Você está na página 1de 12

Lucas Teixeira da Silva, Claudia Lisete Oliveira Groenwald

Matemática e Música: a história da relação


e evolução de duas Ciências através dos
tempos1
Lucas Teixeira da Silva*, Claudia Lisete Oliveira Groenwald**

Resumo apresentar reflexões sobre o ato de con-


textualizar os conteúdos e seus reflexos na
Apresenta-se neste artigo um histórico que aprendizagem dos conceitos matemáticos.
evidencia a relação da matemática com a
música e o seu desenvolvimento através Palavras-chave: Educação Matemática;
dos tempos, com o objetivo de apresentar Matemática e Música; História da Música;
possíveis alternativas didáticas para se con- Sons.
textualizar os conceitos e conteúdos mate-
máticos em sala de aula. Esse material é
resultado de uma pesquisa de iniciação Introdução
científica, de um estudante do curso de Li-
cenciatura em Matemática, juntamente com A música se faz presente desde o
o Grupo de Estudos Curriculares de Edu-
cação Matemática (Gecem) do Programa início da história da humanidade. Nas
de pós-Graduação em Ensino de Ciências primeiras aglomerações sociais, nas
e Matemática (PPGecim), da Universidade tribos, os tambores rústicos feitos com
Luterana do Brasil, campus Canoas/RS.
Desde as frações de pequenos números madeira e pele de animais conseguiam
inteiros do tamanho de uma corda, dos expressar sentimentos de medo, ansie-
pitagóricos, até os logaritmos musicais de
dade, afeição e outras sensações que
Sebastian Bach, a música e a matemática
possuem profundas relações, as quais evo- fugiam a razão, em um período histórico
luíram em sincronia conforme os avanços onde a forma de comunicação era rudi-
da ciência e do entendimento acerca dos
fenômenos do som. Expõe-se essas rela-
mentar e limitada. Isto começou a dar
ções em uma cronologia temporal, além de forma ao jeito que os seres humanos se

*
Licenciado pelo curso de Matemática da Ulbra no campus Canoas/RS - Brasil. E-mail: luccas.txs@gmail.com
**
Doutora em Ciências da Educação pela Universidade Pontifícia de Salamanca, Espanha. Professora do Curso
de Matemática Licenciatura e do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Ulbra/
Canoas. E-mail: claudiag@ulbra.br

Recebido em: 17/09/2018 - Aceito em: 30/09/2018.


https://doi.org/10.5335/rbecm.v1i2.8977

130 RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018


Matemática e Música: a história da relação e evolução de duas Ciências através dos tempos

expressavam, evoluindo para as danças, explorados e contextualizados nos con-


gravuras, esculturas e demais meios que teúdos matemáticos nas escolas.
posteriormente compunham o que hoje O autor Oscar João Abdounur, em seu
se conhece como arte. livro Matemática e Música (2015), busca
Das grandes civilizações do mundo enfatizar as implicações educacionais da
antigo até a sociedade contemporânea, a contextualização dos conteúdos mate-
música passou por um processo de evolu- máticos através da música e de como a
ção, fortemente influenciado por fatores experimentação em sala de aula, com o
regionais e socioeconômicos. Nesse sen- uso das teorias aprendidas, deixa mar-
tido, a pergunta que se busca responder cas nos alunos e os fazem refletir sobre
neste artigo é: qual é a relação entre a usabilidade do conhecimento que lhes
matemática e música e de que forma a está sendo apresentado em seu cotidiano.
matemática teve impacto na evolução do Dentre outros argumentos que bus-
aspecto musical? cam defender e justificar a relação da
Percebe-se que a linha de evolução matemática juntamente com conceitos
das ferramentas matemáticas coincide musicais nas escolas da Educação Bá-
com a evolução da música enquanto sica, este artigo tem o enfoque em asse-
ciência. Por exemplo, o som não era vis- verar e explicitar as relações existentes
to como um fenômeno físico até que as entre matemática e música e de que for-
relações entre funções trigonométricas ma esses assuntos podem ser inseridos
e eventos ondulatórios fosse clara. Evo- no âmbito escolar.
luindo no contexto musical, as relações
entre diferentes instrumentos e harmo- Referencial Teórico
nia entre notas musicais não era devida-
mente padronizada até a relação desses Para corroborar a importância de se
conceitos com o universo dos logaritmos. trabalhar esses assuntos em conjunto em
E, ainda sobre a evolução dessa relação, sala de aula, o principal aspecto a ser
o estudo de harmônicos que compõem analisado é o da devida contextualiza-
um som deve-se à evolução do cálculo e ção dos conteúdos matemáticos, dando
do estudo sobre equações diferenciais, a sentido usual ao que se aprende, e ao
forma complexa de análise e estudo do pensamento analógico, fazendo relação
espectro sonoro. de conceitos conhecidos com novos con-
Tais exemplos tornam possível per- ceitos através de analogias.
ceber a forte relação e conexão entre os Em uma breve reflexão, o alto nível
assuntos matemática e música. Atual- de abstração exigido pela matemática
mente, esses temas não são devidamente aliado a falta de contextualização ade-

RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018 131


Lucas Teixeira da Silva, Claudia Lisete Oliveira Groenwald

quada dos conteúdos, produz dificuldades te em sala de aula, em diferentes perfis


no ensino e aprendizagem dos conceitos de aprendizagem por parte dos alunos,
matemáticos. Como exemplo, pode-se estes possuindo diferentes formas de as-
citar o desenvolvimento do conteúdo de similação e compreensão dos conteúdos.
funções, que, muitas vezes, é desenvolvi- Para Armstrong (2001), na teoria das
do sem contextualização com a sua usabi- múltiplas inteligências de Gardner, a
lidade em situações do cotidiano, também inteligência pode ser expressa em uma
como análises financeiras ou modelagem gama de múltiplas competências, sendo
de pequenos fenômenos físicos. elas a lógico-matemática, linguística, cor-
O ato de contextualizar está definido poral-cinestésica, espacial, intrapessoal
nos Parâmetros Curriculares Nacionais e a musical (p. 14-15). Como exemplo,
do Ensino Médio – PCNEM (BRASIL, tem-se alunos com características de
2000): aprendizado mais voltadas ao aspecto
O critério central é o da contextualização
visual, utilizando de representações para
e da interdisciplinaridade, ou seja, é o o teste de hipóteses, ou ainda, o aluno
potencial de um tema permitir conexões mais processual, aquele focado na forma
entre diversos conceitos matemáticos e
da resolução de um problema através de
entre diferentes formas de pensamento
matemático, ou, ainda, a relevância cul- algoritmos e processos mecânicos. Para
tural do tema, tanto no que diz respeito às Abdounur (2015), evidenciar conhecimen-
suas aplicações dentro ou fora da Matemá-
tos através de analogias, focando nas se-
tica, como à sua importância histórica no
desenvolvimento da própria ciência (p. 43). melhanças do que já é conhecido, favorece
a assimilação de novas ideias e esquemas
Ainda defendendo a importância da (p. 204). Com isso, fica evidente que o
contextualização no âmbito da melhor papel do professor no século XXI é o de
assimilação dos estudantes do conteúdo proporcionar esses diferentes momentos
trabalhado, de acordo com Tufano (2001), de aprendizagem sobre um mesmo tema
contextualizar é o ato de colocar no con- para atingir um maior número de alunos.
texto, ou seja, colocar alguém a par de
[...] a música é um tipo de arte com imenso
alguma coisa; uma ação premeditada
potencial educativo já que, a par de mani-
para situar um indivíduo em lugar no festações estéticas por excelência, expli-
tempo e no espaço desejado. citamente ela se vincula a conhecimentos
científicos ligados à física e à matemática
Nesse sentido, a contextualização
além de exigir habilidade motora e destre-
através de analogias propõe formas de za que a colocam, sem dúvida, como um
desenvolver os conteúdos que visam dos recursos mais eficazes na direção de
uma educação voltada para o objetivo de
facilitar a compreensão e a assimilação
se atingir o desenvolvimento integral do
desses. Isso é evidenciado, principalmen- ser humano (SAVIANI, 2003. p. 40).

132 RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018


Matemática e Música: a história da relação e evolução de duas Ciências através dos tempos

Ainda sobre contextualizar os con- em vários segmentos do conhecimento,


sempre de forma prazerosa, bem como
teúdos, esse ato permite que haja inter-
na expressão e comunicação, linguagem
disciplinaridade entre áreas e assuntos, lógico-matemática, conhecimento científi-
dinamizando a relação entre conteúdos co, saúde e outras. Os currículos de ensino
até então distintos, deixando o processo devem incentivar a interdisciplinaridade
e suas várias possibilidades (CORREIA,
de ensino e aprendizagem com mais 2003, p. 84-85).
sentido e mais completo.
No assunto escolhido para este Além das possibilidades de práticas
artigo, pode-se trabalhar as funções interdisciplinares nesses assuntos, o
trigonométricas, relacionando a sua estudo do fenômeno sonoro e, posterior-
representação gráfica à representação mente, do universo musical, facilita a
geométrica do som e suas características, introdução de tecnologias digitais em
que por sua vez, podem evoluir para o sala de aula, uma vez que, para a análise
ensino da música enquanto arte. Outra do espectro sonoro, existem uma gama de
oportunidade a ser evidenciada configu- softwares e aplicativos que, de uma forma
ra-se no fato de a música ser um processo visual, ajudam ao professor a reforçar a
cultural que se deu desde a pré-história teoria e mostrar sua implicação práti-
até os tempos modernos, o mesmo torna- ca. Segundo Santos (2012) o momento
-se um assunto carregado de história e atual pode promover reflexões acerca
de uma visão sobre diferentes sociedades da utilização dos aparatos digitais, como
ou momentos históricos. Desde a música smartphones, tablets, computadores,
nas igrejas na Idade Média, até a música calculadoras, de modo que possam en-
renascentista do século XIV, essas estão riquecer intervenções pedagógicas nos
carregadas de história, de interesses processos de ensino e aprendizagem.
sociais e acompanham a evolução das Como exemplo, tem-se o software GeoGe-
ciências, envolvendo seus aspectos filo- bra, que possui reconhecimento mundial
sóficos, tornando-se assim um assunto como uma ferramenta para o estudo de
com grande riqueza para a sala de aula. álgebra, cálculo e geometria dinâmica.
Com ele é possível traçar diferentes grá-
A música auxilia na aprendizagem de
várias matérias. Ela é componente histó- ficos no mesmo plano, analisando suas
rico de qualquer época, portanto oferece características, semelhanças e variando
condição de estudos na identificação de parâmetros. Além disso, ele dispõe de um
questões, comportamentos, fatos e con-
textos de determinada fase da história.
recurso pouco conhecido que diz respeito
Os estudantes podem apreciar várias à emissão de sons através do gráfico de
questões sociais e políticas, escutando funções periódicas. Segundo o NCTM
canções, música clássica ou comédias mu-
sicais. O professor pode utilizar a música
(2015), para uma aprendizagem signi-

RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018 133


Lucas Teixeira da Silva, Claudia Lisete Oliveira Groenwald

ficativa da disciplina de matemática, a após ouvir os sons de martelos que soa-


tecnologia deve ser considerada como vam harmonicamente em uma ferraria,
uma característica indispensável em resolveu investigar as relações harmôni-
sala de aula (p. 78). cas existentes entre os sons. Para isso,
Para finalizar, o ensino de músi- construiu um instrumento denominado
ca nas escolas é assegurado pela Lei “monocórdio”, que se tratava de uma
de Diretrizes e Bases da Educação caixa de ressonância sobre a qual era
Nacional (nº 12.796, de 2003) em seu estendida uma única corda presa a dois
parágrafo 2º que discorre “O ensino da cavaletes em suas extremidades e um
arte, especialmente em suas expressões terceiro móvel entre esses dois (Figura 1).
regionais, constituirá componente curri-
cular obrigatório nos diversos níveis da Figura 1 - O Monocórdio de Pitágoras

educação básica, de forma a promover


o desenvolvimento cultural dos alunos”
complementado pelo parágrafo 6º que
formaliza: “As artes visuais, a dança, a
música e o teatro são as linguagens que Fonte: <http://clubes.obmep.org.br/blog/wp-content/uploads/
constituirão o componente curricular de 2016/10/monocordio1.png>.

que trata o § 2º deste artigo.”


A seguir, serão apresentadas algu- Seu objetivo era o de verificar as
mas das relações existentes entre ma- relações harmônicas das vibrações da
temática e música seguindo uma linha corda conforme as divisões por pequenos
cronológica na evolução do pensamento números inteiros (até o número 4) em
e das ferramentas tecnológicas de ambos seu tamanho. Aqui cabe deixar claro
os assuntos. que, a harmonia sonora corresponde ao
conceito de consonância, ou seja, indica
O Monocórdio de Pitágoras a combinação de vários sons simultâneos
que são interpretados de forma agradá-
Por mais que haja registros do sur- vel para o ouvido humano. Outro ponto
gimento da música como forma de a evidenciar, é que, para os pitagóricos,
expressão de sentimentos no período existia um misticismo em relação à ma-
pré-histórico, foi por volta do século VI temática, à natureza e ao universo, uma
a.C. que se começou a pensar no estudo vez que os recentes avanços matemáticos
da música. O precursor desses estudos da época serviam para descrever perfei-
foi Pitágoras de Samos, famoso teórico tamente diversos fenômenos naturais.
matemático. Segundo a lenda, Pitágoras O número 4 é um exemplo disso, uma

134 RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018


Matemática e Música: a história da relação e evolução de duas Ciências através dos tempos

vez que é associado às 4 estações, aos 4 juntos, por mais que estivessem na mes-
elementos, etc. ma nota musical. Isso deve-se ao fato de
Em síntese, os pitagóricos acredita- que diferentes instrumentos possuem
vam que tudo no universo era racional e diferentes características sonoras. Outro
podia ser expresso por números harmo- fator notório é que o momento histórico
niosamente relacionados. Com o mono- musical evoluía da música monofônica
córdio, Pitágoras se dispõem a encontrar (execução de notas simples) para a poli-
as relações harmônicas e constituir uma fônica (execução de sons simultâneos e
das primeiras escalas musicais da histó- harmônicos entre si).
ria. Esse experimento é tão impactante No decorrer dos séculos seguintes, fo-
que é considerado o primeiro experimen- ram apresentadas diversas tentativas de
to científico da história da humanidade, solução a tais questões, porém, nenhu-
pois utilizou-se de métodos e regras que ma foi tão impactante e eficaz quanto a
mais tarde culminariam no método cien- apresentada por Johann Sebastian Bach.
tífico de pesquisa.
Com divisões no tamanho da corda A Origem da Música
nas frações de ²⁄₃ e ³/₄, Pitágoras estabe- Ocidental
lece a escala pitagórica através do que
ficou conhecido como “ciclo de quintas”, No século XIV, tem-se o período re-
uma relação de harmonia sonora de 5 nascentista na história da humanidade,
em 5 notas dividindo o tamanho original um período marcado pela valorização
da corda em ²⁄₃ sucessivamente. Essa da ciência e pela busca pelo entendi-
escala representou um grande avan- mento e harmonia com a natureza.
ço no entendimento sobre as relações Essa premissa impacta diretamente
sonoras harmoniosas, porém, havia nas produções culturais e como a arte
dois problemas principais: o fato de a é vista pela sociedade. É a partir des-
escala não ser cíclica e o de a distância se período que a música começa a ser
entre as frequências das notas não ser estudada com um caráter técnico, ins-
padronizada. Esses dois problemas não pirando matemáticos do mundo todo
foram resolvidos pelos pitagóricos, pois a propor soluções aos problemas de
em determinadas subdivisões, as fra- produção musical da época, ocasionado
ções obtidas resultavam em números pela escala pitagórica. Com isso, surge
irracionais, o que era estranho à crença Johann Sebastian Bach (1685-1750)
pitagórica. Por essa inconsistência cícli- que propõe uma nova organização mu-
ca, diferentes instrumentos acabavam sical baseada em padrões matemáticos.
por não soar harmonicamente tocando Através de sua obra, “O Cravo Bem

RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018 135


Lucas Teixeira da Silva, Claudia Lisete Oliveira Groenwald

Temperado”, escrito originalmente em semitons, sustenidos e bemóis) e a re-


1722, é proposta a escala temperada, lação entre as frequências partindo da
que consiste na organização de 12 notas função , o que torna a relação
musicais (resolvendo o problema da entre as notas musicais uma relação
distância entre as notas, adicionando logarítmica.

Figura 2 - Escala Cíclica Logarítmica

Fonte: <http://blog.santoangelo.com.br/wp-content/uploads/2015/05/IDOOTESMIE-001.jpg>.

Com essa nova organização, os sons mais ousadas. Esse avanço deu fim ao
naturais, advindos da escala pitagórica, período renascentista e início ao período
passam a ser sons não naturais, mini- barroco, com enfoque em uma música
mamente corrigidos para que essa nova mais dramática e elaborada (as grandes
escala seja cíclica e contínua. A diferença orquestras são um exemplo).
e a impressão de desafinação entre os Matematicamente falando, basica-
sons de instrumentos distintos, agora é mente a ideia de Bach foi a de dividir a
erradicada, proporcionando composições diferença entre ciclos, conhecida como

136 RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018


Matemática e Música: a história da relação e evolução de duas Ciências através dos tempos

“coma pitagórica”, entre as 12 notas so (o que vem ao encontro da filosofia


musicais. O resultado é que, o nosso oriental). No oriente médio, os Árabes
cérebro ignora pequenas diferenças e possuem escalas que variam de 22 à 28
aceita os sons como harmônicos. Esse notas dependendo da região e também
fato vem da ideia de limite, uma vez que instrumentos específicos. Essas escalas
essa interpretação cerebral na diferença são baseadas em padrões geométricos ou
das frequências das notas musicais é de análise combinatória.
semelhante a ideia que 0,999999... é 1. A diferença entre as escalas musicais
Um exemplo que evidencia a relação das em distintas regiões do planeta Terra,
notas musicais em uma função logarítmi- evidenciam o porquê que músicas árabes
ca é o formato de um piano, que lembra possuem sonoridade bem diferentes das
o gráfico da função log(x), uma vez que orientais, que por sua vez são distintas
o tamanho das cordas internas ao piano da música ocidental.
segue essa relação (Figura 3).
Relação Entre a Matemática
Figura 3 - Piano e a Função Logarítmica
e o Som

A música é o resultado de suces-


são de sons harmoniosos e o som é um
fenômeno físico estudado e modelado
através de ferramentas matemáticas.
Inicialmente, salienta-se a relação entre
Fonte: autores (adaptada). os gráficos das funções seno ou cosseno
com o som. O som pode ser definido de
Essa modificação deu origem ao pa- duas formas diferentes: “como uma onda
drão ocidental musical. mecânica longitudinal que se propaga
em meios materiais ou como a sensação
Outros Padrões Musicais auditiva causada pela vibração de um
meio material” (CABRAL; LAGO, 2004),
Além da escala temperada, existem podendo esse ser através do ferro, do oxi-
também outros padrões musicais menos gênio, vidro, entre outros. Esse fenômeno
usuais. No oriente, utiliza-se a escala transporta energia sem transportar ma-
pentatônica, uma variação das cinco téria. Considerando o ar como o material
primeiras notas da escala pitagórica. A de propagação, o som também pode ser
premissa dessa escala é presar por sons definido como a percepção da vibração,
naturais e em harmonia com o univer- captada pelos ouvidos, de oscilações

RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018 137


Lucas Teixeira da Silva, Claudia Lisete Oliveira Groenwald

muito rápidas de compressão e rarefação funções trigonométricas, para a mani-


desse. Essas oscilações são representa- pulação de parâmetros e variações de
das geometricamente através de ondas, amplitude, comprimento e frequência
cujos picos demonstram a rarefação e das ondas sonoras.
compressão máximas da onda sonora, es- Nesse ponto, se pode fazer a relação
sas, modeladas matematicamente pelas ao pensamento analógico, uma vez que
funções seno ou cosseno, cujos gráficos sua premissa principal é a de utilizar os
são ondulatórios (Figura 4): conhecimentos já estabelecidos na cons-
trução de novos conceitos. Como exem-
Figura 4 - Representação geométrica do som plo, é possível relacionar a frequência
de uma onda sonora com um som agudo
ou grave e a amplitude dessa onda com
o que popularmente é conhecido como
“volume” de um som entre outras expe-
rimentações. O objetivo principal é dar
significado prático ao que se está apren-
dendo, mostrando a sua usabilidade no
cotidiano.
Fonte: <http://www.fq.pt/som/33-propagacao-do-som>.

A velocidade em que as compressões


A Música Digital e o Estudo
e rarefações ocorrem definem o som que é de Harmônicos
ouvido, pois isso está diretamente ligado
à frequência da onda. Essa frequência é Na construção das escalas pitagó-
medida no número de oscilações que a rica e temperada, é possível trabalhar
perturbação faz em cada unidade de tem- conteúdos e conceitos matemáticos como
po. A unidade de medida da frequência frações, logaritmos, números racionais
é o hertz (Hz), que representa a quanti- e irracionais, potenciação, séries e pro-
dade de oscilações por segundo. Quanto gressões entre outros assuntos. Essa é
maior a frequência, mais agudo é o som, apenas uma parte do grande potencial
quanto menor a frequência, mais grave na relação entre matemática e música. A
é o som obtido. música digital é possível por que hoje se
Com isso, sempre que é necessário consegue transformar sons em números,
realizar o estudo de algum efeito de- ou seja, transformar um fenômeno físico
rivado do fenômeno sonoro, utiliza-se em fórmulas matemáticas.
a modelagem matemática através de A relação entre as notas musicais é
fundamental na produção e na gravação

138 RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018


Matemática e Música: a história da relação e evolução de duas Ciências através dos tempos

de novas músicas, uma vez que padrões que são as ondas fundamentais que com-
sonoros estimulam a criatividade artís- põem aquele som. Para entender melhor,
tica, porém a maior relação entre esses deve-se pensam um som como uma soma
dois temas, música e matemática, se dá infinita de senos e cossenos, em que cada
no estudo dos timbres. função somada é um harmônico do som
Cada onda sonora possui um formato resultante. Quanto mais harmônicos
característico, proveniente do objeto que possui um som, mais brilhante é o som
a emitiu. Esses objetos, por sua vez, obtido, como se observa na Figura 6.
podem variar de tamanho, material e
Figura 6 - Harmônicos de um Som
até espessura, sendo tais fatores os de-
terminantes do timbre. Por exemplo, um
piano e um violino podem tocar a mesma
nota musical, e executar exatamente a
mesma frequência, porém o formato da
onda sonora será diferente, o que faz com
que nosso cérebro consiga distinguir os
diferentes sons. Na Figura 5 apresenta- Fonte: <http://www.feiradeciencias.com.br/sala14/ima-
ge14/14_T05_05.gif>.
-se exemplos de diferentes timbres com
a mesma frequência.
Neste âmbito, pode ser devidamen-
te contextualizada a aplicabilidade do
Figura 5 - Diferentes timbres com a mesma fre-
quência estudo de séries de Fourier e equações
diferenciais, pois são as ferramentas
matemáticas utilizadas para “decompor”
os sons e compreender a sua natureza.

Considerações Finais

Conforme exposto, buscando uma


melhor assimilação dos conceitos ma-
Fonte: <https://aprendapiano.com/wp-content/uploads/2017/06/ temáticos por parte dos alunos, a con-
Timbres.gif>.
textualização desses em sala de aula é
considerada importante para o desenvol-
Essa diferença no formato da onda vimento do processo de ensino e aprendi-
sonora se dá devido aos harmônicos zagem da matemática. Observa-se que o
daquele som. Esses harmônicos seriam uso de analogias é importante, no intuito
como o “som através do prisma”, uma vez da criação de significado, porém, esse

RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018 139


Lucas Teixeira da Silva, Claudia Lisete Oliveira Groenwald

processo requer, do professor, pesquisa Mathematics and Music: the


e entendimento sobre o assunto exposto. history of the relationship and
Considera-se que a apresentação de
conteúdos com exemplos de situações do
evolution of two Sciences
cotidiano proporciona aos estudantes a through times
visualização e a utilização dos conheci-
mentos do Ensino Médio em situações da Abstract
vida em sociedade. No caso da música,
This article presents a history that shows
aliar esse assunto aos conceitos de uma how mathematics is related to music and
matéria mais técnica pode despertar a its development over time, with the aim of
presenting possible didactic alternatives to
curiosidade e o interesse dos estudantes,
contextualize concepts and mathematical
principalmente do público mais jovem. contents in the classroom. This material is
Entende-se que o ensino em uma the result of a Scientific Initiation research, a
student of the Mathematics Degree course,
visão interdisciplinar é um dos caminhos together with the Mathematics Education
que buscam apresentar aos alunos uma Curriculum Group (GECEM) of the
ciência com significado, que transcende Programa de Pós-Graduação em Ensino de
Ciências e Matemática (PPGECIM), of the
os muros da segmentação através das Univesidade Luterana do Brasil, Canoas/
matérias, de modo que, muitas vezes, RS campus. From the small fractions of
the whole numbers of a string, from the
acaba por “afastar” conhecimentos que
Pythagoreans, to the musical logarithms of
evoluíram e foram construídos de ma- Sebastian Bach, music and mathematics
neira conjunta. Por exemplo, no assunto have deep relations, these evolved in
synchrony as the advances of the sciences
escolhido para este artigo, consegue-se
and the understanding about the phenomena
relacionar diversos conteúdos matemá- of sound. These relations are exposed in a
ticos, nos mais variados níveis de ensino, temporal chronology, besides presenting
reflections on the act of contextualizing the
juntamente a fatores históricos, estudo contents and their reflexes in the learning of
da física do som e de cultura em forma the mathematical concepts.
de arte.
Keywords: Mathematical Education; Mathe-
No caso da matemática, é comum matics and Music; Music history; Sound.
alunos e professores acabarem não vi-
sualizando o significado do estudo de
Nota
teoremas e fórmulas, o que distancia os
conteúdos de sua aplicabilidade, uma Esta pesquisa foi apoiada pela Fapergs com bolsa
1

de iniciação científica durante o curso de Licen-


grande perda de oportunidade no âmbito ciatura pela Universidade Luterana do Brasil
de encantar os estudantes, uma vez que (ULBRA).
a matemática é a ferramenta que explica
os mistérios da natureza e do universo.

140 RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018


Matemática e Música: a história da relação e evolução de duas Ciências através dos tempos

Referências
ABDOUNUR, Oscar João. Matemática e Músi-
ca. São Paulo: Livraria da Física, 2015.
ARMSTRONG, Thomas. Inteligências múlti-
plas na sala de aula. Prefácio Howard Gardner.
2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.
BRASIL. MEC, PCN - Ensino Médio – Parâme-
tros Legais. MEC, 2000.
CABRAL, Fernando; LAGO, Alexandre. Física.
Edição 2004. São Paulo: Harbra, 2004.
CORREIA, Marcos Antonio. Música na Edu-
cação: uma possibilidade pedagógica. Revista
Luminária, União da Vitória, PR, n. 6, p. 83-87,
2003. (Publicação da Faculdade Estadual de Fi-
losofia, Ciências e Letras de União da Vitória).
NCTM. De los Principios a la Acción – para
garantizar el êxito matemático para todos.
NCTM: México, 2015.
SANTOS, E. Cibercultura, Educação On-line
e Processos Culturais. Teias, v. 3, n. 30, p. 3-8,
2012.
SAVIANI, Dermeval. Revista de Ciências da
Educação. Centro Universitário Salesiano de
São Paulo, a. 5, n. 9, 2º sem. 2003.
TUFANO, Wagner. Contextualização. In: FA-
ZENDA, Ivani C. Dicionário em Construção:
Interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2001.

RBECM, Passo Fundo, v. 1, n. 2, p. 130-141, jul./dez. 2018 141