Você está na página 1de 6

Segundo Machava (2011), "A comunicação é uma troca de informações simbólicas que

se realiza entre pessoas onde as informações são dadas, recebidas e interpretadas onde
por sua vez algumas são conscientemente e outras inconscientemente, (p. 1) ".

Segundo Morais (1992), A Subjetividade é a qualidade do que é subjetivo, indicando


uma relação essencial ao sujeito. Portanto daí a sua contraposição à objetividade. Trata-
se da propriedade constitutiva do fenômeno psíquico do sujeito Auto-consciente e
pensante, que só pode ser experimentado por ele. Caracteriza pois, a interioridade da
pessoa, o seu caráter de individualidade irredutível a qualquer conceito geral (p.132).

De acordo com Calich (2005), Para entendermos um pouco mais sobre a subjetividade,
entretanto fala do mundo externo e interno, ao fazermos referências sobre estes dois
mundos, estamos definindo a existência de dois espaços. Um espaço dentro do
psiquismo e outro fora do psiquismo. Estes espaços são os âmbitos, os cenários em que
acontecem transações e ações entre seus elementos e objectos.

Portanto, não fugindo a ideia do autor citado a cima, o autor tenta nos explica que no
espaço externo estão todos os seres vivos e os objetos materiais, onde ocorrem as ações
objetivas. Estas propriedades e ações podem ser identificadas por meio dos nossos
órgãos dos sentidos ou de suas extensões. E no espaço interno do psiquismo
construímos os elementos mentais que interpretam nossas experiências e o mundo que
nos cerca, os objetos internos. Eles são frutos de nossos movimentos psíquicos de
transformação. Portanto o mundo interno procura integrar quatro elementos:

1. Estímulos biológicos;
2. Estímulos culturais;
3. Apreensão da realidade;
4. A história subjetiva do sujeito.

Oratória

Segundo Miranda (2005), A oratória é o poder de falar em público, seu objetivo é saber
convencer qualquer pessoa sobre qualquer assunto, por exemplo, a venda de uma caneta
sem tinta, uma ideia absurda, pois pela ótica da maioria das pessoas ela não tem
utilidade, quando alguém que domina a oratória vende o produto, ela cria outra visão
sobre a caneta, achando a utilidade e mostrando a importância dele para sua vida. (p. 32)
Falar em público pode ser um grande problema para muitos, alguns por timidez, outros
por insegurança, enfim, existem vários motivos que “travam” as pessoas na hora de
transmitir alguma mensagem para um determinado público. Na atual situação em que
vivemos, saber se comunicar de forma correta é fundamental para qualquer área de
nossa vida, principalmente no campo profissional.

Antes de falar em público, a pessoa que for se apresentar, deve se preparar, seguir
alguns passos, fazer alguns macetes, para não errar e passar confiança na hora de falar,
conhecer o público, entender bem sobre o assunto, usar materiais que acrescentem na
apresentação, são algumas medidas que devem ser tomadas para passar confiança, além
de uma mensagem clara e objetiva ao público.

Uma pessoa que domina a oratória consegue a atenção de seu público o tempo todo e
essa característica é cada vez mais cobrada, saber se comunicar independente dos
recursos, faz uma enorme diferença na vida de qualquer pessoa.

Segundo Miranda (2005), refere que as principais dicas para a arte de falar em público
são:

1) Antes de tudo, prepare-se

A primeira dica que vai deixar você mais seguro na hora de falar em público é, sem
sombra de dúvidas, ter o domínio sobre o assunto abordado. Não existe aflição mais
dramática que não conhecer as profundezas do conteúdo. Lembre-se de que a plateia
está interessada na informação. Por isso, estude a matéria, pesquise outras fontes, use o
senso crítico para analisar argumentos, fazer comparações. Sempre que for permitido,
mostre o seu ponto de vista para dar aquele toque pessoal.

2) Planeje o seu discurso

Planeje a cronologia do seu discurso e monte um organograma para fixar melhor a


passagem dos temas. Em ambos os casos é preciso que o diálogo tenha uma conexão
com o assunto. Caso contrário, as pessoas não irão entender o que uma coisa tem a ver
com outra.

3) Pratique técnicas de oratória antes de entrar em cena


Outra forma de se preparar para o dia é treinar em casa, de preferência com um
gravador de voz ligado. Essa prática é muito útil por diversos motivos: facilita o
exercício, permite a avaliação do próprio desempenho e ajuda você a administrar o
tempo determinado da apresentação. Como diz o ditado “Cautela e canja de galinha não
fazem mal a ninguém”.

4) Faça pausas, mas não abuse do silêncio

A pausa pode ser motivada por uma necessidade ou como forma de estratégia. No
primeiro caso, vamos supor que você começou a falar e percebeu que a sua voz está
trêmula. Se isso acontecer, pare um instante, beba um gole de água e continue
naturalmente.

No segundo a pausa é usada propositalmente. Por exemplo: no final de uma frase para
que o público reflita sobre o assunto, depois de uma pergunta retórica, enfim. Por meio
dela, é possível gerar expectativas sobre o que virá a seguir. Mas use com moderação
para o silêncio não ser interpretado como falta de experiência.

5) Mantenha uma postura correta

Nada de pernas ou braços cruzados, hein? A linguagem corporal é reveladora, pois pode
indicar uma série de emoções, como: descontentamento, raiva, desinteresse, pressa e por
aí vai. Portanto, muito cuidado com a sua postura. Se não sabe o que fazer com as mãos,
segure um marcador ou o laser da apresentação. Assim, sempre que precisar destacar
algo, aponte para o quadro. Mantenha a coluna sempre ereta e não esqueça de fazer
contato visual. Olhar para as pessoas transmite confiança.

6) Capriche no visual para arrasar

Escolha roupas e penteados discretos e apropriados para falar em público. Não se


esqueça de que você será o centro das atenções. Por isso, se vista de um jeito que se
sinta bem, mas de acordo com a ocasião.

Evite calças ou saias muito justas, pois esse tipo de peça atrapalha os movimentos e
pode prejudicar a sua espontaneidade. Use algo que permita andar e gesticular com
facilidade. Se optar por usar acessórios, evite peças que façam barulho.

7) Use a criatividade para encantar a plateia


Se você tem um bom conteúdo para mostrar, com certezas elas irão assimilar melhor as
informações com ajuda de alguns recursos, como: slides, fotos, vídeos, músicas,
dinâmicas etc. Mas é bom tomar alguns cuidados. Evite efeitos sonoros durante a troca
de slide ou fundos musicais. Se for necessário apresentar dados numéricos, dê
preferência a gráficos para facilitar a visualização e compreensão.

8) Chegue ao local do evento com antecedência

É sempre bom chegar cedo para conferir a instalação dos equipamentos, fazer testes e se
concentrar no discurso. Muitos oradores que não tomam esse cuidado são surpreendidos
com falhas no microfone, arquivos corrompidos ou outros problemas que atrasam a
palestra.

Para quem está esperando isso é muito frustrante. Então, não seja como eles. Programe-
se para deixar tudo preparado antes de começar. O fato de saber que está tudo
funcionando bem vai fazer com que você se sinta mais confiante e preparado para o que
vem a seguir.

Sugestões de fazer uma boa apresentação.

Segundo Carnegie (2013), “refere que as sugestões de fazer uma boa apresentação”
(p.78). São:

a) Falar com confiança e convicção:


b) Preparar um discurso quando tema não é familiar: portanto quando estiver a
preparar esse tipo de comunicação, inicie o fim em mente a acção que quer que
os seus ouvintes e trabalha para esse ponto, depois quando fazer a apresentação
procure um exemplo ou episodio, que chame a atenção e prepare o terreno para
atingir acção desejada.
c) Faca notas breves e as coisas interessantes que quer mencionar: não escreva os
discursos, porque se o fizer ira utilizar uma linguagem inscrita em vez de uma
linguagem de conversa e fácil.
d) Nunca tente memorizar um discurso palavra por palavra: portanto se tentar
memorizar um discurso, de certeza ira se esquecer dele e audiência prefere que
não o faca porque não quer ouvir um discurso gravado.
e) Torne uma autoridade no tema: entretanto, desenvolva aquele activo precioso
conhecido como poder reservado.
f) Pratique o seu discurso com amigos: tente falar sobre o tema na conversa para
conseguir o ponto de vista dos outros.
g) Os gestos estimulam e inspiram o orador: os gestos despertam-nos relaxam-nos
e tornam-nos mais descontraídos.
h) Melhore a articulação: entretanto para puder melhorar a articulação é necessário
ter consciência e ouvir cuidadosamente a gravação do nosso discurso.
i) O tom de voz é fundamental: quem fala num tom monocórdico dificilmente
mantem a atenção dos seus ouvintes.
j) Escolha a velocidade adequada: entretanto se queremos transmitir urgência e
entusiasmo, o melhor será aumentar o volume ou a velocidade da voz.
k) Controle volume da sua voz: aumentar diminuir o volume da voz numa
mensagem conversada é o equivalente acrescentar o itálico num texto inscrito.
l) Dê os ouvintes um conhecimento sincero: nunca fale para um grupo sem saber o
mais que possa sobre o mesmo. Sempre que possível mencione os nomes dos
ouvintes, o nome de uma pessoa é mais doce em qualquer língua.
m) Adote uma postura de humilde diga a nos e não vocês: entretanto não fale com
um rosto franzido e uma voz de reprovação.
n) Diverte-se enquanto esta a fazer o discurso: não peca desculpa.
o) Receba bem as críticas em vez de estar ressentido.
p) Utilize imagens visuais: pode melhorar a nossa apresentação, mais também
introduz potências barreiras que deve ser ultrapassadas. Exemplos: gráficos,
vídeos, slides, quadros brancos.
q) Retirar o melhor de uma discussão: é evitar e não discutir.
r) Conhecer bem o assunto: saber bem aquilo que pretende passar para as pessoas é
fundamental para quem precisa falar em público. Estude bastante para relembrar
o tema e os tópicos da exposição.
s) Estar preparado: elabore uma apresentação organizada e clara. É importante
treinar antes com o espelho ou com a ajuda de pessoas próximas.
t) Procurar agir com naturalidade: é preciso ser espontâneo para garantir
credibilidade. Utilizar frases prontas pode fazer o público duvidar da capacidade
de quem fala.
u) Não confiar na memória: anotar algumas palavras-chave que possam ajudar se a
memória falhar.
v) Conhecer o público: descobrir o perfil do público e utilizar uma linguagem
adequada é o mais indicado, como também procurar saber o que a plateia que
vai estar presente.
w) Treinar respostas: portanto, temos que estar preparado para responder as
perguntas que o público possa vir a fazer.
x) Tomar cuidado para não transmitir nervosismo no seu rosto, nas mãos e nos pés:
É facilmente notado quando uma pessoa está à vontade ou não através de
pequenos sinais que demonstra.
y) Por fim termine a apresentação fazendo uma síntese, apelando os motivos
nobres, colocar um desafio, dramatizar as suas ideias, repetir a ideia mais
importante, utilizar frases de motivação.
Deste modo para se saber expor suas ideias para outras pessoas é uma habilidade
essencial para aqueles que querem se desenvolver na vida pessoal e profissional.
Dominar as técnicas para uma boa apresentação em público não é uma tarefa fácil e
mesmo os profissionais mais competentes podem falhar ao praticar esta atividade. Para
ajudar as pessoas que querem melhorar a habilidade de falar em público, foram criados
os cursos de oratória. Estes cursos ensinam as técnicas essenciais para uma boa
apresentação.

‘’Meus amigos quanto menos souberem sobre mim, mais gostaram de mim’’

Lincoln

Referencias Bibliográficas:

Carnegie Dale (2013). Comunicar com Sucesso. Lisboa: Portugal. Lmw group: Editora.

Machava, P.A (2011). GRH e Psicologia de Trabalho e das Organizações. Nampula:


Moçambique, M.A: Editora.

Você também pode gostar