Você está na página 1de 7

A.L. 1.

2 SÍNTESE DO SULFATO
DE TETRAMINOCOBRE (II)
MONO-HIDRATADO
QUÍMICA 11.ºANO

QUESTÃO-PROBLEMA

O que se pode fazer com amoníaco?

O amoníaco é uma substância utilizada mundialmente em larga escala para a


síntese de muitas outras, usadas como fertilizantes, monómeros para polímeros,
produtos de limpeza, refrigeração (no estado líquido), explosivos e corantes. A
actividade proposta é a síntese de um sal que é usado em estamparia têxtil e
como fungicida - o sulfato de tetraaminacobre (II) monohidratado.

PREPARAÇÃO PRÉVIA

Para a realização esta actividade experimental é fundamental que os alunos


dominem o espaço do laboratório e tenham destreza na realização das
actividades propostas. Teoricamente, é necessário que os alunos saibam
traduzir as reacções químicas por equações e saibam realizar cálculos quer
estequiométricos quer do rendimento da reacção.

A actividade implica uma semana de tempo de espera pelo que, além de uma
aula dedicada à realização da actividade, é necessário cerca de 30 minutos da
aula da semana seguinte.

1
TRABALHO LABORATORIAL

MATERIAL (POR TURNO)

Material Quantidades
Copo de precipitação de 100mL 4
Vidro de relógio 4
Espátula 4
Almofariz 4
Vareta 4
Proveta de 10 mL 6
Esguicho com água destilada 4
Balança 1
Equipamento para filtração por sucção 4
Papel de filtro 4

REAGENTES

Reagente Frases R Frases S


Álcool etílico 96% R11 S2, S7, S16
S1/2, S16, S36/37/39,
Amónia a 25% (m/m) R10, R23, R34, R50
S45, S61
Sulfato de cobre (II)
R22, R36/38, R35 S2, S22, S60, S61
penta-hidratado

2
PROCEDIMENTO 1

PARTE I

1. Diluir 8,0 cm3 de amónia em 5,0 cm3 de água num copo de precipitação
de 100 mL.
2. Pesar uma amostra de massa (m1) correspondente a 0,020 mol de
sulfato de cobre (II) penta-hidratado. Reduzir a amostra a pó num
almofariz.
3. Adicionar os cristais pulverizados à solução de amónia, que se encontra
no copo de precipitação, e agitar com a vareta até que o todo o sal se
dissolva.
4. Medir 8,0 cm3 de álcool etílico e adicionar com o auxilio da vareta, sem
agitar, ao conteúdo do copo.
5. Tapar o copo com um vidro de relógio e deixar repousar até à aula
seguinte.

1
Adaptado de Dantas, M. d., & Ramalho, M. D. (2009). Caderno de actividades laboratoriais, Jogo de Partículas A
- Física e Química A - Química - Bloco 1 - 10.º/11.º ano. Lisboa: Texto Editores, Lda.

3
PARTE II

6. Agitar o copo, de modo a que a precipitação do sal formado seja total;


deixar sedimentar os cristais.
7. Fazer a decantação dos cristais. Desprezar a fase liquida.

8. Colocar os cristais num filtro, previamente pesado, e lavar, a pressão


reduzida, sucessivamente com 2,0 cm3 e 5,0 cm3 de uma mistura 1:1 de
amónia e álcool etílico.

9. Lavar novamente os cristais com 5,0 cm3 de álcool etílico e seque-os a


pressão reduzida.

4
10. Secar os cristais com papel de filtro e pesar (m2).

CÁLCULOS PRÉVIOS

O passo 2 do procedimento implica o cálculo da massa a pesar, m1.

!!"#!! ∙!!! ! = 0,020  mol

! !"#!! ∙ 5!! ! = 63,55 + 32,07 + 4×16,00 + 5× 2×1,008 + 16,00 ⇔  


⇔  ! !"#!! ∙ 5!! ! = 249,70  g/mol

!
!= ⇔ ! = !×!
!

!! = 0,020×249,70 = 4,99g

5
REGISTO E TRATAMENTO DE DADOS

!! = 3,16g

Os cristais tinham uma cor azul-arroxeada escura.

A reacção de síntese é dada pelo equação química seguinte:

!"#!! ∙ 5!! ! !" + 4!!! → !" !!! ! !!! ∙ !! ! !" + 4!! !

Estequiometricamente, é uma reacção de 1:1. Assim, se partimos de 0,020 mol


de CuSO! ∙ 5H! O, estequiometricamente esperam-se a formação de 0,020 mol
de   Cu NH! ! SO! ∙ H! O.

! !" !!! ! !!! ∙!! ! = 0,020  mol

! !" !!! ! !!! ∙ !! !


= 63,55 + 4× 14,01 + 3×1,008 + (32,07 + 4×16,00) + 2×1,008 + 16,00
= 245,77  g/mol

! = !×!

! !" !!! ! !!! ∙!! ! = 0,020×245,77 = 4,92g

!!"#$%& !!
!= ×100, ou seja, ! = ×100
!!"#$%&'( ! !" !!! ! !!! ∙!! !

3,16
!= ×100 = 64,3%
4,92

DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Como previsto, obtiveram-se cristais azul-arroxeados escuros, indicador de que


se deu a síntese de sulfato de tetraminocobre (II) mono-hidratado.

O valor de rendimento calculado é um valor bastante plausível para uma síntese


realizada no laboratório escolar.

6
CONSIDERAÇÕES

1. Não esquecer que a preparação da solução de amónia deve ser feita na


hotte, pois esta substância é tóxica. Na lavagem dos cristais com amónia
é fundamental que se evite respirar os vapores. Se possível deve usar-se
máscara e luvas.
2. O álcool etílico não deve ser manuseado perto de uma chama pois é
inflamável.
3. Se após uma semana existirem ainda cristais azul turquesa, é porque a
reacção de síntese não se deu e não faz sentido calcular o rendimento.
4. Alertar os alunos para os cuidados a ter quando se trabalha com filtração
a pressão.
5. Não aproveitar as águas de lavagem, pois dificulta a secagem dos
cristais, obtendo-se posteriormente valores erróneos de rendimento
(superior a 100%).
6. Se necessário, no passo 8, efectuar lavagens extra com a mistura.

BIBLIOGRAFIA

Dantas, M. d., & Ramalho, M. D. (2009). Caderno de actividades laboratoriais, Jogo


de Partículas - Física e Química A - Química - Bloco 2 - 11.º/12.º ano. Lisboa: Texto
Editores, Lda.

Dantas, M. d., & Ramalho, M. D. (2009). Jogo de Partículas - Física e Química A -


Química - Bloco 2 - 11.º/12.º ano. Lisboa: Texto Editores, Lda.

Martins, I. P., & al., e. (2003). Programa de Física e Química A, 11º ou 12º anos.
Ministério da Educação.