Você está na página 1de 7

FACULDADE INTEGRAL DIFERENCIAL – FACID WYDEN

DISCIPLINA: BIOQUÍMICA
CURSO: ODONTOLOGIA
PROF. HELENA REINALDO

RELATÓRIO
PROPRIEDADES DA UREASE

Ana Gabrielle de Souza cavaleiro da silva- 191100570


Cibeles Sousa Moreira – 181100658
Eduarda Luz Moura-191100434
Kímbylly Alves do Vale -1812101209
Mayra Cristhina de Andrade Raul- 182100029

TERESINA-PI
Resumo
As enzimas são proteínas que possuem atividade catalítica, portanto, possuem
todas as características das proteínas. A uréase ocorre em algumas bactérias e
plantas, sendo facilmente extraída da soja e do feijão. Esta enzima catalisa a
hidrólise da ureia em amônia e dióxido de carbono.
OBJETIVO
1. Manipular experimentalmente soluções de enzimas.
2. Identificar experimentalmente as propriedades de termolabilidade e
especificidade de uma enzima.
3. Manipular reações catalisadas por enzimas com a finalidade de determinar a
influência da temperatura, do pH e ação de inibidores na atividade enzimática.
4. Entender o significado das operações e reações realizadas.
INTRODUÇÃO
As enzimas são um grupo de substâncias orgânicas de natureza
normalmente proteica (existem também enzimas constituídas de RNA, as
ribozimas), com atividade intracelular ou extracelular que têm funções
catalisadoras, catalisando reações químicas que, sem a sua presença,
dificilmente aconteceriam. Isso é conseguido através do abaixamento da
energia de ativação necessária para que se dê uma reação química, resultando
no aumento da velocidade da reação e possibilitando o metabolismo dos seres
vivos. A capacidade catalítica das enzimas torna-as adequadas para
aplicações industriais, como na indústria farmacêutica ou na alimentar.
Praticamente todas as reações no organismo são mediadas por enzimas sem
sofrerem alterações no processo global. Dentre as muitas reações biológicas
energeticamente possíveis, de forma seletiva, as enzimas canalizam reagentes
(os substratos) para rotas úteis. Logo as enzimas comandam todos os eventos
metabólicos (CHAMPE, 2006).
Em sistemas vivos, a maioria das reações bioquímicas dá-se em vias
metabólicas, que são sequências de reações em que o produto de uma reação
é utilizado como reagente na reação seguinte. Diferentes enzimas catalisam
diferentes passos de vias metabólicas, agindo de forma concertada de modo a
não interromper o fluxo nessas vias. Cada enzima pode sofrer regulação da
sua atividade, aumentando-a, diminuindo-a ou mesmo interrompendo-a, de
modo a modular o fluxo da via metabólica em que se insere. O ramo da
Bioquímica que trata do estudo das reações enzimáticas é a Enzimologia.
As enzimas convertem uma substância, chamada de substrato, em outro
denominado produto, e são extremamente específicas para a reação que
catalisam. Isso significa que, em geral, uma enzima catalisa um e só um tipo de
reação química. Consequentemente, o tipo de enzimas encontradas numa
célula determina o tipo de metabolismo que a célula efetua.
PARTE EXPERIMENTAL
 Materiais:
- Pipetas
- Tubos de ensaio
- Pêra
- Água destilada
- Banho fervente

 Reagentes:
- Biureto
- Uréia
- Urease
- Tiouréia
- HgCl2 (cloreto de mercúrio)

 Procedimento experimental:

- Reação da Urease com o Biureto:


Foram colocadas 5 gotas de suspenção urease num tubo de ensaio
adicionando 1ml do reativo de biureto. Transfere para o outro tubo 1ml
do reativo de biureto.

- Teste da Atividade:
Foram pipetadas 1,5ml de solução de uréia em um tubo adicionando 5
gotas de suspensão de uréase.

- Especificidade:
No primeiro tubo de ensaio, colocando 1,5ml de solução de uréia e no
segundo tubo adicionando 1,5ml de tiouréia e depois adicionar em
ambos os tubos 5 gotas de uréase.

- Desnaturação por Calor:


Colocando num tubo de ensaio 1ml de água destilada com 5 gotas de
suspensão de urease. Levando ao banho fervente durante 5 minutos em
seguida pipetando em outro tubo 1,5ml de solução de uréia e juntando
0,5 da suspensão de uréase fervida.

- Inibição por Sais de Mercúrio:


Acrescenta-se no primeiro tubo 5 gotas de solução uréase depois 1ml de
água destilada depois adicionando 1,5ml da solução de uréia. No
segundo tubo coloca-se 5 gotas de solução de uréase e depois 1ml de
água destilada, após adicionando 5 gotas de HgCl2 e 1,5 de solução de
uréia.

RESULTADOS

 Reação da Urease com o Biureto:


No primeiro tubo de ensaio, há presença de uréase (proteína), onde
obtivemos uma solução violeta. No segundo tubo não temos presença
da proteína, logo ficou com a cor azulada, dando negativo para o teste
de biureto.

 Teste de Atividade:
Notou-se uma coloração amarelada, devido a hidrólise da uréia
catalisada pela uréase em pH = a 7.0.

 Especificidade:
O primeiro tubo de solução de uréia reagiu e apresentou a cor rosa, pois
obteve a especificidade com a uréase. O segundo tubo continuou
apresentando a mesma cor da tiureia, pois não obteve a especificidade
com a uréase, ou seja, não reagiu.

 Desnaturação por Calor:


Mostrar que a uréase após aquecida no banho fervente, teve sua cadeia
de peptídeos desnaturadas notando em assim a diferença de reação.

 Inibição por Sais de Mercúrio:


Conclui-se, então que as enzimas possuem ação completa na presença
do substrato específico neste caso a uréase (enzima) e a uréia
(substrato) e que são notadamente constituídas de cadeias de peptídeos
(proteínas) e sofrem desnaturação quando aquecidas.
CONCLUSÃO
Pode-se observar que através de indicadores usados nas reações,
estes mostram prováveis faixas de pH. Como os ácidos ou bases fracas,
em meio aquoso os indicadores de pH ligam-se aos íons H+ ou OH-
sofrendo alteração de configuração e por possuírem propriedades
halacrômicas altera-se também as suas cores. As alterações de cores
foram observadas em todos os testes realizados nesse trabalho.
Por causa da especificidade de cada enzima para catalisar reações
apenas com substratos adequados ao lugar em que ocorre a reação (sítio
ativo), substratos diferentes não são catalisados pela enzima devido a
forma de sitio ativo.