
epidemiológico e oferta de serviços é balancetes, relatórios e gráficos;
acrescentar informações sobre as reais e. Melhoria da capacidade administrativa e de
demandas da população e a capacidade de recursos humanos para garantir que todas as
atendimento às já existentes estimativas atividades sejam desenvolvidas de forma
históricas. adequada.

Aquisição Ex.: 1: O armazenamento é a etapa do ciclo da


Consiste em um conjunto de procedimentos pelos assistência farmacêutica que visa garantir a
quais se efetua o processo de compra dos qualidade e a guarda segura dos medicamentos
medicamentos estabelecidos pela programação, nas organizações da área da saúde. Uma das
com o objetivo de disponibilizar os mesmos em principais finalidades do armazenamento é
quantidade, qualidade e menor custo/efetividade, garantir a estabilidade dos medicamentos
visando manter a regularidade e funcionamento do estocados. Para medicamentos e insumos que
sistema. Deve ser permanentemente qualificada, não exigem condições especiais de conservação,
considerando os aspectos jurídicos, técnicos, uma das práticas adequadas de armazenamento
administrativos e financeiros. é:
Várias são as alternativas estratégicas para que a. Manutenção da umidade relativa do ar em
a aquisição pelas SES e pelos municípios venha torno de 90%.
a ser atrativa, com diminuição dos preços b. Correta: Estabelecimento de temperatura
praticados e agilidade no processo, quer seja máxima de 30°C.
através de pregão eletrônico ou presencial, c. Exclusão de fontes de iluminação artificial do
realização de compras anuais consolidadas e com ambiente.
entregas parceladas, formação de consórcios d. Colocação de isolamento acústico e térmico no
entre gestores, implantação de um Sistema de setor.
Registro de Preços, avaliação do desempenho
dos fornecedores no cumprimento das exigências
técnicas e administrativas, etc. Deve ser
considerada a alternativa mais adequada a cada
situação.
Distribuição Ex.: 2: O serviço de dispensação deve assegurar
A distribuição dos medicamentos, de acordo com que o medicamento seja entregue ao usuário
as necessidades dos solicitantes, deve garantir a certo, na dose prescrita, na quantidade adequada,
rapidez na entrega, segurança e eficiência no e que sejam fornecidas as informações suficientes
sistema de informações e controle. É necessária a para o uso correto (OMS, 1993). São objetivos da
formalização de um cronograma de distribuição, dispensação, segundo as Normas Técnicas para a
estabelecendo os fluxos, os prazos para a organização da assistência farmacêutica na
execução e a periodicidade das entregas de atenção básica:
medicamentos. 1. Minimizar erros de prescrição;
2. Garantir o cumprimento da prescrição;
Dispensação 3. Contribuir para adesão ao tratamento;
Dispensação é o ato profissional farmacêutico de 4. Corrigir erros de prescrição.
proporcionar um ou mais medicamentos a um Dos itens, verifica-se que estão CORRETOS
paciente, em resposta a apresentação de uma apenas:
receita elaborada por um profissional autorizado. a. 1 e 2.
Neste ato o farmacêutico informa e orienta o b. 1 e 4.
paciente sobre o uso adequado do medicamento. c. 3 e 4.
São elementos importantes da orientação, entre d. Corretos: 1, 2 e 3.
outros, a ênfase no cumprimento da dosagem, a e. 2, 3 e 4.
influência dos alimentos, a interação com outros
medicamentos, o reconhecimento de reações Prescrição
adversas potenciais e as condições de De acordo com a PNM (Portaria n° 3916/98), a
conservação dos produtos. prescrição é o ato de definir o medicamento a ser
consumido pelo paciente, com a respectiva
Ex.: 1: Com relação à dispensação de dosagem e duração do tratamento; esse ato é
medicamentos, assinale a alternativa CORRETA. expresso mediante a elaboração de uma receita
a. É uma atividade técnico-científica, de médico. A prescrição é o instrumento no qual se
orientação ao paciente, de importância para a apoia a dispensação. Deve cumprir os aspectos
observância ao tratamento e, portanto, eficaz, legais contidos na Lei n. 5991/73 e na Resolução
quando bem administrada, devendo ser Anvisa, n° 10/01. O Art. 35 da Lei 5.991/73
exercida por qualquer profissional da saúde. estabelece que a receita deverá ser aviada se:
b. Uma atividade técnico-científica, de orientação a. Estiver escrita a tinta, em vernáculo por
ao paciente, de importância para a extenso e de modo legível, observados a
observância ao tratamento e, portanto, eficaz nomenclatura e sistema de pesos e medidas;
quando bem administrada, devendo ser b. Contiver nome e endereço residencial do
exclusiva do profissional enfermeiro. paciente;
c. Correta: É o ato farmacêutico de distribuir um c. Contiver descrito o modo de usar o
ou mais medicamentos a um paciente, medicamento;
geralmente como resposta à apresentação de d. Contiver a data e assinatura do profissional,
uma prescrição elaborada por um profissional endereço do consultório ou da residência, e n°
autorizado. Neste ato, o farmacêutico informa de inscrição do respectivo Conselho
e orienta o paciente sobre o uso adequado do profissional.
medicamento.  § único: O receituário de entorpecentes ou
d. É o ato farmacêutico de distribuir um ou mais equiparados, e os demais medicamentos sob
medicamentos a um paciente, geralmente regime de controle, obedecerão à legislação
como resposta à apresentação de uma federal especifica.
prescrição elaborada por um profissional A Resolução ANVISA n° 10/01 estabelece os
autorizado. Neste ato, o enfermeiro informa e critérios que devem ser contemplados na
orienta o paciente sobre o uso adequado do prescrição médica e dispensação de genéricos.
medicamento. No âmbito do SUS, as prescrições pelo
e. Pode ser compreendida como um processo profissional responsável adotarão
que envolve as etapas de recebimento, obrigatoriamente a DCB ou, na sua falta, a DCI.
interpretação e aviamento do medicamento, Nos serviços privados de saúde, a prescrição
não sendo necessária a comunicação com o ficará a critério do responsável. Podendo ser pelo
paciente sobre o seu uso adequado. nome genérico ou comercial, que deverá ressaltar,
quando necessária a intercambialidade. Apesar
desta regulamentação, outros aspectos
considerados importantes podem ser
normatizados no âmbito do município.
No caso do prescritor decidir pela não Ex.: 1: Sobre os medicamentos genéricos,
intercambialidade, essa manifestação deverá ser similares e de referência e a intercambiabilidade
feita por escrito, de forma clara, legível e (RDC 58/2014; Lei nº 9.787/99; CRF-RS.
inequívoca, não sendo permitida qualquer forma Orientação Técnica: Intercambialidade de
de impressão, colagem de etiquetas, carimbos ou Medicamentos, 07/12/2016), é CORRETO afirmar:
formas automáticas para essa manifestação. a. O medicamento similar pode ser
intercambiável com outros similares e por
Ex.: 1: Observe as afirmativas a seguir em relação medicamentos genéricos prescritos.
à prescrição farmacêutica de medicamentos. b. Correto: Será considerado intercambiável o
1. A prescrição de medicamentos no âmbito do medicamento similar, cujos estudos de
SUS estará necessariamente em equivalência farmacêutica, biodisponibilidade
conformidade com a DCB ou, em sua falta, relativa/bioequivalência ou bioisenção tenham
com a DCI. sido apresentados, analisados e aprovados
2. A prescrição de medicamentos, no âmbito pela ANVISA.
privado, estará necessariamente em c. As prescrições de medicamentos, no âmbito
conformidade com DCB ou, em sua falta, com do SUS e no âmbito privado devem adotar
a DCI. obrigatoriamente a DCB e, na sua falta, a DCI.
3. A prescrição farmacêutica deverá ser redigida d. Medicamento similar é aquele que contém o
em vernáculo, por extenso, de modo legível, mesmo ou os mesmos princípios ativos,
observados a nomenclatura e o sistema de apresenta a mesma concentração, forma
pesos e medidas oficiais, sem emendas ou farmacêutica, via de administração, posologia
rasuras. e indicação terapêutica preventiva ou
Das afirmativas acima: diagnóstica, do medicamento de referência,
a. Apenas a 1 está correta. podendo diferir somente em características
b. Apenas a 2 está correta. relativas ao tamanho e forma do produto,
c. Todas estão corretas. prazo de validade, embalagem, rotulagem,
d. Apenas a 2 e a 3 estão corretas excipientes e veículos, devendo sempre ser
e. Correto: Apenas a 1 e a 3 estão corretas. identificado pela DCB e, na sua falta, pela DCI.

Dispensação de medicamentos genéricos Ex.: 2: Os medicamentos genéricos têm como


É permitida ao farmacêutico a substituição do principal vantagem o aumento do acesso a
medicamento prescrito, EXCLUSIVAMENTE pelo medicamentos de qualidade, seguros e eficazes,
genérico correspondente, salvo restrições seja pela disponibilização de medicamentos de
expressas pelo prescritor. Quando o farmacêutico menor preço, seja pela redução do preço de
fizer a substituição, deve pôr seu carimbo, nome, medicamentos de referência. De acordo com a
n°. de inscrição do CRF, datar e assinar. Nos Anvisa, assinale a alternativa correta.
casos de prescrição com denominação genérica, a. A intercambialidade, ou seja, a substituição de
SOMENTE será permitida a dispensação do um medicamento por outro de mesma classe,
medicamento de referência ou de um genérico é assegurada por testes de equivalência
correspondente. É dever do farmacêutico explicar terapêutica.
detalhadamente a dispensação realizada ao b. Caso conste na embalagem do genérico a
paciente ou usuário, bem como fornecer toda frase Medicamento Genérico Lei nº 9787/1999,
orientação necessária ao uso racional de não será necessário que o medicamento seja
medicamentos genéricos. identificado pela tarja amarela.
A substituição genérica deverá ser baseada na c. Caso o prescritor expresse por escrito a
relação de medicamentos genéricos aprovados manutenção do medicamento de referência,
pela ANVISA, cujos registros tenham sido ele somente poderá ser substituído por um
publicados no Diário Oficial da União. medicamento genérico com autorização do
farmacêutico.
d. Correta: A substituição do medicamento
prescrito pelo medicamento genérico
correspondente somente poderá ser realizada
pelo farmacêutico responsável pela farmácia
ou drogaria e deverá ser registrada na
prescrição médica.
e. A intercambialidade, ou seja, a substituição do
medicamento de referência pelo seu genérico,
é assegurada pela presença do mesmo
princípio ativo, da mesma dose e forma
farmacêutica, quando administrado pela
mesma via e com a mesma posologia e
indicação terapêutica.
VIGILANCIA SANITARIA Ex.: 1: Conjunto de ações capazes de eliminar,
É a forma mais complexa de existência da saúde diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir
pública, pois suas ações, de natureza nos problemas sanitários decorrentes do meio
eminentemente preventiva, perpassam todas as ambiente, da produção e circulação de bens e da
práticas médico-sanitários: promoção, proteção, prestação de serviços de interesse à saúde
recuperação e reabilitação da saúde. A VS atua constitui o conceito de:
sobre fatores de risco associados a produtos, a. Vigilância em saúde;
insumos e serviços relacionados com a saúde, b. Vigilância epidemiológica;
com o ambiente e o ambiente de trabalho, com a c. Vigilância ambiental;
circulação internacional de transporte, carga e d. Correta: Vigilância sanitária.
pessoas. Os saberes e pratica da VS se situam Resp.:
num campo de convergência de várias disciplinas  Alternativa (d) correta: Conjunto de ações
e área do conhecimento humano, tais como capazes de eliminar, diminuir ou prevenir
química, farmacologia, epidemiologia, engenharia riscos à saúde e de intervir nos problemas
civil, sociologia política, direito, economia política, sanitários decorrentes do meio ambiente, da
bioética e outras. produção e circulação de bens e da
A VS é uma das mais antigas faces da saúde prestação de serviços de interesse à saúde
pública e desde sua origem expressa à constitui o conceito de (lei 8080/90).
preocupação que a sociedades tem com o nocivo
e o seu controle. Os primeiros registros de ações Esses riscos presentes no dia a dia da vida
datam da idade antiga e visavam o controle sobre social, estão relacionadas aos interesses sociais,
as práticas de cura, sobre o meio ambiente e econômicos e políticos, fruto das relações ente a
sobre os produtos relacionados à saúde e a produção e consumo de bens e serviços, que
doença. fazem parte do modo do viver atual das
 Entende-se por vigilância sanitária: Um populações. Assim, convivemos cotidianamente
conjunto de ações capazes de eliminar, com diferentes possibilidades de risco que se
diminuir ou prevenir riscos à saúde e de ampliam crescentemente a nível global, exigindo,
intervir nos problemas sanitários decorrentes pari passu, ações de controle sanitário. No
do meio ambiente, das produções e da controle dos riscos, a VS usa sistema de
circulação de bens e da prestação de serviços tecnologias de intervenção ou instrumentos de
de interesse da saúde, abrangendo: ação, a exemplo dos seguintes:
 O controle de bens de consumo que, direta  Legislação sanitária; fiscalização sanitária; inspeção
sanitária; lab oratório de saúde púb lica; monitoramento;
ou indiretamente, se relacionam com a pesquisa epidemiológicas; vigilancia de eventos
saúde, compreendidas todas as etapas de adversos e outros agravos; informação, comunicação e
processo, da produção ao consumo; educação para saúde, além de intervenções para a
 O controle da prestação de serviços se promoção da saúde.
relaciona direta ou indiretamente com a
saúde. Para implementação das suas responsabilidades,
Definição: Conjunto de ações capazes de a VS está estruturada sob a forma de sistema.
eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de Cabe À VS desenvolver ações para eliminar,
intervir nos problemas sanitários e decorrentes do diminuir ou prevenir riscos à saúde individual e
meio ambiente, da produção e circulação de bens coletiva, assim como intervir nos problemas
e da prestação de serviços da saúde. Esta sanitários decorrentes do meio ambiente, da
definição amplia seu campo de atuação, pois, ao produção, comercialização e circulação de bens e
ganhar a condição de conjunto de ação acaba de da prestação de serviços de interesse da saúde.
eliminar, diminuir ou prevenir riscos decorrentes Essas ações abrangem a saúde do trabalhador, o
do meio ambiente, da produção e circulação de controle de bens de consumo relacionados à
bens e da prestação de serviços de interesse da saúde, da produção ao consumo, e da prestação
saúde, torna-se uma prática com poder de de serviços que envolvem a saúde.
interferir em toda a reprodução das condições A principal função da vigilância sanitária é
econômicos-sociais e de vida, isto é, em todos os regularizar estabelecimentos e prevenir a
fatores determinantes do processo saúde-doença. ocorrência de agravar à saúde, sendo a
Como uma atividade de natureza pública, orientação e educação em saúde suas principais
preventiva e de caráter intersetorial, as ações da ferramentas. Cabe a ela também exercer
VS têm como premissa a identificação e análise fiscalização e controle sobre o meio ambiente e os
dos riscos à saúde individual e coletiva. fatores que interferem na sua qualidade,
abrangendo os recursos e os ambientes de
trabalho, habitação e lazer. A vigilância deve ainda
apurar infrações sanitárias e aplicar as
penalidades devidas, quando esgotadas a eficácia
das ações educativas e de prevenção.
Poder de policia: Durante muito tempo, o termo  Atribuições: O controle de bem de consumo
mais usado era o de "polícia sanitária" e essa que, direta ou indiretamente, se relacionem
polícia era responsável pelo saneamento das com a saúde, compreendida todas as etapas e
cidades, pela caça aos profissionais enganosos, processos, da produção ao consumo; o
pela fiscalização de embarcações e cemitérios, controle da prestação de serviços que se
pelo acompanhamento do comércio de alimentos. relacionam direta ou indiretamente com a
Podemos definir o poder de polícia como a ação saúde.
que restringe e que condiciona as atividades dos  Responsabilidade: Proteção e promoção à
interesses particulares em nome da proteção do saúde, Regulamentação, poder de policia ação
coletivo. A razão do poder de polícia é o interesse que restringe e condiciona as atividades
social; o seu fundamento está na supremacia particulares individuais, em nome da proteção
geral que o Estado exerce sobre todas as do interesse coletivo. Prevenção e controle de
pessoas, bens e atividades. O poder público, risco.
quando flagra alguém desrespeitando as regras  Instrumentos de ação: Legislação sanitária
da VS, pode puni-lo por não cumprir as normas fiscalização, inspeção sanitária, laboratório,
determinadas, em nome da proteção à saúde da monitoramento, pesquisas, vigilancia de
população. eventos adversos, informação, comunicação e
educação.
Ex.: 1:
 O poder de polícia administrativa é uma atividade Competências dos Níveis Federal, Estadual e
exclusiva da administração púb lica. Representa não só
uma capacidade, mas também um dever de restringir ou Municipal
condicionar as lib erdades ou a propriedade individual, A LOS 8080/90, estabeleceu, no art. 15, as
ajustando-as aos interesses da coletividade. Seu atribuições comuns da União, dos Estados, do DF
principio b ásico é a supremacia do interesse púb lico e dos Municípios, entre as quais prevalece a de
sob re o individual. No setor de saúde, esse poder incide
apenas sob re estab elecimentos (pessoas jurídicas).
elaboração de normas técnicas específicas, de
A vigilancia que detém o poder de polícia normas reguladoras de atividades do setor privado
administrativa é a: e de normas técnico-científicas de promoção,
a. Correta: Vigilância sanitária; proteção e recuperação da saúde, o que
b. Vigilância epidemiológica; pressupõe, necessariamente, a competência de
c. Vigilancia ambiental; cada uma das entidades estatais para legislar
d. Vigilancia do trabalhador. nesses campos. Combinando-se as competências
atribuídas a cada uma das esferas de governo
Sistema nacional de vigilancia sanitária com as atribuições comuns e os objetivos gerais
(SNVS) do SUS, enunciados na CF/88 e LOS, e
No Brasil, as atividades de VS são competência enquadrando-as no esquema de limites pra o
do SNVS, que se encontra vinculado ao SUS e exercício dessas competências pelas entidades
atua de maneira integrada e descentralizada em estatais, podemos concluir que, em matéria de
todo o território nacional. As responsabilidades VS, incluindo o poder de polícia administrativa
são compartilhadas entre as três esferas de sanitária:
governo sem relação de subordinação entre elas. 1. A União se limita a expedir normas gerais
Dentro do SNVS, a Anvisa é a responsável pela sobre o sistema nacional de VS, definindo-o e
coordenação do sistema e atua em questões de coordenando-o em todo o território nacional;
âmbito federal, acompanhando e coordenando a 2. Os Estados têm o poder/dever de coordenar
execução de ações sanitárias em todo o país. e, em caráter complementar, executar ações e
Além disso, a agência estabelece normas gerais, serviços de VS e de saúde do trabalhador,
presta cooperação técnica e financeira aos outros suplementando, nesses setores, a legislação
entes do sistema e promove parcerias. sobre normas gerais expedidas pela União;
3. Os Municípios podem, na medida dos
 Definição: é um instrumento que o SUS
interesses predominantemente locais,
dispõe para realizar seu objetivo de prevenção
e promoção da saúde. suplementar a legislação federal e estadual no
 Legislação: Lei 9782/99 define o sistema e tocante à aplicação e execução de ações e
serviços de VS". Ao município é que é dada a
cria a ANVISA;
competência para a execução de todas as
 Componente Federal: ANVISA, e INCQS;
ações de VS, claro que assegurado nas leis
 Estadual: VISA e o LACEN; federais e estaduais. A esse processo, nós
 Participaram do SNVS: (forma indireta); chamamos de municipalização das ações de
CONASS e CONASEMS. VISA. Compete aos municípios:
 Objetos de atuação: Alimentos, saneantes,  Planejar, implementar e executar ações de
produtos médicos hospitalares, cosméticos, VISA com a cooperação técnica e financeira
serviços direta ou indiretamente relacionados da união e do estado;
com a saúde.
 Fundamento geral: Lei 8080/90;
 Normatizar em caráter suplementar, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO
observando o critério do interesse local; O termo usado, para ações sanitárias sobre
 Gerencia o sistema de informação em pessoas atividades, substâncias, produtos,
vigilância sanitária. serviços e órgãos, para que estes não se desviem
de normas pré-estabelecidas. E também para
O que é Vigilância Sanitária (VISA)? designar ações sobre doenças e agravos, agentes
VISA é uma área da Saúde Pública, uma prática nocivos ao homem, agentes animais e vegetais.
de saúde coletiva. Como atividade de saúde, a Causadores de doenças e prejuízos econômicos
VISA integra o SUS e como tem poder de polícia nas atividades produtivas, a fim de que suas
só pode ser exercida pelo Estado. frequências não se desviem da normalidade,
 A VISA é uma atividade de caráter avaliada através de medidas de incidência e
intersetorial, pois a qualidade do seu trabalho prevalência.
depende: No campo da vigilância sanitária, controle e
 Da integração entre vários setores fiscalização se confundem. Mas controle é mais
(saneamento, abastecimento de água, amplo, pois inclui a fiscalização é ação
agricultura, polícia, Ministério Público, defesa verificadora do comprimento da norma, e se dá,
do consumidor, etc.). muitas vezes, mediante a inspeção de
 Do envolvimento de diferentes esferas de estabelecimento, atividade e ambiente.
governo (Poderes executivo, legislativo e O controle inclui licença, autorização de
judiciário). funcionamento e registro, meios usados pela
 Da cooperação de organizações da sociedade administração pública para intervir nas atividades
civil (organizações de defesa do consumidor dos particulares e as adequar aos interesses
ou de portadores de enfermidades, etc.). coletivos. Além das responsabilidades técnica
Além disso, precisa da parceria da sociedade, existem, ainda, análises fiscal, prévia e de controle
tanto para desenvolver suas tarefas cotidianas de de produtos. Podemos chamar esses conceitos de
fiscalização e controle quanto para alcançar junto conceitos operacionais, através dos quais a
aos gestores municipais, estaduais e nacionais a vigilância desenvolve suas ações de proteger a
atenção correspondente a sua importância. saúde e elevar à qualidade a vida.
A VISA tem um campo de atuação muito amplo e
precisar lidar com a presença cada vez maior de Defesa e proteção da saúde
novos materiais, produtos e tecnologias na vida Diz respeito à competência do estado para
contemporânea. Essas características dão à VISA legislar sobre a saúde. Quando o aparato estatal
uma forte dimensão tecnológica. em saúde pública se ampliou, a expressão defesa
Para poder desempenhar seu papel, a VISA e proteção demarcava um espaço da saúde, seja
necessita do suporte de várias áreas do para legitimação retórica das ações de assistência
conhecimento científico, métodos e técnicas. Isso à saúde, ou para criar condições sanitárias que
significa que ela é uma prática multidisciplinar, que permitissem o desenvolvimento econômico no
precisa contar com o trabalho e os com os país. A ampliação da noção de defesa e proteção
conhecimentos técnicos de profissionais de nível da saúde se dá com a apropriação social da
médio e superior de várias formações, dentre as abrangência do conceito de saúde como também
quais: química, farmácia, nutrição, medicina, da dimensão coletiva e do ambiente, a ser
engenharia, física, enfermagem, biologia, protegido e defendido de agressões resultantes do
radiologia, informática e comunicação. modo de operação do sistema produtivo.

Ex.: 1: Constitui competência da VS no município:


a. Correta: Gerenciar o sistema de informação
em vigilancia sanitária;
b. Legislar em caráter suplementar;
c. Monitorar e avaliar o processo de
descentralização das ações de VS;
d. Coordenar o sistema estadual de VS.
Resp.:
 Alternativa (a) correta: compete à VISA
municipal;
 Alternativa (b) incorreta: compete ao
estado;
 Alternativa (c) incorreta: compete ao
estado;
 Alternativa (d) incorreta: compete ao
estado.
Higiene Qualidade
Esse termo apareceu desde o regulamento de Diz respeito à noção de atributos intrínseco,
1923 e de 31, como parte da higiene do trabalho, esperado de bens materiais e imateriais
a que todos os estabelecimentos industriais, relacionados com a saúde, sendo de
inclusive da indústria farmacêutica, deviam responsabilidade, presentes nas normas, se
obedecer. Mantendo-se fiéis às suas origens referem à supressão de qualidade, e constam da
ligadas limpeza, o termo higiene se associava, a definição de produtos fraudados, ou como
locais e alimentos, aos meios de transporte e a especificações da farmacopeia brasileira, ou de
veículos destinados ao transporte de produtos outros códigos. O conceito de padrão de
sujeitos à VS e ainda, em menor grau, aos identidade e qualidade, ou padrão de qualidade,
manipuladores de alimentos. A higiene é a parte incorpora-se às normas editadas após a inovação.
das condições sanitárias exigidas das A qualidade deve ser verificada pelo estado,
embarcações e das áreas aeroportuárias, que a através de análises laboratoriais, e é condição
inspeção sanitária deve verificar. A higiene para a concessão do registro de um produto. O
pessoal e ambiental é finalidade de decreto 109/91 reorganizou o MS e atribuiu ao
determinadas classes de produtos. O termo órgão federal responsável pela vigilância sanitária
higiene sempre apareceu nas normas de a promoção de auditoria para verificar a qualidade
alimentos, seja como requisito do produto, seja dos produtos e serviços. Nos últimos anos, surgiu
dos locais onde são produzidos, manipulados ou o conceito de padrão de identidade e qualidade
envasados. E a noção atual de higiene neste de serviços na área de produtos alimentícios.
campo contempla, além dos padrões
microbiológicos, parâmetros em relação aos Segurança
resíduos de pesticidas e outros contaminantes. A O termo se liga, nos textos normativos, a
higiene da alimentação é preceito normativo que categorias como trabalhador, espaço, saúde e
fundamenta o cancelamento temporário ou poder do estado. Aparece, na legislação de 1961,
definitivo, do registro de um dado alimento, e a ligado ao trabalho e ao meio ambiente. Na lei
interdição, ou a apreensão de alimentos de 6360/76 a segurança sanitária justifica a
bebidas. intervenção governamental na suspensão da
fabricação e na venda de produtos suspeitos de
Nocividade serem nocivos à saúde humana. Nos últimos anos
A noção de nocividade permeia todo o campo de apareceu a noção de enfoque de segurança, na lei
controle sanitário, sendo o fundamento da de agrotóxico, na lei de biossegurança e nas
existência das ações dos mesmos. Quando o normas sobre as indústrias do âmbito do
estado intervém em atividades de particulares visa MERCOSUL.
evitar que a possível nocividade de produtos e
serviços, apropriados por meio da noção de risco, Áreas de abrangências
prejudique a saúde individual, coletiva e A área de abrangência da VS pode ser descritas
ambiental. A palavra nocividade vem do latim e assim:
significa o que prejudica, ou causa dano.  Normalização e controle de bens, da
No campo da VS essas noções se ampliam para produção do armazenamento, da circulação,
abranger a nocividade que não decorre apenas de do transporte, da comercialização e do
delinquência sanitária, por adição ou superação, consumo de produtos de interesse da saúde, e
mas se relaciona à evolução do conhecimento de suas matérias-primas, coadjuvantes de
cientifico que evidencia que determinado produto tecnologia, equipamentos e processos.
ou substância, até então considerado  Normalização e controle de serviços direta
terapeuticamente útil, passa a ser nocivo à saúde. ou indiretamente relacionadas com a saúde,
Graças à sua função protetora e preventiva, antes prestado, direta ou indiretamente pelo estado e
suspeita ou alegação de nocividade, ordenar a pelo setor privado. Sob o título de fiscalização
suspensão da fabricação e venda de produtos que das condições dos exercícios profissional, o
se tornem suspeitos de serem nocivos à saúde estado partilha responsabilidades com as
humana, embora tenham registro. entidades corporativas, as quais se atribuiu,
em época mais recente, parte dessas
competências;
 Normalização e controle de tecnologia
médicas, tanto de equipamentos como de
procedimentos dos mais rudimentares aos
mais requintados da chamada de tecnologia
de ponta.
 Normalização e controle de aspectos do
ambiente, do ambiente de trabalho e da saúde
do trabalhador.
Risco Ex.: 1: Em VS, os riscos à saúde podem ser
É usado nas acepções da linguagem comum e no classificados em 5 tipos: ambientais, institucionais,
sentido epidemiológico. Diz respeito à sociais, ocupacionais e iatrogênicos, também
probabilidade de ocorrência de eventos adversos chamados riscos sanitários. Dentre os riscos à
relacionados a objetos submetidos a controle saúde, assinale a alternativa que apresenta
sanitário. O termo RISCO apareceu inicialmente exemplo de RISCO IATROGÊNICO:
no código sanitário de 1961, usado a. Derramamento de produtos tóxicos em corpos
erroneamente como risco da saúde. Refere-se à d´água;
saúde do homem, mas também às dos animais e b. Condições precárias de higiene em creches e
das plantas. Risco sanitário agrega o elemento escolas;
de potencial dano à saúde e, c. Alimentos comercializados fora do prazo de
consequentemente, a possibilidade de que um validade;
perigo venha causar um evento adverso d. Correta: Instrumentos infectados em
Riscos sanitários são os perigos que podem consultório.
ameaçar nossa saúde no dia-a-dia, quando Resp.: os riscos iatrogênicos estão relacionados
consumimos um produto ou quando usamos um ao tratamento medico e ao uso dos serviços de
determinado serviço. Os riscos à saúde são saúde.
classificados em 5 tipos: 1. ambientais, 2.
ocupacionais, 3. iatrogênicos, 4. institucionais e 5.
sociais.
1. Riscos ambientais: Relacionados à qualidade
da água que consumimos, ao lixo (doméstico,
industrial ou hospitalar), à poluição do ar, do
solo e da água dos mananciais, à presença de
insetos e outros animais transmissores de
doenças, transporte de produtos perigosos,
etc.
2. Riscos ocupacionais: Relacionados ao
ambiente de trabalho. processo de produção,
substâncias, intensidades, ritmo e ambiente de
trabalho;
3. Riscos iatrogênicos: Relacionados a
tratamento médico ou uso de serviços de
saúde. (decorrente de tratamento médico e
uso de serviços de saúde) medicamentos,
infecção hospitalar, sangue e hemoderivados,
radiações ionizantes, tecnologias médico-
sanitárias, procedimentos e serviços de saúde;
4. Riscos institucionais: Relacionados às
condições físicas, higiênicas e sanitárias de
estabelecimentos públicos (creches, clubes,
hotéis, salão de beleza, saunas, etc.)
5. Riscos sociais: Relacionados às condições
familiares, financeiras e afetivas das pessoas e
à inserção social dos indivíduos, transporte,
alimentos, substâncias psicoativas, violências,
grupos vulneráveis, necessidades básicas
insatisfeitas;
VIGILANCIA EPIDEMIOLÓGICA (VEP) Propósitos
As primeiras intervenções estatais no campo da Por propósito, a VEP deve fornecer orientação
prevenção e controle de doenças, desenvolvidas técnica permanente para os profissionais de
sob bases científicas modernas, datam do início saúde que têm a responsabilidade de decidir
do séc. 20 e foram orientadas pelo avanço da era sobre a execução de ações de controle de
bacteriológica e pela descoberta dos ciclos doenças e agravos, tornando disponíveis, para
epidemiológicos de algumas doenças infecciosas esse fim, informações atualizadas sobre a
e parasitárias. Essas intervenções consistiram na ocorrência dessas doenças e agravos, bem como
organização de grandes campanhas sanitárias dos fatores que a condicionam, numa área
com vistas ao controle de doenças que geográfica ou população definida.
comprometiam a atividade econômica, a exemplo Subsidiariamente, a VEP constitui-se importante
da febre amarela, peste e varíola. A expressão instrumento para o planejamento, organização e
VEP passou a ser aplicada ao controle das operacionalização dos serviços de saúde, bem
doenças transmissíveis na década de 50, para como a normatização das atividades técnicas
designar uma série de atividades subseqüentes à correlatas. A operacionalização da VEP
etapa de ataque da campanha de erradicação da compreende um ciclo de funções específicas e
malária, vindo a designar uma de suas fases intercomplementares, desenvolvidas de modo
constitutivas. Originalmente, significava: contínuo, permitindo conhecer, a cada momento, o
 “a ob servação sistemática e ativa de casos suspeitos ou comportamento da doença ou agravo selecionado
confirmados de doenças transmissíveis e de seus como alvo das ações, de forma que as medidas
contatos”.
de intervenção pertinentes possam ser
Tratava-se, portanto, da vigilância de pessoas, desencadeadas com oportunidade e eficácia.
com base em medidas de isolamento ou
quarentena, aplicadas individualmente, e não de Funções
forma coletiva. Na década de 60, o programa de São funções da vigilância epidemiológica:
erradicação da varíola também instituiu uma fase  Coleta de dados;
de VEP, subseqüente à de vacinação em massa  Processamento dos dados coletados;
da população. Simultaneamente, o programa  Análise e interpretação dos dados
disseminou a aplicação de novos conceitos que se processados;
firmavam no âmbito internacional e não se  Recomendação das medidas de controle
vinculavam à prévia realização de uma fase de apropriadas;
ataque. Pretendia-se, mediante busca ativa de  Promoção das ações de controle indicadas;
casos de varíola, a detecção precoce de surtos e  Avaliação da eficácia e efetividade das
o bloqueio imediato da transmissão da doença. medidas adotadas;
Essa metodologia foi fundamental para o êxito da  Divulgação de informações pertinentes.
erradicação da varíola em escala mundial e serviu As competências de cada nível do sistema de
de base para a organização de sistemas nacionais saúde (municipal, estadual e federal) abarcam
de VEP. todo o espectro das funções de vigilância
epidemiológica, porém com graus de
Ex.: 1: especificidade variáveis. As ações executivas são
Conjunto de ações que proporciona o inerentes ao nível municipal e seu exercício exige
conhecimento, a detecção ou prevenção de conhecimento analítico da situação de saúde
qualquer mudança nos fatores determinantes e local, mas cabe aos níveis nacional e estadual
condicionantes de saúde individual ou coletiva. conduzir as ações de caráter estratégico e longo
A descrição anterior de se refere a: alcance. A eficiência do SNVE depende do
a. Vigilância sanitária; desenvolvimento harmônico das funções
b. Indicadores de saúde; realizadas nos diferentes níveis. Quanto mais
c. Correta: Vigilancia epidemiológica; capacitada e eficiente for a instância local, mais
d. Indicadores de morbidade. oportunamente podem ser executadas as medidas
de controle. Os dados e informações aí
produzidos serão mais consistentes, possibilitando
melhor compreensão do quadro sanitário estadual
e nacional e, conseqüentemente, o planejamento
adequado da ação governamental. Nesse
contexto, as intervenções oriundas dos níveis
estadual e federal tenderão a tornar-se seletivas,
voltadas para questões emergenciais ou que, por
sua transcendência, requerem avaliação complexa
e abrangente, com participação de especialistas e
centros de referência, inclusive internacionais.
A atual orientação para o desenvolvimento do Ex.: 1: É um estudo realizado com base nos
SNVE estabelece, como prioridade, o dados existentes nos registros dos serviços de
fortalecimento dos sistemas municipais de saúde ou de outras instituições. Geralmente não e
vigilância epidemiológica, dotados de autonomia um estudo amostral e destina-se a coletar dados
técnico-gerencial para enfocar os problemas de para complementar informação já existente. O
saúde próprios de suas respectivas áreas de enunciado refere-se:
abrangência. a. Ao sistema sentinela;
b. Ao inquérito qualitativo;
Ex.: 1: São funções da vigilância epidemiológica: c. Correta: Ao levantamento epidemiológico;
( ) coleta de dados; d. À investigação sanitária;
( ) recomendação das medidas de prevenção e e. Ao levantamento bibliográfico.
controle das doenças apropriadas; Resp.:
( ) Estudo dos casos das doenças regionais.  Alternativa (c) correta: Consiste em
Assinale (V) para as afirmações verdadeiras e (F) pesquisar a bibliografia existente sobre um
para as falsas: determinado assunto, seguindo os dados
a. V-V-V; oferecidos pelo usuário, como palavra-chave,
b. F-V-F; tipologia do material e idioma.
c. Correta: V-V-F;
d. V-F-V. Investigação epidemiológica
Resp.: Método de trabalho usado para esclarecer a
 Assertiva (1) correta: Compreende uma ocorrência de doenças transmissíveis ou de
função da VEP; agravos inusitados à saúde, a partir de casos
 Assertiva (2) correta: Compreende uma isolados ou relacionados entre si. Consiste em um
função da VEP; estudo de campo realizado a partir de casos
 Assertiva (3) incorreta: Não compreende notificados (clinicamente declarados ou
uma função da VEP; suspeitos) e seus contatos. Destina-se a avaliar
as implicações da ocorrência para a saúde
ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS coletiva, tendo como objetivos:
Além das fontes regulares de coleta de dados e  Confirmar o diagnóstico, determinar as características
epidemiológicas da doença, identificar as causas do
informações para analisar, do ponto de vista
fenômeno e orientar as medidas de controle, identificar a
epidemiológico, a ocorrência de eventos fonte de infecção e o modo de transmissão; os grupos
sanitários, pode ser necessário, em determinado expostos a maior risco e os fatores de risco; b em como
momento ou período, recorrer diretamente à confirmar o diagnóstico e determinar as principais
população ou aos serviços para obter dados características epidemiológicas. O seu propósito final é
orientar medidas de controle para impedir a ocorrência
adicionais ou mais representativos, que podem ser de novos casos.
coletados por inquérito, levantamento
epidemiológico ou investigação. A expressão “investigação epidemiológica” aqui
usada tem o sentido restrito de importante
Inquérito epidemiológico diagnóstico da vigilância epidemiológica, diferente
Estudo seccional, geralmente do tipo amostral, de uma ampla conotação como sinônimo da
levado a efeito quando as informações existentes pesquisa científica em epidemiologia. Para
são inadequadas ou insuficientes em virtude de diferenciar, na vigilância epidemiológica costuma
diversos fatores, dentre os quais se podem ser denominada como “investigação
destacar: epidemiológica de campo”.
 Notificação imprópria ou deficiente; mudança no
comportamento epidemiológico de determinada doença;
dificuldade na avaliação de cob erturas vacinais ou Ex.: 1: A investigação epidemiológica é o
eficácia de vacinas; necessidade de avaliação da eficácia processo que permite acompanhar a ocorrência
das medidas de controle de um programa; descob erta de de uma doença ou agravo nos indivíduos, sendo
agravos inusitados. operacionalizada mediante o preenchimento de
ficha de investigação. Esta investigação deve
Levantamento epidemiológico ocorrer sempre que for notificado um caso:
Estudo realizado com base nos dados existentes a. Confirmado;
nos registros dos serviços de saúde ou de outras b. Descartado;
instituições. Não é um estudo amostral e destina- c. Correto: Suspeito;
se a coletar dados para complementar d. Secundário.
informações já existentes. A recuperação de
séries históricas, para análises de tendências, e a
busca ativa de casos, para aferir a eficiência do
sistema de notificação, são exemplos de
levantamentos epidemiológicos.
SISTEMAS SENTINELAS  Alternativa (e) correta: Ocorrência
Nem sempre o processo de decisão/ação inesperada ou variação do processo
necessita da totalidade de casos (notificação envolvendo óbito, qualquer lesão física ou
universal) para o desencadeamento das psicológica ou o risco de sua ocorrência.
estratégias de intervenção, pois isto se vincula à
apresentação clínica e epidemiológica das Sistema de Informação de Agravos de
doenças e agravos e, principalmente, aos Notificação (SINAN)
instrumentos de controle disponíveis e indicados O mais importante sistema para a VEP foi
para cada situação específica. Para intervir em desenvolvido entre 1990 e 1993, visando sanar as
determinados problemas de saúde pode-se lançar dificuldades do SNCD e substituí-lo, tendo em
mão de sistemas sentinelas de informações vista o razoável grau de informatização disponível
capazes de monitorar indicadores-chave na no país. O Sinan foi concebido pelo Centro
população geral ou em grupos especiais que Nacional de Epidemiologia, com o apoio técnico
sirvam de alerta precoce para o sistema de do Datasus e da Prefeitura Municipal de Belo
vigilância. Existem vários tipos destes sistemas, Horizonte para ser operado a partir das unidades
como, por exemplo, a organização de redes de saúde, considerando o objetivo de coletar e
constituídas de fontes sentinelas de processar dados sobre agravos de notificação em
notificação especializadas, já bastante utilizadas todo o território nacional, desde o nível local.
para o acompanhamento e vigilância da situação Mesmo que o município não disponha de
de câncer. Outra técnica baseia-se na ocorrência microcomputadores em suas unidades, os
de evento sentinela, que é a detecção de doença instrumentos deste sistema são preenchidos neste
previsível, incapacidade ou morte inesperada nível e o processamento eletrônico é feito nos
cuja ocorrência serve como sinal de alerta de que níveis centrais das SMS, regional ou SES. É
a qualidade terapêutica ou prevenção deve ser alimentado, principalmente, pela notificação e
questionada. Entende-se que todas as vezes em investigação de casos de doenças e agravos
que isto ocorra o sistema de vigilância deve ser constantes da lista nacional de doenças de
acionado para que o evento seja investigado e as notificação compulsória, mas é facultado a
medidas de prevenção adotadas. estados e municípios incluir outros problemas de
A instituição de unidades de saúde sentinelas saúde regionalmente importantes. Por isso, o
tem sido muito usada no Brasil para a vigilância número de doenças e agravos contemplados pelo
das doenças infecciosas e parasitárias que Sinan, vem aumentando progressivamente desde
demandam internamento hospitalar. O seu processo de implementação, em 1993, sem
monitoramento de grupos-alvos, através de relação direta com a compulsoriedade nacional da
exames periódicos, é de grande valor na área de notificação, expressando as diferenças regionais
prevenção de doenças ocupacionais. Mais de perfis de morbidade registradas no Sistema.
recentemente, tem-se trabalhado no
desenvolvimento da vigilância de espaços
geográficos delimitados em centros urbanos,
denominado vigilância de áreas sentinelas.

Ex.: 1: A dengue é uma doença transmitida pelo


mosquito Aedes aegypti, que é também vetor da
febre Chikungunya e do vírus Zika. Um fato novo,
que deixa as autoridades de VS e epidemiológicas
em alerta, é o aumento dos casos de microcefalia
nos recém-natos, que podem estar relacionados
ao vírus Zika. o conceito da vigilancia
epidemiológica e da medicina ocupacional que
trata dos eventos inesperados, graves e
indesejáveis, como o caso apresentado, e definido
como:
a. Odds ratio.
b. Nexo técnico epidemiológico previdenciário;
c. Efeito do trabalhador sadio;
d. Taxa de gravidade;
e. Correta: Evento sentinela.
Resp.:
 Alternativa (b) incorreta: Metodologia que
tem o objetivo de identificar quais doenças e
acidentes está relacionada com a prática de
uma determinada atividade profissional pelo
INSS no Brasil.
PORTARIA Nº 1555/2013  § 3º: Além do disposto no § 2º, nos Municípios
Dispõe sobre as normas de financiamento e de com acréscimos populacionais resultantes de
execução do CBAF no âmbito do SUS. fluxos migratórios, conforme documentos
oficiais do IBGE, esse acréscimo populacional
Capítulo 1: disposições gerais será considerado para o cálculo do valor "per
Art. 1º: Esta Portaria dispõe sobre as normas de capita" a ser repassado a esses Municípios
financiamento e de execução do CBAF no âmbito pelos demais entes federativos envolvidos,
do SUS. conforme pactuação na CIT, CIB e, se houver,
Art. 2º: O CBAF destina-se à aquisição de Comissão Intergestores Regional (CIR).
medicamentos e insumos, incluindo-se aqueles  § 4º: Para evitar a redução no custeio deste
relacionados a agravos e programas de saúde Componente, os Municípios que tiveram a
específicos, no âmbito da ABS. população reduzida nos termos do Censo
IBGE 2011 em relação à população estimada
Capítulo 2: financiamento nos termos do Censo IBGE 2009 terão os
Art. 3º: O financiamento do CBAF é de recursos federais, estaduais e municipais
responsabilidade da União, dos Estados, do DF e alocados de acordo com a estimativa do
dos Municípios, conforme normas estabelecidas Censo IBGE 2009.
nesta Portaria, com aplicação, no mínimo, dos  § 5º: Os recursos financeiros oriundos do
seguintes valores de seus orçamentos próprios: orçamento do MS para financiar a aquisição
1. União: R$5,10 por habitante/ano, para de medicamentos do CBAF serão transferidos
financiar a aquisição dos medicamentos e a cada um dos entes federativos beneficiários
insumos do CBAF constantes dos Anexos 1 e em parcelas mensais correspondentes a 1/12
4 da RENAME vigente no SUS; (um doze avos) do valor total anual a eles
2. Estados: R$2,36 por habitante/ano, para devido.
financiar a aquisição dos medicamentos e  § 6º: Os valores definidos nos termos dos
insumos constantes dos Anexos 1 e 4 da incisos 2 e 3 do "caput" podem ser majorados
RENAME vigente no SUS, incluindo os conforme pactuações nas respectivas CIB,
insumos para os usuários devendo ser pactuada, também, a
insulinodependentes estabelecidos na periodicidade do repasse dos Estados aos
Portaria nº 2583/2007, constantes no Anexo Municípios.
4 da RENAME vigente no SUS;  § 7º: Os valores definidos nos termos do § 1º
3. Municípios: R$2,36 por habitante/ano, para podem ser majorados pelo DF para aplicação
financiar a aquisição dos medicamentos e em seus limites territoriais.
insumos constantes dos Anexos 1 e 4 da Art. 4º: As Secretarias de Saúde do DF e dos
RENAME vigente no SUS, incluindo os Municípios poderão, anualmente, usar um
insumos para os usuários percentual de até 15% da soma dos valores dos
insulinodependentes estabelecidos na recursos financeiros, definidos nos termos dos
Portaria nº 2583/2007, constantes no Anexo 4 incisos 1, 3 e § 1º do art. 3º, para atividades
da RENAME vigente no SUS. destinadas à adequação de espaço físico das
 § 1º: O DF aplicará, no mínimo, a somatório farmácias do SUS no DF e nos Municípios, à
dos valores definidos nos incisos 2 e 3 do aquisição de equipamentos e mobiliário
"caput" para financiar a aquisição dos destinados ao suporte das ações de AF e à
medicamentos e insumos constantes dos realização de atividades vinculadas à educação
Anexos e 4 da RENAME vigente no SUS continuada voltada à qualificação dos recursos
incluindo os insumos para os usuários humanos da AFABS, obedecida a Lei nº 4320/64,
insulinodependentes estabelecidos na Portaria e as leis orçamentárias vigentes, sendo vedado o
nº 2583/2007, constantes no Anexo 4 da uso dos recursos federais para esta finalidade.
RENAME vigente no SUS.  § 1º: A aplicação dos recursos financeiros de
 § 2º: Para fins de alocação dos recursos que trata o "caput" em outras atividades da
federais, estaduais, do DF e municipais, usa- AFABS, diversas das previstas nesta
se-á a população estimada nos referidos entes Portaria, fica condicionada à aprovação e
federativos pelo Censo do IBGE para 1º de pactuação nas respectivas CIB ou no
julho de 2011, enviada ao Tribunal de Contas Colegiado de Gestão da Secretaria
da União em 9 de novembro de 2011. Estadual de Saúde do DF (CGSES/DF).
 § 2º As SES poderão participar dos processos 3. A aquisição dos medicamentos sulfato ferroso
de aquisição de equipamentos e mobiliário e ácido fólico do Programa Nacional de
destinados ao suporte das ações de AF e à Suplementação de Ferro a partir de agosto
realização de atividades vinculadas à de 2013.
educação continuada voltada à qualificação Art. 10: Os Estados, o DF e os Municípios
dos recursos humanos na ABS de que trata o disponibilizarão, de forma contínua, os
§ 1º, conforme pactuação nas respectivas CIB, medicamentos do CBAF indicados nos
nos termos da legislação vigente. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas
(PCDT) para garantir as linhas de cuidado das
Capítulo 3: responsabilidades executivas doenças contempladas no CEAF.
Art. 5º: Cabe ao MS o financiamento e a Art. 11: Com o objetivo de apoiar a execução do
aquisição da insulina humana NPH 100UI/ml e da CBAF, as SES e dos Municípios podem pactuar
insulina humana regular 100UI/ml, além da sua nas respectivas CIB a aquisição, de forma
distribuição até os almoxarifados e CAF Estaduais centralizada, dos medicamentos e insumos pelo
e do DF. gestor estadual de saúde, na forma de Atas
 § único: Compete às SES a distribuição da Estaduais de Registro de Preços ou por
insulina humana NPH 100UI/ml e da insulina consórcios de saúde.
humana regular 100UI/ml aos Municípios.  § 1º: Na hipótese de Uso de Atas Estaduais de
Art. 6º: Cabe MS o financiamento e a aquisição Registro de Preços, o edital elaborado para o
dos medicamentos contraceptivos e insumos do processo licitatório disporá sobre a
Programa Saúde da Mulher, constantes do Anexo possibilidade de seu uso pelos Municípios.
1 e 4 da RENAME vigente, sendo a sua  § 2º: Nos procedimentos de aquisição, as
distribuição realizada nos seguintes termos: Secretarias de Saúde seguirão a legislação
1. Entrega direta ao DF, aos Municípios das pertinente às licitações públicas no sentido de
capitais dos Estados e aos Municípios com obter a proposta mais vantajosa para a
população superior a 50000 habitantes; Administração Pública.
2. Nas hipóteses que não se enquadrarem nos Art. 12: No sentido de fortalecer a produção
termos do inciso 1 do "caput", entrega às SES pública de medicamentos, SES e dos Municípios
para posterior distribuição aos demais poderão pactuar que o montante correspondente
Municípios. aos recursos financeiros estaduais a ser aplicado
Art. 7º: Os quantitativos dos medicamentos e no âmbito do CBAF seja implementado por meio
insumos do Programa Saúde da Mulher, da de medicamentos produzidos em laboratórios
insulina humana NPH 100UI/ml e da insulina públicos oficiais, cujo valor unitário de aquisição
humana regular 100UI/ml de que tratam os arts. 5º será informado na respectiva CIB.
e 6º serão estabelecidos conforme os parâmetros Art. 13. Para dar suporte à gestão da AFABS, o
técnicos definidos pelo MS e a programação anual MS disponibiliza aos Estados, ao DF e aos
e as atualizações de demandas encaminhadas ao Municípios o Sistema Nacional de Gestão da
MS pelas SES com base de cálculo nas Assistência Farmacêutica (HÓRUS).
necessidades dos Municípios. Art. 14: As SES e do DF terão o prazo de 4
Art. 8º: A execução das ações e serviços de meses, contado da data de publicação desta
saúde no âmbito do CBAF é descentralizada, Portaria, para encaminhar ao Departamento de
sendo de responsabilidade dos Estados, do DF e Assistência Farmacêutica e Insumos
dos Municípios. Estratégicos (DAF/SCTIE), as seguintes
Art. 9º: Os Estados, o DF e os Municípios são informações:
responsáveis pela seleção, programação, 1. O destino das transferências dos recursos
aquisição, armazenamento, controle de estoque e financeiros federais do Fundo Nacional de
prazos de validade, distribuição e dispensação Saúde, seja para o Fundo Estadual de Saúde
dos medicamentos e insumos do CBAF, ou para o Fundo Municipal de Saúde;
constantes dos Anexos 1 e 4 da RENAME vigente, 2. A forma de aplicação dos recursos financeiros
conforme pactuação nas respectivas CIB, estaduais destinados ao custeio dos
incluindo-se: medicamentos do CBAF, incluindo-se os
1. Plantas medicinais, drogas vegetais e valores de responsabilidade dos Estados, do
derivados vegetais para manipulação das DF e dos Municípios e a periodicidade dos
preparações dos fitoterápicos da RENAME em repasses;
Farmácias Vivas e farmácias de manipulação 3. O elenco de medicamentos com aquisição
do SUS; centralizada na SES ou do DF e, onde essa
2. Matrizes homeopáticas e tinturas-mães regra se aplica, a periodicidade de sua
conforme Farmacopeia Homeopática distribuição;
Brasileira, 3ª edição, para as preparações 4. A forma de aplicação dos recursos financeiros,
homeopáticas em farmácias de manipulação quando couber, destinados às ações previstas
do SUS; no art. 4º;
5. A forma de aplicação dos recursos § 1º: A suspensão das transferências dos
financeiros estaduais, incluindo-se o valor e a recursos financeiros será realizada mediante
periodicidade do repasse financeiro ou da aviso prévio de 60 dias pelo MS ao gestor de
distribuição dos insumos para saúde e formalizado por meio de publicação de
insulinodependentes, indicando-se também ato normativo específico, devidamente
os insumos sob sua responsabilidade; fundamentado.
6. Valor do recurso financeiro municipal usado § 2º: O repasse federal dos recursos financeiros
para custeio dos insumos para será restabelecido tão logo seja comprovada a
insulinodependentes, Indicando-se aqueles regularização da situação que motivou a
que se encontram sob sua responsabilidade; suspensão.
7. Todas as alterações relacionadas ao CBAF § 3º: Caso não comprovada a regularização de
pactuadas em CIB, formalizadas por que trata o § 2º, o ente federativo beneficiário
resolução ou deliberação e que devem estará sujeito:
atender às normas estabelecidas nesta 1. À devolução imediata dos recursos
Portaria. financeiros repassados, acrescidos da
 § único: O envio das informações previstas correção monetária prevista em lei, mas
neste artigo será realizado por meio do apenas em relação aos recursos que foram
endereço eletrônico: cgafb.daf@saude.gov.br repassados pelo Fundo Nacional de Saúde.
e por meio físico mediante o encaminhamento
da resolução ou deliberação da pactuação na
CIB.

Capítulo 4: controle e monitoramento


Art. 15: As ações, os serviços e os recursos
financeiros relacionados à AF constarão nos
instrumentos de planejamento do SUS, quais
sejam, Plano de Saúde, Programação Anual e
Relatório Anual de Gestão (RAG).
Art. 16. O acompanhamento, o monitoramento e
a avaliação da aplicação dos recursos financeiros
transferidos entre os Fundos de Saúde, bem como
os montantes aplicados pelas SES, DF e dos
Municípios dar-se-ão por meio do RAG.
 § 1º: O RAG conterá as ações e serviços
efetuados no âmbito da AFABS e e sua
execução orçamentária e será elaborado em
conformidade com as orientações previstas na
Portaria nº 3176/2008, ou a que a suceder,
encontrando-se disponível para o
desenvolvimento dos processos de
monitoramento, avaliação e auditoria.
 § 2º: As SES, do DF e dos Municípios
manterão em arquivo os documentos fiscais
que comprovem a aplicação dos recursos
financeiros tripartite do CBAF pelo prazo
estabelecido na legislação em vigor.
Art. 17: A transferência dos recursos financeiros
do MS para Estados, DF e Municípios será
suspensa, assegurado o direito ao contraditório e
à ampla defesa, na hipótese de não aplicação dos
recursos financeiros pelas respectivas Secretarias
de Saúde dos valores definidos no art. 3º, quando
denunciada formalmente por um dos gestores de
saúde ou constatada por meio de monitoramento
e avaliação pelo MS ou por auditorias dos órgãos
de controle interno e externo.
POLITICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS JUSTIFICATIVA
(PNM) O sistema de saúde brasileiro, que engloba
Dentro da política nacional de saúde temos, a estabelecimentos públicos e o setor privado de
PNM como parte para a efetivação de melhorias prestação de serviços, inclui desde unidades de
nas condições de vida da população. atenção básica até centros hospitalares de alta
Regulamentada pela Portaria nº 3916/98 do MS, complexidade. É indiscutível, portanto, a
a PNM segue os princípios do SUS e tem entre importância dos serviços de saúde, os quais
seus objetivos: Garantir a segurança, eficácia e constituem, ao lado de uma série de outros, fator
qualidade dos medicamentos, bem como a de extrema importância para a qualidade de vida
promoção do uso racional deste e a ampliação do da população.
acesso àqueles considerados essenciais. A PNM A despeito do volume de serviços prestados pelo
abrange: Os serviços públicos e privados e vai sistema de saúde, ainda há parcelas da população
desde a atenção básica até os serviços de alta excluídas de algum tipo de atenção. Verifica-se,
complexidade. Para isso institui diretrizes e além disso, constantes mudanças no perfil
prioridades que devem ser implementadas pelas epidemiológico que, atualmente, compreende
3 esferas do governo. doenças típicas de países em desenvolvimento e
agravos característicos de países desenvolvidos.
INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional gera novas
A PNM, como parte essencial da PNS, constitui demandas, cujo atendimento requer a constante
um dos elementos fundamentais para a efetiva adequação do sistema de saúde e, certamente, a
implementação de ações capazes de promover a transformação do modelo de atenção prestada, de
melhoria das condições da assistência à saúde da modo a conferir prioridade ao caráter preventivo
população. A Lei nº 8080/90, em seu art. 6º, das ações de promoção, proteção e
estabelece como campo de atuação do SUS a recuperação da saúde. Sob esse enfoque, a
“formulação da política de medicamentos, de PNM é, indubitavelmente, fundamental nessa
interesse para a saúde. O seu propósito precípuo transformação. Deve-se considerar, ainda, que
é o de garantir a necessária segurança, eficácia e modificações qualitativas e quantitativas no
qualidade dos medicamentos, a promoção do uso consumo de medicamentos são influenciadas
racional e o acesso da população àqueles pelos indicadores demográficos, os quais têm
considerados essenciais. demonstrado clara tendência de aumento na
A PNM aqui expressa tem como base os expectativa de vida ao nascer. Acarretando um
princípios e diretrizes do SUS e exigirá, para a sua maior consumo e gerando um maior custo social,
implementação, a definição ou redefinição de tem-se novamente o processo de
planos, programas e atividades específicas nas envelhecimento populacional interferindo
esferas federal, estadual e municipal. sobretudo na demanda de medicamentos
Esta Política concretiza metas do Plano de destinados ao tratamento das doenças crônico-
Governo, integra os esforços voltados à degenerativas, além de novos procedimentos
consolidação do SUS, contribui para o terapêuticos com o uso de medicamentos de alto
desenvolvimento social do País e orienta a custo. Igualmente, adquire especial relevância o
execução das ações e metas prioritárias fixadas aumento da demanda daqueles de uso contínuo,
pelo MS. Contempla diretrizes e define prioridades como é o caso dos usados no tratamento das
relacionadas à legislação; incluindo a doenças cardiovasculares, reumáticas e da
regulamentação; inspeção, controle e garantia da diabetes. Frisa-se o fato de que é bastante
qualidade, seleção, aquisição e distribuição, uso comum, ainda, pacientes sofrerem de todas essas
racional de medicamentos, desenvolvimento de doenças simultaneamente. Este cenário é também
recursos humanos e desenvolvimento científico e influenciado pela desarticulação da AF no âmbito
tecnológico. dos serviços de saúde. Em decorrência, observa-
Cabe assinalar, ainda, que outros insumos se, por exemplo, a falta de prioridades na adoção,
básicos na atenção à saúde, tais como pelo profissional médico, de produtos
imunobiológicos e hemoderivados, deverão ser padronizados, constantes da Relação Nacional
objeto de políticas específicas. No caso de Medicamentos Essenciais (RENAME).
particular dos produtos derivados do sangue, esta Some-se a isso a irregularidade no abastecimento
Política trata de aspectos concernentes a estes de medicamentos, no nível ambulatorial, o que
produtos, de que são exemplos questões relativas diminui, em grande parte, a eficácia das ações
às responsabilidades dos três gestores do SUS e governamentais no setor saúde.
ao efetivo controle da qualidade
O processo indutor do uso irracional e DIRETRIZES
desnecessário de medicamentos e o estímulo à Para assegurar o acesso da população a
automedicação, presentes na sociedade brasileira, medicamentos seguros, eficazes e de qualidade,
são fatores que promovem um aumento na ao menor custo possível, os gestores do SUS, nas
demanda por medicamentos, requerendo, três esferas de Governo, atuando em estreita
necessariamente, a promoção do seu uso racional parceria, deverão concentrar esforços no sentido
mediante a reorientação destas práticas e o de que o conjunto das ações direcionadas para o
desenvolvimento de um processo educativo, tanto alcance deste propósito estejam balizadas pelas
para a equipe de saúde quanto para o usuário. diretrizes a seguir explicitadas.
A produção e a venda de medicamentos devem
enquadrar-se em um conjunto de leis, Adoção da RENAME
regulamentos e outros instrumentos legais Integram o elenco dos medicamentos essenciais
direcionados para garantir a eficácia, a segurança aqueles produtos considerados básicos e
e a qualidade dos produtos, além dos aspectos indispensáveis para atender a maioria dos
atinentes a custos e preços de venda, em defesa problemas de saúde da população. Esses produtos
do consumidor e dos programas de subsídios devem estar continuamente disponíveis aos
institucionais, tais como de compras de segmentos da sociedade que deles necessitem,
medicamentos, reembolsos especiais e planos de nas FF´s apropriadas, e compõem uma relação
saúde. Essa necessidade torna-se ainda mais nacional de referência que servirá de base para o
significativa na medida em que o mercado direcionamento da produção farmacêutica e para o
farmacêutico brasileiro é um dos cinco maiores desenvolvimento científico e tecnológico, bem
do mundo, com vendas que atingem 9,6 bilhões como para a definição de listas de medicamentos
de dólares/ano. No tocante ao perfil do essenciais nos âmbitos estadual e municipal, que
consumidor brasileiro, este pode ser dividido em deverão ser estabelecidas com o apoio do gestor
três grupos: federal e segundo a situação epidemiológica
 O primeiro, formado por aqueles com renda respectiva. O MS estabelecerá mecanismos que
acima de 10 salários mínimos, que permitam o contínuo uso da RENAME,
corresponde a 15% da população, consome imprescindível instrumento de ação do SUS, na
48% do mercado total e tem uma despesa medida em que contempla um elenco de produtos
média anual de 193,40 dólares per capita; necessários ao tratamento e controle da maioria
 O segundo, apresenta uma renda entre quatro das patologias prevalentes no País. O fato de que
a 10 salários mínimos, que corresponde a 34% a RENAME, conforme assinalado acima, deverá
da população, consome 36% do mercado e ser a base para a organização das listas estaduais
gasta, anualmente, em média, 64,15 dólares e municipais e favorecerá o processo de
per capita; descentralização da gestão, visto que estas
 O terceiro, tem renda de zero a quatro instâncias são, com a participação financeira e
salários mínimos, que representa 51% da técnica do MS, responsáveis pelo suprimento de
população, consome 16% do mercado e tem suas redes de serviços. Trata-se, de meio
uma despesa média anual de 18,95 dólares fundamental para orientar a padronização, quer da
per capita. prescrição, quer do abastecimento de
Nitidamente, a análise desse perfil do consumidor medicamentos, principalmente no âmbito do SUS,
indica a necessidade de que a PNM confira constituindo, assim, um mecanismo para a redução
especial atenção aos aspectos relativos ao uso dos custos dos produtos. Visando a sua maior
racional, bem como à segurança, eficácia e veiculação, a RENAME deverá ser continuamente
qualidade dos produtos colocados à disposição da divulgada por diferentes meios, como a Internet,
população brasileira. por exemplo, possibilitando, entre outros aspectos,
a aquisição de medicamentos a preços menores,
Ex.: 1: A PNM foi aprovado em outubro de 1998, tanto por parte do consumidor em geral, quanto por
tornando-se o instrumento norteador de todas as parte dos gestores do Sistema. No processo de
ações no campo da politica de medicamentos no atualização contínua da RENAME, deverá ser
país. Vários fatores motivaram a formulação da dada ênfase ao conjunto dos medicamentos
PNM, assinale a alternativa que não representa voltados para a assistência ambulatorial, ajustado,
um deste fatores: no nível local, às doenças mais comuns à
a. Correto: Problemas na garantia de acesso população, definidas segundo prévio critério
da população dos medicamentos; epidemiológico
b. Uso racional dos medicamentos;
c. Organização dos serviços farmacêuticos;
d. Todas as alternativas estão incorretas.
Ex.: 1: A PNM apresenta varias diretrizes, dentre  A obrigatoriedade da adoção da denominação
elas a adoção da RENAME, que representa: genérica nos editais, propostas, contratos e
a. Uma lista nacional de medicamentos notas fiscais, bem como de exigências sobre
considerados de alto custo para atender ao requisitos de qualidade dos produtos;
tratamento ambulatorial de doenças crônicas,  A obrigatoriedade da adoção da
em permanente atualização; denominação genérica nas compras e
b. Correta: Uma lista nacional de referencia licitações públicas de medicamentos
composta pelos fármacos considerados realizadas pela Administração Pública;
básicos e indispensáveis para atender aos  A adoção de exigências específicas para o
mais amplos espectro de doenças, em aviamento de receita médica ou odontológica,
permanente atualização; relativas à sua forma e à identificação do
c. Uma relação de medicamentos de referencia paciente e do profissional que a prescreve;
considerados indispensável para atender ao  A apresentação da denominação genérica nas
mais amplo espectro de doença; embalagens, rótulos, bulas, prospectos, textos
d. Uma relação nacional de referencia composta e demais materiais de divulgação e informação
pelos fármacos considerados em permanente médica.
atualização; As ações de VS serão gradualmente
e. Uma lista de referencia composta pelos descentralizadas e transferidas à responsabilidade
fármacos considerados essenciais para executiva direta de estados e municípios, com
atender ao mais amplo espectro de doença. exceção do registro de medicamentos e da
autorização do funcionamento de empresas,
Ex.: 2: A politica nacional de medicamentos está que constituem papéis indelegáveis do gestor
expressa num documento importante para a federal.
consolidação do sus, reconhecendo a relevância
estratégica da assistência farmacêutica. A diretriz Ex.:1: A politica nacional de medicamento
da politica que estabelece a necessidade de uma apresenta varias diretrizes e prioridades com o
lista com aqueles produtos considerados básicos objetivo maior de fomentar o acesso e uso
e indispensáveis para atender a maioria dos racional de medicamentos, as ações de vigilância
problemas de saúda da população é a: sanitária são descentralizadas e transferidas à
a. Regulamentação sanitária de responsabilidade executiva direta de estados e
medicamentos; municípios, cabendo ainda ao gestor federal, além
b. Reorientação da assistência farmacêutica; do registro de medicamentos, a responsabilidade
c. Promoção da produção de medicamentos; de conceder:
d. Corretas: Adoção de relação de a. Correta: a autorização do funcionamento de
medicamentos essenciais; empresa;
e. Todas estão corretas. b. A licença do funcionamento de empresa;
c. O controle de qualidade de medicamento;
Regulamentação Sanitária de Medicamentos d. O alvará sanitário das empresas;
Nesse contexto, serão enfatizadas, e. Todas estão corretas.
especialmente pelo gestor federal, as questões
relativas ao registro de medicamentos e à Ex.: 2: No âmbito da portaria 3916/98 relativa À
autorização para o funcionamento de empresas e PNM, está previsto que a promoção do uso de
estabelecimentos, bem como as restrições e medicamentos genéricos será igualmente objeto
eliminações de produtos que venham a revelar- de atenção especial. Portanto, o gestor federal
se inadequados ao uso, na conformidade das deverá identificar os mecanismos necessários
informações decorrentes da farmacovigilância. para tanto, por exemplo, as adequações do
Para tanto, deverão ser usadas comissões instrumento legal especificam. Com base nisso,
técnicas e grupos assessores com a finalidade de assinale a alternativa correta.
respaldar e subsidiar as atividades de a. Adequação de instrumento legal deverá
regulamentação e as decisões que envolvam contemplar a obrigatoriedade de adoção de
questões de natureza científica e técnica. A instrumento da denominação genérica nos
promoção do uso de medicamentos genéricos editais, propostas, contratos e notas fiscais,
será, igualmente, objeto de atenção especial. bem como de exigências sobre requisitos de
Portanto, o gestor federal deverá identificar os qualidades dos produtos;
mecanismos necessários para tanto, por exemplo, b. Correta: Adequação do instrumento legal
a adequação do instrumento legal específico. deverá contemplar a liberação de adoção da
Essa adequação deverá contemplar aspectos denominação genérica nas compras e
essenciais que favoreçam a consolidação do uso licitações públicas de medicamentos
dos genéricos, tais como: realizadas pela administração pública;
c. Adequação do instrumento legal deverá O processo de descentralização, no entanto, não
contemplar a adoção de exigência para o exime os gestores federal e estadual da
aviamento de receita médica ou odontológica responsabilidade relativa à aquisição e distribuição
relativas à sua forma e à identificação do de medicamentos em situações especiais. Essa
paciente; decisão, adotada por ocasião das programações
d. Adequação do instrumento legal deverá anuais, deverá ser precedida da análise de
contemplar a eliminação da denominação critérios técnicos e administrativos. Inicialmente, a
genérica nas embalagens, rótulos, bulas, definição de produtos a serem adquiridos e
prospectos, textos e demais materiais de distribuídos de forma centralizada deverá
divulgação e informação médica; considerar três pressupostos básicos, de ordem
e. Adequação do instrumento legal deverá eximir epidemiológica, a saber:
o gestor federal da responsabilidade relativa à 1. Doenças que configuram problemas de
aquisição e distribuição de medicamentos em saúde pública, que atingem ou põem em risco
situações especiais. as coletividades, e cuja estratégia de controle
concentra-se no tratamento de seus
Reorientação da AF portadores;
O modelo de Assistência farmacêutica (MAF) 2. Doenças consideradas de caráter individual
será reorientado de modo que não se restrinja à que, a despeito de atingir número reduzido de
aquisição e à distribuição de medicamentos. As pessoas, requerem tratamento longo ou até
ações incluídas nesse campo da assistência permanente, com o uso de medicamentos de
terão por objetivo implementar, no âmbito das custos elevados;
três esferas do SUS, todas as atividades 3. Doenças cujo tratamento envolve o uso de
relacionadas à promoção do acesso da população medicamentos não disponíveis no
aos medicamentos essenciais. A reorientação do mercado. Após essa análise, a decisão
MAF, coordenada e disciplinada em âmbito deverá, ainda, observar critérios mais
nacional pelos três gestores do Sistema, deverá específicos, relativos a aspectos técnicos e
estar fundamentada: administrativos, de que são exemplos:
 Na descentralização da gestão; a. O financiamento da aquisição e da
 Na promoção do uso racional dos distribuição dos produtos, sobretudo no
medicamentos; tocante à disponibilidade de recursos
 Na otimização e na eficácia do sistema de financeiros;
distribuição no setor público; b. O custo-benefício e o custo-efetividade da
 No desenvolvimento de iniciativas que aquisição e distribuição dos produtos em
possibilitem a redução nos preços dos relação ao conjunto das demandas e
produtos, viabilizando, inclusive, o acesso necessidades de saúde da população;
da população aos produtos no âmbito do c. A repercussão do fornecimento e uso dos
setor privado. produtos sobre a prevalência ou incidência
A AF no SUS, por outro lado, englobará as: de doenças e agravos relacionados aos
 Atividades de seleção, programação, aquisição, medicamentos fornecidos;
armazenamento e distrib uição, controle da qualidade e A necessidade de garantir apresentações de
utilização; nesta compreendida a prescrição e a medicamentos, em FF´s e dosagens adequadas,
dispensação; o que deverá favorecer a permanente
disponib ilidade dos produtos segundo as considerando a seu uso por grupos populacionais
necessidades da população, identificadas com b ase específicos, como crianças e idosos. É
em critérios epidemiológicos. importante ressaltar que, independente da
decisão por centralizar ou descentralizar a
No tocante aos agravos e doenças cuja aquisição e distribuição de medicamentos, deverá
transcendência, magnitude e ou vulnerabilidade ser implementada a cooperação técnica e
tenham repercussão na saúde pública, buscar-se- financeira intergestores. Essa cooperação
á a contínua atualização e padronização de envolverá a aquisição direta e a transferência de
protocolos de intervenção terapêutica e dos recursos, bem como a orientação e o
respectivos esquemas de tratamento. Assim, o assessoramento aos processos de aquisição, os
processo de descentralização em curso quais devem ser efetivados em conformidade com
contemplará a padronização dos produtos, o a realidade epidemiológica, visando assegurar o
planejamento adequado e oportuno e a abastecimento de forma oportuna, regular e com
redefinição das atribuições das três instâncias de menor custo, priorizando os medicamentos
gestão. Essas responsabilidades ficam, dessa essenciais e os de denominação genérica. Nesse
forma, inseridas na ação governamental, o que particular, o gestor federal, especialmente, em
deverá assegurar o acesso da população a esses articulação com a área econômica, deverá
produtos. Para o MS, a premissa básica será a identificar medidas com vistas ao
descentralização da aquisição e distribuição de acompanhamento das variações e índices de
medicamentos essenciais. custo dos medicamentos, com ênfase naqueles
considerados de uso contínuo.
Ainda com relação à articulação, a atuação c. Adote a RENAME que contempla
conjunta com o Ministério da Justiça buscará principalmente medicamentos com vista a
coibir eventuais abusos econômicos na área de atender as necessidades especificas de cada
medicamentos. Essas decisões e a cooperação região;
técnica referida serão viabilizadas por intermédio d. Priorize a aquisição de produtos de modo
da articulação intergestores, concretizada, por centralizado, a fim de garantir preços mais
exemplo, na instituição de grupo técnico-assessor competitivos e maior agilidade na distribuição
integrado por representações das três esferas de e acesso aos medicamentos;
gestão, responsável, principalmente, pela e. Correto: Desenvolva iniciativas que
implementação do MAF a ser adotado, pactuado e possibilitam a redução nos preços dos
submetido à CIT. O Conselho Nacional de produtos, viabilizando, inclusive, o acesso da
Saúde terá papel preponderante nesse processo, população aos produtos no âmbito privado.
tendo em vista o acompanhamento da
implementação da PNM, especialmente no Ex.: 3: No tocante as diretrizes da PNM,
tocante ao cumprimento das medidas pactuadas. encontramos na portaria 3.916/98, a seguinte
determinação:
Ex.: 1: A PNM baseia-se nos mesmos princípios  O modelo de assistência farmacêutica será reorientado
de modo a que não se restrinja à aquisição e à
que orientam o SUS e constitui estratégia distrib uição de medicamentos. As ações incluídas nesse
essencial para consolidá-lo uma vez que contribui campo da assistência terão por ob jetivo implementar, no
para viabilizar um dos componentes fundamentais âmb ito das tres esferas do SUS, todas as atividades
da assistência à saúde que é a cobertura relacionadas à promoção do acesso da população aos
farmacológica. Assim, para implementar a medicamentos essenciais.
politica traçada, as três esferas do governo- Com base nesse texto, assinale a alternativa
federal, estadual e municipal, de acordo com as correta.
suas respectivas competências de atuação, a. A reorientação do modelo de assistência
devem desenvolver ações orientadas pelas farmacêutica deverá estar fundamentada na
seguintes diretrizes: centralização da gestão;
1. Desenvolvimento e capacitação de recursos b. A reorientação do modelo de assistência
humanos; farmacêutica deverá estar fundamentada na
2. Garantia da segurança, eficácia e a validade promoção do uso de medicamento;
dos medicamentos; c. Correta: A reorientação do modelo de
3. Promoção da produção de medicamentos; assistência farmacêutica deverá estar
4. Desenvolvimento científico e tecnológico; fundamentada no desenvolvimento de
5. Promoção do uso racional de medicamentos; iniciativa que possibilitam a redução nos
6. Reorientação da assistência farmacêutica; preços dos produtos, viabilizando, inclusive, o
7. Regulação sanitária de medicamentos; acesso da população aos produtos no âmbito
8. Adoção da relação de medicamentos do setor privado;
essenciais. d. A reorientação do modelo de assistência
Dentro desse contexto, assinale a alternativa que farmacêutica deverá estar fundamentada na
determina o número de diretrizes citadas acima otimização e na eficácia do sistema de
que devem ser efetivadas pelo poder público no distribuição no setor privado;
âmbito farmacêutico. e. A reorientação do modelo de assistência
a. 4; farmacêutica deverá estar fundamentada
b. 7; sobretudo na promoção de acesso da
c. Correta: 6; população aos medicamentos genéricos.
d. 8;
e. 5. Ex.: 4: A reorientação do modelo de assistência
farmacêutica proposta na PNM e implementada no
Ex.: 2: uma das diretrizes da PNM é a SUS é fundamentada:
reorientação da assistência farmacêutica para não a. Correta: Em iniciativas que possibilitem a
restringir a aquisição e a distribuição de redução de preços, inclusive no âmbito
medicamentos. Nesta reorientação, está previsto privado.
que a assistência farmacêutica no âmbito do SUS. b. Na inserção gradativa do farmacêutico na
a. Centralize a gestão e a promoção do uso Estratégia de Saúde da Família.
racional de medicamentos; c. Na regulação do setor farmacêutico como
b. Englobe as atividades de seleção, responsabilidade do MS.
programação, aquisição, armazenamento e d. Na capacitação e aperfeiçoamento de gestores
distribuição, mas não de controle de qualidade envolvidos com a assistência farmacêutica.
e uso; e. Todas estão corretas.
Promoção do Uso Racional de Medicamentos Assinale a alternativa correta em relação às
No que diz respeito à promoção do uso racional afirmativas acima:
de medicamentos, atenção especial será a. Correta: As afirmativas 1, 2,e 3 são corretas;
concedida à informação relativa às repercussões b. Somente as afirmativas 1 e 2 são corretas;
sociais e econômicas do receituário médico, c. Somente as afirmativas1 e 3 são corretas;
principalmente no nível ambulatorial, no d. Somente as afirmativas 2 e 3 são corretas;
tratamento de doenças prevalentes. e. Somente a afirmativa 2 está correta.
Especial ênfase deverá ser dada, também, ao
processo educativo dos usuários ou consumidores Desenvolvimento Científico e Tecnológico
acerca dos riscos da automedicação, da Será incentivada a revisão das tecnologias de
interrupção e da troca da medicação prescrita, formulação farmacêutica e promovida a
bem como quanto à necessidade da receita dinamização de pesquisas na área, com destaque
médica, no tocante à dispensação de para aquelas consideradas estratégicas para a
medicamentos tarjados. Paralelamente, todas capacitação e o desenvolvimento tecnológico
essas questões serão objeto de atividades nacional, incentivando a integração entre
dirigidas aos profissionais prescritores dos universidades, instituições de pesquisa e
produtos e aos dispensadores. Promover-se-á, da empresas do setor produtivo. Além disso, deverá
mesma forma, a adequação dos currículos dos ser continuado e expandido o apoio a pesquisas
cursos de formação dos profissionais de saúde. que visem o aproveitamento do potencial
Além disso, terá importante enfoque a adoção de terapêutico da flora e fauna nacionais,
medicamentos genéricos, envolvendo a produção, enfatizando-se a certificação de suas
a comercialização, a prescrição e o uso, mediante propriedades medicamentosas. Igualmente, serão
ação intersetorial, vez que esta iniciativa estimuladas medidas de apoio ao
ultrapassa os limites do setor saúde, abrangendo desenvolvimento de tecnologia de produção de
outros ministérios e esferas de Governo, além da fármacos, em especial os constantes da
sociedade e das corporações profissionais. Nesse RENAME, e de estímulo à sua produção nacional,
particular, é importante ressaltar que a farmácia de forma a assegurar o fornecimento regular ao
deve ser considerada estabelecimento comercial mercado interno e a consolidação e expansão do
diferenciado. Portanto, deve estar em absoluta parque produtivo instalado no País. Esse processo
conformidade com as definições constantes da Lei exigirá uma ação articulada dos MS, da Educação,
nº 8080/90, bem como dispor da obrigatória da Ciência e Tecnologia, entre outros, bem como
presença do profissional responsável. a permanente cooperação técnica com
O MS levará à discussão, no âmbito da Cúpula organismos e agências internacionais.
das Américas, uma proposta de uso dos genéricos A oferta de medicamentos está intrinsecamente
visando a consolidação do uso destes relacionada com a pesquisa e o desenvolvimento,
medicamentos pelos países da Região. os quais, por sua vez, encerram aspectos relativos
A propaganda de produtos farmacêuticos, tanto à estrutura e ao perfil industrial no Brasil,
aquela direcionada aos médicos, quanto composto por três segmentos de produção: 1.
especialmente a que se destina ao comércio nacional público; 2. nacional privado; 3. de
farmacêutico e à população leiga, deverá se empresas de capital transnacional no setor.
enquadrar em todos os preceitos legais vigentes, Este último predominante no País. Caberá ao MS,
nas diretrizes éticas emanadas do Conselho por intermédio do órgão responsável pela
Nacional de Saúde, bem como nos padrões éticos implementação da Política de Ciência e
aceitos internacionalmente. Tecnologia, estimular uma maior articulação das
instituições de pesquisas e das universidades com
Ex.:1: Sobre a promoção do uso racional de o setor produtivo, a partir do estabelecimento de
medicamentos, uma das propriedades da politica prioridades. Igualmente, deverão ser
nacional de medicamentos, são feitas as implementados mecanismos que influenciem na
afirmativas abaixo: formação e viabilizem o treinamento contínuo dos
1. O registro e o uso de medicamentos genéricos profissionais no que se refere ao desenvolvimento
foi uma das medidas implantadas para a científico e tecnológico. Cabe assinalar, ainda, a
promoção do uso racional de medicamentos; importância de o País dispor de instrumento
2. As campanhas educativas, desencadeadas estratégico para a divulgação dos avanços
desde então, tem por finalidade buscar a científicos que, além de expressar o nível de
participação das entidades representativas dos desenvolvimento alcançado, estabeleça os
profissionais de saúde, com vista à estimular o requisitos mínimos das matérias-primas e
uso racional de medicamentos; especialidades. Nesse sentido, o MS deverá
3. A elaboração do formulário terapêutico promover o processo de revisão permanente da
nacional foi prevista pela politica nacional de Farmacopéia Brasileira, que constitui mecanismo
medicamentos como um instrumento de fundamental importância para as ações legais
importante para a orientação da prescrição e de VS e das relações de comércio exterior, tanto
dispensação dos medicamentos. de importação, quanto de exportação.
Ex.: 1: Com relação à PNM e de legislação Nesse sentido, deverão ser identificados e
correlacionada, assinale a opção correta. implementados mecanismos que possibilitem a
a. De acordo com a PNM, cabe ao gestor eliminação da dependência, ao Governo Federal,
municipal (secretaria de saúde ou organismo dos laboratórios oficiais, a modernização dos seus
correspondente), como uma de suas sistemas de produção e o alcance de níveis de
responsabilidades, incentivar a revisão das eficiência e competitividade, particularmente no
tecnologias de formulação farmacêutica. que concerne aos preços dos produtos.
b. Assistência farmacêutica pode ser definida
como o conjunto de procedimentos médicos e Garantia da Segurança, Eficácia e Qualidade
terapêuticos de baixa complexidade, passíveis dos
de realização em ambulatórios e postos de Medicamentos
saúde; O processo para garantir a qualidade, a
c. Correta: O desenvolvimento científico e segurança e a eficácia dos medicamentos
tecnológico por meio da integração entre fundamenta-se no cumprimento da
universidades, instituições de pesquisa e regulamentação sanitária, destacando-se as
empresas do setor produtivo é uma das atividades de inspeção e fiscalização, com as
diretrizes da PNM. quais é feita a verificação regular e sistemática.
d. As ações de vigilância sanitária serão Essas atividades, coordenadas em âmbito
gradualmente descentralizadas e transferidas nacional pela SVS, serão efetivadas mediante
à responsabilidade executiva direta de estados ações próprias do Sistema Nacional de Vigilância
e municípios, inclusive o registro de Sanitária, no cumprimento dos regulamentos
medicamentos e a autorização do concernentes às boas práticas de fabricação.
funcionamento de empresas. Essa sistemática permitirá a concretização dos
e. De acordo com a Portaria nº 3916/1998, a preceitos estabelecidos na Lei nº 8080/90 e em
promoção da produção de medicamentos e a legislações complementares. Para o exercício
revisão permanente da RENAME são duas dessas ações, a SVS implementará e consolidará
das prioridades da PNM. roteiros de inspeções aplicáveis à área de
medicamentos e farmoquímicos. Definirá,
Promoção da Produção de Medicamentos desenvolverá e implantará sistemas de informação
Esforços serão concentrados no sentido de que para o setor, envolvendo os três níveis de gestão,
seja estabelecida uma efetiva articulação das estabelecendo procedimentos e instrumentos de
atividades de produção de medicamentos da avaliação. A reestruturação, a unificação e o
RENAME, a cargo dos diferentes segmentos reconhecimento nacional e internacional da Rede
industriais. A capacidade instalada dos Brasileira de Laboratórios Analítico-
laboratórios oficiais que configura um verdadeiro Certificadores em Saúde (REBLAS), no âmbito
patrimônio nacional deverá ser usada, do sistema brasileiro de certificação, permitirão
preferencialmente, para atender as necessidades aos produtores testemunhar, voluntariamente, a
de medicamentos essenciais, especialmente os qualidade dos seus produtos colocados no
destinados à atenção básica, e estimulada para comércio; que são adquiridos pelos serviços de
que supra as demandas oriundas das esferas saúde; e, ainda, a fiscalização e o
estadual e municipal do SUS. acompanhamento da conformidade de
O papel desses laboratórios é especialmente medicamentos, farmoquímicos e insumos
importante no que tange ao domínio tecnológico farmacêuticos.
de processos de produção de medicamentos de Será promovida a sistematização do
interesse em saúde pública. Esses laboratórios arcabouço legal existente, adequando-o aos
deverão, ainda, constituir-se em uma das princípios e diretrizes constitucionais e legais do
instâncias favorecedoras do monitoramento de SUS, bem como ao estágio atual do processo de
preços no mercado, bem como contribuir para a descentralização da gestão.
capacitação dos profissionais.
Com referência aos medicamentos genéricos, o
MS, em ação articulada com os demais ministérios
e esferas de Governo, deverá estimular a
fabricação desses produtos pelo parque produtor
nacional, em face do interesse estratégico para a
sociedade brasileira, incluindo, também, a
produção das matérias-primas e dos insumos
necessários para esses medicamentos.
Será também incentivada a produção de
medicamentos destinados ao tratamento de
patologias cujos resultados tenham impacto sobre
a saúde pública ou que são adquiridos em sua
quase totalidade pelo setor público.
Desenvolvimento e Capacitação de Recursos PRIORIDADES
Humanos As diretrizes apresentadas no capítulo anterior
O contínuo desenvolvimento e capacitação do comportam um conjunto de prioridades que
pessoal envolvido nos diferentes planos, configuram as bases para o alcance do
programas e atividades que operacionalizarão a propósito desta Política, bem como para a
PNM deverão configurar mecanismos privilegiados implementação das diferentes ações
de articulação intersetorial, de modo a que o setor indispensáveis ao seu efetivo cumprimento.
saúde possa dispor de recursos humanos, em
qualidade e quantidade, cujo provimento, Revisão Permanente da RENAME
adequado e oportuno, é de responsabilidade das A consolidação do processo de revisão
três esferas gestoras do SUS. permanente da RENAME, instrumento básico de
O componente recursos humanos deverá racionalização no âmbito do SUS, com atualização
requerer atenção especial, sobretudo no tocante contínua, representa medida indispensável, haja
ao estabelecido pela Lei nº 8080/90, em seu art. vista que a seleção baseia-se nas prioridades
14 e § único, que definem que a formação e a nacionais de saúde, bem como na segurança, na
educação continuada contemplarão uma ação eficácia terapêutica comprovada, na qualidade e
intersetorial articulada. A Lei, inclusive, define na disponibilidade dos produtos. Esse processo,
como mecanismo fundamental a criação de uma coordenado pela Secretaria de Políticas de
comissão permanente de integração entre os Saúde, do MS, será desenvolvido mediante a
serviços de saúde e as instituições de ensino participação dos demais órgãos do Ministério
profissional e superior, com a finalidade de “propor Secretaria de Vigilância Sanitária e Secretaria de
prioridades, métodos e estratégias. Assistência à Saúde, e dos gestores estaduais e
Para o atendimento das necessidades e municipais, responsáveis pela implementação das
demandas relativas aos recursos humanos, ações que operacionalizam esta Política e de
decorrentes da operacionalização desta Política, o instituições científicas que atuam na área de
processo de articulação implementado pela medicamentos.
Coordenação Geral de Recursos Humanos para o A RENAME será organizada consoante às
SUS, do MS, compreenderá a abordagem de patologias e agravos à saúde mais relevantes e
todos os aspectos inerentes às diretrizes aqui prevalentes, respeitadas as diferenças regionais
fixadas, em especial no que se refere à promoção do País.
do uso racional de medicamentos e a produção, As apresentações dos produtos deverão
comercialização e dispensação dos genéricos, assegurar as formas farmacêuticas e as dosagens
bem como a capacitação em manejo de adequadas para a utilização por crianças e idosos.
medicamentos. O trabalho conjunto com o Cabe ressaltar que, como um dos mecanismos
Ministério da Educação e do Desporto, favorecedores da redução de preços dos
especificamente, deverá ser viabilizado tendo em medicamentos, a RENAME será sistemática e
vista a indispensável adequação dos cursos de amplamente divulgada.
formação na área da saúde, sobretudo no tocante
à qualificação nos campos da farmacologia e Assistência Farmacêutica
terapêutica aplicada. Em conformidade com as diretrizes relativas à
Cabe ressaltar, finalmente, que áreas reorientação da AF anteriormente explicitadas,
estratégicas, de que é exemplo relevante a VS, especialmente no que se refere ao processo de
cujas atribuições configuram funções típicas e descentralização, as três esferas de Governo
exclusivas de Estado, serão objeto de enfoque assegurarão, nos seus respectivos orçamentos, os
particular, haja vista a crônica carência de pessoal recursos para aquisição e distribuição dos
capacitado na área, nas três esferas de gestão do medicamentos, de forma direta ou
SUS, o que exigirá, por parte dos gestores, descentralizada. Nesse contexto, a aquisição de
estudos e medidas concretas voltadas para a medicamentos será programada pelos estados e
recomposição e ou complementação adequada de municípios de acordo com os critérios técnicos e
quadros de pessoal especializado para fazer administrativos referidos no Capítulo 3:
frente às responsabilidades constitucionalmente “Diretrizes”, tópico 3.3, deste documento.
definidas. O gestor federal participa do processo de
aquisição dos produtos mediante o repasse
fundo a fundo de recursos financeiros e a
cooperação técnica. No tocante a essa
transferência, atenção especial deverá ser dada
aos medicamentos destinados ao atendimento de
esquemas terapêuticos continuados, aos que
ratificam decisões e compromissos internacionais
e àqueles voltados à assistência a pacientes de
alto risco, como é o caso dos transplantados e
renais crônicos.
A prioridade maior do MS é a descentralização Promoção do Uso Racional de Medicamentos
plena do processo de aquisição e distribuição de A promoção do uso racional de medicamentos
medicamentos. No entanto, para que as decisões envolverá, além da implementação da RENAME,
acerca desse processo possam ser viabilizadas, em especial, as medidas a seguir indicadas.
deverá ser instituído um grupo tripartite, com
atribuições específicas, que atuará junto ao setor 1. Campanhas Educativas: Serão
responsável pela implementação da AF do MS. A desencadeadas campanhas de caráter
aquisição e a distribuição, pelo Ministério, dos educativo, buscando a participação das
produtos componentes da assistência entidades representativas dos profissionais de
farmacêutica básica serão substituídas pela saúde, com vistas a estimular o uso racional
transferência regular e automática, fundo a fundo, de medicamentos. Caberá aos gestores do
de recursos federais, sob a forma de incentivo SUS, em conjunto com entidades da
agregado ao Piso da Atenção Básica. Esses sociedade civil organizada, responsabilizar-se
recursos serão utilizados prioritariamente para a por essa iniciativa.
aquisição, pelos municípios e sob a coordenação 2. Registro e Uso de Medicamentos
dos estados, dos medicamentos necessários à Genéricos: A promoção do uso de
atenção básica à saúde de suas populações. medicamentos genéricos será
O gestor estadual deverá coordenar esse progressivamente levada a efeito, respaldada
processo no âmbito do estado, com a nos seguintes pontos:
cooperação técnica do gestor federal, de forma a  Estabelecimento de procedimentos para o
garantir que a aquisição realize-se em registro de medicamentos genéricos;
conformidade com a situação epidemiológica do  Estabelecimento dos requisitos nacionais
município, e que o acesso da população aos para a demonstração de equivalência
produtos ocorra mediante adequada prescrição e terapêutica, principalmente em relação à
dispensação. Atenção especial deverá ser dada, biodisponibilidade;
também, a um outro grupo de medicamentos  Levantamento e uso da infra-estrutura e da
incluídos na composição dos custos dos capacidade do país para a realização de
procedimentos realizados pelos prestadores de estudos de bioequivalência disponível na
serviços ao SUS e faturados segundo tabela rede de laboratórios;
definida pelo MS. Nesse sentido, a Secretaria de  Identificação de mecanismos de incentivo à
Assistência à Saúde deverá viabilizar um estudo produção de medicamentos genéricos;
visando a revisão, atualização e ajuste  Estabelecimento de regulamentação
diferenciado dos valores, considerando: referente à comercialização, prescrição e
 O tempo decorrido desde o estabelecimento dispensação de medicamentos genéricos em
desses valores, quando da definição da todo o Território Nacional.
composição de cada procedimento integrante 3. Formulário Terapêutico Nacional (FTN):
da assistência hospitalar e ambulatorial, que Deverá ser elaborado e amplamente divulgado
levou em conta, naquela ocasião, um valor o FTN, instrumento importante para a
médio do custo de medicamentos para orientação da prescrição e dispensação dos
determinado grupo de patologias; medicamentos, por parte dos profissionais de
 O fato dos reajustes que vêm sendo efetivados saúde, e para a racionalização do uso destes
levarem em conta somente o valor global do produtos. O Formulário conterá todas as
procedimento, e não o custo atualizado dos informações relativas aos medicamentos,
medicamentos vinculados aos mesmos. inclusive quanto a sua absorção e ação no
 O resultado do ajuste procedido deverá seguir organismo;
o fluxo já estabelecido, ou seja, a pactuação 4. Farmacoepidemiologia e
na CIT e a aprovação no Conselho Nacional Farmacovigilância: As ações de
de Saúde. farmacovigilância, além de tratar dos efeitos
adversos, serão utilizadas, também, para
assegurar o uso racional dos medicamentos.
Para tanto, deverão ser desenvolvidos
estudos, análises e avaliações decorrentes
dessas ações, de modo a reorientar
procedimentos relativos a registros, formas de
comercialização, prescrição e dispensação dos
produtos. Quanto à farmacoepidemiologia,
deverão ser incentivados estudos sobre o uso
de produtos como forma de contribuir para o
uso racional de medicamentos.
5. Recursos Humanos: Será estimulado, por Treinamento de Pessoal do Sistema de VS
ação intersetorial, o acesso do profissional a O treinamento em serviço, recurso efetivo para as
conhecimentos e treinamentos voltados ao mudanças e adequações a serem introduzidas no
desenvolvimento de habilidades específicas, modelo de atuação da VS deverá buscar a
como aquelas relacionadas ao gerenciamento incorporação:
de sistemas de saúde e de informação, guias a. Dos recentes avanços tecnológicos do
terapêuticos padronizados e farmacovigilância. setor, inclusive os da informatização do SVS;
Além disso, buscar-se-á promover a educação b. Da metodologia convalidada de controle e
continuada dos profissionais de saúde sobre de sistematização dos procedimentos técnicos
farmacologia e terapêutica aplicada e outros e operacionais;
aspectos envolvidos no uso racional de c. Dos esquemas apropriados de inspeção
medicamentos, bem como no manejo dos preventiva em linhas de produção, de serviços
produtos, além da disseminação de e de desembaraço alfandegário sanitário, bem
informações objetivas e atualizadas. como os de amostragem e coleta de material
intermédio de diferentes mecanismos de para o controle de qualidade referencial.
articulação.
Consolidação do Sistema de Informação em
Organização das Atividades de Vigilância VS
Sanitária de Medicamentos O aprimoramento do desempenho das ações de
A SVS, do MS, será responsável pela VS terá como ponto importante a consolidação
coordenação e monitoramento do Sistema do sistema de informação, que deverá
Nacional de Vigilância Sanitária, em articulação compreender, principalmente:
com estados e municípios, de forma a estabelecer  Produtos registrados, sua composição,
claramente as medidas que atendam à estratégia indicações principais e formas de
da descentralização e o financiamento das ações. comercialização;
A organização das atividades de VS de  Vigilância de medicamentos
medicamentos terá por base a implementação do (farmacovigilância);
Sistema referido quanto às questões relativas a  Produtos retirados do mercado e justificativas
medicamentos. Nesse sentido, faz-se necessário correspondentes;
desenvolver processo de reestruturação da área  Ensaios clínicos;
de VS na esfera federal, visando, especialmente,  Normas e regulamentos atinentes à
a sua revitalização, a flexibilização de determinação do grau de risco de
procedimentos e a busca por maior consistência medicamentos e farmoquímicos;
técnico-científica no estabelecimento das bases  Registros e regulamentos da qualidade dos
de sua intervenção, o que poderá ser viabilizado, produtos de comercialização autorizada e
por exemplo, mediante a composição de grupos empresas;
assessores integrados por representações de  Controle da comercialização e uso de produtos
diferentes setores, como a academia, os serviços psicotrópicos e entorpecentes, inclusive nas
e o setor privado. Na implementação dessa farmácias magistrais;
prioridade, deverão ser considerados, em  Controle da propaganda dos medicamentos de
especial, os aspectos identificados a seguir.
venda livre;
Desenvolvimento e Elaboração de  Regulamentação e controle da propaganda
Procedimentos Operacionais Sistematizados realizada pelos fabricantes de medicamentos
junto aos prescritores, de modo a
Os procedimentos próprios da SV serão
resguardarem-se os padrões éticos.
periodicamente revisados, sistematizados e
consolidados em manuais técnico-normativos,
roteiros, modelos e instruções de serviço,
viabilizando-se, ainda, ampla divulgação. Nesse
contexto, aplica-se, inclusive, a revisão dos
procedimentos relativos ao registro de
medicamentos de marca e similares. A adoção
desses instrumentos concorrerá para a
equalização e a agilização das atividades e tarefas
a serem cumpridas, quer as de natureza técnico-
normativa, quer as de caráter administrativo, de
que são exemplos: o registro de produtos, as
inspeções em linhas de produção, a fiscalização e
a farmacovigilância.
RESPONSABILIDADES DAS ESFERAS DE Gestor Federal
GOVERNO NO ÂMBITO DO SUS Caberá ao MS, fundamentalmente, a
No que respeita às funções de Estado, os implementação e a avaliação da PNM,
gestores, em cumprimento aos princípios do SUS, ressaltando-se como responsabilidades:
atuarão no sentido de viabilizar o propósito desta  Prestar cooperação técnica e financeira às
PNM, qual seja, o de garantir a necessária demais instâncias do SUS no desenvolvimento
segurança, eficácia e qualidade dos das atividades relativas à PNM;
medicamentos, a promoção do uso racional e o  Estabelecer normas e promover a assistência
acesso da população àqueles considerados farmacêutica nas três esferas de Governo;
essenciais.  Apoiar a organização de consórcios
destinados à prestação da assistência
Articulação Intersetorial farmacêutica ou estimular a inclusão desse
Caberá, no tocante à implementação desta tipo de assistência como objeto de consórcios
Política, uma atuação que transcende os limites de saúde;
do setor saúde, conforme já referido  Promover o uso racional de medicamentos
anteriormente, voltado para a articulação junto à população, aos prescritores e aos
intersetorial, sobretudo com as áreas envolvidas dispensadores;
na questão medicamentos, que deverá ser  Incentivar a revisão das tecnologias de
efetivada nas diferentes instâncias do SUS. No formulação farmacêutica;
âmbito federal, de forma específica, a articulação  Promover a dinamização de pesquisas na área
promovida pelo MS ocorrerá com várias farmacêutica, em especial aquelas
instituições e organizações, conforme consideradas estratégicas para a capacitação
exemplificado a seguir. e o desenvolvimento tecnológico;
1. Ministério da Justiça: A articulação com esse
 Promover a disseminação de experiências e
Ministério terá por finalidade efetivar medidas de informações técnico-científicas;
no sentido de coibir eventuais abusos
 Implementar programa específico de
econômicos na área de medicamentos, com
capacitação de recursos humanos voltados
base nas Leis Antitruste, da Livre
para o desenvolvimento desta política;
Concorrência e de Defesa do Consumidor.
2. Ministérios da área econômica: A articulação  Coordenar e monitorar os sistemas nacionais
básicos para a política de medicamentos, de
com os ministérios da área econômica estará
voltada para o acompanhamento das que são exemplos o de vigilância sanitária, o
variações dos índices de custo dos de vigilância epidemiológica e o de rede de
laboratórios de saúde pública;
medicamentos essenciais, com ênfase
naqueles considerados de uso contínuo, no  Promover a reestruturação da secretaria de
sentido de preservar a capacidade de vigilância sanitária, dotando-a das condições
aquisição dos produtos, por parte da necessárias ao cumprimento das
população, de forma direta ou indireta responsabilidades do gestor federal,
(subsídio governamental, seguro de saúde). especialmente no tocante à garantia da
Deverá, além disso, buscar o encaminhamento segurança e qualidade dos medicamentos;
das questões relativas ao financiamento das  Promover a sistematização do arcabouço legal
ações inseridas na operacionalização desta da vigilância sanitária, adequando-o aos
Política e que incluam, nos termos da lei, as princípios e diretrizes do sus e ao atual
respectivas participações dos governos momento da descentralização da gestão;
estaduais e municipais.  Promover a atualização da legislação de
3. Ministério da Educação e do Desporto: A vigilância sanitária;
articulação com esse Ministério visará o  Implementar atividades de controle da
desenvolvimento de ações, junto aos qualidade de medicamentos;
professores, pais e alunos, relativas ao uso  Promover a revisão periódica e a atualização
correto dos medicamentos, bem como a contínua da RENAME e a sua divulgação,
reorientação dos currículos de formação dos inclusive via internet;
profissionais de saúde.  Promover a elaboração, a divulgação e a
4. Ministério das Relações Exteriores, utilização do formulário terapêutico nacional;
Ministério da Ciência e Tecnologia e  Promover a atualização permanente da
agências internacionais: A articulação do MS farmacopéia brasileira;
com essas instituições buscará o  Acompanhar e divulgar o preço dos
estabelecimento de mecanismos e medicamentos, em especial daqueles
compromissos que viabilizem o fomento à constantes da RENAME;
cooperação técnica, científica e tecnológica.  Destinar recursos para a aquisição de
medicamentos, mediante o repasse fundo a
fundo para estados e municípios, definindo,
para tanto, critérios básicos para o mesmo;
 Criar mecanismos que vinculem a  Investir no desenvolvimento de recursos
transferência de recursos ao desenvolvimento humanos para a gestão da assistência
de um modelo adequado de atenção à saúde; farmacêutica;
 Promover a revisão, atualização e ajuste  Coordenar e monitorar o componente estadual
diferenciado do grupo de medicamentos de sistemas nacionais básicos para a política
incluídos na composição dos custos dos de medicamentos, de que são exemplos o de
procedimentos relativos à assistência VS, o de vigilância epidemiológica e o de rede
hospitalar e ambulatorial faturados segundo de laboratórios de saúde pública;
tabela;  Implementar as ações de VS sob a sua
 Adquirir e distribuir produtos em situações responsabilidade;
especiais, identificadas por ocasião das  Definir a relação estadual de medicamentos,
programações, tendo por base critérios com base na RENAME, e em conformidade
técnicos e com o perfil epidemiológico do estado;
 Administrativos referidos no capítulo 3,  Definir elenco de medicamentos que serão
“diretrizes” , tópico 3.3., deste documento; adquiridos diretamente pelo estado, inclusive
 Orientar e assessorar os estados e municípios os de dispensação em caráter excepcional,
em seus processos de aquisição de tendo por base critérios técnicos e
medicamentos essenciais, contribuindo para administrativos referidos no capítulo 3,
que esta aquisição esteja consoante à “diretrizes” , tópico 3.3., deste documento, e
realidade epidemiológica e para que seja destinando orçamento adequado à sua
assegurado o abastecimento de forma aquisição;
oportuna, regular e com menor custo;  Usar, prioritariamente, a capacidade instalada
 Orientar e assessorar os estados e os dos laboratórios oficiais para o suprimento das
municípios em seus processos relativos à necessidades de medicamentos do estado;
dispensação de medicamentos.  Investir em infra-estrutura das centrais
farmacêuticas, visando garantir a qualidade
Gestor Estadual dos produtos até a sua distribuição;
Conforme disciplinado na Lei Nº 8080/90, cabe à  Receber, armazenar e distribuir
direção estadual do SUS, em caráter suplementar, adequadamente os medicamentos sob sua
formular, executar, acompanhar e avaliar a política guarda;
de insumos e equipamentos para a saúde. Nesse  Orientar e assessorar os municípios em seus
sentido, constituem responsabilidades da esfera processos de aquisição de medicamentos
estadual: essenciais, contribuindo para que esta
 Coordenar o processo de articulação aquisição esteja consoante à realidade
intersetorial no seu âmbito, tendo em vista a epidemiológica e para que seja assegurado o
implementação desta Política; abastecimento de forma oportuna, regular e
 Promover a formulação da política estadual de com menor custo;
medicamentos;  Coordenar o processo de aquisição de
 Prestar cooperação técnica e financeira aos medicamentos pelos municípios, visando
municípios no desenvolvimento das suas assegurar o contido no item anterior e,
atividades e ações relativas à AF; prioritariamente, que seja utilizada a
 Coordenar e executar a AF no seu âmbito; capacidade instalada dos laboratórios oficiais.
 Apoiar a organização de consórcios
intermunicipais de saúde destinados à
prestação da AF ou estimular a inclusão desse
tipo de assistência como objeto de consórcios
de saúde;
 Promover o uso racional de medicamentos
junto à população, aos prescritores e aos
dispensadores;
 Assegurar a adequada dispensação dos
medicamentos, promovendo o treinamento dos
recursos humanos e a aplicação das normas
pertinentes;
 Participar da promoção de pesquisas na área
farmacêutica, em especial aquelas
consideradas estratégicas para a capacitação
e o desenvolvimento tecnológico, bem como
do incentivo à revisão das tecnologias de
formulação farmacêuticas;
Gestor Municipal Ex.: 1: Tendo em mente a Portaria nº 3916/98,
No âmbito municipal, caberá à Secretaria de assinale a alternativa incorreta sobre a
Saúde ou ao organismo correspondente, as RENAME.
seguintes responsabilidades: a. Integram o elenco dos medicamentos
 Coordenar e executar a assistência essenciais aqueles produtos considerados
farmacêutica no seu respectivo âmbito; básicos e indispensáveis para atender a
 Associar-se a outros municípios, por maioria dos problemas de saúde da
intermédio da organização de consórcios, população;
tendo em vista a execução da assistência b. A Relação Nacional de referência que servirá
farmacêutica; de base para o direcionamento da produção
 Promover o uso racional de medicamentos farmacêutica e para o desenvolvimento
junto à população, aos prescritores e aos científico e tecnológico, deixando os
dispensadores; medicamentos essenciais continuamente
 Treinar e capacitar os recursos humanos para disponíveis aos segmentos da sociedade que
o cumprimento das responsabilidades do deles necessitem, nas formas farmacêuticas
município no que se refere a esta política; apropriadas.;
 Coordenar e monitorar o componente c. A Relação Nacional é um meio fundamental
municipal de sistemas nacionais básicos para para orientar a padronização, quer da
a política de medicamentos, de que são prescrição, quer do abastecimento de
exemplos o de Vigilância Sanitária, o de medicamentos, principalmente no âmbito do
Vigilância Epidemiológica e o de Rede de SUS, constituindo, assim, um mecanismo para
Laboratórios de Saúde Pública; a redução dos custos dos produtos;
 implementar as ações de VS sob sua d. Correta: Assim como há a Relação Nacional,
responsabilidade; os estados e municípios deverão organizar
 Assegurar a dispensação adequada dos suas respectivas listas de medicamentos
medicamentos; essenciais, favorecendo o processo de
descentralização da gestão, visto que estas
 Definir a relação municipal de medicamentos
instâncias são, com a participação financeira e
essenciais, com base na RENAME, a partir
técnica do Ministério da Saúde, responsáveis
das necessidades decorrentes do perfil
pelo suprimento de suas redes de serviços.
nosológico da população;
 Assegurar o suprimento dos medicamentos
destinados à atenção básica à saúde de sua
população, integrando sua programação à do
estado, visando garantir o abastecimento de
forma permanente e oportuna;
 Adquirir, além dos produtos destinados à
atenção básica, outros medicamentos
essenciais que estejam definidos no Plano
Municipal de Saúde como responsabilidade
concorrente do município;
 Usar, prioritariamente, a capacidade dos
laboratórios oficiais para o suprimento das
necessidades de medicamentos do município;
 Investir na infra-estrutura de centrais
farmacêuticas e das farmácias dos serviços de
saúde, visando assegurar a qualidade dos
medicamentos;
 Receber, armazenar e distribuir
adequadamente os medicamentos sob sua
guarda.
ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO O processo de acompanhamento e avaliação
O propósito desta PNM será objeto de contínua desta Política implicará, necessariamente, não só
avaliação, mediante metodologias e indicadores o envolvimento dos órgãos do Sistema e dos
definidos em projeto específico, a ser formulado outros setores aqui identificados, como, também,
pela Secretaria de Políticas de Saúde, a quem diferentes segmentos da sociedade que direta ou
cabe, também, a responsabilidade da indiretamente lidam com a questão de
implementação do processo de elaboração ou medicamentos.
reorientação de programas, projetos e atividades,
de modo a adequá-los às diretrizes e prioridades
aqui fixadas.
A principal finalidade da avaliação será conhecer a
repercussão da PNM na saúde da população,
dentro de uma visão sistêmica e intersetorial,
verificando, também, em que medida estão sendo
consolidados os princípios e diretrizes do SUS.
Com isso, para além do enfoque meramente
operacional, verificar-se-á como estão sendo
considerados e consolidados os princípios acima
referidos, constantes na Lei Nº 8080/90, de que
são exemplos, entre outros:
 “A divulgação de informações quanto ao
potencial dos serviços de saúde e a sua
utilização pelo usuário;”
 “a utilização da epidemiologia para o
estabelecimento de prioridades, a alocação de
recursos e a orientação programática;”
 “a descentralização político-administrativa,
com direção única em cada esfera de
governo.”
Além disso, buscar-se-á avaliar resultados e
impactos da PNM em termos, por exemplo, de
eficiência, cobertura e qualidade. Para essa
avaliação, deverão ser definidos parâmetros e
indicadores que serão periodicamente
monitorados, cujos resultados orientarão a adoção
das medidas corretivas necessárias, tanto em
relação às linhas gerais da própria Política quanto
em termos de redirecionamento de ações a ela
vinculadas, tais como a farmácia básica.
Os resultados auferidos pelos programas,
projetos e atividades que operacionalizarão a
Política Nacional de Medicamentos, os quais
estão sob a responsabilidade de diferentes órgãos
do MS, das Secretarias Estaduais e das
Municipais de Saúde, constituirão, na verdade, os
principais insumos básicos para o processo de
acompanhamento e avaliação desta Política. A
sistematização desses resultados e sua
divulgação serão, da mesma forma, de
responsabilidade da Secretaria de Políticas de
Saúde. A Secretaria, por outro lado, deverá apoiar
os órgãos do Ministério e as demais instâncias do
SUS na identificação e aferição de metodologias e
indicadores capazes de mensurar a efetividade e
a eficiência de componentes chave de cada uma
das prioridades aqui definidas, incluindo-se
aqueles preconizados pela OMS.
LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL  Expedir resoluções, definindo ou modificando
O exercício e algumas profissões é atribuições e competência dos profissionais de
regulamentado pelo estado, através dos farmácia, conforme as necessidades futuras;
conselhos profissionais, que determinam os pré-  Ampliar o limite de competência do exercicio
requisitos de quem pretende exercê-las. A licença profissional, conforme o currículo escolar ou
concedida, quando couber, pode ser suspensa ou mediante curso de especialização, realizado
cassada através de processo formal. A em escola ou instituto oficial.
regulamentação da profissão farmacêutica no  Fundamentado nesta atribuições, o CFF
Brasil foi aprovada pelo decreto nº 20377/1931. aprovou a resolução nº 6/62, dispõe sobre o
Nesta época, a repartição sanitária tinha poderes CEPF e, subsequentemente, outras
absolutos para fiscalizar as atividades dos resoluções de interesse profissional ou social.
profissionais da área de farmácia incluindo, a  CEPF tem sofrido, ao longo dos anos, algumas
habilitação do farmacêutico e o registro de alterações no seu texto, sem, contudo,
diploma. modificar sua essência que é fundamentada
Repartição sanitária, cumulativamente, na consideração de que a farmácia é uma
fiscalizava os estabelecimentos, ou seja, as profissão a serviço do ser humano e tem por
farmácias, drogarias, farmácias privativas de fim a promoção e a recuperação da saúde,
hospitais, laboratórios de análises clinicas e individual e coletiva.
laboratórios industriais. Esta situação prevaleceu Relacionados aos princípios gerais, mencionados
até a criação dos conselhos de farmácia, através no código de ética estão:
da lei nº 3820/60. Dotados de personalidade  Liberdade de consciência nas situações de
jurídica de direito público, de autonomia conflito entre a ciência e os direitos
administrativa e financeira, os conselhos em como fundamentais do homem, mantendo o principio
objetivo explícitos zelar pela fiel observância dos básico de que o homem é o sujeito através do
preceitos da ética e a disciplina da classe dos que qual se expressa a totalidade única da pessoa;
exercem atividades profissionais no país.  As relações do farmacêutico com os pacientes
No Brasil, somente a partir de 1934 nossas não são apenas de ordem profissional, mas
constituições passaram a determinar qu as leis também de natureza moral e social, não
ordinárias regulamentassem o exercício das devendo ter qualquer discriminação em razão
profissões; mesmo assim, existem profissões para da religião, raça, nacionalidade, cor, opção
cujo exercício deveriam ser exigidos o sexual, idade, condição social, política ou de
cumprimento de requisitos especiais e, apesar qualquer outra natureza.
disso, não são regulamentadas. Algumas, porque As disposições do CEF se aplicam a todos os
muito novas, não se tornaram objeto de profissionais no exercício de suas atividades, tanto
preocupação dos poderes competentes e outras no serviço público da união, dos estados, do DF,
constituídos a que promovam a regulamentação. municípios e dos respectivos órgãos da
Com relação aos profissionais de farmácia, foram administração indireta, quanto nos serviços das
provisionados, sobretudo, religiosas, irmãs de entidades, das empresas e dos estabelecimentos
caridade, que ao tempo da lei se intitulavam particulares.
responsáveis técnicas em farmácias pertencentes O avanços científicos e tecnológicos na área da
ou administradas pela congregação a que saúde, tem gerado novos conhecimentos no
estavam subordinadas. campo das ciências farmacêuticas, levanta à
A lei nº 3820 dispões sobre a constituição dos necessidade de seu reconhecimento, de fato e de
CFF e CRF, suas atribuições, mandato de seus direito, através da ampliação do elenco de suas
membros, requisitos para inscrição de atribuições e competências profissionais.
profissionais, pagamento de taxas e anuidades, Em consonância, resoluções de interesse social
bem como sobre as penalidades a que estão ou profissional tem sido baixadas pelo CFF,
sujeitos os infratores. valendo citar, entre outras, as seguintes:
O exercício de qualquer profissão Resolução nº 271/95 dispondo sobre atribuições
regulamentada, sem a inscrição no respectivo do profissional farmacêutico nos exames de DNA;
conselho ou ordem, é crime contra a ordem Resolução nº 279/96, ratificando a competência
pública podendo ser denunciado por qualquer legal do farmacêutico para atuar profissionalmente
pessoa que dele tenha conhecimento, sendo ou e exercer chefias técnicas e direção de
não vitima. O processo criminal correspondente, estabelecimento hemoterápico;
uma vez iniciado, não pode ter seu arquivamento Resolução nº 288/96, dispondo sobre a
pedido nem mesmo pelo denunciante. competência legal para o exercicio da
Entre as atribuições do CFF, definidas pela lei nº manipulação de drogas antineoplásicas e
3820: congêneres;
 Organizar o código de deontologia
farmacêutica;
Resolução nº 296/97, regulamentado o
exercício profissional em farmácia de unidade
hospitalar, clínicas e casas de saúde, de
natureza pública ou privada;
Resolução nº 300/97, dispondo sobre as
atribuições do farmacêutico nas áreas de
imunologia e histocompatibilidade;
Resolução nº 308/97, dispondo sobre atribuições
do farmacêutico na área de biologia molecular;
Resolução nº 355/98, dispondo sobre
prerrogativas para o exercicio da responsabilidade
técnica em homeopatia.
O exercicio da profissão farmacêutica implica
compromisso moral, individual e coletivo de seus
profissionais com os indivíduos e a sociedade e
impõe deveres e responsabilidades indelegáveis,
cujas contravenção resultará em sanções
disciplinares por parte do conselho de farmácia,
através das suas comissões de ética,
independente das penalidades estabelecidas
pelas leis do país.
As normas jurídicas funciona como os parâmetros
de comportamento que asseguram o direito de
todos, evitando, assim, que os mais poderosos
destruam os mais fracos.
O exercicio de uma profissão não depende
somente de qualificação técnica dos indivíduos
mas, de sua formação moral e da ética,
necessária para possibilitar o entendimento entre
as pessoas e uma convivência pacifica.

Você também pode gostar