Você está na página 1de 23

02/08/2016

CONCEITO GERAL
- É uma onda sonora de energia intensa, e muito
curta, e que possui efeitos mecânicos
conduntendes no meio onde se propaga.

- Forma-se quando pulsos de pressão movem-se


num meio (sólido, líquido e gasoso) com uma velocidade
acima da velocidade do som.

- Exemplos: explosivo é detonado na terra, nos trovões,


ou quando aviões ultrapassam a barreira do som.
FÁBIO BORGES 1
FÁBIO BORGES
2

HISTÓRICO
HISTÓRICO
- 2ª Guerra Mundial – danos pulmonares letais em náufragos, sem lesões - 1986 – Surge a aplicação em osso em cobaias (Haupt et al, 1992)
externas – inicio das investigações sobre os efeitos das ondas de choque - 1988 – Tratamento pseudoartrose humanos (Valchanov & Michailov, 1991)
- 1950 – Surge a 1ª patente de um gerador de ondas de choque eletro- - 1990 - Na década de 1990, as ondas de choque extracorpóreas começaram
hidráulico nos EUA. a ser aplicadas em entesopatias em humanos (fraturas, esporão de calcâneo,
- 1968-1971 – Aprofundam-se os estudos dos efeitos das ondas de choque cotovelo de tenista, tendinite do ombro etc). (Yang et al., 2014)
nos tecidos biológicos - Alemanha - 1992 – Primeiro relato de uso em tendinose calcária do ombro (Dahmen et al, 1992)
- 1974 – Surge o conceito de Ondas de Choque Extracorpóreas - Alemanha - 1997 – Inicia-se o uso em doença de Peyronie
(Companhia Dornier) - 2000 - Em outubro de 2000, foi aprovada pelo FDA para tratamento em
- 1980 – Surge a 1ª litotripsia: fragmentação de cálculos renais e biliares - fascite plantar.
Alemanha (Chaussy et al., 1980). - 2005 – Começou a ter seu uso relatado na estética (cellulite) (Siems et al, 2005)
3 4
FÁBIO BORGES FÁBIO BORGES
02/08/2016

CONCEITO TERAPÊUTICO Odgen et al., 2001


- É um pulso sônico de alta intensidade CARACTERÍSTICAS DO PULSO
(alta pressão de pico - 50 a 100 Mpa),
tempo curto de subida (menor que 10 Comparação entre a onda de choque X ultrassom
ns), uma pequena pressão negativa até
10 Mpa (baixa onda tênsil ), e pequena ULTRASSOM:
largura de pulso (curto ciclo de vida - Onda de choque
- Onda senoidal homogênea
cerca de 300 μs). (Schlaudraff et al, 2014) - Menor amplitude (menos
- Representação: Pulso único de pressão potente)
positiva, seguido de uma descida Ultrassom
Grandezas: - 1 MPa (Megapascal) = 10,19 kgf/cm2 - Maior frequência (1 e 3 MHz)
exponencial e uma parte negativa de baixa - 1 MPa (Megapascal) = 10 Bar
amplitude. (Kuhn et al, 2008) - 1 Bar = 0,986923 atm (Atmosfera padrão) - Tem oscilações periódicas
OBS.: As ondas de choque terapêuticas são 1000 vezes - São chamadas também de TERAPIA POR ONDAS
mais fracas que as ondas de choque “legítimas”!! DE CHOQUE EXTRACORPÓREA (ESWT) 5
5 FÁBIO BORGES 6
FÁBIO BORGES

MECANISMO DE AÇÃO MECANISMO DE AÇÃO Repouso Tensão


(positiva)
Dilatação (negativa) Liberação da energia

As Ondas de Choque produzem 2 efeitos de força mecânica: Pressão de ondas x Cavitação: (Williams
- Direto (primário): Na fase positiva – Ação da ondas diretamente no et al. 1999)

tecido alvo. - 20 a 50% da lise celular é


- Indireto (secundário) – Na fase tênsil – Ação através das bolhas produzida pela pressão direta da
Cavitação geradas (Uberle, 2007; Schimitz et al, 2013) onda de choque, dependendo da
intensidade.
- Entretanto, quando a cavitação
generalizada é iniciada, ela domina
o processo de lesão tecidual. O efeito da cavitação ocorre na fase negativa
da propagação da onda. (Ogden et al., 2001)
FÁBIO BORGES 7 FÁBIO BORGES 8
(Flinte, 2016)
02/08/2016

TIPOS DE ONDAS DE CHOQUE


TIPOS DE ONDAS DE CHOQUE
1) Onda de Choque RADIAL (RSW)
1) Onda de Choque RADIAL (RSW) - É produzida comumente por
- Tem a característica de se propagar dispositivos pneumáticos e/ou
radialmente a partir do aplicador
com mecanismo balístico no
- É absorvida, aproximadamente, a 3 cm interior do aplicador.
de profundidade. Seu principal uso é
para afecções mais superficiais (Tendões, - São indicadas para lesão em
ligamentos, celulite, etc) tecidos moles (em áreas maiores)

- Se espalha num feixe mais largo para - Usa densidade de energia mais
uma área de alvo maior. (Dymarek et al, 2014) baixa (Antonic et al, 2011)
FÁBIO BORGES 9 FÁBIO BORGES 10

TIPOS DE ONDAS DE CHOQUE


TIPOS DE ONDAS DE CHOQUE
2) Onda de Choque FOCAL (FSW)
2) Onda de Choque FOCAL (FSW)
- Concentra a energia gerada pelo transmissor em uma - Pode ser utilizada em ulcerações na
zona focal distante da fonte geradora (pico de energia). pele e celulite utilizando-se aplicadores
específicos para isso.
- Entrega maior densidade de energia aos tecidos Pele

- São usadas para atingir tecidos mais profundos –


pode penetrar até 12 cm. (Dymarek et al, 2014)

- Pode ser gerado por fontes eletromagnéticas,


eletrohidraulicas, e piezoelétricas
FÁBIO BORGES 11 FÁBIO BORGES 12
Pele
02/08/2016

EFEITOS DAS ONDAS DE CHOQUE


RADIAIS X FOCALIZADAS
TIPOS DE ONDAS DE CHOQUE
Do ponto de vista físico, tanto as ondas FOCALIZADAS quanto as
3) Onda de choque PLANAR (desfocalizada)
RADIAIS são ondas mecânicas, mas diferem relativamente quanto ao
- As ondas são amplas, não tem ponto focal e não se propagam radialmente
formato da própria onda; no entanto, elas possuem o mesmo efeito
(Flinte, 2016)

MECANOTERAPÊUTICO, para algumas aplicações clínicas no


- São extremamente superficiais (penetram até cerca de 25 mm)
tratamento de alguns transtornos dos tecidos moles (Gerdesmeyer et al., 2002;
- São utilizadas em afecções dermatológicas, principalmente, celulite, (Angehrn et al,
Gerdesmeyer et al., 2006, Speed, 2014) 2007) úlceras, feridas, etc

FÁBIO BORGES 13 FÁBIO BORGES 14

PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE


1- SISTEMA ELETROHIDRÁULICO
Quanto construção dos equipamentos, são baseados em uma das
- Produzida através de tecnologia de centelha e
quatro tecnologias básicas: (Perez et al, 2013)
“explosão”.
- Sistema ELETROHIDRÁULICO - O sistema possui um eletrodo submerso numa caixa
de água que atua como vela de ignição.
- Sistema ELETROMAGNÉTICO
- A geração de ondas de choque ocorre pela faísca
- Sistema PIEZOELÉTRICO elétrica produzida entre as pontas do eletrodo.
Antonic et al. (2011)
- Sistema ELETROPNEUMÁTICO ou balístico
- Há uma vaporização das moléculas de água entre as
pontas do eletrodo, produzindo uma “explosão”,
criando assim as ondas de choque esféricas.
FÁBIO BORGES 15 FÁBIO BORGES 16
02/08/2016

PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE


1- SISTEMA ELETROHIDRÁULICO 1- SISTEMA ELETROHIDRÁULICO

- A onda de choque é refletida na parede interna

de um recipiente metalico esférico (elipsóide)

criando um ponto focal de energia por ondas de

choque no tecido alvo (Antonic et al., 2011))


Liang et al. (2008)
PRODUZ ONDA DE CHOQUE FOCALIZADA
FÁBIO BORGES Antonic et al. (2011) 17 FÁBIO BORGES 18

2- SISTEMA ELETROMAGNÉTICO
- Utiliza uma bobina + um PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE
refletor parabólico ou lente acústica.
SISTEMA ELETROMAGNÉTICO x SISTEMA ELETROHIDRÁULICO
- Um estímulo elétrico atinge a bobina e gera um
forte campo magnético na membrana oposta,
produzindo uma corrente eletromagnética
intensa.
- Estas forças eletromagnéticas produzem um
impulso acústico lento e baixo, que é focalizado
pelo refletor; ou
- Faz vibrar uma membrana que emite ondas sonoras
que passam pela lente acústica produzindo ondas de
choque focalizadas (Antonic et al., 2011; Perez et al, 2013)

PRODUZ ONDA DE CHOQUE FOCALIZADA FÁBIO BORGES 20


02/08/2016

PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE


PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE
3- SISTEMA PIEZOELÉTRICO
4- SISTEMA ELETROPNEUMÁTICO OU BALÍSTICO
- Constituido de uma estrutura geométrica côncava em
um recipiente cheio de água, montado com varias PRODUZ ONDA DE CHOQUE RADIAL (Schimitz et al, 2013)
cerâmicas ou cristais piezoelétricos, estimulados através
de pulsos elétricos de alta frequência para emitirem
ondas de choque.
- Um ponto à frente da fonte
geradora concentra o
somatório das várias Ondas de
Choque emitidas pelas cerâmicas p
piezoelétricas
FÁBIO BORGES PRODUZ ONDA DE CHOQUE FOCALIZADA 21 FÁBIO BORGES 22

PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE PRODUÇÃO DE ONDAS DE CHOQUE


4- SISTEMA ELETROPNEUMÁTICO OU SISTEMA ELETROPNEUMÁTICO OU BALÍSTICO
BALÍSTICO
A fonte balística consiste de uma “bala”
metálica impulsionada por ar comprimido
ou mecanismo eletromagnético, para a
ponta de um aplicador, produzindo
impactos em sua extremidade, e emitindo
uma onda de choque para a área de
tratamento (Perez et al, 2013; d'Agostino et al, 2015)
FÁBIO BORGES 23 FÁBIO BORGES 24
02/08/2016

RESUMO - TIPOS DE EQUIPAMENTOS


EFEITOS FISIOLÓGICOS
- Base: MECANOTRANSDUÇÃO
“Após a detecção de informações mecânicas do ambiente extracelular, essas
forças biomecânicas são convertidas em respostas biológicas e bioquímicas
pelas células (Mecanobiologia), influenciando, assim, algumas funções
celulares fundamentais como migração, proliferação, diferenciação e
apoptose” . (Ingber, 2006)

AS CÉLULAS SÃO INFLUENCIADAS POR ALGUNS ESTIMULOS MECANICOS

Antonic et al. (2011)


(Mecanosensibilidade) E PODEM GERAR UMA RESPOSTA FISIOLÓGICA
FÁBIO BORGES 25 FÁBIO BORGES 26

EFEITOS FISIOLÓGICOS EFEITOS FISIOLÓGICOS


- Estimula a liberação de fator de crescimento endotelial vascular (VEGF), estimulando - Estimula osteogênese (Wang, 2012; Wang et al, 2012)
uma angiogênese (neovascularização) (Wang et al., 2002; Wang et al, 2003; Kuo et al., 2007 ; Meirer et al, 2007(J Plast - Aumenta a circulação sanguínea e linfática (Braun et al., 2005; Adatto et al, 2010)
; Meirer et al, 2007 (J Reconstr Microsurg); Ferraro et al, 2012)
Reconstr Aesthet Surg)

- Aumenta o metabolismo local (Angehrn et al., 2007)


- Liberação de óxido nítrico sintase endotelial (eNOS) (Neoangiogênese +
- Aumenta formação de tecido de granulação para o reparo de ulcerações (Zock, 2009)
antinflamatório + cicatrizante) (Mariotto et al, 2005; Angehrn et al, 2007; Ito et al, 2009)
- Aumenta a permeabilidade da membrana (Braun et al., 2005)
- Ao nível subcelular: aumenta permeabilidade da membrana celular(Koshiyama et al., 2006),, - Aumento de antioxidantes (incluindo o ácido ascórbico) Siems et al., 2005)
causa lesões no citoesqueleto (Moosavi-Nejad et al., 2006), , na mitocôndria, retículo - Reduz o estresse oxidativo (Siems et al, 2005; Christ et al, 2008)
endoplasmático e na membrana nuclear podendo levar a apoptose (Kato et al., 2007) (Estas - Melhora da elasticidade da pele
são as principais justificativas do uso das ondas de choque associada a criolipólise - - Liberação de PCNA (Antígeno Nuclear de Proliferação Celular) - Auxilia na
proliferação celular (feridas, vasos, rupturas tendinosas, etc) (Wang et al 2006; Kuo et al., 2007)
juntamente com o aumento da circulação sanguínea). (Ferraro et al, 2012)
FÁBIO BORGES 27 FÁBIO BORGES 28
02/08/2016

EFEITOS TERPÊUTICOS
EFEITOS FISIOLÓGICOS ANALGÉSICO (Rompe et al, 1996; Mariotto et al, 2005; Ito et al, 2009; Yang et al, 2014)
SOBRE A PELE: - Pela diminuição da inflamação (Davis et al, 2009; Kuo et al., 2007; Antonic et al., 2011; d'Agostino et al.,

- Estimula a remodelagem do colágeno na 2015)

derme (Angehrn et al, 2007),


- Diminuição da tensão e rigidez dos músculos (Yang et al, 2014)
- Induz a neocolagenase e neoelastogênese –
“engrossa a pele” (Kuhn et al., 2008); e - Através da indução excessiva do fluxo de estímulos nos nociceptores
(Teoria das comportas x Mecanobiologia) (Yang et al, 2014)
- Melhora a elasticidade da pele (Christ et al., 2008a;b;
Adatto et al, 2010)
- Pela “destruição” seletiva ou alteração na função das fibras nervosas
Obs.: Esses efeitos respaldam atualmente o
não mielinizadas (Hausdorf et al, 2008 – Neuroscience)
tratamento do envelhecimento cutâneo.
FÁBIO BORGES 29 FÁBIO BORGES 30

EFEITOS TERPÊUTICOS EFEITOS TERPÊUTICOS


ANALGÉSICO (Rompe et al, 1996; Mariotto et al, 2005; Ito et al, 2009; Yang et al, 2014)
ANTINFLAMATÓRIO
- Redução da influência da substância P nos gânglios da raiz dorsal. (Hausdorf et al, - Os macrófagos respondem a estímulos mecânicos (Mecanobiologia) de baixas
2008 – Brain Res) (diminui o número de neurônios imunorreativos para a substância P em energia de ondas de choque e promovem efeito anti-inflamatório. (Sukubo et al, 2015)
gânglios da raiz dorsal !!!!!!!!!!!!) - A “imunomodulação" na cura de feridas está associada a um efeito
anti-inflamatório. (d'Agostino et al., 2015)
- Segundo Chow & Cheing (2007) o uso de ondas de choque com uma - Aumenta a perfusão sanguínea dos tecidos por meio de um efeito de
densidade máxima de energia tolerável foi mais eficaz do que a densidade redução da inflamação. (Davis et al, 2009; Kuo et al., 2007; Antonic et al., 2011)

de energia fixa (mais baixa) para analgesia e restauração da função do


calcâneo.
FÁBIO BORGES 31 FÁBIO BORGES 32
02/08/2016

EFEITOS TERPÊUTICOS EFEITOS TERPÊUTICOS


REPARADOR TECIDUAL REPARADOR TECIDUAL
As ondas de choque podem induzir a proliferação, migração e diferenciação de - Há mais evidências de que a Mecanoterapia tem propriedade de
algumas células que contribuem significativamente para a cura e regeneração de "imunomodulação" na cura de feridas e regeneração de tecidos,
tecidos, através da mecanotransdução: principalmente por meio de um efeito anti-inflamatório. (d'Agostino et al., 2015)
- Células tronco (estaminais) - O aumento da ação de defesa pelos macrófagos (doses baixas) favorece a
- Estromais (da medula óssea) regeneração dos tecidos (Sukubo et al, 2015)
- Tenocytes (tendinopatias) - Ondas de choque foram eficazes na recuperação de áreas de retalho
- Osteócitos e os seus precursores – osteoblástos (fraturas, pseudoartrose) isquémico da pele (Kuo et al., 2007; Davis et al, 2009)
- Células endoteliais (lesões vasculares)
- Fibroblastos (síntese de proteina/colágeno; ulcerações - Aumenta formação de tecido de granulação (Zock, 2009)
- Libera fatores de crescimento (TGF-β3/FGEV); e outras - Efeito anti-bacteriano (Loske et al., 2002; Gerdesmeyer et al.,2003)
FÁBIO BORGES (d'Agostino et al., 2015) 33 FÁBIO BORGES 34

PARÂMETROS DE MODULAÇÃO
- Dosimetria:
- ANTI-ISQUÊMICO
Aumenta a perfusão sanguínea tecidual + neovascularização (Kuo et al., 2007) a) Pico de pressão = até 500 bar (ou 50 Mpa).
b) Densidade de Energia = mJ/mm2
- ANTIEDEMATOSO (Bae & Kim 2013)
- Parâmetros dosimétricos: Antonic et al. (2011)
- DIMINUIÇÃO DA TENSÃO FIBRÓTICA POR AÇÃO MECÂNICA (celulite, pós- - Baixo – 0,08-0,18 mJ/mm² → pele, tendão, Antonic et al. (2011)

lipoaspiração etc) (Siems et al., 2005) músculos


- Médio – 0,18-0,32 mJ/mm² → tendão,
- REABSORÇÃO DE CALCIFICAÇÕES calcificações
- Alto – 0,32-0,6 mJ/mm² → partes ósseas
OBS.: Quando a energia aumenta, os efeitos biológicos
PODEM mudar de regeneração para a “destruição”.
FÁBIO BORGES 35 FÁBIO BORGES 36
02/08/2016

PARÂMETROS DE MODULAÇÃO
PARÂMETROS DE MODULAÇÃO
- Quanto maior o intervalo entre - Duração do pulso (ms) – Alguns aparelhos possuem este parâmetro – Pouco utilizado
- Frequencia (1 a 16 Hz)
uma onda de choque e outra, menos - Numero de pulsos por área (atenção no protocolo da empresa)
- Quanto maior a frequência
bolhas remanescentes diminuirão a - Número de sessões e o intervalo entre elas: Atenção no protocolo do fabricante.
de pulsação, maior será o
número de bolhas formadas energia da próxima onda de choque.
- Adapatador x profundidade x Forma de ondas de choque
no caminho das ondas de
choque. - Por isso, frequências muito altas
tem um efeito prejudicial sobre as
- A bolha de cavitação ondas de choque que incidem no
permanece no local por um
tempo (Wiksel & Kinn, 1995) local de tratamento (Wiksel & Kinn, 1995)

FÁBIO BORGES 37 FÁBIO BORGES 38

PARÂMETROS E SUA RELAÇÃO COM PROTOCOLOS


- A onda de choque pode ser gerada por vários
princípios físicos - Isto influencia nos
parâmetros de tratamento (Tabela).

- O conhecimento dos parâmetros adequados


de cada equipamento (densidade de energia, a
frequência das ondas geradas, número de
pulsos, o número de sessões e o intervalo
entre elas) são FUNDAMENTAIS para a eleição
Antonic et al. (2011)
e correta do tratamento
FÁBIO BORGES 39 FÁBIO BORGES 40
02/08/2016

RESUMO DOS PARÂMETROS


TÉCNICA DE APLICAÇÃO
• Qual o tamanho de área de tratamento?? - Há uma grande variedade de equipamentos com diferentes protocolos
dificultando alguma padronização terapêutica: Impulsos, frequência e energia
• Qual a ponteira ou adaptador ideal??
variam por patologia, e por técnicas de aplicação baseadas em estudos
• Qual o numero de pulsos por area?? diversos

• Qual a Frequencia de pulsos: 5 a 30Hz - Normalmente se usam de 3 a 8 sessões com intervalos semanais

• Qual a Dose ou Pressão?? (mj/mm2 ou bar) - Normalmente são usados de 1000 a 3000 impulsos por sessão em cada área
de afecção (pode variar para mais ou menos)
FÁBIO BORGES 41 FÁBIO BORGES 42

TÉCNICA DE APLICAÇÃO TÉCNICA DE APLICAÇÃO


- A frequencia varia de 6 a 22 Hz de acordo com a indicação - Meio de acoplamento:

- A densidade de energia (intensidade) variará de Baixa a Alta energia de a) Pode ser gel comum ou óleo, ou direto na pele ou em “bolsas” de gel (Neucks et
al., 2008) ou óleo (Rassweiler et al, 2011)
acordo com a indicação – O limite de tolerância do paciente pode determinar
o nível de energia adequado. b). O gel de ultrassom mostrou melhor desempenho na transmissividade das
ondas de choque em comparação com óleo de silicone de baixa viscosidade.
(Jain e Shah, 2007)
- Delimitação da área álvo (cm2) x numero de disparos = otimização de
resultados c) Segundo alguns autores, em virtude dos valores de impedância acústica da
pele humana, o gel é o contato ideal entre o aplicador e a pele (Kuhn et al., 2008)
FÁBIO BORGES 43 FÁBIO BORGES 44
02/08/2016

RESUMO DA TÉCNICA DE APLICAÇÃO


ÁREAS DE ATUAÇÃO / INDICAÇÕES
1) ORTOPEDIA / DESPORTO
• Dermacação da área de aplicação
- Fascite plantar crônica (Rompe et al, 2003; Kudo et al, 2006; Moghtaderi et al, 2014)
- Tendinite calcificada do ombro (Rompe et al, 1997; Gerdesmeyer et al, 2003)
• Escolha do gel ou óleo para o acoplamento - Epicondilite lateral (Rompe et al, 1997; Rompe, 2014; Furia, 2005)
- Tendinopatia de Aquiles (Peers et al, 2003; Yoo et al, 2012)
• Garantir bom acoplamento do aplicador com a pele - Pseudoartrose (Valchanou & Michailov, 1991)
- Dores musculares (Ji et al, 2012; Yang et al, 2014)
• Eleição da direção e velocidade de - Bursites
movimentação da ponteira - Tendinite patelar
- Esporão de calcâneo
- Retardo na consolidação óssea, etc
FÁBIO BORGES 45 FÁBIO BORGES 46

ÁREAS DE ATUAÇÃO /
ÁREAS DE ATUAÇÃO / INDICAÇÕES
INDICAÇÕES
2) ANGIOLOGIA (úlceras varicosas, diabeticas, linfedema, etc)
- UROLOGIA (doença de Peyronie,
- Bae & Kim (2013), verificaram redução do volume médio do braço com cálculos renais (Muller et al, 2004; Rassweiler et
linfedema (estágio 3) pós-mastectomia (2.332 para 2.144 ml) al., 2011)

- Protocolo: 4 sessões (em duas semanas), dose de 0,056 - 0,068 mJ/mm2,


2.000 impulsos, ondas de choque focalizada (Eletromagnética).

- Quase todos os pacientes ficaram satisfeitos com o tratamento e relatou que


a textura da pele no braço ficou mais macia.

FÁBIO BORGES 47 FÁBIO BORGES 48


02/08/2016

ÁREAS DE ATUAÇÃO / INDICAÇÕES PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA


1- CELULITE
- UROLOGIA (disfunção erétil) Efeitos das ondas de choque na celulite:
- Aumenta o metabolismo local (Angehrn et al., 2007;
Kuo et al., 2007)

- Diminuição do estresse oxidaivo (Siems et al, 2005;

Christ et al, 2008)

- Diminuição do panículo adiposo celulítico (Garcia, 2012)


- Melhora da elasticidade da pele (Christ et al., 2008a;b; Adatto et al, 2010)
- Estimula a remodelagem do colágeno na derme (Angehrn et al, 2007)

FÁBIO BORGES 49 50
FÁBIO BORGES

PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA


1- CELULITE
1- CELULITE
Efeitos das ondas de choque na celulite:
Efeitos das ondas de choque na celulite:
- Aumento da microcirculação sanguínea e a drengem linfática ((Braun et al., 2005; Kuo et al.,
2007; Adatto et al, 2010; Garcia, 2012)
- Diminuição da tensão fibrótica celulítica e alisamento da derme / hipoderme
(Siems et al 2005)

- Garcia PN. Shockwave therapy to


treat cellulite. Prime-
International Journal of Aesthetic
and Anti-Aging Medicine - June
2012.

1- Pré-tratamaento: Áreas com 2- Pós-tratamento: clara melhora da


circulação deficiente (cor preta) – grau irrigação sanguínea (homogeneização
III de celulite macro-nodular das cores claras) correspondentes com
FÁBIO BORGES
51 grau I de celulite. FÁBIO BORGES
52
02/08/2016

1- CELULITE – Estudos:
Autores Número Tipo de Dose Número de Número de Resultados
de casos onda sessões e disparos por
de choque Periodicidade área
RESULTADOS
Schlaudraff et al, 14 Radial 3,5 a 4,0 Bar (15 Hz) 8 Sessões 7.500 - Diminuição significativa do grau de
2014 2 x semana celulite
1- CELULITE
Angehrn et al, 21 Planar 0,018 mj/mm2 12 sessões 4.000 - Melhora da celulite (em 17 voluntárias)
2007 3 a 4 dias interv (160 cm2) - Remodelagem do colageno da derme
Christ et al, G1 = 15 Planar e 0,25 mj/mm2 G1 = 6 sessões 3.200 - Melhora da elasticidade da pele de 78%
ONDAS DE CHOQUE RADIAL:
2008a & 2008b G2 - 49 Radial G2 = 8 sessões (160 cm2) a 105% em 6 meses - 2,6 a 3,6 bar (15Hz)
3 a 4 dias interv - Melhora estrutural do tecido conjuntivo
Sattler et al, 2008 G1 = 11 G1 = Radial G1 = 2,4 a 3 bar (15Hz) G1 = 6,2 sessões; G1 = 1.909 - Melhora da celulite nas voluntárias, de - 1 mês após a ultima sessão
G2 = 11 G2 = Planar G2 = 0,35 mj/mm2 G2 – 6,1 sessões G2 – 1.000 forma heterogênea em cada grupo, mais (6 sessões)
G3 = 8 G3 = Planar + G3(R) = 2,6 a 3 bar G3 – 6,4 sessões G3 – 2350(R) + com maior percentual no G1
Radial G3(P) = 0,35 mj/mm2 1925(P) - 3000 disparos
Adatto et al, 25 Radial 2,6 a 3,6 bar (15Hz) 6 sessões ao 3.000 - Melhora da elasticidade da pele
2010 longo de 4 - Diminuição da rugosidade e depressões
semanas na pele
Russe- 11 (16) Radial 2-3 bar, em seguida, 8 sessões, 1 x 1.000 (Aplic. - Melhora significativa da celulite da pele
Wilflingseder et 3-5 bar (outro aplicad) semana 15mm) + 2500
al, 2013 (Aplic. D20-s)

Knobloch et al, 25 (53) Focalizada 0,35 mj/mm2 (4 Hz) 6 sessões ao 2.000 + - Melhora significativa da celulite da pele - Adatto M, Adatto-Neilson R, Servant JJ, Vester J, Novak P, Krotz A. Controlled, randomized study evaluating the effects of
2013 longo de 1-2 Exercícios no grupo de Ondas de choque + atv física treating cellulite with AWT/EPAT. J Cosmet Laser Ther. 2010;12:176–182.
semanas físicos para
FÁBIO BORGES 54
glúteos 53
FÁBIO BORGES

RESULTADOS

1- CELULITE
ONDAS DE CHOQUE RADIAL:
ONDA DE CHOQUE FOCALIZADA: - 3000 pulsos, 2.6 bar
(AWT® Radial D20-S )
- 0,35 mg / mm2
- 3 meses após 6 sessões - 8 sessões
- 2000 disparos + ativ física

Knobloch K, Joest B, Krämer R, Vogt PM. Cellulite


and focused extracorporeal shockwave therapy for
non-invasive body contouring: a randomized trial.
FÁBIO BORGES Dermatol Ther. 2013;3:143–155. 55 FÁBIO BORGES 56
Cedido por Storz Medical
02/08/2016

ONDAS DE CHOQUE RADIAL:


RESULTADOS RESULTADOS
- 3000 pulsos, 2.6 bar (AWT® Radial D20-S )
1- CELULITE
- 8 sessões
1- CELULITE
ONDAS DE CHOQUE RADIAL:
- 3000 pulsos, 2.6 bar
(AWT® Radial D20-S )

- 8 sessões

FÁBIO BORGES Cedido por Storz Medical 57 FÁBIO BORGES 58


Cedido por Storz Medical

PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA


2- GORDURA LOCALIZDA 2- GORDURA LOCALIZDA
Efeitos das ondas de choque na gordura localizada: Efeitos das ondas de choque na gordura localizada:
- Ruptura da membrana das células de gordura (Liang et al., 2008 – - Ruptura da membrana das células de gordura (Liang et al., 2009 -
Estudo em porcos ) Estudo em coelhos)

- Gordura de porco
- Onda de choque focalizada - Gordura de coelhos
- Onda de choque focalizada
- 1000 a 2000 disparos
59 60
FÁBIO BORGES - 1000 disparos FÁBIO BORGES
02/08/2016

PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA


2- GORDURA LOCALIZDA
RESULTADOS
2- GORDURA
Efeitos das ondas de choque na gordura localizada:
LOCALIZADA
- “Esvaziamento adipocitário”: Aumento da permeabilidade da membrana celular,
ONDAS DE CHOQUE RADIAL:
estimula a liberação de gordura ou triglicérides (Siems et al., 2005)
- 2000 pulsos por área
- Causa lesões na estrutura do adipócito (citoesqueleto e organelas), podendo (Supra e infra Umbilical + flancos)

levar a apoptose (Moosavi-Nejad et al., 2006), (Kato et al., 2007) - 10 sessões (2x semana) +

- Diminuição do contingente de panículo adiposo subcutâneo (Adatto et al, 2011; Garcia, 2012) 5 dias de injeção de soro fisiol.

- Dose: 190 mj / 11 Hz Medidas inicial em 26/01/16: Medidas Final em 17/03/16:


- Melhora da textura da pele local (Adatto et al, 2011) -Supra umbilical - 87 cm - Supra umbilical - 80,5 cm
- Umbilical - 93cm - Umbilical - 89,5 cm
- Infra Umbilical - 96 cm - Infra Umbilical - 92 cm
61 FÁBIO BORGES - Peso inicial: 68,30 Kg - Peso final: 67,90 Kg 62
FÁBIO BORGES

- A linha branca mostra o molde antes e 1 semana após a 8ª sessão de


tratamento ONDAS DE CHOQUE PLANAR e RADIAL:
RESULTADOS - A redução da circunferência foi de 9,7 cm no total.
- 1500 pulsos, 0.45 a 1.24mJ/mm2 (Planar)
RESULTADOS - 3000 pulsos, 3 a 4 bar (AWT® Radial )
2- GORDURA LOCALIZADA - 4 sessões
2- GORDURA LOCALIZADA
ONDAS DE CHOQUE PLANAR e RADIAL:
- 1500 pulsos, 0.45 a 1.24mJ/mm2 (Planar)
- 3000 pulsos, 3 a 4 bar (AWT® Radial )
- 8 sessões (2x semana)

- Adatto MA et al. Body shaping with acoustic wave therapy


AWT ® /EPAT ® : Randomized, controlled study on 14 subjects.
Journal of Cosmetic and Laser Therapy, 2011; 13: 291–296
- Adatto MA et al. Body shaping with acoustic wave therapy AWT ® /EPAT ® : Randomized, controlled study on 14 subjects. Journal of Cosmetic and Laser Therapy,
2011; 13: 291–296
64
FÁBIO BORGES 63 FÁBIO BORGES
02/08/2016

RESULTADOS RESULTADOS
2- GORDURA LOCALIZADA 2- GORDURA LOCALIZADA

ONDAS DE CHOQUE RADIAL: ONDAS DE CHOQUE PLANAR e RADIAL:


- 4000 pulsos, 2.6 bar (AWT® Deep Impact) - 2000 pulsos, 0.76mJ/mm2 (AWT® Planar)
- 4000 pulsos, 3.4 bar (AWT® D20-S)
- 3000 pulsos, 3.0 bar (AWT® Radial D20-S )
- 10 sessões
- 6 sessões

Cedido por Storz Medical Cedido por Storz Medical


FÁBIO BORGES 65 FÁBIO BORGES 66

Ondas de choque + Criolipólise


ONDAS DE CHOQUE pós-criolipólise
Ferraro et al (2012)

- 50 pacientes

- Objetivo: Verificar efeitos sobre celulite e gordura


localizada

- Ondas de choque por 10 min. logo após a criolipólise

- Resultado: diminuição do aspecto celulitico e de mais


de 4 cm na espessura da gordura corporal tratada.

FÁBIO BORGES 67 FÁBIO BORGES 68


02/08/2016

Hunt & Stork, 2013


- CRIOLIPÓLISE + MASSAGEM + ONDAS DE CHOQUE ACÚSTICAS Criolipólise sequida
- Objetivo: Acelerar a taxa de absorção de gordura de ondas de choque
- Dividiram 10 voluntários em dois grupos
- Grupo A: Criolipólise, massagem imediata, seguida por 3 minutos de ondas de ONDA DE CHOQUE RADIAL:
choque. + 4 sessões (uma por semana) de ondas de choque.
- 2000 pulsos,
- Grupo B: Só recebeu criolipólise e massagem.
- Dose: 2,4 bar
- Resultado: O grupo A apresentou uma redução de gordura mais de duas vezes acima - 1 Sessão
do que o grupo B (75% de redução no total).
Obs.: O peso corporal dos voluntários se manteve relativamente estável.

FÁBIO BORGES 69 FÁBIO BORGES Cedido por Claudete Arruda (Paraiba-PB) 70

RESULTADOS
Criolipólise sequida de ondas de choque 3- ENVELHECIMENTO CUTÂNEO
Autores (Christ et al., 2008a & b; Adatto et al., 2011) verificaram melhora
SUGESTÃO DE PROTOCOLO da elasticidade da pele em até 105% ao tratarem
• Numero de pulsos: 2000 a 5000 (Dependendo do tamanho da área) celulite
• Frequencia: 15 Hz
- Pela estimulação da remodelagem do
• Dosimetria: 2,5 a 3,5 bar ou 0.60 a 100mJ/mm2 colágeno (Angehrn et al, 2007)
• Aplicação: Imediatamente após a criolipólise para reperfusão e
estimulo a apoptose - Induz a neocolagenase e
neoelastogênese – “engrossa a pele”
(Kuhn et al., 2008)

FÁBIO BORGES 71 FÁBIO BORGES 72


02/08/2016

ONDAS DE CHOQUE NO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO /


RESULTADOS
FLACIDEZ FACIAL
3- ENVELHECIMENTO CUTÂNEO
SUGESTÃO DE PROTOCOLO
ONDAS DE CHOQUE RADIAL:
- 7000 pulsos distribuidos em hemiface e • Numero de pulsos: 2000 a 6000 (Dependendo do tamanho da área)
pálpebras superior e inferior
• Frequencia: 21 Hz
- 2,2 bar
- 3 sessões
• Dosimetria: 1,8 a 2,2 bar (Ponteira radial)
• Periodicidade: 15 dias (em média, 4 sessões para resultados)

Cedido por Claudete Arruda (João Pessoa-PB)


FÁBIO BORGES 73 FÁBIO BORGES 74

PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA


5- PÓS-LIPOASPIRAÇÃO
4- FLACIDEZ TISSULAR CORPORAL
ONDAS DE CHOQUE PLANAR e RADIAL:
ONDAS DE CHOQUE PLANAR e RADIAL:
- 2500 pulsos, 0.76mJ/mm2 (AWT® Planar)
- 1000 pulsos, 0.76mJ/mm2 (AWT® Planar)
- 4000 pulsos, 2.2 a 3.0 bar (AWT® Radial DI15 )
- 2000 pulsos, 1.8 bar (AWT® Radial D20-S )
- 1000 pulsos, 2.2 a 3.0 bar (AWT® Radial D20-S )
- 6 sessões
- 6 sessões

Cedido por Storz Medical


FÁBIO BORGES Cedido por Storz Medical 75 FÁBIO BORGES 76
02/08/2016

RESULTADOS PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA


5- PÓS-LIPOASPIRAÇÃO 6- CiCATRIZ

ONDAS DE CHOQUE PLANAR e RADIAL: ONDAS DE CHOQUE PLANAR e RADIAL:


- 2500 pulsos, 0.76mJ/mm2 (AWT® Planar) - 3000 pulsos, 0.76mJ/mm2 (AWT® Planar)
- 4000 pulsos, 2.2 a 3.0 bar (AWT® Radial DI15 ) - 3000 pulsos, 3.0 bar (AWT® Radial D20-S )
- 1000 pulsos, 2.2 a 3.0 bar (AWT® Radial D20-S ) - 6 sessões
- 6 sessões

Heine et al. Journal of Cosmetic and Laser Therapy, 2013; Extracorporeal shock
wave treatment of capsular fibrosis after mammary augmentation and liposuction.
Cedido por Storz Medical
FÁBIO BORGES 77 FÁBIO BORGES 78

CONTRAINDICAÇÕES
PRINCIPAIS APLICAÇÕES NA ESTÉTICA • Gestação
7- CÁPSULA FIBRÓTICA PÓS-IMPANTE DE SILICONE • Doenças da coagulação e/ou uso de anticoagulantes
• Trombose local / Trombofilia
- 1 sessão de ondas de choque reduziu a velocidade de formação de cápsula • Doença maligna local
fibrótica em implante de silicone intramuscular em ratos. • Placa de crescimento ósseo (crianças ou adolescentes)
- E com várias sessões de ondas de choque, foi capaz degradar o envelope • Infecção aguda de tecidos moles e osso
fibroso. • Crânio, coluna, costelas
• Pulmão (focais), grandes nervos ou vasos
- Análise histológica: Estes resultados parecem estar associadas com a • Vísceras ou órgãos pélvicos
inibição de inflamação e dos efeitos benéficos sobre as proteínas pro- • Marca-passo cardíaco (relativo)
fibróticas e anti-fibróticas (TGF-beta 1 e a matriz de metaloproteinase 2, • Epilepsia
respectivamente – Mecanismo de Mecanotransdução), Fischer et al., 2015 • Região infiltrada recentemente
FÁBIO BORGES 79 FÁBIO BORGES 80
02/08/2016

EFEITOS ADVERSOS EFEITOS ADVERSOS


A implosão das bolhas de cavitação (pressão negativa) e a energia liberada e) Hiperemia pós aplicação (Adatto et al, 2011)
subsequentemente são a Principal Causa de efeitos adversos, tais como: f) Hematomas (Adatto et al, 2011)
a) Danos nos tecidos em caso de doses muito altas. g) Edema
h) Dor muscular
b) Destruição ou danos dos vasos sanguíneos: Danos nas células endoteliais,
principalmente com uso de ondas focalizadas com alta intensidade (Steinbach et al., 1993; Freund et al, i) Petéquias sanguíneas ou pequena hemorragia na pele (Liang et al, 2009)
2007; Matlaga et al, 2008;)

c) Formação de coágulos sanguíneos nos vasos (Brodmann et al., 1998)


d) Dor transitória ou desconforto durante ou após a aplicação (Adatto et al., 2011; Schmitz
- Ativação das fibras nervosas C na pele e liberação da substância P (neurotransmissor para a
et al., 2013)
dor e calor) (Maier et al., 2003; Klonschinski et al., 2011; Schlaudraff et al., 2014)
1000 disparos 2000 disparos
FÁBIO BORGES 81 FÁBIO BORGES 82

REFERENCIAS
- Adatto M, Adatto-Neilson R, Servant JJ, Vester J, Novak P, Krotz A. Controlled, randomized study evaluating the effects of treating cellulite
QUAIS PROFISSIONAIS PODEM UTILIZAR AS ONDAS DE CHOQUE with AWT/EPAT. J Cosmet Laser Ther. 2010;12:176–182.

PARA TRATAMENTOS ESTÉTICOS? - Adatto MA et al. Body shaping with acoustic wave therapy AWT ® /EPAT ® : Randomized, controlled study on 14 subjects. Journal of
Cosmetic and Laser Therapy, 2011; 13: 291–296
- Angehrn F, Kuhn C, Voss A. Can cellulite be treated with low-energy extracorporeal shock wave therapy? Clin Interv Aging. 2007 Dec; 2(4):
623–630.
Embora, alguns médicos aleguem que só essa classe profissional poderia - Bae, H, Kim, HJ. Clinical Outcomes of Extracorporeal Shock Wave Therapy in Patients With Secondary Lymphedema: A Pilot Study. Ann
utilizar as ondas de choque por se tratar de um pulso ultrassônico potente, Rehabil Med 2013;37(2):229-234
- Braun MT, Daser A, Wroblewska KK. [Effects of shock wave therapy on pathological changes in subcutaneous adipose tissue. A pilot study].
informo que dependendo do tipo de ondas de choque (focal ou radial), assim Aesthet Dermatol. 2005;4:11–17.
como dos parâmetros de modulação (pressão, frequência, etc), QUALQUER - Brodmann M, Ramschak H, Schreiber F, et al. 1998. Venous thrombosis after extracorporeal shock-wave lithotripsy in a patient with
heterozygous APC-resistance. Thromb Haemost, 80:861.
PROFISSIONAL HABILITADO (FORMAÇÃO) E CAPACITADO PODE UTILIZAR AS - Chaussy C, Brendel W, Schmiedt E. Extracorporeally induced destruction of kidney stones by shock waves. Lancet. 1980 Dec
ONDAS DE CHOQUE EM SEU AMBULATÓRIO ESTÉTICO, pois o equipamento 13;2(8207):1265–8
- Chitnis, PV & Cleveland, RO. “Acoustic and cavitation fields of shock wave therapy devices,” AIP Conference Proceedings (American Institute
possui um pulso sônico terapêutico e adequado para uso não invasivo e/ou of Physics, New York, 2006), pp. 440–444.
cirúrgico. Além disso, não necessita de prescrição de medicamentos para sua - Chow IH, Cheing GL.Comparison of different energy densities of extracorporeal shock wave therapy (ESWT) for the management of chronic
heel pain. Clin Rehabil. 2007 Feb;21(2):131-41.
utilização - Christ C, Brenke R, Sattler G, Gabriel S, Siems W, Daser A. [Incerase of skin elasticity and revitalization of the dermis in cellulite and
83 connective tissue weakness by extracorporeal acoustic wave therapy]. Aesthet Dermatol. 2008a; 1:6–14. German. 84
FÁBIO BORGES
02/08/2016

REFERENCIAS
REFERENCIAS
- Christ C, Brenke R, Sattler S, Siems W, Novak P, Daser A. Improvement in skin elasticity and dermal revitalization in the treatment of cellulite and - Gerdesmeyer, L. Henne, M. Gobel, M. Diehl, P. Physical principles and generation of Shock Waes, in: Extracorporeal Shock Wave Therapy Clinical
connective tissue weakness by means of extracorporeal pulse activation therapy: EPAT. Aesthet Surg J. 2008b; 28:538–544. Results, Technologies, Basics, Data Trace Publishing Company, Towson USA, 2006, pp. 11e20.
- Christ C, Brenke G, Sattler G, et al. Steigerung der Hautelastizita¨t und Revitalisierung der Dermis bei Cellulite und indegewebsschwa¨che durch die - Gerdesmeyer, L. Maier, M. Haake, M. Schmitz, C. Physical-technical principles of Extracorporeal Shockwave Therapy (ESWT), Orthopade 31 (2002)
extrakorpoale Acoustic Wave Therapy (AWT). Asthetische Dermatologie. 2008;1:2–10. 610e617.
- Dahmen GP, Meiss L, Nam VC, Skuodies B. Extrakorporale Stoßwellentherapie (ESWT) im knochennahen Weichteilbereich an der Schulter. Extracta - Gerdesmeyer, L, Wagenpfeil, S, Haake, M.,Maier, M. Loew, M, W€ortler, K, Lampe, R. Seil, R, Handle, G, Gassel, S, Rompe, JD.
Orthop 1992; 15: 25-28 “Extracorporeal shock wave therapy for the treatment of chronic calcifying tendonitis of the rotator cuff: a randomized controlled trial,” JAMA-J. Am.
- d'Agostino, M.C. et al., Shockwave as biological therapeutic tool: Frommechanical stimulation to recovery andhealing, through mechanotransduction, Med. Assoc. 290, 2573–2580 (2003).
International Journal of Surgery (2015) , http://dx.doi.org/10.1016/j.ijsu.2015.11.030
- Davis, TA, Stojadinovic, A, Anam, K, Amare, M, Naik, S, and Peoples, GE. Extracorporeal shock wave therapy suppresses the early proinflammatory - Haupt C, Haupt A, Ekkernkamp A, Gerety B, Chvapil M. Influence of shock waves on fracture healing. Urologyy. 1992 Jun;39(6):529-32.
immune response to a severe cutaneous burn injury. Int Wound J. 6, 11-21. 2009. - Hausdorf, J, Lemmens, MA, Heck, KD, Grolms, N, Korr, H, Kertschanska, S. Selective loss of unmyelinated nerve fibers after extracorporeal shockwave
- Flinte, A. Terapia por Ondas de Choque. Acessado em 16 Fev 2016, disponível em: application to the musculoskeletal system. Neuroscience. 155, 138-44. (2008).
http://www.dolorclast.com.br/humano/downloads/apostila_terapia_por_ondas_de_choque_1_1.pdf - Hausdorf, J, Lemmens, MA, Kaplan, S, Marangoz, C, Milz, S, Odaci, E. Extracorporeal shockwave application to the distal femur of rabbits diminishes
- Dymarek R, Halski T, Ptaszkowski K, Slupska L, Rosinczuk J, Taradaj J. Extracorporeal Shock Wave Therapy as an Adjunct Wound Treatment: A the number of neurons immunoreactive for substance P in dorsal root ganglia L5. Brain Res. 1207, 96-101 (2008).
Systematic Review of the Literature. Ostomy Wound Manage. 2014; 60(7): 26–39. - Ingber, D.E. Cellular mechanotransduction: putting all the pieces together again, FASEB J. 20 (2006) 811 e 827.
- Ferraro GA, De Francesco F, Cataldo C, Rossano F, Nicoletti G, D’Andrea F. Synergistic effects of cryolipolysis and shock waves for noninvasive body - Ito, K, Fukumoto, Y, Shimokawa, H. “Extracorporeal shock wave therapy as a new and non-invasive angiogenic strategy,” Tohoku. J. Exp. Med. 219, 1–9
contouring. Aesthetic Plast Surg. 2012;36: 666–679. (2009).
- Fischer, S. Mueller, W. Schulte, M. Kiefer, J. Hirche, C. Heimer, S. K€ollensperger, E. Germann, G. Reichenberger, M.A. Multiple extracorporeal shock wave - Jain A, Shah TK. Effect of air bubbles in the coupling medium on efficacy of extracorporeal shock wave lithotripsy. Eur Urol. 2007; 51:1680–7.
therapy degrades capsular fibrosis after insertion of silicone implants [PubMed: 17112655]
- Freund JB, Colonius T, Evan AP. A cumulative shear mechanism for tissue damage initiation in shock-wave lithotripsy. Ultrasound Med Biol. 2007; - Ji, HM, Kim, HJ, and Han, SJ. Extracorporeal shock wave therapy in myofascial pain syndrome of upper trapezius. Ann Rehabil Med. 36, 675-80 (2012).
33:1495–503. - Liang et al. An in-vitro Experiment on Lysing Adipose Tissue by Shock Waves. Journal of Medical and Biological Engineering. 2008: 28(4): 203-209
- Furia, JP. “Safety and efficacy of extracorporeal shock wave therapy for chronic lateral epicondylitis,” Am. J. Orthop. (Belle Mead, NJ). 34, 13–19 - Liang S et al. Animal Study on Lysing Adipose Tissue by Shock Waves. Journal of Medical and Biological Engineering. 2009: 30(3): 145-151
(2005).
- Loske AM, Alvarez, UA, Hernández-Galicia, C,Castanho-Tostada, E, and Prieto, F. E. “Bactericidal effect of underwater shock wave on Escherichia coli
- Garcia PN. Shockwave therapy to treat cellulite. Prime- International Journal of Aesthetic and Anti-Aging Medicine - June 2012. 85 86
ATCC 10536 suspensions.” Innov Food Sci Emerg Technol., 3: 321-327,2002.

REFERENCIAS REFERENCIAS
- Koshiyama K, Kodama T, Yano T, et al. 2006. Structural change in lipid bilayers and water penetration induced by shock waves: Molecular dynamics - Moghtaderi, A, Khosrawi, S, Dehghan, F. Extracorporeal shock wave therapy of gastrocsoleus trigger points in patients with plantar fasciitis: a
simulations. Biophys J, 91:2198–205. randomized, placebo-controlled trial. Adv Biomed Res. 3, 99 (2014).
- Klonschinski T, Ament SJ, Schlereth T, Rompe JD, Birklein F. Application of local anesthesia inhibits effects of low-energy extracorporeal shock wave - Müller SC, Hofmann R, Köhrmann KU, et al. 2004. Epidemiologie, instrumentelle Therapie und Metaphylaxe des
treatment (ESWT) on nociceptors. Pain Med. 2011;12:1532–1537. - Neucks JS, Pishchalnikov YA, Zancanaro AJ, von der Haar JN, Williams JC Jr, McAteer JA. Improved acoustic coupling for shock wave lithotripsy. Res
- Kudo, P, Dainty, K, Clarfield, M, Coughlin, L, Lavoie, P, Lebrun, C. “Randomized, placebo-controlled, double-blind clinical trial evaluating the treatment Urol. 2008; 36:61–6.
of plantar fasciitis with an extracoporeal shock wave therapy (ESWT) device: a North American confirmatory study,” J. Orthop. Res. 24, 115–123 (2006). - Odgen, JA, Tóth-Kischkat , A, Schultheiss , R. Principles of shock wave therapy. Clin Orthop Relat Res. 2001 Jun;(387):8-17.
- Knobloch K, Joest B, Krämer R, Vogt PM. Cellulite and Focused Extracorporeal Shockwave Therapy for Non-Invasive Body Contouring: a Randomized - Peers, K. Extracorporeal Shock Wave Therapy in Chronic Achilles and Patellar Tendinopathy (Leuven University Press, Leuven (Belgium), 2003), pp. 61–
Trial. Dermatol Ther (Heidelb). 2013; 3:143–155 75.
- Kuhn C, Angehrn F, Sonnabend O, Voss A. Impact of extracorporeal shock waves on the human skin with cellulite: A case study of an unique instance. - Perez, C, Chen, H, Matula, TJ. Acoustic field characterization of the Duolith: Measurements and modeling of a clinical shock wave therapy device. J.
Clin.l Interv Aging. 2008; 3:201–10 Acoust. Soc. Am., Vol. 134, No. 2, Pt. 2, August 2013
- Kuo YR et al. Extracorporeal shock wave enhanced extended skin flap tissue survival via increase of topical blood perfusion and associated with - Rassweilera, JJ, Knollb, T, Köhrmannc, K-U, McAteerd, JA, Lingemane, JE,. Clevelandf, RO, Baileyg, MR, Chaussyh, C. Shock Wave Technology and
suppression of tissue pro-inflammation. J Surg Res. 2007 Dec;143(2):385-92. Epub 2007 Aug 27. Application: An Update. Eur Urol. 2011 May ; 59(5): 784–796.
- Mariotto, S, Cavalieri, E. Amelio, E, Ciampa, AR, de Prati, AC, Marlinghaus, E, Russo, S, Suzuki, H. “Extracorporeal shock waves: from lithotripsy to - Rompe, JD, Decking, J, Schoellner, C, Nafe, B. “Shock wave application for chronic plantar fasciitis in running athletes: a prospective, randomized,
anti-inflammatory action by NO production,” Nitric. Oxide-Biol. Ch. 12, 89–96 (2005). placebo-controlled trial,” Am. J. Sports Med. 31, 268–275 (2003).
- Matlaga BR, McAteer JA, Connors BA, et al. Potential for cavitation-mediated tissue damage in shockwave lithotripsy. J Endourol. 2008; 22:121–6. - Rompe, JD. “Repetitive low-energy shock wave treatment for chronic lateral epicondylitis in tennis players,” Am. J. Sports Med. 32, 734–743 (2004).
- Meirer, R, Huemer, G M, Oehlbauer, M, Wanner, S, Piza-Katzer, H, Kamelger, FS. “Comparison of the effectiveness of gene therapy with vascular
endothelial growth factor or shock wave therapy to reduce ischaemic necrosis in an epigastric skin flap model in rats,” J. Plast. Reconstr. Aesthet. Surg.
60, 266–271 (2007).
- Meirer, R, Brunner, A., Deibl, M, Oehlbauer, M, Piza-katzer, H, Kamelger, FS. “Shock wave therapy reduces necrotic flap zones and induces vegf
expression in animal epigastric skin flap model,” J. Reconstr. Microsurg. 23, 231–235 (2007). 87 88
02/08/2016

REFERENCIAS
- Rompe, JD, Hopf, C, Nafe, B, and Burger, R. Low-energy extracorporeal shock wave therapy for painful heel: a prospective controlled single-blind
study. Arch Orthop Trauma Surg. 115, 75-9 (1996).
REFERENCIAS
- Wang C-J, Wang F-S, Yang KD. Biological Mechanism of musculoskeletal shockwaves. 9th International Congress of the International Society for
- Rompe, JD, Eysel, P, Hopf, C, Krischek, O, Vogel, J, and Bürger, R. Extracorporeal shockwave therapy in orthopedics. Positive results in tennis elbow
Musculoskeletal Shockwave Therapy (ISMST). 2006; News Letter ISMST, 1.
and tendinosis calcarea of the shoulder. Fortschr Med. 115, Array-33 (1997).
- Wang, CJ. “Extracorporeal shock wave therapy in musculoskeletal disorders,” J. Orthop. Surg. Res. 7, 11 (2012).
- Schlaudraff K, Kiessling MC, Császár NBM, Schmitz C. Predictability of the individual clinical outcome of extracorporeal shock wave therapy for
cellulite. Clinical, Cosmetic and Investigational Dermatology. 2014; 7: 171–183. - Wang, CJ, Sun, YC, Wong, T, Hsu, SL, Chou, WY, Chang, HW. “Extracorporeal shock wave therapy shows time-dependent chondroprotective
effects in osteoarthritis of the knee in rats,” J. Surg. Res. 178, 196–205 (2012).
- Siems W, Grune T, Voss P, Brenke R. Anti-fibrosclerotic effects of shock wave therapy in lipedema and cellulite. Biofactors. 2005;24: 275–282.
- Wiksel H, Kinn AC. Implications of cavitation phenomena for shot intervals in extracorporeal shock wave lithotripsy. BJU Int. 1995; 75:720–3.
- Schmitz C, Császár NB, Rompe JD, Chaves H, Furia JP. Treatment of chronic plantar fasciopathy with extracorporeal shock waves (review). J Orthop
Surg Res. 2013;8:31. - Williams JC Jr, Jason JF, Woodward MA, Stonehill MA, Evan AP, McAteer JA. Cell damage by lithotripter shock waves at high pressure to preclude
cavitation. Ultrasound Med Biol. 1999; 25:473–9.
- Steinbach P, Hofstaedter F, Nicolai H, et al. 1993. Determination of the energy-dependent extent of vascular damage caused by high-energy
- Yang, Y-J, Lee, S-J, Choi, M. Pressure pain threshold and visual analogue scale changes in the high and low energy extracorporeal shock wave.
shockwaves in an umbilical cord model. Urol Res, 21:279–82.
Korean Academy of Physical Therapy Rehabilitation Science. 2014;3:142-7
- Speed, C. A systematic review of shockwave therapies in soft tissue conditions: focusing on the evidence, Br. J. Sports Med. 48 (21)
- Yoo, SD. Choi, S, Lee, GJ. Chon, J, Jeong, Y.S, Park, HK, Kim, HS. “Effects of extracorporeal shock wave therapy on nanostructural and
(2014 Nov) 1538e1542.
biomechanical responses in the collagenase-induced Achilles tendinitis animal model,” Laser. Med. Sci. 27, 1195–1204 (2012).
- Sukubo, N.G. Tibalt, E. Respizzi, S. Locati, M. d'Agostino, M.C. Effect of shock waves on macrophages: a possible role in tissue regeneration and
remodeling, Int. J. Surg. (2015 Aug 18), http://dx.doi.org/10.1016/j.ijsu.2015.07.719 pii: S1743-9191(15)01117-6. - Zock, G. Terapia ESWT em lesoes no pe causadas pela diabetes. Jatros Ortopedia 1. 2009
- Valchanov, VD, Michailov, P. “High energy shock waves in the treatment of delayed and nonunion of fractures,” Int. Orthop. 15, 181–184 (1991).
- Antonic, V, Mittermayr, R, Schaden, W. Stojadinovic, A. Evidence Supporting Extracorporeal Shockwave Therapy for Acute and Chronic Soft Tissue
Wounds. WOUNDS 2011;23(7):204–215
- Wang, C. J Huiing, H. Y. and Pai, C. H. “Shock wave-enhanced neovascularization at the tendon-bone junction: an experiment in
dogs,” J. Foot. Ankle Surg. 41: 16-22, 2002.
- Wang CJ, Wang FS, Yang KD et al. Shock wave therapy induces neovascularization at the tendon-bone junction. A study in rabbits. J Orthop Res.
2003; 21: 984–
FÁBIO BORGES 89 FÁBIO BORGES 90

Você também pode gostar