Você está na página 1de 3

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Organização Administrativa Do Estado����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Federalismo������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Entes Políticos��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Autonomia Política������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Confederação���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Organização Administrativa Do Estado


Quando falamos em Estado, primeiramente temos que lembrar que a República Federativa do
Brasil se divide em União, Estados, Municípios e Distrito Federal, que se organizam política e admi-
nistrativamente, de acordo com o Art. 18 da Constituição Federal:
Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os
Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.
Dentro do Direito Administrativo, é importante saber dessas divisões e características, pois cada ente
terá suas atribuições e funções diferentemente determinadas (Administrativa, Judicial e Legislativa).
Analisando a Organização Administrativa do Estado, podemos iniciar pela primeira parte do
Art. 1º da Constituição Federal que diz:
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do
Distrito Federal.
Neste momento já podemos retirar informações acerca da Forma de Governo e da Forma de
Estado adotadas pelo Brasil. A palavra República vem do latim Res Publica, que significa “coisa do
povo”. Ela aponta um sentido de que quem governa está apenas “administrando coisa que é do povo”,
em contrapartida à forma de governo da monarquia, por exemplo, em que o governante é o “dono”
da Administração. Logo adiante, a Constituição Federal diz ser Federativa. Federação é a forma
pela qual o poder político do Estado vai se distribuir em uma base territorial, e agora nos apro-
fundaremos mais sobre esse tema.

Federalismo
Como visto, Federação é a forma pela qual o poder político do Estado se distribui em uma base
territorial. Embora o conceito possa parecer simples, há muita profundidade no tema, o qual será
analisado no momento, iniciando pelo conceito do que são os Entes Federativos e quais suas caracte-
rísticas no nosso ordenamento jurídico.

Entes Políticos
Os Entes Políticos, assim chamados os Entes Federativos (União, Estados, Municípios e Distrito
Federal), diferem-se dos Entes Administrativos, sendo aqueles a própria Administração Direta e
estes a relacionados à Administração Indireta.
É importante conhecer as diferentes nomenclaturas utilizadas, principalmente para efeitos de
prova. Os Entes Políticos também podem ser chamados de Pessoas Políticas, Entes Federativos,
entre outros. Da mesma forma, os Entes Administrativos também podem ser chamados Entidades
Administrativas. Essas são as principais informações cobradas em provas.
Os Entes Políticos são assim chamados por possuírem Capacidade Política.
Conforme o Art. 18, da CF:
Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os
Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.
A autonomia presente neste artigo significa que POSSUEM AUTONOMIA POLÍTICA.

Autonomia Política
Significa a junção das chamadas 4 Capacidades, que são:
˃˃ Capacidade de AUTOGOVERNO;
˃˃ Capacidade de AUTOFINANCIAMENTO;

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ Capacidade de AUTOADMINISTRAÇÃO;
˃˃ Capacidade de AUTOLEGISLAÇÃO.
→→ AUTOGOVERNO: possibilidade de escolher os próprios governantes e possuir Constituição própria.
Ao analisarmos tal situação, primeiramente devemos nos atentar para que alguns doutrinadores
diferem a Constituição Federal da Constituição Nacional, em que muitas normas são aplicadas a
todos os Entes Políticos, não voltadas à pessoa política da União.
Como exemplo, normas principiológicas, garantidoras de direitos, relacionam-se a todos os entes
e, portanto, fariam parte da chamada Constituição Nacional; já normas específicas à União, como
normas de organização interna de sua pessoa, é que seriam a Constituição Federal (neste sentido).
Assim como a União tem a Constituição Federal, pelo poder constituinte derivado decorrente, os
Estados também possuem suas próprias Constituições (Constituição Estadual).
Mas cuidado! Os Municípios não possuem Constituição, mas sim Leis Orgânicas (conforme o Art.
11 do ADCT, caput e parágrafo único).
Art. 11. Cada Assembleia Legislativa, com poderes constituintes, elaborará a Constituição do Estado, no
prazo de um ano, contado da promulgação da Constituição Federal, obedecidos os princípios desta.
Parágrafo único. Promulgada a Constituição do Estado, caberá à Câmara Municipal, no prazo de seis
meses, votar a Lei Orgânica respectiva, em dois turnos de discussão e votação, respeitado o disposto na
Constituição Federal e na Constituição Estadual.
Essa situação, de o Município ser parte das pessoas políticas, mas não possuir uma das capacida-
des de maneira plena (possuindo Lei Orgânica, e não Constituição), classifica, pela doutrina, nossa
Federação como ANÔMALA (à parte, diferente).
→→ AUTOFINANCIAMENTO: a competência para autofinanciamento decorre da possibilidade de
cobrar tributos específicos por cada Ente, para seu próprio financiamento.
Como exemplos, a União tem competência para legislar e arrecadar tributos federais, como, por
exemplo, o IR; os Estados têm competência para legislar e arrecadar tributos estaduais como o ICMS;
os Municípios têm competência para legislar e arrecadar tributos municipais como o IPTU.
→→ AUTOADMINISTRAÇÃO: é a característica de o ente possuir órgãos e agentes públicos próprios,
para desempenhar suas funções, de maneira organizada, internamente relacionada a cada.
→→ AUTOLEGISLAÇÃO: a capacidade de inovar na ordem jurídica, criar direito novo.
Como exemplos, temos as competências para legislar
˃˃ da União – Art. 22, CF;
˃˃ dos Estados – Art. 25, §1º, CF;
˃˃ dos Municípios – Art. 30, CF.

Confederação
Como vimos, na Federação os entes possuem AUTONOMIA Política, mas não possuem SOBE-
RANIA, e isso que difere a Forma de Estado Federação da Confederação. Na Confederação os Entes
possuem SOBERANIA, e não há um ente com direitos superiores.
Como principal implicação dessa diferença poderíamos notar o Direito de Secessão, que existe
somente no caso da Confederação, por possuírem os entes integrantes Soberania e possibilidade de
usar desse direito, que é o direito de se separar da união formada pelos demais entes, Estados.
No nosso ordenamento jurídico, fica claro ser Federação, e não Confederação, quando o Art. 1º
da CF diz ser a República Federativa do Brasil, formada pela união INDISSOLÚVEL dos Estados e
Municípios e do Distrito Federal, mostrando assim que os entes não possuem a soberania.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3

Você também pode gostar