Você está na página 1de 90

Mesopotamia, Egito e Índia – Efeitos tóxicos de alguns

produtos naturais e minerais

Papiro de Ebers (1500 a.C) – antimônio, cobre,


chumbo, ópio.

Charaka Samhita e Susruta (600-100 a.C. - Índia) –


Cobre, ouro, ferro, chumbo, prata e estanho.

Toxicologia dos alimentos, venenos vegetais e


animais.
 Hipocrates (460-370 a.C) – envenenamentos por
plantas e alimentos.

 Sócrates – envenenado 399 a.C.

(331 a.C): primeiros relatos de envenenamentos


criminais

 364 d.C. (Renascença): envenenamento de 7


imperadores romanos (364 –1453), 9 sucessores (877-
1453) e 5 papas (984 – 1471)
envenenamento de bispos e
cardeais

 1503 – Papa Alexander morre envenenado

 Idade Média – Paracelsus:


Após o período da renascença – envenenamentos
eram comuns na Inglaterra, França e Itália;

Itália – “Aqua della Toffanina” – arsênico,


envenenamento de 600 pessoas;

1765 – Fontana – descarta conceitos antigos da


toxicologia
1781 – Plenck – rejeita antigas superstições - Livro
“Elementa Medicine et Chirurgiae”–“O único sinal seguro de
uma intoxicação é a determinação do agente intoxicante no
organismo” - Início de uma nova era na Toxicologia

1814 – M.J.B. Orfila – estudo sistemático e categorizado de

venenos – isolamento de arsênico em amostras postmortem.

O primeiro a observar que uma substância tem que ser


absorvida ou entrar no sangue para manifestar seus efeitos
tóxicos
 É a ciência que estuda os efeitos nocivos das
substâncias químicas no mundo vivo

 É multidisciplinar, pois engloba conhecimentos


de Farmacologia, Bioquímica, Química, Fisiologia,
Genética e Patologia, entre outras
 Esta ciência identifica e quantifica os efeitos prejudiciais
associados a produtos tóxicos, ou seja, qualquer
substância que pode provocar danos ou produzir
alterações no equilíbrio biológico.

 Tem como principal objetivo a detecção e identificação


de substâncias tóxicas, em geral, no seguimento de
solicitações processuais de investigação criminal por
parte dos diversos organismos;
 É possível obter pistas referentes a envenenamentos,
intoxicações, uso de estupefacientes, entre outros.

 É a partir desta área que, muitas vezes, é descoberta


qual a causa da morte do indivíduo em questão e, se o
causador o fez involuntariamente ou por algum motivo.
 Toxicologia para verificação de xenobióticos de
interesse médico legal.

 Toxicologia forense postmortem.

 Toxicologia para verificação de xenobióticos:


ambiente de trabalho, doping no esporte.
MITO VS FATO
Todo caso de A maioria dos casos
overdose terá como fatais por consumo de
evidência fragmentos drogas/venenos não
da droga no apresentam nenhum
estômago. sinal específico durante o
exame necroscópico.
 Fases das metodologias de investigação: rastreio,
confirmação, quantificação e interpretação.

 Teste geral: detecção de diversas substâncias,


para triagem de casos negativos.

 Métodos de confirmação: presença, identificação e


quantificação da substância suspeita.
 Métodos não instrumentais: Reações volumétricas
ou Colorimétricas.

Técnicas analíticas avançadas:

Espectrofotometria: - Absorção Molecular


- Infravermelho
- Absorção Atômica
Espectrofotômetro de Absorção
Molecular
Espectrofotômetro de Absorção Atômica
E s p e c t ro fo t ô m e t ro
d e I n f r ave r m e l h o
Cromatografia
Cromatografia Gasosa (GC)
Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (HPLC)

Imunoquímica
Elisa
Imunoensaios com Fluorescência Polarizada (FPIA)
Radioimunoensaio (RIA)

Espectrometria de Massas
HPLC
1) Existe droga envolvida no caso?

Toxicologia analítica e farmacocinética.

2) Qual foi a quantidade utilizada? Quando foi utilizada a


droga?

Farmacocinética.

3) A droga pode ter causada a morte (em casos não fatais,


pode ter afetado o comportamento)?

Farmacodinâmica.
SUBSTÂNCIAS
 Álcool (Etanol)  Monóxido de Carbono/Cianeto

 Barbitúricos (Fenobarbital,  Inalantes (Éter, Tolueno, Acetona,


Cloreto de etila)
Tiopental)
 Alucinógenos (LSD, PCP)
 Benzodiazepínicos (Diazepam,
 Antidepressivos tricíclicos
Oxazepam)
(Amitriptilina, Imipramina)
 Cocaína (Base livre/Crack)
 Opiáceos/Opióides (Morfina e
 Anfetaminas (Anfetamina e Heroína)
Metanfetamina (Ecstasy)  Metais Pesados

 Canabinóides -Maconha (Δ9THC)  Pesticidas


CASO:
Garota de Programa e a Vítima
 Homem foi a uma festa com amigos e quando deixou a festa
se encontrou com uma garota de programa. Foi para seu
apartamento onde ingeriu vários drinques e pegou no sono. Seus
amigos retornaram para o apartamento rapidamente e
conversaram com a garota, que logo deixou o apartamento.

 Os amigos foram dormir e deixaram o homem dormindo no


sofá. Na manhã seguinte, o homem foi encontrado morto.

 Não foi encontrado a causa da morte durante o exame


necroscópico.
Etanol: sangue 1,30 g/L

vítreo 1,70 g/L

urina 2,40 g/L

Triazolam: sangue 4 µg/L

Níveis de referências:

Triazolam: aprox. 1-5 µg/L; ocasionalmente até 10µg/L


ESTUDOS POSTMORTEM
MORTES RELACIONADAS MORTES PROVOCADAS
COM DROGAS DIRETAMENTE PELAS

A morte não é atribuída à DROGAS: OVERDOSES

Droga, mas esta é um fator Resultam da ação direta da

coadjuvante do processo que droga isolada ou associada


com outras substâncias.
conduziu à morte.

Indiretamente ocorre a exacerbação da via


neurotransmissora endógena
MORTE POR OVERDOSE?
AMOSTRAS POSTMORTEM
PARA ANÁLISES
AMOSTRAS CONVENCIONAIS AMOSTRAS ALTERNATIVAS
 Urina  Bile, Humor Vítreo
 Sangue  Cabelo, dentes, unhas
 Conteúdo Gástrico  Ossos
 Fígado
Amostras

Tecidos Moles

Ossos

Cabelos

Dentes

Larvas

Entomotoxicologia: Análise de drogas na


fauna cadavérica
Amostras
Ossos

Cabelos

Unhas

Alças e tecidos do
caixão
• A análise toxicológica para evidenciar o uso de drogas
de abuso pode ser realizada em diferentes amostras
biológicas, como urina, sangue, suor, cabelo, saliva
entre.

• Os métodos analíticos mais utilizados na Química


Forense para a determinação e quantificação de drogas
em indivíduos e em seus fluidos e tecidos biológicos
são os métodos cromatográficos como HPLC
(cromatografia líquida de alta eficiência) e GC/MS
(cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de
massas).
ETANOL
Segundo Passagli (2009), o álcool se
transformou na mais problemática das
drogas desde o final do século XX e
início do século XXI, e o seu consumo é
um dos principais responsáveis pelas
mortes ocorridas no mundo.
É a substância mais ligada às alterações
comportamentais provocadas por efeitos
psicofarmacológicos, que resultam em
crimes.

É uma droga que no ser humano produz


euforia, traduzida predominantemente por
desinibição comportamental, hilariedade e
expressões afetivas aumentadas.
• É um alcalóide extraído das folhas de uma
planta encontrada exclusivamente na
América do Sul, a Erythroxylum coca.

• É um potente anestésico local e potente


estimulante do SNC, razão pela qual é
utilizada como droga de abuso.
A cocaína pode chegar ao consumidor sob a
forma de um sal, o cloridrato de cocaína, que é
solúvel em água e utilizado para ser aspirado ou
dissolvido em água para uso intravenoso, ou sob
a forma de base, o crack, que é pouco solúvel em
água, mas que é volatilizado quando aquecido.
A análise de drogas de abuso tem por finalidade detectar indícios
de exposição ou consumo de substâncias tóxicas, existindo
dois tipos de testes laboratoriais:
• Os baseados em fluídos corporais e em amostras de queratina
(cabelos ou pêlos).
• Os fluídos corporais possuem uma janela de detecção muito
pequena, em média 2 a 3 dias dependendo da droga analisada,
com exceção da maconha que pode chegar a 20 dias.
• Já as amostras de queratina possuem uma janela de detecção
mais longa, podendo chegar a 6 meses.
PARA SABER MAIS
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Alcântara, G.K.S. Toxicologia e o Doping no esporte. 1ª
Escola de Verão de Toxicologia Forense. Universidade de
São Paulo. 2012.

Pericia Criminal.
http://anatomistaenecropsista.blogspot.com.br/2012_03_1
8_archive.html

Você também pode gostar