Você está na página 1de 210

Manual de Operação

DISTRIBUIDOR
CEARÁ / PIAUÍ / MARANHÃO

comercial@suportehospitalar.com.br
www.suportehospitalar.com.br

Os nomes e logotipos Intermed e Inter são marcas


registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda.

São Paulo – Brasil © 2011


Manual de Operação

O ventilador i X5 deve ser manuseado e operado apenas por


profissionais devidamente capacitados.

Leia integralmente este manual antes de utilizar o ventilador i X5


em pacientes.

Após a leitura inicial, mantenha este manual sempre em local


acessível, para consultas futuras.

Este equipamento e seus documentos podem sofrer alterações


sem prévio aviso ao usuário.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
iii

Identificação do Produto
Este manual de operação se refere ao ventilador pulmonar
modelo i X5 da marca Intermed

Nome Comercial: Ventilador i X5


Nome Técnico: Ventilador Pressão e Volume
Registro ANVISA nº

Resp. Técnico: Eng° Jorge Bonassa – CREA 137.189/D


Responsável Legal: Milton Rubens Salles

Representante Legal na Comunidade Européia:


OBELIS S. A.
Boulevard Général Wahis 53
1030 Bruxelas, BÉLGICA
Tel: +(32) 2-732-59-54 / Fax: +(32) 2-732-60-03
e-mail: mail@obelis.net

Fabricante:
Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda.
CNPJ: 49.520.521/0001-69 – I.E.: 278.082.665-115
Rua Santa Mônica, 980 – Parque Industrial San José
Cotia/SP – Brasil
Tel: +55 (11) 4615-9300 / Fax: +55 (11) 4615-9310
website: www.intermed.com.br
e-mail: contato@intermed.com.br

Milton Rubens Salles Engo Jorge Bonassa


Diretor Comercial Diretor Técnico
Responsável Legal Responsável Técnico
CREA 137.189/D

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
v

Sumário

1 ESPECIFICAÇÕES GERAIS 7

2 AVISOS DE SEGURANÇA 19

3 PREPARAÇÃO DO EQUIPAMENTO 31

4 OPERAÇÃO 49

5 RECURSOS DE VENTILAÇÃO 65

6 ALARMES E MENSAGENS 83

7 RECURSOS DE MONITORIZAÇÃO 125

8 RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS 137

9 LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO 147

10 MANUTENÇÃO PREVENTIVA 157

11 ACESSÓRIOS, PARTES E PEÇAS 171

12 TERMINOLOGIA, SÍMBOLOS E DEFINIÇÕES 179

13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 185

TERMO DE GARANTIA 203

ANEXO A: ESQUEMA PNEUMÁTICO 205

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
1. Especificações Gerais 7

1 Especificações Gerais

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
8 1. Especificações Gerais

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
1. Especificações Gerais 9

1.1. Apresentação Geral e Aplicação


O i X5 é um ventilador eletrônico microprocessado, desenvolvido especificamente
para uso em pacientes neonatais, pediátricos e adultos em terapia intensiva.

Com uma interface gráfica inovadora e extremamente intuitiva, o i X5 permite fácil


interação, tornando sua operação simples, rápida e objetiva.

Além disso, o i X5 oferece uma completa gama de recursos de ventilação, o que


permite sua aplicação nos mais diversos casos clínicos, desde os mais simples até os
mais complexos.

Destacam-se as seguintes ferramentas:

■ Modo exclusivo para ventilação não invasiva – NIV


■ Ajuste da sensibilidade expiratória nos ciclos de pressão suporte
■ Ajuste da inclinação da curva de pressão nos ciclos de pressão controlada e de
pressão suporte
■ Nebulização sincronizada com a fase inspiratória e com compensação de volume
e de FiO2
■ Acionamento de Suspiro nos modos controlados a volume e a pressão
■ Insuflação traqueal de gases – TGI –sincronizada com a fase expiratória
■ Sequência automática para aspiração (100% O2)
■ Compensação automática da complacência do circuito respiratório

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
10 1. Especificações Gerais

1.2. Princípios de Funcionamento


O i X5 apresenta concepção modular, visando à segurança e confiabilidade
operacional, bem como facilidade de manutenção. Além disso, sua constituição foi
concebida de modo a permitir futuros upgrades por meio de simples atualização de
software.

Os principais módulos são:

■ Módulo do Painel Frontal


■ Modulo de Acionamento Eletrônico
■ Módulo de Alimentação Elétrica
■ Módulo de Controle Pneumático
■ Módulo do Painel Traseiro

1.2.1. Módulo do Painel Frontal

O Módulo do Painel Frontal é responsável pela interface com o usuário e pelo


controle principal do ventilador. É constituído por uma tela de cristal líquido (LCD
TFT), placas eletrônicas, botão de controle e teclas de acesso rápido e apresenta
vedação adequada para limpeza e desinfecção.

A tela de cristal líquido colorida de 12’’ apresenta alta resolução (XGA 1024x768),
alto brilho e contraste, bem como superfície anti-reflexiva sensível ao toque e
resistente à abrasão (riscos). A tela pode ser acionada com o toque dos dedos,
funcionando inclusive com luvas. O acionamento dos controles é realizado pelo
toque na tela e/ou pelo botão principal para ajuste e confirmação de parâmetros.
Algumas funções especiais dispõem, ainda, de teclas de acesso rápido.

O controle do ventilador é independente do controle da interface, cada um é


realizado por placas eletrônicas e softwares distintos. Uma rotina de monitoração
independente do processamento central realiza a supervisão de todo o sistema, de
forma a prevenir falhas de comunicação e/ou controle.

1.2.2. Módulo de Acionamento Eletrônico

O Módulo de Acionamento Eletrônico é composto por placas eletrônicas e


transdutores e é responsável pelo acionamento das válvulas, monitoração dos
sensores, controle do sistema de baterias e acionamento dos alarmes.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
1. Especificações Gerais 11

1.2.3. Módulo de Alimentação Elétrica

O Módulo de Alimentação Elétrica é responsável pela alimentação do equipamento e


é composto por uma fonte regulada CA/CC e por uma bateria interna recarregável. A
bateria interna é do tipo chumbo-ácido selada.

1.2.4. Módulo de Controle Pneumático

O Módulo de Controle Pneumático é responsável pela atuação pneumática e é


constituído basicamente pelas válvulas de fluxo de ar e oxigênio e pela válvula de
exalação, além da válvula antiasfixia, válvula de acionamento de nebulizador/TGI,
sensor de oxigênio, circuito do pneumotacógrafo e filtros de entrada. O ventilador
controla os fluxos de ar e de oxigênio por meio de válvulas distintas, acionadas por
solenóides.

O fluxo de cada gás é medido por meio de sensores de filme aquecido


independentes, especificamente calibrados para ar e para oxigênio. Com base nos
valores medidos de fluxo, as válvulas são continuamente realimentadas de forma a
atender os parâmetros ajustados de fluxo, volume e composição da mistura (FiO2). A
mistura resultante da composição dos fluxos de ar e de oxigênio é continuamente
medida por meio de um sensor de oxigênio eletroquímico/paramagnético localizado
na parte interna do equipamento.

No momento da instalação, o Serviço Técnico Autorizado Intermed deve configurar


o equipamento com a altitude do local de instalação para que, com base na pressão
barométrica, o equipamento compense adequadamente os parâmetros controlados
e monitorizados de volume de gases e de concentração de oxigênio.

A válvula de exalação é composta por um diafragma flexível que atua sobre um bocal
conectado ao ramo expiratório. O acionamento do diafragma é realizado por meio de
uma válvula piloto acionada por um solenóide. Com base nos valores medidos de
pressão na via inspiratória e proximal, a válvula piloto é continuamente realimentada
de forma a manter a pressão na via aérea no valor desejado tanto na fase inspiratória
quando na fase expiratória.

O sistema apresenta ainda duas válvulas solenóides – uma para ar comprimido e


outra para oxigênio – cuja função é manter constante a pressão de controle dos
sistemas de nebulização, TGI e da válvula antiasfixia. Para o controle destes sistemas
é utilizado preferencialmente o ar comprimido; o oxigênio é utilizado somente no
caso da ausência de ar comprimido ou caso a FiO2 utilizada seja muito elevada.

Quando utilizada a nebulização, o sistema permite a compensação do volume


corrente e da concentração de oxigênio da mistura enviada ao paciente.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
12 1. Especificações Gerais

Em casos específicos, quando a manutenção da ventilação em níveis seguros se torna


impossível, é aberta uma válvula antiasfixia/sobrepressão, que abre o circuito
ventilatório para permitir a respiração espontânea do paciente.

Para a medição de fluxo e de volume na parte externa do ventilador, são utilizados


sensores de fluxo que podem ser tanto do tipo proximal (montado na peça “Y”,
próximo à conexão do paciente), quanto do tipo distal (montado na válvula de
exalação). Um acoplamento óptico localizado no Módulo de Controle Pneumático
identifica o tipo do sensor em uso.

As redes de ar comprimido e de oxigênio são conectadas diretamente na entrada do


Módulo de Controle Pneumático. Para a proteção contra entrada de água
proveniente das redes de gases, são utilizados filtros com coletores e, no caso do ar
comprimido, são utilizados dois filtros para maior segurança.

1.2.5. Módulo do Painel Traseiro

O Módulo do Painel Traseiro é constituído pelas conexões elétricas e pelas portas de


comunicação que, junto com a entrada do Módulo de Controle Pneumático,
compõem o painel traseiro.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
1. Especificações Gerais 13

1.3. Registros e Certificações


O ventilador pulmonar modelo i X5 foi desenvolvido, ensaiado e certificado de
acordo com as seguintes normas de segurança para equipamentos eletromédicos:

■ NBR IEC 60601-1:1994 + Emenda 1:1997: Equipamento Eletromédico – Parte 1


Requisitos Gerais para Segurança Básica e Desempenho Essencial
■ NBR IEC 60601-1-2:2006: Equipamento Eletromédico – Parte 1-2
Requisitos Gerais para Segurança Básica e Desempenho Essencial
Norma Colateral: Compatibilidade Eletromagnética – Requisitos e Ensaio
■ NBR IEC 60601-2-12:2004: Equipamento Eletromédico – Parte 2-12
Prescrições Particulares para Segurança de Ventilador Pulmonar
Ventiladores para Cuidados Críticos
■ NBR ISO 14971:2009: Produtos para a Saúde
Aplicação de Gerenciamento de Risco em Produtos para a Saúde

Complementarmente, o projeto e a fabricação do ventilador i X5 atende a toda


legislação brasileira e europeia aplicável à sua classe de produto.

A Intermed fornece os documentos comprobatórios destas certificações mediante


prévia solicitação.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
14 1. Especificações Gerais

1.4. Classificação do Equipamento


Esta seção apresenta as classificações aplicáveis a este produto, de acordo com as
normas de segurança relacionadas no item anterior.

Cada uma destas classificações está acompanhada de uma breve explicação sobre a
mesma. As definições exatas para cada um dos termos relacionados nesta seção
estão relacionadas no Capítulo Terminologias, Símbolos e Definições, deste manual.

1.4.1. Quanto à Criticidade da Aplicação

Classificação de acordo com a Diretiva 93/42/CEE – Regra 9

■ Equipamento Classe IIb


Equipamento destinado a administrar ou trocar energia com o corpo humano de
forma potencialmente perigosa.

1.4.2. Quanto à Segurança Contra Choque Elétrico

Classificação de acordo com a Norma NBR IEC 60601-1:1994 + A1:1997

■ Equipamento Classe I
Equipamento com partes metálicas eletricamente isoladas e que possui um
terminal de aterramento (plugue com pino terra).
■ Equipamento energizado internamente
Equipamento elétrico capaz de operar por meio de uma bateria interna.
■ Parte aplicada Tipo B
Circuito paciente que oferece proteção contra choque elétrico.
■ Parte aplicada à prova de desfibrilação
Circuito paciente protegido contra a descarga de um desfibrilador cardíaco.

1.4.3. Quanto à Proteção Contra Penetração de Líquidos e Partículas

Classificação de acordo com a Norma NBR IEC 60601-1:1994 + A1:1997

■ Equipamento IP24

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
1. Especificações Gerais 15

1.4.4. Quanto aos Métodos de Esterilização Aplicáveis (Circuito paciente)

Classificação de acordo com a Norma NBR IEC 60601-1:1994 + A1:1997

■ Esterilização química por imersão


■ Autoclave
■ Esterilização com Óxido de Etileno

1.4.5. Quanto ao Risco de Ignição

Classificação de acordo com a Norma NBR IEC 60601-1:1994 + A1:1997

■ Equipamento não apropriado para uso em ambientes ricos em oxigênio


Equipamento não apropriado para uso em ambientes com concentração de
oxigênio superior a 25%. No caso de ambientes pressurizados, o equipamento
não é apropriado para uso se, neste ambiente, a pressão parcial de oxigênio for
superior a 27,5kPa.
■ Equipamento não apropriado para uso na presença de uma mistura anestésica
inflamável com ar, oxigênio ou óxido nitroso.

1.4.6. Quanto ao Modo de Operação

Classificação de acordo com a Norma NBR IEC 60601-1:1994 + A1:1997

■ Equipamento para uso em operação contínua


Equipamento capaz de operar por tempo ilimitado sem apresentar
superaquecimento.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
16 1. Especificações Gerais

1.5. Fontes de Alimentação

1.5.1. Alimentação Elétrica

O ventilador i X5 é capaz de operar por meio de três diferentes tipos de alimentação


elétrica:

■ Fonte de energia externa do tipo CA (rede elétrica)


■ Fonte de energia externa do tipo CC (bateria externa)
■ Fonte de energia interna do tipo CC (bateria interna)

Fonte de Energia Externa CA (Corrente Alternada)


Tensão: 100V – 240V (fonte Full Range – comutação automática)
Corrente: 0,3A – 0,7A
Frequência: 50Hz – 60Hz
Fusível: T2AL 250V
Consumo: aproximadamente 75VA

Fonte de Energia Externa CC (Corrente Contínua)


Tensão: 12V – 14V
Corrente: 4,0A
Fusível: 4A 250V SB

Fonte de Energia Interna


Tipo de bateria: Chumbo-ácido
Tensão: 12V
Capacidade de Carga: 9,0Ah
Autonomia: até 3 horas

1.5.2. Alimentação Pneumática

Gases de entrada: oxigênio e ar comprimido


Padrão de conexão: NBR 12188
Faixa de pressão: 250kPa – 600kPa (2,5kg/cm2 – 6,0kg/cm2)
Máximo fluxo de demanda: 50L/min a 350kPa
Consumo intrínseco de gases: < 1L/min (em modo de espera)

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
1. Especificações Gerais 17

1.6. Características Físicas

1.6.1. Massa

Ventilador: 12kg
Pedestal: 10kg
Equipamento Completo (incluindo braço e circuitos): 24kg

1.6.2. Dimensões

Altura: 300mm
Largura: 290mm
Profundidade: 400mm
Altura do Pedestal: 1100mm

1.6.3. Pedestal

Acabamento: Pintura epóxi anticorrosiva


Rodízios: Quatro rodízios, sendo dois com travas
Massa: 10kg
Altura: 1100mm

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
2. Avisos de Segurança 19

2 Avisos de Segurança

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
20 2. Avisos de Segurança

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
2. Avisos de Segurança 21

2.1. Introdução

Esta seção tem como objetivo agregar de maneira prática algumas informações sobre
os riscos decorrentes da utilização incorreta do ventilador i X5. Estas informações
estão classificadas em três níveis, conforme a criticidade:

Advertências
Indicam condições que podem resultar em riscos para o paciente ou para o operador.
Ao longo do texto, são precedidas pela expressão ‘CUIDADO’.

Precauções
Indicam condições que podem afetar ou danificar o equipamento ou seus acessórios.
Ao longo do texto, são precedidas pela expressão ‘ATENÇÃO’.

Informações Adicionais
Indicam informações complementares, que auxiliam na compreensão do
funcionamento do equipamento. Ao longo do texto, são precedidas pela expressão
‘NOTA’.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
22 2. Avisos de Segurança

2.2. Advertências

CUIDADO!

As informações abaixo indicam condições que podem resultar


em riscos de segurança para o paciente e/ou operador.

2.2.1. Responsabilidades do Operador

■ Antes de utilizar o ventilador i X5 em pacientes, é imprescindível a total


leitura e compreensão deste manual. A utilização deste equipamento
antes do completo entendimento de suas características e funções resulta
em condição de risco tanto para o paciente, quanto para o operador e
para o próprio equipamento.
■ Após a leitura inicial, mantenha este manual sempre em local acessível,
para futuras consultas.
■ Nunca utilize este ventilador em desacordo com as especificações
contidas neste manual. Em caso de dúvidas, contate a Intermed.
■ Este equipamento deve ser manuseado e operado apenas por
profissionais devidamente capacitados.
■ Um profissional qualificado deve estar de prontidão sempre que este
equipamento estiver em uso para tomar as ações necessárias caso haja a
ocorrência de alarme ou de qualquer outra intercorrência.
■ Nunca opere este equipamento antes de ajustar seus alarmes. Um alarme
indica a ocorrência de uma situação que requer a atenção do operador e
nunca deve ser ignorado.
■ Sempre mantenha um meio alternativo de ventilação (ex. ressuscitador
manual) quando este equipamento estiver em uso.
■ Antes de utilizar o equipamento, sempre realize o Check List de
Verificação Inicial, conforme descrito no Capítulo Manutenção
Preventiva, deste manual.
■ Nunca utilize este equipamento na presença de gases anestésicos
inflamáveis. Esta situação representa risco de explosão.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
2. Avisos de Segurança 23

2.2.2. Manutenção

■ Este ventilador é um equipamento de suporte a vida. Nunca confie sua


manutenção a um técnico não autorizado. Em caso de problemas ou
dificuldades, contate a Intermed.
■ Não utilize o equipamento se ele não estiver funcionando dentro das
especificações contidas neste manual. Neste caso, interrompa o uso e
contate a Intermed.
■ Para assegurar a proteção elétrica e evitar risco de fogo, nunca substitua
o fusível deste equipamento. A substituição indevida do fusível invalida a
garantia e representa risco ao funcionamento do equipamento e à
segurança do operador e do paciente.
■ A falta de manutenção ou a manutenção realizada por empresa não
credenciada conferirá ao produto a condição de produto adulterado e
submeterá os responsáveis às sanções previstas em lei, bem como, a
alteração de componentes básicos deste equipamento caracterizará
inobservância das orientações contidas neste Manual de Operação e
poderá afetar a segurança e funcionalidade do equipamento.

2.2.3. Acessórios

■ Utilize sempre acessórios, partes e peças originais Intermed, a fim de


assegurar o correto desempenho deste equipamento e a validade da
garantia. Além disso, esta medida também visa à segurança do paciente e
do operador.
■ A utilização de partes, peças ou acessórios não originais representa risco
aos usuários, além de contrariar o disposto na Resolução ANVISA RDC nº
59:2000 e as orientações contidas neste Manual de Operação.
■ Ao utilizar outros equipamentos em conjunto com este ventilador (ex.
umidificador aquecido), verifique as instruções fornecidas com os
mesmos.
■ A Intermed recomenda a utilização do umidificador aquecido modelo
Misty3 e da jarra para umidificação modelo IM300 em conjunto com este
equipamento.
■ Quando adicionados acessórios ou outros componentes ao circuito
paciente, a resistência inspiratória e a resistência expiratória do sistema
são aumentadas. O operador deve assegurar que as mesmas não
excedam os seguintes valores (medidas realizadas na conexão do paciente
durante a respiração espontânea e operação normal do equipamento):

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
24 2. Avisos de Segurança

Em uso neonatal: 6cmH2O para 6L/min


Em uso pediátrico: 6cmH2O para 30L/min
Em uso adulto: 6cmH2O para 60L/min

■ Todos os componentes do circuito paciente fornecido pela Intermed


(tubos de silicone, conexões de polissulfona e sensores de fluxo de
policarbonato e polissulfona) são totalmente isentos de látex e estão em
conformidade com normas de biocompatibilidade, atendendo a requisitos
de citotoxidade, irritação, sensibilidade e hemocompatibilidade.

2.2.4. Limpeza, Desinfecção e Esterilização

■ A desinfecção é um processo capaz de destruir os microorganismos


patogênicos, mas não é capaz de destruir os esporos. Os esporos são
destruídos apenas através do processo de esterilização.
■ Antes da primeira utilização, limpe e esterilize os componentes do circuito
paciente, conforme instruções contidas no Capítulo Limpeza, Desinfecção
e Esterilização, deste manual. A periodicidade de troca e esterilização
destes circuitos é determinada pelos protocolos seguidos em cada
instituição hospitalar.
■ Após a esterilização, enxágue e seque apropriadamente os componentes
do circuito paciente, a fim de eliminar quaisquer resíduos químicos dos
mesmos. Especialmente após a esterilização em processo com óxido de
etileno, aguarde de 24 a 48 horas antes de utilizar o material para garantir
a aeração e a completa eliminação dos resíduos deste gás.
■ Garanta a limpeza apropriada dos sensores de fluxo, eliminando eventuais
resíduos sólidos depositados em seus dutos de medição. A presença de
tais resíduos pode afetar a precisão destes sensores.
■ Não reutilize qualquer componente que apresente dano ou sinal de
desgaste.

2.2.5. Alimentação Pneumática

■ Utilize somente gases de grau médico (seco e isento de contaminação)


para evitar danos internos ao equipamento e riscos ao paciente.
■ Os gases de entrada – ar comprimido e oxigênio – devem estar em
conformidade com as normas ISO 8573 e RDC nº 50.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
2. Avisos de Segurança 25

2.2.6. Baterias

■ Caso seja acionado o alarme Bateria Interna Baixa, conecte


imediatamente o equipamento à rede elétrica ou a uma bateria externa.

2.2.7. Descarte

■ Todas as partes e peças substituídas devem ser descartadas conforme


determinado pela legislação local de onde o equipamento estiver
instalado.
■ Especial atenção deve ser dada ao descarte da bateria interna, do tipo
chumbo-ácido, que deve seguir as orientações do fabricante da mesma,
descritas no corpo do componente.
■ A mesma atenção deve ser dada ao descarte das placas de circuito
impresso e demais componentes eletrônicos, que não devem ser
eliminados como resíduos normais, pois podem apresentar risco ao meio
ambiente.
■ Não descarte a célula eletroquímica com o lixo descarte-a de acordo com
a legislação local de onde o equipamento estiver instalado.

2.2.8. Segurança Elétrica

■ Sempre utilize uma rede de alimentação CA que ofereça conexão para


pino terra.
■ Em caso de dúvida sobre a integridade do sistema de aterramento da
rede, opere o equipamento usando sua bateria interna ou uma bateria
externa.
■ Nunca inutilize o pino terra do plugue do equipamento.
■ Nunca utilize adaptadores ao conectar o equipamento à rede de
alimentação CA, sempre conecte seu plugue diretamente à tomada de
rede.
■ Nunca utilize mangueiras ou tubos antiestáticos ou eletricamente
condutivos em conjunto com este ventilador.
■ Mantenha os conectores do painel traseiro sempre protegidos por suas
tampas isolantes.
■ Nunca desmonte o gabinete do ventilador. Esta situação representa risco
de choque elétrico.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
26 2. Avisos de Segurança

2.2.9. Compatibilidade Eletromagnética

■ O uso deste equipamento requer precauções especiais em relação à sua


compatibilidade eletromagnética.
■ Este equipamento, quando exposto a situações adversas à sua
especificação, pode produzir ou sofrer interferência eletromagnética.

■ Para prevenir interferências prejudiciais, é necessário:


Respeitar as distâncias entre este equipamento e outros possíveis
emissores de IEM (Interferência Eletromagnética).
Somente ligar este equipamento a uma tomada com aterramento para
proteção.
Nunca inutilizar o contato de aterramento no plugue do cabo de força do
equipamento.

■ Restrições de uso:
Equipamentos de radiofrequência – móveis ou portáteis – podem
interferir no funcionamento e no desempenho deste ventilador.
Não opere este equipamento em um ambiente de ressonância magnética
ou próximo a equipamentos cirúrgicos de alta frequência ou
equipamentos de terapia por ondas curtas.
A modificação não autorizada de qualquer elemento ou componente cuja
operação possa ser afetada por campos eletromagnéticos invalida a
garantia deste produto e pode produzir resultados adversos a seu
funcionamento.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
2. Avisos de Segurança 27

2.3. Precauções

ATENÇÃO!

As informações abaixo indicam condições que podem afetar ou


danificar o equipamento e/ou seus acessórios.

2.3.1. Instalação

■ A montagem inicial deste equipamento deve ser realizada somente pela


Intermed ou por um Serviço Técnico Autorizado Intermed.
■ Quando em operação, nunca cubra ou posicione este equipamento de
forma a bloquear sua entrada ou saída de ar para arrefecimento. Esta
entrada é localizada na parte frontal inferior do equipamento e
permanece desobstruída quando o mesmo está corretamente montado
sobre seu pedestal. A saída está localizada no painel traseiro do
equipamento, onde existe a marcação SAÍDA DE VENTILAÇÃO – Não
obstrua.
■ Nunca opere este equipamento exposto diretamente ao calor e à luz
solar.
■ Após posicionar o equipamento para operação, trave os rodízios do
pedestal, evitando que o mesmo se mova inadvertidamente.
■ O transporte do ventilador pode ser realizado sobre o pedestal.

2.3.2. Manutenção

■ Este equipamento apresenta lacres de segurança nos parafusos de


fechamento. O rompimento desses lacres por pessoal não autorizado
resultará na perda da garantia.
■ A falta de manutenção ou a manutenção realizada por empresa não
credenciada conferirá ao produto a condição de produto adulterado e
submeterá os responsáveis às sanções previstas em lei, bem como, a
alteração de componentes básicos deste equipamento caracterizará
inobservância das orientações contidas neste Manual de Operação e
poderá afetar a segurança e funcionalidade do equipamento.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
28 2. Avisos de Segurança

■ A utilização de partes, peças ou acessórios não originais representa risco


aos usuários, além de contrariar o disposto na Resolução ANVISA RDC nº
59:2000 e as orientações contidas neste Manual de Operação.
■ Para evitar o desgaste prematuro do equipamento e garantir o
desempenho seguro e dentro das especificações requeridas, devem ser
realizados:

Check List de Verificação Inicial


Consiste da verificação do estado geral do equipamento, bem como dos
aspectos de limpeza, montagem e conexões com as fontes de energia
elétrica e de gases.
É recomendada a realização diária ou antes de cada utilização, conforme
as instruções contidas no Capítulo Manutenção Preventiva.

Teste de Verificação Funcional – TVF


Consiste da verificação funcional do equipamento, incluindo os recursos
de alarmes e de monitoração. É realizada por meio da simulação de
situações de falha, utilizando um simulador pulmonar.
É recomendada a realização antes da utilização do equipamento em
paciente ou quando existirem dúvidas sobre o funcionamento do
equipamento, conforme as instruções contidas no Capítulo Manutenção
Preventiva.

Manutenção Preventiva Anual – MPA


Consiste da verificação e do eventual ajuste das funções do ventilador,
bem como a troca de peças que apresentem desgaste ou deterioração
pelo uso, visando prolongar a durabilidade do equipamento, bem como
garantir seu funcionamento seguro, dentro das especificações originais e
dos requisitos normativos aplicáveis.
É recomendada a realização anual da MPA, que deve ser executada
somente pela Intermed ou pelo Serviço Técnico Autorizado Intermed.

2.3.3. Limpeza, Desinfecção e Esterilização

■ Não desconecte os tubos de medição do corpo do sensor de fluxo.


■ Nunca esterilize o equipamento. Seus componentes internos não são
compatíveis com técnicas de esterilização.
■ Nunca mergulhe o equipamento em solução líquida, nem permita a
entrada de líquidos em sua parte interna.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
2. Avisos de Segurança 29

■ Nunca utilize abrasivos sobre a superfície do ventilador, especialmente


sobre sua tela. Recomenda-se limpar a tela com uma gaze umedecida
com Álcool Isopropílico 70%.
■ Nunca utilize as seguintes soluções para limpeza e/ou desinfecção dos
componentes do circuito paciente, pois as mesmas podem acelerar a
deterioração dos materiais, causando trincas nos componentes de
polissulfona ou desintegração dos tubos de silicone.
– Fenol (> 5%)
– Hidrocarbonos Clorados
– Cetonas
– Hidrocarbonos Aromáticos
– Formaldeído
– Ácidos Inorgânicos
– Hipoclorito
– Compostos Quaternários de Amônia
■ Os componentes submetidos à esterilização sofrem degradação natural
devido às características dos processos utilizados. A Intermed recomenda
não mais que 50 ciclos de limpeza/esterilização das partes do circuito
paciente.
■ O tempo de vida dos acessórios irá depender do cuidado na sua utilização
e manipulação.

2.3.4. Alimentação Pneumática

■ Em cada uma das entradas de gases, há um filtro coalescente, capaz de


remover partículas sólidas de até 0,3µm e aerosóis líquidos de até 0,75µm
que estejam em suspensão na mistura gasosa. Estes filtros devem ser
verificados periodicamente. Sempre que necessário, retire a água
condensada no copo coletor, a fim de evitar que esta entre no
equipamento, comprometendo seu funcionamento. Na entrada de ar
comprimido, além do filtro coalescente, existe um pré-filtro, que pode ser
visualizado no lado esquerdo do ventilador. Caso perceba acúmulo de
líquido no copo coletor, realize a drenagem abrindo o pino no fundo do
copo.
■ As fontes de alimentação pneumática (oxigênio e ar acompirmido) devem
sempre estar a uma pressão entre 250kPa e 600kPa e devem ser capazes
de suprir um fluxo de até 50L/min a 350kPa.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
30 2. Avisos de Segurança

2.3.5. Baterias

■ Sempre utilize uma fonte de alimentação CC de acordo com as


especificações descritas no Capítulo Especificações Gerais, deste manual.
■ Para máxima autonomia da bateria, conecte o equipamento à rede de
alimentação CA até 48 horas antes do uso por, pelo menos, 10 horas
ininterruptas. Após este período (48 horas), é possível que ocorra uma
queda no nível de energia da bateria, dependendo do estado de uso da
mesma.
■ O i X5 não recarrega sua bateria interna quando conectado a uma fonte
de alimentação CC externa.
■ O tempo de vida útil da bateria depende das condições de utilização do
ventilador (frequência e tempo de uso do ventilador e/ou da bateria
interna, condições ambientais de temperatura e umidade, etc.), portanto,
sua condição deve ser verificada periodicamente.
■ O armazenamento do ventilador por períodos prolongados sob
temperaturas superiores a 27°C, ou sem recarga da bateria por períodos
superiores a dois meses podem diminuir a vida útil da bateria.

ATENÇÃO!

Todas as partes e peças substituídas devem ser descartadas


conforme determinado pela legislação local de onde o
equipamento estiver instalado.
Especial atenção deve ser dada ao descarte da bateria interna,
do tipo chumbo-ácido, que deve seguir as orientações do
fabricante da mesma, descritas no corpo do componente.
A célula eletroquímica também deve ser descartada de acordo
com a lesgislação local de onde o equipamento estiver
instalado.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 31

3 Preparação do Equipamento

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
32 3. Preparação do Equipamento

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 33

3.1. Introdução

3.1.1. Instalação

A montagem inicial deste equipamento deve ser realizada somente pela


Intermed ou por um Serviço Técnico Autorizado Intermed.

3.1.2. Posicionamento

Nunca opere este equipamento exposto diretamente ao calor e à luz solar.


Quando em operação, nunca cubra ou posicione este equipamento de forma a
bloquear sua entrada ou saída de ar para arrefecimento. Esta entrada é
localizada na parte frontal inferior do equipamento e permanece desobstruída
quando o mesmo está corretamente montado sobre seu pedestal. A saída está
localizada no painel traseiro do equipamento, onde existe a marcação SAÍDA
DE VENTILAÇÃO – Não obstrua.

Figura 3-1

Detalhe do
painel traseiro –
Saída da
ventilação

Após posicionar o equipamento para operação, trave os rodízios do pedestal,


evitando que o mesmo se mova inadvertidamente.

3.1.3. Acessórios

Ao utilizar outros equipamentos em conjunto com este ventilador (ex.


umidificador aquecido), verifique as instruções fornecidas com os mesmos.
A Intermed recomenda a utilização do umidificador aquecido modelo Misty3 e
da jarra para umidificação modelo IM300 em conjunto com este equipamento.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
34 3. Preparação do Equipamento

3.2. Especificações Ambientais

3.2.1. Temperatura Ambiente

Operação: +5°C a +40°C


Transporte e Armazenamento: -20°C a +70°C

ATENÇÃO!

O armazenamento do ventilador por períodos prolongados sob


temperaturas superiores a 27°C ou sem recarga da bateria por
períodos superiores a dois meses podem diminuir o tempo de
vida da bateria.

3.2.2. Umidade Relativa

Operação: 15% a 95% – sem condensação


Transporte e Armazenamento: 10% a 95% – sem condensação

3.2.3. Pressão Atmosférica

Operação: 70kPa a 106kPa (0,7atm a 1,0atm)


Transporte e Armazenamento: 50kPa a 106kPa (0,5atm a 1,0atm)

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 35

3.3. Conexão à Fonte de Energia Elétrica

O ventilador i X5 é capaz de operar por meio de três diferentes tipos de


alimentação elétrica:

■ Fonte de energia externa do tipo CA (rede elétrica)


■ Fonte de energia externa do tipo CC (por exemplo, bateria externa)
■ Fonte de energia interna do tipo CC (bateria interna)

3.3.1. Fonte de Energia Externa CA (Corrente Alternada)

Conecte o plugue do equipamento a uma tomada de rede de acordo com as


especificações descritas no Capítulo Especificações Gerais, deste manual.
Este equipamento pode ser conectado a redes de alimentação CA com
voltagem de 100V a 240V. Não é necessário que o operador acione uma chave
de comutação de voltagem.

CUIDADO!

Sempre utilize uma rede de alimentação CA que ofereça


conexão para pino terra. Em caso de dúvida sobre a integridade
do sistema de aterramento da rede, opere o equipamento
usando sua bateria interna ou uma bateria externa.
Nunca inutilize o pino terra do plugue do equipamento, nem
utilize adaptadores ao conectar o equipamento à rede de
alimentação CA. Sempre conecte seu plugue diretamente à
tomada de rede.

3.3.2. Fonte De Energia Externa CC (Corrente Contínua)

Para utilizar o equipamento ligado a uma fonte de energia externa do tipo CC


como, por exemplo, uma bateria externa, utilize um dos cabos de conexão
opcionais relacionados no Capítulo Acessórios, Partes e Peças.
Uma das extremidades deste cabo deve ser conectada ao painel traseiro do
equipamento, na porta de entrada com a indicação FONTE DE ENERGIA CC,
enquanto a outra extremidade deve ser conectada a uma fonte de
alimentação CC de acordo com as especificações no Capítulo Especificações
Gerais, deste manual.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
36 3. Preparação do Equipamento

Figura 3-2

Detalhe do
painel traseiro –
Conexão para
bateria externa
ou fonte CC

ATENÇÃO!

O i X5 não recarrega sua bateria interna quando conectado a


uma fonte de alimentação CC.
Para máxima autonomia da bateria, conecte o equipamento à
rede de alimentação CA até 48 horas antes do uso por, pelo
menos, 10 horas ininterruptas. Após este período (48 horas), é
possível que ocorra uma queda no nível de energia da bateria,
dependendo do estado de uso da mesma.

3.3.3. Fonte de Energia Interna

O i X5 possui uma bateria interna que o permite operar mesmo que não esteja
conectado a qualquer fonte de energia externa.
Se a fonte de energia externa (CA ou CC) a qual o i X5 estiver conectado
apresentar alguma falha ou desconexão, o ventilador irá comutar
automaticamente para bateria interna, mantendo ativas todas suas
funcionalidades.
O i X5 recarrega automaticamente sua bateria interna sempre que conectado
a uma fonte de alimentação CA.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 37

CUIDADO!

Caso seja acionado o alarme Bateria Interna Baixa, conecte


imediatamente o equipamento à rede elétrica, a uma bateria
externa ou a uma fonte externa CC. Caso contrário, o ventilador
irá gerar o alarme de Ventilador Inoperante e será conduzido à
condição de inoperante.
Consulte o Capítulo Alarmes e Mensagens, deste manual para
maiores informações quanto às indicações de status de carga da
bateria interna.

ATENÇÃO!

A vida útil da bateria depende das condições de utilização do


ventilador (frequência e tempo de uso do ventilador e/ou da
bateria interna, condições ambientais de temperatura e
umidade etc.).
O armazenamento do ventilador por períodos prolongados sob
temperaturas superiores a 27°C, ou sem recarga da bateria por
períodos superiores a dois meses podem diminuir a vida útil da
bateria.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
38 3. Preparação do Equipamento

3.4. Conexão à Rede de Gases

Conecte as mangueiras de ar comprimido e de oxigênio que acompanham o


equipamento em suas respectivas entradas, localizadas no painel traseiro do
ventilador. Conecte a outra extremidade de cada uma das mangueiras nas
saídas de suas respectivas fontes de gases.

Figura 3-3

Conexão das
mangueiras de
ar e de oxigênio

CUIDADO!

Utilize somente gases de grau médico (seco e isento de


contaminação) para evitar danos internos ao equipamento e
riscos ao paciente.

O equipamento possui válvulas reguladoras internas que garantem seu


funcionamento em pressões entre 250kPa (2,5kg/cm2) e 600kPa (6,0kg/cm2).
Certifique-se de que as fontes de gases sejam mantidas nesta faixa de pressão
durante todo o uso do equipamento e utilize válvulas reguladoras de pressão
externas caso necessário.
Se necessário, é possível utilizar o i X5 com apenas um gás de alimentação.
Neste caso, no entanto, não haverá possibilidade de ajuste de concentração de
oxigênio (FiO2). Ou seja, se o equipamento estiver conectado apenas a uma
fonte de ar comprimido, a ventilação poderá ser realizada somente a 21% de
oxigênio; enquanto que, se o equipamento estiver conectado apenas a uma
fonte de oxigênio, a ventilação poderá ser realizada somente a 100% de
oxigênio.
As cores das mangueiras de gás fornecidas pela Intermed seguem o padrão

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 39

brasileiro (ar comprimido – amarelo / oxigênio – verde). Para os países que


seguem o padrão europeu de cores, as mangueiras podem ser fornecidas
neste padrão (ar comprimido – branco e preto / oxigênio – branco).

ATENÇÃO!

Em cada uma das entradas de gases, há um filtro coalescente,


capaz de remover partículas sólidas de até 0,3µm e aerosóis
líquidos de até 0,75µm que estejam em suspensão na mistura
gasosa. Estes filtros devem ser verificados periodicamente.
Sempre que necessário, retire a água condensada no copo
coletor, a fim de evitar que esta entre no equipamento,
comprometendo seu funcionamento. Na entrada de ar
comprimido, além do filtro coalescente, existe um pré-filtro,
que pode ser visualizado no lado esquerdo do ventilador. Caso
perceba acúmulo de líquido no copo coletor, realize a drenagem
abrindo o pino no fundo do copo.
Ao desligar o equipamento, desconecte-o da fonte de oxigênio,
a fim de se reduzir o risco de acúmulo deste gás em seu interior
em caso de eventuais vazamentos.
As fontes de alimentação pneumática (oxigênio e ar
acompirmido) devem ser capazes de suprir um fluxo de até
50L/min a 350kPa.

Figura 3-4

Filtros de
entrada de
gases – Detalhes
do bloco e da
drenagem

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
40 3. Preparação do Equipamento

3.5. Montagem do Circuito Paciente

Utilize sempre acessórios, partes e peças originais Intermed, a fim de


assegurar o correto desempenho deste equipamento e a validade da garantia.
Além disso, esta medida também visa à segurança do paciente e do operador.
Nunca utilize mangueiras ou tubos antiestáticos ou eletricamente condutivos
em conjunto com este ventilador.
Todos os componentes do circuito paciente fornecido pela Intermed (tubos de
silicone, conexões de polissulfona e sensores de fluxo de policarbonato e
polissulfona) são totalmente isentos de látex e estão em conformidade com
normas de biocompatibilidade, atendendo a requisitos de citotoxidade,
irritação, sensibilidade e hemocompatibilidade.

CUIDADO!

Antes da primeira utilização, limpe e esterilize os componentes


do circuito paciente, conforme instruções contidas no Capítulo
Limpeza, Desinfecção e Esterilização, deste manual. A
periodicidade de troca e esterilização destes circuitos é
determinada pelos protocolos seguidos em cada instituição
hospitalar.
Quando adicionados acessórios ou outros componentes ao
circuito paciente, a resistência inspiratória e a resistência
expiratória do sistema são aumentadas. O operador deve
assegurar que as mesmas não excedam os seguintes valores
(medidas realizadas na conexão do paciente durante a
respiração espontânea e operação normal do equipamento):
Em uso neonatal: 6cmH2O para 6L/min
Em uso pediátrico: 6cmH2O para 30L/min
Em uso adulto: 6cmH2O para 60L/min

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 41

3.5.1. Seleção do Circuito Paciente e do Sensor de Fluxo

Selecione o circuito paciente e o sensor de fluxo em função do peso do


paciente e dos parâmetros de fluxo ventilatório a serem utilizados. Podem ser
utilizados sensores proximais, conectados na entrada do tubo endotraqueal
(Sensor de Fluxo Neonatal, Pediátrico e Pediátrico / Adulto), ou distal,
conectado na entrada da válvula de exalação (Sensor de Fluxo Expiratório).

IBW Categoria de
Sensor de Fluxo
Faixa Recomendada Paciente
Até 3kg Proximal Neonatal Neonatal
De 3 a 20kg Proximal Pediátrico Pediátrico
De 20 a 40kg Proximal Pediátrico/Adulto Pediátrico
Acima de 40kg Proximal Pediátrico/Adulto Adulto
De 10 a 40kg Expiratório Pediátrico
Acima de 40kg Expiratório Adulto

ATENÇÃO!

Caso seja utilizado filtro de umidificação e/ou bacteriológico,


este deve ser montado entre o sensor proximal e a conexão do
paciente para proteger o sensor contra a umidade gerada pela
exalação.

3.5.2. Conexão da Válvula de Exalação

Para garantir a perfeita montagem do diafragma e da válvula de exalação,


proceda conforme a etiqueta de orientação afixada no painel lateral do
equipamento.

■ Desligue o ventilador ou pressione a tecla Modo de Espera.


■ Posicione cuidadosamente o diafragma na saída Retorno de Gás, localizada
no painel lateral do equipamento. Certifique-se de que o diafragma esteja
com o relevo voltado para fora.
■ Insira a válvula de exalação perpendicularmente, seguindo a posição dos
encaixes. Gire levemente para a direita, até travá-la.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
42 3. Preparação do Equipamento

Figura 3-5

Válvula de
exalação –
montagem e
desmontagem

■ Para desmontar a válvula de exalação, pressione o botão com a indicação


Pressione para Destravar e gire o corpo da válvula para a esquerda.

ATENÇÃO!

Manuseie os diafragmas com cuidado. Antes de montá-los,


certifique-se de que os mesmos estejam intactos, sem indícios
de rasgos ou furos.

ATENÇÃO!

Não utilize a porta de exaustão da válvula de exalação para


expirometria ou para aferição do equipamento. Devido ao fluxo
de base do ventilador (bias flow), o volume de exaustão do gás
é maior que o volume corrente real exalado pelo paciente.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 43

3.5.3. Montagem dos Tubos

Monte os tubos e conectores do circuito paciente selecionado, de acordo com


as figuras a seguir.

Figura 3-6

Montagem do
circuito paciente
pediátrico /
adulto (A) e
neonatal (B)

(A) Pediátrico / Adulto (B) Neonatal

Figura 3-7

Conexões do
painel lateral:
ramo
inspiratório (A),
ramo expiratório
(B) e linha
proximal (C)

(A) Ramo Inspiratório (B) Ramo Expiratório

(C) Linha Proximal

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
44 3. Preparação do Equipamento

CUIDADO!

Ao montar a linha proximal, certifique-se de que não haja


nenhum tipo de resistência ou obstrução ao longo de sua
extensão.
Ao montar o circuito no ventilador, certifique-se de que não
haja nenhuma obstrução na abertura do painel lateral com a
indicação Atenção: Entrada de Ar de Emergência. Não obstrua.
Esta é a entrada da válvula anti-asfixia, que abre em caso de
inoperância do equipamento (alarme Ventilador Inoperante),
permitindo que o paciente respire espontaneamente.

Figura 3-8

Detalhe do
painel lateral –
Entrada da
válvula anti-
asfixia.

3.5.4. Conexão dos Sensores de Fluxo

Sensores de Fluxo Proximais

Monte o corpo do sensor de fluxo na peça “Y”, tomando cuidado para que as
tomadas de pressão estejam sempre voltadas para cima.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 45

Figura 3-9

Montagem dos
sensores de
fluxo proximais:
neonatal (A),
pediátrico (B) e
pediátrico /
adulto (C)

(A) Neonatal (B) Pediátrico (C) Pediátrico/Adulto


(cinza) (preto) (azul)

Conecte a outra extremidade do sensor no painel lateral do equipamento,


observando a sequência de montagem indicada abaixo:

Figura 3-10

Montagem dos
sensores de
fluxo proximais

1 2 3

ATENÇÃO!

Ao conectar o sensor de fluxo, observe atentamente os dois


ramos de tomada de pressão. Certifique-se de que o ramo
identificado com uma linha colorida ao longo do duto esteja
voltado para a peça “Y”. O outro ramo, sem nenhuma
identificação ao longo do duto, deve estar voltado para a
conexão do paciente.
Nunca desconecte os dutos de medição do corpo do sensor de
fluxo. Caso isto ocossa, descarte o componente.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
46 3. Preparação do Equipamento

ATENÇÃO!

Caso seja utilizado filtro de umidificação e/ou bacteriológico,


este deve ser montado entre o sensor proximal e a conexão do
paciente para proteger o sensor contra a umidade gerada pela
exalação.

Sensor de Fluxo Expiratório

Monte o corpo do sensor de Fluxo Expiratório na válvula de exalação.


Conecte a outra extremidade do sensor no painel lateral do equipamento,
conforme indicado na figura 3-11.

Figura 3-11

Montagem do sensor
de fluxo Expiratório

3.5.5. Opcional: Conexão para Nebulização e TGI

Nebulização

Monte um nebulizador padrão no ramo inspiratório do circuito paciente,


conectando sua extremidade na saída auxiliar com a identificação
Nebulizador/TGI, localizada no painel lateral do equipamento.

TGI

Introduza um cateter específico para este tipo de manobra na conexão do

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
3. Preparação do Equipamento 47

paciente, passando pelo orifício do tampão de silicone da conexão em “L”


indicada na figura 3-11.
Introduza o cateter através do tubo endotraqueal e o posicione próximo à
carina, seguindo os protocolos recomendados pelo hospital. Conecte a outra
extremidade deste cateter na saída auxiliar com a identificação
Nebulizador/TGI, localizada no painel lateral do equipamento.

Figura 3-12

Montagem do
cateter de TGI
no conector “L”

Conector “L” Montagem do conector “L”


no sensor proximal

ATENÇÃO!

No caso de utilização em ventilação não invasiva (NIV), utilize o


tampão sem orifício para evitar a ocorrência de vazamentos.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
48 3. Preparação do Equipamento

3.6. Configurações do Sistema

Este menu, acessado por meio da tecla Setup localizada no painel frontal,
permite o acesso às informações e configurações gerais do sistema.

Informações do Sistema
Este submenu exibe informações relativas ao hardware e software instalados
no ventilador.

Brilho da Tela
O controle do brilho da tela permite o ajuste da luminosidade do display,
oferecendo maior conforto ao operador/paciente em ambientes de menor
luminosidade.
A opção de modo de repouso permite um ajuste secundário da luminosidade,
sempre inferior ao ajuste principal, que se torna efetivo 20 segundos após a
última ação do operador na tela do equipamento. O ventilador assume
automaticamente o nível de luminosidade principal na ocorrência de alarmes
ou assim que o operador tocar em algum controle.

Volume Sonoro
O controle de volume sonoro possibilita a configuração do nível de volume dos
alarmes sonoros. Este controle não permite o silenciamento total dos alarmes.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
4. Operação 49

4 Operação

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
50 4. Operação

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
4. Operação 51

4.1. Ligando o Equipamento

4.1.1. Rotina de Autotestes

Acione a chave Liga/Desliga, localizada no painel traseiro do equipamento.


Automaticamente, será iniciada uma rotina de autotestes e, caso não seja
detectada nenhuma falha, o equipamento entrará em operação em seguida.
Caso seja detectada alguma falha que impeça o funcionamento seguro do
equipamento, a mesma será indicada no painel frontal e o equipamento não
entrará em operação até que a falha seja solucionada.

4.1.2. Seleção da Categoria do Paciente

Após a rotina de autotestes, o ventilador passa automaticamente para a tela


de seleção do paciente.
Como o i X5 é capaz de armazenar na memória todos os parâmetros ajustados
mesmo quando desligado, é possível escolher o ventilador recupere a
configuração do Último Paciente.
Em caso de novo paciente, é possível selecionar entre Neonatal, Pediátrico e
Adulto. Em seguida, é necessário também indicar o IBW (Peso Corporal Ideal)
do paciente.
A categoria do paciente é utilizada pelo ventilador para ajuste automático dos
limites de escala dos controles. Quando ocorre uma mudança de modo de
ventilação, o ventilador automaticamente irá assumir valores seguros para os
parâmetros críticos, baseado no tipo de paciente (Valor Padrão), aguardando
reajuste e/ou confirmação por parte do operador.
Ao se pretender ajustar os parâmetros acima dos limites comumente utilizados
(Limites Seguros), o ventilador irá exibir um aviso de alerta. Entretanto, se o
operador assim o desejar, poderá aceitar o valor fora da faixa recomendada.

Escalas Paciente neonatal IBW ≤ 3 kg


Paciente pediátrico 3 < IBW ≤ 40 kg
Paciente adulto IBW > 40 kg

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
52 4. Operação

4.1.3. Seleção do Modo de Ventilação

Após a seleção da categoria de paciente, o ventilador passa para a tela de


seleção do modo de ventilação.
O i X5 oferece os seguintes modos de ventilação:

Modos de VCV Assistido / Controlado


Ventilação Volume Controlado
SIMV / CPAP
PCV Assistido / Controlado
Pressão Controlada
SIMV / CPAP
TCPLV Assistido / Controlado
Tempo Controlado com Pressão
SIMV / CPAP
Limitada e Fluxo Contíniuo
NIV Assistido / Controlado
Ventilação Não Invasiva
SIMV / CPAP

4.1.4. Seleção dos Controles

Após a seleção do modo de ventilação, o ventilador passa automaticamente


para a tela de seleção dos controles de ventilação.

4.1.5. Seleção dos Alarmes

Após a seleção dos parâmetros de controla, o ventilador passa


automaticamanete para a tela de seleção dos limites de alarmes.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
4. Operação 53

4.2. Modos de Ventilação

4.2.1. Introdução

Os modos de ventilação estão organizados em dois grupos: modos básicos e


modos de controle. Os modos básicos definem quais os ciclos respiratórios
disponíveis durante a ventilação, enquanto os modos de controle definem a
forma como os ciclos são efetivamente controlados.

4.2.2. Modos Básicos

Os modos básicos definem quais os tipos de ciclos respiratórios disponíveis


durante a ventilação. Existem três tipos de ciclos respiratórios durante a
ventilação mecânica: Ciclos Controlados, Ciclos Assistidos e Ciclos Espontâneos.

Ciclo Controlado

É iniciado pelo ventilador em função da frequência respiratória programada ou


na ocorrência de um período de apneia que ative o sistema de backup (ciclo
controlado iniciado pelo ventilador depois de decorrido o tempo ajustado de
apneia). O ciclo controlado obedece aos parâmetros ventilatórios (volume,
fluxo, tempo inspiratório, etc.) ajustados, de acordo com o modo de controle
selecionado.

Ciclo Assistido

É iniciado pelo paciente, em função da sensibilidade inspiratória


(Sensibilidade) ajustada. O ciclo assistido obedece aos mesmos parâmetros
ventilatórios (volume, fluxo, tempo inspiratório, etc.) ajustados para os ciclos
controlados.

Ciclo Espontâneo

É iniciado pelo paciente, em função de seu esforço inspiratório. Os ciclos


espontâneos podem ser assistidos ou não pela pressão suporte (P Suporte). Os
parâmetros ventilatórios são dependentes da mecânica respiratória, do nível
de esforço inspiratório do paciente e, quando utilizada, da pressão suporte
ajustada.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
54 4. Operação

NOTA

Ciclo espontâneo sem pressão suporte: Pode ocorrer quando o


esforço do paciente não excede o nível de sensibilidade
ajustada (Sensibilidade). Neste caso, o ventilador aumenta o
fluxo no circuito de forma a manter a pressão na via aérea em
sua linha de base (PEEP).

Ciclo espontâneo com pressão suporte: Ocorre apenas quando


o esforço do paciente é suficiente para atingir a sensibilidade
ajustada (Sensibilidade). Ao ser detectado o esforço do
paciente, o ventilador aumenta o fluxo no circuito de forma a
elevar e a manter a pressão na via aérea no nível da pressão
suporte ajustada (P Suporte)

O i X5 oferece os seguintes modos básicos de ventilação:

Assist/Control
Ventilação Assistido/Controlada

Nesta modalidade, a assistência ventilatória é realizada exclusivamente


através de ciclos mandatórios (controlados e/ou assistidos). Assim, todos os
ciclos respiratórios obedecem aos parâmetros ventilatórios ajustados de
acordo com o modo de controle em uso (VCV, PCV, TCPLV ou NIV).
A frequência respiratória dos ciclos é estabelecida pelo operador, através do
ajuste de Freq. Caso não sejam detectados esforços inspiratórios, o ventilador
manterá uma sequência de ciclos controlados, obedecendo à freqüência
ajustada no equipamento.
Ao detectar um esforço inspiratório do paciente, o ventilador irá deflagrar um
ciclo assistido. Se os esforços exercidos pelo paciente excederem à frequência
programada no equipamento, serão deflagrados ciclos assistidos adicionais, de
acordo com a frequência do paciente. Neste caso, a frequência respiratória
total será maior que aquela estabelecida pelo operador.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
4. Operação 55

SIMV/CPAP
Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada/Ventilação com Pressão
Positiva Contínua

Nesta modalidade, são disponibilizados ciclos controlados, assistidos e


espontâneos.
A frequência respiratória dos ciclos mandatórios (controlados e assistidos) é
estabelecida pelo operador, através do ajuste de Freq. Caso não sejam
detectados esforços inspiratórios, o ventilador manterá uma sequência de
ciclos controlados, obedecendo à frequência ajustada no equipamento.
Ao detectar um esforço inspiratório do paciente, o ventilador irá deflagrar um
ciclo assistido. Se os esforços exercidos pelo paciente excederem a frequência
programada no equipamento, serão deflagrados ciclos espontâneos, de acordo
com a frequência do paciente. Neste caso, a frequência respiratória total será
maior que aquela estabelecida pelo operador para os ciclos mandatórios.
Os ciclos espontâneos poderão ser fornecidos exclusivamente pelo sistema de
demanda do ventilador (ciclos totalmente espontâneos), ou auxiliados pelo
uso da pressão suporte (P Suporte).

4.2.3. Modos de Controle

Os modos de controle definem a forma como os ciclos respiratórios são


efetivamente controlados e enviados ao paciente. O i X5 dispõe dos seguintes
modos de controle:

VCV: Ventilação com Volume Controlado

PCV: Ventilação com Pressão Controlada

NIV: Ventilação Não Invasiva

Ventilação com Fluxo Contínuo, Ciclada a Tempo e Limitada a


TCPLV:
Pressão

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
56 4. Operação

4.3. VCV - Ventilação com Volume Controlado

4.3.1. Descrição

Neste modo, o ventilador fornece o fluxo inspiratório ajustado no controle


Fluxo I até que seja atingido o volume corrente ajustado no controle Vol
Contr, ciclando a volume.

A pressão inspiratória dependerá dos parâmetros ajustados (Fluxo I, Vol Contr


e PEEP) e da mecânica respiratória do paciente.

O i X5 disponibiliza três formas de onda (Forma Onda) de fluxo inspiratório


controlado no modo VCV:

ƒ Fluxo Constante ( )
ƒ Fluxo Decrescente ( )
ƒ Fluxo Senoidal ( )

NOTA

No caso de fluxo decrescente, o valor ajustado em Fluxo I será o


fluxo inspiratório médio de cada ciclo. Neste caso, o fluxo inicial
(pico) será 50% maior que o valor ajustado, e o fluxo final 50%
menor. Desta forma, será mantido um tempo inspiratório e uma
relação I:E equivalentes aos de um ciclo com fluxo constante.

No caso de fluxo senoidal, o valor ajustado em Fluxo I será o


fluxo inspiratório médio de cada ciclo. Neste caso, o fluxo inicial
(pico) será 56% maior que o valor ajustado. Desta forma, será
mantido um tempo inspiratório e uma relação I:E equivalentes
aos de um ciclo com fluxo constante.

Como recurso de segurança, o modo VCV não é habilitado para


pacientes neonatais. Caso este paciente seja selecionado
através do ajuste do IBW, o ventilador comutará
automaticamente para o modo TCPLV.

No modo SIMV–VCV, ciclos espontâneos são intercalados aos ciclos


mandatórios, podendo ser assistidos pela pressão suporte P Suporte. Ao

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
4. Operação 57

detectar o esforço do paciente, o ventilador auxilia a respiração do paciente,


aumentando a pressão da via aérea até o nível ajustado de pressão suporte P
Suporte. O padrão de fluxo resultante é decrescente e sua amplitude depende
da mecânica respiratória ou esforço do paciente. Os ciclos são finalizados
quando o fluxo inspiratório decair ao valor de fluxo de ciclagem ajustado Fluxo
Término PS (FluxoTérm). Nos ciclos espontâneos com pressão suporte o
volume entregue ao paciente depende do nível de pressão suporte, do fluxo
de ciclagem e do esforço e mecânica respiratória do paciente.

4.3.2. Ajustes

VCV – Assist/Control VCV – SIMV

%O2 ▪ % O2 %O2 ▪ % O2
Volume Corrente ▪ Vol Contr Volume Corrente ▪ Vol Contr
Fluxo Inspiratório ▪ Fluxo I Fluxo Inspiratório ▪ Fluxo I
Frequência Respiratória ▪ Freq Frequência Respiratória ▪ Freq
Pressão Positiva Exp. Final ▪ PEEP Pressão Positiva Exp. Final ▪ PEEP
Pressão Suporte ▪ P Suporte
Sensibilidade a Fluxo ▪ Sens F Sensibilidade a Fluxo ▪ Sens F
Sensibilidade a Pressão ▪ Sens P Sensibilidade a Pressão ▪ Sens P
Forma de Onda de Fluxo ▪ Forma Onda Forma de Onda de Fluxo ▪ Forma Onda
Pausa Inspiratória ▪ Pausa I Pausa Inspiratória ▪ Pausa I
Tempo de Subida ▪ Rampa Tempo de Subida ▪ Rampa
Fluxo de Ciclagem (P Suporte) ▪ FluxoTérm
Suspiro ▪ Suspiro Suspiro ▪ Suspiro
Nebulizador ▪ Neb Nebulizador ▪ Neb
Insuflação de Gás Traqueal ▪ TGI Insuflação de Gás Traqueal ▪ TGI

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
58 4. Operação

4.4. PCV - Ventilação com Pressão Controlada

4.4.1. DESCRIÇÃO

Neste modo, o ventilador controla continuamente o fluxo inspiratório, de


forma a atingir e a manter a pressão na via aérea do paciente no valor ajustado
pelo operador no controle P Contr. O tempo durante o qual tal pressão será
mantida é ajustado pelo operador no controle T Insp.

NOTA

Os níveis de pressão no circuito (P Contr) são controlados


através das válvulas de fluxo e limitados pela válvula de
exalação.

O funcionamento conjugado e simultâneo das válvulas de fluxo


e de exalação permite que o paciente exale durante a fase
inspiratória dos ciclos com pressão controlada. Ou seja, em
qualquer uma das fases (de dois níveis de pressão positiva
distintos PEEP ou P Contr), se o paciente exercer um esforço
inspiratório, o ventilador aumentará o fluxo na via aérea, de
forma a atender sua demanda inspiratória; se o paciente
exercer um esforço expiratório, o ventilador aliviará a pressão
na via aérea, mantendo-a em seu nível ajustado (PEEP ou P
Contr). Esta forma de controle é também denominada BIPAP
(Ventilação com Pressão Bifásica – Biphasic Positive Airway
Pressure).

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
4. Operação 59

NOTA

A programação de tempos inspiratórios (T Insp) prolongados e


frequências respiratórias (Freq) baixas na modalidade PCV–
SIMV constitui o modo de ventilação designado por APRV
(Ventilação com Liberação de Pressão das Vias Aéreas – Airway
Pressure Release Ventilation).

Durante os ciclos respiratórios nos modos PCV, NIV e demais


modos que utilizam Pressão Suporte programada, o ventilador
fornece um fluxo de demanda (fluxo livre) de até 180 L/min.

4.4.2. Ajustes

PCV – Assist/Control PCV – SIMV/CPAP

%O2 ▪ % O2 %O2 ▪ % O2
Pressão Controlada ▪ P Contr Pressão Controlada ▪ P Contr
Tempo Inspiratório ▪ T Insp Tempo Inspiratório ▪ T Insp
Frequência Respiratória ▪ Freq Frequência Respiratória ▪ Freq
Pressão Positiva Exp. Final ▪ PEEP Pressão Positiva Exp. Final ▪ PEEP
Pressão Suporte ▪ P Suporte
Sensibilidade a Fluxo ▪ Sens F Sensibilidade a Fluxo ▪ Sens F
Sensibilidade a Pressão ▪ Sens P Sensibilidade a Pressão ▪ Sens P
Tempo de Subida ▪ Rampa
Fluxo de Ciclagem (P Suporte) ▪ FluxoTérm

Suspiro ▪ Suspiro Suspiro ▪ Suspiro


Nebulizador ▪ Neb Nebulizador ▪ Neb
Insuflação de Gás Traqueal ▪ TGI Insuflação de Gás Traqueal ▪ TGI

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
60 4. Operação

4.5. NIV - Ventilação Não Invasiva

4.5.1. Descrição

Modo destinado para ventilação não invasiva por meio de máscaras. Neste
modo, o ventilador controla a pressão na via aérea, alternando-a entre dois
níveis ajustados pelo operador, pressão inspiratória (P Insp) e pressão
expiratória (PEEP). A transição da fase inspiratória para a fase expiratória será
em função do tempo inspiratório ajustado pelo operador no controle T Insp.

NOTA

Em ambos os níveis de pressão, o funcionamento conjugado das


válvulas de fluxo e de exalação permite que o paciente respire
espontaneamente. Ou seja, em qualquer uma das fases, se o
paciente exercer um esforço inspiratório que não exceda a
sensibilidade ajustada em Sensibilidade, o ventilador aumentará
o fluxo na via aérea, de forma a atender sua demanda
inspiratória; se o paciente exercer um esforço expiratório, o
ventilador aliviará a pressão na via aérea, mantendo-a em seu
nível ajustado (PEEP ou P Insp). Esta forma de controle é
também denominada BIPAP (Ventilação com Pressão Bifásica –
Biphasic Positive Airway Pressure).

Neste modo, são compensados automaticamente os vazamentos, tanto na


ventilação como na monitoração. Além disso, as faixas de ajuste dos alarmes
são apropriadas para a ventilação não invasiva.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
4. Operação 61

NOTA

A programação de tempos inspiratórios (T Insp) prolongados e


frequências respiratórias (Freq) baixas na modalidade PCV–
SIMV constitui o modo de ventilação designado por APRV
(Ventilação com Liberação de Pressão das Vias Aéreas – Airway
Pressure Release Ventilation).

Durante os ciclos respiratórios nos modos PCV, NIV e demais


modos que utilizam Pressão Suporte programada, o ventilador
fornece um fluxo de demanda (fluxo livre) de até 180 L/min.

ATENÇÃO!

No caso de ventilação em modo NIV, não utilizar máscaras com


orifícios de vazamento ou válvulas de PEEP incoporadas.

4.5.2. Ajustes

NIV – Assist/Control NIV – SIMV

%O2 ▪ % O2 %O2 ▪ % O2
Pressão Inspiratória ▪ P Insp Pressão Inspiratória ▪ P Insp
Tempo Inspiratório ▪ T Insp Tempo Inspiratório ▪ T Insp
Frequência Respiratória ▪ Freq Frequência Respiratória ▪ Freq
Pressão Positiva Exp. Final ▪ PEEP Pressão Positiva Exp. Final ▪ PEEP
Pressão Suporte ▪ P Suporte
Sensibilidade a Fluxo ▪ Sens F Sensibilidade a Fluxo ▪ Sens F
Sensibilidade a Pressão ▪ Sens P Sensibilidade a Pressão ▪ Sens P
Tempo de Subida ▪ Rampa Tempo de Subida ▪ Rampa
Fluxo de Ciclagem (P Suporte) ▪ FluxoTérm

Suspiro ▪ Suspiro Suspiro ▪ Suspiro


Nebulizador ▪ Neb Nebulizador ▪ Neb

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
62 4. Operação

4.6. TCPLV - Ventilação com Fluxo Contínuo, Ciclada a


Tempo e Limitada a Pressão

4.6.1. Descrição

Esse modo é particularmente indicado para a ventilação de pacientes


neonatais e pediátricos.

Nesse modo, durante os ciclos mandatórios, o ventilador mantém um fluxo


constante na via aérea, e através da válvula de exalação controla a pressão
expiratória (PEEP) e o limite de pressão inspiratória P Limite.

Nesse modo, durante os ciclos mandatórios, a pressão na via aérea é


simplesmente limitada, e não controlada. Dependendo dos valores ajustados
de fluxo inspiratório Fluxo I e tempo inspiratório T Insp e da mecânica
respiratória do paciente, é possível que a pressão na via aérea não atinja o
valor pretendido de pressão inspiratória. O fluxo ajustado Fluxo I deve ser
suficiente para atender a demanda do paciente. O volume resultante destes
ajustes pode atingir valores da ordem de 5mL para pacientes infantis.

Quando utilizada a modalidade SIMV–TCPLV, os ciclos espontâneos poderão


ser assistidos pela pressão suporte P Suporte. Nesse caso, durante os ciclos
espontâneos, o ventilador pode aumentar o fluxo inspiratório além do
ajustado Fluxo I, de forma a manter a pressão suporte e atender à demanda
do paciente.

NOTA

Como recurso de segurança, o modo VCV não é habilitado para


pacientes neonatais. Caso este paciente seja selecionado
através do ajuste do IBW, o ventilador comutará
automaticamente para o modo TCPLV.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
4. Operação 63

4.6.2. Ajustes

TCPLV – Assist/Control TCPLV – SIMV

%O2 ▪ % O2 %O2 ▪ % O2
Fluxo Inspiratório ▪ Fluxo I Fluxo Inspiratório ▪ Fluxo I
Tempo Inspiratório ▪ T Insp Tempo Inspiratório ▪ T Insp
Frequência Respiratória ▪ Freq Frequência Respiratória ▪ Freq
Pressão Positiva Exp. Final ▪ PEEP Pressão Positiva Exp. Final ▪ PEEP
Pressão Limite ▪ P Limite Pressão Limite ▪ P Limite
Pressão Suporte ▪ P Suporte
Sensibilidade a Fluxo ▪ Sens F Sensibilidade a Fluxo ▪ Sens F
Sensibilidade a Pressão ▪ Sens P Sensibilidade a Pressão ▪ Sens P
Tempo de Subida ▪ Rampa
Fluxo de Ciclagem (P Suporte) ▪ FluxoTérm

Nebulizador ▪ Neb Nebulizador ▪ Neb

Insuflação de Gás Traqueal ▪ TGI Insuflação de Gás Traqueal ▪ TGI

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
5. Recursos deVentilação 65

5 RECURSOS DE VENTILAÇÃO

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
66 5. Recursos de Ventilação

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
5. Recursos deVentilação 67

5.1. CONTROLES

% O2
Concentração de Oxigênio (%)
Este controle permite o ajuste da porcentagem de oxigênio da mistura
ar/oxigênio enviada ao paciente a cada ciclo (FiO2).

Escala Todos os pacientes 21% a 100%


Valor padrão 21%

Vol Contr
Volume Controlado (mL)
Este controle permite o ajuste do volume corrente durante os ciclos
mandatórios (controlados e assistidos) nos modos VCV.

Escalas Paciente neonatal (não habilitado)


Paciente pediátrico 10 a 500 mL
Limites seguros 50 a 350 mL
Valor padrão 200 mL
Paciente adulto 100 a 2000 mL
Limites seguros 250 a 750 mL
Valor padrão 500 mL

NOTA

O volume entregue ao paciente é corrigido para compensar a


complacência do circuito respiratório, a composição do gás (FiO2 e
umidade) e a temperatura corporal (BTPS).

O volume corrente fornecido nas modalidades de ventilação baseadas


em pressão depende tanto da pressão inspiratória aplicada como
também da mecânica dos pulmões. Na aplicação infantil, este volume
pode ser tão baixo quanto 5mL, diferentemente das modalidades
VCV, nas quais o menor volume corrente ajustável é de 10mL.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
68 5. Recursos de Ventilação

P Contr
Pressão Controlada (cmH2O)
Este controle permite o ajuste do valor da Pressão Controlada sobreposta à
PEEP, aplicada aos ciclos mandatórios nos modos PCV.

Por exemplo: para uma P Contr ajustada em 20 cmH2O com uma PEEP de 5
cmH2O, o valor final de pressão inspiratória na via aérea será de 25 cmH2O.

A Pressão Controlada é mantida ativamente pelo controle simultâneo das


válvulas de fluxo e da válvula de exalação, durante todo o ciclo respiratório. O
fluxo é automaticamente ajustado para atender a demanda do paciente e/ou
compensar vazamentos, enquanto a pressão é aliviada sempre que o paciente
exercer um esforço expiratório.

O tempo de subida da pressão, desde a PEEP até (PEEP + P Contr) irá depender
do ajuste de tempo de subida Rampa.

Escala Todos os pacientes 5 a 80 cmH2O


Limites seguros 10 a (35 - PEEP) cmH2O
Valor padrão 15 cmH2O

NOTA

No modo PCV, o valor da pressão controlada P Contr é adicionado ao


valor da PEEP.

Fluxo I
Fluxo Inspiratório (L/min)
Este controle permite o ajuste do fluxo inspiratório nos modos VCV e TCPLV.

Além da amplitude, o modo VCV permite a seleção de três formas de ondas


distintas:

Fluxo constante
Fluxo decrescente
O fluxo inicial (Pico Fluxo Insp) será 50% maior que o valor ajustado, enquanto
fluxo final do ciclo será 50% menor que o valor ajustado em Fluxo I. Desta
forma, serão mantidos o tempo inspiratório e a relação I:E equivalentes aos de
um ciclo com fluxo constante, a uma menor pressão de via aérea.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
5. Recursos deVentilação 69

Fluxo senoidal.
O fluxo inicial (Pico Fluxo Insp) será 56% maior que o valor ajustado, de forma
a se manter o tempo inspiratório e a relação I:E equivalentes aos de um ciclo
com fluxo constante.
Escalas Paciente neonatal 2 L/min a 30 L/min
Limites seguros 4 a 15 L/min
Valor padrão 6 L/min
Paciente pediátrico 2 L/min a 50 L/min
Limites seguros 10 a 30 L/min
Valor padrão 20 L/min
Paciente adulto 2 L/min a 120 L/min
Limites seguros 30 a 80 L/min
Valor padrão 30 L/min

T Insp
Tempo Inspiratório (s)
Este controle permite o ajuste do tempo inspiratório nos modos PCV, TCPLV
e NIV.

Escalas Paciente neonatal 0,10 a 15,0 s


Limites seguros 0,25 a 1,00 s
Valor padrão 0,5 s
Paciente pediátrico 0,10 a 15,0 s
0,50 a 5,00 s no modo NIV
Limites seguros 0,50 a 2,00 s
Valor padrão 0,75 s
Paciente adulto 0,10 a 15,0 s
0,5 a 5,00 s no modo NIV
Limites seguros 0,75 a 3,00 s
Valor padrão 1,00 s

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
70 5. Recursos de Ventilação

Freq
Frequência Respiratória Controlada (/min)
Este controle permite o ajuste da frequência dos ciclos controlados fornecidos
pelo ventilador.

Escalas Paciente neonatal 0 a 180 /min


Limites seguros 20 a 60 /min
Valor padrão 30 /min
Paciente pediátrico 0 a 180 /min
0 a 40 /min no modo NIV
Limites seguros 10 a 40 /min
Valor padrão 20 /min
Paciente adulto 0 a 180 /min
0 a 40 /min no modo NIV
Limites seguros 6 a 30 /min
Valor padrão 12 /min

PEEP
Pressão Positiva Expiratória Final (cmH2O)
Este controle permite o ajuste do nível de pressão expiratória em todas as
modalidades.

A pressão expiratória PEEP é mantida ativamente pelo controle simultâneo das


válvulas de fluxo e da válvula de exalação. O fluxo é automaticamente ajustado
para atender a demanda do paciente e/ou compensar vazamentos, mantendo
a capacidade residual funcional, enquanto a pressão é aliviada sempre que o
paciente exercer um esforço expiratório.

Escalas Paciente neonatal 0 a 50 cmH2O


Pacientes pediátrico e 0 a 50 cmH2O
adulto 0 a 20 cmH2O no modo NIV
Limites seguros 5 a 15 cmH2O
Valor padrão 5 cmH2O

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
5. Recursos deVentilação 71

NOTA

No modo PCV, o valor da pressão controlada P Contr é adicionado ao


valor da PEEP.

P Limite
Pressão Limite (cmH2O)
No modo TCPLV o limite de pressão inspiratória P Limite atua sobre os ciclos
mandatórios e também sobre os espontâneos com pressão suporte.

No modo NIV, há um limite virtual de 40 cmH2O, que impede combinações de


ajustes de pressão superiores a este valor. Nos modos VCV e PCV este limite
virtual é de 120 cmH2O.

Escala Pacientes neonatal e 5 a 80 cmH2O


pediátrico
Limites seguros 10 a 35 cmH2O
Valor padrão 20 cmH2O
40 cmH2O no modo NIV (não ajustável)
120 cmH2O nos modos VCV e PCV (não
ajustável)

NOTA

O mínimo ajuste possível de P Limite será sempre maior ou igual à


PEEP ajustada.

P Suporte
Pressão Suporte (cmH2O)
Este controle permite o ajuste da pressão suporte, sobreposta à PEEP, nos
ciclos espontâneos na modalidade SIMV/CPAP.

Ao ser detectado o esforço do paciente, o ventilador acelera o fluxo


inspiratório elevando a pressão na via aérea até o valor de pressão inspiratória
resultante (PEEP + P Suporte).

Por exemplo: para uma Pressão Suporte ajustada em 20 cmH2O com uma PEEP
de 5 cmH2O, o valor final de pressão inspiratória na via aérea será de 25
cmH2O.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
72 5. Recursos de Ventilação

O ventilador irá terminar o ciclo quando o fluxo inspiratório atingir o valor de


fluxo de ciclagem ajustado no controle FluxoTérm.

O tempo de subida da pressão, desde a PEEP até (PEEP + P Suporte) irá


depender do ajuste de tempo de subida Rampa.

Escalas Paciente neonatal Desligado, 5 a 80 cmH2O


Pacientes pediátrico e Desligado, 5 a 80 cmH2O
adulto Desligado, 5 a 40 cmH2O no modo NIV
Limites seguros 10 a (35 - PEEP) cmH2O
Valor padrão 15 cmH2O

NOTA

Nos ciclos espontâneos com pressão suporte, o valor da pressão


suporte P Suporte é adicionado ao valor da PEEP.

NOTA

Durante os ciclos respiratórios nos modos PCV, NIV e demais modos


que utilizam P Suporte programada, o ventilador fornece um fluxo de
demanda (fluxo livre) de até 180 L/min.

FluxoTérm
Fluxo de Término de Ciclos de Pressão Suporte (%)
Este controle permite o ajuste da sensibilidade expiratória dos ciclos
espontâneos com pressão suporte, através do critério de término por fluxo. O
valor ajustado de fluxo de corte representa a porcentagem do pico de fluxo
inspiratório (Pico Fluxo Insp) obtido no início da inspiração, e irá influir da
duração do tempo inspiratório. Quanto menor o fluxo de corte maior o tempo
inspiratório e vice versa.

Escala Todos os pacientes 10% a 75%


Valor padrão 25%

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
5. Recursos deVentilação 73

NOTA

10%: ciclo mais longo; 75%: ciclo mais curto.

Um valor maior de fluxo de corte pode auxiliar os pacientes com


resistência de vias aéreas elevadas, evitando aumento excessivo do
tempo inspiratório.

P Insp
Pressão Inspiratória (cmH2O)
Este controle permite o ajuste do valor da Pressão Inspiratória no modo NIV.

O volume inspirado pelo paciente será função da diferença entre o valor


ajustado da Pressão Inspiratória P Insp e a PEEP.

Por exemplo: para uma P Insp ajustada em 20 cmH2O com uma PEEP de 5
cmH2O, a pressão que irá movimentar o volume corrente para o paciente será
(20 - 5) = 15cmH2O.

A Pressão Inspiratória é mantida ativamente pelo controle simultâneo das


válvulas de fluxo e da válvula de exalação, durante todo o ciclo respiratório. O
fluxo é automaticamente ajustado para atender a demanda do paciente e/ou
compensar vazamentos, enquanto a pressão é aliviada sempre que o paciente
exercer um esforço expiratório.

Escalas Paciente neonatal (não habilitado)


Pacientes pediátrico e 5 a 40 cmH2O
adulto
Limites seguros 10 a 35 cmH2O
Valor padrão 15 cmH2O

Rampa
Rampa de Subida da Pressão (%)
Este controle permite o ajuste da inclinação (slope) da curva da pressão. O
ajuste é válido para a pressão do ciclo corrente, seja ela P Contr, P Suporte ou
P Insp. A inclinação da curva está associada ao fluxo inspiratório: quanto maior
a inclinação maior o fluxo e vice versa.

Escala Todos os pacientes 25% (lento) a 100% (rápido)


Valor padrão 70%

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
74 5. Recursos de Ventilação

NOTA

Inclinação 100%: mais rápido; Inclinação 25%: mais lento.

Uma inclinação menor pode auxiliar os pacientes com resistência de


vias aéreas elevadas, evitando oscilações de pressão. Uma inclinação
maior pode beneficiar os pacientes que apresentem esforço
inspiratório elevado.

Sensibilidade (cmH2O ou L/min)


Este controle permite o ajuste do nível de esforço inspiratório do paciente
necessário para iniciar os ciclos assistidos ou espontâneos. O i X5 oferece a
possibilidade de se utilizar a sensibilidade por pressão (Sens P) ou por fluxo
(Sens F). Apenas um dos tipos de sensibilidade pode ficar ativo, de modo que o
ajuste de Sens P automaticamente desliga Sens F, e vice-versa.

Escalas Sensibilidade por pressão (Sens P)


Paciente neonatal 0,3 cmH2O a 10 cmH2O; Desligado
Limites seguros < 5 cmH2O
Valor padrão 1,0 cmH2O
Pacientes pediátrico e adulto 0,5 cmH2O a 10 cmH2O; Desligado
Limites seguros < 5 cmH2O
Valor padrão 1,0 cmH2O
Sensibilidade por fluxo (Sens F)
Paciente neonatal 0,2 L/min a 2 L/min; Desligado
Valor padrão Desligado
Paciente pediátrico 0,5 L/min a 5 L/min; Desligado
Limites seguros < 3 L/min
Valor padrão Desligado
Paciente adulto 2L/min a 15 L/min; Desligado
Limites seguros < 10 L/min
Valor padrão Desligado

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
5. Recursos deVentilação 75

NOTA

Sempre que o esforço do paciente atingir o nível de sensibilidade


ajustado, será ativado o indicador Esforço Paciente na tela do
ventilador.

ATENÇÃO!

O ajuste inadequado da sensibilidade por pressão (Sens P) ou por


fluxo (Sens F) pode acarretar em autociclagem do equipamento, em
ocorrência de alarmes falso-positivos ou em não detecção de esforços
reais do paciente.

ATENÇÃO!

O i X5 não permite o ajuste simultâneo de Sens P e Sens F. O ajuste de


um valor qualquer em uma das sensibilidades (Sens F ou Sens P)
automaticamente desligará a outra (respectivamente, Sens P ou Sens
F) assim que confirmado.

Suspiro (%)
Este controle permite o envio de ciclos mandatórios com a função de suspiro.
O suspiro é caracterizado pela elevação do volume corrente através do
aumento do volume controlado ou da pressão controlada, dependendo do
modo de ventilação utilizado.

NOTA

A função Suspiro está disponível somente nos modos VCV, PCV e NIV.

Escalas %Suspiro
Pacientes pediátrico e 50%
adulto
Relação Suspiro
Pacientes pediátrico e 1:100
adulto

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
76 5. Recursos de Ventilação

Nebulizador (L/min)
Este recurso habilita um fluxo auxiliar para nebulização que deve ser
conectado a um nebulizador padrão, posicionado no ramo inspiratório do
circuito do paciente. O fluxo de nebulização é compensado de forma a manter
constantes os valores de volume e concentração de oxigênio previamente
ajustados.

NOTA

No modo VCV, o ventilador mantém constante o volume corrente


ajustado, descontando automaticamente o volume de nebulização a
cada ciclo. Nos demais modos o volume de nebulização não é
descontado automaticamente

Escalas Período Nebulização


Todos os pacientes 30 min
Fluxo Nebulização
Paciente neonatal 3 L/min
Paciente pediátrico 6 L/min
Paciente adulto 6 L/min

TGI
Insuflação Traqueal de Gás (L/min)
Este recurso promove a “lavagem” do CO2 retido nas vias aéreas durante a
exalação, através de um fluxo sincronizado com a fase expiratória.

Este fluxo deve ser conectado a um cateter específico para este tipo de
manobra, posicionado na carina do paciente.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
5. Recursos deVentilação 77

NOTA

O atraso na ativação do fluxo de TGI (Atraso TGI) tem como objetivo


evitar o contra fluxo dos gases exalados pelo paciente, aumentando a
eficiência da lavagem e minimizando o risco de ocorrência de auto-
PEEP.

Escala Atraso TGI


Todos os pacientes 300 ms
Fluxo TGI
Paciente neonatal 3 L/min
Paciente pediátrico 6 L/min
Paciente adulto 6 L/min

Pausa I
Pausa Inspiratória (s)
Este controle permite o acionamento de uma pausa inspiratória nos ciclos
controlados e assistidos no modo VCV, de acordo com o tempo de pausa
(Pausa I) ajustado.

Escala Paciente neonatal (não habilitado)


Pacientes pediátrico e adulto 0,0 a 2,0 s
Valor padrão 0,0 s

NOTA

Durante a pausa inspiratória, na ausência de fluxo, ocorre a


equalização entre a pressão alveolar e a pressão na via aérea,
monitorada no manômetro. Assim é possível durante a pausa
inspiratória verificar diretamente no manômetro do ventilador, ou no
display gráfico ou digital, o valor da Pressão Platô (pressão alveolar
ao final da inspiração, pressão elástica do pulmão, pressão de
plateau).

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
78 5. Recursos de Ventilação

5.2. RECURSOS COMPLEMENTARES

Modo de Espera (Standby)


Esta tecla localizada no painel frontal coloca o ventilador em estado de espera,
ou seja:
ƒ O ventilador suspende a operação, interrompendo as funções de ventilação,
monitoração e alarmes, com exceção às curvas de tendência.
ƒ O operador pode proceder ao ajuste de todos os parâmetros de controles e
alarmes;
ƒ O operador pode acessar todas as informações armazenadas na memória do
ventilador (curvas de tendência).
ƒ Para iniciar a ventilação programada o operador deve pressionar novamente a
tecla Modo de Espera ou o botão Iniciar Ventilação na tela.
Quando a tecla Modo de Espera é acionada após um período de oxigenação,
ativado pela tecla 100% O2, é iniciada uma sequência para aspiração. Essa
sequência está descrita adiante no controle 100% O2.

A ativação da função é indicada pelo respectivo LED.

100% O2 – Manobra de Oxigenação/Aspiração


Esta tecla localizada no painel frontal inicia uma sequência de ajustes
apropriados para a rotina de oxigenação para auxiliar na aspiração de
secreções do paciente:

Fase I – Pré Oxigenação – 100% O2 (LEDs: 100% O2 aceso, Modo de Espera


apagado):
ƒ O acionamento da tecla 100% O2 inicia o procedimento de oxigenação,
ajustando a concentração de oxigênio da mistura inspirada em 100% por 3
minutos. Caso a tecla seja pressionada novamente, antes de 1 minuto, a
manobra será interrompida, retornando imediatamente ao valor previamente
ajustado de concentração de oxigênio.
ƒ Ao término de 3 minutos, caso não seja acionada a tecla Modo de Espera, é
iniciada a Fase IV com a concentração de oxigênio retornando ao valor
previamente ajustado na razão de 20% por minuto.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
5. Recursos deVentilação 79

Fase II – Aspiração – Modo de Espera (LEDs: 100% O2 aceso, Modo de Espera


aceso):
ƒ Após acionar a tecla Modo de Espera ou o botão Iniciar Ventilação na
sequência da Fase I, o operador pode desconectar o paciente do ventilador e
iniciar os procedimentos de aspiração enquanto o ventilador é mantido em
Modo de Espera por até 3 minutos.
ƒ O operador pode reconectar o paciente e reestabelecer a ventilação a
qualquer instante acionando a tecla Modo de Espera ou o botão Iniciar
Ventilação novamente. Caso a tecla Modo de Espera ou o botão Iniciar
Ventilação ainda não tenha sido pressionada após 3 minutos, é acionado um
sinal visual e sonoro a cada 60s alertando o operador para reconectar o
paciente ao ventilador e reiniciar a ventilação.

Fase III – Pós Oxigenação – 100% O2 (LEDs: 100% O2 aceso, Modo de Espera
apagado):
ƒ Após reconectar o paciente e acionar a tecla Modo de Espera ou o botão
Iniciar Ventilação, o ventilador irá manter a concentração de oxigênio em
100% por mais 3 minutos, ou até que seja acionada novamente a tecla 100%
O2, retornando ao valor previamente ajustado de concentração de oxigênio na
razão de 20% por minuto (Fase IV).

Fase IV – Desmame (LEDs: 100% O2 piscando, Modo de Espera apagado)


ƒ O retorno da condição de 100% de oxigênio para a concentração previamente
ajustada é realizada de forma gradual, a uma taxa de aproximadamente 20%
de O2 por minuto.

Insp Manual – Ciclo Manual


Esta tecla localizada no painel frontal inicia um ciclo controlado no modo
selecionado. O ventilador ignora este comando se a tecla for pressionada
durante a fase inspiratória ou durante o período inicial de 300ms da fase
expiratória.

Pausa Exp Manual – Pausa Expiratória Manual


Esta tecla localizada no painel frontal permite o acionamento de uma pausa ao
final da fase expiratória do ciclo respiratório. A tecla pode ser acionada a
qualquer instante, e a pausa será ativada somente ao final da próxima
exalação.

De forma a facilitar a detecção da pausa, o LED indicador permanece piscando


desde o acionamento da tecla até o início da pausa, permanecendo aceso
durante todo o tempo de pausa.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
80 5. Recursos de Ventilação

A pausa pode ser acionada através de um toque momentâneo ou contínuo:


ƒ Toque momentâneo: será acionada uma pausa automática ao final da
próxima exalação, com duração fixa de 200ms.
ƒ Acionamento contínuo: enquanto o operador mantiver a tecla pressionada
será mantida a pausa até o tempo máximo de 15s.

NOTA
O acionamento da pausa expiratória permite a medida da Auto PEEP ou
da Pressão de Oclusão P0.1 (medida após 100ms do início da pausa).

Para maiores informações quanto a estes parâmetros, consulte o


Capítulo Recursos de Monitorização, deste Manual.

Pausa Insp Manual – Pausa Inspiratória Manual


Esta tecla localizada no painel frontal permite o acionamento de uma pausa ao
final da fase inspiratória do ciclo respiratório. A tecla pode ser acionada a
qualquer instante, e a pausa será ativada somente ao final da próxima
inspiração.

De forma a facilitar a detecção da pausa, o LED indicador permanece piscando


desde o acionamento da tecla até o início da pausa, permanecendo aceso
durante todo o tempo de pausa.

A pausa pode ser acionada através de um toque momentâneo ou contínuo:


ƒ Toque momentâneo: será acionada uma pausa automática ao final da próxima
inspiração, com duração fixa de 200ms.
ƒ Acionamento contínuo: enquanto o operador mantiver a tecla pressionada
será mantida a pausa até o tempo máximo de 15s.

NOTA
Durante a pausa inspiratória, na ausência de fluxo, ocorre a equalização
entre a pressão alveolar e a pressão na via aérea, monitorada no
manômetro. Assim, é possível durante a pausa expiratória, verificar
diretamente no manômetro do ventilador, ou no display gráfico ou digital,
o valor da Pressão Platô (pressão alveolar ao final da inspiração, pressão
elástica do pulmão, pressão de plateau).

Para maiores informações quanto a monitorização da Pressão Platô,


consulte o Capítulo Recursos de Monitorização, deste Manual.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
5. Recursos deVentilação 81

Bloquear Painel – Bloqueio do Painel


Esta tecla localizada no painel frontal permite o travamento do painel de
controles, evitando o acionamento não intencional de funções do
equipamento. Apenas a tecla Bloquear Painel fica habilitada – e esta é a única
forma de desabilitar esta função.

Pausar Áudio/Limpar Alarmes – Inibição do áudio dos alarmes e


Limpeza dos alarmes inativos
Esta tecla, localizada no painel frontal, inibe a indicação sonora dos alarmes
ativos por 120 segundos, podendo reativá-la caso a tecla seja pressionada
novamente dentro deste período. Esta tecla também atua como reset do
sistema de alarmes, limpando os indicadores visuais dos alarmes cujas
condições geradoras já tiverem cessado.

A ativação da função é indicada pelo respectivo LED.

NOTA

A tecla Pausar Áudio/Limpar Alarmes não impede o acionamento


sonoro na ocorrência de uma nova condição geradora de alarme.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
6. Alarmes e Mensagens 83

6 Alarmes e Mensagens

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
84 6. Alarmes e Mensagens

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 85

6.1. Alarmes

6.1.1. Introdução

O i X5 dispõe de alarmes visuais e sonoros de baixa, média e alta prioridade,


classificados de acordo com a urgência requerida na tomada de ação por parte
do operador.

Alarme de Baixa Prioridade


Requer uma resposta breve do operador. Sua indicação visual é na cor azul
contínuo e possui indicação sonora associada (beep).

Alarme de média prioridade


Requer uma resposta rápida do operador. Sua indicação visual é na cor
amarelo intermitente, associada a uma indicação sonora de 3 toques a cada
25 segundos.

Alarme de alta prioridade


Requer uma resposta imediata do operador. Sua indicação visual é na cor
vermelho intermitente, associada a uma indicação sonora de 3+2 toques a
cada 10 segundos.

Prioridade Alta Média Baixa


Resposta do
Imediata Rápida Breve
Operador
Mudança de
Situação Emergência Anormal
Estado
Indicação Visual Vermelho Amarelo Azul
___ __ ___ __
Indicação Sonora
A cada 10s A cada 25s A cada 60s

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
86 6. Alarmes e Mensagens

Estados de alarme
Um alarme é considerado ativo quando a condição que o gerou continua
presente no sistema. Este alarme é indicado por sinal sonoro e visual (Master
Alarm e mensagem piscante na área superior da tela). Quando a condição que
originou um alarme deixa de existir, ele passa ao estado persistente,
caracterizado por sinal apenas visual (mensagem não-piscante na área
superior da tela).

NOTA

As mensagens de maior prioridade são exibidas de forma alternada


conforme a ordem listada abaixo:

• Alarmes ativos de alta prioridade


• Alarmes ativos de média prioridade
• Alarmes ativos de baixa prioridade
• Alarmes persistentes de alta prioridade
• Alarmes persistentes de média prioridade
• Alarmes persistentes de baixa prioridade
Na inexistência de itens de ordem maior, serão alternados os itens da
próxima ordem, até que não haja mais mensagens.

NOTA

Um indicador numérico exibindo a quantidade total de alarmes


existentes aparece à direita da área de mensagens sempre que
houver mais de uma ocorrência simultânea. Ao tocar na tela sobre a
mensagem de alarme visível ou sobre o contador de mensagens, será
exibida uma lista com os alarmes ativos e persistentes, que será
fechada automaticamente em 5 segundos ou a um novo toque sobre
a lista.

Pausar Áudio / Limpar Alarmes


(Inibição do áudio dos alarmes e limpeza dos alarmes inativos)
Esta tecla, localizada no painel frontal, inibe a indicação sonora dos alarmes
ativos por 120 segundos, podendo reativá-la caso a tecla seja pressionada
novamente dentro deste período. O acendimento do LED na cor amarela
indica que o áudio está temporariamente inibido.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 87

Esta tecla também atua como reset do sistema de alarmes, limpando os


indicadores visuais dos alarmes cujas condições geradoras já tiverem cessado.

NOTA

A tecla Pausar Áudio / Limpar Alarmes não impede o


acionamento do alarme na ocorrência de uma nova condição
geradora de alarme.

6.1.2. Alarmes de Ventilação

NOTA

As faixas de ajuste para cada um dos alarmes de ventilação


podem variar, dependendo do tipo de paciente selecionado
(neonatal, pediátrico ou adulto) e do modo de ventilação
aplicado (ventilação invasiva ou não-invasiva).

Auto Ajuste
(Ajuste automático dos alarmes)
Esse recurso sugere valores para os limites dos alarmes para facilitar o ajuste.
Os limites sugeridos pelo ventilador dependem do tipo de paciente
selecionado, bem como das condições de monitoração e de ajuste dos
controles durante a ventilação.
Para ajustar os alarmes automaticamente, o operador deve acionar a tecla
Auto Ajuste, verificar os valores sugeridos para cada alarme e confirmar cada
um destes valores individualmente.

Tela de Histórico de Alarmes e Eventos

O i X5 armazena o histórico de todas as ocorrências de alarmes e eventos


ocorridos nas últimas 72 horas. Cada registro contém sua indicação de data,
hora, tipo e identificação.
A lista de eventos pode ser filtrada para exibir apenas alarmes, apenas eventos
ou ambos os tipos de ocorrência.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
88 6. Alarmes e Mensagens

6.1.3. Alarmes Ajustáveis

Pressão Inspiratória Baixa


Parâmetro: Pressão Baixa (cmH2O)
Alta Prioridade

Este alarme determina o limite mínimo de pressão na via aérea que deve ser
atingido durante a fase inspiratória dos ciclos controlados e/ou assistidos e
espontâneos com pressão de suporte maior que 5 cmH2O.

Escalas Paciente neonatal 3 a 70 cmH2O


Limites seguros > (PEEP + 5) cmH2O
Auto-ajuste inicial (PEEP + 10) cmH2O
Auto-ajuste ventilação (Pico - 5) cmH2O
Paciente pediátrico e adulto 3 a 70 cmH2O
3 a 40 cmH2O no modo NIV
Limites seguros > (PEEP + 5) cmH2O
Auto-ajuste inicial (PEEP + 10) cmH2O
Auto-ajuste ventilação (Pico - 5) cmH2O

Pressão Inspiratória Alta


Parâmetro: Pressão Alta (cmH2O)
Alta Prioridade

Este alarme determina o limite máximo de pressão na via aérea durante a fase
inspiratória dos ciclos controlados, assistidos e espontâneos.
Se, durante a fase inspiratória, o limite de pressão estabelecido pelo alarme
for atingido, o ventilador imediatamente interromperá o ciclo e retornará para
o valor ajustado de pressão expiratória (PEEP).

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 89

Escalas Paciente neonatal 10 a 120 cmH2O


Limites seguros (PEEP + 10) a 40 cmH2O
Auto-ajuste inicial 40 cmH2O
Auto-ajuste ventilação (Pico + 5) cmH2O
Paciente pediátrico e adulto 10 a 120 cmH2O
5 a 40 cmH2O no modo NIV
Limites seguros (PEEP + 10) a 40 cmH2O
(PEEP + 10) a 30 cmH2O no modo NIV
Auto-ajuste inicial 40 cmH2O
30 cmH2O no modo NIV
Auto-ajuste ventilação (Pico + 5) cmH2O

Volume Minuto Baixo


Parâmetro: Vol Min Baixo (L)
Média Prioridade

Este alarme determina o limite mínimo de volume minuto exalado,


considerando-se os ciclos mandatórios e espontâneos.

Escalas Paciente neonatal Desligado; 0,01 a 2,0 L


Limites seguros > 0,1 L
Auto-ajuste inicial 0,2 L
Auto-ajuste ventilação 40% < Vol Minuto
Paciente pediátrico Desligado; 0,10 a 20,0 L
Limites seguros > 0,5 L
Auto-ajuste inicial 1L
Desligado no modo NIV
Auto-ajuste ventilação 40% < Vol Minuto
Desligado no modo NIV
Paciente adulto Desligado; 1,0 a 40,0 L
Limites seguros > 2,5 L
Auto-ajuste inicial 5L
Desligado no modo NIV
Auto-ajuste ventilação 40% < Vol Minuto
Desligado no modo NIV

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
90 6. Alarmes e Mensagens

Volume Minuto Alto


Parâmetro: Vol Min Alto (L)
Média Prioridade

Este alarme determina o limite máximo de volume minuto exalado,


considerando-se os ciclos mandatórios e espontâneos.

Escalas Paciente neonatal 0,01 a 3,0 L; Desligado


Auto-ajuste inicial 1L
Auto-ajuste ventilação 40% > Vol Minuto
Paciente pediátrico 0,10 a 30,0 L; Desligado
Auto-ajuste inicial 4L
Desligado no modo NIV
Auto-ajuste ventilação 40% > Vol Minuto
Desligado no modo NIV
Paciente adulto 1,0 a 60,0 L; Desligado
Auto-ajuste inicial 10 L
Desligado no modo NIV
Auto-ajuste ventilação 40% > Vol Minuto
Desligado no modo NIV

Volume Corrente Baixo


(Volume Corrente Exalado Baixo)
Parâmetro: Vol Corr Baixo (mL)
Média Prioridade

Este alarme determina o limite mínimo de volume corrente exalado dos


ciclos mandatórios. É acionado após três ciclos mandatórios consecutivos cujo
volume corrente exalado monitorado seja menor que o limite ajustado no
alarme.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 91

Escalas Paciente neonatal Desligado; 1 a 50 mL


Limites seguros > 10 mL
Auto-ajuste inicial Desligado
Auto-ajuste ventilação 50% < Vol Corrente
Paciente pediátrico Desligado; 10 a 500 mL
Limites seguros > 50 mL
Auto-ajuste inicial Desligado
Auto-ajuste ventilação 50% < Vol Corrente
Desligado no modo NIV
Paciente adulto Desligado; 100 a 2000 mL
Limites seguros > 200 mL
Auto-ajuste inicial Desligado
Auto-ajuste ventilação 50% < Vol Corrente
Desligado no modo NIV

Volume Corrente Alto


(Volume Corrente Inspirado Alto)
Parâmetro: Vol Corr Alto (mL)
Média Prioridade

Este alarme determina o limite máximo de volume corrente inspirado dos


ciclos mandatórios e espontâneos.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
92 6. Alarmes e Mensagens

Escalas Paciente neonatal 1 a 50 mL; Desligado


Limites seguros < 35 mL
Auto-ajuste inicial Desligado
Auto-ajuste ventilação 50% > Vol Corrente
Paciente pediátrico 10 a 500 mL; Desligado
Limites seguros < 350 mL
Auto-ajuste inicial Desligado
Auto-ajuste ventilação 50% > Vol Corrente
Desligado no modo NIV
Paciente adulto 100 a 2000 mL; Desligado
Limites seguros < 1000 mL
Auto-ajuste inicial Desligado
Auto-ajuste ventilação 50% > Vol Corrente
Desligado no modo NIV

Apneia
Parâmetro: Apneia (s)
Média / Alta Prioridade

Este alarme está ativo em todos os modos de ventilação e determina o limite


máximo de apneia (período sem esforço inspiratório do paciente). Na
ocorrência da apneia o ventilador envia um ciclo de reserva (backup) de
acordo com os parâmetros ajustados pelo usuário para os ciclos mandatórios.
Este alarme inicia em Média Prioridade e evolui para Alta Prioridade na
ocorrência de três períodos consecutivos de apneia.

Escalas Todos os pacientes 3 a 60 segundos; Desligado


Limites seguros < 15 segundos
Auto-ajuste inicial Desligado
Auto-ajuste ventilação T Exp + 5 segundos

NOTA

Caso o alarme esteja desligado e haja um período de apneia


superior a 15 segundos, o mesmo será acionado.
Neste caso, não há o envio de ciclo de reserva (backup).

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 93

Frequência Resp Baixa


Parâmetro: Freq Baixa (/min)
Média Prioridade

Este alarme determina o limite mínimo de frequência respiratória,


considerando-se os ciclos respiratórios mandatórios e espontâneos.

Escalas Paciente neonatal Desligado; 4 a 120 /min


Limites seguros > 15 /min
Auto-ajuste inicial 25 /min
Auto-ajuste ventilação 30% < Freq Resp
Paciente pediátrico Desligado; 4 a 120 /min
Limites seguros > 10 /min
Auto-ajuste inicial 15 /min
Auto-ajuste ventilação 30% < Freq Resp
Paciente adulto Desligado; 4 a 120 /min
Limites seguros > 5 /min
Auto-ajuste inicial 5 /min
Auto-ajuste ventilação 30% < Freq Resp

Frequência Resp Alta


Parâmetro: Freq Alta (/min)
Média Prioridade

Este alarme determina o limite máximo de frequência respiratória,


considerando-se os ciclos respiratórios mandatórios e espontâneos.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
94 6. Alarmes e Mensagens

Escalas Paciente neonatal 4 a 180 /min; Desligado


Limites seguros < 60 /min
Auto-ajuste inicial 50 /min
Auto-ajuste ventilação 30% > Freq Resp
Paciente pediátrico 4 a 180 /min; Desligado
Limites seguros < 45 /min
Auto-ajuste inicial 30 /min
Auto-ajuste ventilação 30% > Freq Resp
Paciente adulto 4 a 180 /min; Desligado
Limites seguros < 30 /min
Auto-ajuste inicial 20 /min
Auto-ajuste ventilação 30% > Freq Resp

FiO2 Baixa
Parâmetro: FiO2 Baixa (%)
Média Prioridade / Alta Prioridade

Este alarme determina o limite mínimo da concentração de oxigênio (FiO2)


medida na mistura de gases fornecida ao paciente. É acionado sempre que a
concentração medida (FiO2) ficar abaixo do valor ajustado do alarme.

Escalas Todos os pacientes Desligado; 19% a 100%


Limites seguros > % O2 – 5
Auto-ajuste inicial 19%
Auto-ajuste ventilação FiO2 – 5

NOTA

O alarme FiO2 Baixa passa a Alta Prioridade quando o valor da


concentração medida for menor ou igual à 18%.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 95

FiO2 Alta
Parâmetro: FiO2 Alta (%)
Média Prioridade

Este alarme determina o limite máximo da concentração de oxigênio (FiO2)


medida na mistura ar/oxigênio fornecida ao paciente. É acionado sempre que
a concentração medida (FiO2) ficar acima do valor ajustado do alarme.

Escalas Todos os pacientes 19% a 100%; Desligado


Limites seguros < % O2 + 5
Auto-ajuste inicial 26%
Auto-ajuste ventilação FiO2 + 5

6.1.4. Alarmes Autoajustáveis

PEEP Baixa
Média Prioridade

Este alarme determina o limite mínimo da pressão expiratória (PEEP) medida


nas vias aéreas. É ajustado automaticamente em relação ao valor selecionado
no controle de PEEP e é acionado caso a diferença entre o valor da pressão na
via aérea medida durante a fase expiratória (PEEP) e o valor da PEEP ajustado
for superior a 3 cmH2O, seguindo as seguintes condições:

■ Para tempos expiratórios menores que 15 segundos:


Após 3 ciclos consecutivos.
■ Para tempos expiratórios maiores que 15 segundos:
Imediatamente.

Valor Todos os pacientes 3 cmH2O


automático

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
96 6. Alarmes e Mensagens

PEEP Alta
Média Prioridade

Este alarme determina o limite máximo da pressão expiratória (PEEP) medida


nas vias aéreas. É ajustado em relação ao valor do ajuste do controle de PEEP,
sendo acionado sempre que a pressão na via aérea medida durante a fase
expiratória se mantiver 5 cmH2O acima do valor de PEEP do ciclo vigente, nas
seguintes condições:

■ Para tempos expiratórios menores que 15 segundos:


Após 3 ciclos consecutivos.
■ Para tempos expiratórios maiores que 15 segundos:
Imediatamente.

Valor Todos os pacientes 5 cmH2O


automático

CPAP Alta
(Pressão Contínua nas Vias Aéreas Alta)
Alta Prioridade

Este alarme determina o limite máximo de pressão nas vias aéreas durante a
fase expiratória dos ciclos mandatórios e espontâneos. É ajustado
automaticamente em relação ao valor do controle da PEEP.
O alarme CPAP Alta é acionado sempre que a pressão na via aérea durante a
fase expiratória se mantiver 10 cmH2O acima do valor ajustado de PEEP, nas
seguintes condições:

■ Para tempos expiratórios menores que 2 segundos:


Após 3 ciclos consecutivos.
■ Para tempos expiratórios entre 2 a 5 segundos:
Após 2 ciclos consecutivos.
■ Para tempos expiratórios maiores que 5 segundos:
Imediatamente.

Valor Todos os pacientes PEEP Controlada + 10 cmH2O


automático

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 97

NOTA

Quando o alarme de CPAP Alta é acionado, o ventilador abre


imediatamentetodas as válvulas do circuito respiratório,
despressurizando-o por um período de 5 segundos. Após este
período, é restabelecido o funcionamento normal do
equipamento.

Auto PEEP
Baixa Prioridade

O alarme Auto PEEP é ativado se o Fluxo Expiratório não atingir um valor


mínimo ao final da exalação em 3 ciclos consecutivos. Este valor mínimo é
determinado a partir do valor do Pico de Fluxo Expiratório.

Valor Todos os pacientes 50% do valor do Pico de Fluxo Exp


automático

Auto Ciclagem
Alta Prioridade

O alarme Auto Ciclagem é acionado se, durante três ciclos consecutivos, for
detectado o disparo de um ciclo assistido ou espontâneo com Tempo
Expiratório inferior à metade do Tempo Inspiratório (equivalente a uma
relação I:E = 2:1).

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
98 6. Alarmes e Mensagens

6.1.5. Alarmes Técnicos

Pressão de O2 Baixa
Pressão de Entrada de Oxigênio Baixa (kPa)
Alta Prioridade

O alarme Pressão de O2 Baixa é acionado se a pressão de entrada de


oxigênio for inferior a 250kPa (2,5kg/cm2) e a concentração de oxigênio (%
O2) ajustada no ventilador for maior que 21%. Caso o fluxo de oxigênio seja
insuficiente para suprir a demanda programada, o ventilador irá
automaticamente compensar o fluxo com o ar comprimido, eventualmente
conduzindo ao acionamento do alarme FiO2 Baixa. No caso de a pressão de
entrada de oxigênio atingir níveis inferiores a 120kPa (1,2kg/cm2), o ventilador
comuta para entrada de ar e continua operando na condição de alarme
Pressão de O2 Baixa.

NOTA

Na condição de Pressão de O2 Baixa, o ventilador verifica o


nível de pressão de ar, acionando o alarme Pressão de Ar Baixa
em conjunto, caso a mesma esteja também com valor inferior a
250kPa (2,5kg/cm2).

Pressão de Ar Baixa
Pressão de Entrada de Ar Baixa (kPa)
Alta Prioridade

O alarme Pressão de Ar Baixa é acionado se a pressão de entrada de ar


comprimido for inferior a 250kPa (2,5kg/cm2) e a concentração de oxigênio (%
O2) ajustada no ventilador for menor que 100%. Caso o fluxo de ar seja
insuficiente para suprir a demanda programada, o ventilador irá
automaticamente compensar o fluxo com oxigênio, eventualmente
conduzindo ao acionamento do alarme FiO2 Alta. No caso de a pressão de
entrada de oxigênio atingir níveis inferiores a 120 kPa (1,2kg/cm2), o ventilador
comuta para entrada de oxigênio e continua operando na condição de alarme
Pressão de Ar Baixa.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 99

NOTA

Na condição de Pressão de Ar Baixa, o ventilador verifica o nível


de pressão de oxigênio, acionando o alarme Pressão de O2
Baixa em conjunto, caso a mesma esteja também com valor
inferior a 250kPa (2,5kg/cm2).

CUIDADO!

Se o ventilador não conseguir suprir a demanda necessária


mesmo após a comutação para o gás remanescente, o alarme
Falha de Gás é gerado e, como consequência, o equipamento
assume a condição inoperante, emitindo também o alarme
Ventilador Inoperante.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
100 6. Alarmes e Mensagens

Pressão de O2 Alta
Pressão de Entrada de Oxigênio Alta (kPa)
Alta Prioridade: Pressão > 600 kPa

O alarme Pressão de O2 Alta é acionado se a pressão de entrada de oxigênio


exceder 600kPa (6,0kg/cm2). Nesta situação, o operador deve reduzir a
pressão de entrada, utilizando, por exemplo, válvulas redutoras de pressão.
Como forma de segurança, o ventilador incorpora ainda mecanismo de válvula
de alívio de pressão de entrada para cada gás, ajustados em 660kPa (6,6
kg/cm2). Caso a pressão ultrapasse esse valor, as válvulas abrirão para
atmosfera, limitando a pressão de alimentação do ventilador.

Sobrepressão de O2
Sobrepressão de Entrada de Oxigênio (kPa)
Alta Prioridade: Pressão > 700 kPa

Em situações extremas em que a pressão de entrada ultrapassa o limite de


700kPa, o alarme passa a indicar Sobrepressão de O2, com Alta Prioridade,
além de o ventilador assumir a condição inoperante, gerando também o
alarme Ventilador Inoperante.

Pressão de Ar Alta
Pressão de Entrada de Ar Alta (kPa)
Alta Prioridade: Pressão > 600 kPa

O alarme Pressão de Ar Alta é acionado se a pressão de entrada de ar


comprimido exceder 600kPa (6,0kg/cm2). Nesta situação, o operador deve
reduzir a pressão de entrada, utilizando, por exemplo, válvulas redutoras de
pressão.
Como forma de segurança, o ventilador incorpora ainda mecanismos de
válvula de alívio de pressão de entrada para cada gás, ajustados em 660kPa
(6,6 kg/cm2). Caso a pressão ultrapasse esse valor, as válvulas abrirão para
atmosfera, limitando a pressão de alimentação do ventilador.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 101

Sobrepressão de Ar
Sobrepressão de Entrada de Ar (kPa)
Alta Prioridade: Pressão > 700 kPa

Em situações extremas em que a pressão de entrada ultrapassa o limite de


700kPa, o alarme passa a indicar Sobrepressão de Ar, com Alta Prioridade,
além de o ventilador assumir a condição inoperante, gerando também o
alarme Ventilador Inoperante.

CUIDADO!

Sempre que ocorrer a condição de Sobrepressão de O2 ou


Sobrepressão de Ar, o ventilador será conduzido à condição
inoperante, gerando também o alarme de Ventilador
Inoperante.

Falha Interna
Alta Prioridade

Esse alarme é acionado se forem detectadas falhas técnicas que requeiram a


interrupção do uso do equipamento o mais breve possível. Dependendo da
gravidade da falha detectada pelos circuitos de segurança, o ventilador pode
assumir a condição inoperante, gerando o alarme Ventilador Inoperante.
Nesta situação, ou seja, na ocorrência simultânea dos alarmes Ventilador
Inoperante e Falha Interna, interrompa imediatamente o uso equipamento.

NOTA

Na ocorrência do alarme Falha Interna, contate a Intermed ou o


Serviço Técnico Autorizado Intermed.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
102 6. Alarmes e Mensagens

Ventilador Inoperante
Alta Prioridade

O alarme Ventilador Inoperante indica que o ventilador não está operando e


os controles eletrônicos e pneumáticos estão inativos.
A condição inoperante pode ser gerada por falha de alimentação elétrica ou
dos gases de entrada, quando são gerados também os seguintes alarmes:

■ Falha de Energia
■ Falha de Gás
■ Sobrepressão de O2
■ Sobrepressão de Ar

NOTA

A restituição das condições adequadas de alimentação elétrica e


dos gases de entrada elimina a condição de Ventilador
Inoperante.

A condição de Ventilador Inoperante também pode ser gerada por uma falha
técnica, quando também são gerados os alarmes relacionados às seguintes
falhas:

■ Falha Interna
■ Falha Fornecimento Gás
■ Falha Pressão Reguladora
■ Falha Válvula Exalação
■ Bateria Interna Baixa

NOTA

Na ocorrência do alarme Ventilador Inoperante associado a uma


falha técnica, retire imediatamente o ventilador de uso e
contate a Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado Intermed.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 103

Falha de Gás (kPa)


Alta Prioridade

O alarme Falha de Gás é acionado na impossibilidade de o ventilador suprir a


demanda mínima necessária, mesmo após a comutação para o gás
remanescente. Essa condição ocorre quando tanto a pressão de entrada de ar
quanto a de oxigênio é inferior a 120 kPa (1,2 kg/cm2).

CUIDADO!

Sempre que ocorrer a condição de Falha de Gás, o ventilador


será conduzido à condição inoperante, gerando também o
alarme de Ventilador Inoperante.

Falha de Energia
Alta Prioridade

O alarme Falha de Energia é acionado quando ocorrer falha em alguma


tensão interna no ventilador.

CUIDADO!

Sempre que ocorrer a condição de Falha de Energia, o


ventilador será conduzido à condição inoperante, gerando
também o alarme de Ventilador Inoperante.

Desconexão Paciente
Alta Prioridade

O alarme Desconexão Paciente é acionado se for detectada a desconexão


do paciente através de uma diferença entre o volume entregue e o exalado
igual ou superior a 95%.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
104 6. Alarmes e Mensagens

Vazamento Circuito Paciente


(Vazamento no Circuito Paciente)
Baixa Prioridade

O alarme Vazamento Circuito Paciente é acionado se for detectado um


vazamento no circuito do paciente, através da diferença entre o volume
entregue e o exalado, igual ou superior a 50% e inferior a 95%.
Esse alarme não é ativado nos modos TCPLV e NIV.

Oclusão Circuito Paciente


(Oclusão do Circuito Paciente)
Alta Prioridade

O alarme Oclusão Circuito Paciente é acionado a partir da detecção da


oclusão do ramo inspiratório do circuito do paciente.
A detecção da oclusão inspiratória é realizada medindo-se a resistência do
ramo inspiratório, através da diferença de pressão entre os sensores de
pressão proximal interna e externa.

Sensor Fluxo Inadequado


Média Prioridade

Esse alarme é acionado se o tipo de sensor de fluxo conectado ao ventilador


diferir da categoria do paciente definida pelo IBW. O sensor é identificado pelo
seu conector através de um sensor óptico.

Desconexão Sensor Fluxo


(Desconexão do Sensor de Fluxo)
Baixa Prioridade

Esse alarme é acionado se não for detectada a presença do Sensor de Fluxo


Proximal ou Sensor de Fluxo Expiratório. Os sensores de fluxo são identificados
pelo conector através de um sensor óptico.

Falha Fornecimento Gás


(Falha no Fornecimento de Gás)
Alta Prioridade

Esse alarme é acionado caso o fluxo controlado diferir do fluxo entregue,


medido pelo sensor de fluxo interno. Dependendo da gravidade da falha
detectada pelos circuitos de segurança, o ventilador pode assumir a condição
inoperante, gerando o alarme Ventilador Inoperante.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 105

Tempo de Espera Esgotado


(Tempo Limite do Modo de Espera Esgotado)
Alta Prioridade

Esse alarme é acionado se após o período máximo destinado à aspiração (3


minutos), durante a manobra de 100% O2, não tiver sido reiniciada a
ventilação, através do acionamento da tecla Modo de Espera.

Bateria Interna Baixa


(Baixo Nível de Carga da Bateria Interna)
Alta Prioridade

O alarme Bateria Interna Baixa é acionado quando a autonomia da bateria for


menor que 10 minutos.

NOTA

O tempo de autonomia estimado após o acionamento do


alarme Bateria Interna Baixa pode variar conforme a vida útil da
bateria e o modo de uso do ventilador.

NOTA

Além da indicação na tela do ventilador, a ocorrência do alarme


de Bateria Interna Baixa é indicada através do indicador visual
Nível Bateria, localizado no painel frontal do equipamento. Este
LED irá piscar em vermelho, associado a uma indicação sonora
de 3+2 toques (alta prioridade).

CUIDADO!

Caso seja acionado o alarme Bateria Interna Baixa, conecte


imediatamente o equipamento à rede elétrica ou à bateria
externa.
Caso contrário, o ventilador será conduzido à condição
inoperante, gerando também o alarme de Ventilador
Inoperante.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
106 6. Alarmes e Mensagens

Falha Bateria Interna


(Falha na Bateria Interna)
Alta Prioridade

O alarme Falha Bateria Interna é acionado quando detectada falha na bateria


interna ou no circuito de carga.

Falha na Rede CA
(Falha na rede de corrente alternada – Entrada da bateria interna)
Média Prioridade

O alarme Uso em Bateria é acionado com Média Prioridade quando o


ventilador é alimentado pela bateria interna, devido à falta de alimentação da
rede CA.
Após este alarme ser silenciado pelo operador através da tecla Pausar
Áudio/Limpar Alarmes, ele será substituído pelo alarme Bateria Interna em
Uso, de baixa prioridade (ver a seguir).
Esse alarme também é indicado pelo LED Bateria Interna no painel frontal do
ventilador.

Bateria Interna em Uso


Baixa Prioridade

O alarme Bateria Interna em Uso é acionado com Baixa Prioridade quando o


ventilador é alimentado pela bateria interna, sempre após o alarme Falha na
Rede CA ter sido silenciado (ver acima).
Esse alarme também é indicado pelo LED Bateria Interna no painel frontal do
ventilador.

Bateria Setup Baixa


Baixa Prioridade

O alarme Bateria Setup Baixa é acionado se for detectada falha na bateria da


RAM da PCI Control, que assegura a permanência do último setup ajustado da
máquina na memória quando o equipamento é desligado. Este alarme é
acionado apenas quando o ventilador é ligado ou assim que a falha é
detectada, sendo cancelado após ter sido pressionada a tecla Pausar
Áudio/Limpar Alarmes. Nesse caso, contate a Intermed ou o Serviço Técnico
Autorizado Intermed, que deverá providenciar a troca da bateria o mais breve
possível, pois será perdida a capacidade de armazenamento de dados do
ventilador.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 107

Falha Exaustor
Média Prioridade

O alarme Falha Exaustor é acionado quando for detectada uma falha no


sistema de arrefecimento interno do ventilador. Nesse caso, retire o ventilador
de uso o mais breve possível e contate a Intermed ou o Serviço Técnico
Autorizado Intermed.

Falha Válvula Exalação


(Falha no Controle da Válvula de Exalação)
Alta Prioridade

O alarme Falha Válvula Exalação é acionado quando for detectada uma


falha no controle da válvula de exalação. Dependendo da gravidade da falha o
ventilador poderá ser conduzido à condição de Falha Interna ou Ventilador
Inoperante. Nesse caso, retire o ventilador de uso imediatamente e contate a
Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado Intermed.

Erro de Autozero
(Erro no Autozero do Sensor de Fluxo)
Média Prioridade

O alarme Erro de Autozero é acionado quando for detectada falha durante a


rotina de auto zero do transdutor responsável pela medição de fluxo externo
(Sensor de Fluxo Proximal ou Sensor de Fluxo Expiratório). Nesse caso, retire o
ventilador de uso o mais breve possível e contate a Intermed ou o Serviço
Técnico Autorizado Intermed.

Falha Pressão Reguladora


(Falha de Controle da Pressão Reguladora)
Alta Prioridade

O alarme Falha Pressão Reguladora é acionado quando for detectada uma


falha no controle da Pressão Reguladora, responsável pelo acionamento de
diversos sistemas do ventilador.
Esta falha pode ser causada por falta de alimentação dos gases de entrada,
quando é acionado também o alarme Falha de Gás. Nesta situação a
restituição dos gases de entrada eliminará a condição de falha.
A Falha Pressão Reguladora também pode ser ocasionada por um problema
técnico, quando será acionado o alarme Ventilador Inoperante. Nesse caso,
retire o ventilador de uso imediatamente e contate a Intermed ou o Serviço
Técnico Autorizado Intermed.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
108 6. Alarmes e Mensagens

Falha Comunic Teclado


(Falha de Comunicação do Teclado)
Média Prioridade

O alarme Falha Comunic Teclado é acionado quando for detectada uma


falha na comunicação entre as teclas de acesso rápido e os circuitos de
controle do ventilador. Nesse caso, retire o ventilador de uso o mais breve
possível e contate a Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado Intermed.

Falha Comunic Mother


Falha de Comunicação da Motherboard
Alta Prioridade

O alarme Falha Comunic Mother é acionado quando for detectada uma falha
na comunicação entre a Motherboard e os circuitos de controle do ventilador.
Retire o ventilador de uso o mais breve possível e contate a Intermed ou o
Serviço Técnico Autorizado Intermed.

Ventilador Desligado
Beep

Ao ser desligado através da chave Liga/Desliga, o ventilador emite um sinal


sonoro até que o operador pressione a tecla Pausar Áudio/Limpar Alarmes.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 109

6.1.6. Alarmes / Causas Possíveis / Ações Recomendadas

Alarmes de Alta Prioridade


Causas Possíveis Ações Recomendadas
Apneia* A sensibilidade inspiratória está Verificar se a sensibilidade inspiratória
muito elevada. está ajustada adequadamente.
Alarme de Apneia está ajustado Verificar se o ajuste do alarme no
inadequadamente. ventilador está correto.
* Este alarme inicia com média prioridade, passando para alta prioridade após três períodos consecutivos de
apneia.
Auto Detecção de disparo de um ciclo Verificar se o valor de sensibilidade por
Ciclagem assistido ou espontâneo com pressão e por fluxo ajustado no
tempo expiratório inferior à equipamento não estão muito baixo.
metade do Tempo Inspiratório Verificar existência de vazamento no
(equivalente a uma relação I:E = circuito paciente.
2:1), durante três ciclos
consecutivos.
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Bateria A autonomia estimada da Providenciar a carga urgente da bateria
Interna Baixa bateria é menor que 10 minutos. interna, através da conexão a uma fonte
de energia externa CA.
CPAP Alta Obstrução do ramo expiratório. Verificar a existência de corpos estranhos
ou oclusão do ramo expiratório.
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Desconexão O circuito do paciente está Conectar novamente o paciente no
Paciente desconectado do paciente. ventilador.
Vazamento no circuito paciente. Verificar a presença de furos ou rasgos no
circuito paciente, ou se as partes estão
devidamente montadas.
Sensor de fluxo com defeito. Providenciar a substituição do sensor de
fluxo.
Falha Bateria Falha na bateria interna ou no Retirar o ventilador de uso e contatar a
Interna circuito de carga da bateria. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
110 6. Alarmes e Mensagens

Alarmes de Alta Prioridade


Causas Possíveis Ações Recomendadas
Falha Falha na comunicação entre Retirar o ventilador de uso e contatar a
Comunic Motherboard e os circuitos de Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Mother controle do ventilador ou falha Intermed.
nas fontes internas do
equipamento.
Falha de Falha em uma ou mais fontes de Retirar o ventilador de uso e contatar a
Energia tensão interna do ventilador. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Falha de Gás Impossibilidade de suprir Assegurar o fornecimento de pressão de
demanda de gás de entrada, entrada de ar ou de oxigênio, no mínimo,
mesmo após a comutação para o acima de 250 kPa (2,5 kg/cm2).
gás remanescente.
Falha Fluxo controlado diferente do Retirar o ventilador de uso e contatar a
Fornecimento fluxo entregue, medido pelo Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Gás sensor de fluxo interno. Intermed.
Falha Interna Falhas técnicas internas Retirar o ventilador de uso e contatar a
detectadas pelos circuitos de Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
segurança do ventilador. Intermed.
Falha Pressão Falha no controle da Pressão Retirar o ventilador de uso e contatar a
Reguladora Reguladora, responsável pelo Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
acionamento de diversos Intermed.
sistemas do ventilador.
Pressão de entrada de ar Alimentar entrada de ar comprimido e/ou
comprimido e/ou oxigênio oxigênio com pressão maior que o limite
abaixo do limite especificado. inferior especificado de 250 kPa (2,5
kg/cm2).
Falha Válvula Diafragma furado ou mal Verificar o estado do diafragma e se o
Exalação posicionado. mesmo foi corretamente posicionado.
Caso necessário, providenciar a troca por
um novo.
Válvula de exalação danificada Verificar o estado da válvula de exalação e
ou mal posicionada. se o mesmo foi corretamente posicionado.
Caso necessário, providenciar a troca por
um novo.
Falha no controle da válvula de Retirar o ventilador de uso e contatar a
exalação. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
FiO2 Baixa* Baixa pressão de entrada de Verificar se a pressão de entrada de
oxigênio. oxigênio está dentro da faixa especificada
de 250 kPa (2,5 kg/cm2) a 600 kPa (6,0
kg/cm2).

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 111

Alarmes de Alta Prioridade


Causas Possíveis Ações Recomendadas
FiO2 Baixa* Valor referente à compensação Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
(cont.) de altitude local não ajustado Autorizado Intermed.
corretamente durante instalação
do equipamento.
Sensor de oxigênio descalibrado. Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
Autorizado Intermed.
* Este alarme assume a condição de alta prioridade caso a concentração seja menor ou igual à 18%. Nos demais
casos o alarme é de média prioridade.
Oclusão Elevada resistência entre os Verificar a existência de corpos estranhos
Circuito ramos inspiratório e expiratório, ou oclusão no circuito do paciente.
Paciente resultando no aumento da
diferença de pressão acima do
limite aceitável.
Pressão de Ar Pressão de entrada de ar Alimentar entrada de ar comprimido com
Alta comprimido acima do limite pressão menor que o limite superior
especificado. especificado de 600 kPa (6,0 kg/cm2).
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Pressão de Ar Pressão de entrada de ar Alimentar entrada de ar comprimido com
Baixa comprimido abaixo do limite pressão maior que o limite inferior
especificado. especificado de 250 kPa (2,5 kg/cm2).
Filtro coalescente obstruído. Providenciar a troca do filtro coalescente.
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Pressão de O2 Pressão de entrada de oxigênio Alimentar entrada de oxigênio com
Alta acima do limite especificado. pressão menor que o limite superior
especificado de 600 kPa (6,0 kg/cm2).
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Pressão de O2 Pressão de entrada de oxigênio Alimentar entrada de oxigênio com
Baixa abaixo do limite especificado. pressão maior que o limite inferior
especificado de 250 kPa (2,5 kg/cm2).
Filtro coalescente obstruído. Providenciar a troca do filtro coalescente.
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
112 6. Alarmes e Mensagens

Alarmes de Alta Prioridade


Causas Possíveis Ações Recomendadas
Pressão O limite superior de alarme para Verificar o estado do paciente, as curvas
Inspiratória a pressão da via respiratória foi de ventilação e corrigir eventualmente o
Alta excedido. O paciente luta contra limite de alarme.
o aparelho, tosse.
Tubo respiratório dobrado Verificar o sistema de tubos do circuito
paciente.
Acúmulo de secreção no circuito Desobstruir/aspirar a via aérea e/ou tubo
paciente. endotraqueal.
Acúmulo de água nos coletores Drenar os copos coletores e verificar se
ou nas traqueias, caso as não existe água acumulada nas traqueias.
mesmas não estejam
corretamente posicionadas.
Alarme ajustado Verificar se o ajuste do alarme no
inadequadamente. ventilador está correto.
Alteração da mecânica Reavaliar os parâmetros ventilatórios
respiratória do paciente (volume, pressão inspiratória, PEEP, etc)
(aumento da resistência ou
diminuição da complacência)
Pressão Vazamento ou desconexão Verificar se a válvula de exalação está
Inspiratória devidamente encaixada.
Baixa Verificar vazamento no circuito paciente.
Cuff com vazamento. Insuflar o cuff, verificando se o sistema
está bem vedado.
Diafragma furado ou mal Verificar o estado do diafragma e se o
posicionado. mesmo foi corretamente posicionado.
Caso necessário, providenciar a troca por
um novo.
Alarme ajustado Verificar se o ajuste do alarme está
inadequadamente. correto.
Alteração da mecânica Reavaliar os parâmetros ventilatórios
respiratória do paciente (volume, pressão inspiratória, PEEP, etc)
(diminuição da resistência ou
aumento da complacência)
Nos modos volume controlado Aumentar o Fluxo Inspiratório.
ou ciclado a tempo, o Fluxo
Inspiratório ajustado é
insuficiente para atender o
esforço inspiratório do paciente.
Falha no sistema de controle da Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
válvula de exalação. Autorizado Intermed.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 113

Alarmes de Alta Prioridade


Causas Possíveis Ações Recomendadas
Sobrepressão Pressão de entrada de ar Alimentar entrada de ar comprimido com
de Ar comprimido bem acima do pressão menor que o limite superior
limite especificado, com risco de especificado de 600 kPa (6,0 kg/cm2).
comprometer a segurança do
paciente e danificar os
componentes internos do
equipamento.
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Sobrepressão Pressão de entrada de oxigênio Alimentar entrada de oxigênio com
de O2 bem acima do limite pressão menor que o limite superior
especificado, com risco de especificado de 600 kPa (6,0 kg/cm2).
comprometer a segurança do
paciente e danificar os
componentes internos do
equipamento.
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Tempo de Não reinicialização da ventilação Durante a manobra de 100% O2, assegurar
Espera após período máximo destinado que a tecla Modo de Espera seja acionada
Esgotado à aspiração (3 minutos), durante dentro do período máximo de 3 minutos
a manobra de 100% O2. destinados à aspiração.
Ventilador Detecção de falhas severas que Retirar o ventilador de uso e contatar a
Inoperante podem comprometer a Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
segurança do paciente e/ou o Intermed.
funcionamento dos
componentes internos do
equipamento.
Ausência de fonte mínima de gás Alimentar ao menos uma das fontes de
para ventilar o paciente, mesmo gás com, no mínimo, 120 kPa (1,2 kg/cm2)
em condições precárias. para estabelecer as condições de
ventilação em situação de emergência.
Providenciar a reposição urgente das
condições de entrada especificadas para o
equipamento.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
114 6. Alarmes e Mensagens

Alarmes de Média Prioridade

Causas Possíveis Ações Recomendadas


Apneia* A sensibilidade inspiratória está Verificar se a sensibilidade inspiratória está
muito elevada. ajustada adequadamente.
Alarme de Apneia está ajustado Verificar se o ajuste do alarme no
inadequadamente. ventilador está correto.
* Este alarme inicia com média prioridade, passando para alta prioridade após três períodos consecutivos de
apneia.
Erro de Falha durante a rotina de auto Retirar o ventilador de uso e contatar a
Autozero zero do transdutor responsável Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
pela medição de fluxo externo Intermed.
(Sensor de Fluxo Proximal ou
Sensor de Fluxo Expiratório)
Falha Falha na comunicação entre a Retirar o ventilador de uso e contatar a
Comunic placa do teclado e os circuitos de Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Teclado controle do ventilador ou Intermed.
detecção de tecla acionada por
mais de um minuto.
Falha Falha no sistema de Retirar o ventilador de uso e contatar a
Exaustor arrefecimento interno do Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
ventilador. Intermed.
Falha na Rede Ausência de alimentação da rede Conectar a uma fonte de energia CA o
CA CA. quanto antes, a fim de evitar a descarga
total da bateria interna.
O cabo de alimentação não está Soltar o suporte de fixação do cabo de
devidamente conectado. alimentação, verificar se o cabo está
devidamente conectado e voltar a fixar o
suporte do cabo de alimentação.
O cabo de alimentação está Substituir o cabo de alimentação.
danificado.
A tomada elétrica à qual o cabo Utilizar uma tomada diferente.
de alimentação está ligado não
tem energia.
Fusível da fonte está queimado. Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
Autorizado Intermed para providenciar a
troca dos fusíveis.
FiO2 Alta Baixa pressão de entrada de ar. Verificar se a pressão de entrada de ar está
dentro da faixa especificada de 250 kPa
(2,5 kg/cm2) a 600 kPa (6,0 kg/cm2).

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 115

Alarmes de Média Prioridade

Causas Possíveis Ações Recomendadas


FiO2 Alta Valor referente à compensação Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
(cont.) de altitude local não ajustado Autorizado Intermed.
corretamente durante instalação
do equipamento.
Sensor de oxigênio descalibrado. Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
Autorizado Intermed.
FiO2 Baixa* Baixa pressão de entrada de Verificar se a pressão de entrada de
oxigênio. oxigênio está dentro da faixa especificada
de 250 kPa (2,5 kg/cm2) a 600 kPa (6,0
kg/cm2).
Valor referente à compensação Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
de altitude local não ajustado Autorizado Intermed.
corretamente durante instalação
do equipamento.
Sensor de oxigênio descalibrado. Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
Autorizado Intermed.
Fonte de alimentação Providenciar uma fonte de alimentação
pneumática inadequada com pneumática adequada.
baixa concentração de O2.
* Este alarme assume a condição de alta prioridade, caso a concentração seja menor ou igual à 18%. Nos demais
casos o alarme é de média prioridade.
Frequência Frequência respiratória maior Assegurar que as configurações do
Resp Alta que o valor ajustado. ventilador estão devidamente definidas
para a condição do paciente e que o valor
ajustado do alarme está correto.
Ocorrência de autociclos Verificar se o valor de sensibilidade
respiratórios em função do ajuste ajustado no equipamento não está muito
de sensibilidade no ventilador. baixo.
Frequência Frequência respiratória menor Assegurar que as configurações do
Resp Baixa que o valor ajustado ventilador estão devidamente definidas
para a condição do paciente e que o valor
ajustado do alarme está correto.
Ventilador não detecta o esforço Verificar se o valor de sensibilidade
do paciente. ajustado no equipamento não está elevado
demais.
PEEP Alta Válvula de expiração bloqueada. Verificar o sistema de tubos do circuito
paciente e a válvula de exalação.
Resistência expiratória Verificar obstrução no ramo expiratório.
aumentada.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
116 6. Alarmes e Mensagens

Alarmes de Média Prioridade

Causas Possíveis Ações Recomendadas


Acúmulo de água nos coletores Drenar os copos coletores e verificar se não
ou nas traqueias, caso as mesmas existe água acumulada nas traqueias.
não estejam corretamente
posicionadas.
PEEP Alta Frequência respiratória alta Verificar no gráfico se o tempo expiratório
(cont.) está menor que o necessário para a
exalação.
Equipamento com defeito. Retirar o ventilador de uso e contatar a
Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
PEEP Baixa Vazamento ou desconexão Verificar se a válvula de exalação está
devidamente encaixada.
Verificar vazamento no circuito paciente.
Cuff com vazamento. Insuflar o cuff, verificando se o sistema
está bem vedado.
Diafragma furado ou mal Verificar o estado do diafragma e se o
posicionado. mesmo foi corretamente posicionado.
Caso necessário, providenciar a troca por
um novo.
Sensor Fluxo O sensor de fluxo conectado no Verificar se o tipo de sensor conectado
Inadequado ventilador não condiz com a faixa condiz com a faixa de IBW ajustada no
de IBW ajustada no ventilador, conforme tabela no Capitulo 3
equipamento. ou Capitulo 6 deste manual.
Sensor óptico da placa de Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
detecção do sensor de fluxo com Autorizado Intermed.
defeito.
Volume O limite de alarme de volume Verificar o estado do paciente, as curvas de
Corrente Alto corrente inspiratório foi excedido ventilação e corrigir eventualmente o
em 3 ciclos respiratórios. limite de alarme.
Volume O limite de alarme de volume Verificar o estado do paciente, as curvas de
Corrente corrente inspiratório não foi ventilação e corrigir eventualmente o
Baixo atingido. limite de alarme.
Vazamento ou desconexão. Verificar se a válvula de exalação está
devidamente encaixada.
Verificar vazamento na cânula ou no
circuito paciente.
Cuff com vazamento. Insuflar o cuff, verificando se o sistema
está bem vedado.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 117

Alarmes de Média Prioridade

Causas Possíveis Ações Recomendadas


Diafragma furado ou mal Verificar o estado do diafragma e se o
posicionado. mesmo foi corretamente posicionado. Caso
necessário, providenciar a troca por um
novo.
Alarme ajustado Verificar se o ajuste do alarme no
inadequadamente. ventilador está correto.
Volume O limite superior de alarme do Verificar o estado do paciente, as curvas de
Minuto Alto volume minuto foi excedido. ventilação e corrigir eventualmente o
limite de alarme.
Sensor de fluxo defeituoso. Substituir o sensor de fluxo defeituoso.
Água no sensor de fluxo. Esvaziar os condensadores de umidade.
Secar o sensor de fluxo.
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Volume O limite inferior do alarme de Verificar o estado do paciente, as curvas de
Minuto Baixo volume minuto não foi atingido. ventilação e corrigir eventualmente o
limite de alarme.
Vazamento no sistema Estabelecer um sistema respiratório sem
respiratório. vazamentos.
Sensor de fluxo defeituoso. Substituir o sensor de fluxo defeituoso.
Mau funcionamento do Retirar o ventilador de uso e contatar a
equipamento. Intermed ou o Serviço Técnico Autorizado
Intermed.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
118 6. Alarmes e Mensagens

Alarmes de Baixa Prioridade

Causas Possíveis Ações Recomendadas


Auto PEEP Fluxo Expiratório fica acima do Ajustar a frequência respiratória
fluxo mínimo ao final da exalação adequadamente.
em três ciclos consecutivos.
Ocorrência de autociclos Verificar se o valor de sensibilidade
respiratórios em função do ajuste ajustado no equipamento não está muito
de sensibilidade no ventilador. baixo.
Bateria Ausência de alimentação da rede Conectar a uma fonte de energia CA o
Interna em CA. quanto antes, a fim de evitar a descarga
Uso total da bateria interna.
O cabo de alimentação não está Soltar o suporte de fixação do cabo de
devidamente conectado. alimentação, verificar se o cabo está
devidamente conectado e voltar a fixar o
suporte do cabo de alimentação.
O cabo de alimentação está Substituir o cabo de alimentação.
danificado.
A tomada elétrica à qual o cabo Utilizar uma tomada diferente.
de alimentação está ligado não
tem energia.
Fusível da fonte está queimado. Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
Autorizado Intermed para providenciar a
troca dos fusíveis.
Bateria Setup Falha na bateria da RAM da PCI Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
Baixa Control, que assegura a Autorizado Intermed.
permanência do último setup da
máquina na memória.
Desconexão O sensor de fluxo não está Conectar o sensor de fluxo no ventilador.
Sensor Fluxo conectado ao ventilador.
Conector do sensor de fluxo com Providenciar a substituição do sensor de
defeito. fluxo.
Sensor óptico da placa de Contatar a Intermed ou o Serviço Técnico
detecção do sensor de fluxo com Autorizado Intermed.
defeito.
Vazamento Volume corrente expirado baixo. Verificar vazamento no circuito paciente.
Circuito Sensor de fluxo obstruído (com Verificar presença de impurezas no sensor
Paciente água). ou acúmulo de água.
Sensor de fluxo com defeito. Providenciar a substituição do sensor de
fluxo.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 119

6.2. Indicadores Visuais

Ligado
(Equipamento Ligado)
Verde Contínuo

O indicador visual (LED) Ligado é ativado sempre que o equipamento estiver


ligado pela chave Liga/Desliga, localizada no painel traseiro.

Rede CA
(Corrente Alternada)
Verde Contínuo

O indicador visual (LED) Rede CA é ativado sempre que o equipamento


estiver conectado a uma fonte de alimentação externa do tipo CA (rede
elétrica). Esta indicação permanece ativa mesmo que o equipamento esteja
desligado.

Rede CC
(Corrente Contínua)
Verde Contínuo

O indicador visual (LED) Rede CC é ativado sempre que o equipamento


estiver conectado a uma fonte de alimentação externa do tipo CC (bateria
externa) pela conexão externa existente no painel traseiro. Esta indicação
permanece ativa mesmo que o equipamento esteja desligado.

Bateria Interna
(Estado da Bateria Interna)
Apagado / Amarelo Contínuo / Verde Piscando

O indicador visual (LED) Bateria Interna permanece apagado quando a bateria


está carregada e o equipamento em uso com fonte de energia externa CA. Na
ausência de uma fonte CA, o indicador visual (LED) Bateria Interna passa para
o estado amarelo contínuo, indicando que a bateria interna está em uso.
Quando a fonte externa CA é ligada novamente, o indicador visual (LED)
Bateria Interna passa a piscar na cor verde para sinalizar que a bateria está
em processo de recarga, independentemente de o equipamento estar ligado
pela chave Liga/Desliga ou não.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
120 6. Alarmes e Mensagens

■ Apagado: Bateria Interna Carregada


■ Amarelo Contínuo: Bateria Interna em Uso
■ Verde Piscando: Bateria Interna em Recarga

Nível Bateria
(Nível de Carga da Bateria Interna)
Verde Contínuo / Laranja Contínuo / Vermelho Piscando

O indicador visual (LED) Nível Bateria permite identificar a autonomia da


bateria interna, através de suas diferentes cores:

■ Verde contínuo: Carga acima de 80% da capacidade total


■ Alaranjado Contínuo: Carga entre 80% e 30% da capacidade total
■ Vermelho Piscando: Carga abaixo de 30% da capacidade total

NOTA

O indicador visual Nível Bateria é ativado sempre que o


equipamento estiver ligado pela chave Liga/Desliga ou, quando
desligado, se estiver conectado a uma fonte de energia externa
do tipo CA.

CUIDADO!

Quando a carga da bateria atingir níveis abaixo de 5% da


capacidade total, o ventilador será conduzido à condição
inoperante, gerando o alarme de Ventilador Inoperante.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 121

6.3. Mensagens

Controles
Tipo Mensagem da Janela
Todos Alerta Alerta!
Valores acima de [valor ajustado] podem
não ser seguros ao paciente.
Alerta Alerta!
Valores acima de [valor ajustado] podem
esconder uma condição fisiológica
insegura.
Vol Contr Proibição Nota!
Valores acima de [valor ajustado] não
podem ser atingidos. Verifique o ajuste de
Fluxo I e Freq.
Fluxo I Proibição Nota!
Valores abaixo de [valor ajustado] não
podem ser atingidos. Verifique o ajuste de
Vol Contr e Freq.
Freq Proibição Nota!
Valores acima de [valor ajustado] não
podem ser atingidos. Verifique o ajuste de
Vol Contr e Fluxo I.
T Insp Proibição Nota!
Valores acima de [valor ajustado] não
podem ser atingidos. Verifique o ajuste de
Freq.
Proibição Nota!
Valores acima de [valor ajustado] não
podem ser atingidos. Verifique os ajustes
de Freq e Fluxo I.
Pausa I Proibição Nota!
Valores acima de [valor ajustado] não
podem ser atingidos. Verifique os ajustes
de Vol Contr, Fluxo I e Freq.
P Contr Proibição Nota!
Pressões não podem ser ajustadas acima
de 120 cmH2O. Verifique também o ajuste
de PEEP.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
122 6. Alarmes e Mensagens

Controles
Tipo Mensagem da Janela
P Suporte Proibição Nota!
Pressões não podem ser ajustadas acima
de 120 cmH2O. Verifique também o ajuste
de PEEP.
Proibição Nota!
Pressões não podem ser ajustadas acima
de 40 cmH2O. Verifique também o ajuste
de PEEP.
Proibição Nota!
Pressões não podem ser ajustadas acima
de P Limite. Verifique também o ajuste de
PEEP.
P Insp Proibição Nota!
Pressões não podem ser ajustadas acima
de 40 cmH2O.
PEEP Proibição Nota!
PEEP deve ser ajustada pelo menos 5
cmH2O abaixo do ajuste de P Limite.
Proibição Nota!
Pressões não podem ser ajustadas acima
de P Limite. Verifique também o ajuste de
P Suporte.
P Limite Proibição Nota!
P Limite deve ser ajustada pelo menos 5
cmH2O acima do ajuste de PEEP.
Pressão Alta Proibição Nota!
O alarme Pressão Alta não pode ser
ajustado abaixo do alarme Pressão Baixa.
Pressão Baixa Proibição Nota!
O alarme Pressão Baixa não pode ser
ajustado acima do alarme Pressão Alta.
Vol Min Alto Proibição Nota!
O alarme Vol Min Alto não pode ser
ajustado abaixo do alarme Vol Min Baixo.
Vol Min Baixo Proibição Nota!
O alarme Vol Min Baixo não pode ser
ajustado acima do alarme Vol Min Alto.
Vol Corr Alto Proibição Nota!
O alarme Vol Corr Alto não pode ser
ajustado abaixo do alarme Vol Corr Baixo.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
6. Alarmes e Mensagens 123

Controles
Tipo Mensagem da Janela
Vol Corr Baixo Proibição Nota!
O alarme Vol Corr Baixo não pode ser
ajustado acima do alarme Vol Corr Alto.
Freq Alta Proibição Nota!
O alarme Freq Alta não pode ser ajustado
abaixo do alarme Freq Baixa.
Freq Baixa Proibição Nota!
O alarme Freq Baixa não pode ser
ajustado acima do alarme Freq Alta.
Auto Ajuste Ação Atenção!
Por favor, verifique todos os valores
sugeridos antes de aplicar as alterações.

NOTA

Proibições: Restringem o ajuste do valor, mas indicam a causa


para facilitar a compreensão e/ou superação da
limitação.

Alertas: Não restringem o ajuste do valor, apenas notificam


uma condição de risco ao paciente.

Ações: Apenas solicitam a atenção para eventos


relacionados.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
7. Recursos de Monitorização 125

7 Recursos de Monitorização

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
126 8. Recursos de Monitorização

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
7. Recursos de Monitorização 127

7.1. Introdução
A monitoração da ventilação do paciente ocorre em tempo real, de maneira
contínua, e está baseada nos sinais de fluxo, pressão, tempo e concentração
de oxigênio. A partir da integração numérica dos sinais de fluxo são obtidos
os volumes.

A monitoração da pressão é realizada próxima ao paciente (pressão de boca


ou pressão proximal), através de um tubo de medida de pressão na peça “Y”
do circuito.

A monitoração de fluxo no i X5 pode ser realizada tanto na peça “Y” do


circuito respiratório (posição proximal), através dos Sensores de Fluxo
Proximal Neonatal, Pediátrico e Pediátrico / Adulto, como na válvula de
exalação (posição distal), através do Sensor de Fluxo Expiratório.

A monitoração distal é realizada quando é conectado o sensor de fluxo


apropriado na válvula de exalação. Nesse caso, o ventilador monitora o Fluxo
Inspiratório por meio dos sensores de fluxo internos e o fluxo exalado por
meio do sensor de fluxo na válvula de exalação.

A monitoração proximal é realizada quando são utilizados os Sensores de


Fluxo Proximal apropriados para cada tipo de paciente (Adulto, Pediátrico ou
Neonatal). Nesse caso ambos os fluxos inspirado e exalado são monitorizados
no mesmo ponto, próximo ao paciente. Essa configuração é particularmente
adequada para monitoração de pacientes neonatais e pediátricos.

A seleção do sensor de fluxo deve obedecer ao tipo de paciente, identificado


no ventilador através do seu Peso Ideal Corporal (IBW).

IBW Categoria de
Sensor de Fluxo
Faixa Recomendada Paciente
Até 3kg Proximal Neonatal Neonatal
De 3 a 20kg Proximal Pediátrico Pediátrico
De 20 a 40kg Proximal Pediátrico/Adulto Pediátrico
Acima de 40kg Proximal Pediátrico/Adulto Adulto
De 10 a 40kg Expiratório Pediátrico
Acima de 40kg Expiratório Adulto

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
128 8. Recursos de Monitorização

CUIDADO!

Caso seja conectado um pneumotacógrafo incompatível com o


peso (IBW) informado do paciente, será acionado um alarme de
média prioridade (Sensor Fluxo Inadequado). Nesse caso o
operador deve inicialmente verificar se o peso informado no
controle IBW está correto, e em caso afirmativo, proceder à
troca do sensor.

CUIDADO!

Garanta a limpeza apropriada dos sensores de fluxo, eliminando


eventuais resíduos depositados em seus dutos de medição. A
presença de tais resíduos pode afetar a precisão destes
sensores.

ATENÇÃO!

Se for utilizado filtro de umidificação ou bacteriológico, é


necessário montá-lo entre o sensor proximal e a conexão do
paciente, para proteger o sensor contra a umidade gerada pela
exalação do paciente.

NOTA

Ao reconhecer o sensor de fluxo e periodicamente, a cada 5


minutos, o i X5 realiza o processo de Autozero do sensor de
fluxo. Este processo tem por objetivo eliminar eventuais
líquidos existentes nas duas vias do tubo de medição do sensor,
além de reposicionar o zero do fluxo, de forma a assegurar a
precisão da monitorização.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
7. Recursos de Monitorização 129

7.2. Monitoração Numérica

Pressão Pico
Pressão de Pico (cmH2O)

Indica a máxima pressão inspiratória do ciclo respiratório.

Platô
Pressão Platô (cmH2O)

Quando programada uma Pausa Inspiratória (Pausa I ou Pausa Insp Manual),


indica a pressão inspiratória no final do ciclo respiratório (quando o fluxo é
nulo). No caso da ausência de Pausa Inspiratória, indica a pressão durante a
transição da fase inspiratória para expiratória, no instante em que o fluxo é
nulo.

Média
Pressão Média de Vias Aéreas (cmH2O)

Indica a pressão média das vias aéreas dos últimos 40 segundos, sendo
atualizada a cada 10 segundos.

PEEP
Pressão Expiratória Final Positiva (cmH2O)

Indica a pressão expiratória ao final da exalação.

Auto PEEP
Pressão de Auto PEEP

Indica o valor de Auto PEEP, pressão medida 200 ms antes do início de um


ciclo controlado. A medida é realizada através do acionamento momentâneo
da tecla Pausa Exp Manual precedendo um ciclo controlado (sem esforço do
paciente). A indicação de Auto PEEP aparece no mesmo campo em que é
exibida a PEEP, com o respectivo título e valor alterados, permanecendo ativa
em tela durante 1 minuto – após este período, o campo volta a exibir o valor
da PEEP.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
130 8. Recursos de Monitorização

P 0.1
Pressão de Oclusão aos 100 ms

Indica o valor de P 0.1, pressão de oclusão medida 100 ms após o início de um


esforço inspiratório (ciclos assistidos ou espontâneos). A medida é realizada
através do acionamento momentâneo da tecla Pausa Exp Manual precedendo
um esforço do paciente. A indicação de P 0.1 aparece no mesmo campo em
que é exibida a PEEP, com o respectivo título e valor alterados, permanecendo
ativa em tela durante 1 minuto – após este período, o campo volta a exibir o
valor da PEEP.

Vol Corrente
Volume Corrente Exalado (L)

Indica o volume corrente expirado (controlado, assistido e espontâneo) a cada


ciclo.

Vol Minuto
Volume Minuto Exalado Total (L)

Indica o volume minuto incluindo os ciclos controlados, assistidos e


espontâneos.

Freq Resp
Frequência Respiratória Total (/min)

Indica a frequência respiratória total, incluindo os ciclos controlados, assistidos


e espontâneos.

Freq Resp Espont


Frequência Respiratória Espontânea (/min)

Indica a frequência respiratória apenas dos ciclos espontâneos.

I:E
Relação I:E

Apresenta a indicação digital da relação entre os valores de tempo inspiratório


e de tempo expiratório para cada um dos ciclos respiratórios.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
7. Recursos de Monitorização 131

FiO2
Fração Inspirada de Oxigênio (%)

Indica a concentração de oxigênio da mistura inspirada pelo paciente. A


monitoração da concentração de oxigênio é realizada no ramo inspiratório, no
interior do ventilador.

Pico Fluxo Insp


Pico de Fluxo Inspiratório

Indica o máximo Fluxo Inspiratório do ciclo respiratório.

Pico Fluxo Exp


Pico de Fluxo Expiratório

Indica o máximo Fluxo Expiratório do ciclo respiratório.

Texp
Tempo Expiratório (s)

Indica o Tempo Expiratório do ciclo respiratório.

Tinsp
Tempo Inspiratório (s)

Indica o Tempo Inspiratório do ciclo respiratório.

R Insp
Resistência Inspiratória das Vias Aéreas (cmH2O/L/s)

Indica a resistência das vias aéreas, medida no início da fase inspiratória. É


calculada a partir da pressão de via aérea, da PEEP e do Fluxo Inspiratório.

■ R Insp = (Pva* – PEEP) / Fluxo*

Onde Fluxo* e Pva* são respectivamente os valores do Fluxo Inspiratório e da


pressão da via aérea medidos 100ms após o início do ciclo respiratório.

R Exp
Resistência Expiratória das Vias Aéreas (cmH2O/L/s)

Indica a resistência das vias aéreas medida durante a fase expiratória. É


calculada a partir da Pressão Platô, da PEEP e do Pico Fluxo Exp.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
132 8. Recursos de Monitorização

■ R Exp = (Platô – PEEP) / Pico Fluxo Exp

C Estática
Complacência Estática do Sistema Respiratório (mL/cmH2O)

Indica a complacência estática do sistema respiratório. É calculada a partir da


Pressão Platô, da pressão ao final da exalação e do volume corrente exalado.

■ C Estática = Vol Corrente / (Platô – PEEP)

C Dinâmica
Complacência Dinâmica do Sistema Respiratório (mL/cmH2O)

Indica a complacência dinâmica do sistema respiratório. É calculada a partir da


pressão de pico, da pressão ao final da exalação e do volume corrente exalado.

■ C Dinâmica = Vol Corrente / (Pico – PEEP)

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
7. Recursos de Monitorização 133

7.3. Monitoração Gráfica

7.3.1. Tela de Gráficos

NOTA

i X5 permite que o operador configure sua tela da maneira que


lhe for mais conveniente, sendo capaz de exibir até 5 curvas
simultaneamente em tempo real.

▌▌ – Congelar

Esta tecla permite congelar (parar) momentaneamente o traçado dos gráficos.


Enquanto a função estiver ativa, um cursor será visível e poderá ser deslocado
através da rotação do Botão Principal, mostrando os valores instantâneos das
leituras dos gráficos. O traçado permanecerá congelado até que a tecla seja
pressionada novamente ou se não houver atividade com o cursor durante 60
segundos.

Esforço Paciente
Indicador de Esforço Inspiratório do Paciente

Indica a ocorrência de um esforço inspiratório do paciente, suficiente para


atingir o nível de sensibilidade ajustado pelo controle Sensibilidade.
A indicação poderá ser observada diretamente no gráfico de Pressão ou no
gráfico de Fluxo, dependendo do tipo de sensibilidade ajustada.

Bar Graph
Pressão de Vias Aéreas (cmH2O)

A medida da pressão da via aérea, tomada na peça ‘Y’ do paciente, é


apresentada em um display linear com uma barra vertical cuja altura
corresponde à pressão medida a cada instante.
Nesta barra, são indicados os valores de Pressão de Pico, Pressão Média e
de PEEP, a cada ciclo.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
134 8. Recursos de Monitorização

Curvas e Loops

O ventilador i X5 possibilita a visualização das seguintes curvas de ventilação:

■ Pressão x Tempo
■ Fluxo x Tempo
■ Volume x Tempo
■ Pressão x Volume
■ Volume x Fluxo

É possível ajustar a escala para cada um dos parâmetros, bastando para isto
apenas tocar no eixo correspondente do gráfico.
As escalas aplicadas a cada um dos parâmetros dos loops (Pressão, Fluxo e
Volume) são as selecionadas para as curvas de ventilação.

7.3.2. Tela Cognitiva

Esta tela apresenta os principais parâmetros de ventilação de maneira limpa e


visualmente clara.
A Tela Cognitiva é um importante recurso de vigilância, pois permite ao
operador identificar prontamente as condições do paciente, mesmo à
distância.

Ícone Pulmonar

Um ícone em formato de pulmão é apresentado no centro da tela e se move


de maneira sincronizada com a Frequência dos ciclos respiratórios.
Além disso, a amplitude do movimento deste ícone está diretamente
relacionada ao Volume Corrente de cada ciclo respiratório.

Parâmetros Numéricos

Os seguintes parâmetros estão presentes nesta tela:

■ Vol Corrente: Volume Corrente Exalado


■ Freq Resp: Frequência Respiratória Total
■ Pico Pressão: Pico de Pressão (Pressão Inspiratória Positiva)
■ PEEP: Pressão Expiratória Final Positiva

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
7. Recursos de Monitorização 135

Bargraph de Volume Minuto

O Volume Minuto Exalado é apresentado em um display linear com uma


barra vertical cujas cores identificam a parcela do volume minuto proveniente
de ciclos Controlados, Assistidos e Espontâneos.

7.3.3. Tela de Tendências

O ventilador i X5 armazena uma série de parâmetros ventilatórios e os


apresenta em forma de tendências.
Os gráficos de tendência armazenam até 72 horas de dados, e podem ser
visualizados nas escalas de 15 minutos, 1, 2, 4, 8 e 12 horas.

■ PEEP: Pressão Expiratória Final Positiva


■ Pico Pressão: Pico de Pressão (Pressão Inspiratória Positiva)
■ Vol Corrente: Volume Corrente Exalado
■ R Insp: Resistência Inspiratória das Vias Aéreas
■ C Estat: Complacência Estática do Sistema Respiratório
■ Freq Resp: Frequência Respiratória Total
■ FiO2: Concentração de Oxigênio

7.3.4. Histórico de Alarmes e Eventos

O i X5 armazena o histórico de todas as ocorrências de alarmes e eventos


ocorridos nas últimas 72 horas. Cada registro contém sua indicação de data,
hora, tipo e identificação.
A lista de eventos pode ser filtrada para exibir apenas alarmes, apenas eventos
ou ambos os tipos de ocorrência.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
8. Resolução de Problemas 137

8 Resolução de Problemas

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
138 8. Recursos de Monitorização

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
8. Resolução de Problemas 139

Sintoma Problema Solução


Indicador luminoso LED está queimado. Contatar a Intermed ou o
Ligado está apagado Serviço Técnico Autorizado
com o equipamento em Intermed para providenciar o
funcionamento. reparo do ventilador.
Falha na comunicação com a placa Contatar a Intermed ou o
de LEDs laterais. Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Indicador luminoso O cabo de alimentação não está Soltar o suporte de fixação do
Rede CA está apagado. devidamente conectado. cabo de alimentação, verificar
se o cabo está devidamente
conectado e voltar a fixar o
suporte do cabo de
alimentação.
O cabo de alimentação está Contatar a Intermed ou o
danificado. Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
A tomada elétrica à qual o cabo de Utilizar uma tomada diferente.
alimentação está ligado não tem
energia.
Fusível da fonte está queimado. Contatar a Intermed ou o
Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar a
troca dos fusíveis.
LED está queimado. Contatar a Intermed ou o
Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Falha na comunicação com a placa Contatar a Intermed ou o
de LEDs laterais. Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Indicador luminoso O cabo de alimentação não está Verificar se o cabo está
Rede CC está apagado. devidamente conectado. devidamente conectado.
O cabo de alimentação está Contatar a Intermed ou o
danificado. Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
A fonte externa CC está com Verificar o funcionamento da
problemas. fonte externa CC.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
140 8. Resolução de Problemas

Sintoma Problema Solução


LED está queimado. Contatar a Intermed ou o
Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Falha na comunicação com a placa Contatar a Intermed ou o
de LEDs laterais. Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Indicador luminoso LED está queimado. Contatar a Intermed ou o
Bateria Interna não Serviço Técnico Autorizado
acende quando o Intermed para providenciar o
ventilador é reparo do ventilador.
desconectado de uma Falha no sistema de carga da Contatar a Intermed ou o
fonte externa CA. bateria. Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Falha na comunicação com a placa Contatar a Intermed ou o
de LEDs laterais. Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Indicador luminoso LED está queimado. Contatar a Intermed ou o
Nível Bateria está Serviço Técnico Autorizado
apagado com o Intermed para providenciar o
equipamento em reparo do ventilador.
funcionamento. Falha na comunicação com a placa Contatar a Intermed ou o
de LEDs laterais. Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Indicador luminoso das LED está queimado. Contatar a Intermed ou o
teclas e indicador Serviço Técnico Autorizado
luminoso do Master Intermed para providenciar o
Alarm (em condição de reparo do ventilador.
alarme) apagados. Falha na comunicação com a placa Contatar a Intermed ou o
das teclas e com a placa de LEDs Serviço Técnico Autorizado
do Master Alarm. Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.
Ventilador está auto Vazamento no circuito paciente Verificar vazamentos no
ciclando. está fazendo com que o ventilador circuito respiratório.
auto cicle. Diminuir a sensibilidade do
disparo por fluxo ou alterar o
disparo de fluxo para pressão.
Assegurar que o IBW esteja
configurado corretamente.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
8. Resolução de Problemas 141

Sintoma Problema Solução


Paciente não está Sensibilidade ajustada Ajustar a sensibilidade para
conseguindo disparar inadequadamente. detectar os esforços do
ciclos assistidos/ paciente.
espontâneos.
Perda da monitoração Perda da leitura da pressão Verificar se a linha proximal
dos parâmetros e do proximal. está em perfeito estado e
gráfico de pressão devidamente conectada no
(Pico, Platô, PEEP, equipamento.
Média).
Pressão Platô Quando configurado sem Pausa I Configurar uma Pausa I ou
apresenta a indicação ou na ausência do comando Pausa acionar o comando Pausa Insp
“---“. Insp Manual, o ventilador invalida Manual para obter um valor
o campo de pressão Platô. preciso da pressão Platô.
A função Pausa Insp A função Pausa Insp Manual é Verificar se existe frequência
Manual não é ativada. habilitada somente na presença de respiratória programada.
ciclos assitidos e/ou controlados.
O ventilador não Alarme de Pressão Inspiratória Verificar se o alarme está
fornece o volume Alta impede que o volume seja corretamente ajustado.
ajustado (Vol Corrente entregue no período inspiratório. Aspirar o paciente.
e Vol Corrente Insp Verificar se o filtro higroscópico
menores que o valor está saturado.
programado). Sensor de fluxo proximal com Providenciar a troca do sensor
problema. de fluxo proximal.
Vazamentos no circuito paciente. Verificar a integridade e
montagem do circuito paciente
e suas partes.
O ventilador não Parâmetro Suspiro está ativo. Desligar esse parâmetro.
fornece o volume
ajustado (Vol Corrente
e Vol Corrente Insp
maiores que o valor
programado).

Volume corrente Sensor de Fluxo Expiratório com Providenciar a troca do sensor


exalado (Vol Corrente) problema. de Fluxo Expiratório.
menor que o
programado ou
instável.
Volume minuto (Vol Este parâmetro é consequência Verificar se os valores de
Minuto) apresenta direta da frequência respiratória frequência respiratória total
valor diferente do total (Freq Resp) e do volume (Freq Resp) e do volume
esperado. corrente exalado (Vol Corrente). corrente exalado (Vol Corrente)
estão dentro do esperado.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
142 8. Resolução de Problemas

Sintoma Problema Solução


Volume minuto Este parâmetro é consequência Verificar se os valores de
espontâneo (Vol direta da frequência espontânea frequência espontânea (Freq
Minuto Espont) (Freq Resp Espont) e do volume Resp Espont) e do volume
apresenta valor corrente exalado (Vol Corrente). corrente exalado (Vol Corrente)
diferente do esperado. estão dentro do esperado.
Concentração de Pressão de entrada de oxigênio Ajustar ambas as pressões de
oxigênio (FiO2) e/ou de ar comprimido está baixa. entrada dentro da faixa
diferente da ajustada. especificada de 250 kPa a 600
kPa (2,5 kg/cm2 a 6,0 kg/cm2).
Sensor de oxigênio descalibrado. Contatar a Intermed ou o
Serviço Técnico Autorizado
Intermed.
Fonte de alimentação pneumática Providenciar uma fonte de
inadequada com baixa alimentação pneumática
concentração de O2. adequada.
Relação I:E com valor Parâmetro de Pausa Inspiratória Desativar a Pausa Inspiratória
diferente do esperado. (Pausa I) está ativo. (Pausa I) ou considerar a
mesma na verificação do
cálculo mostrado na tela.
Relação é dependente dos Verificar se os parâmetros de
parâmetros de fluxo e frequência fluxo e frequência estão dentro
respiratória. do esperado.
Nos modos PCV e NIV, a relação Desativar o fluxo de ciclagem
I:E pode ser afetada pelo ajuste do ou considerar o mesmo na
fluxo de ciclagem (FluxCiclagem), verificação do cálculo mostrado
que determina o término no na tela.
Tempo Inspiratório em função do
fluxo.
A relação I:E atingiu o limite 3:1 Nas modalidades cicladas a
(nas modalidades cicladas a tempo, diminuir o Tempo
volume) ou 4:1 (nas modalidades Inspiratório.
cicladas a tempo). Nas modalidades cicladas a
volume, aumentar o fluxo e/ou
diminuir o volume.
Pico de Fluxo Obstrução no circuito paciente. Verificar o estado dos filtros
Expiratório (Pico Fluxo acoplados ao circuito paciente,
Exp) com valor caso aplicável.
diferente do esperado. Verificar o acúmulo de água ou
impurezas no sensor de fluxo.
Verificar se os tubos do circuito
paciente não estão dobrados,
obstruindo a livre passagem do
fluxo.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
8. Resolução de Problemas 143

Sintoma Problema Solução


Resistência inspiratória Obstrução no circuito paciente. Verificar o estado dos filtros
(R Insp) e expiratória (R acoplados ao circuito paciente,
Exp) com valor caso aplicável.
diferente do esperado. Verificar o acúmulo de água ou
impurezas no sensor de fluxo.
Verificar se os tubos do circuito
paciente não estão dobrados,
obstruindo a livre passagem do
fluxo.
Perda da leitura da pressão Verificar se a linha proximal
proximal. está em perfeito estado e
devidamente conectada no
equipamento.
A resistência inspiratória (R Insp) é Verificar se os parâmetros
dependente dos parâmetros Pico, indicados estão dentro do
PEEP e Fluxo. esperado.
A resistência expiratória (R Exp) é No caso da R Exp, configurar
dependente dos parâmetros Platô, uma Pausa I ou pressionar
PEEP e Fluxo. Pausa Insp Manual para obter
A variação pode estar relacionada um valor válido de Platô e,
a um dos parâmetros que consequentemente, de R Exp.
compõem o valor calculado.
Resistência Exp Quando configurado sem Pausa I Configurar uma Pausa I ou
apresenta a indicação ou na ausência do comando Pausa acionar o comando Pausa Insp
“---“. Insp Manual, o ventilador invalida Manual para obter um valor
o campo de Resistência Exp. preciso de Resistência Exp.
Complacência estática Vazamentos no circuito paciente. Verificar a integridade e
(C Estática) com valor montagem do circuito paciente
diferente do esperado. e suas partes.
Perda da leitura da pressão Verificar se a linha proximal
proximal. está em perfeito estado e
devidamente conectada no
equipamento.
A complacência estática é Verificar se os parâmetros
dependente dos parâmetros Vol indicados estão dentro do
Corrente, pressão de Platô e PEEP. esperado.
A variação pode estar relacionada Configurar uma Pausa I ou
a um dos parâmetros que pressionar Pausa Insp Manual
compõem o valor calculado. para obter um valor válido de
Platô e, consequentemente, de
C Estática.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
144 8. Resolução de Problemas

Sintoma Problema Solução


C Estática apresenta a Quando configurado sem Pausa I Configurar uma Pausa I ou
indicação “---“. ou na ausência do comando Pausa acionar o comando Pausa Insp
Insp Manual, o ventilador invalida Manual para obter um valor
o campo de C Estática. preciso válido de C Estática.
Complacência dinâmica Vazamentos no circuito paciente. Verificar a integridade e
(C Dinâmica) com valor montagem do circuito paciente
diferente do esperado. e suas partes.
Perda da leitura da pressão Verificar se a linha proximal
proximal. está em perfeito estado e
devidamente conectada no
equipamento.
A complacência dinâmica é Verificar se os parâmetros
dependente dos parâmetros de indicados estão dentro do
Volume, pressão de Pico e PEEP. A esperado.
variação pode estar relacionada a
um dos parâmetros que compõem
o valor calculado.
Limitação do ajuste Violação da regra dos 3/4 (relação Para permitir ajustes acima do
superior do volume I:E deve ser menor que 3:1 em valor limitado pela regra,
controlado (Vol Contr) modos ciclados a volume). aumentar o Fluxo Inspiratório
– mensagem de (Fluxo I), diminuir a frequência
proibição. respiratória (Freq) ou diminuir
o tempo da Pausa Inspiratória
automática (Pausa I).
Limitação do ajuste Valores inferiores ao valor limitado Para permitir ajustes abaixo do
inferior do volume resultam em Tempo Inspiratório valor limitado pela regra,
controlado (Vol Contr) (Tinsp) < 100 ms. diminuir o Fluxo Inspiratório
– mensagem de (Fluxo I).
proibição.
Limitação do ajuste Violação da regra dos 3/4 (relação Para permitir ajustes acima do
superior do Fluxo I:E deve ser menor que 3:1 em valor limitado pela regra,
Inspiratório (Fluxo I) – modos ciclados a volume). diminuir o volume controlado
mensagem de (Vol Contr), diminuir a
proibição. frequência controlada (Freq) ou
diminuir o tempo da Pausa
Inspiratória automática (Pausa
I).
Limitação do ajuste Valores inferiores ao valor limitado Para permitir ajustes abaixo do
inferior do Fluxo resultam em Tempo Inspiratório valor limitado pela regra,
Inspiratório (Fluxo I) – (Tinsp) < 100 ms. aumentar o volume controlado
mensagem de (Vol Contr).
proibição.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
8. Resolução de Problemas 145

Sintoma Problema Solução


Limitação do ajuste Violação da regra dos 3/4 ou 4/5 Para permitir ajustes acima do
superior da frequência (relação I:E deve ser menor que valor limitado pela regra,
controlada (Freq) – 3:1 em modos ciclados a pressão diminuir o volume controlado
mensagem de ou 4:1 em modos ciclados a (Vol Contr), aumentar o Fluxo
proibição. tempo). Inspiratório (Fluxo I) ou
diminuir o tempo da Pausa
Inspiratória automática (Pausa
I) em modos ciclados a volume
ou diminuir o Tempo
Inspiratório (T Insp) nos modos
ciclados a tempo.
Limitação do ajuste Violação da regra dos 4/5 (relação Para permitir ajustes acima do
superior do Tempo I:E deve ser menor que 4:1 nos valor limitado pela regra,
Inspiratório (T Insp) – modos ciclados a tempo). diminuir a frequência
mensagem de controlada (Freq).
proibição.
Limitação do ajuste Violação da regra dos 3/4 (relação Para permitir ajustes de tempo
superior do tempo de I:E deve ser menor que 3:1 nos de Pausa Inspiratória
Pausa Inspiratória modos ciclados a volume). automática (Pausa I) acima do
automática (Pausa I) – valor limitado pela regra,
mensagem de diminuir o volume controlado
proibição. (Vol Contr), diminuir a
frequência controlada (Freq) ou
aumentar o Fluxo Inspiratório
(Fluxo I).
Tempo de Pausa Alteração do modo de ventilação. Ajustar um novo tempo de
Inspiratória (Pausa I) é Pausa Inspiratória (Pausa I) a
zerado toda troca de modo de
automaticamente. ventilação, caso desejado.
Ventilador não desliga Ventilador permanentemente Mantenha a tecla Pausar
pela chave Liga/Desliga. ligado em rede AC, bateria externa Áudio/Limpar Alarmes
ou bateria interna. pressionada por 10 segundos.
Contatar a Intermed ou o
Serviço Técnico Autorizado
Intermed para providenciar o
reparo do ventilador.

ATENÇÃO!

Em caso de falha não prevista neste manual, interrompa o uso


do equipamento e contate imediatamente a Intermed ou
Serviço Técnico Autorizado Intermed.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
146 8. Resolução de Problemas

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
9. Limpeza, Desinfecção e Eterilização 147

9 Limpeza, Desinfecção e Esterilização

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
148 9. Limpeza, Desinfecção e Esterilização

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
9. Limpeza, Desinfecção e Eterilização 149

9.1. Processos Indicados

9.1.1. Corpo de Ventilador

A limpeza e desinfecção do exterior do i X5 – exceto o display principal – pode


ser feita com agente germicida ou bactericida comum.
Recomenda-se limpar o display principal com uma gaze umedecida com Álcool
Isopropílico 70%.

NOTA

Nunca esterilize o equipamento. Seus componentes internos


não são compatíveis com técnicas de esterilização.

Nunca mergulhe o equipamento em solução líquida, nem


permita a entrada de líquidos em sua parte interna.

Nunca utilize abrasivos sobre a superfície do ventilador,


especialmente sobre sua tela.

9.1.2. Filtro da Entrada de Ar para Arrefecimento

O estado de limpeza do Filtro de Ar para Arrefecimento deve ser verificado


periodicamente, de acordo com o Capítulo Manutenção Preventiva, deste
manual.
Se necessário este filtro deve ser lavado cuidadosamente, com água morna e
detergente neutro. Após a lavagem, deve-se enxaguá-lo bem e secá-lo
totalmente.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
150 9. Limpeza, Desinfecção e Esterilização

Figura 9-1

Filtro de entrada
de ar para
arrefecimento.

9.1.3. Circuito Paciente

CUIDADO!

A desinfecção é um processo capaz de destruir os


microorganismos patogênicos, mas não é capaz de destruir os
esporos. Os esporos são destruídos apenas através do processo
de esterilização.
Antes da primeira utilização, limpe e esterilize os componentes
do circuito paciente, conforme instruções contidas neste
capítulo. A periodicidade de troca e esterilização destes
circuitos é determinada pelos protocolos seguidos em cada
instituição hospitalar.

CUIDADO!

Após a esterilização, enxágue e seque apropriadamente os


componentes do circuito paciente, a fim de eliminar quaisquer
resíduos químicos dos mesmos. Especialmente após a
esterilização em processo com óxido de etileno, aguarde de 24
a 48 horas antes de utilizar o material, a fim de garantir a
aeração e a completa eliminação dos resíduos deste gás.
Não reutilize qualquer componente que apresente dano ou sinal
de desgaste.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
9. Limpeza, Desinfecção e Eterilização 151

ATENÇÃO!

Nunca deixe que óleos, graxas e vaselinas entrem em contato


com os componentes de silicone, pois estes produtos podem
atacá-los quimicamente, afetando suas propriedades físicas.

Os componentes submetidos à esterilização sofrem degradação


natural devido às características dos processos utilizados. A
Intermed recomenda não mais que 50 ciclos de
limpeza/esterilização das partes do circuito paciente, ainda que
realizados de acordo com as condições explícitas neste manual.

Nunca utilize as seguintes soluções para limpeza e/ou


desinfecção dos componentes do circuito paciente, pois as
mesmas podem acelerar a deterioração dos materiais, causando
trincas nos componentes de polissulfona ou desintegração dos
tubos de silicone.
■ Fenol (> 5%)
■ Hidrocarbonos Clorados
■ Cetonas
■ Hidrocarbonos Aromáticos
■ Formaldeído
■ Ácidos Inorgânicos
■ Hipoclorito
■ Compostos Quaternários de Amônia

Nunca desconecte os dutos de medição do corpo do sensor de


fluxo. Caso isto ocorra, descarte o componente.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
152 9. Limpeza, Desinfecção e Esterilização

9.1.4. Tabela de Processos Indicados

Processos
Peça Código Material
indicados

Traqueias 100.21002 L + DQ L + ETO


Silicone
(Pediátrico/Adulto) 100.21003 L + EQ L + AC

Traqueias 100.19002 Silicone L + DQ L + ETO


(Neonatal) 100.19003 Polissulfona L + EQ L + AC

100.11003 Silicone L + DQ L + ETO


Linha Proximal
100.00117 Polissulfona L + EQ L + AC

Conector ‘Y’ do 100.11006 L + DQ L + ETO


Polissulfona
Circuito Paciente 100.00113 L + EQ L + AC

L + DQ L + ETO
Cotovelo em 90° 100.00116 Polissulfona
L + EQ L + AC

Polissulfona L + DQ L + ETO
Coletor de Água 100.00105
Aço Inoxidável L + EQ L + AC

L + DQ L + ETO
Válvula de Exalação 177.00437 Polissulfona
L + EQ L + AC

Diafragma da Válvula L + DQ L + ETO


132.01362A Silicone
de Exalação L + EQ L + AC

Conector para Polissulfona L + DQ L + ETO


100.00202
TGI / VNI Silicone L + EQ L + AC

Alumínio
Sensor de Fluxo L + DQ L + ETO
177.00734 Mylar
Expiratório L + EQ L + AC
Silicone

Sensor de Fluxo Policarbonato L + DQ


136.00310 L + ETO
Pediátrico / Adulto Silicone L + EQ

Sensor de Fluxo Policarbonato L + DQ


136.00311 L + ETO
Pediátrico Silicone L + EQ

Sensor de Fluxo Policarbonato L + DQ


136.00347 L + ETO
Neonatal Silicone L + EQ

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
9. Limpeza, Desinfecção e Eterilização 153

Legenda

L: Lavagem
DQ: Desinfecção Química por Imersão
EQ: Esterilização Química por Imersão
ETO: Esterilização c/ Óxido de Etileno
AC: Autoclave

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
154 9. Limpeza, Desinfecção e Esterilização

9.2. Descrição dos Processos Indicados

9.2.1. Lavagem (L)

Antes de qualquer processo de desinfecção ou esterilização, deve ser realizada


a lavagem adequada dos componentes.
Este processo consiste da imersão em solução neutra com detergente
enzimático, à temperatura entre 35°C e 65°C, por aproximadamente 10
minutos.
Enxágue abundantemente em água destilada ou filtrada, e deixe secar em
ambiente limpo antes de proceder com a desinfecção ou a esterilização.

9.2.2. Desinfecção Química por Imersão (DQ)

Este processo consiste da imersão em solução de glutaraldeído a 2%, à


temperatura ambiente, por aproximadamente 40 minutos.
Enxágue abundantemente em água destilada e esterilizada, e deixe secar em
ambiente limpo antes de utilizar novamente o componente.

9.2.3. Esterilização Química por Imersão (EQ)

Este processo consiste da imersão em solução de glutaraldeído a 2%, à


temperatura ambiente, por aproximadamente 12 horas.
Enxágue abundantemente em água destilada e esterilizada, e deixe secar em
ambiente limpo antes de utilizar novamente o componente.

9.2.4. Óxido de Etileno (ETO)

O processo de esterilização com gás de óxido de etileno (C2H4O) deve


obedecer à norma ISO 11135-1 – Sterilization of health care products –
Ethylene oxide – Part 1: Requirements for development, validation and routine
control of a sterilization process for medical devices, de 2007.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
9. Limpeza, Desinfecção e Eterilização 155

9.2.5. Autoclave (AC)

O processo de esterilização e autoclave deve obedecer à norma ISO 11134 –


Sterilization of health care products – Requirements for validation and routine
control – Industrial moist heat sterilization, de 1994.
Seguem alguns parâmetros sugeridos para este processo:

Condição Pressão Temperatura Tempo


Rápida 220kPa (32PSI) 136°C (276,8°F) 4 minutos
Normal 96kPa (14PSI) 120°C (248°F) 15 minutos

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
10. Manutenção Preventiva 157

10 Manutenção Preventiva

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
158 10. Manutenção Preventiva

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
10. Manutenção Preventiva 159

10.1. Introdução

Para evitar o desgaste prematuro do equipamento e se obter um desempenho


seguro dentro das especificações requeridas, a Intermed recomenda que
sejam realizados os seguintes procedimentos:

Check List de Verificação Inicial


Contempla uma verificação do estado geral do equipamento, bem como
aspectos de limpeza, montagem e conexões com fonte de energia elétrica e
rede de gases.
Recomenda-se a realização diária, ou antes de cada utilização, conforme as
instruções contidas neste capítulo.

Teste de Verificação Funcional – TVF


Contempla a verificação funcional do equipamento, bem como o
funcionamento dos recursos de alarmes e monitoração, através da simulação
de situações de falha, utilizando um simulador pulmonar.
Recomenda-se realizar antes de utilizar o equipamento em paciente ou
quando existirem dúvidas sobre o funcionamento do equipamento, conforme
as instruções contidas neste capítulo.

Manutenção Preventiva Anual – MPA


Contempla a verificação e eventual ajuste das funções do ventilador, bem
como a troca de peças que apresentem desgaste ou deterioração pelo uso,
visando prolongar a durabilidade do equipamento, bem como garantir seu
funcionamento seguro, dentro das especificações originais e dos requisitos
normativos aplicáveis.
Recomenda-se realizar a MPA anualmente, devendo a mesma ser realizada
somente pela Intermed ou pelo Serviço Técnico Autorizado Intermed.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
160 10. Manutenção Preventiva

10.2. Check List de Verificação Inicial

A Intermed recomenda realizar o Check List diariamente, ou antes de cada


utilização, conforme as instruções abaixo:

Estado Geral
■ Verifique o estado geral do equipamento, de forma a assegurar que o mesmo
não tenha sofrido quedas ou avarias que possam comprometer seu
funcionamento seguro.
■ Certifique-se de que os conectores do painel traseiro estejam devidamente
protegidos por suas tampas isolantes.
■ Verifique o estado do filtro de entrada de ar para arrefecimento e, se
necessário, lave-o conforme as instruções contidas no Capítulo Limpeza,
Desinfecção e Esterilização, deste manual. Este filtro está localizado na parte
inferior do painel frontal do equipamento.

Conexão à Fonte de Energia Elétrica


■ Se o equipamento estiver conectado a uma fonte de energia externa do tipo
CA (rede elétrica), verifique o estado geral de seu cabo de alimentação e
plugue. Certifique-se de que este esteja conectado diretamente a uma tomada
de rede, com aterramento.
■ Se o equipamento estiver conectado a uma fonte de energia externa do tipo
CC (por exemplo, bateria externa), verifique se esta possui as características
contidas no Capítulo Especificações Gerais, deste manual.
■ Verifique o nível de carga da bateria interna. Para máxima autonomia, conecte
o equipamento à rede de alimentação CA até 48 horas antes do uso por, pelo
menos, 10 horas ininterruptas. Após este período (48 horas), é possível que
ocorra uma queda no nível de energia da bateria, dependendo do estado de
uso da mesma.

Conexão à rede de Gases


■ Verifique a integridade das mangueiras de alimentação de ar e oxigênio.
Certifique-se de que as mesmas não apresentem rachaduras e/ou vazamentos.
■ Utilize somente gases de grau médico (seco e isento de contaminação), a fim
de evitar danos internos ao equipamento e riscos ao paciente.
■ Verifique os filtros de entrada de ar e oxigênio. Se necessário, remova a água
condensada em seus copos coletores.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
10. Manutenção Preventiva 161

Limpeza
■ Verifique o estado geral de limpeza do equipamento.
■ Verifique o estado de limpeza do circuito paciente. Se necessário, monte um
circuito esterilizado.
■ Garanta a limpeza apropriada dos sensores de fluxo, eliminando eventuais
resíduos sólidos depositados em seus dutos de medição. A presença de tais
resíduos pode afetar a precisão destes sensores.
■ Verifique o estado do filtro de Entrada de Ar para Arrefecimento. Se
necessário, proceda à lavagem cuidadosamente com água morna e detergente
neutro. Após a lavagem, enxágue-o e seque-o totalmente.

Montagem
■ Verifique o funcionamento do braço de sustentação do circuito paciente e as
travas dos rodízios do pedestal.
■ Verifique o estado de conservação dos componentes do circuito paciente. Não
reutilize qualquer peça que apresente dano ou sinal de desgaste.
■ Verifique a integridade do sensor de fluxo. Nunca desconecte os dutos de
medição do corpo do sensor de fluxo. Caso isto ocorra, descarte o
componente.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
162 10. Manutenção Preventiva

10.3. Teste de Verificação Funcional – TVF

A Intermed recomenda realizar o Teste de Verificação Funcional – TVF antes


de cada utilização, ou quando existirem dúvidas sobre o funcionamento do
equipamento, de forma a verificar se o ventilador e seus acessórios estão
funcionando de acordo com suas especificações.

De preferência, é recomendado executar o TVF, ajustando-se o ventilador com


os parâmetros que serão aplicados no paciente. Utilizando um simulador
pulmonar calibrado, simular situações de falha para verificar o funcionamento
dos recursos de alarmes e monitoração, conforme as especificações contidas
nesse manual.

Seguem alguns parâmetros que podem ser utilizados como referência para a
realização do TVF em pacientes adultos, pediátricos e neonatais.

ATENÇÃO!

Não utilize o equipamento se o mesmo não estiver funcionando


dentro das especificações contidas neste manual. Neste caso,
interrompa o uso e contate imediatamente a Intermed ou
Serviço Técnico Autorizado Intermed.

NOTA

Para a execução do Teste de Verificação Funcional – TVF é


recomendado um Simulador Pulmonar marca Intermed,
modelo LS2000 ou equivalente, devidamente calibrado.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
10. Manutenção Preventiva 163

10.3.1. Padrão Adulto

■ Monte o circuito paciente pediátrico/adulto e o sensor de Fluxo Expiratório,


conforme o Capítulo 3 – Preparação do Equipamento, deste manual.
■ Conecte o simulador pulmonar no circuito (após o sensor de fluxo).
■ Ajuste os seguintes parâmetros no simulador:
Resistência: 20 cmH2O/L/s
Complacência: 50 mL/cmH2O
■ Ajuste os seguintes parâmetros no ventilador:

Modo I Assist/Contr
Modo II VCV
IBW 40 kg
% O2 21 %
Vol Contr 500 mL
Fluxo I 30 L/min
Forma Onda
Freq 15 /min
PEEP 5 cmH2O
Sens F desl
Sens P desl
Pausa I 0,5 s

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
164 10. Manutenção Preventiva

■ Verifique no display do equipamento se os seguintes parâmetros


monitorizados estão condizentes com os valores abaixo:

Pico 25 ± 5 cmH2O
PEEP 5 ± 1 cmH2O
Platô 15 ± 5 cmH2O
P Média 11 ± 2 cmH2O
Vol Corrente 500 ± 50 mL
Vol Minuto 7,50 ± 0,75 L
Freq Resp 15 ± 1 /min
FiO2 21 ± 1 %

* Os campos em destaque são diretamente influenciados pela precisão do


simulador pulmonar utilizado. Os valores apresentados na tabela servem
apenas como referência e foram baseados em um simulador com as
características descritas acima.

■ Ajuste a % O2 em 100%. Aguarde alguns ciclos e verifique no display do


equipamento se a monitorização deste parâmetro acompanha tal alteração.
■ Verifique se as curvas de pressão, fluxo e volume são compatíveis com os
parâmetros ventilatórios e o modo de ventilação em uso.
■ Ajuste os limites dos alarmes em valores compatíveis com os parâmetros em
uso. Altere os parâmetros ajustados no ventilador de forma a gerar condições
de alarme, verificando sua atuação no monitor.

ATENÇÃO!

Verifique o correto funcionamento da célula eletroquímica e


caso constate qualquer falha contate imediatamente a
Intermed ou Serviço Técnico Autorizado Intermed.

A célula deve ser substituída a cada 12 meses e deve ser


descartada de acordo com a legislação do local onde o
equipamento estiver instalado.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
10. Manutenção Preventiva 165

10.3.2. Padrão Pediátrico

■ Monte o circuito paciente neonatal e o sensor de Fluxo Expiratório, conforme


o Capítulo 3 – Preparação do Equipamento, deste manual.
■ Conecte o simulador pulmonar no circuito (após o sensor de fluxo).
■ Ajuste os seguintes parâmetros no simulador:
Resistência: 50 cmH2O/L/s
Complacência: 20 mL/cmH2O
■ Ajuste os seguintes parâmetros no ventilador:

Modo I Assist/Contr
Modo II TCPLV
IBW 20 kg
% O2 21 %
Fluxo I 15 L/min
Fluxo Exp 5 L/min
T Insp 1,00 s
Freq 20 /min
PEEP 5 cmH2O
P Limite 70 cmH2O
Sens F desl
Sens P desl

■ Verifique no display do equipamento se os seguintes parâmetros


monitorizados estão condizentes com os valores abaixo:

Pico 30 ± 5 cmH2O
PEEP 5±1 cmH2O
P Média 11 ± 2 cmH2O
Vol Corrente 250 ± 25 mL
Vol Minuto 5,00 ± 0,5 L
Freq Resp 20 ± 1 /min
FiO2 21 ± 1 %

* Os campos em destaque são diretamente influenciados pela precisão do


simulador pulmonar utilizado. Os valores apresentados na tabela servem
apenas como referência e foram baseados em um simulador com as

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
166 10. Manutenção Preventiva

características descritas acima.

■ Ajuste a % O2 em 100%. Aguarde alguns ciclos e verifique no display do


equipamento se a monitorização deste parâmetro acompanha tal alteração.
■ Verifique se as curvas de pressão, fluxo e volume são compatíveis com os
parâmetros ventilatórios e o modo de ventilação em uso.
■ Ajuste os limites dos alarmes em valores compatíveis com os parâmetros em
uso. Altere os parâmetros ajustados no ventilador de forma a gerar condições
de alarme, verificando sua atuação no monitor.

ATENÇÃO!

Verifique o correto funcionamento da célula eletroquímica e


caso constate qualquer falha contate imediatamente a
Intermed ou Serviço Técnico Autorizado Intermed.

A célula deve ser substituída a cada 12 meses e deve ser


descartada de acordo com a legislação do local onde o
equipamento estiver instalado.

10.3.3. Padrão neonatal

■ Monte o circuito paciente neonatal e o sensor de fluxo neonatal (cinza),


conforme o Capítulo 3 – Preparação do Equipamento, deste manual.
■ Conecte o simulador pulmonar no circuito (após o sensor de fluxo).
■ Ajuste os seguintes parâmetros no simulador:
Resistência: 50 cmH2O/L/s
Complacência: 30 mL/cmH2O
■ Ajuste os seguintes parâmetros no ventilador:

Modo I Assist/Contr
Modo II TCPLV
IBW 2 kg
% O2 21 %
Fluxo I 5 L/min
Fluxo Exp desl L/min
T Insp 1,00 s
Freq 30 /min
PEEP 5 cmH2O

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
10. Manutenção Preventiva 167

P Limite 70 cmH2O
Sens F desl
Sens P desl

■ Verifique no display do equipamento se os seguintes parâmetros


monitorizados estão condizentes com os valores abaixo:

Pico 15 ± 2 cmH2O
PEEP 5 ± 1 cmH2O
P Média 10 ± 2 cmH2O
Vol Corrente 100 ± 10 mL
Vol Minuto 3,00 ± 0,3 L
Freq Resp 30 ± 1 /min
FiO2 21 ± 1 %

* Os campos em destaque são diretamente influenciados pela precisão do


simulador pulmonar utilizado. Os valores apresentados na tabela servem
apenas como referência e foram baseados em um simulador com as
características descritas acima.

■ Ajuste a % O2 em 100%. Aguarde alguns ciclos e verifique no display do


equipamento se a monitorização deste parâmetro acompanha tal alteração.
■ Verifique se as curvas de pressão, fluxo e volume são compatíveis com os
parâmetros ventilatórios e o modo de ventilação em uso.
■ Ajuste os limites dos alarmes em valores compatíveis com os parâmetros em
uso. Altere os parâmetros ajustados no ventilador de forma a gerar condições
de alarme, verificando sua atuação no monitor.

ATENÇÃO!

Verifique o correto funcionamento da célula eletroquímica e


caso constate qualquer falha contate imediatamente a
Intermed ou Serviço Técnico Autorizado Intermed.

A célula deve ser substituída a cada 12 meses e deve ser


descartada de acordo com a legislação do local onde o
equipamento estiver instalado.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
168 10. Manutenção Preventiva

10.4. Manutenção Preventiva Anual – MPA

A Manutenção Preventiva Anual – MPA é um serviço oferecido


exclusivamente pela Intermed ou Serviço Técnico Autorizado Intermed e visa
prolongar a durabilidade do equipamento, bem como garantir seu
funcionamento seguro, dentro de suas especificações originais e dos requisitos
normativos aplicáveis.

A MPA consiste basicamente na verificação e eventual ajuste de todas as


funções do ventilador, bem como na troca de peças que apresentem desgaste
ou deterioração pelo uso. O processo de verificação e ajuste dos
equipamentos é realizado em conformidade com a norma ISO 9001 –
Requisitos do Sistema da Qualidade, de 2000, com equipamentos de medição
calibrados e rastreáveis a padrões metrológicos.

A realização da MPA deve seguir as seguintes condições:

■ O cliente deve entrar em contato com a Intermed ou Serviço Técnico


Autorizado Intermed para solicitar a realização da MPA a cada 12 meses de
utilização do equipamento;
■ Somente a Intermed ou Serviço Técnico Autorizado Intermed podem realizar
intervenções nos produtos Intermed, mantendo as condições do produto
original.
■ Quando realizada dentro do período de garantia, serão aplicáveis as condições
estabelecidas no Termo de Garantia deste equipamento;
■ A MPA se restringe ao equipamento, excluídos os acessórios.

ATENÇÃO!

Este equipamento apresenta lacres de segurança nos parafusos


de fechamento. O rompimento desses lacres por pessoal não
autorizado resultará na perda da garantia.

O tempo de uso da bateria depende das condições de utilização


do ventilador (frequência e tempo de uso do ventilador e/ou da
bateria interna, condições ambientais de temperatura e
umidade, etc.). O armazenamento do ventilador por períodos
prolongados sob temperaturas superiores a 27°C, ou sem
recarga da bateria por períodos superiores a dois meses podem
diminuir o tempo de vida da mesma.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
10. Manutenção Preventiva 169

ATENÇÃO!

A Intermed recomenda o uso de acessórios originais. O uso de


peças diferentes das mencionadas na lista de acessórios é de
inteira responsabilidade do operador.

Todas as partes e peças que necessitem reparo ou troca durante


o processo de manutenção, devem ser substituídas somente por
peças originais Intermed. O uso de componentes não originais
pode comprometer a segurança do equipamento, implicando
em adulteração do produto e consequente perda da garantia.

Todas as partes e peças substituídas durante os processos de


manutenção devem ser descartadas conforme determinado
pela legislação local onde o equipamento se encontra instalado.

Especial atenção deve ser dada à bateria interna, do tipo


chumbo-ácido, que deve seguir as orientações do fabricante da
mesma, descritas na lateral do componente.

CUIDADO!

Este ventilador é um equipamento de suporte de vida. Nunca


confie sua manutenção a um técnico não autorizado. Em caso
de problemas ou dificuldades, contate a Intermed.

Nunca desmonte o gabinete do ventilador. Esta situação


representa risco de choque elétrico.

Para assegurar a proteção elétrica e evitar risco de fogo, nunca


substitua o fusível deste equipamento. A substituição indevida
do fusível invalida a garantia e representa risco ao
funcionamento do equipamento e à segurança do operador e
do paciente.

A falta de manutenção ou a manutenção realizada por empresa


não credenciada conferirá ao produto a condição de produto
adulterado e submeterá os responsáveis às sanções previstas
em lei, bem como a alteração de componentes básicos do
equipamento caracterizará inobservância das orientações
contidas neste Manual e Operação e poderá afetar a segurança
e funcionalidade do equipamento.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
11. Acessórios, Partes e Peças 171

11 Acessórios, Partes e Peças

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
172 11. Acessórios, Partes e Peças

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
11. Acessórios, Partes e Peças 173

11.1. Advertências e Precauções

CUIDADO!

Utilize sempre acessórios, partes e peças originais Intermed, a


fim de assegurar o correto desempenho deste equipamento e a
validade da garantia. Além disso, esta medida também visa à
segurança do paciente e do operador.

Nunca utilize mangueiras ou tubos antiestáticos ou


eletricamente condutivos em conjunto com este ventilador.

Todos componentes do circuito paciente fornecido pela


Intermed (tubos de silicone, conexões de polissulfona e
sensores de fluxo de policarbonato) atendem a requisitos de
citoxidade, irritação, sensibilidade e hemocompatibilidade.

O circuito paciente fornecido pela Intermed oferece proteção


contra choque elétrico (parte aplicada TIPO B) e é à prova de
desfibrilação.

ATENÇÃO!

Os componentes submetidos à esterilização sofrem degradação


natural devido às características dos processos utilizados. A
Intermed recomenda não mais que 50 ciclos de
limpeza/esterilização das partes do circuito paciente.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
174 11. Acessórios, Partes e Peças

11.2. Acessórios

Acessórios Acompanhantes
Código Descrição
806.00474 Manual de Operação i X5 (Português)
408.00002 Mangueira para O2 (4 metros)
408.00003 Mangueira para Ar (4 metros)
100.21000 Circuito Paciente Pediátrico / Adulto
100.19000 Circuito Paciente Neonatal
136.00310 Sensor de Fluxo Pediátrico / Adulto
136.00311 Sensor de Fluxo Pediátrico
136.00347 Sensor de Fluxo Neonatal
177.00734 Sensor de Fluxo Expiratório
177.00437 Válvula de Exalação com Saída Adaptadora
130.01362A Diafragma da Válvula Exalação - Azul
100.00202 Conector para TGI / NIV
100.00116 Cotovelo em 90°

Acessórios Opcionais
Código Descrição
179.01100 Pedestal i X5
177.01000 Braço Articulado Inter®7 Plus
Simulador Pulmonar Neonatal Pediátrico e Adulto
141.00000
LS2000
158.00000 Simulador Pulmonar Neonatal LS1000
159.00001 Simulador Pulmonar Pediátrico / Adulto LS1500
134.00000A Umidificador Aquecido Misty3 (110V)
134.00000CA Umidificador Aquecido Misty3 (220V)
Sensor de Temperatura para Umidificador Aquecido
134.00070
Misty3
134.00400 Jarra para Umidificação IM300

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
11. Acessórios, Partes e Peças 175

Acessórios Opcionais
Código Descrição
138.01000 Válvula Reguladora para Ar
138.02000 Válvula Reguladora para O2
031.00622 Cabo de Alimentação Externa de 2 metros
031.00633 Cabo de Alimentação Externa de 4 metros
100.20000 Circuito Paciente Neonatal sem dreno
100.22000 Circuito Paciente Pediátrico / Adulto sem dreno
303.00115 Nebulizador Micro Mist
Conexão “T” do Nebulizador para Circuito Paciente
100.00058
Neonatal (adaptador)

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
176 11. Acessórios, Partes e Peças

11.3. Partes e Peças

Circuito Paciente Pediátrico / Adulto (100.21000)

Código Descrição
100.21002 Traqueia 19mm x 450mm
100.21003 Traqueia 19mm x 750mm
100.11003 Linha Proximal
100.11006 Conector em ‘Y’
100.00105 Coletor de Água
100.00116 Cotovelo em 90°

Circuito Paciente Neonatal (100.19000)

Código Descrição
100.19002 Traqueia 12mm x 450mm
100.19003 Traqueia 12mm x 600mm
100.00117 Linha Proximal
100.00113 Conector em ‘Y’
100.00105 Coletor de Água
100.00116 Cotovelo em 90°

Circuito Paciente Pediátrico / Adulto sem Dreno (100.22000)

Código Descrição
147.01935 Traqueia 19mm x 1500mm
100.11003 Linha Proximal
100.11006 Conector em ‘Y’
100.00116 Cotovelo em 90°

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
11. Acessórios, Partes e Peças 177

Circuito Paciente Neonatal sem Dreno (100.20000)

Código Descrição
145.01911 Traqueia 12mm x 1200mm
100.00117 Linha Proximal
100.00113 Conector em ‘Y’
100.00116 Cotovelo em 90°

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
12, Terminologia, Símbolos e Definições 179

12 Terminologia, Símbolos e Definições

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
180 12. Terminologia, Símbolos e Definições

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
12, Terminologia, Símbolos e Definições 181

12.1. Terminologia

Os principais termos utilizados nesse manual, definidos pela norma NBR-IEC


60601-1:1994 + A1:1997, são apresentados a seguir:

1 - DOCUMENTOS ACOMPANHANTES

Documentos que acompanham o equipamento ou um acessório, que contêm


todas as informações importantes para o usuário, o operador e o instalador ou
montador do equipamento, relativos principalmente à segurança.

2 - EQUIPAMENTO DE CLASSE I

Equipamento no qual a proteção contra choque elétrico não se fundamenta


apenas na isolação básica, mas incorpora ainda uma precaução de segurança
adicional. Essa segurança adicional consiste em um recurso de conexão do
equipamento ao condutor de aterramento para proteção pertencente à fiação
fixa da instalação, de modo a impossibilitar que partes metálicas acessíveis
possam ficar sob tensão, na ocorrência de uma falha da isolação básica.

3 - PARTE APLICADA DE TIPO B A PROVA DE DESFIBRILAÇÃO

Parte aplicada em conformidade com as prescrições especificadas na norma


NBR IEC 60601-1:1994 +A1:1997 para proporcionar proteção contra choque
elétrico, particularmente com relação à corrente de fuga admissível, também
protegida contra os efeitos da descarga de um desfibrilador cardíaco ao
paciente.

4 - TERMINAL DE ATERRAMENTO PARA PROTEÇÃO

Terminal conectado às partes condutivas de um equipamento de classe I, para


fins de segurança, e previsto para ser conectado a um sistema de aterramento
externo para proteção, através de um condutor de aterramento para proteção.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
182 12. Terminologia, Símbolos e Definições

12.2. Simbologia

O significado dos símbolos normalizados impressos no equipamento é


apresentado a seguir:

Símbolo Referência Descrição

IEC 60417-5032 Corrente alternada

IEC 60417-5031 Corrente contínua

IEC 60417-5019 Terminal de aterramento para proteção

Equipamento à prova de respingos quando inclinado


a até 15˚ e protegido contra a penetração de
IP24 IEC 60529
partículas sólidas de diâmetro maior ou igual a
12,5mm

ISO 7000-1641 Consultar Instruções de Operação

Atenção! Consultar DOCUMENTOS


ISO 7000-0434A
ACOMPANHANTES

IEC 60417-5265 Desligado, apenas para uma parte do equipamento

IEC 60417-5264 Ligado, apenas para uma parte do equipamento

Equipamento com parte aplicada de Tipo B a prova


IEC 60417-5841
de desfibrilação

IEC 60417-5036 Tensão elétrica perigosa

ISO 7010-M002 Obrigatório seguir instruções para uso

Sinal genérico para indicar ação obrigatória, ver


ISO 7010-M001 mensagem adjacente (exemplo, recolocar as capas
protetoras dos conectores após o uso)

Sinal genérico para indicar proibição, ver mensagem


ISO 7010-P001
adjacente (exemplo, não obstrua a passagem de ar)

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
12, Terminologia, Símbolos e Definições 183

O significado dos símbolos normalizados impressos na embalagem do


equipamento é apresentado a seguir:

Símbolo Norma Descrição

ISO 780:1997(E) FRÁGIL: O conteúdo da embalagem é frágil,


Símbolo No. 1 portanto, deve ser manuseado com cuidado.

ISO 780:1997(E) ESTE LADO PARA CIMA: Indica a posição do lado de


Símbolo No. 3 cima da embalagem.

ISO 780:1997(E) PROTEGER CONTRA LUZ SOLAR: A embalagem deve


Símbolo No. 4 permanecer ao abrigo da luz solar.

ISO 780:1997(E) PROTEGER CONTRA CHUVA: A embalagem deve


Símbolo No. 6 permanecer ao abrigo da chuva.

EMPILHAMENTO MÁXIMO: Indica o máximo número


ISO 780:1997(E)
de embalagens idênticas que podem ser
Símbolo No. 14
sobrepostas.

LIMITE DE TEMPERATURA: Indica a temperatura


ISO 780:1997(E)
limite para armazenamento e manuseio da
Símbolo No. 17
embalagem como carga em transporte.

UMIDADE RELATIVA: Indica a umidade limite para


ISO 7000:1998 (E/F)
armazenamento e manuseio da embalagem como
Símbolo No. 0505
carga em transporte.

BS EN 980:2008 DATA DE FABRICAÇÃO: Indica a data de fabricação


Símbolo 4.6 do equipamento.

BS EN 980:2008
FABRICANTE: Indica o fabricante do equipamento
Símbolo 5.2

CONFORMIDADE CE: Indica que o Sistema está em


MARCA DE
conformidade com a Diretiva do Conselho Europeu
CONFORMIDADE
CE CEE 93/42 para Equipamentos Médicos. O “xxxx” é o
número de certificação do Organismo Certificador
utilizado pelo Sistema da Qualidade do fabricante.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
184 12. Terminologia, Símbolos e Definições

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 185

13 Especificações Técnicas

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
186 13.Especificações Técnicas

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 187

13.1. Controles

13.1.1. Parâmetros Ajustáveis


Parâmetros Limite Inferior Limite Superior Valor
Modo IBW Resolução
de Controle Min LIS LSS Max Padrão
% O2
Todos Todos 21 — — 100 1 21
(%)
Vol Contr
Ped 10 50 350 500 10 200
Volume
VCV
Controlado 10 – 1000: 10
Adu 100 250 750 2000 500
(mL) 1000 – 2000: 50
P Contr
Pressão (35–
PCV Todos 5 10 80 1 15
Controlada PEEP)
(cmH2O)
P Insp
Ped 5 10 35 40 1 15
Pressão
NIV
Inspiratória
(cmH2O) Adu 5 10 35 40 1 15

P Limite Neo 5 10 35 80 1 20
TCPLV
Limite de Ped 5 10 35 80 1 30
Pressão do VCV,
Ped — — — — — 120
Sistema PCV
(cmH2O) NIV Adu — — — — — 40
VCV,
P Suporte (35–
PCV, Todos desl; 5 10 80 1 15
Pressão PEEP)
TCPLV
Suporte
(35–
(cmH2O) NIV Todos desl; 5 10 40 1 15
PEEP)
Freq VCV, Neo 0 20 60 180 1 30
Frequência PCV, Ped 0 10 40 180 1 20
Respiratória TCPLV Adu 0 6 30 180 1 12
Mandatória Ped 0 10 — 40 1 20
NIV
(/min) Adu 0 6 30 40 1 12
PEEP VCV,
Pressão PCV, Todos 0 5 15 50 1 5
Positiva Exp. TCPLV
Final
NIV Todos 0 5 15 20 1 5
(cmH2O)
Fluxo I Neo 2 4 15 30 1 6
Fluxo VCV,
Ped 2 10 30 50 1 20
Inspiratório TCPLV
(L/min) Adu 2 30 80 120 1 30

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
188 13.Especificações Técnicas

Parâmetros Limite Inferior Limite Superior Valor


Modo IBW Resolução
de Controle Min LIS LSS Max Padrão
Constante
Constant
Ped — — — — Decrescente
Forma Onda e
Senoidal
Forma da VCV
Constante
Onda de Fluxo Constant
Adu — — — — Decrescente
e
Senoidal
0,1 – 1,00: 0,05
1,0 – 3,0: 0,1
Neo 0,10 0,25 1,00 15,0 0,50
3,0 – 10,0: 0,5
10,0 – 15,0: 1,0
0,1 – 1,00: 0,05
PCV, 1,0 – 3,0: 0,1
Ped 0,10 0,50 2,00 15,0 0,75
TCPLV 3,0 – 10,0: 0,5
T Insp 10,0 – 15,0: 1,0
Tempo 0,1 – 1,00: 0,05
Inspiratório 1,0 – 3,0: 0,1
Adu 0,10 0,75 3,00 15,0 1,00
(s) 3,0 – 10,0: 0,5
10,0 – 15,0: 1,0
0,5 – 1,00: 0,05
Ped 0,50 — 2,00 5,0 1,0 – 3,0: 0,1 0,75
3,0 – 5,0: 0,5
NIV
0,5 – 1,00: 0,05
Adu 0,50 0,75 3,00 5,0 1,0 – 3,0: 0,1 1,00
3,0 – 5,0: 0,5
Sens P 10,0; 0,3 – 1,0: 0,1
Neo 0,3 — 5,0 1,0
Sensibilidade à desl 1,0 – 10,0: 0,5
Todos
Pressão Ped/ 10,0; 0,5 – 1,0: 0,1
0,5 — 5,0 1,0
(cmH2O) Adu desl 1,0 – 10,0: 0,5
Neo 0,2 — — 2,0; desl 0,1 desl
Sens F
0,5 – 1,0: 0,1
Sensibilidade a Ped 0,5 — 3,0 5,0; desl desl
Todos 1,0 – 5,0: 0,5
Fluxo
15,0; 2,0 – 5,0: 0,5
(L/min) Adu 2,0 — 10,0 desl
desl 5,0 – 15,0: 1,0
Pausa I
Ped 0,0 — — 2,0 0,1 0,0
Pausa
VCV
Inspiratória
(s) Adu 0,0 — — 2,0 0,1 0,0

Rampa
Rampa de
Subida das Todos Todos 25 — — 100 5 70
Pressões
(%)
FluxoTérm
Fluxo de
Todos Todos 10 — — 75 5 25
Término
(%)

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 189

13.1.2. Parâmetros Fixos

Parâmetros de Controle Modo IBW Valor Padrão


PCV Neonatal desl
% Suspiro VCV
Pediátrico
(%) PCV 50
Adulto
NIV
VCV
Relação Suspiro
PCV Todos 100
(ciclos)
NIV
Período Nebulizador
Todos Todos 30
(min)
Neonatal 3
Fluxo Nebulizador
Todos Pediátrico 6
(L/min)
Adulto 6
VCV
Intermitente
PCV Todos
Sincronizado
Modo Nebulizador NIV
Neonatal
TCPLV Contínuo
Pediátrico
VCV
Atraso TGI
PCV Todos 300
(ms)
TCPLV
VCV Neonatal 3
Fluxo TGI
PCV Pediátrico 6
(L/min)
TCPLV Adulto 6

NOTA

Os valores de fluxo e volume controlados são expressos em


BTPS (Body Temperature and Pressure, Saturated).

13.1.3. Limites de Pressão

Mínima Pressão Limitada: -10 cmH2O ±5%

Máxima Pressão Limitada: 120 cmH2O ±5%

13.1.4. Limites de Fluxo

Máximo Fluxo Inspiratório (Demanda): 180L/min

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
190 13.Especificações Técnicas

13.2. Alarmes de Ventilação

13.2.1. Alarmes Fisiológicos Ajustáveis

Limite Limite
Auto Ajuste
Alarmes Prior. Modo IBW Inferior Superior Resolução
Min LIS LSS Máx Inicial Vent.
Pressão VCV
(PEEP (PEEP +
Inspiratória PCV Todos 3 — 70 1 (Pico - 5)
+ 5) 10)
Baixa TCPLV
Parâmetro: Alta
Pressão (PEEP (PEEP +
Baixa NIV Todos 3 — 40 1 (Pico - 5)
+ 5) 10)
(cmH2O)
Pressão VCV
(PEEP
Inspiratória PCV Todos 10 40 120 1 40 (Pico + 5)
+ 10)
Alta TCPLV
Alta
Parâmetro:
Pressão Alta (PEEP
NIV Todos 5 30 40 1 30 (Pico + 5)
(cmH2O) + 10)

0,01 – 0,1: 0,01


desl; 0,6 x Vol
Neo 0,10 — 2,0 0,10 – 1,00: 0,05 0,2
0,01 Minuto
1,0 – 2,0: 0,1
VCV
Volume 0,10 – 1,00: 0,05
PCV desl; 0,6 x Vol
Minuto Ped 0,5 — 20,0 1,0 – 2,0: 0,1 1,0
TCPLV 0,10 Minuto
Baixo 2,0 – 20,0: 0,5
Parâmetro: Média desl; 1,0 – 2,0: 0,1 0,6 x Vol
Adulto 2,5 — 40 5,0
Vol Min 1,0 2,0 – 40,0: 0,5 Minuto
Baixo 0,10 – 1,00: 0,05
(L) desl;
Ped 0,5 — 20,0 1,0 – 2,0: 0,1 desl desl
0,10
NIV 2,0 – 20,0: 0,5
desl; 1,0 – 2,0: 0,1
Adulto 2,5 — 40,0 desl desl
1,0 2,0 – 40,0: 0,5
0,01 – 0,1: 0,01
3,0; 1,4 x Vol
Neo 0,01 — — 0,10 – 1,00: 0,05 1,0
desl Minuto
1,0 – 3,0: 0,1
VCV
0,10 – 1,00: 0,05
PCV 30,0; 1,4 x Vol
Volume Ped 0,10 — — 1,0 – 2,0: 0,1 4,0
TCPLV desl Minuto
Minuto Alto 2,0 – 30,0: 0,5
Parâmetro: Média 60,0; 1,0 – 2,0: 0,1 1,4 x Vol
Adulto 1,0 — — 10,0
Vol Min Alto desl 2,0 – 60,0: 0,5 Minuto
(L) 0,10 – 1,00: 0,05
30,0;
Ped 0,10 — — 1,0 – 2,0: 0,1 desl desl
desl
NIV 2,0 – 30,0: 0,5
60,0; 1,0 – 2,0: 0,1
Adulto 1,0 — — desl desl
desl 2,0 – 60,0: 0,5

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 191

Limite Limite
Auto Ajuste
Alarmes Prior. Modo IBW Inferior Superior Resolução
Min LIS LSS Máx Inicial Vent.
desl; 0,5 x Vol
Neo 10 — 50 1 desl
1 Corrente
Volume VCV
Corrente desl; 10 – 100: 10 0,5 x Vol
PCV Ped 50 — 500 desl
Baixo 10 100 – 500: 50 Corrente
TCPLV
(Exalado) desl; 0,5 x Vol
Média Adulto 200 — 2000 100 desl
Parâmetro: 100 Corrente
Vol Corr desl; 10 – 100: 10
Baixo Ped 50 — 500 desl desl
10 100 – 500: 50
(mL) NIV
desl;
Adulto 200 — 2000 100 desl desl
100
50; 1,5 x Vol
Neo 1 — 35 1 desl
desl Corrente
Volume VCV
500; 10 – 100: 10 1,5 x Vol
Corrente PCV Ped 10 — 350 desl
desl 100 – 500: 50 Corrente
Alto TCPLV
2000; 1,5 x Vol
(Inspirado) Média Adulto 100 — 1000 100 desl
Parâmetro: desl Corrente
Vol Corr Alto 500; 10 – 100: 10
Ped 10 — 350 desl desl
(mL) desl 100 – 500: 50
NIV
2000;
Adulto 100 — 1000 100 desl desl
desl
desl; 0,7 x Freq
Frequência Neo 15 — 120 1 25
4 Resp
Resp Baixa
desl; 0,7 x Freq
Parâmetro: Média Todos Ped 10 — 120 1 15
4 Resp
Freq Baixa
(/min) desl; 0,7 x Freq
Adulto 5 — 120 1 5
4 Resp
180; 1,3 x Freq
Frequência Neo 4 — 60 1 50
desl Resp
Resp Alta
180; 1,3 x Freq
Parâmetro: Média Todos Ped 4 — 45 1 30
desl Resp
Freq Alta
(/min) 180; 1,3 x Freq
Adulto 4 — 30 1 20
desl Resp
FiO2 Baixa
Parâmetro: Desl. % O2
Média Todos Todos — 100 1 19 FiO2 – 5
FiO2 Baixa 19 –5
(%)
FiO2 Alta
Parâmetro: % O2 100
Média Todos Todos 19 — 1 26 FiO2 + 5
FiO2 Alta +5 Desl.
(%)
Apneia Média 60;
Todos Todos 3 — 15 1 desl (T Exp) + 5
(s) /Alta desl

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
192 13.Especificações Técnicas

13.2.2. Alarmes Fisiológicos Autoajustáveis

Alarmes Prior. Modo IBW Auto Ajuste


Baixa % de Oxigênio
Alta Todos Todos ≤ 18%
(%)
PEEP Baixa
Média Todos Todos PEEP + 5
(cmH2O)
PEEP Alta
Média Todos Todos PEEP + 5
(cmH2O)
CPAP Alta
Alta Todos Todos PEEP + 10
(cmH2O)
Auto PEEP Fluxo final exp. > 50% de Pico
Média Todos Todos
(cmH2O) Fluxo Exp
3 ciclos assistidos/espont
Auto Ciclagem Alta Todos Todos
consecutivos com I:E > 2:1

13.2.3. Alarmes Técnicos

Alarmes Prior. Modo IBW Limites


Pressão de Ar Baixa
Falha na Entrada de Ar Alta Todos Todos < 250
(kPa)
Pressão de Ar Alta
Alta pressão de Entrada de
Alta Todos Todos > 600
Ar
(kPa)
Sobrepressão de Ar
Alta Todos Todos > 660
(kPa)
Pressão de O2 Baixa
Falha na Entrada de
Alta Todos Todos > 250
Oxigênio
(kPa)
Pressão de O2 Alta
Alta Pressão de Entrada de
Alta Todos Todos > 600
Oxigênio
(kPa)
Sobrepressão de O2
Alta Todos Todos > 660
(kPa)
Ventilador Inoperante Alta Todos Todos NA
Falha de Gás < 120 (para ambas as
Alta Todos Todos
(kPa) entradas)

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 193

Desconexão Paciente Alta Todos Todos NA


Exceto
Vazamento Circuito
Baixa TCPLV e Todos NA
Paciente
NIV
Oclusão Circuito Paciente Alta Todos Todos NA
Tipo do sensor incompatível
Sensor Fluxo Inadequado Média Todos Todos
com a categoria do paciente
Desconexão Sensor Fluxo
Desconexão do Sensor de Baixa Todos Todos Ausência de sinal de fluxo
Fluxo Proximal/ Expiratório
Falha Fornecimento Gás Alta Todos Todos NA
Tempo de Espera Esgotado Alta Todos Todos > 3min
Falha de Energia Alta Todos Todos NA
Falha Interna Alta Todos Todos NA
Bateria Setup Baixa Baixa Todos Todos NA
Bateria Interna Baixa Alta Todos Todos < 30% de carga
Falha Bateria Interna Alta Todos Todos NA
Falha na Rede CA
Falta de CA e Entrada de Média Todos Todos NA
Bateria
Bateria Interna em Uso Baixa Todos Todos NA
Falha Exaustor Média Todos Todos NA
Falha Válvula Exalação
Falha de Controle da Válvula Alta Todos Todos NA
de Exalação/PIP-PEEP
Erro de Autozero Média Todos Todos NA
Falha Pressão Reguladora
Falha de Controle da Pressão Alta Todos Todos NA
Reguladora
Falha Comunic Teclado Média Todos Todos NA
Falha Comunic Mother Alta Todos Todos NA
Ventilador Desligado – Todos Todos NA

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
194 13.Especificações Técnicas

13.3. Monitores

13.3.1. Parâmetros Medidos

Parâmetro Faixa Resolução Precisão


Pico
Pressão de Pico 0 – 120 0 – 120: 1 ±5%
(cmH2O)
PEEP
Pressão Expiratória Final
0 – 120 0 – 120: 1 ±5%
Positiva
(cmH2O)
Média
Pressão Média de Vias Aéreas 0 – 120 0 – 120: 1 ±5%
(cmH2O)
Platô
Pressão Platô 0 – 120 0 – 120: 1 ±5%
(cmH2O)
Vol Corrente
0,000 – 0,999: 0,001
Volume Corrente Exalado 0,000 – 3,00 ±10%
1,00 – 3,00: 0,01
(L)
Vol Minuto
0,00 – 9,99: 0,01
Volume Minuto Total 0,00 – 99,9 ±10%
10,0 – 99,9: 0,1
(L)
Freq Resp
Frequência Respiratória Total 0 – 180 0 – 180: 1 ±5%
(/min)
Freq Resp Espont
Frequência Respiratória
0 – 180 0 – 180: 1 ±5%
Espontânea
(/min)
I:E
1:99 – 9,9:1 1:99 – 9,9:1: 1 ±5%
Relação I:E
FiO2
Fração Inspirada de Oxigênio 0 – 100 0 – 100: 1 ±3%
(%)
Pico Fluxo Insp
Pico de Fluxo Inspiratório 0 – 180 1 ±5%
(L/min)

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 195

Parâmetro Faixa Resolução Precisão


Pico Fluxo Exp
Pico de Fluxo Expiratório 0 – 180 1 ±5%
(L/min)
Pva
Pressão de Vias Aéreas -10 – 120 -10 – 120: 1 ±5%
(cmH2O)

Tempo de resposta do monitor de oxigênio: < 20s

13.3.2. Parâmetros Calculados

Parâmetro Cálculo / Descrição


R Insp R Insp = (Pva* – PEEP) / Fluxo*
Resistência Inspiratória das Vias Onde Fluxo*e Pva* são respectivamente os valores do
Aéreas fluxo inspiratório e da pressão da via aérea medidos
(cmH2O/L/s) 100ms após o início do ciclo respiratório.
R Exp
Resistência Expiratória das Vias
R Exp = (Platô – PEEP) / Pico Fluxo Exp
Aéreas
(cmH2O/L/s)
C Estática
Complacência Estática do Sistema
C Estática = Vol Corrente / (Platô – PEEP)
Respiratório
(mL/cmH2O)
C Dinâmica
Complacência Dinâmica do
C Dinâmica = Vol Corrente / (Pico – PEEP)
Sistema Respiratório
(mL/cmH2O)
Tempo Exp
Tempo Expiratório Indica o tempo expiratório do ciclo respiratório.
(s)
T Insp
Tempo Inspiratório Indica o tempo inspiratório do ciclo respiratório.
(s)
P 0.1 Indica o valor de P 0.1 – pressão medida 100 ms após o
Pressão de Oclusão aos 100 ms início do esforço inspiratório (ciclos assistidos ou
(cmH2O) espontâneos).
Auto PEEP
Indica o valor de Auto PEEP – pressão medida 200 ms
Pressão de Auto PEEP
antes do início de um ciclo controlado.
(cmH2O)

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
196 13.Especificações Técnicas

13.4. Sistema de Ventilação / Circuito Paciente

Parâmetro Valor Tolerância


Resistência Inspiratória Adulto <0,7cmH2O @ 60L/min 10%
(em condição de uso normal)
Pediátrico <0,2cmH2O @ 30L/min 10%

Neonatal <0,03cmH2O @ 6L/min 10%

Resistência Inspiratória Adulto <6cmH2O @ 60L/min 10%


(em condição de falha do
equipamento) Pediátrico <2cmH2O @ 30L/min 10%

Neonatal <0,2cmH2O @ 6L/min 10%

Resistência Expiratória Adulto <1cmH2O @ 60L/min 10%


(em condição de uso normal)
Pediátrico <0,3cmH2O @ 30L/min 10%

Neonatal <0,05cmH2O @ 6L/min 10%

Resistência Expiratória Adulto <3cmH2O @ 60L/min 10%


(em condição de falha do
equipamento) Pediátrico <0,8cmH2O @ 30L/min 10%

Neonatal <0,06cmH2O @ 6L/min 10%

Complacência do circuito Adulto 1,33mL/cmH2O @ 60L/min 10%

Pediátrico 0,60mL/cmH2O @ 30L/min 10%

Neonatal 0,60mL/cmH2O @ 6L/min 10%

Complacência do circuito Adulto 1,96mL/cmH2O a 60L/min 10%


(com jarra IM300)
Pediátrico 1,08mL/cmH2O @ 30L/min 10%

Neonatal 1,08mL/cmH2O @ 6L/min 10%

Volume Interno do circuito Adulto 1,025L 5%

Pediátrico 445mL 5%

Neonatal 445mL 5%

Volume Interno do circuito Adulto 1,425L 5%


(com jarra IM300)
Pediátrico 845mL 5%

Neonatal 845mL 5%

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 197

13.5. Imunidade Eletromagnética

Emissão Eletromagnética

O i X5 é destinado a uso no ambiente eletromagnético especificado abaixo. O cliente ou usuário


do i X5 deve assegurar o uso neste ambiente.

Teste de Emissão Conformidade Diretrizes – Ambiente Eletromagnético

O i X5 usa energia de RF somente para suas funções


internas, esta emissão de RF é muito baixa e não
Emissões de RF CISPR 11 Grupo 1
deve causar qualquer interferência em
equipamentos eletrônicos próximos.

Emissões de RF CISPR 11 Classe A


O i X5 é adequado para uso em todos
Emissões Harmônicas estabelecimentos incluindo estabelecimentos
Classe A
IEC 61000-3-2 domésticos e aqueles diretamente ligados a rede
pública de energia de baixa tensão que fornecem
Flutuações de energia para propósitos de uso doméstico.
Tensão/Emissões de Conforme
flickers IEC 61000-3-3

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
198 13.Especificações Técnicas

Imunidade Eletromagnética

O i X5 é destinado a uso no ambiente eletromagnético especificado abaixo. O cliente ou usuário do i


X5 deve assegurar o uso neste ambiente.

Teste de Nível do Teste Nível de


Guia de Ambiente Eletromagnético
Imunidade IEC 60601 conformidade

Descarga O piso deve ser de madeira, concreto ou


± 6 kV - contato ± 6 kV - contato cerâmico. Se o piso for de material
Eletrostática
sintético, a umidade relativa deve ser ao
IEC 61000-4-2 ± 8 kV - ar ± 8 kV - ar menos de 30%.

Transiente ± 2 kV para linha ± 2 kV para linha


Elétrico de alimentação de alimentação A qualidade da rede elétrica deve ser a
Rápido/Trem de padrão para ambiente comercial ou
Pulsos ± 1 kV para linha ± 1 kV para linha hospitalar.
IEC 61000-4-4 de entrada e de entrada e
saída saída

± 1 kV de linha ± 1 kV Modo
Surto A qualidade da rede elétrica deve ser a
para linha Diferencial
padrão para ambiente comercial ou
IEC 61000-4-5 hospitalar.
± 2 kV de linha ± 2 kV Modo
para o terra Comum

<5 % UT (>95 % <5 % UT (>95 %


dip em UT) para dip em UT) para
0,5 ciclo 0,5 ciclo

Dips de tensão, 40 % UT (60 % 40 % UT (60 % dip


interrupções A qualidade da rede elétrica deve ser a
dip em UT) para em UT) para 5 padrão para ambiente comercial ou
curtas na tensão
e variações na 5 ciclos ciclos hospitalar. Se o usuário do i X5 exigir
tensão de operação continua durante interrupções
entrada da rede 70 % UT (30 % 70 % UT (30 % dip de energia é recomendado que o i X5 seja
elétrica alimentado por uma fonte de alimentação
dip em UT) para em UT) para 25 ininterrupta ou bateria.
IEC 61000-4-11
25 ciclos ciclos

<5 % UT (>95 % <5 % UT (>95 %


dip em UT) por 5 dip em UT) por 5
segundos segundos

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 199

Diretrizes e declaração do fabricante – imunidade eletromagnética

O i X5 é destinado para uso em ambiente eletromagnético especificado abaixo. O cliente ou o


usuário do i X5 deveria garantir que ele seja utilizado em tal ambiente.

Nível de Ensaio
Ensaio de Nível de Ambiente eletromagnético -
da ABNT NBR IEC
Imunidade Conformidade diretrizes
60601
Equipamentos de comunicação de RF
portátil e móvel não devem ser usados
próximos a qualquer parte do i X5,
incluindo cabos, com distância de
separação menor que a recomendada,
calculada à partir da equação aplicável à
frequência do transmissor.
Distância de Separação Recomendada
RF Conduzida 10 Vrms 10 Vrms d = 1,2 P
IEC 61000-4-6 150 kHz até 80 MHz
nas bandasa ISM

RF Radiada 10 V/m
IEC 61000-4-3 80 MHz até 2,5 GHz 10 V/m d = 1,2 P 80 MHz até 800 MHz
d = 2,3 P 800 MHz até 2,5 GHz
onde P é a potência máxima nominal de
saída do transmissor em watts (W), de
acordo com o fabricante do transmissor, e
d é a distância de separação recomendada
em metros (m)b.
Recomenda-se que a intensidade de
campo a partir de transmissor de RF, como
determinada por meio de inspeção
eletromagnética no localc, seja menor que
o nível de conformidade em cada faixa de
frequênciad.
Pode ocorrer interferência nas
proximidades do equipamento marcado
com o seguinte símbolo:

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
200 13.Especificações Técnicas

NOTA 1 Em 80 MHz e 800 MHz, aplica-se a faixa de frequência mais alta.

NOTA 2 Estas diretrizes podem não ser aplicáveis em todas as situações. A propagação
eletromagnética é afetada pela absorção e reflexão de estruturas, objetos e pessoas.

a As bandas ISM (industrial, médica e científica) entre 150 kHz e 80 MHz são 6,765
MHz até 6,795 MHz; 13,553 MHz até 13,567 MHz; 26,957 MHz até 27,283 MHz; e 40,66 MHz
até 40,70 MHz.

b Os níveis de conformidade nas bandas de frequência ISM entre 150 kHZ e 80 MHz e
na faixa de frequência entre 80 MHz até 2,5 GHz tem a intenção de reduzir a probabilidade dos
equipamentos de comunicações móveis e portáteis causarem interferência se forem trazidos
inadvertidamente ao ambiente do paciente. Por essa razão, um fator adicional de 10/3 é
usado no cálculo de distância de separação recomendada para transmissores nessas faixas de
frequência.

c As intensidades de campo estabelecidas pelos transmissores fixos, tais como


estações rádio base, telefone (celular/ sem fio) rádios móveis terrestres, rádio amador,
transmissão rádio AM e FM e transmissão de TV não podem ser previstos teoricamente com
exatidão. Para avaliar o ambiente eletromagnético devido a transmissores de RF fixos;
recomenda-se considerar uma inspeção eletromagnética do local. Se a medida da intensidade
de campo no local em que o i X5 é usado excede o nível de conformidade de RF aplicável
acima, recomenda-se observar o i X5 para verificar se a operação está Normal. Se um
desempenho anormal for observado, procedimentos adicionais podem ser necessários, tais
como a reorientação ou recolocação do i X5.

d Acima da faixa de frequência de 150 kHz até 80 MHz, recomenda-se que a


intensidade do campo seja menor que 3 V/m.

i X5 Manual de Operação
Intermed Código 806.00474 – Revisão 001
13, Especificações Técnicas 201

Distâncias de separação recomendadas entre equipamentos de comunicação de RF


móveis e portáteis e o i X5

O i X5 é destinado para utilização em um ambiente eletromagnético no qual as perturbações


de RF são controladas. O cliente ou o usuário do i X5 pode ajudar a prevenir interferência
eletromagnética mantendo uma distância mínima entre equipamentos de comunicação de
RF (transmissores) móveis e portáteis e o i X5 como recomendado abaixo, de acordo com a
máxima potência de saída do equipamento de comunicação.

Distância de separação [m] de acordo com a frequência do transmissor


Potência
máxima de 150 kHz até 80 150 kHz até 80
saída do 80 MHz até 800 800 MHz até 2,5
MHz fora das MHz nas bandas
transmissor MHz GHz
bandas ISM ISM
[W]
d = 1,2 P d = 2,3 P
d = 1,2 P d = 1,2 P

0,01 0,12 0,12 0,12 0,23


0,1 0,38 0,38 0,38 0,73
1 1,2 1,2 1,2 2,3
10 3,8 3,8 3,8 7,3
100 12 12 12 23
Para transmissores com uma potência máxima nominal de saída não listada acima, a
distância de separação recomendada d em metros (m) pode ser determinada utilizando-se a
equação aplicável à frequência do transmissor, onde P é a potência máxima nominal de saída
do transmissor em watts (W), de acordo com o fabricante do transmissor.

NOTA 1 Em 80 MHz e 800 MHz, aplica-se a distância de separação para a faixa de


frequência mais alta.

NOTA 2 As bandas ISM (industrial, médica e científica) entre 150 kHz e 80 MHz são 6,765
MHz até 6,795 MHz; 13,553 MHz até 13,567 MHz; 26,957 MHz até 27,283 MHz; e 40,66 MHz
até 40,70 MHz.

NOTA 3 Um fator adicional de 10/3 é utilizado no cálculo da distância de separação


recomendada para transmissores nas bandas ISM entre 150 kHz e 80 MHz e na faixa de
frequência de 80 MHz a 2,5 GHz para diminuir a probabilidade de equipamentos de
comunicação móveis/ portáteis causarem interferência, se forem inadvertidamente trazidos
para áreas de pacientes.

NOTA 4 Estas diretrizes podem não se aplicar a todas as situações. A propagação


eletromagnética é afetada pela absorção e reflexão de estruturas, objetos e pessoas.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
Termo de Garantia 203

Termo de Garantia

Os produtos da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. são garantidos contra defeitos
de material e fabricação e atendem às características publicadas. A garantia e assistência
técnica são asseguradas pela Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. e seu Serviço
Autorizado em todo o território nacional e nos países onde exista Serviço Autorizado
instituído.

A responsabilidade pela garantia é limitada à troca, reparo e mão de obra, a critério do


fabricante, para as partes que apresentem defeito ou não atendam às características
publicadas durante o período de garantia.

A garantia não cobre defeitos causados por acidente, uso inadequado, condições de uso,
instalação ou esterilização inadequadas, serviço, instalação, operação ou alteração realizada
por pessoal não autorizado ou desqualificado.

O equipamento apresenta LACRES de segurança nos parafusos de fechamento. O rompimento


desses lacres por pessoal não autorizado resultará na perda de GARANTIA do equipamento.

Peça sujeita o desgaste ou deterioração normal pelo uso, condições de uso adversas, uso
inadvertido ou acidentes não são cobertas pela GARANTIA.

O período de garantia estabelecido é de 12 meses para o equipamento, 180 dias para a


bateria e 60 dias para os acessórios, desde que mantidas suas características originais,
contados a partir da data de entrega do equipamento ou conforme condições contratuais
específicas que tenham sido acordadas.

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
Anexo A: Esquema Pneumático 205

Anexo A: Esquema Pneumático

Manual de Operação i X5
Código 806.00474 – Revisão 001 Intermed
Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda.
Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda.
CNPJ: 49.520.521/0001-69 – I.E.: 278.082.665-115
Rua Santa Mônica, 980 – Parque Industrial San José
Cotia / SP – Brasil
Tel: +55 (11) 4615-9300 / Fax: +55 (11) 4615-9310
website: www.intermed.com.br
e-mail: contato@intermed.com.br

DISTRIBUIDOR
CEARÁ / PIAUÍ / MARANHÃO

comercial@suportehospitalar.com.br
www.suportehospitalar.com.br