Você está na página 1de 17

Casamento de impedâncias

Técnicas de casamento

circuitos resistivos => altas perdas


circuitos reativos => capacitores e indutores (parâmetros concentrados);
trechos de linhas de transmissão (tocos).

elementos reativos
Características redes resistivas componentes tocos

Faixa de freqüência larga estreita estreita

Potência média baixa alta

Casamento de impedâncias com tocos

• O casamento de impedância pode ser feito não só com elementos


concentrados (capacitores e indutores) mas também com trechos
de linhas de transmissão.

curto ( L = l1 )
ou
aberto (L = l2)

Tocos = trechos de linha de linha de transmissão,


terminadas em curto ou aberto, cortados no
comprimento adequado, para a frequência de
operação desejada

1
Casamento utilizando elementos
reativos: largura de faixa

f superior − f inferior
BW = ×100 (%)
f central

BW típico = 10%

Técnica de Casamento

1. Verificar através de deslocamento sobre a linha a posição em que a


parte real da admitância normalizada resulta na unidade.

y ponto = 1,0 ± jb

2. Inserir neste ponto um toco adequado, de maneira a cancelar a parte


reativa. Neste caso:

ytoco = m jb

2
Exemplo 3.1

Uma linha de transmissão de impedância característica igual a 50 ohms é ligada a


uma carga de impedância Zc = 30 –j 80 Ω. Calcule as posições e os valores dos
elementos reativos a serem colocados em paralelo com a linha para um perfeito
casamento de impedâncias. A freqüência de operação é 500 MHz e o comprimento
de onda na linha é de 39,6 cm.

Z0= 50 Ω Z = 30 –j80 Ω

λ=39,6 cm

f = 500 MHz

Solução:
1. Passo:
Normalizar a impedância de carga: zn = (30 –j80) / 50 = 0,6 – j1,6

3
2. Obter a admitância equivalente à carga: yn = 0,205 + j 0,548:

3. Identificar em que ponto(s) da linha onde a parte real da admitância


normalizada é igual a 1 (para a tarefa devemos observar o círculo imagem
unitário). O ponto está situado à 0,108λ.

yn = 1,0 + j2,12

4
Uma outra solução seria o ponto de admitância: yn = 1,0 - j2,12,
situado agora, à 0,226λ da carga.

yn = 1,0 - j2,12

A solução com yn = 1,0 + j2,12 indica a necessidade do uso de uma susceptância


indutiva, com valor – j2,12 para o cancelamento da parte imaginária.

A solução com yn = 1,0 - j2,12 indica a necessidade do uso de uma susceptância


capacitiva, com valor + j2,12 para o cancelamento da parte imaginária.

Admitindo -j2,12 como solução, uma indutância deverá ser posicionada à 0,108λ
da carga. Assim, a susceptância:

− jb = − j 2,12
b = 2,12

O valor de b está normalizado. Calculamos agora B desnormalizado:

B = b x 0,02 = 0,0426 Ω

1 1
Mas: B= => 0,0426 =
ωL 2π 500.106 L
L = 7,47 nH

5
A indutância de 7,47 nH deverá estar posicionada a 0,108λ da carga. Logo, como
λ = 39,6 cm, a solução final será:

L= 7,47 nH Z = 30 –j80 Ω

4,27 cm

Admitindo + j2,12 como solução, uma capacitância seria agora então posicionada
à 0,226λ da carga. Assim:

jb = j 2,12
O valor de b está normalizado. Calculamos agora B desnormalizado:

B = b x 0,02 = 0,0426 Ω
Mas: B = ω C => 0,0426 = 2π 500.10 6 C
C = 13,56 pF

A capacitância de 13,56 pF deverá estar posicionada a 0,226λ da carga.

A solução será:

C= 13,56 pF Z = 30 –j80 Ω

8,94 cm

6
Exemplo 3.2

Implementar a solução do exemplo 3.1 utilizando agora tocos de linha como elementos
necessários para o correto casamento de impedâncias.

Solução 1:
yL = 1,0 + j2,12

L= 7,5 nH Z = 30 – j80 Ω

4,27 cm

Podemos obter uma solução com um toco terminado em aberto ou em curto

• Solução com um toco terminado em curto:


l

Z = 30 – j80

A’
4,27 cm

Para que o toco em curto represente uma admitância equivalente à – j2,12


na secção A-A’ devemos determinar seu comprimento l:

b= – j2,12

7
A impedância na terminação do toco é Ztoco= 0.

O ponto que representa um curto situa-se na periferia da carta, sobre a linha


das reatâncias nulas, à esquerda do centro da carta. A admitância equivalente
ao ponto (curto) situa-se na extremidade oposta.

admitância equivalente
ao curto

Marcando na carta este ponto e caminhando até o ponto y = 0 – j2,12,


registramos um deslocamento de 0,07λ.

0,07λ

Assim o comprimento do toco será: 0,07 x 39,6 = 2,7 cm

A solução 2, no ponto situado a 0,226λ da carga, é proposta aos alunos


como exercício extra-classe.

8
Exemplo 3.3

Um transistor, que deverá ser usado como amplificador de RF, apresenta no ponto
de operação as seguintes características:

• impedância de entrada: Zent = 5 + j 3,5 Ω;


• impedância de saída: Zsaída = 10 – j15,0 Ω;

Dimensione os circuitos de adaptação de impedâncias para a entrada e saída, a fim


de conseguir casamento com 50 ohms, utilizando tocos de linhas.

Z0= 50 Ω Zent = 5 + j3,5 Ω Zsaida = 10 – j15 Ω Z0= 50 Ω

Parte A : Casamento na entrada do transistor


• Passo: normalizar a impedância de entrada (carga):
zn = (5 +j3.5) / 50 = 0,1 + j 0,07
2. Encontrar a admitância correspondente no diagrama:

yn = 6,71 – j 4,7

9
3. Encontrar os pontos que interceptam o circulo de SWR, onde a parte real é
unitária. Para ajudar na localização é interessante fazer uso do círculo
imagem unitário. As duas possíveis soluções são:

yn = 1,0 + j 2,9
(a 0,404λ da carga)

0,404λ

0,036λ

yn = 1,0 - j 2,9
(a 0,036λ da carga)

Definidos os pontos: yn = 1,0 - j 2,9 (a 0,036λ da carga)


yn = 1,0 + j 2,9 (a 0,404λ da carga)
4. Escolher uma das soluções e encontrar o toco que cancela a parte imaginária,
adicionando:
+ j2,9 (na solução 1) ou - j2,9 (na solução 2).
5. Adotando a solução 1, precisaremos de um toco cuja susceptância seja: + j2,9

0 + j 2,9

10
Se o toco for terminado em aberto (Z = ∞ ). O comprimento do toco poderá
ser obtido do D.S.:

0,198λ

ponto de admitância z=∞


equivalente a um toco
terminado em aberto

Neste caso o comprimento do toco terminado em aberto será: 0,198λ.

Caso o toco seja terminado em curto (Z = 0). O comprimento do toco poderá


ser obtido do D.S.:

0,448λ

z=0 ponto de admitância


equivalente a um toco
terminado em curto

Neste caso o comprimento do toco terminado em curto será: 0,448λ.

11
Parte B : Casamento na saída do transistor

1. Passo: normalizar a impedância de saída


(trataremos a saída do transistor como se fosse uma carga):
zn = (10 - j15) / 50 = 0,2 - j 0,3
2. Encontrar a admitância correspondente no diagrama:

yn = 1,53 + j 2,3

3. Encontrar os pontos que interceptam o circulo de SWR, onde a parte real é


unitária. Para ajudar na localização é interessante fazer uso do círculo
imagem unitário. As duas possíveis soluções são:

yn = 1,0 + j 1,93

yn = 1,0 – j1,93

12
4. Admitindo o ponto yn = 1,0 – j 1,93 como solução, podemos definir o ponto
de inserção do toco, em relação à saída do transistor:

0,111λ

yn = 1,0 – j1,93

5. Precisaremos de um toco cuja susceptância seja + j1,93 para cancelarmos


a parte reativa do ponto escolhido.

+ j 1,93

13
6. A definição do comprimento do toco é feita fazendo a escolha da
terminação do mesmo. Para que o toco seja mais curto possível,
escolheremos um toco terminado em aberto:

+ j 1,93

0,174λ

ponto de admitância
equivalente a um toco
terminado em aberto

Assim, o comprimento do toco terminado em aberto será: 0,174λ.

A solução final do problema é mostrada abaixo:

Zent = 5 + j3,5 Ω Zsaida = 10 – j15 Ω

0,198λ 0,174λ

0,036λ 0,111λ

14
Exercício 3.6.2

Uma antena terá de operar em 300 MHz apresentando uma impedância de


120 + j54 Ω e deverá ser ligada a uma linha de transmissão de impedância
característica igual a 300 Ω e fator de velocidade de 0,82. Dimensionar a
posição e o comprimento de um toco a ser colocado em paralelo com a linha para
um correto casamento de impedâncias.
Em que situação o toco apresentará menor comprimento? Em aberto ou em curto?
Considere que o toco será construído com o mesmo tipo de linha que foi ligada à
antena.

Z0= 300 Ω Z = 120 + j54 Ω

fv = 0,82

f = 300 MHz

1. Inserindo a impedância da antena e obtendo sua admitância no D.S.:

yn =2,079 - j 0,936

15
2. Encontrar os pontos que interceptam o circulo de SWR, onde a parte real é
unitária. As duas possíveis soluções são:

y1 =1,0 + j 0,99

y2 =1,0 - j 0,99

A solução y2 =1,0 - j 0,99, implicará na inserção de um toco a


0,054 λ da antena. O toco deve realizar o cancelamento da parte
reativa. Assim, a admitância do toco deverá ser:

ytoco = + j 0,99

16
Se admitirmos o toco em aberto, obtermos o toco fisicamente
mais curto:

0,125λ

ponto de admitância
equivalente a um toco
terminado em aberto

Assim, o comprimento do toco terminado em aberto será: 0,125λ.

Como informado, o fator de velocidade na linha é 0,82 e a frequência de


Operação de 300 MHz. Assim, o comprimento da onda guiada será:

c 3 ×108
λ g = f v = 0 ,82 = 0 ,82 m
f 300 ×106

As dimensões físicas do problema serão:


4,4 cm

Z0= 300 Ω
m

Za =120 + j54 Ω
c
,25
10

17

Você também pode gostar