Você está na página 1de 6

LIBERALISMO E DEMOCRACIA – BOBBIO.

A LIBERDADE DOS ANTIGOS E DOS MODERNOS.


 Liberalismo – concepção de estado – estado limitado.
o Direito natural – núcleo doutrinário do Estado Liberal. Doutrina dos
direitos do homem – direitos fundamentais – vida; liberdade; segurança.
o Direito natural como pressuposto filosófico do liberalismo, pois funda os
limites do poder á base de uma concepção da natureza do homem.
 Justificação dos limites do poder do Estado.
o Direito natural e contratualismo unidos por concepção comum
individualista da sociedade.
o Sem individualismo não há liberalismo.
 Democracia – forma de governo – poder na mão de todos ou da maioria.
o Democracia representativa – Federalistas – único modo de governo
popular em Estados grandes. Povo elege os representantes que por ele
devem decidir.
o Madison e Burke – os representantes eleitos estariam em melhor
condição de avaliar quais seriam os interesses gerais melhor do que os
próprios cidadãos, fechados na contemplação de seus próprios interesses
particulares.
o Sieyés – separação entre representante e representado. Proibição do
mandato imperativo.
o Representantes da nação e não do individuo.
o Democracia moderna = democracia representativa = nível restrito das
assembleias parlamentares.
DEMOCRACIA E LIBERDADE.
 A democracia moderna pode ser considerada como natural prosseguimento do
liberalismo.
 Para o liberal o fim é a expansão da personalidade individual.
 Para o igualitário o fim é o desenvolvimento da comunidade em seu conjunto.
 Igualdade na liberdade. Cada um deve gozar de tanta liberdade quanto
compatível com a liberdade dos outros.
 Estado Liberal – princípios fundamentais e constitucionais – igualdade perante
a Lei e igualdade dos Direitos.
 Estado liberal – estado de direito.
 Direitos fundamentais – aqueles diante dos quais todos os cidadãos são iguais.
ENCONTRO ENTRE LIBERALISMO E DEMOCRACIA.
 Igualitarismo democrático – equalização econômica estranha ao pensamento
liberal.
 Liberalismo – igualdade jurídica.
 Democracia como desenvolvimento do Estado Liberal em razão de sua forma
politica, a soberania popular.
 Estado Liberal – estado de direito e estado mínimo.
 Hoje o método democrático é necessário para salvaguarda dos direitos
fundamentais da pessoa, que estão na base do Estado Liberal. A salvaguarda
desses direitos é necessária para o funcionamento do método democrático.
 Necessidade da democracia para sobrevivência do Estado Liberal.
TIRANIA DA MAIORIA.
 Liberalismo europeu – conservador com Tocqueville e radical com Mill.
Tocqueville – antes liberal do que democrata. Convencido que a liberdade,
religiosa e moral - mais que a econômica – era o fundamento do poder civil.
Porem entendia que a democracia era um processo incontrolável.
o Poderá a liberdade sobreviver, e como, na sociedade democrática?
o Para Tocqueville democracia significava como forma de governo, em
que todos participam da coisa pública, o contrário da aristocracia. Além
disto, significava que a sociedade se inspira no ideal de igualdade.
 Igualdade politica e social (igualdade das condições em prejuízo
da liberdade).
o Tirania da maioria – perigo que a democracia corre com a realização do
ideal igualitário é o nivelamento, cujo efeito final é o despotismo.
 O principio da maioria é um principio igualitário aonde prevalece
o numero sobre a individualidade singular.
 Efeitos deletérios – instabilidade do legislativo; conformismo das
opiniões.
o É um escritor liberal e não democrático. Pois desejam a igualdade na
liberdade, mas se não podem obtê-la desejam a igualdade mesmo na
escravidão.
o Para Tocqueville o poder é sempre nefasto. O problema por excelência
não é quem detém o poder e sim o modo de controla-lo e limita-lo.
o Remédios – tradição liberal – liberdade de imprensa, associação, defesa
dos direitos dos indivíduos, igualdade perante o direito e
descentralização.
DEMOCRACIA REPRESENTATIVA.
 Mill – melhor forma de governo é a democracia representativa. –
prosseguimento natural de um estado que busca assegurar aos cidadãos o
máximo de liberdade.
o “A participação de todos nos benefícios da liberdade é o conceito
idealmente perfeito de governo livre”.
o Promotor da extensão do sufrágio.
 Remédio contra a tirania da maioria.
 O ensino universal deve preceder o sufrágio universal – não
concordava com a ideia de analfabetos e falidos ou devedores.
Entende que devem participar os que pagam impostos.
 Voto feminino.
 Chegou à Europa depois do voto dos analfabetos.
o Outro remédio para tirania da maioria é o sistema proporcional e não
majoritário – assegura representação também as minorias.
o Voto plural era uma ideia de Mill que acabou não sendo aplicada. Voto
plural para os mais instruídos.

DEMOCRACIA NA AMERICA – TOCQUEVILLE.

Origens do povo americano.


 Mesma língua entre os emigrantes.
 Noções comuns de direito e liberdade.
 Contra a aristocracia.
 1620. Norte – Puritanos.
o Base da teoria social dos EUA.
o Busca por uma sociedade homogênea – *democracia*.
o Espirito da religião – Liberdade.

Soberania popular.
 Costumes. Leis.
 Direito eleitoral era limitado pelo voto censitário.
 Participação popular – eleição de representantes para o Legislativo e para o
Executivo.

Democracia administrativa.
 Descentralização administrativa X centralização governamental (executivo e
legislativo).

Poder judiciário.
 Inerte.
 Constituições e leis.

Constituição americana.
13 Colônias passaram a repúblicas independentes que no ano de 1789 criaram a
união.
 Executivo – controlado pelo sanado. Com direito de voto suspensivo para deter
leis.
o Regime presidencial por eleição.
o Dependente.
 Sistema eleitoral – cada estado nomeia representantes para elegerem o
presidente.
o Reeleição – presidente como instrumento do povo.
 Federação – congresso nacional regula atos de existência social e os Estados
detalhes.
o Base da república.

II. EXERCICIO DO PODER POPULAR E SUAS BASES.


 Partidos políticos.
o Idéias comuns dos partidos – liberdade e igualdade.
 Liberdade de imprensa – imprensa periódica é o segundo poder (1º = povo).
 Direito de associação – garantia contra a tirania da maioria.
 Leis. Costumes e cultura. Obediência às leis, pois são criadas pelo povo e para o
povo.
 Vantagens da democracia.
o O povo impede que os representantes se distanciem do interesse geral.
o Representante tem os mesmos interesses dos cidadãos.
o Instituições democráticas são a causa indireta da industrialização.
o Objetivos do Governo – bem estar social.

JOHN STUARD MILL.


 Utilitarista.
 Empirista.
 Reformista social.
III. Forma de governo ideal é o representativo.
 Benefícios da liberdade – extensão do privilegio (sufrágio universal) para todos
= mulheres e trabalhadores = concepção ideal de governo livre. = voz e ação.
 Governo popular – direito de discordar e alterar. Limitado pela natureza e pelos
próprios mandatos. Competição em nível de igualdade.

IV. Funções dos corpos representativos.


 Conceito de Governo Representativo – o povo, ou a maior parte dele, por
intermédio de representantes eleitos periodicamente, exerce o poder do controle
supremo.
 Função dos representantes – assembléia.
o Controlar o Governo.
o Votar impostos – consentimento ou recusa.
o Deliberação.
o Ouvir e considerar opiniões contrárias.
o Comitê de reclamações.
o Comitê de discussões.
o Indicar necessidades.
o Reivindicações populares.
o Controle pela critica.
 Critica o Legislativo inglês. Novo mecanismo – leis criadas por um pequeno
número de pessoas em comissão especial. Cabendo ao parlamento consentir ou
rejeitar ou devolver para modificações. Além disto, defende sufrágio universal
(com exceção de analfabetos e aqueles que não pagam impostos) e não apenas
voto único, mas votos variados para pessoas com grau de inteligência maior.
Lista de votos do SR HARE.

VII. DA VERDADEIRA E DA FALSA DEMOCRACIA. REPRESENTAÇÃO DE


TODOS X DA MAIORIA.
 Remédio contra tirania da maioria – representação proporcional de todos os
segmentos da sociedade.
 Falsa aparência de democracia – quando as minorias não estão
proporcionalmente representadas.
 Lista de votos com vários candidatos. Sistema do Sr. Hare.
 Para Mill os EUA são falsa democracia, pois despotismo da maioria.

METAMORFOSES DO GOVERNO REPRESENTATIVO – BERNARD MANIN.


Princípios do governo representativo – formulados no final do século XVIII.
 Representantes eleitos pelos governados.
 Os representantes conservam uma independência parcial diante dos eleitores.
 A opinião publica sobre assuntos políticos pode se manifestar
independentemente do controle do governo.
 As decisões politicas são tomadas após debate.

O MODELO DEMOCRACIA DOS DEMOCRACIA


PARLAMENTAR PARTIDOS DO PÚBLICO
ELEIÇÕES DOS  Escolha de  Fidelidade aos partidos.  Pessoas
REPRESENTANTeS pessoas  Pertencimento a uma confiáveis
confiáveis. classe.  Resposta aos
 Importância das  Presença de ativistas. termos
relações locais. propostos.
 Influencia dos  Presença do
notáveis. comunicador.
INDEPENDENCIA  Deputado vota  Liderem partidários  Imagens
PARCIAL DOS segundo sua definem as prioridades determinam a
REPRESENTANTE consciência. dos programas. escolha dos
S lideres.
LIBERDADE DE  Diferentes  Coincidência das  Diferentes
OPINIAO PÚBLICA opiniões opiniões eleitorais e não opiniões
eleitorais e não eleitorais. eleitorais e não
eleitorais.  Presença da oposição. eleitorais.
 Povo chega às  Pesquisas de
portas do opinião.
parlamento.
DEBATE  Parlamento.  Discussões no partido.  Negociação
PARLAMENTAR  Negociações entre entre governo e
partidos. grupos de
 Neocorporativismo. interesses.
 Mídia.
 Presença do
Eleitor
flutuante.

REPRESENTAÇÃO. PITKIN.
 1595. Representação como atuar para alguém como seu agente
autorizado.
o Antes disso representação significava relação com objetos
inanimados.
 Cavaleiros e burgueses como servidores de sua comunidade. Eram pagos,
prestavam contas, eram dotados de limites e instruções.
 Porém no Século XVII, com a unificação do parlamento, como um corpo
único, encontramos o primeiro sinal de representação, como oposição ao
rei, em que os representantes perseguiam interesses gerais do todo.
o Representação ganha conotação politica apenas neste momento.
 1651, com Hobbes é que temos o primeiro exame da ideia de
representação dentro da teoria politica. Para Hobbes, representação
significava autorização, e com esta o representante adquiria novos
direitos, poderes e obrigações.
 Uma das principais polêmicas a respeito do tema em comento é entre o
mandato e a independência do representante. Um representante deve
fazer o que seus eleitores querem, ou o que acha melhor?
 Para Burke, o povo, quanto à causa real, ou o remédio dos problemas
políticos, nunca deve ser consultado, pois é papel dos estadistas
descobrirem como as questões podem ser mais bem resolvidas.
 Para os Federalistas, a democracia representativa, além de tornar possível
uma republica grande, assegura o bem público sem a distração de
interesses particulares conflitantes de facções. Deste modo, defendem a
ida dos conflitos a um foro central único, aonde é possível encontrar um
equilíbrio, pois cada representante busca o interesse de seus eleitores.
 Para utilitaristas, como Mill e Betham, o interesse geral é a soma dos
interesses particulares. O papel do legislador seria alinhar os interesses
pessoais ao bem público.
o Mill defende a rotação dos cargos.
 A classe é uma facção, pois é egoísta em ponderar
interesses.
o Betham. Principio da deslocabilidade: entende que os legisladores
fazem o que os eleitores querem, pois querem ser reeleitos.
 Rousseau. A vontade é pessoal. Defende a representação direta.