Você está na página 1de 2

Resenha

Obra original : SOUZA, Eliane Christina. Ser e discurso no Parmênides de Platão.


In: Philósophos, Goiânia, v.15, n. 1, p. 87-118, jan./jun. 2010. Disponível em:
https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/8671/pdf. Acesso em: 27 out. 2019.

Eliane Christina Souza possui Graduação em Enfermagem pela Universidade


Federal de São Paulo, UNIFESP, Brasil. Graduação em Filosofia pela Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo, (PUC/SP). Mestrado e Doutorado em Filosofia
pela Universidade de São Paulo, USP, Brasil. Atualmente é Professora- adjunta do
Departamento de Filosofia e Metodologia das Ciências da Universidade Federal de São
Carlos, São Paulo, Brasil. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em História
da Filosofia Antiga, atuando principalmente nos seguintes temas: Platão, ontologia,
discurso, conhecimento. Contém diversos Trabalhos científicos publicados em
periódicos filosóficos.
O presente artigo científico aborda a problemática “o Ser e o Discurso no
Parmênides de Platão”; no presente dialogo Platônico presente no Parmênides, Platão
faz uma critica de sua teoria das formas, que é apresentada por Sócrates tendo por alvo a
participação das formas com o sensível e entre si ; na pesquisa são apontadas as
consequências discursivas dessa relação. Eliane Christina Souza propõe uma leitura do
Parmênides que sugere que a autocritica platônica apresentada contem inconsistências
da teoria da participação, que estas serão corrigidas posteriormente no Sofista.
Nossa autora em sua pesquisa iniciou apresentando a estrutura dramática do
dialogo na obra platônica o Parmênides, onde Platão apresenta o Sócrates jovem, com
cerca de vinte anos, contracenando com Zenão. Em seguida Argumentou sobre a
exposição da Teoria da participação das Formas, apresentando a formulação do
paradoxo de Zenão, como também a critica de Sócrates a Zenão. Depois analisou as
dificuldades relativas á participação dos sensíveis nas Formas descrevendo as hipóteses
presentes no dialogo entre Sócrates e Zenão. Por fim apresentou o exercício dialético,
que teria como função provar que, nos casos em que o uno participa do ser, sendo ou
não sendo, todos os predicados são atribuídos a ele e ás outras coisas.
Para autora a teoria da participação no pensamento platônico trás a questão de
como algo determinado pode participar de muitas formas sem perder sua unidade. Esta
participação de muitas formas, no entanto, torna-se necessária para fundamentar
ontologicamente o discurso e o conhecimento. A autora afirma que a exposição presente
no Parmênides não favorece uma justificativa positiva para essa problemática, que
culmina em várias aporias. Ao abordar a crítica do Jovem Sócrates a Zenão, afirma que
as mesmas coisas podem ser semelhantes e dessemelhantes, unas e múltiplas; essas
afirmações são feitas sob a condição da existência das formas semelhantes e
dessemelhantes, unidade e multiplicidade. Nossa autora conclui que partindo da teoria
apresentada por Parmênides onde o Ser é e o Não Ser não é, e estes não podem ser
confundidos; o Parmênides platônico aponta para uma necessidade de solucionar essa
teoria, no entanto Platão cola essa critica da Participação na boca de Parmênides, a fim
de encontra a raiz de uma questão que será solucionada no Sofista, rejeitando as
oposições de nada é nada e tudo é tudo e procurando dar sentido á afirmação às coisas é
e não são.
O artigo cientifico Ser e o discurso no Parmênides de Platão é uma pesquisa de
grande relevância e grande valor teórico, abordando os pontos centrais do pensamento
platônico, sendo recomendado para todos aqueles que desejam aprofundar a questão
platônica do Ser e sua teoria das Formas no dialogo platônico o Parmênides.

Resenha realizada por Rodolfo Silvano Ramos, Graduando em Filosofia pelo Centro
Universitário Católico de Quixadá no curso Bacharelado em Filosofia.

Você também pode gostar