Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS
CURSO GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA

Levantamento informação sobre histórico de poluição no Campeche e


fomentar a discussão através de evento com a comunidade.

Alunos:Diogo, João, Maria Clara,


Rafael, Vitório
Disciplina: Prática de extensão
Professora: Marinez
Florianópolis, novembro de 2015
RESUMO

Impactos antropogênicos em áreas costeiras representam importante fator


que tem afetado localmente, regionalmente e globalmente. A entrada de efluentes
urbanos em regiões costeiras tem impactado diretamente e indiretamente
comunidades costeiras as quais dependem dos serviços e produtos provenientes
desses ecossistemas.
A ideia do projeto é realizar um levantamento de dados sobre o histórico de
poluição na praia do Campeche, Florianópolis, Santa Catarina. Identificar fontes
poluidoras e potenciais impactos do descaso com o tratamento de efluentes urbanos
no bairro.
Após finalizada essa etapa vamos organizar um evento cultural com o
objetivo de disponibilizar essas informações para a comunidade com o intuito de
conscientizar a população local sobre o cenário atual e as previsões para um
cenário futuro. Salientando a importância da pressão da comunidade sobre os
gestores, visto que as políticas ambientais no Brasil recebem pouca atenção e que
isso é especialmente verdade para o estado de Santa Catarina.

Palavras-chave: Eutrofização, Fontes poluidoras, Praia do Campeche, Comunidade


local.
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO........................................................................................................4
2. Justificativa............................................................................................................5
3. Objetivo……...........................................................................................................5
3.1 Objetivo Geral........................................................................................................5
3.2 Objetivos Específicos............................................................................................5
3.2.1 Objetivo 1……………………………………………………………………………...5
3.2.2 Objetivo 2……………………………………………………………………………...6
3.2.3 Objetivo 3……………………………………………………………………………...6
3.2.4 Objetivo 4……………………………………………………………………………...6
4. MATERIAIS E MÉTODOS.......................................................................................6
4.1 Área de Estudo......................................................................................................6
4.2 Descrição dos procedimentos.……………………………………………………......7
5. Resultados Esperados……...................................................................................8
5.1 Viabilidade do projeto….........................................................................................8
5.2 Cronograma...........................................................................................................9
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......................................................................9
1. INTRODUÇÃO

Os oceanos são uma grande fonte de recursos para a população mundial,


além de serem o elemento chave na manutenção do clima no planeta e em ciclos
geoquímicos globais (HARTMANN, 1994). Áreas costeiras tem sido objeto de
ocupações humanas ao longo da história (Dillehay et al.2008), de tal forma que
atualmente cerca de 60% da população humana está concentrada nos primeiros
100 km da costa, sendo os ambientes costeiros profundamente afetados pelos
desdobramentos de nossas atividades (Vitousek et al. 1997; Lotze et al. 2006).
As atividades antrópicas afetam a saúde dos oceanos através de despejo de
diversos poluentes e esgoto nas águas costeiras (HALPERN et al., 2008). Esses
impactos podem resultar em reduções em numero e abundancia de especies
produtoras primarias e consequentemente a simplificação da comunidade marinha
como um todo. Na população costeira esses dejetos urbanos podem causar
diversos efeitos prejudiciais à saúde humana, tais como: febre tifoide, cólera,
disenteria, meningite e hepatites A e B.
No Brasil, políticas ambientais receberam pouca atenção durante o
crescimento urbano até décadas recentes (Tucci et al. 2001). Como consequência,
hoje em dia a maior parte dos municípios brasileiros ainda carece de tratamento de
esgoto eficiente e áreas de mitigação de águas de escoamento pluvial (Tucci et al.
2001), que são frequentemente despejados com pouco ou nenhum tratamento em
áreas costeiras, impactando comunidades marinhas (McClelland e Valiela 1998;
Pagliosa e Barbosa 2006; Defeo et al. 2008).
A cidade de Florianópolis, Santa Catarina tem conhecido descaso com o
despejo correto de efluentes urbanos. (Cunha et al. 2008) estima que apenas
aproximadamente 27% do esgoto urbano é coletado pela empresa de tratamento,
sendo que o restante chega nos ambientes naturais (como rios, lagoas e oceanos)
sem nenhum tipo de tratamento. Esses fatos trazem, portanto, o questionamento de
como uma comunidade costeira pode estar sendo afetada por essa entrada de
efluentes urbanos, já que as mesmas dependem desse ambiente, de seus serviços
e produtos gerados. As condições atuais desses ambientes costeiros nos mostram a
necessidade de desenvolvimento de ferramentas que contribuam para o
manejamento dessas atividades que tem impactado o ambiente marinho,
especialmente em regiões subdesenvolvidas do hemisfério sul.
O presente projeto tem como local de estudo a praia do Campeche localizada
na ilha de Santa Catarina. Essa região costeira tem sido local de despejo de
efluentes urbanos os quais tem gerado impactos negativos para a população local.
A ideia do projeto será identificar fontes poluidoras e potenciais impactos do
descaso com o tratamento de efluentes urbanos no bairro. Através de evento
cultural informar os moradores da necessidade de ferramentas para manejo dessa
região bem como uma população ativa na tomada de decisões de políticas
ambientais.

2. Justificativa

O atual projeto é de extrema importância, visto que a falta de saneamento


básico, aliada ao crescente mercado imobiliário na região estão afetando a
qualidade de água na praia do Campeche.

3. OBJETIVO

3.1 Objetivo Geral

Conscientizar a população local do Bairro Campeche sobre o atual cenário de


poluição da praia, assim como as consequências que o descaso com o tratamento
de efluentes pode oferecer.

3.2 Objetivos Específicos

3.2.1 Levantamento do histórico de qualidade de água na praia do Campeche


● Obtenção de dados históricos
1. Pesquisa no arquivo online de sites dos órgãos públicos responsáveis.
2. Informações de moradores.
● Identificação das fontes poluidoras
1. Busca de imagens históricas através do software Google Earth
2. Ida a possíveis fontes poluidoras para descrição atual
3.2.2 Caracterizações da dinâmica oceanográfica do local
● Revisão bibliográfica

3.2.3 Identificação dos membros atuantes da comunidade local


● Contato com líderes comunitários
1. Descrição das reclamações dos mesmos quanto ao tratamento dos
efluentes
2. Elaboração de um questionário sobre responsabilidades da prefeitura
e dos moradores.

3.2.4 Realização de um evento para disponibilizar informações e fomentar a


discussão da problemática com o tratamento de efluentes no bairro
● Informe sobre os problemas
1. Disponibilização dos resultados do projeto
● Educação ambiental
1. Debates com professores da UFSC convidados
2. Debates com ONGs convidadas
● Participações Culturais
1. Bandas convidadas

4. MATERIAIS E MÉTODOS

4.1 Área de Estudo

A Praia do Campeche esta localizada na porção sul da Ilha de Santa


Catarina, mais precisamente entre o Rio Tavares e o Morro das Pedras (fig.1).
Genericamente pode-se caracterizá-la como uma praia oceânica exposta a alta
energia de ondas.
Figura 1: Mapa da Ilha de Santa Catarina. Área de estudo destacada em amarelo. Fonte: Google Earth.

O bairro do Campeche, como muitos outros, sofre com a precariedade no


tratamento de efluentes. O seu diferencial esta na explosão imobiliária e seus
pontos turísticos, que atraem milhares de moradores e turistas todos os verões, fato
que intensifica ainda mais o despejo de esgoto domestico na localidade.

4.2 Descrição dos procedimentos

O projeto foi dividido em 4 objetivos específicos, cada qual com suas respectivas
metas e etapas.
Os objetivos foram ordenados cronologicamente. Iniciando pelo levantamento
histórico da qualidade da água na Praia do Campeche, o qual sera realizado através
de pesquisa online na base de dados das instituições responsáveis pelo
monitoramento
o da qualidade de água e pessoalmente com membros comunidade.
Sera realizada também uma identificação das fontes poluidoras do local, tanto por
observação, quanto por imagens de satélite, as quais serão obtidas com o software
gratuito Google Earth. O software
software disponibiliza também uma serie histórica de
imagens da região a partir de 2002. As mesmas serão comparadas com as analises
de coliformes fecais em busca da comprovação de que aumento da urbanização da
área afetou a qualidade da água no local.
Em seguida será realizada uma caracterização da dinâmica oceanográfica da
Praia do Campeche. Tal caracterização será elaborada por meio de revisão
bibliográfica relativa a dinâmica do local.
Para o terceiro objetivo será elaborado um questionário com auxilio do
programa Microsoft Word. Faremos em seguida a identificação dos membros
atuantes da comunidade, os quais receberão questionários de 10 perguntas
objetivas de resposta sim/não, que tem por finalidade nos esclarecer se a
comunidade esta diferenciando corretamente sua própria responsabilidade quanto
ao seu esgoto, da responsabilidade da prefeitura, e se eles cumprem ou não com os
seus deveres.
Por ultimo, o quarto objetivo consiste na realização de um evento de
conscientização na Praia do Campeche, com o intuito de condensar todo o
conhecimento adquirido durante a execução do projeto e disponibilizá-lo a
comunidade de forma pratica e eficiente, fomentando a discussão do problema com
o tratamento de efluentes no bairro. Professores da Universidade Federal de Santa
Catarina serão convidados para se unir ao debate da problemática com o publico.

5. RESULTADOS ESPERADOS

5.1 Viabilidade do Projeto

Do ponto de vista financeiro este projeto é considerado de mínimo custo,


visto que todas as informações para seu desenvolvimento serão obtidas por
softwares gratuitos, sites de órgãos públicos e artigos científicos disponíveis online,
e através da comunicação com os moradores. As despesas envolvidas seriam o
transporte dos integrantes do grupo para a identificação de algumas fontes
poluidoras e para reuniões com a comunidade no bairro do Campeche, além da
impressão dos formulários de perguntas. Todos os custos serão divididos entre os
integrantes do grupo.
Em relação ao ponto de vista do conhecimento para a elaboração, todos os
integrantes do grupo se encontram nas últimas fases do curso, possuindo
conhecimentos oceanográficos e de organização de projetos para a realização
deste. Além disso, o suporte de professores e laboratórios da UFSC representam
uma forte base para as conclusões que virão ao final do semestre. O tempo para
realização de um semestre letivo é já conhecido dos integrantes e por isso não
apresenta riscos para a conclusão do projeto.
Para a realização do Evento junto à comunidade para a discussão do projeto,
serão buscados apoios para sediar o evento. Procurar-se-á também ONGs para
ajudar na educação ambiental, junto à participação de professores do curso de
oceanografia da UFSC para apresentar palestras no evento. Bandas e outros
participantes para atividades culturais serão convidados para apresentações
voluntárias.

5.2 Cronograma

2016
Abril Maio Junho Julho
Etapas
1° Quinzena 2° Quinzena 1° Quinzena 2° Quinzena 1° Quinzena 2° Quinzena 1° Quinzena 2° Quinzena

Obtenção dos Dados


Levantamento da Qualidade de Água
Identificação das Fontes Poluidoras
Caracterização da Dinâmica
Revisão Bibliográfica
Oceanográfica
Elaboração das Questões
Contato com Membros Atuantes da
Comunidade
Reuniões

Evento para Disponibilização das Organização


Informações e Discussão com a
Comunidade Realização
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CUNHA, P.R., ARAGÃO P.J., SALVADOR, R.M. Saneamento em Santa Catarina e


investimento PAC. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental
Seção Santa Catarina. 2008.
HALPERN, B. S.; WALBRIDGE, S.; SELKOE, K. A.; KAPPEL, C. V.; MICHELI, F.;
D’AGROSA, C.; BRUNO, J. F.; CASEY, K. S.; EBERT, C.; FOX, H. E.; FUJITA, R.;
HEINEMANN, D.; LENIHAN, H. S.; MADIN, E. M. P.; PERRY, M. T.; SELIG, E. R.;
SPALDING, M.; STENECK, R.; WATSON, R. A Global Map of Human Impacto n
Marine Ecosystems. Science, v. 319, p. 948-52, 2008.
HARTMANN, D. Global Physical Climatology. 1ª edição. University of Washington:
Academic Press, June 14, 1994. 411 p. (International Geophysics).

Dillehay, T.D., Ramírez, C., Pino, M., Collins, M.B., Rossen, J., Pino-Navarro, J.D.,
2008. Monte Verde: seaweed, food, medicine, and the peopling of South America.
Science 320, 784.
Vitousek, P.M., Mooney, H.A., Lubchenco, J., Melillo, J.M., 1997. Human domination
of earth’s ecosystems. Science 277, 494.
Tucci, C.E.M., Hespanhol, I., Netto, O., de, M.C., 2001. Gestão da água no Brasil.
UNESCO, Brasília, 156p.
McClelland, J.W., Valiela, I., 1998. Changes in food web structure under the
influence of increased anthropogenic nitrogen inputs to estuaries. Marine Ecology
Progress Series 168, 259–271.