Você está na página 1de 267

Sistemas de Retificadores Intergy

Capítulo 1
- SR INTERGY

Capítulo 2
- UR INTERGY

Capítulo 3
- SM50

Capítulo 4
- RELAÇÃO DE
DESENHOS
Sistemas de Retificadores Integy

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

As informações contidas neste Manual são de propriedade da SATURNIA-HAWKER


SISTEMAS DE ENERGIA LTDA e não deverão ser reproduzidas, copiadas ou usadas, sem
expressa autorização.

Março 2002
Sistemas de Retificadores Intergy

Índice
1. Descrição Geral
2. Aplicações
3. Caracteristicas Especificas
3.1 Interface de Comunicação
3.2 Saídas Digitais
3.3 Diagrama em Blocos do Sistema

4 Caracteristicas Elétricas Gerais


4.1 Elétricas de Entrada
4.2 Elétrica de Saída
4.3 Bateria
4.3.1 Carga Rápida
4.3.2 Carga Periódica
4.3.3 Carga Normal

5. Caracteristicas Mecânicas

6 Descrição de Operação do Circuito


6.1 Circuito de Potência
6.1.1 Módulo de Distribuição CA (DCA)
6.1.2 Módulo de Distribuição CC (DCC)
6.1.3 Módulo de Desconecção de Bateria(s) (LVD) e/ou Consumidor(es)
6.2 Circuito de Controle
6.2.1 Módulo de Supervisão SM50
6.2.2 Detetor de Disjuntor CA Aberto
6.2.3 Sensor de Fusível Interrompido
6.2.4 Sensor de Temperatura
6.2.5 Acionador de Contator

7 Como Instalar o Sistema Intergy


8 Teste Inicial do Sistema

2-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

1. DESCRIÇÃO GERAL

O Sistema de Retificadores (SR) Intergy é uma Fonte de Contínua CC de característica modular, com
alto grau de densidade de potência por volume e potência por peso. Com comunicação remota e software
de gerenciamento (SM50), via RS232 e RS485, o SR Intergy é um equipamento especialmente concebido
para alimentar equipamentos de Telecomunicações.

Março 2002 3-71


Sistemas de Retificadores Intergy

2. APLICAÇÕES

O SR Intergy, por sua característica modular, tem uma grande faixa de capacidade de corrente de
saída de 200A a 8000A (11,6 a 464kW), tendo uma faixa de aplicação muito grande no ramo de
Telecomunicações no que se refira a Centrais Fixas, Celulares, Fibra-Óptica, entre outras.

4-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

3. CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS
Pela natureza de concepção da tecnologia das Unidades Retificadoras Intergy (UR), o sistema possui a
capacidade de operação com cargas de potência constante. Afim de enriquecer a descrição que se seguirá,
vamos retroceder ao passado e lembrarmos de que os equipamentos de Telecomunicações eram
construídos predominantemente com elementos eletro-mecânicos (relés) que possuíam característica de
carga de resistência constante, ou seja, quanto maior a tensão de saída de um Sistema de Energia CC,
maior era a corrente solicitada por este. Em função deste comportamento, os Sistemas de Energia CC
eram requeridos considerando sua capacidade de geração de energia com relação a sua tensão e corrente
máximas de saída (conceito de limitação de corrente na condição de recarga nas baterias). Com o avanço
dos elementos semicondutores, a chamada era digital tomou vulto e os equipamentos de Telecomunicações
começaram a requerer condições de alimentação CC com faixas mais estreitas das que normalmente
ocorriam para as condições de Flutuação e Carga exigidas pelas baterias de back-up do sistema. Este
requerimento provocou a necessidade da incorporação de conversores CC/CC no projeto destes (isto hoje
em dia já se encontra incorporado em equipamentos de Telecomunicações com filosofia de alimentação
distribuída de baixo consumo), para alimentação destes novos equipamentos de Telecomunicações. Um
conversor, seja lá de que natureza for (CA/CA, CA/CC ou CC/CC), se comporta como uma carga de
potência constante, obedecendo a fórmula P=V.I. Desconsiderando-se, obviamente, as perdas envolvidas
(o que não muda em nada a análise aqui decorrida), fica claro a observação de comportamento totalmente
oposto às cargas de resistência constante, ou seja, neste caso, quanto maior a tensão de saída do sistema
CC, menor será a corrente solicitada pela carga e vice-versa.
Em função destas mudanças, o SR Intergy, possuindo retificadores com o conceito de alimentação de
cargas de potência constante, possui 20% a mais de alimentação de corrente de saída, nas condições
nominais de tensão de bateria (ou seja, condições em que a bateria, provavelmente por uma queda de
alimentação da rede primária, está solicitando o máximo de corrente do sistema para sua recarga).
O SR Intergy para atendimento aos requisitos de alimentação de cargas de potência constante, possui
corrente nominal de saída (In) para a condição de operação do sistema em modo de carga (p/baterias do
tipo aberta), e 1,2In (20% à mais) para a condição de tensão nominal de saída (2V/elemento de bateria),
como mostra o exemplo abaixo:
. 48V x 240A e 58V x 200A
. 24V x 480A e 29V x 400A
Os gráficos abaixo melhor elucidam o acima descrito. A figura 1 mostra a curva característica de um
SR com tecnologia de corrente limitada e a figura 2 a respectiva curva aplicada à tecnologia do Intergy
(potência constante ).
V V

Vcarga Vcarga

Vnom

In I In 1,2In I

Fig.1 – SR c/ UR de corrente limitada Fig.2 – SR c/ UR de potência constante

Março 2002 5-71


Sistemas de Retificadores Intergy

O Sr Intergy pode operar com baterias do tipo aberta ou selada. Para o caso de aplicação do SR
Intergy para operação com baterias do tipo selada, O SR possui um sistema de controle de tensão de saída
por variação de temperatura nas baterias. A descrição de operação deste controle será detalhado no item
6.2.1, referente ao Módulo de Supervisão SM50.

3.1 Interface de Comunicação

- Painel Frontal RS232 – usado para configuração do sistema, software , teste e calibração, via laptop
ou PC
- Painel Traseiro RS232 – usado para comunicação remota: SNMP e Internet usando o protocolo S3P

3.2 Saídas Digitais

- Número de saídas: 10
- Tipos de saída: relé
- Máximo Tensão de Chaveamento: 150Vcc, 125VCA
- Máxima Corrente de Chaveamento:1A
- Máxima Potência de Chaveamento:30W (CC), 60VA (CA)

6-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

• Controle de Tensão

Medido no barramento próximo a terminação da bateria

48V 24V
Resolução de ajuste <0.1V <0.1V
Precisão Valor ajustado +/- 0.1V Valor ajustado +/- 0.1V
Tempo de Ajuste De 0 a 100% ou de 100% a 0 de carga <120seg

A fonte Intergy não ajustará a tensão ou carga, acima ou abaixo da configuração em qualquer condição.

• Compensação de Temperatura

A tensão do sistema varia com a temperatura da sala de bateria de acordo com os valores pré-ajustados.
Temperatura de referência: -10 a +70°C
Intensidade de Compensação: - 0,01 a 10.0 mV/°C/elemento

3.3 Diagrama em blocos do sistema

O Sistema de Retificadores Intergy da Saturnia-Hawker é composto basicamente


conforme diagrama em blocos apresentado na figura 1.

SH2 DJ1

Retif.#1
DJ2

Retif.#2
Consumidores

R DJ n

SH1
Retif.#n

Baterias

Março 2002 7-71


Sistemas de Retificadores Intergy

4. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS GERAIS

Rendimento = 88% de 20% até 100% In, Vca nominal e UR em o modo de “CARGA”.
Fator de Potência = unitário
Temperatura Ambiente = -10 a +500C. Nominal = 25 ± 50C
Umidade Relativa < que 95% (não condensado). Nominal = 50±10%UR
Altitude < 2000m
Absorção de Poeira < 1mg/m3
Vibração = Operação contínua em 1,5m/s2, 5 ~ 100Hz, em qualquer direção
Ruído Acústico < 48dBA à 1,5metros

4.1 Características Elétricas de Entrada

Tensão.......: 220 ou 380V trifásico +25% ~ -18%, ± 15% nominais


Freqüência: 45 ~ 66Hz, 60Hz nominais

4.2 Características Elétricas de Saída

SR xxxxA/+24V SR xxxxA/-48V
Faixa de Tensão 20 ~35V 40 ~ 70V
Corrente 1,2 In em 24V, In em 28V 1,2 In em 48V, In em 58V
Regulação Estática ±0,1V de 0 a 100% Carga ±0,1V de 0 a 100% de Carga
Regulação Dinâmica ±1% p/ degrau de carga de 50% ±1% p/ degrau de carga de 50%
Tempo de Resposta 100useg 100useg
Limitação de Corrente O ponto pode ser ajustado do máximo (1,2In) para zero
Ripple 1mV Psofo e 5mV RMS 2mV Psofo e 10mV RMS

8-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

4.3.1 Carga Rápida (Recarga Automática)

Permite uma recarga rápida das baterias após a perda da rede CA, caso esta opção seja habilitada.

PARÂMETRO FAIXA DESCRIÇÃO


Tensão de Carga Rápida 10 a 80V A tensão que o SM50 mantém no
barramento durante a carga rápida. Aplicado
também para ajuste de compensação de
temperatura.
Tempo de Carga Rápida 0 a 10 min O tempo máximo em que o processo de
carga rápida está ativo.
Descarga em A/h Variável O número de descarga em A/h acumulado
que não tem sido recarregado.
A/h limiar para C. Rápida 0 até a capacidade Se a taxa de descarga em A/h exceder esta,
da bateria então a carga rápida ocorre quando a tensão
CA retornar.
Tensão limiar 10 a 80V Se a tensão no barramento cai abaixo deste
valor durante a falha CA, a carga rápida
ocorre quando CA retorna
Porcentagem de Recarga 1 a 200% A relação da recarga A/h pela descarga em
A/h

4.3.2 Carga Periódica

Esta carga é usada para aplicar regularmente uma tensão de carga maior que a normal para as baterias,
para redistribuir os eletrólitos.

PARÂMETRO FAIXA DESCRIÇÃO


Tensão de Carga Periódica 5 a 80V A tensão que o SM50 mantém no
barramento durante a carga periódica. Este
ajuste é excluído para compensação de
temperatura ou controle de tensão ativo.
Duração de Carga Periódica 0 a 10 min O tempo em que o processo de carga
periódica está ativo.
Tempo de Carga Periódica HHMM O Horário que o ciclo começou.
Data de Carga Periódica DDMMMAAAA A data que o primeiro ciclo começou.
Intervalo de Carga Periódica <52 semanas Intervalo em semanas entre carga periódica

Março 2002 9-71


Sistemas de Retificadores Intergy

4.3.3 Carga Manual


A tensão de carga pode ser habilitada ou desablitada independentemente..

PARÂMETRO FAIXA DESCRIÇÃO


Tensão de Carga 5 a 80V A tensão que o SM50 mantém no
barramento durante a carga manual. Este
ajuste é excluído para compensação de
temperatura.
Tempo Máximo de Carga 0 a 10 min O tempo máximo em que o processo de
carga manual está ativo.

5. CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

Dimensões.: 600mm (larg.), 2000mm (alt) e 600mm (prof.)

Pintura ......: Toda a pintura é do tipo epoxi (pintura à pó)

6. DESCRIÇÃO DE OPERAÇÃO DOS CIRCUITOS

6.1 Circuito de Potência

O circuito de potência do SR Integy é formado pelos Módulos: de Distribuição CA (DCA), e


Distribuição CC (DCC) e por um dispositivo de desconexão de Consumidor(es) e/ou Bateria(s) (LVD).
Abaixo serão apresentadas as descrições de operação de cada parte de potência integrante do SR.

10-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

6.1.1 Módulo de Distribuição CA (DCA)

Este módulo integrante do SR é responsável pela distribuição com proteção através de disjuntores
bipolares.
Além disso este módulo possui as seguintes informações:
- é o ponto de terminação dos cabos de alimentação CA para o SR Intergy.
- isola o sistema da alimentação CA
- protege o sistema contra surtos e transientes.
- distribui CA para cada retificador através dos disjuntores, os quais tem função liga-desliga.
- fornece isolação individual para cada retificador.
- protege o retificador e seus cabos de sobrecarga e curto-circuito.
- sinaliza o SM50 quando ocorre falha nos varistores de entrada.

Os disjuntores de entrada e os do retificador são acessíveis pelo painel frontal do módulo. Os dispositivos
de proteção contra surtos (varistores) estão internos ao módulo não podendo ser acessados pelo painel.

6.1.2 Módulo de Distribuição CC (DCC)

Este módulo é responsável pela distribuição protegida por fusíveis e/ou disjuntores, para as cargas CC
a serem alimentadas pelo SR. Com 2 shunts respectivos a medição das correntes de bateria e
consumidor, o DCC tem uma grande versatilidade construtiva para atender a uma grande variedade de
especificações de distribuição no que tange capacidade (e bases) de fusíveis ou disjuntores.
Fisicamente, o LVD ou dispositivo de desconexão se encontra no DCC para controlar a descarga da
bateria, sendo que o DCC sinaliza para o SM50 quando uma condição de operação anormal ocorre ou
quando disjuntores ou LVD são ativados.

Março 2002 11-71


Sistemas de Retificadores Intergy

6.1.3 Módulo de Desconexão de Bateria(s) (LVD) e/ou Consumidor(es)

Durante uma falha de CA, o LVD desconecta automaticamente as baterias da carga quando a tensão na
bateria cai abaixo do nível pré-ajustado, para evitar descarga profunda e danos a bateria. Quando a
tensão aumentar acima do nível, o LVD reconecta as baterias.
O elemento básico de composição do LVD é o contator de desconexão. Este contator normalmente é
desoperado na tensão mínima de bateria. Um conjunto de contatos auxiliares indicam se o contator está
aberto ou fechado. Na inicialização, o contator permanecerá aberto (as baterias estão desconectadas)
até que o SM50 tenha completado o processo de reinicialização.
O LVD pode ser operado automaticamente pelo SM50, reconectado manualmente através do painel
frontal do SM50 ou manualmente no módulo LVD. O LVD recebe sinais de controle do SM50 durante
a operação e envia sinal de status de volta ao SM50.
Várias configurações de LVD podem ser adotadas no SR Intergy para atender os requisitos de
operação do usuário.

Dentre elas:

1. Operação simples, com desconexão geral do banco de


Configurações baterias.
de LVD 2. Operação simples, com desconexão geral do consumidor.
⇒ 3. Operação Dupla, desconectando 2 bancos de baterias.
4. Operação Dupla, desconectando consumidores essenciais
e não-essenciais, podendo cada desconexão atuar em
pontos diferentes de tensão de descarga de bateria.

PARÂMETRO FAIXA
Tensão de desconexão 0 a 80V
Tensão de reconexão 0 a 80V
Período Válido 1 a 600 seg
Período Inibido 1 a 600 seg

12-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

• Divisão de Corrente

O SM50 assegura que as correntes do retificador são iguais.


A divisão de carga não se aplica para retificadores em limitação de corrente ou sem comunicação com o
módulo supervisor.

PARÂMETRO FAIXA DESCRIÇÃO


Balanceamento da Divisão de <5% (ou nível configurável) A máxima diferença entre os
carga retificadores capaz de habilitar a
divisão de carga
Tempo de ajuste para Divisão <120 seg Tempo após a partida ou
de Carga mudança de carga de >50% da
máxima corrente do sistema
para realizar o balanceamento
da divisão de carga.

• Start-up

A fonte Intergy parte corretamente quando a rede CA está conectada, abaixo de qualquer condição ou
operação relacionada.
A divisão de carga não se aplica para retificadores em limitação de corrente ou sem comunicação com o
módulo supervisor.

PARÂMETRO FAIXA
Partida 0-600 seg
Alimentação corrente de carga 0 a 80V
Estabilizar divisão de corrente <60 seg
Período Inibido <120 seg

• Sobrecorrente

As saídas CC são protegidos por mini-disjuntores de 100A ou fusíveis de até 630A.

Março 2002 13-71


Sistemas de Retificadores Intergy

6.2 Circuito de Controle

6.2.1 Módulo de Supervisão SM50

O módulo de Supervisão SM50, concentra todas as funções de controle e supervisão do sistema de


energia. Com tecnologia microprocessada, o SM50 configura todos os parâmetros supervisionáveis e
controláveis via software “Intergy Configuration Editor” – ICE local ou remotamente.
Este software é usado durante a instalação inicial ou quando houver necessidade de mudanças na
configuração do sistema. Ele pode ser instalado num LAPTOP PC com Windows 95 o qual é conectado a
fonte através de uma interface RS232C no painel frontal do SM50.
No modo normal de operação, o SM50:
- controla a corrente do sistema
- controla a tensão de saída do retificador
- inicializa os alarmes do sistema
- controla a potência para o modem externo

Use o Módulo de Supervisão SM50 para visualizar, habilitar, desabilitar ou mudar os parâmetros do
sistema.
A tabela a seguir mostra como o SM50 pode ser usado:

VISUALIZAR HABILITAR/DESABILITA MUDAR


R
• Corrente da UR • Divisão de corrente • Tensão de flutuação
• Tensão de entrada UR • Controle de tensão ativo • Tensão de desl. por
sobretensão
• Temperatura do dissip. da • Compensação de • Limite de corrente para
UR temperatura UR’s
• Status do alarme da UR • Carga • Parâmetros de controle
• Tensão atual no • LVD • Desconectar ou repor
barramento alarmes
• Tensão de flutuação do
sistema
• Alarme ativos
• Status do LVD
• Descarga ou carga em Ah
• Status Modem

Obs.: Mudanças na configuração do sistema são protegidas por níveis de acesso, os quais são
configurados durante a instalação inicial.

14-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

a) Diagrama em Blocos:

ENTRADAS SENSOR DE
DIGITAIS TEMPERATURA ENTRADA
RETIFICADOR ENTRADA DE BATERIA SENSOR DE
DO USUARIO RS-485 CORRENTE TENSÃO

MEMOIA
MULTI-
256K CHAVE
PLEXADOR
RAM
PAINEL 2M
FRONTAL FLASH
RS-232C PORTA CPU
6830 6

CONVERSOR
6 LINHAS A-D

SERVIDOR
RS-232C PORTA
DCA
DUART
9 LINHAS CONTROLADOR I / 0 DCC
68681 68HC 11K4
CPU LVD
LVD
BARRAMENTO
16BITS DADOS AUX
PLACA CPU

RELÉS ALARME

PLACA RELÉ
DOT MATRIX LCD
TECLADO 128 x 32 PIXEL
ALARME -15V
ALARME ENERGIZADO FONTE DE AMPLIAÇÃO
CAMPAINHA +15V
URGENTE NÃO-URGENTE B AR. CC
CONVERSOR CC-CC +9V
(LED VERM.) C OMUM
(LED AMAR..) +5V

INTERFACE USUÁRIO PLACA I / 0

Março 2002 15-71


Sistemas de Retificadores Intergy

b) Interface com o usuário

• Teclado:

Dados do teclado são enviados para a CPU para processamento e distribuição para outros elementos
funcionais do SM50.

Há 18 teclas no teclado, designadas como segue:


q 12 teclas numéricas
q 4 teclas de navegação
q 2 teclas de comando

As teclas numéricas podem ser usadas como alfanuméricas e de símbolos para a entrada dos valores dos
parâmetros de configuração.
A maioridade destas teclas fornecem a entrada de um caracter de uma seleção de três ou mais caracteres.
As teclas de navegação habilitam o usuário a mover através dos itens mostrados no menu, permitindo o
deslocamento para cima/baixo, e esquerda/direita no display.

As teclas de comando são usadas para selecionar comandos do display e entrar com dados através
teclado.

• Display de Cristal Líquido (LCD):


Os dados do display são transferidos para a CPU através do barramento de 16 bits de dados.

O LCD apresenta os dados para o usuário, incluindo: menu, prompt, leitura de dados de saída e
mensagens de erro.
O display tem 4 linhas de 21 caracteres modo normal ou 1 linha de 12 caracteres.(usado quando o SM50
está no modo de espera.

• LED Amarelo:

Este é um indicador de alarme “não-urgente”. É controlado pela CPU e é iluminado quando um alarme
“não-urgente” é detectado.

16-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

• LED Vermelho:

Este é um indicador de alarme “urgente”. É controlado pela CPU e é eliminado quando um alarme
“urgente” é detectado.

• Sinalização Sonora:

É um dispositivo que fornece tons. Os sinais são alimentados por uma interface de comunicação de dados
(DUART).
Tons diferentes são produzidos quando uma tecla válida é pressionada, ou quando o final da lista é
alcançado.

c) Entradas e Saídas

• Entrada Digital do Usuário:

Há seis entradas digitais.


Estes sinais são enviados para interface de comunicação de dados (DUART) na CPU onde são
processados e distribuídos para outros elementos funcionais do SM50.

• Entrada Sensor de Corrente:

Há 3 entradas de sensores de corrente.


Estes sinais são analógicos e são enviados para o controlador I/O através do multiplexador e do Conversor
Analógico-Digital (A-D).

• Entrada Sensor de Tensão:

Há 1 entrada de sensor de tensão.


Esta entrada recebe um sinal analógico que é enviado para o controlador I/O através do Conversor
Analógico – Digital (A-D). A chave de faixa de tensão ajusta eletronicamente a faixa de variação de
tensão.
É detectado a polaridade da tensão de entrada e passa a informação para o controlador I/O .

Março 2002 17-71


Sistemas de Retificadores Intergy

• Entrada do Sensor de Temperatura da Bateria:


Há uma entrada do sensor de temperatura da bateria.
É um sinal analógico e é enviado para o controlador I/O através do conversor A – D.

• Entrada da Distribuição AC:

São 3 sinais digitais vindo do módulo de Distribuição CA.


Eles são enviados para o controlador I/O .

• Entrada de Distribuição CC:

São dois sinais que são originados do Módulo de Distribuição CC. Eles são enviados para o Controlador
I/O.

• Entrada LVD (Desconexão de Bateria):


São dois sinais digitais gerados no LVD e enviados para o controlador I/O.

• Saída LVD:

Dois conjuntos de contatos de relés NA são conectados ao LVD. Os sinais de controle originados na CPU
são transferidos através do controlador I/O.

• Saídas Auxiliares:

Dois conjuntos de contatos de relés NA estão disponíveis para conexão a dispositivos não especificados.
Os sinais de controle originados da CPU são transferidos através do controlador I/O.
Um destes relés está designado para funcionar como um sinal de status do SM50.

• Relés de Saída:

Há 10 conjuntos de relés de saída localizados na placa de relé.


Cada relé fornece um conjunto de contatos configurados como NA, NF ou comum. Os sinais de alarme de
relé originados da CPU são transferidos através de controlador I/O.

18-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

• Entrada / Saída de Retificador da Porta RS-485:

A porta RS-485 transfere sinais de monitoração e comandos entre os retificadores e SM50. Duas linhas de
sinal (+9VCC não regulado) são usados para alimentar as interfaces RS-485 nos retificadores.
Os sinais de dados são originados e destinados para elemento de interface de comunicação de dados
(DUART) na CPU.

• Entrada / Saída do Painel Frontal da Porta RS-232C:

A porta RS232C painel frontal é usada para conectar um laptop ou um PC compatível com o SM50. Um
conector DB9P é fornecido no painel frontal do SM50. A porta é conectada como um dispositivo DTE
(Equipamento Terminal de Dados) e requer um cabo de modem para conexão ao PC.

Os sinais transmitidos e recebidos são originados e retornados a CPU.

• Entrada / Saída do Servidor da Porta RS-232L:

A porta RS-232C do servidor é usado para conectar o SM50 para um computador servidor usando uma
rede direta ponto-a-ponto.
Um conector DB9P é fornecido na parte traseira do SM50.
Os sinais transmitidos e recebidos são originados e retornados a CPU.

Março 2002 19-71


Sistemas de Retificadores Intergy

d) CPU

A CPU é um microprocessador que fornece processamento de comandos e instruções. Ela usa instruções
de programa armazenados ma memória para controlar as funções do SM50.
Ela controla diretamente e processa o seguinte:

• Entradas do teclado
• Dados do display para o LCD
• Led’s de alarme urgente e não urgente
• Dados para e vindo da interface serial RS-232C através da interface de comunicação
de dados (DUART) interna
• Dados e instruções para e vindo da memória através do barramenro de dados.
• Dados, endereços e sinais de controle para a memória.
• Base de dados armazenados na memória FLASH.

Ela controla e processa, através da DUART, o seguinte:

• Sinalização Sonora
• Sinais de entrada e saída da RS-485 para o Retificador
• Seis linhas de entrada digital do usuário
• Controlador I/O

Ela controla e processa, através da DUART e do controlador I/O, o seguinte:

• Sinais de entrada analógico digitalizados.


• Entradas digitais de Distribuição CA, Distribuição CC e LVD
• Saídas de LVD, auxiliares e alarmes

• Memória

Dois tipos de memória são ajustados para o SM50:

• 512K de memória SRAM


• 2MB de memória FLASH

18

20-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

• Transmissor / Receptor Assíncrono Universal Duplo (DUART)

• Recebe e processa as entradas digitais do usuário


• Envia, recebe e processa os sinais da porta RS-485 para e vindo dos retificadores
• Transfere dados para e vindos do controlador I/O.
• O DUART é a interface entre a CPU e o sinalizador sonoro (campainha).
• Transfere dados para e vindos da CPU através de barramento de dados de 16 bites.

e) Placa I/O

• Controlador:

É um microprocessador e fornece as seguintes funções:

• Processa as entradas analógicas-digitalizadas e transfere os valores dela para a CPU.


• Aceita as entradas digitais dos Módulos de Distribuição CA, Distribuição CC e LVD e
transfere para a CPU.
• Aceita sinais de controle de relé da CPU
• Produz os sinais necessários para operar os relés.

• Multiplexador:

O multiplexador aceita os três sinais analógicos de sensor de corrente e produz um sinal de amostras de
cada entrada.
O controlador I/O controla a operação do multiplexador.

• Conversor Analógico para Digital (CAD)

O CAD converte a tensão de entrada analógica em sinais digitais para processamento pelo controlador I/O
e CPU. Tensões de entrada analógica são aceitas pelo multiplexador, chave de faixa de variação e pela
entrada do sensor de temperatura da bateria. Cada entrada analógica para o CAD é convertida, e o
equivalente digital e transferido para o controlador I/O.

Março 2002 21-71


Sistemas de Retificadores Intergy

• Relés

Existem 10 relés montados na placa de relé, os quais são operados pelos sinais gerados pelo controlador
I/O e controlado pela CPU em conjunto com a configuração armazenada na base de dados.
Cada relé fornecem conjunto de contatos normalmente abertos (NA), normalmente fechados (NF) ou
comuns (c).

f) Alimentação

• Conversor CC – CC:

O conversor CC/CC é alimentado pelo barramento CC do sistema. Ele fornece toda a potência necessária
para a operação do SM50. Ele também alimentará um máximo de três sensores de corrente ativo, circuito
de comunicação do retificador e um modem externo.

As saídas isoladas são: +15V, -15V, +9V e +5V.


O SM50 está referenciado para o barramento energizado.

• Alimentação Auxiliar do Modem:

Produzida na CPU uma alimentação regulada de +12V, 150mA.


Está disponível no conector na parte traseira do SM50.

6.2.2 Detetor de Disjuntor CA Aberto

Este circuito de supervisão colocado no DCA, verifica a condição de ligado e desligado dos disjuntores
de distribuição CA para os retificadores do SR. Para cada estante de retificadores, um circuito de
detecção é inserido e através dos conectores CN3 e CN4, esses circuitos são interligados.
O conector CN1 recebe as 3 fases de entrada e o neutro. O conector CN2 recebe as as mesmas fases
depois de passar pelos disjuntores de proteção de entrada. Vamos assumir uma operação do circuito
com uma alimentação de 220V. Em operação normal, por exemplo, teríamos a fase “A” conectada no
pino 1-CN1. A presença da mesma fase “A” no pino 1-CN2, faz com que não haja diferença de
potencial entre esses dois pontos, ou seja, não existe corrente circulando pelo diodo emissor de luz de
CI-1.Ao ser interrompida a alimentação em 1-CN2 pelo disjuntor de entrada, inicia-se um fluxo de
corrente por C1, C2, D1, C6 e o diodo diodo emissor de luz de CI-1, fazendo com que seu respectivo
transistor de saída, que se encontrava em operação normal cortado, saturar e enviar através de D4 o
sinal de fusível interrompido para o Módulo de Supervisão SM50 para ocorrência do respectivo
alarme.

22-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

6.2.3 Sensor de Fusível Interrompido

Este circuito, colocado no DCC, tem a finalidade de supervisionar a condutividade de corrente pelos
fusíveis de distribuição de corrente contínua para os consumidores do SR. Este circuito opera nas
tensões de +24V e –48V simultaneamente. Para efeito de explicação de operação, tomaremos o ramo do
circuito de –48V. O ponto denominado “BARRA” (- de saída) recebe o ponto comum de distribuição
para os dispositivos de proteção do DCC. Enquanto o dispositivo estiver sem interrupção, os potenciais
dos pontos F1 a F24 e o ponto “BARRA”, serão os mesmos. Quando um dos elementos se rompe, por
exemplo F1, uma corrente flui (através da baixa impedância da carga) do pólo positivo (+ saída)
passando por R1, D1, R14, diodo emissor de luz de CI1, D3 e indo para o pólo negativo através de D3.
Neste momento, o transistor de saída de CI1 satura enviando um sinal respectivo a Fusível Interrompido
para o Módulo de Supervisão SM50. O diodo zener Z1 tem a função de escoar a corrente para si em
caso de muitos fusíveis ou disjuntores interrompidos, evitando um excesso da mesma para o diodo
emissor de luz de CI1.

6.2.4 Sensor de Temperatura

Este circuito de operação simples, é constituído de CI1 (LM35Z) como elemento transdutor de
temperatura para o módulo de Supervisão SM50.

6.2.5 Acionamento de Contator

Este circuito tem a função de acionar e manter acionado o contator de desconexão CC. Como o
contator monopolar utilizado no SR Intergy não possui um enrolamento extra para executar a função
de retenção com baixa potência, este circuito na verdade passa a ser, sob esse raciocínio, um regulador
de tensão de dois estágios para alimentação da bobina do contator. No 10 Estágio a tensão de
alimentação da bobina é a nominal especificada pelo fabricante (12V). Ao ser acionado então, seu
contato auxiliar NA se fecha e faz com que o circuito de controle reduza a tensão da bobina para 7,8V
para manter o mesmo atracado e dissipando baixa potência nesta.
Este circuito também recebe comandos de operação e desoperação do contator, bem como possui as
mesmas alternativas de comando manualmente.

Março 2002 23-71


Sistemas de Retificadores Intergy

7 COMO INSTALAR O SR INTERGY

O SR Intergy, por sua construção em rack aberto, é de fácil instalação. As cabeações de entrada podem ser
feitas pela parte superior ou inferior do rack (preferencialmente superior).

1. Certifique-se qual é a tensão de alimentação para o SR, se


Instalando a 220V ou 380V.
Rede CA
2. Conecte o aterramento relativo ao terra

elétrico/eletrônico (se houver distinção com relação ao
terra mecânico) no barramento de entrada.

1. Conecte todos os consumidores através do DCC.


2. Retire os fusíveis de Bateria e seus respectivos fusíveis de
Instalando a alarme. Conecte os cabos das baterias.
Parte CC 3. Passe a chave da PCI Controle do Contator para a
posição desligado, ou seja, LED vermelho aceso.
⇒ 4. Ligue um dos retificadores por seu respectivo disjuntor
no DCA.
5. Verifique a polaridade da tensão dos retificadores e da
bateria.
6. Passe a chave da PCI Controle do Contator para a
posição Automático (posição do centro) e verificar a
entrada do contator

1. Lembre-se que O SR Intergy não possui potenciômetros


Estabelecendo
de ajuste. Sua configuração é estabelecida através de
Parâmetros de
Configuração downloads e uploads de configurações pelo Intergy
⇒ Configuration Editor Software.
2. Downloads e Uploads podem ser feitos local e
remotamente.

24-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Esquema de Endereçamento de Retificador


De que forma os retificadores são endereçados, depende de :
• Qual Shelf for usado (3 posições ou 1 Posição)
• Se for necessário endereçamento de retificador de bastidor ou seqüencial.

Endereçamento de Shelf de Sistemas Médios (3 posições)


A Tabela 2-8 mostra a configuração da chave giratória para endereçamento do gabinete de
retificador 6U (Sistemas Médios).
Tabela 2-1 Configurações da Chave giratória SW1 para endereçamento do Shelf do retificador.
Endereço do Shelf 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16
Posição de SW1 P 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 A B C D E F

Nota: IMPORTANTE
Se encontrar alguma configuração incorreta, anote os detalhes no seu Registro de Instalação para cada
caso, e informe os detalhes para o seu agente Intergy. Você pode corrigir um endereço de gabinete de
retificador girando a chave com uma chave-de-fenda isolada.
A localização do indicador do endereço do gabinete de retificador e a chave giratória é
mostrado na Figura 2-33 (sistemas de 3 posições).

Endereçamento de Shelf para Sistemas Grandes (1 posição)


Existem 2 chaves giratórias localizadas no lado esquerdo do Shelf 3U (1 posição). Veja
mais detalhes na Figura 2-34.
Para Endereçamento do Bastidor: Retificador (ex. 03:12) verifique se a configuração está
como segue :

Bastidor Shelf # Display Config Config Endereço


# do Chave Chave Retificador
SM50 Inferior Superior

1 1 1:01 0 0 00
1 2 1:02 0 1 01
1 10 1:10 0 A 0A
2 2 2:02 1 1 11
2 10 2:10 1 A 1A

Nota: Este esquema de endereçamento é válido apenas onde o SM50 for controlar menos de 96
retificadores. Se o sistema tiver mais de 96 retificadores, será necessário adaptar um sistema de
endereçamento de retificador seqüencial. Veja abaixo a Alternado para Endereçamento de Retificador
seqüencial.

Março 2002 25-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Figura 2-33 Chave giratória do endereço do gabinete de retificador –


sistemas de 3 Posições

Figura 2-34 Chave giratória do endereço do gabinete de retificador –


sistemas de Posição

Alterando Sequencialmente o Endereçamento do


Retificador
É default do SM50 mostrar o retificador como Bastidor:Retificador (ex. 02:09). Nos
sistemas grandes, pode ser necessário que o SM50 controle mais de 96 retificadores. Se
este for o caso da sua instalação, será necessário mudar a configuração do SM50 do
esquema de endereçamento Bastidor:Retificador para o esquema de endereçamento
seqüencial (por exemplo 104).
Faça isto antes de alimentar e ligar o sistema.

26-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Alterando Sequencialmente o Endereçamento do


Retificador
É default do SM50 mostrar o retificador como Bastidor:Retificador (ex. 02:09). Nos
sistemas grandes, pode ser necessário que o SM50 controle mais de 96 retificadores. Se
este for o caso da sua instalação, será necessário mudar a configuração do SM50 do
esquema de endereçamento Bastidor:Retificador para o esquema de endereçamento
seqüencial (por exemplo 104).
Faça isto antes de alimentar e ligar o sistema.
Para mudar a sequencia de endereçamento do retificador (Shelf de 1
posição)
Antes de inserir os retificadores e alimentar o sistema, verifique se as chaves de endereço
do gabinete seguem os esquemas definidos abaixo :
Endereço Shelf 1 2 3 4 5 16 17 18 19 32 33 34 48 95 96 97
Posição Superior 0 1 2 3 4 F 0 1 2 F 0 1 F E F 0
SW1
Posição Inferior 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 2 2 2 5 5 6
SW2

1 Quando este sistema for alimentado, verifique a configuração Retificadores/unidade,


encontrada no lado retificadores do menu Config do Sist. Para endereçamento
seqüencial, deve estar configurado em 1.

Quando montar os retificadores nos shelf's, siga as regras gerais

Cuidado Retificadores Diferentes


Antes da alimentação, verifique se todos os
retificadores são iguais (tipo de modelo) A mistura de
retificadores irá provocar danos em alguns
retificadores.

Verifique se todos os retificadores têm o mesmo tipo e tensão (mesmo painel de cores da
etiqueta de tensão).
2 Verifique se todos os retificadores têm a mesma polaridade do terra. Veja a etiqueta do
painel frontal do retificador (vejas a Figura 2-35 e 2-36).
3 Retire a tampa do conector antes de inserir o retificador no gabinete.

Cuidado Tensões Perigosas


Os pinos 19 e 27 do conector ELCON™ são pinos de
pós-junção. Quando o retificador é inserido no
gabinete, esses pinos estão no potencial neutro da
fonte de alimentação. Se o neutro no ACD não está
conectado quando a fase for conectada, o potencial
desses pinos irá subir até a potencial da operadora e
portanto se tornarão perigosos.

Março 2002 27-71


Sistemas de Retificadores Intergy

A Figura 2-35 mostra um exemplo de um painel frontal de um retificador, Sistema Médio.

Tensão
Modelo
Polaridade

Figura 2-35 Painel Frontal do Retificador – Sistemas Médios


Modelo
Tensão

Polaridade Nota: Caso não tenha feito ainda, verifique danos


no retificador devido ao transporte. Os
retificadores são pesados, por isso manuseio-os
com cuidado. Guarde a embalagem original do
retificador para uso posterior no caso de necessitar
enviar o retificador para reparo.

Ranger
Corrente

Figura 2-36 Painel frontal da série R5848

28-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Montando Retificadores nos Gabinetes


Nota: O retificador possui um mecanismo de ressalto, que garante a inserção com baixo
impacto no gabinete.
A Figura 2-37 mostra dois retificadores montados e um terceiro parcialmente montado.

Figura 2-37 Retificadores no Gabinete (dois totalmente montados, um


parcialmente montado)

Para montar um retificador


Retire o retificador da sua embalagem de plástico selado.
4 Use a alça de transporte, e segurando o retificador por baixo, insira-o no gabinete e
empurre para fora.
5 Feche a alça para mover o retificador para a posição conectado, como mostrado na
Figura 2-38.

Figura 2-38 Passos para montagem de um retificador no gabinete

Março 2002 29-71


Sistemas de Retificadores Intergy

6 Use o seu dedo para mexer a trava para a direita e travar o retificador. Empurre a
ferramenta no buraco da trava e engate a trava. Isto trava o retificador no gabinete,
como mostrado na Figura 2-39.

Orifício de Trava

Trava de Engate Ferramenta


serviço

Figura 2-39 Travando o retificador num gabinete

Nota: A trava dos retificadores fornece um grau extra de segurança e é prática compulsória em
alguns países (ex. Comunidade Européia).
Depois de montar todos os retificadores, está pronto para começar os testes iniciais de
ligação. Veja no Capítulo 8, Testes Inicias do Sistema.

Step 1
Remova o parafuso

Step 2
Levante a haste e
retire o retificador

Figura 2-40 Mecanismo de trava do retificadores da série R5848

30-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Retirando um Retificador
Cuidado Retificadores Aquecidos
O dissipador dos retificadores podem alcançar temperaturas de até 110°c
(230°F). Manuseio-os com extremo cuidado.

Este procedimento será necessário somente quando um retificador precisar ser retirado ou
substituído. Você pode retirar um retificador enquanto o bastidor for alimentado e
funcionando.

Para retirar um retificador do gabinete


Desligue o Disjuntor desse retificador no módulo distribuidor AC. (Se o sistema for ligado,
o alarme de Falha do Retificador irá se acionar).
7 Se o retificador está travado, use a alça para empurrar o retificador para fora do Shelf
e até o primeiro ponto de parada. Depois, use a ferramenta de trava para destravar o
retificador do gabinete, como mostrado na Figura 2-41.

Figura 2-41 Destravando um retificador do gabinete

8 Use a alça de transporte para desconectar o retificador. (Esta ação é a oposta daquela
mostrada na 2-38, Montagem de Retificador) Verifique se a trava está totalmente
aberta antes de retirar o retificador.
9 Use a alça para empurrar o retificador para fora do gabinete.
10 Uma vez que o retificador estiver suficientemente resfriado, coloque o retificador na
sua embalagem original.
11 Para instalar um retificador substituto, veja a seção anterior, Montando retificadores
nos gabinetes.

Cuidado Posições Não Utilizadas do Retificador


Tampas falsas devem ser colocadas nas posições não
utilizadas do retificador. É importante para uma
ótima passagem de ar e resfriamento.

Março 2002 31-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Sobre este Capítulo


Este capítulo cobre os tópicos relacionados com os testes do sistema Intergy antes de
conectar à carga do consumidor.
• Avisos e Cuidados
• Ligação Inicial (power up)
• Verificando a configuração do sistema
• Testando os retificadores com uma carga
• Testando alarmes
• Testando baterias e funções relacionadas

Nota: Estes procedimentos detalhados neste capítulo se aplicam aos sistemas de bastidor
simples e múltiplo (mestre-escravo).

32-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Avisos e Cuidados
Cuidado Níveis Perigosos de Energia
Os retificadores e baterias contêm níveis de energia que podem ser perigosos.
Para minimizar esse perigo, isole o equipamento Intergy da carga fonte AC, e
baterias antes de começar esses procedimentos.
Use sempre ferramentas isoladas.
Tome cuidado especial para não curtocircuitar os barramentos e cabos ativos
e comum.

Cuidado Retificadores podem causar queimaduras sérias


O dissipadorr do retificador pode alcançar temperaturas de até 110°C
(230°F), especialmente após operação prolongada
Para evitar queimaduras sérias, manuseie os retificadores com extremo
cuidado. Use luvas protetoras antes de retirar um retificador do bastidor, ou
deixe esfriar por 4 horas depois que a fonte for disconectada.

Cuidado Com a polaridade viva das baterias


Células e monoblocos de baterias reguladas por válvula selada estão
eletricamente ativas o tempo todo e devem ser tratadas com cuidado. Elas
podem fornecer altas correntes de curto circuito mesmo se a caixa ou a
blindagem estiver danificada.
Tenha cuidado que curto circuitos não sejam causados por quedas ou toques
acidentais de objetos de metal nos terminais da célula ou do monobloco.
Retire qualquer adereço de metal tipo corrente, relógio ou anel, que possam
causar curto circuitos e danos pessoais. Roupas sintéticas tal como nylon não
devem ser utilizadas.
Verifique sempre que qualquer blindagem fornecida com as baterias esteja
colocada corretamente nos conectores do cabo.

Cuidado Coloque o Equipamento e os Cabos antes de Testar


Antes de começar o power-up e os testes, todas as tarefas de colocação do
cabo e equipamento devem estar feitas.

Março 2002 33-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Power Up Inicial
Cuidado Procedimento de Teste do Sistema
Esses procedimentos devem ser feitos na sequência listada abaixo.

Antes de Aplicar a Tensão


Faça o CheckList Antes do Power-Up
12 Verifique se toda a cabeação está completa.
13 Verifique visualmente se a cabeação está correta e isolada.
14 Verifique se a cabeação da carga e da bateria DC possui a polaridade correta.
15 Verifique se todos os painéis dos bastidores estão no lugar e todos os painéis frontais
dos módulos estão fechados.
16 Verifique se todos os disjuntores do módulo de distribuição AC estão desligados, o
isolados está desligado, e a fonte AC está isolada em cada ponto de isolação na placa
da fonte.
17 Verifique se todos os disjuntores do módulo de distribuição DC e/ou fusíveis estão
desligados ou abertos.
18 Verifique se as baterias foram isoladas do bastidor.

Nota: Se for desconectar o cabo da bateria, verifique se a extremidade livre do cabo está
coberta para evitar provável contato com os terminais da bateria.
19 Verifique se todos os retificadores estão montados nos gabinetes.

Cuidado Importante
Antes de energizar o bastidor, um eletricista registrado (ou outra pessoa
adequada) deve ser verificada a integridade da cabeação instalada para
alimentar o bastidor. Especificamente, eles devem:
• Isolar o bastidor durante o teste.
• Verificar a fase correta.
• Teste de Isolação (normalmente um teste de alta tensão).

34-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Aplicando Tensão e Testando cada um dos Retificadores


Para testar cada um dos retificadores
1 Verifique se completou o checklist anterior detalhado em Antes de Aplicar Tensão.
2 Partindo do ponto de fornecimento, gire cada isolador e verifique a tensão em cada
caso. Continue o processo até o isolador no módulo de distribuição AC.
3 Conecte o Retirficador 1 no gabinete 1 somente, chaveando os disjuntores no módulo
de distribuição AC.
4 O LED verde deve então acender, e o LED amarelo irá piscar por alguns segundos, e
depois desligar, e o LED vermelho permanece desligado. Se os retificadores são da
série R5848, use o apêndice anexo no final deste manual para interpretar os simbolos
do display do R5848.
5 Se os LEDs do retificador não se comportam conforme detalhado acima, retire este
retificador e tente com outro.
a Se ocorrer o mesmo problema, não continue. Verifique a linha de comunicação do
retificador ao SM50, e o endereço do gabinete do retificador.
b Se o problema não acontece com outro retificador, faça o próximo passo. Você pode
ter de envia-lo para o seu Agente de Serviço Intergy para reparo.
6 Verifique se o retificador liga e se a polaridade de saída está correta. Verifique se os
retificadores não estão fornecendo corrente.
7 Quando conectar o primeiro retificador, o SM50 irá ligar , e :
a Irá ocorrer inicialmente um alarme de Carga Baixa durante alguns segundos. Ele irá
desaparecer assim que a saída do primeiro retificador ultrapasse o valor de carga
baixa.
b Outros alarmes podem ocorrer dependendo das opções instaladas e a configuração
do sistema (por exemplo, se as baterias não estão conectadas).
8 Quando o SM50 for ligado pela primeira vez, verifique o endereçamento do
Retificador. Você vai achar esta opção embaixo da opção Rectificadores no menu
Configuração do Sistema. Verifique se os valores de configuração estão de acordo
com os seguintes :
Parâmetro Sistemas Médios Sistemas Grandes Sistemas Grandes
com menos de 96 com mais de 96
retificadores retificadores
Retificadores/Unid 3 16 1
ade
Offset de endereço 1 0 0

9 Verifique se a compensação de temperatura está desabilitada. Isto evita a ativação da


função de compensação de temperatura para alterar a tensão de flutuação.

Verifique se a diferença entre a tensão de barramento do SM50 mostrada no display e


a tensão de flutuação configurada dentro da faixa limite de controle de tensão ativa
permitida (como na folha de teste deste sistema).
Caso contrário, não continue. Compare a leitura da tensão de barramento do SM50

Março 2002 35-71


Sistemas de Retificadores Intergy

com a leitura do voltímetro externo calibrado. Se os dois valores variam mais do que o
valor limite de controle ativo, verifique de novo se a compensação de temperatura está
desabilitada (ou o sensor de temperatura desconectado), e também verifique se
nenhuma carga está conectada.

Caso essas duas condições não se apliquem, recomeçar o teste, caso contrário, pode
existir uma falha na fiação de controle no sensor de tensão.
10 Verifique se o SM50 registrou o retificador e as leituras para esse retificador
conforme segue. Escolha o menu Valores do Sistema, depois selecione Valores do
Retificadores, e escolha o retificador desejado. Verifique se os valores estão corretos.
Shelf para 3 Retificadores

Shelf # Slot # Lista no Display Endereço

1 1 01:1 01
1 2 01:2 02
1 3 01:3 03
4 2 04:2 11
Shelf para 1 Retificador

Bastidor # Shelf # Lista no Display Endereço

1 1 1:01 00
1 10 1:10 0A
1 12 1:12 0C
2 2 2:02 11
2 10 2:10 1A
Veja mais detalhes sobre alteração do endereçamento do gabinete no Capítulo 7
"Como Instalar o SR Intergy".
a Se ocorrer o mesmo problema, não continue. Verifique a linha de comunicação do
retificador ao SM50 e o endereço do gabinete do retificador.
b Se o problema não ocorre com outro retirficador, faça o próximo passo. Pode ser
preciso levar o retificador com problema para reparo no seu Agente de Serviço
Intergy.
11 Conecte o próximo retificador na sequência. Após pelo menos 15 segundos,
desconecte o retificador anterior. Volte para o passo 4 e repita o procedimento no seu
novo retificador conectado.
12 Após verificar cada retificador, deixe pelo menos um conectado e continue testando a
configuração do SM50, conforme descrito.

Cuidado Alterando Endereços do Gabinete


Caso insira um retificador num gabinete quando essa posição do gabinete se
comunicou com um retificador conectado previamente, o endereço desse
gabinete pode estar incorreto. Veja mais tarde no "Como Instalar o SR
Intergy" mais detalhes sobre como alterar endereços do Shelf.

36-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Verificando a Configuração do Sistema


Cuidado Configuração Incorreta Anula o Teste
Faça isto antes de outros testes. Continuar sem a correta configuração no
SM50 pode tornar o seu teste sem efeito, e pode ser necessário repetir alguns
ou todos os testes.

Verificando a Identificação da Configuração


Após ter testado inicialmente cada retificador, deve verificar o Identificação da
configuração do sistema usando o teclado do SM50, conforme descrito abaixo. Vai
precisar de apenas um retificador conectado.
Para verificar a Identidade da configuração no SM50
1 A partir do display livre, aperte a tecla MENU.
2 Selecione Config do Sist, depois Identidade, e Nome Configur.
O valor mostrado deve corresponder exatamente ao nome da Folha de teste do Sr
imprimido para esse sistema Intergy. (Isso se aplica a todos os valores de Identidade)
Caso contrário, não continue. A coinfiguração aparentemente foi mudada. Verifique
porquê aconteceu isso com o seu supervisor ou seu Agente Intergy. Será preciso obter
uma nova Folha de teste para esse sistema Intergy, ou fazer um download da
configuração correta usando um laptop PC e o software do Editor de Configuração
Intergy (ICE).
Para maiores detalhes da configuração do SM50, veja Validando a Configuração do
SM50, abaixo.

Março 2002 37-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Validando a Configuração do SM50


O SM50 sai de fábrica pré-ajustado com a configuração do sistema Intergy. Ele deve
operar satisfatoriamente sem maiores ajustes.
Mesmo assim, pode usar o painel frontal do SM50 para verificar a configuração.
Se tiver acesso de Instalador, pode também fazer mudanças nos parâmetros da
configuração. Lembre-se de marcar qualquer alteração no Relatório de Configuração do
sistema.
Pode também usar o software ICE do Intergy no PC para validar os parâmetros de
configuração, conforme resumido no seguinte procedimento.
Para validar a configuração do SM50 usando o ICE
1 Usando um cabo NULL modem, conecte o PC ao painel frontal do SM50.
2 Comece o aplicativo ICE no PC e entre com a sua senha de registro ICE autorizada.
3 Verifique se possui a versão do banco de dados do IPS correta (arquivo .MIB) e uma
cópia do arquivo de configuração esperada (arquivo .IRC).
4 Carregue a configuração do SM50 no ICE. (O menu Config do Sist do SM50 não
pode ser acessado durante o carregamento)
5 Compare o arquivo carregado com a cópia mestre do arquivo da configuração
esperada do ICE. Se não houver diferenças, o seu teste foi bem sucedido. Verifique
principalmente :
a Tensões do Sistema .
b Slope de Compensação de Temperatura .
c Configurações de Equalização Manual e Periódica .
d Configurações de Carga Rápida .
e Configurações de Desconexão e Reconexão por Baixa Tensão .
f Limiar do Limite da Corrente da Bateria .
g Configuração da Bateria (C10 e células/banco).
h Tabela de Descarga da Bateria .
i Configurações das Comunicações Remotas.
6 Se houver alguma diferença, verifique cada diferença com a Folha de Testet para a
instalação, e consulte o cliente e o seu Agente Intergy. Registre essas diferenças no seu
Relatório de Configuração para futura referência ou finalize o passo 6)
a Se a configuração do SM50 estiver correta, finalize com o cliente. Salve uma cópia da
configuração.
b Se a versão do ICE estiver correta, faça um download para o SM50.
7 Se necessário, imprima a configuração e coloque o relatório t numa pasta.

38-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Teste de Retificadores com uma Carga


Cuidado Use uma Carga Falsa onde for possível
É altamente recomendável que inicialmente faça o teste com uma carga. Caso
contrário, deve :
• Verificar que os dispositivos de proteção da carga estejam instalados.
• Obter a permissão do gerente de equipamento da carga.

Configurando a Carga
Cuidado Níveis de Energia Perigosos
Os retificadores e baterias contêm níveis de energia perigosos
Isole o equipamento Intergy das baterias, desligue a alimentação AC, e
desconecte todos os Disjuntores do retificador antes de conectar qualquer
carga.

Requisitos para uma carga


1 A tensão DC nominal da carga não deve ser menor que a do bastidor.
2 A capacidade da carga pode variar entre 10% e 100% da capacidade total do sistema.
3 Os cabos da carga devem ser dimensionados para 100% da capacidade total.
Um elemento seco resfriado adequado pode fornecer uma carga útil.

Antes de aplicar a carga


1 Desconecte a fonte AC, os Disjuntores do retificador, todos os dispositivos de
proteção da bateria e da carga do módulo de distribuição DC.
2 Se os dispositivos de proteção da bateria não estão no módulo de distribuição DC,
desconecte as baterias conforme necessário.

Para conectar a cabeação da carga no módulo de distribuição DC


1 Verifique se o dispositivo de proteção da carga está desligado. Se a carga tiver a sua
própria chave de isolação, cheque que também está desligada.
2 Plugue os cabos vivos e comum da carga. Verifique se a polaridade da carga é a
mesma do bastidor.
3 Deixe o dispositivo de proteção da carga desligado neste momento.

Março 2002 39-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Ligando todos os Retificadores


Faça este procedimento de pré-teste
1 Verifique se a tensão AC está desligada e nenhum retificador está conectado.
2 Verifique se todos os disjuntores do módulo de distribuição DC estão desligados.
3 Desconecte a fonte da bateria.

Para verificar a operação assim que ligar todos os retificadores


1 Conecte o dispositivo de proteção da carga e qualquer chave da carga para conectar a
carga.
2 Conecte a fonte AC no bastidor.
3 Conecte o primeiro retificador colocando o disjuntor na posição ON.
4 O LED verde deverá se acender on, o LED amarelo deverá piscar por alguns
segundos, depois apagar, e o LED vermelho permanecer apagado.
5 Se algum dos LEDs não se comporta conforme descrito acima, não continue. Retire
esse retificador — pode ser necessário enviá-lo ao seu Agente Intergy para reparo. Se
a falha se repetir com outros retificadores, verifique a linha de comunicação do
retificador ao SM50, e o endereço do gabinete do retificador.
6 Quando o SM50 é ligado por primeira vez, verifique se a compensação de temperatura
está desabilitada. (Desconecte o sensor ou desabilite a compensação da temperatura).
Isto evita a ativação da função de compensação de temperatura alterando a tensão de
flutuação.
7 Verifique se a corrente de carga indicada no display do SM50 é aquela esperada para
a carga. Caso contrário, cheque primeiro se os valores do display para a configuração
estão corretos.
Nota: Para o primeiro retificador, pode ocorrer um alarme de limite de corrente. Ele vai
parmanecer até que o número suficiente de retificadores estejam ligados para
fornecer corrente suficiente à carga falsa.
8 Verifique se a diferença entre a tensão do barramento indicada no display do SM50 e a
tensão de flutuação configurada está dentro da faixa de controle ativo permitido.
(conforme na Folha de Teste para esse sistema). Verifique se a corrente de carga
indicada no display do SM50 está próximo de zero.
9 Caso contrário, não continue. Pode comparar a leitura da tensão do barramento do
SM50 com a leitura de um voltímetro externo calibrado, para verificar se a indicação
do SM50 está correta (veja Verificando abaixo). Se não estiver, verifique se o sensor
de temperatura da bateria está desabilitado ou desconectado. Verifique também se as
configurações dos valores do display estão corretas.
10 Verifique se o SM50 fez o registro do retificador, e verifique as suas leituras —aperte
MENU, selecione Valores do Sist, depois Valores Retif, depois escolha o retificador
que desejar. Anote esses valores.
11 Verifique no SM50, caso o retificador não esteja no limite de corrente, se a tensão de
barramento foi mantida.

40-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

12 Se o SM50 mostra que você verificou os Passos 6 a 9 e estão corretos, deixe o


retificador ligado. Conecte o próximo retificador alterando o disjuntor para a posição
ON.
13 Volte para o passo 3 para o próximo retificador. (se houver).
Uma vez verificados todos os retificadores, continue com a verificação da tensão da
carga e dos sensores de tensão, conforme mostrado abaixo.

Verificando as Medidas da Tensão do Barramento


Nota: Se a compensação da temperatura estiver habilitada, podem ser observadas flutuações
nas leituras de tensão de barramento com algumas mudanças na temperatura.

Para verificar a tensão de barramento


1 Usando um voltímetro calibrado, meça a tensão de barramento o mais próximo
possível dos pontos de percepção de tensão da bastidor.
2 Compare esta leitura com o display de tensão de barramento do SM50.
3 Os valores devem diferir em menos de uma casa do ultimo digito do medidor
(especificado pelo voltímetro) e o sensor do SM50 (aprox 200mV).
4 Se os valores diferem em mais de uma casa do medidor e do sensor, verifique o
seguinte :
a As tensões são medidas no mesmo ponto. (placa de tensão).
b O SM50 está configurado para mostrar os valores corretos. Veja o Relatório de
Configuração Intergy do sistema, e use o painel frontal do SM50 para verificar se a
configuração está correta.
Se houverem erros na configuração, então entre em contato com o seu Agente Intergy.

Março 2002 41-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Testando o Controle de Tensão Ativa


Nota: Se a compensação de temperatura estiver habilitada, pode observar flutuações nas
leituras na tensão de barramento com mudanças bruscas na temperatura.

Para verificar se o Controle da Tensão Ativa está habilitado ou desabilitado


Usando o menu do SM50, selecione :
Ê Controles do Sist
Ê Controle Tens
Nota: Se o Controle de Tensão estiver Desabilitado, pode pular esta verificação.

Para verificar se o Controle de Tensão Ativa está habilitado ou desabilitado


Usando o menu do SM50, selecione :
Ê Config do Sist
Ê Controles do Sist
Ê Controle Tens
Ê Control V Ativo
Nevegue para ver as configurações. Observe principalmente o valor da faixa limite.
As configurações devem ser iguais às do Relatório de Configuração Intergy do sistema.

Cuidado Tensão
Não é recomendável desabilitar o Controle de Tensão Ativa pois isso pode
permitir que a Tensão de Barramento se afaste do valor desejado.

Para testar o Controle de Tensão Ativa


1 Usando o menu do SM50, selecione

Ê Config do Sist
Ê Controles do Sist
Ê Controle Tens
Ê Voltgs Sistema
Ê Volt Flutnt do Sist

2 Mude o Volt Flutnt do Sist apenas um pouco para cima ou para baixo. Este valor
deve superar um pouco a configuração da faixa limite do Controle da Tensão Ativa.
3 Pode ser solicitado a sua senha de instalados antes de poder fazer esta altaeração.
4 Aperte ESC várias vezes para retornar ao menu principal. Será solicitada a sua
confirmação da mudança.
5 Aperte OK para confirmar a mudança, e espere alguns segundos enquanto o banco de
dados da configuração é atualizada.

42-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

6 Uma vez que o banco de dados da configuração foi atualizado, deve verificar se o
display da tensão de barramento do SM50 se altera em direção ao novo valor definido,
até que os dois valores não difiram mais do que o valor da faixa limite.
7 Se isto não acontecer, ou a tensão de barramento ultrapassa o limite e não se
reestabelece, verifique de novo cuidadosamente a configuração do SM50—se estiver
correto, cheque de novo o sensor de tensão como descrito em Verificando.
8 Repita os passos 1 a 5, desta vez retornando a Volt Flutnt do Sist aos seu valor
original. Você deverá perceber a mudança da tensão de barramento.

Março 2002 43-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Testando a Divisão de Corrente


Todos os retificadores e a carga ligados para fazer este teste.

Para verificar se a divisão de corrente está habilitada ou desabilitada


Usando o menu do SM50, selecione Controles do Sist, depois Parlha Corr.
Se a divisão de corrente estiver Desativada (desabilitada), habilite-a temporariamente
para fazer esta verificação (a menos que instruído de outra maneira).

Para ver e possivelmente alterar as configurações da divisão de corrente


1 Usando os menus do SM50, selecione Config do Sist, depois Controles do Sist, e
Parlha Corr.
2 Veja as configurações. Observe principalmente o valor da Corrte Faix Mort. As
configurações devem ser iguais às do Relatório de Configuração Intergy do sistema.
Caso necessário, mude a configuração Habilitado/Desabilitado para Habilitado neste teste.
Será necessário informar a sua senha de instalador para fazer a alteração.

Para testar a divisão de corrente em operação


1 Observe o valor da corrente de carga no display do SM50.
2 Verifique as leituras do SM50 para cada retificador ligado —aperte MENU, selecione
Valores do Sist, depois selecione Valores Retif, e selecione um reficador. Anote esses
valores.
3 Aperte ESC, selecione o próximo retificador, anote esses valores , e assim
sucessivamente.
4 Agora desligue um ou mais disjuntores do retificador no módulo de distribuição AC,
espere 30 segundos, e repita os passos 1 a 3 para o novo número de retificadores
LIGADOS. (Outro método é variar a carga se possível)
5 De novo, ligue todos os disjuntores do retificador, espere 30 segundos, e
opcionalmente repita os passos 1 a 3 para todos os retificadores LIGADOS.
6 Verifique se em cada um dos três casos, a soma das correntes de cada um dos
retificadores é diferente da corrente de carga total em menos que a faixa de corrente
limite, e se as correntes de cada retificador estão dentro da faixa de limite da corrente
de carga média (corrente de carga dividida pelo número de retificadores ligados).
Nesse caso :
O seu teste foi bem sucedido. Se alguma configuração da divisão de corrente foi
alterada para o teste, retorne esses valores originais, conforme o Relatório da
Configuração Intergy do sistema.
Caso contrário :
a Verifique se não há alarmes presentes que possam afetar a divisão de corrente.
b Verifique se todos os retificadores envolvidos ainda estão se comunicando com o
SM50 (acesse Valores do Sist, depois Valores Retif, e cada retificador pelo seu
endereço).

44-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

c Verifique a conexão entre a porta XS9 do SM50 e o módulo de alimentação da


tensão.
d Caso não consiga resolver o problema, passe o problema para o seu Agente Intergy.
Forneça a maior quantidade de informação possível —principalmente, o seu teste de
controle da tensão ativa e outros resultados de testes.

Testando Alarmes
Use a folha de teste para registrar os resultados.
Antes de testar os alarmes :
• Deve conectar as baterias (ou uma fonte de alimentação substituta da bateria) onde necessário.
• Conectar uma carga não é essencial, mas irá facilitar o teste dos alarmes.
• Verifique se a compensação de temperatura está desabilitada.

Se alterar alguma configuração, deve retornar os valores originais após completar o teste.
Os valores corretos estão no Relatório de Configuração Intergy do sistema.

Testando alarmes de sistema


A Tabela 3-1 mostra uma lista que se aplica a uma configuração típíca. Verifique os
alarmes efetivos configurados em cada caso.
Tabela 3-2 Testando alarmes do sistema

Para verificar este Faça isto…


alarme…

Alarme urgente de resumo Verifique quando algum alarme urgente estiver acionado (como
configurado)
Alarme Não urgente de Verifique quando algum alarme não urgente estiver acionado
resumo (como configurado)
Consumidor Alto Coloque a tensão de flutuação do SM50 acima do limite de
Consumidor Alto
Falha AC (Todos) Desligue a alimentação AC (bateria devem estar ligadas)
Bateria em Descarga Ajuste a tensão de flutuação do SM50 abaixo do limite de Bateria
em Descarga descrito acima
Flutuação Alta Ajuste a tensão de flutuação do SM50 abaixo do limite de carga
alta descrito acima
Flutuação Baixa Coloque a tensão de flutuação do SM50 acima do limite de
flutuação baixo
Fusivel Interrompido Retire o fusível da bateria (1º fuse alarme) ou opere manualmente
o disjuntor do consumidor (c/ carga ligada)
Bateria Desconectada Com a carga conectada, desligue todos os retificadores ou
simplesmente retire-os do gabinete. Ajuste a tensão de
desconexão da LVD logo abaixo da tensão de flutuação.
Falha do LVD Desconecte o cabo RJ-45 da placa da LVD

Março 2002 45-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Para verificar este Faça isto…


alarme…

LVD manual Ativar a chave manual da LVD na placa da LVD


Falha de Varistor Desligue o isolador AC, retire o MOV, ligue AC de novo.
(Substitua o MOV após o teste)
Outros alarmes conforme (Veja o Relatório da Configuração do sistema)
configurados

Nota: Faça isto com uma carga. Verifique se baterias estão desconectadas.

Testando Alarmes do Retificador


A Tabela 3-2 mostra uma lista aplicável a uma configuração típíca. Verifique os alarmes
efetivos configurados em cada caso.
Tabela 3-3 Testando alarmes do retificador

Para verificar Faça isto

Alarme urgente de Retificador Verifique quando algum alarme urgente do retificador


estiver ligada, conforme configurada
Alarme Não urgente de Verifique quando algum alarme não urgente do retificador
Retificador estiver ligada, conforme configurada
Ligando (Powering up) Verifique se isto ocorre, depois some, quando se comuta o
Disjuntor do retificador
Perda da Comunicação Desconecte as comunicaçãoes da RS-485 para o retificador
Volta da Comunicação Reconecte as comunicações da RS-485 no retificador
Limite de Corrente Quando um retificador estiver ligado, fornecendo menos
que a carga requer
Falha Desconecte o Disjuntor do retificador
Não é possível testar outros alarmes do retificador no local sem o equipamento apropriado.
Mesmo assim, esses testes não serão necessários a menos que devidamente especificado.

Testando Controles de Alarme


A Tabela 3-3 mostra uma lista aplicável a uma configuração típica. Verifique as
configurações efetivas dos alarmes em cada caso.

Nota: Podem ser encurtados os tempos de restrição do alarme e de rehabilitação do tempo de


aquecimento para facilitar esses testes, mas os valores da configuração devem ser resetados o antes
possível.

46-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Tabela 3-4 Testando controles de alarme

Para verificar este controle Faça isto

O Bip está configurado para Dispare qualquer alarme urgente—o bip de urgente deverá
Todos tocar
Dispare qualquer alarme não urgente—o bip de não urgente
deverá tocar
O Bip está configurado para Dispare qualquer alarme urgente—o bip de urgente deverá
Urgent tocar
Dispare qualquer alarme não urgente—nenhum bip deverá
tocar
O Bip está configurado para Dispare qualquer alarme urgente—o bip de urgente não
Nenhum deverá tocar
Dispare qualquer alarme não urgente—nenhum bip deverá
tocar
Reestabelecer o tempode Configure Alarmes Isolados (veja abaixo). Verifique o
aquecimento tempo quando for recebido o aviso de reestabelecimento
Tempo de Restrição Configure Alarmes Isolados (veja abaixo). Verifique o
tempo quando os alarmes são automaticamente
reestabelecidos

Testando Alarmes Isolados

Para testar a alarmes isolados


1 Tenha pelo menos um alarme ligado ou prestes a acontecer, desligando o retificador
2 No menu principal do SM50, selecione Alarmes.
3 Selecione Alarmes Isolado.
4 Gere diferentes alarmes (veja acima Lista de testes de alarme). Verifique se não estão
presentes no SM50 selecionando View e nenhum som é ouvido.
5 Termine a isolação de alarme selecionando Alarmes, e Alarmes Conectado.
6 Gere outro alarme e verifique se está presente no SM50 selecionando View, e se o bip
audível toca como configurado para operar.

Testando o Relatório de Alarme


Ao usar um modem para comunicação externa com um centro de controle remoto, os
alarmes podem ser configurados para automaticamente discar para o centro remoto.

Para testar o relatório automático de alarme.


1 Configure um alarme usando o parâmetro do Relatório Automático de Alarme na
Configuração de Alarmes do Sistema.
2 Verifique se os parâmetros de discagem do modem foram configurados .
3 Verifique se o modem está instalado corretamente e em comunicação com o SM50.
Faça isto verificando os estados internos. [Valores do Sist][Valores Inter].

Março 2002 47-71


Sistemas de Retificadores Intergy

4 Simule uma condição de alarme e verifique se o SM50 iniciou uma auto discagem com
o modem.

48-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Testando as Baterias e Funções Relacionadas

Cuidado Níveis de Energia Perigosos


Os retificadores e as baterias contêm níveis de energia que podem ser
perigosos.
Para minimizar este perigo, isole o equipamento da carga, da fonte AC, e das
baterias, e verifique se nenhum retificador está conectado antes de começar os
procedimentos de teste.
Use sempre ferramentas isoladas.
Tenha cuidado especial para não curtocircuitar os barramentos e cabos do
ativo e comum.

Cuidado Siga as Instruções do Fabricante


Verifique sempre as instruções e recomendações do fabricante da bateria.

Nota: Alguns testes podem não ser necessários-por exemplo, o fornecedor da bateria pode já ter checado
os níveis de carga da bateria, ou alguma característica da bateria podem não ser aplicáveis.

Testando e Ligando as Baterias

Passos Previos
Nota: O instalador da alimentação DC normalmente irá testar e conectar as baterias.
Par testar e ligar as baterias é preciso :
1 Medir as tensões da célula da bateria antes de conectar as baterias.
2 Com todos os retificadores conectados no bastidor, conectar todos os bancos de
baterias e aplique carga total nas baterias.
3 Identificar e corrigir qualquer problema aparente.
4 Definir os parâmetros da configuração do banco de baterias (cél/banco e Capacidade Amp-
hora).
5 Configurar os parâmetros do teste de descarga da bateria (Software do SM50 Versão 3.0 ou
superior).
6 Configurar o alarme de Descarga (Software do SM50 Versão 3.0 ou superior).
7 Caracterizar as baterias fazendo um teste de descarga. Os dados coletados são usados
para calcular a estimativa de tempo reserva da bateria (Software do SM50 Versão 3.0 ou
superior).
8 Salvar os dados do teste como base para futura comparação com testes de descarga.
(Software do SM50 Versão 3.0 ou superior)
Pode der usado o ICE, PowerManagerII ou o painel frontal do SM50 para completar as
tarefas. O ICE ou PowerManagerII faz isso em menos tempo.

Março 2002 49-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Nota: Se o SM50 contém software anterior à versão 3.0, será necessário calcular os intervalos de tensão e
medir esses intervalos enquanto é feito o teste da bateria.

Cuidado Níveis de Energia Perigosos


Ao medir a tensão da célula das baterias, lembre-se que a bateria está ativa e
é potencialmente pergosa. Para alguns tipos de bateria, as medidas de tensão
podem ser feitas sem tirar a isolação e a tampa, pois é fornecida uma
abertura.

Nota: Baterias pré-carregadas normalmente perdem alguma carga durante a entrega. As baterias com
células inundadas normalmente chegam sem carga—adicione um eletroilito pré-mixado se necessário.

Para medir o estado de carga inicial das baterias


1 Antes de conectar as baterias no bastidor, meça a tensão de cada célula da bateria.
2 Registre os resultados de cada célula e adicione-os para cada banco.
3 Aponte qualquer célula que pareça irregular.
4 Registre o tempo na sua folha de testes.

Para dar carga máxima nas baterias


1 Desconecte os disjuntores ou abra qualquer desconexão de carga para isolar a carga.
2 Conecte todos os retificadores. O SM50 irá ligar.
3 Usando os menus de Configuração do SM50, verifique se a Equalização Manual, a
Equalização Periódica, e a Carga Rápida estão desabilitadas.
4 Conecte todos os bancos de bateria ao bastidor—conecteos disjuntores de proteção da
bateria, ou retire os fusíveis, como pertinente.

Cuidado Carregando Bancos de Baterias


É recomendável carregar inicialmente todos os bancos de bateria para
minimizar possíveis diferenças de tensão entre os bancos de baterias.

Normalmente neste ponto os retificadores podem entrar no limite de corrente por um


tempo variável, dependendo do nível de carga da bateria.
5 Se algum dos disjuntores de proteção da bateria falhar, localize a causa antes de
continuar.
6 Verifique os valores de corrente da bateria e da corrente do SM50. (A corrente da
Bateria é geralmente configurada como um dos valores no menu Analog do Sist
abaixo do menu Valores do Sist).
a A corrente da Bateria é negativa sob condições de recarga.
b Onde a corrente de carga é configurada como corrente de barramento menos a
corrente da bateria, então a corrente de carga será aproximadamente o reverso da
corrente da bateria. Pode ser checado como a corrente de carga é configurada no
Relatório da Configuração Intergy do sistema.
c Conforme as baterias se carregam, a corrente da bateria e a corrente da carga
tendem a zero.

50-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Após um tempo adequado, e tomando as devidas precauções, meça todas as tensões das
células da baterias de novo, registrando os resultados e a hora.

Março 2002 51-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Se houver algum problema aparente


1 Se alguma tensão de célula parece irregular, compare esse valor com as leituras
iniciais—se as mesmas células estavam irregulares, pode ser necessário substituir
esses monoblocos das baterias.
2 Verifique com cuidado se a configuração do SM50 bate com o Relatório de
Configuração Intergy do sistema. Se não bater, pode ser corrigida usando o painel
frontal do SM50, ou através de um download da configuração completa usando o
software ICE. Para maiores detalhes, veja Verificando a Configuração do Sistema.
3 Verifique as conexões da bateria no bastidor e no gabinete da bateria.
4 Pode ser necessário verificar o valor da corrente da bateria do SM50 aplicando um
medidor de grampo calibrado. Pode ser necessário também reajustar o sensor—entre
em contato com o seu Agente Intergy.
Nota: Para ajudar a identificar qualquer problema nos bancos, desconecte os bancos de bateria e
verifique de novo com um banco conectado de cada vez.
Está pronto para verificar os dados de configuração da especificação da bateria.

Definir os Parâmetros de Configuração da Bateria


Use o ICE, PowerManagerII ou o painel frontal do SM50 para verificar,e caso necessário,
modificar os parâmetros de configuração da bateria.
Use o seguinte caminho no menu do SM50.
Ê Config do Sist
Ê Baterias
Ê Cel por Sequencia (Número de cálulas no banco de bateria)
F Capac Total da Bat (O valor de C10 está em Amp-horas de todos os bancos de
baterias)

52-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Caracterizando Baterias
Como parte do início do sistema, ou quando as baterias forem substituídas, as
características de descarga da bateria devem ser definidas na configuração do SM50. Os
dados podem ser obtidos com o fabricante da bateria ou (preferencialmente) fazendo um
teste de descarga.
Nas versões anteriores do software (2.51 e anterior), esses dados de descarga tinham de ser
calculados e entrados no SM50 manualmente. (Para maiores detalhes, veja Caracterizando
Baterias – usando o Software versão SM50 mais adiante neste capítulo.
Nas versões superiores (3.0 e posterior), esses dados de descarga são medidos
automaticamente pelo SM50 e salvos como uma tabela de descarga (ou banco de dados)
para comparação futura com os testes de descarga da bateria com o banco de dados. A
qualquer momento, a tabela de descarga pode ser atualizada para refletir as alterações nas
características da descarga fazendo um teste de descarga e salvando os dados.
Quando o teste de descarga estive sendo feito, outros processos manuais ou periódicos
estão restritos.

Caracterizando Baterias – usando Versão de Software 3.0 do SM50


Nas versões de software posteriores do SM50 (v3.0 ou posterior) o processo de coleta de
dados da descarga da bateria foi automatizado. Se o SM50 estiver usando a versão version
2.5 ou anterior, veja em Caracterizando Baterias – usando Software anterior do SM50
mais adiante neste capítulo.
Os valores internos da Bateria tais como Capacidade em Amp-Hor, Porcentagem de
Descarga e tempo de Reserva da Bateria são valores calculados SM50. Os resultados do
teste da última descarga são comparados com os dados na tabela de configuração de
descarga para calcular o valor interno Variação da Descarga.
Um teste de descarga deve ser feito durante o comissionamento inicial do sistema e os
dados guardados como base para futuras comparações.

Nota: Aceitando os dados da descarga do último teste de descarga, é estabelecida uma nova base.
Esses valores internos podem ser usados em alarmes do sistema, visualizados usando o
SM50 ou PowerManagerII ou mapeados no display do SM50.
Verifique os parâmetros de configuração de Descarga da Bateria
Use o ICE, PowerManagerII ou o painel frontal do SM50 para verificar e se necessáro
modificar os parâmetros de teste de descarga.
Use o seguinte caminho de menu caso use o SM50
[Config do Sist][Controle do Sist][Test de Descarga]
Battery Discharge Current

Last test

Baseline
Cell Voltage

Ponto de Descarga
Tensão de Célula % restante

01 1.25V/Cell 103.3%
02 1.50V/Cell 102.5% Time
03 1.50V/Cell 101.0%
ESC Ver Dados Teste
Março 2002 53-71
Sistemas de Retificadores Intergy

Tabela 3-4 Parâmetros de configuração do Teste de Descarga da Bateria

Parâmetro Função Pautas

Teste de Descarga Habilita ou desabilita o teste Deve estar habilitado para que o
de descarga processo de predição do tempo de
Reserva seja usado
Tensão Inicial A tensão de um banco de Isto é usado para calcular o
baterias totalmente primeiro Ponto de Tensçao da
carregadas Tabela de Descarga. Tensão
Inicial é dividida pelo número de
células por banco, para calcular o
ponto de tensão da primeira célula.
Isto deve ser configurado por nível
de acesso para o fabricante
Tensão Final A tensão de um banco de É usado como o último Ponto de
baterias descarregadas Tensão na Tabela de Descarga. A
Tensão Final é dividida pelo
número de células por banco, para
calcular o ponto de tensão da
última célula. Pode ser obtido com
o fabricante.
Não deve ser configurado abaixo
da tensão de desconexão LVD ou
da Tensão Mínima do Sistema.
Duração do Teste de A duração máxima do teste
Descarga de descarga (em minutos)
Tempo de Lockout de O tempo que segue ao
Teste de Descarga reestabelecimento da tensão
AC antes que outro teste de
descarga possa ser feito.
Nível de Acesso de O nível de acesso necessário
Comando para começar ou parar um
teste de descarga

Para medir o estado de carga inicial das baterias


Configure um alarme de sistema usando o valor interno TestedeDescarga Finalizado. Use
ele para indicar quando o teste de descarga é completado pra poder avaliar os dados e
guardá-los/rejeitá-los antes de continuar com a próxima descarga.

Antes de começar um Teste de DescargaVerifique se


1 Não há outro processo executando
2 As baterias estão totalmente carregadas e à temperatura ambiente.
3 Já mediu e salvou a tensão da bateria.
4 A carga está configurada para operar com uma corrente de carga média e constante.
É preferível usar uma carga. Para maiores detalhes, veja Configurando uma Carga
descrito anteriormente neste capítulo.

54-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

5 Já determinou o Poto de Final de Tensão. Ele pode ser a tensão de descarga total
(veja a especificação do fabricante da bateria) ou uma porcentagem da tensão de
descarga total conforme determinado pelo seu Supervisor.
6 Já checou a tensão de finalização de teste para verificar se :
a Não irá causar uma descarga excessiva nas baterias.
b Quando alcançada, não irá provocar a falha da LVD.

Para começar um Teste de Descarga da Bateria (um banco de cada vez)

Cuidado Descarregar/Recarregar os Bancos de Bateria Separadamente


Isto minimiza possíveis diferenças de carga entre bancos de baterias, que
podem causar fluxo de corrente significativo intra baterias.

1 Desconectar todos os disjuntores do módulo de distribuição AC dos retificadores.


2 Isolar a carga desligando os Disjuntores.
3 Usando o ICE, o PowerManagerII ou os menus de Configuração do SM50, verifique
se a equalização manual, equalização periódica e a carga rápida estão todas
desabilitadas.
4 Conecte um banco de bateria ao bastidor—comute o Disjuntor de proteção de bateria
dedicado, ou retire o fusível. O SM50 irá ligar.
5 Para começar o teste, conecte os disjuntores ou feche as desconexões da carga para
conectar a carga falsa.
6 Use o seguinte caminho no menu do SM50 para começar o teste.
Ê Controles do Sist
Ê Teste de Descarg
7 A carga irá começar a puxar corrente das baterias.
8 Verifique a corrente de carga do SM50 e os valores de corrente da bateria. (A corrente
da bateria é normalmente configurada como um dos valores no menu Analog do Sist
dentro do menu Valores do Sist).
A corrente da bateria é negativa sob as condições de descarga.
Onde a corrente de carga for configurada como a corrente de barramento menos a
corrente de bateria, então a corrente de carga será aproximadamente o oposto da
corrente da bateria. Pode checar como a corrente é configurada no Relatório de
Configuração Intergy do sistema.
9 Verifique para terminar o teste normalmente.

Março 2002 55-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Para salvar os resultados do Teste de Descarga


1 Pode ser necessário revisar os dados de descarga antes de criar o banco de dados. Faça
isto usando o PowerManagerII ou a partir do painel frontal do SM50 selecione
Baterias na parte Config do Sist.
2 Salvar os dados da descarga usando o PowerManagerII ou a partir do painel frontal
do SM50 selecione Baterias da parte Config do Sist.
3 Mapear os valores internos, Variação da Descarga, Tempo de Reserva da Bateria e
Capacidade da Bateria em AmpHr nos alarmes e/ou nos displays do SM50 conforme
necessário.

Caracterizando Baterias – usando versão do software 2.0 do SM50


As versões de software do SM50 anteriores à 3.0 necessitam que o instalador colete os
dados de descarga da bateria calculando e medindo os intervalos de tensão para depois
usar estes dados para configurar os bancos de baterias. A versão de software 3.0 do SM50
automatizou este processo. Se estiver usando a versão 3.0 ou superior, veja Criando os
Dados da Configutação da Descarga descrito anteriormente neste capítulo.

Coletando dos Dados de Descarga da Bateria


Os dados de descarga da Bateria são obtidos ao finalizar o teste de descarga da bateria.
No começo do teste da bateria, a tensão de saída do retificador para é ajustada para
Voltage Maxima abaixo do Barramento (se o CVA estiver ativo), ou para Voltagem
Minima do Sistema (se o CVA estiver desabilitado). Veja o diagrama abaixo, que ilustra
Tensão da Bateria Tensão de
Flutuação

Tensão Inicial V1
V2
V3
} Intervalo Tensão
V4

V5
Tensão Final V6

Inicio Teste Tempo


Bateria

Tempo para
alcançar V2

Tempo para
alcançar V4

Tempo para
alcançar V6

Figura 3-1 Intervalos de Tensão de Teste da Bateria

56-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

o processo, principalmente os intervalos de tensão que devem ser pré-definidos e


monitorados durante o teste.
Os ponto de tensão (V1 a V6) são calculados antes de começar o teste. Quando o teste da
bateria começar, a tensão da bateria cai da tensão de flutuação para a tensão inicial.
Registre o tempo em atingir cada ponto de tensão (V2 a V6). O teste da bateria para
quando a tensão da bateria alcança V6. Esta é a tensão de finalização definida na
configuração do teste da bateria. A partir dos dados coletados, as porcentagens de
capacidade da bateria e as tensões das células são calculadas e usadas como dados de
configuração no processo de Capacidade de Bateria Restante.
A Figura 3-1 ilustra o processo de descarga da bateria, principalmente os pontos de tensão
que devem ser pré-definidos, e depois medidos.

Março 2002 57-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Preparando um Teste de Descarga da Bateria


Antes de começar o teste da bateria verifique se :
1 Não há outros processos rodando.
2 As baterias estão totalmente carregadas e a temperatura ambiente.
3 Possui um voltímetro preciso, melhor que ± 0.05 V na bateria.
4 Possui um relógio preciso para poder registrar os tempos decorridos em segundos.
5 Já mediu e gravou a tensão da bateria.
6 A carga está configurada para operar com uma corrente de carga média e constante. É
preferível usar uma carga. Para maiores detalhes, veja Configurando uma Carga
Falsa descrito anteriormente neste capítulo.
7 Já determinou o V de Term. Ele pode ser a tensão de descarga total (veja a
especificação do fabricante da bateria) ou uma porcentagem da tensão totalmente
descarregada conforme determinado pelo seu Supervisor.
8 Já checou a tensão de finalização do teste da bateria para garantir que :
a Não irá causar descarga excessiva nas baterias.
b Quando alcançado, não irá provocar a falha da LVD.

Fazendo um Teste de Descarga da Bateria (um banco de cada vez)

Cuidado Descarregar/Recarregar os Bancos de Baterias Separadamente


Isto minimiza possíveis diferenças de carga entre os bancos de bateria, que
pode causar um fluxo de corrente significativo entre baterias.

1 Desconectar todos os disjuntores do módulo de distribuição AC do retificador.


2 Isolar a carga desligando todos os disjuntores.
3 Usando os menus de Configuração do SM50, verifique se a equalização manual,
equalização periódica e a carga rápida estão todas desabilitadas.
4 Conectar um banco de baterias no bastidor—ligue o disjuntor de proteção da bateria
respecitiva, ou retire o fusível. O SM50 irá ligar.
5 Comute os disjuntores da carga ou feche as desconexões da carga para conectar a
carga falsa.
A carga começará a puxar corrente das baterias.
6 Verifique os valores da corrente de carga e da corrente da baterias do SM50. (A
corrente da bateria é geralmente configurada como um dos valores no menu Analog
do Sist dentro do Valores do Sist).
§ A corrente da bateria é negativa sob as condições de descarga.
§ Onde a corrente de carga for configurada como corrente de barramento do
retificador menos a corrente da bateria., então a corrente de carga será
aproximadamente o oposto da corrente da bateria. Pode checar como a corrente
de carga é configurada olhando o Relatório da Configuração Intergy do sistema.
7 Calcular a tensão do intervalo do teste usando a fórmula :
Intervalo de Tensão = (Tensão Inicial – Tensão Final )/5

58-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

8 Usando o voltímetro e o relógio, registre o tempo (começando do início do teste da


bateria) que a descarga passas através de cada passo de tensão (conforme calculado
acima). Calcular os seis passos de tensão conforme segue :
V1 Tensão de Início (Ponto 6 na configuração da bateria)
V2 Tensão de Início-tensão de Intervalo (Ponto 5 na configuração da bateria)
V3 V2 – Tensão de Intervalo (Ponto 4 na configuração da bateria)
V4 V3 – Tensão da Intervalo (Ponto 3 na configuração da bateria)
V5 V4 – Tensão de Intervalo (Ponto 2 na configuração da bateria)
V6 Tensão Final (Ponto 1 na configuração da bateria)
9 Calcular os Amps-horas da descarga de cada passo de tensão usando a fórmula :
Amp-Horas = Tempor de Descarga Corrente de Descarga Média no intervalo/60
*

Nota: Os melhores resultados são obtidos usando uma corrente de carga constante tal como uma carga.

10 Calcular os Amps-Horas reserva de cada passo de tensão usando a fórmula :


Amp-Horas Reserva = Amp-Hs de Desacrag em V6 – Amp-Hs de Descarga no passo de Tensão
11 Calcular e gravar a porcentagem de capacidade restante para cada um dos passos de
tensão usando a fórmula :
(Amp-Hs de Reserva no Passo deTensão / Amp-Hs em ) * 100%

12 Calcular a tensão da célula para cada passo de tensão usando a fórmula :


Tensão da Bateria / Número de células no banco
13 Verifique se o teste finaliza normalmente.

Março 2002 59-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Configuração dos Parâmetros de Teste Periódico da Bateria


Faça este teste após colher os dados da descarga da bateria e ingressar esses dados na
configuração das especificações da bateria.
Para fazer um Teste de Bateria
1 Primeiro verifique se o teste da Bateria está habilitado. .
Usando o menu do SM50, selecione :
Ê Config do Sist
Ê Controles do Sist
Ê Teste de Bater
F Habilitado/Desabilitado
2 Antes de iniciar o teste verifique se :
• Nenhum outro processo está rodando.
• A tensão da carga e a corrente permanecem constantes ao longo do teste. (Use de
preferência uma carga falsa).
• As baterias estão totalmente carregadas e a temperatura ambiente.
• Os parâmetros da configuração do teste da bateria estão corretos, principalmente
V de Term..
3 Desconectar todos os disjuntores do módulo de distribuição AC do retificador.
4 Isolar a carga falsa desligando todos os disjuntores.
5 Conectar um banco de baterias no bastidor—ligue o disjuntor de proteção da bateria
respectiva, ou substitua o fusível. O SM50 irá ligar.
6 Comute so disjuntores da carga ou feche qualquer desconexão da carga para conectar
a carga falsa.
7 O carga irá começar a puxar corrente das baterias.
8 Após um tempo adequado (o tempo de teste de descarga recomendado pelo fabricante
da bateria para a carga conectada), verifique se o teste acaba normalmente.
Se o teste falhou :
• Verifique os parâmetros da especificação da bateria e modifique-os caso estejam
incorretos.
• Revise os cálculos do descarga da bateria.
• Se necessário, repita o teste de descarga e recalcule os dados da descarga.

9 Tomando a devida precaução, verifique as tensões das células. Se alguma parecer


irregular, compare-as com as leituras anteriores –se as mesmas células estavam
irregular também, então pode ser necessário substituir esses blocos da bateria.
10 Agora desconecte a carga e recarregue o banco de bateria, conforme descrito no
procedimento chamado Para colocar as baterias em carga total acima (mas com
somente 1 banco conectado).

60-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Cuidado Tensão
Não conecte bancos de bateria descarregadas ou totalmente
carregadas juntos neste estágio.

11 Desconectar o banco de bateria e repetir o ciclo de descarga/recarga para o próximo


banco de baterias.

Março 2002 61-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Testando a Compensação de Temperatura


As baterias devem estar isoladas para fazer este teste.
Para verificar se a Compensação de Temperatura está habilitada ou desabilitada
1 Siga até Controles do Sist, e aperte OK.
2 Siga até Conpensac Temp, aperte OK.
3 Se a compensação de temperatura estiver (desabilitada) Desabilitada, habilite-a para
esta verificação.

Para ver as configurações da Compensação de Temperatura


1 Siga até Config do Sist, aperte OK.
2 Siga até Controles do Sist, aperte OK.
3 Siga até Conpensac Temp, aperte OK.
4 Siga para ver as configurações. Devem ser iguais às do Relatório de Configuração do
Intergy do sistema. (Se alterar alguma configuração para o teste, depois deve retornar
a configuração original)
5 Retornar até o menu principal.

Para testar a Compensação de Temperatura


1 Retirar temporariamente o sensor de temperatura do gabinete da bateria e coloque-o
perto de uma fonte de aquecimento ou resfriamento, tal como uma lata de spray
congelado ou uma arma de fogo.
2 Mostrar a entrada de tenperatura precebida pelo SM50. Isto é geralmente (não
necessariamente) configurado como um dos valores no menu Analog do Sist, abaixo
de Valores do Sist. Veja mais detalhes no Relatório de Configuração Intergy.
Espere um pouco até que o sensor esquente ou esfrie.
3 Verifique se as alterações na tensão de barramento estão corretas para essa
temperatura, de acordo com o dados do fabricante da bateria e as configurações do
SM50.
4 Substitua o sensor de temperatura do gabinete da bateria.
5 Verifique se as configurações da compensação de temperatura retornaram aos seus
valores originais, conforme o Relatório de Configuração Intergy do sistema.

Para testar a a auto Compensação de Temperatura


Coloque o termômetro perto do sensor e compare com aleitura do SM50 (deixe que a
temperatura se estabilize).

62-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Testando a Equalização Manual


Nota: Este teste pode não ser necessário quando esta função estiver desabilitado.
Antes de fazer o teste, a tensão AC e um ou mais retificadores devem estar conectados.

Para verificar se a Equalização Manual está habilitada ou desabilitada


1 Siga até Controle do Sist, aperte OK.
2 Siga até Equaliz Manual, aperte OK.
3 Se a Equalização Manual estiver disabilitada, e as baterias de ácido-chumbo
fornecidas não estiverem sendo usadas, pode habilitá-la temporariamente para esta
verificação.

Para alterar as configurações e testar a Equalização Manual


1 Siga até Config do Sist, aperte OK.
2 Siga até Controle do Sist, aperte OK.
3 Siga até Equaliz Manual, aperte OK.
4 Siga para ver as configurações. Caso decida alterar o valor da duração Duração, deve
retornar a cofiguração do valor original.
5 Retornar ao menu principal. Vá ao menu Controle do Sist, siga até Equaliz Manual,
e comece.
6 A equalização manual deve então se ativar. O seu estado estará ativo Ativo.
7 Após passar o tempo esperado (ou antes se a equalização manual for parada),
verifique se as configurações da equalização manual voltaram aos seus valores
originais. Eles podem ser encontrados no Relatório de Configuração Intergy do
sistema.

Março 2002 63-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Testando a Equalização Periódica


Nota: Este teste pode não ser necessário quando este feature estiver desabilitado.
Antes de fazer este teste, verifique se a Equalização Manual e a Carga Rápida estão
desabilitadas. A tensão AC e um ou mais retificadores devem estar ligados e todas as
baterias conectadas.
Para verificar se a Equalização Periódica está habilitada ou desabilitada
1 Siga até Controles do Sist, aperte OK.
2 Siga até Equaliz Manual, aperte OK.
3 Se a equalização periódica estiver Disabilitada, e as baterias de ácido-chumbo
fornecidas não estiverem sendo usadas, pode-se habilitá-la temporariamente para esta
verificação.

Para alterar as configurações e forçar a Equalização Periódica


1 Siga até Config do Sist, aperte OK.
2 Siga até Controles do Sist, aperte OK.
3 Siga até Equaliz Period, aperte OK.
4 Siga para ver as configurações, e altere os valores da primeira data Prim Data e hora
do dia Hora do Dia tal que a próxima equalização periódica ocora dentro de pouco
tempo. Pode alterar o valor da duração Duracao, mas deve retornar a configuração
original.
5 Verifique se a configuração da tensão de Equalização Manual está correta para o tipo
de bateria instalada. Veja as recomendações do fabricante da bateria.
6 Retorne ao menu principal, e para a hora configurada (pelo relógio do SM50),
verifique se o estado da equalização periódica mudou para ativo Ativo.
7 Após passar o tempo esperado (ou antes se a equalização periódica for parada),
verifique se as configurações da equalização periódica voltaram aos seus valores
originais. Eles podem ser encontrados no Relatório de Configuração Intergy do
sistema.

64-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Testando a Carga Rápida


Nota: Este teste pode não ser necessário quando este feautre está desabilitado.
Antes de fazer o teste, a tensão AC e um ou mais retificadores devem estar conectados.

Para checar se a Carga Rápida está habilitada ou desabilitada


1 Siga até Controles do Sist, aperte OK.
2 Siga até Carga Rap, aperte OK.
3 Se a carga rápida estiver desabilitada Disabilitado, e as baterias de chumbo-ácido
seladas fornecidas nãoe stiverem sendo usadas; pode habilitá-la temporariamente para
esta verificação.

Para verificar as configurações de Carga Rápida


1 Siga até Config do Sist, aperte OK.
2 Siga até Controles do Sist, aperte OK.
3 Siga até Carga Rap, aperte OK.
4 Se a equalização periódica estiver desabilitada Disabilitado, e as baterias de ácido-
chumbo seladas fornecidas não estiverem sendo usadas, pode habilitá-la
temporariamente para esta verificação.

Para verificar a função Carga Rápida


1 Substitua as baterias com fontes de alimentação seperadas, ou leve as baterias a um
nível onde a tensão do banco seja menor que a configuração de carga rápida.
A carga rápida deve estar ativa.
2 Após completar o ciclo de carga (carga satisfatória ou fim da carga máxima) ou antes
se a carga rápida foi parada, verifique se as configurações da carga rápida retornaram
aos seus valores originais. Esses valores podem ser encontrados no Relatório de
Configuração Intergy do sistema.

Março 2002 65-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Testando o Limite de Corrente da Bateria


O objetivo deste teste é verificar se a configuração do Limite de Corrente da Bateria está
de acordo com os parâmetros de configuração da bateria.

Nota: Faça este teste somente se o Limite de Corrente de Bateria estiver normalmente habilitado.

Para verificar a configuração do limite de corrente da bateria


1 Selecione o limite de corrente da bateria
Ê Config do Sist
Ê Controles do Sist
Ê Limit Corr Bater
2 Verifique o parâmetro de Limiar. Isto representa o nível máximo de corrente da
bateria que deve ser alcançado antes que o processo de Limite de Corrente da Bateria
se torne ativo. Isto é expresso em porcentagem do valor de C10 (Ah) das baterias.
Veja nas especificações do fabricante das baterias o valor de C10, e a configuração do
limite de corrente da bateria recomendado.
3 Verifique a faixa limite Faix Mort, expresso em porcentagem de C10, normalmente
1%. Use uma faixa limite bem larga quando a impedância combinada da bateria e da
fiação for baixa. (Pequenas alterações na tensão podem gerar grandes mudanças na
corrente). Uma faixa larga irá evitar de ajustar continuamente a tensão assim que a
corrente fica acima ou abaixo da faixa limite.
4 Verifique o Passo Grosseiro Passo n Proceso. Normalmente é de 0.5V. Aumentando
este parâmetro aumenta a resposta do sistema a mudanças no ponto de ajuste da
tensão mas pode causar grandes picos de corrente.
5 Verifique o Passo Fino Passo Fino. Se o controle da tensão ativa estiver habilitada,
verifique se a faixa limite do AVC é menor que o Passo Fino do Limite de Corrente da
Bateria. Defina passos menores ao usar faixas limites mais estreitas para evitar picos
para cima ou para baixo descritos acima. O sistema pode tornar-se lento ao reagir a
essas mudanças na tensão do sistema.

66-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Testando a Desconexão por Baixa Tensão


Nota: Este teste se aplica apenas quando a opção LVD estiver instalado.
Conectar a carga falsa para este teste.

Para verficar se a Desconexão por Baixa Tensão está habilitada ou desabilitada


1 Siga até Controles do Sist, aperte OK.
2 Siga até Descon Baixa Volt, aperte OK.
3 Se a Desconexão por Baixa Tensão Descon Baixa Volt estiver desabilitada
Disabilitado, pode pular esta verificação.

Para verificar as configurações da Desconexão por Baixa Tensão


1 Siga até Config do Sist, aperte OK.
2 Siga até Controles do Sist, aperte OK.
3 Siga até Descon Baixa Volt, aperte OK.
4 Siga para ver as configurações.
5 Mude as configurações para este teste.
Nota: Aumentando as configurações da Tensão de Descon Baixa Volt e da Tensão de Reconexão Re-
conect Voltg irá diminuir a quantidade de descarga da bateria e assim o tempo para este teste.

Para verificar a função Desconexão por Baixa Tensão


1 Desligue a alimentação AC.
2 Substitua as baterias com fontes de alimentação separadas, ou leve as baterias até um
nível onde a tensão do banco seja menor que a configuração de tensão de desconexão.
3 O contator do LVD deverá desconectar.
4 Ligue a alimentação AC e os retificadores. (Quanto mais retificadores, mais rápido as
baterias irão se recarregar)
5 Verifique se as configurações da LVD retornaram aos seus valores originais. Eles
podem ser encontrados no Relatório de Configuração Intergy do sistema.

Março 2002 67-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Configurando e Testando as Comunicações Remotas


Todos os cabos, equipamentos de comunicação e fontes de alimentação associadas devem
estar instaladas. Esta seção lida com a configuração dos parâmetros de comunicação do
SM50 e o teste das comunicações remotas.

Configurando Comunicações – Resumo das Tarefas


1 Configurar a porta traseira do SM50.
2 Configurar o controle de fluxo do Hardware.
3 Definir o protocolo a ser usado.
4 Definir os endereços do SM50.
5 Configurar a taxa de bauds.
6 No caso de usar o modem, configurar as funções de auto resposta e auto discagem.
7 Configurar o relé de potência do modem do SM50 (Quando tiver um modem).
8 Configurar a integridade do modem (Quando tiver um modem).
9 Habilitar as comunicações Remotas.

Configurar a porta de comunicações traseira do SM50


Use o ICE ou o painel frontal do SM50 para configurar a porta traseira como RS232.
Caso use o painel frontal do SM50, achará esta opção [Config do Sist][Ajustes do
Com].

Configuração de Rede Configurar porta traseira


como

Conexão do modem usando PSTN RS232


RS232 ponto-a-ponto RS232
Multidrop DDN RS232
Multidrop RS422/485 RS422 ou RS485
Ethernet LAN/WAN RS232

Configurar o controle de fluxo do hardware


Use o ICE ou o painel frontal do SM50 para configurar a porta traseira como RS232.
Caso use o painel frontal do SM50, achará esta opção em [Config do Sist][Ajuste do
Com].

Configuração de Rede Configurar o controle de


fluxo do hardware como

Conexão do modem usando PSTN Opcional


RS232 ponto-a-ponto Opcional
Multidrop DDN Desabilitado
Multidrop RS422/485 Desabilitado
Ethernet LAN/WAN Desabilitado

68-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Especificar o protocolo a ser usado


Use o caminho do menu [Config do Sist][Ajustes do Con][Porta tras], e especifique
o protocolo.

Nota: Recomendamos usar S3P a menos que SNMP seja a única opção.

Configuração de Rede Configurar o protocolo do


SM50 como

Conexão do modem usando PSTN S3P


RS232 ponto-a-ponto S3P
Multidrop DDN S3P
Multidrop RS422/485 SNMP
Ethernet LAN/WAN SNMP

Definir o endereço do SM50


Use o caminho do menu [Config do Sist][Identidade] especifique o endereço do
SM50.
Se usar SNMP, especique o endereço IP e o endereço do peer IP.
Se usar o S3P, simplesmente especifique o endereço S3P.

Nota: Será necessário obter endereços válidos dos seus técnicos de rede.

Configurar a taxa de bauds


Use o caminho do menu [Config do Sist][Ajustes do Com][Ajustes gerais], para
configurar a taxa de bauds na porta traseira.

Março 2002 69-71


Sistemas de Retificadores Intergy

Configurar as funções de auto resposta e auto discagem (apenas nas comunicações do


modem).
Use o caminho do menu [Config do Sist][Ajustes do com][Porta tras][Ajustes Modem],
para configurar os seguintes parâmetros

Parâmetro Função do Parâmetro

Habilitar/Desabilitar Habilita ou Desabilita a função do modem do


SM50. Se um modem estiver presente, deve estar
habilitada. Caso contrário desabilite-a
Toques de Auto Resposta (0-99) 0 desabilita a auto resposta
Configuração Aux 1 A cadeia de inicialização do modem. Use a
configuração se a cadeia exceder 20 caracteres. Veja
Cadeias de Inicialização do Modem acima
Configuração Aux 2 A cadeia de inicialização do modem que está
concatenada com a primeira.
Número Primário O primeiro número de telefone de contato
Número Secundário O número de telefone reserva.
Tempo limite de Conexão O número de segundos que o SM50 irá esperar por
uma conexão com o modem
Max retentativas O número máximo de tentativas falhas para
estabelecer uma conexão com o número primário.
Intervalo de Retentativa O tempo em segundos entre as retentativas
Manutenção O intervalo em segundos entre que o SM50 verifica
o estado da comunicação com o modem

Configurar o relé de alimentação do modem de SM50 (apenas para comunicações com


modem)
1 Se instalou o modem onde a alimentação do modem é controlada pelo relé do SM50,
configure o relé como segue :
2 Usando o display do SM50,-selecione [Config do Sist][Reles][Canais Mapas].
Especifique o relé usado para controlar a alimentação do modem (Em condições
normais deve ser o Relé 4).
3 Verificar isto visualmente checando a disposição da fiação. Um cabo ativo do
conversor isolado DC-DC deve conectar ao XS4, pino 5 do SM50).
4 Verifique se o relé está configurado como normalmente aberto.

Configurar a verificação da integridade do modem (apenas nas comunicações do modem)


Usando o ICE, o PowerManagerII ou o painel frontal do SM50, especifique o intervalo
(em segundos) entre a verificação da integridade do modem. Isto é um processo que
envolve a verificação do SM50 se está apto a se comunicar com o modem. Caso use o
SM50, achará esta opção em [Config do Sist][Ajustes do Com][Porta tras][Ajustes
modem][Intervalo Manutencao].

Configurar o alarme de falha do modem (apenas nas comunicações com modem)

70-71 novembro 2000


Testes Iniciais do Sistema

Se o SM50 não pode se comunicar com o modem, o estado interno Modemworking é


colocado como ativo. Se quiser monitorar este estado usando um relé externo do
SM50, comfigure um alarme e designe este estado de alarme. Para maiores
informações detalhadas, veja o Guia de Usuário do SM50. Este guia fornece as
instruções sobre como designar estados internos aos alarmes.

Habilitar a comunicação remota


1 Obter o código de Comunicações Habilitadas nos documentos de embarque que vêm
junto com o equipamento. Se o sistema de alimentação já estiver instalado e tem de
instalar as comunciações remotas como opção, use o display do SM50 para obter o
número de série da CPU. Achará isto em [Config do Sist][Identidade]. Informe este
número de série ao seu Agente Intergy / Suporte ao Cliente para obter o código de
habilitação das Comunicações.
2 Entre com este código no SM50. Achará isto em [Config do Sist][Ajustes do
Com][Comms Enable Code]
3 Dê um reset no SM50

Após Finalizar os Testes


• Verificar se as baterias estão carregadas. Consulte as instruções fornecidas pelo fabricante da bateria. Se
necessário, use a função de equalização manual para aplicar uma tensão maior que a tensão de flutuação
standard na baterias, ou deixe que o sistema carregue as baterias no modo normal
• Desconectar a carga falsa. Se não forem necessários mais testes, isole a alimentação AC no módulo de
distribuição AC, isole as baterias e a carga, e retire as conexões da carga falsa do bastidor.
• Substituir todos os painéis do bastidor.
• Informar à pessoa adequada que o seu teste está completo.
• A sua parte de agora em diante varia de acordo com cada instalação. Você poderá ou não ter
de aceitar formalmente os testes e conectar ao equipamento de carga do cliente.

Março 2002 71-71


Sistemas de Retificadores Intergy

UNIDADE RETIFICADORA

URxxxA/yyV
URxxxA/yyV

Dezembro /2000
Sistemas de Retificadores Intergy

Índice
1 Sobre o Sistema de Energia Intergy 3
2 Descrição das Funções do Sistema 4
2.1 Controle de Tensão 4
2.2 Controle do Retificador 4
2.3 Proteção da Bateria 5
2.4 Sobre o Registro de Dados 5
3 Alarme do Sistema 8
4 Arquitetura do Alarme do Sistema 9
4.1 Canais Analógicos Internos 10
4.2 Canais Digitais 10
4.3 Operações 10
4.4 Estados 10
4.5 Alarmes do Sistema 10
4.6 Alarmes do Retificador 11
4.7 Alarmes de Resumo 11
4.8 Reles 11
5 Proteção do Sistema 12
6 Retificadores 13
6.1 Avisos e Cuidados 14
6.2 Sobre o Retificador 14
6.3 Características Físicas de um Retificador 14
6.4 Características do Retificador 17
6.5 Utilizando os Retificadores 17
6.6 Modos de Operação do Retificador 18
6.7 Procedimento de Início (Start Up) 18
6.8 Operação Normal (controle do SM50) 18
6.9 Modo de Perda de Controle 19
6.10 Modo Desligamento 19
6.11 Modo de Operação Anti-Falha 20
6.12 Caracteristicas Elétricas Gerais 21
6.13 Descrição de Funcionamento do Circuito 27
7 Layout do Menu do R5848 30
7.1 Displays de Status do Retificador 31
7.2 Indicações de Alarmes Urgentes 32
7.3 Indicações de Alarme Não Urgentes 33
8 Montagem dos Retificadores no Shelf 37
8.1 Esquema de Endereçamento do Retificador 38
8.2 Alterando Seqüencialmente o Endereço do Retificador 39
8.3 Montando Retificadores nos Gabinetes 42
8.4 Retirando um Retificador 44

dezembro/2000 2
Sistemas de Retificadores Intergy

1- Sobre o Sistema de Energia Intergy


Os Sistemas de Energia Intergy são desenhados para fornecer uma tensão DC ineterrupida
e de qualidade de até 1200A @ 29V, ou de até 900A @ 58V. O Módulo de Supervisão
(SM50) monitora o estado operacional de cada módulo do sistema, permitindo um alto
nível de controle sobre :
Tensão de Saída Para manter a tensão entre ± 0.1V do parâmetro de tensão de
sistema configurada pelo usuário.
Baterias Quando a LVD (Desconexão por Baixa Tensão) estiver colocada,
para proteger as baterias de uma grande descarga (durante uma
falha da fonte AC) enquanto fornece a tensão DC ineterrupida.
Alarmes Para relatar sobre uma ampla faixa de condições de alarme
configuráveis incluindo falha de componente, estado do módulo do
sistema, estado operacional, parâmetros de tempo do retificador e
limiares de controle de tensão.
Os sistemas de energia Intergy na faixa de 1000 a 40000 foram desenhados para :
• Fornecer um fator de potência > 0.99
• Fornecer uma eficiência de energia > 90%
• Serem instalados rapidamente
• Serem configurados em campo para atender necessidades individuais

Cuidado EMI
Este é um produto CLASSE A. Num ambiente doméstico, este produto
pode causar rádio interferência, em cujo caso o usuário deverá tomar
as medidas adequadas.

dezembro/2000 3
Sistemas de Retificadores Intergy

2- Descrição das Funções do Sistema


As principais funções do Intergy são :
• Controle de Tensão
• Controle do Retificador
• Proteção da Bateria
• Alarmes do Sistema
• Proteção do Sistema
Estas funções são descritas nesta seção.

2.1- Controle de Tensão


O Módulo de Supervisão (SM50) controla a tensão DC na carga ou nas baterias (conforme
medida no barramento DC) entre ± 0.1V do valor configurado pelo usuário.

A Tensão de Flutuação do sistema configurada pelo usuário é ajustada pela


Compensação de Temperatura e os processos de Equalização/Carga Rápida para
fornecer os sinais de ajuste de tensão de cada retificador para aumentar ou diminuir a
saída. O controle de tensão ativa do barramento DC mantém a tensão configurada entre ±
0.1V.

Nota: A saída deste processo é um sinal do SM50 aos retificadores para ajustar a tensão de saída.

2.2- Controle do Retificador


Os parâmetros de operação do Retificador tais como Limite de Temperatura, Limite da
Tensão de Saída, Limite de Corrente, Limite de Baixa Tensão e Ajuste da
Temperatura de entrada do ventilador, são controlados pelos parâmetros configuráveis
do retificador armazenados no banco de dados do retificador. Esses parâmetros do
retificador são monitorados pelo SM50 e mapeados em alarmes para fornecer um outro
nível de controle do retificador.
A Divisão de Corrente é um processo de controle do retificador, que garante que a saída de
corrente de cada retificador seja a mesma. Para alcançar esta divisão de corrente de saída,
cada retificador é monitorado pelo SM50 com a corrente de saída ajustada para garantir
que esteja dentro do limiar configurado pelo usuário (normalmente <5% da corrente
dimensionada do retificador ± 1.0A).
Esta característica de Divisão de Corrente garante que :
• A eficiência da Tensão seja mantida
• Os limiares de temperatura do retificador não sejam ultrapassados
A Divisão de Corrente pode ser habilitada ou desabilitada utilizando o painel frontal do
SM50 (com a devida segurança) ou usando o Editor de Configuração do Intergy (ICE).

dezembro/2000 4
Sistemas de Retificadores Intergy

2.3- Proteção da Bateria


Os seguintes processos protegem as baterias :
• Desconexão por Baixa Tensão (LVD): desconecta os bancos de bateria das cargas
quando, durante uma falha de energia AC, a tensão da bateria cai abaixo do limiar
configurável do usuário. Esta é uma característica opcional.
• Carga Rápida : iniciada automaticamente (depois que a energia AC tiver sido
restaurada) para aumentar a tensão de saída para recarregar a tensão da célula até o
limiar configurado pelo usuário. Este processo pode ser habilitado ou desabilitado
usando o SM50.
• Equalização da Célula : é um processo configurado pelo usuário, que periodicamente
amplifica a tensão de saída para equalizar a tensão da célula. Este processo pode ser
habilitado ou desabilitado usando o SM50.
• Registro de Dados: permite a análise das características de descarga da bateria para
esquematizar a manutenção proativa e o serviço dos bancos da bateria.
• Porcentagem de Descarga: um valor interno que compara os resultados do último
ciclo de descarga de bateria com os dados de caracterização da bateria. Mostrado em
porcentagem, este valor pode ser usado para checar alterações nas características de
descarga e/ou usado nas configurações de alarme.
• Tempo Restante da Bateria e Capacidade da Bateria em Amp-Hr: valores internos
calculados pelo SM50 e podem ser usados nos alarmes do Sistema.

Cuidado Baterias de Ácido-chumbo


Quando utilizar as baterias chumbo-ácido, verifique se as funções de
Carga Rápida e de Equalização estão configuradas abaixo do valor
máximo de tensão da bateria, ou desabilitadas.

2.4- Sobre o Registro de Dados


Nota: Esta característica está disponível somente no sistemas baseados no SM50.
Durante um evento específico, registro as capturas, armazena uma variedade de valores de
sistema e armazena-os no SM50. Os registros de Novos Eventos e novos dados são
recuperados cada vez que uma aplicação SNMP tal como PowerManagerII faz uma
pesquisa no IPS. (Veja Recuperando registros de evento e dados abaixo). Os registros de
dados são anexados a arquivos de texto em tabelas delimitadas que podem ser analisadas
no futuro usando folhas tipo Excel ou outras ferramentas de análise adequadas.

dezembro/2000 5
Sistemas de Retificadores Intergy
Arquivo Registro de Dados
Inicialização do Sistema
Reg. Numero #1
Rotulo Tempo
2 Tensão AC,
Eventos Armazenados no Registro de Entrada

Tensão Said,
Reg. Numero, #2
Alarmes Isolados Leitura Corr.,
Rotulo Tempo
Corr. Bater,
AC Voltage,
Reg. Numero ,
Battery Temperature,
Bus Voltage,
#......
Rotulo Tempo
Capc. Bat.capacity
Load Current,
Reconecção dos Alarmes BatteryV Current,
Entrada,
5
BatteryV Temperature,
Saída,
BatteryLeitura
AmpHr Corrente
capacity
Corrente Bateria,
Temperatura Bateria
Discarga das Baterias Capc. Bateria A/h
1 Reg. Evento

Alarmes Sist. Regist.


Valor de Est. Alarme Numero 6
Alarm Reg. Numero
#4000
Rotulo Tempo
V Entrada,
Alarme Retif. Valor de Est. Alarme Numero Regist. V. Saída,
Alarm,
Shelf Numero, Numero Posição Leitura Corrente
4 Corrente Bateria,
3
Temperatura Bateria,
Capc. Bateria A/h
Alarme Sumario Valor de Est. Alrme Numero Alarm Regist.

Informação no registro de Informação no registro O que dá início a um


DADOS de EVENTO registro de dados

Número de Registro Start-up Start-up do Sistema


Rótulo de Tempo Alarme de Sistema Corrente da Bateria
ultrapassando o limiar
configurável
V. Entrada Alarme de Retificador Alarmes de Sistema
V. Saída Alarme de Resumo Alarmes de Retificador
Urgente
Leitura de Corrente Alarme de Resumo Não Alarmes de Resumo Urgente
Urgente
Corrente da Bateria Isolação de Alarme Alarmes de Resumo Não
Urgente
Temperatura da Bateria Conexão do alarme Isolação de um alarme
Amp-Hr da Bateria Restante Reconexão de um alarme

Nota: Cada evento específico cria um registro de dados e um registro de evento.

dezembro/2000 6
Sistemas de Retificadores Intergy

2.4.1 Recuperando registros de dados


Até 4000 arquivos de registros de dados são mantidos na memória volátil do SM50. Além
disso, os arquivos mais velhos são substituídos pelas novas entradas de registros.
Use um aplicativo de PC baseado no SNMP como Intergy PowerManagerII, para
recuperar os arquivos de registros. Durante uma sessão do SNMP, o Intergy
PowerManagerII regularmente pesquisa o SM50. Durante tal pesquisa, o arquivo de
registro é interrogado. Os arquivos de registro são adicionados desde que a atualização da
última pesquisa foi passada para o PC.
Veja no Ajuda Online do Intergy PowerManagerII as instruções sobre recuperação de
arquivos de registros.
Para maiores detalhes sobre registro de dados, veja o Guia do Usuário do Intergy SM50.

dezembro/2000 7
Sistemas de Retificadores Intergy

3. Alarme do Sistema
Existem 3 tipos de alarmes :
• Alarmes analógicos que monitoram os limiares de tensão
• Alarmes digitais que monitoram o estado de operação de componentes tais como
fusíveis, Varistores e assim por diante.
• Alarmes dos retificadores, que monitoram o estado de operação dos retificadores.
Os alarmes são direcionados pelas entradas digitais e analógicas, estados internos dentro
do SM50 processando alarmes lógicos e de retificadores. Os componentes do sistema de
alarme (Canais, Somas, Estados, Alarmes e Relês) são todos usados para definir e
monitorar limiares e estados e alterações de relatórios através do LED, relê ou link de
comunicação remota apropriado.
Alarmes podem ser usados também como um disparador da captura e registro dos valores
do sistema. (Veja Registro de Dados mais adiante nesta seção. Veja também o Guia de
Usuário do SM50 da Intergy para mais detalhes sobre configuração do registro de dados)

dezembro/2000 8
Sistemas de Retificadores Intergy

4. Arquitetura do Alarme do Sistema


A arquitetura do Alarme do Sistema dos sistemas baseados no SM50 é composta pelos
seguintes componentes :
• Canais Digitais e Analógicos
• Somas Analógicas
• Estados Digitais e Analógicos
• Alarmes
• Relês
Eles formam o chamado sistema de alarme

P/ 4
P/ Analog
Canais Display
Display e digital Rele
Entrada Analog. E Mapa
Digitais Canais Entado Sistem
Fisica s Sumario
Alarms
Analog. E Dig. Alarms
De
Abilitada
Enable 2 Analog Urgent
d Sumario Estado Urgent LED
Enabled
Analogico Sumario
Alarm
Enable 3
Abilitada Rele
d

Disable 4
Disablit.
d
Non-
urgent
Non- LED
Abilitada
Enable 1 urgent
d Sumario
Alarm Rele

Abilitada
Enable
5
d De
Digital
: : Estado
:

P/ SM50 Display
(apena Anal)
Estado Interno
Da SM50

Do Retificador Urgent Alarm

Do Retificador Non-urgent Alarm

dezembro/2000 9
Sistemas de Retificadores Intergy

4.1- Canais Analógicos Internos


Os canais analógicos internos são designados nas entradas físicas analógicas.
Numa configuração típica, 4 dos 5 canais analógicos são habilitados para monitoração :
• Tensão de Barramento
• Corrente de Retificador
• Corrente da Bateria
• Temperatura da Bateria
O quinto canal é vago e desabilitado.

Nota: As entradas físicas analógicas são designadas para canais internos durante a fabricação. São
necessários direitos de acesso à fabricação para alterar essas designações.
Ao mapear os canais analógicos, as entradas podem ser mapeadas :
• No display do SM50, para serem visualizadas no modo desocupado.
• Para fornecer a entrada às funções de controle do processo do sistema.
• Operar alarmes (LEDs e/ou relês) quando os limiares são ultrapassados.
• Estabelecer automaticamente um link de comunicação remoto a um centro de
monitoração remoto.

4.2- Canais Digitais


Até 14 canais digitais estão disponíveis. Oito são designados numa configuração típica
para monitorar o LVD, falha MOV no ACD e falha do fusível de carga ou de bateria
incluindo os Disjuntores da carga. Seis estão disponíveis para funções de usuário
específicas.

4.3- Operações
Até 6 canais analógicos podem ser somados usando a lógica de soma ou subtração. A
operação pode ser designada para um ou mais estados.

4.4- Estados
Os estado são usados para monitorar o comportamento dos canais ou das operações
designadas para ele. Quando o comportamento ou o estado muda, o alarme designado ao
estado é ativado.
Os estados podem ser definidos como analógicos ou digitais. Até 20 estados analógicos e
20 estados digitais podem ser definidos.

4.5- Alarmes do Sistema


Os alarmes do sistema são usados para produzir um alarme ativo quando algum parâmetro
analógico, digital ou interno estiver fora dos limites do limiar. Existem 30 canais de alarme
do sistema configuráveis disponíveis. Cada canal pode monitorar dois parâmetros. Um
alarme do sistema pode ser designado como urgente ou não-urgente e pode ser mapeado
num relê de saída. Podem ser configurados como alarmes travados ou destravados.

dezembro/2000 10
Sistemas de Retificadores Intergy

4.6- Alarmes do Retificador


13 parâmetros do retificador são monitorados para uso com os alarmes. Quando
habilitado, cada um pode ser configurado como alarme urgente ou não-urgente. Os alarmes
do retificador urgente e não-urgente podem ser designados individualmente num relê de
saída.

4.7- Alarmes de Resumo


Qualquer alarme do retificador ou do sistema pode ser designado num alarme de resuno
urgente ou não-urgente, que por sua vez pode ser designado num relê de saída.

4.8- Relês
Até 14 relês de saída podem ser designados a um ou mais alarmes para ativar os
dispositivos de monitoração.

dezembro/2000 11
Sistemas de Retificadores Intergy

5- Proteção do Sistema
O Sistema de Energia Intergy está desenhado para manter a tensão de saída abaixo das
condições anormais de operação. A Tabela 1-1 resume como o Sistema de Energia Intergy
responde às condições de operação anormal.

Tabela 1-1 Resposta do IPS às condições anormais.

Condição Anormal Resposta do Sistema

Falha da Fonte AC Tensão de saída é obtida das baterias


Descarga da bateria é monitorada e registrada
Funções de supervisão normal são mantidas
Alarmes de falha AC são ativados
Surtos e Transientes de Surtos e transientes são absorvidos pelos Varistores
Entrada instalados entre cada fase e neutro. Varistores são
monitorados pelo SM50, ocorrendo um alarme de Falha
no Varistor caso um Varistor falhe.

Falha do Retificador Retificadores restantes ajustam a tensão e a corrente


para compensar.
O SM50 detecta a falha do retificador e aciona um
alarme de Falha do Retificador.
Sobre Temperatura Corrente de saída é reduzida automaticamente com um
alarme iniciado pelo SM50. As baterias fornecem
corrente adicional.
Tensão de Saída Onde a alta tensão de carga pré-ajustada for
Ultrapassada ultrapassada, retificadores individuais são desligados. O
SM50 aciona um alarme de Alta Carga.

dezembro/2000 12
Sistemas de Retificadores Intergy

6. Retificadores

Sobre este Capítulo


Este capítulo descreve os retificadores e os modos de operação do retificador. Este capítulo
inclui os seguintes tópicos :
• Avisos e Cuidados
• Sobre o retificador
• Características físicas de um retificador
• Características do Retificador
• Utilizando os retificadores
• Modos de Operação do Retificador
• Procedimento de Início (Start Up)
• Operação normal
• Modo de Perda de Controle
• Modo de desligamento
• Modo de operação anti falha
• Características Elétricas Gerais
• Descrição de Funcionamento do Circuito

dezembro/2000 13
Sistemas de Retificadores Intergy

6.1- Avisos e Cuidados


Atensão: Cuidados no Manuseio – Calor Excessivo
Use luvas de proteção para retirar o retificador do gabinete.
Alternativamente, deixe o retificador esfriar por 4 horas após ser
desconectado da tensão antes de retirá-lo do gabinete.
Os retificadores podem gerar altas temperaturas no condensador
durante a operação normal. O condensador do retificador é usado
suportar o retificador quando ele é retirado do gabinete.

Cuidado Conector Elcon do Retificador


Os pinos 19 e 27 contêm ruídos e tensões perigosas.

6.2- Sobre o Retificador


O retificador é um módulo simples colocado num gabinete de retificadores num IPS. Um
conector multi-pinos Elcon é colocado na parte de trás do retificador. O Shelf do
retificador possui um Modulo traseiro com soquetes que conectam com conector multi-
pino no retificador. Cada bastidor de retificador comporta até três retificadores.

6.3- Características Físicas de um Retificador


O módulo do retificador e as características físicas do bastidor são as seguintes :

Características Séries R2900, R1800 e Série R5848


R1500

Altura do módulo 246mm (9.69”) 133 mm (5.24”) (3U)


Retificador
Largura do módulo 142mm (5.59”) 476 mm (19”)
Retificador
Profundidade do 325mm (12.8”) 338 mm (13.5”)
módulo retificador
Peso do módulo 11kg (24Ib) 16 kg (35Ib)
retificador
Altura do Shelf 266.7mm (10.5”) (6U) 133 mm (5.24”) (3U)
Largura do Shelf Largura 483mm (19”) Largura 483mm (19”)
Profundidade do Shelf 378mm (14.9”) 198 mm (7.9”)
A Tabela 3-1 lista o número do modelo e o código de cor de cada tipo de retificador e as
suas principais características. A tensão de saída determina o modelo de retificador a ser

dezembro/2000 14
Sistemas de Retificadores Intergy

colocado no IPS. Cada retificador das séries R2900, R1800, e R1500 tem um painel de
código de cores na frente para identificar a polaridade da tensão. Todos os retificadores do
Sistema de Energia Intergy devem ter o mesmo painel colorido.

Nota: Os retificadores da série Intergy R5848 não possuem painéis frontal de código de cores.

Cuidado Tensão do Retificador


Quando utilizar o retificador verifique se a polaridade da tensão e do
terra do retificador sendo instalado é a mesma daquela do retificador
sendo retirado, caso contrário o retificador substituto pode ser
danificado.
Todos os retificadores num bastidor devem ter a mesma tensão a
polaridade (mesmo painel de cores).

Os códigos de cores no painel frontal são os seguintes :


• Azul 48V Terra no Positivo
• Vermelho 24V Terra no Negativo
• Amarelo 24V Terra no Positivo

Tabela 3-2 Modelos de Retificador

Modelo Descrição Polaridade Tipo Método de Tensão de Código


do Terra Resfriamento Entrada de Cor

R2948-10 2900W, 48V Positivo Sem display Ventilação 180 a 275V AC Azul
R1848-10 1800W, 48V Positivo Sem display Convecção 180 a 275V AC Azul
R2924-00 2900W, 24V Negativo Sem display Ventilação 180 a 275V AC Vermelho
R2924-10 2900W, 24V Positivo Sem display Ventilação 180 a 275V AC Amarelo
R1524-00 1500W, 24V Negativo Sem display Convecção 180 a 275V AC Vermelho
R1524-10 1500W, 24V Positivo Sem display Convecção 180 a 275V AC Amarelo
R5848-11 5800W, 48V Positivo Display Ventilação 304-530V; trifásica Nenhum

dezembro/2000 15
Sistemas de Retificadores Intergy

A Figura 3-1 mostra um retificador típico Intergy. (Séries R2900, R1800, R1500)

Etiqueta com
código de
cores
mostrando
tensão e
polaridade

Painel Frontal

Alça para
carregamento
dobrável

Figura 3-1 Vista – retificador típico Intergy

A Figura 3-2 mostra um exemplo de um painel frontal de um retificador.

Etiqueta com código de


cores mostrando tensão e Indicadores
polaridade LED

Figura 3-2 Painel frontal típico de retificador – (Séries R1500, R1800 e


R2900)

dezembro/2000 16
Sistemas de Retificadores Intergy

A Figura 3-3 mostra um exemplo do painel frontal de um retificador R5848.


Tensão

Polaridade

Figura 3-3 Vista do painel frontal de um retificador da série R5848 (100A)

6.4- Características do Retificador


Um retificador padrão possui as seguintes características :
• Uma tomada multi-pinos, auto alinhada, para as conexões de controle, alarme, DC e
AC.
• Uma alça de carregamento dobrável com um mecanismo de trava e um ressalto para a
suave inserção da unidade no bastidor.
• Três indicadores LED que fornecem informações básicas sobre a condição do
retificador : vermelho para Alarme Urgente, amarelo para Alarme Não Urgente, e
verde para Ligado
• Uma interface de usuário está disponível como opção. A interface de usuário mostra
tensão e corrente e permite que algumas configurações de parâmetros sejam alteradas.

6.5- Utilizando os Retificadores


Os retificadores num IPS não precisam da intervenção do usuário durante a operação
normal.
O SM50 monitora e controla a performance de cada retificador. Para verificar qualquer
falha de um retificador, consulte os LEDs do painel frontal, os LEDs do SM50, e o display
do painel frontal do SM50 para ver a indicação de falha apropriada.

dezembro/2000 17
Sistemas de Retificadores Intergy

6.6- Modos de Operação do Retificador


O retificador opera em qualquer um dos vários modos dependendo das condições internas
do retificador ou do controle do SM50. Os modos de operação do retificador são os
seguintes :
• Procedimento de Início (Start-up)
• Operação normal (Controlado pelo SM50)
• Modo de Perda de Controle
• Modo de desligamento
• Modo de operação anti falha

6.7- Procedimento de Início (Start Up)


Quando a tensão é aplicada ao retificador, uma série de passos determina o modo na qual o
retificador começa a operar. Os passos incluem atrasos que permitem a entrada do
retificador, testes para verificar a operação do microprocessador, e testes para verificar a
comunicação com o SM50.
Existem três modos de início (start-up) :

Normal
Quando o microprocessador está operando normalmente, e a comunicação com o SM50
está normal, o retificador começa no modo Normal.

Perda de Controle
Quando o microprocessador está operando normalmente, e não há comunicação com o
SM50, o retificador começa no modo Perda De Controle.
Quando o retificador está no modo Perda de Controle e a comunicação for reestabelecida, o
retificador muda para modo Normal.

Operação Anti falha


Quando o microprocessador não está operando normalmente, o retificador começa no
modo de operação Anti Falha.

6.8- Operação Normal (Controle do SM50)


Quando o retificador está operando normalmente, o SM50 pesquisa regularmente
(interroga) o retificador e envia os ajustes de tensão necessários.

dezembro/2000 18
Sistemas de Retificadores Intergy

6.9- Modo Perda de Controle


Se o retificador não recebeu uma solicitação de pesquisa do SM50 por 120 segundos, o
retificador muda para modo Perda de Controle. O retificador usa as configurações de
parâmetro default armazenadas na EEPROM para controlar as características de saída.
O microprocessador continua monitorando a porta de comunicação. As comunicações do
bastidor são armazenadas quando o retificador recebe uma solicitação de pesquisa do
SM50.
Quando o retificador está no modo Perda de Controle e as comunicações com o SM50
forem reestabelecidas, o retificador muda para modo Normal.

6.10- Modo Desligamento


O optoacoplador de desligamento é alimentado com o barramento de saída e é travado no
modo Desligamento até ser limpado pelo barramento de saída com um reset de
desligamento total do SM50, ou a retirada do retificador do bastidor.
As seguintes condições provocam o desligamento do retificador :
• Desligamento por Sobre Tensão
• Desligamento iniciado pelo SM50
• Desligamento iniciado ao retirar o retificador
• Falha da Operadora

Desligamento por Sobre Tensão (OVSD)


Quando o limite de sobretensão definido pelo SM50 for ultrapassado em mais de 10ms, o
optoacoplador de Desligamento se conecta. A histerese trava o optoacoplador.
A trava de OVSD não pode ser retirada pela abertura de um Disjuntor do módulo de
Distribuição AC enquanto a saída do retificador estiver conectada ao barramento ativo do
retificador. O retificador deve ser retirado do bastidor ou a tensão do sistema irá cair
abaixo de 45 Volts.
O OVSD opera no modo Slope ou no modo No Slope. O modo Slope é o default. O Ponto
de Ajuste e o modo do OVSD são ajustados na configuração do sistema SM50.
A circuito de controle desliga o amplificador e os conversores principais.
A tomada da tensão de saída é feita o mais perto possível dos terminais de saída. Quando
um retificador é desligado, não afeta os outros retificadores no bastidor.
Um limite de sobre tensão anti falha é incluído para proteger o retificador caso o
microprocessador falhe.

A Tabela 3-2 lista os limites de sobre tensão para os retificadores das séries R5848, de 48
Volt e 24 Volt.

dezembro/2000 19
Sistemas de Retificadores Intergy

Tabela 3-3 Configurações de sobre tensão

Configurações Retificador de 48V Retificador de 24V Retificador da


de Sobre Tensão série R5848

Sobre Tensão 57.0V 28.5V 59.0V


default
Sobre Tensão do 55.7V ± 2V 27.8V ± 1V 59.0 V
Hardware
Atraso do 10ms 10ms 10ms
Desligamento por (não programável) (não programável) (não programável)
Sobre Tensão do
Hardware
Característica de Slope Slope 2% de
Desligamento por (configurado por (configurado por discriminalçao do
Sobre Tensão software) software) slope

Desligamento Iniciado ao Retirar o Retificador


Assim que o retificador é retirado do bastidor, os contatos abram, gerando um sinal de
impedimento.
A circuito de controle desliga o amplificador e os conversores principais.

6.11- Modo de Operação Anti Falha


Se o software do microprocessador falhar, o timer de guarda do microprocessador estoura
e reseta o microprocessador. Isto muda o retificador para o modo de operação anti falha.

Tensão de Saída
Quando o retificador está operando no modo de operação anti falha, a tensão default do
hardware ajusta a tensão de saída.

Limite de Corrente de Saída


Quando o retificador está operando no modo de operação anti falha, se aplica o limite de
corrente máximo default. Não existe uma reversão térmica. Mesmo assim, o lado primário
do desligamento de temperatura fornece o limite de segurança.

Divisão de Carga de Saída


Não existe uma divisão da carga de saída ativa durante a operação anti falha. Ainda fica
operante a divisão de carga definida pelo hardware.

Desligamento por Sobre Tensão


Se aplica a tensão default e o atraso determinado pelo hardware.

dezembro/2000 20
Sistemas de Retificadores Intergy

6.12- Características Elétricas Gerais

Entrada AC
Série R2900, R1800,R1500 Série R5848
Tensão nominal 230 V AC 220VAC R5848 -1x e R5848-2x
400VAC R5848-3x
Freqüência 50/60 Hz 45-66Hz
nominal
Faixa de tensão 180 - 275 V RMS 304-530V Trifásica R5848 -1x e
de saída total R5848-2x
(Standard) 187-275V Trifásica R5848 -3x
Faixa de tensão 205 - 275 V RMS
de saída total
(Opção de software
para Austrália)
Corrente Nominal 13 A rms Trifásica R5848 -1x e
R5848-2x
21 Arms Trifásica R5848 -3x
Mínima operação < 150 V AC 260 V AC φ-φ
contínua
Tensão de Início < 150 V AC 323 V φ-φ
Fator de Potência ≥ 0.99 de 25% a 100% de carga ≥ 99.0% R5848-2x
≥ 95.0 % R5848 -1x e R5848-3x
Eficiência ≥ 90% ≥ 90.5% R5848 -1x e R5848-2x
≥ 89.0 % R5848 –3x

dezembro/2000 21
Sistemas de Retificadores Intergy

Saída DC do Retificador
Série do R2948 R1848 R2924 R1524 R5848
Retificador

Tensão 48 V 48 V 24 V 24 V -48 V
nominal
Tensão 58 V 58 V 29 V 29 V 58.0 V
máxima
Tensão de 54.5 ± 0.2 54.5 ± 0.2 V 27.3 ± 0.1 V 27.3 ± 0.1 V
teste de fábrica V
Faixa de 40 – 70 V 40 - 70 V 20 - 35 V 20 - 35 V 40 - 60 V
Tensão
Tensão default 50.5 ± 1.7 50.5 ± 1.7 V 25.0 ± 0.8 V 25.0 ± 0.8 V 50.5 ± 1.7 V
do Hardware V
Corrente 50 A a 58 31 A a 58 V 100 A a 29 50 A a 29 V 100 A a 58 V
nominal V V
Corrente 60 A 40 A 120 A 60 A 120.8 A
máxima a 48 V
Tensão de 10V± 2 V abaixo da 5V± 1 V abaixo da OVSD 10V± 2 V abaixo
reinício de OVSD da OVSD
Desligamento
OVSD
Tensão de 44.7V± 2.5 V 22.4V± 21.125 V 44.7V± 2.5 V
reinício de
Desligamento
Externa

Terra do Retificador
(R1848, R2948) (R1524, R2924) Série R5848

Standard Aterramento Aterramento Aterramento


Positivo Negativo Positivo

Opção Sem opção Aterramento Sem opção


Positivo

Peso
(R1848, R2948) (R1524, R2924) Série R5848

Peso 11 kg (24lb) 11 kg (24lb) 15 kg (35.2lb)

dezembro/2000 22
Sistemas de Retificadores Intergy

Temperatura, Umidade e Altitude


O retificador opera com máxima potência sob todas as condições de entrada nas seguintes
condições ambientais :
Temperatura do Ar -10°C a +50°C (14°F a 122°F)
Ambiente
Umidade Relativa Até 95% de umidade relativa (não condensada)
Altitudes Até 2000 m (6500ft) acima do nível do mar

Ruído Elétrico (Modo Diferencial)


Faixa de Filtro Tensão de Ruído (mV RMS)
Freqüência
R2948, R1848 R2924, R1524 R5848

Até 100 Hz Sem peso <100 <50 <10


101 Hz a 5 kHz Psofométrico <1 * <1 <1
Acima de 5 kHz Sem peso <5 <2.5 <5
* Típico 0.7

Nota: As medidas são feitas sem a bateria, sob todas as condições AC, tensão de saída nominal, 0-100%
da tensão de carga e medida nos terminais de saída de um bastidor totalmente equipado.

Fusível de Entrada
Na entrada AC é colocado um fusível no neutro e no ativo. Os fusíveis têm uma
capacidade de abertura de 10 kA ou maior e não são acessíveis ao usuário.
As características do fusível de entrada são listadas na tabela abaixo

Sistemas Médios (Séries R1500, R1800, R2900)

Corrente Tensão Atraso de


Simbolo IPN Dimensões
Nominal Nominal Tempo

10 x 37 mm
F1 305-03051-00 30 A 250 V Rápido (F)
(0.39” x 1.44”)
10 x 37 mm
F2 305-03051-00 30 A 250 V Rápido
(0.39” x 1.44”)

dezembro/2000 23
Sistemas de Retificadores Intergy

Sistemas Grandes (Série R5848)

Corrente Atraso de
Símbolo IPN Tensão Nominal Dimensões
Nominal Tempo

10 x 37 mm
F1, F2, 305-02051- Ultra Rápido
20 A 600 V AC (0.39” x
F3 02 (F)
1.44”)

Fusível de Saída
A saída DC tem um único fusível na saída ativa. O fusível tem uma capacidade de
abertura de 20kA ou maior e não é acessível ao usuário. O fusível pode ser colocado em
qualquer polaridade durante a fabricação.

Medição
O retificador mede os seguintes parâmetros com a ocorrência especificada :

Séries R2900, R1800, Série R5848


R1500

Tensão de saída ± 1% ± 0.2%


Corrente de saída ± 2% ± 1%
Tensão de serviço ± 5% ± 5%
Temperatura do ± 5°C (± 9°F) (na faixa de ± 2.5%
condensador e do -30°C (-22°F) a
ambiente 130°C(266°F)), resolução
1°C (33.8°F).

dezembro/2000 24
Sistemas de Retificadores Intergy

Desligamento por Sobre Tensão


Parâmetro Sistemas Médios Sistemas Grandes

Configuração da 57.8 V ±2 V (para retificadores 59.0 V (faixa de 50-70 V)


Sobre Tensão do de 48 V)
Hardware 28.9 V ±1 V (para retificadores
de 24 V)
Atraso do Hardware 10 ms (o atraso não é 10 ms
programável)
Características de Inclinação Standard Discriminação de 2%
Desligamento por
Sobre Tensão

Entradas e Saídas do Shelf


As conexões dos retificadores são feitas por meio do conector ELCON

Sistemas Médios Sistemas Grandes


Entrada AC Corrente máxima de 20 A por Máximo 13 A por φ por
retificador. Pode ser de uma fonte retificador de uma fonte trifásica
mono ou trifásica
Saída DC A saída DC máxima de cada 120 A
gabinete é 360 A usando 3
retificadores de 24 V, e 180 A
usando 3 retificadores de 48 V
Módulo de Sinal digital RS-485 operando a Sinal digital RS-485 operando a
Supervisão 19,200 bauds 19,200 bauds
Tensão da Tensão de +9 V do Módulo de Tensão de +9 V do Módulo de
Interface Supervisão para interfaces RS- Supervisão para interfaces RS-
485 nos retificadores 485 nos retificadores
Endereço do Um endereço digital codificado Sinal digital codificado que
Retificador que combina o endereço do combina o numero do bastidor e a
gabinete e a posição do posição do retificador
retificador
Endereço do Através de uma chave no Através de uma chave no
gabinete gabinete gabinete

dezembro/2000 25
Sistemas de Retificadores Intergy

Terminações do Shelf
Sistemas Médios Sistemas Grandes
Entrada AC A fonte trifásica é fornecida por A fonte trifásica é fornecida por
um cabo de 4 núcleos. um cabo de 4 núcleos.
As conexões de fase são feitas As conexões de fase são feitas
diretamente nos soquetes do diretamente nos soquetes do
Modulo traseiro, e a conexão Modulo traseiro, e a conexão
do terra é parafusada no metal. do terra é parafusada no metal.
Saída DC Cabos individuais ativo e Cabos individuais ativo e
comum neutro conectando o comum neutro conectando o
retificador (através da tomada e retificador (através da tomada e
o conector do sinal) ao o conector do sinal) ao
barramento. barramento.
Conexão Serial Dois conectores RJ-45 (6-vias) Dois conectores RJ-45 (6-vias)
são necessários para o controle são necessários para o controle
do Módulo de Supervisão, e para do Módulo de Supervisão, e para
a extensão a outros gabinetes a extensão a outros gabinetes

Cuidado Conector ELCON


Tensões e Ruídos Perigosos existem nos pinos 19 e 27 do
conector ELCON.

dezembro/2000 26
Sistemas de Retificadores Intergy

6.13- Descrição de Funcionamento do Circuito


Os Retificadores convertem a entrada AC numa saída DC para alimentar as baterias e a
carga. Os retificadores são montados em gabinetes, que comportam até 3 retificadores
cada. A sua entrada AC vem do módulo de Distribuição AC e a sua saída DC é conectada
através do barramento vivo às bateria e à carga.

Retificadores – Descrição Funcional


LADO LADO
PRIMARIO ISOLAÇÃO SECUNDÁRIO

SENSOR
FILTRO
∅ FILTRO DE PONTE FILTRO
CORREÇÃO
FOTOR DE
CONVERSOR
CC - CC
DE
FALHA
FUSE LIG.
SENSOR
OUSD
SENSOR SAÍDA CC
ENTRADA RETIF. CC SAÍDA V
N POTÊNCIA ISOLADO TERRA + / -

N
SENSOR CA
SENSOR DE SENSOR DE
CORRENTE FALHA DO RETIF. SENSOR DE
SINAIS SENSOR
CORRENTE
SINAIS DRIVE

FOTOACOPLADOR
DE REALIM.
ACIONADOR
REALIM. VENTILADOR
VENTIL.


HABILITAR CONTROLE
CONTATO CONTROLE SECUNDÁRIO
PRIMÁRIO FOTOACOPLADOR
DE DESLIG. 6 LINHAS

DESLIG.
IDENTIFICAÇÃO

∼ DO SHELF

FOTOACOPLADOR DE
ENTRADA COMUM.

+5V

A
COMUNIDAÇÕES


TERRA

∼ ∼ ∼
FOTOACOPLADOR DE LED LED
SAÍDA DE COMUM. ALARME LED FALHA
LIGADO NÃO-URGENTE RETIF.

Figura 4-5 Módulo do Retificador – Diagrama de Blocos Funcional

A Tabela 4-3 lista a descrição funcional dos retificadores

dezembro/2000 27
Sistemas de Retificadores Intergy

Tabela 4-4 Descrição funcional do Retificador

Tipo Descrição

Filtro de Entrada A tensão de entrada AC é filtrada para diminuir a Interferência


de Rádio Freqüência (RFI).
Ponte A ponte retificadora converte a entrada AC em DC.
Retificadora
Filtro DC O filtro DC suaviza a DC da ponte retificadora e também reduz
a RFI.
Conversor DC-DC O Conversor DC-DC converte a tensão de entrada (lado
Isolado primário) na tensão de saída (secundário) na relação de tensão
especificada. Por questões de segurança, toda o circuito no lado
da entrada do retificador é isolado da circuito no lado da saída.
Um transformador é usado para a isolação no Conversor DC-
DC.
Filtro de Saída O filtro de saída suaviza a saída do retificador e também reduz
a RFI.
Sensor de Este elemento percebe a corrente de saída do retificador. O
Corrente valor é enviado ao controlador secundário. O valor é processado
pelo microprocessador e enviado ao SM50 quando solicitado.
Sensor de Falha O aterramento positivo ou negativo é escolhido fazendo
do Fusível do conexões no retificador. (Retificadores da série R2900, R1500 e
Aterramento R1800 somente). O fusível de saída segue as conexões e o
Positivo e sensor de falha do fusível gera um sinal que é enviado à circuito
Negativo de controle secundário se o fusível for queimado.
Sensor de Ele detecta a sobretensão de saída. Quando o limite pré-
Desligamento por estabelecido for ultrapassado, um sinal é enviado ao fecho de
Sobre Tensão desligamento para iniciar o processo de desligamento.
(OVSD)
Sensor de Tensão Este elemento percebe a tensão de saída do retificador. O valor
é enviado ao controlador secundário e processado pelo
microprocessador. É enviado ao SM50 quando solicitado.
Contatos Pós- Esses contatos abrem quando o retificador é retirado do
junção gabinete e, assim, o Controle Primário, inicia o desligamento
controlado.
Controle Primário O elemento de controle primário faz várias funções. Inclue o
Controle DC-DC e o controlador de Boost. Esses itens controlam
diretamente o Conversor DC-DC. O controle primário também
controla o processo de desligamento, o sensor de temperatura
e controla e gera os sinais de habilitação e desabilitação dos
contatos pós-junção.
Dois optoacopladores isolam sinais do elemento de controle
secundário.
Controle O elemento de controle secundário contém o microprocessador
Secundário e a EEPROM. Ele se comunica com o SM50 e fornece os sinais
aos LED´s do painel frontal. Os sinais de e para o SM50 estão
isolados pelos optoacopladores.
Optoacoplador de O optoacoplador de realimentação isola o amplificador de um
Realimentação erro de realimentação no controle secundário do controle DC-
DC e o controlador do boost no controle primário. Este item é
colocado para manter a isolação entre a circuito do primário e a
do secundário.

dezembro/2000 28
Sistemas de Retificadores Intergy

Tipo Descrição

Optoacoplador de O optoacoplador de desligamento isola o fecho de desligamento


Desligamento no controle secundário da circuito de desligamento no controle
primário. Este item é colocado para manter a isolação entre a
circuitária do primário e a do secundário.
Drivers do Os drivers do ventilador e o ventilador são colocados nos
Ventilador / retificadores dimensionados com mais de 2000 Watts. O sensor
Ventilador de temperatura e o sensor do ventilador são parte do controle
secundário.
Optoacopladores Existem 2 optoacopladores de comunicações. Um para sinais ao
de Comunicações SM50 e outro para sinais de SM50. Eles isolam o SM50 do
retificador.
LED de Alarme Este LED vermelho é colocado no painel frontal do retificador.
Urgente É aceso quando ocorrer um Desligamento por Sobre Tensão,
receber do SM50 um comando de desligamento do retificador, o
fusível de saída fechar ou a Tensão de Barramento for maior
que a tensão estipulada do retificador.
LED de Alarme É um LED âmbar colocado no painel frontal do retificador. Ele
Não-Urgente indica que pelo menos uma das várias possíveis falhas ocorreu
e que o retificador ainda está operando.
LED Power On É um LED verde colocado no painel frontal do retificador. Ele
acende quando a tensão de entrada AC é aplicada ao
retificador.
Gabinete O Gabinete do Retificador é colocado no IPS. O gabinete 6U
comporta até 3 retificadores, entanto que o 3U comporta
somente um. Tem um modulo traseiro de Placas que têm os
condutores AC e de comunicações, e os conectores do
retificador.
Uma chave rotatória no gabinete 6U é colocada na Placa e
fornece a parte do ID do gabinete no endereço do retificador.
O gabinete 3U tem duas chaves rotatórias para configurar até
128 endereços do retificador.
Existem 3 posições de parada em seqüência quando um
retificador é colocado no ou retirado do gabinete :
Posição Conectado
O Retificador está completamente conectado no soquete de
junção na PCB do gabinete.
Posição Desconectado
O Retificador está completamente isolado do IPS e não pode
ser puxado para fora inadvertidamente ou retirado
posteriormente. .
Posição Solto
O Retificador está destravado e pode ser removido do gabinete.
O retificador é deslocado da posição conectado para a posição
desconectado usando somente o puxador frontal.
Um ferramenta é necessária para destravar o retificador para
retirá-lo do Shelf.

dezembro/2000 29
Sistemas de Retificadores Intergy

7. Layout do Menu do R5848


O menu do R5848 consiste de duas camadas :
1 O menu de estado, que mostra os ícones de alarme do display assim como os valores
do condensador, da tensão, da potência e da corrente.
2 O menu de configuração, que se entra pelo menu de estado apertando e segurando
Enter+ESC por 2 segundos. Quando o retificador é controlado pelo SM50, é possível
somente mostrar alguns dos parâmetros de configuração. Não é possível editar esses
valores.

dezembro/2000 30
Sistemas de Retificadores Intergy

7.1- Displays de Status do Retificador


Descrição do Status Símbolo do Status Comentários

Retificador no Modo Boost Iluminação Backlight o


tempo todo durante o modo
boost

Tensão de Saída do Display contínuo da tensão


Retificador de saída do retificador

Corrente de Saída do O valor mostrado é apenas


Retificador um exemplo.
A corrente de saída do
retificador é um parâmetro
default do display.
Tensão de Saída do O valor mostrado é apenas
Retificador um exemplo.

Temperatura do Condensador Não pode ser configurado


para Graus Fahrenheit

Tensão das Fases O valor mostrado é apenas


um exemplo.
A barra horizontal piscando
indica a tensão de qual fase
está sendo medida.

dezembro/2000 31
Sistemas de Retificadores Intergy

7.2- Indicações de Alarmes Urgentes


Descrição do Alarme Símbolo do Alarme Comentário

O Retificador está desligado LED de Alarme Urgente


ligado (vermelho)

Fusível de saída queimado LED de Alarme Urgente


ligado (vermelho)
Iluminação Backlight até
que o alarme seja retirado

Ocorrência de um LED de Alarme Urgente


desligamento por Sobre ligado (vermelho)
tensão Campainha do Alarme
piscando

Falha de duas ou três fases LED de Alarme Urgente


ligado (vermelho)

dezembro/2000 32
Sistemas de Retificadores Intergy

7.3- Indicações de Alarme Não Urgentes


Descrição do Alarme Símbolo do Alarme Comentários

Potência máxima LED de Alarme Não Urgente


ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado

Turn-down de Sobre Campainha do Alarme piscando


Temperatura LED de Alarme Não Urgente
ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado
Tensão de entrada AC “F4” piscando
baixa LED de Alarme Não Urgente
ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado
Tensão de entrada AC “F5” piscando
alta LED de Alarme Não Urgente
ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado
Falha do Ventilador 1 LED de Alarme Não Urgente
ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado
Falha em dois LED de Alarme Não Urgente
ventiladores ligado (Âmbar)
(O Retificador não está Iluminação Backlight até que o
desligado) alarme seja retirado
Tensão de ripple do “F2” é mostrado intermitentemente
capacitor alta
LED de Alarme Não Urgente
ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado
“Modo Anti Falha” “F3” é mostrado intermitentemente

LED de Alarme Não Urgente


ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado
Falha em 1 Fase LED de Alarme Não Urgente
ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado

dezembro/2000 33
Sistemas de Retificadores Intergy

No limite da corrente LED de Alarme Não Urgente


ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado
Perda de Comunicação “F1” é mostrado intermitentemente
do Retificador
LED de Alarme Não Urgente
ligado (Âmbar)
Iluminação Backlight até que o
alarme seja retirado

dezembro/2000 34
Sistemas de Retificadores Intergy

Menu de Estado Falha NVM

Reset
Down Up
Esc
Corrente de Saída

Falha ROM Falha RAM Down Up

Tensão de Saída
Não é possível fornecer tensão solicitada se piscando Esc
Qando estiver piscando
Falha do fusível de saída Down Up

Tensão de entrada alta ou baixa/Falha da fase se Pot. de Saída


piscando Esc

Falha de pelo menos 1 vent.


Down Up
Uma sobretensão de saída desligou o retificador
Tensão de entrada

A tensão de saída está acima do limite de flut.alta Esc


Disponível somente no modo stand-alone

A tensão de saída está abaixo do limite de flut.baixa


Disponível somente no modo stand-alone Down Up

A tensão de saída está abaixo do limite de Vcarga Temperatura do dissipador


baixa
Esc
A corrente de saída está limitada no ponto ajustado p/ limite de
corrente.
Up
Ao piscar, a tensão está limitada. Down

Comensação de temp. ativa/ Reversão Térmca quando Temperatura da Bateria


estiver piscando Esc

Modo Boost/Equalizar ativo.


Up
Down

Tempo restsante no Modo Boost


Sensor de Temperatura Bateria Presente
Esc

Modo Boost habilitado e ativo e no modo Esc+Enter


Stand-alone. (2
segundos) Config
Existe a condição de falha Menu
Esc

dezembro/2000 35
Sistemas de Retificadores Intergy
Menu de
esado
Esc+Enter
(2 segundos) Menu de Config.
Enter
Esc
Esc Editar
Ponto de ajuste Enter
de Tensão
Down Up
Down Up
Enter
Enter
Esc Esc Editar
Esc Esc Editar
Limite Inferior do TC Enter
Limite de Enter
Corrente
Down Up
Up
Down

Enter Esc
Esc Esc Editar
Tensão Boost Enter
Up
Down Up
Down
Enter
Enter
Esc Esc Editar
Esc Esc Editar
Limite de Corrente Enter
Ponto de Ajuste OVSD Enter
do Boost
Down Up
Up

Enter Down
Esc Esc Editar
Enter
Tempo do Boost Enter
Esc Esc Editar
Down Up Limite de Alarme da Enter
Tensão de flut.alta
Down Up

Esc Enter
Esc Esc Editar
Limite de Alarme da Enter
Up Tensão de flut.baixa
Up
Down
Down

Up Enter
Down Esc Esc Editar
Limite de Alarme da Enter
Enter Tensão de carga baixa
Esc Esc Editar Down Up
T.C. Slope Enter
Enter
Down Up Esc Esc Editar
Limite de Alarme da Enter
Enter Tensão de entrada
Esc Esc Editar alta Down Up
Limite Superior do TC Enter
Enter
Down Up Esc Esc Editar
Limite de Alarme da
Tensão de entrada baixa Enter
Enter
Esc Esc Editar Modo Boost habilitado e no modo Stand-alone
Temp. De Ref. Do TC Enter
Sensor de Temperatura de Bateria presente
Down Up E no modo deStand-alone

No modo Stand-alone

dezembro/2000 36
Sistemas de Retificadores Intergy

8. Montagem dos Retificadores no Shelf


Atensão: Níveis Letais de Energia
Os retificadores possuem níveis de energia que podem ser letais
Isole o equipamento Intergy da carga, da fonte AC e as baterias durante
os procedimentos de montagem.
Não monte nenhum retificador até que a cabeação e o trabalho com
metal esteja finalizado.

Cuidado Verifique a Polaridade do Retificador


Verifique que todos os retificadores tenham o mesmo tipo e tensão
(mesma cor do painel) e que possuam a mesma polaridade do terra.

Antes de começar a montagem dos retificadores


1 Isole todos os retificadores abrindo os Disjuntores do módulo de distribuição AC.
2 Mantenha cada retificador na embalagem até estar pronto para montá-lo no bastidor.
3 Verifique que cada endereço do gabinete de retificador esteja correto. Os gabinetes do
retificador são numerados da esquerda para a direita e de cima para baixo.
4 Se a instalação for do gabinete para Sistemas Médios, utilize o esquema de
endereçamento para sistemas médios. (Veja mais detalhes abaixo)
5 Se a instalação for do gabinete para Sistemas Grandes, utilize o esquema de
endereçamento de sistemas grandes. (Veja mais detalhes abaixo)
6 Se o SM50 for controlar mais de 96 retificadores, veja Alterando a Seqüência de
Endereçamento do Retificador abaixo.

dezembro/2000 37
Sistemas de Retificadores Intergy

8.1- Esquema de Endereçamento do Retificador


De que forma os retificadores são endereçados, depende de :
• Qual Shelf for usado (3 posições ou 1 Posição)
• Se for necessário endereçamento de retificador de bastidor ou seqüencial.

Endereçamento de Shelf de Sistemas Médios (3 posições)


A Tabela 2-8 mostra a configuração da chave giratória para endereçamento do gabinete de
retificador 6U (Sistemas Médios).
Tabela 2-5 Configurações da Chave giratória SW1 para endereçamento do Shelf do retificador.
Endereço do Shelf 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16
Posição de SW1 P 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 A B C D E F

Nota: IMPORTANTE
Se encontrar alguma configuração incorreta, anote os detalhes no seu Registro de Instalação para cada
caso, e informe os detalhes para o seu agente Intergy. Você pode corrigir um endereço de gabinete de
retificador girando a chave com uma chave-de-fenda isolada.
A localização do indicador do endereço do gabinete de retificador e a chave giratória é
mostrado na Figura 2-33 (sistemas de 3 posições).

Endereçamento de Shelf para Sistemas Grandes (1 posição)


Existem 2 chaves giratórias localizadas no lado esquerdo do Shelf 3U (1 posição). Veja
mais detalhes na Figura 2-34.
Para Endereçamento do Bastidor: Retificador (ex. 03:12) verifique se a configuração está
como segue :

Bastidor Shelf # Display Config Config Endereço


# do Chave Chave Retificador
SM50 Inferior Superior

1 1 1:01 0 0 00
1 2 1:02 0 1 01
1 10 1:10 0 A 0A
2 2 2:02 1 1 11
2 10 2:10 1 A 1A

Nota: Este esquema de endereçamento é válido apenas onde o SM50 for controlar menos de 96
retificadores. Se o sistema tiver mais de 96 retificadores, será necessário adaptar um sistema de
endereçamento de retificador seqüencial. Veja abaixo a Alternado para Endereçamento de Retificador
seqüencial.

dezembro/2000 38
Sistemas de Retificadores Intergy

Figura 2-33 Chave giratória do endereço do gabinete de retificador –


sistemas de 3 Posições

Figura 2-34 Chave giratória do endereço do gabinete de retificador –


sistemas de Posição

8.2- Alterando Seqüencialmente o Endereçamento do Retificador


É default do SM50 mostrar o retificador como Bastidor:Retificador (ex. 02:09). Nos
sistemas grandes, pode ser necessário que o SM50 controle mais de 96 retificadores. Se
este for o caso da sua instalação, será necessário mudar a configuração do SM50 do
esquema de endereçamento Bastidor:Retificador para o esquema de endereçamento
seqüencial (por exemplo 104).
Faça isto antes de alimentar e ligar o sistema.

dezembro/2000 39
Sistemas de Retificadores Intergy

Para mudar a seqüência de endereçamento do retificador (Shelf de 1


posição)
Antes de inserir os retificadores e alimentar o sistema, verifique se as chaves de endereço
do gabinete seguem os esquemas definidos abaixo :
Endereço Shelf 1 2 3 4 5 16 17 18 19 32 33 34 48 95 96 97
Posição Superior 0 1 2 3 4 F 0 1 2 F 0 1 F E F 0
SW1
Posição Inferior 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 2 2 2 5 5 6
SW2

1 Quando este sistema for alimentado, verifique a configuração Retificadores/unidade,


encontrada no lado retificadores do menu Config do Sist. Para endereçamento
seqüencial, deve estar configurado em 1.

Quando montar os retificadores nos shelf's, siga as regras gerais

Cuidado Retificadores Diferentes


Antes da alimentação, verifique se todos os retificadores são iguais
(tipo de modelo) A mistura de retificadores irá provocar danos em
alguns retificadores.

1 Verifique se todos os retificadores têm o mesmo tipo e tensão (mesmo painel de cores
da etiqueta de tensão).
2 Verifique se todos os retificadores têm a mesma polaridade do terra. Veja a etiqueta do
painel frontal do retificador (vejas a Figura 2-35 e 2-36).
3 Retire a tampa do conector antes de inserir o retificador no gabinete.

Cuidado Tensões Perigosas


Os pinos 19 e 27 do conector ELCON™ são pinos de pós-junção.
Quando o retificador é inserido no gabinete, esses pinos estão no
potencial neutro da fonte de alimentação. Se o neutro no ACD não
está conectado quando a fase for conectada, o potencial desses pinos
irá subir até a potencial da operadora e portanto se tornarão
perigosos.

dezembro/2000 40
Sistemas de Retificadores Intergy

A Figura 2-35 mostra um exemplo de um painel frontal de um retificador, Sistema Médio.

Tensão
Modelo
Polaridade

Figura 2-3 Painel Frontal do Retificador – Sistemas Médios

Modelo
Tensão

Polaridade
Nota: Caso não tenha feito ainda, verifique danos
no retificador devido ao transporte. Os
retificadores são pesados, por isso manuseio-os
com cuidado. Guarde a embalagem original do
retificador para uso posterior no caso de necessitar
enviar o retificador para reparo.

Ranger
Corrente

Figura 2-36 Painel frontal


da série R5848

dezembro/2000 41
Sistemas de Retificadores Intergy

8.3- Montando Retificadores nos Gabinetes


Nota: O retificador possui um mecanismo de ressalto, que garante a inserção com baixo impacto
no gabinete.
A Figura 2-37 mostra dois retificadores montados e um terceiro parcialmente montado.

Figura 2-37 Retificadores no Gabinete (dois totalmente montados, um


parcialmente montado)

Para montar um retificador


1 Retire o retificador da sua embalagem de plástico selado.
2 Use a alça de transporte, e segurando o retificador por baixo, insira-o no gabinete e
empurre para fora.
3 Feche a alça para mover o retificador para a posição conectado, como mostrado na
Figura 2-38.

Figura 2-38 Passos para montagem de um retificador no gabinete

dezembro/2000 42
Sistemas de Retificadores Intergy

4 Use o seu dedo para mexer a trava para a direita e travar o retificador. Empurre a
ferramenta no buraco da trava e engate a trava. Isto trava o retificador no gabinete,
como mostrado na Figura 2-39.

Orifício de Trava

Trava de Engate Ferramenta


serviço

Figura 2-39 Travando o retificador num gabinete

Nota: A trava dos retificadores fornece um grau extra de segurança e é prática compulsória em
alguns países (ex. Comunidade Européia).
Depois de montar todos os retificadores, está pronto para começar os testes iniciais de
ligação. Veja no Capítulo 8, Testes Inicias do Sistema.

Step 1
Remova o parafuso

Step 2
Levante a haste e
retire o retificador

Figura 2-40 Mecanismo de trava do retificadores da série R5848

dezembro/2000 43
Sistemas de Retificadores Intergy

8.4- Retirando um Retificador


Atensão: Retificadores Aquecidos
O dissipador dos retificadores podem alcançar temperaturas de até
110°c (230°F). Manuseio-os com extremo cuidado.

Este procedimento será necessário somente quando um retificador precisar ser retirado ou
substituído. Você pode retirar um retificador enquanto o bastidor for alimentado e
funcionando.

Para retirar um retificador do gabinete


1 Desligue o Disjuntor desse retificador no módulo distribuidor AC. (Se o sistema for
ligado, o alarme de Falha do Retificador irá se acionar).
2 Se o retificador está travado, use a alça para empurrar o retificador para fora do Shelf
e até o primeiro ponto de parada. Depois, use a ferramenta de trava para destravar o
retificador do gabinete, como mostrado na Figura 2-41.

Figura 2-41 Destravando um retificador do gabinete

3 Use a alça de transporte para desconectar o retificador. (Esta ação é a oposta daquela
mostrada na 2-38, Montagem de Retificador) Verifique se a trava está totalmente
aberta antes de retirar o retificador.
4 Use a alça para empurrar o retificador para fora do gabinete.
5 Uma vez que o retificador estiver suficientemente resfriado, coloque o retificador na
sua embalagem original.
6 Para instalar um retificador substituto, veja a seção anterior, Montando retificadores
nos gabinetes.

Cuidado Posições Não Utilizadas do Retificador


Tampas falsas devem ser colocadas nas posições não utilizadas do
retificador. É importante para uma ótima passagem de ar e
resfriamento.

dezembro/2000 44
Sistemas de Retificadores Intergy

Anotações

dezembro/2000 45
MÓDULO DE SUPERVISÃO
SM50

Dezembro2000 75
ÍNDICE
Capítulo 1 Usando o Painel Frontal do SM50
Sobre este capítulo..................................................................................... 4
Usando o Display e o Teclado do SM50................................................... 5
Mudando o Contraste do SM50................................................................. 9
Valores Internos do Display............................................................ 9
Usando o Menu do SM50............................................................... 10

Capítulo 2 Gerenciamento do Sistema


Sobre este capítulo......................................................................... 16
Processo de Controle de Tensão................................................... 17
Usando o SM50 para Monitorar e Controlar................................... 20
Controle de Carga Manual.................................................... 20
Controle de Carga Periódica................................................. 25
Controle de Carga Rápida (Recarga Automática)................. 30
Controle de Compensação de Temperatura......................... 34
Controle de Teste de Baterias............................................... 36
Controle do Limite de Corrente de Bateria (LCB).................. 41
Controle de Tensão Ativo (CVA)........................................... 43
Controle de Desconexão de Baterias por Baixa Tensão....... 45
Controle de Desligamento do Retificador.............................. 49
Controle de Divisão de Corrente de Retificador.................... 52
Controle de Teste de Descarga da Bateria........................... 53

Capítulo 3 Alterando Parâmetros de Configuração


Sobre este capítulo......................................................................... 57
Antes de Iniciar............................................................................... 58
Convenções de Navegação no Menu................................... 58
Alterando Parâmetros de Configuração de Tensão do 59
Sistema.................................................................................
Alterando Parâmetros de Carga Manual............................... 62
Alterando Parâmetros de Carga Periódica............................ 63
Alterando Parâmetros de Carga Rápida (Recarga 65
Automática)...........................................................................
Alterando os dados de Configuração de Descarga da 67
Bateria...................................................................................
Alterando Parâmetros do Teste de Bateria........................... 70
Alterando Parâmetros de Compensação de 72
Temperatura..........................................................................
Alterando Parâmetros do Limite de Corrente da Bateria....... 74
Alterando Parâmteros de Controle de Tensão Ativo............. 76
Alterando Parâmetros da Desconexão por Tensão Baixa.... 80
Alterando Parâmetros da Divisão de Corrente...................... 82
Alterando Parâmetros de Especificação da Bateria.............. 84
Alterando Parâmetros do Retificador.................................... 86
Configurando Comunicações Remotas com o SM50............ 91
Alterando Endereços de IP.................................................... 95
Alterando Parâmetros de Configuração................................ 98

Capítulo 4 Configurando Canais de Entrada e Relés de


Saída
Sobre este capítulo......................................................................... 103
Visão Geral dos Pontos de Controle de Tensão............................ 104

dezembro/2000 2
Visão Geral do Processo de Alarme............................................... 105
Arquitetura da Alarmes do Sistema................................................ 107
Configurando Canais Analógicos de Entrada................................. 108
Configurando Somatórios............................................................... 109
Configurando Estados Analógicos de Entrada............................... 111
Mapeando Canais Analógicos........................................................ 113
Configurando Canais Digitais de Entrada....................................... 114
Configurando Estados Digitais de Entrada..................................... 115
Configurando Canais de Saída de Relés....................................... 117
Mapeando Canais de Relés........................................................... 119

Capítulo 5 Alarmes do Sistema


Sobre este capítulo.................................................................... 120
Visualizando e Eliminando Causas de Alarmes no SM50......... 121
Indicações de Alarmes do SM50...................................... 121
Identificando a Causa de um Alarme................................ 122
Desativando um Alarme.................................................... 126
Confirmando Alarmes....................................................... 126
Alarme Falha de Comando do Retificador........................ 126
Causas de Alarme de Falha em Componentes................ 127
Causas dos Alarmes do Retificador................................. 128
Usando Estados Internos para Ativar Alarmes.......................... 132
Configuração do Sistema de Alarmes........................................ 133
Dados Relacionados a Alarmes do SM50........................ 133
Métodos de Cofiguração................................................... 134
Instruções de Cofiguração................................................ 135
Tipos de Alarme do SM50................................................ 136
Alterando Parâmetros de Alarmes no Sistema................. 136
Alterando Parâmetros de Alarmes do Retificador............. 140
Alterando Parâmetros de Alarmes Sumários.................... 143
Isolando e Reconectando Alarmes............................................ 145
Isolando Todos os Alarmes.............................................. 145
Reconectando Todos os Alarmes..................................... 145
Alterando Parâmetros de Controle de Alarmes......................... 146
Alterando os BIPS............................................................. 146
Alterando o Tempo de Inibição.................................................. 147
Alterando o Tempo de Aviso de Reativação..................... 147

dezembro/2000 3
Usando o Painel Frontal do SM50

___________________________________Capítulo 1

Sobre este Capítulo


Os tópicos deste capítulo são:

• Usando o display e o teclado do SM50


• Mudando o Contraste do display do SM50
• Mensagens mostradas no SM50
• Mudando Valores do display
• Segurança do SM50

dezembro/2000 4
Usando o Display e o Teclado do SM50
COMPONENTES DO PAINEL FRONTAL
Veja a figura abaixo para uma visualização dos componentes do painel frontal do SM50.

TECLADO

TECLAS DE NAVEGAÇÃO

TECLA DE COMANDO

DISPLAY
LEDs

PORTA RS232

-Porta RS232

Use esta porta para conectar um laptop ou um PC compatível com IBM para usar o Intergy Configuration
Editor (ICE) ou Power Manager (SPM) Softwares para configurar, monitorar e controlar o SM50. Use um
cabo null modem.

-LEDs

O led vermelho indica alarmes que foram definidos na configuração de alarmes como alarmes urgentes. O
led amarelo indica, por sua vez, os configurados como alarmes não-urgentes.

-LCD(Display)

O LCD opera em 2 modos: espera (IDLE) e ativo (VIEW).

Display em modo de espera (IDLE)

O LCD pode ser configurado para mostrar


Valores à esq. do Valores à direita
2 dos seguintes valores abaixo: display display

• Tensão de Saída
• Corrente dos Retificadores 131A 54.5V
• Temperatura da Bateria
• Corrente de Consumidor ALARME MENU
• Capacidade da Bateria em Amp/hora

dezembro/2000 5
• Tempo reserva restante da Bateria (min)
Veja no capítulo 3 “Mudando os Parâmetros de Configuração – Configurando os valores do Display, para
detalhes de como configurar o display em modo de espera

Itens do Menu Valores de Sistema

Display em Modo Ativo (VIEW) Volt Equip XX.XX V


O Display entra em modo ativo sempre quando Tpo Transcorr HH:MM
um tecla é pressionada. O Modo Ativo mostra Tpo Restante hh:mm
itens do menu, valores do sistema, números e ESC Equal Man OK
letras do teclado ou mensagens do sistema.

Valor da Tecla de Valor da Tecla de


Comando esquerda Comando direita
Menu ou letras do teclado
ou mensagens do sistema

Pressione MENU para entrar no modo MENU


-Teclas de Comando do SM50
Use as teclas de comando para: 131A 54.5V
• Entrar no modo MENU
ALARME MENU

Pressione OK para selecionar um item do menu


• Selecionar um item do menu Controle Temp
Compensac Temp
Equal Manual

ESC Contr Sists OK

Pressione PARA para parar um processo


• Parar um processo Volt Equip 54.55V
Tpo Transcorr 12:25
Tpo Restante 5:35

ESC Equal Man PARA

Pressione INIC para iniciar um processo


• Iniciar um processo
Volt Equip 54.55V
Tpo Transcorr 00:00
Tpo Restante 12:00
ESC INIC
Equal Man

dezembro/2000 6
Pressione SIM para confirmar uma ação
• Confirmar uma ação
Você decide se vai manter as
mudanças Ajust Alterad
Manter Mudcs?

NAO SIM

Pressione ESC para voltar ao menu anterior


• Esc para voltar a tela anterior
Volt Equip 54.55V
Tpo Transcorr 00:00
Tpo Restante 12:00

ESC Equal Man PARA

A tabela abaixo é um resumo das teclas de comando disponíveis e o que fazem quando pressionadas.

Tabela 1.1 Funcões das teclas de Comando do SM50

Quando a tecla de comando é chamada de: E é por sua vez pressionada:


ESC Sai daquele nível de menu e retorna para o
anterior
MENU Entra no modo MENU
ALARME Mostra detalhes de parâmetros mostrados
no display
ALARMES Mostra o menu de Visualização dos
Alarmes
OK Seleciona a opção escolhida no menu
APAGAR Apaga o processo
INIC Inicia um processo
PARA Para um processo
SIM Decisão afirmativa
NÃO Decisão negativa
Nota: A tecla de comando está ativa Volt Equip 54.55V
somente quando mostrada em Tpo Transcorr 9:25
Tpo Restante 11:35
destaque.
ESC Equal Man PARA

Ativa Inativa

- Teclas de navegação
Use as teclas de navegação para escolher as opções para cima e para baixo dentro de um menu, ou para
mover de um menu para o outro.

dezembro/2000 7
Use a tecla para Baixo para navegar nas opções para baixo dentro do menu

H
Use a tecla para Cima para navegar nas opções para cima dentro do menu

Use a tecla para Direita para selecionar uma opção do menu e ir para o
próximo menu (Mesmo que OK para a tecla de comando)
E
Use a tecla para Esquerda para sair do menu presente e retornar ao menu
anterior. Usando esta tecla no menu principal você sairá do modo menu . F
( Mesmo que ESC da tecla de comando)

-Teclado

Use o teclado para mudar os valores de configuração, ou redefinir chamadas para alarmes e parâmetros de
configuração.

Para entrar com caracteres alfabéticos, a segunda, terceira, quarta ou quinta tecla pressionada do mesmo
número de 2 até 9 determinará o caracter (letra) a ser inserido.

Ex.:
Tecla 5 1º Tecla 2º Tecla 3º Tecla 4º Tecla
Pressionada Pressionada Pressionada Pressionada
Resultado 5 J K L

Cuidado NÃO USE OBJETOS PONTIAGUDOS, TAIS COMO CANETAS OU


CHAVES DE FENDA PARA PRESSIONAR O TECLADO.

O usuário está limitado a 20 caracteres por linha. Após inserir um caracter use a tecla de navegação ð
(direita) para mover o cursor para a próxima posição. A tecla ï (esquerda) para mover através das entradas
existentes sem apagar os caracteres. Sucessivos pressionamentos das teclas ð (direita) ou ï (esquerda)
moverá o cursor na direção correspondente.

Exemplo para inserir Alarm 1:

dezembro/2000 8
Tecla 22ð 5555ð 22ð 7777ð 66ð +/-+/-+/-ð 1
Resultado A L A R M espaço 1

MUDANDO O CONTRASTE DO DISPLAY DO SM50


Este contraste pode ser mudado enquanto o display está no modo de espera.

* Pressione H esta tecla para aumentar o contraste

* Pressione esta tecla para reduzir o contraste

G
Segurando a tecla para cima ou para baixo mudará o contraste até o máximo ou o mínimo
desejado.

VALORES INTERNOS DO DISPLAY

Valores internos são valores numéricos que foram calculados pelo SM50 e estão disponíveis para o SM50
em um modo similar como outros itens de dados analógicos.

Com o display no modo de espera, valores internos podem ser mostrados no display do painel frontal do
SM50.

Tabela 1.2 : Valores Internos


VALOR MOSTRADO UNIDADES DESCRIÇÃO

Temperatura da Bateria °C A temperatura ambiente da bateria


medida pelo sensor de temperatura da
bateria

Tensão de Flutuação mV A tensão do barramento medida pelo


V sensor de tensão
Corrente de Carga mA Corrente de carga medida pelo shunt
A de corrente ou a soma da corrente do
KA retificador menos a corrente da bateria
Valor negativo -
Valor positivo +
Valor estimado para bateria em AmpHr Capacidade restante da bateria
Ampére/Hora baseado nas condições de descarga
presente
Tempo estimado de reserva da min Tempo estimado para o fim da tensão
bateria abaixo das condições de descarga
presente
Mais baixa tensão CA V A mais baixa leitura de tensão de

dezembro/2000 9
entrada CA de todos os retificadores
Mais alta tensão CA V A mais alta leitura de tensão de
entrada CA de todos os retificadores
Média da tensão CA V A média da leitura
Variação de descarga % A variação entrre a última descarga da
bateria e o nível de descarga
Potência de saída total CC KW Tensão de saída do retificador vezes a
corrente de saída do retificador
Porcentagem disponível da % A potência de saída presente do
potência do retificador retificador como uma porcentagem da
faixa da potência de saída
Potência CA estimada KW Potência de entrada do retificador
estimada
Média da corrente de entrada CA A A média da corrente de entrada do
estimada retificador

OBS.: Dois parâmetros são mostrados, quando o valor está fora da faixa (O/R) e
quando não está disponível (N/A).

Você pode mudar a configuração do SM50 para mostrar valores do sistema.

Para mudar valores do Display


1. Selecionar os valores do display no campo Analógicos dentro da Configuração do Sistema.

Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)


Ê Analogos (Analógicos)
Ê Apres Valores (Valores apresentados)
Ê Valor Esq (Valor à esquerda)
Ê Valor Dir (Valor à direita)

2. Selecionar o valor direito ou esquerdo para configurar.


Navegue através das opções usando a tecla ⇑ (cima) ou ⇓ (baixo).

3. Pressione OK para selecionar a opção. Use a tecla ESC para sair do modo menu e
salvar as mudanças.

USANDO O MENU DO SM50


Esta seção cobre os seguintes tópicos:

q Entrar e sair do modo menu


q Segurança do nível de acesso
q Mudar o nível de acesso das tarefas
q Logar no SM50
q Usar intervalo automático do menu
q Entrar e mudar senhas

dezembro/2000 10
Entrando e saindo do Modo Menu
Use as teclas de comando para:
• Para entrar no modo MENU Para entrar no modo MENU, pressione a tecla de comando MENU

131A 54.5V
ALARME MENU

• Para sair no modo MENU

Para sair do Modo MENU, pressione ESC até que a tela de


espera seja mostrada

131A 54.5V
ESC MENU

OBS.: Se os parâmetros foram mudados, o usuário será advertido para salvar ou


descartar as mudanças. Pressione NÃO para descartá-las e SIM para salvá-las.

O acesso do operador é o nível de acesso default quando o usuário usa o teclado do painel
frontal do SM50.

Usando níveis de acesso para manter segurança


Funções de controle e ajustes do sistema possuem até quatro níveis de acesso.

A tabela 1.3 fornece um exemplo de como as funções de controle e ajustes do sistema podem
ser designados por níveis de acesso.

Tabela 1.3 – Níveis de Acesso

NÍVEL DE NÍVEL DE FUNÇÕES DE SENHA DE


ACESSO SEGURANÇA CONTROLE PROTEÇÃO
Operador Nenhum Reseta alarmes, Nenhuma senha
visualiza alarmes e requisitada. Este modo é
parâmetros dos default
sistema
Supervisor Baixo Modifica parâmetros Senha requisitada. A
do sistema senha pode ser mudada
usando o painel frontal
do SM50

dezembro/2000 11
Instalador Médio Configura e Senha requisitada. A
customiza os senha pode ser mudada
parâmetros dos usando o painel frontal
sistema durante a do SM50
instalação do sistema
Fabricante Alto Usado durante a Senha requisitada. A
fabricação senha pode ser mudada
usando o painel frontal
do SM50

OBS.: Quando usado um PC e não o teclado do SM50, o acesso às funções de


controle e segurança são mantidos pelo software contido no PC.

Mudando o nível de acesso das tarefas

Não pode ser feito pelo painel frontal do SM50.


Se você precisar mudar o nível de acesso de uma função de controle ou de um ajuste de
sistema (por exemplo, você deseja mudar a função LVD de um nível de acesso de operador
para supervisor) você precisa usar o Editor de Configuração do INTERGY.

Mudando o status do nível de acesso

Para ganhar acesso para funções de controle ou parâmetros de configuração que são protegidos
por códigos de acesso do supervisor ou instalador, você pode também logar usando a tela
Logon antes de ganhar o acesso ou entrar com o código de acesso requisitado enquanto faz
estas mudanças.

Logar usando a tela LOGON

Use esta tela para entrar com a senha para o nível de acesso requisitado.

Entre com seu código de acesso


Entrar Senha para
Acesso Geral
?

ESC OK

Então pressione a tecla de comando OK

dezembro/2000 12
Entrar com o código de acesso enquanto efetua mudanças

Ao entar em uma opção de menu que tem um nível de acesso maior que o nível de acesso
corrente, completar a tela usando a senha que você requisita.
Quando o nível de acesso for inserido com sucesso, ele passa a ser o nível de acesso atual até
que o SM50 retorne para o modo display de espera e volte para o nível de acesso do operador.

Intervalo de Menu
Protege o sistema contra acesso não autorizado. Ocorre quando o usuário não for
ativado por três minutos.

Pressione NÃO para permanecer no modo MENU

Sair Sistema Menu ?

NÃO Tpo do Menu SIM

Pressione SIM para sair

Quando ocorre intervalo:

1. Uma mensagem é mostrada.


2. A luminosidade do display é desligada.
3. A campainha irá soar por um segundo durante dez segundos.

Se você pressionar a tecla de comando NÃO antes que os dez segundos tenham sido decorridos,
o menu selecionado é mostrado em destaque.

Se você pressionar a tecla de comando SIM ou não pressionar qualquer tecla antes de dez
segundos, o SM50 retorna para o modo de espera do display. O nível de acesso volta para o
operador.

NOTA: Se os parâmetros forem alterados e não salvos, as mudanças serão


perdidas. Para salvar qualquer mudança, selecione a tecla de comando NÃO.

Alterando Identidades

Use o menu IDENTIDADES para mudar as senhas para os níveis de acesso do Supervisor e
Instalador.

dezembro/2000 13
- Para alterar senhas existentes:

1. Selecione o parâmetro IDENTIDADE do menu


Selecione IDENTIDADE

Retificadores
Data e Hora

IDENTIDADE

ESC OK

2. Selecione o nível da senha a ser mudada. Se a senha do Supervisor foi usado para entrar no
sistema, somente a senha dele pode ser mudada.
Logo aparecerá na tela Entre Com a Nova Senha.

Selecione qual nível de acesso

Supervisor

Instalador

ESC Identidade OK

3. Digite a nova senha e pressione OK, em seguida aparecerá na tela : Confirme a Nova
Senha.

Entre com a nova senha

Entre com a nova senha

ESC Instalador OK

NOTA: Use a tecla ESC para cancelar uma digitação errada e permitir uma nova
tentativa.

4. Digite novamente a senha .


Se ela for aceita, aparecerá na tela: Nova Senha Aceita
Caso a nova senha esteja incorreta aparecerá na tela: Senha Não Aceita. Neste caso repita os passos
3, 4 e 5.

dezembro/2000 14
Repita a nova senha

Confirme a nova senha

ESC Instalador OK

5. Uma vez confirmada a nova senha, saia desta tela pressionando ESC, ou use a tecla de navegação
até que o SM50 retorne ao modo de espera.

dezembro/2000 15
___________________________________________
Gerenciamento do Sistema

___________________________________Capítulo 2

Sobre este Capítulo


Este capítulo inclui os seguintes tópicos:

• Processo de Controle de Tensão

- Controle De Tensão
- Gerenciamento de Bateria
- Limite de Corrente de Bateria
- Controle de Tensão Ativa
- Teste de Bateria
- Medida da Capacidade de Bateria

• Usando o SM50 para Monitorar e Controlar o Sistema

- Carga Manual
- Carga Periódica
- Carga Rápida (Recarga Automática)
- Compensação de Temperatura
- Desconexão de Bateria por Tensão Baixa (DVB)
- Desligamento do Retificador
- Limite de Corrente de Bateria
- Teste de Bateria
- Capacidade de Bateria

dezembro/2000 16
GERENCIAMENTO DO SISTEMA

PROCESSO DE CONTROLE DE TENSÃO

Este processo engloba todos os processos que interagem para manter a tensão no barramento no
nível configurado pelo usuário. Pode ser dividido nas seguintes partes:
- Gerenciamento de bateria
- Limite de Corrente de Bateria (LCB)
- Controle da Tensão Ativa (CTA)

CONIGURAÇÃO
TENSÃO DE DA LIMITAÇÃO
FLUTUAÇÃO DE CORRENTE DE
COMPENSAÇÃO TENSÃO DE
BATERIA CORRENTE DA SAÍDA
DE TEMPERATUA BATERIA

CARGA NORMAL
PONTO DE TENSÃO
LIMITE DE DESEJADA CONTROLE
GERAÇÃO AJUSTE
CORRENTE DA DE TENSÃO
CARGA RÁPIDA DA TENSÃO TENSÃO DO
BATERIA ATIVA RETIFICADOR

CARGA
PERIÓDICA
TESTE DA
BATERIA CONFIGURAÇÃO
TENSÃO DO
CVA
SISTEMA
MÁXIMA
TENSÃO DO
SISTEMA

Gerenciamento de Bateria

Inclui os seguintes processos para gerenciar e controlar as baterias:

- CARGA

Distribui os eletrólitos da bateria.


A carga pode ser feita manualmente ou pré-ajustada.

dezembro/2000 17
- CARGA RÁPIDA (Recarga Automática)

Ciclo de recarga rápida controlada pelo SM50. Inicia após as baterias terem sido descarregadas
além do valor pré-ajustado.Trata-se da Recarga Automática conhecida nos outros sistemas de
Retificador.

- COMPENSAÇÃO DE TEMPERATURA

Monitora a temperatura ambiente da bateria e usa a inclinação da compensação para


calcular a mesma e ajustes da tensão no barramento da bateria.

- TESTE DE BATERIA

Testa a capacidade de descarga da bateria ( manualmente ou periodicamente).

- REGRAS PARA O CONTROLE DO PROCESSO

• Determina o ponto de ajuste da tensão.


• Somente um processo pode ser ativado por vez
• Qualquer processo começado manualmente pode ser interrompido por outro processo. Por
exemplo: uma carga manual pode ser interrompida por uma carga rápida ou periódica.
• Um processo programado para começar periodicamente não pode ser interrompido por outro
processo.
• Nenhum processo (exceto carga normal) pode interromper um teste de bateria manual ou
periódico, uma vez que o mesmo já tenha começado.

Limite de Corrente de Bateria (LCB)


Mantém a corrente de carga da bateria dentro do limite pré-ajustado (normalmente uma
porcentagem da taxa C10 das baterias.

Controle de Tensão Ativa (CTA)

Mantém a tensão no barramento na tensão de flutuação configurada.


Ajusta a tensão de saída do retificador para compensação.

Testes de Bateria

Este teste é feito durante a instalação do sistema pata diagnosticar as baterias e deveria ser
repetido:
- Quando novos bancos de bateria fossem instalados para readignosticá-las.
- Em intervalos de tempo pré-determinado para monitoração das capacidades de descarga do
banco de baterias.

dezembro/2000 18
Quando as baterias são descarregadas, são feitas medidas em seis intervalos para determinar a
tensão do elemento e a capacidade em %. Este dado é então salvo como dado de configuração
da bateria e usado como nível para monitorar as mudanças na característica de descarga e
capacidade de bateria restante.

Medida da Capacidade de Bateria

O SM50 usa os dados de configuração da bateria obtido do teste de descarga da bateria para
estimar a capacidade da bateria. Estes valores internos da “Capacidade da Bateria” e “Tempo
Estimado de Reserva de Bateria”, fornecem uma indicação (em Amphrs ou minutos) da
capacidade restante das baterias.

Os valores internos podem ser:

• Mostrados no display do SM50


• Visualizados no menu de valores internos.

Ê Valores do Sist. (Valores do Sistema)


ÊValores Inter. (Valores Internos)
• Mapeados para um estado de alarme

Capacidade de bateria restante no modo de espera

M
144 I 54.08V
N
ALARME MENU

Tempo de bateria restante visualizado no display

Tpo Reserva Bat


144mins

ESC Valor Inter 02

Monitorando a Tensão de Entrada do Retificador (VCA)

Mede a tensão apresentada em cada retificador. A menor, a maior e a média dos valores da
tensão de entrada são calculados e estão disponíveis para visualização no display ou
configurados para serem exibidos durante o modo de espera.

dezembro/2000 19
Maior, menor ou média, da tensão de entrada do Retificador Entrada de Tensão do Retificador visualizada
No Modo de Espera
Mais Alta VCA
230V
230V 54.08V
ESC
VALOR INT 03 ALARME MENU

Sensor de Tensão de Saída

Monitora a média da tensão de saída do retificador e a compara com a tensão de saída atual.
Quando a diferença entre esse dois valores exceder o parâmetro configurado para FALHA
NA TENSÃO DE SAÍDA, um estado interno fica ativo. Este estado pode ser mapeado para
um alarme.

USANDO O SM50 PARA MONITORAR E CONTROLAR

Controle de Carga Manual


Este processo é usado para distribuir os eletrólitos da bateria.

Quando a carga é ATIVADA, a tensão definida no parâmetro Tensão de Carga Manual é


usado como uma tensão de ajuste até que o processo esteja completado.

O usuário pode Habilitada, Desabilitada, começar ou parar a carga manual ou mudar os


parâmetros de configuração.

A qualquer momento, a carga manual pode estar em um dos seguintes estados: Desabilitada,
Habilitada e Inativa, Habilitada e Ativa.

Visualizar o Estado da Carga Manual

1. Selecione Controles do Sistema (Controle do Sist) do menu principal do SM50.

Valores do Sist
Indica Controle do Controles do Sist
Sistema
Alarmes
ESC MENU OK

dezembro/2000 20
2. Selecione Carga Manual (Equal Manual ) da lista mostrada.

Ver 1ª linha do menu

Controle Tensão
Compensac Manual
Indica Carga Manual
Equaliz Manual

ESC Contr Sists OK

Selecione Carga Manual

3. A tela mostrada irá permitir ao usuário determinar o estado do processo.

4. Use a tecla ESC para retornar ao menu.

Parâmetros de Carga Manual

A tabela 2.1 lista os parâmetros apresentados no display no modo carga manual inativa.
Inativo
Indica o valor da Volt Equip
Tensão de Carga 56.0V
Duracao 12:15

Equal Man ÍNIC


ESC

Carga Manual Inativa

PARÂMETRO DESCRIÇÃO
Tensão de Carga (Volt Equip) Tensão de Carga Manual – esta é a
tensão para qual o Sistema é elevado
quando a carga manual é ATIVADA
Duração A duração do ciclo

A tabela 2.2 lista os parâmetros apresentados no display no modo de Carga Manual Ativa.
Indica Tensão de
Carga Volt Equip 56.0V
Tpo Transcorr 1:25
Tpo Restante 10:50

Equal Man PARA


ESC

Carga Manual Ativa

PARÂMETRO DESCRIÇÃO
Tensão de Carga (Volt Equip) Tensão de Carga Manual - esta é a
tensão para qual a tensão no
barramento é aumentada quando a
carga manual é ATIVADA
Tempo Decorrido(Tpo Transcorr) Tempo decorrido do ciclo

dezembro/2000 21
HABILITAR ou DESABILITAR Carga Manual

1. Selecione Carga Manual no Controle do Sistema (Controle do Sist) do menu de


configuração do sistema (Config do Sist).

Controle de Tensão
Ver 1ª linha do menu Compensac Temp
Equaliz Manual

ESC Contr Sists OK

2. Pressione OK para selecionar a opção HABILITADA/DESABILITADA

HABIL/DESABIL

Voltagem
Duracao
ESC Equal Man OK

3. Use a tecla de navegação para cima/baixo para a HABILITAR/DESABILITAR


a carga manual. Se seu nível de acesso presente não permite você reconhecer
esta função, irá aparecer LOGON na tela para você requisitar o nível de acesso.

Habil/Desabil
Desativado
P/ mudar uso ↑↓

ESC Equal Man OK

4. Use então as teclas para cima/baixo para HABILITAR/DESABILITAR

5. Pressione OK

6. Pressione a tecla ESC para retornar ao menu principal.


Você será questionado para salvar as mudanças. Pressione SIM para salvar as mudanças
e NÃO para ignorar.

Ajust Alterad
Manter mudcs?

NÃO SIM

dezembro/2000 22
Iniciando um Ciclo de Carga Manual

NOTA: 1º HABILITAR Carga Manual. Veja também as condições de Carga


Manual da Operação abaixo:

1. Do display Carga Manual Inativa, pressione a tecla INIC para iniciar. Se a carga manual
está inoperante devido a uma Falha CA ou todos os retificadores tiverem sido desligados, a
tecla INIC não será mostrada.

Inativo
Volt Equip XX.XXV
HH:MM
Duracao
Equal Man INIC
ESC

2. Se seu nível de acesso presente não permite você reconhecer esta função aparecerá
na tela um LOGON para você requisitar o nível de acesso desejado.

3. Depois da tecla INIC pressionada, aparecerá a seguinte tela :

O usuário deve confirmar ou


Inic Equaliz
não o ínicio da carga
Confirme

NÃO SIM

4. Pressione SIM para começar o processo. A tela mostra que o processo está iniciando.
Iniciando

ESC Equal Man

Se outros processos estão ativos, tal como carga rápida ou periódica, você será
questionado para parar o processo ativo antes de iniciar a carga manual.

Por exemplo:

Pressione a tecla Para para interromper um processo e começar o processo de


carga manual. Fazendo isto, você não será questionado para confirmar o ínicio
do processo de carga.

dezembro/2000 23
Parar Carga Rap
Confirmar

NÃO SIM

5. O display mostrará Carga Manual Ativa uma vez que o processo comece.

Índice Tensão de Volt Equip XX.XX.V


HH:MM
Carga Tpo Transcorr
hh:mm
Tpo Restante

PARA
ESC Equal Man

Parando um Ciclo de Carga Manual


1. Selecione a Carga Manual (Equaliz Manual) do Controle de Sistema no menu.
Ver a 1ª linha do menu

Controle de Tensão
Compensac Temp

Indica Carga Manual Equaliz Manual

ESC Contr Sists OK

2. Pressione PARA para interromper um processo. Se seu nível de acesso não


permite você parar um ciclo de carga manual, você será questionado para inserir
uma senha.

Volt Equip 56.0V


Tpo Transcorr 10:50
1:10
Tpo Restante

ESC Equal Man PARA

dezembro/2000 24
3. Após pressionado a tecla PARA, aparece a confirmação na tela. Pressione SIM
para configurar.

Parar Equaliz
Manual
Confirmar

NÃO SIM

Após o ciclo de carga manual PARA, aparecerá na tela : carga manual inativa.

Parando

ESC Equal Man

Condições para Operação – Carga Manual

SE A CARGA MANUAL... ENTÃO...


Estiver ativa e falhar CA A Carga Manual será parada
Estiver ativa e um pedido de carga A requisição será rejeitada
rápida for solicitado
For solicitada e a carga periódica e A Carga Manual será inicializada
rápida não estiverem ativas
For solicitada e a carga rápida estiver
A Carga Rápida será interrompida
ativa A Carga Manual será inicializada
For solicitada e a carga periódica
A Carga Periódica será interrompida
estiver ativa A Carga Manual será inicializada
A Próxima data para carga periódica será
calculada e ajustada
Estiver ativa e começar teste de A Carga Manual será interrompida
bateria manual

Controle de Carga Periódica

Você pode Habilitar/Desabilitar, iniciar/parar este processo ou mudar os parâmetros de


configuração.
A qualquer momento a carga periódica pode estar em um dos seguintes estados: Desabilitada,
Habilitada e Inativa ou Habilitada e Ativa.

dezembro/2000 25
Visualizar o Estado da Carga Periódica
1. Selecione Controles do Sistema (Controle do Sist) do menu principal do SM50.

Valores do Sist
Indica Controles do
Controles do Sist
Sistema
Alarmes

ESC MENU OK

2. Selecionar Carga Periódica (Equaliz Period) da lista mostrada.

Compensac Temp
Indica Carga Equal Manual
Periódica Equaliz Period

ESC Contr Sists


OK

Selecione Carga Periódica

3. A tela mostrada irá permitir ao usuário determinar o estado do processo.

4. Use a tecla ESC para retornar ao menu.

Parâmetros de Carga Periódica

A tabela 2.3 lista os parâmetros apresentados no display no modo carga periódica inativa.

Inativo
Indica a Tensão de Carga Volt Equip 56.0V
Prox 15:00 28 Jun 98

ESC Per Equaliz ÍNICIO


Carga Periódica Inativa
Carga Periódica Inativa

Tabela: 2.3:
PARÂMETROS DESCRIÇÃO
Tensão de Carga (Volt Equip) Tensão de Carga Periódica – esta é a
tensão para qual a tensão no
barramento é elevado quando a carga
periódica é ATIVADA
Próximo (Prox) O tempo e a data do ínicio do próximo
ciclo de Carga Periódica

dezembro/2000 26
A tabela 2.4 lista os parâmetros apresentados no display no modo de Carga Periódica Ativa.

Volt Equip 56.0V


Tpo Transcorr 1:25
Tpo Restante 10:50

Eq Period PARAR
ESC

Carga Periódica Ativa

Tabela 2.4:
PARÂMETROS DESCRIÇÃO
Tensão de Carga (Volt Equip) Tensão de Carga Periódica - esta é a
tensão para qual a tensão no
barramento é aumentada quando a
carga manual é ATIVADA
Tempo Decorrido (Tpo Trancorr) Tempo decorrido do ciclo

Tempo Restante (Tpo Restante) Tempo restante do ciclo

HABILITAR ou DESABILITAR Carga Periódica

1. Seleciona Carga Periódica (Equaliz Period) no Controle do Sistema (Controle do Sist)


do menu de Configuração do Sistema (Config do Sist).

Compensac de Temp
Equaliz Manual
Equaliz Period

Contr Sists OK
ESC

2. Pressione OK para selecionar a opção HABILITADA/DESABILITADA

HABIL/DESABIL

Voltagem
Duracao
ESC Eq Periodi OK

dezembro/2000 27
3. Use a tecla de navegação para cima/baixo para HABILITAR/DESABILITAR
a carga periódica. Se seu nível de acesso presente não permite você reconhecer
esta função, irá aparecer LOGON na tela para você requisitar o nível de acesso.

Habil/Desabil
Desativado
P/ mudar uso ↑↓

ESC Eq Period OK

4. Use então as teclas para cima/baixo para HABILITAR/DESABILITAR

5. Pressione OK

6. Pressione a tecla ESC para retornar ao menu principal.


Você será questionado para salvar as mudanças. Pressione SIM para salvar as mudanças
e NÃO para ignorar.

Ajust Alterad
Manter mudcs?

NÃO SIM

Parando um Ciclo de Carga Periódica

1. Selecione a Carga Periódica (Equaliz Period) no Controle de Sistema (Controle


do Sist) do menu.

Compensac Temp
Equaliz Manual
Equaliz Period

ESC Contr Sists OK

2. Pressione PARA para interromper um processo. Se seu nível de acesso não


permite você parar um ciclo de carga periódica, você será questionado para inserir
uma senha.

Volt Equip 56.0V


Tpo Transcorr 10:50
1:10
Tpo Restante

ESC Eq Period PARA

dezembro/2000 28
3. Após pressionada a tecla PARA, aparece a confirmação na tela. Pressione SIM
para configurar.

Parar Equaliz
Period
Confirmar

NÃO SIM

4. Após o ciclo de carga periódica PARA, aparecerá na tela : carga periódica inativa.

Parando

ESC Eq Periodi

Condições para Operação - Carga Periódica

SE A CARGA PERIÓDICA... ENTÃO...


Estiver ativa e falhar a CA A Carga Periódica será interrompida
Estiver ativa e um pedido de carga manual A Carga Pariódica será interrompida
for solicitado A Carga Manual será inicializada
A próxima data para um novo ciclo de carga
periódica será calaculada e ajustada
Estiver ativa e um pedido de carga rápida A Carga Periódica será interrompida
for solicitado A Carga Rápida será inicializada
A próxima data para um novo ciclo de carga
periódica será calculada e ajustada
Estiver com o tempo da próxima carga A Carga Periódica é inicializada
periódica alcançado e a carga manual ou A próxima data para um novo ciclo de carga
carga rápida não estiverem ativas periódica é calculada e ajustada
Estiver com tempo da próxima carga A próxima data para um novo ciclo de carga
periódica alcançado e falhar CA periódica será calculada e ajustada
Estiver com o tempo da carga periódica A próxima data para um novo ciclo de carga
alcançado e a carga manual estiver ativa periódica será calculada e ajustada
Estiver com o tempo da carga periódica A próxima data para um novo ciclo de carga
alcançado e a carga rápida estiver ativa periódica será calculada e ajustada
Estiver ativa e um teste de bateria manual A Carga Periódica será interrompida
for iniciado

dezembro/2000 29
Controle de Carga Rápida (Recarga Automática)

O ciclo de recarga automática da bateria é controlado pelo SM50.


Este inicia após as baterias terem se descarregadas de uma certa quantidade de sua capacidade
e estarem abaixo de uma tensão especificada e termina quando as baterias se descarregarem
para o nível especificado.

O ciclo de recarga automática termina quando:


- O ciclo de carga estiver completo as baterias tiverem alcançado o nível especificado
- O ciclo for parado manualmente pelo painel frontal do SM50
- A carga manual ou teste de baterias for manualmente iniciado

PRECAUÇÕES: Recarga Automática em Baterias Seladas


Consulte as recomendações do fabricante antes do uso da
Recarga Automática para fazer a recarga de baterias seladas.

Visualizar o estado de Carga Rápida (Recarga Automática)

1. Seleciona Controles do Sistema (Controles do Sist) do menu principal do


SM50.

Valores do Sist
Controles do Sist
Alarmes
ESC MENU OK

2. Seleciona Carga Rápida (Carga Rap) da lista mostrada.

Equaliz Manual
Equaliz Period
Carga Rap

ESC Contr Sists OK

Selecione Carga Rápida

3. A tela mostrada irá permitir ao usuário determinar o estado do processo.

4. Use a tecla ESC para retornar ao menu.

dezembro/2000 30
Veja exemplos abaixo:

- DESABILITADA

Desativado

Carga Rap
ESC

- HABILITADA e Inativa

Inativo
Limiar V 48.00V
Descarr Limiar 25V

ESC Carga Rap

- Carga Rápida(Automática)
HABILITADA mas pendente

Pendente

ESC Carga Rap

- HABILITADA e Ativa
Tensão Carga Rap 48:00V
Transcorr 10:30
Restante 02:15 1249Ah

ESC Carga Rap

Parâmetros de Carga Rápida (Recarga Automática)

A tabela 2.5 mostra os parâmetros apresentados no display no modo de carga rápida inativa.

Tabela 2.5:
PARÂMETRO DESCRIÇÃO
Tensão Limiar (LimiarV) A tensão que interrompe um ciclo de
carga rápida
Descarga Limiar (Descarr Limiar) A porcentagem da descarga total que
interrompe um ciclo

dezembro/2000 31
Inativo
Limiar V 48:00V
Descarr Limiar 25%

ESC Carga Rap

A tabela 2.6 mostra os parâmetros apresentados no display no modo de carga rápida ativa.

Tabela 2.6:
PARÂMETROS DESCRIÇÃO
Tensão de Carga Rápida (Tensão Esta é a tensão para qual a tensão do
Carga Rap) barramento é aumentada quando a
Carga Rápida é ATIVADA
Transcorrido (Transcorr) Tempo decorrido de um ciclo de Carga
Rápida
Restante Tempo que resta para completar o ciclo
e a capacidade em Amperé hora que
deixa de ser rearmazenada

Tensão Carga Rap 48:00V


Transcorr 10:30
Restante 02:15 1249Ah

Carga Rap
ESC

HABILITAR ou DESABILITAR Carga Rápida

1. Selecione Carga Rápida (Carga Rap) no Controle do Sistema do menu de


Configuração do Sistema (Config do Sist).

Equaliz Manual
Equaliz Period
Carga Rap

ESC Contr Sists OK

2. Pressione OK para selecionar a opção Habilitada/Desabilitada

Habil/Desabil

Voltagem
Duracao Max
ESC Carga Rap OK

dezembro/2000 32
3. Use a tecla de navegação para cima/baixo para Habilitar/Desabilitar
a carga manual. Se seu nível de acesso presente não permite você reconhecer esta
função, irá aparecer LOGON na tela para você requisitar o nível de acesso.

Habil/Desabil
Desativado
P/ mudar uso ↑↓

ESC Carga Rap OK

4. Use então as teclas para cima/baixo para Habilitar/Desabilitar.

5. Pressione OK

6. Pressione a tecla ESC para retornar ao menu principal.


Você será questionado para salvar as mudanças. Pressione SIM para salvar as mudanças
e NÃO para ignorar.

Ajust Alterad
Manter mudcs?

NÃO SIM

Parando um Ciclo de Carga Rápida (Recarga Automática)

1. Selecione a Carga Rápida (Carga Rap) do Controle de Sistema no menu.

Equaliz Manual
Equaliz Period
Carga Rap

ESC Contr Sists OK

2. Pressione PARA para interromper um processo. Se seu nível de acesso não


permite você parar um ciclo de carga rápida, você será questionado para inserir
uma senha.

Tensão de Carga Rap 56.50V


Transcorr 12:30
Restante 1249Ah

ESC PARA

dezembro/2000 33
3. Após pressionado a tecla PARA, aparece a confirmação na tela. Pressione SIM
para configurar.

Parar Carga Rap


Confirmar

NÃO Carga Rap SIM

Após o ciclo de carga manual PARA, aparecerá na tela : carga manual inativa.

Parando

ESC Carga Rap

Condições para Operação - Carga Rápida

SE A CARGA RAPIDA É INICIADA E ... ENTÃO...


Falhar CA A carga rápida será suspensa
A Carga Manual for iniciada A carga rápida é interrompida e começa-
rá carga normal
O tempo previsto para carga periódica O processo de carga periódica não
for alcançado começará mas uma nova data será
calculada e ajustada
A Carga Manual estiver Ativa O pedido será rejeitado
A Carga Periódica estiver Ativa A Carga Periódica será interrompida e
começará a carga rápida. A próxima data
para carga periódica será calculada e
ajustada
O teste de Bateria estiver Ativo O pedido será rejeitado
Um teste Manual de Bateria for iniciado A carga rápida será interrompida

Controle de Compensação de Temperatura

É calculado pelo SM50 usando os parâmetros de configuração armazenados no arquivo de


configuração.
A variável da temperatura da bateria é uma entrada analógica medida na bateria.
A compensação de temperatura usa esta variável para calcular o ajuste da tensão no
barramento para alcançar um ajuste da tensão de bateria.

dezembro/2000 34
Este controle pode ser habilitado/desabilitado através menu de configuração do sistema e seu
estado pode ser visto através da seleção de controle do sistema no menu principal.

Visualizar o Estado da Compensação de Temperatura

1. Selecionar Controles de Sistemas (Controles do Sist) no menu principal do SM50.

Valores do do
Controles SistSist

Alarmes
ESC MENU OK

2. Selecionar Compensação de Temperatura (Compensac Temp) na lista


mostrada no display.

Ver 1ª linha Controle de Tensão


Compensac Temp

Equaliz Manual

Contr Sists OK
ESC

HABILITAR ou DESABILITAR Temperatura

1. Selecione Compensação de Temperatura (Compensac Temp) do Controle do Sistema


no menu de configuração.

Controle de Tensão
Compensac Temp

Equaliz Manual

ESC Contr Sist s OK

2. Pressione OK para selecionar a opção Habilitar/Desabilitar

Habil/Desabil
Declive
Temp Referen

Alarmes Comp Temp OK


ESC

dezembro/2000 35
2. Use a tecla de navegação para cima/baixo para Habilitar/Desabilitar a
Compensação de Temperatura. Se seu nível de acesso presente não permite você
reconhecer esta função, irá aparecer LOGON na tela para você requisitar o nível de acesso.

Habil/Desabil
P/ mudar uso ↑↓
Desativado

Alarmes Comp Temp OK


ESC

4. Pressione OK para confirmar as mudanças.

5. Pressione a tecla ESC para retornar ao menu principal.


Você será questionado para salvar as mudanças. Pressione SIM para salvar as
mudanças e NÃO para ignorar.

Ajustes Alterad
Manter mudcs ?

Alarmes SIM
NÃO

Controle de Teste de Baterias


Deveria ser utilizado nas seguintes situações:

• Durante a instalação inicial das baterias. Dados coletados durante o teste, são usados para
criar um nível o qual futuros testes de baterias poderão ser comparados e as variações
monitoradas. Estes dados são também usados pelo SM50 para calcular a capacidade da
bateria em Ah e o tempo restante.
• Periodicamente para testar a capacidade da bateria.

Visualizar o Estado do Teste da Bateria

1. Selecionar Controle do Sistema (Controle do Sist) no menu principal.

Corr Bateria
Teste Bater
Desligto Retificador

ESC Contr Sists MENU

2. Selecionar Teste de Bateria (Teste Bater) na lista mostrada no display.

3. Determinar o estado do processo.

dezembro/2000 36
Veja exemplos abaixo:

• Teste de Bateria Desativado

Desativado

ESC Teste Bater

• Teste de Bateria Inativa

Pressione OK para visualizar detalhes do último teste.


Em qualquer estágio use a tecla ESC para retornar ao menu anterior.
Indica que o Teste da Bateria está habilitado e Inativo

Mostra quando um teste foi completado satisfatoriamente

Mostra quando o teste falha

Inativo
Último Teste
Apagar Teste Falho

ESC Teste Bater OK

• Teste de Bateria Ativa


Pressione OK para visualizar detalhes do teste atual.
Indica que o teste da bateria está
em andamento

Ativo
Último Teste
Teste Falho

ESC Teste Bater OK

dezembro/2000 37
Visualizar o Resultado do Último Teste de Bateria

1. No display de Teste de Bateria Inativo selecione Último Teste.

Inativo
Último Teste

ESC Teste Bater OK

2. Pressione OK para visualizar os resultados do último Teste de Bateria.


Tensão que finalizou o teste

Terminação 23:56V Tempo decorrido do teste


Duração 12:53 Hora e Data que terminou o teste

Em 17.54 15 Nov 98

Último Teste de
ESC Bateria OK

NOTA: SE O SM50 FICAR SEM ENERGIA EM QUALQUER QUE ESTÁGIO,


POR EXEMPLO UMA DESCONEXÃO DE BATERIA, OS
RESULTADOS DO TESTE ANTERIOR SERÃO PERDIDOS.

Um teste de bateria falha quando a tensão de bateria é alcançada antes que o tempo decorrido
expire. Se isto ocorre, identificar e isolar o banco de baterias e proceder um teste de descarga
manual enquanto monitora os monoblocos individualmente.
Você pode precisar de uma recarga do banco de baterias antes da isolação e teste do
banco.

Visualizar Detalhes do Teste de Bateria Ativa

1. No display de Teste de Bateria Ativa, pressione OK para maiores detalhes.

Ativo
Último Teste
Teste Falho

ESC Teste Bater OK

dezembro/2000 38
Tensão Presente no Barramento

Tempo Decorrido do Teste

Tempo para Completar


o Teste
Tensão de Saída 54:23V
Tpo Decorrido 11:33
7:24
Tpo Restante

ESC Teste Bater OK

Apagar um Teste de Bateria Falho

1. No display de Teste de Bateria Inativa, selecione Apagar Teste Falho,


através da tecla de navegação.

Observe que no local onde aparece a palavra OK agora temos Apagar.

Inativo
Último Teste

Apagar Teste Falho

ESC Teste Bater APAGAR

2. Pressione “APAGAR” para eliminar o Teste Falho.

Começar um Teste de Bateria

1. No display Teste de Bateria Inativo, selecione a opção Inativo para planejar o


próximo teste.

Inativo
Último Teste

ESC Teste Bater OK

dezembro/2000 39
2. Pressione a tecla Iniciar para começar um teste de bateria. Você pode ser
requisitada para entrar com o código de acesso antes de iniciar o teste.

Hora e data planejada para o


próximo teste periódico da bateria

Data próxima Teste


Se ocorrer uma falha CA, haverá o 13:26 19 Dez 99
desligamento temporário do teste de Bloqueio 40:47
bateria

ESC Teste Bater


INICIAR

NOTA: Se um processo de carga estiver ativo, este será interrompido antes que o teste
da bateria comece. Você será questionado para confirmar esta interrupção
para dar ínicio ao teste.

Parar um Teste de Bateria

1. Selecione a opção ATIVO dentro do teste de bateria Ativo.

Ativo
Último teste
Teste Falho

ESC OK
Teste de Bater

2. Será mostrado detalhes do teste. Para parar este processo pressione Parar.

Tensão na Saída 54:23V


Tpo Decorrido 11:35
7:24
Tpo Restante

ESC Teste de Bater OK

NOTA: Se seu nível de acesso não permitir parar este teste, você será questionado
para inserir um novo código de acesso. Uma vez permitido basta confirmar
a parada.

dezembro/2000 40
Controle do Limite de Corrente da Bateria (LCB)

Quando habilitado, este processo varia a tensão do sistema para manter a corrente de carga da
bateria dentro de uma porcentagem da taxa C10 de bateria.

CUIDADO: FAIXA DE TENSÃO DE OPERAÇÃO SEGURA


DESABILITAR LCB se a carga não for capaz de operar seguramente
dentro da faixa de tensão dada pelo LCB.
A tensão do sistema (máxima e mínima) protegerá a carga, mas esta
poderá resultar em alta corrente de bateria.

Visualizar o Estado do LCB

1. Selecione Controle do Sistema (Controle do Sist) do menu principal do SM50.

Valores do Sist
Controle do Sist
Alarmes

Menu OK
ESC

2. Selecione Limite Corrente Bateria (Limit Corr Bateria)do menu Controle


de Sistema.

Descon Baixa Volt


Indica Divisão de Parlha Corr
Corrente
Limit Corr Bateria

ESC Contr Sists OK

dezembro/2000 41
3. Determine se LCB está habilitado ou não. Se habilitado, você poderá ver a redução
na tensão do barramento.

Habilitado

Redução 12:00V

ESC Limit Corr Bateria

HABILITAR ou DESABILITAR o Limite de Corrente Bateria

1. Selecione Controle do Sistema (Controle do Sist) do menu principal do SM50.

Valores do Sist
Controle do Sist
Alarmes

Menu OK
ESC

2. Selecione Limite Corrente Bateria (Limit Corr Bateria) do menu Controle de


Sistema.

Descon Baixa Volt


Parlha Corr

Limit Corr Bateria

ESC Contr Sists OK

3. Para Habilitar ou Desabilitar LCB selecione uma destas opções. Se


seu nível de acesso não permite você efetuar mudanças, você será questionado para
inserir um novo código de acesso.

dezembro/2000 42
Controle de Tensão Ativo (CVA)

Este parâmetro monitora a tensão atual no barramento. Quando a tensão no barramento difere
da tensão desejada, CVA ajusta a tensão no retificador para compensação. Tensão Máxima do
Sistema, Mínima Tensão do Sistema e Máxima Tensão abaixo da Tensão do barramento são
parâmetros de configuração os quais determinam os limites em que o CVA precisa operar.

Visualizar o Estado CVA

1. Selecione Controle do Sistema (Controle do Sist) do menu principal do


SM50.

Valores do Sist
Controle do Sist
Alarmes

Menu OK
ESC

2. Selecione Controle de Tensão da lista mostrada no display.

OBS.: Onde lê-se “Controle Temp” na tela substituir por “Controle de Tensão”

Controle de Tensão
Compensac Temp
Equaliz Manual

ESC Contr Sists OK

HABILITAR ou DESABILITAR CVA

1. Selecione Controle de Tensão no menu de Controle do Sistema, após ter passado pelo
menu de Configuração do Sistema

Controle de Tensão

Compensac Temp
Equaliz Manual

Contr Sists
ESC OK

dezembro/2000 43
3. Pressione OK para selecionar Controle de Tensão Ativo

Voltgs Sistema

Control V Ativo

ESC Contr Volt


OK

4. Pressione OK para selecionar a opção Habilitado/Desabilitado

Habil/Desabil
Peri Amostra
Faixa Mort

ESC CVA
OK

5. Use as teclas de navegação para Habilitar ou Desabilitar CVA. A opção desejada


aparacerá iluminada no visor.

Habil/Desabil
Ativado
P/ mudar uso ↑↓

CVA
ESC OK

6. Caso seu acesso não seja permitido aparecerá o LOGON na tela para que você
possa inserir um nível de acesso correto.

7. Pressione SIM para confirmar esta mudança

Ajust Alterad
Manter Mudcs ?

NÃO SIM

dezembro/2000 44
7. Pressione ESC para retornar ao Menu Principal.
Você será questionado para salvar as mudanças.
Pressione SIM para salvar ou NÃO para ignorar.

NOTA: Se falhar o Sensor de Tensão de Saída, o CVA será automaticamente


desabilitado.

Controle de Desconexão de Bateria por Baixa Tensão (DVB)

Desconecta as baterias da carga após a tensão do barramento cair abaixo do valor pré-ajustado
por um certo período, também pré-ajustado. Este controle é feito para prevenir uma descarga
profunda que possa danificar a bateria quando a tensão de entrada estiver desconectada por um
longo período.
Isto pode ocorrer após uma falha CA quando a carga estiver sendo alimentada pelas baterias.
As baterias são reconectadas após a tensão no barramento subir acima do valor pré-ajustado.
Esta operação é controlada pelo SM50, podendo ser HABILITADA ou não.

A tensão no barramento é medida e comparada com o limite de tensão pré-ajustado.Se a tensão


ficar abaixo deste limite, o SM50 enviará um sinal para o módulo DVB para abrir o contator.

NOTA: Falhando o sensor de tensão no barramento, o DVB usará a média da


tensão de saída do retificador como medida pelo retificador.

Use o SM50 do painel frontal para:


- HABILITAR/DESABILITAR a Desconexão de Baterias (DVB)
- Reconectar manualmente o DVB

Visualizar o Estado do DVB

1. Selecione Controle do Sistema (Controle do Sist) no menu principal do SM50.

Valores do Sist
Controle do Sist
Alarmes

MENU
ESC OK

dezembro/2000 45
2. Selecione Desconexão Bateria (DVB) (Descon Baixa Volt) para mostrar o estado

Equaliz Period
Carga Rap

Descon Baixa Volt

Contr Sists OK
ESC

3. Para determinar o estado veja os exemplos abaixo:


DVB Desativado
- Desabilitado

DVB Desativado

DVB
ESC

- Habilitado e Inativo
O DVB está habilitado. As baterias podem ser
desconectadas automaticamente. O contator
DVB está fechado

DVB Inativo

DVB
ESC

- Habilitado e Ativo
O DVB está habilitado e Ativo. O contator é
aberto, desconectando as baterias ou os
consumidores da SR.

DVB Ativo

DVB CON
ESC

Quando esta tecla está iluminada, o


DVB pode ser reconectado pelo
pressionamento desta tecla.

dezembro/2000 46
- Inativo Inibido
O contator está fechado. O estado DVB foi
recentemente mudado. Nenhuma mudança
pode ser feita para o estado DVB até que o
período de inibição tenha expirado.

DVB Inativo Inibido

DVB
ESC

- Ativo Inibido O contator foi aberto recentemente. Se a


tensão subir acima do nível de tensão de
desconexão, o DVB poderá ser reconectado
manualmente.

DVB

DVB CON
ESC

A tecla CON ficará ativa no instante


em que o LVD for reconectado
manualmente.

Como Reconectar Manualmente o DVB

1. Selecionar Controle do Sistema ( Controle do Sist) do menu Principal

Valores do Sist
Controle do Sist
Alarmes

MENU
ESC OK

dezembro/2000 47
4. Selecione Desconexão Bateria (DVB) do menu Controle do Sistema

Equaliz Period
Carga Rap

Descon Baixa Volt

Contr Sists MENU


ESC

5. Inicie a operação de reconexão manual pressionando a tecla de comando CON no


display que mostra o estado do DVB.

DVB Ativo

ESC DVB OK

Se a tecla não é mostrada, você não pode efetuar esta operação. Isto acontece devido
a:

- Tensão de flutuação do sistema estar abaixo da tensão de desconexão de bateria configurada


pelo usuário.
- Você não ter direito de acesso
- O estado DVB estar inibido

6. Selecione a tecla SIM para confirmar a operação manual.

Re-Conect Voltg
Confirmar

DVB
ESC OK

dezembro/2000 48
7. Use a tecla ESC para retornar ao menu anterior

Controle de Desligamento do Retificador

CUIDADO: NÃO DESLIGUE TODOS OS RETIFICADORES pois irá gerar um


conflito com o comando de desligamento do retificador via SM50.
Use o painel frontal do SM50 para desligamento individual dos retificadores e
individualmente ou conjuntamente reinicie os retificadores que tiverem sido
desligados. O desligamento do retificador deve reduzir a tensão no barramento
abaixo da tensão de desconexão DVB, o SM50 atentará para o religamento de
todos os retificadores antes de desconectar as baterias.

Um alarme pode ser configurado para indicar quando um ou mais retificadores


são desligados.

Para Desligar um Retificador

1. Selecione Controle do Sistema (Controle do Sist) do menu Principal

Valores do Sist
Controle do Sist
Alarmes

MENU
ESC OK

2. Deste novo menu selecione Desligamento Retificador (Desligto Retificador)

Limit Corr Bateria


Teste Bater

Desligto Retificador

Contr Sists
ESC OK

dezembro/2000 49
3. Selecione a partir deste novo menu Controle Independente (Controle Indepte)

Controle Indepte

ESC OK

4. Selecione qual retificador você deseja desligar e pressione a tecla DESLIGAMENTO. Você
pode ser questionado para inserir o código de acesso antes de HABILITAR o desligamento do
retificador. Se habilitado, isto irá resultar em um alarme urgente ou não-urgente de
desligamento do retificador.

5. Para desligar outro retificador, repita o passo 4.

NOTA: Como o retificador está desligado, a tecla DESLIGAMENTO muda para


REINICIAR. Se você encontrar algum retificador desligado incorretamente,
simplesmente pressione REINICIAR.

Deveria a tensão de bateria cair abaixo da Tensão de Desconexão (DVB). O processo DVB
envia um comando de reiniciar global para todos os retificadores, reiniciando qualquer
retificador que tiver sido desligado.

NOTA: Deveria ser interrompido o ciclo de carga rápida ou carga enquanto todos
os retificadores estiverem no modo de desligamento, retornando apenas
quando os retificadores forem reiniciados.

Isto pode ocorrer automaticamente tanto quando a tensão no barramento cair abaixo do ponto
de ajustado para DVB ou abaixo da tensão de desligamento externo (44.7V±2.5V para
retificadores 48V e 22.4V±1.125 para retificadores 24V). Neste estágio, o LVD reinicia todos
os retificadores desligados antes de desconectar-se.

Reiniciar os Retificadores Desligados

1. Selecione Controle do Sistema (Controle do Sist) no menu Principal

Valores do Sist
Controle do Sist
Alarmes

MENU
ESC OK

dezembro/2000 50
2. Deste novo menu selecione Desligamento Retificador (Desligto Retificador)

Limit Corr Bateria


Teste Bater

Desligto Retificador

ESC Contr Sists


OK

4. No menu Desligamento do Retificador selecione Controle Independente (Controle


Indepte) para reiniciar os retificadores selecionados (ver passo 4) ou REINICIAR
TODOS. Para reiniciar todos os retificadores selecionados (ver passo 6).

Controle Indepte

Reiniciar Todos

ESC OK

5. Para reiniciar um rerificador específico, selecione qual retificador você deseja reiniciar e
pressione a tecla REINICIAR. Você pode ser questionado para inserir código de acesso
antes de reiniciar o processo.

RET. 01:1 OPERANDO


RET. 01:2 OPERANDO

RET. 01:3 DESLIGADO

ESC REINICIAR

6. Para reiniciar outro retificador, repita o passo 4.

7. Para reiniciar todos os retificadores que tiverem sido desligados, selecione REINICIAR
TODOS na tela de Desligamento do Retificador.
Pressione OK para reiniciar todos os retificadores. Você será questionado para confirmar a
mudança.

Controle Indepte

Reiniciar Todos

ESC OK

dezembro/2000 51
Controle de Divisão de Corrente do Retificador

Este processo garante que todo os retificadores registrados contribuam igualmente para a
corrente de carga total. O SM50 controlará cada retificador, ajustará a mínima tensão de saída,
logo ocorrerá a mínima variação de corrente de carga.

A divisão de corrente pode ser Habilitada ou Desabilitada através do menu de configuração


do sistema, selecionando o Controle de Sistema no menu Principal.

Este processo é independente do Processo de Controle de Tensão, portanto a divisão de


corrente não causará nenhum impacto no Controle de Tensão.

Visualizar o Estado da Divisão de Carga

1. Selecione Controle do Sistema do menu Principal.

Valores do Sist
Controle do Sist
Alarmes

MENU
ESC OK

2. Selecione Divisão de Corrente do menu de Controle do Sistema

Carga Rap
Descon Baixa Volt
Indica Divisão de
Corrente Parlha Corrente

Contr Sists
ESC OK

3. Você determinará o estado do processo através da tela.

Ativado

ESC Parlha Corrente

dezembro/2000 52
Controle de Teste de Descarga da Bateria

Iniciar/Parar um teste de descarga de baterias usando o SM50.

1. Quando iniciar um teste, assegure que ele não irá interromper um processo periódico.

2. Assegure que a carga está estável e com uma corrente constante.

3. Se os parâmetros de configuração do teste de descarga ainda não estão definidos, pare o


teste e faça isto primeiro.

4. Para iniciar o teste, selecione TESTE DE DESCARGA DE BATERIA do menu de


Controle do Sistema.

5. Se seu nível de acesso não permite usar este teste, será requisitado um novo código de
acesso.

6. Você será questionado para confirmar o ínicio do teste. Caso esteja sendo realizado um
teste de bateria, carga rápida ou simplesmente carga, você será questionado se deseja parar
este processo corrente antes de iniciar o teste de descarga.

Inativo
Esc - Descarga

Test Descarg INICIAR


ESC

7. Para parar o Teste de Descarga, selecione Teste de Descarga de Bateria (Teste Descarg)
do menu Controle de Sistemas.

Ativo
Tensão na Saída 46.75
Tpo Decorrido 11.23

Teste Descarg PARA


ESC

dezembro/2000 53
8. Você será questionado para confirmar o término no teste.

NOTA: As condições a seguir irão forçar uma interrupção deste teste:

- Alarme de desligamento do retificador ativo


- Falha do retificador ativo
- Falha de fusível ativo
- Desligamento por sobretensão ativo
- Perda de comunicação do retificador ativo

Visualizar os Testes de Descarga de Bateria

1. Usando o menu do SM50 selecione a opção Baterias do menu de Configuração do


Sistema e após isto selecione Visualizar Dados do Teste para mostrar os resultados
do último teste de descarga.

01 1.25V/elem. 101.3%
02 1.5V/elem. 102.5%
03 1.5V/elem. 103.0%

Teste Descarg PARA


ESC

2. Navegue para cima/baixo para visualizar outros pontos de descarga.

Salvar os dados do Teste de Descarga

1. Selecione Baterias da opção de Controle de Sistemas (Controle so Sist) do


menu de Configuração do Sistema (Config do Sist).
Selecione Aceitar Dados de Teste

Aceitar Teste Descarga


Por favor Confirme

SIM
ESC

dezembro/2000 54
Visualizando Estados Internos

Estados internos são um conjunto do estados dentro do SM50. Eles não são configuráveis
pelo usuário, mas podem ser usados na configuração de alarmes.
Veja na tabela a seguir os estados disponíveis.

ESTADO INTERNO ESTÁ ATIVO QUANDO... ESTADO NORMAL


DVB Ativo O DVB estiver ativo Inativo
DVB Inativo O DVB estiver inativo ou desabilitado Ativo
Carga Ativa Uma operação de carga estiver em Inativo
processo. (manual, periódica ou carga
rápida).
Carga Inativa Uma operação de carga que não estiver Ativo
em processo. (manual, periódica ou carga
rápida).
CA OK Nenhuma alimentação CA estiver baixa Ativo
para qualquer retificador
Falha CA individual A tensão CA estiver abaixo 50V em Inativo
qualquer retificador
Falha CA geral A tensão CA estiver abaixo 50V em todos Inativo
retificadores
Falha no relógio da bateria Relógio da Bateria detetar uma falha Inativo
Relógio não inicializado SM50 estiver resetado e o relógio não Mesmo que o estado do
estiver inicializado relógio
Erro de dados de calibração Entradas Analógicas precisarem ser Inativo
recalibradas
Comando Rack rejeitado Um comando enviado pelo SM50 for Inativo
rejeitado pelo retificador
Falha tensão no Barramento A diferença entre a média da tensão de Inativo
saída do retificador e atual tensão do
barramento medida no SM50 diferir do
valor de ajuste configurado
Tensão no Barramento OK A diferença entre a média da tensão de Ativo
saída do retificador e atual tensão do
barramento medida no SM50 for menor
que o valor de ajuste configurado
Falha no Sensor de Temperatura Uma condição falha no equipamento for Inativo
detectado
Perda de Comunicação Não houver comunicação com um Inativo
dispositivo externo para um período
configurável
Terminado o Teste de Descarga de Indicar quando o teste de descarga da Inativo
Bateria bateria terminou normalmente
Falhou a Conexão com o Modem Falhar a sequência do modem para fazer Inativo
uma conexão com ambos os números de
telefone 1ário e 2ário.
Falhou Teste de Descarga Uma falha de Teste de Descarga para Inativo
terminar normalmente
Modem Trabalhando O SM50 não puder comunicar-se com o Ativo
modem

dezembro/2000 55
Para visualizar os Estados Externos:

1. Use o Menu do SM50 e selecione VALORES DO SISTEMA e em seguida ESTADOS


INTERNOS.

2. Navegue para cima/baixo na lista usando as teclas de navegação.

3. Selecione OK para visualizar o status de cada estado selecionado.

dezembro/2000 56
Alterando Parâmetros de Configuração

_______________________________________________ Capítulo 3

Sobre este Capítulo


Utilize este capítulo para entender:
• A finalidade de cada parâmetro de configuração
• As relações com outros parâmetros
• Os valores típicos que existem na configuração-base
• A variação permitida para cada parâmetro

Se você pretende fazer várias alterações de configuração, nós recomendamos que você
utilize o software Intergy Configuration Editor (ICE) ou o Swichtec Power Manager
(SPM). Se você pretende alterar apenas um ou dois itens, utilize o SM50. Porém, você
precisará do nível de acesso correto para alterar muitos destes parâmetros.

Nota: Os exemplos utilizados nesta seção são tirados de uma configuração normal do IPS
típica para um sistema de 48 Volts. Vários parâmetros nesta seção são configurados
durante a fabricação e não podem ser alterados em campo, embora eles possam ser
exibidos no menu de configuração do sistema. Eles foram incluídos aqui como referência
e para ajudar a explicar o funcionamento do sistema.

dezembro/2000 57
Antes de Iniciar
Antes de fazer qualquer alteração em seu arquivo de configuração, nós recomendamos:
• Salvar uma cópia de seu arquivo de configuração atual em disquete, de forma que
você possa recuperar sua configuração original, se necessário. Você precisará utilizar
o ICE ou o SPM para fazer isto.
Nota: Seu Manual de Configuração deverá conter um registro de quando foram feitas as
últimas alterações no arquivo de configuração e quando uma cópia deste arquivo foi
salva em disquete.
• Use a cópia impressa do arquivo de configuração em seu Manual de Configuração,
planeje as alterações de configuração e analise-as antes de implementar a alteração.
Ao fazer isto, você grava automaticamente estas novas alterações no registro do
Manual de Configuração para referência rápida no futuro.

CUIDADO PARÂMETROS DE CONTROLE DE TENSÃO


Antes de alterar qualquer parâmetro de configuração, assegure-se de que as
alterações não irão afetar o funcionamento correto do Intergy Power System. Em
particular, assegure-se de que nenhuma das características de segurança do IPS
está comprometida.

Convenções de Navegação no Menu


Nesta seção, são utilizadas as seguintes convenções.
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Controle de Tensão Variação Permitida
Ê Voltgs Sistema (Tensões do Sistema)

F Volt Flutn do Sist

F Volt Sist Max (0.0 – 80.0 V) (57.0 V)

Opção de Menu
F Volt min do Sist

Selecione este item para ver Valor típico


mais opções de menu abaixo

Item de Menu
Selecione este item para alterar
o valor de configuração

dezembro/2000 58
Alterando Parâmetros de Configuração de Tensão do Sistema
A Figura 3-1 mostra como os parâmetros de tensão do sistema controlam o processo de
controle de tensão.

Configuração do Tensão de Saída


Tensão de Limite de Corrente
Compensação de Flutuação da Bateria
Temperatura Corrente de Bateria

Carga Ponto de Ajuste V


Manual Geração de Limite de
V Desejada
Tensão de Corrente da Controle de
Ponto de Bateria Tensão do Retificador
Tensão Ativa
Carga Ajuste (BCL) (AVC)
Rápida

Carga
Periódica
Teste de
Bateria Tensão mínima Configuração
do Sistema do AVC

Tensão
Máxima do Sistema

Figura 3-1 Diagrama de Fluxo do Ponto de Ajuste de Geração de Tensão

O Ponto de Ajuste V, que é o sinal de saída do processo, é controlado pelos seguintes


parâmetros de configuração de Tensão do Sistema:
• Tensão Flutuação do Sistema
• Tensão mínima do Sistema
• Tensão máxima do Sistema
Tabela 3-1 Parâmetros de Controle de Tensão do Sistema
Parâmetro Descrição
Tensão de Flutuação do A tensão desejada mantida na saída. Este valor será
Sistema (Volt Flut do determinado pelas especificações de tensão de flutuação por
Sist) célula do fabricante da bateria
Máx Tensão do Sistema A tensão máxima para a qual os retificadores podem ser configurados pelo SM50. Ela
(Volt Sist Max) é determinada em grande parte pela tensão máxima na qual a carga pode operar com
segurança

Nota: As baterias devem ser capazes de operar nesta tensão


Mín Tensão do Sistema A tensão mínima para a qual os retificadores podem ser
(Volt Min do Sist) configurados pelo SM50. Ela é determinada em grande parte
pela tensão mínima na qual a carga pode operar com
segurança.

Nota: Quando toda a tensão descarregada da bateria for maior que a mínima tensão de
operação segura da carga, ajuste a Tensão Mínima do Sistema com um valor mais alto
que a mínima tensão da bateria. Neste caso, a Tensão de Desconexão deve ser
configurada como a tensão totalmente descarregada da bateria. Isto evita que ela seja
acionada acidentalmente.

dezembro/2000 59
Os parâmetros de carga, carga rápida, teste de bateria e compensação de temperatura
também afetam o Ponto de Ajuste V gerado por este processo. Estes parâmetros são
explicados mais adiante neste capítulo.

Acesso por Menu


Para acessar os parâmetros de Tensão do Sistema
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Controle de Tensão
Ê Voltgs Sistema (Tensões do Sistema)

F Volt Flutn do Sist (0.0 – 80.0 V) (54.0 V)

F Volt Sist Max (0.0 – 80.0 V) (57.0 V)

F Volt Min do Sist (0.0 – 80.0 V) (48.0 V)

Nota: A variação mostrada aqui é a máxima variação que o SM50 pode aceitar. Porém, os
retificadores podem ainda rejeitar os comandos se seus próprios valores internos forem
ultrapassados. Neste caso, o SM50 pode ser configurado para gerar um Alarme de Falta
de Comando do Retificador.
Para parâmetros típicos do retificador, leia a seção Alterando Parâmetros do
Retificador, mais adiante neste capítulo.

dezembro/2000 60
Instruções de Configuração de Tensão do Sistema
Tabela 3-2 Instruções de Configuração de Tensões do Sistema
Parâmetro Instruções de Configuração
Tensão de Flutuação Utilize a especificação de tensão de flutuação por célula do
do Sistema (Volt Flut fabricante da bateria para calcular este valor. Ele não deve ser
do Sist) maior que a Tensão Máxima do Sistema ou menor que a
Tensão Mínima do Sistema.
Deve ser sempre maior que o mais alto ponto de ajuste de tensão definido pela Carga
Tensão máxima do
ou carga rápida, combinada com o pior caso de variação de compensação de
Sistema (Volt Sist temperatura obtido no patamar mínimo de temperatura. A margem deve permitir que
Max) a tensão de saída do retificador se eleve o suficiente para superar as quedas de tensão
no sistema (devido a resistência de cabos, perdas nos diodos e assim por diante).

Nota TENSÃO MÁXIMA DO SISTEMA


A Tensão máxima do Sistema não deve exceder o
Ponto de Ajuste da OVSD ou a tensão máxima de
operação com segurança para a carga.
Tensão mínima do Deve ser menor que o mais baixo ponto de ajuste de tensão do
Sistema (Volt Min do sistema (geralmente tensão flutuante), combinado com o pior
Sist) caso de variação de compensação de temperatura obtido no
patamar máximo de temperatura. Se o teste de bateria for
ativado, este valor deve ser menor que a tensão terminal do
teste de bateria, mas não menor que a mínima tensão de
operação segura da carga.

dezembro/2000 61
Alterando Parâmetros de Carga Manual
Os parâmetros de Carga Manual são descritos na tabela 3-3.
Tabela 3-3 Parâmetros de Carga Manual
Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou desativa a carga manual.
(Habil/Desabil)
Tensão (Voltagem) A tensão que o SM5O tenta manter na saída durante a carga
manual. Exclui os ajustes para compensação de temperatura.
Duração A máxima duração do ciclo de carga manual, em minutos.

Acesso por Menu


Para alterar os parâmetros de Carga Manual
Ê Configu do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Equaliz Manual (Carga Manual)

F Habil/Desabil (Ativado ou Desativado) (Desativado)

F Voltagem (5.0 – 80.0 V) (56.0 V)

F Duração (1 a 10000 min) (720 min)

Instruções de Configuração de Carga Manual


Tabela 3-4 Instruções de Configuração de Carga Manual
Parâmetro Instruções de configuração
Ativar/Desativar (Habil/Desabil) Consulte as especificações do fabricante da bateria quanto
às instruções de uso desta característica quando são usadas
células blindadas.
Tensão (Voltagem) Consulte as especificações do fabricante da bateria quanto à
tensão exigida.
Assegure-se de que a tensão de carga manual é menor que
o ponto de ajuste da OVSD do retificador e que a Tensão
Máxima do Sistema.
Pode ser necessário aumentar a Tensão Máxima do Sistema
e/ou a OVSD para conseguir isto, mas assegure-se de que a
carga pode operar com segurança nesta tensão.
Consulte o Instruções de Configuração do Retificador mais
adiante neste capítulo.
Duração Consulte as especificações do fabricante da bateria.

dezembro/2000 62
Alterando Parâmetros de Carga Periódica
A Figura 3-2 demonstra o ciclo de carga periódica e como os parâmetros de configuração
são usados para controlar o ciclo.

V
Duração

56.0 V
Tensão de
Carga Periódica Próximo ciclo

Primeira data
Horário

Tensão de Flutuação

54.0 V
Intervalo t

Figura 3-2 Ciclo de Carga Periódica

Parâmetros de Configuração de Carga Periódica


Tabela 3-5 Parâmetros de Carga Periódica
Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou Desativa a Carga Periódica.
(Habil/Desabil)
Tensão (Voltagem) A tensão que o SM5O tenta manter na saída durante a Carga
Periódica. Exclui os ajustes para compensação de
temperatura.
Duração A duração do ciclo de Carga Periódica.
Horário (Hora do Dia) A horário em que a Carga Periódica começa.
Primeira Data (Prim A data do primeiro ciclo de Carga Periódica. A data de início
Data) para o próximo ciclo é calculada no início do ciclo ativo.
Intervalo (Interv) O intervalo em semanas entre ciclos de Carga Periódica.

dezembro/2000 63
Acesso por Menu
Para alterar os parâmetros de Carga Periódica
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Equaliz Period (Equalização Periódica)

F Habil/Desabil (Ativado ou Desativado) (Desativado)

F Voltagem (5.0 a 80.0 volts) (56.0 V)

F Duração (1 a 10000 minutos) (600 min)

F Hora do Dia (00:00 a 23:59 em


intervalos de 1 minuto)
(15:00 hrs)

F Prim Data (1 Jan 1995 a


31 Dez 2037)
(1 Jan 1995)

F Interv (1 a 52 semanas) (26 semanas)

Instruções de Configuração de Carga Periódica


Tabela 3-6 Instruções de Configuração de Carga Periódica
Parâmetro Instruções de configuração
Ativar/Desativar Quando forem usadas células blindadas, consulte as
(Habil/Desabil) especificações do fabricante da bateria quanto às instruções de
uso desta característica.
Tensão (Voltagem) Consulte as especificações do fabricante da bateria quanto à
tensão exigida.
Assegure-se de que a tensão de Carga Periódica é menor que o
Ponto de Ajuste da OVSD do retificador e que a Tensão Máxima
do Sistema.
Pode ser necessário aumentar a Tensão Máxima do Sistema
e/ou a OVSD para conseguir isto, mas assegure-se de que a
carga pode operar com segurança nesta tensão.
Duração Consulte as especificações do fabricante da bateria.
Horário (Hora do Dia) Assegure-se de que o início de uma Carga Periódica não
coincide com algum outro processo periódico.
Primeira Data (Prim Assegure-se de que o início de uma Carga Periódica não
Data) coincide com algum outro processo periódico.
Intervalo (Interv) Assegure-se de que o efeito combinado deste parâmetro com a
Primeira Data e a Duração não causa conflitos com outros
processos periódicos.

dezembro/2000 64
Alterando Parâmetros de Carga Rápida (Recarga Automática)
Existem duas condições que provocam o início de um ciclo de carga rápida (Recarga
Automática:
Quando a Tensão na saída cai abaixo do Limiar de Tensão de Carga Rápida, mas:
As baterias se descarregaram
A carga manual não está ativa
Quando a Condição de Descarga da Bateria (expressa no total de Ah descarregados) excede uma
porcentagem da capacidade total da bateria (conforme definido no limiar de Amp-hr), mas a
Equalização Manual não pode estar ativa.

Tabela 3-7 Parâmetros de Carga Rápida (Recarga Automática)


Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou desativa a carga rápida
(Habil/Desabil)
Tensão (Voltagem) A tensão que o SM5O tenta manter na saída durante a carga
rápida.
Exclui os ajustes para compensação de temperatura.
Duração Máxima A máxima duração do ciclo de carga rápida.
(Duracao Max) O período começa quando a carga rápida começa. Uma
interrupção na carga rápida (uma falta de energia CA) é
incluída na duração.
Limiar Ah (Limiar Amp- Se o total de Ah de descarga for superior a este nível, é
Hr) iniciado um ciclo de carga rápida quando a alimentação de CA
for restabelecida. Digite esse valor como uma porcentagem da
capacidade da bateria C10.
Limiar de Tensão Quando a tensão na saída estiver abaixo deste valor durante
(Limiar Volts) uma falta de energia de CA, é iniciado um ciclo de carga
rápida quando a alimentação de CA for restabelecida.
Porcentagem de A proporção entre Ah de recarga pelo processo de carga
Recarga (Porcent rápida e Ah de descarga.
Recarga) Digite esse valor como uma porcentagem.

Acesso por Menu


Para alterar os parâmetros de Carga Rápida (Recarga Automática)
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Carga Rap (Carga Rápida)
F Habil/Desabil (Ativado ou Desativado) (Desativado)

F Voltagem (10.0 a 80.0 V) (56.0 V)

F Duração Max (1 a 10000 min) (720 min)

F LimiarAmp-Hr (1 a 200%) (25%)

F Limiar Volts (5.0 a 80.0 V) (48 V)

F Porcent Recarga (50 a 150%) (120%)

dezembro/2000 65
Instruções de Configuração de Carga Rápida (Recarga Automática)
Tabela 3-8 Instruções de Configuração de Carga Rápida (Recarga Automática)
Parâmetro Instruções de configuração
Ativar/Desativar Se esta característica for desativada, a Capacidade da
(Habil/Desabil) Bateria (no menu Bateria) deve ser configurada
corretamente.
Consulte as especificações do fabricante da bateria quanto
às instruções de uso desta característica, quando são
utilizadas células blindadas.
Tensão (Voltagem) Consulte as especificações do fabricante da bateria quanto
à tensão exigida. Assegure-se de que a tensão de carga
rápida é menor que o Ponto de Ajuste da OVSD do
retificador e que a Tensão Máxima do Sistema. Pode ser
necessário aumentar a Tensão Máxima do Sistema e/ou a
OVSD para conseguir isto, mas assegure-se de que a
carga e/ou as baterias podem operar com segurança nesta
tensão.
Duração Máxima Consulte as especificações do fabricante da bateria.
(Duracao Max)
Limiar de Ah (Limiar Consulte as especificações do fabricante da bateria.
Amp-Hr) Introduza este valor como uma porcentagem.
Limiar de Tensão Deve ser configurado com um valor suficientemente baixo
(Limiar Volts) para não ser iniciada uma carga rápida em condições
normais de operação.
Porcentagem de Consulte as especificações do fabricante da bateria.
Recarga (Porcent Digite esse valor como uma porcentagem.
Recarga)

Uma carga rápida ativa (se ativa, pendente ou suspensa) se tornará inativa quando:
1 A Condição de Descarga da Bateria é igual a zero
2 A carga rápida estiver sendo executada (no estado ativo ou suspenso) por um tempo
superiorà máxima duração de carga rápida.
3 A carga rápida é encerrada manualmente.
4 É iniciado um processo manual.
5 A Carga Rápida é desativada.

Nota: Um estado pendente de carga rápida ocorre quando uma carga rápida é iniciada
durante uma falta de energia CA.
A carga rápida se torna ativa.
É possível que, durante o estado suspenso, seja atingida a Duração Máxima e a carga
rápida seja encerrada. Isto pode fazer com que as baterias não sejam recarregadas
completamente.

dezembro/2000 66
Alterando os dados de Configuração de Descarga da Bateria
Durante a instalação inicial do sistema, são usadas as informações de configuração de
descarga da bateria contidas nas especificações do fabricante da bateria ou de um teste de
descarga para configurar a descarga da bateria. O SM50 utiliza esses dados para calcular
os valores internos de Capacidade em Ah da Bateria, Tempo de Reserva da Bateria e
Variação de Descarga.
Estes valores podem ser utilizados em alarmes do sistema ou mapeados para o display
inativo do SM50.
Durante uma descarga, os valores analógicos são coletados e armazenados em um arquivo
de registro que pode ser recuperado e analisado. Para maiores detalhes, consulte o
Registro de dados.

Visão geral do processo


A Figura 3-3 mostra o processo de descarga da Bateria

Figura 3-3 Processo de Descarga da Bateria – Visão Geral

dezembro/2000 67
Descrição do Processo de Descarga
1 Os parâmetros de Células por Banco e de capacidade em Ah das baterias definidos
pelo usuário são usados durante o teste de descarga para calcular a tensão da célula e
os Ah descarregados em seis intervalos do ciclo de descarga. Esses valores são
armazenados na tabela Teste de Descarga.
2 A Tensão Inicial e a Tensão Final definidas pelo usuário são usadas para calcular a
tensão da célula para o ponto 6 e ponto 1 da tabela Configuração de Descargas. (Os
dados do fabricante da bateria podem ser digitados na tabela de configuração de
descargas como uma alternativa de execução de um teste de descarga.)
3 O SM50 pode ser utilizado para iniciar e interromper o teste de descarga.
4 Os dados do último teste de descarga podem ser observados no display do SM50.
5 Quando os dados de descarga são aceitos, os Pontos 2 a 5 da tabela de configuração de
descarga são atualizados usando-se os resultados do último teste de descarga.
6 O SM50 calcula os valores internos de Variação de Descarga, Tempo de Reserva da
Bateria e capacidade da Bateria em Ah. Esses valores podem ser exibidos no painel
frontal do SM50, visualizados no painel frontal ou usados na configuração de alarmes
do sistema.

Para Configurar o teste de Descarga da Bateria


1 Configure os parâmetros da bateria.
a Use as especificações do fabricante da bateria para definir a classificação C10 para
cada série de baterias.
b Especifique o número de células em cada banco de baterias.
c Use o ICE, o SPM2 ou o painel frontal do SM50 para definir esses valores. Use o
caminho [Configuração do Sistema][Baterias] ao usar o painel frontal do SM50.
2 Defina os parâmetros de Teste de Descarga da Bateria. Se for usado o painel frontal do
SM50, use o caminho de menu [Configuração do Sistema][Controles do
Sistema][Teste de Descarga]. Ative o teste de Descarga. Defina outros parâmetros
como indicado abaixo. Para tanto, pode ser necessário que você digite um código de
acesso a níveis mais altos.

dezembro/2000 68
Parâmetros de Configuração de Descarga da Bateria
Parâmetro Função
Tensão Inicial A tensão de uma bateria completamente carregada. É usado
para calcular o primeiro Ponto de Tensão na Tabela de
Descarga. O parâmetro Tensão Inicial é dividido pelo
número de células por banco, para calcular o ponto de
tensão da primeira célula. Este parâmetro será configurado
como o nível de acesso do instalador.
Tensão Final A tensão de uma bateria descarregada. É usado como o
último Ponto de Tensão na Tabela de Descarga. O
parâmetro Tensão Final será dividido pelo número de
células por banco, para calcular o ponto de tensão da última
célula.
Nota: Este valor deve ser mais alto que a Tensão
Mínima do Sistema
Duração Teste Desc. A máxima duração (minutos) de um teste de descarga.
Teste Desc. Tempo de O intervalo de tempo previsto após o restabelecimento da
Espera alimentação de CA antes de ser executado um teste de
descarga.
Nível de Acesso O nível de acesso exigido para se iniciar ou interromper um
Comandol teste de descarga.

1 Defina as tensões de Células para os pontos de descarga 2-5.


a Faça isto utilizando as especificações do fabricante da bateria ou executando um
teste de descarga e salvando os dados como dados de configuração.
b Se você pretende utilizar as especificações do fabricante da bateria para definir as
tensões das células, use o ICE, o SPM2 ou o painel frontal do SM50. Utilize o
caminho [Configuração do Sistema][Baterias][Ponto n] ao usar o painel frontal do
SM50.
2 Inicie um teste de Descarga utilizando o SPM2 ou o SM50. Ao usar o painel frontal do
SM50, use o caminho de menu [Configuração do Sistema][Controle do
Sistema][Teste de Descarga].
Nota: Um Teste de Descarga inibirá outros processos manuais e periódicos.
Um teste de Descarga não será iniciado se existirem alarmes de status do retificador.
3 Verifique a validade dos dados do teste de descarga. Ao utilizar o painel frontal do
SM50, use o caminho de menu [Configuração do Sistema][Baterias][Visualizar
dados do teste].
4 Salve os dados de teste como dados de configuração. Se for utilizar o painel frontal do
SM50, use o caminho de menu [Configuração do Sistema][Baterias][Aceitar dados
do teste]. Pode ser que seja necessário digitar um código de acesso a níveis mais altos.
5 Utilize os valores internos Variação de Descarga, Tempo de Reserva da Bateria e
Capacidade Restante da Bateria nos alarmes do sistema ou mapeie-os no display
inativo do SM50.

dezembro/2000 69
Alterando Parâmetros do Teste da Bateria
Os parâmetros de teste de bateria estão descritos na tabela 3-9.
Tabela 3-9 Parâmetros do Teste da Bateria
Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou desativa um teste de bateria.
(Habil/Desabil)
Duração O máximo período de tempo que pode durar o teste da
bateria.
Tensão Final (V de A tensão na saída com a qual irá terminar o teste da
Term) bateria.
Se esta tensão for atingida antes do período de duração do
teste, o teste é interrompido.
Se o teste da bateria for ativado, a tensão final deve ser
superior à tensão mínima do sistema.
Horário (Hora do Dia) O horário em que o teste de bateria deve começar.
Primeira Data (Prim A data do primeiro teste periódico da bateria.
Data)
Intervalo (Interv) O intervalo em semanas entre testes periódicos da bateria.
Tempo de espera (Tpo O período de tempo previsto após o restabelecimento da
Bloqueio) alimentação de CA antes do início de um teste (tanto
manual como automaticamente).

Acesso por Menu


Para alterar os parâmetros do Teste da Bateria
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Teste Bater (Teste de Bateria)

F Habil/Desabil (Ativado ou Desativado) (Desativado)

F Duração (1 a 10000 minutos) (90 min)

F V de Term (5.0 a 80.0 V) (47.0 V)

F Hora do Dia (00:00 a 23:59 em


intervalos de 1 minuto)
(03:00 hrs)

F Prim Data (1 Jan 1995 a


31 Dez 2037)
(2 Jan 1995)

F Interv (1 a 52 semanas) (26 semanas)

F Tpo Bloqueio (0 a 10000 hrs) (48 Hrs)

dezembro/2000 70
Instruções de Configuração do Teste da Bateria
Utilize o seguinte roteiro quando for alterar os parâmetros de configuração do Teste da
Bateria.
Tabela 3-10 Instruções de Configuração do Teste da Bateria
Parâmetro Instruções de configuração
Ativar/Desativar Ative esta função quando for necessário um teste de bateria
(Habil/Desabil) manual ou periódico. Quando for necessário um único teste de
bateria manual (por exemplo, para caracterizar as baterias
durante o início de operação), não deixe de desativar o teste
assim que estiver concluído. Caso contrário, será executado um
teste periódico não previsto em algum momento no futuro.
Duração O valor deste parâmetro dependerá:
1. Da quantidade de corrente consumida pela carga durante o
teste da bateria.
2. Da capacidade em Ah das baterias em teste.
3. Do quanto as baterias são descarregadas durante o teste.
Nota: Não se recomendada descarregar demais as baterias.
Cada instalação será diferente – porém, todos os pontos acima
precisam ser considerados quando da seleção de um valor.
Tensão Final (V de A Tensão Final deve ser sempre maior que a Tensão de
Term) Desconexão DVB para evitar desconexões indesejáveis.
O valor da Tensão Final dependerá do quanto as baterias são
descarregadas durante o teste. Para um valor aceitável, consulte
as especificações do fabricante da bateria.
Horário (Hora do Assegure-se de que a hora de início não coincide com algum
Dia) outro processo periódico, caso contrário, o teste pode não ser
executado como esperado.
Primeira Data (Prim Assegure-se de que a data de início não coincide com algum
Date) outro processo periódico, caso contrário, o teste pode não ser
executado como esperado.
Intervalo (Interv) Assegure-se de que o efeito combinado deste parâmetro e a
Primeira Data e Duração não seja conflitante com outros
processos periódicos, caso contrário, o teste da bateria pode não
ser executado como esperado.
Tempo de Espera Este parâmetro deve ser configurado como um valor que permite
(Tpo Bloqueio) a recarga completa das baterias após uma falta de energia CA.
O estabelecimento de um valor muito baixo pode resultar em um
teste de bateria incorreto (as baterias podem ser parcialmente
descarregadas no início do teste).

dezembro/2000 71
Alterando Parâmetros de Compensação de Temperatura

A Figura 3-4 mostra como os parâmetros de compensação de temperatura controlam o


processo.

Patamar Mínimo Volts


de Temperatura 55,44
Temperatura de
Referência

54,00
Inclinação
-7.2mV/célula/oF

Patamar Máximo de Temperatura

52,56

32 ºF 68 ºF 86 ºF 104ºF

Figura 3-4 Gráfico de Compensação de Temperatura

Tabela 3-11 Parâmetros de Compensação de Temperatura


Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou Desativa a compensação de temperatura.
(Habil/Desabil)
Inclinação (Declive) Inclinação da compensação de temperatura.
Temperatura de Referência A temperatura na qual a compensação é zero.
(Temp Referen)
Patamar Mínimo de A temperatura abaixo da qual a compensação se
Temperatura (Corte baixa mantém constante.
Temp)
Patamar Máximo de A temperatura acima da qual a compensação se
Temperatura (Corte Alta mantém constante.
Temp)

Acesso por Menu


Para alterar os parâmetros de Compensação de temperatura
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Compensac Temp (Compensação de Temperatura)

F Habil/Desabil (Ativado ou Desativado) (Ativado)

F Declive (-18.0 a -0.018mV/oF/Célula) (-7.2mV/oF/Célula)

F Temp Referen (14.0 a 158.0 oF) (77 oF)

F Corte Baixa Temp (14.0 a 158.0 oF) (50 oF)

F Corte Alta Temp (14.0 a 158.0 oF) (104 oF)

dezembro/2000 72
Instruções de Configuração de Compensação de Temperatura

Tabela 3-12 Instruções de Configuração de Compensação de Temperatura


Parâmetro Descrição
Ativar/Desativar Se esta função for desativada, assegure-se de que o número de
(Habil/Desabil) células por série no menu Bateria foi definido corretamente.
Inclinação (Declive) A inclinação é sempre negativa.
Obtenha este valor nas especificações do fabricante da bateria.
Temperatura de Obtenha este valor nas especificações do fabricante da bateria.
Referência (Temp
Referen)
Patamar Mín. de Obtenha este valor nas especificações do fabricante da bateria.
Temperatura (Corte
Baixa Temp)
Patamar Máx. de Obtenha este valor nas especificações do fabricante da bateria.
Temperatura (Corte
Alta Temp)

Converta a Unidade de Temperatura (Fahrenheit < – > Celsius)


A unidade de temperatura pode ser convertida de Fahrenheit (oF) para Celsius (oC) e vice-
versa alterando-se a linguagem selecionada. Isto é feito usando-se o ICE do SPM2.
O SM50 exibirá os valores de temperatura usando as unidades configuradas para a
linguagem selecionada, enquanto os valores em tempo real e de configuração serão
sempre apresentados em (oC).
Um aplicativo externo deve consultar em (oC), mas converter a unidade de temperatura
em questão caso tenha que ser exibida em Fahrenheit.
Se for a unidade de temperatura for alterada, deve-se alterar também:
• A inclinação de compensação de temperatura.
• Os limiares de estados analógicos, onde a temperatura é a unidade analógica usada.
Pontos a Serem Observados
1 A inclinação da compensação de temperatura é expressa em mV/grau/célula. Quando
houver uma conversão de uma unidade de temperatura para outra, este valor também
deve ser convertido. Use a fórmula:
Inclinação F = Inclinação C * 1.8
O valor armazenado na base de dados estará sempre em mV/oC/célula.
2 Onde for utilizado o valor analógico temperatura para definir um estado analógico, o
valor exibido deve usar a mesma unidade que foi configurada para o sistema. Se o
canal utilizado para gerar um estado for um valor de temperatura, então o limiar do
estado analógico exibido, deve usar a unidade apropriada. (Os valores ainda serão
armazenados em oC.)
3 Os valores de temperatura nos logs de dados serão gravados em oC, apesar de exibidos
no SPM2 em oF. Quando forem utilizadas outras ferramentas de análise, você
precisará converter a unidade de temperatura.
4 Quando for configurar um estado analógico com um canal analógico interno de adição
que utiliza temperatura, a base de dados deve ser atualizada antes da configuração do
valor de limiar.

dezembro/2000 73
Alterando Parâmetros do Limite de Corrente da Bateria
Na figura 3-5, os dois gráficos demonstram como o Limite de Corrente da Bateria (LCB)
funciona quando começa um processo (como uma Carga Rápida – Recarga Automática).
O gráfico de cima traça a tensão, enquanto o de baixo traça a corrente.
O processo de carga rápida aumenta a tensão de ponto de ajuste até a tensão definida no
parâmetro de configuração Tensão da carga rápida.
As compensações A Carga
de temperatura Rápida ponto de ajuste V da CR = Comp de Temp
começa
ajustam isto (para Tensão Desejada
cima ou para
baixo) para
estabelecer a Degrau Estreito
tensão de ponto de
Degrau Largo
ajuste. O LCB
aumenta a tensão
Tensão Flutuante = Comp de Temp
desejada em
degraus largos
(gráfico de tensão)
até que a corrente
Tempo
da bateria (gráfico
de baixo) exceda o Banda inativa superior do LCB
limite da banda Limiar de LCB
inativa inferior.
Banda inativa inferior do LCB
Se a corrente da
bateria exceder o
Limiar de LCB,
mas se mantiver
dentro da banda
inativa, o LCB faz
ajustes finos na
tensão.
Se a corrente da
bateria exceder o
limite de banda
inativa superior Tempo
enquanto sobe em
degraus largos, o
LCB diminui a
tensão em degraus
largos até que a
corrente esteja
abaixo da banda
inativa superior.

dezembro/2000 74
Figura 3-5 Processo de Limite de Corrente da Bateria – gráfico
O LCB continuará a fazer ajustes finos na Tensão Desejada (mantendo a corrente dentro
da banda inativa) até a Tensão Desejada se igualar à Tensão de CR.

Dezembro2000 75
Parâmetros de Configuração do Limite de Corrente da Bateria

Tabela 3-13 Parâmetros do Limite de Corrente da Bateria


Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou desativa o Limite de Corrente da Bateria.
(Habil/Desabil)
Limiar O nível máximo de corrente da bateria que deve ser alcançado
antes que o processo de Limite de Corrente da Bateria se
torne ativo. Ele é expresso como uma porcentagem da
capacidade de Ah das baterias.
Consulte as especificações do fabricante da bateria para o
valor de Ah e para a configuração recomendada do limite de
corrente da bateria.
Banda Inativa (Faixa Os valores alto e baixo em torno do valor do limiar no qual o
Mort) processo de limite de corrente da bateria mantém a corrente
da bateria.
Isto é expresso como uma porcentagem da capacidade de Ah
das baterias.
Degrau Largo (Passo n A máxima alteração de tensão que o SM50 pode iniciar
Procesd) quando for ajustar a corrente da bateria.
Degrau Estreito (Passo A mínima alteração de tensão que o SM50 pode iniciar quando
Fino) for ajustar a corrente da bateria.

Acesso por Menu


Para alterar os parâmetros do Limite de Corrente da Bateria
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Limit Corr Bateria (Limite de Corrente de Bateria)
F Habil/Desabil (Ativado/Desativado) (Desativado)

F Limiar (1-200%) (20%)

F Faixa Mort (0.1 - 50%) (1%)

F Passo n Procesd (0.1 – 2 V) (0.5 V)

F Passo Fino (0.01 – 1 V) (0.05 V)

dezembro/2000 76
Instruções de Configuração do Limite de Corrente da Bateria
Tabela 3-14 Instruções de Configuração do Limite de Corrente da Bateria
Parâmetro Instruções de configuração
Ativar/Desativar Só ative esta característica se a capacidade C10 da bateria foi
(Habil/Desabil) ajustada corretamente.
Se o controle ativo de tensão estiver desativado, assegure-se de
que a banda inativa do CVA é menor que o Degrau Estreito do
Limite de Corrente da Bateria.
Veja também o Instruções de Configuração do Retificador mais
adiante neste capítulo.
Limiar Consulte as especificações do fabricante da bateria para as
técnicas de carga da bateria e correntes de carga recomendadas
para determinar uma configuração adequada.
Banda Inativa (Faixa Utilize uma banda inativa mais larga quando a impedância
Mort) combinada de fiação e bateria for baixa. (Pequenas alterações na
tensão podem causar grandes alterações na corrente.)
Fixar uma banda inativa larga ajudará a impedir que o processo
ajuste continuamente a tensão conforme a corrente atinge valores
abaixo e acima da banda inativa.
Degrau Largo O aumento deste parâmetro aumenta a resposta do sistema a
(Passo n Procesd) alterações no ponto de ajuste de tensão, mas pode causar
valores maiores de corrente, acima da banda inativa.
Degrau Estreito Defina degraus estreitos menores quando for utilizar bandas
(Passo Fino) inativas mais estreitas para impedir os valores altos e baixos
descritos acima.
O sistema pode responder lentamente a alterações na tensão do
sistema.

Nota: Se o LCB for ativado, você pode observar o seguinte comportamento durante uma
restauração de AC. Isto não deve ser considerado anormal.
Quando a AC é restaurada, a tensão na saída irá descer até a Tensão mínima do
Sistema, e então por um período de 25-30 segundos, subirá em degraus largos de LCB
até que seja alcançada uma corrente de bateria positiva. Um alarme de Flutuação Baixa
pode aparecer durante o estágio de subida da tensão.

dezembro/2000 77
Alterando Parâmetros de Controle de Tensão Ativo
A Figura 3-6 demonstra como os parâmetros de configuração do CVA controlam o
processo.

Alterações de Degrau em Carga


A B
I Carga

Tamanho do degrau
V Tensão do retificador pedida
Tensão de Erro x Ganho { Tensão na Saída

}Tensão de erro
Tensão Desejada

} Banda Inativa

Período de Amostragem Tensão de Erro (V Desejada – V no Bus)

Figura 3-6 Gráfico de Controle de Tensão Ativa


O Ponto A representa um grande aumento na corrente de carga com uma queda
correspondente na tensão na saída. Como conseqüência, a tensão de erro (V Desejada – V
na saída) excede a banda inativa, fazendo com que o CVA ajuste a tensão do retificador
pedida em degraus iguais a Tensão de Erro x Ganho.
O Ponto B representa a situação inversa. Uma queda na corrente de carga causa um
aumento correspondente na tensão na saída. Como conseqüência, a tensão de erro (V
Desejada – V na Saída) excede a banda inativa, fazendo com que o CVA ajuste a tensão
do retificador pedida em degraus iguais a Tensão de Erro x Ganho.
Nota: Quando a Tensão de Erro for menor que a banda inativa, não se aplicam correções
adicionais. Isto pode resultar em uma tensão de erro fixa.

dezembro/2000 78
Acesso por Menu
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Controle de Tensão
Ê Controle V ativo (Controle de Tensão Ativo)

F Habil/Desabil (Ativado ou Desativado) (Ativado)

F Peri Amostra (1.0 – 100.0 seg) (2.0 seg)

F Faixa Mort (0.0 – 1.0 V) (0.01 V)

F Ganho (0.0 a 1.0 V) (0.9 V)

F Tamanho do Degrau (0.1 a 5.0 V) (1.0 V)

F Máxima V Abaixo da V na Saída (0.1 a 5.0 V) (1.0 V)

F Limite de Controle (0.1 a 5.0) (2.0 V)

dezembro/2000 79
Parâmetros de Configuração do CVA
Tabela 3-15 Parâmetros de Configuração do CVA
Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou desativa o Controle ativo de tensão.
(Habil/Desabil)
Período de Amostragem O tempo, em segundos, entre ciclos de controle de tensão
(Peri Amostra) sucessivos.
Banda Inativa (Faixa Controla a magnitude da máxima diferença permitida entre a
Mort) Tensão na saída e a Tensão Desejada. Se a magnitude da
diferença exceder este valor, o Controle ativo de tensão ajusta
a tensão de saída do retificador para garantir que a diferença é
mantida menor que este valor de banda inativa. Caso
contrário, nenhum ajuste é feito na tensão do retificador.
Ganho A fração da diferença entre a Tensão na saída e a Tensão
Desejada que é acrescentada à Tensão Base do retificador
para corrigir erros de tensão.
Tamanho do Degrau A quantidade máxima que a tensão do retificador pode alterar
em um único degrau.
Máxima V Abaixo da V O valor máximo abaixo da Tensão na saída para o qual a
na saída Tensão Base do Retificador pode cair.
Limite de Controle O valor máximo pelo qual o processo de Controle ativo de
tensão pode ajustar a Tensão Base do Retificador para uma
dada Tensão Desejada. Isto restringe a variação de tensões
que podem ser enviadas aos retificadores para Tensão
Desejada = Limite de Controle.
Nota: Se Tensão Desejada < Tensão na saída, o parâmetro
Máxima V Abaixo da V na saída determina o valor da
Tensão Base do Retificador.
A Tensão Base do Retificador está restrita à Tensão na
saídas menos a Máxima V Abaixo da V na saída quando
o CVA tenta ajustar a Tensão Base do Retificador para
ser menor que a Tensão na saída menos a Máxima V
Abaixo da V na saída.

dezembro/2000 80
Instruções de Configuração do CVA
Tabela 3-16 Instruções de Configuração do CVA
Parâmetro Regras ou condições
Ativar/Desativar Quando são prováveis grandes alterações na corrente de carga,
(Habil/Desabil) considere desativar o CVA. Especialmente quando há pouca
diferença entre a máxima tensão de operação com segurança da
carga e o ponto de ajuste da OVSD, o CVA pode causar como
resultado uma atuação de OVSD.
Grandes alterações na corrente de carga podem causar erros de
tensão transitórios quando o CVA é desativado. O CVA eliminará
rapidamente a tensão de erro uma vez que a corrente de carga se
torne estável. Este é um comportamento normal.
Se o Limite de Corrente da Bateria for desativado, configure o período de amostragem para 2
Período de
segundos. Um período de amostragem mais baixo pode causar uma corrente da bateria
Amostragem (Peri instável quando o Limite de Corrente da Bateria estiver ativo.
Amostra) Se o Limite de Corrente da Bateria for desativado, este parâmetro
pode ser configurado para um valor mais baixo para se obter uma
resposta do sistema mais rápida. Neste caso, pode ser necessário
diminuir o Ganho.
Veja também Ganho abaixo.
Banda Inativa Se o Limite de Corrente da Bateria for desativado, a Banda Inativa
(Faixa Mort) é configurada para um valor mais baixo que o Degrau Estreito do
Limite de Corrente da Bateria. Isto permite que o CVA faça
pequenos ajustes na tensão do sistema, o que, por sua vez, irá
causar pequenas alterações na corrente da bateria.
Ganho Consulte o Período de Amostragem. Normalmente, este é um item
de acesso pelo fabricante e não pode ser alterado. Por favor,
consulte seu agente Swichtec se este valor precisar ser alterado.
Tamanho do Normalmente, este é um item de acesso pelo fabricante e não pode
Degrau ser alterado. Por favor, consulte seu agente Swichtec se este valor
precisar ser alterado.
Máx V Abaixo da V Normalmente, este é um item de acesso pelo fabricante e não pode
na saída ser alterado. Por favor, consulte seu agente Swichtec se este valor
precisar ser alterado, particularmente se os Alarmes de Falha do
Retificador estiverem ocorrendo durante os testes de bateria.
Limite de Controle Nos casos onde há uma grande queda de tensão entre o
barramento de saída do retificador e o cabo sensor de tensão do
SM50, este parâmetro deve ser configurado, assim a tensão de
saída do retificador pode subir alto o suficiente para superar as
quedas de tensão do sistema. Isto permitirá que a Tensão
Desejada seja alcançada no cabo sensor de tensão. Como este é
um parâmetro de acesso somente pelo fabricante, consulte seu
agente Swichtec.

dezembro/2000 81
Alterando Parâmetros da Desconexão por Tensão Baixa (DVB)
A Figura 3-7 demonstra o objetivo dos vários parâmetros de configuração da DVB. Na
tabela 3-17 abaixo é fornecida uma descrição de cada parâmetro.

Tensão de Nova Conexão

Tensão de Desconexão

V na
saída

Tempo de
Reconhecimento

Inativo Período de Inibição


Estado
da DVB
Ativo

Tempo

Figura 3-7 Diagrama de Tempo da Desconexão de Volts Baixos

Parâmetros de Configuração da DVB


Tabela 3-17 Parâmetros da Desconexão por Tensão Baixa (DVB)
Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou desativa a característica DVB.
(Habil/Desabil) Quando desativado, o processo de DVB monitora a Tensão na
saída e desconecta as baterias da carga quando a Tensão na
saída cai abaixo de um valor configurado. Isto evita danos na
bateria causados pela descarga profunda.
Tensão de Desconexão A tensão abaixo da qual as baterias são desconectadas.
(Descon Voltagem)
Tensão de Nova A tensão acima da qual as baterias são conectadas
Conexão (Re-Conect novamente.
Voltg)
Tempo de O período de tempo, em segundos, durante o qual a tensão
Reconhecimento (Tpo deve se manter continuamente abaixo da Tensão de
Reconhec) Desconexão ou acima da Tensão de Nova Conexão antes que
a DVB altere o estado.
Período de Inibição O período de tempo, em segundos, imediatamente após uma
(Peri Proibida) alteração de estado pela DVB, em que a operação da DVB é
inibida. Este parâmetro pode ser utilizado para limitar o
número máximo de ciclos de conexão/desconexão que a DVB
faz em um período de tempo.

dezembro/2000 82
Acesso por Menu

Para alterar os parâmetros da DVB


Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controles do Sistema)
Ê Descon Baixa Volt (Desconexão Baixa Tensão)

F Habil/Desabil (Ativado ou Desativado) (Desativado)

F Descon Voltgem (0.0 a 80.0 volts) (44.0 volts)

F Re-Conect Voltg (0.0 a 80.0 volts)(48 volts)

F Tpo Reconhec (1 a 600 segundos)(10 segundos)

F Peri Proibido (1 a 600 segundos) (10 segundos)

Instruções de Configuração da DVB


Tabela 3-18 Instruções de Configuração da DVB
Parâmetro Instruções de Configuração
Ativar/Desativar Só ative esta característica se um módulo de DVB estiver
(Habil/Desabil) instalado.
Assegure-se de que os alarmes de Falha da DVB e Manual da
DVB estão também desativados (se for apropriado para o tipo
de módulo de DVB utilizado).
Tensão de Desconexão Este valor deve ser mais baixo que a Tensão de Nova
(Descon Voltagem) Conexão (isto é reforçado pelo SM50). Consulte os dados do
fabricante da bateria (ou do fabricante da carga) para um valor
adequado.
Se o Teste da Bateria estiver desativado, assegure-se de que a Tensão Final do Teste da
Bateria é mais alta que a Tensão de Desconexão (caso contrário, pode ocorrer uma
desconexão de DVB indesejável).
Consulte Alterando Parâmetros de Controle de Tensão no
começo deste capítulo para informações relacionadas à
Tensão Mínima do Sistema.
Tensão de Nova Este valor deve ser mais alto que a Tensão de Desconexão
Conexão (Re-Conect (isto é reforçado pelo SM50).
Voltg)
Tempo de Fornece tempo suficiente para evitar a operação de DVB
Reconhecimento (Tpo devida a Tensões na saída transitórias. Se for utilizado o
Reconhec) Desligamento do Retificador, este parâmetro deve ser maior
que o Tempo para Reiniciar o Retificador (recomendado). Isto
dá aos retificadores desligados tempo suficiente para serem
ligados e aumentarem a Tensão na saída acima da Tensão de
Desconexão, evitando desconexões de DVB indesejáveis.
Período de inibição Se utilizar uma DVB diferente da DVB da Swichtec, obtenha
(Peri Proibido) as especificações do máximo número de operações que a
DVB pode fazer em um período de tempo e configure este
parâmetro para aquele valor.

dezembro/2000 83
Alterando Parâmetros da Divisão de Corrente
Você pode ativar ou desativar a Divisão de Corrente. Outros parâmetros não podem ser
alterados sem uma consulta prévia ao seu Agente Swichtec.
A Divisão de Corrente desativada não irá alterar significativamente o modo como o
controle de Tensão funciona, mas pode ter um efeito no tempo de vida de seus
retificadores.

Parâmetros de Configuração da Divisão de Corrente


Tabela 3-19 Parâmetros de Configuração da Divisão de Corrente
Parâmetro Descrição
Ativar ou Desativar Ativa ou desativa a Divisão de Corrente.
(Habil/Desabil)
Corrente de Banda A máxima diferença permitida entre a corrente média de saída
Inativa (Corrte Faixa do retificador e a corrente de saída para cada retificador
Mort) individual.
Se for excedido este valor, o SM50 faz pequenos ajustes na
tensão de saída do retificador para uma divisão de carga
uniforme.
Máx Degrau de A máxima alteração na corrente do retificador que pode ser
Corrente (Max Passo feita em um único degrau.
Corrt.)
Período de Amostragem O tempo, em segundos, entre ciclos sucessivos de divisão de
(Peri Amostra) corrente.

Acesso por Menu

Para alterar os parâmetros da Divisão de Corrente


Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Controles do Sist (Controle do Sistema)
Ê Parlha Corrente (Divisão de Corrente)

F Habil/Desabil (Ativado ou Desativado) (Ativado)

F Corrte Faixa Mort (0.0 a 10.0 A) (1.0 A)

F Max passo Corrt. (0.0 a 1000.0 A) (5.0 A)

F Peri Amostra (1 a 100 seg) (5 seg)

dezembro/2000 84
Instruções de Configuração da Divisão de Corrente
Tabela 3-20 Instruções de Configuração da Divisão de Corrente
Parâmetro Instruções de Configuração
Ativar/Desativar Se a Divisão de Corrente for desativada:
(Habil/Desabil) • O tempo de vida de seus retificadores pode ser afetado.
• O processo de controle de tensão não é afetado.

Corrente de Banda Não configure menos que 1 a 2% que a corrente do retificador


Inativa (Corrte faixa considerada.
Mort) Uma banda inativa estreita fará com que o processo de divisão
de corrente ajuste continuamente a tensão de saída do
retificador.
Uma banda inativa larga pode causar um desequilíbrio de
corrente entre os retificadores.
Máx Degrau de Configure em 10% da corrente do retificador considerada.
Corrente (Masc passo Se for muito pequena, o sistema pode ficar lento para alcançar
Corrt.) o ponto de equilíbrio de corrente.
Período de Pode ser necessário configurar um Período de Amostragem
Amostragem (Peri mais curto, com cargas que flutuem amplamente.
Amostra)

dezembro/2000 85
Alterando Parâmetros de Especificação da Bateria
Nota: A alteração dos parâmetros de Especificação da Bateria irá influenciar o resultado de
Compensação de Temperatura, Teste da Bateria e Limite de Corrente da Bateria.
As especificações da bateria incluem:
• O número de células por banco
• A capacidade total da bateria
• Os dados de descarga da bateria
Os dados de células por série e capacidade total da bateria devem ser obtidos do fabricante da
bateria. Os dados de descarga da bateria são obtidos de um teste de descarga da bateria.
Consulte Reunindo os Dados de Descarga da Bateria mais adiante neste capítulo.

Tabela 3-21 Parâmetros de Configuração da Bateria


Parâmetro Descrição
Células por Banco (Cel O número de células no banco de baterias.
por Sequencia)
Capacidade Total da A capacidade de Ah de todos os bancos de bateria.
Bateria (Capac Total da
Bat)
Dados de Descarga São necessárias seis tensões de células predefinidas e
(Descon Dados) suas correspondentes capacidades de célula para
caracterizar a bateria. A partir disto, pode ser feita uma
estimativa para a capacidade restante da bateria (em Ah) e
para o tempo restante de bateria (em minutos).
Para instruções sobre o cálculo destes dados, consulte
Reunindo os Dados de Descarga da Bateria mais adiante
neste capítulo.

dezembro/2000 86
Acesso por Menu
Para alterar os parâmetros de Configuração da Bateria
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Baterias

F Cel por Seqüência (0 a 30) (24)

F Capac Total da Bat (0 – 50000 Ah) (300)

Instruções de Configuração das Especificações da Bateria


Tabela 3-22 Instruções de Configuração das Especificações da Bateria
Parâmetro Instruções de Configuração
Células por banco (Cel Isto é determinado pelo número de células no banco de
por Sequencia) baterias ou, quando são utilizadas múltiplas séries, o número
de células em uma única série.
Isto deve ser configurado corretamente para que a
Compensação de Temperatura e a Capacidade da Bateria
funcionem corretamente.
Capacidade Total das Obtenha isto das especificações do fabricante da bateria.
Baterias (Capac Total Se forem utilizadas múltiplas séries de baterias, ele será a capacidade
da Bat) combinada de todas as séries.
Este parâmetro deve ser configurado corretamente para que o
Limite de Corrente da Bateria e a Capacidade da Bateria
funcionem corretamente.
Dados de Descarga Estes dados podem ser obtidos durante um Teste de Bateria.
(Descon Dados) Consulte Reunindo os Dados de Descarga da Bateria mais
adiante neste capítulo.

dezembro/2000 87
Alterando Parâmetros do Retificador
Os parâmetros particulares do retificador não podem ser alterados. Feitas as alterações,
aplique a todos os retificadores registrados.
Tabela 3-23 Parâmetros do Retificador
Parâmetro Descrição
Retificadores/unidade O número de retificadores por unidade. A unidade pode ser um IPS ou um
compartimento dentro de um IPS.
O endereço do retificador é obtido do endereço da unidade e do slot dentro da unidade.
Offset de Endereço Este valor é acrescentado ao endereço do retificador quando convertido para um
(Endereçamento) endereço IPS. Isto permite que o software do SM50, versão 2.51 e mais recentes se
comuniquem com os compartimentos de largura 3 do tipo mais antigo.
Limite de Corrente (Limit A máxima corrente de saída do retificador.
Corrente)
Ponto de Ajuste da OVSD A tensão de saída do retificador, que quando excedida causa um desligamento
(Pto Ajust OVSD) automático do retificador. Isto protege o equipamento conectado ao sistema de fonte de
energia.
Modo da OVSD (Modo Determina como a OVSD opera.
OVSD) No modo Inclinação, o retificador diminui o ponto de ajuste da OVSD conforme a
corrente aumenta. Quando o retificador estiver funcionando em uma corrente
considerada, as atuações da OVSD se a tensão de saída exceder o valor deste
parâmetro.
No modo Sem Inclinação, o retificador é desligado quando a tensão de saída exceder o
ponto de ajuste da OVSD e o retificador estiver fornecendo alguma corrente. Se o
retificador não estiver fornecendo nenhuma corrente de saída, o ponto de atuação ocorre
em uma tensão um tanto mais alta. (Isto evita desligamentos sem carga indesejáveis).
Atraso na Inicialização O período de tempo (em segundos) que o retificador espera antes de começar a levantar
(Retardo no Inic) sua corrente de saída durante a série de ligação.
Modo da Ventoinha (Modo Determina o modo de funcionamento da ventoinha do retificador. No Modo termostato,
Vent) a ventoinha funciona sempre que a temperatura do dissipador do retificador exceder a
Temperatura de Acionamento da Ventoinha.
No Modo proporcional, a velocidade da ventoinha aumenta conforme a temperatura do
dissipador aumenta. A ventoinha começa com 50% da velocidade quando a temperatura
do dissipador estiver abaixo de 50oC (122oF) e atinge 100% quando a temperatura do
dissipador tiver aumentado até 52oC (125.6oF).
Temperatura de A temperatura do dissipador que, quando excedida, causa o funcionamento da ventoinha
Acionamento da Ventoinha (somente no Modo termostato).
(Temp Vent Lig)
Período de Teste da O tempo, em segundos, que decorre entre os testes da ventoinha. O retificador inicia o
Ventoinha (Peri Teste Vent) teste. (Só se aplica ao modo termostato).
Impedância de Saída do Utilizado pelo SM50 no processo de Divisão de Corrente. Consulte seu Agente Swichtec
Retificador (Imped O/P se você quiser alterar este parâmetro.
Rect)
Limite de Tensão Baixa Isto determina o ponto no qual os retificadores informam alarmes de tensão DC baixa
(Limit Baixa Volt) para o SM50. Também é iniciado um alarme de retificador não urgente.
Tensão Default (Volt A tensão de saída do retificador desejada quando se perde a comunicação com o SM50.
Padrao)
Limite de Corrente Default A máxima corrente de saída do retificador quando se perde a comunicação com o SM50.
(Limit Corr Dftl)
Inclinação de Subida de O/P A taxa em A por segundo na qual o retificador aumenta seu nível de limite de corrente
(Declive Rampa Ascend) enquanto está sendo ligado.
Limiar de CA Baixa (Limiar O ponto de ajuste de tensão CA abaixo do qual o retificador começa a limitar sua
CA Baix) corrente de entrada. Ao mesmo tempo, o retificador gera um alarme de tensão CA baixa.

Nota: Nem todos os parâmetros são utilizados no processo de controle.

dezembro/2000 88
Acesso por Menu
Para alterar os parâmetros do Retificador
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Retificador

F Compartimentos

F Retificadores /unidade (1 - 128) Veja Nota 2

F Endereçamento 0 ou 1 Veja Nota 2

F Limit Corrente (0.0 a 1000.0 ampères) Veja Nota

F Pto Ajust OVSD (0.0 a 80.0 V) Veja Nota

F Modo OVSD (Inclinação ou Não Inclinação)Veja Nota

F Retardo na Inic (2 a 600 seg) Veja Nota

F Modo Vent (Termostato ou


Proporcional)
Veja Nota

F Temp Vent Lig (32.0 a 212.0 oF) Veja Nota

F Peri Teste Vent (3600 a 918000) Veja Nota

F Limit Baixa Volt (0.0 a 80.0 V) Veja Nota

F Volt Padrao (0.0 a 80.0 V) Veja Nota

F Limite Corr Dftl (0.0 a 1000.0 As) Veja Nota

F Declive Rampa Ascend (1 a 255 A/seg) Veja Nota

F Limiar CA Baix (1 a 255 V) Veja Nota

Nota: Os valores típicos não estão incluídos acima, pois eles variam entre os modos de
retificadores. Consulte a tabela seguinte para estes detalhes.
Para Grandes sistemas, os valores são 16 e 0, respectivamente. Para sistemas médios, os
valores são 3 e 1, respectivamente.

dezembro/2000 89
Tabela 3-24 Parâmetros do Retificador – valores típicos
1524 1848 2924 2948 5848
Limite de Corrente 60 A 40 A 120 A 60 A 120 A
Ponto de Ajuste da 29 V 58 V 29 V 58 V 59 V
OVSD
Modo da OVSD Inclinação Inclinação Inclinação Inclinação Inclinação
Atraso na Inicialização 15 s 15 s 15 s 15 s 4-6 s
Modo da Ventoinha Sem Sem Proporcional Proporcional Proporcional
ventoinha ventoinha
o o
Temperatura de Sem Sem 50oC (122oF) 50 C (122 F) N/A
Acionamento da ventoinha ventoinha
Ventoinha
Período de Teste da Sem Sem 43200 s 43200 s N/A
Ventoinha ventoinha ventoinha
Limite de Tensão Baixa 24 V 48 V 24 V 48 V 45 V
Tensão Default 26 V 58 V 27 V 54 V 54 V
Limite de Corrente 50 A 40 A 100 A 50 A 120 A
Default
OVSD Default 26 V 58 V 29 V 58 V 59 V
Inclinação de Subida de 25 A/s 25 A/s 20 A/s 10 A/s 20 A/s
O/P
Limiar de CA Baixa 180 V 180 V 180 V 180 V 323 V/fase

dezembro/2000 90
Instruções de Configuração do Retificador
Tabela 3-25 Instruções de Configuração do Retificador
Parâmetro Instruções de Configuração
Retificadores/unidade Quando estiver utilizando compartimentos de largura 3-5, configure
este parâmetro com o número de retificadores por compartimento.
Para compartimentos de largura 1, ou onde o número de
compartimentos por gabinete variar, configure este parâmetro com 1.
Ele também pode ser configurado com o número de
compartimentos por gabinete.
Offset de Endereço Em compartimentos de largura 3, utilizando retificadores série 2
(Endereçamento) 900, 1 500 e 1 800, configure este parâmetro com 1. Quando
estiver utilizando retificadores serie 5 800 de largura 1,
configure este parâmetro com 0. A configuração default é 1.
Limite de Corrente Configure com a corrente de saída do retificador considerada.
(Limite Corrente) Se a corrente da bateria precisar ser limitada, NÃO configure
este parâmetro com um valor mais baixo – em vez disto, utilize
a característica de Limite de Corrente da Bateria.
Ponto de Ajuste da Configure este parâmetro maior que a configuração de Tensão
OVSD (Pto Ajust Máxima do Sistema (por aproximadamente 0.75 a 1.5 V) para
OVSD) evitar atuações de OVSD falsas.
Assegure-se de que a carga possa operar com segurança nesta
tensão.
Modo da OVSD A seleção do modo inclinação ajudará a evitar atuações de
(Modo OVSD) OVSD falsas, especialmente com correntes de carga que
podem mudar rapidamente.
Atraso na Inicialização Se a LVD for desativada e for utilizado o Desligamento do
(Retardo no Inic) Retificador, este parâmetro não deverá exceder o Tempo de
Reconhecimento da LVD.
Isto permitirá que o horário do SM50 reinicie os retificadores
antes que ocorra uma atuação de LVD.
Modo da Ventoinha É preferível usar o modo termostato para prolongar a vida da
(Modo Vent) ventoinha.
Temperatura de A configuração desejada é 40 a 50 oC (104 a 122 oF).
Acionamento da Configurações mais baixas que esta causarão desgaste
Ventoinha (Temp Vent desnecessário da ventoinha. Configurações mais altas que esta
Lig) podem reduzir a vida do retificador.
Período de Teste da Recomenda-se a cada 12 horas.
Ventoinha (Peri Teste
Vent)
Impedância de Saída Configure para metade da impedância de saída real do
do Retificador (Imped retificador.
O/P Rect) Consulte seu Agente Swichtec se você desejar alterar isto.
Limite de Tensão Configure este parâmetro para ser mais baixo que a tensão
Baixa (Limit Baixa mais baixa em que o sistema irá operar sob circunstâncias
Volt) normais. Isto evitará alarmes de tensão baixa indesejáveis.

dezembro/2000 91
Tabela 3-25 Instruções de Configuração do Retificador (cont.)

Parâmetro Instruções de Configuração


Tensão Default (Volt Isto deve ser igual à tensão flutuante e maior que a tensão de nova
Padrao) conexão da LVD.
Isto permite que o SM50 conecte novamente a LVD em situações em
que ele perdeu a comunicação com os retificadores e houve uma
atuação de LVD.
Limite de Corrente Default Isto deve ser igual ao Limite de Corrente do retificador.
(Limit Corr Dftl)
OVSD Default Isto deve ser igual aa OVSD.
Inclinação de Subida de Configure a subida da corrente de saída para ser lenta o suficiente
O/P (Declive Rampa para limitar quaisquer ondas de corrente e ainda rápida o suficiente
Ascend) para permitir que o sistema se torne operacional o mais rápido
possível.
Limiar de CA Baixa Se houver necessidade de se limitar a corrente de entrada do
(Limiar CA Baix) retificador, este parâmetro deverá ser ajustado utilizando-se a
fórmula:
Energia de Saída do Retificador
Limiar de AC Baixa = ----------------------------------------------------------
Corrente de Entrada AC * Eficiência do
Retificador
onde:
Energia de Saída do retificador é a saída da fonte de energia do retificador
considerada
Corrente de Entrada CA é a máxima corrente de entrada
Eficiência do Retificador é aproximadamente 0.9 (90%)
Valores de configuração abaixo de 180V resultarão em comandos do
retificador rejeitados.

dezembro/2000 92
Configurando Comunicações Remotas com o SM50
Configurando Comunicações Remotas – Visão Geral das Tarefas
Para configurar o SM50 para comunicações remotas,
1 Configure a porta traseira do SM50.
2 Configure o controle de fluxo com Hardware.
3 Defina o protocolo a ser utilizado.
4 Defina os endereços do SM50.
5 Configure baud rates.
6 Se for utilizar um modem, configure as funções de resposta automática e discagem
automática.
7 Configure o relé da fonte de energia do modem do SM50 (opcional quando se utiliza
um modem).
8 Configure a verificação de integridade do modem (opcional quando se utiliza um
modem).
9 Ative comunicações Remotas.

Opções de Configuração das Portas do SM50


Utilize o ICE ou o painel frontal do SM50 para configurar as portas do SM50. Se
for usar o painel frontal do SM50, você encontrará esta opção embaixo de
[Configuração do Sistema][Ajustes Comando]. Quando for definir os endereços
de IP do SM50 ou S3P, utilize o caminho de menu [Configuração do
Sistema][Identidade].

dezembro/2000 93
Tabela 3-26 Opções de configuração das portas do SM50

Parâmetro de configuração Painel Painel Painel Painel


Frontal traseiro traseiro traseiro
RS232 RS232 RS422 RS485
Protocolo (l) S3P/SNMP S3P/SNMP S3P S3P
Baud rate (l) (ll) 1200,2400,4 1200,2400,48 1200,2400,48 1200,2400,4
(Taxa de Bouds)
800,9600, 00,9600, 00,9600, 800,9600,
19200 19200 19200 19200
Endereço de IP (l) (ll) 0.0.0.0, 0.0.0.0,
255.255.255.255, 255.255.255.255,
não pode ser usado não pode ser usado como
como um endereço de IP um endereço de IP
Endereço de IP Remoto (l) (ll) 0.0.0.0, 0.0.0.0,
255.255.255.255, 255.255.255.255,
não pode ser usado não pode ser usado como
como um endereço de IP um endereço de IP
Endereço S3P (l) (ll) 1-65534 1-65534 1-65534 1-65534
Conexão física Conector de Conector de 9 Header de Header de
9 pinos D pinos D placa de placa de
terminal de 6 terminal de
pinos 6 pinos
Número de bits 8 bits 8 bits 8 bits 8 bits
Stop bit 1 1 1 1
Paridade Nenhuma Nenhuma Nenhuma Nenhuma
Controle de fluxo Hardware Hardware ou Nenhum Nenhum
ou nenhum nenhum

Configurar Funções de Discagem Automática (Somente comunicações com modem)

Utilizando o caminho de menu [Configuração do Sistema][Comandos do


Sistema][Porta Traseira][Ajuste Modem], configure os seguintes parâmetros:

Tabela 3-27 Opções para Configuração de Discagem Automática

Parâmetro Função do Parâmetro


Ativa/Desativa Ativa ou desativa a função de modem do SM50. Se houver um
(Habil/Desabil) modem presente, isto deve ser desativado. Caso contrário,
deve ser desativado.
Toques de Resposta (0-99) 0 desativa a resposta automática.
Automática (Aneis
Resposta Auto)
Configuração Aux 1 A seqüência de inicialização do modem. Utilize a configuração
(Ajustes Aux 1) 2 se a seqüência exceder 20 caracteres. Veja Seqüências de
Inicialização do Modem acima.
Configuração Aux 2 A seqüência de inicialização do modem que está concatenada
(Ajustes Aux 2) com a primeira.
Número Primário O número de telefone do primeiro contato.
Número Secundário O número de telefone em backup.

dezembro/2000 94
Timeout de Conexão O número de segundos pelos quais o SM50 esperará por uma
(Tpo Espera p/ Conex) conexão de modem.
Núm. máx de retries O número máximo de tentativas de se estabelecer uma
(Max Retries) conexão com o número primário que falharam.
Intervalo de retry (Volte O tempo em segundos entre tentativas de retry.
Tentar Interv)
Manutenção (Intervalo O intervalo (em segundos) entre as verificações do SM50 do
Manutenção) seu status de comunicação com o modem.

dezembro/2000 95
Configurar o relé da fonte de energia do modem do SM50 (opcional quando se
utiliza um Modem)
Se você tiver instalado um modem onde sua fonte de energia é controlada pelo relé do
SM50, configure este relé como se segue:
1 Utilizando o display do SM50, selecione [Configuração do Sistema][Relés][Canais
Mapeados]. Especifique o relé usado para controlar a fonte de energia do modem.
(Em situações normais, ele deve ser Relé 4).
2 Assegure-se de que o relé está configurado como normalmente aberto.

Configurar a verificação de integridade do modem (opcional quando se utiliza


um Modem)
Utilizando o ICE, o SPM2 ou o painel frontal do SM50, especifique o intervalo (em
segundos) entre a verificação de integridade do Modem. Este é um processo que
envolve o SM50 verificando que ele é capaz de se comunicar com o modem. Se
utilizar o SM50, você encontrará esta opção em [Configuração do
Sistema][Comandos do Sistema][Porta Traseira][Ajustes Modem] [Manutenção].

Configurar o alarme de falha do modem (opcional quando se utiliza um Modem)


Se o SM50 não for capaz de se comunicar com o modem, o estado interno Modemfuncionando é configurado
como ativo. Se você quiser monitorar este estado utilizando um relé do SM50 externo, configure um alarme
e atribua este estado ao alarme. Para instruções detalhadas, consulte o Guia do Usuário do SM50. Este guia
fornece instruções de como atribuir estados internos a alarmes.
Ativar comunicação remota
1 Obtenha o código Coms desativadas nos documentos enviados que acompanham o
equipamento. Se o sistema de fonte de energia já estiver instalado e você estiver
instalando comunicações remotas para melhorar o rendimento, utilize o display do
SM50 para obter o número de série da CPU. Você encontrará isto em [Configuração
do Sistema][Identidade]. Cite este número de série para o Suporte ao Cliente da
Swichtec/BTR para obter o código de ativação de Coms.
2 Introduza este código no SM50. Você encontrará isto embaixo de [Configuração do
Sistema][Comandos do Sistema][Ativar Comandos]
3 Reinicie o SM50.

dezembro/2000 96
Configurando os Parâmetros de Resposta Automática do Modem
Utilizando uma conexão RAS ou DUN, é possível discar para um SM50 utilizando o ICE
ou o SPM2.
Para usar esta característica, assegure-se de que os seguintes parâmetros estão
configurados corretamente:
Tabela 3-28 Parâmetros de Configuração de Discagem Automática
Parâmetro Função Valor Default
Modem Presente Utilizado pelo SM50 para determinar Desativado
se um modem está conectado.
Configure este parâmetro como
desativado.
Toques de Resposta O número de toques antes que o 0 desativa a resposta
Automática (Aneis modem atenda automaticamente. automática
Resposta Auto)
Mapeamento do Relé Define qual relé do SM50 controla a Nenhum
da Fonte de Energia do fonte de energia para o modem.
Modem
Configuração de Uma seqüência de inicialização para o Vazio
modem auxiliar modem contendo configurações
auxiliares como compressão ou
controle de erros. Esta seqüência é
acrescentada à seqüência de
inicialização interna. (Comprimento
máximo de 40 caracteres)
Nota: Estas seqüências devem ser
acrescentadas utilizando o
ICE ou o SMP2, pois não
existem as teclas “&\%*= no
teclado do SM50.

Alterando Endereços de IP
A interface externa entre o SM50 e o Software de Gerenciamento da Fonte de Energia
utiliza os endereços de IP dentro de um link SLIP.

Tabela 3-29 Endereços


Parâmetro Descrição
Endereço de IP O endereço de IP da porta traseira do SM50. Este é o
endereço da porta traseira do próprio SM50.
Endereço de IP Remoto O endereço de IP Remoto da porta traseira do SM50. Este
é o endereço de IP do dispositivo ao qual o SM50 está
conectado.

dezembro/2000 97
Acesso por Menu
Para alterar os parâmetros de Monitoração Remota
Ê Config do Sist (Configuração do Sistema)
Ê Identificação

F Endereço de IP (Qualquer endereço válido de IP (2.1.1.1)


exceto 0.0.0.0, 1.1.1.1,
1.1.1.2 e
255.255.255.255)

F Endereço de IP Remoto (Qualquer endereço válido de IP (2.1.1.2)


exceto 0.0.0.0, 1.1.1.1,
1.1.1.2 e
255.255.255.255)

Instruções de Configuração de Endereços de IP


Tabela 3-30 Instruções de Configuração de Endereços de IP
Parâmetro Instruções de Configuração
Endereço de IP O SM50 aceitará qualquer endereço válido
“decimal com pontos” no formato A.B.C.D, onde A,
B, C e D são números no intervalo de 0 a 255 (isto
é o equivalente a um número de 32 bits, com cada
elemento representando um byte). O endereço não
pode ser o mesmo que o endereço de IP remoto.
Veja também Endereços de IP Inválidos abaixo.
A alocação de endereços depende do operador de
rede, sendo que alguns endereços têm
possivelmente um significado especial.
Endereço de IP Conforme descrito acima, exceto que o endereço
Remoto não pode ser o mesmo que o endereço de IP da
porta traseira.

Endereços de IP Inválidos
Os seguintes Endereços de IP não devem ser utilizados como o endereço de IP da porta
traseira ou endereço de IP remoto da porta traseira:
• 0.0.0.0
• 255.255.255.255
• 1.1.1.1

dezembro/2000 98
Detalhes de Instalação de Cabos de Modem NULL
As seguintes tabelas resumem os detalhes de instalação de cabos para os conectores de
porta serial de 9 pinos e de 25 pinos.
Tabela 3-31 Detalhes de instalação de cabos de Modem NULL – 9 pinos
Conector de porta Conector de porta serial do Sinal
serial do host remoto sistema que fez a chamada
3 2 Dados Transmitidos
2 3 Dados Recebidos
7 8 Pedir para Enviar
8 7 Apagar para Enviar
6,1 4 Ajustes de Dado
Pronto e detectado
carrier
5 5 Sinal de Terra
4 6,1 Terminal de dados
pronto

Tabela 3-32 Detalhes de instalação de cabos de Modem NULL – 25 pinos


Conector de porta Conector de porta serial do Sinal
serial do host remoto sistema que fez a chamada
2 3 Dados Transmitidos
3 2 Dados Recebidos
4 5 Apagar para enviar
5 4 Pedir para Enviar
6,8 20 Ajuste de Dado
Pronto e detectado
carrier
7 7 Sinal de Terra
20 6,8 Terminal de Dados
pronto

dezembro/2000 99
Alterando Parâmetros de Configuração de Registros de Dados

Visão geral do processo de registros de dados


Durante um evento específico, o registro de logs captura e armazena uma variedade de
valores do sistema e os guarda no SM50. Os logs de Novos Eventos e logs de novos
dados são recuperados cada vez que uma aplicação SNMP como o SPM2 envia poll ao
IPS. (Veja recuperando logs de dados e de eventos abaixo). Os registros de logs são
acrescentados a arquivos de texto delimitados por tabulações que podem ser analisados
no futuro, com a utilização de planilhas ou outras ferramentas de análise adequadas.

O registros permite que você descubra:


• Tendências de descarga da bateria
• Tendências de corrente de carga
• Tendências de Corrente da Bateria
• Tendências de Tensão de saída
• Condições de alarme
• Tendências de falha de equipamento

dezembro/2000 100
Eventos que causam o registros
Os eventos atuam como um gatilho, fazendo com que os valores do sistema sejam
coletados e armazenados no registro de dados e no registro de eventos. Alguns eventos
são configuráveis (por exemplo, alarmes), enquanto outros eventos são fixos (por
exemplo, valores internos).
Os eventos que causam o registros são:
• Inicialização do sistema
• Corrente da bateria que excede um limiar configurável
• Alarmes do sistema
• Alarmes do retificador
• Alarmes de resumo urgente
• Alarmes de resumo não urgente
• Isolamento de um alarme
• Nova conexão de um alarme
Os valores coletados pelo registro de dados e pelo registro de eventos estão relacionados
abaixo. (Veja Variáveis de Registro de dados e de Registro de eventos abaixo).
Nota: Cada evento específico cria tanto um registro de dados como um registro de eventos.

Variáveis do Registro de Dados e do Registro de Eventos


Cada registro no registro de dados é fixo, enquanto registros no registro de
eventos dependem do tipo de evento que disparou o registro.
Variáveis do Registro de Dados
Variável Descrição
Número do Log Este item começa com 1 e será aumentado de 1 para cada log
de dados que ocorrer em um sistema. O Número do Log
identifica de modo único qualquer log de dados dentro de um
sistema.
Marca de Hora A hora na qual os dados foram capturados.
Tensão CA O valor interno “Retificador de CA Médio” que é a tensão
média de retificador de entrada CA.
Tensão na Saída O valor analógico “Tensão na Saída”.
Corrente de Carga O valor analógico “Corrente de Carga”.
Corrente da Bateria O valor analógico “Corrente da Bateria”.
Temperatura da Bateria O valor analógico “Temperatura da Bateria”.
Ah Restantes na Bateria O valor interno “Capacidade de Amp Hr da Bateria” que é a
capacidade atual das baterias, medida em Ah.

dezembro/2000 101
Variáveis do Registro de Eventos
Evento Variáveis
Inicialização - Nenhum dado de evento é armazenado, mas é
criado um log de dados
Alarme do Sistema - Valor de estado de alarme
- Número de alarme
Alarme de Retificador - Valor de estado de alarme
- Número de compartimento
- Número de slot
- Número de alarme
Alarme de Resumo - Valor de estado de alarme
Urgente
Alarme de Resumo - Valor de estado de alarme
Não Urgente
Isolamento de alarme - Nenhum dado de evento é armazenado, mas é
criado um log de dados
Conexão de alarme - Nenhum dado de evento é armazenado, mas é
criado um log de dados

Armazenamento de registro – limites


O SM50 é capaz de armazenar até 4000 registros de eventos e registros de dados, com o
registro mais antigo sendo removido para dar lugar aos registros mais recentes.

Destruição de registros de registros


Os registros de registros são armazenados em memória flash. Os registros de registro não
serão destruídos durante uma falha da fonte de energia do SM50. Porém, a atualização da
versão do software do SM50 pode produzir registros de registro ilegíveis, se for
significativa.

dezembro/2000 102
Configurando o registros de dados
O registros de eventos não pode ser configurado. A configuração de ativar ou desativar o
registros contínuo não é afetada quando um registro de evento é criado.
A configuração de alarmes determina o ponto de início para um registro de evento.

O registros de dados pode ser configurado das seguintes maneiras:

Parâmetro Descrição Valor Observações


Registro de Quando desativado, os logs de dados S/N Ativar ou desativar este parâmetro
logs são capturados em um intervalo não afeta o momento em que um log
Contínuo predefinido. Este intervalo é de evento é capturado.
configurável.
Registro de logs de dados contínuo é
Quando desativado, os logs de dados desativado durante uma descarga da
são disparados por um limiar de bateria.
corrente da bateria, conforme definido
em Corrente Inicial.
Intervalo O tempo decorrido entre logs Minutos
Contínuo sucessivos quando o registro de logs
contínuo estiver desativado.
Intervalo da O tempo decorrido entre logs Minutos Este valor deve ser igual ou menor
Bateria sucessivos durante uma descarga da que o Intervalo Contínuo.
bateria.
Corrente A corrente de descarga ou de recarga A
Inicial da bateria na qual o registro de logs
de dados é disparado.
Corrente de A corrente de descarga ou de recarga A
Interrupção da bateria na qual o registro de logs
de dados é interrompido.
Hora de O mínimo tempo decorrido antes que Segundos Um tempo de inibição mais longo
Inibição um novo registro de log de dados seja evitará a captura de múltiplos
capturado. registros para um único evento. Por
exemplo, alarmes do retificador.

dezembro/2000 103
Recuperando registros de registro
São mantidos na memória flash do SM50 até 4000 registros de registros de dados. Acima
disto, os registros mais antigos são substituídos por novas entradas de registro.
Utilize uma aplicação de PC baseada em SNMP como o Intergy Power Manager II para
recuperar registros de registro. Durante uma sessão SNMP, o Intergy Power Manager
envia polls regularmente ao SM50. Durante este polling, o arquivo de registro é
interrogado. Os registros de registro acrescentados desde o último poll são carregados
para o PC e acrescentados ao especificado.
Consulte a AJUDA Online do Intergy Power Manager para instruções sobre recuperação
de arquivos de registro.

dezembro/2000 104
Configurando Canais de Entrada e Relés de Saída

____________________________________________________ Capítulo 4

Sobre este Capítulo


Os tópicos deste capítulo são:
• Visão geral dos pontos de Controle de Tensão
• Visão geral do processo de Alarme
• Configuração de Canais Analógicos de Entrada
• Configuração de Somatórios
• Configuração de Estados Analógicos de Entrada
• Mapeamento de Canais Analógicos
• Configuração de Canais Digitais de Entrada
• Configuração de Estados Digitais de Entrada
• Configuração de Canais de Saída de Relés
• Mapeamento de Canais de Relês
Nota: Antes de aplicar os procedimentos deste capítulo, é necessário conhecer a estrutura e uso
do sistema de Menus do SM50.
Para mais detalhes sobre o uso do menu do SM50, veja o Capítulo 1, Usando o Painel
Frontal do SM50.

dezembro/2000 105
Visão Geral dos Pontos de Controle de Tensão
A Figura 4-1 mostra a relação entre os pontos de controle de tensão e os alarmes do sistema que
podem ser configurados para monitorar os referidos pontos de controle. Antes de tentar mudar
os parâmetros de configuração, procure conhecer tais relações.
Pontos de
Alarmes de Controle de
Tensão Tensão
OVSD (58,0 V)
Tensão Máxima do
Sistema (57,0 V)

Carga Alta

Carga Rápida (56,0 V)


Equalização (56,0)
Faixa de carga e tensão das baterias para
Tensão Flutuação Alta uma operação segura
Tensão Flutuante (54,0 V)
Tensão Flutuação
Baixa
Reconexão de LVD (48,0 V)

Carga Baixa Teste de Bateria (47,00 V)


Tensão Mínima do Sistema (48,0 V)

Desconexão de LVD (44,0 V)

Figura 4-1 Pontos de Controle de Tensão

Nota: Os valores de tensão são referentes a uma configuração normal.

Tabela 4-1 Alarmes do Sistema - objetivo


Alarme Objetivo
Flutuação Indica que a bateria começou a descarregar (houve problema na rede elétrica, nos
baixa retificadores ou a tensão de saída dos retificadores é insuficiente para alimentar as cargas).
Os dois alarmes de flutuação podem ser configurados para compensar a temperatura da
bateria a fim de evitar o disparo de falsos alarmes de alta ou baixa temperatura da bateria.
Em sistemas configurados para monitorar a tensão do sistema, a flutuação baixa deve ser
ajustada com um valor abaixo da tensão de flutuação (1 V), ou logo abaixo da Tensão
Mínima do Sistema em sistemas em que há compensação de temperatura e o controle de
tensão está configura para não monitorar a tensão do sistema.
Flutuação Deve ser ajustada com um valor entre tensão de flutuação e carga alta, porém abaixo dos
alta pontos de ajuste de tensão de carga e carga rápida.
Carga baixa Indica que a bateria está quase descarregada. Em uma bateria com capacidade de 1.000 A-
h a 1,8 V por célula, o ponto carga baixa deve ser ajustado com um valor logo acima de 48,2
V no caso de um sistema de 24 células (48 V).
Carga alta Indica problema em um retificador que pode tentar sobrecarregar a bateria. Isto
normalmente não ocorre porque se houver uma condição de alta tensão o retificador será
desligado antes que o alarme seja acionado. O valor de carga alta geralmente é ajustado no
ponto de máxima tensão de operação com segurança da carga.

dezembro/2000 106
Visão Geral do Processo de Alarme
Há três tipos de alarmes:
• Alarmes analógicos que monitoram os pontos de ajuste de tensão.
• Alarmes digitais que monitoram as condições de operação de componentes como fusíveis,
MOVs, etc.
• Alarmes de retificadores que monitoram as condições de operação dos retificadores.

Alarmes Analógicos
A Figura 4-2 mostra os passos de configuração de alarmes analógicos.
Corrente da Bateria Temperatura da Bateria
Corrente do Retificador Tensão na saída Passo 1
Mapeie as entradas
analógicas físicas no canal
interno
Ÿ Ÿ Ÿ Ÿ Ÿ
5 4 3 2 1
Entradas de sensores
de tensão e corrente Passo 2
Canais Analógicos Internos Defina os somatórios

Somatórios (exemplo)
(Corrente do Retificador - Corrente da Bateria = Corrente da
Carga)

Estado Passo 3
Analógico Configure o estado

Passo 4
Atribua um canal a um estado
Passo 5
Defina os relés de
saída (opcional)

Alarme Relé

Passo 6
Defina os alarmes.
Atribua um estado
a um alarme
LED Urgente LED Não Urgente

Figura 4-2 Configuração de Alarmes Analógicos - visão geral

dezembro/2000 107
Alarmes Digitais do Sistema
A Figura 4-3 mostra os passos de configuração de alarmes digitais.

Passo 1
Configure o Canal
Digital
Entradas Digitais (14)

Passo 2
Configura o Estado
Canal Digital Digital

Passo 3
Atribua um canal a
um estado

Estado Passo 4
Digital Defina o Alarme
Passo 5
Defina o Relé
(opcional)

Passo 6
Atribua um Estado
Digital a um Alarme Alarme Relê

LED Urgente LED não Urgente

Figura 4-3 Configuração de Alarmes Digitais - visão geral

Nota: Qualquer alarme do sistema acionará a função de registro de dados. O usuário pode
querer configurar alarmes para captar registros de dados em certas condições. Para
mais informações sobre a função registro de dados, leia o Capítulo 3.

dezembro/2000 108
Arquitetura de Alarmes do Sistema
A arquitetura de Alarmes do Sistema é constituída de canais, somatórios, estados, relés e
alarmes.

Canais Analógicos
Em uma configuração normal, são ativados 4 dos 5 canais analógicos para monitorar a:
• Tensão de saída
• Corrente do retificador
• Corrente da Bateria
• Temperatura da Bateria
O quinto canal não é usado e fica desativado.
Canais analógicos são atribuídos a um ou mais estados analógicos.

Somatórios
Pode-se fazer o somatório de até seis canais analógicos usando-se a lógica de adição ou
subtração. O somatório pode ser atribuído a um ou mais estados.

Canais Digitais
Há disponibilidade de até 14 canais digitais. Em uma configuração normal, oito deles são
para monitorar problemas de LVD e MOV no ACD e bateria ou problema nos fusíveis de
carga incluindo-se os MCBs de carga. Seis deles são para funções específicas do usuário.

Estados
Os estados são usados para monitorar o comportamento dos canais ou somatórios a eles
atribuídos. Quando muda o comportamento ou o estado, ativa-se o alarme atribuído ao
estado.
Os estados podem ser definidos como analógicos ou digitais. Pode-se definir até 20 estados
analógicos e 20 digitais.

Alarmes
Pode-se configurar até 30 alarmes no sistema; podendo cada um deles monitorar até dois
estados. Os alarmes podem ser configurados como urgentes ou não urgentes e/ou podem
ter um relê de saída para ativar um dispositivo de alerta remoto.

Relés
Pode-se atribuir até 14 relés de saída a um ou mais alarmes para ativação de dispositivos de
monitoramento.

dezembro/2000 109
Configurando Canais Analógicos de Entrada
Cuidado CONTROLE DE TENSÃO
A configuração incorreta de entradas analógicas pode resultar no controle incorreto da
tensão. Isto pode provocar danos aos componentes do IPS ou ao equipamento do
usuário.

Existem cinco canais analógicos de entrada no SM50:


• Três entradas de sensores de corrente
• Uma entrada de tensão
• Uma entrada de temperatura
Cada canal Analógico pode ser ativado ou desativado. Um canal só pode ser desativado
se ele não está ligado a outro processo, como um estado analógico. Se um canal estiver
sendo desativado, certifique-se de que os valores definidos nos demais parâmetros são
valores seguros ou valores pré-estabelecidos que seriam válidos se os canais fossem
ativados.
Se um canal Analógico de entrada for atribuído a uma estado Analógico, ele pode ser
usado como uma entrada para um alarme do Sistema, se necessário.
Nota: A Temperatura mostrada aqui é um valor de entrada Analógica medido nas baterias.
Para configurar um canal analógico
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal
2 Selecione Analogos no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Canais Internos no menu Analogos
4 Selecione o canal Analógico de entrada
5 Configure o canal Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil)
Geralmente o canal está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 6 a 10
seguintes.
6 Digite o nome de Rótulo (Etiq Alfa), com até 20 caracteres alfanuméricos.
7 Selecione a identificação Unidades (Unids) na lista.
8 Selecione Resolução Display (Apres Resolc) na lista.
9 Digite o valor de Offset na faixa de -1 000 000.000 a +1 000 000.000
10 Digite o valor Ganho na faixa de -1 000 000.000 a +1 000 000.000
11 Repita os passos 4 a 10 para cada canal Analógico a ser configurado.
Nota: O valor exibido é calculado assim: Valor Exibido = (Valor de Entrada * Ganho) + Offset.

dezembro/2000 110
A Tabela 4-2 mostra os valores dos parâmetros de entrada Analógica.
Tabela 4-2 Valores dos Parâmetros de Entrada Analógica
Rótulo Alfabético Flag Unidades Resolução Offset Ganho
do Display
Tensão de Saída Ativado V XX.XX 0 1
Corrente do Ativado A XXXX 0 10 000
Receptor
Corrente da Bateria Ativado A XXXX 0 10 000
Desativado A XXXX 0 0
Temperatura da Ativado ºC XXX.X -273.300 100
Bateria

Configurando Somatórios
Existem quatro canais de somatórios. Cada um deles pode adicionar (soma) ou subtrair
(diferença) os valores de até seis parâmetros.
Todos os canais de somatório podem ser ativados ou desativados.

Cuidado VALORES DE CANAIS


Se um canal estiver sendo desativado, certifique-se de que os valores definidos nos
demais parâmetros são valores seguros ou valores pré-estabelecidos que seriam válidos
caso o canal estivesse ativado.

Se o canal de somatório for de um estado analógico, pode-se usar o somatório como uma
entrada de alarme do sistema, se necessário.

Nota: As entradas de canais de somatórios podem ser qualquer parâmetro analógico.


Certifique-se de que os parâmetros adicionados são do mesmo tipo, por exemplo, todos
são correntes, tensões ou temperaturas. Verifique também os parâmetros propostos para
garantir que os resultados dos somatórios produzirão resultados úteis e importantes.
A Figura 4-4 mostra o processo de somatório.

SOMATÓRIOS
ADITIVO DE CORRENTE DO RETIFICADOR 2
CANAL ANALÓGICO 2 CORRENTE DA CARGA PARÂMETRO
3
DE EXIBIÇÃO 1
SUBTRATIVO DE CORRENTE DA BATERIA
CANAL ANALÓGICO 3

Figura 4-4 Exemplo de Somatório

Antes de especificar a configuração do Somatório, deve-se definir e ativar os canais


analógicos de entrada.

dezembro/2000 111
Para configurar um canal de somatório
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal
2 Selecione Analogos no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Somatórios (Somas) no menu Analogos
4 Selecione o canal Somatório
5 Configure o canal Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil)
Geralmente o canal está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 6 a 11
seguintes.
6 Digite o nome do Rótulo (Etiq Alfa), com até 20 caracteres alfanuméricos.
7 Selecione Resolução de Display (Apres Resolc) na lista.
8 Selecione o rótulo Unidades (Unids) na lista.
9 Selecione um dos seis canais disponíveis.
Eles são mostrados como itens de menu Escolha Canal 1 a Escolha Canal 6.
10 Selecione um canal Analógico de Entrada na lista de canais ativados mostrada.
11 Atribua a cada canal o parâmetro Add ou Subtract (para adicionar ou subtrair).
12 Repita os passos 4 a 11 para cada canal de Somatório a ser configurado.

Nota: Os somatórios não estão limitados a somas de correntes. Eles somarão qualquer
parâmetros Analógico e o rótulo Units poderá se configurado com outro valor sem ser
corrente. A soma de dois diferentes tipos de parâmetros produz um resultado
insignificativo.
Nestes casos, certifique-se de que os parâmetros somados são do mesmo tipo, ou seja,
todos são correntes, tensões ou temperaturas. Certifique-se também de que os resultados
dos somatórios produzirão resultados úteis e importantes.
A Tabela 4-3 mostra os valores de Somatório relativos a uma configuração normal.
Tabela 4-3 Valores de Somatório em uma Configuração Normal
Parâmetro Valor
Ativado ou Desativado (Habil/Desabil) Ativado
Rótulo Alfabéticos (Etiq Alfa) Corrente da Carga
Resolução do Display (Apres Resolcs) XXXX
Unidades (Unids) A
Opção de Canal 1 (Escolha Cnal 1) Corrente do Retificador*
Adição/Subtração 1 (Adic/Subtr 1) Adição
Opção de Canal 2 (Escolha Cnal 2) Corrente da Bateria**
Adição / Subtração 2 (Adic/Subrt 2) Subtração
*Corrente do Retificador é atribuída ao Canal Analógico de Entrada 2 (Adição).
**Corrente da Bateria é atribuída ao Canal Analógico de Entrada 3 (Subtração).

Corrente da Carga = Corrente do Retificador - Corrente da Bateria

Nota: Os somatórios 2 a 4 não são usados.

dezembro/2000 112
Configurando Estados Analógicos de Entrada
Um Estado Analógico compara uma entrada analógica com um limiar e gera um sinal de
saída Ativo ou Inativo. O sinal Ativo é gerado quando forem atingidas as condições
programadas para o estado.
Existem 20 estados analógicos que podem ser atribuídos a canais Analógicos de entrada e
Somatórios. Um estado Analógico de entrada é vinculado a uma configuração de alarmes
para ativar um alarme quando um valor analógico de entrada ultrapassa um limiar.
A Figura 4-5 mostra a relação entre as Entradas Analógicas, Somatórios e os Estados
Analógicos.

ESTADO ANALÓGICO
1
TENSÃO DO BUS CARGA ALTA PARA ALARME DO SISTEMA 1
>57,6
CANAL ANALÓGICO 1 ESTADO ANALÓGICO 1

2
FLUTUAÇÃO ALTA PARA ALARME DO SISTEMA 2
>55,7 ESTADO ANALÓGICO 2

3
FLUTUAÇÃO BAIXA PARA ALARME DO SISTEMA 3
<52,8 ESTADO ANALÓGICO 3

4 CARGA BAIXA PARA ALARME DO SISTEMA 4


<48,0 ESTADO ANALÓGICO 4

Figura 4-5 Configuração de Entradas e Estados Analógicos

Antes de um Estado Analógico ser configurado, deve-se definir e ativar:


• Canais Analógicos de Entrada
• Parâmetros de Somatórios
Para configurar estados analógicos de entrada
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) do menu Principal
2 Selecione Analogos no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Estados no menu Analogos
4 Selecione o número do Estado Analógico
5 Configure o canal Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil)
Geralmente o canal está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 6 a 12 seguintes.
6 Digite o nome do Rótulo (Etiq Alfa), com até 20 caracteres alfanuméricos.
7 Selecione o Canal na lista de canais Analógicos de entrada ativados e parâmetros de
Somatórios.

dezembro/2000 113
8 Digite o valor Limiar Nominal (Limiar Nomin) da condição do estado (de -9 999
999 a +9 999 999).
9 Selecione o Tipo Limiar da condição do estado (Menor que ou Maior que).
10 Digite o Tempo de Reconhecimento (Tpo Reconhec) (tempo de supressão de salto)
em segundos (0 a 10).
11 Digite o valor de Hysterese (0 a 1000).
12 Selecione a opção Tensão do Sistema na Trilha (Volt Sist Trilha) (Sim ou Não).

A Tabela 4-4 mostra os parâmetros de estados Analógicos de Entrada da configuração


normal.
Tabela 4-4 Configurando Entradas Analógicas
Rótulo Canal Valor de Tipo de Unidades de Unidades de Tensão de
Analógico Limiar Limiar Tempo de Histerese Monitoramento
Confirmação do Sistema
Carga Alta 1 (Tensão de 57,6 V Maior Que 1 0,1 Não
Saída)
Flutuação Alta 1 (Tensão de 55,7 V Maior Que 1 0,1 Não
Saída)
Flutuação Baixa 1 (Tensão de 52,8 V Menos Que 1 0,1 Não
Saída)
Carga Baixa 1 (Tensão de 48,0 V Menos Que 1 0,1 Não
Saída)

Nota: Se o parâmetro Tensão de Monitoramento do Sistema estiver configurado como Sim,


esses parâmetros se ajustam dinamicamente a alterações na tensão de Saída. Este valor
pode provocar dificuldades na detecção de falhas nesta área e em algumas
circunstâncias proporcionar resultados imprevisíveis.
Neste exemplo, o Canal Analógico 1 é atribuído aos Estados Analógicos 1 a 4. Um rótulo e um
valor de limiar diferente é atribuído a cada estado.
Se, por exemplo, a Tensão de Saída ultrapassar o valor de 57,6 V, o parâmetro Carga Alta
(estado Analógico 1) se torna ativo. O parâmetro Carga Alta é atribuído ao Alarme do
Sistema 1 que é configurado como um alarme urgente. Quando o parâmetro Carga Alta
está ativo, o LED vermelho Alarme Urgente no painel frontal fica piscando.

dezembro/2000 114
Mapeando Canais Analógicos
Os Canais Analógicos são mapeados para especificar entradas a serem usadas como
parâmetros de controle do sistema. Para mudar uma função de mapeamento é necessário
um determinado nível de acesso.
Use esses parâmetros para mapear as quatro seguintes entradas específicas do SM50:
• Tensão de Saída
• Corrente do Retificador
• Corrente da Bateria
• Temperatura da Bateria
Antes de mapear Canais Analógicos, defina e ative:
• Canal analógico de entrada
• Somatório de corrente

Para mapear canais analógicos


1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) do menu Principal
2 Selecione Analogos no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Canais Mapeados (Canais Mapas) no menu Analogues
4 Selecione o Nome do canal a ser mapeado
5 Use as teclas de controle do cursor Seta para Cima e Seta para Baixo para
selecionar a entrada analógica a ser mapeada no canal.
6 Repita os passos 4 e 5 para cada canal analógico a ser mapeado.
A tabela 4-5 mostra um exemplo de mapeamento de canais analógicos.
Tabela 4-5 Mapeando Canais Analógicos
Nome do Canal Número do Canal Tipo do Canal
Tensão de saída 1 Analógico Interno
Corrente do Retificador 2 Analógico Interno
Corrente da Bateria 3 Analógico Interno
Temperatura da Bateria 5 Analógico Interno

dezembro/2000 115
Configurando Canais Digitais de Entrada
Existem 14 canais digitais de entrada para o SM50:
• Seis canais de entrada para Usuários
• Quatro entradas de Distribuição de CA
• Duas entradas de Distribuição de CC
• Duas entradas de DVB
Todos esses canais podem ser atribuídos a qualquer estado digital ou podem ser desativados.
Cada canal digital pode ser identificado e ter um estado ativo Alto ou Baixo predeterminado.
Quando um estado digital for atribuído a um canal de Entrada Digital, ele pode ser configurado
para ativar um alarme.

Para configurar canais digitais de entrada


1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal
2 Selecione Digitals (Digitais) no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Canais Internos no menu Digitais
4 Selecione o canal de entrada Digital
5 Configure o canal Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil)
Geralmente o canal está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 6 e 7
seguintes.
6 Digite o nome do Rótulo (Etiq Alfa) com até 20 caracteres alfanuméricos.
7 Conjugue o Estado Ativo (Est Ativo) – Baixo (Baixo/Fech) ou Alto (Alto/Aber)
8 Repita os passos 4 a 7 para cada canal digital a ser configurado.
A Tabela 4-6 mostra os valores dos parâmetros de entrada Digital para uma configuração
normal.
Tabela 4-6 Exemplo de valores de parâmetros de entrada Digital para uma configuração normal
Número do Canal Nome do Canal Ativado ou Desativado Estado
Ativo
1-6 Entradas do Usuário Desativado Baixo
7 DVB manual Ativado Baixo
8 Falha DVB Ativado Alto
9 ACD reserva Desativado Baixo
10 Falha ACD Alt Ativado Baixo
11 Falha AC Ativado Baixo
12 Falha MOV Ativado Baixo
13 Falha fusível Bateria Ativado Baixo
14 Falha fusível da carga Ativado Baixo

dezembro/2000 116
Configurando Estados Digitais de Entrada
Vinte estados digitais têm suas entradas derivadas de canais Digitais de entrada. O estado
pode ser configurado como ativo quando o canal Digital de Entrada estiver ativo ou
inativo. O estado digital pode ser atribuído a um alarme.
Os canais digitais de entrada têm uma relação fixa. Por exemplo: XS2-1 é sempre Entrada
Digital 14. Ele é conectado a uma determinada entrada digital, neste caso Falha Fusível
de Carga, a saída de alarme do módulo de Distribuição de CC.
Os estados digitais são configuráveis. Por exemplo: depois do estado digital para a
Entrada Digital 14 ser definido, ele pode ser configurado para qualquer alarme disponível
no sistema.
A Figura 4-6 mostra detalhes da relação entre as Entradas Digitais e os Estados Digitais.
Os itens configuráveis são mostrados em itálico.

ESTADOS DIGITAIS
FALHA FUSÍVEL DE CARGA ATIVO PARA ALARME DO SISTEMA 5/1
ENTRADA DIGITAL 14

FALHA FUSÍVEL DA BATERIA PARA ALARME DO SISTEMA 5/2


ATIVO
ENTRADA DIGITAL 13

LVD MANUAL PARA ALARME DO SISTEMA 9


ENTRADA DIGITAL 9 ATIVO

FALHA DVBPARA ALARME DO SISTEMA 8ATIVO


ENTRADA DIGITAL 8

FALHA MOV ATIVO PARA ALARME DO SISTEMA 10/1


ENTRADA DIGITAL 12

FALHA AC NÃO ATRIBUÍDO


ATIVO
ENTRADA DIGITAL 11

FALHA ACD ALT PARA ALARME DO SISTEMA 10/2


ENTRADA DIGITAL 10 ATIVO

Figura 4-6 Esquema de Configuração de Entradas Digitais e Estados


Normais

dezembro/2000 117
Antes de configurar um Estado Digital, deve-se definir e ativar os canais de Entrada
Digital para os quais o estado digital será mapeado.
Para maiores detalhes, leia Configuração de Canais Digitais de Entrada.
Para configurar um estado digital
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal
2 Selecione Digitals (Digitais) no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Estados no menu Digitais
4 Selecione o número do Estado Digital
5 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil)
Geralmente o estado está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 6 a 9
seguintes.
6 Digite um nome de Rótulo (Etiq Alfa) com até 20 caracteres alfanuméricos.
7 Selecione o Canal de Entrada Digital.
8 Selecione o Estado de Entrada (Est Entr) - ativo ou inativo.
9 Digite o Tempo de Reconhecimento (Tpo Reconhec) em segundos - de 0 a 10.
10 Repita os passos 4 a 9 para cada estado digital a ser configurado.
A Tabela 4-7 mostra os valores de estados Digitais de entrada para uma configuração
normal.
Tabela 4-7 Exemplos de parâmetros de estados Digitais de entrada para uma configuração
normal
Nº Rótulo Flag Canal Estado do Tempo de
Digital Canal Confirmação (s)
1 Falha Alt ACD Ativado 10 Ativo 1
2 Falha AC Ativado 11 Ativo 1
3 Falha MOV Ativado 12 Ativo 1
4 Falha Fusível da Bateria Ativado 13 Ativo 1
5 Falha Fusível da Carga Ativado 14 Ativo 1
6 Falha DVB Ativado 8 Ativo 1
7 DVB manual Ativado 7 Ativo 1
8-20 Desativado

dezembro/2000 118
Configurando Canais de Saída de Relés
Cuidado RELÉS 1-4
Use os relês 5 a 14 somente para canais de saída de relés.
Não use os relês 1 a 4 porque eles são canais auxiliares usados pelo IPS

Existem 14 canais de relés. Eles podem ser usados da seguinte maneira:


• 10 são para serem usados como canais de Relés de Saída
• 2 são usados para controle de DVB
• 2 para canais auxiliares
Qualquer um dos 14 relés pode ser designado para alguma das funções acima. No entanto, só os relés
5 a 14 são montados na placa de relés e conectados a blocos terminais de Relés de Saída. Os relés 1 a
4 são montados dentro do SM50 e geralmente são usados no controle de DVB e nos canais auxiliares.
Os relés usados no controle de DVB e os relés Auxiliares não são parte da função Alarme e são
descritos na Capítulo 2, Gerenciamento de Processos do Sistema. Para mais detalhes sobre relés de
alarmes, leia o Capítulo 5, Alarmes do Sistema.
Os relés de saída são relés monopolares de comutação com contatos com as seguintes características
nominais:
• Tensão Máxima Comutada 150 V (CC) 125 V (CA)
• Corrente Máxima Comutada 1A 1A
• Potência Máxima Comutada 30 W (CC) 60 W (CA)
Cada relé tem um contato normalmente aberto (NA) e um contato normalmente fechado (NF). Ele tem
uma conexão comum. Os dez canais de Relés de Saída são normalmente usados para acionar alarmes
ou executar funções de controle do usuário.
Cada canal de Relé de Saída pode ser ativado ou desativado, receber um rótulo e ter seu estado ativo
definido como Energizado ou Desenergizado.
Para configurar relés de saída
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal.
2 Selecione Relés (Reles) no menu System Configuration.
3 Selecione Canais Internos no menu Relays.
4 Selecione o número do Relé.
5 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil)
Normalmente o canal está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 3 e 4.
seguintes.
6 Digite um nome de Rótulo (Etiq Alfa) com até 20 caracteres alfanuméricos.
7 Selecione o estado ativo para o relé - Energizado ou Desenergizado.
Nota: Se for selecionado Desenergizado, o relé será desenergizado quando o estado for Ativo
ou o SM50 for desligado.

dezembro/2000 119
A Tabela 4-8 mostra os parâmetros dos Relés de Saída para a configuração normal.
Tabela 4-8 Parâmetros dos Relês de Saída para a configuração normal
Canal Rótulo Flag Estado Ativo
1 Monitor do Sistema OK Ativado Energizado
2 Desconexão DVB Ativado Energizado
3 Conexão DVB Ativado Energizado
4 Aux 2 Desativado Energizado
5 Sumário Urgente Ativado Desenergizado
6 Sumário Não Urgente Ativado Desenergizado
7 Falha Todos AC Ativado Energizado
8 Falha Fusível Ativado Energizado
9 Retificador Urgente Ativado Energizado
10 Tensão Carga Alta Ativado Energizado
11 Tensão Flutuação Alta Ativado Energizado
12 Tensão Flutuação Baixa Ativado Desenergizado
13 Tensão Carga Baixa Ativado Desenergizado
14 Carga ou Carga Rápida Ativa Ativado Energizado

Os canais 1 a 4 são relés de controle dentro do SM50 e não são acessíveis externamente.
Os canais 5 a 14 são relés de alarmes montados na Placa de Relês e são acessíveis
externamente.

dezembro/2000 120
Mapeando Canais de Relés
Existem três saídas de relés pré-configuradas (SM50 Mon OK, DVB Conectado e DVB
Desconectado) na placa de E/S do SM50. Você pode definir um tipo e um número de
canal para essas saídas. Elas são usadas para controle das funções do IPS. Para alterar tais
parâmetros, é necessário um nível de acesso específico.
Para configurar canais de relês
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal
2 Selecione Relés (Reles) no menu de Configuração do Sistema
3 Selecione Canais Mapeados (Canais Mapas) no menu Reles
4 Selecione o Nome do canal a ser mapeado
5 Use as teclas Seta para Baixo e Seta para Cima de controle do cursor para selecionar o
relê a ser mapeado no canal.
6 Repita os passos 4 e 5 para cada canal de Relé a ser mapeado.
A Tabela 4-9 mostra um exemplo de configuração de canais de relés.
Tabela 4-9 Configuração de canais de relés
Nome do Canal de Relé Número do Relé Tipo do Relé
SM50 OK 1 Relê Interno
Conexão DVB 2 Relê Interno
Desconexão DVB 3 Relê Interno

dezembro/2000 121
Alarmes do Sistema

____________________________________________________ Capítulo 5

Sobre este Capítulo


Este capítulo contém as seguintes seções:
• Visualização e Eliminação de Causas de Alarmes no SM50
• Identificação de Causas de Alarmes
• Configuração do Sistema de Alarmes do SM50
• Isolamento e Reconexão de Alarmes
• Alteração dos Parâmetros de Controle de Alarmes
Nota: Antes de usar os procedimentos deste capítulo, é necessário entender a estrutura e uso do
Sistema de Menus do SM50.
Para mais detalhes sobre o uso do sistema de menus do SM500, leia o Capítulo 1, Uso do
Painel Frontal do SM50.

dezembro/2000 122
Visualizando e Eliminando Causas de Alarmes no SM50
Esta seção descreve os alarmes visuais e sonoros do SM50. Use esta seção ao:
• Aprender sobre as Indicações de Alarmes do SM50
• Identificar a Causa de um Alarme
• Eliminar a Causa de um Alarme

Menu Principal do SM50

Alarmes
Configuração do Sistema
Visualizar Alarmes
Isolar Alarmes
Conectar Alarmes

Analógicos Digitais Relés Alarmes


Canais Canais Canais Alarmes
Internos Internos Internos do Sistema
Somatórios Estados Alarmes do
de Correntes Retificador
Estados Alarmes
Sumários

Figura 5-1 Itens de Menus Relacionados a Alarmes do SM50

Indicações de Alarmes do SM50


O SM50 dá quatro indicações quando da ocorrência de um alarme:
• Display do painel frontal
• LEDs do painel frontal
• Alarmes sonoros
• Relés de saída

Display do Painel Frontal do SM50


Quando um alarme está ativado e o SM50 está no modo Idle Display, a indicação
ALARME é exibida em vídeo reverso no canto inferior esquerdo do display LCD, ao
lado da tecla programável da esquerda. A tecla programável da esquerda é agora uma
tecla ALARME, que pode ser usada para mostrar a função View Alarms no display do
SM50.

dezembro/2000 123
Leia o Capítulo 1, Uso do Painel Frontal do SM50, para mais detalhes sobre o modo Idle
Display do SM50.

LEDs do Painel Frontal


Existem dois LEDs no painel frontal do SM50:
• Urgente (Vermelho)
• Não Urgente (Amarelo)
Quando um alarme é ativado, o respectivo LED começa a piscar no painel frontal.

Alarmes Sonoros
O alarme sonoro é disparado quando um alarme é ativado e o SM50 está no modo Idle
Display. Um bip rápido, a cada segundo, indica a emissão de um alarme não confirmado,
ativo e urgente. Um bip mais lento, a cada dois segundos, indica um alarme não
confirmado, ativo e não urgente.

Relés de Saída
Pode-se atribuir cada alarme do SM50 a relés de saída com conjuntos de contatos
Normalmente Aberto (NA), Normalmente Fechado (NF) e Comum (C). Use os relés de
saída de alarme para acionar alarmes externos e dispositivos de sinalização.

Identificando a Causa de um Alarme


Há três maneiras de identificar causas de alarmes:
• Com uma lista dos alarmes ativos no sistema
• Com uma lista dos retificadores de cada alarme
• Com uma lista dos alarmes de cada retificador
Para identificar a causa de um alarme
1 Use o menu Visualizar Alarmes (Visualiz Alarms) para identificar os alarmes ativos
no SM50. Quando o SM50 estiver no modo Idle Display, a tecla programável da
esquerda torna-se a tecla programável ALARME.
2 Pressione a tecla programável ALARMES para exibir a tela Visualizar Alarmes
(Visualiz Alarms). As três linhas a seguir são exibidas no menu Visualizar Alarmes:
a Sistema
b Retif-Por Alarme
c Retif-Por Retif
Se algum destes três itens tiver um alarme ativo, um asterisco * é exibido no lugar do
último caractere da linha.
3 Role a tela até na linha com o asterisco e pressione a tecla programável OK.

dezembro/2000 124
A Figura 5-2 ajudará a localizar os itens de menus mencionados nesta seção.

Menu Principal

Alarmes
A tecla programável ALARM
salta para este item
Visualizar Alarmes

Sistema (Lista de Alarmes Ativos do Sistema)

Retif-Por Alarme (Lista de Retificadores Relativos


ao Alarme)

Retif-Por Retif (Lista de Alarmes Relativos ao Retificador

Figura 5-2 Estrutura do Menu Visualiz Alarm

Exibindo Alarmes Ativos do Sistema

Para exibir um alarme Ativo no Sistema


Pressione a tecla programável OK para ver um alarme ativo no sistema.
Uma lista aparece na tela mostrando os rótulos alfabéticos dos parâmetros com alarmes
ativos.
Nota: Os alarmes são apresentados numa lista em ordem cronológica, o mais recente aparece
primeiro na lista e o mais antigo por último.

Exibindo Alarmes do Retificador


Quando um alarme do retificador está ativo, os itens Retif-Por Alarme e Retif-Por Retif
têm um asterisco * no lugar do último caractere da linha.
Para exibir um alarme Retificador Ativo
1 Exiba o menu Visualizar Alarme (Visualiz Alarms)
2 Selecione na lista um item do menu Rectifier.
3 Pressione a tecla programável OK.
Conforme a seleção, uma lista é exibida na tela.
4 Execute uma das seguintes ações:
a Selecione Retif-Por Alarme para exibir o número de retificadores com alarmes
ativos em relação a cada tipo de alarme.
–Ou–
b Selecione Retif-Por Retif para exibir o número de alarmes ativos relativos a cada
retificador.

dezembro/2000 125
Número de
Retif-Por-Alarme Retificadores
Tipo de alarme Afetados
Selecionando Retif-Por-Alarme,
Exibe-se os retificadores com
Alarmes ativos por tipo de alarme. Falha 1
Limit Temp 3
Falha Vent 1

ESC OK

Número do compartimento

Posição do retificador

Selecione na lista um alarme e depois


pressione a tecla OK para exibir Retificador 01:3
uma lista de retificador com
este alarme ativo.

ESC
ESC OK
OK

Número do compartimento

Posição do retificador
Retif-Por Retif
Selecionando Recty-by Rect
exibe-se o número de alarmes
Ativos para cada retificador Retificador 01:3
Retificador 02:1
Retificador 02:2

ESC OK

Tipo de alarme

Selecione na lista um retificador


e depois pressione a tecla OK
para exibir uma lista dos alarmes deste Falha
retificador

ESC OK

dezembro/2000 126
Os retificadores aparecem em ordem crescente – compartimento 1 retificador 1;
compartimento 2 retificador 2.
Os alarmes do retificador são exibidos na ordem em que aparecem no banco de dados de
configuração. Esta é a mesma ordem em que são mostrados na lista do SM50. Somente os
Alarmes do Sistema ativos e os retificadores com alarmes ativos são mostrados nessas
listas.
Use a opção Valores do Sistema (Valores do Sist) do Menu Principal do SM50 para
exibir valores de retificadores, entradas analógicas, entradas digitais, saídas de relés e
comandos de retificadores.

dezembro/2000 127
Desativando um Alarme
A causa do alarme deve ser eliminada antes que um alarme do SM50 possa ser
desativado. Localize o módulo IPS que deu origem ao alarme e corrija o problema. Um
alarme permanente (latching) continua ativo mesmo depois de eliminada a causa que o
fez disparar.
Se o alarme for configurado como não permanente (non-latching), a causa do alarme é
então eliminada. Se ele estiver configurando como permanente (latching), e sua causa
vier a ser eliminada, ele continuará ativo.
Para eliminar um alarme permanente (latching)
1 Corrija o problema original no módulo IPS.
2 Coloque o SM50 no modo Idle Display.
3 Pressione a tecla programável ALARME (Alarmes).
A tela do Menu Alarmes é exibida
4 Selecione o item apropriado na lista.
Se for um alarme permanente e a causa tiver sido eliminada, a tecla programável da
direita torna-se uma tecla programável Clear (Eliminar) e a sigla CLR é exibida no
canto inferior direito da tela. Se o nível de acesso do usuário permitir o acionamento
da tecla CLR, o display fica em vídeo reverso, caso contrário, fica em vídeo normal.
5 Depois de digitar o nível de acesso correto, pressione a tecla CLR para eliminar a
causa do alarme.

Confirmando Alarmes
O som de bip no modo Idle Display quando os alarmes estão ativos, pode ser
interrompido com a confirmação dos alarmes. Os alarmes são confirmados visualizando-
os no display do SM50.
Para confirmar um alarme
1 Coloque o SM50 no modo Idle Display.
2 Pressione a tecla programável ALARMES do Menu Principal.
A tela Visualizar Alarme é exibida a partir da tela Alarmes.
3 Selecione e visualize cada um dos alarmes ativos.
4 Retorne ao modo Idle Display.

Alarme Falha de Comando do Retificador


Quando um retificador rejeita um comando, ele é processado pelo SM50 através do
estado interno Comando Rejeitado (Comds Rejeit). Este alarme é designado como o
alarme não urgente do sistema Falha de Comando do Retificador.
A lista de comandos rejeitados é vista através da opção Diagnóstico (Diagnosts) do
Menu Principal ou através do display nos retificadores da série R5848. A seleção da lista
também desfaz os comandos.
Quando um comando a um retificador é rejeitado, o alarme Falha de Comando do
Retificador é ativado e o LED não urgente se acende.

dezembro/2000 128
Este alarme não é desativado enquanto todas as causas do mesmo não forem eliminadas.
O processo de visualização e eliminação da lista de comandos rejeitados faz parte da
eliminação das causas do alarme.
O alarme pode ser confirmado de maneira normal, depois a lista dos comandos rejeitados
deve ser vista e apagada. Se o alarme for configurado como permanente, deve-se seguir
os procedimentos normais de desativação de um alarme permanente.
Este problema acontece mais provavelmente durante a instalação e processo de detecção
de falhas do que durante a operação normal.

Causas de Alarme de Falha em Componentes


• Esta seção identifica as causas dos sinais de alarme gerados pelos módulos IPS
quando houver problemas nos componentes envolvidos.

Componentes Monitorados
A Tabela 5-1 nos mostra um resumo dos componentes monitorados pelo SM50, a
indicação de alarmes pelo SM50 e como o alarme é configurado normalmente.
Tabela 5-1 Causas de Alarmes de Componentes
Componente Monitorado Indicação de Alarme Configuração Normal
pelo SM50 do Alarme
MOV Falha MOV Não urgente
MCB ou fusível de Falha Fuse carga Urgente
proteção da carga
MCB ou fusível de Falha Fuse Bat Urgente
proteção da bateria
Contator DVB Falha DVB Urgente
Chave Bipolar na PCI do DVB Manual Não urgente
Driver de DVB
Sensor de Tensão de Falha V Saída Urgente
Saída
Sensor de Temperatura Falha Sensor Temp Urgente
Bateria do clock de tempo Falha Bat RTC Não urgente
real

dezembro/2000 129
Causas dos Alarmes do Retificador
Os alarmes do retificador originam-se no microprocessador do retificador. Alguns
alarmes do retificador acionam os LEDs do retificador, enquanto outros acionam alarmes
no SM50.
A Tabela 5-2 mostra os componentes monitorados do retificador que acionam alarmes no
SM50. Eles podem ser ativados ou desativados e configurados como alarmes Urgentes ou
Não Urgentes.
Tabela 5-2 Componentes Monitorados do Retificador
Indicação de Descrição Tipo de Alarme
Alarme no SM50 no SM50
Partida Monitora o processo de partida do Não urgente
retificador
Comms restored O SM50 detectou um retificador Desativado
(Restabelece trabalhando no modo default
Comando)
Durante Serviço A tensão reguladora de ondulação Desativado
do capacitor ultrapassou o limiar
predefinido
Falha Vent Falha no ventilador Não urgente
Limite Temp A temperatura de dissipação de Não urgente
calor do retificador ultrapassou o
limite predefinido
Limite Corrente A corrente de saída do retificador Não urgente
atingiu o limite de corrente no
estado ativo
Limite Potência A potência de saída do retificador Não urgente
excedeu o limite de potência
predefinido
Tensão Saída Baixa A tensão de saída do retificador Desativado
está abaixo do limite de Baixa
Tensão
Tensão CA Baixa A tensão da rede CA está abaixo Desativado
do limite de Baixa Tensão da Rede
CA
Falha Falha no retificador Urgente
Falha Fuse Falha no fusível de saída Urgente
OVSD Tripped Ocorreu uma Parada por Urgente
Sobretensão (OVSD)
Perda de Comando Um sinal gerado pelo SM50 usado Urgente
dentro do SM50

A coluna Tipo de Alarme no SM50 indica o status desses alarmes em uma configuração
normal.

dezembro/2000 130
Usando LEDs do retificador para identificar causas de alarmes
Existem três LEDs no painel frontal do retificador:
• Verde - Energizado
• Vermelho – Alarme Urgente
• Amarelo – Alarme Não-Urgente
O LED Energizado acende quando a tensão CA é aplicada no retificador. Quando ele
não acende é sinal que ocorreu o seguinte:
• Falta de energia CA
• Retificador desconectado do painel traseiro
• Falha interna no retificador
O LED Alarme Urgente acende quando houver uma das seguintes ocorrências:
Retificadores Séries R2900, R1800, R1500 Retificador Série R5800
Falta de tensão de entrada Parada do retificador
Parada por sobretensão (OVSD) Parada por sobretensão
Falha no fusível de saída Falha no fusível de saída
Falha Falta de duas das três fases

O LED Alarme Não-urgente acende quando houver pelo menos uma das seguintes
ocorrências:
Retificadores Séries R2900, R1800, R1500 Retificador Série R5800
Limite de corrente Limite de corrente
Limite de temperatura Retorno por sobre-temperatura
Tensão de saída baixa Potência no máximo
Falha no ventilador Falha no Ventilador 1 ou 2
Modo autônomo - Falha de endereçamento Perda de comunicação do
de comunicação entre compartimentos retificador
Tensão da entrada CA baixa
Tensão da entrada CA alta
Tensão de ondulação do
capacitor alta
"Modo In Failsafe"
Falta de 1 fase
Baixa Tensão de Saída

Além dos LEDs, os retificadores da série R5800 com display permitem que você veja os
parâmetros de visualização de alarmes no retificador.
Poderá ser necessário substituir o retificador para eliminar um alarme. Os estados do
retificador podem ser atribuídos a alarmes no SM50.

dezembro/2000 131
Usando o Display do Retificador para Identificar Alarmes - (Retificadores
da série R5800)

Pode-se também usar o display do retificador R5848-11 para definir a condição de


operação de cada retificador.
A tabela abaixo resume as várias condições de alarme e status.

Símbolos de Status no display da Série R5848


Descrição do Status Símbolo do Status Comentários
Retificador no Modo de Iluminação de fundo durante o modo
Amplificação reforço
Potência de Saída do Exibição contínua da tensão de saída
Retificador do retificador
Corrente de Saída do O valor exibido é apenas um exemplo.
Retificador A corrente de saída do retificador é o
parâmetro padrão do display
Tensão de Saída do O valor exibido é apenas um exemplo.
Retificador

Temperatura do Dissipador Não pode ser configurado em graus


de Calor Fahrenheit.

Tensões de Fase O valor exibido é apenas um exemplo.


A barra horizontal piscando indica que
tensão de fase é medida.

Símbolos de Alarme Urgente no display da Série R5848


Descrição do Alarme Símbolo do Alarme Comentários
Retificador foi desligado LED Alarme Urgente aceso (vermelho)

Fusível de saída queimado LED Alarme Urgente aceso (vermelho)


Iluminação de fundo até o alarme ser
desativado

Ocorreu uma parada por LED Alarme Urgente aceso (vermelho)


sobretensão Sino de alarme piscando

Falta de duas ou três fases LED Alarme Urgente aceso (vermelho)

dezembro/2000 132
Símbolos de Alarme Não Urgente do display da Série R5848

Descrição do Alarme Símbolo do Alarme Comentários


Tensão no máximo LED Alarme não-urgente aceso (Amarelo)
Iluminação de fundo até o alarme ser
desativado

Baixou o excesso de Sino de alarme piscando Alarme não-urgente


temperatura aceso (Amarelo) Iluminação de fundo até o
alarme ser desativado
Tensão da entrada CA "F4" piscando LED Alarme não-urgente aceso
baixa (Amarelo) Iluminação de fundo até o alarme
ser desativado

Tensão da entrada CA "F5" piscando LED Alarme não-urgente aceso


alta (Amarelo) Iluminação de fundo até o alarme
ser desativado

Falha no ventilador 1 LED Alarme não-urgente aceso (Amarelo)


Iluminação de fundo até o alarme ser
desativado
Falha nos dois LED alarme não-urgente aceso (Amarelo)
ventiladores (O Iluminação de fundo até o alarme ser
retificador não desativado
desligou)
Tensão de ondulação Exibição intermitente de "F2" LED Alarme
do capacitor alta não-urgente aceso (Amarelo) Iluminação de
fundo até o alarme ser desativado
"Modo In Failsafe" Exibição intermitente de "F3" LED alarme
não-urgente aceso (Amarelo) Iluminação de
fundo até o alarme ser desativado
Falta Fase 1 LED Alarme não-urgente aceso (Amarelo)
Iluminação de fundo até o alarme ser
desativado
No limite de corrente LED Alarme não-urgente aceso (Amarelo)
Iluminação de fundo até o alarme ser
desativado
Perda de comunicação Exibição intermitente de "F1" LED Alarme
do retificador não-urgente piscando (Amarelo) Iluminação
de fundo até o alarme ser eliminado

dezembro/2000 133
Usando Estados Internos para Ativar Alarmes
Os estados internos do SM50 estão associados às condições internas de
operação do software. Os Estados Internos não podem ser configurados, mas
podem ser atribuídos a canais de alarme do sistema e usados como estados
de alarmes. Um alarme é ativado quando atendida a condição estabelecida
pelo estado.
A condição dos estados internos não pode ser exibida no painel frontal do
SM50.
A Tabela 5-3 mostra uma lista dos estados internos disponíveis.
Tabela 5-3 Estados Internos do SM50
Estado Interno Ativado Quando Estado
Normal
DVB Ativo O DVB está ativo Inativo
DVB Inativo O DVB está inativo ou desativado Ativo
Carga Ativa Uma operação de Equalização está em Inativo
andamento (Manual, Periódica ou Carga
Rápida)
Carga Inativa Uma operação de Equalização não está em Ativo
andamento (Manual, Periódica ou Carga
Rápida)
CA OK Não há tensão CA baixa em nenhum Ativo
retificador
Falha CA Qualquer Tensão CA de qualquer retificador abaixo de Inativo
50V
Falha CA Geral Tensão CA de todos os retificadores abaixo de Inativo
50V
Falhou Bateria RTC Detectada falha na bateria do RTC Inativo
Não Inicializado RTC SM50 foi religado e o RTC não foi O mesmo
reinicializado. estado do
RTC
Erros Dados de A entrada analógica precisa ser recalibrada Inativo
Calibração
Comando Rejeitado Comando enviado pelo SM50 foi rejeitado por Inativo
um retificador
Falha Tensão de A diferença entre a tensão média de saída do Inativo
Saída retificador e a tensão real de saída medida
pelo SM50, difere pelo valor de offset
configurado.
Tensão Saída OK A diferença entre a tensão média de saída do Ativo
retificador e a tensão real de saída medida por
SM50 é mais baixa que o valor de offset
configurado.
Falha Sensor Detectada uma falha no equipamento Inativo
Temperatura
Perda Comunicação Não houve comunicação com um dispositivo Inativo
Servidor externo durante o período configurável.

Teste Final Descarga Indica quando um teste de descarga da Inativo


Bateria bateria termina normalmente
Falhou Modem A seqüência de discagem do modem não fez a Inativo
conexão com o número telefônico primário ou
secundário.
Modem Trabalhando O SM50 não pode se comunicar com o Ativo
modem.

dezembro/2000 134
Configuração do Sistema de Alarmes do SM50
Esta seção descreve os vários componentes do sistema de alarmes do SM50, suas relações
e como alterar seus parâmetros de configuração. Ela inclui os seguintes tópicos:
• Dados relacionados a alarmes do SM50
• Métodos de configuração
• Instruções de configuração
• Tipos de alarmes do SM50
• Alteração de parâmetros de alarme do sistema
• Alteração de parâmetros de alarme do retificador
• Alteração de parâmetros de alarmes sumários
Foi desenvolvida uma configuração básica do IPS que aplica-se a um sistema de
aterramento positivo de 48V. Esta configuração normal é usada nos exemplos desta
seção.

Dados Relacionados a Alarmes do SM50


O SM50 armazena dados de alarmes e outros detalhes de configuração do módulo IPS no
banco de dados de configuração do SM50. O banco de dados de configuração é preparado
em um microcomputador tipo PC IBM usando-se o ICE (Intergy Configuration Editor).
Ele é transferido para o SM50 usando-se um laptop ligado ao conector RS-232C do
painel frontal.
Nota: Somente usuários com níveis de acesso corretos podem alterar os parâmetros de alarme
do SM50.
A Figura 5-3 mostra os componentes de alarmes do banco de dados de configuração do
SM50 e suas relações. Os itens configuráveis são mostrados em itálico.

dezembro/2000 135
ESTADO ANALÓGICO ALARMES DO SISTEMA RELÊS DE SAÍDA ESTADO DO RELÊS DE SAÍDA
RETIFICADOR

CARGA ALTA V URGENTE XS20


CARGA ALTA V
FLUTUAÇÃO ALTA V NÃO URGENTE XS19
FLUTUAÇÃO
FLUTUAÇÃO BAIXA V NÃO URGENTE ALTA V
XS18
CARGA BAIXA V FLUTUAÇÃO
URGENTE BAIXA V FALHA PENDENTE
ESTADOS DIGITAIS XS17 OSVD ACIONADO RETIFICADOR
CARGA BAIXA SEM COMUNS URGENTE
FALHA FUSÍVEL DA CARGA V XS25
URGENTE FALHA NO FUSÍVEL RETIFICADOR URGENTE
XS2-1 DIGITAL DE ENTRADA 14
FALHA FUSÍVEL DA BATERIA
XS2-2 DIGITAL DE ENTRADA 13 LED URGENTE
URGENTE XS24
LVD MANUAL SUMÁRIO XS21
XS5-8 DIGITAL DE ENTRADA 7 URGENTE SUMÁRIO URGENTE
URGENTE
FALHA LVD
XS5-1 DIGITAL DE ENTRADA 8
FALHA MOV
XS3-1 DIGITAL DE ENTRADA 12
NÃO URGENTE
LED NÃO URGENTE
FALHA ACD ALT
XS3-4 DIGITAL DE ENTRADA 10 SUMÁRIO
NÃO XS22
URGENTE SUMÁRIO NÃO URGENTE
NÃO URGENTE
EQUALIZAÇÃO ATIVA
ESTADO INTERNO 3 XS16
NÃO URGENTE ATIVAÇÃO DO SISTEMA
In Eq./FC
LVD ATIVO FALHA NO VENTILADOR
ESTADO INTERNO 1 RETIFICADOR
URGENTE LIMITE DE TEMP NÃO
TODAS AS FALHAS DE ENERGIA CA
ESTADO INTERNO 7 LIMITE DE CORRENTE URGENTE
XS23
NÃO URGENTE LIMITE DE TENSÃO
QUALQUER FALHA DE ENERGIA CA AC FAIL (ALL)
ESTADO INTERNO 6 TENSÃO DE SAÍDA
NÃO URGENTE BAIXA
CLOCK INVÁLIDO
ESTADO INTERNO 9
FALHA NA BATERIA DO RTC NÃO URGENTE
ESTADO INTERNO 8
NÃO URGENTE
FALHA NO COMANDO DO RETIFICADOR
ESTADO INTERNO 11

ADITIVO DE CORRENTE DO RETIFICADOR SOMATÓRIOS


A2 CORRENTE DA CARGA PARÂMETRO DE
SUBTRATIVO DE CORRENTE DE BATERIA EXIBIÇÃO 1 D05645D
A3

Figura 5-3 Configuração Normal de Alarmes

Métodos de Configuração
Todos os alarmes do SM50 são configurados como parte do processo de configuração de
todo o sistema. Cada parâmetro de alarme é alterado para atender a requisitos específicos.
As alterações na configuração dos alarmes são realizadas nas seguintes situações:
• Durante a instalação
• Se houver necessidade de upgrade do software
• Se houver uma revisão da configuração do sistema
• Se houver um erro na configuração existente
• Alterações temporárias como parte do procedimento de detecção de falhas
Use o software ICE (Intergy Configuration Editor), com um microcomputador conectado
no painel frontal do SM50, para configurar os alarmes do SM50 e emitir uma cópia
completa da configuração do sistema. Para mais detalhes sobre a conexão de um
microcomputador ao SM50, leia o Capítulo 1, Uso do Painel Frontal do SM50.
Nota: O arquivo de configurações do SM50 contém os valores configurados que definem como
seu sistema funciona. O Manual de Configuração tem uma cópia desses valores de
configuração.

dezembro/2000 136
Teclado e Display do Painel Frontal do SM50
Use o teclado e o display do painel frontal do SM50 para fazer alterações específicas nos
parâmetros de alarme existentes no banco de dados de configuração.

Instruções de Configuração

Cuidado CONFIGURAÇÃO DE ALARMES


Certifique-se de que todos os parâmetros são consistentes. O mapeamento incorreto dos
canais de entrada, estados de alarmes e relés de saída pode resultar em funcionamento
imprevisível e pode ser difícil de controlar.

A configuração de alarmes em um IPS operacional é definida como parte do último


download de configuração. Use o teclado e o display do painel frontal do SM50 para
fazer alterações específicas na configuração dos alarmes. Não tente usar os controles do
painel frontal para fazer uma configuração de alarmes completa – o Configuration Editor
foi desenvolvido para esta finalidade.
A designação de nomes, atribuição de canais, mapeamento, estados e limites de alarmes
são todos configuráveis. Verifique especialmente se a configuração é a desejada. A
configuração dos alarmes pode ser alterada a qualquer momento, mas todas as alterações
devem ser testadas duas vezes e registradas.
Considere os seguintes pontos:
• Use convenções de designação de nomes consistentes. Especialmente entre entradas,
estados, alarmes e relés.
• Use combinações lógicas para somatórios e alarmes.
• Não duplique alarmes. Lembre-se que também existem alarmes nos próprios
retificadores.
• A configuração normal é o ponto de partida.
• Ao alterar itens, verifique se todas as ligações dos alarmes ainda são consistentes:
n Estão mapeadas no estado correto?

n O estado está correto?

n Estão mapeadas no relé correto?

n O relé está correto?

• Não é necessário usar todos os canais, alarmes e relês disponíveis. Deixe alguns para
expansão.
• Os parâmetros não usados devem ser configurados como Nenhum ou Desativado,
conforme o caso.
• Quando os parâmetros forem desativados, todos os parâmetros envolvidos devem ser
configurados com valores seguros para que se o parâmetro for ativado acidentalmente,
não ocorra nenhuma interrupção do sistema.
• Sempre registre todas as alterações nos parâmetros.
Nota: Para alterar os parâmetros dos alarmes são necessários níveis de acesso específicos. Os
níveis de acesso aos parâmetros são definidos na configuração e não podem ser
alterados através do painel frontal.

dezembro/2000 137
Tipos de Alarmes do SM50
No SM50 são configurados três tipos de alarmes:
• Alarmes do sistema
• Alarmes do retificador
• Alarmes sumários
Cada tipo de alarme e cada canal de alarme pode ser ativado ou desativado.

Alarmes do Sistema
Os alarmes do sistema são usados para gerar um alarme ativo quando parâmetros
analógicos, digitais ou internos estiverem fora de limites predeterminados. Existem 30
canais de alarmes do sistema configuráveis. Cada canal pode monitorar dois parâmetros.
Um alarme do sistema pode ser configurado como urgente ou não urgente e ser mapeado
em um relé de saída. Eles podem ser configurados como alarmes permanentes ou não
permanentes.
Os seguintes parâmetros devem ser ativados e configurados antes de serem usados com os
alarmes do sistema:
• Canais de entrada analógicos
• Somatórios
• Estados analógicos
• Canais de entrada digitais
• Estados digitais
• Relés de saída
Para mais detalhes, consulte o Capítulo 4, Configuração de Canais de Entrada e Relés de
Saída.

Alarmes do Retificador
13 parâmetros de retificadores são monitorados para uso como alarmes. Cada um deles
pode ser configurado como um alarme urgente, alarme não urgente ou desativado. Os
alarmes de retificador urgentes e não urgentes podem ser cada um deles atribuído a um
reléde saída.

Alarmes Sumários
Há um alarme sumário urgente e não-urgente. Qualquer alarme de Sistema ativo ou de
retificador urgente ativa o alarme sumário urgente. Qualquer alarme de Sistema ou de
retificador não-urgente ativa o alarme sumário não-urgente. Os alarmes sumários urgente
e não urgente podem ambos ser individualmente atribuídos a um relé de saída.

Alterando Parâmetros de Alarmes no Sistema


Existem 30 alarmes do sistema aos quais pode ser atribuída qualquer combinação de
estados analógicos, estados digitais e estados internos. Cada alarme do sistema tem duas
entradas de estado de alarme que podem ser reunidas usando-se um dos operadores
lógicos – AND, OR, XOR (OR Exclusivo). Cada alarme do sistema pode ser ativado ou
desativado, receber um rótulo, configurado como um alarme urgente ou não urgente,
permanente ou não permanente e mapeado em um relé de saída.
A Figura 5-4 mostra detalhes das relações de alarmes do sistema.

dezembro/2000 138
ALARMES DO SISTEMA RELÊS DE SAÍDA

CARGA ALTA v URGENTE XS20 CARGA ALTA V


ESTADO ANALÓGICO 1
FLUTUAÇÃO ALTA v NÃO URGENTE XS19 FLUTUAÇÃO ALTA V
ESTADO ANALÓGICO 2
FLUTUAÇÃO ALTA v NÃO URGENTE
XS18 FLUTUAÇÃO BAIXA V
ESTADO ANALÓGICO 3
CARGA ALTA v URGENTE
XS17 CARGA BAIXA V
ESTADO ANALÓGICO 4

FALHA FUSÍVEL DA CARGA


XS2-1 DIGITAL DE ENTRADA 14 URGENTE
XS24 FALHA NO FUSÍVEL
FALHA FUSÍVEL DA BATERIA
XS2-2 DIGITAL DE ENTRADA 13
LVD MANUAL URGENTE
XS5-8 DIGITAL DE ENTRADA 7
URGENTE PARA ALARME SUMÁRIO URGENTE
FALHA LVD
XS5-1 DIGITAL DE ENTRADA 8
FALHA MOV
XS3-1 DIGITAL DE ENTRADA 12 NÃO URGENTE
FALHA ACD ALT PARA ALARME SUMÁRIO NÃO URGENTE
XS3-4 DIGITAL DE ENTRADA 10

EQUALIZAÇÃO ATIVA NÃO URGENTE


ESTADO INTERNO 3
XS16 EQUALIZADOR ATIVO INTERNO
LVD ATIVO NÃO URGENTE
ESTADO INTERNO 1
TODAS AS FALTA DE ENERGIA CA URGENTE
ESTADO INTERNO 7
XS23 FALTA DE ENERGIA CA (TODOS)
QUALQUER FALTA DE ENERGIA CA NÃO URGENTE
ESTADO INTERNO 6
CLOCK INVÁLIDO NÃO URGENTE
ESTADO INTERNO 9
FALHA NA BATERIA DO RTC NÃO URGENTE
ESTADO INTERNO 8
FALHA NO COMANDO DO RETIFIC. NÃO URGENTE
ESTADO INTERNO 11

Figura 5-4 Configuração de Alarmes do Sistema

Antes de um alarme do sistema ser configurado, defina e ative os:


• Estados de Entradas Analógicas
• Estados de Entradas Digitais
• Relês de Saída
Para mais detalhes, leia o Capítulo 4, Configuração de Canais de Entrada e Relés de
Saída.

dezembro/2000 139
Para alterar um parâmetro de Alarme do Sistema
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal
2 Selecione Alarmes no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Alarmes do Sistema no menu Alarmes
4 Selecione o número do alarme
5 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil)
Geralmente o alarme está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 6 a 12
seguintes.
6 Digite um nome Rótulo (Etiq Alfa) para o alarme com até 20 caracteres
alfanuméricos.
7 Selecione Urgente ou Não-Urgente (Urgente/Não-Urgente).
8 Selecione um Relé de Saída na lista de relés de saída ativados.
Os relés designados não são exibidos.
9 Selecione o primeiro estado de entrada Estado 1 (Est 1) na lista de estados ativados.
A lista contém estados de entradas analógicas, estados de entradas digitais e estados
internos.
10 Opcionalmente, selecione o segundo estado de entrada Estado 2 (Est 2) na lista de
estados ativados: estados analógicos, digitais e internos.
11 Selecione o Operador Lógico (Logi Est) AND, OR ou XOR a ser aplicado aos dois
estados de entrada.
12 Selecione Permanente (Engata) ou Não Permanente (Não Engata). Um alarme
Permanente deve ser desativado manualmente quando não se existirem mais as
condições de alarme. Um alarme Não Permanente é desativado automaticamente
quando não existirem mais as condições de alarme.
13 Repita os passos 4 a 12 para cada alarme do sistema a ser configurado.
Nota: Deve-se sempre configurar um operador lógico válido como um alarme do sistema
ativado. Se for usado somente um estado de entrada, o operador lógico deve ser
configurado como Or.

Como os Operadores Lógicos Funcionam


Os Operadores Lógicos, selecionados na lista Logi Est. , controlam a relação entre o
Estado 1 e Estado 2 no menu de alarmes do sistema.
A Tabela 5-4 lista os operadores lógicos e mostra as relações entre o Estado 1 e Estado 2.
Ela mostra as combinações para um estado de alarme ativo. Todas as outras combinações
resultam em um estado de alarme inativo.

dezembro/2000 140
Tabela 5-4 Operadores Lógicos
Lógica do Estado Estado 1 Estado 2 Estado do Alarme
OR Ativo Inativo Ativo
OR Inativo Ativo Ativo
OR Nenhum Ativo Ativo
OR Ativo Nenhum Ativo
E Ativo Ativo Ativo
XOR Ativo Inativo Ativo
XOR Inativo Ativo Ativo
XOR Nenhum Ativo Ativo
XOR Ativo Nenhum Ativo

A Tabela 5-5 mostra os valores de parâmetros de alarmes do sistema em uma


configuração normal.
Tabela 5-5 Valores Ajustes de Parâmetros de Alarmes do Sistema
N° Rótulo Classe Relé de Estado 1 do Alarme Estado 2 do Lógica Controle de
Alarme Alarme Retenção
1 Carga Alta Urgente 10 Carga Alta Analógico Nenhum OR Não permanente
2 Flut. Alta Não 11 Flutuação Alta Nenhum OR Não permanente
urgente Analógico
3 Flut. Baixa Não 12 Flutuação Baixa Nenhum OR Não permanente
urgente Analógico
4 Carga Baixa Urgente 13 Carga Baixa Analógico Nenhum OR Não permanente
5 Falha Fuse Urgente 8 Falha no Fusível de Falha no OR Não permanente
Carga Digital Fusível da
Bateria
Digital
6 In Eq. / FC Não 14 Equalizador Ativo Nenhum OR Não permanente
urgente Interno
7 Operador DVB Urgente Nenhum DVB Ativo Interno Nenhum OR Não permanente
8 Falha DVB Urgente Nenhum Falha no DVB Digital Nenhum OR Não permanente
9 DVB Manual Não Nenhum DVB Manual Digital Nenhum OR Não permanente
urgente
10 Falha MOV Não Nenhum Falha no MOV Digital Falha de OR Não permanente
urgente ACD Alt
Digital
11 Urgente Nenhum Digital Nenhum OR Não permanente
12 Falha CA Urgente 7 Falta de energia CA Nenhum OR Não permanente
(Todos) (Todos) Interno
13 Falha Não Nenhum Falta de energia CA Nenhum OR Não permanente
CA(Qualquer) urgente (Qualquer) Interno
14 Clock Invalido Não Nenhum RTC não inicializado Nenhum OR Não permanente
urgente Interno

dezembro/2000 141
15 RTC Falha Não urgente Nenhum Falha na Bateria do Nenhum OR Não permanente
na Bateria RTC Interno
16 Falha Não urgente Nenhum Falha no Comando do Nenhum OR Não permanente
Comando Retificador Interno
Retif

Alterando Parâmetros de Alarmes do Retificador


Os alarmes do retificador são configurados como Urgentes, Não urgentes e Desativado.
Existem duas listas na estrutura de menus de alarmes do retificador:
• Uma lista de alarmes Urgentes
• Uma lista de alarmes Não Urgentes
Cada lista contém todos os estados do retificador. Cada estado do retificador é
configurado como ativado ou desativado em cada lista. Os estados do retificador
configurados como desativados nas duas listas, não ativam alarmes se eles se tornarem
ativos.
Os estados podem ser ativados nas duas listas e geram um alarme Urgente e um Não
Urgente quando se tornarem ativos. Entretanto, esta é uma opção não comum e com
pouca probabilidade de uso. A função de alarmes do retificador do SM50 busca
informações relativas a todos os retificadores. Uma alarme do retificador ativo em um dos
estados, significa que a condição está ativa em um ou mais retificadores não
especificados.
Use o menu Visualiz Alarm para identificar o retificador que acionou o alarme.

dezembro/2000 142
A Figura 5-5 mostra detalhes das relações dos alarmes do retificador.
ENTRADAS DO
RETIFICADOR

FALHA PENDENTE

OSVD ACIONADO
RETIFICADOR
URGENTE RETIFICADOR URGENTE XS25
R9
SEM COMUNS

FALHA NO FUSÍVEL

PARA ALARME SUMÁRIO URGENTE

PARA ALARME SUMÁRIO NÃO URGENTE

ENTRADAS DO
RETIFICADOR
ATIVAÇÃO DO SISTEMA
FALHA NO VENTILADOR

LIMITE DE TEMP

LIMITE DE CORRENTE RETIFICADOR


LIMITE DE TENSÃO
NÃO URGENTE

TENSÃO DE SAÍDA
BAIXA
D05858

Figura 5-5 Configuração de Alarmes do Retificador

dezembro/2000 143
Estados do Retificador
A Tabela 5-6 mostra detalhes dos 13 estados do retificador monitorados pelo SM50.
Tabela 5-6 Estados do Retificador
Estado do Retificador Ativo Quando
Ativação do Sistema O estado Startup está ativo e Communication Lost está inativo
Comunicação Defaulted to Presets está ativo e Communication Lost inativo
Restabelecida
Manutenção O estado Caps Low está ativo e Communication Lost inativo
Falha no Ventilador O estado Fan Fail está ativo e Communication Lost inativo
Limite de Temperatura O estado Temp Limit está ativo e Communication Lost inativo
Limite de Corrente O estado Current Limit está ativo e Communication Lost inativo
Limite de Tensão O estado Power Limit está ativo e Communication Lost inativo
Tensão de Saída Baixa O estado Low Voltage está ativo e Communication Lost inativo
Tensão CA Baixa O estado Low Utility está ativo e Communication Lost inativo
Falha O estado Fail está ativo e Communication Lost inativo
Falha no Fusível O estado Fuse Fail está ativo e Communication Lost inativo
OVSD Acionado O estado OVSD Tripped está ativo e Communication Lost inativo
Perda de Comunicação O retificador fica desconectado

Existem também alguns Estados Internos do SM50 derivados dos retificadores.


Para uma lista dos estados internos do SM50, consulte a Tabela 5-3, Estados Internos do
SM50.
Antes dos alarmes do retificador serem configurados, defina e ative os relês de saída.
Para alterar parâmetros de Alarmes do Retificador
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal
2 Selecione Alarmes no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Alarme do Retificador (Alarmes Retif) no menu Alarmes
4 Selecione Alarme Urgente
5 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil) para o Alarme Urgente do
Retificador.
Geralmente o alarme está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 3 e 4.
6 Selecione o Relé de Saída, se necessário, na lista de relés de saída disponíveis.
7 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil) para cada um dos 13 estados
do retificador.
8 Retorne ao menu Alarme do Retificador (Alarmes Retif) e selecione Não-Urgente
9 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil) para o Alarme Não
Urgente do Retificador.
Geralmente o alarme está sendo ativado, e neste caso aplica-se os passos 7 e 8.
10 Selecione o Relé de Saída, se necessário, na lista de relês de saída disponíveis.
11 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil) para cada um dos 13 estados
de retificador.

dezembro/2000 144
A Tabela 5-7 mostra os parâmetros de alarmes do retificador para uma configuração
normal.
Tabela 5-7 Alarmes do Retificador
Urgente Não Urgente Desativado
Ativado Ativado
Retificador Urgente Relê 9 Nenhum Relê Selecionado
Falha no Retificador Ativação do Sistema Comunicação Restabelecida
OVSD Acionado Falha no Ventilador Manutenção
Perda de Comunicação Limite de Temperatura Tensão CA Baixa
Falha no Fusível Limite de Corrente
Limite de Tensão

Alterando Parâmetros de Alarmes Sumários


O alarme sumário urgente agrupa todos os alarmes urgentes. Quando algum alarme
urgente está ativo, o alarme sumário urgente acende o LED urgente que fica no painel
frontal do SM50 e o alarme sonoro.
O alarme sumário não urgente agrupa todos os alarmes não urgentes. Quando algum
alarme não urgente está ativo, o alarme sumário não urgente acende o LED não urgente
que fica no painel frontal do SM50 e o alarme sonoro.
Cada alarme sumário urgente e não urgente pode ser atribuído a um relé de saída.
A Figura 5-6 mostra detalhes das relações do Alarme Sumário.

DOS ALARMES URGENTES DO RETIFICADOR

LED URGENTE
SUMÁRIO
DOS ALARMES URGENTES DO SISTEMA R5 SUMÁRIO URGENTE XS21
URGENTE

LED NÃO URGENTE


SUMÁRIO
DOS ALARMES NÃO URGENTES DO SISTEMA SUMÁRIO NÃO URGENTE XS22
NÃO R6
URGENTE

DOS ALARMES NÃO URGENTES DO RETIFICADOR

Figura 5-6 Configuração de Alarmes Sumários

Antes dos Alarmes Sumários serem configurados, defina e ative os relés de saída.

dezembro/2000 145
Para alterar parâmetros de Alarmes Sumários
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no menu Principal
2 Selecione Alarmes no menu Configuração do Sistema.
3 Selecione Alarmes Sumários (Alarm Sumar.) no menu Alarmes
4 Selecione Alarme Urgente no menu Alarmes Sumários.
5 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil) para os alarmes sumários
urgentes.
Geralmente o alarme está sendo ativado, e neste caso aplica-se o passo 3.
6 Selecione o Relé de Saída, se necessário, na lista de relês de saída disponíveis.
7 Retorne ao menu Alarmes Sumários (Alarm Sumar.) e selecione Não-Urgente no
menu Alarmes Sumários.
8 Configure Habilitado ou Desabilitado (Habil/Desabil) para os alarmes sumários não
urgentes.
Geralmente o alarme está sendo ativado, e neste caso aplica-se o passo 4.
9 Selecione o Relé de Saída, se necessário, na lista de relés de saída disponíveis.
A Tabela 5-8 mostra os parâmetros dos alarmes sumários para uma configuração normal.
Tabela 5-8 Alarmes Sumários
Urgente Não Urgente
Ativado Ativado
Relé 5 Relé 6
Sumário Urgente Sumário Não Urgente

dezembro/2000 146
Isolando e Reconectando Alarmes
Esta seção explica como usar o SM50 para isolar e reativar alarmes.

Isolando Todos os Alarmes


Os alarmes são isolados usando-se o painel frontal do SM50. Quando os alarmes são
isolados, nenhum alarme ativo novo é exibido e os relês de alarme associados não atuam.
Os alarmes ativos existentes continuam funcionando.
O isolamento de alarmes permite que os serviços de manutenção e outras atividades
sejam executados sem qualquer indicação de alarmes ativos.
Os alarmes são reconectados automaticamente após um tempo predeterminado ou
manualmente através do painel frontal do SM50.
Todos os alarmes são isolados através deste recurso. Se um determinado alarme tiver que
ser desativado, use a opção Ativado/Desativado do menu Alarme da opção Configuração
do Sistema. Para mais detalhes, consulte a seção Configuração do Sistema de Alarmes do
SM50.
Nota: Se um determinado alarme for desativado, lembre-se de reativá-lo quando a operação do
sistema for restabelecida.
Confirme e desative todos os alarmes ativos antes de isolar os alarmes. Todos os alarmes
ativos não confirmados quando do isolamento dos alarmes, continuarão sendo exibidos
até serem confirmados ou desativados.

Para isolar todos os alarmes


1 Selecione Alarmes no Menu Principal.
2 Selecione Alarmes Isolados (Isolar Alarmes) no menu Alarmes.
3 Digite a Senha, se solicitado. É exibida na tela a mensagem “Todos os Alarmes serão
isolados”.
4 Pressione a tecla programável SIM para isolar todos os alarmes.
Na tela é exibida rapidamente uma mensagem de confirmação.

Reconectando Todos os Alarmes


Os alarmes isolados são reconectados automaticamente após um tempo predeterminado
ou manualmente no painel frontal do SM50.
Quando os alarmes isolados são reconectados automaticamente, é emitido um aviso
sonoro por um tempo predeterminado antes da reconexão. Um aviso de reconexão de
alarme também aparece rapidamente na tela do SM50.
Todos os alarmes que se tornaram ativos enquanto os alarmes eram isolados, funcionam
normalmente após a reconexão.

dezembro/2000 147
Para reconectar manualmente todos os alarmes
1 Selecione Conectar Alarmes no menu principal Alarmes.
2 Digite a Senha, se solicitado.
Na tela aparece a mensagem: “Todos Alarmes serão conectados”.
3 Pressione a tecla programável SIM para reconectar todos os alarmes.
Na tela aparece rapidamente uma mensagem de confirmação.

Alterando Parâmetros de Controle de Alarmes


O menu Controle de Alarmes (Contr Alarme) pré-configurado é selecionado no menu
Configuração do Sistema, Alarme, Alarmes do Sistema, Controles de Alarmes do
SM50.
O menu de Controle de Alarmes contém os seguintes parâmetros:
• Bips
• Tempo de Inibição (Tempo Inibidor)
• Tempo de Aviso de Reativação (Re-abil Tpo Aviso)

Alterando os Bips
Existem três opções de configuração dos bips:
• Todos (Tod) - ativa bips para todos os alarmes
• Urgente - ativa bips somente para alarmes urgentes
• Nemhum (Nenh) - desativa bips para todos os alarmes

Para alterar os bips


1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no Menu Principal.
2 Selecione Alarme no menu Configuração do Sistema
3 Selecione Controle de Alarmes (Contr Alarme) no menu Alarmes.
4 Selecione Bips no menu Controle de Alarmes.
5 Use as teclas Seta para Baixo e Seta para Cima de controle do cursor para selecionar
Todos (Tod), Urgente ou Nenhum (Nenh).
6 Retorne ao modo Idle Display quando terminar todas as alterações.

dezembro/2000 148
Alterando o Tempo de Inibição
O tempo de inibição é o tempo predefinido para reconexão automática.
Para alterar o tempo de inibição
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no Menu Principal.
2 Selecione Alarme no menu Configuração do Sistema.
3 Selecione Controle de Alarmes (Contr Alarme) no menu Alarms.
4 Selecione Tempo de Inibição (Tempo Inibidor).
5 Configure Tempo de Inibição (Tempo Inibidor) – a faixa é de 1 a 120 minutos. A
configuração normal é 60 minutos.

Alterando o Tempo de Aviso de Reativação


O tempo de aviso é o tempo de aviso predefinido.
Para alterar o tempo de aviso de reativação
1 Selecione Configuração do Sistema (Config do Sist) no Menu Principal.
2 Selecione Alarme no menu System Configuration.
3 Selecione Controle de Alarmes (Contr Alarmes) no menu Alarms.
4 Selecione Tempo de Aviso de Reativação (Re-abil Tpo Aviso).
5 Configure Tempo de Aviso de Reativação (Re-abil Tpo Aviso) – a faixa é de 0 a
1000 segundos. A configuração normal é 300 segundos (isto é, 5 minutos).

dezembro/2000 149