Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA

2018/1 – CPP 30 – LEITURAS DE CULTURA POLÍTICA I


Discente: Débora de Oliveira Santos

SEMANA 5:

Questão sobre "Estado"

1) Explicar  a concepção de Bendix sobre a formação do Estado em simbiose com a nação e


como ele utiliza a comparação como forma de compreensão dos processos de construção
nacional no livro estudado.
1) Para analisar a questão da construção do Estado-nacional, Bendix (1977) tem o ponto
de partida na formação dos Estados nacionais europeus, usando como perspectiva analítica a
relação entre autoridade e povo, e o elemento da mudança social como pêndulo na verificação
das transformações sociais dentro do tempo-histórico. Sob base predominantemente
weberiana, analisa a condição desses estamentos num momento pré-moderno e num outro
momento já moderno, baseando-se em uma metodologia histórico-comparada, no que ele
chama de “before-and-after” (BENDIX, 1977, p. 15).
A partir disso, analisa as condições da Europa medieval, apontando que a autoridade
se encontrava focada em um soberano que, por meio das suas relações com os vassalos,
instituía as relações de dominação com os demais sujeitos da localidade territorial. Essa
dominação e a presença dessa autoridade eram mediadas; e a organização dessa associação
era assistemática. Já na Europa moderna, observa outras condições de relação entre autoridade
e povo, não mais intermediadas, mas inerentes à individualidade de cada sujeito; a
organização torna-se sistemática – institucionalizada e burocratizada –, os sujeitos se
relacionam agora diretamente com a autoridade pública, por meio de uma ampliação da
cidadania e dos direitos a ela relacionados.
Para o autor, nos processos históricos europeus, essa mudança social teve seu ápice na
Revolução Francesa, momento em que as tensões nas relações entre sociedade e autoridade
encontraram a exaustão e se encerraram na constituição e codificação de direitos de cidadania,
não só pela necessidade de se produzir um sistema mais igualitário, mas também pela
demanda de modernização e de desenvolvimento daquela conjuntura histórico-social. Para
Bendix (1977) esse processo de mudança social ocorreu de forma simbiótica na construção do
que é nação e do que é Estado dentro do contexto europeu, em que, concomitantemente, a
formação desses elementos foi sendo necessária e foi sendo constituída; um demandando ao
outro, simultaneamente.
O diferencial teórico da obra está na insatisfação anunciada de Bendix com o alcance
das teorias mais generalizantes e evolucionistas da sociologia. Para contrapor a visão
teleológica da história, usa da comparação para elucidar as transformações sociais ocorridas
em diferentes países e forma com a qual eles relacionaram a tradição e a modernidade nos
seus projetos de construção nacional. Bendix busca afastar-se das teorias que separam esses
dois elementos por entendê-las como esforços tautológicos, que, muitas vezes, suprimem
importantes peculiaridades desses processos fora do eixo europeu. Argumenta pela
comparação e pelo mecanismo “before-and-after” que nem todos os países passaram ou
passarão pelas mesmas etapas – nem mesmo os europeus considerados plenamente
industrializados – e que estão todos, de alguma forma, ainda em desenvolvimento.
REFERÊNCIAS
BENDIX, R. Nation-building and citizenship: studies o four changing social order. Berkeley:
University of California Press, 1977.