Você está na página 1de 5

Instituto Missionário Palavra da Vida - Norte

Aluno: Raidno Cavalcante de França Júnior Ano do Curso: 2º


Disciplina: Teologia Sistemática III Professores: Samuel Campos
Data: 08/10/2019

Resumo dos capítulos (8, 9 e 10)


Livro: ERICKSON, Millard - Teologia Sistemática

Capítulo 08 – A preservação da revelação: Inspiração


Mesmo no meio teológico, ainda existem muitas divergências de idéias em
relação a inspiração da Palavra e de como ela é revelada. No entanto, deve haver ainda
uma necessidade de entendimento dessas questões. Claro que sabemos que existem
coisas que Deus não revela ainda para o ser humano, mas tudo que tiver a
possibilidade de ser entendido, devemos nos aprofundar ao máximo, como por
exemplo, o estudo dessa área.
Existem diversas teorias referentes ao estudo da inspiração. Mas a verdade que
não deve ser negociada é que todos os textos bíblicos canonizados são diretamente
inspirados por Deus nas diversas épocas. O fato da inspiração é que ela mesma vem se
cumprindo ao longo da história, tanto em meio aos filhos de Deus como dos
incrédulos. A Bíblia tem sua origem em Deus e se direciona para a humanidade.
Uma das dificuldades que vem sendo bem frequentes na criação de teorias são
a problematização de interpretações bíblicas divergentes. A visão de um estudioso
pode ser muito diferente da visão de outro, mas apenas a hermenêutica de um pode
estar mais perto ou totalmente correta. A qualidade e a profundidade da teoria
estudada é avaliada conforme a base bíblica.
Ao longo de toda Escritura, podemos ver nas próprias narrativas, Deus
mostrando aos autores bíblicos, mesmo que indiretamente, que Seu Espírito é quem
inspira as mensagens descritas. Falas como “Disse Deus” ou “veio a Palavra do Senhor”
apontam com clareza que a Bíblia é totalmente a revelação genuína do Senhor.
Inclusive até na vida de Jesus, podemos ver que suas ações e palavras vinham do Pai.
A principal base de todas as doutrinas bíblicas, é o material de ensino. E com a
doutrina da inspiração não é diferente, o decorrer do estudo das Escrituras são para
serem usadas na contribuição para determinar o significa real apontado pela teoria. O
método usado para formular a doutrina da inspiração deve ter um paralelo com o
método usado para formular outras doutrinas.
Como teólogos, devemos nos sustentar na única verdade, que a Palavra é
perfeita e totalmente inspirada por Deus. As diversas teorias e teses levantadas por
muitos estudiosas não podem anular o fato de que a Bíblia é nossa Palavra de guia
segura. Devemos sim estudar profundamente a teologia baseada nessa doutrina, mas
nunca esquecer o fato de que a Palavra é genuína.

Capítulo 09 – A confiabilidade da Palavra de Deus: Inerrância

Neste capítulo temos uma exposição minuciosa da doutrina da inerrância da


Bíblia. Essa doutrina defende que a Bíblia é completamente verdadeira em todos os
textos e seus ensinamentos. Ainda é um desafio convencer várias pessoas ao redor do
mundo dessa verdade, pessoas que estão sendo mais influenciadas pelo secularismo
ou ideias científicas que contradizem a Palavra.
Existem diferentes conceitos de inerrância, como a absoluta que corre um
pouco na direção da inerrância total, pois ambas sustentam a veracidade da Palavra,
embora a absoluta abrange dados científicos, históricos apontando a verdade neles, já
a absoluta não. Também temos a inerrância limitada, que também considera a
genuinidade da Bíblia, embora limite esses dados científicos e históricas na época
descrita.
O conceito de inerrância de propósitos alega que a Escritura cumpre a
inerrância para o seu próprio propósito que é levar a pessoas para uma comunhão
pessoal com Cristo, não comunicando verdades. Enfim, essas e várias outras teorias e
conceitos acabam nos dando um leque de opções de qual aderir e nos incentiva a
realmente estudar a fundo cada uma delas.
Infelizmente, existem estudiosos que levantam tese apontado a irrelevância
dessa doutrina. Isso acaba ocasionando em vários fatores negativos dentro da
teologia, pois influencia a várias pessoas com menor conhecimento a entendem que
isso é realmente verdade. E pior, essas ideias acabam invadindo o meio eclesiástico,
causando intrigas e divisões que não são sadias.
Esse ponto citado acima é uma das várias preocupações que temos para obter
um bom estudo da teologia e suas doutrinas. As igrejas não têm dado o devido valor a
essa verdade, e isso tem resultado em um grande número de cristãos que estão
perdendo a noção da confiabilidade da Bíblia, e consequentemente enfraquecem a fé
na Palavra e em Deus.

Ter um alicerce firmado na verdade nunca foi tão necessário nas igrejas de
hoje. Isso deve atentar para a importância da teologia. O autor, ao longo do capítulo,
salienta essa essência do estudo teológico em nossas vidas. Não é algo que deva ser
superficial, mas genuíno, para que assim possa haver crença verídica na Palavra e na
Sua inerrância.

Capítulo 10 – O Poder da Palavra de Deus: Autoridade

Talvez um dos grandes problemas dentro do estudo teológico, seja a não noção
da grandiosidade de Deus. O que isso ocasiona? Uma total falta de conhecimento de
Sua autoridade. Ele, como Criador de todas as coisas e de todos nós, é a fonte da
Verdade e autoridade, portanto, Ele exige que o obedecemos e que possamos buscar
entender o que Ele realmente quer para nós.

Uma das variáveis afetadas por essa falta de conhecimento, reflete na


autoridade das Escrituras. Se não conseguimos compreender a autoridade de Deus no
universo, não conseguiremos usufruir devidamente do poder de Sua Palavra. Por
outro lado, se for entendido corretamente essa autoridade, o Espírito Santo iluminará,
convencerá e aplicará o ensino bíblico tanto para a compreensão quanto para o
coração humano.
A Bíblia precisa ser vista como a expressão da vontade de Deus. Se não fosse
esse caso, por que Ele se revelaria através dela a nós? Deus tem essa autoridade por
diversas razões, mas talvez umas das mais fortes, é o fato que Ele é o único ser que
tem o poder de sua existência em si mesma, ou seja, não depende de alguém ou de
algo para existir. O fato de Ele ter nos criado também implica no merecimento dessa
autoridade.
Outro fator muito importante que contribui para a doutrina da autoridade, é a
obra do Espírito Santo. É fundamental que o Espirito dê a iluminação necessária ao
homem, a respeito dos conhecimentos espirituais vindo de Deus Pai para assim terem
certeza dessa verdade.
 O que aprendi nesta leitura?
1. Um mal-uso da teologia:
No ambiente cristão de hoje, vivemos entre dois extremos praticamente. Um
de teólogos que vivem para estudar e estudar a teologia, e as vezes não dão atenção a
fundamentos básicos da fé. E outro é formado por cristãos que acham desnecessário o
aprofundamento teológico. O perigo disso é dividir igrejas e instituições teológicas
naquilo que querem acreditar e não naquilo que deviam. A verdade é que precisamos
sim de estudos teológicos aprofundados, precisamos conhecer todas as doutrinas
referentes a Deus, desde que não possamos nos esquecer da simplicidade do
evangelho. Infelizmente, as igrejas hoje não conseguem elaborar um equilíbrio quanto
a essas doutrinas e acabam de dividindo e cada uma vive à sua maneira, sem se
importar com a união que Cristo determinou para todos nós. Essa divisão impede o
crescimento espiritual de muitos que se amoldam apenas em estudar a Bíblia, sem
buscar vive-La em sua essência.
2. A doutrina da inerrância tem relação com o que é defendido e não com o que é
apenas relatado:
A Bíblia registra declarações falsas feita por incrédulos. A presença dessas
declarações nas Escrituras não significa que elas sejam verdade, a doutrina da
inerrância apenas garante que elas estão corretamente relatadas. Ao longo da Palavra,
podemos até observar autores bíblicos fazendo afirmações incorretas. Quando porem
alguma coisa é extraída por um desses autores de qualquer fonte que seja e
incorporada a sua mensagem como uma afirmação, não um simples relato, então deve
ser considerada verdadeira. A Bíblia é totalmente verdade e totalmente inspirada por
Deus, isso se baseia na forma como ela é revelada e não no que é simplesmente
escrito nela.
3. A Bíblia como expressão da vontade de Deus:
Parece meio clichê essa afirmação. Mas creio que não temos a compreensão tão
intensa e necessária dessa verdade. Infelizmente, queremos interpretar a Bíblia
conforme nossa vontade e não conforme a vontade de Deus, isso resulta em uma não
eficácia da Palavra em nossas vidas, e isso acaba nos fazendo ficar frustrados com Deus
por não ver frutos na nossa santidade, tudo por um erro nosso. A Bíblia é manual de
vida, ela vai nos ensinar aquilo que devemos aprender e não aquilo que queremos
ouvir. Precisamos nos moldar conforme essa soberania do Pai.