Você está na página 1de 21

A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA NA EDUCAÇÃO

INFANTIL

VANILDA VALVERDE

Trabalho de Graduação de Curso, sob a forma de Artigo Cientifico, apresentado ao Centro


Universitário Leonardo da Vinci – UNASSELVI.

Profª Claudine Oliveira – Orientadora

Alagoinhas, 07 de junho de 2017


2

AGRADECIMENTOS

Ao nosso Deus pelo dom precioso da vida, pela fé e perseverança para vencer os obstáculos que me
fora proposto. A minha orientadora professora Claudine Oliveira pelas orientações ao longo de toda
pesquisa e construção de todo o trabalho. Agradeço ao professor Reginaldo Alves que esteve
conosco em nossos primeiros passos. Enfim, sou grata a minha família que me deu incentivos e
apoio durante o período em que estive estudando.
3

RESUMO

O presente artigo teve como objetivo conhecer a língua nas suas modalidades oral e escrita na
Educação Infantil. E, através dele, analisar o desenvolvimento das crianças e seu relacionamento
com a linguagem escrita, através da suas características e modalidades, muito antes de seu ingresso
na escola. Aprender a ler significa aprender a ler o mundo, dar significado / significado a ele. Diante
deste contexto, o trabalho proposto, objetiva elencar as principais concepções que norteiam o
processo de leitura e escrita.

Como marco no referencial teórico inspirou-se nos estudos de Vygotsky, Freire, Cagliari, Ferreiro,
Sole, Castro, Barbosa, entre outros. Quanto aos suportes metodológicos, utilizou-se a pesquisa
bibliográfica interpretando-a como a busca de significação do conteúdo teórico exposto pelos
pesquisadores da área e da descoberta dos contextos em que estas se fizeram e como esta proposta
está articulada na escola pelo coordenador pedagógico.

A escolha desse recurso “reside no fato de permitir ao investigador a cobertura de uma gama de
fenômenos muito mais ampla do que aquela que poderia pesquisar diretamente” (GIL, 1994). Ao
término deste trabalho é possível afirmar que a leitura está estritamente relacionada à escrita, mas
sua aprendizagem esta tradicionalmente ligada aos atributos linguísticos, culturais, sociais.

Palavras-chave: Linguagem – Leitura - Culturais.


4

1 INTRODUÇÃO

Um dos processos de integração da criança na escola se dá através da aquisição da leitura e


da escrita. Como objetivo geral deste estudo buscaremos entender o processo de alfabetização das
crianças através da leitura e escrita, condição está fundamental a integração na vida social, oferece
oportunidades de compreensão e respeito do universo da relação que influencia na construção da
existência da criança e é nesse momento que o desenvolvimento humano ocorre a partir do
entendimento do significado do mundo.
É preciso entender e colocar em prática este processo, levando aos nossos alunos, leituras
interessantes que produzam uma identificação com a vivência diária de cada um.
A leitura não pode ser vista unicamente limitada à transmissão de conteúdos em sala de aula,
mas também visa formar o hábito como aquisição de conhecimentos constantes para a vida. É
interessante que a leitura seja aplicada com encantamento. Sendo assim a criança vai buscar
aprender e compreender mais e mais. Desta forma, este artigo visa contribuir com um estudo
dirigido a profissionais envolvidos no processo ensino-aprendizagem, principalmente os professores
alfabetizadores, sobre a importância e construção da leitura e escrita na alfabetização.
Como a capacidade de compreensão não vem automaticamente, nem está plenamente
desenvolvida, ela precisa ser exercitada e ampliada em diversas atividades, que podem ser
realizadas antes que a criança tenha aprendido a decodificar o sistema de escrita. Os professores
contribuem para o desenvolvimento dessa capacidade, quando buscam formas interessantes de
ensinar aos alunos, sendo mediador do conhecimento, motivando-os cada vez mais a aprenderem. A
mediação do professor é muito importante, pois, favorecerá a compreensão das crianças. E para que
esta compreensão aconteça, ele precisa oferecer tarefas prazerosas e proporcionar aos alunos a
familiaridade com diversos gêneros textuais em que elas irão analisar, comparar, interpretar,
sistematizar e consequentemente o aprendizado se dará de forma reflexiva.
No processo de construção da aprendizagem da leitura e escrita as crianças cometem “erros”.
Os erros nessa perspectiva, não são vistos como faltas ou equívocos, eles são esperados, pois se
referem a um momento evolutivo no processo de aprendizagem. Eles têm um importante papel no
processo de ensino, porque informam o adulto sobre o modo próprio das crianças pensarem naquele
momento. E escrever, mesmo com “erros”, permite as crianças avançarem, uma vez que só
escrevendo é possível enfrentar certas contradições e com as intervenções feitas pelo professor, irá
superá-las.
É importante no momento de construção da aprendizagem da criança que o ambiente sala de
aula, seja atrativo e equipado de tal forma que sejam interessantes para as crianças, ativando o
desejo de produzir e o prazer de estarem ali. O professor por sua vez, deverá atuar como mediador,
5

e ser antes de tudo um leitor. Precisa ler para os alunos, ler com eles e saber ouvir com entusiasmo
as leituras dos textos que eles próprios produzem e escolhem para ler.
No início da vida escolar, para que as crianças aprendam a ler e a escrever com melhor
qualidade é preciso que tenham acesso a diversificados e bons modelos de leitura, observando e
utilizando a escrita em diferentes contextos, com efeito, é possível afirmar que é preciso oferecer
inúmeras oportunidades para que, as crianças sintam-se motivadas através da leitura e dessa
maneira as diferentes formas de escrita acontecem com mais autonomia. Leitura é um fator
importante na educação escolar, porque constitui um instrumento necessário para a realização de
novas aprendizagens, no entanto, seu conceito tem sido compreendido tradicionalmente como um
ato mecânico de decodificação de palavras. Sendo assim, a leitura deveria ser vista como um
processo de ensino/aprendizagem que vai além de um simples ato de decodificar, pois envolve uma
complexidade e exige sacrifício, é também descobrir e descobrir-se.
Conhecer as suas concepções é fundamental para que o educador possa refletir seriamente
sobre a importância que ela tem para o educando como processo de ensino/aprendizagem. Assim,
em uma sociedade em que prevalece a tecnologia e a transmissão de cultura, o educador precisa
conhecer as estratégias de leitura e procurar desenvolver no educando o domínio dessas estratégias,
possibilitando, desta forma, uma leitura significativa e principalmente a função que ela exerce tanto
dentro como fora do ambiente escolar. Por isso, deve-se levar em conta que escola e sociedade
estejam comprometidas com a leitura, com a formação de leitores para toda a vida. Diante do
exposto a presente pesquisa abordará o processo de leitura e escrita, através de uma abordagem
comparativa segundo os estudos de Kleiman (2000) e Matêncio (1994).

Focalizando o estudo de Matêncio (1994) sobre o processo de Leitura e Escrita: Natureza e


Desenvolvimento do Processo, analogicamente com o estudo de Kleiman (2000) a respeito da
Concepção Escolar da Leitura, ambos visam discutir e promover uma reflexão sobre as dificuldades
presentes nos alunos, devido a uma prática escolar não adequada ao processo de desenvolvimento
da leitura e da escrita e, consequentemente não favorecendo o avanço do conhecimento do aluno, o
que, provavelmente tende a aumentar as dificuldades no processo ensino/aprendizagem.

Com o estudo de Matêncio (1994) percebe-se que um dos problemas mais frequentes nos alunos
relaciona-se à escrita e à leitura que, por sua vez representam parte das dificuldades que os mesmos
apresentam em uma sociedade, na qual os indivíduos necessitam tanto compreender o sentido da
leitura e da. A autora define que o problema do ensino/aprendizagem está voltado para a associação
das letras com a diversidade de símbolos que o aluno deverá reconhecer e com a maneira pela qual
está sendo trabalhada em sala de aula, pois a noção que se transmite é que as letras definem-se por
símbolos representativos dos sons e da fala e, portanto, a escrita originou-se por meio da oralidade,
6

mas, de fato, a autora atenta a concepção da escrita de que, apesar dela estabelecer uma relação com
a fala, a mesma tem uma proximidade ainda maior com os símbolos humanos que, por sua vez
antecedem a fala, apresentando diversas funções em um meio social em que o aluno deverá
desenvolver através do seu conhecimento cognitivo e procurar decodificar esses símbolos e
compreender a informação que transmitem.

Sendo assim, torna-se perceptível que uma “falsa” abordagem em relação a escrita, traz à tona
dificuldades ao se trabalhá-la na escola, visto que o próprio processo de escrita e leitura, não podem
ser separados e, uma precede a outra.

Logo, esse conceito adotado em sala de aula promove, de certa forma, um desinteresse pela
leitura nos alunos, resultando ainda mais em uma precariedade do letramento tanto no âmbito
escolar quanto na vida social. Kleiman (1994) expõe esse aspecto que torna-se uma rotina no
decorrer da vida escolar dos indivíduos, enfraquecendo o relacionamento dos mesmos com o
universo da leitura e consequentemente interferindo no processo ensino/aprendizagem.

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2.1 RETROSPECTIVA HISTÓRICA DA PRÁTICA DE LEITURA NO CONTEXTO


ESCOLAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS.

De acordo com Martins (2007, p. 27) “[...] a leitura vai, portanto, além do texto e começa
antes do contato com ele”. A leitura acontece a partir do diálogo do leitor como uma finalidade lida,
seja escrito ou sonoro, seja um gesto, uma figura, um evento. Esse diálogo é valorizado por um
tempo e um espaço, uma situação ampliada de acordo com os desafios e as respostas que o objeto
oferece, em função de expectativas e obrigações, do prazer das descobertas e do conceito de
vivência do leitor. Para tanto, segundo as concepções das autoras, elas concordam que uma das
razões que tem contribuído para esse fracasso, relaciona-se ao fato de que esta assume o papel,
apenas de ser trabalhada como método avaliativo, isto é, a leitura torna-se avaliação com a função
de verificar se o aluno ler bem, se apresenta alguma dificuldade em determinadas palavras,
limitando o conhecimento dos alunos à gramática, verificação de nomenclaturas, concordância, ou
seja, desmerecendo o sentido que pode ser dado ao texto a partir de seu conhecimento cognitivo, e
pelo próprio texto.
7

A prática de leitura no contexto se escolar se dá por conta do surgimento dos livros didáticos
nas séries iniciais nas escolas do Brasil, diz respeito à evolução dos livros no Brasil, como também
o desenvolvimento com relação à leitura e os novos métodos aplicados para o avanço da
aprendizagem nas escolas, possibilitando uma criança a ler. Iremos encontrar neste artigo
importantes considerações de FERREIRO, TEBEROSKY, FREIRE e de outros pesquisadores que
estudaram o processo da leitura e escrita das crianças bem como a sua psicogênese. Evidencia-se a
função social da leitura, presente nos diversos usos da vida de cada indivíduo e sua grande
influência no aprendizado do leitor e do escritor. Apresenta metodologias do ensino e incentiva a
arte de alfabetizar com texto num processo ativo.

“Quando desejamos viajar para outro país precisamos de um passaporte, da mesma forma,
o passaporte de leitor nos ajudará ir para outra terra, ou melhor, para muitas outras terras,
essas terras pertencem a um mundo muito grande: o mundo dos leitores”. (CHICAGO,
p.29)

Diversas reformas aconteceram no ensino entre as décadas de 20 e 50, entre as quais, adotou-se
o ensino multiseriado. Segundo GALVÃO (1999, p.9), os anos 50 e 70 foram marcados por
multiplicidade de métodos alternativos de ensino centrado do aluno e não mais na ação do docente.
É importante ressaltar a expansão da escola pública que possibilitou o acesso à educação a uma
grande maioria da população. Houve também um enorme avanço da produção de livros; em
consequências, o público leitor cresceria e se diversificaria na década de 70. Cada livro passa a ter
um tempo menor de utilização na escola, pois as mudanças constantes ocasionaram a necessidade
de atualização contínua.

No decorrer dos anos, ampliaram-se às oportunidades de leituras Muitos recursos foram


inventados para facilitar o ato de ler. Com a revolução tecnológica, estes recursos, entre os quais o
lápis e o papel, que vieram modificando e revolucionando o ensino nas escolas primárias. Com os
recursos disponíveis, surgem outras modificações; a forma pela qual a criança aprende a ler e a
escrever.

Durante alguns anos, a leitura era utilizada apenas como suporte para as aulas de gramática e não
era trabalhada no sentido de formar leitores intelectualmente autônomos, com liberdade de escolher
livros para interpretar com clareza. Para isso, faz-se necessário que os alunos tenham, desde cedo,
acesso a todo tipo de leitura, principalmente, de leituras infantis, que colaboram significativamente
para a formação global do indivíduo. Nesse sentido, a leitura está intimamente relacionada com o
sucesso da tecnologia em contexto específico para tais fins.
8

Nessa perspectiva, aprender a ler não tem um fim em si mesmo; não basta memorizar os
símbolos da escrita e saber juntá-los, usando apenas a codificação e a decodificação. Entende-se que
o conteúdo usado é também pré-texto para desenvolver funções cognitivas e operações mentais, tais
como identificar, analisar, selecionar, organizar, comparar, diferenciar, representar mentalmente,
levantar hipóteses, promover relações virtuais e outros que, se bem desenvolvidos, beneficiarão a
criança em outras situações de raciocínio.

Para aprender a ler o não leitor deve se relacionar com os textos que leria se soubesse ler para
viver o que vive. O ambiente deve comportar-se com o não leitor, com se ele já possuísse os saberes
que deve adquirir”. (FOUCAMBET in: salto para o futuro. 1999 p.99). O processo de leitura tem
sido concebido por vários educadores, durante muitos anos, como algo adquirido pela
memorização. Então se ensinou durante décadas a ler e escrever seguindo uma sequência lógica de
conteúdo. Primeiro aprendiam-se as letras do alfabeto, iniciando-se pelas vogais, encontros
vocálicos; depois, consoantes, famílias silábicas, formação de palavras e, frases. E, finalmente, as
crianças estariam prontas para iniciarem a escrita de textos, ou seja, copiarem textos prontos e sem
sentido. Durante muito tempo era comum solicitar que os aprendizes da escrita copiassem textos do
tipo: “Eva viu a uva”; este, como outros de mesmo gênero, não tem significados, não fazem a
criança pensar, não desenvolvem a criatividade, apenas tem a função de fixar as sílabas estudadas,
decorando-as pela repetição constante.

Para aprender a ler, não basta conhecer os sistema de escrita, mas conhecer as características da
linguagem escrita, que mudam conforme o gênero do texto. Continuar alfabetizando pelo método
sintético, que parte destas letras para as palavras, ensinando ao aluno como realizar os passos
seguintes, insistindo nas orientações fonológicas aos alunos pré – silábicos que não possuem
nenhum esquema, sequer, para soletrar palavras silábicas, não é o melhor caminho.

“Apesar de apresentadas com dois sub-blocos, é necessário que se compreenda que leitura e
escrita são práticas complementares, fortemente relacionadas, que se modificam
mutuamente no processo do letramento”. (PCN, Língua Portuguesa, v.2, p.52)

Insistir neste tipo de atividade é persistir no erro da escola tradicional, que considera o aluno
uma tabula rasa e despeja sobre ele uma série de informações sem preocupar-se em como serão
recebidas. Porém, esperar que as crianças atinjam operações mentais e avancem sozinhas é outro
erro, pois o processo não é tão natural, as crianças precisam de informações do meio para que
organizem suas hipóteses, desequilibrem-se e as reorganizem. Ensinar a ler e a escrever continua
sendo uma das tarefas mais especificamente escolares; muitas crianças fracassam já nos primeiros
passos da alfabetização. Diante dessa problemática e em busca de caminhos que minimizassem, e,
9

até mesmo, erradicassem este entrave do processo ensino-aprendizagem, através de pesquisas, ANA
TEBEROSKY e EMÍLIA FERREIRO, desde 1974, travaram uma intensa pesquisa com o objetivo
de mostrar que existe uma nova maneira de encarar esse problema, que atinge tanto o educando
quanto o educador. Kleiman (2000) propõe o seguinte critério para a solução desse empasse que
seria de passar para o aluno uma quantidade maior de atividades em torno dos textos que já foram
lidos por eles, a fim de que o mesmo desenvolva seus conhecimentos com as informações que
obteve com a leitura dos textos e relacionar com o conhecimento prévio de mundo.

Confrontando Kleiman (2000) e Matêncio (1994) torna-se perceptível que elas concordam em
relação as concepções sobre o método, pois a leitura é trabalhada como papel fundamental de uma
atividade voltada para o ensino gramatical. Tendo em vista, que esse também se encontra nos livros
didáticos, os quais são utilizados apenas como meio reprodutor de informação e conhecimento,
excluindo o conhecimentos dos alunos, tornando-se um ato de imposição, sem compreensão. Com
efeito, Kleiman (2000) e Matêncio (1994) propõem alternativas no que diz respeito a concepção de
leitura , a qual propõe-se que a leitura seja trabalhada de diversas maneiras, tendo em vista que
mostrar que um texto pode apresentar diversas maneiras de ser trabalhado e com funções
diversificadas, dando ao aluno a oportunidade de interagir não só com os colegas mas com o
próprio texto, levando-o a questionar-se em relação as intenções do autor em abordar esse tema,
levantar hipóteses, ter um posicionamento positivo ou negativo, dentre outros aspectos.

Sendo assim, nesta perspectiva Freire (1986, p. 22) afirma que […] “ler não é só caminhar sobre
as palavras, e também não é voar sobre as palavras. Ler é reescrever o que estamos lendo. É
descobrir a conexão do texto, e também como vincular o texto/ contexto com meu contexto, o
contexto do leitor”. Neste sentido, a prática em sala de aula contribui de forma significativa para o
desenvolvimento desse processo, no entanto o que se percebe, é uma prática defasada, limitada, sem
maiores envolvimentos dos fatores do processo de ensino aprendizagem: professor/aluno.

Segundo essa prática Kleiman (2000, p. 24) afirma que

A prática de sala de aula, não apenas da aula de leitura, não propicia a interação entre
professor e aluno. Em vez de um discurso que é construído conjuntamente por professores e
alunos, temos primeiro uma leitura silenciosa ou em voz alto do texto, e depois, uma série
de pontos a serem discutidos, por meio de perguntas sobre o texto, que não leva em conta
se o aluno de fato o compreendeu. Trata-se, na maioria dos casos, de um monólogo do
professor para os alunos escutarem. Nesse monólogo o professor tipicamente transmite para
os alunos uma versão, que passa ser a versão autorizada do texto.

De fato, a leitura é um processo em que o leitor realiza um trabalho ativo de construção do


significado do texto. Por isso, cabe ao professor utilizar uma metodologia de ensino mais eficiente e
10

que esteja de acordo com as necessidades do aluno, em que é preciso apoiar-se em diferentes
estratégias.

Desse modo, Matêncio (1994) atenta para se trabalhar a leitura em um sentido de construir
significados e não somente buscar significados, o que de fato ocorre nas escolas, através de
atividades de leitura em que a participação do aluno seja fundamental, observando o grau de
dificuldade tanto gramatical quanto a compreensão que eles apresentam, pois dessa forma haverá o
aprimoramento do conhecimento cognitivo e linguístico. Portanto, torna-se relevante de forma clara
a ampla variedade de informações que o texto pode proporcionar através de uma leitura
significativa e proveitosa sem dispensar a participação do leitor.

2.2 A HISTÓRIA DA ESCRITA – BREVE ABORDAGEM

Para Mool (1996, p. 63) A escrita originou-se quando o homem, pelas suas necessidades
socioeconômicas do contexto, aprende a se comunicar com os seus pensamentos, atos e
sentimentos, por meio de signos e ou desenhos que, superando o caráter arbitrário inicial vão se
tornando inteligíveis para outros homens, que compreendem seus significados.

Foi então por conta da necessidade de sobrevivência que o indivíduo iniciou as primeiras
formas de comunicação escrita. Esta, por sua vez, não surgiu de repente, sua construção aconteceu
pouco a pouco de acordo com os interesses do homem e das condições existentes no meio, pois
desde os tempos pré-históricos, já se usava a escrita em forma de desenho para contar fatos e
acontecimentos. E, de acordo com a necessidade humana, o homem foi aperfeiçoando a escrita
como meio para a sua própria sobrevivência. Portanto, a escrita é uma ferramenta necessária e
imprescindível para a evolução de conhecimento e comunicação com o mundo.

A escrita é um código que faz relação o que se pensa ou se fala. Ela foi evoluindo
gradativamente através da necessidade de cada povo em querer desvendar e interpretar sua forma de
comunicação, sendo esta necessária para o conhecimento humano, passando a ser um marco
histórico da passagem entre a Pré-História e a História.
11

2.3 O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ESCRITA

Tomando como base as escolas da Rede Municipal de Teodoro Sampaio – Bahia onde os
professores e coordenadores pedagógicos fazem parte e tomam formações continuadas com o
Instituto Chapada de Educação e Pesquisa – ICEP os professores são orientados a analisarem o
nível de escritas da criança conforme a sua psicogênese pois durante o processo de alfabetização as
crianças elaboram e reelaboram hipóteses, muito curiosas e muito lógicas, em relação à grafia. No
entanto “a escrita inicia-se muito antes do que a escola imagina, transcorrendo por insuspeitados
caminhos”. (FERREIRO e TEBEROSKY, 1999, nota preliminar). É importante destacar que a
criança vive em contato com o mundo letrado, como por meio da televisão, aparelhos de celulares,
brinquedos, livros e revistas diversas, no qual, circula todas as letras em quantidades, estilos, tipos
gráficos diferenciados. É neste mundo que percorre informações que a criança está inserida e é a
partir deste pressuposto que elas começam a construção do seu processo leitor e escritor.

As diversas informações que a criança recebe no dia a dia, no convívio familiar, no


contexto social, nas brincadeiras com as outras crianças, enfim, o conhecimento que ela adquire
fora da escola, que aparentemente são desordenados, mas, no entanto são aprendizados que
influenciam para a compreensão do sistema gráfico. Muitas vezes a escola usa informações
descontextualizadas, sem o menor sentido para as crianças, que está se esforçando para
compreender como se dá esse processo.

Visando esta perspectiva “não basta inundá-los de letras escritas”, (PROFA, 2001). Para a
aprendizagem do sistema da escrita, a simples exposição de escrito não é suficiente para se
alfabetizar, mas oportunizar o contato com escritos que promovam situações do uso real da escrita,
desse modo “a língua escrita é um objeto de uso social”. (FERREIRO, 1995 p.37). É por exemplo
uma realidade vivida nas escolas da Rede Municipal de Teodoro Sampaio a realização de avaliações
diagnósticas baseadas no sistema de escrita que por sua vez são analisadas conforme estabelece
Ferreiro acerca da psicogênese da escrita e consequentemente tabuladas conforme os níveis
encontrados.

Não é apenas na escola, que é utilizada a língua escrita, mas no ambiente onde a criança
vive. A aprendizagem de linguagem escrita está intrinsecamente associada ao contato com textos
diversos e as crianças constantemente em suas vivências mantêm esse contato e isso é que faz com
que possam construir sua capacidade de ler e escrever. No início do processo a criança supõe que a
12

escrita é uma forma de desenhar as coisas, depois de uma árdua reflexão sobre a questão de que a
escrita representa a fala, o som das palavras e não o objeto a que o som se refere onde a mesma
perpassa por diversos níveis até alcançar de fato o nível alfabético. Ela faz reflexões para
compreender como se dá o sistema gráfico, suas ideias passam a progredir com relação à escrita,
compreendendo que a fala e a escrita se relacionam.

No PCN (1999), este assunto é tratado como uma sondagem. É através desse recurso que a
criança ainda não alfabetizada refletirá enquanto escreve.

A esse respeito, tanto o ICEP quanto os Parâmetros Curriculares Nacionais PCN, (1999),
sugerem atividades a serem ministradas na escola, com trabalhos coletivos, proporcionando as
crianças, identificarem seus próprios erros através de sondagens periódicas e tabulações realizadas
pelo professor com o apoio do coordenador pedagógico.

Com base nas pesquisas de Ferreiro e Teberosky, (1999) sobre a psicogênese da língua
escrita, elas mencionam que as crianças constroem hipóteses sobre o que a escrita representa,
chamando de hipótese de escrita. Estas evoluem de uma etapa inicial, em que a escrita não é uma
representação do falado (hipótese pré-silábica), para uma etapa em que ela representa a fala por
correspondência silábica (hipótese silábica) e, por fim, chegando a uma correspondência alfabética,
esta sim, adequada à escrita em português. É interessante se perceber como ocorre a escrita da
criança. Ela percorre por diversos caminhos, são várias as tentativas para chegar a uma escrita
ortográfica.

Para Ana Teberosky, (2002, p.8) “A criança dispõe de um saber sobre a escrita mesmo antes
de entrar para a escola”. Por conta dessa perspectiva, sabe-se que o professor muitas vezes, por não
valorizar esse saber, acaba atropelando uma importante via de mediação entre o conhecimento já
existente, advindo de um mundo letrado e promissor, tornando esfacelador e exaustante para a
criança.

Ao se falar em alfabetização, costumeiramente ficamos detidos em pensar que alfabetização é


o processo no qual aprendemos a ler e escrever. Mas segundo Solé, a alfabetização é: O domínio da
linguagem falada, da leitura e da escrita ou seja é um conjunto. Uma pessoa alfabetizada tem a
capacidade de falar, ler e escrever com outra pessoa e a consecução da alfabetização implica a falar,
ler e escrever de forma competente (1998, p.50).

Sendo assim diante do pensamento da autora estar alfabetizado é ter domínio das três
competências, “falar, ler e escrever” para uma comunicação fluente. No conceito de alfabetização
13

da autora, percebe-se que apenas ler não implica estar alfabetizado seguido da mesma linha de
raciocínio nas formações do Instituto Chapada que deixa bem claro que o simples fato de escrever
algumas palavras e devido a criança escrever ela está alfabética mas não alfabetizada.

2.4 OS DESAFIOS E AS PERSPECTIVAS DO PROCESSO DE LEITURA NAS SERIES


INICIAIS

Partindo do raciocínio de Martins (2007, p. 27) “[...] a leitura vai, portanto, além do texto e
começa antes do contato com ele”. A leitura acontece a partir do diálogo do leitor como uma
finalidade lida, seja escrito ou sonoro, seja um gesto, uma figura, um evento. Esse diálogo é
valorizado por um tempo e um espaço, uma situação ampliada de acordo com os desafios e as
respostas que o objeto oferece, em função de expectativas e obrigações, do prazer das descobertas e
do conceito de vivência do leitor para isso se torna necessário o envolvimento e a apresentação da
leitura a criança de maneira pela qual a criança se apaixone e passe a ter no professor um perfil
leitor.
Tomando como princípio as novas concepções construídas por meio de leituras práticas de sala
de aula, baseando-se em seus próprios conhecimentos ou esquemas cognitivos, isto é, capacidade de
formular, confirmar ou rejeitar hipóteses referentes às leituras, há várias maneiras de cativar o
estudante, apresentar livros de várias qualidades, ou seja, livros que abordem temas que desperte o
interesse dos mesmos, que façam sentido para ele; levar o aluno à biblioteca, solicitar que tragam
livros e revistas de suas casas ou emprestados de amigos. Escolher os mais interessantes títulos para
ler, realizar um dia por semana ou momentos de leitura quando todos poderão escolher um livro
para ler inclusive o professor, sem que essa atividade seja acompanhada de alguma cobrança para
que a criança sinta-se à vontade tome gosto pelo fazer.
Segundo os estudos da psicogênese FERREIRO (2002, p.10) diz que a escrita pode ser
concebida como um sistema de código e de representação. Como código, os elementos já vêm
prontos e como representação, a aprendizagem se constitui em uma construção pela criança. Ao
trabalhar a escrita como código, o ensino privilegia os aspectos preceptivos e motor, relação
grafema e o significado é desconsiderado.
De acordo com BARBOSA (1990, p.30), de modo geral, os métodos tradicionais de
alfabetização são caracterizados por um sistema fechado e o processo de aquisição da linguagem
escrita é visto como algo exterior ao indivíduo. A partir de então, esses métodos fazem uma análise
racional dos seus elementos, partindo de aspectos simples para os complexos, ou seja, primeiro
aprendem-se as letras e depois as sílabas, palavras e frases.
14

Nessa perspectiva, a aprendizagem é percebida como o somatório desses elementos mínimos.


A criança aprende através da repetição seguindo um modelo pré-estabelecido. A aprendizagem
torna-se, portanto, um processo mecânico e repetitivo, não levando em conta, o contexto sócio
histórico, nem o desenvolvimento psicológico da criança. Exige-se dela adaptação ao método e não
o método a ela. Assim, não leva à criança a compreensão do texto uma vez que é cobrada uma
leitura mecânica cuja compreensão é negada, a partir dos exercícios de interpretação de textos, que
não permitem que a criança seja sujeito de sua leitura.
Para BARBOSA (1990, p.7) é um equívoco ensinar a língua escrita a partir de partes
menores, letras, sílabas, palavras de forma separadas, pois na vida a criança fala e interpreta,
aprende a ler, ver as coisas no seu sentido completo e por inteiro e não parte, por parte. Segundo
este autor (p.40), as pesquisas demonstram que perceber as coisas por inteiro é mais significativo e
relevante para as crianças. Elas entendem com mais facilidade quando têm a visão do todo. Nesse
sentido, o texto é mais fácil de compreensão do que letras, sílabas e palavras. Deve-se, portanto,
ensinar a partir de textos variados e significativos para as crianças.
Diversas pesquisas na área da leitura comprovam que por meio de um lançar com os olhos a
criança percebe o todo da palavra. FERREIRO (2001, p.12) discordando dos métodos tradicionais,
também afirma que as dificuldades das crianças na aquisição da língua escrita são de ordem
conceitual e não questão de fácil e de difícil, simples e complexo ou problema perceptivo, como
pensam as teorias dos métodos.
“O leitor usa várias estratégias, faz seleção: leitor se atém apenas aos índices úteis,
desprezando os irrelevantes; antecipação: prevê o que ainda estar por vir, com base em
informação explicita e em suposições, antecipando o significado; inferência: capta o que
não está dito no texto de forma explicita, lê o que não está escrito; verificação: controla a
eficácia ou não das demais estratégias, confirma ou não as especulações realizadas”.
(SOLIGO, 2000, p.21).

Aprender a ler e escrever, durante muito tempo foi tido como um processo que somente
ocorria na escola quando a criança tinha contato direto com o professor. É sabido, que isto não é
necessariamente uma verdade, pois a aprendizagem da criança transcende aos espaços escolares.
Durante as visitações e entrevistas a professores de uma determinada escola percebemos a
existência de cantinhos de leitura que segundo os professores da unidade e a coordenação
pedagógica, os cantinhos servem como incentivo e motivação a leitura bem como também a
realização da sacolinha literária onde os alunos são sorteados durante a semana para levarem para as
suas casas um livro de contos e outros gêneros leem e depois socializam com os colegas da turma.
15

2.5 O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO JUNTO AO PROFESSOR


ALFABETIZADOR

Atualmente, é necessário que o professor esteja preparado para atuar em sala de aula, buscar
formação continuada, procurar novos conhecimentos, ser um eterno pesquisador e adquirir suporte
para facilitar sua transmissão para os discentes. Para isso se faz necessário a parceria do
coordenador pedagógico que assumirá o papel de mediador, deste modo o coordenador precisa
incentivar ao professor alfabetizador que assuma uma postura ativa e que possa buscar
metodologias que auxiliem em sua prática. A prática pedagógica deve sempre objetivar a formação
integral do aluno, buscando proporcionar a construção dos conceitos e situações para os casos
apresentados por meio de pesquisas, experimentações e discussões, contribuindo assim, para os
desenvolvimentos cognitivo, afetivo e social dos educandos.

Além da formação pessoal o espaço escolar e a mediação do coordenador com o professor é


muito importante para que a criança sinta-se importante e valorizada, desta forma ela se incentiva a
aprender mais e mais. A aprendizagem da leitura e da escrita solicita, em especial, que a criança
apreenda como o sistema de escrita acontece e que haja uma complexa conexão dos processos
neurológicos e de uma suave evolução de habilidades básicas como percepção, esquema corporal,
lateralidade, etc.  O professor deve ao aplicar atividades, elaborá-las de forma diversificada e ao
aplicá-la na sala de aula deve sempre enfatizar a importância da escrita na sua utilização nas
práticas sociais.

Considera-se importante, que o coordenador assuma o papel de orientador e incentivem aos


professores que estudem, reflitam e compreendam as novas expectativas que nasce em relação ao
trabalho em creches e pré-escolas. Perspectivas essas exigidas pela sociedade atual, marcada
largamente por imagens, sons, falas e escritas. Por isso, é imprescindível a “[...] exploração das
distintas linguagens como forma de expressão da criança: ler e produzir imagens, cantar e dançar,
dramatizar, pintar, desenhar, movimentar-se no espaço, assim como produzir linguagem escrita e
falada” (MELO, 2014, p. 46). Faz-se necessário abordar que os professores que assumem as classes
de alfabetização no Município de Teodoro Sampaio participam do Programa do Governo Federal e
Estadual – Pacto – PNAIC – programa que visa orientar os professores nas áreas de Língua
Portuguesa e Matemática por meio de encontros e formações. Durante estes encontros são
discutidos assuntos relacionados ao processo de leitura e escrita que se dá por meio da parceria do
professor alfabetizador e do coordenador pedagógico onde ambos estudam e analisam as avaliações
diagnósticas das crianças em seguida tabulam conforme o nível de escrita e traçam a partir daí
intervenções pedagógicas que auxiliem no avanço dos alunos.
16

3. MATERIAL E MÉTODO

O processo de investigação e construção deste trabalho tem enfoque qualitativo conforme a


ideia de Bogdan e Bikem (1982), citados por André e Ludke (1986) possui como características
principais a utilização do ambiente natural como fonte direta dos dados, o pesquisador como
principal instrumento da pesquisa alvo, a obtenção de dados predominantemente descritivos a
partir do contato do pesquisador com situação estudada e também a preocupação de trazer e
abordar a perspectiva dos participantes observados.

É possível afirmar que a pesquisa qualitativa tem caráter exploratório, uma vez que é tida por
aquilo que não se pode mensurar e estimula o entrevistado a refletir e explicitar-se livremente
sobre o assunto exposto. Assim sendo é fundamental que se leve em conta o sujeito em si e suas
peculiaridades considerando a sua relação dinâmica como mundo, tais pormenores inviabilizam
uma quantificação da pesquisa, ou seja, os dados coletados não podem ser traduzidos em números
quantificáveis.

No que diz respeito ao nível de investigação se caracteriza como descritivo que segundo
(Costa, 2006, p.65),” está interessada em descobrir e observar os fenômenos, procurando
descrevê-los, classificá-los e interpretá-los”.

Neste projeto de pesquisa foi utilizado o questionário como instrumento de coleta dos dados a
professores da modalidade de Educação Infantil. A coleta de dados através desse tipo de
instrumento exige um Chizzotti (1991, p.44) define o questionário como:

Um conjunto de questões sobre o problema, previamente elaboradas, para serem


respondidas por um interlocutor, por escrito ou oralmente. Neste último caso, o pesquisador
se encarrega de preencher as questões respondidas [...] A elaboração de um questionário
pressupõe a apropriação de algumas técnicas para chegar aos problemas centrais da
pesquisa.

O objetivo desta pesquisa é tomar conhecimento acerca do processo de leitura e escrita na Educação
Infantil ouvindo e entrevistando aos professores a respeito do tema desse Trabalho de Graduação,
buscando analisá-los a luz do referencial teórico de diversos autores que fazem abordagem dessa
temática.

4. ANÁLISE DE DISCUSSÃO E RESULTADOS

A presente pesquisa propicia a oportunidade de refletir sobre o processo da construção do


conhecimento, o momento para se fazer um confronto com a realidade e os saberes já construídos.
17

O trabalho aqui apresentado procurou mostrar a importância da leitura e da


escrita na alfabetização, não deixando de enaltecer as valiosas contribuições
das autoras e autores pesquisados para uma melhor compreensão do sistema
gráfico, desta feita selecionamos uma professora da Educação Infantil, uma
coordenadora pedagógica e também o diretor da escola para aplicação de um
questionário.
Diante dos estudos realizados a respeito da psicogênese da língua escrita, no
qual nos permite entender os processos e percursos que as crianças chegam a
dominar o funcionamento do sistema alfabético, ficou evidente que elas são
capazes de ler e escrever mesmo quando ainda não sabem, pois, o ato de ler
se faz constante em nossas vidas, desde que começamos a compreender o
mundo que nos cerca. Portanto o questionário foi organizado, conforme os
resultados encontrados durante a observação das aulas. As perguntas
realizadas foram as seguintes:

Quadro – A

Questionários

PROFESSOR (A) COORDENADORA DIRETOR


PEDAGÓGICA

Você costuma realizar leituras É possível ler e escrever na Como você apoia o
em sala de aula? Como? Educação Infantil? coordenador em suas práticas
pedagógicas?

É possível escrever nas turmas De que maneira você apoia o Como vocês fazem para
de Educação Infantil? professor alfabetizador? aquisição de livros que
incentivem a leitura na
Educação Infantil?

Como é realizado o processo Como se dá o processo Qual o seu papel durante o


de leitura e escrita nas turmas diagnóstico da escrita dos processo de diagnóstico de
de Educação Infantil? alunos da Educação Infantil? escrita na escola?

Por fim, interpretamos os resultados obtidos, tendo em vista as teorias apresentadas no início
do trabalho. A presente pesquisa nos revela alguns resultados interessantes, os quais refletem a
concepção teórica adotada pela professora escolhida para a entrevista, o coordenador pedagógico e
18

do diretor da escola, notamos que existe um grupo comprometido com o processo de ensino e
aprendizagem focando a leitura e escrita como reais possibilidades nas turmas da Educação Infantil.

Tabela 1 – Resultado da entrevista com a professora.

Pergunta 1 Pergunta 2 Pergunta 3

Sim, sempre que inicio as Sim, desde que seja respeitado A leitura se dá num processo
minhas aulas realizamos uma o tempo das crianças e interessante pois as vezes a
leitura. entender que este processo se criança utiliza a imaginação ou
dá por níveis. conhecimentos prévios e
também por meio de leitura de
imagens.

Conforme o resultado da entrevista é possível se perceber que a professora trabalha com a leitura e
a escrita mesmo em turmas de educação infantil, na rotina da professora a leitura ganha um espaço
importante e a mesma se posiciona como leitora para modelos.

Tabela 2 – Resultado da entrevista com o coordenador pedagógico.

Pergunta 1 Pergunta 2 Pergunta 3

Sem sombras de dúvidas sim Eu busco apoiar as professoras O diagnóstico é realizado por
com certeza. através do processo de meio do sistema de escrita a
formação continuada, criança é desafiada a escrever
orientação para construção de de seu jeito e em seguida
biblioteca de classe, cantinhos sentamos para tabular baseado
de leitura e também a inserção na psicogênese da escrita
da cultura do escrito na rotina conforme defende Emília
do professor. Ferreiro.

Por meio das respostas dadas pela coordenadora percebe-se que a mesma conhece o processo
teórico e prático da leitura e da escrita da Educação Infantil e apresenta em suas falas compreensão
no sistema da escrita baseado na teoria de Ferreiro, sem contar que a coordenadora é Pedagoga, pós-
graduada em Educação Infantil e pós-graduando em Coordenação Pedagógica.

Tabela – Resultado da entrevista com o diretor.

Pergunta 1 Pergunta 2 Pergunta 3

Apoio por meio de reuniões A escola recebe por meio do Eu busco estudar junto com o
19

com a equipe gestora e Programa Nacional da coordenador o sistema de


incentivando a construção de Biblioteca Escolar livros de escrita e as teorias para ajudar
um ambiente leitor e diversos gêneros. no processo de tabulação.
alfabetizador nas salas de aula.

O diretor entrevistado é graduado em Pedagogia e pós-graduado em Educação Infantil e tem um


conhecimento relevante com o sistema de escrita. De acordo com os depoimentos, constata-se que
os entrevistados apresentam compreensão no sistema de escrita, conforme a fala de todos a escola
dá prioridade e importância ao processo de leitura e escrita nas turmas de Educação Infantil.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As crianças em fase de Educação Infantil devem sentir-se sempre capazes de exercitar o que foi
proposto. O progresso dos movimentos e das habilidades deve ser de qualidade crescente,
superando obstáculos e aspirando a novos desafios. Esse progresso repercute nos demais
movimentos e possibilita a introdução de outras atividades mais complexas. Vivemos em uma
sociedade em que a leitura e a escrita estão por toda à parte.
Independentemente de saberem ler e escrever, as crianças convivem com isso em seu dia-a-dia ela,
muitas vezes toma o adulto como seu modelo referencial, que interage diretamente sobre elas.
Foi possível analisar que todo o processo de aprendizagem está articulado com a história de cada
indivíduo, e o ser humano aprende mais facilmente quando o novo pode ser relacionado com algum
aspecto de sua experiência prévia, com o conhecimento anterior, com imagens, palavras e fatos que
estão em sua memória, com vivências culturais. A aprendizagem não se dá no vazio, é uma
realização individual, por meio de uma construção que é histórica e social e que supõe, portanto,
essa interação com o outro e com a produção simbólica da humanidade.
Pudemos constatar, no entanto, que este trabalho abordou de forma minuciosa as bibliografias de
autores que estudaram e nos privilegiaram com assuntos riquíssimos que nos remete a este processo
complexo, que necessita do aprimoramento também dos professores, da escola e de seus familiares.
E, por fim vimos que as crianças chegam à escola com experiências e significados diversos em
relação às atividades de ler e escrever, e para o alfabetizador, é importante saber como a criança se
posiciona em relação à palavra escrita, qual o significado dado a ela em sua família e comunidade
entendendo também que o professor alfabetizador necessita do apoio do coordenado pedagógico
que é um forte aliado no processo da construção da leitura e da escrita. Atualmente temos percebido
20

que os alunos do Ensino Fundamental, têm apresentado cada vez mais dificuldades nos processos
de leitura e escrita, isto deve-se ao fato de que eles apresentam um alto grau de desmotivação, e
também devido estarem inseridos em uma sociedade em que predomina a tecnologia que passa a ser
também encarado como uma problemática vivenciada pelos professores. Mas, principalmente,
porque o professor trabalha este aspecto de modo a reproduzir decodificar e avaliar os
conhecimentos dos alunos conforme lhe fora transmitido, desconsiderando a atividade crítica,
cognitiva e interacional. Neste sentido, a presente pesquisa buscou de maneira reflexiva discutir
sobre as dificuldades dos alunos no que diz respeito a prática de leitura e escrita, e assim
compreender as concepções acerca dos processos de leitura e escrita segundo as autoras Kleiman
(2000) e Matêncio (1994), Ferreiro e Teberosky cujo o objetivo maior é conscientizar os educadores
sobre sua prática de ensino e incentivar a adotarem uma metodologia centrada em uma abordagem
interacionista que leve em consideração não só o seu conhecimento, mas o conhecimento de mundo
do próprio aluno, sem contar, que o professor pode fazer um paralelo dessas práticas por meio de
atividades lúdicas que possam despertar o prazer do aluno enquanto cidadão do universo da
educação.
21

REFERÊNCIAS

CARDOSO, B: A. T. – Reflexões sobre o ensino da Leitura e Escrita, 2ª Ed. Petrópolis, Vozes,


1994.
CAGLIARI, L. C. – Alfabetização Sem o BÁ-BÉ-BI-BO-BU, 1ª ed., 2ª impressão, São Paulo,
Scipione, 2002.

FERREIRO, E; A. T. – Psicogênese da Língua Escrita, Porto Alegre, Artes Médicas, 1991.

FERREIRO, E; M. G. P. – Os processos de Leitura e Escrita, 3ª ed., Porto Alegre, Artes Médicas,


1990.
ROCCO, M. T. F. – Literatura / Ensino: Uma Problemática, 2ª. ed., São Paulo, Ática, 1993.

SELFRIN. L. M.: ET. AL – Vanguardas Pedagógicas, Volume VI. Rio Grande do Sul:
EDELBRA, 1993.

TEBEROSKY, A.; L. T. – Além da alfabetização, 4ª. Ed., São Paulo, Ática, 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais, Introdução: Brasília. 1997.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1989.