Você está na página 1de 10

Lista de Exercícios Nº 3

1. Considere
Considere a analogia
analogia de transp
transporte
orte na Seção
Seção 5.1.1 (Kurose
(Kurose.. Se o passageiro
passageiro ! an"logo
an"logo ao datagra#a$
datagra#a$ o %ue
%ue !
an"logo ao %uadro da ca#ada de enlace&
O meio de transporte. Ex. carro, ônibus, trem, avião.

'. Se todos
todos os enlaces da ntern
nternet
et )ornecesse#
)ornecesse# ser*iço
ser*iço con)i"*e
con)i"*ell de entrega$
entrega$ o ser*iço con)i"*
con)i"*el
el de entrega
entrega +C,
seria redundante& -usti)i%ue sua resposta.
Embora cada link garanta que datagramas IP enviados através do link serão recebidos na outra extremidade do link
sem erros, não é garantido que datagramas IP chegarão ao destino inal na ordem correta. !om IP, datagramas na
mesma conexão "!P pode assumir dierentes rotas na rede e, portanto, chegar ora de ordem. O "!P ainda seria
necess#rio para garantir que o recebimento inal na aplica$ão tenha o luxo de b%tes na ordem correta. &lém disso, IP
pode perder pacotes devido a loops de roteamento ou alhas de equipamento.

3. uais
uais alguns
alguns possí*
possí*eis
eis ser*iço
ser*içoss %ue
%ue u# protoc
protocolo
olo de ca#ada
ca#ada de enlace
enlace pode o)erecer
o)erecer / ca#ada
ca#ada de rede.
uais desses ser*iços de ca#ada de enlace t0# ser*iços correspondentes no ,& E no +C,&
'uadros(
'uadros( h# também quadros
quadros em IP e "!P) acesso ao enlace) entrega coni#vel( h# também a entrega coni#vel em
"!P) controle de luxo( h# também o controle de luxo em "!P) detec$ão de erro( h# também a detec$ão de erros em
IP e "!P) corre$ão de erros) ull duplex( "!P também é ull duplex.

. 20 u# exe#plo
exe#plo (%ue não sea
sea o da 4igura 5. #ostran
#ostrando
do %ue *eri)icaç6
*eri)icaç6es
es de paridade
paridade 7idi#ensio
7idi#ensional
nal pode#
pode#
corrigir e detectar u# erro de 7it 8nico. 20 u# outro exe#plo #ostrando u# erro de 7it duplo %ue pode ser 
detectado$ #as não corrigido.
*uponha que n+s come$amos com a matri de paridade inicial bidimensional(
0000|0
1111|0
0101|0
1 0 1 0 |0
0 0 0 0 |0
!om um erro de bit na linha -, coluna , a paridade da linha - e coluna  est# errada.
0000|0
1101|1
0101|0
1010|0
0010|1
 &gora, suponha
suponha que h# um erro de bit na linha -, coluna - e coluna . & paridade
paridade da linha - est# correta/ & paridade
paridade
das colunas - e  estão erradas, mas não podemos detectar em quais linhas o erro ocorreu/
0000|0
1001|0
0101|0
1010|0
0110|0
O exemplo acima mostra que um erro de bit duplo pode ser detectada 0se não corrigido1.

5. Supon9a
Supon9a %ue a porção
porção de in)or#ação
in)or#ação de u# pacote
pacote conten9a
conten9a 1: ;<tes consistind
consistindoo na representação
representação 7in"ri
7in"riaa
=SC se# sinal de u#a cadeia de caracteres. Calcule a so#a de *eri)icação da nternet para os dados a7aixo.

a. = representação =SC das letras = a - (letras #ai8sculas.


23222223 23222232 23222233 23222322 23222323 23222332 23222333 23223222 23223223
23223232

23222223 23222232 22232223 22232322


423222233 23222322 423223223 23223232
32222322
32222322 32222332
32222332 2323323
23233232
2 23233
23233332
 42322232
232 22323
3 23222332
232 22332
33223223 33223322 !omplemento de 3( 32322323 32322223
 423222333 23223222
 32
 322232223 222323225 5o 3 a mais é descartado

7. = represe
representação
ntação =SC
=SC das letras
letras a a  (letras
(letras #in8scul
#in8sculas.
as.
23322223 23322232 23322233 23322322 23322323 23322332 23322333 23323222 23323223
23323232
23322223 23322232 32232223 32232322
423322233 23322322 423323223 23323232
33222322 33222332 33333232 33333333
423322323 23322332
 322323232 223233225 !omplemento de 3( 22222323 22222222
 423322333 23323222
32232223 32232322 5o 3 a mais é descartado

. Considere o gerador > ? 1::11 e supon9a %ue 2 ten9a os *alores a7aixo. ual
! o *alor de @&

a. 1::1:::1:1

7. 1:1:::1111

c. :1:1:1:1:1
A. Supon9a %ue a porção de in)or#ação de u# pacote conten9a 1: ;<tes consistindo na representação 7in"ria
=SC se# sinal de u#a cadeia de caracteres B Link Layer B. Calcule a so#a de *eri)icação da nternet para
esses dados.

23223322 23323223 23323332 23323233 22322222 23223322 23322223 23333223 23322323


23332232

23223322 23323223
423323332 23323233
32333232 33232322
422322222 23223322
33233233 22322222 !omplemento de 3( 23233323 33332322
423322223 23333223
322333322 322332235 5descarta o primeiro 3
423322323 23332232
32322232 22223233

. Supon9a %ue dois nDs co#ece# a trans#itir ao #es#o te#po u# pacote de co#pri#ento L por u# canal
broadcast  de *elocidade @. 2enote o atraso de propagação entre os dois nDs co#o t prop. a*er" u#a colisão
se tprop F LG@& ,or %u0&
6aver# uma colisão no sentido de que, enquanto um n+ est# a transmitir vai come$ar a receber um pacote a partir do
outro n+.

H. 2escre*a os protocolos de  polling   e de passage# de per#issão usando a analogia co# as interaç6es


ocorridas e# u# co%uetel.
7a polling, um l8der de discussão permite que apenas um participante ale de cada ve, com cada participante tendo
a chance de alar de uma orma round9robin. Para "oken :ing, não h# um l8der de discussão, mas não h# vidro de
vinho que os participantes se reveam segurando. ;m participante s+ é permitido alar se o participante est#
segurando o copo de vinho.

1:. ue ta#an9o te# o espaço de endereço I=C& E o espaço de endereço ,*& E o espaço de endereço ,*&
Endere$o <&!( -=>?
endere$o IPv>(-=-
endere$o IPv@(-=3-?

11. Supon9a %ue cada u# dos nDs =$ ; e C estea ligado / #es#a L=N broadcast  (por #eio de seus
adaptadores. Se = en*iar #il9ares de datagra#as , a ; co# %uadro de encapsula#ento endereçado ao
endereço I=C de ;$ o adaptador de C processar" esses %uadros& Se processar$ ele passar" os datagra#as
, desses %uadros para C& J %ue #udaria e# suas respostas se = en*iasse %uadros co# endereço I=C de
broadcast &
 &daptador de ! ir# processar os quadros, mas o adaptador não ir# passar os datagramas até a
pilha de protocolos. *e o endere$o de broadcast A&7 or usado, então o adaptador de ! ir# processar os quadros e
passar os datagramas até a pilha de protocolos.

1'. ,or %ue u#a pes%uisa =@, ! en*iada dentro de u# %uadro broadcast & ,or %ue u#a resposta =@, ! en*iada
dentro de u# %uadro co# u# endereço I=C de destino especí)ico&
;ma consulta &:P é enviada em um quadro de broadcast porque o host que consulta não sabe o endere$o <&! que
corresponde ao endere$o IP em questão. Para a resposta, o n+ de envio sabe o endere$o <&! para onde a resposta
deve ser enviada, por isso, não h# necessidade de enviar um quadro de transmissão 0o que teria de ser processada
por todos os outros n+s na A&71.

13. Na rede da 4igura 5.1H$ o roteador te# dois #Ddulos =@,$ cada u# co# sua prDpria ta7ela =@,.  possí*el
%ue o #es#o endereço I=C apareça e# a#7as as ta7elas&
7ão é poss8vel. !ada A&7 tem seu pr+prio conBunto distinto de adaptadores ligados a ele, onde cada adaptador tem
um endere$o <&! Cnico.

1. Considere tr0s L=Ns interconectadas por dois roteadores$ co#o #ostrado na 4igura 5.3.

4igura 5.3 3 su7Mredes$ interconectadas por roteadores

a. =tri7ua endereços a todas as inter)aces. ,ara a Su7Mrede 1$ use endereços do tipo 1H'.1.1.xxx para a Su7M
rede '$ use endereços do tipo 1H'.1.'.xxx$ e para a Su7Mrede 3 use endereços do tipo 1H'.1.3.xxx.

7. =tri7ua endereços de I=C a todos os adaptadores.

=e;
c. Considere o en*io de u# datagra#a , do 9ospedeiro E ao 9ospedeiro ;. Supon9a %ue todas as ta7elas =@,
estea# atualiOadas. Enu#ere todas as etapas co#o )oi )eito no exe#plo de u# 8nico roteador na Seção
5..'.
0i1 E 9D :-
IPo( 3-.3@?..-
IPd( 3-.3@?.3.
<&!o( EE(EE(EE(EE(EE(EE
<&Fd( 33(33(33(33(33(33

0ii1 :- 9D :3
IPo( 3-.3@?..-
IPd( 3-.3@?.3.
<&!o( 33(33(33(22(22(22
<&Fd( 22(22(22(33(33(33

0iii1 :3 9D G
IPo( 3-.3@?..-
IPd( 3-.3@?.3.
<&!o( 22(22(22(22(22(22
<&Fd( GG(GG(GG(GG(GG(GG

d. @epita (c$ ad#itindo agora %ue a ta7ela =@, do 9ospedeiro re#etente estea *aOia (e %ue as outras
ta7elas estea# atualiOadas.

0i1 E 9D G:O&F!&*"
 &:P( 3-.3@?..3 0iv1 :- 9D :3
<&!o( EE(EE(EE(EE(EE(EE IPo( 3-.3@?..-
<&Fd( HH(HH(HH(HH(HH(HH IPd( 3-.3@?.3.
<&!o( 33(33(33(22(22(22
0ii1 :- 9D E <&Fd( 22(22(22(33(33(33
<&!o( 33(33(33(33(33(33
<&Fd( EE(EE(EE(EE(EE(EE 0v1 :3 9D G
IPo( 3-.3@?..-
0iii1 E 9D :- IPd( 3-.3@?.3.
<&!o( 22(22(22(22(22(22
IPo( 3-.3@?..-
IPd( 3-.3@?.3. <&Fd( GG(GG(GG(GG(GG(GG
<&!o( EE(EE(EE(EE(EE(EE
<&Fd( 33(33(33(33(33(33

15. Considere a 4igura 5.3. =gora su7stituí#os o roteador entre as su7Mredes 1 e ' pelo co#utador S1$ e
eti%ueta#os o roteador entre as su7Mredes ' e 3 co#o @1.
a. Considere o en*io de u# datagra#a , do ospedeiro E ao ospedeiro 4. J ospedeiro E pedir" auda ao
roteador @1 para en*iar o datagra#a& ,or %u0& No %uadro Et9ernet %ue cont!# o datagra#a ,$ %uais são os
endereços de orige# e destino , e I=C&
7ão. E pode veriicar o preixo sub9rede do endere$o IP do host de H, e então aprender que H a parte da mesma
A&7. &ssim, E não vai enviar o pacote para o roteador padrão :3.
'uadro Ethernet de E para H(
Endere$o IP de origem( E
Endere$o IP de destino( H
Endere$o <&! de Origem( E
Endere$o <&! de destino( H

7. Supon9a %ue E gostaria de en*iar u# datagra#a , a ;$ e %ue o cac9e =@, de E não ten9a o
endereço I=C de ;. E preparar" u#a consulta =@, para desco7rir o endereço I=C de ;& ,or %u0& No
%uadro Et9ernet (%ue cont!# o datagra#a , destinado a ; %ue ! entregue ao roteador @1$ %uais são os
endereços de orige# e destino , e I=C&
7ão, porque eles não estão na mesma A&7. E pode descobrir isso através da veriica$ão IP de G.
'uadro Ethernet de E para :3(
Endere$o IP de origem( E
Endere$o IP de destino( G
Endere$o <&! de Origem( E
Endere$o <&! de destino( O endere$o <&! da interace de :3 que liga a sub9rede .

c. Supon9a %ue o ospedeiro = gostaria de en*iar u# datagra#a , ao ospedeiro ;$ e ne# o


cac9e =@, de = cont!# o endereço I=C de ;$ ne# o cac9e =@, de ; cont!# o endereço I=C de =.
Supon9a ta#7!# %ue a ta7ela de enca#in9a#ento do co#utador S1 conten9a entradas so#ente para o
ospedeiro ; e para o roteador @1. 2essa )or#a$ = trans#itir" u#a #ensage# de re%uisição =@,. ue aç6es
o co#utador S1 to#ar" %uando rece7er a #ensage# de re%uisição =@,& J roteador @1 ta#7!# rece7er" a
#ensage# de re%uisição =@,& Se si#$ @1 enca#in9ar" a #ensage# para a Su7Mrede 3& =ssi# %ue o
ospedeiro ; rece7er essa #ensage# de re%uisição =@,$ ele en*iar" a #ensage# de *olta ao ospedeiro =.
Ias en*iar" u#a #ensage# =@, de consulta para o endereço I=C de =& ,or %u0& J %ue o co#utador S1
)ar" %uando rece7er a #ensage# de resposta =@, do ospedeiro ;&
O comutador *3 vai transmitir o quadro de consulta &:P 0broadcast1 por todas as suas interaces. 'uando recebe o
quadro de &, o comutador aprende o locar do emissor 0descobre que & reside na sub9rede 3, que est# ligado a *3 na
interace de liga$ão com a sub9rede 31. O comutador *3 atualiar# sua tabela de repasse para incluir uma entrada
para o 6ost &.

*im, o roteador :3 também recebe a consulta &:P, mas :3 não ir# encaminhara a mensagem a sub9rede .

G não enviar# uma consulta &:P pedindo o endere$o <&! de &, visto que este endere$o oi obtido a partir da
consulta &:P enviada por &.

'uando o comutador *3 receber a resposta de G, ele ir# adicionar uma entrada para o host G na sua tabela de
repasse, e em seguida, descartara a mensagem, devido ao seu mecanismo de iltragem.

1. Considere o pro7le#a anterior$ #as supon9a %ue o roteador entre as su7Mredes ' e 3 ! su7stituído por u#
co#utador (S'. @esponda /s %uest6es de (a a (c do exercício anterior nesse no*o contexto.
a. 7ão. E pode veriicar o preixo sub9rede do endere$o IP do host de H, e então aprender que H a parte da mesma
A&7. &ssim, E não vai enviar o pacote para *-.
'uadro Ethernet de E para H(
Endere$o IP de origem( E
Endere$o IP de destino( H
Endere$o <&! de Origem( E
Endere$o <&! de destino( H

7. *im, porque E gostaria de encontrar o endere$o <&! de G. 7este caso, E vai enviar uma consulta &:P com
endere$o <&! de destino sendo o endere$o de broadcast.
Este pacote de consulta ser# retransmitido pelo comutador *3 e, eventualmente, recebido pelo 6ost G.
'uadro Ethernet de E para *-(
Endere$o IP de origem do IP  E
Endere$o IP de destino do IP  G
Endere$o <&! de Origem( E
Endere$o <&! de destino( HH9HH9HH9HH9HH9HH.

c. O comutador *3 vai transmitir o quadro de consulta &:P 0broadcast1 por todas as suas interaces. 'uando recebe
o quadro de &, o comutador aprende o locar do emissor 0descobre que & reside na sub9rede 3, que est# ligado a *3
na interace de liga$ão com a sub9rede 31. O comutador *3 atualiar# sua tabela de repasse para incluir uma entrada
para o 6ost &.

*im, o comutador *- também recebe esta mensagem de solicita$ão &:P, e ir# transmitir esta consulta para todas as
suas interaces.

G não enviar# uma consulta &:P pedindo o endere$o <&! de &, visto que este endere$o oi obtido a partir da
consulta &:P enviada por &.

'uando o comutador *3 receber a resposta de G, ele ir# adicionar uma entrada para o host G na sua tabela de
repasse, e em seguida, envia o quadro recebido para o destino no host & eu est# na mesma A&7.

1A. Co#pare as estruturas de %uadro das redes Et9ernet 1:;ase+$ 1::;ase+ e >iga7it Et9ernet. uais as
di)erenças entre elas&
 &s trJs possuem a mesma estrutura de quadro. & dieren$a entre elas est# na velocidade.

1. Considere a 4igura 5.' (Kurose. uantas su7Mredes existe#$ e# relação ao acesso da Seção .& - redes 0a
sub9rede interna e a internet0externa11.

1H. ual o n8#ero #"xi#o de PL=Ns %ue pode# ser con)iguradas e# u# co#utador %ue suporta o protocolo
:'.1& ,or %u0&
O quadro KA&7 ?2-.3' possui um identiicador de KA&7 de 3- bits. &ssim, -=3-  >2@ KA&7s que podem ser 
suportada.

':. Le#7reMse de %ue$ co# o protocolo CSI=GC2$ o adaptador espera K. 51' te#pos de 7its apDs u#a colisão$
onde K ! escol9ido aleatoria#ente. ,ara K ? 1::$ %uanto te#po o adaptador espera at! *oltar / etapa ' para
u#a Et9ernet de 1: I7ps& E para u#a Et9ernet de 1:: I7ps&

'1. Pa#os considerar a operação de aprendiOage# do co#utador no contexto da 4igura 5.' (Kurose. Supon9a
%ue (i ; en*ia u# %uadro a E$ (ii E responde co# u# %uadro a ;$ (iii = en*ia u# %uadro a ;$ (i* ; responde
co# u# %uadro a =. = ta7ela do co#utador est" inicial#ente *aOia. 2e#onstre o estado da ta7ela do
co#utador antes e depois de cada u# desses e*entos. ,ara cada u# dos e*entos$ identi)i%ue os enlaces e#
%ue o %uadro trans#itido ser" enca#in9ado$ e 7re*e#ente usti)i%ue suas respostas.

=ção Co#utador Enlaces Enca#in9ado -usti)icati*a


Festino do quadro
 &p+s receber quadro, aprende local
desconhecido(
i do emissor G e registra par   &, !, F, E, H
comutador imunda a
emissorLlocal na tabela de comuta$ão
rede
 &p+s receber quadro, aprende local
Festino G conhecido(
ii do emissor E e registra par  G
envio seletivo
emissorLlocal na tabela de comuta$ão
 &p+s receber quadro, aprende local
Festino G conhecido(
iii do emissor & e registra par  G
envio seletivo
emissorLlocal na tabela de comuta$ão
Festino & conhecido(
i* "abela B# possui esses endere$os &
envio seletivo

''. Considere o 8nico co#utador PL=N da 4igura 5.3: (Kurose$ e supon9a %ue u# roteador externo est"
conectado as portas 3 e 11 do co#utador. =tri7ua endereços , aos 9ospedeiros EE e CC e /s inter)aces do
roteador. @elacione /s etapas usadas e# a#7as as ca#adas de rede e de enlace para trans)erir o datagra#a
, ao 9ospedeiro EE e ao 9ospedeiro CC.
Endereços , dos 9ospedeiros EE
3-.3@?.3.3, <&! 22(22(22(22(22(22
3-.3@?.3.-, <&! 33(33(33(33(33(33
333.333.3., <&! --(--(--(--(--(--
<#scara de sub9rede( 3-.3@?.3L->
Endereços , dos 9ospedeiros CC
3-.3@?.-.3, <&! (((((
3-.3@?.-.-, <&! >>(>>(>>(>>(>>(>>
3-.3@?.-., <&! MM(MM(MM(MM(MM(MM
I"scara de su7Mrede 1H'.1.'G'
Endereços @oteador 
Interace EE 3-.3@?.3.-M>, <&! @@(@@(@@(22(22(22
Interace !! 3-.3@?.-.-M>, <&! @@(@@(@@(33(33(33

0i1 6ost EE 3-.3@?.3.3 9D :oteador  0ii1 :oteador 9D 6ost EE 3-.3@?.-.3


IPo( 3-.3@?.3.3 IPo( 3-.3@?.3.3
IPd( 3-.3@?.-.3 IPd( 3-.3@?.-.3
<&!o( 22(22(22(22(22(22 <&!o( @@(@@(@@(33(33(33
<&Fd( @@(@@(@@(22(22(22 <&Fd( (((((

'3. Neste pro7le#a$ *oc0 untar" tudo %ue aprendeu so7re protocolos de nternet. Supon9a %ue *oc0 entre e#
u#a sala$ conecteMse / Et9ernet e %uer )aOer o download de u#a p"gina Qe7. uais são etapas de protocolos
utiliOadas$ desde ligar o co#putador at! rece7er a p"gina Qe7& Supon9a %ue não ten9a nada no seu 2NS ou
no seu na*egador %uando *oc0 ligar seu co#putador. ndi%ue explicita#ente e# suas etapas co#o o7ter os
endereços I=C e , de u# roteador de 7orda.
O computador primeiro usa F6!P para obter um endere$o IP. O computador cria pela primeira ve um datagrama IP
especial destinado a -MM.-MM.-MM.-MM na etapa de descoberta do servidor F6!P, e o coloca em um quadro Ethernet
e o transmiti na Ethernet. Então, seguindo os passos do protocolo F6!P, o computador é capa de obter um
endere$o IP com um determinado tempo de concessão.
;m servidor F6!P na Ethernet também d# ao computador o endere$o IP do roteador de primeiro salto, a m#scara de
sub9rede da sub9rede onde o computador reside, e o endere$o do servidor F7*.
 & tabela &:P do computador é inicialmente vaio, assim o computador usar# protocolo &:P para obter os endere$os
<&! do roteador de primeiro salto, do servidor F7* local e assim poder realiar a consulta F7*.
Primeiro computador ir# obter o endere$o IP da p#gina da Neb que vocJ gostaria de aer donload. *e o servidor 
F7* local não tiver o endere$o IP, o seu computador ir# utiliar F7* protocolo para localiar o endere$o IP da p#gina
da Neb.
;ma ve que o computador tem o endere$o IP da p#gina da Neb, em seguida, ele ir# enviar uma solicita$ão 6""P,
através do roteador de primeiro salto se a p#gina Neb não reside em um servidor Neb local. O <ensagem de pedido
6""P ser# segmentado e encapsulados em pacotes "!P e, em seguida ainda encapsuladas em pacotes IP, e
inalmente encapsulados em quadros Ethernet. *eu computador envia os quadros Ethernet destinados ao roteador de
primeiro salto. ;ma ve que o roteador recebe os quadros, os passa na camada IP, veriica sua tabela de roteamento
e, em seguida envia os pacotes para a interace ora de todas as suas interaces.
Em seguida, seus pacotes IP serão encaminhadas através da Internet até chegarem ao servidor Neb. O servidor que
hospeda a p#gina Neb ir# enviar de volta a p#gina da Neb para o seu computador via <ensagens de resposta 6""P.
Essas mensagens serão encapsulados em pacotes "!P e em seguida, em pacotes IP. Esses pacotes IP seguem as
rotas IP e, inalmente, chega ao seu roteador de primeiro salto, e, em seguida, o roteador ir# encaminhar estes
pacotes IP para o computador encapsulando9os em quadros de Ethernet.