Você está na página 1de 15

VIOLÊNCIA NAS UNIVERSIDADES: desacATOS?

Cleildes Marques de Santana ( CEHU – UFOB / cleildes.santana@ufob.edu.br ); Camilla Borges (CEHU – UFOB /
camillaborges246@gmail.com) ; Clayton Rodrigues ( CEHU – UFOB / pretomisturado@gmail.com) ; José Diego
Souza ( CEHU – UFOB / diegomalaquias56@gmail.com)

No Brasil, “novos” conteúdos de violências, manifestos ou silenciados, vem ocorrendo nas universidades e no
sistema social, em geral. Objetiva-se analisar a interface e capilaridade no ambiente acadêmico e social
considerando a perspectiva interseccional que demarcam, revelam, articulam e espelham não somente as
formas de violências, bem como de resistências, estratégias e enfrentamentos construídos. O universo da
pesquisa é constituído por fatos ocorridos em algumas universidades no Brasil, pós – golpe de 2016 ( PUC -
SP; ESALC – SP ; UFOB; UFPE; UFBA; UFRB; UFPA; UDESC; UFRGS, UFSC, IFSC, UFPR, UFMG e
UFMT) considerando os diversos atores e instâncias envolvidas ( MPF; Justiça Federal, Ouvidorias, Grupos
de apoio e ativismos, etc.) coletados no âmbito de estudos e pesquisas do Grupo de Pesquisas, Resistências e
Estudos Anti – Violências Contemporâneas (GPreto: Ousa quem fala!) vinculado ao CEHU (Centro das
Humanidades ) da UFOB (Universidade Federal do Oeste da Bahia ) - Campus Barreiras – Bahia, bem como
de projeto de pesquisa sobre o tema (PIBIC – UFOB – CNPQ / 2018). Objetivamos identificar o ciclo de
violências, formas de publicização das denúncias, estratégias de resistências e enfrentamento, etc, bem como
problematizar e evidenciar, de um lado, para decorrências profissionais, sociais e políticas resultantes deste
processo para aqueles que ousam falar e são “vitimados” ou re-existentes no cenário acadêmico e político da
sociedade contemporânea, e de outro, para os limites e falência da Democracia moderna.
Palavras – Chave: Violências; Educação Superior; Governamentalidade

Introdução Estas formas de violências, como dito,


No contexto da realidade brasileira, têm sido recorrentes nos seus diversos e
vivemos um estado de exceção em contraponto “novos” formatos, como também ganhado
ao estado democrático de direito onde tem sido novos espaços de publicização e difusão, a
recorrente na maioria das mídias a exemplo das inúmeras redes digitais sociais,
publicização cotidiana de fatos, formas e que configura um novo espaço público, para
modulações de violências de várias naturezas, alguns mais violento, mais polarizado,
particularmente agravado com o golpe de 2016 dogmático ou simplesmente um novo veículo
em razão da destituição da presidenta Dilma de comunicação de massa; auto - comunicação
Rousseff. Não podemos esquecer as várias ou uma nova forma de participação
modulações de violências, amplificadas (Castells:2001; Di Felice: 2017; Veloso:
sobretudo com a recente eleição do então 2018).
presidente da república, capitão da reserva, em Nosso objetivo é desvelar nesta
outubro do presente ano. configuração as violências ocorridas no
âmbito acadêmico à luz da perspectiva

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
interseccional, focalizando por um lado, a para aqueles que ousam falar e são
interface entre aquelas manifestas / “vitimados” ou re-existentes no cenário
espetacularizadas ou àquelas “silenciadas”/ acadêmico e político da sociedade
silenciosas, seja envolvendo os vários contemporânea, e de outro, para os limites e
membros das comunidades acadêmicas das falência da Democracia moderna. A pergunta
várias instituições federais de ensino e fio condutor desta pesquisa encontra -se
educação superior no Brasil onde ocorreram lastreada pela seguinte reflexão: Se tais
exemplos de assédios, coerção, violência eventos, atravessados por questões de
física, desqualificação intelectual, natureza a priori macro (politicas, jurídicas,
perseguição, agressão moral e psicológica, etc etc), instalam-se em práticas cotidianas não só
identificados em nossa pesquisa, e de outro, do ambiente acadêmico e atingem várias
como sinalizam para diversas nuances onde dimensões do indivíduo enquanto
se articulam e espelham formas de controle, encaminhamentos e instrumentos de controle
poder e anuência aos ditames de vários social, quais e onde estão as brechas, nichos e
poderes contemporâneos (Estado, MPF, possibilidades de mudança e ruptura com esta
Grandes produtores locais, milícias, etc). configuração?
O uso e alusão interrogativa ao termo METODOLOGIA
desacATOS, em nosso subtítulo, sinaliza por
Os princípios que subsidiaram,
um lado, para as modulações de violências
metodologicamente, as atividades desta
seja nos âmbitos do binômio dos espaços:
reflexão teve como fundamento a ideia de que
público / privado; real / digital, e de outro para
as práticas de violências e encaminhamentos
a discussão saber – poder, enquanto
materializados nas organizações ( real e
perspectiva teórica – metodológica. Este
digital ) devem ser captados e apreendidos à
percurso dar – se – á usando o recurso do ciclo
luz de uma perspectiva crítica e reflexiva, ou
de violências que contempla os contextos
seja, considerando a perspectiva metodológica
sócio-políticos de ocorrências dos fatos; o
genealógica, enquanto recurso que permitirá
escopo de sua publicização e desdobramentos,
desvelar os formatos e modulações de
bem como as estratégias de atuação,
violências como tramas de diversos discursos
resistências e enfrentamento, etc dos diversos
que se formam / transformam , revelando as
atores envolvidos. Na forma de síntese,
redes da relação Saber – Poder.
apontaremos as decorrências profissionais,
sociais e políticas resultantes deste processo No que concerne ao “garimpo” dos
dados, optamos pelo levantamento de

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
informações na internet ( blog’s, sítios, redes de fatos relacionados a violência que ou são
sociais,etc ) a partir de 2016, mas não silenciados ou ganham formatos
exclusivamente, bem como recorremos a encaminhamentos e resoluções que precisam
pesquisa documental organizacional ( sites ser problematizadas ( Akerman, M. et al:
oficiais; anuários, relatórios de ouvidorias, 2014). Conforme, outros estudos:
dossiês, banco de dados, documentos
O registro e a difusão dos crimes violentos como
institucionais – processos, sindicâncias, etc ; o roubo/latrocínio e estupro no interior das
universidades brasileiras, que até então tinham
narrativas dos principais envolvidos ou como expoente principal episódios, em geral,
voluntários, etc ) que revelam dentre outras vinculados aos trotes homofóbicos/machistas,
trouxeram para esses espaços o debate sobre a
questões a interface das questões micro e necessidade, a função e os limites da prevenção,
do controle e da punição. O que era sempre um
macro estruturais que envolvem e subsidiam objeto de problematização externo, a violência na
esta problemática das formas de violências nos sociedade, passou também a ser vivido como um
problema interno nas universidades. (Oliveira:
diversos segmentos organizacionais 2015)
investigados. Portanto, não buscaremos aqui criar ou

Cabe destacar, que no âmbito da sinalizar para princípios punitivos, de controle,

pesquisa documental, incluímos e aceitamos tipologia ou tipificação que enquadrem as


formas de violências, via perspectivas
relatos ou contribuições anônimas, ou não, de
voluntários (oral, documental e presencial) por macroestruturais, considerando o aumento e

considerar relevante algumas das principais índices de criminalidades como fundamentos

dificuldades de quem vivencia eventos de destas, nem tampouco fazer uso de abordagens
bio -clinico – psicologizantes.
violências, já que contempla: dor, a solidão, o
medo, protesto, etc. Acreditamos que trata -se Problematizamos sobretudo, por um lado, a

de: reprodução e materialização, por via


institucional, dos mesmos mecanismos
(…) ferramentas não estruturadas, que visa a
profundidade, de aspectos específicos, a partir encontrados e materializados no ambiente da
das quais emergem histórias de vida, tanto do sociedade em geral, ou seja, o espelhamento
entrevistado como as entrecruzadas no contexto
situacional. (..) visa encorajar e estimular o quase que imediato em algumas situações dos
sujeito entrevistado (informante) a contar algo
encaminhamentos similares de instituições
sobre algum acontecimento importante de sua
vida e do contexto social. (Bauer: 2002) extra – acadêmicas, ou ainda um modus
No âmbito da universidade, isto
operandi, particular, destas instituições que
não é diferente, já que são recorrentes, ainda,
resultam em leis e dinâmicas próprias,
as práticas de trotes, bullyng, assédios,
desconectadas de princípios éticos universais
racismos, suicídios, etc o conjunto mais amplo

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
do campo do direitos humanos, ou seja, é na divulgados publicamente ( Cruz; Miller:
síntese desta problematização que buscamos 2017), em consonância ainda com a proposta
desvelarmos as estruturas de dominação entre de Feyerabend (1989) quando assinala a
os que “querem manter privilégios e os que se importância de violar e transcender a regras e
rebelam contra a opressão” (MINAYO e adota-las como regra oposta, ou seja, se o
SOUZA, 1998). Assim, a análise documental silêncio tem sido a marca, indelével, nas
constituiu uma técnica importante na pesquisa práticas de violências , então que à luz dos
qualitativa, seja complementando informações fundamentos e estratégias desta pesquisa
obtidas por outras técnicas, seja desvelando torne-se elementos fundantes de reflexão e
aspectos novos de um tema ou problema ação desta problemática para o entendimento
(Ludke e André, 1986). das estratégias de resistências e
enfrentamentos construídas por diversos
É no âmbito desta configuração que
autores.
buscamos identificar os casos ocorridos nas
Operacionalmente, realizamos as
universidades brasileiras a partir do golpe de
seguintes estratégias : Em um primeiro
2016. Consideramos, portanto, como condição
momento realizamos o garimpo da produção
sine qua non para a sua operacionalidade a
correlação entre histórias de vida e contexto
jornalística ou organizacional dos fatos; Em

situacional, haja vista que os casos, fatos ou seguida, a compilação de documentos


eventos a serem investigados encontram-se ou institucionais das organizações tendo como
ocorreram em diferentes ambientes da sociedade propósito sistematiza-los considerando os
( real e digital ) seguintes dados: Ano; Região; Organização –

Destacamos ainda, considerando que Lugar - Acontecimento, materialidade dos

teoria e metodologia caminham juntas, enunciados, que marca a especificidade da

inseparáveis e capazes de encaminhar os analise discursiva nas redes digitais sociais e

impasses teóricos para o desafio da prática mecanismos de denúncias; Publicidade do

(Minayo, pag.17) a necessidade de incorporar- fato; Desdobramentos; Estratégias de

se à pesquisa, por extensão, a questão do resistências e enfrentamentos, seja via

“fenômeno do silêncio”, seja o silêncio sindicatos ou associações ou grupos de amigos

motivado pela ausência de dados e tendo como propósito a reconstrução da

informações coletados pelas fontes e (b) o cronologia dos fatos e por resultante evidenciar

silêncio motivado pelo impedimento de que os o ciclo de violências no cotidiano real /

dados e informações coletados sejam virtual . (SUÁREZ: 2008)

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
A análise dos conteúdos e materiais de pesquisas no ambiente acadêmico
coletados tiveram como suporte a análise do ressaltamos a seguinte preocupação:
discurso e de conteúdo, que permitiu apontar Inicialmente elaboramos um projeto de
também, de maneira analítica, como os atores, pesquisa no âmbito do Centro de Humanidades
organizações e outras instâncias atuam como da UFOB, em 2016. Posteriormente,
fonte reprodutora de mecanismos encontrados agregamos outras pessoas (docentes e
em esferas e instâncias extra – acadêmicas discentes) em torno da presente reflexão e
(GREGOLIN: 1995). solicitamos a criação de um grupo de pesquisa
sobre o tema no âmbito da universidade e
RESULTADOS E DISCUSSÕES
registro no CNPQ. Mesmo sem a certificação
Segundo fontes da Procuradoria oficial do grupo de pesquisa Gpreto: Ousa,
Federal dos Direitos do Cidadão, em abril quem fala! no momento de inscrição de
deste ano, foram encaminhados 63 ofícios a projetos de pesquisa do PIBIC 2018,
universidades no Brasil solicitando concorremos a seleção e obtivemos não só
informações sobre seu conteúdo; critérios de aprovação de projeto de pesquisa tendo como
implementação e órgão responsável por recorte as violências acadêmicas na região
acompanhar e “monitorar” as políticas de Oeste, como também 01 bolsa de Iniciação
ações afirmativas implementadas no âmbito cientifica. Considerando um conjunto de fatos
das universidades. Cabe fazer dois registros: a) ocorridos durante este processo de registro e
O grupo de acompanhamento e monitoramento certificação entendemos como necessária, em
foi criado em março de 2018, é integrado por um outro momento, realizarmos uma reflexão
representantes do MPF, b). Uma docente do crítica e aprofundada sobre os procedimentos
Ceará, da escola de educação infantil e burocráticos vis a vis de princípios
fundamental Tarcila Cruz de Alencar, foi “operacionais”, cerceamento e represamento
afastada de sala de aula de acordo com institucional para legitimar atividades de
denúncia após sofrer retaliação por ter pesquisas desta natureza.
ministrado aula sobre o tema “ Patrimônio
Sendo assim, os dados da pesquisa em
material, imaterial e natural de matriz africana,
tela são resultantes da pesquisa iniciada em
agora em abril. (In: Site do MPF. Procuradoria
2016, bem como dos primeiros resultados
Geral da república. 09 de maio de 2018).
coletados no âmbito do projeto do Pibic 2018,
Para exemplificação de outras em curso. Inicialmente, optamos por
dificuldades de materialização do tema através apresentar os fatos que ensejou a escrita deste

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
artigo, tendo como foco os seguintes cenários participar com a presença de um advogado.
abaixo. Estes fatos foram arrolados via Identificamos neste caso, um conjunto
pesquisa online, pesquisa documental, etc dos expressivo de irregularidades de
quais elencamos aqueles que sinalizam para a encaminhamentos institucionais, a exemplo de
possibilidade e efetividade do exercício da ausência de comunicação formal do fato ao
interseccionalidade e que permitem desvelar o ator principal; zum zum e publicização
ciclo de violência, que nos parece antecipada e indevida do desfecho do PAD na
significativos da discussão pretendida: rádio – corredor; divulgação de documentos
anônimos e apócrifos, etc conforme a peça de
a) Cenário I - O golpe de 2016 e o
assombro das conduções coercitivas Alegações finais do referido processo. Neste se
como pau de arara da Democracia. aponta algumas questões sobre a arbitrariedade
“(...) a luta por direito é luta pela vida. E a vida
do fato; suas inconsistências; a trajetória do
livre ultrapassa as leis e os tribunais, porque
esteve e estará antes, durante e depois deles. Não “acusado”; os termos da acusação (assédio
está abaixo ou acima: a vida livre está fora. As
regras são móveis e voltadas para a liberdade moral, fazer uso de álcool e tabaco no ambiente
quando dispensadas de recompensas e acadêmico), bem como o depoimento do
punições”(Passeti: 2017 )
“acusado” que descredencia detalhadamente
No mosaico dos fatos ocorridos em 2016,
os conteúdos das testemunhas ouvidas.
destacamos inicialmente o caso que envolveu
(SCHECAIRA, Sergio Salomão. Alegações finais.
o Prof. Edison Passeti, na PUC – SP, onde o
In: revista Ecopolitica. Janeiro de 2017).
mesmo foi indiciado por conta da denúncia de
uma outra docente sobre o uso de cigarro, Em outro documento, o próprio

álcool e tratamento não cordial no ambiente “acusado” relata detalhadamente todos os

acadêmico, durante o lançamento do livro trâmites do processo desde o recebimento da

Heliana Conde – Ensaios sobre Michel notificação onde aponta inclusive que foi

Foucault no Brasil. Conforme relato do retirado do processo as calunias sobre ao uso

professor, este recebeu notificação em sua de cigarros e bebidas alcoólicas do referido

residência para comparecer em oitiva por conta processo. Dedica-se de maneira brilhante a

da abertura de um PAD encaminhado pela questionar e questionar-se no âmbito

Reitora da época, Anna Cintra. Conforme os acadêmico, seja por conta de suas preferências

fatos apurados o referido docente só foi políticas, ou formas de “ver” o mundo; da

notificado após 02 meses de abertura dos tentativa via este processo em transforma-lo

trabalhos, tendo sido notificado inclusive após como “exemplo” de punição exemplar

a oitiva de testemunhas, sem ter-lhes ofertado enquanto decisão política, do qual ressaltamos:

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
“Passei a ser um professor – pesquisador a UFRGS e a Unisinos, com operações da
dispensável depois de 40 anos, por que sou caro;
porque alguns me acham um incomodo; porque não Policia Federal para averiguar desvios de
me calo e exponho racionalidade e paixões; ou valores em programas de pós-graduação e
porque faço parte de um imponderável pacote de
revanches? ( In: O que eu faço aqui ? Passeti: bolsas de pesquisas. Intitulada Operação PHD,
2016 ) supostamente consistia na inclusão de bolsistas
Finaliza apontando os sabores e sem qualquer vínculo com as universidades e
dissabores da vida na universidade, das posteriormente repassado para os integrantes e
contradições e diversidade inerente e o seu coordenadores dos programas de pós-
lugar nesta: graduação. Na mídia televisiva e online, foi
“A vida na universidade pode ser e é contraditória, possível acompanhar todo o espetáculo desta
mas quando nela se esquece o bom senso, pode -se
operação, onde foram presos três professores e
descambar para insensatez e estupidez. Não sou o
que me acusam. Meu sangue é de doador universal, servidores da UFRGS e uma professora da
mas meu trabalho nunca foi e nem será denegrido,
mais usurpado, e muito menos minhas atitudes e Unisinos.
condutas. Não estou disponível a ser enquadrado
como degenerado ou degradado” (Ibidem) Cabe ressaltar que estas operações
Durante este processo encontramos inauguraram o primeiro conjunto de ações de
diversas, inúmeras manifestações de apoio de ataques as universidades, neste período. Em
colegas, docentes e discentes, individualmente todas as ações realizadas destaque - se para o
do professor; de associações acadêmicas e uso abusivo das conduções coercitivas dos
agremiações sindicais; petição online pedindo supostos “acusados “; e por resultante o
o arquivamento do processo, instituições espetáculo midiático em torno destas
periódicas e acadêmicas que suspenderam suas operações para “mostrar” trabalho a
publicações até que o caso foi finalizado, etc população, se encaixando na “onda geral de
enfim posicionamentos que revelam não só a que temos que combater a corrupção a
inconsistência do fato, mas sobretudo a polidez qualquer custo “ ou como afirmou Singer, (...)
de caráter do referido professor. É sabido que uma ação orquestrada e arbitraria, usando os
o processo foi encerrado 09 meses depois, mecanismos de exceção abertos pela
exatamente em outubro de 2017, sem nenhuma conjuntura política, no sentido de desmontar e
penalidade como previa, a saber, a exoneração desmoralizar o ensino superior no Brasil. (El
do professor. Pais: 2016).

Um segundo rol de fatos envolveu Um terceiro rol de fatos relacionados


universidades no sul do Brasil, particularmente ao tema, tem como foco a Universidade
Federal do Oeste da Bahia. Considerando em

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
alguma medida, a acessibilidade a dependências da UFOB em decorrência de
problemas no sistema online de visualização
documentos, informações e mesmo a vivência
de notas finais que estava off-line.
em alguns destes, foi possível arrolar um  Caso 04: Aluno do curso do BI de
Humanidades e integrante da PM – Barreiras
conjunto quanti qualitativo significativo
tenta agredir verbalmente docentes e
destes. Cabe ressaltar que a UFOB é uma discentes em Praça Pública em atividade
acadêmica Contra a Cultura do estupro.
universidade resultante do desmembramento
 Caso 05: Aluno do curso do BI de
da UFBA. Criado em 2006, como unidade da Humanidades e integrante da PM – Barreiras
UFBA e denominada ICADS – Instituto de desqualifica publicamente em auditório da
UFOB, com xingamentos e palavras de baixo
Ciências Ambientais e Desenvolvimento calão, docentes e discentes em atividades
Sustentável – foi desmembrada em 2015, preparatórias do PPC do curso de BI de
Humanidades.
ganhando projeção e reconfiguração numérica  Caso 06: Aluno do curso do BI de
e relevante quanto ao número de serviços e Humanidades e integrante da PM – Barreiras
agride fisicamente 03 estudantes,
cursos oferecidos. Identificamos, além dos publicamente, em auditório da UFOB em
eventos de violências, um conjunto de ações assembleia estudantil durante a votação da
PEC 241 - 55.
desastrosas, seja do ponto de vista  Caso 07: Aluno do curso de Medicina da
procedimental, tanto quanto pela enorme UFOB e integrante da PM – Barreiras agride
fisicamente estudantes; desqualifica e
complexidade, tendo em vista que envolvem: ameaça docente em ato público contra a PEC
ameaça pública; agressão física, 241 – 55.
 Caso 08: Docente é indiciado sob acusação
desqualificação intelectual e moral. A título de de “falta de urbanidade” ;
descrição e conhecimento compilamos os Como dito anteriormente, não só a
seguintes casos: quantidade, mas a complexidade dos eventos

 Caso 01: Ameaça de morte, pública, por encontrados obriga – nos, pela exiguidade do
integrantes da tropa da PM e discentes aos espaço, a destacar os eventos que merecem
discentes e 03 docentes da UFOB, dentro do
campus Prainha - Barreiras; maior atenção; reúnem maior números de
 Caso 02: Alunos dos cursos de Engenharia fontes e desdobramentos. Neste sentido,
civil e Medicina protagonizaram trotes
violentos do ponto de vista discursivo e em ressaltamos os casos de número: 01, 03, 06 e
sua materialidade: criaram um texto, no 07
formato de juramento contendo frases
preconceituosas e machistas, bem como O evento 01, foi retratado por docentes
obrigavam os alunos a se colocarem na
condição de escravos; envolvidos na lista de e-mail da universidade.
 Caso 03: Aluno do curso do BI de Segundo estes, professores docentes de cursos
Humanidades, além de desqualificar moral
e intelectualmente uma docente, tenta agredi- noturnos, avistaram a presença da viatura da
la, publicamente, fisicamente, nas polícia militar no interior do campus. Se

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
aproximaram dos integrantes desta e em áudio, com testemunhos de guardas e
solicitaram informações de qual motivo alunos. Imediatamente foi registrado no comitê
estariam dentro do campus. Segundo estes de ética, com todos os documentos
docentes, além das palavras de baixo calão comprobatórios, inclusive registro de
proferidas pelos PM’s, ouviram de maneira ocorrência policial no âmbito local, entretanto
direta que ( ...) após a ponte não era mais área somente após 01 ano, a direção da unidade
federal”, em alusão ao fato de uma ponte abriu sindicância que culminou em uma síntese
separa o terreno e espaço da universidade, área controversa, tendo em vista que apesar de
federal, dos limites da cidade. Após o evento, reconhecer a gravidade do fato, não indica
estes docentes fizeram a denúncia na lista objetivamente um encaminhamento objetivo
docente cobrando respostas ao fato. Alguns ou esclarecedor do fato. Cabe destacar que
dias passados, recebemos nesta mesma lista este evento teve desdobramentos, inclusive
docente um documento assinado pela PG da pelo fato de que o discente recorrentemente
universidade sobre a presença da polícia nos agia de maneira similar como outros docentes
campi nas universidades. Pelo teor e que optaram pelo silêncio ou outras formas de
entendimento do conteúdo deste, resolução dos fatos.
particularmente dos casos arrolados no estudo,
Já os casos 06 e 07, agregam
entende - se que haveria legitimidade para a
componentes gritantes de como a violência se
presença destes PM’s nos campi. Quando
instaurou no ambiente da universidade. No que
cobrados sobre o sentido deste documento e
se refere ao primeiro, temos como cenário a
sua relação com o evento ocorrido na
luta contra a PEC 241 e as diversas ocupações
universidade, recebemos como resposta de que
de escolas e universidades em todo pais. No
tratava- se de um estudo “genérico” enviado
calor dos outros eventos da época, os discentes
inadequadamente para a referida lista docente.
da UFOB decidiram por realizar uma
Ainda hoje, é possível encontrar PM’s ou
assembleia estudantil onde decidiriam se
viaturas no interior do campus, sem qualquer
entrariam em greve e realizariam a ocupação
medida efetiva ou pública, a exemplo do
da universidade. Conforme pode ser visto em
ocorrido e denunciado no último dia 31 de
diversas mídias (Mídia Ninja; Facebook –
outubro de 2018 às instancias responsáveis e
Perfil IFbaocupada ) durante a realização da
que não obtivemos resposta.
contagem de votos favoráveis e contrários um
O caso de número 03, ocorreu nas estudante do curso de Bacharelado
dependências da universidade. Foi registrado interdisciplinar em Humanidades e também

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
membro da corporação da polícia militar do b) Cenário II – O fascismo pousa nas
universidades... em pleno século
estado, incide sobre os alunos com celular em
XXI !
mãos e tem início uma sequência de agressões
“Muitas mãos invisíveis o empurraram das alturas.
físicas. Posteriormente foi contabilizado via Mãos de quem, tendo o poder de prender sem
flagrante, e de começar uma investigação pela
perícia médica, agressão a 03 estudantes, coerção, constrangimento e prisão dos suspeitos.
sendo uma delas do sexo feminino. A Não chegam a perceber que o método rustico revela
a incapacidade de cumprir seus deveres e
universidade abriu sindicância e somente em obrigações com inteligência, método e moderação”
2017 aplicou a penalidade de advertência ao (Pronunciamento do amigo Nelson Wekedin,
na cerimônia fúnebre do Reitor Luiz Cancellier
agressor, conforme portaria divulgada. que cometeu suicídio após prisão em operação
da PF na UFSC: 2017)
Igualmente ao evento anterior, é possível
O conjunto de eventos relativos a 2017,
acessar e visualizar nas mídias digitais a
além de expressarem um aumento significativo
agressão de policiais militares aos estudantes e
de ataques às universidades, com a
docentes da UFOB em evento público e
continuidades das operações da Polícia federal
pacifico no final da luta contra a PEC 241, no
ganham contornos mais diretos no que diz
centro da cidade. Distintamente do evento
respeito ao cerceamento das atividades dos
anterior nenhuma ação pública foi
docentes nas universidades. Destacamos os
encaminhada, mesmo considerando que um
casos envolvendo os docentes por conta da
dos agressores além de PM, também é
realização de atividades acadêmicas
estudante da UFOB.
relacionadas a movimentos sociais,
Há que ressaltar -se que outros casos de particularmente do MST, do Prof. Marcos
violências silenciosas ou “silenciadas” vem Sorretino que foi indiciado para uma oitiva
ocorrendo na instituição ( assédio moral; numa comissão de sindicância instalada pela
agressão física entre docentes; afastamento direção da unidade da Escola Superior de
compulsório de docentes por conta de ameaças Agricultura Luiz de Queiros.
a sua integridade física após divulgação de
Conforme informações apuradas, o
resultados de pesquisas, etc), sendo necessário
evento a ser realizado pelo referido professor
averiguar os procedimentos adotados, mas
integrava as atividades da 4ª edição da Jornada
sobretudo as entrelinhas dos processos de
universitária em Apoio a reforma agrária. No
sindicância, haja visto o caso de número 08, do
segundo dia do evento, foi organizada uma
qual o docente foi indiciado e acusado por
atividade no gramado central do campus com
“falta de urbanidade” e após as oitivas o
integrantes do MST, chamado de “Lona preta”,
referido processo foi arquivado.

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
entretanto foi espalhada uma notícia de que os  Em 13 de fevereiro de 2017, na ação
integrantes do MST estariam organizando uma intitulada pela PF de “Operação
Research”, foram envolvidos mais de 180
“invasão” ao campus. Apesar do desmentido agentes federais, cumprindo vários
pela direção da unidade, uma comissão de mandados de prisão e oito conduções
coercitivas.;
sindicância foi instaurada posteriormente.
 Em 14 de setembro de 2017, numa operação
Nesta oitiva, segundo o professor duas intitulada de “Ouvidos moucos” (em
perguntas foram realizadas: alusão direta à suposta falta de respostas da
Universidade aos órgãos de controle) a
“ Uma das perguntas, era se havia autorização polícia federal chegou na UFSC para
para utilizar a logomarca da ESALQ no evento, e cumprir sete mandados de prisão
eu falei que o laboratório que coordeno há 30 temporária e cinco de condução coercitiva.
anos usa a logomarca para tudo porque é um Mais de 115 policiais foram envolvidos na
laboratório da unidade. A 2ª. questão era se
algum colegiado da unidade havia aprovado a operação – que vieram inclusive de outros
realização das atividades. Eu disse que trabalho estados. Nesse caso, porém, houve um fato
aqui há 30 anos e nunca precisei da autorização grave adicional: o próprio Reitor da UFSC
de um colegiado para organizar diversas – Luiz Cancellier de Olivo – foi preso “por
atividades” (SORRENTINO, M. 2017) obstruir investigações”. Os supostos
Este caso também ensejou a desvios (ainda em fase de investigação e
apuração) teriam ocorrido na gestão
manifestações de colegas e entidades através
anterior a dele. Levado a um presídio,
da realização manifestos, abaixo assinado e algemado, submetido à revista íntima e
petições online. Encontramos também uma solto logo depois, mas impedido por ordem
judicial de colocar os pés na universidade
entrevista do referido professor que se que o elegeu, Cancellier cometeu suicídio
prenuncia sobre o assunto. Dentre as questões no dia 02 de outubro de 2017;
 A Policia Federal realizou uma outra
ressaltadas, aponta que:
Operação, intitulada Torre de Marfim,
“(...) posso constatar que houve uma triagem para investigar supostos desvios de recursos
ideológica. Acredito que a repercussão esteve públicos federais destinados a projetos de
relacionada ao movimento de retrocesso pesquisas. A ação envolveu cerca de 90
conservador da sociedade brasileira (...) para policiais e servidores do TCU, CGU e
expurgar grupos e pessoas com compromissos implicou a condução coercitiva de 20
divergentes do hegemônico”. (Fala o professor
pessoas da universidade;
intimado pela USP. In: Blogoutraspalavras.
Novembro. 2017)  Polícia Federal (PF) desencadeou uma
operação para colher provas contra uma
É na esteira destes eventos de associação criminosa formada por
cerceamento, monitoramento de atividades servidores da Universidade Federal do
Triângulo Mineiro (UFTM), da Fundação
docentes deste período que ocorrem uma
de Ensino e Pesquisa de Uberaba
sequência de operações da polícia federal nas (FUNEPU) e proprietários de empresas que
universidades federais do Brasil. Cabe teriam se organizado para desvio de
recursos públicos. O dinheiro foi destinado
destacar, as seguintes operações:

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e cela na ala de segurança máxima. ( In: Carta
Inovação para aplicação no Complexo capital, novembro de 2017 ) .
Cultura e Científico de Peirópolis. Ao todo,
foram cumpridos 16 mandados judiciais, Após o suicídio do reitor Cancellier um
sendo sete de busca e apreensão e nove de
condução coercitiva; conjunto significativo de menções ao caráter
do reitor e críticas as ações da PF e MPF foram
Sem sombra de dúvidas, foi
proferidas, bem como menções de docentes,
particularmente a operação “Ouvidos
alunos, organizações sindicais, etc.
moucos” que, infelizmente, sinalizou para um
dos eventos de maior complexidade, crueldade Ao final deste período, um outro
e opulência repressiva do momento em tela. conjunto de eventos começam a despontar na
Para além, do espetáculo midiático realizado cena nacional, bastantes ilustrativos do que
no dia da prisão do reitor Cancellier pelos ainda está em construção, infelizmente, a
agentes da Polícia federal e Ministério público saber: Ameaças a docentes e discentes por
com direito a anuncio em sua página do conta da realização de atividades acadêmicas
Facebook, seguida por 2,7 milhões de pessoas relacionadas a temas como: Gênero, LGBTQ;
e duas hashtags para festejar sua atuação: Sexualidade, etc, ou seja, o pior está por vir!
#euconfionapf e #issoaquiépf , os relatos e
“A sombra da morte ronda os corpos livres, as
pormenores sobre a prisão do reitor e mentes livres, as práticas de liberdade” (Editorial
da Revista Hypomnemata. Nu – sol. Outubro.
posteriormente seu suicídio são exemplos de 2018)
uma sucessão de arbitrariedades. Conforme Não somente sob os auspícios de
consta a denúncia sobre o suposto desvio partiu tentativas de proibições de cursos sobre o
do corregedor da UFSC e a operação foi golpe de 2016 nas universidades, este ano foi
comandada pela delegada Erika Marena. marcado pela realização das eleições para
presidente, mas sobretudo pelo volume de
Segundo a própria PF foram mobilizados
eventos de violências dentro e fora das
115 policiais para prender o reitor e 6
universidades. Os ataques as universidades
professores. Após ser levado para depor o
ganham outros atores, a exemplo dos agentes
reitor foi levado, como se condenado, para a
da justiça e TRE’s que invadem salas de aulas,
penitenciária de Florianópolis. Teve os pés
intimidam docentes, etc. São pululantes, mas
acorrentados, as mãos algemadas, foi
não difusos os “novos” ataques aos membros
submetido, nu, a revista intima, vestiu o
da comunidade acadêmica e sociedade em
uniforme laranja de presidiário e ficou em uma
geral.

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
Identificamos e compilamos vários em vista alguns marcadores. Por um lado, em
casos em várias universidades, a título de alguns casos, quando a professora, mulher, de
exemplo destacamos a “iniciativa” tão logo foi esquerda, feminista, coordenadora de um
anunciado o resultado final da eleição para laboratório ligado aos temas feministas,
presidente da república um post de uma militante atuante que inclusive já teria se
candidata solicitando que os discentes pronunciado sobre a Escola sem partido, e de
gravassem e filmassem as salas de aulas e seus outro um grupo de estudantes ligados a um
respectivos professores. movimento político, em alta, conservador; e) A
“omissão”, subserviência ou anuência dos
CONCLUSÕES
gestores da universidade ao MPF, quando
O que podemos depreender? a) O clima concorda em acessar o instituto, local de
de animosidade, intolerância e incapacidade de trabalho da professora, com base nas denúncias
viver entre diferentes que tomou conta do pais, realizadas. Sendo assim, a reflexão sobre estes
após o golpe de 2016, ou seja, como o debate fatos contém inquietações que sinalizam para a
político está eivado de radicalizações e atitudes necessidade de problematizarmos questões que
rudes e impensadas em vários espaços, estão e vão além da dimensão pedagógica, na
particularmente a esfera digital; b) A facilidade medida em que vem comprometendo o exercício
do uso dos meios digitais em propagar e do processo de produção do conhecimento,
possibilitar acesso a informações pessoais, a incluindo as práticas de aprendizagem em sala
exemplo do salário da professora e transforma – de aula, a exemplo e particularmente na área das
lo em elementos de crítica e difamação, ou Humanidades na UFOB para alguns, tendo em
ainda encaminhar petição ao MPF com vista a sua natureza reflexiva e discursiva do
solicitação eivada de equívocos, a exemplo do fazer acadêmico, bem como a interface entre
pedido de exoneração imediata da professora, estes fatos e a vida no seu cotidiano já que
desconhecendo-se os tramites burocráticos e comprometem a integridade física, mental e
autonomia das universidades que permite o emocional de todos. A síntese deste processo
direito ao contraditório de ambas as partes; c) O sinaliza para o esgarçamento das relações que
viés “medieval” da forma como as redes digitais constituem o processo de produção do
tem sido usada, seja na perseguição ou conhecimento, bem como para o aniquilamento
monitoramento do que se escreve, como se da prerrogativa de constituição de uma
pensa, etc conforme destaca a representante universidade plural, diversa, etc enquanto
sindical no ato em apoio a professora.; d) A
proporção e escopo que os fatos tomam tendo

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
espaço de liberdade de expressão e LUCKESI, Cipriano Carlos. Verificação ou
Avaliação: O que pratica a escola? Série
pensamentos.
Idéias, Nº. 8 São Paulo: PDE, 1998.
Referências bibliográficas LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em
educação: abordagens qualitativas. São Paulo,
AQUINO, Júlio Groppa. A violência escolar e a
EPU, 1986.
crise de autoridade docente. In: Caderno Cedes.
N. 47. 1998 MISSE, M. Violência e teoria social. In:
Revista Dilemas. Vol. 9. N.1 2016.
AKERMAN, M. Et al. “Bulindo” com a
universidade: Um estudo sobre o trote na MINAYO, M. C. de S. e SOUZA, E. R.
Medicina. 1a. Edição. Editora Rede Unida, Violência e saúde como um campo de
Porto Alegre, 2014 interdisciplinar de ação coletiva. História,
Ciências e Saúde – Manguinhos, IV (3), pp.
BONINI, Luci Mendes et. all. Universidade,
513-531, fev. 1998.
identidade e intolerância: um esboço para o
debate sobre a violência no campus OLIVEIRA, D. et al. Violência, conflitos e
universitário. In: Revista Carta Capital. 10 de crimes nos Câmpus Universitários: Subsídios
abril de 2015. para a política de segurança da UFG. Relatório
de pesquisa. Goiânia.2015.
BRAGA, Ubiracy de Sousa. Mendigos da
contemporaneidade. In: Blog Nopassaron. PAIVA, V. Consente, quem cala. Entrevista.
2018 Jornal A Folha de São Paulo. 24.11. 2011
COIMBRA, Cecilia. Em análise: Violência, PAULA, G.“ Quando o jaleco não faz o
Universidade e Sociedade. RJ. 2001. médico”: autoridades discursam sob vaias na
aula inaugural do curso de Medicina da UFOB.
CRUZ, l. M et al. Testemunho e boatos. In:
Extraído do site www.tvweb - Barreiras.
Ensaios sobre epistemologia do testemunho
[recurso eletrônico] / Felipe de Matos Müller; RIBEIRO, Djamila. O lugar de fala.
Kátia Martins Etcheverry (Orgs.) -- Porto Letramento: SP. 2018
Alegre, RS: Editora Fi, 2017.
RIFIOTIS, T. Nos campos da violência:
DI FELICE, M. et. all. Net – ativismo: redes diferença e positividade. In: LEVIS –
digitais e novas práticas de participação. Laboratório de estudos da violência. CFH –
Papirus: SP: 2017 UFSC, 2006.
FOUCAULT, M. A governamentalidade. In: RODRIGUES, C. M. Representação
Ditos e Escritos. IV – Estratégia, Poder-Saber. apresentada pelo docente e disponibilizada na
1978 lista de email's docentes da UFOB. 2017
__________________. Arquelogia do saber. SANTANA, C. M. No fio da navalha na
S/ edit. 1969 Univer-Cidade (UFOB – Barreiras): O fazer
acadêmico entre armas, fardas, ameaças o
GOULART, Maria Cristina Vianna et . all.
cotidiano de docentes e discentes. Relato
Considerações sobre a violência na
autoral enviado a Reitoria, Direção do CEHU
universidade. UFBA. 2013
e PROGRAF ( Pró-reitoria de graduação e
GREGOLIN, Maria do Rosário Valencise. A ações afirmativas) da UFOB. Fevereiro. 2017
análise do discurso: conceitos e aplicações. In:
_______________ Rodrigues, C. E . “Hoje,
Revista Alfa, São Paulo, 39: 13-21,1995
Consente quem Cala / Ousa quem Fala:
Diagnóstico reflexivo e ativismo como

www.redor2018.sinteseeventos.com.br
caminhos de combate a violência no Oeste da ZALUAR, Alba. O contexto social e
Bahia. Projeto de pesquisa apresentado ao institucional da violência Brasileira. In: RBCS.
CEHU – UFOB - Cleildes Marques de Santana 2011
– Março – 2017
ZIZEK, S. Violência. Seis reflexões laterais.
SANTOS, Boaventura de Souza. A crítica da SP; Boitempo, 2014
razão indolente: Contra o desperdício da
experiência. Cortez: 2000
SOREL, G. Reflexões sobre a violência.
Martins Fontes. 1908 / 1993
SOLER, Rodrigo Diaz de Vivar et. all.
Foucault e a parresía: Apontamentos para a
construção de uma experiência ética em
educação. In: Revista Sapere aude. BH. 2016
SHANNON, D. et all. Recusando esperar:
Anarquismo e interseccionalidade. In: Blog
Muito além do céu. 2013
SOUSA, Jessé de. A elite do atraso: Da
escravidão a lava – jato. Editora Leya. 2018
SPIVAK, G. Pode o subalterno falar ? Editora
UFMG, 1985.
SUÁREZ, Daniel H. A documentação
narrativa de experiências pedagógicas como
estratégias de pesquisa-ação-formação de
docentes. Pág. 103 – 122. In: Narrativas de
formação e saberes biográficos / PASSEGGI,
Maria da Conceição ( org.), Natal: EDUFRN,
SP: Paulus, 2008.
USP – RP. Cartilha Violências de gênero na
universidade. USP – RP. 2017
VASCONCELOS, Ruth. A violência versus
insuficiência da palavra e precariedade da
ordem simbólica. UFAL. S / d.
VELOSO, Francisco. A vítima tem sempre
razão? Edt. Todavia: SP: 2018
VILELA, Rita Amélia T. Para uma sociologia
crítica da educação em Adorno e Horkheimer:
apontamentos. Pág. 75 – 100. In: Sociologia
para educadores. 2. O debate da educação no
século XX e as perspectivas atuais / Leila de
A. Mafra et. al.( org.). RJ: Quarter, 2005.
WIEVIORKA, Michel. O novo paradigma da
violência. In: Tempo social. USP – SP; Maio
de 1997

www.redor2018.sinteseeventos.com.br

Você também pode gostar