Você está na página 1de 11

AULA DO DIA 20 DE MARÇO DE 2020

CAMPO ELÉTRICO

DESCRIÇÃO

Certamente você já chegou perto do televisor e sentiu seus pêlos ficarem arrepiados? Ou mesmo
manuseando sacos de supermercados?

Em torno da Terra, devido à sua massa, existe um campo gravitacional, onde a cada ponto associamos um
vetor g.
Em volta da terra existe um campo chamado gravitacional, em que todo corpo que possui massa sofre a
influência desse campo, uma atração gravitacional. A força gravitacional é sempre de atração. Em volta de
cargas elétricas existe uma região chamada de campo elétrico, em que outras cargas sentem a influência desse
campo, mas diferente do que acontece com o campo gravitacional, uma carga elétrica próxima da outra pode
sentir atração ou repulsão, se forem duas cargas de sinais iguais, duas positivas ou duas negativas, o campo é
de repulsão, mas se forem duas cargas de sinais opostos, o campo elétrico é de atração.

Campo elétrico  Um corpo eletrizado, devido à sua carga elétrica, cria ao seu redor um campo elétrico. Em
cada ponto surge um vetor campo elétrico. O campo elétrico é uma propriedade influenciada pela presença
da carga Q, que não depende da carga de prova q0 para sua existência.

Campo elétrico  O campo elétrico é a região influenciada pela carga Q, em que qualquer carga de prova q
nela colocada estará sob a ação de uma força de origem elétrica

Vetor campo elétrico  Intensidade: |q| E = F Unidade S.I.: N/C


 Direção: o vetor E têm a mesma direção do vetor F
 Sentido: depende da carga de prova q > 0, E e F tem o mesmo sentido e se q < 0, E e F tem sentidos
opostos

Linhas de força  Estas linhas são a representação geométrica convencionada para indicar a presença de
campos elétricos, sendo representadas por linhas que tangenciam os vetores campo elétrico resultante em
cada ponto, logo, jamais se cruzam

Linhas de força Campos gerado por cargas positivas têm linhas de força divergentes. Campos gerado por
cargas negativas têm linhas de força convergentes. (ver figuras abaixo)

Linhas de força  Estas linhas são a representação geométrica convencionada para indicar a presença de
campos elétricos, sendo representadas por linhas que tangenciam os vetores campo elétrico resultante em
cada ponto, logo, jamais se cruzam.

Linhas de força  O campo elétrico é sempre tangente as linhas de força em cada ponto. E o número de
linhas de força por unidade de volume representa qualitativamente a intensidade do vetor campo elétrico.

Campo elétrico uniforme  É aquele em que o vetor campo elétrico é o mesmo em todos os pontos.  As
linhas de força de um campo elétrico uniforme são retas paralelas igualmente espaçadas e de mesmo sentido.

Um corpo eletrizado, (que possui excesso ou falta de elétrons), gera em torno de si um campo elétrico.
Qualquer carga elétrica situada num ponto próximo desse campo sente a sua influência, e fica sujeita a uma
força, chamada de força elétrica.
Essa força elétrica pode ser de atração ou de repulsão, dependendo se a carga elétrica é positiva ou negativa.
Para interpretar visualmente o conceito de campo elétrico, utilizamos as linhas de força, que tangem a carga
elétrica. Quando a carga elétrica é positiva, as linhas de campo saem da carga, e quando a carga é negativa,
elas saem da carga.

Colocando duas cargas de prova, uma positiva e outra negativa ao lado da outra, podemos perceber a
configuração de dipolo elétrico, com as linhas de campo saindo da carga positiva e entrando na carga
negativa.
CAMPO ELÉTRICO CRIADO POR UMA ÚNICA CARGA

Assim como a Terra tem um campo gravitacional, uma carga Q também tem um campo que pode
influenciar as cargas de prova q nele colocadas. E usando esta analogia, podemos encontrar:

Desta forma, assim como para a intensidade do campo gravitacional, a intensidade do campo
elétrico (E) é definido como o quociente entre as forças de interação das cargas geradora do
campo (Q) e de prova (q) e a própria carga de prova (q), ou seja:

Chama-se Campo Elétrico o campo estabelecido em todos os pontos do espaço sob a influência
de uma carga geradora de intensidade Q, de forma que qualquer carga de prova de
intensidade q fica sujeita a uma força de interação (atração ou repulsão) exercida por Q.
Já uma carga de prova, para os fins que nos interessam, é definida como um corpo puntual de
carga elétrica conhecida, utilizado para detectar a existência de um campo elétrico, também
possibilitando o cálculo de sua intensidade.

Definiç Vetor Campo Elétrico

Voltando à analogia com o campo gravitacional da Terra, o campo elétrico é definido como um
vetor com mesma direção do vetor da força de interação entre a carga geradora Q e a carga de
prova q e com mesmo sentido se q>0 e sentido oposto se q<0. Ou seja:

A unidade adotada pelo SI para o campo elétrico é o N/C (Newton por coulomb).

Interpretando esta unidade podemos concluir que o campo elétrico descreve o valor da força
elétrica que atua por unidade de carga, para as cargas colocadas no seu espaço de atuação.

O campo elétrico pode ter pelo menos quatro orientações diferentes de seu vetor devido aos
sinais de interação entre as cargas, quando o campo é gerado por apenas uma carga, estes são:
Quando a carga de prova tem sinal negativo (q<0), os vetores força e campo elétrico têm mesma
direção, mas sentidos opostos, e quando a carga de prova tem sinal positivo (q>0), ambos os
vetores têm mesma direção e sentido

Já quando a carga geradora do campo tem sinal positivo (Q>0), o vetor campo elétrico tem
sentido de afastamento das cargas e quando tem sinal negativo (Q<0), tem sentido de
aproximação, sendo que isto não varia com a mudança do sinal das cargas de provas.

Quando uma única partícula é responsável por gerar um campo elétrico, este é gerado em um
espaço que a circunda, embora não esteja presente no ponto onde a partícula é encontrada.

Campo elétrico gerado por mais do que uma partícula eletrizada.


Quando duas ou mais cargas estão próximas o suficiente para que os campos gerados por cada
uma se interfiram, é possível determinar um campo elétrico resultante em um ponto desta região.

Para isto, analisa-se isoladamente a influência de cada um dos campos gerados sobre um
determinado ponto.

Por exemplo, imaginemos duas cargas postas arbitrariamente em um ponto A e outro B, com
cargas e , respectivamente. Imaginemos também um ponto P sob a influência dos campos
gerados pelas duas cargas simultaneamente.

O vetor do campo elétrico resultante será dado pela soma dos vetores e no ponto P,
como ilustram os exemplos a seguir.
Como as duas cargas geradoras do campo têm sinal positivo, cada uma delas gera um campo
divergente (de afastamento), logo o vetor resultante terá módulo igual à subtração entre os
valores dos vetores e direção e sentido do maior valor absoluto.

Assim como no exemplo anterior, ambos os campos elétricos gerados são divergentes, mas
como existe um ângulo formado entre eles, esta soma vetorial é calculada através de regra do
paralelogramo, ou seja, traçando-se o vetor soma dos dois vetores, tendo assim o módulo direção
e sentido do vetor campo elétrico resultante.

Como ambas as cargas que geram o campo tem sinais negativos, cada componente do vetor
campo resultante é convergente, ou seja, tem sentido de aproximação.
O módulo, a direção e o sentido deste vetor são calculados pela regra do paralelogramo, assim
como ilustra a figura.

Neste exemplo, as cargas que geram o campo resultante têm sinais diferentes, então um dos
vetores converge em relação à sua carga geradora ( ) e outro diverge ( ).

Então podemos generalizar esta soma vetorial para qualquer número finito de partículas, de modo
que:
Linhas de força
Estas linhas são a representação geométrica convencionada para indicar a presença de campos
elétricos, sendo representadas por linhas que tangenciam os vetores campo elétrico resultante
em cada ponto, logo, jamais se cruzam. Por convenção, as linhas de força têm a mesma
orientação do vetor campo elétrico, de modo que para campos gerados por cargas positivas as
linhas de força são divergentes (sentido de afastamento) e campos gerados por cargas elétricas
negativas são representados por linhas de força convergentes (sentido de aproximação).

Quando se trabalha com cargas geradoras sem dimensões, as linhas de força são representadas
radialmente, de modo que:

EXEMPLOS
1) Leia as afirmativas abaixo e julgue-as quanto a (C) certas ou (E) erradas e, em seguida, marque a
alternativa correta.

I – O campo elétrico gerado numa região do espaço depende exclusivamente da carga fonte e do meio.

II – Em torno de uma carga sempre haverá um campo elétrico.

III – Se o campo elétrico de uma região não variar com o decorrer do tempo, ele será chamado de campo
eletrostático.

a) CEC

b) CCE
c) EEC

d) EEE

e) CCC

RESPOSTA

e)

2) O campo elétrico criado por uma carga pontual, no vácuo, tem intensidade igual a 9.10-1 N/C.
Calcule a que distância d se refere o valor desse campo.

(dados: Q = -4 pC e ko = 9.109 unidades SI).

a) 0,02 m

b) 0,2 m

c) 0,4 m

d) 0,6 m

e) 0,002 m

RESPOSTA

3) A intensidade do campo elétrico, num ponto situado a 3,0 mm de uma carga elétrica puntiforme Q = 2,7
µC no vácuo (ko = 9.109 N.m2/C2) é:

a) 2,7 . 103 N/C

b) 8,1 . 103 N/C

c) 2,7 . 106 N/C

d) 8,1 . 106 N/C

e) 2,7 . 109 N/C


RESPOSTA

A figura mostra quatro cargas elétricas


puntiformes e um ponto P.
Calcule o módulo, direção e sentido do campo
elétrico resultante no ponto P.
DADOS:

a = 30 cm
q1 = + 12,5.10-6 C
q2 = + 25. 10-6 C

q3 = - 2,6.131/2. 10-6 C

q4 = - 2,6.131/2. 10-6 C
A figura mostra quatro cargas elétricas puntiformes e um
ponto P.
Calcule o módulo, direção e sentido do campo
elétrico resultante no ponto P.
DADOS:

a = 30 cm
q1 = + 12,5.10-6 C
q2 = + 25. 10-6 C

q3 = - 2,6.131/2. 10-6 C

q4 = - 2,6.131/2. 10-6 C

Você também pode gostar