Você está na página 1de 56

Coleção SENAR 262

Piscicultura:
manejo da
água
Presidente do Conselho Deliberativo
João Martins da Silva Junior

Entidades Integrantes do Conselho Deliberativo


Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil - CNA
Confederação dos Trabalhadores na Agricultura - CONTAG
Ministério do Trabalho e Emprego - MTE
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA
Ministério da Educação - MEC
Organização das Cooperativas Brasileiras - OCB
Confederação Nacional da Indústria - CNI

Diretor Geral
Daniel Klüppel Carrara

Diretora de Educação Profissional e Promoção Social


Janete Lacerda de Almeida
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL

262
Coleção SENAR

Piscicultura:
manejo da água

Senar – Brasília, 2019


© 2019, SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL – SENAR

Todos os direitos de imagens reservados. É permitida a reprodução do


conteúdo de texto desde que citada a fonte.

A menção ou aparição de empresas ao longo desta cartilha não implica que


sejam endossadas ou recomendadas pelo Senar em preferência a outras não
mencionadas.

Coleção SENAR - 262


Piscicultura: manejo da qualidade da água

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS


Fabíola Bomtempo

EQUIPE TÉCNICA
Marcelo de Sousa Nunes / Valéria Gedanken

FOTOGRAFIA
Wenderson Araújo
Tony Oliveira

ILUSTRAÇÃO
Plínio Quartim

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.
Piscicultura: manejo da qualidade da água. / Serviço Nacional
de Aprendizagem Rural. – Brasília: Senar, 2019.
52 p.; il. 21 cm (Coleção Senar, 262)

ISBN: 978-85-7664-230-5

1. Piscicultura. 2. Manejo da água. 3. Produção de peixes. I. Título.

CDU 639.3
Apresentação

O elevado nível de sofisticação das operações agropecuárias defi-


niu um novo mundo do trabalho, composto por carreiras e opor-
tunidades profissionais inéditas, em todas as cadeias produtivas.

Do laboratório de pesquisa até o ponto de venda no supermer-


cado, na feira ou no porto, há pessoas que precisam apresen-
tar competências que as tornem ágeis, proativas e ambiental-
mente conscientes.

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) é a escola


que dissemina os avanços da ciência e as novas tecnologias, ca-
pacitando homens e mulheres em cursos de Formação Profis-
sional Rural e Promoção Social, por todo o país. Nesses cursos,
são distribuídas cartilhas, material didático de extrema rele-
vância por auxiliar na construção do conhecimento e constituir
fonte futura de consulta e referência.

Conquistar melhorias e avançar socialmente e economicamen-


te é o sonho de cada um de nós. A presente cartilha faz parte
de uma série de títulos de interesse nacional que compõem a
Coleção SENAR. Ela representa o comprometimento da insti-
tuição com a qualidade do serviço educacional oferecido aos
brasileiros do campo e pretende contribuir para aumentar as
chances de alcance das conquistas a que cada um tem direito.
Um excelente aprendizado!

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

www.senar.org.br
4
5

Sumário
Introdução......................................................................................................7

I. Entender o sistema de produção........................................................8


1. Conheça a água na piscicultura...........................................................8
2. Conheça os açudes e as barragens..................................................12
3. Conheça os viveiros escavados.........................................................14
4. Conheça os tanques-rede..................................................................15
5. Conheça os tanques de alto fluxo.....................................................16

II. Conhecer, medir e corrigir a qualidade da água.............................18


1. Entenda a dinâmica da temperatura da água.................................18
2. Entenda o pH da água.........................................................................29
3. Saiba o que causa o mau sabor dos peixes.....................................42
4. Conhecer e manejar o solo de viveiros e açudes...........................43

Considerações finais...................................................................................49

Referências...................................................................................................50

Piscicultura: manejo da qualidade da água


6
7

Introdução

Na piscicultura, diferentemente da criação da maioria dos outros ani-


mais, o ambiente onde os peixes vivem, se reproduzem, respiram e
lançam seus dejetos é o mesmo, a água. Soma-se a isso o fato de não
ser o ambiente em que vive o homem, tornando seu manejo ainda
mais desafiador.

Como a qualidade da água da piscicultura é um dos principais fato-


res que determinam o sucesso da criação, é essencial investir em
conhecimento e no correto manejo da água para alcançar os resul-
tados desejados.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


Entender o sistema de
I
produção

Na piscicultura, existe uma grande diversidade de ambientes onde


os peixes são criados. Desde viveiros e açudes, tanques-rede até tan-
ques revestidos com lona plástica ou construídos em alvenaria. Cada
um desses sistemas requer formas específicas de manejo de quali-
dade de água.

1. Conheça a água na piscicultura

Em viveiros e açudes, onde a água tem contato com o solo, suas ca-
racterísticas são fortemente afetadas pelas propriedades químicas
do solo. Por exemplo, em locais em que o solo do viveiro ou açude é
ácido, a água tende a tornar-se ácida também. Da mesma forma, em
locais onde o solo é rico em calcário, as águas também são natural-
mente enriquecidas desse material.

8
9

Além da influência dos minerais presentes no solo, os ambientes


de piscicultura normalmente são ricos em organismos vivos, além
dos próprios peixes criados. Neles vivem plânctons – organismos
microscópicos que podem ser vegetais (fitoplânctons) ou animais
(zooplânctons) –, uma diversidade de insetos, bactérias, entre outros.

A riqueza de microrganismos está diretamente relacionada ao acú-


mulo de nutrientes no ambiente, geralmente vindos dos resíduos
lançados pelos peixes (fezes, amônia, gás carbônico). Assim, quanto
maior o acúmulo de resíduos, maior a quantidade de microrganis-
mos. E, como o excesso de alguns tipos de microrganismos pode pre-
judicar o crescimento e a saúde dos peixes, é importante evitar, ao
máximo, sua presença no ambiente de criação.

Representação do ambiente de um viveiro com todos os seus componentes

1.1 Conheça o papel do fitoplâncton

O fitoplâncton é composto por vegetais microscópicos que, na pre-


sença de luz, fazem a fotossíntese, processo pelo qual consomem
nutrientes e gás carbônico da água para produzir seu próprio ali-
mento liberando, como subproduto, oxigênio no ambiente aquático.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

Esse grupo de microrganismos tem papel fundamental nos ambien-


tes aquáticos, como viveiros, açudes e barragens, representando a
principal fonte de abastecimento de oxigênio. Soma-se a isso o fato
de serem essenciais no processo de “autolimpeza” da água, contri-
buindo com a reciclagem dos resíduos lançados.

Além das funções relacionadas à qualidade da água, o fitoplâncton é


a base da alimentação de outros microrganismos e também de algu-
mas espécies de peixes e pequenos animais.

Representação dos efeitos do fitoplâncton durante o dia

Atenção

O aumento na quantidade de fitoplâncton, causado pelo excesso


de resíduos no ambiente, é uma das principais causas de
problemas relacionados à qualidade da água na piscicultura. Por
isso, respeite os limites de densidade de peixes e a quantidade de
ração fornecida em cada tipo de ambiente.

10
11

1.2 Conheça o papel do zooplâncton

O zooplâncton representa o conjunto de microrganismos animais


presentes no ambiente, tendo papel fundamental na alimentação
dos peixes, nas fases iniciais de crescimento (pós-larvas e alevinos)
de algumas espécies, e durante todo o ciclo de vida de outras (tilápia
e tambaqui).

Se alimentam do fitoplâncton e de outros microrganismos animais


de menor tamanho e precisam de água de qualidade para pode-
rem sobreviver e se multiplicar. São bons indicadores da qualida-
de do ambiente e também têm papel importante na reciclagem
dos resíduos.

1.3 Conheça o papel das bactérias

As bactérias são os microrganismos que iniciam a reciclagem dos


resíduos, tanto pela quebra da matéria orgânica lançada (fezes e
resíduos de ração) como pela transformação de substâncias tóxicas
(como amônia e nitrito) em elementos menos tóxicos (nitrato) que
podem ser usados pelo fitoplâncton. Por isso, a atuação das bacté-
rias no ambiente aquático – como o da piscicultura – é fundamen-
tal para o processo de “autolimpeza” e a manutenção das condições
adequadas na criação.

Dentre os diferentes grupos de bactérias, existem aqueles que de-


pendem do oxigênio para realizar a quebra da matéria orgânica, pro-
cesso chamado decomposição aeróbica. Tal processo é benéfico ao
ambiente por gerar os nutrientes que são aproveitados pelos outros
microrganismos presentes.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

Quando o processo de quebra da matéria orgânica ocorre sem oxi-


gênio, conhecido como decomposição anaeróbica, é gerada uma sé-
rie de substâncias altamente tóxicas (por exemplo: gases metano,
sulfídrico e nitrito) que podem levar os organismos aquáticos, como
os peixes, à morte.

Atenção

Mantenha as condições satisfatórias de qualidade de água para


evitar a ocorrência de decomposição da matéria orgânica na
piscicultura.

2. Conheça os açudes e as barragens

Açudes são os reservatórios usados para a criação de peixes que nor-


malmente acumulam a água das chuvas e nascentes.

Barragens são os reservatórios construídos no leito de riachos e rios


por meio do seu barramento, diretamente influenciados pelo escoa-
mento da água das chuvas.

Em geral, açudes e barragens têm menor custo de construção, por


aproveitarem a topografia natural do terreno, o que geralmente faz
com que tenham formato irregular. Às vezes, apresentam diferenças
significativas na profundidade, dependendo do desnível do terreno
onde são construídos.

Em termos de manejo, tanto a correção da qualidade da água como a


captura dos peixes são mais difíceis em açudes e barragens, pelo fato
de não terem controle de entrada de água, principalmente quando o
fluxo de água é grande.

12
13

Por outro lado, a maior renovação de água que ocorre nos açudes e
nas barragens, principalmente durante o período chuvoso, contribui
para o menor acúmulo de resíduos nesse ambiente.

Atenção

Verifique a qualidade da fonte de água e as características do solo


onde se planeja construir açudes e barragens pois, às vezes, a
correção da qualidade da água é economicamente inviável.

Alerta ecológico

Licencie todas as construções usadas na piscicultura junto ao


órgão ambiental responsável. Observe as normas específicas ou
consulte um técnico especializado antes de construir esse tipo
de estrutura.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

3. Conheça os viveiros escavados

Viveiros escavados, em geral, são construções de formato retangular


e fundo regular, levemente inclinado, que apresentam controle de
abastecimento e drenagem de água. Esse tipo de construção tem o
manejo de produção facilitado, seja no momento da captura dos pei-
xes ou na correção da qualidade da água.

Como esse sistema de produção permite maior controle sobre o fluxo


de água, normalmente também é um ambiente mais estável do ponto
de vista da qualidade da água, se comparado aos açudes e às barragens.

Atenção

Como esse tipo de ambiente normalmente tem pouca renovação


de água, é mais provável o acúmulo de resíduos. Por isso, respeite
o limite de fornecimento de ração para evitar problemas com a
qualidade da água.

14
15

4. Conheça os tanques-rede
Os tanques-rede são estruturas usadas para a produção de peixes
confinados sob alta densidade, geralmente empregados para apro-
veitar grandes ambientes aquáticos onde é inviável criar peixes soltos
(represas de usinas hidrelétricas, rios e lagos naturais, entre outros).

Atenção

1. Antes de iniciar o empreendimento, pesquise o histórico de


qualidade da água do reservatório onde se pretende produzir
os peixes.

2. É importante fazer um estudo para avaliar a qualidade da água


do reservatório, durante pelo menos um ano, para verificar as
variações que ocorrem no ambiente.

Nesse sistema de criação, todos os resíduos gerados pelos peixes


são descartados diretamente no ambiente e devem ser diluídos em
um grande volume de água. Por isso, a qualidade da água do am-
biente sofre influência direta da quantidade de resíduos lançada.

Outro ponto fundamental é garantir que a qualidade da água dentro


dos tanques-rede seja tão boa quanto a do ambiente a sua volta, o que
depende de fatores como tamanho do tanque-rede, tipo de material
usado, movimentação da água, densidade de peixes, entre outros.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

5. Conheça os tanques de alto fluxo

Os tanques de alto fluxo são aqueles que recebem grandes trocas de


água. Em geral, esse tipo de ambiente é revestido por algum material
plástico ou alvenaria para evitar a erosão e também o acúmulo de
resíduos dentro do sistema.

Nos tanques de alto fluxo, a qualidade da água é mantida pela sua


contínua renovação, que é responsável pela retirada dos resíduos só-
lidos (fezes e restos de alimentos) e dissolvidos (amônia, nitrito e gás
carbônico). Por isso, o manejo da água nesse tipo de sistema depende,
principalmente, da eficiência na remoção dos resíduos.

A água usada tanto pode ser descartada (sistema aberto) como reuti-
lizada (sistema fechado). No sistema aberto, os resíduos descartados
com a água são diluídos em volumes maiores para não causar pre-
juízos ambientais. No sistema fechado, os resíduos são capturados
em filtros, para que a água retorne às boas condições iniciais e seja
reutilizada na criação de peixes.

Na produção em tanques de alto fluxo, a presença de microrganis-


mos como o plâncton é pouco relevante, graças à grande troca de
água e ao não acúmulo de nutrientes no sistema.

16
17

Atenção

Sistemas de alto fluxo são bastante complexos nos aspectos


construção e operação. Por isso, busque apoio de técnicos
especializados antes de iniciar esse tipo de criação.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


Conhecer, medir e corrigir
II
a qualidade da água

A qualidade da água na piscicultura é monitorada em observância


a um grupo de características físicas e químicas, chamadas de va-
riáveis. Todas elas afetam direta ou indiretamente o desempenho e
as condições de saúde dos peixes e, por isso, precisam ser medidas
periodicamente.

Atenção

Sempre que necessário, faça as correções para garantir os bons


resultados da produção.

1. Entenda a dinâmica da temperatura da água

A temperatura da água em ambientes de criação, quando não é ma-


nipulada artificialmente, reflete a temperatura do ar. Assim, a água
esquenta ao receber radiação do sol quando a temperatura do ar
está mais alta e esfria quando está mais baixa.

As mudanças de temperatura na água são mais lentas que no ar. Um


exemplo disso é o início de um dia de sol, após uma noite fria, quan-
do a temperatura do ar aumenta rapidamente, mas a água demora
várias horas para aquecer. Ou ainda, o final de um dia quente, quan-
do a temperatura do ar logo cai ao pôr do sol, mas a água permanece
quente por algumas horas até começar a esfriar.

18
19

Como os peixes não são capazes de regular a temperatura do corpo,


a temperatura da água tem forte influência nos animais (respiração,
apetite, digestão, crescimento, entre outros). E, quando são manti-
dos em temperaturas abaixo ou acima do ideal, seu desempenho e
sua saúde são prejudicados. Por isso, faça o acompanhamento da
temperatura da água na piscicultura e adote o manejo mais adequa-
do para cada situação.

Para os peixes tropicais, no geral, bons resultados na produção são


alcançados em temperaturas da água entre 26 e 30°C, podendo va-
riar de espécie para espécie.

Limites de tolerância dos peixes para a temperatura da água

1.1 Meça a temperatura da água


1.1.1 Meça a temperatura usando um termômetro ou aparelho
digital pela manhã (6 h) e à tarde (17 h) em viveiros e açudes

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

1.1.2 Faça a medição próximo da superfície (20 cm de


profundidade)

1.1.3 Anote os dados em uma planilha de controle

1.2 Faça o manejo respeitando a temperatura da água

Atenção

1. Evite deixar as margens dos viveiros e açudes rasas, com


menos de 80 cm de profundidade, local onde a água atinge
temperaturas altas em horários de grande incidência de sol.

2. Não alimente os peixes dos viveiros e açudes nos horários em


que a temperatura estiver acima ou abaixo dos limites críticos
para alimentação.

3. Evite capturar e transportar os peixes fora da faixa de


temperatura ideal.

20
21

1.3 Entenda a respiração dos peixes e a dinâmica


do oxigênio na água

O processo de respiração da maioria dos peixes acontece pelas brân-


quias (popularmente chamadas guelras). Nesse local, após percorrer o
corpo do peixe, o sangue chega mais pobre em oxigênio e rico em gás
carbônico, justamente para ganhar da água o oxigênio e descartar o
gás carbônico, o que ocorre por diferença de concentração.

Para que isso ocorra de forma adequada, a água precisa estar rica em
oxigênio e pobre em gás carbônico em relação ao sangue dos peixes.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

O oxigênio dissolvido na água normalmente vem do ar da atmosfera e


da fotossíntese do fitoplâncton.

Embora o ar seja uma importante fonte de oxigênio, na piscicultura,


a velocidade com que a água ganha o oxigênio do ar, de forma na-
tural, é muito menor que a velocidade de consumo dos organismos.

Por isso, na criação de peixes em viveiros e açudes, a produção de


oxigênio, pela fotossíntese do fitoplâncton, é a principal fonte (cerca
de 80%) que abastece as necessidades de todos os organismos pre-
sentes na água.

Dentre os organismos que habitam o ambiente de piscicultura, o fi-


toplâncton é o responsável pela maior parte do oxigênio consumido
(cerca de 60%). As bactérias e os demais microrganismos ocupam o
segundo lugar (cerca de 25 a 30%) e os peixes, os menores consumi-
dores, representam de 5 a 10% do total consumido.

Assim, o oxigênio produzido pela fotossíntese e acumulado durante


o dia precisa ser suficiente para ser fornecido a todos os organismos
durante a noite, período em que não há produção.

Representação dos efeitos do fitoplâncton durante o dia.

22
23

Por esse motivo, aprenda a manejar o fitoplâncton, pois seu cresci-


mento excessivo é um dos principais responsáveis pela falta de oxi-
gênio no ambiente, o que se torna mais grave quando a incidência de
luz é reduzida (dias nublados e chuvosos).

Para os peixes tropicais, o ideal é que a concentração de oxigênio


dissolvido na água, medida em miligramas por litro (mg), esteja sem-
pre acima de 4 mg, para um ótimo crescimento e sobrevivência. En-
tretanto, concentrações de até 3 mg são consideradas toleráveis na
maioria das pisciculturas.

1.4 Meça a concentração de oxigênio na água

O oxigênio na água, tanto em falta como em excesso, pode prejudi-


car o desempenho e a saúde dos peixes.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

As principais causas da falta de oxigênio na água da piscicultura, que


devem ser evitadas, são:

• Excesso de resíduos orgânicos (fezes e resíduos de ração) lançados


na água, normalmente resultado da densidade excessiva de peixes;

• Baixa incidência de luz, resultado de dias nublados/chuvosos


seguidos;

• Excesso de argila na água, o que dificulta/impede a entrada de


luz; e

• Invasão de plantas aquáticas flutuantes que sombreiam a super-


fície da água, impedindo a entrada de luz.

O excesso de oxigênio na água (acima de 15 mg/L) pode ocorrer


quando há multiplicação excessiva de fitoplânctons, estimulada pela
grande concentração de nutrientes lançados e pela alta incidência
de luz.

O nível crítico de oxigênio está perto de 3 mg/L, portanto deve ser


corrigido assim que se notar quedas bruscas.

Atenção

Estoque os viveiros e açudes com a densidade adequada de


peixes e previna problemas com o oxigênio na água.

1.4.1 Verifique se o aparelho está em boas condições e calibra-


do (siga as instruções do fabricante)

1.4.2 Coloque a sonda na água e, quando o valor ficar estável


(parar de mudar), anote a leitura mostrada na tela do aparelho

24
25

Atenção

1. Meça todos os dias, a cerca de 20 cm de profundidade, pela


manhã (6 h) e à tarde (17 h) em todos os viveiros. Esteja atento
aos dias nublados, pois vários dias seguidos nessa condição
aumentam o problema de produção.

2. Faça as medições em locais que sejam representativos da


condição do viveiro, evitando locais próximos à entrada da água,
muito rasos ou isolados.

1.4.3 Corrija o baixo nível de oxigênio na água

As condições de oxigênio da água podem ser melhoradas pelo ma-


nejo de alimentação e/ou pelo uso de aeração artificial.

a) Maneje a alimentação

• Não alimente os peixes enquanto os níveis de oxigênio estive-


rem abaixo de 3 mg/L;

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

• Reduza a taxa de alimentação ao observar que os níveis do oxi-


gênio estão caindo para perto de 3 mg/L pela manhã; e

• Se disponível, prepare a aeração de emergência naqueles vivei-


ros ou açudes com risco de atingir níveis críticos, perto da mor-
talidade (menor que 2 mg/L).

b) Use aeração mecânica em viveiros e açudes

Aeradores são equipamentos utilizados com o objetivo principal de


acelerar a passagem do ar da atmosfera para viveiros e açudes po-
bres em oxigênio. Esse processo é feito jogando a água para o ar ou
injetando ar dentro da água.

Dentre os diversos tipos de aeradores disponíveis no mercado, os


do tipo chafariz e os do tipo pá são os mais comuns. Mas, indepen-
dentemente do modelo, escolha um que apresente alta eficiência
verificada pelo índice, chamado de SAE, que indica a quantidade
de oxigênio transferido para a água (kg O2) por unidade de energia
elétrica gasta (kWh).

Modelo de aerador do tipo chafariz

26
27

Atenção

Escolha aeradores que tenham o índice de eficiência (SAE) acima


de 1,8 kg O2 /kWh.

Dimensione a potência instalada de acordo com a produtividade pla-


nejada, conforme Tabela 1.

Tabela 1. Potência de aeração recomendada de acordo


com a produtividade

Produtividade planejada Potência de aeração


(kg/hectare) (HP)

8.000 5

10.000 6

12.000 8

Deixe os aeradores instalados e prontos para uso em viveiros que


não possuem troca de água significativa (abaixo de 5% por dia) e es-
tão recebendo altas taxas de alimentação (acima de 6 kg de ração a
cada 1.000 m2).

Atenção

Instale os aeradores do tipo chafariz em locais com profundidade


de água de, pelo menos, 1 m e aeradores do tipo pá em locais
com, no mínimo, 1,4 m de profundidade.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

1.4.4 Meça a concentração de oxigênio no início da noite


(Medida 1), às 19 h por exemplo, e anote

1.4.5 Repita a medição no mesmo local uma hora depois


(Medida 2), ou seja, às 20 h, e anote

1.4.6 Calcule a queda na concentração de oxigênio em


uma hora

Atenção

Inicie a aeração toda vez que o nível de oxigênio estiver abaixo


de 3 mg/L, prevenindo que essa concentração fique abaixo de 2
mg/L. Definindo a hora em que o aerador deve ser acionado.

Queda de oxigênio por hora = oxigênio medida 2 − oxigênio medida 1

Exemplo:

Resultado da medição de oxigênio às 19 h = 7 mg/L, menos o resulta-


do da medição de oxigênio às 20 h = 6,5 mg/L

Onde:
Queda de oxigênio por hora = 7 - 6,5 = 0,5 mg/L

Isso quer dizer que é previsto que ocorra uma diminuição de 0,5 mg/L
de oxigênio a cada hora, até o amanhecer, quando a produção de oxi-
gênio pela fotossíntese se reinicia.

1.4.7 Calcule o tempo que levará para a concentração de oxi-


gênio chegar ao limite crítico de 3 mg/L

Medida 2 - limite crítico


Tempo até o limite crítico =
Queda por hora

6,5 - 3
Tempo até o limite crítico = = 7h
0,5

28
29

Isso indica que o limite crítico de oxigênio (3 mg/L) será atingido 7 ho-
ras após a medida 2, que foi feita às 20 h.

1.4.8 Calcule o horário em que o limite crítico de oxigênio


poderá ocorrer
Horário do limite crítico = Horário da medida 2 + Tempo até o
limite crítico - 24
Horário do limite crítico = 20 + 7 - 24 = 3 h

Esse resultado indica que o limite crítico de oxigênio ocorrerá por


volta das 3 horas da manhã. Assim, acione o aerador nesse horário
ou deixe um sistema automático (timer) programado para isso.

2. Entenda o pH da água
O pH indica se a água é ácida ou básica, sendo o pH 7 considerado
neutro. Quando é menor que 7, o pH é ácido e, acima de 7, alcalino
ou básico. O pH da água é influenciado diretamente pelo solo do
viveiro ou açude. Assim, quanto mais ácido for o solo do local, mais
ácida a água.

Entretanto, o pH também fica mais ácido devido à respiração dos


organismos aquáticos, principalmente à noite. Durante o dia, com a
fotossíntese do fitoplâncton, o pH aumenta, sofrendo, assim, varia-
ções ao longo do dia e da noite.

Para o cultivo da maioria dos peixes, o ideal é que o pH se mantenha


entre 6,5 e 8 e a variação diária seja menor que 2 unidades, para que
o ambiente seja mais confortável aos animais, especialmente para as
pós-larvas e os alevinos.

0 Ácida 7 Alcalina 14
Neutra
Escala do pH

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

2.1 Meça o pH da água

O pH da água pode ser medido por diferentes métodos, sendo os


mais comuns o kit químico de análise ou um aparelho eletrônico,
chamado peagâmetro.

Independentemente do método adotado, realize a medição sema-


nalmente, considerando:

• Escolha um dia de sol e realize a medição do pH em todos os


viveiros (a 20 cm de profundidade) no final da tarde, por volta
das 17 h;
• Na manhã seguinte, por volta das 6 h, meça novamente o pH, de
preferência no mesmo local da primeira medição; e
• Anote os resultados na planilha de controle e verifique se estes
estão entre 6,5 e 8 e também se a variação é menor que 2.

2.1.1 Utilize o kit químico de análise

Utilize sempre o mesmo recipiente, que deve estar limpo, para ter
certeza de que não há contaminação e erro de medição.

a) Colete a amostra de água usando o recipiente


b) Adicione o indicador de cor seguindo as instruções do
fabricante
c) Compare a cor da amostra com o padrão fornecido pelo fa-
bricante

d) Anote o resultado

Atenção

Não utilize o recipiente de medição de pH para fazer outro tipo de


análise. Ao final do procedimento, lave-o com água limpa.

30
31

2.1.2 Utilize o medidor de pH

a) Ligue o aparelho

b) Calibre-o conforme as instruções do fabricante

Certifique-se de que a medição está correta

c) Coloque a sonda do aparelho na água com cuidado para não


bater no fundo ou nas laterais do viveiro
d) Espere até a medição (número na tela) estabilizar

e) Anote o valor indicado no aparelho

Atenção

Todas as vezes que for utilizar o aparelho, faça a calibração.

2.1.3 Corrija o manejo da produção e o pH da água

a) Reduza a alimentação dos peixes nos horários em que o pH


estiver acima de 8 ou abaixo de 6,5
b) Evite capturar e transportar os peixes quando a água apre-
sentar pH fora da faixa ideal

c) Verifique se a alcalinidade total da água está na faixa ideal e


aplique calcário, caso necessário

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

2.2 Entenda a alcalinidade e dureza da água

A alcalinidade e dureza total são usadas para indicar a presença de


calcário na água, substância que contribui para manter o equilíbrio
do pH próximo do neutro (7). Quando a alcalinidade total e a dureza
total estão próximas a 30 mg/L, as condições de criação são mais
favoráveis aos peixes.

Não há limites críticos de alcalinidade ou dureza para a produção


de peixes, mas procure manter esses parâmetros acima de 30 mg/L.

A medição da alcalinidade e dureza é feita no campo usando um kit


químico de análise de água. Para isso, siga as instruções do fabrican-
te, tendo sempre o cuidado de usar recipientes (vidro ou plástico)
limpos, para evitar erros na medição.

2.2.1 Meça a alcalinidade e dureza da água

A medição da alcalinidade e dureza total da água deve ser realizada


nas seguintes situações:

• Após o enchimento de um viveiro;

• Duas semanas depois da aplicação de calcário;

• A cada dois meses, em todos os viveiros, a título de acompanha-


mento; e

• Quando houver grandes variações de pH (acima de 2 unidades)


ou níveis de pH acima de 9.

2.2.2 Corrija a alcalinidade e dureza da água

Faça a calagem para corrigir a alcalinidade e dureza da água, aplican-


do o calcário agrícola, conforme as doses apresentadas no Quadro 1.

32
33

Quadro 1. Doses de calcário para correção da água com


base na alcalinidade total
Dose para cada 1.000 m²
Alcalinidade total
de viveiro

Menor que 10 mg CaCO3/L 300 kg

Entre 10 e 20 mg CaCO3/L 200 kg

Entre 20 e 30 mg CaCO /L 3
100 kg

Distribua o calcário de maneira uniforme sobre todo o viveiro,


caminhando pelas laterais, ou utilize trator ou barco, caso facilite
a operação.

Atenção

1. Evite renovar a água excessivamente, pois a troca dilui e/ou


remove o calcário presente.

2. Evite usar cal virgem ou hidratada para fazer a calagem, pois


esses produtos provocam grande alteração no pH da água,
podendo levar os peixes à morte.

2.3 Conheça a amônia

A amônia é o principal resíduo liberado pelos peixes durante a di-


gestão. Também é produzida pelos microrganismos na decomposi-
ção da matéria orgânica presente na água. Em grande quantidade, a
amônia prejudica o crescimento e a saúde dos peixes. Assim, o ideal
é que sua concentração esteja abaixo de 0,05 mg/L .

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

Processo de liberação de amônia pelos peixes

Na água, a amônia pode ser encontrada em duas formas: amônia


(NH3), muito tóxica para os peixes, e amônio (NH +), pouco tóxico.
Quando se faz a medição da amônia presente na água, ela sempre
representa a soma das duas formas (amônia + amônio), o que é cha-
mado de amônia total.

Para saber quanto existe da amônia tóxica, é preciso medir também


o pH e a temperatura da água.

2.3.1 Meça a concentração de amônia na água

Deve ser usado um kit químico de análise de água para medir a amô-
nia total (siga as instruções do fabricante).

a) Meça a temperatura da água com um termômetro

b) Meça o pH da água usando um kit químico de análise ou me-


didor de pH

c) Compare os valores encontrados com a Tabela 2

• Encontre, no pH, o valor mais próximo do medido;


• Encontre, na temperatura, o valor mais próximo do medido; e
• O valor onde se cruzam o pH e a temperatura representa a por-
centagem da amônia total que está na forma tóxica.

34
35

d) Calcule a amônia tóxica


Tabela 2. Porcentagem de amônia tóxica, de acordo com
o pH e a temperatura

Temperatura da água em oC
pH
24 26 28 30 32

6,5 0,17 0,19 0,22 0,25 0,29

7 0,52 0,60 0,69 0,79 0,90

7,5 1,63 1,87 2,14 2,45 2,80

8 4,97 5,68 6,48 7,36 8,35

8,5 14,18 16 17,96 20,08 22,36

9 34,32 37,58 40,91 44,28 47,66

9,5 62,30 65,56 68,65 71,53 74,22

10 83,94 85,76 87,38 88,82 90,10

Para calcular a amônia tóxica, use a equação:

amônia total x valor da tabela


Amônia tóxica =
100 %

Veja o exemplo a seguir:


• Amônia total = 1,5 mg/L (medida usando o kit químico de análise)
• pH = 7 (medido usando o kit químico de análise)
• Temperatura = 30oC (medida com termômetro)
• Valor da tabela (sinalizado) = 0,79%

1,5 mg 1,185 mg
L x 0,79% L 0,0118 mg
Amônia tóxica = = =
100% 100% L de amônia
tôxica

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

Veja, no exemplo a seguir, o que acontece com o valor da amônia


tóxica se o pH aumentar, com a mesma amônia total:
• Amônia total = 1,5 mg/L (medida usando o kit químico de análise)
• pH = 9 (medido usando o kit químico de análise)
• Temperatura = 30oC (medida com termômetro)
• Valor da tabela (sinalizado) = 44,28%

1,5 mg 66,24 mg
L x 44,28% L 0,6642 mg
Amônia tóxica = = =
100% 100% L de amônia
tôxica

Perceba nesses exemplos que, mesmo sem mudança na amônia to-


tal, o aumento do pH fez com que a concentração de amônia tóxica
passasse de 0,0118 mg/l, que é inofensiva aos peixes, para 0,6642
mg/L, que já é considerada prejudicial a eles.

Veja no Quadro 2 os limites de amônia tóxica que prejudicam a ali-


mentação e que podem levar várias espécies de peixes à morte (ex.
tilápia), quando expostas por tempo mais prolongado.

Quadro 2. Limites de amônia tóxica para tilápia

Limites críticos de amônia tóxica – NH3 (mg/L) Tilápia

Alimentação 0,2

Mortalidade 1

Faça a medição da concentração da amônia total, pH e temperatura


no período da tarde (17 h) em dia de sol nos viveiros em que a quan-
tidade de ração oferecida for maior do que 60 kg por hectare/dia.

Repita essa medição a cada 5 dias e anote em planilha os valores da


amônia total e da amônia tóxica calculada.

36
37

2.3.2 Maneje a amônia na água

a) Suspenda a alimentação

Quando observar níveis elevados de amônia, reduza ou suspenda a ali-


mentação dos peixes até que a concentração volte a níveis aceitáveis

b) Faça troca de parte da água, se possível

2.4 Saiba do problema de nitrito na água

O nitrito (NO2-) é uma substância tóxica aos peixes produzida a partir


da transformação da amônia pela ação de bactérias, principalmente
em viveiros que estão recebendo grandes quantidades de ração (aci-
ma de 60 kg/hectare/dia).

Atenção

1. As condições que facilitam o aparecimento de nitrito


são baixas temperaturas da água (abaixo de 24 oC) e baixas
concentrações de oxigênio nela.

2. Quando os peixes estão intoxicados por nitrito, há uma alteração


na coloração do sangue, que escurece e ganha uma tonalidade
marrom, similar à cor de chocolate. Essa condição é chamada de
“síndrome do sangue marrom” e pode levar os peixes à morte, com
sintoma parecido com o da falta de oxigênio na água.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

2.4.1 Meça o nitrito na água

No campo, meça a concentração de nitrito usando um kit químico de


análise. Nele, uma reação de cor com a amostra de água indica a sua
concentração (siga as instruções do fabricante). Lembre-se de man-
ter o recipiente (vidro ou plástico) limpo para evitar erros na leitura.

Meça a concentração de nitrito sempre que o oxigênio dissolvido es-


tiver baixo (menor que 2 mg/L) e a temperatura abaixo de 24o C nos
viveiros com altas taxas de alimentação (maior que 60 kg/hectare/dia).

Atenção

Verifique se há sinais como brânquias de cor amarronzada, peixes


boquejando na superfície ou concentrados na entrada de água.

38
39

Quadro 3. Limites de tolerância para a maioria dos


peixes tropicais

Limites críticos de nitrito (NO2) Valor em mg/L

Alimentação 0,3

Mortalidade 0,7

2.4.2 Maneje o nitrito na água

a) Suspenda a alimentação dos peixes

Enquanto o nível de nitrito estiver acima dos limites críticos para ali-
mentação (0,3 mg/L).

b) Coloque aeração para aumentar a concentração de oxigênio

c) Renove a água, se possível

2.5 Entenda a transparência da água

A transparência é a medida da profundidade, em centímetros, que


indica a penetração da luz solar na água. Ela varia de acordo com a
presença de fitoplâncton, tornando a água verde, ou se houver ex-
cesso de argila em suspensão, tornando a água barrenta.

A presença de argila na água, chamada de turbidez mineral, geral-


mente tem origem na erosão das margens dos viveiros e açudes,
nas águas de enxurradas ou mesmo pela movimentação dos peixes
quando as águas são rasas. Águas muito barrentas podem causar
irritação ou feridas nas brânquias dos peixes. Com isso, eles podem
ser mais facilmente afetados por parasitas e doenças.

Para verificá-la, usa-se o disco de Secchi. Para a maioria das espécies,


é desejável que a água esteja verde, mas com transparência entre 30
e 50 cm, indicando uma adequada densidade de fitoplâncton, que

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

produz oxigênio para os peixes e evita o crescimento de plantas no


fundo dos viveiros.

Disco de Secchi

2.6 Meça a transparência da água


2.6.1 Afunde o disco de Secchi lentamente na água até que
não seja possível enxergá-lo

40
41

2.6.2 Verifique a profundidade, em centímetros, que é chama-


da de transparência da água

2.6.3 Anote o valor de transparência na planilha

Anote junto com a informação sobre a cor da água (verde, barren-


ta, cor de chá ou incolor).

Faça a medição a cada semana, aproximadamente no mesmo horá-


rio, de preferência em dias de sol.

2.7 Maneje a transparência da água

Se a transparência estiver abaixo do ideal e a água muito esverdea-


da, reduza a alimentação até que sua condição melhore ou faça sua
troca parcial.

Caso a transparência esteja abaixo do ideal, causada pela turbidez de


argila, identifique e corrija a causa:

• Em caso de erosão, faça o controle plantando grama ou capim


nas laterais;
• Em caso de enxurrada, faça desvios para evitar a entrada da
água turva;
• Em caso de presença de animais (gado, cavalos, entre outros),
cerque a área e impeça o acesso; e
• Avalie a possibilidade de aplicar calcário nas mesmas doses usa-
das para equilibrar o pH da água, o que também ajuda a decan-
tar parte da argila.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

Exemplo de tanque de água com turbidez por argila

3. Saiba o que causa o mau sabor dos peixes

Às vezes, os peixes podem apresentar sabor desagradável, popular-


mente conhecido como “gosto de barro”. Esse problema também é
chamado de off-flavor, termo em inglês que indica que o sabor está
alterado, o que já foi uma das principais barreiras ao consumo de
peixes de criação.

3.1 Entenda as causas do mau sabor


O mau sabor ou off-flavor na carne dos peixes ocorre pelo acúmulo
de substâncias produzidas principalmente por microalgas, do grupo
das cianobactérias, na carne. Essas algas fazem parte do fitoplânc-
ton e, quando morrem e se decompõem nos viveiros, liberam na
água substâncias que causam odor e sabor desagradáveis.

Atenção

O mau sabor dos peixes não tem relação com o fato de serem
criados num viveiro ou açude de barro. Esse problema acontece
principalmente em águas muito verdes, ou seja, com alta
densidade de fitoplâncton.

42
43

3.2 Previna o mau sabor nos peixes


Para que os peixes não apresentem o mau sabor, faça um adequado
monitoramento e manejo da qualidade da água, controle também o
crescimento excessivo do fitoplâncton, não ultrapassando os limites
de alimentação e povoamento dos viveiros e açudes.

3.3 Corrija o mau sabor nos peixes


Para corrigir o problema de mau sabor, melhore a condição da qua-
lidade da água, reduzindo a alimentação e aplicando calcário (se ne-
cessário). Para uma correção mais rápida, transfira os peixes para
um ambiente de água limpa (pobre de fitoplâncton), processo cha-
mado de depuração.

Após um período, que pode variar de poucos dias até duas semanas,
os peixes voltarão à condição normal de sabor na carne.

4. Conhecer e manejar o solo de viveiros e açudes

Na criação em viveiros e açudes, os cuidados com o solo do fundo


são muito importantes, por causa da sua grande influência sobre a
água. O solo tem reação química relacionada à acidez (pH), pois é o
local onde ocorre a decomposição da matéria orgânica depositada.

4.1 Entenda como o solo influencia na qualidade da


água na piscicultura
Quando o solo é ácido, essa acidez é repassada para a água dos vi-
veiros e açudes, influenciando o seu pH. Por isso, se nenhum manejo
for feito, os viveiros e açudes construídos sobre solos ácidos normal-
mente terão água ácida. Por outro lado, se o solo for rico em calcário,
a água apresentará pH próximo do neutro.

No caso dos solos ácidos, a calagem é feita para neutralizar a acidez


do solo em contato com a água, criando uma camada de isolamento
dessa acidez. Paralelamente a isso, ocorre aumento da alcalinidade e
dureza total, equilibrando o pH da água.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

O solo do fundo dos viveiros e açudes é onde as bactérias e outros


microrganismos fazem a decomposição da matéria orgânica lança-
da ao longo da produção, como as fezes dos peixes, os resíduos de
ração e o plâncton morto. Por isso, para manter a boa qualidade da
água, garanta um ambiente favorável à decomposição da matéria or-
gânica, como a boa oxigenação e o pH neutro da água no fundo do
viveiro ou açude.

Maior quantidade de resíduos Menor quantidade de resíduos

44
45

4.2 Faça o correto manejo do solo do fundo do


açude ou viveiro
Ao final de cada ciclo de criação, melhore as condições do solo do
fundo do viveiro ou açude para favorecer a eliminação da matéria
orgânica lançada e garantir uma boa qualidade da água na próxi-
ma safra.

4.2.1 Maneje açudes e viveiros sem drenar

Em açudes e viveiros em que não se deseja ou não é possível realizar a


secagem, ao final do ciclo de produção e após a despesca, para melho-
rar as condições do solo e da água, devem receber manejo diferenciado:

a) Não repovoe o viveiro ou açude até que a qualidade da água


esteja adequada.

Principalmente quanto aos níveis de oxigênio, pH e amônia;

b) Verifique a alcalinidade e dureza total da água.

Se estiverem abaixo de 20 mg/L, faça a calagem para melhorar o pH


do solo e da água e para favorecer a atuação das bactérias.

c) Meça o oxigênio dissolvido próximo ao fundo. Não repovoe o


viveiro ou açude até que sua concentração esteja acima de 2
mg/L. Para acelerar esse processo, utilize aeração artificial.

d) Repita essa medição a cada 2 dias

4.2.2 Maneje açudes e viveiros drenados

a) Meça a alcalinidade e dureza da água no momento da


drenagem

b) Drene o viveiro ou açude, mantendo o fundo molhado

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

Atenção

Não aplique nenhum tipo de produto químico (exemplo: cal


virgem, cloro, entre outros) que possa prejudicar o processo de
decomposição da matéria orgânica.

Alerta ecológico

Não descarte a água de drenagem em corpos de água natural


(riachos, lagos, entre outros).

4.2.3 Deixe a matéria orgânica se decompor

As principais causas do acúmulo de matéria orgânica no solo do fun-


do de viveiros e açudes são a falta de oxigênio e a acidez. Deve-se
facilitar a decomposição dessa matéria orgânica, ao drenar o viveiro
ou açude.

46
47

a) Deixe o fundo do viveiro ou açude em contato com o ar, por


7 a 12 dias

b) Aplique calcário

Caso a água, no momento da drenagem, apresente alcalinidade e


dureza abaixo de 20 mg/L, aplique calcário agrícola no fundo do vi-
veiro ainda molhado para corrigir o pH do solo.

Atenção

1. Não deixe o fundo do viveiro ou açude secar até rachar,


pois isso paralisa a decomposição da matéria orgânica pelos
microrganismos.

2. Não aplique cal virgem ou hidratada no viveiro ou açude, pois


isso mata os microrganismos responsáveis pela decomposição da
matéria orgânica.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

48
49

Considerações finais

O manejo eficiente da qualidade da água na piscicultura é o segredo


do sucesso da produção. Garantir a qualidade do ambiente de
criação permite, além de alcançar resultados favoráveis de ganho
de peso e conversão alimentar, manter a boa saúde dos peixes. Por
isso, dominar os conhecimentos nessa área é, para o piscicultor,
um dos pontos mais importantes da piscicultura.

Piscicultura: manejo da qualidade da água


COLEÇÃO SENAR • Nº 262

Referências

Kubitza, F. Qualidade da água no cultivo de peixes e camarões.


Jundiaí, Fernando Kubitza (ed.), 2a edição, 2013. 229p. ISBN: 978-85-
98545-08-0.

Ayroza, L.M.S. (Coord.). Piscicultura. Manual Técnico, 79. Campinas:


CATI, 2011, ISSN: 2236-028X.

50
http://ead.senar.org.br

SGAN 601 Módulo K


Edifício Antônio Ernesto de Salvo • 1º Andar
Brasília-DF • CEP: 70.830-021
Fone: +55(61) 2109-1300
www.senar.org.br