Você está na página 1de 51

SISTEMA ESQUELÉTICO

Prof.ª Ft. Juliana Ap. Rosa Pfister


INTRODUÇÃO
 Um osso é um órgão composto de diversos tecidos
diferentes funcionando em conjunto: tecido ósseo,
cartilagem, tecido conjuntivo, epitélio, tecido adiposo
e tecido nervoso.
 O sistema esquelético compreende um conjunto de
ossos e cartilagens que se interligam para formar o
arcabouço do corpo e desempenhar várias funções.
 Os ossos são definidos como peças rígidas, de
número, coloração e formas variáveis.
 O estudo da estrutura óssea e o tratamento dos
distúrbios ósseos é chamado de osteologia.
INTRODUÇÃO
 O esqueleto humano adulto consiste em
206 ossos específicos; a maioria deles é
dupla, com um membro de cada par no lado
direito do corpo e o outro no esquerdo.
 Os esqueletos de recém-nascidos e crianças
têm mais de 206 ossos, porque alguns dos
ossos se fundem no decorrer da vida.
Exemplo: ossos do quadril (ísquio, púbis e
ílio) – se soldam para formar um osso único
no adulto.
INTRODUÇÃO

1 – Cóccix
2- Ílio
3- Ísquio
4- Pube
FUNÇÕES DOS OSSOS E DO
SISTEMA ESQUELÉTICO
 SUPORTE E SUSTENTAÇÃO: O
esqueleto é o arcabouço estrutural do corpo,
sustentando os tecidos moles e fornecendo
pontos de fixação para os tendões da maioria
dos músculos esqueléticos.
 PROTEÇÃO: O esqueleto protege os órgãos
internos mais importantes contra lesões. Por
exemplo, os ossos do crânio protegem o
encéfalo, a coluna vertebral protege a medula
espinhal e a caixa torácica protege o coração.
FUNÇÕES DOS OSSOS E DO
SISTEMA ESQUELÉTICO
FUNÇÕES DOS OSSOS E DO
SISTEMA ESQUELÉTICO
 SISTEMA DE ALAVANCAS
(assistência ao movimento): A maioria
dos músculos esqueléticos se fixa aos ossos;
quando os músculos se contraem, tracionam
os ossos para produzir movimento.
 ARMAZENAMENTO MINERAL: O
tecido ósseo armazena diversos minerais,
especialmente cálcio e fósforo, que
contribuem para a resistência dos ossos.
FUNÇÕES DOS OSSOS E DO
SISTEMA ESQUELÉTICO
 PRODUÇÃO DE CÉLULAS DO SANGUE:
No interior de determinados ossos (quadril, costelas,
esterno, vértebras, crânio e extremidades do úmero
e do fêmur), um tecido conjuntivo chamado medula
óssea vermelha produz eritrócitos, leucócitos e
plaquetas (células de defesa do sangue) num
processo chamado hematopoese. Com o aumento da
idade, grande parte da medula óssea se transforma
em medula óssea amarela, composta por
adipócitos que armazenam triglicerídeos (reservas
potenciais de energia química).
FUNÇÕES DOS OSSOS E DO
SISTEMA ESQUELÉTICO
DIVISÃO DO ESQUELETO
O esqueleto pode ser dividido em duas
grandes porções:
• Uma mediana, formando o eixo do corpo e
composta pelos ossos da cabeça, pescoço e
tronco (tórax e abdome), denominada de
esqueleto axial, e composto por 80 ossos.
• Outra, composta por 126 ossos que formam
os membros superiores e inferiores,
denominada de esqueleto apendicular.
ESQUELETO AXIAL
ESQUELETO APENDICULAR
DIVISÃO DO ESQUELETO
A união entre os esqueletos axial e
apendicular se faz por meio de cíngulos (ou
cinturas) dos membros:
 ESCAPULAR (ou torácica): constituída
pela escápula e clavícula, une o membro
superior ao tronco.
 PÉLVICA: constituída pelos ossos do
quadril, une o membro inferior ao tronco.
CÍNGULO DO MEMBRO SUPERIOR
OU CINTURA ESCAPULAR
CÍNGULO DO MEMBRO INFERIOR
OU CINTURA PÉLVICA
CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS

 Os 206 ossos individuais, em um esqueleto


adulto, estão disponíveis em uma variedade
de formatos e tamanhos, e podem ser
classificados em: ossos longos, ossos
curtos, ossos planos (chatos ou
laminares), ossos irregulares, ossos
pneumáticos e ossos sesamóides.
OSSO LONGO
 Possui maior comprimento do que largura ou espessura. Apresenta
duas extremidades, denominadas epífises; e um corpo, denominado
diáfise, que possui em seu interior uma cavidade denominada de
canal medular, que aloja a medula óssea.
 Os ossos longos são ligeiramente encurvados para obter resistência,
absorvendo estresse do peso do corpo e distribuindo-o igualmente.
 Exemplos de ossos longos: úmero, ulna e rádio (membros
superiores); fêmur, tíbia e fíbula (membros inferiores); metacarpos e
falanges (dedos das mãos) e metatarsos e falanges (dedos dos pés).
OSSO CURTO
 São relativamente cubóides e têm comprimento, largura e altura
quase iguais.
 Exemplos: ossos do carpo (mão) e do tarso (pé).
OSSOS PLANOS (OU LAMINARES)
 São ossos que apresentam comprimento e largura equivalentes,
predominando sobre a espessura.
 Os ossos planos proporcionam considerável proteção e fornecem
áreas extensas para a fixação dos músculos.
 Exemplos: ossos do crânio (parietal, frontal, occipital etc.) que
protegem o encéfalo; o esterno e as costelas, que protegem os
órgãos situados no tórax; as escápulas e o osso do quadril.
OSSOS IRREGULARES
 Possuem formas complexas, que não se encontra correspondência
em formas geométricas conhecidas.
 Exemplos: vértebras, determinados ossos da face (osso temporal, por
exemplo) e o calcâneo.
Osso temporal

Vértebra
OSSO PNEUMÁTICO
 Apresenta uma ou mais cavidades, de volume variável, revestidas
de mucosa e contendo ar. Estas cavidades recebem o nome de
sinus ou seio.
 Os ossos pneumáticos estão situados no crânio: frontal, maxilar,
temporal, etmóide e esfenóide.
OSSOS SESAMÓIDES
 Desenvolvem-se em determinados tendões, nos quais há
considerável atrito, compressão e estresse físico.
 A patela é um exemplo típico de osso sesamóide.
 Também existem vários ossos sesamóides na “palma” da mão, nas
bases dos dedos, cujo número varia aleatoriamente.
ANATOMIA DO OSSO
 DIÁFISE: é o corpo do osso, a parte principal cilíndrica do
osso (osso longo)
 EPÍFISE: é a extremidade do osso longo. São duas epífises, a
distal e a proximal.
 METÁFISE: são as regiões entre a diáfise e a epífise. Em um
osso em crescimento, cada metáfise contém uma lâmina
epifisal ou cartilagem epifisal, que é uma camada de
cartilagem hialina que permite o crescimento longitudinal da
diáfise do osso. Quando o crescimento ósseo cessa (entre
os 18 e 21 anos de idade), essa cartilagem epifisal é
substituída por osso e a estrutura óssea resultante é
denominada linha epifisal.
ANATOMIA DO OSSO
ANATOMIA DO OSSO
 CARTILAGEM ARTICULAR: é uma fina camada de cartilagem
hialina que recobre a parte da epífise na qual o osso forma uma
articulação com outro osso. A cartilagem articular reduz o atrito
e absorve choques em articulações muito móveis.
ANATOMIA DO OSSO
 PERIÓSTEO: é uma membrana de tecido conjuntivo resistente
que reveste o osso. Tem por função proteger o osso, auxiliar no
reparo de fraturas, ajudar na nutrição do tecido ósseo (através de
suas artérias que penetram no osso, irrigando-o e distribuindo-se
na medula óssea) e atuar como um ponto de fixação para
ligamentos e tendões.
ANATOMIA DO OSSO
 CAVIDADE MEDULAR ou CANAL MEDULAR: é um
espaço cilíndrico oco no interior da diáfise contendo a
medula óssea.
ANATOMIA DO OSSO
 MEDULA ÓSSEA: é um tecido conjuntivo que preenche a
cavidade interna de vários ossos e produz, principalmente células
ósseas e sanguíneas (hemácias, plaquetas, leucócitos, eritrócitos).
Ao nascermos todos os nossos ossos contêm medula capaz de
produzir sangue, sendo denominada de medula óssea
vermelha. Com a passagem dos anos, a maior parte da medula
vai perdendo sua função, sendo substituída por tecido gorduroso,
que passa a se chamada de medula amarela. Entretanto, alguns
ossos adultos continuam exercendo a função da medula óssea
vermelha: as costelas, o corpo das vértebras, as partes esponjosas
de alguns ossos curtos e das extremidades dos ossos longos dos
MMSS e MMII, assim como o interior dos ossos do crânio e do
esterno. Os outros ossos do esqueleto do adulto possuem medula
amarela e, portanto, em condições normais, são incapazes de
produzir sangue, a não ser por uma necessidade maior (no caso
de uma anemia, por exemplo).
ANATOMIA DO OSSO – MEDULA
ÓSSEA
TECIDO ÓSSEO
 O tecido ósseo é um tecido conjuntivo formado por água,
fibras colágenas (que dão resistência à tração) e sais minerais
(que dão rigidez ao osso), sendo o mais abundante deles o
fosfato de cálcio. Essas substâncias formam a matriz óssea.
 As principais células do tecido ósseo incluem:
- Osteoblastos: são as células formadoras de osso, que
sintetizam e produzem fibras colágenas.
- Osteócitos: são células ósseas maduras, as principais células
no tecido ósseo, que mantêm seu metabolismo diário, como a
troca de nutrientes e resíduos com o sangue.
- Osteoclastos: são células responsáveis pela remodelação
óssea que ocorre ao longo do crescimento de um osso ou em
condições que favoreçam a reabsorção óssea, como a
osteoporose ou a remodelação de uma região de fratura.
CÉLULAS DO TECIDO ÓSSEO

OSTEOBLASTO
OSTEOCLASTO
OSTEÓCITO
TIPOS DE SUBSTÂNCIAS ÓSSEAS

Observando-se a olho nu a superfície de


um osso serrado, verifica-se que há partes
sem cavidades visíveis (osso compacto ou
denso) e partes com muitas cavidades
intercomunicantes (osso esponjoso ou
reticulado). Os dois tipos possuem a
mesma constituição óssea e os mesmos
tipos de células, mudando apenas entre si
a disposição de seus elementos e a
quantidade de espaços medulares. As
substâncias ósseas esponjosa e compacta
aparecem juntas na maioria dos ossos.
TIPOS DE SUBSTÂNCIAS ÓSSEAS
 SUBSTÂNCIA ÓSSEA COMPACTA: as lamínulas do tecido
ósseo encontram-se fortemente unidas umas às outras,
apresentando pouquíssimo espaço medular. Por essa razão, este
tipo é mais denso e rígido. Apresentam, entretanto, um conjunto
de canais por onde percorrem nervos e vasos sanguíneos. A
substância óssea compacta forma a parte principal das diáfises dos
ossos longos, fornecendo proteção e suporte, o que resiste às
forças produzidas por peso e movimento,
TIPOS DE SUBSTÂNCIAS ÓSSEAS
 SUBSTÂNCIA ÓSSEA ESPONJOSA: as lamínulas de tecido ósseo
encontram-se mais irregulares em forma e tamanho, se arranjando de forma a
deixar entre si espaços medulares ou lacunas, formando trabéculas, que dão um
aspecto poroso ao tecido. O tecido esponjoso é de menor peso, protegido por
uma cobertura de substância compacta. As trabéculas que são formadas são
preenchidas com a medula óssea. O tecido ósseo esponjoso é encontrado na
parte interna da diáfise e nas epífises dos ossos longos, e constitui a maior parte
do interior dos ossos curtos, planos, sesamóides e irregulares. Por ser leve, o
tecido ósseo esponjoso permite resposta mais imediata quando tracionado por
um músculo esquelético. Esse tecido também sustenta e protege a medula óssea
vermelha, através de suas trabéculas.
NOMENCLATURA ÓSSEA
ESQUELETO APENDICULAR
MEMBROS SUPERIORES
 Cíngulo do Membro Superior: clavícula e
escápula.
MEMBROS SUPERIORES
 Braço: Úmero
MEMBROS SUPERIORES
 Antebraço: rádio (lateral) e ulna (medial).
MEMBROS SUPERIORES
 Mão: carpo, metacarpo e falanges.
MEMBROS INFERIORES
 Cíngulo do membro inferior: ílio, ísquio e
púbis (quadril).
MEMBROS INFERIORES
 Coxa: fêmur e patela.
MEMBROS INFERIORES
 Perna: tíbia e fíbula.
MEMBROS INFERIORES
 Pé: tarso, metatarso e falanges; tálus e calcâneo.
NOMENCLATURA ÓSSEA
ESQUELETO AXIAL
TÓRAX
 Esterno: manúbrio, corpo e processo xifóide.
TÓRAX
 Costelas: 12 pares (7 verdadeiras, 3 falsas e 2
flutuantes)
COLUNA VERTEBRAL
 Composta por 33
vértebras divididas em:
- 7 cervicais (C1-C7)
- 12 torácicas (T1-T12)
- 5 lombares (L1-L5)
- Sacro (4-5 vértebras
sacrais fundidas)
- Cóccix (3-4 vértebras
fundidas)
COLUNA VERTEBRAL
OSSOS DA CABEÇA
 Crânio: frontal, parietal, occipital, temporal,
esfenóide, etmóide.
OSSOS DA CABEÇA
 Face: nasal, conchas nasais, vômer, maxila,
palatino, zigomático, mandíbula, lacrimal.
BIBLIOGRAFIA DA AULA

 DÂNGELO, J. G.; FATTINI, C. A. Anatomia


Humana Sistêmica e Segmentar. 2. ed. São
Paulo: Atheneu, 2002. 671 p.
 TORTORA, G.J.; NIELSEN, M.T. Princípios de
Anatomia Humana. 12. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2013. 1092 p.