Você está na página 1de 2

COMO ADQUIRIR AUTOCONFIANÇA

Primeiramente, analisemos um pouco a semântica básica a respeito do significado da expressão


autoconfiança. Não é necessário, nesta oportunidade, apreciarmos o significado místico ou
psicológico do vocábulo ego porque isso tem sido feito extensivamente nas monografias e, às
vezes, em nossas revistas. Cada um de nós sabe que existe, e esse conceito é, para nós, o ego,
independentemente de como possamos individualmente defini-lo. Consequentemente, não
precisamos deter confiança no fato de que o fenômeno do ego existe. Assim, compreendemos
que aquilo que ordinariamente queremos significar por autoconfiança é a capacidade de
utilizarmos, isto é, de aplicarmos esse ego em circunstâncias várias que possam estar de nós
exigindo alguma ação.

Fracasso em termos de autoconfiança é acreditarmos que não possuímos capacidade para


enfrentar uma situação que de nós exige ação. A apreensão de incapacidade, que é o fator
básico na falta de autoconfiança, pode advir de uma ou duas causas. Primeiramente há o
fracasso e desapontamento que decorrem de um empreendimento que se esperava resultasse
em sucesso. Particularmente, se o empreendimento era de grande importância para o indivíduo,
o fracasso pode dar origem a um trauma psicológico para o ego, que pode fazer com que ele se
tome inibido, isto é, carente da necessária autoafirmação.

Algumas pessoas são emocionalmente mais sensíveis do que outras ao fracasso, seja ele de
pequena ou grande importância. Como resultado, não somente fica inibida a sua autoconfiança
quando são obrigadas a realizar uma atividade similar, mas também quando um novo projeto é
a elas submetido. Pensam, então, que o fracasso anterior foi devido a alguma falha inerente,
isto é, alguma deficiência de sua parte que deverá influir sobre todos os demais
empreendimentos. Assim, a autoconfiança é reprimida.

Além disso, quando a pessoa fracassa em um programa competitivo poderá ficar impressionada
com o fato de que outros isso notaram. Tal situação surge, quase sempre, quando a pessoa é
acanhada. Ela se preocupa, então, com a sua capacidade que, talvez, nunca tenha sido
realmente testada. Em outras palavras, ela possivelmente jamais aceitará um empreendimento
que requeira uma capacidade ou talento que talvez possua. Portanto, não estando consciente
das aptidões que possa ter, sua confiança em si mesma diminui.

Que deve a pessoa fazer para superar, isto é, dominar um complexo de inferioridade tão
evidente que, na verdade, pode não existir realmente? Deverá considerar como um exemplo se
tem um passatempo qualquer, alguma coisa que goste de fazer. Se tiver, então deverá tudo
fazer para nele se aprimorar. Como exemplo mais preciso, suponhamos que ela goste de
fotografia. Envidará esforços, então, para obter conhecimento necessário que expliquem em
detalhe os estágios progressivos da fotografia elementar até os procedimentos mais avançados.
Deverá especialmente selecionar material que contenham exemplos ilustrados da espécie de
trabalho fotográfico realizado pelo fotógrafo após o estudo e a prática necessária. Então, deverá
envidar todos os esforços para igualar esse trabalho gradualmente. Quando isso for conseguido,
compreenderá que não é inferior, que tem em seu interior a potencialidade para o sucesso
quando utilizar aquilo que sabe.

O que deverá ser evitado é o comprometer-nos em projeto complexo com o qual não tenhamos
tido experiência ou não estejamos familiarizados. É este um dos fatores que podem
rapidamente gerar a falta de autoconfiança. Em outras palavras, não tentemos alcançar uma
estrela, figurativamente falando. É conveniente começarmos com objetivos mais simples,
dominá-los e convencer-nos de que somos realmente capazes. Com o sucesso em alguma coisa,
manifesta-se satisfação interior e a deliberação de senti-Ia em novos empreendimentos.

Há, naturalmente, causas fisiológicas e psicológicas para a perda de autoconfiança, porém


unicamente em casos extremos. Os indivíduos desse modo afetados, invariavelmente se
afastam de qualquer empreendimento em que a responsabilidade sobre eles pesará. Todavia,
essas pessoas geralmente estão doentes e necessitam de conselho profissional. Repetimos: são
exceções.

Lembremo-nos de que nada instila confiança como o sucesso; portanto, se nada


empreendermos, nenhuma possibilidade teremos de alcançar sucesso. Devemos também
lembrar que nenhum ser humano é sempre bem-sucedido. É justamente a maioria dos
empreendimentos em que uma pessoa possa alcançar sucesso que instila confiança. Jamais
deveremos buscar o impossível.

Podemos misticamente nos beneficiar em conformidade com os princípios Rosacruzes. Pouco


antes de nos recolhermos, quando na cama, façamos esta sugestão ao nosso subconsciente:
“Tenho fortaleza física e mental, e vontade (isto é, o desejo) de participar em qualquer coisa que
possa surgir e que esteja dentro das minhas aptidões; de dominá-la e alcançar sucesso”. A coisa
principal a dizer a nós mesmos é a seguinte: “Sou forte, tenho determinação. Não cederei;
exercerei domínio sobre mim mesmo”.

Consequentemente, a ordem que dermos ao nosso subconsciente em nós se refletirá durante o


dia como fortalecimento da vontade, quando objetivamente enfrentarmos algo que tivermos
de realizar.