Você está na página 1de 9

REDAÇÃO

Lembre-se da estrutura básica da dissertação-argumentativa

Introdução Apresente o tema e o recorte que você fará


dele. Evite fazer rodeios. É recomendável que
a tese seja exposta para direcionar a leitura e
mostrar sua linha de raciocínio. Lembre-se de
que na dissertação seus argumentos devem
ser usados para convencer quem estiver
lendo.

Desenvolviment Defenda a sua tese apresentando ideias que


o a justifiquem, de forma consistente, e
apresente seus argumentos. Essa parte é
importante, por isso coloque tudo da forma
mais clara possível para que o leitor
compreenda seu ponto de vista. Para deixar
organizado, uma dica é reservar um
parágrafo para cada argumento, analisando
todos os aspectos que você quer abordar.

Conclusão Retome as ideias expostas na introdução,


junto com os principais argumentos que a
justificam para confirmar a tese e encerrar o
debate. Diferente das outras redações, no
Enem é nessa parte que você deve
apresentar uma proposta de intervenção
social. Para ser eficiente no conjunto, essa
proposta deve surgir a partir dos pontos já
levantados na argumentação.
Para uma redação de até 30 linhas, o ideal é:

Introdução (3 a 6 linhas). 
Desenvolvimento 1 (5 a 8 linhas). 
Desenvolvimento 2 (5 a 8 linhas). 
Conclusão (4 a 6 linhas). 

O QUE É PROPOSTA DE INTERVENÇÃO?


A redação do ENEM segue um modelo de construção textual
chamado dissertativo-argumentativo, que não apenas exige que o
candidato saiba demonstrar conhecimento sobre o tema, dissertando
a respeito do assunto proposto, mas também exige a apresentação e
defesa de uma ideia para solução do problema apresentado. Esta
solução exigida, que deve ser apresentada pelo candidato, recebe o
nome de Proposta de Intervenção, pois tem como finalidade
apresentar um caminho para resolver da melhor maneira possível o
problema em discussão.

Este modelo de redação, por não ser praticado pela maior parte da
rede escolar brasileira, em especial pelas escolas da rede pública de
ensino, apresenta um grau de dificuldade que intimida aos
candidatos. Muitos deles se perdendo na proposta da redação, sendo
que, não apresentar uma boa proposta de intervenção, ou então
fugir dela, representa uma grande queda na nota final recebida pelo
texto. Para poder driblar e vencer este grande vilão das redações do
ENEM, seguir algumas dicas pode ser de grande ajuda.

COMO VENCER O PROBLEMA DA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO?


Para conseguir compor um texto de qualidade, que siga o modelo
dissertativo-argumentativo e cumpra todos os requisitos e habilidades
exigidas na prova do ENEM, sem errar na proposta de
intervenção, o candidato deve estar atento ao seguinte:

 Sua proposta de intervenção deve ser trabalhada no texto:


Utilize as linhas que possui para desenvolver bem o tema e a
solução que está apresentando.
 Não fuja do foco: Um dos maiores problemas é fugir do foco,
seja uma fuga total do tema, que resulta em uma redação
zerada, até o tangenciamento, que é a abordagem do tema de
maneira superficial. Mantenha o foco no tema e na solução, desta
forma, sua proposta de intervenção poderá ser melhor trabalhada.
 Pense em viabilidade: Sua proposta deve ser viável e plausível.
Não adianta tratar de um tema como, por exemplo, criminalidade,
defendendo que os criminosos condenados devem receber pena
de morte, o que é impossível por nossa legislação, ou que devem
ser enviados para outro planeta, o que é impossível devido à
limitações tecnológicas. Sua proposta deve ser razoável, viável e
plausível. Uma proposta coerente faz toda a diferença.
 Volte sempre para a proposta de intervenção: Não deixe
para tratar da solução apenas nas últimas linhas, desenvolva sua
proposta durante o texto e fortaleça sua posição nos últimos
parágrafos.

Com estes cuidados, a construção de um bom texto se torna muito


mais simples, além de ser possível vencer o maior vilão da redação,
que mais abaixa as notas em todo o Brasil.

Aprenda a fazer a redação do Enem passo a passo

Fazer um rascunho é essencial para se dar bem na prova

O formato de redação escolhido por grande parte dos vestibulares, inclusive o Enem, é a
dissertação-argumentativa. Esse gênero textual possibilita que o estudante construa uma
tese inicial e defenda diferentes pontos de vista ao longo do texto. Separamos aqui
algumas dicas para você construir um bom texto. Confira!

1) Veja o tema de redação e faça uma leitura cuidadosa da prova – Essa é a


principal dica e vai influenciar todo o seu desempenho. Leia e releia a proposta e os
textos de apoio. Dê uma lida também nas questões da prova. Pode ser que alguma
informação ajude no tema da redação. Atenção: essa etapa é essencial para que você não
fuja do tema.
2) Elabore o projeto de texto e escolha uma tese – Esse é o momento em que você
deve escolher a sua abordagem e os argumentos que usará para defender sua tese.
Separe as ideias principais sobre o assunto em um rascunho. Na tese, escolha um tema
que você domine para argumentar e expor o seu ponto de vista.
3) Faça a primeira versão do texto – Nessa etapa do rascunho, preocupe-se com o
conteúdo e não com a gramática. Foque sua atenção para organizar os argumentos da
melhor forma. As ideias devem fazer sentido e devem estar ligadas entre si. Um texto
bem amarrado valoriza a sua argumentação e fará com que o corretor não se sinta
confuso ao lê-lo.
4) Revise o texto: Agora é hora de corrigir a gramática e encontrar outros
errinhos na sua redação. Caso tenha dúvida na grafia de alguma palavra, tente
substituir por outra palavra ou expressão. Preste atenção para alguma frase
sem sentido ou perdida no texto e avalie se há coerência entre as ideias.
5) Passe o texto a limpo: Finalmente, essa é a última etapa da redação. Por
isso a importância de preparar seu texto em um rascunho. Respeite o limite de
linhas e não coloque informações fora da área de correção.
A introdução: qual a melhor forma de começar uma redação?
A introdução é o 'cartão de visitas' da sua redação. Logo, além de
apresentar a tese a ser defendida, ela deverá conter um toque a mais de
criatividade, pois é essa criatividade que irá prender a atenção do leitor e fazer
com que ele tenha curiosidade de ler o texto até o final.

Portanto, você deve tentar evitar expressões comuns como: atualmente; hoje em
dia; antigamente; desde os tempos mais remotos...

O desenvolvimento de uma redação


O desenvolvimento é a parte mais longa de uma redação, assim como
também uma das partes mais importantes. No caso da dissertação, é
nesse momento que você vai esclarecer seu ponto de vista e criar argumentos
que sustentem suas ideias.

E é também no desenvolvimento que você vai provar que realmente domina o


tema proposto.
A conclusão é a parte final da dissertação. Seu objetivo é retomar a tese
exposta na introdução e apresentar um resumo das ideias da sua redação.
Antes mesmo de começar a escrever seu texto, é muito importante que você
saiba aonde quer chegar, pois dessa forma poderá organizar e planejar seus
argumentos. 

Agora, apresentarei três exemplos de como se concluir uma redação:

 Proposta de intervenção: Na minha opinião, é a melhor forma de se


concluir uma redação. Nesse caso, você deverá apresentar uma proposta de
intervenção, uma solução para o problema que está sendo discutido. Se você
escolher esse tipo de conclusão, tente ir além daquelas fórmulas prontas: "a
sociedade deve ser conscientizada", "devem ser organizadas campanhas e
atividades educativas", "a sociedade precisa se unir"... 
 Síntese / pequeno resumo: A maneira mais fácil de concluir uma
redação é escrevendo uma espécie de resumo do que foi argumentado no
desenvolvimento a fim de confirmar a tese que foi exposta na introdução. 
 Final surpreendente: Nesse caso, você pode usar, por exemplo, uma
citação famosa, um fato histórico ou uma piada para concluir sua dissertação, a
fim de provocar uma reflexão sobre o que foi dito durante a redação.

CITAÇÕES PARA USAR EM SUA REDAÇÃO


“Se a educação sozinha não pode transformar a sociedade, tampouco
sem ela a sociedade muda.” (Paulo Freire)

“A natureza fez o homem feliz e bom, mas a sociedade deprava-o e


torna-o miserável”. (Jean Jacques Rousseau)

“Tornou-se aterradoramente claro que a nossa tecnologia ultrapassou


a nossa Humanidade” (Albert Einstein)

“Os direitos humanos são violados não só pelo terrorismo, a


repressão, os assassinatos, mas também pela existência de extrema
pobreza e estruturas econômicas injustas, que originam as grandes
desigualdades.” (Papa Francisco)
“A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar
o mundo.” (Nelson Mandela)

“A democracia não é apenas a lei da maioria, é a lei da maioria


respeitando o direito das minorias.” (Clement Attlee)

“O indivíduo só poderá agir na medida em que aprender a conhecer o


contexto em que está inserido, a saber quais são suas origens e as
condições de que depende. E não poderá sabê-la sem ir à escola,
começando por observar a matéria bruta que está lá representada.”
(Émile Durkheim)

“O novo não está no que é dito, mas no acontecimento de sua volta.”


(Michel Foucault)

 “A insatisfação é o primeiro passo para o progresso de um homem ou


de uma nação.” (Oscar Wilde)

“Se queres prever o futuro, estuda o passado.” (Confúcio)

“O homem nasce livre, mas por toda parte se encontra acorrentado.”


(Jean Jacques Rousseau)

“Quem conduz e arrasta o mundo não são as máquinas, são as


ideias.” (Victor Hugo)

“Não corrigir nossas falhas é o mesmo que cometer novos erros.”


(Confúcio)

“Todo o progresso é precário, e a solução para um problema coloca-


nos diante de outro problema.” (Martin Luther King)

“Nada no mundo é mais assustador que a ignorância em ação.”


(Goethe)

“Todos nós nascemos originais e morremos cópias.” (Carl Jung)

“Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das


consequências. ” (Pablo Neruda)

 “A liberdade é para o homem o que o céu é para um condor.” (Castro


Alves)
“Se deres um peixe a um homem faminto, vais alimentá-lo por um
dia. Se o ensinares a pescar, vais alimentá-lo toda vida.” (Lao Tsé)

“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.”


(Cora Coralina)
“Toda hora é hora de fazer o que é certo.” - Martin Luther King
“O ser humano é aquilo que a educação faz dele.” - Immanuel Kant
“Eduquem as crianças e não será necessário castigar os homens.” - Pitágoras
"A injustiça num lugar qualquer é uma ameaça à justiça em todo o lugar." -
Martin Luther King"
O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons." - Martin
Luther King
"Todos os homens têm, por natureza, desejo de conhecer" - Aristóteles
"Os fins justificam os meios" - Maquiavel | "O mundo se tornou mais parecido
com aquele de Maquiavel" - Bertrand Russell
"O homem nasce livre e por toda parte encontra-se acorrentado" - Jean-
Jacques Rousseau
"A vontade geral deve emanar de todos para ser aplicada a todos" - Jean-
Jacques Rousseau.
"Deixe a mulher compartilhar dos direitos e ela emulará as virtudes do
homem" - Mary Wollstonecraft
"Todo homem toma os limites de seu próprio campo de visão como os limites
do mundo" - Arthur Schopenhauer
"Sobre seu próprio corpo e mente, o indivíduo é soberano" - John Stuart Mill
"A história de todas as sociedades até hoje existentes é a história da luta de
classes" - Karl Marx
"Deve o cidadão, por um momento sequer, renunciar à sua
consciência em favor do legislador?" - Henry David Thoreau
"O homem é uma corda estendida entre o animal e o super-homem: uma
corda sobre um abismo" - Friedrich Nietzsch
"Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados
a repeti-lo" - George Santayana
"A história não nos pertence: nós pertencemos a ela" - Hans-Georg Gadamer
"Quanto aos homens, não é o que eles são que me interessa, mas o que eles
podem se tornar" - Jean-Paul Sartre
"O sentido fundamental da liberdade é liberdade dos grilhões" - Isaiah Berlin
"O que faríamos sem uma cultura?" - Mary Midgley
"A arte é uma forma de vida" - Richard Wollheim
"Os Estados não são agentes morais; as pessoas são" - Noam Chomsky
"A sociedade é dependente da crítica às suas próprias tradições" - Jürgen
Habermas
"Que tipo de mundo podemos preparar para os nossos bisnetos?" -
Richard Rorty
"Se podemos contar uns com os outros, não precisamos depender de mais
nada" - Richard Rorty
"Sem um fim social o saber será a maior das futilidades." - Gilberto
Freyre
"A educação tem raízes amargas, mas os seus frutos são doces." - Aristóteles
"É no problema da educação que assenta o grande segredo do
aperfeiçoamento da humanidade." - Immanuel Kant
"A boa educação é moeda de ouro. Em toda a parte tem valor." - Padre Antônio
Vieira
"Toda a educação, no momento, não parece motivo de alegria, mas de tristeza.
Depois, no entanto, produz naqueles que assim foram exercitados um fruto de
paz e de justiça." - Bíblia (Hebreus 12:11)
"A vida deve ser uma constante educação." - Gustave Flaubert
"O resultado mais sublime da educação é a tolerância." - Helen
Keller
"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." -
Cora Coralina
"A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para
mudar o mundo." - Nelson Mandela
"Devemos promover a coragem onde há medo, promover o acordo onde existe
conflito, e inspirar esperança onde há desespero." - Nelson Mandela
"A maior necessidade de um Estado é a de governantes corajosos." - Johann
Goethe
"Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco
sociedade muda." - Paulo Freire
"Ninguém liberta ninguém. As pessoas se libertam em comunhão." -
Paulo Freire
"Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes." - Paulo Freire
"Ninguém é sujeito da autonomia de ninguém." - Paulo Freire
Na obra “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, o realista Machado de
Assis expõe, por meio da repulsa do personagem principal em relação
à deficiência física (ela era “coxa), a maneira como a sociedade
brasileira trata os deficientes. Atualmente, mesmo após avanços nos
direitos desses cidadãos, a situação de exclusão e preconceito
permanece e se reflete na precária condição da educação ofertada
aos surdos no País, a qual é responsável pela dificuldade de inserção
social desse grupo, especialmente no ramo laboral.
Convém ressaltar, a princípio, que a má formação socioeducacional
do brasileiro é um fator determinante para a permanência da
precariedade da educação para deficientes auditivos no País, uma
vez que os governantes respondem aos anseios sociais e grande
parte da população não exige uma educação inclusiva por não
necessitar dela. Isso, consoante ao pensamento de A. Schopenhauer
de que os limites do campo da visão de uma pessoa determinam seu
entendimento a respeito do mundo que a cerca, ocorre porque a
educação básica é deficitária e pouco prepara cidadãos no que tange
aos respeito às diferenças. Tal fato se reflete nos ínfimos
investimentos governamentais em capacitação profissional e em
melhor estrutura física, medidas que tornariam o ambiente escolar
mais inclusivo para os surdos.
Em consequência disso, os deficientes auditivos encontram inúmeras
dificuldades em variados âmbitos de suas vidas. Um exemplo disso é
a difícil inserção dos surdos no mercado de trabalho, devido à
precária educação recebida por eles e ao preconceito intrínseco à
sociedade brasileira. Essa conjuntura, de acordo com as ideias do
contratrualista Johm Locke, configura-se uma violação do “contrato
social”, já que o Estado não cumpre sua função de garantir que tais
cidadãos gozem de direitos imprescindíveis (como direito à educação
de qualidade) para a manutenção da igualdade entre os membros da
sociedade, o que expõe os surdos a uma condição de ainda maior
exclusão e desrespeito.
Diante dos fatos supracitados, faz-se necessário que a Escola
promova a formação de cidadãos que respeitem às diferenças e
valorizem a inclusão, por intermédio de palestras, debates e
trabalhos em grupo, que envolvam a família, a respeito desse tema,
visando a ampliar o contato entre a comunidade escolar e as várias
formas de deficiência. Além disso, é imprescindível que o Poder
Público destine maiores investimentos à capacitação de profissionais
da educação especializados no ensino inclusivo e às melhorias
estruturais nas escolas, com o objetivo de oferecer aos surdos uma
formação mais eficaz. Ademais, cabe também ao Estado incentivar a
contratação de deficientes por empresas privadas, por meio de
subsídios e Parcerias Público-Privadas, objetivando a ampliar a
participação desse grupo social no mercado de trabalho. Dessa
forma, será possível reverter um passado de preconceito e exclusão,
narrado por Machado de Assis e ofertar condições de educação mais
justas a esses cidadãos.