Você está na página 1de 7

1

Universidade Save Extensão-Maxixe Centro de Quissico

Curso: Licenciatura em Ensino Básico

Modulo: Introdução aos Estudos Linguísticos

Discente: Edna Carlos Sevene

Trabalho de índole avaliativa

1. Áreas da Linguística

Fonética

A fonética estuda as propriedades físicas (articulatórias, acústicas e perceptivas) dos sons de


uma língua. É o que nos permite descrever e contrastar, por exemplo, os sons representados
pela letra l em final de sílaba em Portugal. Em português europeu (PE), essa letra é
pronunciada como uma consoante velarizada (l) nessa posição, com propriedades diferentes
do l que se encontra em posição inicial ou intervocálica (l)ado e e[l]a). Numa transcrição
fonética usamos sempre os parênteses rectos: caldo = ['kaɫdu] ‘vs.’ cala = [kala].'

A fonética tem por objectivo o estudo das características físicas dos sons das línguas orais e
dos gestos corporais das línguas de sinais. Em outras palavras, a fonética se interessa pela
caracterização dos sons e dos gestos, em seus aspectos articulatórios e acústicos/ópticos. A
fonética tem a preocupação de descrever e analisar a massa amorfa fónica/gestual, ou seja, os
sons/gestos das línguas, independentemente do valor que eles têm dentro de uma língua
particular.

Do ponto de vista articulatório, ou seja, do ponto de vista da maneira como os sons das
línguas orais são produzidos, uma questão central da fonética é entender o funcionamento do
sistema respiratório da produção dos sons. A produção dos sons da fala sempre envolve o
movimento de uma corrente de ar. A maioria dos sons das línguas orais é produzida pela
expulsão do ar dos pulmões, pela boca ou pelo nariz.
Exercício: 7. Segundo as normas do vocabulário oficial, a separação silábica está
correctamente efectuada em ambos os vocábulos das opções:

A. to-cas-sem, res-pon-dia
B. mer-ce-ná-ri-o, co-in-ci-di-am
2

C. po-e-me-to, pré-dio
D. ru-i-vo, pe-rí-o-do
E. do-is, pau-sas

Resolução: Alternativa C.

Fonologia

A Fonologia é o estudo dos Fonemas (os sons) de uma língua. Para a Fonologia, o fonema é
uma unidade acústica que não é dotada de significado. Isso significa que os fonemas são os
diferentes sons que produzimos para exprimir nossas ideias, sentimentos e emoções a partir da
junção de unidades distintas. Essas unidades, juntas, formam as sílabas e as palavras.

Os fonemas são classificados em vogais, semivogais e consoantes. Essa classificação existe


em virtude dos diferentes tipos de sons produzidos pela corrente de ar que sai dos nossos
pulmões e é liberada, com ou sem obstáculos, pela boca e/ou pelo nariz.

Na fonologia, nós estudamos o carácter propriamente linguístico desses sons ou gestos. Isso
significa que, ao estudarmos fonologia, passamos a analisar os sons ou gestos em termos das
relações que eles estabelecem entre si, e dos valores que eles têm dentro de um determinado

Exercício: Por que a forma verbal ‘há’ leva acento ortográfico?

A. É um monossílabo átono.
B. É forma verbal.
C. É palavra sem valor semântico.
D. É monossílabo terminado em ‘a’.

Resolução: alternativa D, porque acentuam-se os monossílabos tónicos terminados em a, e, o.

Morfologia

A Morfologia é o estudo a respeito da estrutura, formação e classificação das palavras.


Estudar Morfologia significa estudar, isoladamente, as classes das palavras; diferentemente da
Sintaxe, que trata do estudo das funções das palavras na oração.
3

Classes Morfológicas

De maneira geral, a morfologia estuda a origem, as derivações e as flexões das palavras,


expressas, na língua portuguesa, por dez classes morfológicas ou gramaticais de acordo com a
função de cada.

Elas são classificadas em:

Palavras variáveis: substantivo, adjectivo, pronome, numeral, artigo e verbo. Elas podem
variar em género (masculino e feminino), número (singular e plural) e grau (aumentativo e
diminutivo)

Palavras invariáveis: preposição, conjunção, interjeição e advérbio.

Substantivos: nomeiam os seres em geral sendo classificados em substantivos: simples,


composto, concreto, abstracto, primitivo, derivado, colectivo, comum e próprio.

Exercício: Neste período: "Talvez os directores antevejam uma solução para o caso", indique
o modo e o tempo do verbo.

A. Subjectivo - presente
B. Indicativo - pretérito perfeito
C. Substantivo - futuro
D. Nenhuma das anteriores

Resposta: A: A conjugação: Que eu anteveja, Que tu antevejas, Que ele anteveja, Que nós
antevejamos, Que vós antevejais, "Que eles antevejam" 3ª pessoa do plural do presente do
Subjectivo (Conjuga-se como o verbo "ver")

Sintaxe

A sintaxe é a área da gramática que trata da estrutura da sentença. A sintaxe se ocupa,


justamente, de estudar as propriedades de combinação de certas expressões linguísticas. São
essas propriedades que determinam, em grande parte, a construção e a estruturação das
sentenças de uma determinada língua.

A Sintaxe organiza a estrutura das unidades linguísticas, os sintagmas, que se combinam em


sentenças. Para que o falante de uma língua possa interagir verbalmente com outros, ele
organiza as sentenças linguísticas para que possa transmitir um significado completo e, assim,
4

ser compreendido. Uma ideia que é fundamental para se começar a lidar com a estrutura das
sentenças diz respeito à distinção que existe entre unidades linguísticas que são autónomas, e
unidades linguísticas que são dependentes. São autónomas aquelas unidades linguísticas que
se bastam a si mesmas, sem precisar de outras unidades que ajudem a completar a
conceitualização iniciada por elas. Por outro lado, unidades dependentes são aquelas que
necessariamente precisam se combinar com outras unidades linguísticas para criar uma
conceitualização.

Exercício: "Em nossa terra não se vive senão de política." Nesta oração o sujeito é:

A. Indeterminado
B. Oração sem sujeito
C. Oculto
D. Simples

Resposta: A: Quando o pronome "se" está ligado a verbos intransitivos, transitivos indiretos
ou de ligação, o tipo de sujeito da oração é indeterminado. Neste caso, o verbo é intransitivo

Semântica

Do grego, a palavra semântica (semantiká) significa “sinal”. A semântica é o ramo da


linguística que estuda os significados e/ou sentido dos vocábulos da língua.

De acordo com duas vertentes, “sincrónica” e “diacrónica”, a semântica é dividida em:

Semântica Descritiva: denominada de semântica sincrónica, essa classificação indica o estudo


da significação das palavras na actualidade. Semântica Histórica: denominada de semântica
diacrónica, se encarrega de estudar o significado das palavras em determinado espaço de
tempo.

Sinonímia e Antonímia

Do grego, a palavra sinónimo significa “semelhante nome” sendo classificados de acordo com
a semelhança que compartilham com o outro termo. Os sinónimos designam as palavras que
possuem significados semelhantes, por exemplo:

Andar e caminhar; usar e utilizar; fraco e frágil.


5

Os sinónimos perfeitos possuem significados idênticos (após e depois; léxico e vocabulário).


Já os sinónimos imperfeitos possuem significados parecidos (gordo e obeso; córrego e riacho).

Do grego, a palavra “antónimo” significa “nome oposto, contrário”. Os antónimos designam


as palavras que possuem significados contrários, por exemplo:

Claro e escuro; triste e feliz; bom e mau.

Exercício: Assinale a alternativa correcta, considerando que à direita de cada palavra há um


sinónimo.

A. Emergir = vir à tona; imergir = mergulhar


B. Emigrar = entrar (no país); imigrar = sair (do país)
C. Delatar = expandir; dilatar = denunciar
D. Deferir = diferenciar; diferir = conceder
E. Dispensa = cómoda; despensa = desobrigação

Resposta: A: Todas as significações dadas, excepto em a, estão invertidas.

Pragmática

Trata-se do ramo da linguística que analisa o uso concreto da linguagem pelos falantes da
língua em seus variados contextos. A Pragmática extrapola a significação dada às palavras
pela semântica e pela sintaxe, observando o contexto extra-linguístico em que estão inscritas;
ou seja, ocupa-se da observação dos actos de fala e suas implicações culturais e sociais.
Segundo a Pragmática, o sentido de tudo está na utilidade, no efeito prático que os actos de
fala podem gerar. Para ela, o que realmente importa é a comunicação e o funcionamento da
linguagem entre os usuários, concentrando-se nos processos de inferência pelos quais
compreendemos o que está implícito.

2. Relação entre as seis (6) áreas de saberes e sua importância no PEA

Cada um desses saberes abrange uma área restrita do conhecimento linguístico e é o objecto
de estudo de uma subdisciplina distinta. Os saberes analisados: -os sons utilizados para falar
em cada língua natural (Fonética) e a sua organização subjacente (Fonologia); - a constituição
interna das palavras (Morfologia); - a ordem das palavras e dos grupos de palavras nas frases,
assim como as funções que nelas desempenham (Sintaxe); - o significado convencional das
palavras, das frases e dos textos (Semântica); - o significado das palavras, das frases e dos
6

textos em situações de comunicação concretas e sempre únicas, assim com o os actos de fala
que os falantes realizam quando falam ou escrevem (Pragmática).

A importância de se aprender as regras gramaticais, para se escrever textos melhores, aumenta


a cada período, em: Nossa vida diária, profissional e principalmente em nosso convívio diário.
Cada vez mais encontramos pessoas nos observando, e quando desprezamos o domínio
mínimo da norma culta, principalmente na escrita, incorporando o coloquial diário, reduzimos
a língua com uma criatividade espectacular.

A fonética e a fonologia são domínios da linguística fundamentais na descrição dos sons de


uma língua. Quer isto dizer que facultam instrumentos de descrição e análise para a
manifestação mais evidente de uma língua, a sua pronúncia.

3. Diferença sobre as três teorias de aquisição de linguagem

Teoria Precursor Tese

Inatismo Noam Chomsky Defende que o ser humano é um provido de um


gramático inato, ou seja, esta já nasce e vai
tomando forma com o seu desenvolvimento.

Cognitivismo Jean Piaget Defende que há quatro etapas na ampliação das


operações psíquicas da criança, sendo a fase
mais importante a passagem da etapa sensório-
motor, que dura ate cerca dos dois anos e onde
a criança tem contactos com os objectos
concretos.

Interacionismo Lev Vygostsky Enfatiza a linguagem como um meio essencial


para aprender a pensar sobre realidade, sendo
que a criança para realizar alguma actividade
precisa de um mediador para apoia-la em
alguma tarefa até que ela consiga realiza-la
sozinha.

Meu posicionamento: a partir das teorias acima referenciadas, chega-se a entender que o
inatismo, é uma tendência que acredita na existência da mente, e que todo qualquer
7

aprendizado é inato e não simples imitação. O inatismo se opõe a varias tendências que
afirmam que acriança aprende por um processo chamado de imitação, que funciona através
dos estímulos, reforços e respostas.